APÊNDICE A MODELOS: Pré-Texto

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APÊNDICE A MODELOS: Pré-Texto"

Transcrição

1 29 APÊNDICE A MODELOS: Pré-Texto FOLHA DE ROSTO (Obrigatório)...30 VERSO DA FOLHA DE ROSTO (Obrigatório)...31 FOLHA DE APROVAÇÃO (Obrigatório)...32 PÁGINAS PRELIMINARES (Opcional) RESUMO MODELO ABNT (Obrigatório)...36 ABSTRACT MODELO ABNT (Obrigatório)...37 RESUMO MODELO VANCOUVER (Obrigatório)...38 ABSTRACT MODELO VANCOUVER (Obrigatório)...39 LISTA DE ILUSTRAÇÕES (Opcional)...40 LISTA DE TABELAS (Opcional)...41 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS (Opcional)...42 LISTA DE SÍMBOLOS (Opcional)...43 SUMÁRIO (Obrigatório)

2 30 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA Uma proposta de um Ambiente Virtual Colaborativo para o Ensino de Astronomia MARCUS VASCONCELOS DE CASTRO Orientador: Prof. Dr. Carlos Fernando de Araújo Júnior Co-Orientador: Prof. Dr. Ismar Frango Dissertação apresentada ao Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática, da Universidade Cruzeiro do Sul, como parte dos requisitos para a obtenção do título de Mestre em Ensino de Ciências e Matemática SÃO PAULO 2006

3 31 AUTORIZO A REPRODUÇÃO E DIVULGAÇÃO TOTAL OU PARCIAL DESTE TRABALHO, POR QUALQUER MEIO CONVENCIONAL OU ELETRÔNICO, PARA FINS DE ESTUDO E PESQUISA, DESDE QUE CITADA A FONTE. FICHA CATALOGRÁFICA ELABORADA PELA BIBLIOTECA CENTRAL DA UNICSUL S58a Silva, Jucieny da Atitudes e procedimentos de alunos do ensino médio frente a enunciados usados nas aulas de matemática / Jucieny da Silva. -- São Paulo; SP: [s.n], p. : il. ; 30 cm. Orientadora: Edda Curi. Dissertação (mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul 1. Enunciados (Análise) - Matemática 2. Atitudes e procedimentos - Matemática 3. Matemática - Ensino médio. I. Curi, Edda. II. Universidade Cruzeiro do Sul. Programa de Pós Graduação em Ensino de Ciências e Matemática. III. Título. CDU: 51(043.3)

4 32 UNIVERSIDADE CRUZEIRO DO SUL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO Uma proposta de um Ambiente Virtual Colaborativo para o Ensino de Astronomia Marcus Vasconcelos de Castro Dissertação de mestrado defendida e aprovada pela Banca Examinadora em 09/06/2006. BANCA EXAMINADORA: Prof. Dr. Carlos Fernando de Araújo Júnior CETEC - UNICSUL Presidente Prof. Dr. Ismar Frango Silveira CETEC - UNICSUL Profa. Dra. Pollyana Notargiacomo Mustaro Universidade Presbiteriana Mackenzie

5 33 À Minha Família Especialmente aos meus pais Sidnei e Celina

6 34 AGRADECIMENTOS Ao professor Carlos Fernando de Araújo Júnior pela orientação, compreensão e Incentivo dispensado ao desenvolvimento deste trabalho. À Secretaria da Pós-graduação da PPGP, pelo apoio, e principalmente, pela amizade demonstrada pelas secretárias. Aos técnicos do NEAD da UNICSUL, pelo auxílio na realização dos ensaios para a verificação do sistema especialista em laboratório. À Mercedes Bens do Brasil, e a todos seus funcionários que colaboraram direta ou indiretamente nos ensaios realizados em ambiente fabril. À FAPESP Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo, pelo apoio financeiro.

7 35 QUEM TEM UM SONHO NÃO DANÇA. AGENOR DE MIRANDA ARAÚJO NETO (CAZUZA) ( ) Músico e poeta brasileiro.

