O Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Física

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Física"

Transcrição

1 O Uso de Realidade Aumentada no Ensino de Física Márcio Duarte, Alexandre Cardoso e Edgard Lamounier Jr. Universidade Federal de Uberlândia UFU Programa de Pós-graduação em Engenharia Elétrica Abstract This paper presents a new interactive technique to support Augmented Reality (AR) applications. This technique alows dynamic information visualization associated to real time scene changes which is not observed in current AR systems. A velocity/time phisical experiment with achieved results is taken as a case study to demostrate the proposed technique. 1 - Introdução Realidade Aumentada (RA) consiste numa técnica avançada de interface computacional, que permite a sobreposição de objetos virtuais no mundo real. Considerada uma variante da Realidade Virtual, a RA suporta uma visualização de maneira altamente realista, incrementando a percepção do usuário no uso de uma interface de computador [1]. Assim, a RA proporciona um aumento da percepção humana, possibilitando ao usuário identificar melhor as informações do ambiente visualizado, favorecendo com isso a construção do seu conhecimento. A maioria dos sistemas desenvolvidos em RA limita-se a inserir informações no ambiente real, associadas a marcadores, de forma a complementar uma cena estática com uma dada informação. A proposta deste trabalho é utilizar RA para apresentar, dinamicamente, informações associadas à mudança do cenário que está sendo utilizado no mundo real. Desta forma, em um experimento real de Física que é digitalizado e apresentado no computador informações que são variantes no tempo, como por exemplo, velocidade e aceleração poderiam ser estimadas e exibidas em tempo real, como será visto através do estudo de caso deste artigo. Para isso, está sendo utilizado um sistema de desenvolvimento de aplicações de RA, denominado ARToolKit [2]. 2 Conceitos Básicos ARToolKit ARToolKit é uma biblioteca que permite desenvolver aplicações em RA utilizando técnicas de visão computacional para o processo de orientação, calibração da câmera, sobreposição e visualização de imagens reais e virtuais no mesmo cenário, além de detecção de movimentos em tempo real, cujo processo é feito com a utilização de marcadores [3], como ilustram as Figuras 1 e 2. O ARToolKit pode ser executado nas plataformas SGI Irix, PC Linux e PC Windows 95/98/NT/2000/XP, com versões separadas para cada uma destas. O sistema é livre e "open-source" para uso em aplicações não-comerciais e é distribuído sob licença GPL. As versões mais utilizadas e mais atualizadas do software, atualmente, são as implementadas na linguagem C. Há ainda versões implementadas para Matlab e Java (o jartoolkit). Algumas versões possuem suporte a VRML, mas a maioria está disponível apenas para OpenGL. 1

2 Figura 0: Marcador Figura 2 Objeto virtual no ambiente real 2.2 Experimento de Física Relacionado O experimento físico realizado baseia-se na utilização de um Air Track (Trilho de Ar), que envolve a segunda Lei de Newton-Galileu, onde um planador de massa Ma desliza praticamente sem atrito puxado por um porta-pesos de massa Mb, estando os dois ligados por um fio leve, que passa por uma polia fixa também considerada ideal, como pode ser visto na Figura 3. Figura 3 Trilho de Ar (Segunda Lei de Newton) Fonte: O objetivo deste experimento é mostrar como uma força de atrito pode atuar sobre um corpo. Assim, dependendo desta força, variáveis como aceleração e velocidade podem ser modificadas. Vários experimentos realizados em laboratórios acadêmicos, apenas ilustram como essa força de atrito pode agir sobre um corpo, mas não estimam e nem ilustram em tempo real as variáveis citadas anteriormente. Pensando nisto, uma estratégia computacional utilizando RA foi implementada para que estes dados pudessem ser expressos de forma mais sucinta, uma vez que suporte para tal experimento não foi encontrado em outros sistemas de RA com fins educacionais. 3 Detalhes da Implementação De forma a permitir a inserção de dados relativos ao tempo, espaço, velocidade e aceleração, na forma de RA e prover ao usuário a verificação destes valores no momento do experimento, foram feitas adaptações (que não alteram a condição da experiência em execução), onde um conjunto de marcadores acomoda-se para uma câmera, que está posicionada sobre o experimento. Assim, um painel contendo vários marcadores foi criado, como é mostrado na Figura 4. 2

3 Figura 4 Trilho de Vento e Marcadores Um problema encontrado foi de como detectar a passagem do objeto por cada marcador. A solução relaciona-se com a criação de uma abertura na borda de cada marcador, de maneira que, quando o objeto que percorre o trilho de ar passa por este, causa o fechamento da borda, definindo a imagem de um marcador e ativando uma ação. Esta ação é a identificação do marcador pelo software ARToolKit através de uma WebCam e a projeção, (relativa, por exemplo, à da velocidade do objeto) no monitor de vídeo, concebida em VRML. Como o ARToolKit é uma ferramenta de código aberto, foi possível desenvolver modificações no código referente a detecção dos tempos de aparições entre um marcador e outro. Outra dificuldade encontrada refere-se à atualização dos valores das variáveis do experimento que estão associadas a estes marcadores. Faz-se necessário atualizar os objetos virtuais associados com os marcadores, em função do tempo decorrido até a detecção do mesmo. Como o ARToolKit trabalha com objetos virtuais pré-armazenados, isso não possibilitava gerar suas atualizações. Assim, uma rotina complementar foi desenvolvida. Desta forma, cada marcador identifica uma mudança de um estado, permitindo obter o tempo gasto entre a aparição de um marcador e de outro. Armazenando o tempo anterior e subtraindo do tempo atual, obtém-se a variação de tempo ( t) que é usado nas fórmulas associadas ao cômputo de aceleração e velocidade do objeto. Para o experimento, foram utilizados um computador Pentium IV, uma WebCam Creative NX, os softwares ARToolKit 2.52Vrml e Visual C++. A Figura 5a mostra a imagem capturada pela câmera através da execução do programa SimpleVRML modificado do ARToolKit, aplicado ao experimento de Física. Nesta figura, a velocidade do objeto é exibida em frente ao marcador central. A Figura 5b mostra uma nova velocidade identificada quando o objeto passa diante do marcador à direita. Figura 5 (a) Imagem Real do Experimento Figura 5 (b) Imagem Real do Experimento 3

4 4 Conclusões e Trabalhos Futuros Este artigo descreveu um projeto para utilização de Realidade Aumentada em laboratórios de ensino de Física. A visualização de informações reais e estimadas durante o experimento, com o uso de RA, mostrou ser uma técnica bastante eficiente, pois dessa forma experimentos podem ser mais bem detalhados, facilitando o processo de abstração e auxiliando o processo cognitivo de aprendizado. Outra vantagem do sistema de Realidade Aumentada está relacionada ao custo, pois é possível o desenvolvimento de ambientes relevantes utilizando materiais acessíveis e disponíveis nos laboratórios de informática. Porem, é preciso ressaltar que não foi realizada uma medição para verificação dos resultados obtidos e que estes foram meramente conseguidos através da utilização de fórmulas físicas. O uso de web-cam e marcadores pode introduzir alguma forma de erro nessas medidas. Dessa forma, como trabalhos futuros são propostas a verificação da precisão destes resultados, medição dos possíveis erros introduzidos e a criação de uma interface mais intuitiva, unificando a imagem da câmera ao sistema de entrada de dados. REFERÊNCIAS WRA II Workshop de Realidade Aumentada [1] SANTIN, R., KIRNER, C. ARToolKit Aspectos Técnicos e Aplicações Educacionais. In: Anais do WRA 2004 I WorkShop Sobre Realidade Aumentada, 2004, Piracicaba - SP. WRA 2004 WORKSHOP SOBRE REALIDADE AUMENTADA. Piracicaba - SP: UNIMEP, v. 01. p [2] ARToolKit - Download. Disponível em Acesso em: 04/04/2005. [3] LAHR, P. S., LOURENÇO, P. C., DAINESE, C. A.. Rastreamento em Realidade Aumentada com Artoolkit e Marcadores. In: Anais do WRA 2004 I WorkShop Sobre Realidade Aumentada, 2004, Piracicaba - SP. WRA 2004 WORKSHOP SOBRE REALIDADE AUMENTADA. Piracicaba - SP: UNIMEP, v. 01. p [4] CONSULARO, L. A., JUNIOR, N. C., DAINESE, C. A., GARBIN, T. R., KIRNER, C., TRINDADE, J., FIOLHAIS, C.. ARToolKit Aspectos Técnicos e Aplicações Educacionais. In: Livro dos Minicursos do VII Symposium on Virtual Reality, 2004, São Paulo - SP. SVR 2004 ARTOOLKIT ASPECTOS TÉCNICOS E APLICAÇÕES EDUCACIONAIS. São Paulo - SP: SENAC, v. 01. p [5] Trilho de Ar Disponível em Acesso em: 06/05/

