A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1"

Transcrição

1 Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial original publicado em 18/10/2004). Augusto José Maluf Engenheiro Eletrônico (Mauá 1980), tendo atuado nas áreas de pesquisa e desenvolvimento de sistemas de automação predial, pesquisa e desenvolvimento de periféricos, engenharia de produtos, e implantação e operação de redes de Telecomunicações: Celulares, Fibra Óptica e Rádio. Ocupou posições de coordenação e gerência em empresas como Itautec, Intelis, Banco Safra e Pegasus Telecom. Atualmente trabalha na Telemar como consultor em sistemas de apoio à operação. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica e Teleco, formado em 1983, FACENS-Sorocaba, tendo atuado nas áreas de Implantação e Gerenciamento de Projetos de Redes Ópticas, Sistemas Celulares e Sistemas de Automação e Controle. Mestre em engenharia pela Faculdade de Engenharia Naval - POLI-USP, com ênfase em Gerenciamento de Projetos. Especialista em Gestão de Projetos pela CEGP Fundação Carlos Alberto Vanzolini. MBA em Gestão Empresarial , pela EPGE-RJ da FGV. Doutorando, com ingresso em 2007, pela Faculdade de Engenharia Naval - POLI-USP. A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

2 Manutenção da Pegasus Telecom e Gerente de Planejamento e Controle de Projetos da BMT-Bechtel Método Telecom. Atualmente atua como diretor da Teleco em serviços de operações de outsourcing estratégico. Atua também em sua empresa a Kuai Tema Engenharia, criada em 2001, que tem por finalidade a prestação de serviços de gerenciamento de projetos. Categoria: Infraestrutura para Telecomunicações Nível: Introdutório Enfoque: Técnico Duração: 15 minutos Publicado em: 09/03/2009 2

3 Automação de Sites: O que é? O que é um Sistema de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom? O gerenciamento das facilidades de infra-estrutura tem sido um dos fatores importantes da eficiência operacional das empresas provedoras de serviços de telecomunicações. Para muitas dessas empresas os componentes, que constituem os ativos da infra-estrutura, estão distribuídos geograficamente por uma área de cobertura muito grande, o que representa um fator significativo nos custos de operação. Para se garantir a maior disponibilidade de sua operação, as empresas investem em soluções que permitam a monitoração remota do estado de funcionamento dos componentes presentes nos sites remotos. Para atender a essa necessidade é que se aplicam os Sistemas de Automação de Infra-estrutura de Sites de Telecom. O sistema de automação de infra-estrutura de sites tem portanto a finalidade de monitorar o estado de funcionamento dos demais sub-sistemas de infra-estrutura instalados num site de telecom, de forma a permitir que remotamente, pelos centros de operação da rede, se possa coletar as informações e acionar as intervenções sobre os componentes instalados no site. Dentre os sistemas de facilidades da infraestrutura de um site de telecom, o sistema de automação deve supervisionar as seguintes áreas: Energias DC e AC (Grupo moto-gerador, inclusive); Controle de Acesso e Segurança; Detecção, alarme e combate a incêndio; Climatização; Alarmes de equipamentos de telecom; CFTV (Circuito Fechado de TV) A necessidade de que o sistema de automação esteja integrado aos demais sistemas de gerenciamento da rede de telecom, está fazendo com que as empresas provedoras de serviço de telecom requeiram de seus 3

4 fornecedores ambientes capazes de garantir a interoperabilidade entre seus sistemas, ditos ambientes heterogêneos, o que seria alcançado através da utilização das normas padrões de interface tais como as propostas pela ITU-T para o gerenciamento de redes de telecomunicações: o TMN. 4

5 Automação de Sites: Princípio de Funcionamento Os diversos sistemas de infra-estrutura instalados nos sites de telecom comunicam-se com o Sistema de Automação, indicando os seus status de funcionamento ou recebem deste comandos para acionamento de alguma função. Um terminal local permite a configuração do sistema, assim como estabelecer comandos nos sistemas que estiverem conectados. O Sistema de Automação concentra as informações e envia à Central de Operação da Rede, aos postos dedicados ao gerenciamento da infra-estrutura da rede. Apresenta-se a seguir algumas características importantes que são objetos de atenção na monitoração e controle dos sistemas de infra-estrutura. Sistema de Energia CA O quadro de distribuição de corrente alternada (QDCA) do site deve prover dispositivos de monitoração com interface com o sistema de supervisão. Uma das maneiras dessa interface é através de dispositivos de contato seco (relés ou contatores). Os seguintes parâmetros devem ser monitorados: Falta de fase da energia AC; 5

6 Níveis de tensão fora dos limites máximo (264 V) ou mínimo (180 V); Freqüência (60Hz); Posição da Chave de transferência do GMG (Grupo Moto Gerador). Sistema de Energia CC O sistema de energia DC do site deve prover uma interface com o sistema de supervisão, dando a indicação de alarmes. É muito comum os fornecedores desses sistemas fornecerem essa interface através de contato seco, existentes na Unidade Retificadora (UR). Os seguintes parâmetros devem ser monitorados: Falta de AC de alimentação do sistema de energia DC; Sistema de Bateria em descarga; Unidade Retificadora (UR) em estado anormal de funcionamento; Fusível interrompido; Sistema de energia DC em estado de Manutenção; GMG (Grupo Moto Gerador) acionado. O sistema de supervisão deve monitorar o GMG e a unidade de Supervisão de Corrente Alternada (USCA) através de interfaces digitais tipo contato seco. O sistema deve monitorar alarmes fornecidos pelos equipamentos: Nível de combustível; Nível de água; Estado (Ligado/Desligado); Temperatura do motor; Indicação de Falha Sistema de Climatização (Ar condicionado) O ar condicionado deverá manter a temperatura e humidade da estação telecom dentro de limites adequados aos equipamentos. A interface com o sistema de supervisão deverá ser através de contato seco ou através de uma interface digital do tipo canal serial. As seguintes funções deverão ser executadas pelo sistema de telessupervisão: Rodízio de máquinas do ar condicionado; Falha geral da unidade; Temperatura alta; Filtro sujo. Sistema de Detecção, Alarme e Combate à Incêndio As funções de automatismo desse sistema são comumente exercidas pela central de supervisão, que implementa todas as funções de uma central de incêndio. As interfaces para os dispositivos desse sistema são: Interface com sensores ópticos de fumaça e termo-velocimétricos; Interface com botoeiras de alarme; Saída para sirene; Saída para sistema de combate (liberação de gás de extinção de fogo FM200). Reset de laço; 6