8 (Modelo de Referência usando norma da ABNT) SILVA, J. Atitudes e procedimentos de alunos do ensino médio frente a enunciados usados nas aulas de matemática f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, RESUMO O presente trabalho tem como objetivo analisar atitudes de alunos do segundo ano do Ensino Médio frente à leitura e interpretação de enunciados nas aulas de matemática, bem como analisar procedimentos destes alunos frente à leitura e resolução de tarefas matemáticas apresentadas por meio de um enunciado. O trabalho é de caráter qualitativo e trata-se de um estudo de caso, o qual utilizou como procedimentos metodológicos à revisão bibliográfica, documental e a pesquisa de campo. Na pesquisa de campo utilizou-se de um questionário fechado, para verificar o perfil dos alunos e o diário de bordo. O presente trabalho fundamenta-se em autores como Nóbrega, Freire, Kleiman, que discutem sobre a leitura na escola e em autores como Pires, Smole e Diniz que discutem a leitura nas aulas de Matemática; e, também autores que discutem sobre atitudes, como Sarabra e Gómez-Chacón e autores como Coll, Valls e Nóbrega que discutem sobre procedimentos. Alguns documentos oficiais foram utilizados na fundamentação, tais como, o documento de Estrutura de Avaliação do PISA, um dos documentos do Ensino Médio em Rede e o Referencial de Expectativas para o desenvolvimento da Competência leitora e escritora. A pesquisa de campo realizou-se em uma escola da Rede Estadual de Ensino, localizada na Zona Leste da cidade de São Paulo e o público alvo foi uma turma de alunos do segundo ano do Ensino Médio, composta por 21 alunos. Podem-se ressaltar como principais resultados, atitudes positivas em relação à leitura dos enunciados e ao trabalho matemático, atitudes de perseverança à leitura e à resolução das questões e, atitudes de valorização das tarefas propostas. Como procedimentos utilizados na resolução dos enunciados propostos, ressaltamos a utilização de procedimentos de leitura, execução e elaboração. Palavras-Chave: Enunciados (Análise) - Matemática, Atitudes e procedimentos - Matemática, Matemática - Ensino Médio

9 SILVA, J. Attitudes and procedures of students of the teaching medium front to enunciated used in the classes of mathematics f. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática) Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, (Modelo de Referência usando norma da ABNT) ABSTRACT The present work has as objective analyzes students' of the second year attitudes of the Teaching Medium front to the reading and interpretation of statements in the mathematics classes, as well as to analyze procedures of these students front to the reading and resolution of mathematical tasks presented through a statement. The work is of qualitative character and it is treated of a case study, which used as methodological procedures to the revision bibliographical, documental and the field research. In the field research it was used of a closed questionnaire, to verify the students' profile and the log book. The present work is based in authors as Nóbrega, Freire, Kleiman, that discuss on the reading in the school and in authors as Pires, Smole and Diniz that discuss the reading in the classes of Mathematics; and, also authors that discuss about attitudes, as Sarabra and Gómez-Chacón and authors as Coll, Valls and Nóbrega that discuss on procedures. Some official documents were used in the fundamentação, such as, the document of Structure of Evaluation of PISA, one of the documents of the Medium Teaching in Net and Referencial of Expectations for the Competence reader's development and writer. The field research took place at a school of the State Net of Teaching, located in the Zona Leste of the city of São Paulo and the white public was a group of students of the second year of the Medium Teaching, composed by 21 students. They can be stood out as main results, positive attitudes in relation to the reading of the statements and to the mathematical work, perseverance attitudes to the reading and the resolution of the subjects and, attitudes of valorization of the proposed tasks. As procedures used in the resolution of the proposed statements, we emphasized the use of reading procedures, execution and elaboration. Keywords: Statements (Analysis) - Mathematical, Attitudes and procedures - Mathematical, Mathematical - Teach Medium

10 Macedo AF. Avaliação dos parâmetros bioquímicos salivares totais de crianças em 0 a 36 meses de idade [dissertação]. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul; (Modelo de Referência usando estilo Vancouver) RESUMO O objetivo deste estudo foi avaliar o ph, fluxo salivar total, capacidade tampão, concentração de proteínas totais e atividade da amilase salivar em 40 crianças, de 0 a 36 meses de idade e livres de lesões de cárie; subdivididas numericamente pelos dentes erupcionados e faixa etária. A concentração de proteínas foi determinada segundo o método de Lowry e a atividade da amilase a partir da clivagem enzimática pela amilase, ambas pelo método espectrofotométrico. Os dados obtidos demonstraram diferença estatisticamente significante (p<0,05) na atividade da amilase salivar entre os grupos I e III. Dessa forma, pode-se inferir que existe uma correlação positiva entre a idade e atividade da amilase salivar e que os demais parâmetros salivares permanecem constantes durante a primeira infância. Palavras-Chave: Criança Saliva, Proteínas salivares