5 Catalog System: Um Sistema de Autoria Espacial de Realidade Aumentada Francinee Benam¹, Claudio Kirner² ¹ ²Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP. ¹ ²Faculdade de Ciências Exatas e da Natureza FACEN. ²Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação. Abstract This paper aims to demonstrate the forthcoming scenarios of possibilities when developing augmented reality authoring systems. The merged technological conditions embedded into an augmented reality environment suggest its amplitude as the foundation of all humancomputer interaction to come. Keywords: Augmented Reality (AR); Authoring Systems; Ubiquitous Computing. 1 Introdução Realidade Aumentada é um assunto ainda pouco difundido e, para pesquisadores e cientistas, é uma das áreas mais promissoras da tecnologia. A abrangência de seu espectro gera um campo multidisciplinar de estudos - técnicas de Visão Computacional, Computação Gráfica, Sistemas Inteligentes, Robótica, dispositivos móveis e sem fio (celulares/wireless/telecomm) permitindo a criação de novas vertentes tecnológicas. Alguns observadores sugeriram que uma das muitas aplicações em potencial de realidade aumentada irá emergir como a aplicação em inglês definida como the killer app, mais especificamente a aplicação que virá em primeiro e irá matar as outras prévias tentativas com um uso tão atrativo que resultaria em uma adoção em massa dessa tecnologia. Estes dispositivos não fazem parte de um só tipo de aplicação; são anfitriões de aplicações que estarão no dia a dia das pessoas - aplicações comerciais para celulares, jogos por computador, manutenção de equipamentos/ maquinários, imagens médicas etc. A noção de que os computadores são, inexplicável e transparentemente, incorporados em nossas vidas diárias é o que o cientista computacional Mark Weiser (1991) afirmou ao cunhar o termo Ubiquitous Computing (computação ubíqua) mais de uma década atrás. Os sistemas de realidade aumentada, com suas informações virtuais sobrepostas em dispositivos móveis, painéis, displays e projetores holográficos, logo se integrarão ao cenário diário observado. Quando interfaces computacionais para usuários estiverem em todo lugar - rótulos virtuais como post its animados pairando no ar para indicar direções e anunciar as últimas notícias e, conteúdos multimídia em sistemas e dispositivos de realidade aumentada como novo tipo de mídia publicitária -, esta permissiva mistura de realidade e virtualidade (MILGRAM; HERMAN, 1999) poderá se transformar no midium primário (Figura 1) para uma nova geração de visionários da tecnologia que contribuirá para a construção do futuro próximo. 5

6 Figura 1:. Mixed-fantasy framework (MILGRAM et al, 1999). 2 Sistema Espacial: Catalog System O sistema de autoria criado e, apresentado neste artigo, visa mostrar o potencial do desenvolvimento de aplicações de realidade aumentada. O sistema espacial assim chamado por possibilitar a movimentação de objetos virtuais no espaço real de coordenadas x, y, z captado pela câmera - foi denominado CatalogSystem e pode funcionar como um catálogo de objetos virtuais. O usuário escolhe o tema e movimenta o objeto, coletando-o de um catálogo de objetos, para fazer seu depósito na mesma cena, interagindo com outros objetos virtuais ou em outro cenário (base virtual), conforme suas necessidades. Para ilustrar a idéia foi elaborada a aplicação aquarium, na qual, o usuário, movimenta com as mãos, elementos de um aquário virtual, incluindo o próprio aquário, peixes e outros objetos do cenário. A Figura 3 ilustra a montagem de um aquário com um peixe, através de interação no espaço real. Para tornar o ambiente virtual mais realista, optou-se por colocar o marcador do aquário sob a mesa, de forma que o fundo do aquário o cubra, fazendo que os marcadores não apareçam na cena final. Assim, os outros marcadores sob a mesa, representando peixes e outros objetos do aquário, também não serão vistos na cena final. Nesta primeira versão, o catálogo contém as placas móveis correspondentes aos objetos virtuais (Figura 2). Ao colocar-se o catálogo no campo de visão da webcam, os objetos virtuais aparecerão, de forma que as placas poderão ser retiradas e colocadas sob a mesa para formar o cenário. O catálogo contém várias cópias do mesmo objeto, de forma que possa ser usado várias vezes. Figura 2: marcadores para sobreposição dos objetos virtuais. Numa segunda versão, será usado um catálogo com placas impressas no catálogo, e uma pá de movimentação. Ao colocar-se o catálogo no campo de visão da webcam, os objetos 6

7 virtuais aparecerão e, com o uso da pá, cópias poderão ser removidas e depositadas sob a mesa, em placas hospedeiras que poderão ser manipuladas. Uma terceira versão será uma variante da segunda, que não exigirá as placas hospedeiras, permitindo o transporte da cópia do objeto com a pá para qualquer local da mesa, sem a necessidade de placas hospedeiras. Entretanto, a realocação dos objetos sob a mesa exigirá o uso da pá, uma vez que os mesmos não estarão sob placas. Figura 3: Captura de cenas do CatalogSystem_aquarium. A coleção de bibliotecas ARtoolKit (BILLINGHURST; KATO, 2004), disponível gratuitamente no Laboratório HITL da Universidade de Washington, foi utilizada para este processo. Algumas funcionalidades foram incluídas no software como a pá e a associação de sons com os objetos virtuais (SANTIN et al, 2004). O sistema espacial CatalogSystem[aquarium] insere-se no contexto de um ambiente formado pelo computador, incluindo o monitor, uma câmera de vídeo e um marcador, que consiste em uma placa de papelão com marcas fiduciais chamadas de patterns ou padrões. Nesse ambiente, podem-se desenvolver aplicações gráficas tridimensionais sofisticadas - cenários animados interativos e/ou jogos educacionais (BILLINGHURST; KATO; POUPYREV, 2001), que serão gerados pelo computador e colocados sob a placa/ marcador. A criação da aplicação evidenciou a modificação de aspectos ferramentais para a verificação e testes com o sistema. Objetos virtuais cones, quadrados, elipses, cilindros, entre outros - foram criados, através de primitivas gráficas e, sobrepostos em novos marcadores. Alterações no código fonte foram feitas para testar a usabilidade do sistema. Os exemplos de aplicações foram propiciados pela compilação do novo código, no ambiente integrado de desenvolvimento, através da geração do arquivo executável. O trabalho de associação dos novos marcadores (placas reais) aos objetos virtuais foi feito através da prática de cadastramento dos marcadores. Veja as fotos dos exemplos de aplicações interativas (figura 4). 7

