Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom"

Transcrição

1 Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial original publicado em 13/12/2004). Augusto José Maluf Engenheiro Eletrônico (Mauá 1980), tendo atuado nas áreas de pesquisa e desenvolvimento de sistemas de automação predial, pesquisa e desenvolvimento de periféricos, engenharia de produtos, e implantação e operação de redes de Telecomunicações: Celulares, Fibra Óptica e Rádio. Ocupou posições de coordenação e gerência em empresas como Itautec, Intelis, Banco Safra e Pegasus Telecom. Atualmente trabalha na Telemar como consultor em sistemas de apoio à operação. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica e Teleco, formado em 1983, FACENS-Sorocaba, tendo atuado nas áreas de Implantação e Gerenciamento de Projetos de Redes Ópticas, Sistemas Celulares e Sistemas de Automação e Controle. Mestre em engenharia pela Faculdade de Engenharia Naval - POLI-USP, com ênfase em Gerenciamento de Projetos. Especialista em Gestão de Projetos pela CEGP Fundação Carlos Alberto Vanzolini. MBA em Gestão Empresarial , pela EPGE-RJ da FGV. Doutorando, com ingresso em 2007, pela Faculdade de Engenharia Naval - POLI-USP. A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

2 Manutenção da Pegasus Telecom e Gerente de Planejamento e Controle de Projetos da BMT-Bechtel Método Telecom. Atualmente atua como diretor da Teleco em serviços de operações de outsourcing estratégico. Atua também em sua empresa a Kuai Tema Engenharia, criada em 2001, que tem por finalidade a prestação de serviços de gerenciamento de projetos. Categoria: Infraestrutura para Telecomunicações Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 20 minutos Publicado em: 23/02/2009 2

3 Proteção contra Incêndio: O que é? O que é o Sistema de Proteção contra Incêndio de Sites de Telecom? A operação das facilidades das redes de telecom tem se tornado uma absoluta necessidade para as empresas provedoras de serviço. A operação contínua das redes requer certo grau elevado de disponibilidade de sua infra-estrutura, implementada em muitos casos através de redundâncias nos sistemas de energia e ar-condicionado, além de sistemas de segurança e dos sistemas de proteção contra incêndio. Devido a essa importância, atualmente tem-se utilizado a denominação de sistemas de missão crítica a esse conjunto de elementos que afetam diretamente a manutenção da operação das infra-estruturas de telecom. Um sinistro causado por incêndio afeta todos os itens de infra-estrutura e equipamentos de um site, causando um impacto operacional grave, mesmo havendo um plano efetivo de " disaster recover ". Para muitas empresas, os sites estão distribuídos geograficamente por uma área de cobertura muito grande, o que representa um fator atraso nas ações de combate à incêndio. Para se garantir a maior disponibilidade de sua operação, as empresas investem em soluções que permitam a monitoração remota e o combate automático de incêndio. Para atender a essa necessidade é que se aplica o Sistema de Detecção e Combate à Incêndio em sites de Telecom. Um Sistema de Detecção e Combate à Incêndio em sites de Telecom tem, portanto, a finalidade de monitorar o estado de funcionamento dos demais sub-sistemas de infra-estrutura instalados num site de telecom, atuando no combate aos possíveis focos de incêndio, diminuindo o impacto sobre o risco de perda do site. Além dos aspectos de disponibilidade operacional dos sites, um Sistema de Proteção Contra Incêndio deve 3

4 atender a outros requisitos determinados por normas de segurança estabelecidas por leis, que envolvem a proteção das pessoas, do patrimônio e do meio ambiente. No Brasil, existe uma série de normas estabelecidas pela ABNT, que impõem requisitos e procedimentos para se especificar, projetar, implantar e manter os sistemas de proteção contra incêndio, como é o caso da norma NBR 9441/94 Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. 4

5 Proteção contra Incêndio: Características Características do Sistema O sistema de detecção e combate de incêndio é tipicamente um sistema de contenção em caso de acidente causado por incêndio, provendo a proteção da infra-estrutura, atuando apenas no caso de haver a detecção de alguma anormalidade no ambiente monitorado. Para melhor compreensão do sistema de proteção contra incêndio, ele pode ser representado pelos seguintes módulos funcionais: Detecção - este módulo funcional tem por finalidade monitorar o estado de variáveis ambientais, coletando indicadores da qualidade do ar, temperatura do ambiente e indicação da presença de chamas. Este módulo é capaz também de recebe comandos manuais dos operadores do sistema. Extinção de Incêndio - este módulo tem por finalidade atuar sob o ambiente em contenção, pelo lançamento de substâncias com potencial de combate ao incêndio. Sua atuação é determinada por comandos proveniente dos módulos de Supervisão e Controle, ou então diretamente pelo módulo de Detecção. Sinalização - o módulo recebe informações de status do módulo de Supervisão e Controle (ou de Detecção) e sinaliza status do sistema de proteção através de elementos áudios-visuais (sirenes e sinalizadores luminosos). Supervisão e Controle - módulo capacitado de processamento que tem por finalidade receber informações do módulo de Detecção e de outros sistemas externos, tratá-los por algoritmos e atuar nos módulos de Extinção e Sinalização. 5

