Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação. Lisboa, 8 de Julho de 2009"

Transcrição

1 Projecto Igreja Solidária Proposta de Comunicação Lisboa, 8 de Julho de 2009

2 Índice 1. Enquadramento 2. Proposta O Projecto Missão e Princípios Fases do Projecto O Nosso Desafio A Nossa Resposta O Conceito O Posicionamento Proposta de Identidade Proposta de Site & Aplicação Plano de Comunicação Plano de Trabalho

3 1. Enquadramento

4 O Projecto Igreja Solidária É uma iniciativa do Patriarcado de Lisboaque tem como objectivo apoiar: Paróquias, Centros Sociais Paroquiais, Organizações e outros Movimentos Sócio-Caritativos a encontrar respostas, de forma rápida e coordenada no contexto da actual crise.

5 Missão e Princípios Tem como missão constituir uma Rede de Apoio Sócio- Caritativo que pretende apoiar as Instituições Sociais a dar respostas equilibradas e economicamente sustentáveis às situações emergentes e urgentes resultantes da actual crise. Tem como princípios operar numa base supletiva e de subsidiariedade quer em relação a entidades externas (Estado/ Empresas) quer em relação a instituições e movimentos da Diocese de Lisboa.

6 Fases do Projecto 3 Fases 1. Constituição da Rede Igreja Solidária (em curso): a) Desenvolvimento de modelos de cooperaçãoe de ferramentasque permitam a interligação das instituições para melhor responderem às questões urgentes; b) Constituição de um fundo monetário e respectiva dinamizaçãopara permitir apoios em dinheiro a Instituições ou a pessoas por via de Instituições; c) Mobilização da comunidadeem torno da iniciativa, como mecenas ou voluntários, condição importante para garantir o sucesso da iniciativa.

7 Fases do Projecto 2. Ser parte activa na criação de postos de trabalho a) Encaminhar desempregadospara postos de trabalho em instituições sociais que necessitem de funcionários; b) Apoiar desempregados que queiram criar micro-empresas em serviços deficitários na comunidade em que se insereme que possam ser necessários para as instituições sociais (foi já estabelecido protocolo com o BES para Crédito Social); c) Criar a médio prazo condições para negociar com o MTSS para criar mais postos de emprego na área social.

8 Fases do Projecto 3. Criação de uma rede de equipamentos para pessoas idosas a) Estudar estratégiasque permitam criar condições à constituição de equipamentos para pessoas idosas; b) Criação de um grupo de trabalho, à semelhança do que fez o Grupo Misericórdias Saúde, para apoio a entidades detentoras de equipamentos de cuidados continuados ou entidades com projectos que estejam em vias de serem aprovados e subsidiados no prazo imediato, para garantir que operem segundo critérios de qualidade e sustentabilidade.

9 2. Proposta para 1ª fase

10 O Nosso Desafio Urge organizar as nossas ajudas Este é o o grande desafio que a Igreja Solidária propõe a toda a sua comunidade. Organizar, cooperar, distribuir, trabalhar em unidade porque o momento assim o exige. Sair do nosso espaço percebendo que todos somos importantes, que todos podemos fazer a diferença e que o esforço organizado e partilhado é muito mais eficaz e eficiente.

11 A Nossa Resposta Criar a rede da Igreja Solidária Foi o apelo que sentimos para trazer para este Projecto uma ferramenta de suporte: uma plataformade comunicaçãoque permite a divulgação do Projecto, a partilha de problemas e soluções, o envolvimento de todos. uma comunidade online de encontro,que dá voz à Acção Social da Igreja, que apoia o seu desenvolvimento e que garante a cooperação e aproveitamento de sinergias entre instituições.

12 A Nossa Resposta No momento certo Assistimos a uma tomada de consciência colectivade que o paradigma de organização social actual não é sustentável. Garantir e promover a coesão familiar, assim como desenvolver os laços de vizinhançae proximidade é, para muitos especialistas, a chave para uma sociedade mais humana, mais justa, mais sustentável. Na comunidadeestá, portanto, a chave para se encontrarem soluções.

13 O Conceito Chave do sucesso Comunidade em Unidade Com Unidade

14 O Posicionamento O Projecto Igreja Solidária apresenta-se como uma plataforma que pretende reforçar as iniciativas de Acção Social na Diocese de Lisboa, interligando a sua Acção, possibilitando sinergias e intercâmbio de experiências.

15 Proposta de Identidade Logótipo Símbolo Comunidade Ajuda em rede Verde Tranquilidade, calma, paz Sustentabilidade

16 Proposta de Site Comunidade em Rede Túlipas brancas Amor perfeito Reinvindicar valores Mensagem de perdão O Site (1) será a face visível da plataforma de comunicação do Projecto Igreja Solidária. O primeiro suporte de comunicação e divulgação da iniciativa acessível a todos. (1) Domínio já registado (oferta da Domínios.pt)

17 Plano de Comunicação Porquê comunicar? Comunicar a Igreja Solidária é vital para dar notoriedade ao Projecto bem como garantir o envolvimento e empenho de todos: Igreja, Instituições Socio-Caritativas e público em geral.

18 Plano de Comunicação 1ª Fase do Projecto Apresentamos algumas ideias/ sugestões para a 1ª fase do projecto: lançamento, envolvimento da comunidade, dinamização do fundo e voluntariado. Para a segunda fase, em função dos resultados desta, esta proposta de comunicação deve ser reformulada para ajustar as soluções a novos objectivos.

19 Plano de Comunicação Públicos Patriarcado Media Paróquias Instituições sociais Empresas Público em geral

20 Plano de Comunicação Patriarcado Objectivos I Partilhar os resultados das iniciativas. Acções I Envio de relatórios mensais pelo Departamento Socio-Caritativo com descrição das acções e resultados obtidos.

21 Plano de Comunicação Paróquias Objectivos I Envolver os Párocos na missão do projecto, valorizando o seu papel e contributo, levando à sua implicação. Acções a) Lançamento site -circulardo Departamento da Pastoral SC para os párocos sugerindo nomeação de um dinamizadordo projecto em cada paróquia; b) WorkshopIgreja Solidária para os dinamizadores: formação; distribuição de material de divulgação; constituição de grupos de trabalho para apurar sinergias possíveis entre CSP; partilha de ideias para angariação de fundos. c) Newsletter envio por para divulgação de resultados e iniciativas no âmbito do projecto.

22 Plano de Comunicação Instituições Objectivos a) Divulgar o projecto apresentando a importância de operar em rede como uma alternativa que pode garantir eficácia à acção social em tempo de crise; b) Recolher informações de dados que possam contribuir para que Departamento da Pastoral SC tenha uma fotografia da realidade deste sector. Acções a) Lançamento do site e aplicação envio de comunicação (circular/ ing) para divulgação do domínio, do projecto e contacto do dinamizador da sua paróquia; b) Newsletters ( ing)

23 Plano de Comunicação Empresas/ Pub. geral Objectivos a) Apresentar o Projecto enquanto iniciativa que demonstra o empenho da Igreja e a sua capacidade de reforço na mobilização social em tempo de crise; b) Mobilizar o público para colaborar com donativos ou como voluntários. Acções a) Leilão de Arte a organizar em parceria com uma leiloeira de referência; peças desenvolvidas por artistas de Lisboa; dirigido a responsáveis de grandes empresas, coleccionadores, etc. b) Concertos à capela organização de concertos em Igrejas emblemáticas de Lisboa; c) Criação de grupos nas comunidades online de referência.

24 Comunicação Media Objectivos a) Apresentar o Projecto enquanto iniciativa que demonstra o empenho da Igreja e a sua capacidade de reforço na mobilização social em tempo de crise; b) Mobilizar a sociedade civil para a sua contribuição (voluntariado e donativos).

25 Plano de Comunicação Media Acções Assessoria em momentos chave de desenvolvimento e implementação do Projecto para meios generalistas, especialistas (Igreja) e regionais (Lisboa): Lançamento do site e aplicação Aumento substancial de donativos Resultados (número de instituições e pessoas que estão a beneficiar da ajuda do Projecto) Divulgação das acções de angariação de fundos (antes e depois) Divulgação de iniciativas que demonstrem a concretização da acção em rede (entre paróquias e instituições)

26 Plano de Divulgação 1. Lançamento Site Press release Divulgação paróquias Div. Instituições Comunidades online 2. Dinamização online Site (actualização) Comunidades online 3. Workshop paróquias Divulgação paróquias Acção 4. Angariação fundos Leilão Concertos (épocas festivas) 5. Status Patriarcado Press Release

27 Plano de Trabalho Próximos passos (Julho) 1. Validar proposta (Patriarcado e Gabinete Coordenador) logótipo do projecto e imagem do site; plano de comunicação 2. Validar conteúdos (Patriarcado e Gabinete Coordenador) textos do site regulamento 3. Dar início à 1ª fase do Projecto: Site online e dar início à recepção de candidaturas; Divulgar o arranque do Site

28 Obrigada.

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo

Cáritas Diocesana dos. Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Cáritas Diocesana dos AÇORES Triénio 2004-7 Pastoral do Domingo Diagnóstico: ESTADO DAS PARÓQUIAS -Como funcionam? - Que Pastoral Profética? - Que Pastoral Litúrgica? - Que Pastoral Social? - Virtudes

Leia mais

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho

3. Caracterização e cadastro do Movimento Associativo do concelho De : DCED/DICUL Carlos Anjos Proc. Nº Para : ANA JOSÉ CARVALHO, CHEFE DA DICUL Assunto : PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES DO GRUPO DE TRABALHO PARA O MOVIMENTO ASSOCIATIVO - 2011 Para os efeitos tidos

Leia mais

O QUE É O PROJETO? Ponto de encontro entre quem tem alguma coisa para DAR... ... e quem precisa de RECEBER. 20-06-2014

