Grandes Opções do Plano 2008

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Grandes Opções do Plano 2008"

Transcrição

1

2 Grandes Opções do Plano 2008 ENQUADRAMENTO Nos termos do Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias Locais, Decreto-Lei nº 54-A/99, de 22 de Fevereiro, os documentos previsionais a adoptar pelas autarquias locais são as Grandes Opções do Plano (GOP`s) e o Orçamento. As GOP`s constituem um elemento primordial e estruturante das políticas macroeconómicas da autarquia, definindo as linhas estratégicas de desenvolvimento. Constituem as Grandes Opções do Plano, o Plano Plurianual de Investimentos (PPI) e as Actividades Relevantes de Gestão Autárquica (PAM). De acordo com a alínea c) do nº 2 do artigo 64º da Lei nº 169/99, de 18 de Setembro, alterada pela Lei nº 5-A/2002, de 11 de Janeiro, compete à Câmara Municipal elaborar e submeter a aprovação da Assembleia Municipal as Grandes Opções do Plano e a proposta de Orçamento, competindo a aprovação das Grandes Opções do Plano e a proposta do Orçamento à Assembleia Municipal, nos termos da alínea b) do nº 2 do artigo 53º do referido diploma. 2 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

3 Grandes Opções do Plano 2008 Mensagem do Presidente da Câmara Municipal Novos desafios, novas oportunidades Nos últimos anos tem-se registado um elevado volume de investimentos em todo o concelho, requalificando e valorizando o território, e imprimindo dinâmicas que conduzam a um desenvolvimento sustentado. O Orçamento e as Grandes Opções do Plano para o ano 2008, continuarão a traduzir políticas municipais, nos mais diversos domínios, que visem a coesão territorial e a elevação dos padrões de qualidade de vida de todos os resendenses. O ano de 2008 marca o arranque efectivo do QREN, significa que novos desafios e novas oportunidades surgirão. Estamos preparados para continuar a imprimir um ritmo de desenvolvimento que prime pela qualidade e excelência e que conduza o concelho e as nossas populações a patamares de qualidade de vida, ao nível das sociedades mais desenvolvidas. Questões como igualdade de oportunidades e de acesso, qualificar, requalificar e valorizar obedecendo a padrões de qualidade e excelência, continuarão a marcar as políticas constantes das GOP`s de O Presidente da Câmara, (Eng. António Borges) C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e 3

4 Grandes Opções do Plano 2008 ADMINISTRAÇÃO GERAL Novo Logótipo do Município Edifício da Câmara Municipal de Resende Programa de Gestão Documental Modernizar para melhor servir Neste domínio, continuaremos a implementar políticas que conduzam à modernização geral dos serviços do município, com o objectivo de constantemente melhorar a qualidade do serviço prestado. A administração dos recursos públicos disponíveis continuará a ser pautada por critérios de rigor, eficácia e eficiência na sua aplicação. O cidadão, continuará a ser o principal destinatário das políticas municipais, que deverão possibilitar a elevação da qualidade de vida e contribuir para o crescimento de uma sociedade mais preparada para enfrentar os desafios que se vão colocando. C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e 4

5 Grandes Opções do Plano 2008 Continuaremos a promover a valorização e qualificação dos recursos humanos que colaboram com a instituição, pois cremos que só desta forma estaremos preparados para alcançar os objectivos propostos. No que respeita á Administração Geral, continuaremos a seguir linhas estratégicas de desenvolvimento em que o Município assume um papel activo no desenvolvimento local e em que a satisfação das necessidades dos cidadãos são o objectivo principal. Neste domínio, tem-se vindo a desenvolver com grande sucesso uma política de desmaterialização e desburocratização dos serviços, de forma a agilizar procedimentos e processos, contribuindo para uma constante melhoria de eficácia e eficiência. O processo de desmaterialização em curso, que em 2007 se consolidou, como a gestão documental, a realização das reuniões da Câmara e Assembleia com recurso à transmissão electrónica de dados, registará em 2008 a consolidação do projecto de integração de todas as aplicações informáticas a implementação do projecto de Licenciamento Electrónico, e a implementação do projecto de comunicações VoIP. A implementação de medidas que conduzam à consolidação do processo de desmaterialização e à certificação de qualidade dos serviços, será durante o próximo ano uma prioridade que nos conduzirá à linha da frente dos municípios mais desenvolvidos nestas matérias, que consequentemente se reflectirá no serviço ao cidadão, não sendo bastante servir o cidadão, mas sim, servir o cidadão com qualidade. A modernização dos serviços municipais, de forma a torná-los mais eficazes, eficientes e mais próximos dos munícipes tem sido e continuará a ser uma prioridade do executivo. C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e 5

6 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções Durante o ano de 2008 dar-se-á continuidade à aposta nas novas tecnologias e, continuar a consolidar e a desenvolver o projecto de gestão documental que neste momento, pela dinâmica da implementação e pelas suas funcionalidades, já se encontra ao nível das melhores práticas nacionais. Continuaremos a desenvolver processos e procedimentos, com vista à melhoria da qualidade do serviço prestado, ao aumento da rentabilidade, eficácia, eficiência dos serviços municipais, para tal continuarão a realizar-se auditorias internas regulares. A melhoria das instalações e das condições de trabalho têm sido uma prioridade, assim continuaremos a executar as acções necessárias a garantir tais condições. A preocupação com o bem-estar dos trabalhadores implica a continuidade das acções no âmbito do apoio social e da higiene, segurança e saúde no trabalho. A formação e a qualificação profissional dos trabalhadores continuarão a assumir importância relevante no ano de Em matéria de Administração Geral, as grandes opções da Câmara Municipal vão no sentido de continuar a modernizar os Serviços Municipais, com o objectivo de nos afirmar-mos como um dos municípios de referência a nível nacional, nas questões da desmaterialização, de forma a melhorar cada vez mais a qualidade dos serviços, dado que cada vez são mais as competências dos municípios e conscientes que as políticas a seguir só terão sentido se desenvolvidas de forma a resolver os problemas do munícipes, a política ao serviço do cidadão. A modernização administrativa é um factor chave do desenvolvimento de uma política de proximidade ao munícipe. C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e 6

7 Grandes Opções do Plano 2008 EDUCAÇÃO Centro Escolar de S. Martinho de Mouros Qualificar com qualidade para uma melhor educação Os investimentos que o município tem concretizado neste domínio, quer ao nível de criação de infra-estruturas, como na disponibilização dos recursos físicos e humanos necessários e essenciais à construção de uma escola de qualidade, traduzem uma opção clara de qualificar com qualidade para uma melhor educação. Porque estamos cientes de que o caminho que estamos a percorrer aponta na direcção certa, continuaremos a implementar políticas ao nível da educação que assentem na constante valorização da escola, na procura das melhores solução para os inúmeros e complexos problemas que constantemente se colocam às actuais sociedades, na criação de dinâmicas sociais e comunitárias, englobando todos os agentes que contribuem para o desenvolvimento dos sistemas educativos, desde as administrações central e local, professores, pais e alunos. C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e 7

8 Grandes Opções do Plano 2008 Assim, à semelhança do que tem vindo a suceder nos anos anteriores, a linha de orientação estratégica municipal no domínio da educação, continuará a basear-se: - Na valorização da escola como factor preponderante do desenvolvimento das sociedades modernas; - Na observação das constantes dinâmicas da sociedade; - Na inovação e da rápida evolução das tecnologias da informação e do conhecimento; - No envolvimento de todos os agentes que contribuem para o desenvolvimento dos sistemas educativos, desde as administrações central e local, professores, pais e alunos; As linhas de orientação estratégica continuarão a materializar-se pelo desenvolvimento de uma política assente nos seguintes vectores: Continuação da planificação e implementação da rede e infra-estruturas escolares de modo que haja uma organização coerente e estruturada dos recursos educativos em todo o território concelhio; Avaliação contínua do sistema educativo do concelho; Regulamentação da rede escolar; Atribuição de verbas de financiamento. No domínio da educação, o Município tem seguido uma linha estratégica que lhe permite alcançar entre outros os seguintes objectivos: Modernizar os espaços escolares; Investir numa escola onde todos possam ter igualdade de oportunidades de acesso ao conhecimento; C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e 8

9 Grandes Opções do Plano 2008 Apetrechar a escola com os meios necessários ao desenvolvimento das suas actividades curriculares e extracurriculares em igualdade de circunstâncias com as escolas de todo o país, de modo a que todas as crianças e jovens do concelho possam melhorar os seus níveis de formação. São já bem visíveis resultados da política definida e implementada neste domínio, observemos a realidade do Centro Escolar de S. Martinho de Mouros e facilmente nos aperceberemos que esta é a escola do futuro capaz de proporcionar a todos os intervenientes no processo educativo, melhor qualidade de ensino, qualificando todos para enfrentar os novos desafios e agarrar as novas oportunidades. Assim, as GOP`s para 2008, continuarão a contemplar o desenvolvimento de projectos, programas, acções, parcerias necessárias à valorização e humanização do processo educativo, efectuando-se o esforço possível no sentido do investimento na educação, no conhecimento, na ciência e novas tecnologias, de modo a que os resendenses possam acompanhar este processo de desenvolvimento global. Com determinação e motivação que continuaremos a desenvolver uma política educativa municipal que responda de forma eficaz e eficiente aos inúmeros e constantes problemas e desafios que se colocam nesta área, de forma a contribuir para o desenvolvimento sustentado do concelho, promovendo a igualdade de oportunidades. 9 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

10 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções As GOP`s para 2008 continuarão a contemplar os projectos e acções que materializem a estratégia definida, de entre os investimentos destacam-se: - Conservação e manutenção dos edifícios escolares; - Dinamização da utilização das novas tecnologias; - Dinamização da utilização de conteúdos multimédia educativos para as escolas; - Transferência de verbas para o Agrupamento de Escolas de Resende; - Transportes escolares; - Refeições escolares; - Projecto Escola a tempo inteiro (inglês, música e educação física); - Apoio a crianças com necessidades especiais; - Atribuição do prémio Rebelo Moniz. De salientar que assim que possível a apresentação de candidaturas aos fundos comunitários, o projecto de construção do Centro Escolar de Resende será uma prioridade, prevendo-se o seu arranque em 2008, à semelhança do Centro Escolar de S. Martinho de Mouros, assumirá um papel fundamental no desenvolvimento futuro da educação em Resende, promovendo o reordenamento escolar, contribuindo para uma educação de qualidade, valorizando a escola e todos os agentes que com ela interagem. 10 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

11 Grandes Opções do Plano 2008 SAÚDE Obras do Centro de Saúde de Resende Maior qualidade no serviço de saúde Neste domínio, da responsabilidade da Administração Central, no ano de 2008 registar-se-á a conclusão da construção do novo Centro de Saúde de Resende. Este equipamento representará uma melhoria da qualidade no serviço de saúde, proporcionando melhor serviço para todos os resendenses e também melhores condições de trabalho para todos os profissionais que aqui prestam serviço. 11 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

12 Grandes Opções do Plano 2008 ACÇÃO SOCIAL Passeio Sénior Obras do Centro Noite/Centro Comunitário de S. Romão Obras do Centro Noite/Centro Comunitário de Felgueiras Uma sociedade mais solidária Os fenómenos sociais que vão atravessando transversalmente as sociedades actuais, terão de ser sempre observados, analisados, valorizados, na definição de políticas de desenvolvimento sustentado de qualquer sociedade. Atentos a estas realidades sociais, desde o envelhecimento da população, à exclusão social, a marginalidade, o aumento do desemprego, o aumento das desigualdades sociais, as alterações no seio da família, a solidão, o abandono de crianças e jovens, a pobreza, etc., temos vindo a implementar políticas de promoção da inclusão social, em que a acção social assume relevância como forma de responder a alguns novos desafios resultantes destas alterações constantes dos padrões da sociedade. 12 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

13 Grandes Opções do Plano 2008 A preocupação pela Coesão Social em que a promoção da inclusão social aos seus diversos níveis, tem sido uma prioridade nas políticas municipais através da realização de projectos e acções no âmbito das atribuições e competências nesta matéria. Cada vez mais, as constantes mutações das sociedades, o ritmo veloz a que tudo se processa, obriga a que os agentes públicos, instituições promovam dinâmicas de inclusão social, contribuindo para a diminuição das desigualdades sociais de forma a construir uma sociedade mais justa e solidária. Neste domínio, continuaremos a implementação de políticas de promoção da inclusão social, o investimento nas pessoas continuará a ser uma prioridade no planeamento para o próximo ano, quer através da realização de investimentos na criação de infra-estruturas de apoio social, da realização de actividades de Acção Social, e de parcerias com entidades que intervêm neste domínio. As GOP`s para 2008 contemplam projectos e acções que pretendem alcançar os seguintes objectivos: - Dar continuidade ao desenvolvimento de programas e projectos de apoio aos grupos mais vulneráveis e desfavorecidos; - Dar continuidade à prestação de serviços de apoio à comunidade; - Qualificar para a empregabilidade, através do desenvolvimento de competências pessoais e profissionais; - Dinamizar e apoiar o funcionamento de parcerias locais. 13 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

14 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções Os projectos e acções que se continuarão a desenvolver, têm por base a estratégia política definida para esta área e que assenta na avaliação, valorização e análise das realidades sociais do concelho, ponderando todos os factores que a compõem, e que visa promover a coesão social intervindo de forma integrada e integradora, conferindo complementaridade, coerência e equilíbrio à intervenção social no Município. De entre os projectos e acções a desenvolver, destacam-se: - Conclusão da construção do Centro Comunitário de S. Romão; - Construção do Centro Comunitário de Felgueiras; - Desenvolver o projecto da Rede Social; - Apoiar as famílias mais desfavorecida na realização de pequenas obras na habitação através do Fundo de Solidariedade Social. - Dinamizar iniciativas de promoção e de valorização dos nossos idosos e deficientes. - Atribuir bolsas de estudo. - Prestar serviços de apoio social disponibilizando os recursos humanos qualificados; - Parcerias necessárias à promoção de acções de formação profissional destinadas a desempregados e jovens à procura de primeiro emprego; - Apoiar a concretização de projectos neste domínio, por parte de instituições do concelho, nomeadamente a construção do lar de idosos, centro de dia e apoio social da Irmandade de São Francisco Xavier em S. Martinho de Mouros. 14 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

15 Grandes Opções do Plano 2008 ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Requalificação Urbana no Centro Histórico de S. Martinho de Mouros Coninuar a requalificar e planear o futuro As politicas de ordenamento do território continuarão a merecer uma atenção acentuada de forma a prosseguir o caminho jà iniciado em Resende e S.Martinho d Mouros. Por outro lado a questão central da revisão do PDM deverá absorver os serviços e mobilizar os órgãos autárquicos no ano de 2008 para decisões com evidente alcance no processo de desenvolvimento económico do concelho e na sua sustentabilidade. 15 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

16 Grandes Opções do Plano 2008 Assim, as GOP`s para 2008, a exemplo do que vem a ser feito, continuarão a contemplar a realização de projectos e acções que objectivamente promoverão um crescimento sustentável, a qualificação urbana quer através da realização de obras de requalificação como da elaboração de projectos e de instrumentos de regulamentação e ordenamento. Com a execução do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN) e necessariamente, para que o Município possa aproveitar os financiamentos disponíveis, estão previstos neste domínio a elaboração de alguns projectos de execução. Aponta-se para um maior envolvimento nas políticas imateriais bem como em acções que representem uma evidente aposta no perfil e na qualificação do cidadão, no acesso á nova sociedade de informação e a novos conceitos produtivos. 16 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

17 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções De entre outros, as GOP`s para 2008 contemplam a execução dos seguintes projectos: - Continuação da Revisão do Plano Director Municipal; - Elaboração do Plano de Pormenor da Unidade Operativa de Porto de Rei; - Elaboração do Plano de Pormenor do Bernardo Barro; - Elaboração do projecto do Parque Desportivo; - Elaboração do projecto da Casa do Concelho em S. Martinho de Mouros; - Projecto de Requalificação Urbana de Caldas de Aregos; - Projecto de Requalificação das Aldeias Serranas; - Conclusão da empreitada do Arranjo Urbano no Centro Histórico de São Martinho de Mouros. 17 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

18 Grandes Opções do Plano 2008 AMBIENTE Saneamento Básico e Abastecimento de Água Obras de Saneamento Básico e Abastecimento de Água Garantir a qualidade ambiental do futuro Trata-se de continuar politicas que evidenciam já um elevado grau de transformação infra-estrutural e que respondem à qualidade de vida das populações, a preservação e a valorização das condições ambientais. A promoção da qualidade ambiental tem sido e continuará a ser uma das prioridades do Município, de forma a garantir o cumprimento das normas comunitárias e nacionais neste domínio. 18 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

19 Grandes Opções do Plano 2008 De forma a dar corpo a esta política de promoção da qualidade ambiental, a Câmara Municipal tem canalizado muitos recursos financeiros e físicos, o que se tem traduzido num aumento significativo da taxa de cobertura da rede de infra-estruturas de água e saneamento, dotando as populações do concelho destas infra-estruturas básicas, respondendo às suas necessidades, e resolvendo os problemas nesta área. As GOP`s para 2008, continuarão a contemplar projectos no sentido de se executarem obras de saneamento básico e rede de distribuição de água nas áreas do Concelho ainda não abrangidas, através da execução de obras por empreitada e por administração directa, destacando-se a conclusão das redes nas freguesias de Cárquere, Anreade, Miomães, S. Cipriano, S. Romão e Barro e o inicio em Freigil. 19 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

20 Grandes Opções do Plano 2008 RESÍDUOS SÓLIDOS Ecotainers A valorização dos resíduos depende de todos nós Esta é uma área em que claramente todos somos chamados a participar activamente de forma a garantir melhor qualidade ambiental. Continuaremos a implementar políticas de recolha, tratamento e valorização dos resíduos sólidos que garantam melhor qualidade ambiental para as actuais e futuras gerações. Desenvolveremos em 2008 acções que promovam a recolha selectiva e diferenciada dos resíduos sólidos e a educação ambiental de forma a promover a participação de todos os cidadãos num processo contínuo, a valorização dos resíduos sólidos depende de todos nós. 20 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

21 Grandes Opções do Plano 2008 Desta forma, as questões de educação ambiental em que assumem especial relevância a recolha selectiva e o incentivo à reciclagem, reutilização e redução da produção de lixos, continuarão a ser um objectivo plasmado nas GOP`s para Neste domínio o ano de 2008 registará um acréscimo na qualidade do serviço, com a entrada em funcionamento de novos equipamentos, a varredora de limpeza urbana e veículo de recolha, acondicionamento e transporte de resíduos sólidos urbanos. As GOP`s de 2008, contemplam a realização dos investimentos necessários à melhoria da recolha de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU). 21 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

22 Grandes Opções do Plano 2008 CULTURA Centro Cultural de Resende Auditório Adaptação da Ex-Cadeia a Museu Municipal Centro Cultural e Auditório de S. Cipriano Viver com cultura O percurso que se tem vindo a seguir neste domínio conduziu a que neste momento esteja criada uma rede de equipamentos de grande relevância e que são postos à disposição de todos os resendenses, de forma a permitir igualdade no acesso à cultura. Nas GOP`s de 2008, no que respeita à construção de equipamentos assume especial relevância o Centro Cultural de S. Cipriano Casa da Música de S. Cipriano, obra a concluir em 2008 e a entrar em funcionamento. 22 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

23 Grandes Opções do Plano 2008 Se a rede de equipamentos de índole cultural é já uma realidade, continuaremos, à semelhança do que tem vindo a acontecer, a desenvolver políticas de dinamização destes equipamentos, de forma integrada, promovendo uma agenda cultural diversificada e de qualidade. A igualdade no acesso á cultura, continuará a ser o pilar no desenvolvimento das políticas municipais. Baseado nesta política de construção de equipamentos e infra-estruturas que permitem a criação de uma rede integrada de espaços culturais onde se podem realizar as mais diversas manifestações culturais, continuaremos a trabalhar no sentido da ampliação desta rede de espaços, através da criação de novos equipamentos e da valorização de espaços existentes, de forma a continuar a alargar a rede por todo o concelho. A promoção da participação nas mais diversas formas e expressões culturais, a salvaguarda e valorização do património continuarão em 2008 a merecer especial atenção. Continuaremos fortemente a dinamizar os espaços, como o Museu Municipal, o Auditório Municipal, o Centro de Animação Multiusos de Caldas de Aregos, destinados à promoção de manifestações culturais. Pela sua relevância, pela projecção que já alcançaram e pela importância para a economia do concelho e sua afirmação no exterior, reforçaremos em 2008 a dinâmica dos eventos, Festival da Cereja e Festa da Cavaca, pois estamos certos pela sua qualidade e diferenciação se constituem com acções de grande expressão e significado para o concelho. 23 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

24 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções Na linha do que tem vindo a ser implementado, as GOP para 2008 contemplam a realização de diversos projectos e acções traduzindo-se num grande salto quantitativo e qualitativo na realização de diversas manifestações culturais, impulsionando e permitindo a todos o acesso à cultura, valorizando o património cultural e contribuindo para qualificar com cultura Assim, de entre os diversos projectos/acções destacam-se: - Construção do Centro Cultural de S. Cipriano Casa da Música de S. Cipriano - Actividades de animação e exploração do Museu Municipal; - Actividades de animação e exploração do Auditório Municipal; - Actividades de animação e exploração do Centro de Animação Multiusos de Caldas de Aregos; - Actividades de leitura e animação da Biblioteca; - Festival da Cereja; - Festa das Cavacas; - Festa da Labareda - Dinamização do Espaço Internet - Realização de parcerias com entidades para a realização de projectos; - Comparticipação em investimentos a realizar por entidades; 24 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

25 Grandes Opções do Plano 2008 DESPORTO, RECREIO E LAZER Marina de Caldas de Aregos Piscinas Municipais Aquecidas Pavilhão Gimnodesportivo de Freigil Desporto prática para todos Também neste domínio, a política que tem vindo a ser seguida, visa a criação das infra-estruturas necessárias de forma a constituir uma rede de equipamentos que responda eficazmente às necessidades do concelho. Assim, os equipamentos construídos permitem o acesso ao desporto a todos os resendenses, especialmente aos alunos das nossas escolas e às associações e colectividades desportivas. 25 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

26 Grandes Opções do Plano 2008 Continuará a ser uma prioridade a implementação de medidas e acções que promovam a prática desportiva para todos, de forma a contribuir para uma sociedade mais saudável. Está criada uma rede municipal de infra-estruturas desportivas que permite satisfazer as necessidades de utilização da generalidade das populações, em particular da comunidade escolar e associativismo, construídas de forma a cobrir todo o território concelhio, tendo em consideração a sua rentabilização em termos de utilização. Durante o ano de 2008 pretendemos desenvolver e apoiar programas, projectos e acções necessárias à promoção de diversas modalidades desportivas, incentivando a sua prática, como acontece actualmente com o voleibol. No que respeita ao recreio e lazer, continuaremos a desenvolver uma política direccionada para a dinamização das infra-estruturas criadas, como os arranjos das zonas envolventes das pontes da Panchorra e Lagariça,o Parque Fluvial de Porto de Rei e de Caldas de Aregos, em cooperação com o IND, tendo sempre por base uma visão estratégica integrada de todos estes investimentos e sua articulação com outros, de forma a desenvolver um crescimento sustentado do concelho, pugnando pela coesão territorial e social. 26 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

27 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções Das GOP`s para 2008 destacam-se os seguintes projectos/acções: - Dinamização do pavilhão gimnodesportivo de Anreade; - Dinamização do pavilhão gimnodesportivo de Freigil; - Comparticipação para obras em instalações desportivas; - Continuaremos a apoiar seriamente as associações e colectividades de todo o concelho; - Elaboração do projecto do Parque Desportivo; - Organização de actividades desportivas, nomeadamente perícia automóvel, provas náuticas, voleibol, judo, etc. - Desenvolvimento do projecto Escolinhas do Desporto ; - Dinamização das piscinas municipais; - Acções de manutenção dos equipamentos existentes; - Conclusão da Marina de Caldas de Aregos. 27 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

28 Grandes Opções do Plano 2008 TRANSPORTES RODOVIÁRIOS As condições de acessibilidade de acesso ao concelho e no interior do mesmo continuarão a ser uma prioridade contida nas GOP`s para Depois de se terem beneficiado largos quilómetros de estradas municipais, sendo bem sentidos os benefícios para as populações, continuaremos em 2008 a beneficiar estradas municipais que garantam uma boa acessibilidade no interior do concelho. Quanto às acessibilidades de acesso ao concelho, com determinação, continuaremos a desenvolver as iniciativas necessárias, junto dos organismos com competência nesta matéria, para que sejam construídas as vias rodoviárias de acesso ao concelho, que consideramos imprescindíveis e essenciais ao seu desenvolvimento. 28 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

29 Grandes Opções do Plano 2008 Projectos/Acções Deste modo, as GOP`s para 2008, contemplam entre outros os seguintes projectos: - Conclusão da Beneficiação da E.M de ligação entre Feirão (limite do Concelho) e Resende; - Beneficiação das Estradas Municipais de ligação Resende-Cárquere e Cárquere-S.Romão; - Continuarão a executar-se trabalhos de abertura, pavimentação, beneficiação e manutenção da rede viária de todas as freguesias. 29 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

30 l o t e 1 4 lo t e 1 5 l o te 1 6 Grandes Opções do Plano 2008 COMÉRCIO E TURISMO lo te 1 2 lo t e 9 lo te 1 0 lote 11 lo te 1 3 lo te 7 lo te 8 lo te 6 lo te 5 lote 2 lote 1 lo te 33 ll ot e e 44 Projecto do Parque Empresarial de Anreade A estratégia no domínio do comércio continuará assentar na valorização do comércio local, interagindo com os diversos agentes com vista á melhoria das condições do comércio em geral, tendo sempre em consideração o binómio comerciante/consumidor. A implementação desta política assenta na requalificação dos espaços públicos, como forma de valorizar toda a envolvência do comércio, na valorização dos produtos locais e regionais que se constituem como mais-valias para a economia do concelho. Contribuir para a valorização do comércio, tornando-o mais atractivo e competitivo, continuará a ser um objectivo constante das GOP`s para C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

31 Grandes Opções do Plano 2008 A construção do projecto do Parque Empresarial de Anreade, ultrapassadas as questões administrativas, será uma prioridade a enquadrar no QREN. No que respeita à política na área do Turismo, é bem visível que esta tem assentado na criação das infra-estruturas necessárias ao desenvolvimento sustentado do concelho, construindo equipamentos e criando zonas de lazer que complementem as excelentes condições naturais existentes no concelho e que permitem a realização de projectos e acções de interesse turístico, aumentando desta forma a oferta. Facilmente nos apercebemos que existem hoje no concelho infra-estruturas em quantidade e qualidade capazes de criar uma oferta turística diversificada e de qualidade. As infra-estruturas foram projectadas e construídas, obedecendo a uma estratégia que assentou no seguinte: - Potencial endógeno do concelho; - Recursos naturais existentes; - Criação de uma rede de equipamentos integrados e complementares, estrategicamente distribuídos de forma a valorizar todo o território do concelho; - Criação de circuitos turísticos no concelho. O concelho dispõe já de um conjunto importante de infra-estruturas e equipamentos de apoio, que de uma forma integrada nos permitem a realização diversificada de projectos direccionados ao turismo, desde actividades culturais, a actividades desportivas e de lazer. Durante o ano de 2008, continuaremos a desenvolver os projectos, acções necessárias à promoção e divulgação turística do concelho, nomeadamente impulsionando entidades privadas a concretizar de circuitos turísticos no concelho, como o circuito da água (Parque Fluvial de Porto de Rei - Cais Fluvial de Caldas de Aregos Ponte da Lagariça Ponte da Panchorra). 31 C â m a r a M u n i c i p a l d e R e s e n d e

E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S - F U N C. P L A N O DOTAÇÕES INICIAIS Município de Resende DO ANO 2007

E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S - F U N C. P L A N O DOTAÇÕES INICIAIS Município de Resende DO ANO 2007 PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS: 411'507,69 411'507,69 425'500,00 425'500,00 425'500,00 1'688'007,69 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 369'507,69 369'507,69 389'000,00 389'000,00 389'000,00 1'536'507,69 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Inicial ANO FINANCEIRO DE 2010 Câmara Municipa l DATAS DAS DELIBERAÇÕES Asse mbleia Municipal Revisã o Alteração Observações: E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U

Leia mais

RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2009

RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2009 Documentos de Prestação de Contas E DOCUMENTOS ANEXOS Segundo a Resolução nº04/2001-2ª Secção RELATIVOS AO ANO FINANCEIRO DE 2009 APROVAÇÃO Câmara Municipal - Reunião de / / Assembleia Municipal - Sessão

Leia mais

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.

OPÇÕES DO PLANO 2015:2018 datas 2015 2016 2017 2018. conclusão. Respons. início 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196. 1 EDUCAÇÃO 207.000,00 186.840,00 191.282,00 196.916,00 1 ENSINO PRÉ-ESCOLAR E DO 1º CICLO 116.500,00 93.625,00 100.574,00 103.487,00 1 Apoios e subsídios CM 13 18 5 05-06-02-03-99 1.000,00 1.030,00 2.122,00

Leia mais

Execução Anual das Grandes Opções do Plano

Execução Anual das Grandes Opções do Plano das Grandes Opções do Plano 01 EDUCAÇÃO 01 01 EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR E ENSINO BÁSICO 01 01 /1 Infraestruturas de Ano Anos seguintes Anos Anteriores Ano 01 01 /1 1 Centro Escolar de Caria 0102 07010305 E

Leia mais

MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA DO ANO 2009

MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DA PESQUEIRA DO ANO 2009 PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 200.000,00 200.000,00 200.000,00 1.1. 180.000,00 180.000,00 180.000,00 1.1.1. ADMINISTRAÇÃO GERAL 180.000,00 180.000,00 180.000,00 1.1.1. 01 2005 ADMINISTRAÇÃO GERAL 55.000,00

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2009 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) O plano plurianual de investimentos para 2009 tem subjacente um planeamento financeiro que perspectiva a execução dos

Leia mais

FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017. Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014

FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017. Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014 1 FREGUESIA DE VILARINHO SANTO TIRSO MANDATO 2014/2017 Grandes opções do plano de atividades e investimentos ANO 2014 2 ÍNDICE - INTRODUÇÃO 3 - AÇÃO SOCIAL E EMPREGO 3,4 - EDUCAÇÃO SAÚDE 4 CULTURA, DESPORTO

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2011 1. Análise do Plano Plurianual de Investimentos (PPI) Neste orçamento, o Município ajustou, as dotações para despesas de investimento, ao momento de austeridade que o país

Leia mais

Execução Anual do Plano Plurianual de Investimentos

Execução Anual do Plano Plurianual de Investimentos (signação da autarquia local) Município Valença do Plano Plurianual Investimentos (unida: ) 01 FUNÇÕES GERAIS 01 001 SERVIÇOS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 01 001 2010/1 AQUISIÇÃO, CONSTRUÇÃO, CONSERVAÇÃO

Leia mais

1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00. 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública

1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00. 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública PÁGINA : 1 1. Funções gerais 377.419,00 377.419,00 377.419,00 1.1. Serviços gerais de 230.507,00 230.507,00 230.507,00 administração pública 1.1.1. Administracao geral 230.507,00 230.507,00 230.507,00

Leia mais

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária

MAPA DE PESSOAL. Gabinete de Apoio ao Presidente. Gabinete de Fiscalização Sanitária Preenchidos A preencher Preenchidos Gabinete de Apoio ao Presidente Coordenar e executar todas as atividades inerentes à assessoria, secretariados, protocolos da Presidência e assegurar a interligação

Leia mais

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS

FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS FREGUESIA DE ARRUDA DOS VINHOS lano de Activida e es Orçamento PPI 2012 À INTRODUCÃO Para cumprimento do disposto na alínea a) do n 2 do artigo 34 da lei n 169/99 de 18 de Setembro, na redacção que lhe

Leia mais

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19

A TRANSPORTAR... 40.275,19 98.800,00 81.800,00 18.000,00 18.000,00 18.000,00 193.075,19 PÁGINA : 1 DESPESAS D (PREVISÃO) 1. FUNÇOES GERAIS 132.059,77 470.000,00 470.000,00 157.250,00 107.500,00 62.700,00 929.509,77 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 93.277,77 410.000,00 410.000,00 147.250,00 97.500,00

Leia mais

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO

E N T I D A D E DOTAÇÕES INICIAIS P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DO ANO 2015 CÂMARA MUNICIPAL DE MONTIJO PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE 30.951,63 10.509,00 960.567,00 960.567,00 42.565,00 1.044.592,63 ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac.

Integrado do Vale do Minho. Av. Miguel Dantas, n.º 69. 4930-678 Valença. Tel.: +351 251 825 811/2. Fax: +351 251 825 620. adriminho@mail.telepac. Eixo 3 do PRODER Dinamização das zonas Rurais Englobam no eixo 3 do PRODER Abordagem Leader as seguintes Medidas e Acções Medida 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 3.1.1 Diversificação

Leia mais

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL

PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL PRODER Sub-Programa 3 Dinamização das Zonas Rurais ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO PARA O INTERIOR DO ALGARVE CENTRAL Medida 3.1 - Diversificação da economia e criação de emprego Objectivos : - Promover

Leia mais

Enquadramento Turismo Rural

Enquadramento Turismo Rural Enquadramento Turismo Rural Portugal é um País onde os meios rurais apresentam elevada atratividade quer pelas paisagens agrícolas, quer pela biodiversidade quer pelo património histórico construído o

Leia mais

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura

Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Estrutura Orgânica dos Serviços do Município de Paredes de Coura Nos termos do disposto na alínea a) do artigo 7.º e no n.º 3 do artigo 10.º do Decretolei n.º 305/2009, de 23 de Outubro e dentro dos limites

Leia mais

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural

1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural MEDIDA 3.1 Diversificação da Economia e Criação de Emprego 1. Eixo(s) em que se insere Eixo 3 Qualidade de vida nas zonas rurais e diversificação da economia rural 2. Enquadramento Regulamentar Artigo

Leia mais

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo

A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento. Participativo Cecília Branco Programa Urbal Red 9 Projecto Orçamento Participativo Reunião de Diadema Fevereiro 2007 A Participação Voluntária No Planeamento, Execução E Controlo Social Do Orçamento Participativo Município

Leia mais

Dinamização das Zonas Rurais

Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais Dinamização das Zonas Rurais A Abordagem LEADER A Europa investe nas Zonas Rurais As zonas rurais caracterizam-se por condições naturais e estruturais que, na maioria dos

Leia mais

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende

O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende SEMINÁRIO: QUALIDADE E EXCELÊNCIA NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO ÃO Porto, 3 e 4 de Novembro de 2005 O Sistema Integrado de Gestão de Qualidade e Ambiente da Câmara Municipal de Esposende Carla Dias carla.dias@cm-esposende.pt

Leia mais

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social

Linhas de Acção. 1. Planeamento Integrado. Acções a desenvolver: a) Plano de Desenvolvimento Social PLANO DE ACÇÃO 2007 Introdução O CLASA - Conselho Local de Acção Social de Almada, de acordo com a filosofia do Programa da Rede Social, tem vindo a suportar a sua intervenção em dois eixos estruturantes

Leia mais

MUNICIPIO DE ILHAVO DO ANO 2010

MUNICIPIO DE ILHAVO DO ANO 2010 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 1.851.000,00 1.851.000,00 860.000,00 280.000,00 2.991.000,00 1.1. Serviços gerais de administração pública 1.601.000,00 1.601.000,00 610.000,00 2.241.000,00 1.1.1. 1.1.1.1.

Leia mais

INTRODUÇÃO OPÇÕES DO PLANO

INTRODUÇÃO OPÇÕES DO PLANO INTRODUÇÃO O presente Orçamento para o ano de 2014 para o qual o órgão Executivo da Junta de Freguesia de Labruja elaborou e aprovou, orientar-se-á na linha do plano traçado para os quatro anos do mandato,

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL

INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL INTERVENÇÕES DE REGENERAÇÃO URBANA EM PORTUGAL JESSICA KICK-OFF MEETING FÁTIMA FERREIRA mrferreira@ihru.pt POLÍTICA DE CIDADES NO ÂMBITO DO QREN - PORTUGAL PO Regional Programas integrados de regeneração

Leia mais

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO

PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO PROPOSTA DE PLANO DE ACTIVIDADES PARA A VILA DE ARCOZELO ANO ECONÓMICO DE 2010 GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA O QUADRIÉNIO 2009 2013 É tempo de um novo mandato autárquico, resultante das eleições do passado

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.

JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE. Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006. Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr. JUNTA DE FREGUESIA DE Nª. SRª GUADALUPE Concelho de Évora OPÇÕES DO PLANO PARA 2006 Largo Abel Augusto nº 4 7000-222 Nª. Sr.ª Guadalupe Tel. e Fax: 266 781 165 Tel.: 266 747 916 email: jfguadalupe@mail.evora.net

Leia mais

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE

POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE POLÍTICA E ESTRATÉGIA DE HABITAÇÃO PARA MOÇAMBIQUE Apresentado por :Zefanias Chitsungo (Director Nacional de Habitação e Urbanismo) INTRODUÇÃO Moçambique tem mais de 20 milhões de habitantes; sendo que

Leia mais

Plano PluriAnual de Investimentos do ano 2014

Plano PluriAnual de Investimentos do ano 2014 Plano PluriAnual Investimentos do ano (b)=+ finido não finido previsto +++ 1 FUNÇÕES GERAIS 1 001 ADMINISTRAÇÃO GERAL 1 001 2002/2 Aquisição mobiliário 0102 070109 O 01 01/2002 12/ 4 17.288 1 001 2002/3

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO

PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO PROPOSTA DE REGULAMENTO INTERNO VOLUNTARIOS SOCIAIS DO CONCELHO DE ALBERGARIA-A-VELHA - PROGRAMA ALBERGARIA SOLIDÁRIA NOTA JUSTIFICATIVA No âmbito de uma política social que se vem orientando para potenciar

Leia mais

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO

III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2009 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 111 III. DESENVOLVIMENTO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DO INVESTIMENTO PIDDAR 2010 REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 113 Quadro I Programação do Investimento por Programas

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo

Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo Agenda 21 Local de Arganil 3ª Sessão do Fórum Participativo 22 de Fevereiro 2010 Índice Índice PARTE I SÍNTESE DO 2º FÓRUM PARTICIPATIVO (10 minutos) PARTE II SÍNTESE DA ESTRATÉGIA DE SUSTENTABILIDADE

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

E N T I D A D E EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2008 MUNICIPIO DE REDONDO. Pagina : 1

E N T I D A D E EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2008 MUNICIPIO DE REDONDO. Pagina : 1 Pagina : 1 1. Funções gerais 610.500,00 610.500,00 334.850,49 334.850,49 54.85 54.85 1.1. Serviços gerais de administração pública 525.500,00 525.500,00 334.640,59 334.640,59 63.68 63.68 1.1.1. Administracao

Leia mais

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa

Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa Centro Social Paroquial de Lustosa Apresentação do Projeto do Centro Social Paroquial de Lustosa 1. Identificação da Instituição: Centro Social Paroquial de Lustosa, NPC: 502431440, com sede em Alameda

Leia mais

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva

Projecto REDE CICLÁVEL DO BARREIRO Síntese Descritiva 1. INTRODUÇÃO Pretende-se com o presente trabalho, desenvolver uma rede de percursos cicláveis para todo o território do Município do Barreiro, de modo a promover a integração da bicicleta no sistema de

Leia mais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais

Análise SWOT. Área: Território. Rede Social. - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais Área: Território - Novo Acesso Rodoviário - Qualidade do Ambiente - Recursos Naturais - Dinamização da Exploração dos Recursos Naturais para Actividades Culturais e Turísticas - Localização Geográfica

Leia mais

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA

REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA MUNICÍPIO DE AZAMBUJA REGULAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE AZAMBUJA Aprovado por deliberação da Assembleia Municipal de 19 de Abril de 2011. Publicado pelo Edital n.º 73/2011. Em vigor desde 27

Leia mais

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude

O Governo a apostar nos Cabo-verdianos. Incentivos Fiscais. Principais Beneficiários: Empresas /Juventude O Governo a apostar nos Cabo-verdianos Incentivos Fiscais Principais Beneficiários: Empresas /Juventude Ganhos do Orçamento Geral do Estado 2010 Incentivos Fiscais A Política de Investimento para 2010

Leia mais

EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2011. Até ao mês de Rectificação

EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS ANO CONTABILÍSTICO 2011. Até ao mês de Rectificação EXECUÇÃO DO PLANO PLURIANUAL DE S ANO CONTABILÍSTICO 2011 Pagina : 1 1. FUNÇOES GERAIS 239.200,00 505.000,00 744.200,00 177.311,45 177.311,45 74.13 23.83 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE ADMINISTRAÇAO PUBLICA 232.200,00

Leia mais

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto

BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA. Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto BASES GERAIS DO REGIME JURÍDICO DA PREVENÇÃO, HABILITAÇÃO, REABILITAÇÃO E PARTICIPAÇÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Lei n.º 38/2004, de 18 de Agosto Define as bases gerais do regime jurídico da prevenção,

Leia mais

MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS MODIFICAÇÕES AO PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Página : 1 1. FUNÇOES GERAIS 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE ADMINISTRAÇAO PUBLICA 1.1.1. ADMINISTRAÇAO GERAL 1.1.1. 01 2002 I 1 AQUISIÇAO/REPARAÇAO DE OUTRO MATERIAL

Leia mais

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO

JUNTA DE FREGUESIA DE CANAVIAIS Concelho de Évora GRANDES OPÇÕES DO PLANO GRANDES OPÇÕES DO PLANO Na continuidade das opções que temos vindo a desenvolver ao longo do nosso mandato, que reflectem nas suas linhas gerais de orientação, uma constante preocupação em proporcionar

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020. Inclusão Social e Emprego Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Inclusão Social e Emprego Eixo 5 - Emprego e Valorização Económica dos Recursos Endógenos Objectivo Temático 8 - Promoção da sustentabilidade e qualidade

Leia mais

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO

PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO PLANO DE ESTRUTURA URBANA DO MUNICÍPIO DE MAPUTO Seminário sobre Pobreza Urbana Maputo, 16 de Abril de 2009 RAZOES E FILOSOFIA DO PEUMM O PEUM é o primeiro plano de ordenamento urbano elaborado pelo próprio

Leia mais

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS

PLANO PLURIANUAL DE INVESTIMENTOS Datas Despesas Anos Seguintes 1. FUNÇÕES GERAIS 938.000 688.000 250.000 125.786 108.000 1.171.786 1.1 SERVIÇOS GERAIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 938.000 688.000 250.000 125.786 108.000 1.171.786 1.1.1 ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS

MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 MAPAS DE FLUXOS FINANCEIROS Documentos de Prestação de Contas 2010 DOCUMENTOS DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 2010 Fluxos de Caixa Documentos de Prestação de Contas 2010 DOC

Leia mais

1ª Revisão do Orçamento, PPI e PPA do ano 2013

1ª Revisão do Orçamento, PPI e PPA do ano 2013 2013 1ª Revisão do Orçamento, PPI e PPA do ano 2013 Junta de Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra Branco Lima FREGUESIA DE GÂMBIA-PONTES-ALTO DA GUERRA Pág. 1 MODIFICAÇÕES DO ORÇAMENTO DA RECEITA

Leia mais

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a

ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1. (1) (2) (3) (4) (5) (6) (7) (8) (9) ( 10 = 7-9 ) (11=4+5-6-7) (12)a MAPA DO CONTROLO ORÇAMENTAL DA RECEITA ANO 2006 ENTIDADE CMVM - MUNICIPIO DE VIEIRA DO MINHO PÁG. 1 CLA SIFICAÇÃO ECONÓMICA PREVISÕES RECEITAS POR RECEITAS LIQUIDAÇÕES RECEITAS REEMBOLSOS/RESTITUIÇÕES

Leia mais

ORÇAMENTO E GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA 2015

ORÇAMENTO E GRANDES OPÇÕES DO PLANO PARA 2015 ANÁLISE DO ORÇAMENTO E GRANDE OPÇÕES DO PLANO Para o ano económico de 2015, o Município perspetiva um orçamento global 26.954.700, o que representa um aumento de 8,6% relativamente ao ano transacto. Este

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais:

PROGRAMA DE AÇÃO 2015. Respostas sociais: O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: PROGRAMA AÇÃO 2015 O GAS-SVP define, para 2015, como objectivos gerais: - Preservar a identidade da Instituição, de modo especial no que respeita a sua preferencial ação junto das pessoas, famílias e grupos

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL

CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL CÂMARA MUNICIPAL DO CRATO EDITAL João Teresa Ribeiro, Presidente da Câmara Municipal do Crato, em cumprimento do disposto no artigo 91.º da Lei n.º 169/99 de 18 de setembro, torna público que na 27.ª reunião

Leia mais

Município de Ourique Resumo Orçamental das Grandes Opções do Plano para 2013

Município de Ourique Resumo Orçamental das Grandes Opções do Plano para 2013 0102 020214 Estudos, pareceres, projectos e consultadoria 1 1.1 2010/5007 Agenda 21-Local 1 1.2 2011/5005 Plano Municipal de Emergência-Protecção Civil 6.000,00 6.000,00 0102 020225 s serviços 1 1.1 2012/5001

Leia mais

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008

APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS. Porto 30-01-2008 APOIO AO INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS Porto 30-01-2008 AGENDA AS MARCAS DO POPH I INVESTIMENTO EM EQUIPAMENTOS SOCIAIS CANDIDATURAS II III I AS MARCAS DO POPH AS MARCAS DO POPH 1 O MAIOR PROGRAMA

Leia mais

Ação Social e Inclusão

Ação Social e Inclusão Ação Social e Inclusão Ação Social O campo de actuação da Ação Social compreende, em primeira instância, a promoção do bem estar e qualidade de vida da população e a promoção duma sociedade coesa e inclusiva,

Leia mais

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social

Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Programa de Apoio às Instituições Particulares de Solidariedade Social Enquadramento Com base numa visão estratégica de desenvolvimento social que valorize a rentabilização dos recursos técnicos e financeiros

Leia mais

Grandes Opções do Plano 2011-2014

Grandes Opções do Plano 2011-2014 Grandes Opções do Plano 2011-2014 Plano Plurianual de Investimentos 2011-2014 Apesar da apresentação efectuada pelo Grupo Águas de Portugal no segundo semestre de 2009 das possibilidades de constituição

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço:

EDITAL N.º 42/2010. ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: EDITAL N.º 42/2010 ANTÓNIO LOPES BOGALHO, Presidente da Câmara Municipal de Sobral de Monte Agraço: Faz público, nos termos da alínea v), do n.º 1, do art. 68.º da Lei n.º 169/99, de 18 de Setembro, com

Leia mais

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional

Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional Agrupamento de Escolas Sto. Onofre Escola Básica de Sto. Onofre - Caldas da Rainha Complemento ao plano de formação vocacional e pré profissional PROJECTO (III) Ano Lectivo 2008/2009 (compostagem, horta,

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS:

RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: RESUMO DAS OBRAS VISITADAS: Bairro da Laje, freguesia de Porto Salvo: - Parque Urbano Fase IV Os Arranjos Exteriores do Parque Urbano Fase IV do bairro da Laje, inserem-se num vasto plano de reconversão

Leia mais

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010

SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 SECRETÁRIO REGIONAL DA PRESIDÊNCIA Despacho Normativo n.º 69/2010 de 22 de Outubro de 2010 Considerando o Regime de enquadramento das políticas de juventude na Região Autónoma dos Açores, plasmado no Decreto

Leia mais

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE

UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE UMA BOA IDEIA PARA A SUSTENTABILIDADE REGULAMENTO DO CONCURSO DE IDEIAS (Aberto a todos os Cidadãos) 1. O QUE É: O concurso Uma Boa Ideia para a Sustentabilidade é uma iniciativa da Câmara Municipal de

Leia mais

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido.

Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2015 ÍNDICE Nota Introdutória Erro! Marcador não definido. Ações Educação e Formação 2 Ação Social 3 Gestão Participada e Finanças 4 Saúde 5 Desporto 5 Juventude 6 Cultura 6 Turismo

Leia mais

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico

Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico Empreendimentos Turísticos Como Instalar ou Reconverter Novo Regime Jurídico, Turismo de Portugal, I.P. Rua Ivone Silva, Lote 6, 1050-124 Lisboa Tel. 211 140 200 Fax. 211 140 830 apoioaoempresario@turismodeportugal.pt

Leia mais

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020

Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Programa Operacional Regional Alentejo 2014/2020 Universidade de Évora, 10 de março de 2015 Identidade, Competitividade, Responsabilidade Lezíria do Tejo Alto Alentejo Alentejo Central Alentejo Litoral

Leia mais

Luis Natal Marques, Gebalis EEM

Luis Natal Marques, Gebalis EEM Luis Natal Marques, Gebalis EEM TÓPICOS I. Porquê Responsabilidade Social (RS)? II. As Empresas de Serviços de Interesse Geral (SIGs) III. Mais valias da Responsabilidade Social nas Empresas de Serviço

Leia mais

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013

E N T I D A D E P L A N O D E A C T I V I D A D E S M U N I C I P A L MUNICIPIO DE MORA DO ANO 2013 PÁGINA : 1 1. Funções gerais 25.122,75 53.500,00 53.500,00 55.105,00 51.456,00 53.001,00 238.184,75 1.1. Serviços gerais de 12.275,53 30.500,00 30.500,00 31.415,00 27.054,00 27.866,00 129.110,53 administração

Leia mais

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO

MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 DOTAÇÃO MOVIMENTO DO PERIODO MOVIMENTO ACUMULADO SALDO MPS PERIODO : JANEIRO A NOVEMBRO - 2014/11/30 2014/12/15 2014 1 010101 TITULARES DE ÓRGÃOS DE SOBERANIA E 98.400,00 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 98.400,00 98.373,57 77.242,97 77.242,97 26,43

Leia mais

para um novo ano lectivo

para um novo ano lectivo Ano Lectivo 2008/09 20 medidas de política para um novo ano lectivo Este documento apresenta algumas medidas para 2008/09: Apoios para as famílias e para os alunos Modernização das escolas Plano Tecnológico

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO

REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO REGULAMENTO INTERNO CENTRO COMUNITÁRIO INTRODUÇÃO A cultura Comunitária é a expressão concreta de tentar proporcionar aqueles que mais precisam a ajuda necessária para começar de novo a viver. O Centro

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

45.761,92 61.02 45.761,92 45.761,92 75.000,00 45.761,92 7.500,00 730.800,00 864.800,00 134.000,00 730.800,00 75.000,00 75.000,00

45.761,92 61.02 45.761,92 45.761,92 75.000,00 45.761,92 7.500,00 730.800,00 864.800,00 134.000,00 730.800,00 75.000,00 75.000,00 Pagina : 1 1. Funções gerais 2.391.613,00 2.641.653,00 5.033.266,00 711.967,19 711.967,19 29.77 14.15 1.1. Serviços gerais de administração pública 2.301.613,00 2.441.653,00 4.743.266,00 637.867,59 637.867,59

Leia mais

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor:

---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: - Conselho Municipal de Educação de Vila Real - Proposta de Regulamento ---------- 23. - Presente à reunião proposta do Vereador José Maria Magalhães do seguinte teor: A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE VIEIRA DO MINHO REGIMENTO INTERNO A lei nº 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo19º, nº 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

O Programa de Acção Territorial do Escarpão

O Programa de Acção Territorial do Escarpão O Programa de Acção Territorial do Escarpão João Telha CEDRU - Centro de Estudos e Desenvolvimento Regional e Urbano, Lda Seminário Indústria Extractiva Ordenamento Territorial e Licenciamento de Pedreiras

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM. Preâmbulo REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE SANTARÉM Preâmbulo A Lei n.º 159/99, de 14 de Setembro estabelece, no seu artigo 19.º, n.º 2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os

Leia mais

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo

Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo Regulamento de Apoio ao Movimento Associativo As associações são a expressão do dinamismo e interesse das populações que entusiasticamente se dedicam e disponibilizam em prol da causa pública. As associações

Leia mais

Desporto e Hábitos de Vida Saudável

Desporto e Hábitos de Vida Saudável Desporto e Hábitos de Vida Saudável SRA PRESIDENTE SRAS E SRS DEPUTADOS SR PRESIDENTE SRA E SRS MEMBROS DO GOVERNO Em primeiro lugar gostaria de cumprimentar a Srª Presidente da Assembleia, desejando-lhe

Leia mais

O Plano de Desenvolvimento Social

O Plano de Desenvolvimento Social O Plano de Desenvolvimento Social Introdução O Plano de Desenvolvimento Social (PDS) é um instrumento de definição conjunta e negociada de objectivos prioritários para a promoção do Desenvolvimento Social

Leia mais

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO

6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6. FINANCIAMENTO DA EDUCAÇÃO 6.1 RECURSOS ECONÓMICOS DESTINADOS À EDUCAÇÃO Competindo ao Ministério da Educação definir a política educativa e coordenar a sua aplicação, bem como assegurar o funcionamento

Leia mais

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento

MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA. Loja Social de Paredes de Coura. Regulamento MUNICÍPIO DE PAREDES DE COURA Loja Social de Paredes de Coura Regulamento Preâmbulo A pobreza e a exclusão social têm fortes efeitos no desenvolvimento da comunidade local e implicam o empobrecimento de

Leia mais

MINISTÉRIO DO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO AMBIENTE REPÚBLICA DE ANGOLA MINISTÉRIO DO AMBIENTE O Ministério do Ambiente tem o prazer de convidar V. Exa. para o Seminário sobre Novos Hábitos Sustentáveis, inserido na Semana Nacional do Ambiente que terá

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES

REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES REGULAMENTO INTERNO DE FUNCIONAMENTO DO BANCO LOCAL DE VOLUNTARIADO DE GUIMARÃES (aprovado por deliberação de Câmara de 16 de junho de 2011 em conformidade com as orientações do Conselho Nacional para

Leia mais

Município de Nisa. Balancete das Grandes Opções do Plano por Objectivos e Programas para o ano de 2011. No periodo de 01-01-2011 a 30-09-2011

Município de Nisa. Balancete das Grandes Opções do Plano por Objectivos e Programas para o ano de 2011. No periodo de 01-01-2011 a 30-09-2011 1 Funções Gerais 641.160,00 623.375,67 17.784,33 609.638,87 491.604,67 363.182,89 128.421,78 1 1,1 Administração Geral 577.940,00 571.093,15 6.846,85 557.356,35 449.322,15 324.728,79 124.593,36 1 1,1 2001/1

Leia mais

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo

Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Regulamento de Funcionamento do Banco Local de Voluntariado de Viana do Alentejo Preâmbulo O Decreto-Lei n.º 389/99, de 30 de Setembro, no art.º 21.º, atribui ao Conselho Nacional para a Promoção do Voluntariado

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

MUNICIPIO DE VINHAIS DO ANO 2015 PÁGINA : 1

MUNICIPIO DE VINHAIS DO ANO 2015 PÁGINA : 1 PÁGINA : 1 1. FUNCOES GERAIS 4.670.218,46 1.262.000,00 1.262.000,00 761.000,00 201.000,00 201.000,00 7.095.218,46 1.1. SERVICOS GERAIS DE 4.670.218,46 1.262.000,00 1.262.000,00 761.000,00 201.000,00 201.000,00

Leia mais

E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DOTAÇÕES INICIAIS MUNICÍPIO DE ÍLHAVO DO ANO 2015

E N T I D A D E P L A N O P L U R I A N U A L D E I N V E S T I M E N T O S DOTAÇÕES INICIAIS MUNICÍPIO DE ÍLHAVO DO ANO 2015 PÁGINA : 1 1. FUNÇÕES GERAIS 995.500,00 995.500,00 50.000,00 50.000,00 50.000,00 1.145.500,00 1.1. SERVIÇOS GERAIS DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA 995.500,00 995.500,00 50.000,00 50.000,00 50.000,00 1.145.500,00

Leia mais

APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS 2010. Generalidades / Enquadramento

APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS 2010. Generalidades / Enquadramento APRESENTAÇÃO DOS DOCUMENTOS PREVISIONAIS 2010 Os Documentos Previsionais para o Ano Financeiro 2010 foram elaborados de acordo com as regras definidas no POCAL Plano Oficial de Contabilidade das Autarquias

Leia mais