Cálculo das quotas do seguro coletivo.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cálculo das quotas do seguro coletivo."

Transcrição

1 Cálculo das quotas do seguro coletivo. Para explicar o cálculo das quotas de seguro a liquidar por frações que participem do seguro coletivo vamos utilizar como exemplo um condomínio com 10 frações, com a seguinte distribuição de permilagens e participações no seguro coletivo: Fração Seguro coletivo A 110 Não B 130 Sim C 110 Sim D 130 Sim E 180 Sim F 180 Sim G 80 Não H 50 Não I 20 Sim J 10 Sim 1000 Existe um seguro coletivo do prédio, sendo o valor total de reconstrução de As frações A, G e H não participam pois tem seguros individuais. A fração C participa no seguro coletivo, mas é obrigada, devido ao empréstimo à habitação, a um valor mínimo de Deveremos indicar nas respetivas fichas que as frações A, G e H não participam do seguro coletivo pois têm seguros individuais e que a fração C é obrigada a um valor mínimo de (usando o campo Cap. Facultativo). Definição de seguro individual 1

2 Definição de capital facultativo A configuração do seguro coletivo implica 3 fases: 1 Definição do custo de reconstrução. Definimos aqui o custo de reconstrução (capital total do condomínio) e a data em que foi atualizado. 2 Dados da apólice. O campo relativo ao capital do seguro coletivo será preenchido automaticamente pela aplicação posteriormente, levando em consideração que frações participam no seguro coletivo e a existência de capitais facultativos. Veremos esse ponto mais adiante. 2

3 3 Periodicidade de cobrança e pagamento. A periodicidade de cobrança define os meses em que será feita a cobrança das quotas de seguro aos condóminos que participem do seguro coletivo. Ao ser efetuado o processamento periódico de cada um desses meses será lançada a respetiva quota. A periodicidade de pagamento regista os meses em que o prémio do seguro deve ser pago à Companhia; atualmente é meramente informativo. Após o preenchimento da informação seguindo esses três passos o utilizador deverá usar o botão Calcular. Essa operação calculará os prémios a atribuir a cada fração e atualizará o valor do capital do seguro coletivo. O resultado será apresentado numa grelha, conforme a seguinte: Distribuição dos prémios de seguro 3

4 Vejamos então como é feito esse cálculo. Em primeiro lugar é necessário verificar qual o capital a considerar para cada fração. As frações que têm seguro individual não serão consideradas. O capital de uma fração que participe do seguro coletivo é calculado em função da sua permilagem aplicada ao custo de reconstrução (capital total) do condomínio. e, portanto, Capital total do condomínio = Capital da fração = Capital total do condomínio X Permilagem da fracção Permilagem total do condomínio Permilagem da fracção Permilagem total do condomínio Por exemplo, no caso da fração B, Capital da fração B = X = Se a fração tiver um capital facultativo definido esse capital terá precedência sobre o capital calculado. Assim, por exemplo, o cálculo da fração C daria Capital da fração C = X = mas a definição, na ficha da fração C, de um capital facultativo de faz com que esse valor facultativo seja utilizado. O resumo do cálculo para todas as frações encontra-se no quadro seguinte: Fração Seguro coletivo Capital obrigatório Capital facultativo Valor a considerar (capital da fração) A 110 Não X 110 / 1000 = B 130 Sim X 130 / 1000= C 110 Sim X 110 / 1000= D 130 Sim X 130 / 1000 = E 180 Sim X 180 / 1000 = F 180 Sim X 180 / 1000 = G 80 Não X 80 / 1000 = H 50 Não X 50 / 1000 = I 20 Sim X 20 / 1000 = J 10 Sim X 10 / 1000 =

5 A soma dos valores dos capitais a considerar para as frações fornecerá o capital do seguro coletivo: O cálculo do prémio é efetuado por uma regra de três simples da seguinte maneira: ou seja, Prémio da fracção Prémio a pagar Prémio da fracção = Prémio a pagar x = Capital real do condomínio Capital real do condomínio Os prémios serão então calculados da seguinte maneira: Fração Seguro coletivo Capital Prémio A 110 Não - 0 B 130 Sim X ( / ) = 162,50 C 110 Sim X ( / ) = 187,50 D 130 Sim X ( / ) = 162,50 E 180 Sim X ( / ) = 225,00 F 180 Sim X ( / ) = 225,00 G 80 Não - 0 H 50 Não - 0 I 20 Sim X ( / ) = 25,00 J 10 Sim X ( / ) = 12,

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio.

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. PLATAFORMA DE GESTÃO A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. Principais funcionalidades Possui uma série de funcionalidades

Leia mais

PONTOS/TALÕES DE DESCONTO

PONTOS/TALÕES DE DESCONTO /TALÕES DE DESCONTO 1. Configuração de pontos... 3 Tipo de Critério... 5... 5 Cabeçalho... 5 Detalhes Artigo... 7 Lista... 7 Individual... 8 Modo de Atribuição... 8 Detalhes Família... 10 Lista... 10 Modo

Leia mais

UTILIZAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE IMPOSTOS, TAXAS OU ENCARGOS PARAFISCAIS (ECOTAXAS)

UTILIZAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE IMPOSTOS, TAXAS OU ENCARGOS PARAFISCAIS (ECOTAXAS) UTILIZAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DE IMPOSTOS, TAXAS OU ENCARGOS PARAFISCAIS (ECOTAXAS) Conteúdo 1. Listagem de Impostos, taxas ou encargos parafiscais... 3 2. Criação de Configuração... 4 3. Fórmula de Cálculo...

Leia mais

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio.

A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. PLATAFORMA DE GESTÃO A uma plataforma online de gestão de condomínios permite gerir de forma fácil e simples a atividade do seu condomínio. Principais funcionalidades Possui uma série de funcionalidades

Leia mais

Como Efetuar o Relatório Único - entrega em 2015?

Como Efetuar o Relatório Único - entrega em 2015? Como Efetuar o Relatório Único - entrega em 2015? A regulamentação do Código do Trabalho criou uma obrigação única a cargo dos empregadores, de prestação anual de informação sobre a atividade social da

Leia mais

VOLUMES E CAIXAS

VOLUMES E CAIXAS Índice 1. Configuração do Artigo... 3 2. Configurar casas decimais... 5 3. Usar o artigo num documento... 6 4. Configurar campos da grelha de artigos de um documento... 8 5. Exemplos... 9 6. Incluir campos

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 45/2012 - (BO N.º 12, 17.12.2012) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II Notas de preenchimento I. Notas gerais para o preenchimento do modelo de ficha de informação

Leia mais

Gestão Pessoal. Alteração do Salário Mínimo Nacional (SMN) Configurar o programa para o novo salário mínimo nacional.

Gestão Pessoal. Alteração do Salário Mínimo Nacional (SMN) Configurar o programa para o novo salário mínimo nacional. Gestão Pessoal Alteração do Salário Mínimo Nacional (SMN) Configurar o programa para o novo salário mínimo nacional. Wincode, 17 Outubro de 2014 Introdução Este manual tem como principal objectivo ajudar

Leia mais

Teoria da partilha equilibrada

Teoria da partilha equilibrada Teoria da partilha equilibrada Competências a desenvolver Aptidão para investigar situações recorrendo à modelação e para elaborar, analisar e descrever modelos; A sensibilidade e disponibilidade para

Leia mais

GERANDO O ARQUIVO HOMOLOGNET DENTRO DO ATHENAS 1º Passo: Após a rescisão de contrato ter sido calculada e efetivada o usuário deverá verificar quais

GERANDO O ARQUIVO HOMOLOGNET DENTRO DO ATHENAS 1º Passo: Após a rescisão de contrato ter sido calculada e efetivada o usuário deverá verificar quais GERANDO O ARQUIVO HOMOLOGNET DENTRO DO ATHENAS 1º Passo: Após a rescisão de contrato ter sido calculada e efetivada o usuário deverá verificar quais as verbas que compõe o seu cálculo, lembrando que deve

Leia mais

COMUNICAÇÃO DO INVENTÁRIO E STOCK SIMPLIFICADO COM POS / REST / DISCO

COMUNICAÇÃO DO INVENTÁRIO E STOCK SIMPLIFICADO COM POS / REST / DISCO COMUNICAÇÃO DO INVENTÁRIO E STOCK SIMPLIFICADO COM POS / REST / DISCO A partir de Janeiro de 2015 todas as empresas com faturação superior a cem mil euros são obrigadas a comunicar o seu Inventário de

Leia mais

Emissão Doc Extra de Condomínio Sami ERP ++

Emissão Doc Extra de Condomínio Sami ERP ++ Emissão Doc Extra de Condomínio Sami ERP ++ 1. Baixa de Parcelas Acesse o Módulo CONDOMÍNIO CÁLCULOS DA EMISSÃO BAIXA DE PARCELAS. Este programa efetua a baixa das parcelas dos eventos lançados nas unidades,

Leia mais

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER

TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER TÓPICOS DE MATEMÁTICA FINANCEIRA PARA O ENSINO MÉDIO - PROF. MARCELO CÓSER 1 PAGAMENTO DE DÍVIDAS Existem mais de uma maneira de se efetuar o pagamento de uma dívida. Ela pode ser toda liquidada em um

Leia mais

Conteúdo. Cheques oferta e carregamento de cartões de cliente (pré-pagos)

Conteúdo. Cheques oferta e carregamento de cartões de cliente (pré-pagos) Conteúdo Introdução...3 POS Tratamento dos cheques oferta...4 Perfil do documento para emissão dos cheques oferta...4 Perfil do documento para regularização dos cheques oferta...4 Configuração do Posto...5

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04

MANUAL DO SISTEMA. Versão 6.04 MANUAL DO SISTEMA Versão 6.04 Considerações Gerais...2 Parâmetros...3 Cadastro de Funcionários...4 Tipo de Venda...6 Cadastro de Margem Mínima de Venda de Veículos...7 Proposta de Venda de Veículo...9

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N o 89, de ANEXO.

RESOLUÇÃO CNSP N o 89, de ANEXO. Fls. 2 da RESOLUÇÃO CNSP N o 89, de 2002. RESOLUÇÃO CNSP N o 89, de 2002 - ANEXO. NORMAS PARA CONSTITUIÇÃO DAS PROVISÕES TÉCNICAS DAS SOCIEDADES SEGURADORAS, ENTIDADES ABERTAS DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I AULA MODELO SOBRE DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO Conceito a) Legislação Societária

Leia mais

TABELA FIXA CÁLCULO DE FOLHA PARA PROFESSORES

TABELA FIXA CÁLCULO DE FOLHA PARA PROFESSORES TABELA FIXA CÁLCULO DE FOLHA PARA PROFESSORES Procedimento para Cálculo de Folha de Professores Através de Tabela Fixa 1º Passo: Em Cadastros\ Genéricos Eventos, devem ser criados todos os eventos de hora

Leia mais

NOTA EXPLICATIVA PLANO DE LIQUIDAÇÃO DE PAGAMENTOS EM ATRASO

NOTA EXPLICATIVA PLANO DE LIQUIDAÇÃO DE PAGAMENTOS EM ATRASO NOTA EXPLICATIVA PLANO DE LIQUIDAÇÃO DE PAGAMENTOS EM ATRASO 1. ENQUADRAMENTO A Lei n.º 22/2015, de 17 de março, procede à 4.ª alteração à Lei n.º 8/2012, de 21 de fevereiro (LCPA), determina que as entidades

Leia mais

Benner RH Processo do 13º Salário

Benner RH Processo do 13º Salário Processo do 13º Salário www.benner.com.br Atualizado em 29/10/2015 Processo do 13º Salário Copyright 2015 Benner Software de Gestão de Negócios Todos os direitos reservados. É proibido qualquer tipo de

Leia mais

Liberação de Atualização

Liberação de Atualização Liberação de Atualização Autônomos Efetuadas diversas alterações e novas implementações nas rotinas de Autônomos. Com estas alterações, será possível criar eventos diversos de vencimento e desconto e lançá-los

Leia mais

Manual de Autoavaliação

Manual de Autoavaliação Índice 1 Objetivo... 3 2 Pré-requisitos e acesso ao sistema... 3 2.1 Pré-requisitos... 3 2.2 Acesso ao sistema... 3 3 Primeiro Passo da Autoavaliação verificar se o avaliador já registou data de aceitação...

Leia mais

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Matemática Financeira

Universidade Cruzeiro do Sul. Campus Virtual Unidade I: Unidade: Matemática Financeira Universidade Cruzeiro do Sul Campus Virtual Unidade I: Unidade: Matemática Financeira 2010 0 Nesta Unidade iremos apresentar alguns conceitos importantes de Matemática Financeira tais como porcentagem,

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DE PEDIDOS DE PAGAMENTOS PROGRAMA APÍCOLA NACIONAL TRIÉNIO

MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DE PEDIDOS DE PAGAMENTOS PROGRAMA APÍCOLA NACIONAL TRIÉNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS DE PEDIDOS DE PAGAMENTOS PROGRAMA APÍCOLA NACIONAL TRIÉNIO 2014-2016 1 1. INTRODUÇÃO 1.1. CONSIDERAÇÕES GERAIS Este manual tem por objetivo ajudar

Leia mais

JUSPODIVM

JUSPODIVM MATERIAL ETRA COMENTÁRIOS DAS QUESTÕES DA PROVA AFRF - 2005 31 - Ana quer vender um apartamento por R$ 400.000,00 à vista ou financiado pelo sistema de juros compostos a taxa de 5% ao semestre. Paulo está

Leia mais

Manual do Visual Practice

Manual do Visual Practice Manual do Visual Practice Cálculo de Rescisão Para efetuar cálculo de rescisão, acessar o menu Cálculos / Folha normal / rescisão. Informar Empresa e Funcionário e clicar no ícone Rescisão ou (ALT+R),

Leia mais

Reajuste de Preço de Venda pelo Preço do Fabricante

Reajuste de Preço de Venda pelo Preço do Fabricante Reajuste de Preço de Venda pelo Preço do Fabricante Introdução O sistema possibilita diversas opções de recálculo de preços de venda, o Reajuste de Preço de Venda pelo Preço do Fabricante utiliza o preço

Leia mais

Solicitar Vagas. Recrutamento & Seleção

Solicitar Vagas. Recrutamento & Seleção Sumário 1. Tela Requisições de Vagas - Visão Gestor... 3 2. Solicitar Vaga / Requisição com Indicação Externa... 5 3. Solicitar Vaga / Requisição de Aprendiz... 9 4. Solicitar Vaga / Requisição de Estagiário...

Leia mais

Guia de Ajuda Simulador de Renda ao Abrigo do Regime do Arrendamento Apoiado

Guia de Ajuda Simulador de Renda ao Abrigo do Regime do Arrendamento Apoiado Simulador de Renda ao Abrigo do Regime do Arrendamento Apoiado Elaborado na sequência da publicação da Lei n.º 32/2016, de 24 de agosto, que procede à primeira alteração à Lei n.º 81/2014, de 19 de dezembro,

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Funcionamento com cartões Sistema Pré-Pago. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Funcionamento com cartões Sistema Pré-Pago. v2011 Manual Avançado Funcionamento com cartões Sistema Pré-Pago v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. INICIAR O ZSRest FrontOffice... 3 1 4. Iniciar cartões pré-pagos... 4 b) Adicionar Cartões Pré-Pagoc) Atribuir

Leia mais

Índice. Página 1 de 32 :: https://fenix.iscte.pt/ C7.01 (ext )

Índice. Página 1 de 32 :: https://fenix.iscte.pt/ C7.01 (ext ) Índice 1 1. Operações de Alunos... 3 1.1. Matricular aluno... 3 1.2. Visualizar alunos... 7 1.2.1. Visualizar dados pessoais... 8 1.3. Matrículas do aluno... 9 1.3.1. Detalhes da matrícula... 9 1.3.1.1.

Leia mais

Sistemas de Gestão De Bases de Dados. Criação de Tabelas na vista estrutura. Módulo 2. A Professora: Vanda Pereira

Sistemas de Gestão De Bases de Dados. Criação de Tabelas na vista estrutura. Módulo 2. A Professora: Vanda Pereira Sistemas de Gestão De Bases de Dados Criação de Tabelas na vista estrutura A Professora: Vanda Pereira Módulo 2 Para criar uma tabela basta clicar no separador Criar grupo Tabela Vai aparecer no lado esquerdo

Leia mais

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado.

1. As parcelas são pagas ao final de cada período. Neste caso denomina-se pagamento postecipado. PARTE 5 SÉRIE UNIFORME DE PAGAMENTOS CONTEÚDO PROGRAMÁTICO 1. Introdução 2. Prestações e Valor presente 3. Prestações e Valor futuro 4. Renda perpétua 5. Exercícios Resolvidos 1. Introdução Quando se contrai

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel.

Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel. Bem-vindo ao tópico sobre a ferramenta Importar do Excel. 1 Neste tópico, você verá como importar cadastros de parceiros de negócios, dados do cadastro do item e listas de preços usando a ferramenta Importar

Leia mais

Manual da Aplicação. REVVASE Livros e Material Escolar Bolsa de Manuais Escolares. DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares

Manual da Aplicação. REVVASE Livros e Material Escolar Bolsa de Manuais Escolares. DGEstE Direção Geral dos Estabelecimentos Escolares Data do Manual: 20/05/2015 Atualizado em: 10/08/2016 Verifique a sua versão Manual da Aplicação REVVASE Livros e Material Escolar Bolsa de Manuais Escolares O Registo de Verbas e Valores da Ação Social

Leia mais

1 - A presente aplicação destina-se a ser utilizada apenas nas seguintes situações:

1 - A presente aplicação destina-se a ser utilizada apenas nas seguintes situações: (Condições e procedimentos para a utilização da aplicação) 1 - A presente aplicação destina-se a ser utilizada apenas nas seguintes situações: Quando haja que proceder-se à liquidação adicional por erros

Leia mais

Manual de Instalação PRIMAVERA WINDOWS SERVICES V1.0 SR2

Manual de Instalação PRIMAVERA WINDOWS SERVICES V1.0 SR2 Manual de Instalação PRIMAVERA WINDOWS SERVICES V1.0 SR2 Versão 1.2 outubro 2012 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Instalação... 4 Requisitos... 4 Processo de Instalação... 4 Instalação do PRIMAVERA Windows

Leia mais

AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS

AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS AULA 3: CONHECIMENTOS NUMÉRICOS: PORCENTAGEM E JUROS Disciplina: Matemática Professores: Lucas Lopes e Fábio Henrique I) PARTE: JUROS E PORCENTAGENS 1) Porcentagem Definição: É uma fração que indica a

Leia mais

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores

Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 Painel para análise de circuitos resistivos CC (Revisão 00) Circuitos Série e a Associação Série de Resistores 1 2 Circuitos Série e a Associação Série de Resistores Utilizando as chaves disponíveis

Leia mais

AVALIAÇÕES. Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT)

AVALIAÇÕES. Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT) AVALIAÇÕES Este pequeno manual de avaliações servirá como guia para os Docentes e Diretores de Turma (DT) Utilizam Propostas? SIM Inicia aqui PROPOSTAS Cada Docente fará o lançamento das suas propostas,

Leia mais

Índice. Manual de Utilizador de 18

Índice. Manual de Utilizador de 18 Índice Acesso da Agenda Jurídica WEB... 3 Apresentação da página de entrada... 4 Aceder à minha Agenda Jurídica WEB... 5 Criar Evento... 6 Criar Evento com Prazo e alertas... 8 Criar Evento periódico...

Leia mais

MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor. Mod. 255-B/DGAV

MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor. Mod. 255-B/DGAV MANUAL DE REGISTO DE NASCIMENTOS DE BOVINOS ATRAVÉS DA WEB, Produtor - Detentor Mod. 255-B/DGAV SOLICITAÇÃO DE ACESSOS À BASE DE DADOS DO IDIGITAL Para se poder proceder ao Registo de Nascimentos de Bovinos

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BANCO DE HORAS

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BANCO DE HORAS UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BANCO DE HORAS Sumário TÓPICO: CONCEITOS... 3 TÓPICO: CADASTROS... 4 Banco de horas simples... 4 Banco de horas completo... 4 Ocorrências do banco de horas... 7 TÓPICO: PROCESSOS...

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA A INTRODUÇÃO DAS DECLARAÇÕES DE EXISTÊNCIAS DE GALINHAS POEDEIRAS

PROCEDIMENTOS PARA A INTRODUÇÃO DAS DECLARAÇÕES DE EXISTÊNCIAS DE GALINHAS POEDEIRAS PROCEDIMENTOS PARA A INTRODUÇÃO DAS DECLARAÇÕES DE EXISTÊNCIAS DE GALINHAS POEDEIRAS O Decreto -Lei n.º 142/2006, de 27 de Julho, com a redação que lhe foi dada pelo Decreto -Lei n.º 214/2008, de 10 de

Leia mais

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015

Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 Calendário das Obrigações Fiscais e Parafiscais para o mês de MAIO DE 2015 OBRIGAÇÕES RELATIVAS AO IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS SINGULARES (IRS) E IMPOSTO SOBRE O RENDIMENTO DAS PESSOAS COLETIVAS

Leia mais

Garantia de aprendizado

Garantia de aprendizado 1) Calcular o capital, que aplicado a uma taxa de juros simples de 6,2% a.m, por 174 dias, produziu um montante de $ 543.840,00. 2) Determinar o capital necessário para produzir um montante de $ 798.000,00

Leia mais

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR

UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR UNIVERSIDADE CORPORATIVA RH BENEFÍCIO VA VR Sumário CONCEITOS... 3 Vale alimentação e Vale Refeição... 3 CADASTRO... 4 Introdução... 4 Operadora/Classe do benefício... 4 Histórico... 7 Atribuição de funcionários...

Leia mais

Recursos Humanos Rescisão Complementar

Recursos Humanos Rescisão Complementar Recursos Humanos Rescisão Complementar 1/18 Índice 1. RESCISÃO COMPLEMENTAR... 3 2. RESCISÃO COMPLEMENTAR POR ACORDO/CONVENÇÃO/DISSIDIO... 4 1.1. 1.2. 1.3. 1.4. 1.5. 1.6. PARÂMETROS... 4 SALÁRIOS RETROATIVOS

Leia mais

Bem-vindo ao tópico sobre importação de cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer Workbench.

Bem-vindo ao tópico sobre importação de cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer Workbench. Bem-vindo ao tópico sobre importação de cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer Workbench. 1 Neste tópico, você verá como importar cadastros de parceiros de negócios usando o Data Transfer

Leia mais

CATÁLOGO RECURSOS HUMANOS

CATÁLOGO RECURSOS HUMANOS CATÁLOGO RECURSOS HUMANOS MÓDULO DE RECURSOS HUMANOS A solução de Recursos Humanos permite a qualquer entidade, realizar facilmente a coordenação das atividades dos seus colaboradores e automatizar a ocupação

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO I FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES GERAL INFORMAÇÃO PRÉ-CONTRATUAL

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

GESTÃO DE TURMAS. Índice. I Como posso promover a aprendizagem autónoma dos meus alunos através da plataforma? 05

GESTÃO DE TURMAS. Índice. I Como posso promover a aprendizagem autónoma dos meus alunos através da plataforma? 05 GESTÃO DE TURMAS Índice I Como posso promover a aprendizagem autónoma dos meus alunos através da plataforma? 05 1 Atribuir trabalhos aos alunos 05 1.1 Atribuir um trabalho a uma turma 05 1.2 Visualizar

Leia mais

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental

SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO À INSTRUÇÃO N.º 12/2013 - (BO N.º 6, 17.06.2013) Temas SUPERVISÃO Supervisão Comportamental ANEXO II FICHA DE INFORMAÇÃO NORMALIZADA EM MATÉRIA DE CRÉDITO AOS CONSUMIDORES, EM CASO DE CONTRATAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Amortização

Sistemas de Amortização Matemática Financeira Sistemas de Amortização Prof. Me. Marcelo Stefaniak Aveline Séries de Pagamentos Este conteúdo pode ser visto como uma estensão de Juros Compostos. Enquanto em Juros Compostos um

Leia mais

Índice. Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas?

Índice. Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas? Índice Como efetuar uma operação de renovação da certificação? Como efetuar uma operação de confirmação de estimativas? Como efetuar uma operação de renovação da certificação? A operação de Renovação da

Leia mais

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 2: PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO

PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 2: PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO PROGRAMA CIDADANIA ATIVA MANUAL DO PROMOTOR ANEXO 2: PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE PEDIDO DE PAGAMENTO É importante ler e analisar atentamente este anexo, bem como o Manual do Promotor, antes de proceder

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DE ATIVO E PASSIVO Art. 183 Critérios de Avaliação do ATIVO Art. 184 Critérios de Avaliação do PASSIVO Princípio do REGISTRO PELO VALOR ORIGINAL 1º As seguintes bases de mensuração devem ser utilizadas em graus distintos

Leia mais

ERP PRIMAVERA STARTER V9.15

ERP PRIMAVERA STARTER V9.15 Manual de Instalação e Inicialização ERP PRIMAVERA STARTER V9.15 Versão 1.0 Setembro de 2015 Índice Índice... 2 Introdução... 3 Métodos de Instalação... 4 Instalação através do Setup Único... 4 Pré-requisitos

Leia mais

S N FI SPED PIS/CO 0

S N FI SPED PIS/CO 0 0SPED PIS/COFINS Versão Observação Data Modificação Responsável 1 Criação do Manual 31/03/2011 Edilson J. Martins 2 Natureza de operação, CST PIS Cofins por empresa 30/05/2011 Edilson J. Martins Página

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DA FONSECA, SANTIAGO DO CACÉM GRUPO DISICPLINAR - Informática ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6 ANO: 10º TICP ANO LECTIVO: 2008/2009 p.1/6 Módulo 1 Folha de Cálculo Conceitos básicos o Introdução o O que podemos fazer com o Microsoft Excel o Estrutura geral de uma folha de cálculo o Iniciar o Microsoft

Leia mais

Na Matemática financeira temos também: Fluxo de Caixa, montante, capital, juros e juros simples/juros composto.

Na Matemática financeira temos também: Fluxo de Caixa, montante, capital, juros e juros simples/juros composto. A Matemática financeira estuda o conceito do valor do dinheiro no tempo. Empréstimos ou investimentos realizados no presente terão seu valor aumentado no futuro. Inversamente, valores disponíveis no futuro,

Leia mais

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS

SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS SISTEMAS DE AMORTIZAÇÃO DE EMPRÉSTIMOS! Sistema Price! SAC Autores: Francisco Cavalcante(francisco@fcavalcante.com.br) Administrador de Empresas graduado pela EAESP/FGV. É Sócio-Diretor da Cavalcante Associados,

Leia mais

Projeto Testes Intermédios (TI) 2013/2014. Manual de utilização da Extranet TI. Diretores e Gestores de Projeto

Projeto Testes Intermédios (TI) 2013/2014. Manual de utilização da Extranet TI. Diretores e Gestores de Projeto Projeto Testes Intermédios (TI) 2013/2014 Manual de utilização da Extranet TI Diretores e Gestores de Projeto 17 de outubro de 2013 1 Leia com muita atenção este manual. A sua leitura é imprescindível

Leia mais

Índice. 12. Aviso de Chegada Processos Fechados Agentes de Navegação... 7

Índice. 12. Aviso de Chegada Processos Fechados Agentes de Navegação... 7 Índice 1. Resposta ao Pedido de Manobra... 4 2. Marcação de Manobra... 4 3. E-mail Pedido de Alvará de Saída... 4 4. Lista de Registos de Execução do Serviço de Fornecimento/Abastecimento... 4 5. Taxa

Leia mais

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*)

Critérios de avaliação. Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Matriz Curricular Ensino Básico - 1.º ciclo (*) Componentes do currículo Áreas disciplinares de frequência obrigatória: Português Matemática Estudo do Meio Expressões: Artísticas e Físico-Motoras. Apoio

Leia mais

FICHA TÉCNICA GESTWARE STOCKS

FICHA TÉCNICA GESTWARE STOCKS FICHA TÉCNICA GESTWARE STOCKS Todos os dados relativos aos Stocks podem ser obtidos autonomamente ou por integração automática a partir do Gestware Vendas e Compras. Destacamos aqui algumas das suas principais

Leia mais

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA

LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA LIBERAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO CORDILHEIRA (Orientamos aos clientes que utilizam banco de dados SQL, para efetuarem a atualização preferencialmente após o encerramento das atividades do dia, acessando o sistema

Leia mais

Contrato de Arrendamento Urbano para fins habitacionais com prazo certo (e com fiança opcional)

Contrato de Arrendamento Urbano para fins habitacionais com prazo certo (e com fiança opcional) Contrato de Arrendamento Urbano para fins habitacionais com prazo certo (e com fiança opcional) Entre: I -... (nome completo, estado civil, contribuinte fiscal e morada) na qualidade de senhorio e adiante

Leia mais

- Manual do Utilizador - Relatórios de Contratação no SRVI

- Manual do Utilizador - Relatórios de Contratação no SRVI Março de 2016 Índice 1 Enquadramento... 3 2 Credenciação no SAC... 5 3 Relatório de Contratação (RC)... 7 3.1 Preencher e submeter um RC na PECP... 7 3.2 Criar um RC diretamente no SRVI... 7 3.3 Consultar

Leia mais

GUIA PARA REGISTO DE PRODUTORES DE EEE E P&A

GUIA PARA REGISTO DE PRODUTORES DE EEE E P&A ANREEE GUIA PARA REGISTO DE PRODUTORES DE EEE E P&A SIRP ANREEE Índice 1. Início do registo para fluxo de EEE + P&A... 3 1.1. Entrar na ANREEE: www.anreee.pt... 3 1.2. Selecionar o botão central Faça aqui

Leia mais

1 de 6 26/08/2016 15:46 A partir desta versão disponibilizamos no sistema novos recursos relacionados ao processo de Retificação e Encerramento da declaração. Módulo Contribuinte >> Declarações >> Serviços

Leia mais

Manual do utilizador condómino da aplicação web GOcondomínios GOcondomínios Gestão de Condomínios 100% online

Manual do utilizador condómino da aplicação web GOcondomínios GOcondomínios Gestão de Condomínios 100% online Manual do utilizador condómino da aplicação web GOcondomínios GOcondomínios Gestão de Condomínios 100% online www.gocondominio.pt desenvolvido por: SOPENFOR Sociedade de Projetos de Engenharia e Informática