8 Figura 4: Exemplos de interação e marcador com o pattern fish. 3 Conclusão O desenvolvimento do sistema de autoria espacial de realidade aumentada CatalogSystem_aquarium, ao evidenciar suas características, como a manipulação do marcador pelo usuário que visualiza e move o ambiente virtual sobreposto ao mundo real, interagindo e transformando a cena real, objetivou demonstrar as possibilidades e potencialidades do desenvolvimento de aplicações de realidade aumentada. Essas características viabilizam interfaces mais naturais, na medida em que sobrepõem o espaço do usuário com o espaço virtual, dando a impressão que o espaço virtual encontra-se na frente do usuário. Além disso, o uso das mãos manipulando placas é bastante natural e não exige treinamento, o que faz com que o sistema seja de fácil utilização. Assim, qualquer pessoa, dispondo do ambiente de realidade aumentada, como foi descrito, e de um catálogo de marcadores associados com objetos virtuais mais variados, consegue realizar a composição de ambientes virtuais na cena real, juntando placas, além de alterar esse ambiente a qualquer momento, mudando a localização das placas. O sistema pode ser útil em ensino e treinamento, além de ter alto potencial para entretenimento através de jogos. Há também a possibilidade de uso desse sistema em rede, permitindo a montagem de ambientes em grupos de pessoas, remotamente localizadas. 4 Referências Bibliográficas BILLINGHURST, M.; KATO, H. ARToolKit. Human Interface Technology Lab (HITL), Washington, Disponível em Acesso em: 15 ago BILLINGHURST, M.; KATO, H. & POUPYREV, I. The MagicBook-Moving Seamlessly between Reality and Virtuality, IEEE Computer Graphics and Applications, p. 2-4, May/June MILGRAM, P.; HERMAN, C.J. A Taxonomy of Real and Virtual World Display Integration, in Mixed Reality, Merging Real and Virtual Environments, Ohmshda & Springer-Verlag, p. 5-30, SANTIN, R. et al. Ações Interativas em Ambientes de Realidade Aumentada com ARToolKit, in SVR, VII Symposium on Virtual Reality, São Paulo, SP, p , Outubro WEISER, M. The Computer for the 21 st Century. Scientific American, Sep

9 Anotações Geo-Virtuais Rafael A. D. Souza 1, Fábio R. Miranda 2 Centro Universitário SENAC 1 2 Abstract This article emphasizes a subtype of augmented reality, mobile augmented reality. It is shown how augmented reality and mobile devices technology can be mixed and proposes an application that leverages both augmented reality and mobility, through a server that provides dynamic AR content over a wireless network. Resumo Este artigo destaca uma especialidade de realidade aumentada, a realidade aumentada móvel. Mostra como se pode usufruir das vantagens da realidade aumentada junto com a tecnologia de dispositivos móveis atuais e propõe uma aplicação que explora algumas das características de realidade aumentada e mobilidade, através do uso de um servidor de conteúdo dinâmico via redes sem fio. 1. Introdução A Realidade Aumentada (RA) se utiliza da realidade virtual para enriquecer os ambientes reais com objetos virtuais, através de algum dispositivo tecnológico, funcionando em tempo real. Tecnologicamente é comum o uso de um óculos ou capacete com visor semitransparente, de forma que a visão do ambiente real possa ser sobreposta com informações virtuais. Também é possível coletar a imagem real com uma câmera de vídeo e misturá-la com a imagem virtual antes de ser apresentada. Com isso podemos enxergar, por exemplo, um objeto real com o seu detalhamento interno gerado por realidade virtual. Um sistema típico de RA é composto de um capacete de visualização com sistema de rastreamento de posição, sobre o qual é disposta uma câmera de vídeo, conforme a figura 1a. Nesse caso, a imagem real é obtida pela câmera de vídeo montada sobre o capacete, enquanto que a imagem virtual é gerada por um computador que considera o posicionamento do rastreador. Um misturador combina as duas imagens e mostra o resultado final ao usuário. A finalidade desse tipo de sistema é o enriquecimento do mundo físico com informações digitais, como o SignPost [1], que ajuda na navegação em um ambiente supostamente desconhecido, fornecendo uma indicação, por meio de uma seta, do caminho que se deve seguir para atingir o destino alvo. Como mostra a figura 2. Figura 1. (a) Uma típica mochila setup para RA móvel versus (b) dispositivo handheld leve e prático. [2] 9

10 A realidade aumentada pode naturalmente ser complementada com a computação móvel em um dispositivo portável, fornecendo uma relação intuitiva a um espaço tridimensional da informação encaixado dentro da realidade física, tornando possível associar informação computacional a ambientes cotidianos. Infelizmente, os sistemas usáveis atuais de RA são relativamente complexos, caros, frágeis e pesados (figura 1a). São inadequados para a distribuição em grande escala e normalmente envolvem ambientes confinados em que sempre há um especialista por perto. Conseqüentemente, a escala de experiências multi-usuários não excedeu ainda um punhado dos participantes. Figura 2. Um guia móvel de navegação em realidade aumentada. [2] Azuma [3] agrupou as aplicações de realidade aumentada em três áreas: aplicações móveis, aplicações colaborativas e aplicações comerciais. As aplicações móveis de realidade aumentada incluem: - visualizar anotações virtuais em edifícios, salas e outros elementos urbanos para orientar o usuário; - mostrar ou recuperar prédios e outros elementos inexistentes ou em ruínas, enfatizando o planejamento urbano e a arqueologia; - turismo. Protótipos de aplicações móveis têm sido desenvolvidos pela equipe do Studierstube Project [4], que demonstraram que os assistentes digitais pessoais (PDAs) têm características que os tornam particularmente interessantes para realidade aumentada. No contraste aos notebooks, PDAs podem ser carregados sem inconvenientes ergonômicos, simplesmente porque foram projetados para exatamente essa finalidade. São suficientemente pequenos e leves para o manuseio. Recentemente estão sendo lançados PDAs com um maior poder de processamento (na casa de 600MHz) e aceleradores gráficos dedicados. O trabalho proposto neste texto consiste em utilizar o PDA como assistente para a realidade aumentada, sendo este o dispositivo para a captura das informações do ambiente (usando uma câmera acoplada), e de mixagem de objetos virtuais com as imagens do mundo real e no seu display LCD será apresentado o resultado dessa mistura. Temos, portanto, uma infra-estrutura de RA independente (de equipamentos desajeitados, especialista, etc) utilizando o PDA. Veja a Figura 1b. Das muitas aplicações que poderiam ser desenvolvidas no contexto desse projeto, foi escolhido um aplicativo para anotações virtuais geograficamente posicionadas no mundo real com diferentes usos. Tendo o conteúdo (objetos apresentados pelo PDA) dinâmico como diferencial, usando para isso uma comunicação wireless. 10

11 2. Objetivos Este projeto tem por objetivo criar um sistema que auxilie pessoas dentro de um lugar geograficamente determinado a colocarem e visualizarem informações (sejam simples anotações em textos puros ou objetos 3D virtuais interativos) nesses lugares georeferenciados (através de marcadores especiais). O sistema que irá possibilitar esse ambiente é o foco deste projeto. O equipamento utilizado consiste em um PocketPC Dell Axim 50v (com Wi-Fi b/g) e uma câmera digital (para o PocketPC). Um ambiente interessante para o uso deste sistema são escolas, em que se coloca marcadores de realidade aumentada na parte de fora da porta de cada sala de aula, e através do sistema de Anotações Geo-Virtuais conseguimos ter informações sobre o local, como horário de aulas, reclamações de alunos, avisos quanto a problemas em patrimônios da sala, lembretes para a próxima turma, publicidade, avisos chamativos sobre eventos e etc. A grande vantagem é que todas essas informações estarão associadas apenas a aquele local geográfico específico, ou melhor, à sala na qual foi visualizado o marcador, dessa maneira, as anotações colocadas em uma sala (ao visualizar o marcador da sala) não estarão disponíveis na próxima sala, só estarão presentes na sala que foram disponibilizados os dados, seja via o AGV-Mobile (entrada de uma anotação ou objeto virtual pelo PDA) ou pelo AGV-Server (informação colocada no sistema através do servidor de conteúdo local). Não é intuito deste projeto criar a melhor forma possível de manipular anotações em lugares geograficamente determinados, e sim criar uma forma intuitiva de associá-las aos espaços cotidianos, utilizando recursos da realidade aumentada para uma melhor visualização e interação. 3. Projeto O sistema de Anotações Geo-Virtuais utilizará as funcionalidades de visão computacional presentes no ARToolKitPlus [5][6] para identificar o local, que conterá um marcador único, buscando no servidor as anotações referentes a aquele lugar, tais anotações poderão conter também objetos virtuais manipuláveis, sons e talvez pequenos vídeos. O ambiente em que será inicialmente testado é uma escola, com marcadores únicos para cada sala de aula, e através do sistema de Anotações Geo- Virtuais o usuário que passeia pela escola com o seu PDA contendo o sistema de AGV-Mobile, poderá visualizar as surpresas que cada sala contém, mirando a câmera de seu PDA para o marcador da sala e visualizando as anotações que a sala detêm ou o(s) objeto(s) virtual(is) da sala. Sendo que nos dois casos, o usuário poderá interagir, seja criando novas anotações e as postando na sala ou manipulando o objeto virtual de acordo com as características desse objeto. A figura 3 fornece uma visão da arquitetura proposta: Figura 3. Mostra como será desenvolvida a arquitetura deste projeto. O PDA contém o sistema AGV- Mobile, uma câmera e se comunicando com o servidor (rodando o AGV-Server) via wireless. 11

12 Os módulos que compõem a arquitetura do sistema são melhor descritos abaixo: PDA (AGV-Mobile) Realidade aumentada: responsável pela captura dos marcadores postos em lugares de fácil visualização. Guarda a identificação do marcador para ser enviado pelo módulo de comunicação. É responsável também pela mixagem dos dados, recebidos do sistema de comunicação, mostrando-os na tela do PDA. Esse módulo é baseado na biblioteca de RA ARToolkitPlus, toda a implementação desse módulo será feita com base nesta biblioteca. Sistema de comunicação integrada: após a captura do marcador e primeira identificação dele, este módulo é responsável pela comunicação com o servidor (via Wi-Fi) através de um protocolo a ser desenvolvido para o envio da identificação do marcador até o sistema servidor. Também é responsável por receber e disponibilizar ao módulo de RA os objetos virtuais (textos e objetos 3D interativos) para serem mixados ao mundo real e apresentados na tela do PDA. Servidor de conteúdo - PC (AGV-Server) Sistema de comunicação: responsável por receber as identificações dos marcadores e disponibilização dos objetos virtuais para o PDA requerente, comunicando com o PDA via wireless. Banco de dados: abrigará todas as informações dos marcadores (identificadores das salas que serão pré-cadastradas e armazenadas nesse banco), as anotações e os objetos virtuais relacionados a cada marcador. Cadastro: responsável pelo cadastro dos marcadores do ambiente, e terá também uma interface para a entrada de anotações e objetos virtuais. 4. Conclusão O emprego da realidade aumentada contribui significativamente para o estabelecimento de uma interação mais amigável e natural com os ambientes para visualização de informações. Facilitando a interação com objetos virtuais e potencializando os aspectos cognitivos, relacionados com o entendimento da informação[7]. O conceito de realidade aumentada móvel é capaz de proporcionar experiências novas, quando se utiliza um PDA alido aos sistemas grandes e complexos existentes hoje. Tem-se, assim, uma variedade muito grande de aplicações que podem usar cada vez mais intensamente a realidade aumentada de formas inovadoras nesses pequenos equipamentos. 5. Referências [1] Handheld Augmented Reality - Acesso em: 04/04/2005. [2] Wagner, D., Pintaric, T., Ledermann, F., Schmalstieg, D., Towards Massively Multi-User Augmented Reality on Handheld Devices. [3] Azuma.R.et al. Recent Advances en Augmented Reality. IEEE Computer Graphics an Applications, [4] Applications - Acesso em: 19/05/2005. [5] Wagner, D., Schmalstieg, D., ARToolKit on the PocketPC Platform. [6] ARToolKitPlus - Acesso em: 06/09/2005. [7] Kirner, C., Kirner, T., Calonego Jr., N., Buk, C., Uso de Realidade Aumentada em Ambientes Virtuais de Visualização de Dados. Proceedings of the 7th Symposium on Virtual Reality. 12

13 Ambientes Colaborativos com Realidade Aumentada Thiago Humberto Geraldi¹, Claudio Kirner² Universidade Metodista de Piracicaba UNIMEP Faculdade de Ciências Exatas e da Natureza - FACEN ¹Curso de Ciência da Computação. ²Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação. {thgerald,ckirner Abstract Collaborative Work has being discussed during years, because it is a very important tool to improve learning and performance. Manual interaction is the main problem to get full collaborative, but with the use of Augmented Reality, it is possible to get good results in this area. This work presents a research in this way, implementing an augmented collaborative environment, using the software ARToolKit. The software was modified to work with a computer network connected by sockets, so that marker positions can be sent to all computers of the network, allowing interaction and visualization of all objects of the shared environment. 1. Introdução O aumento da carga de trabalho, juntamente com a complexidade das diversas áreas da ciência, está exigindo mais do que os sentidos naturais que o homem pode utilizar. Com a pressão crescente pela melhoria do rendimento dos trabalhos realizados em grupo, o Trabalho Colaborativo Suportado por Computador (Computer Supported Cooperative Work - CSCW ) está sendo cada vez mais utilizado. Sendo assim, a Realidade Aumentada e os Ambientes Colaborativos podem auxiliar na percepção e na interação, promovendo situações mais motivadoras e intuitivas aos usuários e melhorando seu desempenho e produtividade. Com base nestas informações, este trabalho enfoca o desenvolvimento de situações mais motivadoras e intuitivas aos usuários de sistemas computacionais, usando uma rede de computadores com câmeras, aplicações de realidade aumentada e trabalho colaborativo suportado por computador, de forma que usuários remotos possam participar de um mesmo ambiente, interagindo entre si com o uso das mãos ou de dispositivos simples. Como resultado, são apresentados os estudos e o desenvolvimento de um protótipo de um ambiente colaborativo, usando realidade aumentada. 2. Realidade Aumentada Segundo [KIRNER, 2004] a Realidade Aumentada é uma particularização da Realidade Misturada e pode ser definida como a técnica da adição de objetos virtuais no ambiente real. Com esse principio a Realidade Aumentada surgiu para incrementar o ambiente real, adicionando a esse ambiente objetos virtuais tridimensionais, que são mostrados ao usuário através de um dispositivo computacional em tempo real, complementando esse ambiente e dando a idéia ao usuário de que, tanto os objetos virtuais quanto os reais fazem parte do mesmo ambiente. [DAINESE, 2003]. Para que as imagens do mundo real e virtual possam ser fundidas na posição correta é preciso que a posição e orientação da câmera sejam rastreadas constantemente. Essa varredura é denominada tracking. 13

14 Três elementos são essenciais para qualquer sistema de Realidade Aumentada: Interação - permite que o usuário controle o sistema, a inexistência desse elemento reduz o sistema a um filme ou vídeo. Percepção - aguça a percepção do usuário através dos sentidos (visão, tato, audição). Simulação - permite que os objetos virtuais reproduzam ou ultrapassem as leis da física, possibilitando que a Realidade Aumentada possa ser aplicada a qualquer área do conhecimento. A Realidade Aumentada busca também a representação de aspectos ocultos dos ambientes reais, ou seja, faz uma espécie de "fusão" da imagem real com uma informação gerada por computador (imagens virtuais) a fim de facilitar a sua análise e visualização. A Figura 1 mostra um ambiente de realidade aumentada contendo um carro e um vaso virtuais, devidamente posicionados sobre a mesa. Figura 1 - Ambiente com Realidade Aumentada [KIRNER, 2004] Um dos recursos de software bastante populares para o desenvolvimento de aplicações de Realidade Aumentada é o ARToolKit [ArtoolKit, 2005]. Ele baseia-se no uso de vídeo para misturar as cenas reais capturadas com os objetos virtuais gerados por computador. Para ajustar a posição dos objetos virtuais na cena, ele se serve de marcadores (placas com molduras quadradas, circundando símbolos escolhidos pelo usuário), funcionando como código de barras. A moldura serve para o cálculo de sua posição, em função da imagem em perspectiva do quadrado, previamente cadastrado, enquanto que o símbolo interno funciona como identificador do objeto virtual com ele associado em uma etapa anterior do sistema. Assim, ao colocar-se a placa marcadora no campo de visão da webcam, o software identifica sua posição e seu objeto virtual, gerando e posicionando o objeto virtual sobre a placa. Ao movimentar-se a placa, o objeto virtual é movimentado junto como se a ela estivesse preso, permitindo que seja manipulado com as mãos. 3. Ambientes Colaborativos com Realidade Aumentada Há bastante tempo, estão sendo desenvolvidas pesquisas, visando o uso do computador em tarefas colaborativas, envolvendo participantes, tanto locais quanto remotos. No entanto, a colaboração por computador, incluindo a manipulação natural de objetos, só foi desenvolvida mais recentemente, através de interfaces com realidade aumentada. Essas interfaces abrangem colaboração local e colaboração remota, envolvendo objetos reais e virtuais. A colaboração local com Realidade Aumentada [SCHMALSTEIG, 1996] baseia-se no compartilhamento do ambiente físico, misturado com objetos virtuais e visto através de capacete ou no monitor. Os participantes do trabalho colaborativo atuam nos objetos reais e virtuais do mesmo 14

15 ambiente, tendo cada um sua visão, quando usam capacete com micro-câmera, ou a mesma visão, quando se usa monitor com webcam. A colaboração local com Realidade Aumentada, usando visão baseada em monitor e webcam, permite que os usuários manipulem os objetos, visualizando-os no monitor, de forma que todos os usuários possuam o mesmo ponto de vista, mostrado no monitor. A colaboração remota com Realidade Aumentada, por sua vez, baseia-se em interfaces computacionais em rede, que compartilham informações e sobrepõem os espaços físicos dos vários usuários remotos. Assim, cada usuário pode colocar objetos virtuais sobre uma mesa compartilhada, de forma a visualizar todo o conjunto de objetos e manipulá-los. Usando o software ARToolKit, cada usuário poderá colocar suas placas no campo de visão da webcam, enxergando seus objetos e os objetos dos outros que aparecem no cenário, em função de suas posições, promovendo assim a colaboração remota. 4. Implementação de um Ambiente Colaborativo com realidade Aumentada O trabalho consistiu no desenvolvimento de um sistema bastante simples, baseado no uso do software ARToolKit, configurado para funcionar em rede, através do uso de sockets. Para isto, o ARToolKit foi modificado para importar e exportar posições, permitindo a colocação de objetos virtuais em posições recebidas e o envio das posições das placas marcadoras existentes no ambiente local. Inicialmente, os objetos virtuais, que serão compartilhados, são cadastrados em todas as máquinas, enquanto cada local terá cadastrado suas placas marcadoras associadas aos objetos virtuais. Quando um usuário coloca sua placa marcadora no campo de visão da webcam, o objeto virtual associado aparece sobre ela, de forma que ao mover-se a placa, o objeto move junto como se a ela estivesse preso. Como a posição e a identificação da placa é exportada para as outras máquinas, as máquinas remotas receberão estas informações e farão a colocação do mesmo objeto virtual na mesma posição, permitindo que os usuários enxerguem e manipulem seus objetos no mesmo ambiente. Na primeira versão do ambiente, cada usuário só pode manipular os objetos associados com suas placas. mas numa Segunda versão em desenvolvimento, uma pá de manipulação, permitirá coletar qualquer objeto em qualquer posição e depositá-lo em outra. Figura 2 - Visualização individual dos objetos virtuais associados aos respectivos marcadores. Para evitar sobrecarga de tráfego na rede, o envio da atualização de posições só está sendo feito, quando qualquer uma das três coordenadas variar mais do que um valor previamente estabelecido, como meio centímetro, por exemplo. Assim, uma placa parada ou sofrendo uma pequena tremida na placa de controle, não gera mensagens na rede. A Figura 2 mostra primeiramente cada usuário em sua máquina, mostrando sua placa marcadora com o objeto virtual associado. Nesse caso, pode ser visto o disco voador e o boneco ET. 15

16 Ao ativar-se o sistema colaborativo, conforme a Figura 3, percebe-se que uma placa marcadora com seu objeto aparece na cena junto com o outro objeto posicionado sem a placa, uma vez que sua posição veio pela rede. Isto permitiu uma interação fazendo com que o boneco ET procura-se pelo disco voador, A movimentação do disco e do boneco fez com que os dois usuários passassem a movimentar suas placas para atingir o objetivo da sobreposição. 5. Conclusão Figura 3 - Visualização dos objetos virtuais em ambiente colaborativo. Após as pesquisas e implementação do protótipo, foi possível concluir que a utilização da Realidade Aumentada beneficia de maneira muito significativa a percepção dos usuários e sua interação, principalmente em ambientes colaborativos. Esses ambientes mostraram-se muito interessantes e eficientes para realizar interações com as mãos, abrindo espaço para jogos e outras atividades dinâmicas em grupo. Assim, neste trabalho procurou-se demonstrar que é possível, através de algumas modificações na estrutura do ARToolKit e o uso de conexão em rede, obter novas formas de interação entre os usuários. Referências Bibliográficas - ARTOOLKIT (2005) Software disponível em: <http://www.hitl.washington.edu/artoolkit/> (acesso em 08/08/2005). - AZUMA, R. et al. (2001) Recent Advances in Augmented Reality. IEEE Computer Graphics and Applications, v.21, n.6, pp DAINESE.C.A.; GARBIN, T.R.; KIRNER, C. (2003) Sistema de Realidade Aumentada para Desenvolvimento Cognitivo da Criança Surda In: VI Symposium on Virtual Reality, Ribeirão Preto. Proceedings, SBC, pp KIRNER, C.; TORI, R. (2004) Introdução à Realidade Virtual, Realidade Misturada e Hiperrealidade. In: Claudio Kirner; Romero Tori. (Ed.). Realidade Virtual: Conceitos, Tecnologia e Tendências. 1ed. SBC, pp SCHMALSTEIG, D.; FUHRMANN, A.; SZALAVARI, Z.; GERVAUTZ, M. (1996) "Studierstube - An Environment for Collaboration in Augmented Reality", CVE '96 Workshop. 16

17 !"#!"!"# $#" " $ % &'"#!" ( )* )+#, -.!!) )+ ) /! * /0 1!2 *!34 ) #! * /#, 6 -&7/)! -. #%#&- 8- &)+) ' $ (! * /0!! )+! )/!!!3!+ -8 ) 32!) /!! )32 34 '!! / '! 3 ' ( )! 32 /,! !) )+*/1!!!! "'+9:;,32 -.!<- 8!#! &)+)! -. )*2!)!!32 3! #! ) <!34!)9=; )+!! )*! >! /) )+ )! * /0 1!2 *!34 ) #! *!! -. 6-&7:??5, 32 > 32: 32 )+, 1 /!' 325),! > ) 34 / ) )+ ( WRA II Workshop de Realidade Aumentada )**#! '!!! /# A! 32 * )32! 32 *! 17

18 !! ' 1*)/0 34) /2)! <32 B! *C '+ A # + 1!# ()! 2!! 32! 32 ),!! *!! ) / )+ ' >!), * /0!!!1**)*# )#/2 1 )1/ )#!! 32 * /0!!/!! A!! D/> )+# E!*A!1!,!,!34 * *!#! A), 34!! )34 4 +! # > ' F!) ) * *34 '!# 95;!! F 1 *34 ' 2 *34 +,! )! +! ) *32'5 '5G) + +CH666') '!I!1)! */0+ 1 #!34! '! '!!!!F *34' C )32!32!!!! 32 )!, /!32 / '! /!34!' + 34)!,!1!! /+!!)#!!!! *!/ 2!,!34'!32 #!!*!# 32! 32329J;!/! '! '!!34! 323' 1!! 32!34!/ 2 3 #!/0!! 2!! 2 ' 3 F!,, //!! +!! 6 + 6! F1#! : 18

19 1 -.!! '!! * *#!/!A '! )!!, ' 4!!!/! '!!! )+,32 -! -32!>/ )/ 32#/ +! <!32 ) 34 /!!!!/!! 34! *!,32!! 0!! F, WRA II Workshop de Realidade Aumentada -. (>!!32 34! * /0!! #! -.! 1 */0#+! '! 34! *, 6! 2 (!!! 5$ 2!!8-. K# 6!!!! "#!/2< 325#!F!)/2,! *34)!F!)2!34!!+!2+/3!'#'! F!) :5!!! F!)!!! /:! &)=34!/2#FF!)!!/&):(!!!34 325#,32 *# A!/!!)F!!)#!* */ )!! &)=1$&LM(=&):1$&LM(:!2)*,! 8-. K!F F '!! )* /!!'!32 N!!! ) -&7, 4!! 32!' ( 4!!2 &)5 5 19

20 )*,%/0/1231$01)0)$/20/40)/0)502/ /0 # O O P PO PPO 'Q - >)+ 6 'QG >!7 )+!>/))+)/, -. /!,32!/ )! *!!! 32)! /! '!!!34!!! 32! 32!! *, !!! * /!/!! /!32! +'!, / 32 32! * -.!! )32 *!/!!) )+ /! <!34 ) =;,! - & $R '! -R $ % & ' ( 9:;"'+.VO). -R$.-WUUU1==.3 =UUU X7+!Y$ ) *" + 95; KF 'I &,+&- F!C Z+CH666!H-&7H +![!C?=!) +,) C:??==1J!) \/!+ ' 9J;-)"+ ',., /%+ 01*01,01 $2 =UUU==J 32.!'+ 321'! >1E 32! '+ 32 $ 20

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais

Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Realidade Aumentada Aplicada em Jogos Educacionais Ezequiel Roberto Zorzal 1, Alexandre Cardoso 1, Claudio Kirner 2, Edgard Lamounier Júnior 1 1 Programa de Pós Graduação em Engenharia Elétrica - Universidade

Leia mais

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA

APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.4, n. 7, p. 61 69, 2009. 61 APLICAÇÕES INTERATIVAS EDUCATIVAS UTILIZANDO REALIDADE VIRTUAL E AUMENTADA Aluna. Aryanne Consolaro (FAP) Aluno. Márcio de

Leia mais

Ferramenta auxiliar na modelagem de ambientes utilizando a Realidade Aumentada

Ferramenta auxiliar na modelagem de ambientes utilizando a Realidade Aumentada Ferramenta auxiliar na modelagem de ambientes utilizando a Realidade Aumentada Alan Alberto Alves, Isabel Dillmann Nunes 1 Ciência da Computação Fundação Universidade de Cruz Alta (UNICRUZ) Caixa Postal

Leia mais

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Ewerton Daniel de Lima 1, Fabiano Utiyama 1, Daniela Eloise Flôr 1 1 UNIPAR Universidade Paranaense ewertondanieldelima@hotmail.com,{fabianoutiyama, danielaflor}@unipar.br

Leia mais

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA

UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK DE REALIDADE AUMENTADA PARA O DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES PORTÁVEIS PARA A PLATAFORMA POCKET PC

Leia mais

Aplicações Educacionais em Ambientes Colaborativos com Realidade Aumentada

Aplicações Educacionais em Ambientes Colaborativos com Realidade Aumentada Aplicações Educacionais em Ambientes Colaborativos com Realidade Aumentada Claudio Kirner 1,2, Ezequiel Roberto Zorzal 2 1 Universidade Metodista de Piracicaba (UNIMEP) Faculdade de Ciências Exatas e da

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS

REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS REALIDADE AUMENTADA APLICADA NA EDUCAÇÃO: ESTUDOS DOS SEUS BENEFÍCIOS Kelly Cristina de Oliveira 1, Júlio César Pereira 1. 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil kristhinasi@gmail.com,

Leia mais

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER

ORIENTADOR(ES): JEFFERSON ANTONIO RIBEIRO PASSERINI, MARIA BETÂNIA RICCI BOER Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: REALIDADE AUMENTADA APLICADA A PUBLICIDADE CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: ENGENHARIAS E TECNOLOGIAS

Leia mais

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO

O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO O ESTUDO E A IMPLEMENTAÇÃO DE UMA ARQUITETURA COMPUTACIONAL PARA APLICAÇÕES DE ENTRETENIMENTO Arion Roberto Krause 1 ; Andrey Alves 1 ; Rafael Jusinskas Labegalini 1 ; Luiz Fernando Braga Lopes 2 RESUMO:

Leia mais

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

Sistema Solar com Realidade Aumentada

Sistema Solar com Realidade Aumentada Sistema Solar com Realidade Aumentada Eduardo S. Okawa, Claudio Kirner, Tereza G. Kirner ICE / DMC / UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá dudu.unifei@gmail.com, ckirner@gmail.com, tgkirner@gmail.com

Leia mais

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE.

Guia. PDA e SmartPhones. Windows Mobile, Pocket PC e CE. Guia PDA e SmartPhones Windows Mobile, Pocket PC e CE. Referência completa para o integrador do sistema Module. Aborda os recursos necessários para a itulização, instalação do software e importação das

Leia mais

5 Sistema Experimental

5 Sistema Experimental 5 Sistema Experimental Este capitulo apresenta o sistema experimental utilizado e é composto das seguintes seções: - 5.1 Robô ER1: Descreve o robô utilizado. É dividida nas seguintes subseções: - 5.1.1

Leia mais

Sistema de vídeo conferência e monitoramento baseado em sistemas abertos estudo de caso

Sistema de vídeo conferência e monitoramento baseado em sistemas abertos estudo de caso Sistema de vídeo conferência e monitoramento baseado em sistemas abertos estudo de caso Roberto Amaral (Mestre) Curso de Ciência da Computação Universidade Tuiuti do Paraná Mauro Sérgio Vosgrau do Valle

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

TÍTULO: GARRA ROBÓTICA PERCEPTIVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA

TÍTULO: GARRA ROBÓTICA PERCEPTIVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA TÍTULO: GARRA ROBÓTICA PERCEPTIVA CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO GERALDO DI BIASE AUTOR(ES): EDUARDO REIS ALVES,

Leia mais

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística

INICIAÇÃO Revista Eletrônica de Iniciação Científica, Tecnológica e Artística HOLOFACE Programação de Simulação de Interfaces Interativas Aluno: Leandro Santos Castilho 1 Orientador: Romero Tori 2 Linha de Pesquisa: Ambientes Interativos Projeto: Livro 3D Resumo Os conceitos de

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA

REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES TECNOLOGIAS NA ESCOLA 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA REALIDADE AUMENTADA: DIFERENTES

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Claudio Kirner UNIFEI. WRVA 2014 Marília-SP

Claudio Kirner UNIFEI. WRVA 2014 Marília-SP Claudio Kirner UNIFEI 2014 WRVA 2014 Marília-SP Sumário Inovação social Realidade Aumentada Cenário das Aplicações Ferramentas de Autoria de Realidade Aumentada Aplicações de Realidade Aumentada Tendências

Leia mais

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone

ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê ateliê REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone 2004 142 ARQTEXTO 5 A REALIDADE VIRTUAL NA ARQUITETURA José Luís Farinatti Aymone O uso do projeto auxiliado por computador (CAD) em arquitetura é cada vez mais corrente, através do projeto 2D e 3D de

Leia mais

Itumbiara, Goiás (ILES/ULBRA) 2 Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Itumbiara, Goiás (ILES/ULBRA) 2 Faculdade de Engenharia Elétrica Universidade Federal de Uberlândia (UFU) Interface para distribuição e integração de Realidade Aumentada com Realidade Virtual por meio da plataforma CORBA, tendo como estudo de caso ambientes multidisciplinares de biologia e química. Wender

Leia mais

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador

11/3/2009. Software. Sistemas de Informação. Software. Software. A Construção de um programa de computador. A Construção de um programa de computador Sistemas de Informação Prof. Anderson D. Moura Um programa de computador é composto por uma seqüência de instruções, que é interpretada e executada por um processador ou por uma máquina virtual. Em um

Leia mais

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br

Hardware e Software. Professor: Felipe Schneider Costa. felipe.costa@ifsc.edu.br Hardware e Software Professor: Felipe Schneider Costa felipe.costa@ifsc.edu.br Agenda Hardware Definição Tipos Arquitetura Exercícios Software Definição Tipos Distribuição Exercícios 2 Componentesde um

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Faculdades SENAC Análise e Desenvolvimento de Sistemas 12 de agosto de 2010 Um sistema no qual componentes localizados em redes, se comunicam e coordenam suas ações somente por passagem de mensagens. Características:

Leia mais

APLICAÇÕES MULTIMÍDIA AULA 3. aplicações 3D e Realidade Aumentada. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

APLICAÇÕES MULTIMÍDIA AULA 3. aplicações 3D e Realidade Aumentada. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com APLICAÇÕES MULTIMÍDIA AULA 3 aplicações 3D e Realidade Aumentada professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com Objetivos de aprendizagem Ao estudar esta unidade, você terá conhecimento para: Construir

Leia mais

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 2: RIA - Aplicações Ricas para Internet Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar as principais características de uma Aplicação Internet Rica.

Leia mais

Infracontrol versão 1.0

Infracontrol versão 1.0 Infracontrol versão 1.0 ¹Rafael Victória Chevarria ¹Tecnologia em Redes de Computadores - Faculdade de Tecnologia SENAC (Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial) Rua Gonçalves Chaves 602-A Centro 96015-560

Leia mais

Colaboração em Ambientes Educacionais com Realidade Aumentada. Collaborative Learning Environments with Augmented Reality

Colaboração em Ambientes Educacionais com Realidade Aumentada. Collaborative Learning Environments with Augmented Reality Colaboração em Ambientes Educacionais com Realidade Aumentada Oliveira, F.C. Pós Graduação/Universidade Metodista de Piracicaba (Unimep) francisco.o@hotmail.com Kirner, C. Centro de Educação Aberta e à

Leia mais

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA

VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA VIRTUALIZAÇÃO DO MUSEU DO AUTOMÓVEL DE BRASÍLIA Rafael R. Silva¹, João P. T. Lottermann¹, Mateus Rodrigues Miranda², Maria Alzira A. Nunes² e Rita de Cássia Silva² ¹UnB, Universidade de Brasília, Curso

Leia mais

Instruções para instalação, configuração e execução do ARToolKit - versão 2.65, usando a aplicação "simplevrml"

Instruções para instalação, configuração e execução do ARToolKit - versão 2.65, usando a aplicação simplevrml Instruções para instalação, configuração e execução do ARToolKit - versão 2.65, usando a aplicação "simplevrml" Claudio Kirner - 2007 1. Baixando, preparando e tentando executar o ARToolKit Inicialmente,

Leia mais

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer

Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer 1 Módulo de captura de imagens do sistema Scisoccer Rafael Antonio Barro [1] Jailton Farias de Carvalho [2] Resumo: Este artigo descreve como funciona o módulo de captura de imagens do software Sci-soccer,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico

Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico Ambientes de Realidade Virtual e Realidade Aumentada na Preservação do Patrimônio Histórico Marcelo Knörich Zuffo Roseli de Deus Lopes Laboratório de Sistemas Integráveis (LSI) Departamento de Engenharia

Leia mais

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT

UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT UM COMPOSITOR MUSICAL TANGÍVEL USANDO O ARTOOLKIT Marcelo Fernandes França (Bolsista PIBIC/CNPq) Felipe Afonso de Almeida (Orientador) Davi D Andréa Baccan (Co-orientador) Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Leia mais

5 Mecanismo de seleção de componentes

5 Mecanismo de seleção de componentes Mecanismo de seleção de componentes 50 5 Mecanismo de seleção de componentes O Kaluana Original, apresentado em detalhes no capítulo 3 deste trabalho, é um middleware que facilita a construção de aplicações

Leia mais

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro

Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico. January - 10 - Janeiro Laboratório VISGRAF Instituto de Matemática Pura e Aplicada Realidade Virtual e Aumentada Bruno Madeira Luiz Velho (orientador) Technical Report TR-10-01 Relatório Técnico January - 10 - Janeiro The contents

Leia mais

SMART Sync 2010 Guia prático

SMART Sync 2010 Guia prático SMART Sync 2010 Guia prático Simplificando o extraordinário Registro do produto Se você registrar o seu produto SMART, receberá notificações sobre novos recursos e atualizações de software. Registre-se

Leia mais

Educ-AR: Uma Ferramenta para apoio à Educação utilizando Realidade Aumentada

Educ-AR: Uma Ferramenta para apoio à Educação utilizando Realidade Aumentada Educ-AR: Uma Ferramenta para apoio à Educação utilizando Realidade Aumentada Lucas F. Oliveira 1, Rummeningge R. Dantas 2, Aquiles M. F. Burlamaqui 2 1 Departamento de Computação Universidade do Estado

Leia mais

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local.

Segundo Pré-teste. Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Segundo Pré-teste Data de realização. 18 de Novembro de 2007. Local. Duas salas de aula da Pós-graduação do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da EESC/USP. Duração: 4 horas. Dos objetivos. Envolveu

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE UM MODELO DE SISTEMA HIPERMÍDIA PARA APRESENTAÇÃO DO CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Fabiana Pacheco Lopes 1 1 Universidade Presidente Antônio Carlos (UNIPAC) fabipl_21@yahoo.com.br Resumo.Este

Leia mais

Realidade Virtual Aplicada à Educação

Realidade Virtual Aplicada à Educação Realidade Virtual Aplicada à Educação Sandra Dutra Piovesan 1, Camila Balestrin 2, Adriana Soares Pereira 2, Antonio Rodrigo Delepiane de Vit 2, Joel da Silva 2, Roberto Franciscatto 2 1 Mestrado em Informática

Leia mais

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth

Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth Técnicas para interação de computador de bordo com dispositivo móvel usando tecnologia bluetooth João Paulo Santos¹, Wyllian Fressaty¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil Jpsantos1511@gmail.com,

Leia mais

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2

Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Curso Tecnológico de Redes de Computadores 5º período Disciplina: Tecnologia WEB Professor: José Maurício S. Pinheiro V. 2009-2 Aula 3 Virtualização de Sistemas 1. Conceito Virtualização pode ser definida

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Cartões Marcadores Dinâmicos em Ambientes de Realidade Aumentada

Cartões Marcadores Dinâmicos em Ambientes de Realidade Aumentada Cartões Marcadores Dinâmicos em Ambientes de Realidade Aumentada Bianchi Serique Meiguins 1, Igor de Souza Almeida 1, Marina Atsumi Oikawa 1 1 Universidade Federal do Pará UFPA Campus do Guamá, Rua Augusto

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW

Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW Simulador Virtual para Treinamento em Visão de Máquina com LabVIEW "Esse ambiente pode ser usado para simular e explorar as possibilidades e alcances de uma solução empregando visão de máquina, testar

Leia mais

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO

SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO INSTITUTO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA PROJETO SISTEMA COMPUTACIONAL PARA ANÁLISES DE DADOS EM AGRICULTURA DE PRECISÃO ALUNO RICARDO CARDOSO TERZELLA

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Análise e Projeto Orientados por Objetos

Análise e Projeto Orientados por Objetos Análise e Projeto Orientados por Objetos Aula 02 Análise e Projeto OO Edirlei Soares de Lima Análise A análise modela o problema e consiste das atividades necessárias para entender

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 2 Estrutura e características Gerais dos Robôs Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT.

Implementação de um módulo simulador de robôs baseado em Unity3D para o SimBot - Simulador de Robôs para Lego NXT. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ Curso de Bacharelado em Ciência da Computação UNIOESTE - Campus de Cascavel MODELO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Prof. Marcelo Sabaris Carballo Pinto Gerenciamento de Dispositivos Gerenciamento de Dispositivos de E/S Introdução Gerenciador de Dispositivos Todos os dispositivos

Leia mais

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica.

O conjunto é composto por duas seções: o App Inventor Designer e o App Inventor Blocks Editor, cada uma com uma função específica. Google App Inventor: o criador de apps para Android para quem não sabe programar Por Alexandre Guiss Fonte: www.tecmundo.com.br/11458-google-app-inventor-o-criador-de-apps-para-android-para-quem-naosabe-programar.htm

Leia mais

1 Introdução. Sistemas de Autoria

1 Introdução. Sistemas de Autoria 1 Introdução Sistemas de Autoria O momento atual impulsiona a computação a lançar um novo olhar sobre a Educação, focados para as possibilidades da construção de um mundo de inovações onde as tecnologias

Leia mais

15 Computador, projeto e manufatura

15 Computador, projeto e manufatura A U A UL LA Computador, projeto e manufatura Um problema Depois de pronto o desenho de uma peça ou objeto, de que maneira ele é utilizado na fabricação? Parte da resposta está na Aula 2, que aborda as

Leia mais

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL

REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL REAL LACOS: CONTROLE DIGITAL EM TEMPO REAL Andreya Prestes da Silva 1, Rejane de Barros Araújo 1, Rosana Paula Soares Oliveira 1 e Luiz Affonso Guedes 1 Universidade Federal do ParáB 1 Laboratório de Controle

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br

DIGIMAN. WTB Tecnologia 2009. www.wtb.com.br DIGIMAN MANDADO JUDICIAL ELETRÔNICO Arquitetura WTB Tecnologia 2009 www.wtb.com.br Arquitetura de Software O sistema DIGIMAN é implementado em três camadas (apresentação, regras de negócio e armazém de

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais

Arquitetura de Computadores. Introdução aos Sistemas Operacionais Arquitetura de Computadores Introdução aos Sistemas Operacionais O que é um Sistema Operacional? Programa que atua como um intermediário entre um usuário do computador ou um programa e o hardware. Os 4

Leia mais

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers)

Arquiteturas RISC. (Reduced Instructions Set Computers) Arquiteturas RISC (Reduced Instructions Set Computers) 1 INOVAÇÕES DESDE O SURGIMENTO DO COMPU- TADOR DE PROGRAMA ARMAZENADO (1950)! O conceito de família: desacoplamento da arquitetura de uma máquina

Leia mais

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico

Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT. Power Point. Básico Universidade Federal de Santa Maria UFSM Centro de Tecnologia CT Power Point Básico Santa Maria, julho de 2006 O Power Point é um aplicativo do Microsoft Office direcionado à criação de apresentações.

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS

APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS APLICAÇÕES PARA CASAS INTELIGENTES EM AMBIENTES PERVASIVOS RESUMO Alessandro Lumertz Garcia 1 Anderson Yanzer Cabral 2 Este artigo apresenta tipos de aplicações que podem existir nas casas inteligentes,

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Projeto de controle e Automação de Antena

Projeto de controle e Automação de Antena Projeto de controle e Automação de Antena Wallyson Ferreira Resumo expandido de Iniciação Tecnológica PUC-Campinas RA: 13015375 Lattes: K4894092P0 wallysonbueno@gmail.com Omar C. Branquinho Sistemas de

Leia mais

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades

Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Computação em Nuvem: Riscos e Vulnerabilidades Bruno Sanchez Lombardero Faculdade Impacta de Tecnologia São Paulo Brasil bruno.lombardero@gmail.com Resumo: Computação em nuvem é um assunto que vem surgindo

Leia mais

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores

Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores Manual UNICURITIBA VIRTUAL para Professores 1 2 2015 Sumário 1 Texto introdutório... 3 2 Como Acessar o UNICURITIBA VIRTUAL... 3 3 Tela inicial após login... 3 3.1) Foto do perfil... 4 3.2) Campo de busca...

Leia mais

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas

Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas Simulação Distribuída em Ambientes Virtuais 3D e Mídias Interativas A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distingüir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Simulação Distribuída

Leia mais

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias.

Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Palestra sobre os softwares: AFSoft, GeoFieldere Sacam Desenvolvimento e aplicação de tecnologias. Orientador: Lúcio A. C. Jorge Palestrante: Agostinho B. R. da Silva Introdução Embrapa Instrumentação

Leia mais

Desenvolvimento de um Livro com Realidade Aumentada para o Ensino de Geometria

Desenvolvimento de um Livro com Realidade Aumentada para o Ensino de Geometria Desenvolvimento de um Livro com Realidade Aumentada para o Ensino de Geometria Fernanda Maria Villela Reis ICE / DMC / UNIFEI - Universidade Federal de Itajubá Itajubá, MG, Brasil fernandamaria.vreis@gmail.com

Leia mais

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório

REALIDADE VIRTUAL. Tatiane Cruz de Souza Honório REALIDADE VIRTUAL Tatiane Cruz de Souza Honório A ilusão vai ser tão grande que não seremos mais capazes de distinguir entre o que é real e o que não é. Steve Williams Sumário Introdução Tipos de Sistemas

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL

AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL AUTOMAÇÃO RESIDENCIAL Automação e Controle AR026 SUMÁRIO I. Sistemas Supervisórios... 3 II. Automação... 4 III. Arquitetura de Redes Industriais... 5 IV. Comunicação entre Supervisório e CLP...7 V. O Protocolo

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Conceitos de Banco de Dados

Conceitos de Banco de Dados Conceitos de Banco de Dados Autor: Luiz Antonio Junior 1 INTRODUÇÃO Objetivos Introduzir conceitos básicos de Modelo de dados Introduzir conceitos básicos de Banco de dados Capacitar o aluno a construir

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO

PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO PRANCHAS ESTÁTICAS E DINÂMICAS CONSTRUÍDAS COM SÍMBOLOS ARASAAC EM SOFTWARES DE LIVRE ACESSO Autoras: Vera Lucia Vieira Souza; Miryam Bonadiu Pelosi Universidade Federal do Rio de Janeiro. Introdução A

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Notas de aplicativos: Serviço de Nuvem OneTouch AT

Notas de aplicativos: Serviço de Nuvem OneTouch AT Notas de aplicativos: Serviço de Nuvem OneTouch AT O Serviço de Nuvem OneTouch AT da Fluke Networks estende a capacidade de solução de problemas do Assistente de Rede OneTouch AT com nova visibilidade

Leia mais

V O C Ê N O C O N T R O L E.

V O C Ê N O C O N T R O L E. VOCÊ NO CONTROLE. VOCÊ NO CONTROLE. O que é o Frota Fácil? A Iveco sempre coloca o desejo de seus clientes à frente quando oferece ao mercado novas soluções em transportes. Pensando nisso, foi desenvolvido

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores

SISTEMAS OPERACIONAIS. Maquinas Virtuais e Emuladores SISTEMAS OPERACIONAIS Maquinas Virtuais e Emuladores Plano de Aula Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente

Leia mais

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados.

MANUAL GDS TOUCH. Versão: 1.0 Direitos reservados. MANUAL GDS TOUCH Versão: 1.0 Direitos reservados. GDS TOUCH PAINEL TOUCH-SCREEN CONTROLE RESIDENCIAL INTERATIVO O GDS Touch é um painel wireless touch-screen de controle residencial, com design totalmente

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME

Java. para Dispositivos Móveis. Thienne M. Johnson. Novatec. Desenvolvendo Aplicações com J2ME Java para Dispositivos Móveis Desenvolvendo Aplicações com J2ME Thienne M. Johnson Novatec Capítulo 1 Introdução à computação móvel 1.1 Computação móvel definições Computação móvel está na moda. Operadoras

Leia mais

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático

Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Uso do Netkit no Ensino de Roteamento Estático Nyl Marcos Soares Barbosa, Moisés Lima dos Anjos, Madianita Bogo Curso de Sistemas de Informação Centro universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA) Teotônio

Leia mais

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas

Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Núcleo de Informática Aplicada à Educação Universidade Estadual de Campinas Resumo A construção de dispositivos controlados através do computador, como ferramenta educacional associado ao trabalho com

Leia mais

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora

OpenGL. Uma Abordagem Prática e Objetiva. Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour. Novatec Editora OpenGL Uma Abordagem Prática e Objetiva Marcelo Cohen Isabel Harb Manssour Novatec Editora Capítulo 1 Introdução A Computação Gráfica é uma área da Ciência da Computação que se dedica ao estudo e ao desenvolvimento

Leia mais

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura

A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura A utilização da Web no apoio ao ensino de Desenho na Arquitetura HARRIS, Ana Lúcia Nogueira de Camargo (1) Av. Prof. Almeida Prado trav.2 n o 271 Cidade Universitária 05508-900 São Paulo SP Tel.: (011)

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário

SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA. Manual do Usuário SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA Manual do Usuário Título SISTEMA DE COMUNICAÇÃO DO SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS GERAIS - COMUNICA

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais