Cadernos de Saúde. Medicina Dentária NÚMERO VOLUME 1, Publicação Semestral

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadernos de Saúde. Medicina Dentária NÚMERO VOLUME 1, 2008. Publicação Semestral"

Transcrição

1 Cadernos de Saúde NÚMERO E S P E C I A L Medicina Dentária VOLUME 1, 2008 Publicação Semestral

2

3 Cadernos de Saúde Volume 1 Número especial de Medicina Dentária Índice Editorial 7 Alexandre Castro Caldas Jorge Leitão Adaptação marginal de coroas provisórias de implantes colocados imediatamente após exodontias 8 Borges T., Carvalho A., Carvalho C., Carvalho V. Autotransplante dentário para preservação óssea com posterior colocação de implante dentário. Caso clínico 10 Carvalho V., Carvalho C., Carvalho A., Borges T., Afonso A. Carvalho V. Tratamento do Herpes Labial: penciclovir vs. aciclovir 12 Rocha, S., Lopes, P., Filipe, M., Ribeiro, A., Veiga, N. Restauração de um dente extensamente destruído. Caso clínico 14 Duarte, A., Outeiro, R., Espírito Santo, J. Restauração de um dente anterior fracturado e encerramento de diastemas. Caso clínico 16 Outeiro, R., Duarte, A., Espírito Santo, J. Abordagem cirúrgica de um extravasamento canalar num incisivo com lesão apical. Caso clínico 18 Veiga, N., Traesel, T., Silva, O., Pais, C., Martins, M. Alterações da postura corporal e disfunção da articulação temporomandibular 20 Filipe, M., Lopes, P., Louro, T., Veiga, N., Ribeiro, O.

4 Casuística da Consulta de Prostodontia Fixa da Clínica Universitária da Universidade Católica Portuguesa 22 Esteves, H., Correia, A., Araújo, F., Silva, A. M. Grau de satisfação dos pacientes reabilitados em Prostodontia Fixa na Clínica Universitária da Universidade Católica Portuguesa estudo preliminar 24 Correia, A., Esteves, H., Araújo F., Silva, A. M. Acção de sensibilização na Escola Secundária Alves Martins, Viseu 26 Gonçalves, J-C., Bogalheiro, M., Melo, J., Alves, M., Figueiredo, A., Veiga, N. Avaliação da saúde oral numa população rural 28 Barata, C., Veiga, N., Figueiredo, A., Santos, L. Exérese de odontoma complexo. Caso clínico 30 Lopes, J., Araújo, S., Lopes, J., Silva, A., Almeida, B., Silva, S. Mesiodentes diagnóstico clínico e radiológico 32 Cardoso, A., Lima, T., Morais, J., Dias, R., Borges, T., Carvalho, A. Indução cirúrgica de caninos maxilares retidos 34 Frazão, S., Dias, R., Dias, V., Silva, S., Almeida, B., Silva, A. Critérios de selecção de brocas de osteotomia em cirurgia oral 36 Silva, M.., Taveira, J., Monteiro, J., Pinto, F., Figueiredo, C., Policarpo, F. Próteses fi xas dento-implanto-suportadas o estado actual 38 Silva, A. M., Araújo, F., Correia, A., Esteves, H. Ecologia microbiana do biofi lme oral e ph 40 Lopes P., Filipe M., Sequeira S., Veiga N., Correia M. J. Parâmetros de diagnóstico de dentes extensamente destruídos em prostodontia fi xa 42 Matos, C., Silva, A. M., Araújo, F., Correia, A., Esteves, H. Amputação radicular da raiz mesio-vestibular do dente 16. Caso clínico 44 Pinho I., Fernandes S., Macedo J., Silva O., Martins M. Será a Internet útil para a prática clínica de Medicina Dentária? 46 Vilaça L., Santos J. e Correia André A Utilização de Computadores na Prática Clínica. Estudo Prévio 48 Marques A., Sequeira S., Correia A. Sonda periodontal computorizada. A sua aplicação na prática clínica 50 Fernandes S., Andrade D., Lopes P., Macedo J. e Correia A.

5 Ferulização de dentes periodontalmente comprometidos. Protocolo clínico 52 Santos, B. M., Sousa, M. C. Diagnóstico radiológico pré-cirúrgico de sisos inclusos. Caso clínico 54 Costa, P., Filipe, M., Silva, A., Frias, C., Almeida, B., Almeida, R. Prevalência de sisos inclusos na clínica universitária da UCP-CRB 56 Dias R., Dias V., Morais J., Lima T., Cardoso Á., Correia A. Cavidade óssea de Stafne 58 Araújo, F., Marques, T., Santos, T., Marques, R., Frias, C., Rufino, A., Silva, A., Costa, M., Lopes, J. Solução protética para correcção de defeito gengival com prótese fi xa. Caso clínico 60 Araújo, F., Marques, T., Correia, A., Esteves, H. Fractura do terço médio radicular. Controlo de caso clínico 62 Oliveira, A., Vilaça, L., Silva, O., Martins, M.

6

7 Editorial Alexandre Castro Caldas Jorge Leitão O Instituto de Ciências da Saúde (ICS) foi criado na Universidade Católica Portuguesa há quatro anos. Foi intenção da Universidade organizar este domínio do saber, de que se ocupava já há algum tempo em acções dispersas pelos diversos Centros Regionais. Assim, o ICS é hoje a reunião dessas acções, ampliado pelo grande desenvolvimento que foi tendo, sobretudo no domínio da enfermagem. A Medicina Dentária sediada em Viseu (Centro Regional das Beiras) foi incorporada no ICS e sofreu no último ano uma transformação profunda. Está hoje apoiada por um corpo docente muito empenhado na formação pré e pós-graduada, mais virado para os problemas da clínica do que no passado e entrando progressivamente na vida da população de Viseu, onde começa a ter uma imagem assistencial a primeira preocupação. Neste sentido, o hábito de registar e reportar informação começa a ser treinado desde o início; os alunos têm anualmente o seu Congresso onde apresentam resultados das suas perguntas científicas em forma de poster. Tendo sido iniciada a publicação dos Cadernos de Saúde no corrente ano, entendeu-se ser importante divulgar os trabalhos desses alunos num número suplementar da Revista entre os Médicos Dentistas reunidos no Congresso Nacional, a quem desde já convidamos também a submeter aos Cadernos de Saúde os textos científicos que queiram publicar. Agradece-se o apoio ao Laboratório Pierre Fabre, Oral Care que tornou possível esta iniciativa que contamos repetir nos próximos anos. importante. A formação dos alunos em todas as competências que importam à profissão é sem dúvida

8 8 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Adaptação marginal de coroas provisórias de implantes colocados imediatamente após exodontias Borges T., 1 Carvalho A., 2 Carvalho C., 2 Carvalho V. 3 1 Assistant Professor, Department of Oral Surgery 2 Department of Dentistry, CMEB, Private Medical Center, Bragança, Portugal Universidade Católica Portuguesa Centro Regional das Beiras 3 Chairman, Department of Prosthodontics. Portuguese Catholic University, Viseu, Portugal Resumo A literatura científica descreve bons resultados de osteointegração em implantes dentários colocados em carga imediata através da utilização de coroas provisórias. As diferenças verificadas entre as taxas de sucesso relativas a este tipo de procedimentos estão relacionadas com factores anatómicos (locais de colocação), tipo de soluções protéticas utilizadas, tipo de fixação das soluções protéticas e procedimentos complementares à colocação do implante, como regenerações ósseas ou de tecidos moles. Com este trabalho pretendemos optimizar uma técnica de adaptação marginal de coroas provisórias imediatas após a colocação de implantes dentários unitários no sector anterior. Descreve-se um método de adaptação marginal de coroas provisórias aparafusadas sobre implantes unitários, colocados após extracções dentárias, através da utilização de um pilar provisório em plástico, coroas em vinil, resina auto-polimerizável e um modelo em silicone putty, utilizado para a adaptação final com compósito flow. Esta técnica possibilita uma boa adaptação dos tecidos moles peri-implantares, uma redução do tempo de tratamento e melhoria na satisfação dos pacientes em relação ao tratamento realizado. Bibliografia 1. Sato N, Periodontal Surgery: A Clinical Atlas; 2000 Quint. Book 2. Sclar A. Soft Tissue and Esthetic Considerations in Implant Therapy. Quintessence Books Funato A, Salama M, Ishikawa T, Garber DA, Salama H. Timing, positioning and sequential staging in esthetic implant therapy: a four-dimensional perspective. Int J Periodontics Restorative Dent 2007 Aug;27(4): Mark R. Ryser, Michael S. Block, and Donald E. Mercante, Correlation of Papilla to Crestal Bone Levels Around Single Tooth Implants in Immediate or Delayed Crown Protocols American Association of Oral and Maxillofacial Surgeons 5. J Oral Maxillofac Surg 63: , Immediate Loading Versus Immediate Provisionalization of Maxillary Single-Tooth Replacements: A Prospective Randomized Study With BioComp Implants 7. Jerome A. Lindeboom, Joost W. Frenken, Leander Dubois, Michael Frank, Ingmar Abbink, and Frans H. Kroon, J Oral Maxillofac Surg 64: , 2006 Nota Poster 95 Premiado no EAO 17th Annual Scientific Meeting Warsaw 2008 publicado no Clinical Oral Implants Research Vol 19. Issue No September Solicitada a autorização de publicação ao Editor-in-Chief Prof. Dr. H.C. Niklaus P. Lang, MS para a sua publicação na revista Cadernos de Saúde.