11 Macedo AF. Assessment of salivary biochemestry tests of children 0 to 36 months-old [dissertação]. São Paulo: Universidade Cruzeiro do Sul; (Modelo de Referência usando estilo Vancouver) ABSTRACT The aim of this study was to evaluate ph, flow rate, buffer capacity, salivary protein concentration and amylase activity in the saliva of 40 caries-free children from 0 to 36 months of age of both sexes. The sample was subdivided in three distinct groups characterized according to number of erupted teeth and age. The protein concentration was determined by the method describe by Lowry and amylase activity was assessed by enzymatic cleavage from the amylase 2-chlorine-4nitrophenilmaltose (CNPG3), both of them using spectrophotometer. Comparisons of the mean laboratorial values among groups were submitted to Chi-Square Test and Anova. Significant statistical differences (p<0,05) among age groups were observed in amylase activity in group I and III. Thus, it can be inferred that there is a positive association between children age and amylase activity, moreover the other salivary variables remain constant during childhood. Keywords: Child Saliva, Salivary proteins

12 40 LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 ORGANOGRAMA DO MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO Figura 2 DISTRIBUIÇÃO DAS IES BRASIL DEPENDÊNCIA ADMINISTRATIVA Figura 3 DISTRIBUIÇÃO DAS IES BRASIL MODALIDADES Figura 4 DISTRIBUIÇÃO DA IES PROVADAS BRASIL MODALIDADES Figura 5 DISTRIBUIÇÃO DAS IES PÚBLICAS BRASIL MODALIDADES Figura 6 Nº DE IES BRASIL EVOLUÇÃO Figura 7 Nº DE IES PÚBLICAS BRASIL EVOLUÇÃO Figura 8 Nº DE IES PRIVADAS BRASIL EVOLUÇÃO Figura 9 DISTRIBUIÇÃO DAS IES BRASIL DEPENDÊNCIA ADMINISTRATIVA EVOLUÇÃO COMPARATIVA Figura 10 Nº DE MATRÍCULAS BRASIL DEPENDÊNCIA ADMINISTRATIVA Figura 11 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS BRASIL MODALIDADES Figura 12 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS NA REDE PRIVADA MODALIDADES Figura 13 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS NA REDE PÚBLICA MODALIDADES Figura 14 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS BRASIL TURNO Figura 15 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS NA REDE PÚBLICA TURNO Figura 16 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS NA REDE PRIVADA TURNO Quadro 1 NÍVEIS SÓCIO-OCUPACIONAIS PASTORE E HALLER Quadro 2 NÍVEIS SÓCIO-OCUPACIONAIS SILVA Quadro 3 NÍVEIS SÓCIO-OCUPACIONAIS SCALON... 96

13 41 LISTA DE TABELAS Tabela 1 COMPARAÇÃO ENTRE INTELIGÊNCIA NATURAL E ARTIFICIAL...34 Tabela 2 COMPARAÇÃO ENTRE IA E COMPUTAÇÃO CONVENCIONAL...35 Tabela 3 TABELA DE DECISÃO...45 Tabela 4 CONFIGURAÇÃO DOS CENÁRIOS PRODUTIVOS...89 Tabela 5 ESTRUTURA DOS ARQUIVOS PARAM.ATD E BACK.ATD...95 Tabela 6 TABELA DE DECISÃO IMPLEMENTADA NO SE Tabela 7 BANCO DE DADOS DA MÁQUINA-FERRAMENTA Tabela 8 BANCO DE DADOS DA FERRAMENTA (PRODUTO) Tabela 9 BANCO DE DADOS DO PROCESSO Tabela 10 BANCO DE DADOS DA FERRAMENTA (PROCESSO) Tabela 11 BANCO DE DADOS DE RESULTADOS Tabela 12 CÁLCULO DO TEMPO DE CORTE Tabela 13 TEMPO DE TROCA DA PEÇA Tabela 14 RESULTADOS DO ENSAIO Tabela 15 INTERVALO DE MÁXIMA EFICIÊNCIA (IME) Tabela 16 TAREFAS PARA A REALIZAÇÃO DA OTIMAÇÃO Tabela 17 TAREFA PARA VERIFICAÇÃO CENÁRIO Tabela 18 CÁLCULO DO NÚMERO DE TROCAS PREVISTAS Tabela 19 ALTERAÇÃO NO CENÁRIO PRODUTIVO Tabela 20 RESULTADOS DA VERIFICAÇÃO DOS CENÁRIOS 1 E Tabela 21 RESULTADOS DA VERIFICAÇÃO DO CENÁRIO Tabela 22 VELOCIDADES DE CORTE TESTADAS Tabela 23 VIDAS DA FERRAMETA PARA VC1 E VC Tabela 24 RESULTADOS DA OTIMIZAÇÃO DO TUBO DE APOIO...154

14 42 LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS CAPES CNE CNPQ ENADE ENC FAPESP FIES FUNDEF ICB ICMS ICV IES INEP LDB MEC ONU PIB PNAD PNUD PROUNI SINAES UFRJ UNESP USP Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Conselho Nacional de Educação Conselho Nacional de Pesquisa Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes Exame Nacional de Cursos Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Programa de Financiamento Estudantil Fundo de Desenvolvimento da Educação Fundamental Índice de Carência Básica Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Prestação de Serviços Índice de Condição de Vida Instituição de Ensino Superior Instituo Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional Ministério de Educação e Cultura Organização das Nações Unidas Produto Interno Bruto Pesquisa Nacional por Amostragem de Domicílios Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento Programa Universidade para Todos Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior Universidade Federal do Rio de Janeiro Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho Universidade de São Paulo

15 43 LISTA DE SÍMBOLOS a p A r b C o d d crítico d e d e1 d e2 profundidade de corte [mm]. Arrojado (referente a política do operador). largura de corte [mm]. Conservador (referente a política do operador). diâmetro da peça [mm]. diâmetro crítico [mm]. diâmetro equivalente [mm]. diâmetro equivalente para a V c1 [mm]. diâmetro equivalente para a V c2 [mm]. marca registrada. % por cento.

16 44 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...13 CAPÍTULO I 1 POBREZA, DESIGUALDADE E EXCLUSÃO SOCIAL Pobreza Desigualdade Exclusão Social Estado, Sistema Econômico e Cidadania...52 CAPÍTULO II 2 CONHECIMENTO, DESENVOLVIMENTO, CIDADANIA E MOBILIDADE SOCIAL Conhecimento e Novas Tecnologias Identidade e Trabalho Educação: Cidadania e Desenvolvimento Mobilidade Social Mobilidade Brasileira...99 CAPÍTULO III 3 EDUCAÇÃO SUPERIOR Histórico Órgãos Governamentais de Controle e Regulamentação Legislação Instituição Universidade: Histórico e Características Perfil do Concluinte Qualidade dos Cursos de Graduação e das IES Brasileiras Comparação entre IES Públicas e Privadas CAPÍTULO IV 4 NÚMEROS DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL...149

17 Instituições de Educação Superior Matrículas Oferta e Demanda Docentes e Funcionários CAPÍTULO V 5 EXPERIÊNCIA UNIVERSITÁRIA, MOBILIDADE SOCIAL E CIDADANIA: O PONTO DE VISTA DOS GRADUADOS Critérios e Dinâmica da Pesquisa Entrevistas CONCLUSÃO CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ANEXO ROTEIRO DE ENTREVISTAS...240

18 46 APÊNDICE B MODELOS: Texto CITAÇÃO NOTA DE RODAPÉ...50 QUADRO...51 FIGURA...52 TABELA...53

19 47 EXEMPLO DE CITAÇÃO DIREITA COM ATÉ 3 LINHAS OBSERVAR: não existe recuo no texto Algumas outras considerações sobre mobilidade social, não menos importantes, merecem destaque. Pastore (1979) considera que a mobilidade é, ao mesmo tempo, efeito e condição do desenvolvimento econômico. O autor enxerga o fenômeno da mobilidade como reflexo do dinamismo e do vigor da sociedade: Uma sociedade sem mobilidade é uma sociedade estagnada que simplesmente reproduz sua estrutura social ao longo do tempo e, por isso, pouco pode oferecer em termos de provocação humana e progresso social. (PASTORE, 1979, p. 3).

20 48 CITAÇÃO DIRETA COM MAIS DE 3 LINHAS OBSERVAR: margem, omissão de texto inicial [...] e indicação autor / data e página. É de se ressaltar, ainda, que, após o advento da nova Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), em 1996, houve a ratificação legal da dinâmica intensiva do setor privado. Segundo Sampaio (2000): [...] ao outorgar autonomia às universidades, a Constituição Federal de 1988 e, posteriormente, a LDB de 1996, forneceram um instrumento que vem ao encontro do caráter dinâmico, característico de um setor privado de massa em se amoldar à demanda, e intensificaram o movimento dos estabelecimentos privados em se transformarem em universidades. (SAMPAIO, 2000, p. 67). No registro realizado em 1998 (INEP, 1999), havia 973 IES, entre públicas e privadas e, dentre estas, 153 universidades. Dentre as 820 faculdades, encontravam-se 2,2% federais, 5,4% estaduais, 8,5% municipais e 83,9% privadas.

21 49 EXEMPLO DE CITAÇÃO INDIRETA OBSERVAR: vários autores citados em conjunto. Para a investigação da concentração de proteínas totais na saliva neste estudo, foi utilizado o método de Lowry et al. (1951) por ser amplamente relatado na literatura científica e também por apresentar simplicidade em sua metodologia (BELLAVIA et al., 1974; BEN-ARYEH et al., 1984, 1990; DEZAN et al., 2002; HYYPPÄ et al., 1989; JOHNSON et al., 1987; KEDJARUNE et al., 1997; MAZENGO et al., 1994; RUDNEY; HICKEY; JI, 1999). Rudney, Hickey e Ji (1999), creêm que o método de Lowry et al. (1951) subestima as concentrações protéicas e os resultados apenas fornecem um valor estimado da faixa de variação entre indivíduos. Outras técnicas para identificação de proteínas totais, como o método de biureto, reagente Coomassie blue e utilização de kits comerciais, também são relatados (BARDOW et al., 2000; FARIAS; BEZERRA, 2003; LÓPEZ et al., 2003).

22 50 EXEMPLO DE NOTA DE RODAPÉ Os gráficos de barras foram utilizados para a visualização de dados categóricos, e o gráfico de Boxplot 1 para a visualização das medidas resumo no caso de variáveis numéricas. 1 Boxplot: é uma técnica que mostra graficamente algumas medidas resumo de um conjunto de dados, tais como: média, mediana, valor mínimo, valor máximo, bem como eventuais valores extremos chamados de outliers, e representados por um asterisco (*).

23 51 EXEMPLO DE QUADRO OBSERVAR: indicação de Fonte (citação de citação) e de adaptação. CATEGORIA CARACTERÍSTICAS 1 Profissionais liberais 2 Dirigentes e administradores de alto nível 3 Profissionais 4 Funções administrativas 5 Funções não manuais de rotina e de escritório 6 Proprietários (empregadores) na indústria, comércio e serviço 7 Empresários por conta própria 8 Técnicos, artistas e supervisores do trabalho manual 9 Trabalhadores manuais e indústrias modernas 10 Trabalhadores manuais em indústrias tradicionais 11 Trabalhadores manuais em serviços gerais 12 Trabalhadores nos serviços domésticos 13 Vendedores ambulantes 14 Artesãos 15 Proprietários (empregadores) no setor primário 16 Técnicos e administradores no setor primário 17 Produtores agrícolas autônomos 18 Trabalhadores rurais Quadro 2 NÍVEIS SÓCIO-OCUPACIONAIS Fonte: Silva apud Scalon, 1999 (adaptado)

24 52 EXEMPLO DE FIGURA OBSERVAR: Título abaixo da Figura, indicação de Fonte e de adaptação ano ,30% 38,70% públicas privadas ano ,70% 30,30% públicas privadas Figura 21 DISTRIBUIÇÃO DAS MATRÍCULAS NO BRASIL Fonte: INEP. Estatísticas Básicas e Indicadores da Educação Superior, por Categoria Administrativa - Brasil 2002 (adaptado)

25 53 EXEMPLO DE TABELA OBSERVAR: Título acima da Tabela, sem Fonte quanto elaborada pelo autor Tabela 4 PRODUÇÃO DE TESES DA ÁREA DE ENGENHARIA* UNIDADES ANO DE INÍCIO MESTRADO NÚMERO DE TESES DOUTORADO ANO DE INÍCIO NÚMERO DE TESES TOTAL DE TESES FEAGRI FEC FEEC FEM FEQ TOTAL * Dados fornecidos pela Secretaria de Pós-Graduação de cada Unidade. Os números correspondem à quantidade de dissertações e teses defendidas desde o início do curso até dezembro de 1999.

26 54 APÊNDICE C MODELOS: Pós-Texto REFERÊNCIAS (MODELO ABNT) REFERÊNCIAS (MODELO VANCOUVER)...57 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA...58 GLOSSÁRIO...59 APÊNDICE...60 ANEXO

27 55 REFERÊNCIAS (modelo ABNT) ABRANCHES, Sergio Henrique. Os despossuídos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, ABBOTT, Pamela. Women s social class identification: does husband s occupation make a difference? Sociology, v. 21, n. 1, p , AGHION, P. et al. Exploiting states mistakes identify the causal impact of higher education on grouth. Disponível em: <http://www.post.economics. harvard.edu/faculty/aghion/papers/exploiting-states-mistakes.pdf>. Acesso em: fev ALBUQUERQUE, Roberto Cavalcanti de. Pobreza e exclusão social. In: ; VELLOSO, João Paulo dos Reis (Org.). Pobreza e mobilidade social. São Paulo: Nobel, BARROS, R. P. A estabilidade inaceitável: desigualdade e pobreza no Brasil. In: HENRIQUES, R. (Org.). Desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2000a. ; HENRIQUES, Ricardo; MENDONÇA, Rosane. Evolução recente da pobreza e da desigualdade: marcos preliminares para a política social no Brasil. In: CADERNOS Adenauer. São Paulo: Fundação Konrad Adenauer, 2000b. BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. 3. ed. São Paulo: Revistas dos Tribunais, Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lex: Legislação Federal e Marginália, São Paulo, v. 60, p , dez Ministério da Educação. Secretaria Executiva. Organograma. Disponível em: <http://www.mec.gov.br/organiza/orgaos/se/default.shtm>. Acesso em: 20 abr BUARQUE, Cristovan. A aventura da universidade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS. Estatísticas básicas e indicadores da educação superior, por categoria administrativa. Brasília: MEC/INEP, Sinopse estatística da educação superior graduação Brasil Disponível em: <http://www.inep.gov.br/superior/censosuperior/sinopse/default.asp>. Acesso em: out

28 56 REFERÊNCIAS (modelo ABNT) BASCONES, A.; LLANES, F. Medicina bucal. 4. ed. Madrid: Avances, p. COSTA JUNIOR, Neroton; LEAL, Ricardo. Mercosul e a globalização dos mercados de capitais: testes de causalidade. Revista de Administração, São Paulo, v. 32, n. 1, p , jan./mar FINE, Daniel H. et al. Clinical implications of the oral manifestations of HIV infection on children. The Dental Clinics of North America, Philadelphia, v. 47, n. 1, p , GOMEZ, F. Ramos Dental considerations for the paedriatic AIDS/HIV patient. Oral Diseases, Inglaterra, v. 8, p , HELENO, Maria Geralda Viana; PEREIRA, Renata Lopes. Eficácia adaptativa em pacientes portadores de hipertensão arterial sistêmica. Revista Unicsul, São Paulo, ano 10, n. 12, p , jun INSTITUTO BRASILEIRO DE INFORMAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA. Manual de normas de editoração do IBICT. 2. ed. Brasília, DF: IBICT, p. JARMENDIA, Amélia Maria. Formação continuada de professores: uma proposta na área de Língua Portuguesa f. Tese (Doutorado em Educação: Currículo)-Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, RIOBOO, R. Estudio epidemiológico de las enfermedades y alteraciones buçodentales: patrones cambiantes y tendencias. Epidemiología de las lesiones de los tejidos blandos. In:. Odontologia preventiva y odontologia comunitária. Madrid: Avances, p SANTOS, Paulo José Benevides dos et al. Cross-sectional study oral mucosal conditions among a central Amazonian Indian comunity, Brazil. Journal of Oral Pathology and Medicine, Copenhagen, v. 33, n. 1, p. 7-12, SILVESTRE, Marcela A. Cucci. Literatura e sociedade: relações forma/conteúdo no conto de Kate Chopin. Revista Unicsul, São Paulo, ano 10, n. 12, p , jun

29 57 REFERÊNCIAS (modelo VANCOUVER - ÁREA DA SAÚDE) Bascones A, LLanes F. Medicina bucal. Madrid: Avances; Costa Júnior N, Leal R. Mercosul e globalização dos mercados de capitais: testes de causalidade. Rev Adm (São Paulo). 1997;32(1): Esparza G. Aftosis oral recidivante: studio clínico, histopatológica y de inmunofluoroscencia directa [tesis]. Madrid: Universidad Complutense; Fine DH, Tofsky N, Nelson EM, Schoen D, Barasch A. Clinical implications of the oral manifestations of HIV infection in children. Dent Clin N Am. 2003;47(1): Heleno MGV, Pereira RL. Eficácia adaptativa em pacientes portadores de hipertensão arterial sistêmica. Rev Unicsul (São Paulo). 2005;10(12): Ramos-Gomez F. Dental considerations for the paedriatic AIDS/HIV patient. Oral Dis. 2002;8(Suppl 2): Rioboo R. Estudio epidemiológico de las enfermedades y alteraciones bucodentales: patrones cambiantes y tendencias: epidemiología de las lesiones de los tejidos blandos. In: Rioboo R. Odontología preventiva y odontología comunitaria. Madrid: Avances; p Santos PJB, Ferreira C, Aguilar MCF, Carmo MAV. Cross-sectional study of oral mucosal conditions among a central Amazonian Indian comunity, Brazil. J Oral Pathol Med. 2004;33(1):7-12. Silvestre MAC. Literatura e sociedade: relações forma/conteúdo no conto de Kate Chopon. Rev Unicsul (São Paulo). 2005;10(12):30-34.

30 58 BIBLIOGRAFIA CONSULTADA ARENDT, Hannah. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e documentação: referências elaboração. Rio de Janeiro, NBR 10520: informação e documentação: citações em documentos apresentação. Rio de Janeiro, NBR 14724: informação e documentação: trabalhos acadêmicos apresentação. Rio de Janeiro, BACHA, E. Transição incompleta. Rio de Janeiro: Paz e Terra, BRITTES, Maria Teresa Toríbio; MORAES, Nilson Alves (Org.). Memórias, identidade e representação. Rio de Janeiro: 7 Letras, HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Sales. Dicionário de língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva, LYRA, Rubens Pinto (Org.). Direitos humanos: os desafios do século XXI: uma abordagem interdisciplinar. Brasília: Brasília Jurídica, MADEIRA, F.; TORRES, H. G. População e reestruturação produtiva: novos elementos para projeções demográficas. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 3-8, NAJAR, Alberto Lopes (Org.). Saúde e espaço: estudos metodológicos e técnicas de análise. Rio de Janeiro: Fiocruz, TELLES, Vera da Silva. Pobreza e cidadania. São Paulo: Ed. 34, VALLADARES, Lúcia; COELHO, Magda Prates (Org.). Governabilidade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1995.

31 59 GLOSSÁRIO AVATAR BLOG CHAT HTML PALACE PHP na realidade virtual, é a representação gráfica do usuário inserido no ambiente virtual (Web Logs) são páginas disponíveis na Internet onde usuários podem instantaneamente inserir mensagens, imagens e links. é um recurso gráfico que possibilita a conversa, utilizando um programa navegador ou similar, de diversas pessoas em momentos síncronos. HyperText Markup Language Linguagem utilizada para marcar documentos de conteúdo fixo, comumente utilizada na internet para exibição de páginas estáticas. uma sala de conversa síncrona que através de avatares, os usuários realizam uma comunicação do tipo bate-papo. (um acrônimo recursivo para PHP: Hypertext Preprocessor") é uma linguagem de uso geral, muito utilizada e especialmente guarnecida para o desenvolvimento de aplicações Web embútivel dentro do HTML.

32 60 (MODELO DE APÊNDICE) ROTEIRO DE ENTREVISTA 1 Nome / Estado Civil (antes e depois): 2 - Sexo: 3 - Endereço: 4 - Idade: 5 - Ano de Conclusão e IES do Curso Superior: 6 - Atual Função Profissional / Função Profissional antes da conclusão da educação superior: 7 - Escolaridade do Cônjuge: 8 - Atual Função Profissional do Cônjuge: 9 Quantos Irmãos? 10 Escolaridade dos Irmãos: 11 Atuais Funções Profissionais dos Irmãos: 12 Ingresso na Educação Superior; 13 Razões e Objetivos; 14 Por que Instituição paga em vez de gratuita? 15 Pagamento dos estudos; 16 Dificuldades para o pagamento? Se sim, foi cogitada a possibilidade de abandonar a Educação Superior? 17 O que mais o encorajava a concluir a Educação Superior? 18 Alguma coisa desencorajava?

