DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS: A SOCIEDADE NA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO NOS CENTROS HISTÓRICOS O CASO DE SABARÁ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS: A SOCIEDADE NA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO NOS CENTROS HISTÓRICOS O CASO DE SABARÁ"

Transcrição

1 DESAFIOS CONTEMPORÂNEOS: A SOCIEDADE NA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO E PREVENÇÃO CONTRA INCÊNDIO NOS CENTROS HISTÓRICOS O CASO DE SABARÁ Fabiana De Lucca Munaier* 1 Resumo Este trabalho tem o objetivo de apresentar algumas reflexões a respeito da importância e responsabilidade da sociedade diante da possibilidade de incêndio em patrimônios histórico-culturais tendo em vista que a preocupação com sua preservação encontra-se em ascensão. Resguardar áreas urbanas antigas torna imprescindível uma atuação ao nível da segurança contra incêndio, que é um dos perigos que a ameaça. O presente artigo cita conceitos, situando logo após peculiaridades de centros históricos neste contexto. Para ilustrar uma das abordagens de conservação do patrimônio histórico edificado, avaliamos o estudo de caso de desempenho para a segurança contra incêndios no município de Sabará, onde houve em 2003 um sinistro desse tipo. Encerramos discutindo a importância da comunidade no processo de práticas preservacionistas do Patrimônio Cultural, apontando fatores que contribuem para a vulnerabilidade destas realidades no tocante à preservação e combate a incêndios. Palavras-Chaves: Prevenção, Comunidade, Patrimônio-Cultural, Incêndio, Centro Histórico, Preservação. Artigo Original: Elaborado em: Janeiro / Recebido em: Janeiro / Publicado em: Maio / * 1 Bacharel em Comunicação Social pelo Centro Universitário UNI-BH. Mestranda do curso de Ambiente Construído e Patrimônio Sustentável pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas Fundação Guimarães Rosa Página web: l

2 2 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos Abstract This paper aims to present some thoughts about the importance and responsibility of society at the possibility of fire in historic-cultural heritage with a view that concern forits preservation is on the rise. Protect ancient urban areas becomes a vital role at the level of fire safety, which is one danger that threatens it. This article cites concepts, standing after peculiarities of historical centers in this context. To illustrate oneapproach to preservation of historical buildings, we evaluate the case study inperformance for fire safety in the municipality of Sabara, where in 2003 there was anaccident of this kind. We finished discussing the importance of community in the process of Cultural Heritage preservation practices, pointing out factors that contribute to the vulnerability of these realities in the conservation and firefighting. Key Words: Prevention, Community, Heritage and Cultural, Fire, Historical, Preservation. Original Article: Prepared on: January / Received: January / Published: May / Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 2 de 18

3 Fabiana De Luucca Munaier 3 1 INTRODUÇÃO Devido à constatação de pouquíssimas políticas de prevenção e combate a incêndio nos centros históricos, a pesquisa teve o caráter de trabalhar o Patrimônio Cultural e a comunidade, além da relação das pessoas com suas heranças culturais, percebendo sua responsabilidade pela valorização e preservação do Patrimônio. Neste sentido, o presente trabalho discute propostas de ações preventivas, técnicas e fornece subsídios para a implementação de ações com maior eficácia no combate a incêndios do patrimônio edificado. Com desenvolvimento e adaptação de soluções práticas, a fim de conscientizar a sociedade para a conservação e manutenção de prédios históricos dentro da atual realidade. Por se tratarem de patrimônios históricos muito ricos, a necessidade de proteger estes acervos contra incêndios é de suma importância para a conservação do conhecimento da história e a sua transmissão as gerações futuras. Essa pesquisa aponta caminhos para prevenir e combater incêndios em centros históricos. Observa-se que o não gerenciamento de riscos de incêndios pode comprometer os conjuntos arquitetônicos históricos, pôr em risco a vida humana e os negócios ali desenvolvidos. Neste quadro se insere a preocupação com a segurança contra incêndio e a responsabilidade de todos que, de alguma forma usufruem dos espaços arquitetônicos dos centros históricos. Do morador ao visitante: todos têm o seu papel na prevenção contra incêndios em práticas diárias e simples. 2 PATRIMÔNIO E PRESERVAÇÃO Conforme o dicionário Aurélio (1999), patrimônio é a herança paterna, bens de família, riqueza, patrimônio natural, moral, cultural, intelectual, etc. Ampliando esse conceito, podemos dizer que é patrimônio o conjunto de elementos históricos, arquitetônicos, ambientais, paleontológicos, arqueológicos e científicos para os quais Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 3 de 18

4 4 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos se reconhecem valores que identificam e perpetuam a memória e referenciais do modo de vida e identidade social. A importância de preservar o que consideramos patrimônio, ou parte dele, está no fato deste se constituir registro da cultura, da expressão artística, da forma de pensar e sentir de uma comunidade em determinada época e lugar, um registro de sua história, saberes, técnicas e instrumentos que foram utilizados. Os bens que formam o patrimônio são modos específicos de criar e fazer tradição na literatura, música, expressões, linguagem e costumes que diferem um povo de outro, unindo ou separando-os. Inclui a herança cultural, os bens culturais produzidos pelos segmentos hegemônicos em cada tempo histórico. Assim, a política patrimonial deve relacionar os usos sociais desses bens no presente conservando a produção cultural do passado. A preservação, ou seja, o ato de manter os testemunhos das manifestações culturais e ambientais possibilita à sociedade reconhecer a sua identidade, valorizando-a e estabelecendo referenciais para a construção de seu futuro (RANGEL, 2002). Ainda sobre a preservação, Medeiros discorre que: A Preservação engloba, de maneira mais ampla, todas as ações que beneficiam a manutenção do bem cultural. Se tomarmos como exemplo uma imagem barroca, podemos considerar ações de preservação até mesmo as leis criadas para garantir a integridade do patrimônio, os mecanismos para viabilizar a realização de projetos de restauração, o cuidado com o meio ambiente que circunda o local ou ações como o desvio do trânsito para evitar a trepidação do prédio onde a obra se encontra. Enfim, todas as ações que colaboram para garantir a integridade do bem que se deseja preservar (MEDEIROS, 2005). A cultura manifesta singularidades que abarcam indiscutível valor humanístico. Quando se preserva legalmente e na prática, conserva-se a memória do que fomos e do que somos: a identidade da nação. O patrimônio é riqueza comum que herdamos como cidadãos, e que se vai transmitindo de geração a geração. Por isso, são tomadas medidas protecionistas através de procedimentos que o poder público e privado adotam, no intuito de preservar os bens patrimoniais. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 4 de 18