7 Bloqueio do sistema de ar condicionado. Sistema de Controle de Acesso e Segurança O sistema de controle de acesso e segurança patrimonial do site deve também estar sendo monitorado e controlado pelo sistema de automação do site. É muito comum que essas funções estejam incorporadas à central de supervisão. Acesso O sistema de controle de acesso deve ser implementado pela central de supervisão e deve ter as seguintes funções mínimas: Segurança Interface com leitora de cartões de proximidade; Interface com o sistema de intrusão, inibindo os alarmes; Lista branca ou lista negra; Armazenar últimos acessos em caso de falha de comunicação com a central, com número do cartão, data e hora da entrada e da saída. O sistema de segurança deve ser implementado na central de supervisão da estação e deve apresentar as seguintes características mínimas: Detecção de invasão perimetral do site; Detecção de abertura de porta para a sala de equipamentos e baterias; Detecção de presença na sala de equipamentos e baterias; Atuação de sirene com mínimo de 120 db de potência acústica. É crescente a utilização de monitoração por imagem dos sites remotos, pela instalação de câmeras de vídeo ao longo de pontos estratégicos do site. Existem centrais de supervisão capazes de interfacear com câmeras de vídeo e que já implementam um sistema de CFTV. O fator limitante de implementação é a capacidade de comunicação das centrais de supervisão com o centro de operação, que passa a demandar uma maior banda de transmissão. Entretanto, percebe-se um crescimento dessas facilidades nos sites, sendo uma realidade nas plantas de telecom. 7

8 Automação de Sites: Componentes da Arquitetura O sistema de automação de infra-estrutura do site é composto pelos seguintes elementos: Central de Gerenciamento do Sistema Unidades Remotas de Supervisão Rede de Comunicação de Dados A Central de Gerenciamento do Sistema tem por finalidade executar as funções de gerenciamento e prover a interface de comunicação com os operadores do sistema que operam remotamente. A central comunica-se com as unidades remotas por intermédio da rede de comunicação de dados, conhecida por DCN (Datal Communication Network). As funções de gerenciamento da central não estão abordadas neste tutorial, o que seria objeto específico de uma apresentação das funções dos sistemas de gerenciamento das rede de telecomunicações. Arquitetura da Unidade Remota Os componente fundamentais de automação da infra-estrutura no site são as Unidades Remotas (UR), que exercem o papel de supervisão e controle dos demais sub-sistemas de infra-estrutura. A figura a seguir apresenta o diagrama típico de uma Unidade Remota. As UR constituem-se em equipamentos providos de processamento local e uma série de interfaces que comunicam-se com os equipamentos internos do site e externamente à Central de Gerenciamento do Sistema. 8

9 A unidade remota deve apresentar as seguintes características: Alimentação a partir do sistema de 48 Vcc da estação; Possuir uma unidade central inteligente; Permitir a adição de módulos de entrada e saída digital para interface com equipamentos do site; Permitir a adição de módulos de interface com laços de detetores de incêndio; Possuir interface para leitoras de cartão de proximidade ou magnético; Apresentar interfaces seriais por onde são feitas as conexões com modems, que serão conectados à DCN; Operar em modo on line e off line ; Deve ser montado em armário elétrico; Deve ter todas as entradas e saídas isoladas galvânicamente; Todas interfaces com os equipamentos supervisionados/controlados deve ser feita através de borneiras com sinalização de estado. Rede de Comunicação de Dados - DCN A Rede de Comunicação de Dados tem por função permitir que as URs comuniquem-se com a Central de Gerenciamento do Sistema. Essa rede de comunicação leva o nome DCN, seguindo ao padrão estabelecido TMN, que será adiante mais explorado. Trata-se de uma rede específica por onde se conectam todos os elementos de rede (NE - Network Elements) gerenciáveis de uma rede de telecom. A solução física para a implementação das DCNs são muito diversas, tais como: 9

10 Utilização dos canais de supervisão dos sistemas de transmissão, presentes nas estações de telecom; Linha dedicada de comunicação da rede; Conexão por uma rede privada ou pública de terceiros que estejam disponíveis no site. Alguns fatores são determinantes na escolha da solução física da DCN. Pode-se destacar: a capacidade de transmissão, quando houver o tráfego de imagens de câmeras de TV; e também o aspecto da disponibilidade da DCN, exigindo-se soluções de contingências. 10

11 Automação de Sites: Sistema e o modelo TMN O sistema de automação de infra-estrutura do site é parte integrante dos demais sistemas de gerenciamento da rede de telecom e serviços da organização. Disso remete a importância em que esse sistema seja compatível ao modelo de gestão dos demais, facilitando a integração de suas funções aos sistemas de gerenciamento da rede. Tem sido alvo de grandes esforços das empresas fornecedoras de sistemas e das prestadoras de serviços de telecom o grande interesse para a área de sistemas abertos com diferentes tecnologias e serviços. Deixando de lado as iniciativas particulares, existem algumas entidades internacionais que procuram estabelecer padrões de compatibilidade desses sistemas. O padrão mais famoso em telecom é o TMN (Telecommunication Management Network), instituído pela ITU-T. Não é objetivo deste tutorial apresentar uma solução de implementação da compatibilidade para os sistemas de gerenciamento da infra-estrutura de site com o padrão TMN, mas evidenciar alguns aspectos relevantes que evidenciam a importância da integração desse sistema aos demais sistemas de gestão de telecom. TMN provê um modelo de camadas lógicas que define níveis gerências para funcionalidades específicas. Os mesmos tipos de funções podem ser implementados em várias outras camadas, desde um nível mais alto que gerencia assuntos corporativos até um nível mais baixo que pode ser definido por uma rede ou por um recurso de rede, com são os elementos do sistema de automação de infra-estrutura. Para lidar com a complexidade inerente ao gerenciamento a funcionalidade de gerência, com sua informação associada, pode ser decomposta entre as camadas lógicas, como está representado na tabela a seguir. Camada Gerência de Negócios (BML) Gerência de Serviços (SML) Gerência de Rede (NML) Gerência de elemento de rede (EML) Elemento de Rede (EL) Responsabilidade Coordena o planejamento de alto nível, as cobranças, as estratégias, as decisões executivas, os contratos de negócios (BLA). Utiliza informação disponibilizada pela camada de gerência de rede para gerenciar contratos de serviço de clientes existentes e em potencial, desde o aprovisionamento e a qualidade de serviço, até a gerência de falhas. A SML é também responsável pela interação com os provedores de serviços e com outros domínios administrativos, mantendo dados estatísticos para garantir a qualidade do serviço prestado. Tem a visibilidade de toda a rede baseada em informações de NEs disponibilizadaspelos OSs da camada de gerência de elemento de rede. A NML coordena todas as atividades de rede e suporta as requisições da SML. Gerencia cada elemento de rede. A EML possui OSs, cada um dos quais é responsável pelas informações gerenciáveis de NEs específicos. De uma forma geral, um gerente de elemento de rede é responsável por um subconjunto dos elementos de rede, gerenciando os seus dados, atividades, registros, etc. Apresenta as informações gerenciáveis TMN de cada um dos NEs individualmente. A NEL faz a interface entre a informação gerenciável proprietária e a infra-estrutura TMN. 11

12 A partir de camada mais inferior, estas hierarquias incluem NEs, gerência de elementos de rede (EML), gerência de redes (NML), gerência de serviços (SML) e gerência de negócios (BML). Na figura a seguir é apresentado um exemplo de como componentes TMN de diferentes níveis lógicos de gerenciamento podem estar relacionados. O sistema de automação de site pode ser identificado em seus elementos na figura do modelo TMN. As Unidades Remotas podem ser compreendidas como os elementos de rede (NE), que se comunicam com a Central de Gerenciamento, por intermédio da DCN. As funções de gestão do sistema estão representadas pelo módulo OS (Operation System). Os terminais de operação dos operadoras são representados pelas WS (Work Stations). O sistema de automação comunica-se com demais sistemas de gestão da rede de telecom pela interface padrão TMN. 12

13 Automação de Sites: Considerações Finais As redes de longa distância de telecom constituem uma parte cada vez mais essencial da infra-estrutura necessária para as operadoras de telecom no Brasil. Falhas em qualquer parte dessa infra-estrutura podem causar grandes prejuízos econômicos nas empresas afetadas. Por esse motivo, é importante o crescimento da implantação de sistemas de automação das infra-estrutura dos sites. Isto traduz-se no desenvolvimento de sistemas que permitam antever e evitar tais problemas ou, caso isso não seja possível, corrigi-los no menor tempo possível. Esse é exatamente o papel da gerência de redes. A medida que as empresas têm unificado suas redes e seus sistemas, elas necessitam novas tecnologias e novos sistemas para viabilizar estas mudanças. Isto não tem sido uma tarefa fácil já que estas redes podem conter sistemas analógicos e digitais, equipamentos de vários fornecedores, diferentes tipos de sub-redes e vários protocolos de gerenciamento. O TMN provê um ambiente de desenvolvimento que permite a interconectividade e a comunicação entre sistemas operacionais heterogêneos e redes de telecomunicações. TMN foi desenvolvido pela ITU-T como sendo uma infra-estrutura para, dinamicamente, suportar o gerenciamento e o desenvolvimento de serviços de gerência de redes de telecomunicações. No entanto, a utilização do TMN como um padrão de gerenciamento de redes pode ser considerado como uma referência para essa integração, mas deve-se levar em conta os custos para essa adequação. Referências IEEE Press Series On Network Management: Fundamentals of Telecommunications Network Management; Lakshmi G. Raman; Tutorial Teleco: GIRS Gerência Integrada de Redes e Serviços. 13

14 Automação de Sites: Teste seu Entendimento 1. Em relação aos conceitos do TMN, qual das alternativas está incorreta? A camada de Gerência de Serviços (SML)é representada pelo nível mais elevado do modelo TMN. A EML possui OSs, cada um dos quais é responsável pelas informações gerenciáveis de NEs específicos. A camada EL, apresenta as informações gerenciáveis TMN de cada um dos NEs individualmente. 2. De acordo com texto, qual das afirmativas está incorreta? É muito comum que as funções do sistema de controle de acesso e segurança patrimonial do site estejam incorporadas à central de supervisão. A Rede de Comunicação de Dados tem por função permitir que as URs comuniquem-se com a Central de Gerenciamento do Sistema. Sistema de Bateria em descarga e Unidade Retificadora (UR) em estado anormal de funcionamento, são sinalizações do sistema de energia AC. 3. De acordo com o texto, alguns fatores são determinantes na escolha da solução física da DCN. Assinale a afirmativa errada: A capacidade de transmissão necessária para o tráfego de imagens de câmeras de TV. Disponibilidade da DCN, exigindo-se soluções de contingências. As duas afirmativas acima estão erradas. 14

Este tutorial apresenta os conceitos de Operação e Manutenção de Redes de Teleco.

Este tutorial apresenta os conceitos de Operação e Manutenção de Redes de Teleco. Operação e Manutenção de Redes de Teleco Este tutorial apresenta os conceitos de Operação e Manutenção de Redes de Teleco. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 01/09/2003). Augusto

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CC em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CC em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum).

Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Eduardo Tude Engenheiro

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Energia CA em Sites de Telecomunicações. (Versão

Leia mais

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom)

Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Mapa de Processos de uma Operadora de Telecomunicações (etom) Este tutorial apresenta o enhanced Telecom Operations Map (etom) desenvolvido pelo Tele Management Forum (TM Forum). Vergílio Antonio Martins

Leia mais

1. Funcionalidades TMN

1. Funcionalidades TMN 1. Funcionalidades TMN Uma TMN pretende suportar uma ampla variedade de áreas gerenciais que abrange o planejamento, instalação, operação, administração, manutenção e provisionamento de serviços de telecomunicações.

Leia mais

Aterramento em Sites de Telecomunicações

Aterramento em Sites de Telecomunicações Aterramento em Sites de Telecomunicações Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infraestrutura de Sistemas de Aterramento em Sites de Telecomunicações. Augusto José Maluf Engenheiro Eletrônico

Leia mais

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1

A partir de 1998 passou a se dedicar ao segmento de telecom, tendo sido Gerente de Operação e 1 Infra-estrutura de Sistemas de Ar Condicionado em Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Infra-estrutura de Sistemas de Ar Condicionado em Sites de Telecom. (Versão revista

Leia mais

Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom

Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de Sistemas de Proteção contra Incêndio em Sites de Telecom. (Versão revista do tutorial original

Leia mais

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes

MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com. Gerenciamento e Administração de Redes MSc Eliton Smith elitonsmith@gmail.com Gerenciamento e Administração de Redes 2 Gerência de Redes ou Gerenciamento de Redes É o controle de qualquer objeto passível de ser monitorado numa estrutura de

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 06/01/2003).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 06/01/2003). Implantação de Estações Rádio Base (ERBs) Este tutorial apresenta a descrição das etapas básicas de implantação de uma estação rádio base (ERB) em redes celulares. (Versão revista e atualizada do tutorial

Leia mais

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO

AUTOMAÇÃO PREDIAL INTRODUÇÃO AUTOMAÇÃO PREDIAL 1 INTRODUÇÃO A evolução da computação e dos sistemas digitais tem viabilizados aplicações, que se tornam presentes no cotidiano das pessoas, sendo hoje referenciais de conforto e praticidade

Leia mais

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações

Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Aplicação ao Gerenciamento de Redes de Telecomunicações Este tutorial apresenta o modelo TMN (Telecommunications Management Network) para gerenciamento de redes de Telecomunicações criado pelo ITU-T (International

Leia mais

Administração de CPD Internet Data Center

Administração de CPD Internet Data Center Administração de CPD Internet Data Center Cássio D. B. Pinheiro pinheiro.cassio@ig.com.br cassio.orgfree.com Objetivos Apresentar os principais conceitos e elementos relacionados a um dos principais tipos

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

Gerenciamento de Redes

Gerenciamento de Redes Gerenciamento de Redes As redes de computadores atuais são compostas por uma grande variedade de dispositivos que devem se comunicar e compartilhar recursos. Na maioria dos casos, a eficiência dos serviços

Leia mais

Especificações Técnicas e Funcionais

Especificações Técnicas e Funcionais Introdução Especificações Técnicas e Funcionais A presente Especificação, elaborada pela São Paulo Transporte S.A. SPTrans, tem como objetivo estabelecer os requisitos técnicos, operacionais e funcionais

Leia mais

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações

Redes de Telecomunicações. Redes de Gestão de Telecomunicações Redes de Telecomunicações Redes de Gestão de Telecomunicações (TMN - Telecommunications Management Network) João Pires Redes de Telecomunicações 285 João Pires Redes de Telecomunicações 286 O que é o TMN?

Leia mais

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC).

Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Infra-estrutura de Internet Data Center (IDC) Este tutorial apresenta os componentes principais e critérios de projeto da infra-estrutura de um Internet Data Center (IDC). Pollette Brancato Diretora de

Leia mais

GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços

GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços GIRS: Gerência Integrada de Redes e Serviços Este Tutorial apresenta os conceitos básicos de Gerência Integrada de Redes e Serviços (GIRS) como defina pela UIT sob o título de TMN(Telecommunications Management

Leia mais

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet

Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Alternativas de aplicação do serviço GPRS da rede celular GSM em telemetria pela Internet Marcos R. Dillenburg Gerente de P&D da Novus Produtos Eletrônicos Ltda. (dillen@novus.com.br) As aplicações de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

SOLUÇÕES COMPLETAS SOLUÇÕES COMPLETAS. em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações

SOLUÇÕES COMPLETAS SOLUÇÕES COMPLETAS. em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações SOLUÇÕES COMPLETAS em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações SOLUÇÕES COMPLETAS em produtos e serviços de segurança eletrônica e telecomunicações CFTV IP CABEAMENTO ESTRUTURADO

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 11/11/2002). ADSL (Speedy, Velox, Turbo) Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

Projetando um. Futuro Sustentável.

Projetando um. Futuro Sustentável. Projetando um Futuro Sustentável. UMA NOVA FORMA DE PENSAR. UMA NOVA FORMA DE PENSAR O TODO. UTILITASfuncional Todo projeto tem a finalidade de transformar ideias e necessidades dos clientes em resultados

Leia mais

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM

BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM BMS - BUILDING MANAGEMENT SYSTEM ADKL.ZELLER 18 ANOS DE EXPERIÊNCIA; SOLUÇÕES EM ENGENHARIA ELÉTRICA E AUTOMAÇÃO DE A a Z; DESENVOLVEMOS TODAS AS ETAPAS DE UM PROJETO; DIVERSAS CERTIFICAÇÕES; LONGAS PARCERIAS

Leia mais

S i s t e m a s d e E n e r g i a

S i s t e m a s d e E n e r g i a S i s t e m a s d e E n e r g i a c a t á l o g o d e p r o d u t o s 2 0 1 0 A Analo oferece soluções completas, software e equipamentos para: Supervisão Telemedição Comunicação de dados Supervisão A

Leia mais

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E

CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E SIGMA Sistema Integrado de Combate a Incêndio CURSO OPERACIONAL TOPOLOGIA SISTEMA SIGMA 485-E CABO BLINDADO (SHIELD) 4 VIAS 2X2,50 MM + 2X0,75 MM IHM Possibilidade de até 95 loops. LOOP LOOP LOOP CABO

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REMOTA DE TELESSUPERVISÃO 02.112-TI/SI 1411 D

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REMOTA DE TELESSUPERVISÃO 02.112-TI/SI 1411 D ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA REMOTA DE TELESSUPERVISÃO 02.112-TI/SI 1411 D SUPERINTENDÊNCIA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA - TI GERÊNCIA DE SUPORTE EM INFRA-ESTRUTURA DE TELECOMUNICAÇÕES E INFORMÁTICA TI/SI

Leia mais

O que são sistemas supervisórios?

O que são sistemas supervisórios? O que são sistemas supervisórios? Ana Paula Gonçalves da Silva, Marcelo Salvador ana-paula@elipse.com.br, marcelo@elipse.com.br RT 025.04 Criado: 10/09/2004 Atualizado: 20/12/2005 Palavras-chave: sistemas

Leia mais

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia

Módulo WCM200. Controlador WSI250 - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador WSI250 - HI Tecnologia W i re l e s s S i g n a l I n t e r fa c e O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador WSI250 da HI tecnologia

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN IV O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Cabeamento Estruturado

Cabeamento Estruturado Cabeamento Estruturado Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem

Leia mais

redes, infraestrutura e telecom

redes, infraestrutura e telecom redes, infraestrutura e telecom Integração de soluções, projetos, implementação e manutenção de redes, infraestrutura de TI e telecom para empresas de grande e médio portes. SERVIÇOS redes, infraestrutura

Leia mais

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO

LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO SIM da RMBS Sistema Integrado Metropolitano SISTEMA VLT AUDIÊNCIA PÚBLICA AQUISIÇÃO DE SISTEMAS Dezembro/2011 LOCALIZAÇÃO DO TRAÇADO 2 CARACTERIZAÇÃO DO EMPREENDIMENTO VLT Legenda: Traçado VLT: Trecho

Leia mais

RFID (Identificação por Radiofrequência)

RFID (Identificação por Radiofrequência) RFID (Identificação por Radiofrequência) Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de RFID, tecnologia wireless de identificação e coleta de dados. Vergílio Antonio Martins Engenheiro de Eletrônica

Leia mais

Proposta de Arquitetura para Controlar Climatização e Supervisionar Salas de Equipamentos de Telecomunicações

Proposta de Arquitetura para Controlar Climatização e Supervisionar Salas de Equipamentos de Telecomunicações Proposta de Arquitetura para Controlar Climatização e Supervisionar Salas de Equipamentos de Telecomunicações Eduardo Hidenori Enari eduardoenari@gmail.com Unitau Daniela Revez dos Santos Facchini danirvstfc@gmail.com

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS

ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Cymphany ACU2 Controlador Inteligente de Rede Cerberus Division ESPECIFICAÇÕES PARA ENGENHEIROS E ARQUITETOS Oito Leitoras de Cartões, Duas Portas de Multiconexão Lógica RS-485 com Quatro Leitoras Cada

Leia mais

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme

SISTEMAS PREDIAIS II. Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme PCC-2466 SISTEMAS PREDIAIS II Segurança contra Incêndio - Detecção e Alarme Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio Definição da Norma NBR 9441/98 Sistema constituído pelo conjunto de elementos planejadamente

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964

CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101. Versão 1.03, Agosto 2006 ERP:30303964 1 CENTRALNGSG101.DOC CENTRAL DE ALARME DE incêndio MODELO NGSG101 Manual de Instalação e de Operação INDICE 1. Generalidades 2. Especificações técnicas 3. Estrutura e configuração 3.1 Aspecto exterior

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I

Estado do Rio Grande do Sul PREFEITURA MUNICIPAL DE PELOTAS S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I S.A.F.- DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E PATRIMÔNIO 1/5 ANEXO I MEMORIAL TÉCNICO DESCRITIVO CENTRAIS DE ALARMES O presente memorial tem por objetivo descrever as instalações do sistema de proteção

Leia mais

Soluções de Automação e Segurança Predial. Taígo Soares taigo.soares@telemont.com.br

Soluções de Automação e Segurança Predial. Taígo Soares taigo.soares@telemont.com.br Soluções de Automação e Segurança Predial Taígo Soares taigo.soares@telemont.com.br Veículo de Emergência A Telemont Overview Automação Predial Vídeo Monitoramento Controle de Acesso Taígo Soares taigo.soares@telemont.com.br

Leia mais

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008

PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 PORTARIA Nº 102, DE 30 DE OUTUBRO DE 2008 O DIRETOR DO DEPARTAMENTO NACIONAL DE TRÂNSITO - DENATRAN, no uso das atribuições que lhe foram conferidas pelo art. 19, inciso I, da Lei nº 9.503, de 23 de setembro

Leia mais

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança

CHANDER FIRE DO BRASIL. equipamentos de segurança CHANDER FIRE DO BRASIL equipamentos de segurança www.chanderfiredobrasil.com.br SISTEMA ENDEREÇÁVEL CENTRAL ENDEREÇÁVEL DE 250 ENDEREÇOS Especificações Técnicas: - Alimentação primária: 110V ou 220V AC

Leia mais

Estação Telecom: Construir ou Alugar?

Estação Telecom: Construir ou Alugar? Estação Telecom: Construir ou Alugar? O conteúdo deste tutorial foi obtido do artigo de autoria do Marcos Macias Martinez para a etapa de classificação do I Concurso Teleco de Trabalhos de Conclusão de

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

CONTROLADOR CONDAR MP3000.

CONTROLADOR CONDAR MP3000. CONTROLADOR CONDAR MP3000. O equipamento CONDAR MP3000 é um Controlador Eletrônico Microprocessado desenvolvido especificamente para automação de até três Condicionadores de Ar instalados em um mesmo ambiente

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Roteiro de Estudos Redes PAN II O Portal Teleco apresenta periodicamente Roteiros de Estudo sobre os principais temas das Telecomunicações. Os roteiros apresentam uma sugestão de tutoriais publicados para

Leia mais

Apresentação. Quem Somos

Apresentação. Quem Somos Apresentação Quem Somos A F3 Soluções é uma organização de origem brasileira, de negócios diversificados, com atuação e padrão de qualidade globais e certificações de reconhecimento nas áreas especificas

Leia mais

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES

DMI. Dispositivo de Monitoramento Inteligente DMI TCR 88ES DMI Dispositivo de Monitoramento Inteligente 1 DMI TCR 88ES Prezado Consumidor, A ISSO atua em diversos projetos envolvendo novas tecnologias, na área de TI, equipamentos elétricos e eletrônicos, equipamentos

Leia mais

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson

Redes Industriais. Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Redes Industriais Centro de Formação Profissional Orlando Chiarini - CFP / OC Pouso Alegre MG Inst.: Anderson Capítulo 2 Meio Físicos A automação no meio produtivo Objetivos: Facilitar os processos produtivos

Leia mais

Sistema de Supervisão de Rede Óptica

Sistema de Supervisão de Rede Óptica WORKSHOP sobre TELECOMUNICAÇÕES DO RIO MADEIRA Soluções para LT de Longa Distância Sistema de Supervisão de Rede Óptica Paulo José Pereira Curado Gerente de Tecnologia de Rede Óptica 17/03/2010 Sumário

Leia mais

TMN. Telecommunications Management Network

TMN. Telecommunications Management Network 1 TMN Telecommunications Management Network Setembro/99 -Ba 2 Universidade Disciplina - Teleprocessamento e Redes Alunos: Carlos Augusto Barreto Osnildo Falcão Soares TMN Telecomunications Management Network

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA

LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 42BEspecificação Técnica LINHA DOUBLE WAY MONOFÁSICA 3 / 6 / 8 / 10 / 12 / 15 / 20 kva 38BEngetron Engenharia Eletrônica Ind. e Com. Ltda Atendimento ao consumidor: (31) 3359-5800 Web: Hwww.engetron.com.br

Leia mais

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO

ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO. Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 TIPO DE INSTALAÇÃO ESCOPO DA ACREDITAÇÃO ABNT NBR ISO/IEC 17025 ENSAIO Norma de Origem: NIT-DICLA-016 Folha: 1 Total de Folhas: 8 RAZÃO SOCIAL/DESIGNAÇÃO DO LABORATÓRIO EXEMPLO MP LTDA. TELEVISÃO DIGITAL TERRESTRE Largura

Leia mais

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger

Sumário. Detectores Automáticos. Iluminação de Emergência. Prof. Ivan Bottger Sumário Detectores Automáticos Iluminação de Emergência Sumário Análise de riscos Resistência / Reação Atuação Detecção Extinção Retirada dos ocupantes Detectores Automáticos NBR 17240:2011 - Execução

Leia mais

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia.

A EMPRESA. A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A EMPRESA A Future Technology é uma divisão da Do Carmo voltada para o mercado de soluções em tecnologia. A experiência da Future Technology nas diversas áreas de TI disponibiliza aos mercados público

Leia mais

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas

CLIMATIZAÇÃO. Relação de Entradas e Saídas CLIMATIZAÇÃO O exemplo apresentado aqui controla um sistema que envolve bombas, torres, chillers e fan-coils para climatização ambiente para conforto térmico. Pode-se montar controles para sistemas dos

Leia mais

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser

Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser Aumenta a disponibilidade do sistema e a segurança dos processos industriais Permite que sinais de entradas e saídas convencionais possam ser configurados e instalados em modo redundante Disponibilidade

Leia mais

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes

UTP Unshielded Twisted Pair - UTP ou Par Trançado sem Blindagem: é o mais usado atualmente tanto em redes domésticas quanto em grandes redes Definição Cabeamento para uso integrado em comunicações de voz, dados e imagem preparado de maneira a atender diversos layouts de instalações, por um longo período de tempo, sem exigir modificações físicas

Leia mais

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br

Série Connect. Switches e Conversores Industriais. www.altus.com.br Série Connect Switches e Conversores Industriais www.altus.com.br Conectividade e simplicidade Compacto: design robusto e eficiente para qualquer aplicação Intuitivo: instalação simplificada que possibilita

Leia mais

Automação Residencial

Automação Residencial Automação Residencial F. A. Dias G. M. de Paula L. S. de Oliveira G.F. Vieira 1 CEFET-MG, Brasil Contexto Social e Profissional, 2009 Graduação em Engenharia Mecatrônica Motivação Questão fundamental O

Leia mais

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação

MY HOME INTRODUÇÃO TOUCH SCREEN. Comando de Automação TOUCH SCREEN Comando de Automação Central de Cenário 54 ÍNDICE DE SEÇÃO 56 A casa como você quer 62 As vantagens de 66 Dispositivos BUS 68 Integração das funções My Home 70 Vantagens da instalação BUS

Leia mais

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução

Rede Corporativa. Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro. Introdução Tutorial 10 mar 2009 Fabio Montoro Rede Corporativa Introdução Rede corporativa é um sistema de transmissão de dados que transfere informações entre diversos equipamentos de uma mesma corporação, tais

Leia mais

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT.

ADSL. Esta tecnologia é utilizada pelo Speedy da Telefonica, Turbo da Brasil Telecom, Velox da Telemar e Turbonet da GVT. ADSL Este tutorial apresenta a tecnologia ADSL (Asymetric Digital Subscriber Line) desenvolvida para prover acesso de dados banda larga a assinantes residenciais ou escritórios através da rede de pares

Leia mais

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS)

Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Local Multipoint Distribuition Service (LMDS) Este tutorial apresenta a tecnologia LMDS (Local Multipoint Distribuition Service), acesso em banda larga para última milha por meio de rádios microondas.

Leia mais

REDES. A Evolução do Cabeamento

REDES. A Evolução do Cabeamento REDES A Evolução do Cabeamento Até o final dos anos 80, todos os sistemas de cabeamento serviam apenas a uma aplicação, isto é, eram sistemas dedicados. Estes sistemas eram sempre associados à um grande

Leia mais

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações.

Atualmente dedica-se à Teleco e à prestação de serviços de consultoria em telecomunicações. Rádio Spread Spectrum Este tutorial apresenta os aspectos técnicos dos Rádios Spread Spectrum (Técnica de Espalhamento Espectral) aplicados aos Sistemas de Transmissão de Dados. Félix Tadeu Xavier de Oliveira

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05

Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração HYMV05 Sistema de Monitoramento e Supervisão de Vibração Revisão 1 Mai2005 O é um sistema inteligente de Monitoramento, Aquisição de Dados e Supervisão Local para utilização com os softwares da linha Dynamic.

Leia mais

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados

PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados PORTARIA n.º 06/10 SMT.GAB Fixa as especificações técnicas e funcionais a serem exigidas dos equipamentos embarcados, denominados AVL s (Automatic Vehicle Location), nos veículos das empresas que realizam

Leia mais

Regulador Digital de Tensão DIGUREG

Regulador Digital de Tensão DIGUREG Regulador Digital de Tensão DIGUREG Totalmente digital. Software para parametrização e diagnósticos extremamente amigável. Operação simples e confiável. Ideal para máquinas de pequena a média potência.

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. MPLS Este tutorial apresenta os conceitos básicos do Multi Protocol Label Switching (MPLS) utilizado em redes IP. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo atuado nas

Leia mais

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa

UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Disciplina: Sistemas de Telecomunicações 4º período Professor: Maurício AULA 02 Telefonia Fixa Introdução UniFOA - Curso Seqüencial de Redes de Computadores Com o aparecimento dos sistemas de comunicação móvel como a telefonia celular, o termo telefonia fixa passou a ser utilizado para caracterizar

Leia mais

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002).

(Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 26/11/2002). Acesso à Internet Este tutorial apresenta as formas de acesso a Internet disponíveis para o usuário brasileiro, e apresenta os números atuais da Internet no Brasil. (Versão revista e atualizada do tutorial

Leia mais

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO

MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO MANUAL TÉCNICO DA CENTRAL E DO SISTEMA DE DETECÇÃO E ALARME DE INCÊNDIO A EQUIPEL assegura ao proprietário deste aparelho garantia de 01 ano contra qualquer defeito de peça ou de fabricação desde que,

Leia mais

Sistemas de Automação

Sistemas de Automação Sistemas de Automação Introdução Walter Fetter Lages w.fetter@ieee.org Universidade Federal do Rio Grande do Sul Escola de Engenharia Departamento de Engenharia Elétrica Programa de Pós-Graduação em Engenharia

Leia mais

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo

Módulo de Aquisição de Dados e Controle. Catálogo DM Catálogo Módulo de Aquisição de Dados e Controle O Módulo de Aquisição de Dados e Controle - DM efetua a interface de sistemas digitais com qualquer equipamento analógico ou eletromecânico que não possui

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA

CATÁLOGO DE PRODUTOS. Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA CATÁLOGO DE PRODUTOS Sistemas de Alarme de Incêndio Wireless SISTEMAS DE SEGURANÇA 2 Deltafire Ltda. R. Pinheiro Machado, 3271 Caxias do Sul, RS Tel. 54 3204-4000 CEP 95020-172 www.deltafire.com.br Central

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...8 2 APRESENTAÇÃO: O SS300 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES

EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES 1 EDIFÍCIO INTELIGENTE CONCEITO E COMPONENTES Dr. Paulo Sérgio Marin, Engº. paulo_marin@paulomarinconsultoria.eng.br 1. Conceito de Edifíco Inteligente Um edifício inteligente pode ser definido como aquele

Leia mais

Controllan Telecomunicações, Segurança Eletrônica e Elétrica. PORTIFÓLIO DE SERVIÇOS

Controllan Telecomunicações, Segurança Eletrônica e Elétrica. PORTIFÓLIO DE SERVIÇOS PORTIFÓLIO DE SERVIÇOS A Controllan comercializa produtos e serviços voltados à tecnologia integrada em Telecom, Segurança Eletrônica e Elétrica. Utilizamos a tecnologia compatível às necessidades do cliente,

Leia mais

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO TELECOMUNICAÇÕES As telecomunicações referem -se à transmissão eletrônica de sinais para as comunicações, incluindo meios como telefone, rádio e televisão. As telecomunicações

Leia mais

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET

COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET COTAÇÃO ELETRÔNICA: 79/2014 COMPRASNET Especificação Técnica 1. Objeto Aquisição de 1 (um) NOBREAK DE POTÊNCIA 5 kva Obs.: Os atributos técnicos abaixo relacionados são de atendimento obrigatório. A nomenclatura

Leia mais

Soluções de proteção do motor. Protegendo seus investimentos

Soluções de proteção do motor. Protegendo seus investimentos Soluções de proteção do motor Protegendo seus investimentos Soluções de proteção do motor A linha de dispositivos de proteção de motores da Allen-Bradley abrange equipamentos de proteção simples para fins

Leia mais

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES

Nobreak. 160 e 300 kva. senoidal on-line trifásico PERFIL PROTEÇÕES Nobreak senoidal on-line trifásico dupla convers o 60 a 300 kva 60 kva de 80 a 120 kva 160 e 300 kva PERFIL Os nobreaks on-line de dupla conversão da linha Gran Triphases foram desenvolvidos com o que

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO

DIRETORIA DE OPERAÇÃO - DO ANEXO II ESPECIFICAÇÕES PARA UCD / CONCENTRADOR DE DADOS A2. Unidade Controle Digital Remota / Concentrador de Dados 2.1. Introdução Esta seção tem a finalidade de especificar tecnicamente a Unidade de

Leia mais

INOVAÇÕES. Rede de estádio. ION (Rede Óptica Inteligente) Sistemas digitais de antenas distribuídas FlexWave

INOVAÇÕES. Rede de estádio. ION (Rede Óptica Inteligente) Sistemas digitais de antenas distribuídas FlexWave INOVAÇÕES Rede de estádio 1 Sistemas digitais de antenas distribuídas FlexWave Uma plataforma de antenas distribuídas (DAS), digital, multibanda, multioperador, agnóstica em termos tecnológicos. Possui

Leia mais

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR

Material apresentado exclusivamente aos alunos da disciplina, com conteúdo referenciado da literatura e disponível na www NÃO CIRCULAR Coletor automático de dados (datalogger) e sensores elétricos Disciplina ACA 221 Instrumentos Meteorológicos e Métodos de Observação Humberto Ribeiro da Rocha, Helber Freitas, Eduardo Gomes apoio à Aula

Leia mais

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil.

Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil. Telefonia Fixa no Brasil Este tutorial apresenta os conceitos básicos sobre Telefonia Fixa e sua regulamentação no Brasil. Eduardo Tude Engenheiro de Teleco (IME 78) e Mestre em Teleco (INPE 81) tendo

Leia mais

Soluções para Elevadores Comandos - Linha Confiance

Soluções para Elevadores Comandos - Linha Confiance Soluções para Elevadores Comandos - Linha Confiance Safe solutions for your industry 2 Índice Dispositivos Schmersal para a segurança de elevadores Página 4 Comandos Confiance 360 HS Página 5 Confiance

Leia mais

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento.

Secullum Acesso.Net ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Secullum Acesso.Net. Ficha Técnica. Serviço de Comunicação. Módulo. Estacionamento. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS Serviço de Comunicação Secullum Acesso.Net Estacionamento Gerencial Integração CFTV Pessoal Recepção Refeitório Automação Sistema Operacional: compatível com Windows XP ou superior

Leia mais

Gerenciamento de Projetos: Conceitos Básicos e Aplicação em Telecom. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 10/03/2003).

Gerenciamento de Projetos: Conceitos Básicos e Aplicação em Telecom. (Versão revista e atualizada do tutorial original publicado em 10/03/2003). Gerenciamento de Projetos: Conceitos Básicos e Aplicação em Telecom Este tutorial apresenta a descrição de conceitos de gerenciamento de projetos aplicados à implantação em Teleco. (Versão revista e atualizada

Leia mais

Evolução na Comunicação de

Evolução na Comunicação de Evolução na Comunicação de Dados Invenção do telégrafo em 1838 Código Morse. 1º Telégrafo Código Morse Evolução na Comunicação de Dados A evolução da comunicação através de sinais elétricos deu origem

Leia mais

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas

3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas 3 Gerência de Inventário utilizando RFID em Redes Ópticas O presente capítulo descreve como a tecnologia RFID é associada às tecnologias de redes de telecomunicações, de forma a ser utilizada na avaliação

Leia mais