UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA JAVA JADER GUSTAVO DE CAMPOS SANTOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA JAVA JADER GUSTAVO DE CAMPOS SANTOS"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA JAVA JADER GUSTAVO DE CAMPOS SANTOS ACESSIBILIDADE EM APLICAÇÕES DESKTOP UTILIZANDO FERRAMENTAS JAVA MONOGRAFIA DE ESPECIALIZAÇÃO CORNÉLIO PROCÓPIO 2010

2 JADER GUSTAVO DE CAMPOS SANTOS ACESSIBILIDADE EM APLICAÇÕES DESKTOP UTILIZANDO FERRAMENTAS JAVA Monografia apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Especialista em Tecnologia Java pela Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Cornélio Procópio. Orientador: Prof. Dr. Luciano Tadeu Esteves Pansanato CORNÉLIO PROCÓPIO 2010

3 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS CORNÉLIO PROCÓPIO DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA JAVA PR UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ JADER GUSTAVO DE CAMPOS SANTOS ACESSIBILIDADE EM APLICAÇÕES DESKTOP UTILIZANDO FERRAMENTAS JAVA Monografia apresentada ao Curso de Especialização em Tecnologia Java da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Cornélio Procópio. Nota. COMISSÃO EXAMINADORA Prof. Dr. Luciano Tadeu Esteves Pansanato Universidade Tecnológica Federal do Paraná Prof. Ms. Eduardo Cotrin Teixeira Universidade Tecnológica Federal do Paraná Prof. Ms. Francisco Pereira Junior Universidade Tecnológica Federal do Paraná Cornélio Procópio, de de.

4 AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus por ter aberto as portas certas em minha vida e por ter me acompanhado sempre. À minha família por ter compreendido a minha ausência em alguns momentos para que eu pudesse concluir esse trabalho. Também ao meu Orientador, o Professor Dr. Luciano Tadeu Esteves Pansanato pelo incentivo, simpatia e presteza no auxílio às atividades durante o andamento e normatização desta Monografia. Agradeço ainda aos meus amigos, em especial ao Marcio Gabriel (in memorian) que se fez sempre solícito durante todo o período em que estudamos juntos, pela sua simpatia e carisma. A todos os professores que tentaram compartilhar um pouco do seu conhecimento, contribuindo para a formação do nosso pensamento crítico. E por último, aos que de uma forma direta ou indireta auxiliaram para a realização deste trabalho.

5 Nós não devemos deixar que as incapacidades das pessoas nos impossibilitem de reconhecer as suas habilidades. ( Hallahan e Kauffman, 1994)

6 RESUMO SANTOS, Jader Gustavo de Campos. Acessibilidade em Aplicações Desktop Usando Ferramentas Java f. Monografia (Especialização em Tecnologia Java) - Programa de Pós - Graduação Lato Sensu - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Cornélio Procópio, A acessibilidade é um assunto que é alvo de vários estudos nas mais diversas áreas porque o número de pessoas portadoras de algum tipo de necessidade especial é relevante tanto. O presente trabalho tem seu foco na acessibilidade digital, visto que a tecnologia da informação vem ganhando espaço na sociedade e está presente no dia a dia dos cidadãos. Existem diversas ferramentas que dão apoio a esse público específico, chamadas de tecnologias assistivas. Para que essas tecnologias possam funcionar de maneira satisfatória é necessário preparar as aplicações durante o desenvolvimento para que estas se tornem acessíveis. A tecnologia Java possui uma API (Interface de Programação de Aplicativos) específica, a API Java Accessibility, que contém classes e interfaces que, quando aplicadas, garantem ao software se tornar acessível às tecnologias assistivas. O presente trabalho teve como objetivo fazer um levantamento das ferramentas Java que proporcionam a acessibilidade às aplicações desktop. O uso da API Java Accessilibity e o pacote de utilitários de acessibilidade para fornecer apoio à API são suficientes para prover a acessibilidade. Palavras chave: Acessibilidade. Tecnologia Java. Inclusão Digital.

7 ABSTRACT SANTOS, Jader Gustavo de Campos. Accessibility in Desktop Applications Using Java Tools f. Monografia (Especialização em Tecnologia Java) - Programa de Pós - Graduação Lato Sensu - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Cornélio Procópio, Accessibility is a subject of several studies in different areas because of the number of people with some kind of disability is relevant. The present work is focused on digital accessibility, since the information technology has gained importance in society and the technology is present in the daily lives of citizens. There are several tools that give support to this specific audience, called assistive technologies. For these technologies work satisfactorily is necessary to prepare the applications during the development so that they become accessible. The Java technology has a specific API (Application Programming Interface), the Java Accessibility API, which contains classes and interfaces that, when applied, ensures that the software becomes accessible to assistive technologies. The present work aimed to do a survey of Java tools that provide accessibility to desktop applications. The use of Java Accessibility API and the utilities package to provide support for the API are enough to provide accessibility. Keyword: Accessibility. Java Technology. Digital Inclusion.

8 LISTA DE FIGURAS Figura 1 - Desafios para a Inclusão Digital Figura 2 - Inclusão Figura 3 - Interface como responsável pelas conexões homem-computador Figura 4 - Adaptações Físicas Figura 5 - Teclado Expandido Figura 6 - Diagrama de como a Java Accessibility Bridge trabalha... 24

9 LISTA DE QUADROS Quadro 1 - Interface X Deficiência motora Quadro 2 - Interface X Deficiência visual Quadro 3 - Interface X Deficiência auditiva Quadro 4 - Interface X Deficiência mental Quadro 5 - Checklist de acessibilidade para Software IBM - Versão

10 LISTA DE SIGLAS API Application Programming Interface IHC Interação Homem-Computador JFC Java Foundation Classes PNE Pessoa com Necessidades Especiais TICs Tecnologias da Informação e Comunicação

11 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO INCLUSÃO DIGITAL DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS ACESSIBILIDADE ACESSIBILIDADE DIGITAL TECNOLOGIA ASSISTIVA ACESSIBILIDADE COM TECNOLOGIA JAVA REQUISITOS DE ACESSIBILIDADE PARA APLICAÇÕES A API JAVA ACCESSIBILITY CLASSES E INTERFACES DA API JAVA ACCESSIBILITY CONCLUSÃO REFERÊNCIAS... 34

12 11 1. INTRODUÇÃO A inclusão social é um tema que vem sendo discutido com freqüência. Conseqüentemente, também, vêm sendo discutidas também as questões da inclusão digital, pois as pessoas estão inseridas em um contexto em que cada vez mais se tornam dependentes da informação nas suas atividades rotineiras, fenômeno este chamado de sociedade da informação. Essa sociedade da informação vem alterando os hábitos da vida cotidiana porque as tecnologias da informação estão presentes nas escolas, bancos, lojas, casas. Depara-se com isso ao utilizar equipamentos domésticos, aparelhos celulares, computadores, ou até mesmo consultar a situação bancária em um terminal de auto-atendimento. Para Balboni (2007), neste novo contexto global, a informação passou a ser o produto mais importante para o desenvolvimento econômico, político e social de cada nação. Entretanto, boa parte da população vive às margens dessas tecnologias por não saber como manuseá-las. O problema da exclusão digital ganha uma dimensão ainda mais complexa quando o usuário é portador de necessidades especiais. Isso porque, além dos fatores sócio-econômicos, existem as barreiras físicas que dificultam o acesso do usuário ao computador. Portanto, é necessário ressaltar questões sobre a acessibilidade, tanto física e arquitetônica, quanto nos softwares instalados nos computadores. No entanto, deve-se pensar em acessibilidade de forma consciente, visto que existem até mesmo leis federais que garantem aos usuários esse tipo de serviço. A motivação para esse trabalho surge da necessidade de levantar informações que possam colaborar para a redução do quadro de pessoas portadoras de necessidades especiais que estão excluídas digitalmente. No Brasil, no último censo demográfico realizado, foi constatado que pelo menos 14% da população possuem algum tipo de deficiência, sendo ela física ou mental (IBGE, 2000). Existem atualmente algumas ferramentas disponíveis para esse grupo de pessoas. Essas ferramentas são softwares que fornecem auxilio aos usuários, chamadas tecnologias assistivas, e estão incluídos os leitores de tela, sintetizadores