5 Fabiana De Luucca Munaier 5 Uma sociedade que busca o entendimento e o registro de sua evolução cultural deve preservar seus recursos materiais e ambientais em sua integridade e exigir métodos de intervenção capazes de respeitar o elenco de elementos que compõem o seu patrimônio cultural. Segundo o Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais IEPHA/MG, o patrimônio cultural material está classificado entre as seguintes categorias (QUADRO 1): Patrimônio natural Patrimônio edificado Patrimônio urbanístico Bens móveis Patrimônio documental Bens integrados Patrimônio arqueológico Patrimônio paleontológico Fonte: LIBÂNIO, 2008/2009. p.19. QUADRO 1 Classificação do Patrimônio Cultural Material Constituído por paisagens, formações geológicas, rios, cavernas, flora e fauna de uma região. Formado pelos bens imóveis(casas, igrejas, museus, edifícios, etc.) que representam a história do local, de uma época ou manifestação cultural. Conjuntos urbanos dotados de homogeneidade paisagística ou que sejam referenciais da identidade do local. São os objetos, de fácil remoção, que constituem o patrimônio de um povo. Podem ser elementos artísticos ou artefatos culturais sob a forma de obra de arte ou material documental. Formado também por bens móveis, mas com uma característica específica de constituírem o acervo histórico de um povo. São os bens que constituem a ornamentação que compõem os projetos arquitetônicos das edificações (cantarias, pilastras, colunas, púlpitos, painéis parietais, etc.). Formado pelo legado de grupos pré-históricos ou por testemunhos do passado (pinturas rupestres, sítios, artefatos, etc.). Formado pelos fósseis animais e vegetais, incluindo também os sítios onde ocorrem. É importante registrar que, no ano de 2000, foi instituído pelo IPHAN um novo instrumento de preservação, isto é, uma nova categoria de patrimônio cultural, o Registro de Bens Culturais de Natureza Imaterial, que inclui as formas de expressão de um povo. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 5 de 18

6 6 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos 3 ABORDAGEM SOBRE INCÊNDIOS Dentre os prejuízos causados por fenômenos da natureza, o incêndio assola a todos, independente de condições econômicas, políticas ou geográficas e, na maioria das vezes, tem efeitos devastadores, causando perdas e danos irrecuperáveis. Quando pensamos sobre as ações a serem tomadas em caso de incêndio, devemos nos preocupar prioritariamente com a proteção à vida humana. No entanto, apesar desta segurança ser essencial, alguns objetos, edifícios ou sítios históricos/arqueológicos são também de valor inestimável para a humanidade. Tais perdas podem significar impacto emocional e econômico muito grande para a comunidade atingida, além de que, mesmo que o acervo esteja coberto por seguro, dinheiro não poderá repô-los. Portanto, a ocorrência de incêndios em áreas históricas traz consigo uma série de conseqüências negativas e perdas associadas, fazendo necessária a preservação de áreas urbanas antigas com atuação ao nível da segurança contra incêndio, que é um dos principais perigos que ameaça estas zonas. Alguns fatores como a perda do patrimônio histórico e da vida humana; o impacto negativo na indústria do turismo; a dificuldade em atrair novos investimentos para a área atingida; a paralisação de atividades; danos ao meio ambiente; prejuízos financeiros e perda de informações dentre tantas outras conseqüências, levam ao questionamento sobre a proteção do patrimônio histórico contra incêndios e a vulnerabilidade destas áreas ao risco e a necessidade de gerenciá-los. Visto que a ocorrência de incêndios pode comprometer de forma irreversível o desenvolvimento sustentável da área atingida e os bens culturais pela perda de sua autenticidade e integridade, infere-se a necessidade de uma abordagem mais eficaz da problemática dos incêndios, objetivando minimizar os potenciais de risco a áreas em que perdas culturais e econômicas seriam incalculáveis. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 6 de 18

7 Fabiana De Luucca Munaier 7 Neste cenário de risco, inclui-se a abordagem sobre a segurança contra incêndios em centros históricos, devido à sua importância cultural e econômica, onde a vulnerabilidade dos negócios existentes a vários riscos torna inequívoca a necessidade de melhor gerenciá-los, obtendo ao mesmo tempo espaços mais seguros e economicamente viáveis. O efetivo controle do fogo e sua extinção requerem um entendimento básico de sua natureza química e física. Isto inclui conhecimentos sobre fontes de energia calorífica, composição e características dos combustíveis, e condições do meio ambiente necessárias para sustentar o processo de combustão (SANTA CATARINA, CBM, 2010). Combustão é o processo auto-sustentável de oxidação rápida de um combustível, sendo reduzido por um agente oxidante, com o desenvolvimento simultâneo de luz e calor. A maioria dos incêndios envolve um combustível que quimicamente combina com o oxigênio encontrado no ar atmosférico. Outras substâncias como peróxidos orgânicos, são compostos especiais que contém combustível e moléculas oxidantes, tornando-os capazes de queimar num ambiente sem oxigênio (SANTA CATARINA, CBM, 2010). FIGURA 1 Tetraedro ou quadrado do fogo. Fonte: NILTON, Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 7 de 18

8 8 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos A combustão é definida por suas características físicas, podendo variar de oxidações muito lentas, como a ferrugem, até oxidações muito rápidas, como detonações e explosões. Entre estes extremos, estão as duas reações mais preocupantes: combustão sem chamas e combustão livre. A combustão é representada pelo tetraedro do fogo com as quatro faces representando o combustível, o calor, o oxigênio e a reação química em cadeia. Quando se avalia a proteção contra incêndio de uma edificação, muitos fatores são considerados para que se obtenha êxito diante do provável sinistro, sendo eles: o tipo construtivo da edificação, sua ocupação, materiais que podem vir a queimar, exposições à propagação, perigos que oferecem métodos adequados de combatêlos e, finalmente, os meios de combate disponíveis. Vale ressaltar que as idades das construções devem ser consideradas como um fator primordial neste caso, principalmente porque as edificações mais antigas são constituídas de materiais que possuem maior potencial incendiário, além do fato de que estas foram construídas num tempo onde a preocupação com a proteção a incêndio não era tão latente. Sejam estabelecimentos comerciais, edifícios residenciais, industriais ou para outros fins, cada um deles precisa contar com as devidas considerações na execução do plano de combate a incêndio. A maior ou menor propagação do incêndio depende sempre da ação direta ou indireta do homem e, é a este que cabe também o dever de criar mecanismos eficientes que sirvam como proteção contra esses ataques. 4 APRENDENDO COM OUTROS INCÊNDIOS Entendemos ser de grande utilidade buscar paralelos e exemplos: Em 15 de maio de 2010 um grande incêndio atingiu o laboratório de répteis do Instituto Butantan (FIG. 2), na Zona Oeste de São Paulo, destruindo um dos principais acervos de cobras, aranhas e escorpiões para pesquisas do mundo e o maior do Brasil. Mais de 70 mil espécies conservadas foram queimadas no local. O Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 8 de 18