9 9 Marginal adaptation in immediate single tooth implants provisional crowns Background Literature describes good osseointegration outcomes following provisionalization of single tooth immediate implants in extraction sites (1,2,3,4,5). Good aesthetics results on the same day of the surgical procedures and maintenance of the soft tissue contours are the main advantages of this protocol. Cemented retained, screw retained and friction retained crowns can be used for the provisional restorations (5). The marginal adaptation of the provisional crowns next to the soft tissues margin can be achieved by different ways, always conditioned by the type of chosen provisional restoration (3,4,5). Clinical Report We describe a method for improving marginal adaptation of screw retained provisional crowns in immediate implants. It was used a temporary implant abutment, a polycarbonate crown (Fig. 6) and final adaptation with flow composite was achieved by an indirect placement using a silicon putty model, a copy of the zirconia abutment, used for the final restoration. (Fig. 8). The marginal adaptation of the provisional crowns next to the soft tissues margin was achieved by the curing of the flow composite (Fig. 9). Same day provisional crown stayed in mouth during 12 weeks (Fig. 12). The final restoration was achieved by the use of a ceramic crown and a zirconia abutment. Fig. 1. Initial intra-oral view. Fig. 2. Initial x-ray With fractured tooth. Fig. 3. Extraction Socket. Fig. 11. Implant with provisional crown. Fig. 12. Same day provisional crown. Fig. 13. Soft tissue adaptation (12 weeks after placement). Fig. 4. Implant Placement. Fig. 5. Adaptation of the temporary abutment. Fig. 6. Plastic crown and plastic temporary abutment. Fig. 14 and 15. Implant with zirconia abutment. Fig. 16. Final Retorations 1 year after placement. Fig. 7. Provisional crown before marginal adaptation. Fig. 8. Silicone putty Model. Conclusions This technique offers a good soft tissue adaptation, a reduction of treatment time and an improved degree of satisfaction for the patients. Fig. 9. Adaptation With flow composite. Fig. 10. Marginal Adaptation of provisinal crown.

10 10 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Autotransplante dentário para preservação óssea com posterior colocação de implante dentário. Caso clínico Carvalho V., 1 Carvalho C., 2 Carvalho A., 3 Borges T., 4 Afonso A., 5 Carvalho V. 6 1 Chairman of Prosthodontics. Portuguese Catholic University, Viseu, Portugal 2 CMEC, Private Medical Center, Chaves, Portugal 3 CMEB, Private Medical Center, Bragança, Portugal 4 Assistant Professor of Oral Surgery; Portuguese Catholic University, Viseu, Portugal 5 PhD, Associated Professor, Dentistry Medicine Faculty of Oporto University, Oporto, Portugal 6 Medical Student, Faculty Medicine, Oporto University, Portugal Os Pacientes jovens e adolescentes podem beneficiar da autotransplantação dentária para substituir dentes perdidos precocemente. Estudos recentes demonstraram que este procedimento é uma opção viável para a substituição de dentes em pacientes rigorosamente seleccionados. Este caso clínico refere-se a uma paciente de 15 anos de idade com um canino incluso, apresentando a rizogénese concluída. Procedeu-se à exodontia do canino incluso, e à sua transplantação para um alvéolo receptor preparado para o efeito. Quando a paciente completou 23 anos de idade e como o dente 23 apresentava uma reabsorção radicular de substituição decidimos substituir o dente 23 transplantado por um implante dentário em função imediata. As imagens radiográficas mostraram uma anquilose do dente 23, assim como os estudos histológicos dos tecidos dentários/ ósseos recolhidos. A realização de transplantes dentários pode substituir dentes perdidos e assegurar a preservação óssea e dos tecidos gengivais em pacientes jovens até o crescimento estar terminado, para que este paciente seja um candidato à colocação de implantes dentários na idade adulta. Bibliografia 1. Andreasen, J.O: Atlas of Replantation and Transplantation Teeth, Mediglobe, Sang, S. e Col.: Transalveolar Transplantation of Maxillary Canines a Follow up Study.Europ.J.Orthod May 1242:48 3. Thomas S; Turner-SR; Sandy Jr.: Autotr. of teeth, Br-J-Orth. 1998;25(4): Carl E. Misch.: Contemporary Dental Implants, Mosby Corp, 2000.J. Oral Maxilary 5. Block S. M., Casadaban C. M.: Implant Restoration of External Resorption Teeth in Esthetic Zone. J Oral Maxillofac Surg 63: , Andreasen, J.O. Traumatic Injuries of the Teeth. 4th Ed. Blackwell Munskgard 2007 Observação Poster 247 EAO 17th Annual Scientific Meeting Warsaw 2008 publicado no Clinical Oral Implants Research Vol 19. Issue No September Solicitada a autorização ao Editor-in-Chief Prof. Dr. H.C. Niklaus P. Lang, MS para a sua publicação na revista Cadernos de Saúde da UCP.

11 11 Tooth auto transplantation for bone preservation and implant placement. Case report Background Paediatric and adolescent could benefit from auto transplantation to replace early missing teeth. Auto transplantation of teeth is viable treatment option in carefully chosen patients, as recent studies show. After the tooth extraction and before the dental implant placement, a bone threfine colected a bone sample of the transplantation area, for a histological analisis (Fig. 7 e 8). It was then placed a dental implant in the same day and same place of the extracted tooth (Fig. 8, 9 and 10), as well as a provisional restoration (Fig. 11). Final restoration was completed 12 months after placement. Fig. 1. Initial Panoramic x-ray Fig. 2. Extraction of the Impacted canine. Fig. 3. Placement of the tooth in a prepared recipient socket Fig. 11. Provisional crown. Fig. 12. and 13. Protetic abutment for final restoration. Fig. 4. Suture and Splint of the transplanted tooth. Case Report Fig. 5. Final Panoramic X-Ray. Fig. 6. Ankylosis of the transplanted canine. A 15 year-old female patient, diagnosed with an impacted canine was referred to an auto transplant procedure. At the age of 23, the patient came to our appointment. The radiographic examination showed a replacement resorption (ankylosis) of the transplanted tooth (Fig. 6). Fig. 14. Final ceramic restoration. Discussion Fig. 15. Intra-oral view of the ceramic crown. Fig. 16. Final x-ray. The auto transplants can replace missing teeth to ensure preservation of bone until growth as ceased, so the patient can become ready to receive dental implants. Fig. 7. Histological examination showing bone deposition over dentin. Fig. 8, 9 and 10. Immediate implant placement.

12 12 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Tratamento do herpes labial: penciclovir vs. aciclovir Rocha, S., 1 Lopes, P., 1 Filipe, M., 1 Ribeiro, A., 1 Veiga, N. 2 1 Alunos do curso de Medicina Dentária 2 Docente do Mestrado Integrado em Medicina Dentária Mestrado Integrado de Medicina Dentária Universidade Católica Portuguesa O herpes labial é uma patologia frequente caracterizada pela erupção de múltiplas vesículas nos lábios e tecidos periorais, acompanhada de rubor, edema, dor e sensação de queimadura. É causado pelo herpes simplex vírus 1. Comummente são utilizados análogos de nucleótidos como o Penciclovir e Aciclovir em cremes de aplicação tópica. A evolução típica destas lesões varia entre os 7 e os 10 dias. Com a terapêutica existente tende-se a atenuar os sintomas e a acelerar a cicatrização da lesão. Objectivo Este trabalho consiste num estudo comparativo do tratamento por fármacos (penciclovir e aciclovir) do herpes labial, nomeadamente no que concerne à redução dos sintomas prodrómicos, tempo de cicatrização e extensão da lesão. Bibliografia 1. Arduino P.G, Porter S.R, Herpes Simplex Virus Type 1 infection: overview on relevant clinico-pathological features J Oral Pathol Med (2008) 37: Fatahzadeh M, Schwartz R.A. Human herpes simplex labialis. Clinical and Experimental Dermatology (2007) 32, Bruce A.J, et al. Diagnosis and management of oral viral infections. Dermatologic Therapy (2002) 15, Raborn G.W. Effective treatment of herpes simplex labialis with penciclovir cream. JADA (2002) Vol. 133, Femiano F, Gombos F, Scully C. Recurrent herpes labialis: efficacy of topical therapy with penciclovir compared with acyclovir (aciclovir). Oral Diseases (2001) 7, Pielop J, Wood A.C, Hsu S. Update on antiviral therapy for herpes simplex virus infection. Dermatologic Therapy (2000) Vol 13, Lamey P.H, Hyland P.S. Changing Epidemiology of Herpes Simplex Virus Type 1 Infections. Herpes (1999) 6:1. Conclusão Apesar destes dois fármacos terem espectros e mecanismo de acção similiares, o Penciclovir é mais efectivo, mesmo em fases tardias da evolução da lesão. O Aciclovir é mais eficaz na profilaxia.

13 13 Tratamento do herpes labial: penciclovir vs. aciclovir herpes simplex vírus 1 (HSV1) à redução dos sintomas prodrómicos, tempo de cicatrização e extensão da lesão. Discussão Herpes labialis Fig. 1: Estrutura molecular do HSV-1 { Erupção de múltiplas vesículas Rubor Doença viral recorrente benigna (1) Edema Dor Sensação de queimadura Guanina Fonte: Human herpes simplex labialis (2) O HSV1 vai invadir os terminais dos neurónios dos nervos sensitivos, infectando latentemente os corpos celulares no gânglio nervoso trigeminal. O sistema imunitário elimina o vírus da mucosa oral, contudo, não consegue detectar o vírus presente a nível neuronal. (1,3) Em períodos de maior susceptibilidade (1, 3, 4) Stress Trauma Imunosupressão Reactivação Migração do vírus para Infecções a mucosa oral novo episódio de herpes labial A evolução típica destas lesões varia entre os 7 e os 10 dias. Com a terapêutica existente tende-se a atenuar os sintomas e acelerar a cicatrização da lesão. Comummente são utilizados análogos de nucleótidos como o penciclovir e aciclovir em cremes de aplicação tópica que apresentam um espectro antiviral semelhante. (2, 4) Fig. 2: Estrutura molecular do penciclovir. O penciclovir e o aciclovir são moléculas sintéticas similares, derivadas da guanina com espectros de acção antiviral semelhantes. As diferenças surgem ao nível da biodisponibilidade e tempo de semivida. O penciclovir apresenta uma biodisponibilidade 77% superior ao aciclovir e um tempo de semivida 10 a 20 vezes superior, o que sugere uma maior eficácia clínica.(2,4,5,6) De acordo com os ensaios clínicos encontrados na literatura pesquisada, verificamos que o tratamento com Penciclovir é mais efectivo na fase aguda da patologia comparativamente ao aciclovir havendo redução do tempo de cicatrização, da sintomatologia dolorosa, área da lesão, sensação de queimadura e prurido. Isto acontece porque o penciclovir, ao contrário do aciclovir, vai alterar a evolução do herpes labial. (1,3,6,7) Conclusão Fig. 3: Estrutura molecular do aciclovir. Apesar destes dois fármacos terem espectros e mecanismo de acção similiares, o Penciclovir é mais efectivo no tratamento do herpes labial recorrente, mesmo em fases tardias da evolução da lesão. O aciclovir é mais eficaz na profilaxia. Objectivo Este trabalho consiste num estudo comparativo do tratamento por fármacos (penciclovir e aciclovir) do herpes labial, nomeadamente no que concerne

14 14 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Restauração de um dente extensamente destruído. Caso clínico Duarte, A., 1 Outeiro, R., 1 Espírito Santo, J. 2 1 Alunos do 6.º ano da Licenciatura em Medicina 2 Médico Dentista. Docente de Dentisteria da Licenciatura em Medicina Dentária Mestrado Integrado de Medicina Dentária Universidade Católica Portuguesa A restauração de dentes extensamente destruídos é um problema actual que requer por parte dos profissionais um conhecimento das técnicas que permitem reconstruir estes dentes com os melhores resultados estéticos e funcionais. Uma dessas técnicas é a dos espigões pré-fabricados. É necessária a utilização de meios auxiliares que permitam a retenção do material restaurador, aumentando a longevidade da restauração. Os espigões pré-fabricados, usados em tratamentos restauradores directos, são de fácil manipulação, apresentam baixos custos e requerem pouco tempo de cadeira. Objectivo Descrever um caso clínico e realizar uma breve revisão da literatura sobre o caso exposto. Conclusão A utilização dos espigões pré-fabricados é uma opção de tratamento viável, que aumenta a ancoragem e fortalece a restauração. Bibliografia 1. Asmussen E, Peutzfeldt A, Sahafi A. Finite element analysis of stresses in endodonticallytreated, dowel-restored teeth. J ProsthetDent 2005; 94(4): Blanco C F, Oyague R C, Turrión A S, Lozano J F L. Revisióny análisiscomparativo de los distintos sistemas de pernos radiculares. Gaceta dental 2007; ISSN , Nº. 177: Cheung W. A review of the management of endodontically treated teeth Post, core and the final restoration. JADA 2005; 136: Fernandes A S, Dessai G S. Factors affecting the fracture resistance of post-core reconstructed teeth: a review. IntJ Prosthodont2001; 14(4): Goto Y, Nicholls J, Phillips KM, Junge T. Fatigue resistance of endodontically treated teeth restored with three doweland-core systems. J ProsthetDent 2005; 87(4): Ricketts DNJ, Tait CME, Higgins AJ. Post and core systems, refinements to tooth preparation and cementation. British Dental Journal 2005; 198 (9): Silva CL, Correia A, Fernandes JCS, Pinho A. Resistência à fractura de espigões falsos cotos imediatos. Revista Portuguesa de Estomatologia, Medicina Dentária e Cirurgia Maxilofacial 2006; 47(1): Yang HS, Lang LA, Molina A, Felton DA. The effects of dowel design and load direction on dowel-and-core restorations. J Prosthet Dent 2005; 85(6):

15 15 Restauração de um dente extensamente destruído. Caso clínico Os dentes tratados endodonticamente são problemáticos devido à perda de estrutura dentária, por cárie, trauma, ou ambos e pelo próprio tratamento endodôntico. Isto resulta num aumento da susceptibilidade à fractura durante a função (1,2). Devem ser utilizados espigões quando existe insuficiência de tecido dentário remanescente para suportar a restauração final. A técnica que faz uso dos espigões pré-fabricados apresenta como vantagem, uma maior preservação de estrutura dentária, baixo custo, menor tempo de cadeira, boa resistência e dispensa de procedimentos laboratoriais (7). Material e Métodos: Paciente do sexo feminino, 24 anos, apresentando o dente 45 com tratamento endodôntico e restaurado provisoriamente a IRM (cavidade classe II e L). Foi utilizado um espigão pré-fabricado em fibra de vidro cilíndrico-cónico e efectuada uma restauração a compósito. Descrição detalhada do procedimento Radiografia periapical inicial; Isolamento relativo, uma vez que a cavidade era infragengival na face lingual; Remoção da gutta com brocas de Gates e Peeso à ODM de 15 mm uma vez, que a ODMt do tratamento endodôntico foi de 19 mm (Fig. 1); Selecção do espigão, colocação no canal e verificação da adaptação (Fig. 2); Radiografia periapical com o espigão no interior do canal; Aplicação de adesivo no interior do canal e no espigão; Fotopolimerização do adesivo colocado no espigão durante 20 segundos; Aplicação do cimento dual no interior do canal com lêntulo (Fig. 3); Colocação do espigão no interior do canal e fotopolimerização durante 20 segundos (Fig. 4 e 5); Corte do excesso do espigão com broca de cilíndrica diamantada; Colocação de matriz e cunha (Fig. 6); Condicionamento ácido com ácido fosfórico 38% durante 15 segundos na dentina e 30 segundos no esmalte (Fig. 7); Lavagem da cavidade com jacto de água durante 10 segundos (Fig. 8); Secagem da cavidade com bola de algodão (Fig. 9); Aplicação do sistema adesivo com pincel (Fig. 10); Selecção da cor com base na escala do kit Enamel Plus HFO da Micerium e restauração do remanescente dentário, cavidade de classe II (MO e L infragengival) pela técnica incremental (Fig. 11); Radiografia periapical final. Resultados Na radiografia periapical final (Fig. 13) verificou-se selamento apical (a 4mm do ápex) e uma boa adaptação do espigão ao canal. Foi restabelecida a função do dente, tendo sido obtida uma anatomia correcta. Esteticamente a cor obtida foi satisfatória (Fig. 12). Discussão O material deve ter um módulo de elasticidade semelhante ao do dente, sendo que a fibra de vidro é o material onde este é mais próximo ao da dentina. Tem também como vantagem a coloração, sendo mais estéticos (6,7). Estes espigões são cimentados com cimentos de resina os quais têm aderência à dentina e ao espigão (acção dual) ocorrendo uma reacção imediata e completa. Em relação à forma, os cilíndricos são mais retentivos que os cónicos que exercem efeito de cunha. Para o comprimento do espigão é aceite que os 3 a 6 mm de guta-percha devem ser preservados para manter o selamento apical. Em relação à espessura, considera-se que o diâmetro do espigão tem pouca influência na sua retenção. De um modo geral, a espessura do espigão não deve ser superior a 1/3 da largura da raiz na sua zona mais estreita. A parede em contacto com o espigão deve ter como mínimo 1 mm de espessura(4). Conclusão Fig. 13 A utilização dos espigões pré-fabricados é uma opção de tratamento viável, em dentes submetidos a tratamento endodôntico, que aumenta a ancoragem e fortalece restauração contra as forças de cisalhamento.

16 16 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Restauração de um dente anterior fracturado e encerramento de diastemas. Caso clínico Outeiro, R., 1 Duarte, A., 1 Espírito Santo, J. 2 1 Alunos do 6.º ano da Licenciatura em Medicina Dentária 2 Médico Dentista. Docente de Dentisteria da Licenciatura em Medicina Mestrado Integrado de Medicina Dentária Universidade Católica Portuguesa É grande a preocupação da sociedade actual em relação à estética. Os dentes antero-superiores assumem particular importância na estética. Possuir dentes alinhados, contornados e brancos passou a ser uma exigência, não bastando apenas devolver a função perdida ao elemento dentário mas também dar um tratamento que o torne belo, com base no padrão estabelecido pela sociedade. É particularmente marcante nas lesões classes III, IV e V em dentes anteriores. Objectivo Descrever os procedimentos clínicos e a fundamentação para a realização de restauração estética em dentes anteriores fracturados (2.1) e encerramento de diastemas (2.2, 2.3) com recurso a matriz de silicone e resinas compostas. Conclusão Bibliografia 1. Cordeiro N, Martins LRM, De GoesMF, CahnDCN. Conservative technique for closing diastema and recontouring pegshaped teeth. ContempEsthetRestorPract2001; 5: Hirata, R., Ampessan, R.L., Liu, J. Reconstruction of Anterior Teethwith Composite Resin-Sequence of Choice and Application, JBC Jornal Brasileiro de Clínica & estética em Odontologia, Vol. 5, N.º 25, Jan/Fev Georgia M., Vishnu R., Ritter, A. Longevity of a anterior composite restorations, J Esthetic Dent Vol. 18, N.º 6, Soares, CJ., Pizi, E., Fonseca, RB., Martins, L.RM, Neto, A. Direct restoration of worn maxillary snterior teeth with a combination of composite resin materials: a case report, Journal of Esthetic and Restorative Dentistry, Vol.17, N.º2, Soares CJ, Fonseca RB, Martins LRM, Giannini M. Esthetic rehabilitation of anterior teeth affected by enamel hypoplasia: A case report. J EsthetRestorDent2002; 14: Lopes, O., Silva, MJ. Caso Clínico de encerramento de diastemas superiores com recurso a um enceramento de prognóstico, Dentsply, Setembro Ramos, J,C., Vinagre, A., Chambino, A., Faustino, A. Coronoplastias de dentes anteriores com resinas compostas microhíbridas, Dentsply, Maio 2003 É importante estabelecer um correcto plano de tratamento e execução das tarefas, em várias etapas, desde a realização do diagnóstico correcto até à selecção e utilização do material restaurador mais adequado, para se obter uma restauração o mais estética possível.

17 17 Restauração de dente anterior e encerramento de diastemas. Caso clínico A reprodução de características dos dentes naturais, mais especificamente de cor e forma, é uma das intenções das técnicas e materiais restauradores(2). A resina composta é o material de escolha para restaurações conservativas em dentes anteriores, modificações estéticas e funcionais, e encerramento de diastemas (3). Propriedades como a resistência à fractura, capacidade de polimento e a existência de uma gama de cores e opacos aceitável, são condições indispensáveis na procura da excelência do tratamento (5). Objectivos Fundamentar e descrever os procedimentos clínicos para a realização de restauração estética em dentes anteriores fracturados (21) e encerramento de diastemas (22, 23) com recurso a matriz de silicone e resinas compostas. Material e Métodos Paciente do sexo feminino, 38 anos, apresentando o dente 21 fracturado no terço médio e incisal diincluindo o bordo incisal distal e diastema entre os dentes 21, 22 e 23 (fig. 11). Enceramento de agnóstico em modelo de estudo e execução de matriz de silicone. Selecção da cor com base na escala do kit Enamel HFO Plus da Micerium. Compósito microhíbrido Enamel HFO Plus Dentina UD3 e Esmalte GE2. Descrição detalhada do procedimento: Enceramento de diagnóstico e execução de matriz de silicone (fig. 1 e 2); Polimento prévio dos dentes envolvidos, com uma escova e pasta profilática sem flúor; Selecção da cor (Dentina UD3 e Esmalte GE2); Isolamento do campo operatório com rolos de algodão e aspiração de alto débito; Bisel a 45º do bordo fracturado no dente 21 com broca tronco-cónica diamantada (fig. 3); Condicionamento do esmalte pelo ácido ortofosfórico 37% durante 30 seg do dente 21 e simultaneamente em dois dentes contíguos para o encerramento dos diastemas (superfícies distal do 21 e 22 e mesial do 22 e 23) (fig. 4); Fig. 1 Fig. 2 Fig. 3 Fig. 4 Fig. 5 Fig. 6 Depois de lavar e secar as superfícies, aplicou-se um adesivo fotopolimerizável (Prime & Bond NT), de acordo com as instruções do fabricante e respectiva fotopolimerização (fig. 5); Colocação da guia palatina; Aplicação e fotopolimerização pela técnica incremental da resina composta no ecrã posterior de cada superfície cor UD3 respeitando a forma atómica previamente definida (fig. 6 e 7); Aplicação e fotopolimerização pela técnica incremental da resina composta na face vestibular das superfícies cor GE2 (fig. 8 e 9); Após os acertos oclusais, procedeu-se ao acabamento e polimento das superfícies com taças de polimento (fig. 10); Resultados Esteticamente a cor final obtida foi satisfatória, tendo-se obtido uma restauração imperceptível (fig.12 e 13). Após 1 ano, notase uma ligeira descoloração do compósito no dente 21 (fig.14). Discussão A utilização de resinas compostas para a realização de coronoplastias nos dentes anteriores constitui o método mais rápido e económico para a resolução de determinados tipos de problemas relacionados com a forma, cor, posição ou estrutura do dente. O encerramento de diastemas é um dos exemplos deste tipo de terapêutica (6). O estudo através de um enceramento de diagnóstico, permite ao Médico Dentista antever o resultado final do tratamento. Optámos pelo isolamento do campo operatório com rolos de algodão e aspiração de alto débito, de modo a aprender a fazer isolamentos relativos de elevada qualidade em detrimento de isolamentos absolutos. O resultado estético correspondeu muito às expectativas da paciente. Conclusão Fig. 7 Fig. 8 Fig. 10 Fig. 9 Fig. 11 Fig. 12 Fig. 13 É importante estabelecer um correcto plano de tratamento e execução das tarefas, em várias etapas, desde a realização de um correcto diagnóstico até à selecção e utilização do material restaurador mais adequado, para se obter uma restauração o mais estética possível.

18 18 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Abordagem cirúrgica de um extravasamento canalar num incisivo com lesão apical. Caso clínico Veiga, N., 1 Traesel, T., 2 Silva, O., 1 Pais, C., 1 Martins, M. 1 1 Docentes do Mestrado Integrado em Medicina Dentária 2 Aluno do curso de Mestrado Integrado em Medicina Dentária Mestrado Integrado de Medicina Dentária Universidade Católica Portuguesa São frequentes as situações clínicas com patologia inflamatória periapical cuja persistência leva à formação de um granuloma e posterior diferenciação em lesão quística. Estas lesões podem induzir sintomatologia dolorosa acompanhada de tumefacção e edema. Este caso clínico consiste na realização de uma cirurgia apical para a resolução de um extravasamento apical e remoção de lesão de aspecto quístico, para a qual foi pedida análise histopatológica, seguida de apicectomia da raiz do dente 21 a qual apresentava uma sobreobturação. Discussão O dente 21 encontrava-se com sintomatologia, em fase avançada de necrose pulpar. Após realização de estudo radiológico verificou-se a existência de lesão compatível com entidade quística envolvendo o ápex dos dentes 21 e 22. Realizou-se o tratamento endodôntico prévio dos dentes em questão. O dente 21 apresentava uma constrição apical insuficiente o que contribuiu para a ocorrência de uma sobreobturação. Atendendo à persistência das manifestações clínicas da paciente e à inviabilidade de uma nova intervenção endodôntica convencional, a qual seria incapaz de remover o extenso material de obturação extravasado, os autores determinaram a abordagem cirúrgica como sendo a mais indicada. Conclusões A cirurgia apical é o tratamento de eleição nestes casos podendo ser considerada como uma alternativa obrigatória na remoção de processos radiculares persistentes ou de grandes dimensões em que a abordagem endodôntica convencional é insuficiente. A indicação cirúrgica nestes casos deve ser pautada por critérios endodônticos, de clínica e avaliação radiológica. Bibliografia 1. Ingle J, Bakland K, Baumgartner J. Ingle s Endodontics. 5th edition. B.C.Decker Inc., Bramante C, Bebert A. Cirurgia paraendodontica. 1.ª Ed. Livraria Santos Editora, Sundqvist G, Figdor D, et al. Microbiologic analysis of teeth with failed endodontic treatment and the outcome of conservative re-treatment. Oral Surg, Oral Med, Oral Pathol, Oral Radiol Endod (1998) 85(1):86-93.

19 19 Caso clínico: abordagem cirúrgica de um extravasamento canalar num incisivo com lesão apical Identificação Paciente F.M.B., 25 anos, do sexo feminino, raça caucasiana, saudável, sem alergias e sem medicação. Apresentou-se na clínica com sintomatologia referida ao dente 21. Após realização de estudo radiológico verificou-se a existência de lesão compatível com entidade quística envolvendo o ápex dos dentes 21 e 22 (Fig. 1). Tratamento Realizou-se o tratamento endodôntico prévio dos dentes em questão. O dente 21 apresentava uma constrição apical insuficiente o que contribuiu para a ocorrência de uma sobreobturação. Atendendo à persistência das manifestações clínicas da paciente e à inviabilidade de uma nova intervenção endodôntica convencional, a qual seria incompatível com a remoção do extenso material de obturação extravasado, os autores determinaram a abordagem cirúrgica como sendo a mais indicada. Atendendo à proximidade do ápex do 22 relativamente à imagem radiológica, optou-se por efectuar a endodontia prévia e profiláctica deste dente, o qual também apresentava um ligeiro extravasamento de pasta (Fig. 2). Procedimento cirúrgico Após anestesia local, foi executado um retalho com incisão intra-sulcular associada a duas incisões de descarga, uma em distal do incisivo central contra-lateral e outra em mesial do segundo pré-molar ipsilateral (Fig. 5). No descolamento muco-periósteo foi possível visualizar a lesão, devido ao envolvimento da tábua óssea vestibular (Fig. 6). De seguida, a lesão foi cuidadosamente individualizada e excisionada em bloco, tendo sido imersa em formol a 10% para posterior análise histopatológica (Fig. 7 e 8). Procedeu-se à ressecção do terço apical radicular (Fig. 9). Da remoção Fig. 1 Endodontia do dente 21. Fig. 2 Endodontia do dente 22. Fig. 3 Exame radiológico final. Fig. 4 Aspecto e mensuração da lesão. da lesão resultou uma loca óssea que foi devidamente curetada. Foi efectuada regularização óssea e minuciosa inspecção e lavagem com soro fisiológico. O retalho foi de seguida reposicionado e suturado com seda 3/0 (Fig. 10). Fig. 5 Fig. 6 Fig. 7 Fig. 8 Fig. 9 Fig. 10 Conclusões A cirurgia apical é o tratamento de eleição na remoção de processos radiculares persistentes ou de grandes dimensões em que a abordagem endodôntica convencional é insuficiente. A indicação cirúrgica nestes casos deve ser pautada por critérios endodônticos, de clínica e avaliação radiológica, associada à conveniente experiência cirúrgica do médico dentista. Tendo a cirurgia decorrido dentro dos parâmetros determinados no planeamento pré-operatório, e atendendo ao aspecto clínico e radiológico deste caso, pode-se arriscar, salvaguardando os resultados do estudo histológico, um prognóstico aparentemente favorável.

20 20 Cadernos de Saúde Vol. 1 Número especial de Medicina Dentária Alterações da postura corporal e disfunção da articulação temporomandibular Filipe, M., 1 Lopes, P., 1 Louro, T., 2 Veiga, N., 2 Ribeiro, O. 2 1 Alunos do curso de Medicina Dentária da UCP-CRB 2 Docentes do Mestrado Integrado em Medicina Dentária Mestrado Integrado de Medicina Dentária Universidade Católica Portuguesa Durante vários anos, o estudo dos distúrbios temporomandibulares encontrava-se associado sempre a factores oclusais. Actualmente existem outros factores relacionados com o aparecimento de distúrbios temporomandibulares (DTM) havendo a necessidade de diagnosticar e tratar a patologia com base numa organização multidisciplinar. A postura corporal pode ser considerada como sendo um dos factores causais da patologia da articulação temporomandibular (ATM). Conclusão As complexas interrelações do sistema estomatognático, regulação neuromuscular e a problemática postural corporal apontam cada vez mais para uma interrelação causal destes factores no problema da disfunção temporomandibular. Bibliografia 1. Ioi H, Matsumoto R, et al. Relationship of TMJ osteoarthritis/ osteoarthrosis to head posture and dentofacial morphology. Orthod Craniofac Res (2008) 11: Objectivos Pretende-se estudar a associação entre alterações da postura corporal, DTM e dor orofacial.

Editorial 3 Alexandre Castro Caldas. Dor Total nos doentes com metastização óssea 7 Manuel Luís Vila Capelas

Editorial 3 Alexandre Castro Caldas. Dor Total nos doentes com metastização óssea 7 Manuel Luís Vila Capelas Cadernos de Saúde Volume 1 N.º 1 Editorial 3 Alexandre Castro Caldas Dor Total nos doentes com metastização óssea 7 Manuel Luís Vila Capelas O ensino médico pós-graduado baseado em competências: reflexão

Leia mais

Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia

Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia Tabela de preços convencionada para medicina dentária e estomatologia Em consequência de condições específicas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas

Leia mais

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli

Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli Transplante Dental* Coordenador: MACEDO, Sérgio Bruzadelli LIMA, Richard Presley 1 ; DOS SANTOS, Mateus Veppo 2 ; DE MOURA, Cariacy Silva 3 ; GUILLEN, Gabriel Albuquerque 4 ; MELLO, Thais Samarina Sousa

Leia mais

Tabela Simplificare Denti II

Tabela Simplificare Denti II Tabela Simplificare Denti II Em consequência de condições especifícas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas circunstâncias, ser inferior ao valor máximo

Leia mais

TABELA DE Preços Particular

TABELA DE Preços Particular TABELA DE Preços Particular 01 CONSULTA A1.01.01.01 Primeira consulta de medicina dentária 20,00 A1.01.01.05 Consulta de urgência 02 MEDICINA DENTÁRIA PREVENTIVA A2.01.01.01 Selamento de fissuras A2.02.01.DD

Leia mais

Tabela de Preços Convencionados para Medicina Dentária e Estomatologia

Tabela de Preços Convencionados para Medicina Dentária e Estomatologia Tabela de Preços Convencionados para Medicina Dentária e Estomatologia Em consequência de condições específicas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas

Leia mais

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico

Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico Artigo Técnico Implantologia Reabilitação de Espaços Reduzidos no Sentido Mésio-Distal com Implantes de Pequeno Diametro Caso clínico José Ferreira Médico dentista Prática clínica em Implantologia Aluno

Leia mais

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias

Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Dr. Marco António Castro Clínicas Médicas e Dentárias Tabela proposta a sócios CCD- V.N.Gaia 01 CONSULTA Consulta de medicina dentária 10 Consulta para apresentação e discussão de plano de tratamento 10

Leia mais

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA

Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Especialidade: DENTÍSTICA RESTAURADORA Tabela de Procedimentos Odontológicos Página: 1 de 8 Grupo: 100-Diagnose - As consultas deverão ser faturadas em Guias de Atendimento - GA, separadamente dos demais procedimentos, que serão faturados na

Leia mais

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA

FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA 28 Maio - 2 Junho 2012 FORMAÇÃO EM IMPLANTOLOGIA E PRÓTESE FIXA curriculum v vitae curric u Prof. Dr. Fernando Almeida Phd 2006 FMDUP - Faculdade de Medicina Dentária da Universidade do Porto. Administrador

Leia mais

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45

Tabela de Preços/Descontos. Público em geral. Consulta de Medicina Dentária. Dentisteria e Estética. Restauração com Compósito ou Amálgama 50 45 SMILt Tabela de Preços/Descontos Designação Público em geral Comunidade IPLeiria Consulta de Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária 50 45 Consulta de Urgência 50 45 Dentisteria e Estética Restauração

Leia mais

TABELA DE PREÇOS. (Estomatologia)

TABELA DE PREÇOS. (Estomatologia) TABELA E PREÇOS (Estomatologia) (última actualização Janeiro 2012) 01.Consulta VALOR A1.01.01.01 1ª Consulta de medicina dentária (check 0 up+orçamento) A1.01.01.05 Consulta de urgência ( observação+medicação)

Leia mais

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados

Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Clínica de Preparo Bucal: Indispensável para o Tratamento de Pacientes Parcialmente Desdentados Frederico dos Reis Goyatá 1 Universidade Severino Sombra, curso de Odontologia, Professor de Dentística,

Leia mais

Tabela de Copagamentos de Estomatologia

Tabela de Copagamentos de Estomatologia Tabela de de Estomatologia A tabela apresentada reúne os principais atos médicos contratados e respetivos copagamentos. Consulte em www.tranquilidade.pt a tabela com a totalidade dos atos médicos/copagamentos.

Leia mais

Classificação dos Núcleos

Classificação dos Núcleos OBJETIVO Núcleos Permitir que o dente obtenha características biomecânicas suficientes para ser retentor de uma prótese parcial fixa. Classificação dos Núcleos Núcleos de Preenchimento Núcleos Fundidos

Leia mais

Curso Implantología Curso de Formação contínua 2012. Primeira edição

Curso Implantología Curso de Formação contínua 2012. Primeira edição Curso Implantología Curso de Formação contínua 2012 Primeira edição Curso Implantología Curso Formação Contínua 2012 Este curso é dirigido preferencialmente a vós, médicos dentistas que pretendem aprofundar

Leia mais

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial

Planilha1. Controle de hemorragia com aplicação de agente hemostático em região buco-maxilo-facial 81000421 Radiografia periapical CIRURGIA Planilha1 DIAGNÓSTICO 81000065 Consulta odontológica inicial 81000111 Diagnóstico anatomopatológico em citologia esfoliativa na região buco-maxilo-facial 81000138

Leia mais

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas.

! 1. Alterar forma e/ou cor vestibular dos dentes; 2. Realinhar dentes inclinados para lingual. Restaurações estéticas anteriores diretas. Restaurações estéticas anteriores diretas. O crescente desenvolvimento de materiais resinosos e técnicas adesivas, possibilita o planejamento e execução de restaurações de resina composta na dentição anterior.

Leia mais

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador

Clinical Update. Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico. Procedimento Restaurador Restauração com Resina Composta de Dentes Anteriores Fraturados Relato de Caso Clínico Dr Saul Antunes Neto Desde o surgimento das resinas compostas, das técnicas de condicionamento ácido, das estruturas

Leia mais

2. Quando o implante dental é indicado?

2. Quando o implante dental é indicado? Dúvidas sobre implantodontia: 1. O que são implantes? São cilindros metálicos (titânio) com rosca semelhante a um parafuso que são introduzidos no osso da mandíbula (arco inferior) ou da maxila (arco superior),

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Tratamento endodôntico em Gato Doméstico (Felis Catus): Relato de caso Jaime Sardá Aramburú Junior 1, Cristiano Gomes 2, Ney Luis Pippi 3, Paulo

Leia mais

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER

CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER NOVO PROGRAMA [Revisto & Atualizado] CARAMÊS ADVANCED EDUCATION CENTER CURSO MODULAR DE FORMAÇÃO DE ASSISTENTES DENTÁRIOS 6.ª edição Início a 21 de novembro de 2015 ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DESCRIÇÃO

Leia mais

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS

COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS COBERTURAS DO PLANO VIP PLUS DESCRIÇÃO DO SERVIÇO 01. DIAGNÓSTICO Exame clínico inicial Consultas com hora marcada Exame clínico final Exame admissional (exame de sanidade dentária) 02. ATENDIMENTO DE

Leia mais

NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US DIAGNÓSTICO

NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US DIAGNÓSTICO NOVA TABELA DE PROCEDIMENTOS - TUSS PROCEDIMENTOS PLANOS PESSOA JURÍDICA VALOR CÓDIGO DESCRIÇÃO ANEXO 1 ANEXO 2 B1 E E-UN EX JÚNIOR US 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA X X X X X X X 85 CONTROLE DE HEMORRAGIA

Leia mais

Curriculum vitae. Ilda Maria Pimentel Bastos. Curriculum Vitae. Ilda Maria Pimentel Bastos. 2011, Viseu. Página 1 de 11

Curriculum vitae. Ilda Maria Pimentel Bastos. Curriculum Vitae. Ilda Maria Pimentel Bastos. 2011, Viseu. Página 1 de 11 Curriculum Vitae 2011, Viseu Página 1 de 11 Índice A - Elementos de identificação ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 3 B - Percurso académico

Leia mais

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência

A gengivite é uma inflamação das gengivas provocada por acumulação de placa bacteriana e tártaro como consequência Periodontologia É a disciplina da medicina dentária que se dedica à prevenção, diagnóstico e tratamento das doenças das gengivas e das estruturas de suporte dos dentes. A inflamação e o sangramento das

Leia mais

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa.

27/05/2014. Dentística I. Classe III. Classe I. Classe V. Terapêutica ou protética; Simples, composta ou complexa. Mauro A Dall Agnol UNOCHAPECÓ mauroccs@gmail.com Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Classe I Classe II Classe III Classe IV Classe V Dentística I Terapêutica ou protética; Simples, composta

Leia mais

Qualidade de vida com implantes dentários 1

Qualidade de vida com implantes dentários 1 DENTES BONITOS Qualidade de vida com implantes dentários 1 VOCÊ PODE REALMENTE IMPLANTAR ALEGRIA? Algumas vezes uma pequena peça de titânio pode revitalizar o seu sorriso e estimular a sua autoconfiança.

Leia mais

CLÍNICA DO SORRISO PREÇÁRIO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS

CLÍNICA DO SORRISO PREÇÁRIO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS CLÍNICA DO SORRISO PREÇÁRIO DAS FAMÍLIAS NUMEROSAS CONSULTAS Consulta de Medicina Dentária (Check-up) Consulta de Urgência (após o horário de funcionamento normal) 30 CIRURGIA ORAL Exodontia simples 25

Leia mais

Cobertura RN 338 Lei 9656/98:

Cobertura RN 338 Lei 9656/98: Cobertura RN 338 Lei 9656/98: CÓDIGO PROCEDIMENTO Flex 30% GRUPO 87000032 CONDICIONAMENTO EM ODONTOLOGIA PARA PACIENTES COM NECESSIDADES ESPECIAIS R$ 7,62 CONSULTAS 81000030 CONSULTA ODONTOLÓGICA R$ 10,58

Leia mais

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila

Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila Implantologia Carga imediata pós extracção com implantes cónicos Alvim tipo Cone Morse nas reabilitações da maxila A reabilitação total da arcada superior dentária constitui um desafio à escala das possibilidades

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na

Código Estruturado. 79 81000138 Diagnóstico anatomopatológico em material de biópsia. 79 81000154 Diagnóstico anatomopatológico em peça cirúrgica na TUSS Odontologia Código Procedimento US Código Estruturado Especialidade US DIAGNÓSTICO DIAGNÓSTICO 01.01 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 65 81000065 Consulta odontológica inicial 65 01.05 CONSULTA ODONTOLÓGICA

Leia mais

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários

Dr. Felipe Groch CRO 101.353 Especialização em Implantes Dentários Nosso consultório odontológico está equipado para oferecer ao produtor rural todos os tratamentos odontológicos disponíveis na atualidade. Segue abaixo uma discriminação detalhada de cada tratamento oferecido

Leia mais

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL

ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL ASPECTO RADIOGRÁFICO DAS ALTERAÇÕES DA COROA DENTAL Analisando-se a imagem de um dente íntegro, todas as suas partes são facilmente identificáveis, pois já conhecemos sua escala de radiopacidade e posição

Leia mais

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC

PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC PROJETO DE EXTENSÃO: TRATAMENTO DE INFECÇÕES DENTÁRIAS / PROEC FERREIRA, Jean Carlos Barbosa.*¹; MARQUES, Aline Silva¹; SILVA, Julio. Almeida² DECURCIO, Daniel Almeida²; ALENCAR, Ana Helena Gonçalves³;

Leia mais

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial

Incisão e Drenagem extra-oral de abscesso, hematoma e/ou flegmão da região buco-maxilo-facial CÓDIGO 81000049 81000057 82000468 Diagnóstico, Urgência-Emergência: Noturna, Sábado, Domingo ou Feriado (procedimento abaixo) Consulta odontológica de Urgência (Horário normal das 08:00 horas às 18:00

Leia mais

Rute Patrícia Alves do Rio Pereira de Sousa

Rute Patrícia Alves do Rio Pereira de Sousa Rute Patrícia Alves do Rio Pereira de Sousa Curriculum Vitae 2012 Rute Patrícia Alves do Rio Pereira de Sousa Página 1 ÍNDICE 1. Identificação Pág.3 2. Habilitações académicas Pág.4 3. Experiência profissional

Leia mais

210 RX Periapical R$ 7,00 220 RX Bite-Wing (Interproximal) R$ 7,00 310 RX Oclusal R$ 14,00 300-490 - 3 URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS ODONTOLÓGICAS

210 RX Periapical R$ 7,00 220 RX Bite-Wing (Interproximal) R$ 7,00 310 RX Oclusal R$ 14,00 300-490 - 3 URGÊNCIAS/EMERGÊNCIAS ODONTOLÓGICAS 1 - DIAGNÓSTICO 100-490 110 Consulta Inicial (Exame Clínico e Orçamento) (VALID. 6 meses) R$ 45,00 120 Urgência odontológica R$ 45,00 130 Exame histopatológico*** (somente clínicas especializadas) ***

Leia mais

Controle de Hemorragia sem Aplicação de Agente Hemostático em região Buco-maxilo-facial 82000484 130

Controle de Hemorragia sem Aplicação de Agente Hemostático em região Buco-maxilo-facial 82000484 130 ANEXO I TABELA DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS AGEMED Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição julho/2014 Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS). NOMENCLATURA / PROCEDIMENTO CÓDIGO TUSS RAIO X

Leia mais

Glossário dental. Consulta - Exame clínico ao paciente, tratamento a realizar e orçamento.

Glossário dental. Consulta - Exame clínico ao paciente, tratamento a realizar e orçamento. Glossário dental (rev.060118) Consulta - Exame clínico ao paciente, tratamento a realizar e orçamento. Odontologia preventiva - Tratamento que visa evitar patologias futuras. A prevenção evita posteriormente

Leia mais

DENTALREDE, LDA. TABELA DE CO-PAGAMENTOS - 2013 - INTERPASS (Extraído da Nomenclatura da Ordem dos Médicos Dentistas) ACTOS MÉDICOS

DENTALREDE, LDA. TABELA DE CO-PAGAMENTOS - 2013 - INTERPASS (Extraído da Nomenclatura da Ordem dos Médicos Dentistas) ACTOS MÉDICOS DENTALREDE, LDA. TABELA DE CO-PAGAMENTOS - 2013 - INTERPASS (Extraído da Nomenclatura da Ordem dos Médicos Dentistas) ACTOS MÉDICOS 01 - CONSULTAS A1.01.01.01 Primeira consulta de medicina dentária (tratamentos

Leia mais

TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master

TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master TABELA INTEGRAL DE PROCEDIMENTOS Plano Master (ANEXO A - ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS EXIGIDOS PELA ANS)- Tabela Cliente CH = Coeficiente de Honorário Odontológico Valor do CH = R$ USO = Unidade

Leia mais

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC

PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC PROTOCOLOS OPERACIONAIS DOS SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A SEREM SEGUIDOS PELOS PERITOS E PRESTADORES DE SERVIÇO DO SESI/DR/AC A) TIPOS DE SERVIÇOS ODONTOLÓGICOS A.1 Consulta Inicial Entende-se como exame clínico,

Leia mais

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB -

MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - 1 MANUAL INSTRUTIVO DOS CÓDIGOS ODONTOLÓGICOS DO SIA/SUS - TSB E ASB - Porto Alegre, 2014. 1 2 S ODONTOLÓGICOS PARA AUXILIARES E TÉCNICOS EM SAÚDE BUCAL Tabela 1: Tipos de Procedimentos Odontológicos para

Leia mais

Rol Mínimo. Cobertura detalhada

Rol Mínimo. Cobertura detalhada Cirurgia Alveoloplastia Amputação radicular com obturação retrógrada Amputação radicular sem obturação retrógrada Apicetomia birradiculares com obturação retrógrada Apicetomia birradiculares sem obturação

Leia mais

COBERTURA DE PLANOS PESSOA FÍSICA DENTALPAR MASTER I E MASTER IV

COBERTURA DE PLANOS PESSOA FÍSICA DENTALPAR MASTER I E MASTER IV COBERTURA DE PLANOS PESSOA FÍSICA DENTALPAR MASTER I E MASTER IV DIAGNÓSTICO exame inicial exame periódico perícia procedimento diagnóstico anatomopatológico exame histopatológico teste de fluxo salivar

Leia mais

Caso Selecionado. Odontologia Estética Integrada - a busca do equilíbrio

Caso Selecionado. Odontologia Estética Integrada - a busca do equilíbrio Caso Selecionado Odontologia Estética Integrada - a busca do equilíbrio Cláudio de Pinho Costa, José Maria Gratone, Paulo Martins Ferreira, Tatiana Costa Ribeiro O conhecimento e domínio dos princípios

Leia mais

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL

EXAMES LABORATORIAIS DIAGNOSTICO ANATOMOPATOLOGICO EM MATERIAL DE BIOPSIA NA REGIAO BUCO-MAXILO- 81000138 FACIAL UNIODONTO PORTO ALEGRE Modalidade pré-pagamento sem coparticipação, ou seja, o contratante pagará apenas o valor da mensalidade e terá a sua disposição todos os beneficios previstos pela ANS. Atendimento

Leia mais

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas

Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Pós-graduação em Periodontologia para Médicos Dentistas Programa O curso de pós-graduação em periodontologia da MD Formação em parceria com a Clínica Gingiva de Madrid destina-se a todos os Médicos Dentistas

Leia mais

TABELA DE REEMBOLSO. PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00

TABELA DE REEMBOLSO. PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00 TABELA DE REEMBOLSO PRATA R$ Consulta Inicial: Exame clínico e plano de tratamento. R$ 11,40 Exame histopatológico R$ 50,00 Urgência / Emergência Curativo em caso de hemorragia bucal R$ 37,80 Curativo

Leia mais

ANEXO I CÓD. C O N S U L T A I N I C I A L QUANT. VALOR. 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00

ANEXO I CÓD. C O N S U L T A I N I C I A L QUANT. VALOR. 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00 ANEXO I C O N S U L T A I N I C I A L 110 Consulta inicial (exame clínico e plano de tratamento ) 100 22,00 U R G Ê N C I A E E M E R G Ê N C I A 121 Curativo em caso de hemorragia bucal 175 38,50 122

Leia mais

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P

F U L L S C I E N C E rótese Coluna de P 41 Coluna de Prótese Utilização de prótese parcial acrílica overlay para diagnóstico da dvo prévia a reabilitação estética Gil Montenegro 1 Weider Oliveira Silva 2 Tarcísio Pinto 3 Rames Abraão Basilio

Leia mais

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011

TABELA PARA O AGREGADO FAMILIAR. Tabela 2011 Dental Clinic New Generaction www.newgeneraction.com.pt Os sócios, colaboradores e familiares do SIT, poderão usufruir do Plano de Medicina Oral - DentalClinic New Generaction, mediante o pagamento de

Leia mais

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO

MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO MEDIDAS DE ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL PARA CONTROLE DA CÁRIE DENTÁRIA EM ESCOLARES DO CASTELO BRANCO BARROS, Ítala Santina Bulhões 1 LIMA, Maria Germana Galvão Correia 2 SILVA, Ariadne Estffany Máximo da

Leia mais

Tabela Simplificare Denti I

Tabela Simplificare Denti I Tabela Simplificare Denti I Em consequência de condições especifícas convencionadas com os prestadores, o valor assumido pela Pessoa Segura poderá, em algumas circunstâncias, ser inferior ao valor máximo

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE CARGOS DE NÍVEIS SUPERIOR, MÉDIO E TÉCNICO NO ÂMBITO DO PODER EXECUTIVO DO MUNICÍPIO DE PALMARES AVISO DE RETIFICAÇÃO DE EDITAL Nº 01 A Comissão de Concurso torna publica

Leia mais

CMR Clínica Médica de Cuidados Regulares Rua Raimundo Carvalho 110-4430-184 Vila Nova de Gaia (Desde Fevereiro de 2011 até à data actual)

CMR Clínica Médica de Cuidados Regulares Rua Raimundo Carvalho 110-4430-184 Vila Nova de Gaia (Desde Fevereiro de 2011 até à data actual) IDENTIFICAÇÃO Nome: Carina Raquel Lemos Coelho Data de nascimento: 27.03.1982 Nacionalidade: Portuguesa Estado Civil: Solteira Membro da Ordem dos Médicos Dentista n.º6391 HABILITAÇÕES ACADÉMICAS Junho

Leia mais

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL

I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL I CONGRESSO LONDRINENSE DE ODONTOLOGIA IV CONGRESSO ODONTOLÓGICO DA UEL ENCONTRO DA PÓS-GRADUAÇÃO NORMAS GERAIS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS As apresentações poderão ser realizadas na forma de PÔSTER

Leia mais

TABELA DE VALORES MEDICINA DENTÁRIA SORRISO MAIS Estimado Cliente,

TABELA DE VALORES MEDICINA DENTÁRIA SORRISO MAIS Estimado Cliente, TABELA DE VALORES MEDICINA DENTÁRIA SORRISO MAIS Estimado Cliente, Aconselhamos sempre antes de qualquer ato médico a solicitação de um orçamento. 1 CONSULTA (EXAMES / ATOS MÉDICOS NÃO ÍNCLUIDOS) A1.01.01.01

Leia mais

TIPO DE TRATAMENTO PREÇO ( )

TIPO DE TRATAMENTO PREÇO ( ) 01. CONSULTA Consulta (exame clínico) 39,00 Consulta (exame clínico "Check-up" sem tratamentos) 29,00 02. MEDICINA DENTÁRIA PREVENTIVA Aplicação tópica de fluor c/ moldeiras 10,00 Selante de fissuras p/dente

Leia mais

Cobertura do Plano Star

Cobertura do Plano Star Cobertura do Plano Star Diagnóstico Consulta inicial Exame histopatológico Condicionamento em odontologia. Urgência Curativo em caso de hemorragia bucal consiste na aplicação de hemostático e sutura no

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROTESE DENTÁRIA 21. Segundo Bonachela, os polígonos importantes a serem avaliados na condição de estabilidade da PPR são: a) Polígonos de Roy e de Kent. b) Polígono

Leia mais

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS

ANEXO RN 211 ROL DE PROCEDIMENTOS ODONTOLÓGICOS ROL DE ONTOLÓGICOS PROCEDIMENTO SUBGRUPO GRUPO CAPÍTULO AMB HCO HSO PAC D.UT ADEQUAÇÃO DO MEIO BUCAL (COM DIRETRIZ DE AJUSTE OCLUSAL ALVEOLOPLASTIA AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA APICETOMIA

Leia mais

Ciência e prática. Restaurações indiretas em resina composta: função e estética

Ciência e prática. Restaurações indiretas em resina composta: função e estética Restaurações indiretas em resina composta: função e estética 48 MAXILLARIS SETEMBRO 2015 Ciência e prática : Mariline Gomes Médica dentista. Mestrado integrado em Medicina Dentária pela Faculdade de Medicina

Leia mais

Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC

Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC Tabela de Procedimentos Básicos UNIODONTO TABELA DE PROCEDIMENTOS COPARTICIPAÇÃO-III UNIODONTO-SC Baseado na Lei 9656 e RN 211 - Edição outubro/2011 - Terminologia Unificada da Saúde Suplementar (TUSS).

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR

DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR PREFEITURA DE BELO HORIZONTE SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE GERÊNCIA DE ASSISTÊNCIA DESENVOLVIMENTO DAS AÇÕES DE SAÚDE BUCAL NA REDE DE SERVIÇOS DA SMSA DOCUMENTO AUXILIAR COORDENAÇÃO TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

Leia mais

Módulo de Higiene e Prevenção Oral

Módulo de Higiene e Prevenção Oral 1 de 5 16/04/2013 11:16 Módulo de Higiene e Prevenção Oral Actos Médicos Gratuitos Actos Médicos Gratuitos Consulta de Medicina Dentária / Exame Clínico Consulta urgência Consulta de Reavaliação e/ou Revisão

Leia mais

PLANO CURSO DE IMPLANTOLOGIA ORAL. Mindelo - S. Vicente - Cabo Verde

PLANO CURSO DE IMPLANTOLOGIA ORAL. Mindelo - S. Vicente - Cabo Verde PLANO CURSO DE IMPLANTOLOGIA ORAL Ninguém é tão ignorante que não tenha algo a ensinar. Ninguém é tão sábio que não tenha algo a aprender. - Blaise Pascal Mindelo - S. Vicente - Cabo Verde Ano 2015 Índice

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil

ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil ROL DE PROCEDIMENTOS Atendimento em consultórios particulares dos cooperados em todo o Brasil 1 DIAGNÓSTICO 1.1 Consulta Clínico 1.2 Consulta Especialista 1.3 Condicionamento em Odontologia para crianças

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO

A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO A UTILIZAÇÃO DA PROTEÍNA MORFOGENÉTICA RECOMBINANTE SINTÉTICA TIPO 2 PARA RECOSNTRUÇÃO DE MAXILA ATRÓFICA. DESCRIÇÃO DA TÉCNICA E RELATO DE UM CASO AUTORES: André Zétola Rafaela Larson Introdução A procura

Leia mais

Consulta de Medicina Dentária / Exame Clínico 30

Consulta de Medicina Dentária / Exame Clínico 30 ANEXO I. Tabela de Preços Medicina Dentária Consulta de Medicina Dentária / Exame Clínico 30 Medicina Dentária Preventiva Aplicação tópica de flúor 30 Selamento de fissuras (por quadrante) 45 Revelador

Leia mais

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral

Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Maio/Junho 2010 Caso Clínico Carga imediata de arco oclusal pleno com implantes Seven e Mistral Di Alberti L, Donnini F, Camerino M, Di Alberti C, Rossi G, Perfetti G, Dolci M, Trisi P do Department of

Leia mais

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas

ODONTOLOGIA PERIODONTIA I. 5º Período / Carga Horária: 90 horas ODONTOLOGIA PERIODONTIA I 5º Período / Carga Horária: 90 horas 1. PRÉ-REQUISITO: Biossegurança e Orientação Profissional Odontológica; Diagnóstico por Imagem I; Patologia Buço Denta. 2. EMENTA: O aluno

Leia mais

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev

Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Cobertura dos Planos Odontológicos OdontoPrev Plano Integral... TRATAMENTO AMBULATORIAL/DIAGNÓSTICO Consulta EMERGÊNCIA Colagem de fragmentos (consiste na recolocação de partes de dente que sofreu fratura,

Leia mais

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL

ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL ASPECTOS DE IMAGEM DAS ALTERAÇÕES DA RAIZ DENTAL Vamos descrever a seguir as principais imagens das alterações da raiz dental. As ocorrências, em sua maioria, são provenientes de causas patológicas. FORMA

Leia mais

Tabela de Honorários

Tabela de Honorários Tabela de Honorários CONSULTA Código Descrição do Procedimento Quantidade USO Dente/ Área RX Garantia Evento COBERTURA PLANO REGRAS TÉCNICAS 81000065 CONSULTA ODONTOLÓGICA INICIAL 40 - - 6 MESES TODOS

Leia mais

ENXERTO DE TECIDO MOLE:

ENXERTO DE TECIDO MOLE: ENXERTO DE TECIDO MOLE: ALIADO ESTÉTICO PARA IMPLANTES ANTERIORES As restaurações implanto-suportadas para reposicionamento de dentes unitários têm se tornado um estado da arte na implantodontia atual.

Leia mais

Tiago Gonçalves Ferreira Borges

Tiago Gonçalves Ferreira Borges CURRICULUM VITAE Tiago Gonçalves Ferreira Borges Março de 2011 Índice 1. Dados pessoais... 3 2. Habilitações literárias.........4 3. Publicações científicas 3.1- Publicação de artigos científicos 3.1.1.-

Leia mais

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS

SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS SAÚDE ORAL DAS PESSOAS IDOSAS Saúde Oral das Pessoas Idosas A saúde oral é considerada como uma parte integrante da saúde geral. As doenças da boca e dos dentes têm consequências negativas na qualidade

Leia mais

Historicamente, os pinos de fibras

Historicamente, os pinos de fibras 24 Maio 2010 Pinos de fibras: técnicas de preparo e cimentação Este artigo discute as técnicas com a finalidade de estabelecer um protocolo mais seguro para o preparo e cimentação dos pinos de fibras e

Leia mais

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha

Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha Diretoria de Saúde da Marinha Centro Médico Assistencial da Marinha Odontoclínica Central da Marinha MANUAL DE DIREITOS E RESPONSABILIDADES DOS PACIENTES www.ocm.mar.mil.br MARINHA DA BRASIL ODONTOCLÍNICA

Leia mais

DENTALREDE, LDA. TABELA DE CO-PAGAMENTOS (Extraído da Nomenclatura da Ordem dos Médicos Dentistas) MARINHA

DENTALREDE, LDA. TABELA DE CO-PAGAMENTOS (Extraído da Nomenclatura da Ordem dos Médicos Dentistas) MARINHA DENTALREDE, LDA. TABELA DE CO-PAGAMENTOS (Extraído da Nomenclatura da Ordem dos Médicos Dentistas) MARINHA ATOS MÉDICOS Co-pag. 01 - CONSULTAS A1.01.01.01 Primeira consulta de medicina dentária (tratamentos

Leia mais

X curso em implantologia integral

X curso em implantologia integral Porto, Janeiro/Junho 2012 X curso em implantologia integral Com a colaboração da Inscrições abertas X curso em implantologia integral Lugar de realização Centro de Estudos de Medicina Dentária do Amial

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO 001/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL 1)Para a prevenção e o controle da cárie, é necessário atuar em um conjunto de fatores : a) Restauração, polimento, bala b) Controle do açúcar, limpeza dos dentes, uso do flúor. c) Escovação, açúcar, flúor

Leia mais

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada

AMPUTAÇÃO RADICULAR COM OU SEM OBTURAÇÃO RETRÓGRADA 82000050 Amputação radicular sem obturação retrógrada 85400017 Ajuste Oclusal por acréscimo AJUSTE OCLUSAL 85400025 Ajuste Oclusal por desgaste seletivo AJUSTE OCLUSAL 82000034 Alveoloplastia ALVEOLOPLASTIA Amputação radicular com obturação retrógrada AMPUTAÇÃO

Leia mais

REABILITAÇÃO ORAL MULTIDISCIPLINAR: TRATAMENTO ORTODÔNTICO, IMPLANTE DENTÁRIO E FACETAS EM CERÂMICA FELDSPÁTICA

REABILITAÇÃO ORAL MULTIDISCIPLINAR: TRATAMENTO ORTODÔNTICO, IMPLANTE DENTÁRIO E FACETAS EM CERÂMICA FELDSPÁTICA O JornalDentistry ARTIGO ORIGINAL REABILITAÇÃO ORAL MULTIDISCIPLINAR: TRATAMENTO ORTODÔNTICO, IMPLANTE DENTÁRIO E FACETAS EM CERÂMICA FELDSPÁTICA Introdução A Medicina Dentária da era moderna tem como

Leia mais

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO

VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO VERITAE TRABALHO - PREVIDÊNCIA SOCIAL - SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO LEX TRABALHO Orientador Empresarial Dentistas-Consolidação das Normas para Procedimentos nos Conselhos de Odontologia-Alteração RESOLUÇÃO

Leia mais

COBERTURA UNIMED ODONTO

COBERTURA UNIMED ODONTO COBERTURA UNIMED ODONTO ODONTOPEDIATRIA Consulta Odontológica SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia SIM SIM SIM Condicionamento em Odontologia para pacientes com necessidades especiais SIM SIM SIM

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR

NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR NORMATIZAÇÃO DO FUNCIONAMENTO DO SERVIÇO DE ODONTOLOGIA HOSPITALAR Atuação e conceitos da Odontologia Hospitalar e Medicina Oral A Odontologia exercida pela grande maioria dos dentistas brasileiros enfoca

Leia mais

Associação de post e core de fibra de vidro (Exacto & Reforcore) para reconstrução imediata de dentes anteriores extremamente destruídos

Associação de post e core de fibra de vidro (Exacto & Reforcore) para reconstrução imediata de dentes anteriores extremamente destruídos SO CLÍNICO CASO CLÍNICO CASO CLÍNICO CASO CLÍNICO CASO CLÍNICO CAS Associação de post e core de fibra de vidro (Exacto & Reforcore) para reconstrução imediata de dentes anteriores extremamente destruídos

Leia mais

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico

Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico rtigo Inédito Protocolo para laminados cerâmicos: Relato de um caso clínico Oswaldo Scopin de ndrade*, José Carlos Romanini** RESUMO literatura científica atual preconiza para a dentição anterior a opção

Leia mais

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português

DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português DentalRede, Lda Tabela a aplicar ao: Exército Português 1 - CONSULTA 10110 Exame clínico/consulta S/Custo 2 - ODONTOLOGIA PREVENTIVA 20630 Destartarização, polimento (Limpeza) S/Custo 20610 Aplicação tópica

Leia mais

MANUAL DE ATENDIMENTO PARA BENEFICIÁRIOS COM FRANQUIA PLANO FÁCIL/AFFINITY

MANUAL DE ATENDIMENTO PARA BENEFICIÁRIOS COM FRANQUIA PLANO FÁCIL/AFFINITY FRANQUIA MANUAL DE ATENDIMENTO PARA BENEFICIÁRIOS COM FRANQUIA PLANO FÁCIL/AFFINITY A franquia é um valor pago pelos beneficiários do Plano Fácil/Affinity pelos serviços odontológicos, efetivamente utilizados.

Leia mais

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1

Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 Sua melhor opção. Manual de Orientação 1 2 Manual de Orientação Julho/2013 (2 a edição) Indice Orientação ao Paciente Introdução 04 Implantes dentais 04 Titânio - a matéria-prima dos implantes 05 Osseointegração

Leia mais

Colagem Autógena em Dentes Anteriores

Colagem Autógena em Dentes Anteriores CASO CLÍNICO Colagem Autógena em Dentes Anteriores Fraturados: Um Recurso Válido na Odontopediatria Gabriel Demogalski* Sérgio Paulo Hilgenberg* Herley Adriano da Silva* Ana Cláudia Rodrigues Chibinski**

Leia mais

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução.

Clinical Update. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico. Introdução. Uso Combinado de TPH - ESTHET-X na Resolução de Fratura em Dentes Anteriores - Relato de Caso Clínico PEREIRA, Marcelo Agnoletti Especialista em Dentística restauradora FUNBEO-FOB-USP Mestre em Dentística

Leia mais

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO

DIAGNÓSTICO COLETA DE DADOS RACIOCÍNIO E DEDICAÇÃO EXAME CLÍNICO DA DOENÇA PERIODONTAL DIAGNÓSTICO PERIODONTAL CONSISTE O DIAGNÓSTICO NA ANÁLISE DO PERIODONTAL HISTÓRICO DO CASO, NA AVALIAÇÃO DOS SINAIS CLÍNICOS E SINTOMAS, COMO TAMBÉM DOS RESULTADOS DE

Leia mais

CONDIÇÕES ESPECIAIS COBERTURA DE ASSISTÊNCIA DENTÁRIA - COMPARTICIPAÇÃO A CARGO DA PESSOA SEGURA

CONDIÇÕES ESPECIAIS COBERTURA DE ASSISTÊNCIA DENTÁRIA - COMPARTICIPAÇÃO A CARGO DA PESSOA SEGURA CONDIÇÕES ESPECIAIS COBERTURA DE ASSISTÊNCIA DENTÁRIA - COMPARTICIPAÇÃO A CARGO DA PESSOA SEGURA 1. CONSULTA (1) 10109 Consulta de urgência (com exclusão de tratamentos) S/Custo 10110 Exame clínico/consulta

Leia mais