13 12 de voz, teclados virtuais, etc. Para que essas tecnologias possam funcionar de maneira satisfatória, é necessário que os programas que os usuários utilizam forneçam suporte para essas ferramentas. Neste trabalho, é apresentado um estudo das ferramentas Java que garantem a acessibilidade em aplicações desktop, sendo identificada a existência de uma API de acessibilidade que garante às aplicações o necessário para trabalhar em conjunto com as tecnologias assistivas. Para fornecer uma abordagem do assunto, esta monografia foi dividida em 5 capítulos. O primeiro capítulo envolve a presente introdução. No capítulo dois, o foco é sobre a inclusão digital de pessoas com necessidades especiais, abordando o conceito de inclusão digital e os tipos de necessidades especiais. Na sequência, o capítulo 3 apresenta um resumo geral sobre a acessibilidade, com foco na acessibilidade digital, trazendo os conceitos e as vantagens para os usuários. Ainda no capítulo 3, é feito um estudo sobre as tecnologias assistivas, esclarecendo os conceitos e os principais recursos disponíveis. No capítulo 4, é apresentada a acessibilidade mediada pela tecnologia Java, são levantados os requisitos de acessibilidade para as aplicações e é apresentada a API Java Accessibility, que garante o suporte para as tecnologias assistivas. Em seguida, no capítulo 5, é apresentada a conclusão.

14 13 2. INCLUSÃO DIGITAL DE PESSOAS COM NECESSIDADES ESPECIAIS Para Hazard et. al. (2007), após muito tempo de rejeição e abandono nos dois últimos séculos, as pessoas com deficiência passaram a ser objeto de políticas especiais que visam à qualificação ou habilitação dessas pessoas para que elas possam se interagir na sociedade. Ao se discutir sobre inclusão digital, deve-se considerá-la como sendo um processo que envolve muito mais que ter ou não acesso a um computador, é preciso o indivíduo ter a capacidade de operá-lo com autonomia. Nesse sentido, Azevedo e Barros (2004) consideram a inclusão como o movimento permanente na busca de igualdade de condições e oportunidades para evitar diversas situações de privação. O desafio está, portanto, em oferecer, de maneira permanente, igualdade na condição de obtenção dessas oportunidades. Para Passerino e Montardo (2007), a questão envolve muito mais que indivíduos incluídos ou excluídos, e sim de grupos em contextos sociais que participam do fenômeno da inclusão como processo social em busca de melhoria na qualidade de vida dos membros do grupo. Para inserir esses membros da sociedade na era digital, surgem alguns desafios da inclusão digital, ilustrados na figura 1: favorecer o acesso do cidadão ao mundo virtual, reduzir o analfabetismo digital (que implica em fornecer noções básicas sobre sistemas informatizados) e melhorar a qualidade da interface gráfica disponibilizada, adaptando-a ao seu público-alvo (SILVINO E ABRAHÃO, 2003). Figura 1 - Desafios para a Inclusão Digital Fonte: Silvino e Abrahão (2003).

15 14 Para as pessoas com necessidades especiais (PNEs), o processo de inclusão digital envolve barreiras arquitetônicas, de comunicação e de acesso físico a equipamentos e programas adequados, onde são necessárias ferramentas que possibilitem uma adaptação do equipamento para que o usuário possa utilizá-lo de maneira satisfatória, como ilustrado na figura 2. Para os PNEs as dificuldades para utilização de computadores vão além do acesso às máquinas e à rede, pois eles apresentam diferentes tipos de deficiências para as quais os softwares e hardwares, de forma geral, não estão preparados (ALVES et. al., 2002). Figura 2 - Inclusão por meio de adaptação física Fonte: Soares (2008). O número de brasileiros com necessidades especiais ultrapassa 24,6 milhões de pessoas, isto é, 14% da população brasileira é constituída por pessoas com pelo menos algum tipo de deficiência (IBGE, 2000). Essa parcela da população é considerada com necessidades especiais por se enquadrar em uma das seguintes categorias contidas no Decreto no 3.298, de 20 de dezembro de 1999: Deficiência física: alteração completa ou parcial de um ou mais segmentos do corpo humano, acarretando o comprometimento da função física, apresentando-se sob a forma de paraplegia, paraparesia, monoplegia, monoparesia, tetraplegia, tetraparesia, triplegia, triparesia, hemiplegia, hemiparesia, amputação ou ausência de membro, paralisia cerebral,

16 15 membros com deformidade congênita ou adquirida, exceto as deformidades estéticas e as que não produzam dificuldades para o desempenho de funções. Deficiência auditiva: perda parcial ou total das possibilidades auditivas sonoras, variando em graus e níveis que vão de 25 decibéis (surdez leve) à anacusia (surdez profunda). Deficiência visual: acuidade visual igual ou menor que 20/200 no melhor olho, após a melhor correção, ou campo visual inferior a 20 (tabela de Snellen), ou ocorrência simultânea de ambas as situações. Deficiência mental: funcionamento intelectual geral significativamente abaixo da média, oriundo do período de desenvolvimento, concomitante com limitações associadas a duas ou mais áreas da conduta adaptativa ou da capacidade do indivíduo em responder adequadamente às demandas da sociedade. Deficiência múltipla: associação, no mesmo indivíduo, de duas ou mais deficiências primárias (mental/visual/auditiva/física), com comprometimentos que acarretam conseqüências no seu desenvolvimento global e na sua capacidade adaptativa. Na tentativa de inclusão social dessas pessoas com necessidades especiais, o avanço das Tecnologias da Informação e da Comunicação (TICs) no país tem sido acompanhado por políticas públicas e privadas, voltadas à inclusão digital, em especial à universalização do acesso à era digital (BALBONI, 2007; MOURÃO et al., 2009).

17 16 3. ACESSIBILIDADE Ao discutir a inclusão das pessoas com necessidades especiais, é imprescindível levar em consideração as questões de acessibilidade. como: O Decreto de 2 de dezembro de 2004 define a acessibilidade condição para utilização, com segurança e autonomia, total ou assistida, dos espaços, mobiliários e equipamentos urbanos, das edificações, dos serviços de transporte e dos dispositivos, sistemas e meios de comunicação e informação, por pessoa portadora de deficiência ou com mobilidade reduzida. (BRASIL, 2004). Teixeira (2008) complementa a definição supracitada, afirmando que a acessibilidade é uma das formas de promoção da equiparação de oportunidades entre os cidadãos, de modo que se criem possibilidades de acesso, possibilitando que todas as pessoas exerçam sua cidadania de maneira mais justa ACESSIBILIDADE DIGITAL No que diz respeito à acessibilidade digital, o conceito de acessibilidade se aplica ao acesso à informação por algum tipo de dispositivo eletrônico, seja um computador de mesa, um notebook ou celular, de forma que as barreiras sejam quebradas, mediante adaptação de hardware e utilização de softwares especializados. Passerino e Montardo (2007) confirmam essa afirmação destacando que a acessibilidade digital só pode ser proporcionada através de uma combinação entre hardware e software, que oferecem, respectivamente, os mecanismos físicos para superar barreiras de percepção e o acesso a funções e informações. De acordo com o modelo de acessibilidade proposto pelo Governo Eletrônico (2005), no que se refere ao acesso ao computador, são identificadas quatro situações adversas para os PNEs: Dificuldades na utilização do mouse: pessoas com deficiências visuais e pessoas com amputações ou dificuldades de movimentos sentem várias

18 17 dificuldades na utilização do mouse. Portanto, deve-se viabilizar o acesso ao computador sem mouse. Dificuldades na utilização do teclado: pessoas com amputações ou restrições de movimentos têm dificuldades para usar um teclado tradicional. Nesses casos, deve-se viabilizar o acesso ao computador sem teclado, isto é, a interação deve poder ser feita através de um periférico especial ou pelo reconhecimento da voz. Dificuldades na visualização do monitor: como a informação processada por um computador é exibida em um monitor de vídeo, os cegos ou pessoas com dificuldades visuais graves precisam recorrer a um outro dispositivo para obter a informação da tela. Deve-se então ser fornecido um programa leitor de tela, isto é, um software capaz de captar a informação do vídeo e enviá-la para um sintetizador de voz ou para um terminal Braille. Dificuldades na obtenção de sons de dispositivos de áudio: pessoas com problemas de audição possuem dificuldade em acessar informações disponíveis somente através de dispositivos de áudio. Deve-se emitir a informação também de outra forma. O conceito de acessibilidade vem de encontro com esses problemas na tentativa de resolvê-los, de maneira que cada vez mais as pessoas com necessidades especiais possam ter acesso à informação no formato digital. No entanto, para tornar possível a inclusão digital, é necessário fazer uso de tecnologias de apoio para dar suporte às PNEs, conhecidas como tecnologias assistivas TECNOLOGIA ASSISTIVA O termo assistive technology, traduzido para o português como tecnologia assistiva, ainda não possui definição nos dicionários da língua portuguesa. No entanto, considerando que a palavra significa alguma coisa que assiste, auxilia, pode-se definir o termo tecnologia assistiva como a tecnologia que dá suporte às pessoas com necessidades especiais, adaptando e/ou fornecendo

19 18 dispositivos necessários para que essas pessoas possam realizar atividades da maneira mais independente possível. Lima (2003) em seus estudos define que As tecnologias assistivas, também denominadas de ajudas técnicas, têm como objetivo proporcionar às pessoas com necessidades especiais, maior independência, melhor qualidade de vida e inclusão social, através da ampliação de sua comunicação, mobilidade, controle de seu ambiente, habilidades de seu aprendizado, trabalho e integração com a família, amigos e sociedade. (LIMA, 2003). A tecnologia assitiva, quando aplicada adequadamente, é fundamental na garantia de acessibilidade às mesmas atividades realizadas pelas pessoas sem necessidades especiais. Essas técnicas podem eliminar ou minimizar as limitações funcionais, permitindo seu desempenho e interação nas mais diversas situações cotidianas como, por exemplo, o acesso à informação e comunicação (MARTINS NETO & ROLLENBERGER, 2006 apud TEIXEIRA, 2008). Neste trabalho, o termo tecnologia assistiva designa os equipamentos (hardware) e os programas (software) e se restringe aos componente eletrônicos digitais de hardware (dispositivos de entrada e/ou saída de hardware) e o software, ambos têm como função mediar a interação homem-computador, possibilitando às PNEs a realização de atividades motoras, perceptivas e cognitivas. Considerando o computador como ferramenta de ajuda para PNEs, é preciso diferenciar duas dimensões que envolvem a tecnologia informática, ou seja, o hardware e o software que irão coordenar a Interação Homem-Computador (IHC) (HOGETOP E SANTAROSA, 2002). Hogetop e Santarosa (2002) afirmam ainda que o sucesso na interação PNE-Computador consiste basicamente em ser o mais simples e amigável possível, oferecendo uma ponte através da qual as peculiaridades individuais são contempladas. A figura 3 apresenta os elementos envolvidos na dinâmica da interação PNE-Computador, visto que a interface é a ponte de ligação entre o usuário e o computador.

20 19 Figura 3 - Interface como responsável pelas conexões homem-computador Fonte: Silveira (1999) apud Lima (2003). No que diz respeito à adaptação física, existem alguns aparelhos ou adaptações que podem ser fixadas no corpo da PNE, como ilustrado na figura 4, e que facilitam a interação desta com o computador. Estabilizador de Punho e abdutor de polegar Pulseira de Pesos Figura 4 - Adaptações Físicas Fonte: Galvão Filho e Damasceno (2008). Existem também adaptações feitas no hardware. Essas adaptações variam de acordo com a deficiência da pessoa com necessidade especial. Essas ajudas técnicas de hardware, como ilustrado na figura 5, podem ser adquiridas ou criadas para atender a necessidade específica da PNE. Dessa maneira, são encontradas com muita freqüência soluções de baixo custo, ou até mesmo gratuitas, mas de alta funcionalidade.

21 20 Figura 5 - Teclado Expandido Fonte: Prefeitura de São Paulo (2006). Campos e Silveira (1998) fizeram um levantamento das possíveis tecnologias e interfaces a serem empregadas para as pessoas com necessidades especiais, de acordo com o tipo de necessidade, esse levantamento é reforçado por Tanaka (2004). Os quadros 1 a 4 mostram o resultado desses estudos. Privilegiar Sistemas de varredura (simulador de teclado e mouse) Sistemas comunicadores alternativos (tabuleiros) Predição de palavras c/ armazenamento das mais utilizadas Adaptação às preferências do usuário nos sistemas de varredura (p/ controle de velocidade de sistemas de varredura, p. ex.) Boa distribuição das informações na tela Teclado ampliado, tela sensível ao toque/sopro, próteses Quadro 1 - Interface X Deficiência motora Fonte: Campos e Silveira (1998); Tanaka (2004) Evitar Ícones e letras pequenos Uso excessivo de opções na tela Mouse e joystick Privilegiar Uso de som Tamanho grande das fontes Teclado e impressora Braille, monitores de maior tamanho possível, tela sensível ao toque, sistema de som no computador (placa de som, microfone e caixas de som ou fones de ouvido) Quadro 2 - Interface X Deficiência visual Fonte: Campos e Silveira (1998); Tanaka (2004) Evitar Excesso de opções Uso de muitas cores Ícones e letras pequenos Uso excessivo do mouse

22 21 Privilegiar Uso da língua de sinais Ícones e mensagens na forma gráfica Textos pequenos e claros, com verbos no infinitivo Animações e filmes Vídeo colorido de alta resolução, microfone (treinamento de voz) Quadro 3 - Interface X Deficiência auditiva Fonte: Campos e Silveira (1998); Tanaka (2004) Privilegiar Ambientes abertos como o Logo, que permitem livre interação e possibilidade de análise das interações Interação Ícones Textos pequenos Animações, filmes e sons Teclado, mouse, tela sensível ao toque, sistema de som no computador (placa de som, microfone e caixas de som ou fones de ouvido) Quadro 4 - Interface X Deficiência mental Fonte: Campos e Silveira (1998); Tanaka (2004) Evitar Textos longos Linguagem conotativa (não-usual) Mesóclises Onomatopéias, gírias, metáforas, palavras pouco utilizadas Ambigüidades Som (exceto para aqueles com resto auditivo) Evitar Textos longos Gírias, expressões e palavras pouco utilizadas Já recurso técnico oferecido pelos softwares conta com diversos utilitários. Os programas variam de acordo com as necessidades especiais de cada usuário. Hogetop e Santarosa (2002) exemplificam alguns desses recursos, de acordo com os dispositivos de entrada e saída de dados: Dispositivos de entrada de dados: Acionadores: oferecem uma forma de entrada de informações no computador quando o teclado e/ou o mouse não são possíveis, podendo ser acionado por movimentos como o piscar dos olhos, sopro e gemido; Reconhecimento de voz: é utilizado para o usuário falar um comando ou outra informação para o computador em vez de utilizar o teclado ou o mouse para a entrada de dados. Dispositivos de saída de dados: Sintetizador de Voz: é um processo de produção artificial de voz humana; Leitor de Tela: estes programas vão passando por textos e imagens e, sob a ajuda de um sintetizador de voz, reproduz para a pessoa o que está na tela;

23 22 Ampliador de Tela: funciona como uma lupa, aumentando o tamanho dos itens exibidos na tela do computador.

24 23 4. ACESSIBILIDADE COM TECNOLOGIA JAVA Na tentativa de reduzir as barreiras entre as pessoas portadoras de necessidades especiais e o computador, a tecnologia Java conta com recursos que dão suporte à acessibilidade. A questão da acessibilidade foi introduzida na tecnologia Java a partir de março de 1996, por meio de um relatório encomendado pela Sun Microsystems (SUN MICROSYSTEMS, 1998a). Há quatro áreas em que a Sun está construindo apoio para a Acessibilidade na plataforma Java: API Java Accessibility; Java Accessibility Utilities; Java Accessibility Bridge; Pluggable Look and Feel do Java Foundation Classes (JFC). A API (Application Program Interface) Java Accessibility define o contrato entre o os componentes de interface do usuário e uma tecnologia assistiva para o acesso a esse aplicativo Java. Se um aplicativo Java apóia plenamente a API Java Accessibility, então ele é compatível com as tecnologias assistivas, como leitores de tela, ampliadores de tela, etc (ORACLE e SUN, 2004 apud DIAS, 2010). Além da API de acessibilidade, existe também o Java Accessibility Utilities, disponibilizado pela Sun a fim de fornecer acesso aos aplicativos Java, fornecendo suporte necessário para as tecnologias assistivas na localização dos objetos que implementam a API Java Accessibility. Esse conjunto de classes é disponibilizado separadamente da API de acessibilidade (DIAS, 2010). A fim de fornecer acesso a aplicativos Java, uma tecnologia assistiva requer mais do que a API de acessibilidade: requer também apoio na localização de objetos que implementam a API, bem como suporte para o carregamento na Máquina Virtual Java, rastreamento eventos, etc. O Java Accessibility Utilities fornece esta assistência. (SUN MICROSYSTEMS, 1999). No que diz respeito a Java Accessibility Bridge, ela funciona como uma ponte entre a JVM e o ambiente nativo. Portanto, pode-se enfatizar que as aplicações Java são executadas em uma ampla variedade de sistemas operacionais, sendo que muitos dos quais disponibilizam tecnologias assistivas (por

25 24 exemplo, Macintosh, OS/2, Microsoft Windows). Para que as tecnologias de apoio existentes considerem o acesso a aplicativos Java, elas precisam de uma ponte entre o ambiente nativo do sistema operacional e a máquina virtual Java que dá suporte aos recursos de Acessibilidade. Esta ponte, em razão do efeito em parte na máquina virtual Java e parte sobre a plataforma nativa, será ligeiramente diferente para cada plataforma (SUN MICROSYSTEMS, 1998a). Para que as tecnologias assistivas disponíveis nos sistemas operacionais possam fornecer acesso aos aplicativos Java, eles precisam de alguma forma para se comunicar com o suporte de acessibilidade Java. O Java Accessibility Bridge suporta essa comunicação. Esta ponte é uma classe que contém métodos nativos, visto que parte do código dessa classe é realmente fornecido por uma DLL no Sistema Operacional (SO). A tecnologia assistiva em execução no SO, por exemplo, um leitor de tela Macintosh, se comunica com o sistema através da DLL que faz a ponte na parte nativa, que por sua vez se comunica com a máquina virtual Java e de lá para o suporte ao pacote Java Accessibility utility e à API Java Accessibility implementada no aplicativo Java que está fornecendo acesso. A figura 6 exemplifica como é feita a comunicação no Java Accessibility Bridge. Figura 6 - Diagrama de como a Java Accessibility Bridge trabalha Fonte: Sun Microsystens (1998a). O Java Foundation Classes, ou JFC, é um conjunto de novas tecnologias, que representa a base para a criação de aplicativos Java. O "swing",

26 25 conjunto de componentes de interface do usuário, também é construído com base na JFC, usando uma arquitetura Pluggable Look and Feel. Esta arquitetura separa a implementação dos componentes de interface do usuário de sua apresentação. Em uma base de componente por componente, a apresentação é determinada por meio de programação, e pode ser escolhida pelo usuário. Em vez de uma apresentação visual, o usuário poderia escolher uma apresentação de áudio (ou tátil) como, por exemplo, uma apresentação das informações em Braile, ou uma combinação dos dois. Com este suporte, o usuário não precisaria de um software externo para interpretar a apresentação visual do programa na tela; em vez disso, o acesso seria direto ao programa porque a interação com o usuário acontece em sua modalidade desejada (SUN MICROSYSTENS, 1998a). É importante destacar que, das quatro áreas que a Sun dá suporte às tecnologias assistivas, o foco deste trabalho é a API Java Accessibility, descrita na seção 4.2 deste trabalho REQUISITOS DE ACESSIBILIDADE PARA APLICAÇÕES Para que uma aplicação possa ser considerada acessível, existe um conjunto de critérios que precisam ser atendidos. Os requisitos de acessibilidade da Tecnologia Java seguem os padrões exigidos pela lei americana, uma vez que, desde 1973, quando a Seção 508 da Lei federal de Reabilitação foi criada, os órgãos federais dos Estados Unidos são obrigados a comprar produtos eletrônicos e de tecnologia da informação e serviços que atendam as normas da referida seção (ORACLE E SUN, 2010). Um checklist de acessibilidade foi criado para as aplicações desenvolvidas com a tecnologia Java. No entanto, essa lista de verificação se fundiu ao checklist de acessibilidade dos softwares da IBM, e a lista Java não está mais disponível. Portanto, os desenvolvedores e testadores Java devem usar o checklist de acessibilidade para software da IBM para o cumprimento de todos os requisitos de acessibilidade (IBM, 2009).

27 26 Compreender a acessibilidade exige uma tomada de consciência das necessidades especiais dos grupos de múltiplos usuários, incluindo pessoas com deficiência e usuários com deficiência em razão da idade. A pessoa com deficiência pode encontrar barreiras que podem ser eliminadas ou minimizadas pelo software. As quatro principais categorias de deficiência são: visão, audição, mobilidade e cognitiva. Assim, a versão 3.6 do checklist de acessibilidade para softwares IBM, lançada em outubro de 2009, é utilizada em (IBM, 2009): Aplicações Eclipse que utilizam o controle Standard Widget Toolkit (SWT); Aplicações Java 2 ou posterior que utilizam Swing; Aplicações Java 1.1.x que utilizam o Abstract Window Toolkit (AWT); Produtos com linha de comando ou interfaces green screen ; Softwares e aplicações que têm uma interface com o usuário. No Quadro 5 é descrito o checklist da IBM para acessibilidade em Java. Checklist de acessibilidade para Software IBM - Versão ACESSO AO TECLADO 1.1 Fornecer equivalência no teclado para todas as ações Não interferir nas funcionalidades na acessibilidade do teclado 1.2 incorporadas pelo sistema operacional 2 INFORMAÇÕES DO OBJETO Fornecer um indicador de foco visual que se move entre os objetos interativos conforme o foco de entrada vai mudando. Este indicador de 2.1 foco deve ser programaticamente exposto pela tecnologia assistiva Fornecer informação semântica sobre objetos de interface do usuário. Quando uma imagem representa um elemento do programa, a informação veiculada pela imagem também deve estar disponível no texto. Associar rótulos com os controles, objetos, ícones e imagens. Se uma imagem é usada para identificar os elementos programáticos, o significado da imagem deve ser consistente em todo o aplicativo. Quando formulários eletrônicos são utilizados, deve permitir que as pessoas que utilizam a tecnologia assistiva para acessar as informações, elementos de campo e funcionalidade necessária para a o preenchimento e envio do formulário, incluindo todas as direções e e sugestões. 3 SONS E MULTIMÍDIA Fornecer uma opção de sinalização visual para todos os alertas de 3.1 áudio. 3.2 Fornecer alternativas acessíveis para áudio e vídeo significativos. 3.3 Fornecer uma opção para ajuste de volume. Sim Não Planejado N/A Sim Não Planejado N/A Sim Não Planejado N/A Comentários Comentários Comentários

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 055/2005 Aprova o Programa de Atendimento a Pessoas com Necessidades Especiais da Universidade do Contestado-UnC O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições,

Leia mais

Informática na Educação Especial

Informática na Educação Especial Informática na Educação Especial Ciência da Computação Informática na Educação Educação Psicologia Sociologia... Profª. Dr ª. Márcia de Borba Campos - marciabc@inf.pucrs.br Profª. Dr ª. Milene Selbach

Leia mais

Acessibilidade à pessoa com deficiência

Acessibilidade à pessoa com deficiência Acessibilidade à pessoa com deficiência V1.01 - Novembro de 2012 1. Sigla E-EQI-01 Sumário: Sigla Nome Conceituação Domínio Relevância Importância Estágio do Ciclo de Vida Método de Cálculo Definição de

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL Atendimento Educacional Especializado (AEE) O Atendimento Educacional Especializado (AEE) é um serviço da Educação Especial que organiza atividades, recursos pedagógicos

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2012. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2012. Manual do Usuário 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO

Leia mais

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014

A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 A PESSOA COM DEFICIENCIA E O TRABALHO APAMT 25-10 - 2014 PERIODIZAÇÃO DA HISTÓRIA IDADE ANTIGA 4000AC A 476 DC (Queda do Império Romano do Ocidente) IDADE MÉDIA 476 DC A 1453 (Queda do Império Romano do

Leia mais

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão.

Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 215 Departamento de Governo Eletrônico Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. www.governoeletronico.gov.br Recomendações de Acessibilidade para

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE Edital nº 001/2014 SELEÇÃO DE REPRESENTANTES DA COMUNIDADE UNIVERSITÁRIA PARA COMPOR O COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE

Leia mais

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual

Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Técnicas Assistivas para Pessoas com Deficiência Visual Aula 15 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE.

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2013. Manual do Usuário MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual

Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual Tecnologias de Informação voltadas para pessoas com deficiência visual (Technologies of Information destined to peoples with visual deficiency) Daniela Ragazzi dos Santos 1 ; Sérgio Ricardo Borges 2 1

Leia mais

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL

20 EDUCAÇÃO ESPECIAL EDUCAÇÃO ESPECIAL 20 21 EDUCAÇÃO ESPECIAL NA PERSPECTIVA INCLUSIVA A Educação Especial, de acordo com a legislação brasileira, é uma modalidade de ensino transversal, que perpassa todos os níveis de ensino

Leia mais

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO

TÍTULO: AUTORES: ÁREA TEMÁTICA: INTRODUÇÃO TÍTULO: ACESSIBILIDADE AO COMPUTADOR POR PESSOAS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: EXPERIÊNCIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES AUTORES: Silvia Sales de Oliveira; Maria da Piedade Resende da Costa; Nadja

Leia mais

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca

PROPLAN Diretoria de Informações. Tutorial SisRAA Biblioteca PROPLAN Tutorial SisRAA Biblioteca Ana Carla Macedo da Silva Jaciane do Carmo Ribeiro Diego da Costa Couto Mauro Costa da Silva Filho Dezembro 2014 SUMÁRIO 1. Menu: Acessibilidade... 3 1.1 Opção de menu:

Leia mais

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação

Pessoas com deficiência são aquelas que têm impedimentos de longo prazo de natureza física, mental, intelectual ou sensorial, os quais, em interação Deficiência Deficiência Estabelecidos pelo Decreto Federal 3.298 de 20 de dezembro de 1999 (art. 3º, I e 4 ), que foi alterado pelo Decreto 5.296 de 02 de dezembro de 2004. É todo e qualquer comprometimento

Leia mais

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007

1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais. Acessibilidade. Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 1o. Seminário Gestão de Informação Jurídica em Espaços Digitais Acessibilidade Prof. José Antonio Borges NCE/UFRJ Fev / 2007 Entendendo o problema: Porque desenvolver sistemas que permitam o acesso a pessoas

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2014 GLOSSÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE ESTATÍSTICAS EDUCACIONAIS COORDENAÇÃO GERAL DO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR

Leia mais

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL

GLOSSÁRIO DA EDUCAÇÃO ESPECIAL GOVERNO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO DE ENSINO SUPERINTENDÊNCIA PEDAGÓGICA DIRETORIA DE INTEGRAÇÃO EDUCACIONAL COORDENAÇÃO DE INCLUSÃO EDUCACIONAL GLOSSÁRIO

Leia mais

PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA OU AVALIAÇÃO DE COISAS OU PESSOAS, MATÉRIA, COM A FINALIDADE DE DAR UM PARECER TÉCNICO E CONCLUSIVO.

PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA OU AVALIAÇÃO DE COISAS OU PESSOAS, MATÉRIA, COM A FINALIDADE DE DAR UM PARECER TÉCNICO E CONCLUSIVO. A PERÍCIA E OS PORTADORES DE NECESSIDADES ESPECIAIS XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE PERÍCIA MÉDICA PERÍCIA E JUSTIÇA SOCIAL Novembro de 2008 MARCO AURÉLIO DA SILVA CESAR PERÍCIA PERÍCIA É O EXAME, VISTORIA

Leia mais

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por:

Em que consiste o DOSVOX O programa é composto por: Projeto DOSVOX O que é o DOSVOX O DOSVOX é um sistema para microcomputadores que se comunica com o usuário através de síntese de voz, viabilizando, deste modo, o uso de computadores por deficientes visuais,

Leia mais

Análise das características dos sistemas de Informação para deficientes visuais no Brasil baseado na norma NBR ISO/IEC 9126

Análise das características dos sistemas de Informação para deficientes visuais no Brasil baseado na norma NBR ISO/IEC 9126 Análise das características dos sistemas de Informação para deficientes visuais no Brasil baseado na norma NBR ISO/IEC 9126 Ciro Luís Theodoro Faculdade de Tecnologia de São Paulo São Paulo Brasil cirotheodoro@hotmail.com

Leia mais

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual

Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Usabilidade e Acessibilidade na Web: Uma análise destes conceitos do ponto de vista de um deficiente visual Gláucio Brandão de MATOS 1 ; Alisson RIBEIRO 2 ; Gabriel da SILVA 2 1 Ex-aluno do Curso Superior

Leia mais

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem

Unidade 4: Contextualização de Objetos de Aprendizagem Coordenação: Juliana Cristina Braga Autoria: Rita Ponchio Você aprendeu na unidade anterior a importância da adoção de uma metodologia para a construção de OA., e também uma descrição geral da metodologia

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES

IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES ANEXO III LAUDO DE COMPROVAÇÃO DE DEFICIÊNCIA AUDITIVA E/OU VISUAL Serviço Médico/Unidade de Saúde: CNES: IDENTIFICAÇÃO DO REQUERENTE E DADOS COMPLEMENTARES Nome: Data de Nascimento: / / Sexo: Feminino

Leia mais

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010

Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 Pesquisa sobre o perfil dos alunos com deficiência da PUC/SP Dezembro/2010 As Instituições de Ensino Superior se vêem, cada vez mais, diante do desafio de criar estratégias eficazes que promovam a inclusão,

Leia mais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais

e-mag Checklist de Acessibilidade Manual para Deficientes Visuais Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Secretaria de Logística e Tecnologia da Informação Departamento de Governo Eletrônico Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Leia mais

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO

FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine ROCHA HUFFELL, Jefferson Lima BRAGA Maria Tereza Comunicação Oral RESUMO AS TECNOLOGIAS FAZENDO A DIFERENÇA NO DESEMPENHO ESCOLAR DOS ALUNOS DEFICIENTES VISUAIS NA ESCOLA INSTITUTO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO ISABEL DE ESPANHA 28ª CRE FERREIRA, Ana Lúcia BRIZOLARA TRINDADE, Elaine

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2008. O CONGRESSO NACIONAL decreta:

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2008. O CONGRESSO NACIONAL decreta: PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2008 Altera a Lei nº 9.250, de 26 de dezembro de 1995, que altera a legislação do imposto de renda das pessoas físicas e dá outras providências, para permitir a dedução

Leia mais

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD

TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD TECNOLOGIAS WEB AULA 8 PROF. RAFAEL DIAS RIBEIRO @RIBEIRORD Objetivos: Apresentar os principais problemas de acessibilidade na Internet. Apresentar as principais deficiências e as tecnologias de apoio.

Leia mais

A CONTRIBUIÇÃO DA INFORMÁTICA PARA ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS ATRAVÉS DO PROJETO CURUPIRA

A CONTRIBUIÇÃO DA INFORMÁTICA PARA ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS ATRAVÉS DO PROJETO CURUPIRA A CONTRIBUIÇÃO DA INFORMÁTICA PARA ACESSIBILIDADE DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA NO INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS ATRAVÉS DO PROJETO CURUPIRA Tássia Patricia Silva do Nascimento; Dalmir Pacheco de Souza Instituto

Leia mais

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP

CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP CAPÍTULO IV Sistema Operacional Microsoft Windows XP Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais são programas que como o próprio nome diz tem a função de colocar o computador em operação. O sistema Operacional

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE INFORMÁTICA EDITOR DE HELP MANUAL DO USUÁRIO ANA PAULA CARVALHO LORENZONI MICHELINE PARIZOTTO PROFESSORA. MILENE SELBACH SILVEIRA ORIENTADORA

Leia mais

LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS.

LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS. LEI BRASILEIRA DE INCLUSÃO DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E O SISTEMA DE COTAS. Entra em vigor nesse mês a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência - Lei 13.146/2015, sancionada em julho e publicada

Leia mais

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares

SENAI São Lourenço do Oeste. Introdução à Informática. Adinan Southier Soares SENAI São Lourenço do Oeste Introdução à Informática Adinan Southier Soares Informações Gerais Objetivos: Introduzir os conceitos básicos da Informática e instruir os alunos com ferramentas computacionais

Leia mais

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013)

Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Inclusão digital de deficientes visuais através de Projeto Comunitário, Santana do Livramento (2013) Eduardo Bueno Simões Pires 1, Aline da Cunha Simões Pires 2 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA

TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA TERMO DE REFERENCIA ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL REDE DE CUIDADOS A PESSOA COM DEFICIÊNCIA 1. Introdução O contínuo processo de aperfeiçoamento do Sistema Unico de Saúde SUS, desde sua

Leia mais

Unidade 13: Acessibilidade de OA

Unidade 13: Acessibilidade de OA Autoria: Braga, Juliana Cristina; França, Roberta Kelly A. de; Ponchio, Rita A... Estamos na fase final do processo INTERA, é importante que as etapas onde se trabalham as qualidades técnicas e pedagógicas

Leia mais

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira

A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira A importância da TIC no processo da Inclusão Escolar Agnes Junqueira O mundo pertence àqueles que pensam em novos caminhos. Uwe Grahl - Arquiteto FACILITAÇÃO PELO USO DE TIC ATENDIMENTO ÀS ESPECIFICIDADES

Leia mais

PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP

PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP 14º ENCONTRO NACIONAL DE ENFERMAGEM DO TRABALHO - ANENT PROGRAMA DE INCLUSÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA DA SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO TRABALHO E EMPREGO EM SÃO PAULO SRTE/SP DADOS DEMOGRÁFICOS Brasil

Leia mais

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES

Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Síntese de voz panorama tecnológico ANTONIO BORGES Quase todos nós vamos precisar de óculos um dia (a menos que a tecnologia médica promova a substituição deste artefato por alguma outra coisa tecnológica,

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) de Vida no Campus da Desire2Learn Julho 2013

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) de Vida no Campus da Desire2Learn Julho 2013 VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) de Vida no Campus da Desire2Learn Julho 2013 Conteúdo Introdução Tabela Resumida Seção VPAT 1194.21 Aplicativos e Sistemas

Leia mais

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO

AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO AÇÕES DE GESTÃO DO CONHECIMENTO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA: COMPARTILHAMENTO DE EXPERIÊNCIAS EUGÊNIA BELÉM CALAZANS COELHO A DEMOCRATIZAÇÃO DO ACESSO À INFORMAÇÃO EM SAÚDE: ACESSIBILIDADE DA BVS MS ÀS PESSOAS

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE

ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE 1 ANÁLISE COMPARATIVA DOS SOFTWARES LEITORES DE TELA UTILIZANDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE Porto Alegre RS - maio de 2012. Clóvis da Silveira PUCRS csclovis@gmail.com Adriana Beiler PUCRS

Leia mais

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA

Programa de Promoção da Acessibilidade PPA Programa de Promoção da Acessibilidade PPA O que é o Programa de Promoção da Acessibilidade? É um programa institucional que tem como objetivo criar condições de acesso ao conhecimento as pessoas com deficiência

Leia mais

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS

UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS UMA EXTENSÃO AO AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM MOODLE PARA A ADAPTAÇÃO DE CONTEÚDOS A PORTADORES DE NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS Sérgio M. Baú Júnior* e Marco A. Barbosa* *Departamento de Informática

Leia mais

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com

ANIMAÇÕES WEB AULA 2. conhecendo a interface do Adobe Flash. professor Luciano Roberto Rocha. www.lrocha.com ANIMAÇÕES WEB AULA 2 conhecendo a interface do Adobe Flash professor Luciano Roberto Rocha www.lrocha.com O layout do programa A barra de ferramentas (tools) Contém as ferramentas necessárias para desenhar,

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

Informática Aplicada

Informática Aplicada Informática Aplicada SO Windows Aula 3 Prof. Walteno Martins Parreira Jr www.waltenomartins.com.br waltenomartins@yahoo.com 2014 APRESENTAÇÃO Todo computador precisa de um sistema operacional. O Windows

Leia mais

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais.

Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Desenvolvimento de um CMS 1 para a criação e publicação de web sites acessíveis por deficientes visuais. Tales Henrique José MOREIRA 1 ; Gabriel da SILVA 2 ; 1 Estudante de Tecnologia em Sistemas para

Leia mais

Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader. Sistemas operacionais em concursos públicos

Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader. Sistemas operacionais em concursos públicos Sistema operacional Windows 7, Windows Live Mail e Adobe Reader Sistemas operacionais em concursos públicos Antes de tudo é importante relembrarmos que o sistema operacional é um tipo de software com a

Leia mais

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904

Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: APLICATIVO ANDROID PARA DEFICIENTES VISUAIS REDIGIREM MENSAGENS DE TEXTO NAS TELAS TOUCHSCREEN

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí VIII Jornada Científica TECLADO VIRTUAL ACESSÍVEL PARA SMARTPHONES E TABLETS

VIII Semana de Ciência e Tecnologia IFMG campus Bambuí VIII Jornada Científica TECLADO VIRTUAL ACESSÍVEL PARA SMARTPHONES E TABLETS TECLADO VIRTUAL ACESSÍVEL PARA SMARTPHONES E TABLETS Daniele Nazaré Tavares¹; Daniela Costa Terra² ¹Estudante de Engenharia da Computação. Instituto Federal Minas Gerais (IFMG) campus Bambuí. Rod. Bambuí/Medeiros

Leia mais

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento

Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Aula 1 - Introdução e configuração de ambiente de desenvolvimento Olá, seja bem-vindo à primeira aula do curso para desenvolvedor de Android, neste curso você irá aprender a criar aplicativos para dispositivos

Leia mais

Tecnologia, Acessibilidade e Inclusão

Tecnologia, Acessibilidade e Inclusão Tecnologia, Acessibilidade e Inclusão Professor Agebson Rocha Façanha Apoio PALESTRA 13 de novembro de 2012 Nem todas as pessoas têm possibilidade de acessar os recursos de hardware e software que o mundo

Leia mais

I Simpósio Internacional de Tecnologia Assistiva do CNRTA Softwares de Acessibilidade

I Simpósio Internacional de Tecnologia Assistiva do CNRTA Softwares de Acessibilidade I Simpósio Internacional de Tecnologia Assistiva do CNRTA Softwares de Acessibilidade Andréa Poletto Sonza Junho de 2014 Tecnologia Assistiva Recursos: Estão incluídos brinquedos e roupas adaptadas, computadores,

Leia mais

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04

Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Lição 4 - Primeiros passos no Linux Ubuntu 11.04 Olá Aluno Os objetivos específicos desta lição são: - reconhecer o Ubuntu como mais uma alternativa de sistema operacional; - conhecer os elementos da área

Leia mais

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1

DESAFIO ETAPA 1 Passo 1 DESAFIO Um dos maiores avanços percebidos pela área de qualidade de software foi comprovar que a qualidade de um produto final (software) é uma consequência do processo pelo qual esse software foi desenvolvido.

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE

CLASSIFICAÇÃO EVOLUÇÃO DA LEGISLAÇÃO E DA TERMINOLOGIA CONSTITUIÇÕES ANTERIORES: - DESVALIDOS; - EXCEPCIONAIS. COMENTÁRIOS SOBRE COMENTÁRIOS SOBRE A AVALIAÇÃO DE PESSOAS COM DEFICIÊNCIA E INCAPACIDADES NA PERSPECTIVA DE UMA NOVA CLASSIFICAÇÃO NO BRASIL COORDENADORIA NACIONAL PARA INTEGRAÇÃO DA PESSOA PORTADORA DE DEFICIÊNCIA CORDE

Leia mais

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular

Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Manual do Aplicativo - Rastreamento Veicular Sumário Apresentação... 2 Instalação do Aplicativo... 2 Localizando o aplicativo no smartphone... 5 Inserindo o link da aplicação... 6 Acessando o sistema...

Leia mais

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada

Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Acessibilidade Educacional com Realidade Aumentada Ewerton Daniel de Lima 1, Fabiano Utiyama 1, Daniela Eloise Flôr 1 1 UNIPAR Universidade Paranaense ewertondanieldelima@hotmail.com,{fabianoutiyama, danielaflor}@unipar.br

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA

Linguagem de Programação JAVA Linguagem de Programação JAVA Curso Técnico em Informática Modalida Integrado Instituto Federal do Sul de Minas, Câmpus Pouso Alegre Professora: Michelle Nery Agenda JAVA Histórico Aplicações Pós e Contras

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1

UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 UM ESTUDO SOBRE A LOUSA DIGITAL 1 MARTINS, Sandro Luís Moresco 2 ; VARASCHINI, Patricia 3 ; SANTOS, Leila Maria Araújo 4 1 Trabalho de Pesquisa _ UFSM 2 Programa Especial de Formação de Professores (UFSM),

Leia mais

PLANO DE ENSINO/AULA

PLANO DE ENSINO/AULA GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO SUBSECRETARIA DE GESTÃO PEDAGÓGICA E INCLUSÃO EDUCACIONAL COORDENAÇÃO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESCOLA TÉCNICA DE BRASÍLA PLANO DE ENSINO/AULA

Leia mais

Título do trabalho: Entre ledores humanos e leitores digitais

Título do trabalho: Entre ledores humanos e leitores digitais Temática(s):Acessibilidade em Cultura e Educação Tipo de Trabalho: Relatos de Experiências Título do trabalho: Entre ledores humanos e leitores digitais Autores e Filiações: Arnais, Magali Ap. Oliveira

Leia mais

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL

REALIDADE AUMENTADA NO AUXILIO A EDUCAÇÃO PARA CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA MOTORA E MENTAL 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA (X) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE

Leia mais

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG

Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Acessibilidade na Web para Deficientes Auditivos: Um Estudo de Caso do Site do Vestibular da UFG Adoniran Dias Ribeiro Andrade, Renato de Freitas Bulcão Neto Instituto de Informática Universidade Federal

Leia mais

ACESSIBILIDADE EM BIBLIOTECAS

ACESSIBILIDADE EM BIBLIOTECAS ACESSIBILIDADE EM BIBLIOTECAS São Paulo, 13 de novembro de 2009 LEGISLAÇÃO E BIBLIOTECAS: DIREITOS DO USUÁRIO As bibliotecas têm a responsabilidade de garantir e de facilitar o acesso às manifestações

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE HUMANIDADES UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS EDITAL Nº 31, DE 16 JUNHO DE 2015

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE HUMANIDADES UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS EDITAL Nº 31, DE 16 JUNHO DE 2015 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE HUMANIDADES UNIDADE ACADÊMICA DE LETRAS EDITAL Nº 31, DE 16 JUNHO DE 2015 O Diretor do Centro de Humanidades da Universidade Federal

Leia mais

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT

Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Acessibilidade nos sites das Instituições da Rede Federal de EPT Maurício Covolan Rosito Gerente do Núcleo de Bento Gonçalves do projeto de Acessibilidade Virtual da RENAPI Everaldo Carniel Pesquisador

Leia mais

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes

Acessibilidade. Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes Acessibilidade Profa. Renata Pontin de Mattos Fortes 1 Acessibilidade 2 Roteiro Acessibilidade Acessibilidade na Informática Inclusão Digital Design da Interação e Acessibilidade 3 Acessibilidade Definição

Leia mais

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis

Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Prefeitura de Guarulhos desenvolve o Guarux, sistema livre com foco educacional, profissional e em aplicativos acessíveis Perfil Guarulhos é um dos 39 municípios da Grande São Paulo, região economicamente

Leia mais

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS

SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS SEMANA NACIONAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA 2014 FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETOS Formulário para submissão de projeto Dados do Projeto e do (a) Orientador (a) do Projeto Título do Projeto: Um aplicativo

Leia mais

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller

ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO. Marizete Almeida Müller ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO AEE Segundo a Política Nacional de Educação Especial, na Perspectiva Inclusiva - SEESP/MEC (2008) CONCEITO É um serviço da educação

Leia mais

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo

VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo VPAT (Voluntary Product Accessibility Template, Modelo de Acessibilidade de Produto) do eportfolio da Desire2Learn Maio de 2013 Conteúdo Introdução Recursos de acessibilidade principais Navegação usando

Leia mais

GUIA DO ALUNO. Orientações para a utilização dos cursos on-line do Módulo Risk Manager. Autor: Márcio Galvão Revisor: Natasha Sauma. Versão 1.

GUIA DO ALUNO. Orientações para a utilização dos cursos on-line do Módulo Risk Manager. Autor: Márcio Galvão Revisor: Natasha Sauma. Versão 1. GUIA DO ALUNO Orientações para a utilização dos cursos on-line do Módulo Risk Manager Versão 1.3 Autor: Márcio Galvão Revisor: Natasha Sauma Última atualização em 05.05.2015 Declaração de propriedade Copyright

Leia mais

UM NOVO SOFTWARE LIVRE PARA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA. Gustavo Theodoro LASKOSKI 1 e Percy NOHAMA 2

UM NOVO SOFTWARE LIVRE PARA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA. Gustavo Theodoro LASKOSKI 1 e Percy NOHAMA 2 UM NOVO SOFTWARE LIVRE PARA COMUNICAÇÃO ALTERNATIVA Gustavo Theodoro LASKOSKI 1 e Percy NOHAMA 2 Universidade Tecnológica Federal do Paraná Av. Sete de Setembro 3165, Curitiba, Paraná RESUMO: Neste artigo,

Leia mais

Hardware e Software. Exemplos de software:

Hardware e Software. Exemplos de software: Hardware e Software O hardware é a parte física do computador, ou seja, é o conjunto de componentes eletrônicos, circuitos integrados e placas, que se comunicam através de barramentos. Em complemento ao

Leia mais

FISCALIZAÇÃO PCD. Joaquim Travassos Leite. Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de

FISCALIZAÇÃO PCD. Joaquim Travassos Leite. Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de FISCALIZAÇÃO PCD Joaquim Travassos Leite Auditor Fiscal do Trabalho Coordenador do Projeto de Inserção de 1 Terminologia Pessoa com deficiência ou deficiente (físico, visual, intelectual, etc.) X não deficiente.

Leia mais

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação

Informática Aplicada Revisão para a Avaliação Informática Aplicada Revisão para a Avaliação 1) Sobre o sistema operacional Windows 7, marque verdadeira ou falsa para cada afirmação: a) Por meio do recurso Windows Update é possível manter o sistema

Leia mais

Um dispositivo braile eletromecânico para leitura de textos digitais

Um dispositivo braile eletromecânico para leitura de textos digitais 219 - Encontro Anual de Tecnologia da Informação Um dispositivo braile eletromecânico para leitura de textos digitais Davi Alves Magalhães1, Suellem Stephanne Fernandes Queiroz1, Pedro Fernandes Ribeiro

Leia mais

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA

AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA AULA 02 2. USO DE FERRAMENTAS DE SUPORTE DO SISTEMA 2.1 Desfragmentador de Disco (DFRG.MSC): Examina unidades de disco para efetuar a desfragmentação. Quando uma unidade está fragmentada, arquivos grandes

Leia mais

Parágrafo único. Incluem-se na condição de serviço convencional:

Parágrafo único. Incluem-se na condição de serviço convencional: DECRETO Nº 10.890, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2004. Regulamenta a Lei Nº 1307, de 15 de janeiro de 2004, que concede passe livre às pessoas idosas, e portadoras de deficiência. no sistema de transporte intermunicipal

Leia mais

Especificações Técnicas

Especificações Técnicas Visual COBOL é a solução líder da indústria para o desenvolvimento de aplicações COBOL e implantação em sistemas Windows, Unix e Linux. Ele combina as melhores ferramentas de desenvolvimento de sua classe

Leia mais

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

LEI Nº 7213/2006 DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA LEI Nº 7213/2006 DISPÕE SOBRE A CRIAÇÃO, COMPOSIÇÃO, ATRIBUIÇÕES E FUNCIONAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. Faço saber a todos os habitantes

Leia mais

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL

RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL RECURSOS E TECNOLOGIAS PARA O ENSINO DO ALUNO COM DEFICIÊNCIA VISUAL HILDA TEIXEIRA GOMES VILMA GOMES SAMPAIO ctbiha@rioeduca.net INSTITUTO MUNICIPAL HELENA ANTIPOFF 1 INTRODUÇÃO Pensando em uma escola

Leia mais

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1

Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Website desenvolvido como peça de apoio para uma proposta de campanha acessível para redes de restaurantes do segmento fast-food 1 Bianca Said SALIM 2 Lorran Coelho Ribeiro de FARIA 3 Pedro Martins GODOY

Leia mais

Título do trabalho: PROMOVER A ACESSIBILIDADE AOS DEFICIENTES VISUAIS E BAIXA VISÃO À REDE DE BIBLIOTECAS DA UNESP

Título do trabalho: PROMOVER A ACESSIBILIDADE AOS DEFICIENTES VISUAIS E BAIXA VISÃO À REDE DE BIBLIOTECAS DA UNESP Temática(s): Acessibilidade em bibliotecas Tipo de Trabalho: Relato de experiência Título do trabalho: PROMOVER A ACESSIBILIDADE AOS DEFICIENTES VISUAIS E BAIXA VISÃO À REDE DE BIBLIOTECAS DA UNESP Autores

Leia mais

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com

Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs. Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com Sistemas Operacionais Aula 03: Estruturas dos SOs Ezequiel R. Zorzal ezorzal@unifesp.br www.ezequielzorzal.com OBJETIVOS Descrever os serviços que um sistema operacional oferece aos usuários e outros sistemas

Leia mais

Seu manual do usuário HP SCANJET 3800 PHOTO SCANNER http://pt.yourpdfguides.com/dref/921220

Seu manual do usuário HP SCANJET 3800 PHOTO SCANNER http://pt.yourpdfguides.com/dref/921220 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para HP SCANJET 3800 PHOTO SCANNER. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre

Leia mais

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice

Apostilas OBJETIVA Escrevente Técnico Judiciário TJ Tribunal de Justiça do Estado de São Paulo - Concurso Público 2015. Índice Índice Caderno 2 PG. MS-Excel 2010: estrutura básica das planilhas, conceitos de células, linhas, colunas, pastas e gráficos, elaboração de tabelas e gráficos, uso de fórmulas, funções e macros, impressão,

Leia mais

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP

Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Informática básica: Sistema operacional Microsoft Windows XP...1 Iniciando o Windows XP...2 Desligar o computador...3 Área de trabalho...3

Leia mais