6 Proteção contra Incêndio: Componentes Para prover elevados níveis de proteção, os módulos são formados por sofisticados componentes de alarme, detecção e supressão de incêndio. Nos parágrafos seguintes estão descritas as principais famílias desses componentes. Os parágrafos em itálico são reproduções da norma ABNT NBR 9441, que estabelecem os requisitos a serem atendidos por esses componentes. Detectores Os detectores acionam automaticamente a central de alarme de incêndio, e podem ser dos seguintes tipos: Detector de Temperatura O detector térmico é instalado em ambientes onde a ultrapassagem de determinada temperatura indique seguramente um princípio de incêndio. O detector termo-velocimétrico (elemento que atua com um gradiente de temperatura) e termostático combinados, responde a uma elevação brusca de temperatura ou quando esta atinge um valor pré-determinado. Sua aplicação está especificamente indicada para incêndio que se inicia com uma elevação brusca de temperatura. A máxima área de proteção a ser empregada para detectores de temperatura é de 36 m2, para uma altura máxima de instalação de 5 m e tetos planos ou com vigas até 0,20 m de altura. Em áreas cuja temperatura do teto seja normalmente elevada, a seleção da temperatura ou faixa de atuação do detector deve ser feita de acordo com a tabela: Temperatura de Temperatura do Atuação do detector teto (ºC) (ºC) Até a a a a a a 301 Em locais com teto plano e altura superior a 5 metros, o espaçamento entre detectores térmicos deverá ser reduzido, sendo permitidas interpolações para valores intermediáriosconforme tabela abaixo, conforme tabela ao lado: Altura do Local (metros) até 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 Espaçamento Máximo (metros) 6,0 5,6 5,1 4,5 3,8 3,0 Detector de Fumaça 6

7 O detector iônico de fumaça atua mediante a presença de produtos de combustão visíveis ou invisíveis. O princípio de funcionamento se baseia na detecção iônica. Possui duas câmeras, uma de referência e outra de análise. É indicado para ambientes com atmosferas limpas e para cobrir grandes riscos. O detector óptico de fumaça é ativado mediante a presença de produtos de combustão: fumaça visível. O princípio de funcionamento é baseado na técnica de dispersão de luz no interior de uma câmara que emite luz infravermelha. Ao entrar fumaça na câmara, esta é detectada por dispositivo eletrônico óptico. A área máxima de proteção dos detectores pontuais de fumaça é de 81 m2, para instalação em tetos planos com vigas até 0,20 m de altura, ambientes sem ventilação forçada e com altura de instalação até 8 m. A escolha do detector de fumaça, deve ser feita de acordo com as características de combustão dos materiais contidos na área supervisionada, bem como os locais nos quais estes serão instalados. Os detectores de fumaça serão localizados no teto, a não menos de 0,15 m da parede lateral ou, em casos específicos, na parede lateral, à distância entre 0,15 m a 0,30 m do teto. A área de ação dos detectores de fumaça diminui à medida que aumenta o volume de ar trocado no ambiente. Esta troca de ar é expressa em trocas de ar por hora. A redução da área de ação do detector a ser aplicada em função da troca de ar, deve ser obtida através da tabela ao lado, sendo permitidas interpolações para valores intermediários: Trocas de ar por hora 60,0 30,0 20,0 15,0 12,0 10,0 8,6 7,5 Área de ação do detector (m 2 ) 11,6 23,2 34,8 46,4 58,1 69,7 81,0 81,0 Em ambientes dotados de sistemas de ar condicionado ou ventilação forçada, os detectores devem ser instalados preferencialmente próximos aos retornos deste fluxo ou detectores apropriados para dutos. Deve-se evitar a instalação dos detectores a menos de 1,50 m dos pontos de insuflamento ou entrada de ar no ambiente. Cada ambiente deve ser protegido por um tipo único de detector. Por exemplo, não é permitido proteger parte de um ambiente com detectores de fumaça e a parte restante com detectores térmicos. Detector de Chama Dispositivo que indica a presença de partículas sólidas, vapores e/ou gases que compõem a fumaça de chamas. São utilizados em ambientes onde a chama é o primeiro indício de fogo. O sensor de chama é sensível aos raios ultravioletas que se fazem presentes sempre que existe fogo. Por suas características de projeto, este detector discrimina outras formas de raios, sendo portanto imune à luz natural. Características Técnicas: Ângulo de visão: 90º; 7

8 Tensão de operação: 12 a 24 VDC; Corrente de operação: 25mA 24 VDC; Corrente de repouso: 1uA sob 24 VDC; Temperatura de operação: -10ºC a 70ºC; Umidade relativa: 95% max. A localização e espaçamento dos detectores de chama deverão resultar de uma análise do risco, considerando: tamanho da chama a ser detectada; tipo principal de radiação gerada em função do combustível envolvido; sensibilidade do detector; campo de visão do detector; distancia entre detector e a provável chama; presença de outras radiações; propósito do sistema; tempo de resposta desejado. Dispositivos para evitar acúmulo de pó ou sujeira na lente do detector deverão ser previstos, de forma a não diminuir sua sensibilidade entre as manutenções preventivas. Recomenda-se que o detector de chama deva possuir um dispositivo que indique sujeira na lente, necessitando manutenção. Os detectores de chama são recomendados nas seguintes aplicações: 1. Áreas abertas ou semi-abertas onde ventos podem dissipar a fumaça, impedindo a ação dos detectores de temperatura ou de fumaça. 2. Áreas onde uma chama possa ocorrer rapidamente, tais como hangares, áreas de produção petroquímica, áreas de armazenagem e transferência, instalações de gás natural, cabines de pintura, ou áreas de solventes. 3. Áreas ou instalações de alto risco de incêndio, freqüentemente conjugados com um sistema de extinção automático. Detectores de chama são classificados pelo tipo de radiação, tais como: ultravioleta, infravermelho de comprimento de onda simples, infravermelho de comprimento de onda múltiplo e combinação de ultravioleta e infravermelho. Cada uma dessas tecnologias possui tempos de resposta específicos. A faixa espectral para essas tecnologias é: UV: 0,10 a 0,35 micrômetros; IR : 0,76 a 4,70 micrômetros. Acionador Manual Dispositivo destinado a transmitir a informação de emergência, quando acionado manualmente. O acionador manual possui indicação visual de funcionamento, sirene interna com oscilador tipo Fá-Dó 110 db e acompanha martelo para quebra de vidro. 8

9 Deverá possuir as seguintes características : Ser compatível, lógica e eletricamente, com o circuito de detecção; Ser instalada em caixa pintada nas cores padronizada, com tampa frontal de proteção em vidro não removível e transparente; Ter acionamento através de alavanca frontal sem retorno, ou botão com travamento; no caso de acionamento através de alavanca, o seu reset só poderá ser feito utilizando-se ferramenta especial; Possuir contatos resistentes à degradação por queima por centelhamento; Possuir dispositivo de segurança que impeça o acionamento acidental. Deve ser instalado em locais de maior probabilidade de trânsito de pessoas em caso de emergência, tais como: nas saídas de áreas de trabalho, áreas de lazer, em corredores, saídas de emergência para o exterior, etc. Deve ser instalado a uma altura entre 1,20 m e 1,40 m do piso acabado, na forma embutida ou de sobrepor, na cor vermelho segurança. A distância máxima a ser percorrida em qualquer ponto da área protegida, até o acionador manual mais próximo, não deve ser superior a 16 m e a distancia entre acionadores manuais não deve ultrapassar 30 m. Os dispositivos do sistema de detecção capazes de identificar individualmente o dispositivo acionado, interligado a uma central, são denominados como endereçáveis. Esta característica tem se tornado muito comum e de grande utilidade nos procedimentos de operação e manutenção do sistema. Essa funcionalidade pode ajudar na localização mais precisa dos pontos de monitoração de focos de irregularidades. Extintores/Acionadores De uma maneira geral existe dois modos ou sub-sistemas de extinção de incêndio, um a base de água e outro a base de gás do tipo FM-200. A água nem sempre é um elemento apropriado para combate de incêndio em ambientes industriais e facilidades do tipo infra-estrutura de telecom, pois o seu uso certamente incorrerá a paralisação da operação do site. Extinção por Água Gás Halocarbono Os dispositivos de extinção neste caso são denominados por: Sistema Splinker (chuveiros automáticos para extinção de incêndio). Eles são os dispositivos mais comuns para combate contra fogo, provendo alta confiabilidade e baixo impacto ambiental. Os "chuveiros" são ligados à tubulação de água pressurizada por bombas no instante de acionamento do sistema, provendo uma verdadeira chuva artificial no ambiente. 9

10 O principal gás do tipo Halocarbono usado no combate ao fogo é HFC-227, conhecido por seu nome comercial FM-200. A extinção do fogo se dá por uma mistura de calor e reação química. Ele é considerado seguro para uso em locais ocupados por pessoas. O Carbon Dioxide Carbon Dioxide (CO2 ) foi usado por muitos anos, entretanto o CO2 é um asfixiante na concentração exigida para extinguir o fogo, e então era usado apenas para ambientes não freqüentados por pessoas. O custo associado à instalação e manutenção do sistema baseado no gás FM é significativamente maior que o sistema a água. Devido a isto, é possível encontrar sistemas de extinção com combinações dos dois modos, onde o FM-200 é o elemento principal e o sistema com splinklers entra num estágio secundário, caso seja necessário. Antes da descarga de agentes extintores, a central deve efetuar no mínimo, os seguintes comandos: Atuar: avisadores sonoros e visuais, luzes de rotas de fuga, dispositivos de alívio de pressão, bombas de incêndio, etc; Desligar: sistemas de ventilação ou ar condicionado, alimentação elétrica, bombas de alimentação de combustíveis; Fechar: portas corta-fogo, dampers, válvulas de alimentação de combustíveis; Desbloquear: portas de fuga, no caso de sistemas de controle de acesso. Para o calculo do tempo de evacuação, deve-se considerar o tempo que uma pessoa, caminhando em velocidade não superior a 40 metros/minuto, mesmo situada em local e condição mais desfavoráveis da área protegida, consegue chegar a um local seguro. Alarmes Sonoros e Visuais Dispositivo que sinaliza sonora e/ou visualmente qualquer ocorrência auxiliar relacionada ao sistema. Devem ser instalados, em quantidades suficientes, nos locais que permitam sua visualização e/ou audição, em qualquer ponto do ambiente no qual estão instalados, nas condições normais de trabalho deste ambiente, sem impedir a comunicação verbal próximo do local de instalação. Os avisadores visuais deverão ter intensidade luminosa mínima de 15 cd e máxima de 300 cd, devendo ser instalados preferencialmente na parede, a uma altura entre 2,20 a 3,50 m, de forma embutida ou sobreposta. Os avisadores visuais, deverão ser pulsantes, com freqüência entre 1 e 6 Hz. Os avisadores sonoros devem apresentar potência sonora de 15 dba acima do nível médio de som do ambiente, ou 5 dba acima do nível máximo de som, medidos a 3 metros da fonte. Os avisadores sonoros deverão ser instalados preferencialmente na parede, a uma altura entre 2,20 a 3,50 m, de forma embutida ou sobreposta. Central de Supervisão e Controle 10

11 As funções de automatismo desse sistema são comumente exercidas pela central de supervisão, que implementa todas as funções de uma central de incêndio. O equipamento é destinado a processar e supervisionar os sinais provenientes dos detectores, e dispositivos de campo, convertendo-os em sinalizações adequadas, comandando e controlando os demais componentes do sistema de detecção e alarmes, bem como suas interfaces com outros sistemas. As interfaces para os dispositivos desse sistema são: Interface com sensores ópticos de fumaça e termo-velocimétricos (detector atua com variações rápidas de temperatura); Interface com botoeiras de alarme; Saída para sirene; Saída para sistema de combate (liberação de gás de extinção de fogo FM200). Reset de laço de sensores convencionais; Bloqueio do sistema de ar condicionado. Interface com sistema de automação de site. As principais indicações luminosas da central são: Fogo Geral; Defeito Geral; Pré-alarme; Defeito de laço no display; Sistema ligado; Alarme de defeito no display; Falta de alimentação; Avanço no display; Defeito no sistema. Em estações assistidas deve ser localizada em áreas de rápido acesso, como salas de controle, salas de segurança ou bombeiros, portaria principal de edifícios, sob vigilância constante de operadores habilitados e treinados. Em sites de telecom não assistidos, devem ficar junto à central de automação da estação próximas aos quadros de energia AC e DC, tipicamente situados próximos à porta de entrada da estação. No interior das centrais só poderão ser instaladas baterias seladas. A área de instalação da central não deve estar próxima a materiais inflamáveis ou tóxicos, deve ser ventilada e protegida contra a penetração de gases e vapores. O local de instalação da central deve ter rotas de fuga seguras para os operadores. O local da instalação da central deve permitir a rápida comunicação entre este e o Corpo de Bombeiros ou Brigada de Incêndio. Deve-se prever um espaço livre mínimo de 1 m 2 em frente à central, destinado a manutenção preventiva e 11

12 corretiva. Na atuação de um detector, a central deve comandar automaticamente o desligamento do sistema de ventilação, ar condicionado e o fechamento dos dampers corta-fogo, da área em alarme. Em estações não assistidas o sistema de combate automático de incêndio deverá temporizar aguardando um comando do centro de operação para inibir a liberação do gás de extinção de incêndio. Não ocorrendo a inibição local ou remota, o sistema irá liberar toda carga do gás, sinalizando ao centro de operação o evento. 12

13 Proteção contra Incêndio: Projeto segundo a norma NBR A norma ABNT NBR diz: "O Projeto de sistemas de detecção e alarme de incêndio deve conter todos os elementos necessários ao seu completo entendimento, utilizando-se as convenções contidas nas demais brasileiras". Devido a obrigatoriedade de leis para aprovação dos projetos e instalações dos sistemas, destacamos os seguintes pontos dessa norma. O projeto deve conter os seguintes requisitos mínimos: O projeto deve conter a localização de todos os equipamentos e dispositivos do sistema e o esquema típico de instalação dos mesmos. A interligação ao sistema de controle de ar condicionado; ao sistema de liberação de gás extintor (FM200) e ao sistema de automação de sites deve estar detalhado neste projeto. Especificação dos equipamentos e as características dos materiais de instalação. Trajeto dos condutores elétricos nas diferentes áreas, com identificação dos riscos envolvidos, dimensões dos condutos, caixas e identificação dos bornes de ligação de todos os equipamentos envolvidos. 4. Manuais de Operação, Manutenção Preventiva e Corretiva do Sistema, com instruções completas de todas as operações, comandos e ferramentas necessárias. 5. Diagrama multifilar típico, mostrando a interligação entre todos os equipamentos aplicáveis nos circuitos de detecção, alarme e comando, e entre estes e a central. Quadro resumo da instalação, contendo: Número de circuitos de detecção e sua respectiva área, local ou pavimento; Quantidade e tipo de detectores e acionadores manuais, com circuito, área e local em que estão instalados; Quantidade e tipo de indicadores ou avisadores correspondentes a cada circuito, consumo e os respectivos locais de instalação; Quantidade e tipos de dispositivos a serem atuados em cada circuito de comando, consumo e os respectivos locais ou áreas de instalação; Tabela da lógica dos alarmes, sinalizações, temporizações, comandos e avisadores para abandono do local. Todos os componentes do sistema automático de combate, devem ser na cor vermelha 5R4/14 Munsell, e devidamente identificados, com as instruções de operação. Depois da extinção do incêndio, a área deve ser bem ventilada e oxigenada, eliminado os gases tóxicos originados no processo de combustão, antes da entrada de pessoas. No caso de extinção com CO2, especial atenção deve ser tomada nas partes baixas, como piso falso, porão de cabos e galerias subterrâneas. 13

14 Proteção contra Incêndio: Considerações Finais Os investimentos em sistemas de proteção contra incêndio, verdadeiramente eficazes, são elevadíssimos, justificados e verificados apenas quando se percebe sua ação em caso de ameaças de incêndio. Por ser um sistema de proteção, em que só atua no momento de perigo eminente, a sua disponibilidade depende essencialmente de ações de manutenção preventiva e corretiva. Nessa linha, a NBR 9441 faz destaque especial a essa questão da manutenção preventiva e corretiva. Visando manter os sistemas de detecção e alarme de incêndios, em plenas condições de funcionamento, a manutenção preventiva e corretiva, deverá ser executada por técnicos especializados e treinados. Quanto aos principais pontos das ações de manutenção, sugere o seguinte roteiro: Medição da corrente dos sistemas em cada circuito de detecção, alarme e comandos; Verificação do estado geral de chaves e comandos da central, quanto ao aspecto e condições de operação; Verificação do estado e carga das baterias; Medição de tensão da fonte primária; Teste funcional dos detectores por amostragem, com gás apropriado ou fonte de calor, garantindo que todos sejam testados no mínimo uma vez ao ano; Teste funcional de todos os acionadores manuais do sistema; Teste funcional de todos os avisadores; Teste funcional de todos os comandos; Teste funcional dos painéis repetidores; Verificação se houve alteração nas dimensões da área protegida, ocupação, utilização, novos equipamentos, ventilação, ar condicionado, piso falso, forro, população ou criadas novas áreas; Verificação de danos na rede de eletrodutos ou fiação; No que se refere a periodicidade das manutenções preventivas destaca que estas devem ser: Definida pelo usuário do sistema, levando em conta a dimensão da instalação, área protegida, quantidade de detectores, tipos de ambientes, presença de poeira, vapores, insetos, e nível de confiabilidade desejado. A periodicidade definida para as manutenções preventivas, não poderá ultrapassar três meses. Pelo menos uma vez ao ano, deverá ser realizada uma limpeza em todos os detectores, verificação da sensibilidade de detectores programada na central, teste da lógica programada na central, temporizações, supervisões e comandos de elementos dos sistemas de combate a incêndios. E, finalmente, destaca a importância da responsabilidade dos fornecedores do sistema quanto ao treinamento do pessoal de operação: O fornecedor do sistema deve dar o primeiro treinamento aos operadores, logo após os testes de aceitação. O usuário final é responsável pelos treinamentos posteriores e reciclagem dos operadores do sistema de detecção, alarme e combate a incêndios. Referências 14

15 NBR Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio NBR Instalações elétricas de baixa tensão - Procedimento NBR Invólucros de equipamentos elétricos - Proteção - Especificação NBR Cor na segurança do trabalho - Procedimento NBR Detectores automáticos de fumaça para proteção contra incêndio - Especificação NBR Acionador manual para utilização em sistemas de detecção e alarme de incêndio 15

16 Proteção contra Incêndio: Teste seu Entendimento 1. Em relação aos conceitos apresentados no texto, qual das alternativas está incorreta: FM-200 é o dispositivo mais comum para combate contra fogo, provendo alta confiabilidade e baixo impacto ambiental. O custo associado à instalação e manutenção do sistema baseado no gás FM é significativamente maior que o sistema a água. O sensor de chama é sensível aos raios ultravioletas que se fazem presentes sempre que existe fogo. 2. Em que aplicações os detectores de chama são recomendados? Áreas abertas ou semi-abertas onde ventos podem dissipar a fumaça, impedindo a ação dos detectores de temperatura ou de fumaça. Áreas onde uma chama possa ocorrer rapidamente, tais como hangares, áreas de produção petroquímica, áreas de armazenagem e transferência, instalações de gás natural, cabines de pintura, ou áreas de solventes. Todas as anteriores. 3. Alguns fatores são determinantes para o dimensionamento do sistema de proteção contra incêndio. Assinale a afirmativa correta: Para o calculo do tempo de evacuação, antes da liberação do gás FM-200, deve-se considerar o tempo que uma pessoa, caminhando em velocidade não superior a 10 metros/minuto, mesmo situada em local e condição mais desfavoráveis da área protegida, consegue chegar a um local seguro. A área máxima de proteção dos detectores pontuais de fumaça é de 81 m2, para instalação em tetos planos com vigas até 0,20 m de altura, ambientes sem ventilação forçada e com altura de instalação até 8 m. Pelo menos uma vez a cada 2 anos, deverá ser realizada uma limpeza em todos os detectores, verificação da sensibilidade de detectores programada na central, teste da lógica programada na central, temporizações, supervisões e comandos de elementos dos sistemas de combate a incêndios. 16

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO

PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO PALESTRA NOVA NBR 17240 DE ALARME DE INCÊNDIO O que mudou em relação à antiga NBR? Por que o empresário e o síndico tem que estar atentos a essa nova NBR? Quais os riscos que os tomadores de decisão estão

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 012/DAT/CBMSC)

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Chama Convencional Tipo Ultravioleta Código: AFC9104. O detector de chama AFC9104 é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações e tem como função enviar

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim

Manual do usuário. Central de alarme de incêndio Slim Manual do usuário Central de alarme de incêndio Slim Central de alarme de incêndio Slim Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul. Este manual é válido apenas para

Leia mais

2Y Indústria Eletrônica Ltda.

2Y Indústria Eletrônica Ltda. SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO Orientações para Projetos e Instalações Conteúdo Sistemas de detecção e alarme de incêndio...3 Projeto do Sistema...3 Primeiro estágio: Definição...3 Segundo estágio:

Leia mais

UNIDADE 5. Sistema de iluminação de emergência

UNIDADE 5. Sistema de iluminação de emergência UNIDADE 5 Sistema de alarme e detecção Sistema de iluminação de emergência SISTEMA DE ALARME Normas: NBR 9441/98 Execução de Sistemas de Detecção e Alarme de Incêndio IN12CBM/SC- SistemadeAlarmeeDetecçãodeIncêndio

Leia mais

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos

ANEXO I PROJETO EXECUTIVO. Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos ANEXO I PROJETO EXECUTIVO Ref: Intimação CONTRU processo nº 2004.0165.823-2 www.prefeitura.sp.gov.br/processos Ass: Escopo para Contratação de Empresa Qualificada. Tipo da contratação: Obra de Engenharia.

Leia mais

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com

NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com NBR5410 SOB O PONTO DE VISTA DA SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO Ivan Faccinetto Bottger www.firesafetybrasil.com PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS DA NBR5410 As instalações elétricas devem ser concebidas e construídas

Leia mais

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais.

Aplicações: Em sistemas de prevenção de incêndio. Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE Aplicações: Dispositivo destinado a transmitir sinais sonoros e sinais visuais. SIRENE AUDIOVISUAL modelo: SRL-01 SIRENE AUDIOVISUAL modelo:srp-01 / SRV-01 Acionadores: Acionado automáticamente

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) + Módulo Endereçável Código: AFDG2-E O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA Nº. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO NORMA TÉCNICA N. 19/2012 SISTEMAS DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO CBMGO CBMGO - CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO ESTADO DE GOIÁS SUMÁRIO

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infra-estrutura de Sistemas de Ar Condicionado em Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infra-estrutura de Sistemas de Ar Condicionado em Sites de Telecom. (Versão revista

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger Sumário Detectores Automáticos Iluminação de Emergência Sumário Análise de riscos Resistência / Reação Atuação Detecção Extinção Retirada dos ocupantes Detectores Automáticos NBR 17240:2011 - Execução

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO:

RESOLUÇÃO N.º 27 CONSIDERANDO: PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE COMISSÃO CONSULTIVA PARA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO RESOLUÇÃO N.º 27 Interpreta a aplicação dos artigos 103 e 104 da Lei Complementar 420/98 A Comissão Consultiva Para

Leia mais

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00

GRUPO NOVO BRASIL LINHA DE PRODUTOS 01/2002-REV.00 UNID ABRIGOS PARA HIDRANTES E MANGUEIRAS DE INCENDIO Medidas Padrão: Caixa de embutir com moldura removível: 50 x 70 x 25 (cm); Predial / Industrial 75 x 45 x 17 (cm);. Predial / Industrial Caixa externa

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO DX Connexion Página 1 1 DEFINIÇÕES Esse documento tem por objetivo estabelecer as especificações técnicas, condições, padrões e critérios

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS

GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS NORMA TÉCNICA 17/2013 SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 APLICAÇÃO 3 REFERÊNCIAS NORMATIVAS E BIBLIOGRÁFICAS

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Detector / Sensor de Fumaça Autônomo Rede AC e Bateria - Com Saída Rele NA/NF - Código: AFDFAR. O detector de Fumaça código AFDFAR é um equipamento que deve ser instalado no teto ou na parede das edificações

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS

NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS ANEXO XXV AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 25 MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM SUBESTAÇÕES ELÉTRICAS 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece as medidas de segurança

Leia mais

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PRAÇA DOS ESPORTES E DA CULTURA DE CAÇADOR - SC MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA PROJETO: SDAI Modelo: 3.000 m2 SETEMBRO 2011 SUMARIO 1. GENERALIDADES... 03 2. DOCUMENTOS APLICAVEIS... 05 3.

Leia mais

2.5. Placas eletrônicas da central

2.5. Placas eletrônicas da central 2.5. Placas eletrônicas da central Placa eletrônica de laço Piezo Placa de laço Na placa eletrônica de laço podem ser ligados quatro laços de detecção, compostos por detectores de fumaça, detectores termovelocimétricos

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Gás Multigás (GLP / GN / Gás de Carvão / Álcool) Com Saída Relé NA / NF Código: AFDG2 O Detector de Gás, código AFDG2 é um equipamento que deve ser instalado na parede de cozinhas,

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Acionador Manual de Alarme de Incêndio Convencional Á Prova de Tempo (IP67) Resetável Código: AFMCPEIP67. O acionador manual de alarme de incêndio AFMCPEIP67 é um equipamento que deve ser instalado na

Leia mais

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio

Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio Outubro 2011 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 004 Símbolos Gráficos Para Projeto de Segurança Contra Incêndio CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 01 Norma de Procedimento Técnico 17 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo

Leia mais

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS

ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS ANEXO IV EQUIPAMENTOS RELATIVOS AO SISTEMA AUTOMÁTICO DE DETECÇÃO DE INCÊNDIOS A - DETECTORES AUTOMÁTICOS Segundo [2], os detectores de incêndio são os aparelhos de detecção de incêndio que registam, comparam

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Sensor / Detector de Fumaça Óptico Endereçável 04 Níveis de Detecção Com Módulo Isolador - Código: AFS130IS. (Uso Conjunto às Centrais de Alarme da Série IRIS). O detector de fumaça código AFS130IS é um

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Aterramento em Sites de Telecomunicações

Aterramento em Sites de Telecomunicações Aterramento em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Aterramento em Sites de Telecomunicações. Augusto José Maluf Engenheiro Eletrônico

Leia mais

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO

NR 23 - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS COMBATE AO FOGO CLASSES DE FOGO. SENAI - Carlos Eduardo do Vale Melo NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR- PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO NR - PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS A proteção contra incêndios é uma das Normas Regulamentadoras que disciplina sobre as regras complementares de segurança e saúde no trabalho

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014 ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA COMANDO DO CORPO DE BOMBEIROS DIVISÃO TÉCNICA DE PREVENÇÃO DE INCÊNDIO E INVESTIGAÇÃO RESOLUÇÃO TÉCNICA CBMRS Nº 14 EXTINTORES DE INCÊNDIO 2014

Leia mais

Termo de Garantia. Extinção da Garantia

Termo de Garantia. Extinção da Garantia OBS IMPORTANTE: Você esta adquirindo um produto de segurança. Verifique com o Engenheiro responsável da obra, se ele atende as necessidades para o local onde será Instalado, pois todo o equipamento de

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº 04/2011 Instrução Técnica nº 04/2011 - Símbolos gráficos para projeto de segurança contra incêndio 149 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC) SINALIZAÇÃO PARA ABANDONO DE LOCAL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 013/DAT/CBMSC)

Leia mais

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO

FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO PROJETO TÉCNICO ESTADO DA PARAÍBA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA E DA DEFESA SOCIAL CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS DAT/1 SEÇÃO DE ANÁLISE DE PROJETOS FORMULÁRIO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO

Leia mais

Controlador de Segurança para chamas de Gás

Controlador de Segurança para chamas de Gás Controlador de Segurança para chamas de Gás Para queimadores de gás atmosféricos de 2 estágios: Detecção de chamas: - Sonda de Ionização - Detector de Infra-vermelho IRD 1020 - Sensor de chamas Ultravioleta

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. Equipamentos de Segurança CHANDER FIRE DO BRASIL Equipamentos de Segurança SISTEMA ENDEREÇÁVEL: Central Endereçável Especificações Técnicas: - CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS - Alimentação primária: 110V ou 220V AC - 60Hz

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

Ambientais Processamento ecológico Materiais recicláveis Material electrônico e sintético facilmente separável

Ambientais Processamento ecológico Materiais recicláveis Material electrônico e sintético facilmente separável OH720, OP720, HI720, HI722 Detectores automáticos de incêndio Para o bus de detecção C-NET Cerberus PRO O detector de fumaça ideal para todas as aplicações Processamento de sinais com algoritmos de detecção

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Mini Sirene Eletrônica Audiovisual Um Toque Iluminação a LED - Para Pequenas e Médias Áreas - Código: AFMSF A sirene audiovisual de alarme código AFMSF é um equipamento que deve ser instalado no teto ou

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

SENSOR DE GÁS SEM FIO STK 846 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK

SENSOR DE GÁS SEM FIO STK 846 SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK SENSOR DE VAZAMENTO DE GÁS SEM FIO STK 846 www.samtek.com.br Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais sendo projetados de

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323

Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 Instrução Técnica nº 15/2011 - Controle de fumaça Parte 2 Conceitos, definições e componentes do sistema 323 SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO

Leia mais

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO

DD-27 GERADOR DE OZÔNIO DD-27 GERADOR DE OZÔNIO MANUAL DE INSTRUÇÕES & OPERAÇÃO DE MÁQUINA www.deox.com.br Página 1 de 6 SUMÁRIO 1 INSTRUÇÕES GERAIS... 2 2 ESPECIFICAÇÕES DO EQUIPAMENTO... 2 3 INSTALAÇÃO... 3 3.1 SOLICITAÇÕES

Leia mais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais

Estudo técnico. Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Estudo técnico Melhores práticas para monitoramento de gás em cozinhas comerciais Aumento da segurança da cozinha através da monitoração de gás estratégica Visão geral Cozinhas comerciais são uma das áreas

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

NBR 9441 Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio

NBR 9441 Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAR 1998 NBR 9441 Execução de sistemas de detecção e alarme de incêndio Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13-28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CC em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CC em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE)

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ÁGUA NEBULIZADA (MULSIFYRE) ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 017/DAT/CBMSC)

Leia mais

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio

Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Com experiência de 20 anos no mercado de instrumentação e um amplo portfólio de produtos e serviços, a Contech lança linha de proteção contra incêndio. Um fornecedor completo para atender as necessidades

Leia mais

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho

Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite. Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho Núcleo de Pós-Graduação Pitágoras Escola Satélite Curso de Especialização em Engenharia de Segurança do Trabalho DISCIPLINA PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIO E EXPLOSÕES II ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PREVENÇÃO,

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15

ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR NORMA TÉCNICA N 15 CONTROLE DE FUMAÇA PARTE 2 CONCEITOS, DEFINIÇÕES E COMPONENTES DO SISTEMA

Leia mais

Detectores de incêndio Apollo

Detectores de incêndio Apollo Detector iónico de fumos Pág. 1 de 5 A parte sensível do detector consiste em duas câmaras uma câmara exterior aberta com uma câmara de referência semi-selada lá dentro. Montada dentro da câmara de referência,

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000

DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000 DETECTOR DE VAZAMENTO DE GÁS ITDVGH 6000 Incorporado com avançada tecnologia de detecção de vazamentos, o ITDVGH 6000 é o nosso novo produto com as funções de fácil operação, função estável e aparência

Leia mais

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência

CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência CAPÍTULO XIII Iluminação de emergência Art. 363 - É o conjunto de componentes e equipamentos que, em funcionamento, proporcionam a Iluminação suficiente e adequada para permitir a saída fácil e segura

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO

INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME E DETECÇÃO DE INCÊNDIO ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DA SEGURANÇA PÚBLICA E DEFESA DO CIDADÃO CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN nº 012/DAT/CBMSC) SISTEMA DE ALARME

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES

CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Automação Predial e Patrimonial - Memorial Descritivo para Lojas CLIENTE: CYRELA COMMERCIAL PROPOERTIES Pasta: cyrella_metropolitano-pro-ec-lojas-1-0-2012.doc DATA: 14/05/2012 0 Emissão de Memorial Descritivo

Leia mais

MANUAL DO PRODUTO. Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS

MANUAL DO PRODUTO. Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS Central de Alarme de Incêndio WALMONOF CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO CONVENCIONAL STANDARD MICROPROCESSADA MODELOS CMALCD 16/24 B 1 ÍNDICE FICHA TÉCNICA 3 FUNÇÕES DA PLACA 4 INSTALAÇÃO DA CENTRAL 5 ESQUEMA

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME

ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME ESPECIFICAÇÕES PARA INSTALAÇÕES DE ALARME - ARQUIVO 828 -M-AL1.doc Pagina 1 1. GENERALIDADES - Os serviços obedecerão as presentes especificações, a relação de

Leia mais

Manual de Instalação

Manual de Instalação Central de Detecção e Alarme Contra Incêndio V260 Imagem Central V260 36 Laços Manual de Instalação Leia atentamente o manual antes do manuseio do equipamento ÍNDICE 1 COMANDOS E SINALIZAÇÕES DA CENTRAL

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO SUB Central de Alarme de Incêndio Convencional de 08 Laços (Setores) Com Visor de LCD - Código AFVR8LS A Central de Alarme de Incêndio Convencional é o Cérebro do sistema de alarme de incêndio e cabe a

Leia mais

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO

NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO NR-23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNCIO DADOS DA INSPEÇÃO Órgão Responsável pelo Estabelecimento Endereço CNAE Inspetor (es) Estabelecimento Contato Numero de Servidores Referências técnicas (Além desta NR) Acompanhante

Leia mais

MODELAGEM DE UM SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E COMBATE A INCÊNDIO ATRAVÉS DE REDES DE PETRI

MODELAGEM DE UM SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E COMBATE A INCÊNDIO ATRAVÉS DE REDES DE PETRI MODELAGEM DE UM SISTEMA DE DETECÇÃO, ALARME E COMBATE A INCÊNDIO ATRAVÉS DE REDES DE PETRI Angelo Rocha de Oliveira (CEFET ) angelorochaoliveira@yahoo.com.br Daniel Pinheiro Teixeira (CEFET ) daniell.pinheiro.eng@gmail.com

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Botoeira / Acionador Manual Resetável - Acionamento Direto de Gás, Controle de Acesso em Áreas Sujeitas a Presença de Gáses, Combate e Alarme de Gás Código: AFAM5 O Acionador Manual / Botoeira Convencional

Leia mais

Rev. Descrição Data Autor Coordenador Gerente. Área dosítio. Especialidade /Subespecialidade GERAL. Tipo/Especificação do documento.

Rev. Descrição Data Autor Coordenador Gerente. Área dosítio. Especialidade /Subespecialidade GERAL. Tipo/Especificação do documento. Rev. Descrição Data Autor Coordenador Gerente Especialidades Revisores do Documento CREA UF Assinatura 1-ELETRÔNICA RODRIGO ARAÚJO DE PAULA 118274/D MG Sítio AEROPORTO CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE- SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação.

O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. INSTALAÇÃO DE GRUPO MOTOR GERADOR INTRODUÇÃO O bom funcionamento de um Grupo Gerador depende fundamentalmente de sua instalação. Se o Grupo Gerador for instalado dentro dos parâmetros recomendados e se

Leia mais

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12

Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V. Central. Fonte de Alimentação. 1. Apresentação 1/12 Central de Alarme de Incêndio AF-18 18 Setores - versão 12V-24V 1. Apresentação Parabéns, você acaba de adquirir mais um produto desenvolvido pela CS Comunicação e Segurança: Central de Alarme de Incêndio

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção

BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção BS 7 Sistema de Detecção e Extinção de Faíscas Segurança Para a Sua Produção G Sistema de Detecção/Extinção de Faíscas Segurança para a sua produção Sistemas de Detecção e Extinção de Faíscas são capazes

Leia mais

Incêndio: Objetivos de Projeto

Incêndio: Objetivos de Projeto OBJETIVO GERAL Incêndio: Objetivos de Projeto Criar dispositivos capazes de detectar, informar onde iniciou e debelar com presteza um incêndio, evitando danos materiais e perdas de vidas. NORMAS QUE DEVEM

Leia mais

Guia de Selecção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN

Guia de Selecção Rápida Periféricos dos sistemas de alarme de incêndio LSN Rede de Segurança Local Caracterís Cablagem de ligação fácil Capacidade de configuração automá (modo de auto-aprendizagem) Programação de todas as configurações do dispositivo a partir do painel Estrutura

Leia mais

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda

LINHA VOLT/X-POWER. Catalogo Produto 600 700 1200 1400VA. Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Catalogo Produto LINHA VOLT/X-POWER 600 700 1200 1400VA Engetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: www.engetron.com.br As informações contidas neste

Leia mais

Detetores Analógicos

Detetores Analógicos Detetores Analógicos Certificado de qualidade Nº. 010 ISO 9001 Integridade do sistema confirmada Continuamente para operação segura Pré-alarme e verificação de níveis de alarme ajuda a reduzir falsos alarmes

Leia mais

Sistema de detecção e alarme de incêndio

Sistema de detecção e alarme de incêndio Sistema de detecção e alarme de incêndio Composição do Sistema, Avaliações Laboratoriais, Normas, Legislação, Projetos e Comissionamento Ivan Faccinetto Böttger www.firesafetybrasil.com Proteção Ativa

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL INFRAVERMELHO TD-930

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL INFRAVERMELHO TD-930 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO TERMÔMETRO DIGITAL INFRAVERMELHO TD-930 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9)

NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) NR 10 - Instalações e Serviços em Eletricidade (110.000-9) 10.1. Esta Norma Regulamentadora - NR fixa as condições mínimas exigíveis para garantir a segurança dos empregados que trabalham em instalações

Leia mais

XC10 Painéis de controle para extinção de incêndio

XC10 Painéis de controle para extinção de incêndio XC10 Painéis de controle para extinção de incêndio Market package 2.1 Painéis de controle avançados para a detecção, alarme assim como ativação do processo de extinção de incêndio. Painel de controle para

Leia mais

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT

REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA JUNTO A DGST REQUISITOS E CONSIDERAÇÕES GERAIS REF. NBR 10898 DA ABNT ANÁLISE E VISTORIA DOS SISTEMAS DE ILUMINAÇÃO DE EMERGÊNCIA Objetivo

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO ANEXO XVI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 16 SISTEMAS DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO 1. OBJETIVO Esta Norma Técnica estabelece critérios para proteção contra incêndio

Leia mais

Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios

Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Sistemas de Supressão de Fogo em Veículos Especiais Departamento Técnico da GIFEL Engenharia de Incêndios Antes da introdução de sistemas de supressão de fogo em veículos especiais na indústria de mineração,

Leia mais

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO

MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS INTELIGENTES DE GERENCIAMENTO DE EVENTOS E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO MONITORE E CONTROLE SEUS SISTEMAS GERENCIAMENTO DE EVENTOS INTELIGENTES DE E MONITORAMENTO VISUAL DE ALARME DE INCÊNDIO ALARME DE INCÊNDIO SEJA VOCÊ GERENTE DE UNIDADE OU PROFISSIONAL DO SETOR DE COMBATE

Leia mais

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA

NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO POR EXTINTORES DE INCÊNDIO - PROPOSTA ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO E SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO NORMA TÉCNICA DO CORPO DE BOMBEIROS Nº 18/2015 SISTEMA DE PROTEÇÃO

Leia mais

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC).

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Infra-estrutura de Internet Data Center (IDC) Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Pollette Brancato Diretora de

Leia mais

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO

NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO ANEXO XI AO DECRETO N o 3.950, de 25 de janeiro de 2010. NORMA TÉCNICA N o 11 PLANOS DE INTERVENÇÃO DE INCÊNDIO 1. OBJETIVOS Esta Norma Técnica estabelece princípios gerais para: a) o levantamento de riscos

Leia mais

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA

ECOM EMPRESA DE CONSTRUÇÕES, CONSULTORIA E MEIO AMBIENTE LTDA MEMORIAL DESCRITIVO DO PROJETO DE INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO E PÂNICO 1. GENERALIDADES O sistema de proteção proposto busca satisfazer as condições mínimas de segurança preconizadas pela

Leia mais