O QUE É O PROJETO? Ponto de encontro entre quem tem alguma coisa para DAR... ... e quem precisa de RECEBER. 20-06-2014 0-06-04 O QUE É O PROJETO? Ponto de encontro entre quem tem alguma coisa para DAR...... e quem precisa de RECEBER. Plataforma online - www.darereceber.pt - para encaminhar situações de necessidade. 0-06-04

Leia mais

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA

AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA AGENDA 21 LOCAL CONDEIXA-A-NOVA PLANO DE COMUNICAÇÃO E DIVULGAÇÃO Deliverable 4 Fase 2 Novembro 2008 1 P á g i n a Índice 1. Objectivos... 3 2. Públicos-alvo... 4 3. Estratégia de Comunicação... 5 3.1

Leia mais

1130 portugueses espalham se pelo mundo em projectos de Voluntariado Missionário

1130 portugueses espalham se pelo mundo em projectos de Voluntariado Missionário FUNDAÇÃO EVANGELIZAÇÃO E CULTURAS COMUNICADO DE IMPRENSA (2011_004) 1130portuguesesespalham sepelo mundoemprojectosdevoluntariado Missionário Emtempodefestivaiseviagensdelazer,jovenseadultos preferemdedicarasfériasaovoluntariado

Leia mais

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS

Plano de Actividades. Orçamento ASSOCIAÇÃO DO COMÉRCIO, INDÚSTRIA E SERVIÇOS DOS CONCELHOS DE VILA FRANCA DE XIRA E ARRUDA DOS VINHOS Plano de Actividades e Orçamento Exercício de 2012 Plano de Actividades e Orçamento para o exercício de 2012 Preâmbulo: O Plano de Actividades do ano de 2012 foi concebido com a prudência que resulta da

Leia mais

Coimbra: 16 e 17 de Abril. Faro: 14 e 15 de Maio. Faro: 16 de Maio. Faro: 17 de Maio. Faro: 18 de Maio

Coimbra: 16 e 17 de Abril. Faro: 14 e 15 de Maio. Faro: 16 de Maio. Faro: 17 de Maio. Faro: 18 de Maio 27 de Fevereiro 19 e 20 de Março 16 e 17 de Abril 14 e 15 de Maio 18 e 19 de Junho 9 e 10 de Julho 28 de Fevereiro 21 de Março 18 de Abril 16 de Maio 20 de Junho 11 de Julho 1 de Março 22 de Março 19 de

Leia mais

Plano de atividades de 2012

Plano de atividades de 2012 Plano de atividades de 2012 Introdução A Confederação Portuguesa do Voluntariado (CPV) congrega, à data de votação do presente Plano de actividades, 18 associações, federações e confederações, de diferentes

Leia mais

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020»

Cidadãos do Amanhã Empreendedorismo Jovem. Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» Seminário EUROACE «Cooperação e desenvolvimento rural. Experiências e perspectivas para 2014-2020» 29.Abril.2014 Idanha-a-Nova DUECEIRA GAL/ELOZ. Entre serra da LOusã e Zêzere Histórico > projecto cooperação

Leia mais

Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima

Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima Critérios para a admissão e recondução de docentes de Educação Moral e Religiosa Católica na diocese de Leiria- Fátima A. Preâmbulo A missão do professor de Educação Moral e Religiosa Católica (EMRC) não

Leia mais

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com

Plano de Atividades 2014. www.andonicanela.com Plano de Atividades 2014 (Revisão) www.andonicanela.com PROGRAMA DE ACTIVIDADES 2014 REVISTO INTRODUÇÃO e VERTENTE ESTRATÉGICA A LPN como a mais antiga e mais consistente organização não governamental

Leia mais

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517

ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA PARA O DIREITO INTERNACIONAL -10000517 AFRICAN UNION UNION AFRICAINE UNIÃO AFRICANA Addis-Abeba (ETHIOPIE) P. O. Box 3243 Téléphone (251-11) 5517 700 Fax : 551 78 44 Website : www.au.int ANÚNCIO DE VAGA SECERTÁRIO DA COMISSÃO DA UNIÃO AFRICANA

Leia mais

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009

Cáritas Portuguesa. Conselho Geral. Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 Cáritas Portuguesa Conselho Geral Fátima, 4 a 6 de Dezembro de 2009 PRIORIDADE ÀS CRIANÇAS A Cáritas em acção (Anteprojecto) Fundamentos «As crianças pobres, as desprovidas de enquadramento familiar adequado,

Leia mais

Programa de Apoio ao Autoemprego

Programa de Apoio ao Autoemprego Programa de Apoio ao Autoemprego Relatório do Programa Operacional Agosto 2013 Promotor: Coordenação da Execução: Introdução Objectivo e enquadramento Este relatório foi redigido com base no estudo As

Leia mais

O contributo do Cluster Habitat Sustentável

O contributo do Cluster Habitat Sustentável O contributo do Cluster Habitat Sustentável Victor Ferreira Plataforma para a Construção Sustentável Seminário Construção Sustentável CONCRETA 2011 20/10/2011 Visão e Missão O Cluster Habitat? agregador

Leia mais

Dinâmicas de exportação e de internacionalização

Dinâmicas de exportação e de internacionalização Dinâmicas de exportação e de internacionalização das PME Contribuição da DPIF/ Como fazemos? 1. Posicionamento e actuação da DPIF A DPIF tem como Missão: Facilitar o acesso a financiamento pelas PME e

Leia mais

DECLARAÇÃO DE HANÔVER

DECLARAÇÃO DE HANÔVER DECLARAÇÃO DE HANÔVER de Presidentes de Câmara de Municípios Europeus na Viragem do Século XXI (versão traduzida do texto original em Inglês, de 11 de Fevereiro de 2000, pelo Centro de Estudos sobre Cidades

Leia mais

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL

Plano de Atividades e Orçamento 2016 UDIPSS SETÚBAL Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE Plano de Atividades e Orçamento 2016 ÍNDICE... 1 1. MENSAGEM DA DIRECÇÃO... 2 2. VISÃO, MISSÃO E VALORES... 3 3. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS (atividades/ações)...

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 PLANO DE 2011 ACTIVIDADES Federação Portuguesa das Associações, Centros e Clubes UNESCO Julho de 2011 FICHA TÉCNICA TÍTULO: PLANO DE ACTIVIDADES 2011 AUTOR: Federação Portuguesa das Associações, Centros

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

geas www.sensocomum.pt

geas www.sensocomum.pt geas Como uma aplicação online pode facilitar a gestão da minha associação + fácil fichas de sócio online + rápido consulta de cotas + controlo histórico de alteração dados Com uma ferramenta disponível

Leia mais

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59.

Relatório da. Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59. Relatório da Avaliação intercalar da execução do Plano de Acção da UE para as Florestas Contrato de Serviço N.º 30-CE-0227729/00-59 Resumo Novembro de 2009 Avaliação intercalar da execução do Plano de

Leia mais

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação

Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação Fórum Nacional das Rádios Comunitárias (FORCOM) Estratégia de Comunicação 2011-2015 Maputo, Janeiro de 2011 2 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO......... 3 1.1 Contextualização............ 3 1.2 Justificativa (Porquê

Leia mais

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE

Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete. Sistema de Informação e Comunicação - REDE SOCIAL DE ALCOCHETE . Sistema de Informação e Comunicação da Rede Social de Alcochete . Objectivos e Princípios Orientadores O Sistema de Informação e Comunicação (SIC) da Rede Social de Alcochete tem como objectivo geral

Leia mais

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES

GESTÃO DA INFORMAÇÃO. 29.05.2008 Teresinha Fernandes 10º CICLO DE SEMINÁRIOS TRANSPORTE RODOVIÁRIO ALARGAR OS HORIZONTES DOMÍNIOS CRÍTICOS DA ACTIVIDADE ASSOCIATIVA: - Intervenção Política e Institucional / Produção Normativa; - Formação; - Assistência Técnica; - Assistência Documental; - Tratamento e Fornecimento de Informação:

Leia mais

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda.

Relatório de Gestão & Contas - Ano 2012 RELATÓRIO DE GESTÃO. Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. RELATÓRIO DE GESTÃO Resende e Fernandes, Construção Civil, Lda. 2012 ÍNDICE DESTAQUES... 3 MENSAGEM DO GERENTE... 4 ENQUADRAMENTO MACROECONÓMICO... 5 Economia internacional... 5 Economia Nacional... 5

Leia mais

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO

PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO PROTOCOLO DE COOPERAÇÃO ENTRE O MUNICIPIO DE SETÚBAL E A CONFEDERAÇÃO PORTUGUESA DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA, RECREIO E DESPORTO Considerando: a) As atribuições da Câmara Municipal de Setúbal, conferida

Leia mais

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades:

aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: Enquadramento Desafios: aumento da população mundial aumento da produtividade, sustentabilidade dos recursos e segurança alimentar Necessidades: eficiência dos sistemas agrícolas e florestais gestão sustentável

Leia mais

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo

Estratégia de Marketing na Comunicação Interna. O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Estratégia de Marketing na Comunicação Interna O caso épt! Miguel Horta e Costa Presidente Executivo Conferência Mercator XXI Lisboa, 7 de Outubro 2004 O papel da comunicação no desenvolvimento dos negócios

Leia mais

2010 ACTIVIDADE DO CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES DA EHTL BALANÇO TRIMESTRAL 24.03.2010

2010 ACTIVIDADE DO CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES DA EHTL BALANÇO TRIMESTRAL 24.03.2010 2010 ACTIVIDADE DO CENTRO NOVAS OPORTUNIDADES DA EHTL BALANÇO TRIMESTRAL 24.03.2010 2010 Centro Novas Oportunidades Balanço da Actividade ÍNDICE 1.Contextualização Metas contratualizadas 2010 2.Metas contratualizadas

Leia mais

Pelouro do Desenvolvimento Social

Pelouro do Desenvolvimento Social Pelouro do Desenvolvimento Social Novembro de 2012 ENQUADRAMENTO A problemática do envelhecimento da população constitui uma importante oportunidade de desenvolvimento social, uma vez que uma sociedade

Leia mais

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL

GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL CADERNOS DE MUSEOLOGIA Nº 28 2007 135 GESTÃO MUSEOLÓGICA E SISTEMAS DE QUALIDADE Ana Mercedes Stoffel Fernandes Outubro 2007 QUALIDADE E MUSEUS UMA PARCERIA ESSENCIAL INTRODUÇÃO Os Sistemas da Qualidade

Leia mais

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco

Caritas Diocesana de Portalegre Castelo Branco géneros alimentares recebidos do Banco Alimentar Contra a Fome - Delegação de Portalegre, com o qual existe protocolo. Artigo 12º (Afixação de documentos) É da responsabilidade d@ Coordenador/a da Loja:

Leia mais

NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS

NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS NOVA IMAGEM. NOVA TECNOLOGIA. NOVOS OBJECTIVOS O PROJECTO COMO NASCEU O CARTÃO SOLIDÁRIO O projecto Cartão Solidário nasceu da vontade de responder de forma contínua e sustentável às necessidades das Instituições

Leia mais

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário

Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Mais e Melhor no Desenvolvimento Comunitário Responsabilidade Social Como estratégia de Sustentabilidade a Responsabilidade Social das Organizações, tornou-se de vital importância para o Terceiro Sector,

Leia mais

A Cáritas Portuguesa vai levar a cabo uma Campanha Nacional de Apoio de recolha de roupa para as crianças refugiadas da Síria. A campanha, que tem

A Cáritas Portuguesa vai levar a cabo uma Campanha Nacional de Apoio de recolha de roupa para as crianças refugiadas da Síria. A campanha, que tem A Cáritas Portuguesa vai levar a cabo uma Campanha Nacional de Apoio de recolha de roupa para as crianças refugiadas da Síria. A campanha, que tem inicio no dia 18 de fevereiro, quarta-feira de Cinzas.

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral.

Como sempre, e de acordo com a nossa missão, continuaremos a dar a conhecer a Síndrome de Asperger e a APSA à sociedade em geral. Plano de Atividades 2016 INTRODUÇÃO O Plano de Atividades para 2016 agora apresentado tem como mote central DAR SENTIDO. Dar Sentido a tudo o que fazemos, o que nos envolve e o que envolve os outros. Centrarse-á

Leia mais

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado

Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Perguntas Frequentes sobre Voluntariado Juntos podemos fazer da solidariedade um compromisso Índice 1. O que é o Voluntariado? 3 2. Que organizações podem ser promotoras do Voluntariado? 3 3. O que é ser

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Adoptada pelos Ministros da Saúde e Ministros do Ambiente na Segunda Conferência Interministerial sobre Saúde e

Leia mais

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução

Anexo 1. Programa Municipal de Voluntariado. Introdução Anexo 1 Programa Municipal de Voluntariado Introdução 1. A proposta de desenvolvimento do Programa Municipal de Voluntariado decorre da competência da Divisão de Cidadania e Inovação Social do Departamento

Leia mais

elemento digital Dossier de Serviços para Empresas www.e-noivos.com

elemento digital Dossier de Serviços para Empresas www.e-noivos.com elemento digital Dossier de Serviços para Empresas www.e-noivos.com Julho 2003 1. A quem se dirige este documento? Este documento dirige-se a responsáveis pelo Marketing e/ou pela promoção e dinamização

Leia mais

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas

GUIA DO VOLUNTÁRIO. Sociedade Central de Cervejas GUIA DO VOLUNTÁRIO Sociedade Central de Cervejas ÍNDICE 1. A RESPONSABILIDADE SOCIAL NA SCC: O NOSSO COMPROMISSO... 3 2. O NOSSO COMPROMISSO COM O VOLUNTARIADO... 4 2.1 A ESTRUTURAÇÃO DO VOLUNTARIADO EMPRESARIAL...

Leia mais

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006

PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 PROGRAMA REDE SOCIAL Co-financiado pelo Estado Português, Ministério da Segurança Social e do Trabalho PLANO DE ACÇÃO 2005-2006 Documento elaborado pelo: Conselho Local de Acção Social do Concelho do Núcleo

Leia mais

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados;

Permanente actualização tecnológica e de Recursos Humanos qualificados e motivados; VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos e electrónicos, oferecendo

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo

REGULAMENTO INTERNO. Preâmbulo REGULAMENTO INTERNO Preâmbulo O (adiante designado de Pacto Territorial), é uma plataforma de intervenção integrada, criada no âmbito do Projecto EQUAL Migrações e Desenvolvimento com vista à dinamização

Leia mais

Fundação Champagnat RELATÓRIO DE ATIVIDADES (2013)

Fundação Champagnat RELATÓRIO DE ATIVIDADES (2013) RELATÓRIO DE ATIVIDADES (2013) Fundação Champagnat Telefone: 217780073 E-mail: funda_champagnat@maristascompostela.org INTRODUÇÃO 1 Este Relatório de Atividades da Fundação Champagnat (FCH) relativo ao

Leia mais

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA

MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA MISSÃO, VISÃO, VALORES E POLÍTICA VISÃO Ser a empresa líder e o fornecedor de referência do mercado nacional (na área da transmissão de potência e controlo de movimento) de sistemas de accionamento electromecânicos

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt

Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria. www.anotherstep.pt Apresentação de Resultados Plano de Ações de Melhoria www.anotherstep.pt 2 Sumário Ponto de situação Plano de Ações de Melhoria PAM Enquadramento e planeamento Selecção das Ações de Melhoria Fichas de

Leia mais

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP

O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP O PAPEL DA GESTÃO DE ÁREA URBANA NO SUCESSO DAS OPERAÇÕES INTEGRADAS DE REABILITAÇÃO J. Braz Pereira UGAU CHP PORTO VIVO, SRU SEMINÁRIO ALFÂNDEGA DO PORTO 4 E 5 DE DEZEMBRO DE 2009 Pressuposto O impacto

Leia mais

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV

CAPÍTULO I. 'LVSRVLo}HVJHUDLV 2EMHFWLYRV. 2UJDQL]Do}HVSURPRWRUDV 'HFUHWR/HLQž GHGH6HWHPEUR O voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando, de forma livre e organizada, na solução

Leia mais

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 )

( DR N.º 229 30 Setembro 1999 30 Setembro 1999 ) LEGISLAÇÃO Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, Regulamenta a Lei n.º 71/98, de 3 de Novembro, que estabeleceu as bases do enquadramento jurídico do voluntariado (JusNet 223/1999) ( DR N.º 229 30

Leia mais

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4

Plano estratégico da ADRA Portugal. Siglas 2. Identidade 3 Visão 3 Missão 3. Princípios e Valores 4 Conteúdos: Siglas 2 Identidade 3 Visão 3 Missão 3 Princípios e Valores 4 Objetivos Gerais Meta 1: Responsabilidade Social e Ação Social 6 Meta 2: Cooperação e Ação Humanitária 7 Meta 3: Educação para o

Leia mais

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing

Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Manual Planeamento de Campanha de E-Marketing Planeamento de Campanha de E-Marketing Cada variável, a nível de marketing tem normas próprias, em função dos meios de comunicação através dos quais se veiculam

Leia mais

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas

A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas A Câmara Municipal de Rio Maior e o papel do Curso de Educação e Comunicação Multimédia no Gabinete de Imagem, Comunicação e Relações Públicas Psicologia organizacional A Psicologia Organizacional, inicialmente

Leia mais

Plano de Actividades 2010

Plano de Actividades 2010 Plano de Actividades 2010 Gabinete de Apoio ao Estudante com Deficiência Janeiro de 2010 O presente relatório explicita as actividades que, de forma permanente, são asseguradas pelo, bem como um conjunto

Leia mais

Crescente incidência da doença de Alzheimer e das situações de pós-avc na região EDV

Crescente incidência da doença de Alzheimer e das situações de pós-avc na região EDV A Demência: O Outro Lado do Espelho Fundação Calouste Gulbenkian 23 de Setembro 2010 Enquadramento Geral Envelhecimento demográfico Crescente incidência da doença de Alzheimer e das situações de pós-avc

Leia mais

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados

ÁREA A DESENVOLVER. Formação Comercial Gratuita para Desempregados ÁREA A DESENVOLVER Formação Comercial Gratuita para Desempregados Índice 8. Sobre nós 7. Como pode apoiar-nos 6. Datas de realização e inscrição 5. Conteúdos Programáticos 4. Objectivos 3. O Workshop de

Leia mais

OBJETIVOS. Apresentamos aqui uma Proposta do Plano de Comunicação e Imagem para 2013.

OBJETIVOS. Apresentamos aqui uma Proposta do Plano de Comunicação e Imagem para 2013. Apresentamos aqui uma Proposta do Plano de Comunicação e Imagem para 2013. Este plano resulta da AVALIAÇÃO 2012 (ver documento) e das necessidades que consideramos prioritárias responder para que GBU possa

Leia mais

Gabinete de Acção Social (GAS)

Gabinete de Acção Social (GAS) Gabinete de Acção Social (GAS) Atendimento Social GAS procura dar continuidade ao trabalho de qualidade realizado a partir do projecto Dar e Receber. No mês de Maio foram realizados 78 atendimentos, num

Leia mais

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS?

INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? INTERVENÇÃO DO SENHOR SECRETÁRIO DE ESTADO DO TURISMO NO SEMINÁRIO DA APAVT: QUAL O VALOR DA SUA AGÊNCIA DE VIAGENS? HOTEL TIVOLI LISBOA, 18 de Maio de 2005 1 Exmos Senhores ( ) Antes de mais nada gostaria

Leia mais

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC

OBJECTIVO 2015. Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO FEC OBJECTIVO 2015 Cinco anos para construir uma verdadeira Parceria Global para o Desenvolvimento PROPOSTA DE ACÇÃO INTRODUÇÃO O ano de 2010 revela-se, sem dúvida, um ano marcante para o combate contra a

Leia mais

Inovação e Responsabilidade Social. Moçambique A NOSSA OFERTA

Inovação e Responsabilidade Social. Moçambique A NOSSA OFERTA Inovação e Responsabilidade Social Moçambique A NOSSA OFERTA 1 O que fazemos CONSULTORIA EM GESTÃO DE RS PROJECTOS SENSIBILIZAÇÃO E FORMAÇÃO IDENTIFICAÇÃO E ENVOLVIMENTO DAS PARTES INTERESSADAS EDUCAÇÃO

Leia mais

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira

Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira Conselho Local de Acção Social De Vila Nova de Cerveira REGULAMENTO INTERNO INTRODUÇÃO A rede social é uma plataforma de articulação de diferentes parceiros públicos e privados que tem por objectivos combater

Leia mais

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO

LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO LISTA DE COMPETÊNCIAS TÉCNICO SUPERIOR E TÉCNICO N.º ORIENTAÇÃO PARA RESULTADOS: Capacidade para concretizar eficiência os objectivos do serviço e as tarefas e que lhe são solicitadas. com eficácia e 1

Leia mais

PROGRAMA LISTA M. Índice Geral

PROGRAMA LISTA M. Índice Geral Índice Geral A. Projecto de Credibilização e Revitalização da Associação Académica da Universidade Lusófona. - Hoje e no Futuro, em defesa dos teus direitos.2 B. Projecto de apoio às actividades académico-culturais.

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007

PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 PLANO TIC ano lectivo 2006/2007 O Coordenador TIC João Teiga Peixe Índice Índice...2 1. Introdução... 3 2. Objectivos... 3 3. Sectores Afectos... 4 1. Salas de Aulas... 4 2. Administrativo... 4 3. Outras

Leia mais

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002

Plano de Comunicação para o QCA III. Relatório de Execução de 2002 Plano de Comunicação para o QCA III Relatório de Execução de 2002 Após o período de lançamento do QCA III o ano de 2002 foi de consolidação dos projectos iniciados e de apresentação dos primeiros resultados.

Leia mais

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS

REGULAMENTO DO IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS REGULAMENTO DO CINC CASCAIS IV CONCURSO DE IDEIAS DE NEGÓCIO DO CONCELHO DE CASCAIS Preâmbulo O CINC CASCAIS - IV Concurso de Ideias de Negócio do Concelho de Cascais é uma iniciativa de captação de ideias

Leia mais

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital

Algarve Digital Sessão de trabalho. Janeiro de 2006. Algarve Digital Algarve Digital Sessão de trabalho Janeiro de 2006 Agenda Sessão Informativa Ponto de Situação geral do Projecto Algarve Digital Lançamento do Projecto Redes Camarárias Lançamento dos Projectos Intranet

Leia mais

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE

MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE MÓDULO III HELP DESK PARA FORMAÇÃO ONLINE Objectivos gerais do módulo No final do módulo, deverá estar apto a: Definir o conceito de Help Desk; Identificar os diferentes tipos de Help Desk; Diagnosticar

Leia mais

NORMAS DE FUNCIONAMENTO

NORMAS DE FUNCIONAMENTO NORMAS DE FUNCIONAMENTO Preâmbulo O Voluntariado é uma actividade inerente ao exercício de cidadania que se traduz numa relação solidária para com o próximo, participando de uma forma livre, responsável

Leia mais

7 e 8 de Abril de 2010

7 e 8 de Abril de 2010 Edição 2010 O Ponto de Encontro Anual dos Profissionais do Sector 7 e 8 de Abril de 2010 Centro de Congressos do Estoril www.ife.pt Os resultados falam por si, o seu cliente visita o logitrans! OS DECISORES

Leia mais

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial

Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa. Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado do Concelho de Lagoa Banco de Voluntariado LagoaSocial Projecto de Voluntariado Social de Lagoa O Banco de Voluntariado LagoaSocial será enquadrado num conjunto de medidas e acções

Leia mais

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede

Seminário Redes do Conhecimento e Conhecimento em Rede MINISTÉRIO DO AMBIENTE, DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL Gabinete do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional Intervenção do Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional

Leia mais

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE.

QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. QUALIFICAÇÃO DAS INSTITUIÇÕES OS MODELOS DE AVALIAÇÃO DA QUALIDADE / SISTEMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE. Por: Cândido Pires Presidente da Direcção do Centro de Solidariedade de Braga, Licenciado em Engenharia,

Leia mais

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL

ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL ESTRUTURA ORGÂNICA E FUNCIONAL Diretor Geral O Diretor Geral supervisiona e coordena o funcionamento das unidades orgânicas do Comité Olímpico de Portugal, assegurando o regular desenvolvimento das suas

Leia mais

Relatório de Clientes Mistério. Agência para a Modernização Administrativa

Relatório de Clientes Mistério. Agência para a Modernização Administrativa Relatório de Clientes Mistério Agência para a Modernização Administrativa Ano de 2010 Índice Parte I Enquadramento... 2 1. Objectivos do Cliente Mistério... 2 Parte II Metodologia de Intervenção... 3 Parte

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO

REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIADO REGULAMENTO INTERNO DO VOLUNTARIADO REGULAMENTO Artigo 1.º Âmbito O presente regulamento visa definir as linhas orientadoras do grupo de voluntariado Marvila Voluntária, o qual tem como entidade promotora

Leia mais

A Construção Sustentável e o Futuro

A Construção Sustentável e o Futuro A Construção Sustentável e o Futuro Victor Ferreira ENERGIA 2020, Lisboa 08/02/2010 Visão e Missão O Cluster Habitat? Matérias primas Transformação Materiais e produtos Construção Equipamentos Outros fornecedores

Leia mais

LINHAS DE ESTRATÉGICA DA CÁRITAS EM PORTUGAL PARA O TRIÉNIO 2010-2012. Ante Projecto

LINHAS DE ESTRATÉGICA DA CÁRITAS EM PORTUGAL PARA O TRIÉNIO 2010-2012. Ante Projecto Cáritas Portuguesa PRAÇA PASTEUR N. 11 2.º ESQ 1000-238 LISBOA E-mail caritas@caritas.pt LINHAS DE ESTRATÉGICA DA CÁRITAS EM PORTUGAL PARA O TRIÉNIO 2010-2012 Ante Projecto Só através da caridade, iluminada

Leia mais

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau)

Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Fórum para a Cooperação Económica e Comercial entre a China e os Países de Língua Portuguesa (Macau) Plano de Acção para a Cooperação Económica e Comercial (2007-2009) 2ª Conferência Ministerial, 2006

Leia mais

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura

DESAFIOS URBANOS 15. concurso. de arquitectura Espaço de Arquitectura O Espaço de Arquitectura é um portal dedicado à Arquitectura em Portugal, que assumiu o seu posicionamento em 2010, com o propósito de privilegiar a proximidade entre arquitectos

Leia mais

Reunião de Direcção de 29.05.2008 Ordem de Trabalhos

Reunião de Direcção de 29.05.2008 Ordem de Trabalhos Reunião de Direcção de 29.05.2008 Ordem de Trabalhos Assunto Resp. Suporte 13h00 Assinatura da acta da reunião anterior Todos Acta da reunião 13h05 Temas prioritários para ho e Julho NGNs, Prémio APRITEL

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO FUNDÃO + ESCOLA + PESSOA PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2013-2017 Agrupamento de Escolas do Fundão Página 1 Perante o diagnóstico realizado, o Agrupamento assume um conjunto de prioridades

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

O Fórum Económico de Marvila

O Fórum Económico de Marvila Agenda O Fórum Económico de Marvila A iniciativa Cidadania e voluntariado: um desafio para Marvila A Sair da Casca O voluntariado empresarial e as políticas de envolvimento com a comunidade Tipos de voluntariado

Leia mais

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público.

O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. 7ª edição Prémio Boas Práticas no Sector Público O presente documento constitui o Regulamento da 7ª edição do Prémio Boas Práticas no Sector Público. Aconselhamos a sua leitura antes de iniciar o processo

Leia mais

Regulamento. Espaço Solidário de Ourique

Regulamento. Espaço Solidário de Ourique Regulamento Espaço Solidário de Ourique Regulamento Espaço Solidário de Ourique Nota justificativa O Espaço Solidário surge no âmbito da Rede Social, de acordo com o Diagnóstico Social do Concelho, constando

Leia mais

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA

CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA CONHECER O COMISSARIADO DA AUDITORIA PARTE I - MISSÃO, VALORES, VISÃO E LINHAS DE ORIENTAÇÃO ESTRATÉGICA DO COMISSARIADO DA AUDITORIA O Comissariado da Auditoria (CA) funciona como órgão independente na

Leia mais

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO

Câmara Municipal de Estarreja PREÂMBULO PREÂMBULO O projecto Estarreja COMpartilha surge da necessidade que se tem verificado, na sociedade actual, da falta de actividades e práticas de cidadania. Traduz-se numa relação solidária para com o

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA

SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE S. JOÃO DA MADEIRA REGULAMENTO INTERNO EQUIPA DE INTERVENÇÃO DIRECTA Artigo 1º Âmbito 1. Este regulamento aplica-se à resposta social Equipa de Intervenção Directa (EID) resposta social dirigida à população toxicodependente, da Unidade de Apoio a Toxicodependentes e Seropositivos

Leia mais

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE Projecto IMCHE/2/CP2 1 ALIANÇA ESTRATÉGICA DA SAÚDE E AMBIENTE PARA A IMPLEMENTAÇÃO DA DECLARAÇÃO DE LIBREVILLE

Leia mais

Organização de Eventos

Organização de Eventos Organização de Eventos Exponor 02/2009 Copyright Portaldoser 2007 1 Conceitos Básicos O que é um Evento? Um EVENTO é um acontecimento planeado, que ocorre num dado tempo e lugar, que visa promover a relação

Leia mais