9 Fabiana De Luucca Munaier 9 Instituto é um centro de pesquisas biomédicas localizado no bairro do Butantã fundado em 1901 e responsável pela produção de soros e vacinas. FIGURA 2 Laboratório de Répteis do Instituto Butantan. Fonte: SÃO PAULO. Prefeitura Municipal, A Matriz de Pirenópolis (FIG. 3) é um dos maiores e tradicionais centros de fé católica para o povo goiano e foi dedicada à padroeira da cidade. Construída entre 1728 e 1732 no auge da mineração do ouro, foi tombada como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 1941 e restaurada entre 1996 e Um grande incêndio a destruiu em 5 de setembro de Sociedade, governo e entidades se mobilizaram para reerguer um dos maiores símbolos culturais do centro oeste. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) apoiou a restauração e a reinserção do monumento na paisagem. As obras começaram em 2003 e a Matriz foi reinaugurada em 30 de março de FIGURA 3 Matriz de Pirenópolis. Fonte: PIRENÓPOLIS, Portal de Turismo. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 9 de 18

10 10 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos 5 PRINCIPAIS LOCAIS DE PRESERVAÇÃO Entre as principais construções que são ou abrigam patrimônio histórico destacamse: museus, centros históricos, bibliotecas e igrejas. Para a segurança da população que ocupa essas construções históricas é imprescindível a implantação dos equipamentos determinados no projeto e a utilização de saídas de emergência específicas para cada caso, além de medidas auxiliares, garantindo, desse modo, a inteira proteção do ocupante. A diversidade de objetos que podem fazer parte do acervo de um museu é enorme, sendo necessária uma compreensão das particularidades de medidas de proteção contra incêndios, para que sejam aplicadas as mais adequadas para cada caso. No que diz respeito às bibliotecas, seus acervos possuem características bem especificas, sendo compostos de materiais, em sua grande parte combustíveis, conservados em estantes, formando áreas compactadas com material extremamente susceptível ao incêndio. Em edifícios e centros históricos é preciso levar em consideração os componentes específicos, além das alterações as adaptações trazidas ao longo dos anos. Estes possuem características marcantes e de grande preocupação, no âmbito da proteção dificultada, muitas vezes, por ocupar áreas de difícil acesso. 6 CENTROS HISTÓRICOS: INDIVIDUALIDADES E RISCO Algumas observações gerais a respeito de centros históricos serão feitas, partindo do pressuposto de que o fator de risco de cada edificação é determinado pelo Corpo de Bombeiros Militar de cada estado e emitido oficialmente pelo órgão de proteção do patrimônio histórico no qual consta o nível de tombamento. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 10 de 18

11 Fabiana De Luucca Munaier 11 O valor dos centros históricos nacionais é um fato inquestionável, tendo em vista seu papel na história do país. Porém, é essencial que o cidadão não só reconheça esse valor, mas se sinta valorizado por ser parte destes locais e mais que isso, responsável pela sua história e preservação, sendo assim, também responsável pela construção do futuro. O conhecimento do que está em risco torna mais clara as decisões a serem tomadas. Nesse sentido, se faz necessário abordar as características dos bens patrimoniais materiais dos centros históricos. Sua arquitetura, por exemplo, representa um obstáculo parcial: algumas ruas estreitas dificultam a movimentação e o acesso do Corpo de Bombeiros aos locais assim como a fuga das vítimas. A elevada carga térmica acumulada nas edificações em virtude da mudança de uso residencial para comercial e a grande quantidade de material combustível existente ali, contribuem para que o fogo se propague rapidamente. A contínua adaptação das edificações coloniais ao uso das sociedades modernas se faz freqüentemente com sérios prejuízos à segurança contra incêndio. Outro importante fator de risco que caracteriza estas zonas é o fato de que, embora imóveis tenham redes elétricas separadas, o espaço edificado do centro histórico possui, de acordo com os costumes de uma época em que os conhecimentos de segurança contra incêndio eram rudimentares, telhados contínuos ao longo de várias casas, unindo-as fisicamente. Isso faz com que, em um espaço que contenham edificações nestas condições, o alastramento do fogo de um imóvel para o outro acontece com mais rapidez. Algumas casas ainda possuem as portas que se abrem rotacionando para o interior dos imóveis, o que dificulta escoamento das pessoas durante possíveis situações de pânico. Suas edificações típicas do período colonial brasileiro possuem dentre os materiais empregados e os processos construtivos, além de outros, o uso da madeira, que as tornam particularmente vulneráveis a ação do fogo. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 11 de 18

12 12 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos Enfim, cada uma dessas características tem um impacto próprio na severidade do incêndio. Mas em conjunto, elas fazem do risco de generalização do incêndio um evento provável no patrimônio cultural. 7 O CASO DE SABARÁ Incluída no Circuito do Ouro, a cidade de Sabará está localizada na região metropolitana de Belo Horizonte. Possui um patrimônio histórico de grande importância na formação cultural de Minas Gerais, encontrados na arquitetura colonial dos casarões, igrejas e nas valiosas obras do mestre Aleijadinho. Em Junho de 2003 o município foi vítima de um incêndio criminoso que destruiu parte da igreja de Nossa Senhora das Mercês, construída em estilo barroco, provavelmente na primeira metade do século XVIII. Reedificada por volta de 1780 e reformada em 1825, apesar da história de dificuldades, a igreja reinava vitoriosa em sua localização privilegiada na topografia de Sabará quando o fogo devastou os dois altares rústicos de tábuas lisas, parte do forro e do telhado. Queimou também três imagens em madeira, todas do século XVIII, e um crucifixo. Com ornamentação simples, destituída de qualquer elemento significativo, comparado com outras igrejas mineiras e da própria cidade, que faz parte da história do ciclo do ouro em Minas Gerais, ela foi erguida pela irmandade pobre de Nossa Senhora das Mercês, uma agremiação formada por negros, muitos deles escravos. Apesar de tombada pelo patrimônio histórico nacional desde 1938, um dos motivos que contribuíram para a propagação do desastre foi a ausência de projetos de prevenção-combate à incêndios e fiações elétricas antigas e expostas que reduziram parcialmente o bem cultural em cinzas além da quantidade significativa de madeira e outros materiais de fácil combustão estocados atrás do altar. O Corpo de Bombeiros gastou cerca de uma hora para apagar o incêndio, que teve início por volta das 4h30min. Foi a comunidade local quem deu o alarme. Moradores da cidade Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 12 de 18

13 Fabiana De Luucca Munaier 13 arrombaram a porta da igreja para salvar imagens. Em vistoria realizada no ano anterior ao ocorrido foram identificadas uma série de problemas, e apesar de alguns reparos serem providenciados, os mesmos não foram suficientes, portanto as deficiências não foram totalmente sanadas. 8 A SOCIEDADE NA PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO Somente com ações concretas de proteção conseguiremos barrar atos de vandalismo e depredação de aspectos culturais, de forma que é fundamental que cada um de nós tenha ciência da importância de nosso patrimônio e de como protegê-lo, conhecendo os mecanismos a serem utilizados para este fim. Fica portanto evidente que a ação preventiva representa um progresso no tocante à proteção contra incêndios. A evolução das atividades humanas, a proliferação de indústrias, o crescimento vertical dos aglomerados urbanos, a diversificação dos materiais de construção e a utilização maior de materiais combustíveis, agravam o risco de ocupação, por isso exigem a necessária e imprescindível prevenção. O ideal seria que todos conhecessem os riscos de incêndio e quais as atitudes a serem tomadas, afinal, segurança pública em combate a incêndios é também um estado de espírito coletivo, de estar sempre alerta para não fazer procedimentos perigosos que possam vir a ocasionar tais acontecimentos que acarretam em dano. Para dar uma idéia do que deve ser a consciência de prevenção, torna-se necessário definir exatamente o sinistro, logo que este se declare. Do ponto de vista da prevenção, há sinistros, ou risco deles, toda vez que uma causa qualquer provoque a inflamação ou aumento de temperatura capaz de alterar a normalidade de inteiração entre o homem e o ambiente. Neste momento instala-se a insegurança, podendo levar os envolvidos ao perigo e ao pânico. Desta definição, decorre praticamente que um incêndio, não combatido a tempo, toma decerto uma grande extensão. O fundamento primaz da prevenção é evitar as Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 13 de 18

14 14 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos causas do incêndio, combatendo de início e pondo em ação todos os meios existentes. Os municípios devem atuar na implementação dos princípios constitucionais por meio dos instrumentos definidos pela base legal (lei 14130/2001). Porém, tratamos aqui, especialmente do papel diário que cabe à população na prevenção contra incêndio no patrimônio histórico-cultural. Engajar e envolver a comunidade são importantes porque diz respeito à sua história. As causas de um incêndio são as mais diversas: descargas elétricas, atmosféricas, sobrecarga nas instalações elétricas dos edifícios, falhas humanas (por descuido, desconhecimento ou irresponsabilidade) etc. Os cuidados básicos para evitar e combater um incêndio podem salvar vidas e são essenciais à preservação da identidade de um povo. 9 SUGESTÕES DE SEGURANÇA É muito importante que o próprio edifício possua equipamentos que permitam combate imediato ao princípio de incêndio pelos próprios ocupantes da edificação, assim como rotas de fuga, sistemas de orientação e alarme que possibilitem a evacuação das pessoas em tempo hábil, sem pânico ou atropelos que, freqüentemente, causam mais vitimas que o próprio fogo (SOUZA, 1996). Em relação à segurança contra incêndios pode ser adotado um conjunto de medidas de impacto e baixo custo. É fundamental a execução de alguns critérios estabelecidos em um Plano de Ação de Combate à incêndio para os prédios do Centro Histórico por equipe técnica que atendam: Fácil acesso ao edifício, com estacionamento privativo aos bombeiros; Hidrantes em número suficiente e com manutenção permanente; Alarmes de incêndio com transmissão automática para uma central, acionando o Corpo de Bombeiros; Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 14 de 18

15 Fabiana De Luucca Munaier 15 Extintores de incêndio, distribuídos de acordo com as normas vigentes; Revisão periódica da rede elétrica; Corrimão nas escadas e rampas que formam a rota de fuga; Faixas visuais antiderrapantes na borda dos degraus; Sinalização nas saídas de emergência e desobstrução das mesmas; Treinamento de usuários fixos sobre equipamentos e procedimentos em caso de incêndio. 10 CONCLUSÃO O passado histórico se desrespeitado pode gerar perdas significativas para a memória local e nacional. Embora ocorram medidas para resgatar e manter o patrimônio em alguns centros-históricos, grande parte da comunidade ainda não despertou que a sua atuação na função de preservação, é importante porque traz com ela benefícios sociais, econômicos, políticos e culturais para a cidade. Faltam ainda, planos voltados à conscientização da noção de herança coletiva que o patrimônio representa e por isso a importância de preservá-lo. Nesse aspecto a elaboração de um plano de ação, adquire importância como agente de preservação do patrimônio histórico. Nele, existe a oportunidade de aproximar a comunidade ao evento através da participação direta, com orientação dos órgãos competentes. Além disso, a educação patrimonial se faz primordial, através da produção de uma cartilha, onde o cidadão encontre seu papel na prevenção contra incêndio e assuma o patrimônio histórico como sua identidade. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 15 de 18

16 16 Desafios Contemporâneos: a Sociedade na Preservação do Patrimônio e Prevenção Contra Incêndio nos Centros Históricos REFERÊNCIAS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE MINAS GERAIS. Apostila. Contagem: Centro de Ensino, FUNDARPE. Disponível em: <http://www.cultura.pe.gov.br/patrimonio.html>. Acesso em: 21 set GUIMARÃES, Nathália Arruda. A proteção do patrimônio cultural: uma obrigação de todos. Revista Jus Navigandi, abr Disponível em: <http://jus.uol.com.br/revista/>. Acesso em: 05 ago IPHAN. Caderno Análise de Risco de Incêndio em Sítios Históricos. Brasília, LEITE, Yuri Lima; ASSIS, Edílson Machado de. Segurança contra incêndio e sua importância em patrimônios histórico-culturais LIBÂNIO, Clarice de Assis (org.). Projeto Resgatando Histórias, Preservando Nossa Memória: manual do educador. Sabará: Prefeitura Municipal, 2008/2009. v. III. MEDEIROS, Gilca Flores. Caderno do Professor. Calendário Museológico. Superintendência de Museus do Estado de Minas Gerais, Disponível em: <http://www.conservacao-restauracao.com.br/por_que_preservar.pdf>. Acesso em: 12 abr NILTON, J. Santos. Teoria do fogo Disponível em: <users.femanet.com.br/quimica/>. Acesso em: 03 maio ONO, Rosaria. Proteção do Patrimônio histórico-cultural contra incêndio em edificações de interesse de preservação. Fundação Casa de Rui Barbosa. Rio de Janeiro, Ciclo de Palestras Memória & Informação. PATRIMÔNIO. Dicionário Aurélio Eletrônico, século XXI. Rio de Janeiro: Nova Fronteira e Lexicon Informática, 1999, CD-rom, versão 3.0. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 16 de 18

17 Fabiana De Luucca Munaier 17 PIRENÓPOLIS. Portal de Turismo. Disponível em <http://www.pirenopolis.tur.br/matriz>. Acesso em 13 de Outubro de PROCORO, Andreza. Sustentabilidade ameaçada: a importância da segurança contra incêndios e suas implicações para a sustentabilidade de áreas urbanas antigas. Pernambuco, RANGEL, Cláudia. Patrimônio Cultural: preservação, conservação e restauração. Simpósio de História do Vale do Paraíba on-line. I. Anais Disponível em: <http://www.valedoparaiba.com/>. Acesso em: 14 jul SABARÁ. PREFEITURA MUNICIPAL. Projeto Resgatando Histórias, Preservando Nossa Memória. v.i. Sabará: aspectos históricos, geográficos e socioeconômicos. Sabará: Secretaria Municipal de Educação, p. SANTA CATARINA, Corpo de Bombeiros Militar. 8º Batalhão de Bombeiro Militar, Grupo de Bombeiros Capivari de Baixo. Texto Técnico sobre Comportamento do Fogo. Disponível em <http://www.ebah.com.br/incendio-pdf-a33978.html>. Acesso em: 14 jul SÃO PAULO. Prefeitura Municipal. Turismo: Parque Instituto Butantan. Disponível em: <http://www.saopaulo.sp.gov.br/conhecasp/ >. Acesso em: 13 out Pirenopolis.tur.br. Disponível em: <http://www.pirenopolis.tur.br/matriz>. Acesso em 13 out SOUZA, João Carlos. A Importância do Projeto Arquitetônico na Prevenção contra Incêndios. In: NUTAU, São Paulo, RODRIGUES, Rosângela de Oliveira Lopes. A vila de São Vicente - Patrimônio Cultural Submerso: uma missão para a arqueologia subaquática. Revista Eletrônica Patrimônio: Lazer & turismo, nov Disponível em: <www.unisantos.br/pos/revistapatrimonio>. Acesso em: 16 jun Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas FGR, Belo Horizonte maio 2011 p. 17 de 18

18 Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas Fundação Guimarães Rosa. Acesse: e conheça outros títulos de nosso Catálogo Virtual. Biblioteca Virtual Fantásticas Veredas Fundação Guimarães Rosa Página web: l

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 - Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 - Risco de incêndio 3 - Símbolos 9 - Fatores de segurança

Leia mais

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com

SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO. firesafetybrasil@gmail.com SISTEMA GLOBAL DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO firesafetybrasil@gmail.com RELAÇÃO ENTRE OS FATORES CONDICIONANTES DE RISCO E AS DISTINTAS CATEGORIAS DE RISCO RELAÇÃO DE INTERDEPENDÊNCIA ENTRE AS CINCO CATEGORIAS

Leia mais

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS

CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DE SANTA CATARINA DIRETORIA DE ENSINO CENTRO DE ENSINO BOMBEIRO MILITAR CENTRO DE FORMAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO DE PRAÇAS Ramon Maffioletti Tonelli Segurança Contra Incêndio em

Leia mais

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS

IT - 35 SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS IT - 35 CONTRA INCÊNDIO EM EDIFICAÇÕES HISTÓRICAS SUMÁRIO 1 - Objetivo 7 Exposição ao risco de incêndio 2 - Referências normativas 8 Risco de incêndio 3 Símbolos 9 - Fatores de segurança 4 - Considerações

Leia mais

Proteção do Patrimônio histórico-cultural contra incêndio em edificações de interesse de preservação

Proteção do Patrimônio histórico-cultural contra incêndio em edificações de interesse de preservação Proteção do Patrimônio histórico-cultural contra em edificações de interesse de preservação Rosaria Ono Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo - FAUUSP Rua do Lago, 876 - Cidade

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC

DECLARAÇÃO DE QUÉBEC DECLARAÇÃO DE QUÉBEC Sobre a preservação do "Spiritu loci" Assumido em Québec, Canadá, em 4 de outubro de 2008 INTRODUÇÃO Reunião na histórica cidade de Québec (Canadá) de 29 de setembro a 4 de outubro,

Leia mais

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo

Regulamento de segurança contra incêndio das edificações e áreas de risco do Estado de São Paulo Decreto Estadual nº 56.819, de 10 de março de 2011 I GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO CORPO DE BOMBEIROS Regulamento

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA

BRIGADAS DE EMERGÊNCIA NICOBELO&ART FINAL Nicobelo@hotmail.com BRIGADAS DE EMERGÊNCIA GRUPO INCÊNDIO DE SOROCABA 1 OBJETIVO É estabelecer Programa de Prevenção e levar a cabo medidas que se implementem para evitar ou mitigar

Leia mais

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS

REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS REGULAMENTO DE VIAGEM DE ESTUDOS CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO Florianópolis (SC), 2013 1 ESTRUTURA ORGANIZACIONAL DA INSTITUIÇÃO Mantenedora: Sistema Barddal de Ensino Grupo UNIESP Mantida: Faculdades

Leia mais

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE

ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE ESTUDO PARA INTERVENCAO EM MONUMENTOS E SITIOS HISTORICOS: O Caso do Mercado de Farinha de Caruaru-PE TENORIO, LUCIENE A. (1); CARVALHO, AMANDA B. (2); ZHAYRA, ADELAIDE C. (3) 1. LVF Empreendimentos LTDA.

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS

VESTIBULAR 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS VESTIBULAR 2015/1 SELEÇÃO PARA CURSOS TECNICOS SUBSEQUENTES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO TOCANTINS 2015/1 INFORMAÇÕES SOBRE OS CURSOS CURSO TÉCNICO EM AGRIMENSURA Aprovado

Leia mais

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL

CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL CARTILHA D. JOTINHA A ORIENTAÇÃO DO PROFESSOR DE ARTES VISUAIS SOBRE A CONSERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARTÍSTICO E CULTURAL Universidade Federal de Goiá/Faculdade de Artes Visuais Rodrigo Cesário RANGEL Rodrigoc_rangel@hotmail.com

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS

PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PROCEDIMENTOS OPERACIONAIS PARA RECURSOS CULTURAIS FÍSICOS PO-05/2013 Unidade Responsável: Gestão de Programas OBJETIVO: Fornecer a metodologia e ferramentas para implementação da Política de Salvaguardas

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero

Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos. Eng. Valdemir Romero Segurança em edificações existentes construídas há mais de 15 anos Eng. Valdemir Romero Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Agenda Objetivos Ações propostas Justificativas Riscos Segurança

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS.

PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. PROJETO DE LEI Nº 038 /2012 INSTITUI OBRIGAÇÕES RELATIVAS À AUTOVISITA E AS INFORMAÇÕES ACERCA DE OBRAS E REFORMAS REALIZADAS NOS PRÉDIOS. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO DECRETA:

Leia mais

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo

Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO RELACIONADOS AO NOVO DECRETO ESTADUAL DO CORPO DE BOMBEIROS DO ESTADO DE SÃO PAULO DESAFIO PERMANENTE Palestrantes: Carlos Cotta Rodrigues José Félix Drigo Alguns Números do CBPMESP

Leia mais

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal

A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal A Preservação do Patrimônio Cultural na Esfera Municipal 1. Introdução O patrimônio cultural de cada comunidade pode ser considerado a sua cédula de identidade. Por isso, cada vez mais os municípios necessitam

Leia mais

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio

Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio Desenvolvimento de uma emergência de incêndio INTRODUÇÃO Ambos a experiência e o bom senso nos dizem que as ações tomadas durante uma emergência são mais eficazes

Leia mais

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL

A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL 1 A LEI CIDADE LIMPA EM LONDRINA E AS POSSIBILIDADES DE PRESERVAÇÃO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO-CULTURAL Colégio Londrinense Alunos(as): Natalia Bergamini da Silva Lucas Tsuchya Hubacek Nasser Nasser Orientadora

Leia mais

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas

Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Indicadores de qualidade em Bibliotecas Universitárias como torná-las bem sucedidas Ligia Scrivano Paixão Diretora do Sistema de Bibliotecas e coordenadora do curso de Biblioteconomia da Universidade Santa

Leia mais

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009.

CASTRIOTA, L.B. Patrimônio Cultural. Conceitos, políticas, instrumentos. São Paulo: Annablume; Belo Horizonte: IEDS, 2009. INVENTÁRIO DE BENS CULTURAIS DE RIBEIRÃO PRETO SP Henrique Telles Vichnewski 1 Lílian Rodrigues de O. Rosa 2 Nainôra Maria B. de Freitas 3 O Inventário de Bens Culturais de Ribeirão Preto faz parte do

Leia mais

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CONSELHO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL CDES GT MATRIZ ENERGÉTICA PARA O DESENVOLVIMENTO COM EQUIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL COLÓQUIO EMPREGOS VERDES E CONSTRUÇÕES SUSTENTÁVEIS 20.08.2009

Leia mais

Instalações Prediais. Manutenção

Instalações Prediais. Manutenção Instalações Prediais Manutenção Legislação Leis nº 10.199/86 e 8382/76 Certificado de manutenção dos sistemas de segurança contra incêndio Lei nº 13.214, de 22 de novembro de 2001. Obrigatoriedade de instalação

Leia mais

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo

Plano de Conservação Preventiva do Museu Casa de Rui Barbosa: Documentação para Preservação Segundo Módulo CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação Título do Projeto Coordenador do Projeto: Endereços para contato: Setor: Plano de Conservação Preventiva do Museu

Leia mais

Padrão de Desempenho 8:

Padrão de Desempenho 8: Visão Geral dos Padrões de Desempenho sobre Sustentabilidade Socioambiental 1. A Estrutura de Sustentabilidade da IFC articula o compromisso estratégico da Corporação com o desenvolvimento sustentável

Leia mais

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE

FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE FRANQUIA O BOTICÁRIO SÃO FRANCISCO DO SUL (SC) RELAÇÃO COM A COMUNIDADE RESUMO A reconstituição e o resgate da memória do centro de histórico da cidade foi o audacioso trabalho que a franquia O Boticário

Leia mais

Estruturas institucionais esfera federal

Estruturas institucionais esfera federal Estruturas institucionais esfera federal Departamento do Patrimônio Imaterial Princípio de atuação: respeito à diversidade cultural e valorização da diferença são os princípios organizadores da atuação

Leia mais

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA

PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA PAISAGEM URBANA A IDENTIDADE CULTURAL E SOCIAL LAPEANA, ATRAVÉS DO PATRIMÔNIO EDIFICADO DA CIDADE DA LAPA Karin Comerlatto da Rosa kcomerlattodarosa@yahoo.com.br Resumo: A história da Lapa está presente

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística

Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Significado do termo Paisagismo ou Arquitetura Paisagística Definição de Paisagem Natural / Cultural 1. Consideramos Paisagem todo o espaço que se abrange num lance de vista, e que é delimitado pela linha

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno

3.3 O Largo do Carmo e seu entorno 3.3 O Largo do Carmo e seu entorno O Largo do Carmo, como ainda é conhecido o espaço público na frente das igrejas da Ordem Primeira e Terceira do Carmo, e ao lado do Teatro Vasques. Seu entorno conserva

Leia mais

Manual de Usuário. Seguro para Igrejas

Manual de Usuário. Seguro para Igrejas Manual de Usuário Seguro para Igrejas Seguro para Igrejas Mensagem do Diretor A Adventist Risk Management Sul-Americana é uma parceira da Divisão Sul-Americana referente à administração de riscos. Nosso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

PREFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS LEI COMPLEMENTAR Nº 38, DE 22 DE FEVEREIRO DE 2011. Altera dispositivos e Cria Secretaria de Esporte, Cultura, Lazer e Turismo na Lei Complementar nº 24, de 23 de abril de 2009, que dispõe sobre a Organização

Leia mais

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas:

Os requisitos de SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO dentro de uma organização passaram por duas mudanças importantes nas últimas décadas: $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 ³6HJXUDQoDGH,QIRUPDo}HV &\QDUD&DUYDOKR

Leia mais

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio

INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio GESTÃO DA CONTINUADE DOS NEGÓCIOS E DE PGI 002 Incêndio INCÊNDIO Ambiente SEFAZ (Ed. Vale do Rio Doce) PGI 002 Incêndio As informações existentes neste documento e em seus anexos são para uso exclusivo

Leia mais

Estudos da Natureza na Educação Infantil

Estudos da Natureza na Educação Infantil Estudos da Natureza na Educação Infantil Referenciais Curriculares Nacionais da Educação Infantil (RCNEI) parte 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2015

Leia mais

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA

UFPB PRG X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA 2CTDAMT06.P METODOLOGIAS DE INVENTÁRIO PARA RESTAURO DE EDIFICAÇÕES DE VALOR PATRIMONIAL Carolina Marques Chaves (2) ; Maria Berthilde Moura Filha (3) Centro de Tecnologia/Departamento de Arquitetura e

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

S A D I José Rui Ferreira

S A D I José Rui Ferreira Concepção de Instalações Eléctricas S A D I José Rui Ferreira Setembro 2000 SADI - Sistema Automático de Detecção de Incêndios Índice - Introdução - Equipamento - Concepção da instalação - Instalação eléctrica

Leia mais

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores.

Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas OUT:2001 Projeto de revisão NBR 13434 Parte 2 Sinalização de segurança contra incêndio e pânico Parte 2: Símbolos e suas formas, dimensões e cores. Sede: Rio

Leia mais

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a

ambientes de topografia mais irregular são mais vulneráveis a qualquer tipo de interferência. Nestes, de acordo com Bastos e Freitas (2002), a 1. INTRODUÇÃO Muitas e intensas transformações ambientais são resultantes das relações entre o homem e o meio em que ele vive, as quais se desenvolvem num processo histórico. Como reflexos dos desequilíbrios

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA CENTRO DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO CURSO DE BIBLIOTECONOMIA ALINE MENIN FERREIRA (alinemenin.ferreira@hotmail.com ) CLÁUDIA REGINA LUIZ ( cacauluiz@bol.com.br ) CRISTIANE

Leia mais

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS

CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS CONTROLE DO GASTO PÚBLICO, DESDE AS PEQUENAS COMPRAS Maria Leila Casagrande Angeliki Natsoulis Cestari Ana Paula P. Delfino Motta II Congresso Consad de Gestão Pública Painel 32: Qualidade do gasto público

Leia mais

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS

SUSTENTABILIDADE EM CONDOMINIOS EM CONDOMINIOS Miguel Tadeu Campos Morata Engenheiro Químico Pós Graduado em Gestão Ambiental Considerações Iniciais Meta - A sobrevivência e perpetuação do seres humanos no Planeta. Para garantir a sobrevivência

Leia mais

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir.

O sistema de gerenciamento de risco é composto pelas etapas de identificação e avaliação de controle dos riscos, descritas a seguir. 2.6.16 - Este programa contém as principais ações que têm sido tomadas para prevenir os danos à saúde e integridade física dos trabalhadores e da população da região, os prejuízos materiais e possíveis

Leia mais

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação

DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER. A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação DECLARAÇÃO UNESCO/UBC VANCOUVER A Memória do Mundo na Era Digital: Digitalização e Preservação 26 a 28 de Setembro de 2012 Vancouver, Colúmbia Britânica, Canadá A Tecnologia Digital oferece meios sem precedentes

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA ELEMENTOS COMPLEMENTARES NO COTIDIANO ESCOLAR LUZ, Janes Socorro da 1, MENDONÇA, Gustavo Henrique 2, SEABRA, Aline 3, SOUZA, Bruno Augusto de. 4 Palavras-chave: Educação

Leia mais

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO

ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO ANEXO III LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 108 LAUDO TÉCNICO PREVISTO NO DECRETO Nº 6.795 DE 16 DE MARÇO DE 2009 LAUDO DE PREVENÇÃO E COMBATE DE INCÊNDIO 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTÁDIO 1.1. Nome do

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº.

SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO. Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. SECRETARIA DE ESTADO DOS NEGÓCIOS DA SEGURANÇA PÚBLICA POLÍCIA MILITAR DO ESTADO DE SÃO PAULO Corpo de Bombeiros INSTRUÇÃO TÉCNICA Nº. 35/2011 Túnel rodoviário SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências

Leia mais

Sprinklers, Válvulas e Acessórios

Sprinklers, Válvulas e Acessórios A Argus é uma empresa brasileira, especializada em segurança e proteção contra incêndio, com sede em Vinhedo/SP. Embora nova, a Argus é uma empresa com muita experiência. Seus sócios em conjunto somam

Leia mais

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL

CATÁSTROFES E GRANDES DESASTRES IMPORTÂNCIA DA COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO PÚBLICA NO ÂMBITO DA PROTEÇÃO CIVIL programa Ao evocar os 260 anos do Terramoto de 1755, a Câmara Municipal de Lisboa, através do Programa que agora se apresenta, pretende levar a cabo um conjunto de atividades e manifestações alusivas à

Leia mais

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução

CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES FINAIS ADOTADAS PARA O RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO. Introdução MUS-12/1.EM/3 Rio de Janeiro, 13 Jul 2012 Original: Inglês ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA REUNIÃO DE ESPECIALISTAS NA PROTEÇÃO E PROMOÇÃO DE MUSEUS E COLEÇÕES Rio

Leia mais

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES

A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES A SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS NAS EDIFICAÇÕES 1 OBJETIVOS DO PROJETO DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO A proteção da vida humana A proteção do patrimônio A continuidade do processo produtivo 2 O CÍRCULO DE PROTEÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PARANÁ CENTRO DE ESTUDOS E APERFEIÇOAMENTO FUNCIONAL CARLOS EDUARDO DE MIRANDA SILVA O PODER DE POLÍCIA AMBIENTAL E SUA EXECUÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE CASTRO CASTRO

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável

ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima. Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável ANEXO III Resolução 1 da Comissão Interministerial de Mudança Global do Clima Contribuição da Atividade de Projeto para o Desenvolvimento Sustentável Projeto: Geração de eletricidade a partir de fontes

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA

CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA CURSO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL ROBERTO DOS SANTOS FLAUSINO GESTÃO AMBIENTAL PORTUÁRIA SANTOS 2005 ÍNDICE 01.Introdução...3 02. Gestão Ambiental Portuária...6 03. Referências Bibliográficas...12 2 01. INTRODUÇÃO

Leia mais

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso

Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Carta para a Preservação do Patrimônio Arquivístico Digital Preservar para garantir o acesso Considerando que a informação arquivística, produzida, recebida, utilizada e conservada em sistemas informatizados,

Leia mais

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy

Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Tecnologias de Prevenção e Combate a Incêndios João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2010 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação, eletrônico

Leia mais

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural

O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural O Patrimônio arqueológico como elemento do Patrimônio Cultural Adriana Machado Pimentel de Oliveira Kraisch Mestranda do Programa de Pós-graduação em História da UFPB E-mail: adriana.butija@gmail.com Palavras-chave:

Leia mais

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração

ATRIBUIÇÕES ESPECÍFICAS POR DISCIPLINA / FORMAÇÃO. a) Administração Anexo II a que se refere o artigo 2º da Lei nº xxxxx, de xx de xxxx de 2014 Quadro de Analistas da Administração Pública Municipal Atribuições Específicas DENOMINAÇÃO DO CARGO: DEFINIÇÃO: ABRANGÊNCIA:

Leia mais

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único

Curso Técnico Segurança do Trabalho. Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Curso Técnico Segurança do Trabalho Controle de Perdas e Meios de Fuga Módulo Único Meios de Fuga As rotas de fuga devem atender, entre outras, às seguintes condições básicas: Número de saídas O número

Leia mais

Secretaria de Estado da Cultura

Secretaria de Estado da Cultura Secretaria de Estado da Cultura UPPM Unidade de Preservação do Patrimônio Museológico GTC SISEM-SP Grupo Técnico de Coordenação do Sistema Estadual de Museus de São Paulo MUSEUS E PATRIMÔNIO Os museus

Leia mais

R 1 O T E I R O 2 0 0 5

R 1 O T E I R O 2 0 0 5 R O T E I R O 1 2 0 0 5 2 SUMÁRIO A - INTRODUÇÃO B CRITÉRIOS TÉCNICOS C ORIENTAÇÕES TÉCNICAS 1. Pesquisa Histórica 2. Pesquisa Arqueológica 3. Prospecções 4. Análises Laboratoriais 5. Levantamento Arquitetônico

Leia mais

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União

F) 13.392.0168.2650.0001 - Funcionamento de Bibliotecas da União Brasileira I Vol. de vários autores; Brasileira II Vol. de vários autores; Brasileira III Vol. de vários autores; Brasileira IV Vol. de vários autores; Brasileira V Vol. de vários autores; Editions du

Leia mais

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto

CMI. CMI Centro de Memória e Informação. Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto CMI Centro de Memória e Informação CMI Dados do Projeto e do(a) Coordenador do Projeto Título do Projeto Museu Casa de Rui Barbosa: estabelecendo relações com os turistas nacionais e internacionais Coordenador

Leia mais

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança.

Auxiliar os consultores de segurança e projetistas na elaboração do Projeto de SCIE e da Ficha de Segurança. OBJETIVO De acordo com o Artigo 17.º do Decreto-Lei n.º 220/2008 (Regime Jurídico de SCIE), descrever e detalhar como devem ser instruídos e apresentados os Projetos de SCIE (com o conteúdo descrito no

Leia mais

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual.

Obra civil de recuperação/restauração de patrimônio edificado, com tombamento federal ou estadual. Artistas, historiadores, arquitetos, designers, arqueólogos, paleontólogos, produtores culturais, educadores, pesquisadores e demais interessados podem apresentar propostas de projetos de patrimônio dentro

Leia mais

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC

NECESSIDADE DE UM PLANO DE CONTINGÊNCIA DE TIC CI-206 Adm. de TI & IT Prof. Antonio URBAN Referência: Plano de Contingência para Recursos de Tecnologia de Informação e Comunicação Palavras-chave: Tecnologia de Informação, Tecnologia de Comunicação,

Leia mais

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL.

CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. CADERNOS DE SOCIOMUSEOLOGIA Nº 15-1999 309 CONSTITUIÇÃO PORTUGUESA ACERCA DO PATRIMÓNIO CULTURAL. Artigo 9.º (Tarefas fundamentais do Estado) São tarefas fundamentais do Estado:. a) Garantir a independência

Leia mais

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO

PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO DEFINIÇÃO DO FOGO O FOGO É UMA REAÇÃO QUIMICA QUE LIBERA LUZ E CALOR. PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO 193 QUAL É O NUMERO DO CORPO DE BOMBEIROS?

Leia mais

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready!

World Disaster Reduction Campaign 2010-2011 Making Cities Resilient: Amadora is Getting Ready! Parceiros: Câmara Municipal da Amadora Serviço Municipal de Protecção Civil Tel. +351 21 434 90 15 Tel. +351 21 494 86 38 Telm. +351 96 834 04 68 Fax. +351 21 494 64 51 www.cm-amadora.pt www.facebook.com/amadora.resiliente

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

FESTA DA LAPA 2012 PLANO DE AÇÃO

FESTA DA LAPA 2012 PLANO DE AÇÃO FESTA DA LAPA 2012 PLANO DE AÇÃO 1. Breve Histórico A Festa de Bom Jesus da Lapa, na Gruta Terra Ronca, ocorre na primeira semana de agosto. Na entrada da gruta é montada infraestrutura, composta por barracas

Leia mais

O Barroco no Brasil. Capitulo 11

O Barroco no Brasil. Capitulo 11 O Barroco no Brasil Capitulo 11 O Barroco no Brasil se desenvolveu do século XVIII ao início do século XIX, época em que na Europa esse estilo já havia sido abandonado. Um só Brasil, vários Barrocos O

Leia mais

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações

Plano de Manutenção e Conservação de Edificações Plano de Manutenção e Conservação de Edificações PLANO DE MANUTENÇÃO E CONSERVAÇÃO DE EDIFICAÇÕES Apresentação Este plano, preparado pela União das Faculdades de Alta Floresta, mantenedora da Faculdade

Leia mais

As principais conclusões foram as seguintes:

As principais conclusões foram as seguintes: A REABILITAÇÃO EXIGE PROJETO IN SITU Vasco Peixoto de Freitas Professor Catedrático da Faculdade de Engenharia da Universidade do Porto Diretor do Laboratório de Física das Construções * Nesta sessão foi

Leia mais

GEOBIOLOGIA E BIOARQUITETURA

GEOBIOLOGIA E BIOARQUITETURA CADERNOS DE RADIESTESIA E GEOBIOLOGIA GEOBIOLOGIA E BIOARQUITETURA Autor: MARCOS ALVES DE ALMEIDA www.geomarcosmeioambiente.com.br (geomarcos@terra.com.br) 0 GEOBIOLOGIA E BIOARQUITETURA Autor: Marcos

Leia mais

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos

CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO E MEMÓRIA DA MOGIANA Gestão de riscos Setembro de 2011: os grupos CID e Física relizaram o curso de gerenciamento de riscos A formulação de um programa eficaz de preservação documental

Leia mais

MUSEUS E PAISAGENS CULTURAIS

MUSEUS E PAISAGENS CULTURAIS O acesso ao material Bibliográfico está disponível apenas para consulta local. O Boletim Cenedom é destinado à difusão regular do acervo e das atividades do Cenedom, como estudos, pesquisas e publicações

Leia mais

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES

N REQUISITOS OBSERVAÇÕES N REQUISITOS OBSERVAÇÕES 01 02 03 04 05 06 07 A - MANUTENÇÃO E SUPORTE A empresa fornece produto de software com Verificar se a empresa fornece manual do produto (instalação), documentação de suporte ao

Leia mais

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD

Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Secretaria do Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável-SEMAD Diretoria de Prevenção e Combate aos Incêndios Florestais e Eventos Críticos DPIFE Palestrante: JARBAS JORGE DE ALCÂNTARA Téc.

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados,

Sr. Presidente, Senhoras e senhores Deputados, Dircurso proferido Pela Dep. Socorro Gomes, na Sessão da Câmara dos Deputados do dia 08 de novembro de 2006 acerca da 19ª edição do Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, promovido pelo Instituto do Patrimônio

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 067 / 2011 1. Do fato Solicitado parecer sobre atuação do profissional Enfermeiro no treinamento ministrado aos componentes de brigadas de incêndio, atendendo a Instrução Técnica

Leia mais

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural

Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Direitos Autorais e Patrimônio Cultural Diretoria de Direito Intelectual Secretaria de Políticas Culturais Ministério da Cultura Constituição Federal - Art. 216 - Constituem patrimônio cultural brasileiro

Leia mais

Com relação aos Compromissos Nacionais

Com relação aos Compromissos Nacionais Plano de Ação México Com relação aos Compromissos Nacionais 1. Nos último anos, o Ministério da Cultura do Brasil (MinC) vem debatendo com especial ênfase o impacto econômico propiciado pela música na

Leia mais

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564

Disciplina EQW-010. INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Disciplina EQW-010 INDÚSTRIA E MEIO AMBIENTE Prof. Denize Dias de Carvalho (denize@eq.ufrj.br) sala E-203 Tel: 2562-7564 Prof. Lídia Yokoyama (lidia@eq.ufrj.br) sala E-206 Tel:2562-7560 CONCEITOS - DEFINIÇÕES

Leia mais

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN

PAC CIDADES HISTÓRICAS. Natal /RN PAC CIDADES HISTÓRICAS Natal /RN INTRODUÇÃO O Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), iniciado em 2007, é uma inciativa do governo federal coordenada pelo Ministério do Planejamento que promoveu a

Leia mais

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL

As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL As práticas do historiador: experiências do Laboratório de Documentação do Curso de História da Universidade Cruzeiro do Sul UNICSUL Profa. Dra. Ana Barbara A. Pederiva Professora da Universidade Cruzeiro

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais