A REVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA TOUCH SCREEN NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL E NA ESCOLA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA TOUCH SCREEN NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL E NA ESCOLA"

Transcrição

1 A REVOLUÇÃO DA TECNOLOGIA TOUCH SCREEN NO DESENVOLVIMENTO INFANTIL E NA ESCOLA Grazielle Frota Ana Carolina da Silva Pereira Daniele Vitorino Zena Eisenberg Departamento de Educação PUC-Rio O trabalho trata de um tema muito presente na mídia, mas ainda pouco estudado no contexto acadêmico: o uso de aparelhos de tecnologia touch screen pelas crianças pequenas. Nossa hipótese é que a tecnologia touch screen permite o acesso precoce das crianças aos aplicativos. A tecnologia touch é mais fácil de ser manuseada quando comparada ao uso do lápis, pois é a exigência de coordenação motora grossa e fina é menor do que no uso do teclado ou do mouse. Além disso, a relação causa-efeito também é direta - o toque tem um efeito visível, seja ele qual for. Assim, a tecnologia touch permite a interação com aplicativos de jogos, leitura, escrita, filmes/desenhos e redes sociais desde os primeiros anos de vida, o que antes só era possível mais tarde. Uma revisão abrangente de estudos nacionais e internacionais aponta que grande parte das pesquisas são voltadas para a tecnologia touch pela sua qualidade assistiva. Além disso, seu uso nas escolas regulares é limitado se não inexistente. Nosso objetivo é saber o que os aplicativos disponíveis para aparelhos touch screen permitem que a criança faça - ou aprenda a fazer- e como estes poderiam ser usados na docência na Educação Infantil. Isto posto, aplicamos um questionário para os pais em uma escola particular que atende alunos de classe média baixa do município do Rio de Janeiro. Nosso intuito foi conhecer os aplicativos já utilizados por crianças de 2 a 5 anos de idade. Um total de 77 questionários foram respondidos pelos responsáveis. Os aplicativos foram analisados com base nos critérios estabelecidos por Cohen (2011) - habilidades motoras, abordagens para exploração, conceito do jogo entre outros. A partir da análise, apresentamos sugestões de como adotar e incluir a tecnologia touch nas atividades da Educação Infantil como facilitadora do processo de ensino-aprendizagem.

2 2 Palavras-chave: tecnologia touch screen; desenvolvimento infantil; tecnologia na escola. INTRODUÇÃO Nos anos finais do século XX, o mundo presenciou transformações que vão corroborar com uma nova lógica de consumo nas sociedades. Segundo Momesso (2005), a revolução tecnológica faz com que os produtos estejam constantemente submetidos a atualizações, devido à velocidade de inovações em suas características. A integração das áreas econômica, política, social e cultural no mundo, permitiu uma maior circulação de informações, serviços, bens e pessoas, facilitando o acesso de todos às inovações tecnológicas. Nesse sentido, a integração dos mercados econômicos dos países, somada a uma reestruturação do capitalismo vai configurar uma nova forma de comunicação, revolucionando as gerações futuras. Esse contexto dos anos finais da década de 90 é marcado pelo surgimento de uma língua universal digital, conectando a todos de forma universal. Nessa mesma década, surge uma nova geração de crianças são os chamados Homo zappiens, este termo é utilizado por Veen e Vrakking (2009) para identificar as crianças e os jovens que nasceram na era dos múltiplos recursos digitais. Essas crianças administram diversas informações, paralelamente conseguem acessar diversos sites, ouvir música, jogar e fazer um trabalho solicitado pelos professores sem dificuldade. Elas são (...) um processador ativo de informação, resolve problemas de maneira muito hábil, usando estratégias de jogo, e sabe se comunicar muito bem. Veen e Vrakking (2009, p. 12). Partindo do pressuposto de que a escola está imersa na sociedade e que sofre influência das novas tendências, exigências e transformações que ocorrem no decorrer dos anos, os alunos trazem consigo suas vivências, experiências e conhecimentos para a sala de aula. Sendo assim, o contato cada vez maior com as novas tecnologias faz parte do cotidiano de jovens e crianças nas sociedades contemporâneas, não estando desconectados do contexto educacional. Para entender o público que a escola a partir do século XX atende, é de grande relevância separar estes frequentadores em dois grupos: nativos digitais e imigrantes digitais. Segundo Carniello, Rodrigues & Moraes (2010), os nativos digitais são aqueles que falam o idioma digital dos recursos tecnológicos e conseguem exercer diversas tarefas através destes recursos. Já os imigrantes digitais são aqueles que estão inseridos no universo digital, mas não falam o vocabulário dos nativos.

3 3 No contexto escolar, os nativos são os alunos que são estimulados a todo tempo pelos recursos midiáticos. Os imigrantes são, na maioria das vezes, os professores e/ ou os pais que, por não conhecerem tão a fundo o mundo tecnológico, acabam tratando estes alunos com uma certa aversão e, consequentemente, os tolhendo. Esta reação dos pais e professores acaba tornando o ambiente escolar menos prazeroso para estas crianças o que, para Veen e Vrakking (2009), seria um local desconexo do mundo dos nativos digitais. Segundo Buckingham (2007), essa tentativa dos pais e profissionais da educação de privar as crianças do uso das mídias está fadada ao fracasso. Precisaríamos, então, pensar em modos de integrá-las ao cotidiano da criança de forma que corroborem com o seu desenvolvimento, além de estarmos atentos para as experiências que tais aparelhos podem proporcionar. A tecnologia touch screen se configura como uma primeira geração de mídia que permite às crianças uma utilização criativa de acordo com Cohen (2011). Além disso, o autor afirma que várias aprendizagens podem ser desenvolvidas com o uso dessa tecnologia, pois as crianças vão construindo suas habilidades de acordo com motivação. Elas têm a possibilidade de aprender de forma natural com essa plataforma, como o tocar, repetir, errar, entre outras ações que estão presentes no seu cotidiano. Sendo assim, estruturamos nosso artigo, não com a pretensão de delinear maneiras para a utilização dos aparelhos com a tecnologia touch screen, mas para apresentar sua relevância para o desenvolvimento da infantil. Para tanto, o presente trabalho está dividido em seis partes da seguinte maneira: em um primeiro momento, apresentaremos uma breve análise da tecnologia touch screen relacionada à infância; em seguida, levaremos essa análise para o ambiente escolar; depois faremos uma avaliação de alguns aplicativos utilizados por crianças de 2 a 5 anos de idade e, por fim, apresentaremos as conclusões preliminares desta pesquisa. Infância e o touch screen As tecnologias digitais estão a cada dia mais presentes na nossa cultura e demarcando espaço no nosso cotidiano. Estamos cercados de telefones, computadores, televisões e de outros tantos aparelhos midiáticos. Nesse sentido, as crianças que já nascem neste universo, crescem em um ambiente diferenciado, expostos diariamente a estímulos digitais. De acordo com Buckingham (2007), essa experiência que os jovens têm com as mídias corrobora um alargamento do fosso existente entre a sua cultura e a cultura da geração dos seus pais.

4 4 As crianças dessa geração, os nativos digitais, apresentam um novo modelo de infância. Estas têm maior facilidade para exercer diversas tarefas simultaneamente como, por exemplo, assistir televisão, mexer no computador e fazer tarefas de casa. Enquanto os imigrantes digitais têm maior dificuldade para coordenar tarefas distintas e paralelas. (Carniello, Rodrigues & Moraes, 2010). Com base nesta divisão entre nativos e imigrantes digitais, cabe uma discussão relacionada ao conceito de infância de cada grupo. Os pais muitas vezes não compreendem como os jovens ficam tão imersos nos aparelhos midiáticos e criticam este comportamento, pois são de uma geração diferente que não tinha acesso a tantos recursos tecnológicos. Os filhos, por sua vez, encontram nos aparelhos midiáticos uma forma de adquirirem conhecimento e diversão através dos jogos e do acesso à internet. Cabe ressaltar, ainda, que não existe um modelo correto de infância: cada geração possui vivências diferentes e acessos a recursos distintos. Cada vez mais cedo as crianças estão ingressando no universo das mídias. Definida como interfaces que devem ser tocadas para estabelecer uma relação entre o homem e a máquina por Erthal (2008), a tecnologia touch screen é uma facilitadora em potencial, já que reproduz as sensações físicas de interação pessoal em mídia. Ou seja, o que antes era apenas visto, hoje pode ser tocado. Desta forma, utilizando da sensorialidade e permitindo uma relação toque-efeito imediato, a tecnologia touch screen permite o acesso precoce das crianças pequenas ao universo das mídias, facilitando que ela represente graficamente, por meio de desenho ou interação com aplicativos, seu desenvolvimento cognitivo antes do que imaginávamos ser possível. Sendo assim, tal tecnologia pode revolucionar o mundo da infância, posto que um aspecto importante dessa sensorialidade tática no uso das mídias, proporcionada pela tecnologia touch screen, concentra-se nas extremidades do corpo (dedos, mãos, boca...) os mesmos membros que utilizamos na interação com o meio (Erthal, 2008). Se antes a criança precisava compreender que era necessário algum tipo de mediador na sua interação com os aparelhos tecnológicos, como o teclado, o mouse e o controle remoto. Hoje, a partir do surgimento de novas tecnologias, em especial, as de interface tátil, essa relação com as mídias passa a se configurar de uma nova forma. Em que, a criança compreende que através do touch screen, sua ação tem uma repercussão direta no aparelho (ato consequência), não precisando, desta forma, de nenhum tipo de mediação.

5 5 Cohen (2011) afirma que, no geral, as crianças passam do desconhecimento da mídia de tela sensível ao toque para a maestria com certa facilidade, e ficam fascinadas pelo aparelho. Se, de um lado, esse fascínio se dá no decorrer do contato e uso com essas tecnologias, por outro lado, os jogos e aplicativos precisam estar em sintonia com o desenvolvimento da criança. Isto é, estar de acordo com a "zona de desenvolvimento proximal Vygotsky (2009), pois, somente dessa forma continuaria despertando o interesse dos pequenos pelo uso dos aplicativos, não estando muito acima de sua capacidade e nem muito abaixo, para não ser desmotivador. Além disso, o design tem que ser atrativo e deve oferecer acessibilidade significativa para as crianças. O conceito de zona de desenvolvimento proximal de Vygotsky, é de suma importância para o âmbito educacional, posto que consiste em uma relação entre o que a criança já sabe fazer e o que ela realiza com ajuda de um adulto. No âmbito da relação entre a criança e o aparelho de touch screen na escola, o educador se tornaria um mediador do processo de ensino-aprendizagem. Cabe ressaltar que os aplicativos devem ter um nível de dificuldade que evolução gradativamente - do básico para o avançado - condizente com o desenvolvimento intelectual e motor da criança, a fim de mantê-la envolvida com o jogo. Touch screen na escola De acordo com Erthal (2008), o advento das mídias de tecnologia touch screen proporcionou-nos a interação com o mundo digital de forma a utilizarmos as habilidades táteis, começando assim a valorizar a experiência do toque. Essa valorização também se dá no meio educacional, permitindo que a criança explore e desenvolva sua sensorialidade. Dentre os autores dessa revisão, muitos definem aprendizagem como a troca do conhecimento entre professor e aluno, mas julgamos que esta concepção engessa o sistema educacional, no sentido de que o professor cria uma aversão aos recursos tecnológicos, pois está ligado a um modelo de aprendizagem que não utiliza os recursos mediadores da atualidade. É comum o acesso das crianças aos tablets e celulares antes de entrarem na escola e de seu uso frequente fora da mesma. Dessa forma, estas experiências anteriores ao ingresso nas instituições escolares e fora delas, estão a cada dia mais atreladas ao mundo tecnológico, por meio do acesso à internet que, com os smartphones e tablets, ficou mais acessível. Na sala de aula, a utilização desses aparelhos frequentemente não é permitida, mas o novo público escolar, os nativos digitais, estão em um universo repleto de

6 6 informações novas e rápidas e lidam com esses novos conhecimentos, muitas vezes, sem precisarem de mediação de outras pessoas. A reprovação do uso de aparelhos com tecnologia touch acaba mostrando para os alunos que a escola é uma instituição desconectada de seu meio social e que não dialoga com seus interesses, características e vivências pessoais. O distanciamento da escola com a realidade da criança não é novidade que aparece com o desenvolvimento acelerado das tecnologias, mas precede esta globalização. Nos anos 80, Carraher, Carraher e Schliemann (1982) já haviam identificado o prejuízo que traz para as crianças esta falta de reconhecimento do que elas já sabem e trazem para a escola. Os conhecimentos matemáticos adquiridos em seu cotidiano eram simplesmente ignorados pela escola e a linguagem matemática era ensinada de forma isolada de contexto e da realidade. Se com conhecimentos cotidianos a escola já era resistente, o que dirá com as novas tecnologias, nas quais as crianças se beneficiam de ter maior proficiência que suas professoras? Segundo Carniello, Rodrigues & Moraes (2010), o professor e a escola não são mais os detentores do conhecimento e da informação. Este fato justifica a aversão desses agentes com relação ao acesso do conhecimento através da internet. Não levamos em consideração tal aversão, pois temos como pressuposto que o conceito de aprendizagem vai além dessa relação tradicional de professor - aluno. Nesse sentido, (...) A Internet e as tecnologias digitais passam a ter um papel significativo nesta relação, que deixa de ser unidirecional (professor aluno) e passa a ser multidirecional (professor aluno tecnologias digitais professor-mídias/internet aluno...). (Carniello, Rodrigues & Moraes, 2010, p.8). O acesso à informação deve ser visto como um aliado no processo educacional, valorizando o conhecimento do professor, do aluno e o conhecimento que será adquirido através da internet, tornando a sala de aula mais dinâmica e contextualizada com o cotidiano do educando. No que tange os jogos digitais, diversas habilidades podem ser desenvolvidas como, por exemplo, (...) facilidade para trabalhar em grupo; capacidade de aprender de forma rápida; iniciativa, atitude e criatividade; (Carniello, Rodrigues & Moraes, 2010, p.10). Esses jogos possuem níveis que a criança aprende a passar fases do jogo, ou seja, ela aprende a encontrar novas formas de conquistar o objetivo. Com esta movimentação, o indivíduo desenvolve o raciocínio lógico e pode ter uma maior facilidade na resolução de problemas. Esta habilidade pode ser aplicada, por exemplo, na disciplina de matemática.

7 7 Argumentamos aqui que a tecnologia touch screen é uma revolução na infância, pois o que antes os botões realizavam de forma indireta nos computadores, hoje é possível realizar diretamente com o toque na própria plataforma midiática. Isto possibilita o acesso de crianças mais jovens aos aplicativos e jogos que antes podiam ser utilizados apenas por crianças maiores. No contexto educacional, as crianças podem desenvolver diversas habilidades já desde a Educação Infantil.. Acreditamos que a apresentação e uso destes aparelhos em sala de aula desde cedo, como um suporte e mediador de aprendizagem tem não apenas a vantagem de ser lúdico, mas também permite à escola manter-se atualizada no mundo contemporâneo de mudanças rápidas que reconfiguram formas de agir e de pensar.. Desta forma, como já mencionamos acima, acreditamos na eficácia de alguns aplicativos no auxilio das crianças para a demonstração daquilo que já sabem, mas ainda não possuem coordenação motora suficiente para expressar. As características do design do aparelho e dos aplicativos, como as cores e seu formato, são importantes quando o assunto é suscitar o interesse da criança. Além disso, tais aspectos facilitam a aprendizagem no decorrer do manuseio das tecnologias touch screen, tanto no contexto educacional, quanto no seu cotidiano fora da escola. O mundo na palma das mãos: uma revolução no mundo infantil Com base nos estudos relacionados à área das mídias e a introdução dos aparelhos de tecnologia touch screen no processo de ensino aprendizagem, elaboramos nossa pesquisa com a seguinte hipótese: a tecnologia touch permite que a criança tenha acesso aos aplicativos mais cedo, já que depende de coordenação visomotora mais básica para utilizá-los. Isto é, estes aparelhos permitem que a criança explore habilidades e conhecimentos antes de desenvolverem, totalmente, a coordenação motora necessária para o uso de computadores e mouses, que não têm a tecnologia touch screen. De acordo com essa hipótese fomos para o campo com o objetivo de traçarmos um panorama dos aplicativos mais utilizados pelas crianças, dentro da faixa etária estudada (de dois a cinco anos de idade). Nosso objetivo neste trabalho é analisar os aplicativos a partir de Cohen (2011) e das habilidades descritas por Carniello, Rodrigues & Moraes (2010) a fim de observar se o uso da tecnologia touch e dos aplicativos auxilia no desenvolvimento infantil, tendo como foco o contexto educacional. Metodologia

8 8 Para conhecermos o campo e identificarmos os aplicativos mais utilizados pelas crianças, elaboramos e distribuímos um questionário aos responsáveis pelos alunos de uma escola particular localizada na zona oeste do Rio de Janeiro. O questionário foi elaborado com quatorze perguntas de múltipla escolha e/ ou semiabertas. Nosso objetivo foi entender onde, como e quando a criança usa a tecnologia, qual acesso ela tem aos aparelhos e aos aplicativos e se alguém faz a mediação do uso. Contamos com a participação de 79 responsáveis por crianças de 2 a 5 anos de idade. Desses, 76 (96%) declararam que seus filhos têm acesso a aparelhos com tecnologia touch screen. Mais interessante foi ver que quase metade das crianças (45%) têm seus próprios aparelhos. Além disso, a maior parte (68%) dos responsáveis declarou que suas crianças começaram a utilizar a tecnologia touch entre os 2 e 3 anos de idade. Por fim, a transição de usar com ajuda para usar a tecnologia sozinha se dá entre os 3 (quando 47% não usa sozinha) e os 4 anos de idade (quando 41% já usam sozinhos). As respostas obtidas foram tabuladas em Excel e as análises descritivas foram produzidas a partir do software SPSS 18. Análise dos aplicativos Dentre os diversos aplicativos mencionados pelos responsáveis na resposta ao questionário, selecionamos os três aplicativos que apareceram com maior frequência. Cabe ressaltar que os dois primeiros aplicativos expostos a seguir são compostos por uma grande quantidade de jogos e/ou vídeos. Portanto, essa análise diz respeito à última atualização dos aplicativos, referente ao mês de outubro de Além disso, vale ressaltar que as grandes categorias de análise foram feitas com base em Cohen (2011). Os quadros 1, 2 e 3 organizam as categorias definidas por nós, a partir da literatura, para analisar os aplicativos. As grandes categorias de análise adotadas foram: (1) habilidades motoras, (2) generalização de habilidades, (3) abordagem para exploração e (4) preferência para atividades e projetos (Cohen, 2011). A primeira, habilidades motoras, diz respeito ao desenvolvimento da coordenação motora da criança; a segunda, generalização de habilidades, refere-se aos desafios e habilidades necessárias para adaptação dos esquemas cognitivos aos jogos, habilidades essas que são desenvolvidas a partir da interação da criança com o aplicativo; a terceira, abordagem para exploração, são as características que estimulam a exploração dos jogos e, por fim, a quarta, preferência para atividades e projetos, é definida por atividades que são atraentes visualmente e convidam a criança para a interação.

9 9 A seguir analisamos cada um dos aplicativos que foram os de mais frequente uso, de acordo com os responsáveis. PlayKids foi citado por 4 dos responsáveis. Pou teve 18 citações e Subway Surfers obteve 3 citações. Play Kids i : O aplicativo foi criado para crianças de até 5 anos de idade. Permite uma interação entre a criança e o conteúdo exposto com pequenas frases ao carregar cada etapa do aplicativo, além do som atrativo e das cores. Ao tocar no primeiro vagão do trem da página principal do aplicativo a criança ainda pode ouvir sons e fazer o condutor se mover de forma diferente da apresentada. O aplicativo possui detalhes e cores suficientes para se tornar atrativo, além de uma área de jogos e algumas outras direcionadas apenas para vídeos infantis (a maioria precisa ser comprada). Quadro 1. Habilidades presentes no aplicativo PlayKids. Habilidades motoras Generalização de habilidades Abordagem para exploração Preferência para atividades e projetos Força Linguagem Resposta ao toque Personagens conhecidos Mira Memória Indicação convidativa Design convidativo Clicar Raciocínio Lógico Premiação por nível Jogo interativo Ligar Leitura Passagem de nível Agilidade Escrita Lateralidade Ritmo Noção espacial Atenção Arrastar Pou: O aplicativo tem como objetivo principal a interação com a criança através de um bichinho de estimação virtual. Como um ser vivo, precisa receber cuidados médicos, alimentação e higienização diária, além de um período de sono e lazer, para assim ter uma condição saudável virtual. Além disso, a interação é simples devido aos símbolos de fácil compreensão. A página principal é constituída por seis ambientes semelhantes aos cômodos de uma casa, como cozinha, banheiro, quarto e sala de jogos. Conforme a criança vai interagindo com a mascote, suas ações são premiadas com moedas, o que permite que compre diversos objetos em uma loja virtual. Uma das áreas principais é o local de jogos, onde é possível usar o Pou em várias brincadeiras. Vale esclarecer que o nível de dificuldade dos jogos vai aumentando e, quanto mais fases a criança ultrapassa, mais moedas e premiações ela conquista. Segundo Cohen (2011), conquistar um nível sustenta o interesse de quem está jogando e incentiva a continuar explorando o aplicativo. Esse aplicativo é composto por 32 jogos que dentre os quais o Pou Words estimula à leitura por permitir que a criança encontre e monte palavras, o Sudoku desenvolve um raciocínio lógico, o Pou Sounds desenvolve a habilidade referente ao

10 10 ritmo e o Memory colabora com o desenvolvimento da memória. Todos os jogos existentes no aplicativo desenvolvem a atenção, as habilidades motoras descritas na tabela de análise, bem como a abordagem de exploração e os quesitos para estimular a preferência para atividades e projetos. Quadro 2. Habilidades presentes no aplicativo e/ ou que o Pou pode proporcionar às crianças Habilidades motoras Generalização de Abordagem para Preferência para atividades e habilidades exploração projetos Força Linguagem Resposta ao toque Personagens conhecidos Mira Memória Indicação convidativa Design convidativo Clicar Raciocínio Lógico Premiação por nível Jogo interativo Ligar Leitura Passagem de nível Agilidade Escrita Lateralidade Ritmo Noção espacial Atenção Arrastar Subway Surf ii : O aplicativo consiste em uma plataforma na qual o jogador está em uma corrida para não se pego por um policial, tendo assim que superar alguns obstáculos apresentem em uma ferrovia. Ele permite o desenvolvimento da agilidade e do raciocínio lógico, pois o jogador deve ficar atento aos obstáculos e à forma de superá-los. Além disso, o aplicativo possui ainda cores fortes, premiação com sons e moedas para serem utilizadas em uma loja virtual para melhorar as habilidades do avatar (jogador virtual). É possível também escolher o avatar que o jogador quer e o pano de fundo muda de acordo com a época festiva ou estação do ano. Quadro 3. Habilidades presentes no aplicativo e/ ou que o Subway Surf pode proporcionar às crianças Habilidades motoras Generalização de Abordagem para Preferência para atividades e habilidades exploração projetos Força Linguagem Resposta ao toque Personagens conhecidos Mira Memória Indicação convidativa Design convidativo Clicar Raciocínio Lógico Premiação por nível Jogo interativo Ligar Leitura Passagem de nível Agilidade Escrita Lateralidade Ritmo Noção espacial Atenção Arrastar Conclusões preliminares As tecnologias midiáticas estão inseridas cada vez mais no cotidiano, tanto dos adultos, quanto dos jovens e crianças. Desta forma, partindo do princípio de que a escola é uma instituição que está imersa na sociedade e que participa de alguma forma

11 11 das novas tendências e revoluções do século, é de suma importância que os agentes participantes da educação estejam abertos às novas demandas que se apresentam e que se capacitem devidamente para poderem lidar com os novos desafios. Os aparelhos tecnológicos com touch screen estão inseridos no contexto sociocultural, pois estes conquistam espaço e, cada vez mais, marcam a rotina dos indivíduos. Por conseguinte, é importante que a escola saiba promover um ambiente que não só proporcione o contato de todos com as novas mídias digitais, mas que ofereça experiências que corroborem com o desenvolvimento de diversas habilidades, segundo os interesses e motivações dos alunos. Se, antigamente, as configurações e características dos aparelhos tecnológicos não permitiam que as crianças adentrassem profundamente neste universo, em contrapartida, hoje em dia, o modo touch screen dos tablets e smartphones facilita seu acesso e manuseio; mais que isso, as convida. A partir da revisão bibliográfica e do questionário aplicado em campo, propomos que essa tecnologia pode ser alterar qualitativamente a infância contemporânea, uma vez que permite que as crianças demonstrem desde cedo certas habilidades e potenciais, mas também que trabalhem outras, que somente poderiam ter a oportunidade de desenvolver anos mais tarde. Nesse sentido, podemos considerar que o contato com as tecnologias touch screen e seus aplicativos devem ser vistos como aliados no processo educacional. Com base nesta premissa, consideramos que os aplicativos podem ser eficientes no contexto escolar, tendo em vista que ajudam as crianças a demonstrarem o conhecimento que já possuem, mas que não podem mostrar ou interagir por não terem a coordenação motora necessária. Autores como Cohen (2011) e Carniello, Rodrigues & Moraes (2010), mostramnos que a utilização dos aplicativos auxilia no desenvolvimento de áreas como a memória, linguagem, raciocínio lógico, entre outros. Assim, é interessante e proveitoso que educadores, gestores, coordenadores pedagógicos e alunos tenham um olhar mais atento para essas novas tendências tecnológicas e dialoguem sobre seus interesses e possibilidades de utilizá-las no contexto educacional.

12 12 Referências Bibliográficas BUCKINGHAM, David. Crescer na Era das Mídias Eletrônicas. Ed. Loyola, 2007 CARRAHER, T.N., CARRAHER, D.W. &SCHLIEMANN, A.D. Na vida, dez; na escola, zero: os contextos culturais da aprendizagem da matemática. Cadernos de Pesquisa, 42, 1982, COHEN, Michael. Young children Apps e Ipad. Prepared by Michael Cohen Group LLC. Disponível em: <http://mcgrc.com/wpcontent/uploads/2012/06/ipad-studycoverpage-report-mcg-info_new-online.pdf.>. Acesso em: 06 de Ab ERTHAL, Ana Amélia. Touch screen: a reprogramação das sensorialidades numa perspectiva tridimensional.in: segundo seminário interno PPGCOM. Universidade do Estado do Rio de Janeiro UERJ, Rio de Janeiro, RJ, 2008 MARINI MOMESSO, Bianca. Comunicação usando o computador e a internet.in Inclusão digital, Cadernos CECEMCA, n.3. Bauru - Faculdade de Ciências, PRENSKY, Marc. Digital Natives, Digital Immigrants. MCB University Press, Disponível em: <http://www.marcprensky.com/writing/prensky%20%20digital%20 Natives,%20Digital%20Immigrants%20 %20Part1.pdf>.Acesso em: 06 de Ab SIMPÓSIO HIPERTEXTOS E TECNOLOGIAS NA EDUCAÇÃO, 3., Pernambuco. Anais Eletrônicos. Pernambuco: UFP. Núcleo de Estudos de Hipertexto e Tecnologia na Educação. Disponível em: <http://nehte.com.br/simposio/anais/anais- Hipertexto-2010/Luciana-Barbosa-Carniello&Barbara-Alcantara-Gratao&Moema- Gomes-Moraes.pdf>. Acesso em: 06 de Ab VEEN, Win; VRAKKING, Bem; Homo Zappiens, Educando na Era Digital. 1 ed. São Paulo: Artmed, Disponível em: <http://books.google.com.br/books?id=u89lual5rs8c&lpg=pa7&ots=tpkedm_3e4& dq=veen%2c%20wim%3b%20vrakking%2c%20ben%3b%20homo%20zappi ens%2c%20educando%20na%20era%20digital.%20&lr&hl=pt- BR&pg=PA3#v=onepage&q&f=false>. Acesso em: 06 de Ab VIGOTSKI, Lev S. Imaginação e criação na infância: livro para professores/ Lev Seminonovich Vigotski: apresentação e comentários Ana Luiza Smolka ; Tradução Zoia Prestes São Paulo: Ática, i PlayKids Videos e jogos para crianças e bebês. Movile Internet Móvel S.A ii Subway Surfers., Sybo Games, Kiloo, 2012.

TOUCH SCREEN: O DESENVOLVIMENTO INFANTIL NA PONTA DOS DEDINHOS Aluna: Ana Carolina da Silva Pereira Orientadora: Zena Winona Eisenberg

TOUCH SCREEN: O DESENVOLVIMENTO INFANTIL NA PONTA DOS DEDINHOS Aluna: Ana Carolina da Silva Pereira Orientadora: Zena Winona Eisenberg Departamento de Educação/PUC-Rio TOUCH SCREEN: O DESENVOLVIMENTO INFANTIL NA PONTA DOS DEDINHOS Aluna: Ana Carolina da Silva Pereira Orientadora: Zena Winona Eisenberg Introdução Quais são os impactos

Leia mais

Núcleo de Educação Infantil Solarium

Núcleo de Educação Infantil Solarium 0 APRESENTAÇÃO A escola Solarium propõe um projeto de Educação Infantil diferenciado que não abre mão do espaço livre para a brincadeira onde a criança pode ser criança, em ambiente saudável e afetivo

Leia mais

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo

A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo A ARTE DE BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL Maria Elany Nogueira da Silva Estudante de Pedagogia pela FECLESC / UECE Resumo Este presente artigo pretende refletir idéias sobre o brincar na Educação Infantil,

Leia mais

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis)

A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) A apropriação das Tecnologias Digitais pelos acadêmicos de licenciatura em Matemática da Universidade Estadual de Goiás (UEG-Anápolis) Moema Gomes Moraes Universidade Estadual de Goiás (UEG)/ CEPAE-UFG

Leia mais

NATIVOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OS DESAFIOS PEDAGÓGICOS DE LIDAR COM AS TECNOLOGIAS DENTRO E FORA DA ESCOLA.

NATIVOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OS DESAFIOS PEDAGÓGICOS DE LIDAR COM AS TECNOLOGIAS DENTRO E FORA DA ESCOLA. NATIVOS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO INFANTIL: OS DESAFIOS PEDAGÓGICOS DE LIDAR COM AS TECNOLOGIAS DENTRO E FORA DA ESCOLA. Aline Musse Alves Pereira 1 Joelma Fabiane Ferreira Almeida 2 RESUMO A era das relações

Leia mais

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA

O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA O LUDICO NA MATEMÁTICA: UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA Thaís Koseki Salgueiro 1 ; Ms. Ozilia Geraldini Burgo 2 RESUMO: Este projeto tem como objetivo apresentar o trabalho de campo desenvolvido

Leia mais

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH

CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH CONSTRUINDO UM JOGO EDUCATIVO UTILIZANDO O SOFTWARE DE AUTORIA ADOBE FLASH Francielly Falcão da Silva¹, Samuel Carlos Romeiro Azevedo Souto², Mariel José Pimentel de Andrade³ e Alberto Einstein Pereira

Leia mais

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo

Apoio tecnológico para treinamento vocacional. Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online. Artigo Artigo Apoio tecnológico para treinamento vocacional Projeto-piloto indica possibilidades de ampliação de acesso a cursos online Rodrigo Laiola Guimarães*, Andrea Britto Mattos**, Victor Martinêz***, Flávio

Leia mais

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC

A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica articulada com integração das TIC ALVES,S.S.S 1 A Inclusão escolar do aluno com deficiência intelectual e a mediação pedagógica

Leia mais

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G)

MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) MATEMATICANDO, BRINCANDO, APRENDENDO E PRODUZINDO ANA PAULA TOMAZ (Finan - G) DIVA TOGNON (Finan - G) Resumo: Este artigo procurou abordar o ensino da matemática na Educação Infantil através de brincadeiras,

Leia mais

O futuro da educação já começou

O futuro da educação já começou O futuro da educação já começou Sua conexão com o futuro A 10 Escola Digital é uma solução inovadora para transformar a sua escola. A LeYa traz para a sua escola o que há de mais moderno em educação, a

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2...

mhtml:file://c:\documents and Settings\Angela Freire\Meus documentos\cenap 2... Page 1 of 6 O lúdico na educação infantil Com relação ao jogo, Piaget (1998) acredita que ele é essencial na vida da criança. De início tem-se o jogo de exercício que é aquele em que a criança repete uma

Leia mais

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO

TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO TRANSPARÊNCIA INSTITUCIONAL PROJETO BOA SEMENTE OFICINA SEMEANDO MOVIMENTO O Orfanato Evangélico, através do Projeto Boa Semente, desenvolveu atividades direcionadas as crianças de 1 mês a 1 ano de idade,

Leia mais

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se

A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se VOZ DO LEITOR ANO 4 EDIÇÃO 30 On/off-line: entreolhares sobre as infâncias X, Y e Z Amanda M. P. Leite A imagem idealizada de uma infância saudável e feliz hoje se prende a uma espécie de saudosismo da

Leia mais

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL

OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO FORMAL ELIANE ROSA DO ORIÊNTE FABIANA DA SILVA BEZERRA FANÇA JEISEBEL MARQUES COUTINHO JÉSSICA MEIRE DE ALMEIDA GOMES JÚLIA DA SILVA MELIS OS JOGOS DIDÁTICOS ONLINE NO PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos

TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos TÍTULO: Crianças com Transtorno Global de Desenvolvimento superam Dificuldades com Brinquedos Eletrônicos Autoria: Patricia Araujo Nunes dos Santos Palavras-chave: Autismo, Brinquedos Eletrônicos e Aprendizagem

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas:

EDUCAÇÃO INFANTIL LINGUAGEM ORAL E ESCRITA. Premissas básicas: EDUCAÇÃO INFANTIL A Educação Infantil, enquanto segmento de ensino que propicia um maior contato formal da criança com o mundo que a cerca, deve favorecer a socialização da criança, permitir a interação

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DA LÍNGUA INGLESA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL Referência: CHAGURI, J. P. A Importância do Ensino da Língua Inglesa nas Séries Iniciais do Ensino Fundamental. In: O

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1

INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 Resumo: INFLUÊNCIAS DE APARELHOS DIGITAIS MÓVEIS NO PROCESSO ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL 1 QUEIROZ, Joyce Duarte joyceduart@hotmail.com QUEIROZ, Antônia Márcia Duarte Instituto

Leia mais

TECNOLOGIAS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNEMAT

TECNOLOGIAS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNEMAT TECNOLOGIAS DIGITAIS NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR: PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA DA UNEMAT Antonio Fernandes de Souza Junior Universidade do Estado de Mato Grosso -

Leia mais

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula

O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula O olhar do professor das séries iniciais sobre o trabalho com situações problemas em sala de aula INTRODUÇÃO Josiane Faxina Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Câmpus Bauru e-mail: josi_unesp@hotmail.com

Leia mais

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil

Principais discussões sobre o ensino-aprendizagem de matemática na educação infantil 1 Introdução: A matemática é uma disciplina de fundamental importância na vida de todo mundo. Desde tempos antigos o ensino dessa matéria vem fazendo cada vez mais parte da vida dos seres humanos. Basta

Leia mais

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência

USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência USO DE JOGOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA PARA IDOSOS: Relatos de Experiência Lucas Santiago Rodrigues Graduando em Sistemas de Informação na UFMS Natália Fernanda de Castro Meira Graduanda em Engenharia de

Leia mais

OS SOFTWARES EDUCATIVOS E A CONSTRUÇÃO DE HABILIDADES COGNITIVAS NA PRÉ-ESCOLA. Patrícia Lisboa * Apresentação

OS SOFTWARES EDUCATIVOS E A CONSTRUÇÃO DE HABILIDADES COGNITIVAS NA PRÉ-ESCOLA. Patrícia Lisboa * Apresentação OS SOFTWARES EDUCATIVOS E A CONSTRUÇÃO DE 13 HABILIDADES COGNITIVAS NA PRÉ-ESCOLA Patrícia Lisboa * patrlisboa@gmail.com * Professora vinculada à Secretaria Municipal de Educação de Poços de Caldas, leciona

Leia mais

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3

Índice. 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 GRUPO 6.1 MÓDULO 4 Índice 1. Metodologia na Educação de Jovens e Adultos...3 1.1. Desenvolvimento e Aprendizagem de Jovens e Adultos... 4 1.1.1. Educar na Diversidade... 5 1.2. Os Efeitos da Escolarização/Alfabetização

Leia mais

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA

PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA PO 19: ENSINO DE ÂNGULOS: O AUXÍLIO DA LOUSA DIGITAL COMO FERRAMENTA TECNOLÓGICA José Erildo Lopes Júnior 1 juniormat2003@yahoo.com.br RESUMO Neste trabalho, vamos apresentar o conteúdo de ângulos, através

Leia mais

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS

A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS A INFLUÊNCIA DAS NOVAS TECNOLOGIAS NO PROCESSO DE ENSINO: VANTAGENS E DESVANTAGENS Vitor Cleton Viegas de Lima 1 Cristiane Camargo Aita 2 Daniele Pinto Andres 3 Resumo: este artigo tem por objetivo levantar

Leia mais

INFÂNCIAS E TECNOLOGIAS: OS DESAFIOS PEDAGÓGICOS DA APROXIMAÇÃO DESSAS REALIDADES

INFÂNCIAS E TECNOLOGIAS: OS DESAFIOS PEDAGÓGICOS DA APROXIMAÇÃO DESSAS REALIDADES INFÂNCIAS E TECNOLOGIAS: OS DESAFIOS PEDAGÓGICOS DA APROXIMAÇÃO DESSAS REALIDADES Aline Musse Alves Pereira Colégio Pedro II, Unidade de Educação Infantil Joelma Fabiane Ferreira Almeida Colégio Pedro

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 1 EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) 2015 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 INVESTIGAÇÃO DA PRÁTICA DOCENTE I... 4 02 LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO... 4 03 PROFISSIONALIDADE DOCENTE... 4 04 RESPONSABILIDADE

Leia mais

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL

LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL LETRAMENTO, AMBIENTE E ORALIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL 42 Luciene Rodrigues Ximenes lrximenes@hotmail.com Pós-Graduada em Alfabetização, leitura e escrita pela UFRJ. Atualmente é professora e coordenadora

Leia mais

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283

Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE - ISSN 1806-6283 O PAPEL DO PROFESSOR E DO AUXILIAR DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL E DO ESTAGIÁRIO: Um diálogo necessário OLIVEIRA, Elisangela 1 SERAFIM, Lindineide 2 OLIVEIRA, Elizabete Gaspar de 3 RESUMO O presente estudo

Leia mais

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian

O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. Simone Helen Drumond Ischkanian O LÚDICO: JOGOS, BRINQUEDOS E BRINCADEIRAS NA CONSTRUÇÃO DO PROCESSO DE APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL. O projeto - o lúdico: jogos, brinquedos e brincadeiras na construção do processo de aprendizagem

Leia mais

É preciso amor pra poder pulsar

É preciso amor pra poder pulsar Autismo: ideias e práticas inclusivas É preciso amor pra poder pulsar Eugênio Cunha eugenio@eugeniocunha.com www.eugeniocunha.com O que fazer para educar essas crianças? Como podem trabalhar escola e

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010

A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Brasília DF Maio 2010 1 A UTILIZAÇÃO DA REALIDADE AUMENTADA EM ATIVIDADES PRÁTICAS/COMPLEMENTARES COMO MOTIVAÇÃO PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA Brasília DF Maio 2010 Daniela Zinn S. Gonçalves - NT Educação - daniela.goncalves@grupont.com.br

Leia mais

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL

BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL BRINCAR E APRENDER: A IMPORTÂNCIA DO BRINCAR NA EDUCAÇÃO INFANTIL GEANE SANTANA ROCHA QUIXABEIRA CMEI Criança Feliz geanezinha@gmail.com ANADIR FERREIRA DA SILVA Secretaria Municipal de Educação laurapso@hotmail.co.uk

Leia mais

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical

Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Quatro coordenadas para o andamento da educação musical Léa Pintor Martins de Arruda Maria Angela de Souza Lima Rizzi O trabalho realizado com os educadores, pela equipe da Associação Arte Despertar no

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC

SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTA TEREZINHA SC CENTRO DE EDUCAÇÃO INFANTIL PROFESSORA MARIA ORIBKA KERECZ CRAVEIRO SANTA TEREZINHA SC PREMIO AMAVI EDUCAÇÃO 2013 PLANEJAMENTO PARTICIPATIVO QUALIDADE

Leia mais

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA

CURSO DE PEDAGOGIA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS DO CURSO DE PEDAGOGIA 1 CURSO DE EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS BRUSQUE (SC) 2012 2 SUMÁRIO 1ª FASE... 4 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL... 4 02 INVESTIGAÇÃO PEDAGÓGICA: DIVERSIDADE CULTURAL NA APRENDIZAGEM... 4 03 METODOLOGIA CIENTÍFICA...

Leia mais

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs.

TCC2036. fevereiro de 2006. Pricila Kohls dos Santos. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul PUCRS. pricilas.ead@pucrs. 1 O PEDAGOGO EM MULTIMEIOS E INFORMÁTICA EDUCATIVA E SUA CONTRIBUIÇÃO PARA A EFICÁCIA DA UTILIZAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NA EDUCAÇÃO TCC2036 fevereiro de 2006 Pricila Kohls dos Santos

Leia mais

TIC E COORDENAÇÃO MOTORA

TIC E COORDENAÇÃO MOTORA TIC E COORDENAÇÃO MOTORA SILVA, Gisele Bozza da, SME Curitiba giselebs@hotmail.com COSTA, Sirley Terezinha Golemba, SME Curitiba sirley.sme@curitiba.org.br Área Temática: Educação: Comunicação e Tecnologia

Leia mais

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA

LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LUDICIDADE: UMA POSSIBILIDADE METODOLÓGICA PARA PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM NA EDUCAÇÃO INFANTIL E SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA RESUMO Edena Carla Dorne Cavalli UNIOESTE CAPES ed-cavalli@uol.com.br

Leia mais

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO

O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO O PROJETO DE TRABALHO COMO MEDIADOR DE APRENDIZAGEM NO ESPAÇO CLÍNICO GAMBA, Adriane Becker FACSUL adri_becker@hotmail.com TRENTO, Valma Andrade UFPR walmaat@yahoo.com.br Resumo O presente trabalho tem

Leia mais

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO

USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO USO DA INFORMÁTICA COMO FERRAMENTA DIDÁTICA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NO 9º ANO Luciano Bernardo Ramo; Maria Betania Hermenegildo dos Santos Universidade Federal da Paraíba. luciano_bernardo95@hotmail.com

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO OESTE UNICENTRO CURSO DE MÍDIAS NA EDUCAÇÃO KARINA DE NAZARÉ DA COSTA MARTINS PROFESSOR: PAULO GUILHERMITE O USO DA INTERNET NO PROCESSO EDUCACIONAL: O DESAFIO PARA OS PROFESSORES

Leia mais

Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos

Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos Cibercultura na Educação de Jovens e Adultos JULIANNE FISCHER SILVANA KUNEL PEREIRA Em 1999, no estado de Santa Catarina, os Centros de Educação de Adultos (CEA s) passaram a se denominar Centro de Educação

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM EDUCAÇÃO INFANTIL: RELATOS DE EXPERIÊNCIAS DA PRÁTICA DOCENTE Natália Maria G. Dantas de Santana- UAE/CFP/UFCG Mayrla Marla Lima Sarmento-UAE/CFP/UFCG Maria Thaís de Oliveira

Leia mais

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental

Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Informática na Educação: aplicação de Ferramentas Informatizadas no ensino fundamental Ingrid S. T. Silva Caio J. M. Veloso Ester E. Jeunon y Regina M. S. Moraes Resumo Este projeto teve como propósito

Leia mais

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa

Introdução ao Programa de Língua Portuguesa 1 MAPLE BEAR INTERMEDIATE - LP Introdução ao Programa de Língua Portuguesa Português é a língua falada no Brasil e é, primeiramente, com ela que pensamos, falamos, brincamos, cantamos e escrevemos. É a

Leia mais

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo

O brincar hoje: da colaboração ao individualismo O brincar hoje: da colaboração ao individualismo Profa. Dra. Maria Angela Barbato Carneiro Campo Grande/ Simpósio Internacional da OMEP Jul/ 2012 Este trabalho tem por objetivo discutir sobre o brincar

Leia mais

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM

BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM BLOG: A CONSTRUÇÃO DE UM AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Suzana Aparecida Portes FC UNESP- Bauru/SP E-mail: suzanaapportes@gmail.com Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani FC UNESP- Bauru/SP E-mail:

Leia mais

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos

Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos Professor MaPP Educação Infantil Conhecimentos Pedagógicos 11) Analisando a relação entre desenvolvimento e aprendizagem na perspectiva de Vygotsky, é correto afirmar que: a) Desenvolvimento e aprendizagem

Leia mais

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA

MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 1 MUSICALIZANDO ATRAVÉS DA INFORMÁTICA 039-TC-B5 05/2005 Cláudia Valéria Nascimento de Araújo Unicarioca claudia@idgrupo.net Carla Araújo Forte Unicarioca - carlaaforte@yahoo.com.br Denise Voigt Kallás

Leia mais

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA

O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA O ENSINO DE FUNÇÕES AFINS E QUADRÁTICAS COM O AUXÍLIO DO COMPUTADOR E DO SOFTWARE GEOGEBRA 1 Samara Araújo Melo; 2 Arthur Gilzeph Farias Almeida; 3 Maria Lúcia Serafim 1 E.E.E.F.M Professor Raul Córdula,

Leia mais

Papel Estratégico da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão na Consolidação das Instituições de educação Superior RYON BRAGA

Papel Estratégico da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão na Consolidação das Instituições de educação Superior RYON BRAGA Papel Estratégico da Pós-graduação, Pesquisa e Extensão na Consolidação das Instituições de educação Superior RYON BRAGA 2 A QUALIDADE MEDIDA PELO ENADE 1 ENADE SCORE DE DESEMPENHO FATORES DETERMINANTES

Leia mais

RECURSOS INCLUSIVOS E PRÁTICAS EDUCATIVAS

RECURSOS INCLUSIVOS E PRÁTICAS EDUCATIVAS RECURSOS INCLUSIVOS E PRÁTICAS EDUCATIVAS "Se a educação não é inclusiva, não é educação." Sueli Santos (2007) Prof. Lauren Veronese 1 Prof. Marilena Assis 2 RESUMO As classes da educação de jovens e adultos

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões)

CONHECIMENTOS GERAIS (5 questões) 1. Paulo Freire na sua concepção pedagógica parte de alguns princípios que marcam, de forma clara e objetiva, o seu modo de entender o ato educativo. Considerando as características do pensamento desse

Leia mais

APROPRIAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E

APROPRIAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E APROPRIAÇÃO DAS TECNOLOGIAS DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO DE GEOGRAFIA Ana Carolina Brasil de OLIVEIRA carolbrasilgeo@gmail.com LABORATÓRIO ESPAÇO IPPUR/ UFRJ Tamara Tania Cohen EGLER tamaraegler@gmail.com

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil

VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil VISÃO: ser referência na comunidade na área de educação Infantil NOSSA MISSÃO: Por meio da educação formar cidadãos felizes, independentes, éticos e solidários VALORES: Respeito, honestidade, boa moral

Leia mais

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp.

Débora Regina Tomazi FC UNESP- Bauru/SP E-mail: deboratomazi@hotmail.com. Profa. Dra. Thaís Cristina Rodrigues Tezani. E-mail: thaist@fc.unesp. AS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO NO ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: A UTILIZAÇÃO DE PLATAFORMAS EDUCACIONAS ADAPTATIVAS E A PRÁTICA DOCENTE. Débora

Leia mais

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem

Brincadeiras que ensinam. Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Brincadeiras que ensinam Jogos e brincadeiras como instrumentos lúdicos de aprendizagem Por que as crianças brincam? A atividade inerente à criança é o brincar. A criança brinca para atribuir significados

Leia mais

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza

FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL. João Rodrigues de Souza FACULDADE DE CUIABÁ FAUC CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU PSICOPEDAGOGIA CLÍNICA E INSTITUCIONAL João Rodrigues de Souza A PSICOPEDAGOGIA E A INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIABÁ- MT JULHO 2015 2 RESUMO

Leia mais

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE

O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE O USO DO SOFTWARE GEOGEBRA COMO METODOLOGIA DE ENSINO DE MATEMÁTICA NO 9º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DO COLÉGIO SÃO JOÃO BATISTA, CEDRO-CE ¹C. J. F. Souza (ID); ¹M. Y. S. Costa (ID); ²A. M. Macêdo (CA)

Leia mais

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ

O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ O USO DA INTERNET E SUA INFLUÊNCIA NA APRENDIZAGEM COLABORATIVA DE ALUNOS E PROFESSORES NUMA ESCOLA PÚBLICA DE MACEIÓ Rose Maria Bastos Farias (UFAL) rmbfarias@hotmail.com RESUMO: Trata-se de uma pesquisa

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL

A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL A IMPORTÂNCIA DAS ATIVIDADES LÚDICAS NO PPROCESSO DE Resumo ALFABETIZAÇÃO NOS ANOS INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NICOLITTO, Mayara Cristina UEPG maycris_nic@hotmail.com CAMPOS, Graziela Vaneza de UEPG

Leia mais

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares.

Caderno do aluno UM POR BIMESTRE: teoria, exercícios de classe, as tarefas de casa atividades complementares. NOSSA META Que todos os alunos entendam todas as nossas aulas! TUDO GIRA EM TORNO DA AULA COMO? Aula bem proposta (autor) Aula bem preparada (professor) Aula bem dada (professor) Aula bem assistida (aluno)

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL

A UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL A UTILIZAÇÃO DE DISPOSITIVOS MÓVEIS COMO FERRAMENTA PEDAGÓGICA COLABORATIVA NA EDUCAÇÃO INFANTIL Tatiana Mousquer, Carlos Oberdan Rolim Universidade Regional Integrada das Missões e do Alto Uruguai - URI

Leia mais

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: AS DESCOBERTAS DE MENDEL. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI)

PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: AS DESCOBERTAS DE MENDEL. Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) PROPOSTA DE JOGO DIDÁTICO: AS DESCOBERTAS DE MENDEL Lílian Rosalina Gomes (Universidade Federal do Piauí - UFPI) Diego Porto Rocha (Universidade Federal do Piauí - UFPI) RESUMO: No decorrer dos anos surgiu

Leia mais

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES

WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES ISSN 2316-7785 WEB 2.0 NA EDUCAÇÃO: O FACEBOOK COMO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM NA FORMAÇÃO INICIAL DE PROFESSORES Arlam Dielcio Pontes da Silva Universidade Federal Rural de Pernambuco arllan_dielcio@hotmail.com

Leia mais

BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER

BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER BRINCAR É MUITO MAIS QUE UMA SIMPLES BRINCADEIRA: É APRENDER LUZ, Marina Cabreira da UP rmarinacabreiral@hotmail.com OLIVEIRA, Maria Cristina Alves Ribeiro de UP cristina.educar@hotmail.com SOUZA, Gelsenmeia

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO

REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO REFLEXÕES SOBRE O USO DO MATERIAL DOURADO NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL: ANOTAÇÕES DE ESTÁGIO Ednaid Santos Faria 1 Tayná da Silva Vieira 2, Janaína de Azevedo Corenza 3 1 IFRJ/ednaidrja@hotmail.com

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB

HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB HISTÓRIA EM QUADRINHO: A CRIAÇÃO E A EXPRESSÃO NA WEB Luzivone Lopes GOMES - PPGFP UEPB luzivone@gmail.com Kennedy Machado OLIVIERA prof.kennedy@hotmail.com RESUMO: Este artigo trata de um relato de experiência

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio

O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio O emprego da lousa digital no processo de aprendizagem de alunos de licenciatura e do ensino médio Filipe Cesar da Silva Discente da Universidade do Sagrado Coração (USC) felipe_mirc@hotmail.com Melissa

Leia mais

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired

Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Design de navegação para tablet : Abordagem projetual da revista digital Wired Gabriel da Costa Patrocínio Universidade Anhembi Morumbi patrocínio.design@gmail.com O presente artigo tem como proposta analisar

Leia mais

As 11 dúvidas mais frequentes

As 11 dúvidas mais frequentes As 11 dúvidas mais frequentes Deyse Campos Assessora de Educação Infantil dcampos@positivo.com.br Frequentemente recebemos solicitações de professores de escolas que estão utilizando o Sistema Positivo

Leia mais

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM

O LÚDICO NA APRENDIZAGEM O LÚDICO NA APRENDIZAGEM RESUMO Aline Hahn Affeldt Prof. Janaina de Souza Aragão Centro Universitário Leonardo da Vinci-UNIASSELVI Pedagogia (PED 7051) Metodologia e Conteúdos Básicos de Comunicação e

Leia mais

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações

A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações A Formação de professores para trabalhar com Educação à Distância: requisitos e implicações Lucia M. M. Giraffa giraffa@pucrs.br ARGOS - Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Educação à Distância da PUCRS

Leia mais

O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO O LETRAMENTO E A ALFABETIZAÇÃO COM APOIO DAS TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Eloísia Amaral Sena - UNEB Romário Pereira Carvalho- UNEB Resumo: O objetivo deste estudo é Analisar os recursos das

Leia mais

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE

PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 PRÁTICAS LÚDICAS NO PROCESSO DE AQUISIÇÃO DA LÍNGUA ESCRITA DO INFANTIL IV E V DA ESCOLA SIMÃO BARBOSA DE MERUOCA-CE 1 Rochelle Lopes da Silva- UVA 2 Andrea Abreu Astigarraga- UVA INTRODUÇÃO De acordo

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR DA EDUCAÇÃO INFANTIL 1988 CONSTITUIÇÃO FEDERAL ANTECEDENTES Art. 210. Serão fixados conteúdos mínimos para o ensino fundamental, de maneira a assegurar formação básica comum

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2

A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 728 A EDUCAÇÃO INFANTIL E OS DESAFIOS DA DOCÊNCIA NO ÂMBITO DA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Ana Paula Reis de Morais 1 Kizzy Morejón 2 RESUMO: O presente artigo trata da especificidade da ação pedagógica voltada

Leia mais

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação

Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Tecnologias de Informação Um modelo para construção de materiais didáticos para o ensino de Matemática baseado em Ednilson Luiz Silva Vaz Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho, UNESP Brasil ednilson_vaz@hotmail.com

Leia mais

REFLEXÃO SOBRE 10 INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR MUNDIAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A GESTÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL RYON BRAGA

REFLEXÃO SOBRE 10 INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR MUNDIAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A GESTÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL RYON BRAGA REFLEXÃO SOBRE 10 INOVAÇÕES NA EDUCAÇÃO SUPERIOR MUNDIAL E SUAS CONSEQUÊNCIAS PARA A GESTÃO UNIVERSITÁRIA NO BRASIL RYON BRAGA 2 PREVISÕES ANTERIORES SEMINÁRIO ABMES DE 2005 1 CRESCIMENTO DAS CLASSES C

Leia mais

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06

DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Registros Acadêmicos da Graduação. Ementas por Curso 09/05/2011 15:06 Curso: 9 DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS Centro de Ciências da Educação Pedagogia (Noturno) Ano/Semestre: 0/ 09/0/0 :06 s por Curso Magistério: Educação Infantil e Anos Iniciais do Ens. Fundamental CNA.0.00.00-8

Leia mais

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico

Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico Padrões de Competências para o Cargo de Coordenador Pedagógico O Coordenador Pedagógico é o profissional que, na Escola, possui o importante papel de desenvolver e articular ações pedagógicas que viabilizem

Leia mais

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS

CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS CTCH Centro de Teologia e Ciências Humanas CRIANÇAS E FILMES: HÁBITOS E PRODUÇÃO DE SENTIDOS Cíntia dos Santos Gomes, 1 Rosália Maria Duarte. 2 Departamento de Educação PUC-RIO 2007 1 Aluno de Graduação

Leia mais

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática.

Palavras Chave: Material Concreto. Aprendizagem e Ensino de Matemática. O USO DO MATERIAL CONCRETO NO ENSINO DA MATEMÁTICA Francisca Marlene da Silva Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Déborah Almeida Cunha Bolsista da PRAE-FECLESC/UECE Aline Araújo da Silva Graduanda-FECLESC/UECE

Leia mais

XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer

XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer XADREZ PARA EAD: Jogando xadrez com prazer Autora: ANGELA MARIA DE ALMEIDA PEREIRA Introdução Estamos rodeados por histórias de personagens nobres que ao longo de sua trajetória o xadrez sempre esteve

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC RELATÓRIO SUCINTO: MÊS JUNHO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA PACTO NACIONAL PELA ALFABETIZAÇÃO NA IDADE CERTA/UFSC/SC 1. Dados do Município ou GERED a) Município: FLORIANÓPOLIS b)município/gered: SECRETARIA MUNICIPAL RELATÓRIO

Leia mais

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1

PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 1 PRÁTICAS E VIVÊNCIAS 1 Cintia Taiza Klein 2 Patrícia Luiza Klein Santos 3 Marilete Staub 4 Jair André Turcatto 5 1 INTRODUÇÃO O presente trabalho busca apresentar algumas atividades e vivências desenvolvidas

Leia mais

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2

Brincadeira é Jogo Sério. Resumo. Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Brincadeira é Jogo Sério Flávia Moretto de Oliveira 1 Luciane Canto Vargas 2 Resumo A infância é fascinante, durante a vida é neste período que exteriorizamos nossos sentimentos, nossas experiências e

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 MARTINS, Sandro Luís Moresco 2 ; VARASCHINI, Patricia 3 ; SANTOS, Leila Maria Araújo 4 1 Trabalho de Pesquisa _ UFSM 2 Programa Especial de Formação de Professores (UFSM),

Leia mais

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934.

Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Semenovich Vygotsky, nasce em 17 de novembro de 1896, na cidade de Orsha, em Bielarus. Morre em 11 de junho de 1934. Lev Vygotsky, viveu na mesma época que Piaget (ambos nasceram em 1896 entanto Vygotsky

Leia mais

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br

PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br 1 PRÁTICAS DE LEITURA E ESCRITA NA ALFABETIZAÇÃO Fernanda Gonçalves Doro E.M. Gilberto de Alencar fgdoro@pop.com.br No processo de aprendizagem da língua escrita, o trabalho com objetos significativos

Leia mais