Leia mais

CONTAS A PAGAR CADASTRO DE TÍTULOS A PAGAR AVULSO 339

CONTAS A PAGAR CADASTRO DE TÍTULOS A PAGAR AVULSO 339 CONTAS A PAGAR Conforme a Regras de Negócio da Empresa o Contas a Pagar pode ter os títulos gerados a partir da entrada de Notas Fiscais de entrada nos seus programas específicos ou então pelo cadastramento

Leia mais

"Troikas no processamento salarial"

Troikas no processamento salarial "Troikas no processamento salarial" Sónia Rebelo Consultora Senior RH Hugo Miguel Ribeiro Coordenador RH Quidgest Portugal R. Castilho n.º 63 6.º 1250-068 Lisboa Portugal tel. (+351) 213 870 563 / 652

Leia mais

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA

ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA ANEXO V ESTRUTURA TARIFÁRIA ESTRUTURA TARIFÁRIA 1. Estão sujeitos às tarifas relativas aos serviços de água e/ou saneamento todos os utilizadores finais que disponham de contrato, sendo as mesmas devidas

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Instrução Normativa Conjunta SRF, SPC e Susep n o 524, de 11 de março de 2005. Regulamenta o prazo de acumulação de que trata o 3º do art. 1º da Lei

Leia mais

B.I Documento. Âmbito. Passo-a-passo. SiGES Objetivo. Resultado. Âmbito: Novas regras de faturação 2013 Emissão de ficheiro SAF-T PT

B.I Documento. Âmbito. Passo-a-passo. SiGES Objetivo. Resultado. Âmbito: Novas regras de faturação 2013 Emissão de ficheiro SAF-T PT B.I Documento Módulo: CXA Âmbito: Novas regras de faturação 2013 Emissão de ficheiro SAF-T PT Processamento: Módulos Afectados: CXA Keywords: CXA;Fatura Última Alteração: 11.2.9-13 16-01-2013. Âmbito Objetivo

Leia mais

Tutorial Aceda remotamente à sua rede Meo de casa por VPN

Tutorial Aceda remotamente à sua rede Meo de casa por VPN Tutorial Aceda remotamente à sua rede Meo de casa por VPN Date : 1 de Fevereiro de 2013 usando o seu router Thomson da Meo e uma máquina com Windows Nos dias de hoje são já poucas as habitações onde não

Leia mais

LINX DMS APOLLO Documento complementar

LINX DMS APOLLO Documento complementar LINX DMS APOLLO Documento complementar Rua Ramiro Barcelos, 1545/401 - CEP 95780-000 - Fone: (51) 3649.8000 1 / 11 Assunto... 3 Abrangência... 3 Parâmetro de Veículo... 3 Manutenção do NCM... 4 Manutenção

Leia mais

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017

Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 Nota Informativa nº 1/IGeFE/DGRH/2017 ASSUNTO: PROCESSAMENTO DE REMUNERAÇÕES 2017 A partir de 1 de janeiro de 2017, por força da entrada em vigor do Orçamento do Estado para o ano de 2017, aprovado pela

Leia mais

1.1 Candidaturas on-line

1.1 Candidaturas on-line 1.1 Candidaturas on-line Antes de efetuar o seu processo de candidatura, deverá ler rigorosamente os editais e regulamentos, para que a sua candidatura seja a mais completa possível. A falta de informação

Leia mais

Serviço de Rede Wireless para Eventos Manual de Configuração. 1. Windows Windows Windows Vista MacOS Ubuntu...

Serviço de Rede Wireless para Eventos Manual de Configuração. 1. Windows Windows Windows Vista MacOS Ubuntu... Campus de Gualtar 4710-057 Braga P Serviços de Comunicações Serviço de Rede Wireless para Eventos Manual de Configuração Índice 1. Windows 8... 2 2. Windows 7... 5 3. Windows Vista... 7 4. MacOS... 11

Leia mais

Prova de Aferição de Matemática 5.º Ano de Escolaridade

Prova de Aferição de Matemática 5.º Ano de Escolaridade Prova de Aferição de Matemática.º Ano de Escolaridade Prova 6 Decreto-Lei n.º 17/016, de 4 de abril Critérios de Classificação 14 Páginas 016 Prova 6 CC Página 1/ 14 CRITÉRIOS DE CLASSIFICAÇÃO 1. Todas

Leia mais

SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PROCEDIMENTOS VTWEB CLIENT PROCEDIMENTOS

SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PROCEDIMENTOS VTWEB CLIENT PROCEDIMENTOS SISTEMA AUTOMÁTICO DE BILHETAGEM ELETRÔNICA PROCEDIMENTOS VTWEB CLIENT PROCEDIMENTOS Origem: ProUrbano Data de Criação: 22/03/2010 Ultima alteração: Versão: 1.3 Tipo de documento: PRO-V1. 0 Autor: Adriano

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC Aula Prática 04 Exercício 1

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC Aula Prática 04 Exercício 1 PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I - BCC701 2014-1 Aula Prática 04 Exercício 1 Tarifa de Energia A conta de energia elétrica de consumidores residenciais de uma cidade é calculada do seguinte modo, onde o consumo

Leia mais

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português

www.sysdevsolutions.com Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Driver Next Versão 1.0 de 07-03-2011 Português Índice Configuração dos documentos no Backofficce... 3 O Driver ERP Next... 6 Configurações principais... 6 Configurações do vendedor... 7 Configurações do

Leia mais

TUTORIAL CADASTROS INICIAIS ICMS PARTILHA NF-E

TUTORIAL CADASTROS INICIAIS ICMS PARTILHA NF-E Sumário Apresentação... 1 1. Procedimentos iniciais... 2 2. Cadastrar Tipo de Tributação.... 2 3. Vincular Figura Tributária a UF Destino... 6 Apresentação Uma das alterações apresentadas na NT 2015/003

Leia mais

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos Margem de Contribuição

S i a g r i Sistemas de Gestão Evidence Assessoria & Treinamentos Margem de Contribuição O que é? é quantia em dinheiro que sobra do preço de venda de um produto, serviço ou mercadoria após retirado o valor do custo variável unitário. Esta quantia é que irá garantir a cobertura do custo fixo

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) 1 de 8 31/01/2015 14:50 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e

Leia mais

Guia de Instalação Endnote

Guia de Instalação Endnote 2015 Índice Transferir o Endnote e a licença, do servidor atlas.up.pt... 2 Instalação em Windows... 5 Instalação em MacOS... 10 Primeira execução do Endnote (Windows e MacOS)... 13 1 Transferir o Endnote

Leia mais

Manual de Utilização

Manual de Utilização Manual de Utilizador Perfil Aluno V1 17/06/2015 4450-298 Matosinhos Maputo Página 1 de 20 ÍNDICE 1. Página Pessoal Aluno 4 1.1 Alterar Fotografia 4 1.2 Configuração da Página Pessoal 5 1.3 Conta Corrente

Leia mais

REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW

REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW REGRAS DE INSCRIÇÃO E PARTICIPAÇÃO NO MEGA POW WOW ANTES DE FAZEREM AS VOSSAS INSCRIÇÕES: IMPORTANTE: AS INSTRUÇÕES PARA AS INSCRIÇÕES DEFINITIVAS SEGUIRÃO UNS DIAS ANTES DO INÍCIO DAS MESMAS, PARA NÃO

Leia mais

SISTEMA DE AVALIAÇÃO

SISTEMA DE AVALIAÇÃO SISTEMA DE AVALIAÇÃO PROCESSO DE AVALIAÇÃO A avaliação para o Ensino Fundamental se pauta em: Observação, registro e reflexão acerca do pensamento e da ação do educando. Uso de vários instrumentos de avaliação

Leia mais

GESTWARE CONTABILIDADE GERAL

GESTWARE CONTABILIDADE GERAL FICHA TÉCNICA GESTWARE CONTABILIDADE GERAL Todos os dados relativos à Contabilidade Geral podem ser obtidos autonomamente ou por integração automática a partir do Gestware Vendas, Compras, Pessoal e Imobilizado.

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA FÉRIAS VERÃO ANA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objeto

REGULAMENTO PROGRAMA FÉRIAS VERÃO ANA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS. Artigo 1.º Objeto REGULAMENTO PROGRAMA FÉRIAS VERÃO ANA CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objeto O presente instrumento cria e define as condições de atribuição de um benefício para apoio à ocupação de tempos livres

Leia mais

Matemática Financeira Aplicada. Aula 3. Contextualização. Período Fracionário. Prof. Nelson Pereira Castanheira. Período Fracionário.

Matemática Financeira Aplicada. Aula 3. Contextualização. Período Fracionário. Prof. Nelson Pereira Castanheira. Período Fracionário. Matemática Financeira Aplicada Aula 3 Contextualização Prof. Nelson Pereira Castanheira Período Fracionário Taxa Nominal Taxa Efetiva Taxa Real Taxa Aparente Período Fracionário O Período Fracionário corresponde

Leia mais

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo.

Como se trata de Trabalho para os já iniciados no assunto, vamos reduzir o texto e ficar mais nos cálculos para não se ter um trabalho muito longo. 1 AJUSTE Á VALOR PRESENTE ICMS Autores: Geraldo Barbieri Professor do Departamento de Contabilidade e Atuária da FEA/USP e Pesquisador da FIPECAFI Ariovaldo dos Santos Professor do Departamento de Contabilidade

Leia mais

CÁLCULO DO INVENTÁRIO NO ATHENAS3000

CÁLCULO DO INVENTÁRIO NO ATHENAS3000 CÁLCULO DO INVENTÁRIO NO ATHENAS3000 Revisado 12/2015 1 ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Antes de mostrar como é calculado o inventário no sistema Athenas3000, deve ser levando em conta algumas considerações. Leia

Leia mais

Manual de Campos Existentes na Ficha de Artigos

Manual de Campos Existentes na Ficha de Artigos Manual de Campos Existentes na Ficha de Artigos Índice Objetivo... 2 Introdução... 2 Análise de Separador Dados... 4 Análise de separador Preços... 7 Análise de separador Observações... 8 Análise de separador

Leia mais