33 61 (MODELO DE ANEXO) FICHA CLÍNICA Frasco n.º: Nome: Telefone: Data de Nascimento: / / Endereço: Bairro: Cep: Cidade: Estado: Nome do Responsável: ODONTOGRAMA Fluxo Salivar Tempo: Quantidade: ph ph meter: ph fita: Atividade da Amilase Salivar Absorbância inicial: Absorbância final: Amilase: Concentração de Proteínas Totais Absorbância: Proteínas: Capacidade Tampão ph inicial: Volume de ácido clorídrico ph Volume total de ácido clorídrico: ph final:

34 62 (MODELO DE ANEXO) LEI Nº , DE 14 DE ABRIL DE Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Art. 1º Fica instituído o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - SINAES, com o objetivo de assegurar processo nacional de avaliação das instituições de educação superior, dos cursos de graduação e do desempenho acadêmico de seus estudantes, nos termos do art. 9º, VI, VIII e IX, da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de º O SINAES tem por finalidades a melhoria da qualidade da educação superior, a orientação da expansão da sua oferta, o aumento permanente da sua eficácia institucional e efetividade acadêmica e social e, especialmente, a promoção do aprofundamento dos compromissos e responsabilidades sociais das instituições de educação superior, por meio da valorização de sua missão pública, da promoção dos valores democráticos, do respeito à diferença e à diversidade, da afirmação da autonomia e da identidade institucional. 2º O SINAES será desenvolvido em cooperação com os sistemas de ensino dos Estados e do Distrito Federal. Art. 2º O SINAES, ao promover a avaliação de instituições, de cursos e de desempenho dos estudantes, deverá assegurar: I - avaliação institucional, interna e externa, contemplando a análise global e integrada das dimensões, estruturas, relações, compromisso social, atividades, finalidades e responsabilidades sociais das instituições de educação superior e de seus cursos; II - o caráter público de todos os procedimentos, dados e resultados dos processos avaliativos; III - o respeito à identidade e à diversidade de instituições e de cursos; IV - a participação do corpo discente, docente e técnico-administrativo das instituições de educação superior, e da sociedade civil, por meio de suas representações.

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências

Leis Federais. LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências LEI N o 10.861, DE 14 DE ABRIL DE 2004. Institui o Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES e dá outras providências O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta

Leia mais

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS

SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE PROFESSORES E ALUNOS DE ESCOLAS DE COMUNIDADE BILÍNGUE SOBRE O PROCESSO DE ENSINO E APRENDIZAGEM DE INGLÊS PORTO ALEGRE 2010 SANDRA MARY ALMEIDA MATTJIE CRENÇAS DE

Leia mais

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração

Cursos de Administração: qualidade necessária. XIV Fórum Internacional de Administração Cursos de Administração: qualidade necessária XIV Fórum Internacional de Administração Rio de Janeiro, 18 de maio de 2015 ENSINAR, APRENDER, AVALIAR... TRAJETÓRIA DA AVALIAÇÃO EDUCAÇÃO SUPERIOR CAPES avaliação

Leia mais

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL

AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL AVALIAÇÃO E CREDENCIAMENT DA EDUCAÇÃO SUPERIOR NO BRASIL LUCE, Maria-Beatriz (UFRGS, Porto Alegre, BR) MOROSINI, Marília (PUCRS, Porto Alegre, BR) Projeto ALFA-ACRO ACRO Introdução BRASIL território e

Leia mais

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos

PROJETO DA CPA 1 DADOS DA INSTITUIÇÃO. Nome: Faculdade São Salvador Código: 2581 Caracterização: Instituição privada com fins lucrativos PROJETO DA CPA Em atendimento ao que dispõe a Lei 10.861, de 14 de abril de 2004 que institui a obrigatoriedade da Avaliação Institucional e por entender a importância do SINAES para o desenvolvimento

Leia mais

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO.

ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANÁLISE DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA DE DEZ ANOS DOS CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS DO DESENVOLVIMENTO. ANALYSES OF TEN YEARS OF SCIENTIFIC PRODUCTION OF THE JOURNAL CADERNOS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DISTÚRBIOS

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL INSTITUTO DE CIÊNCIAS BÁSICAS DA SAÚDE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MICROBIOLOGIA AGRÍCOLA E DO AMBIENTE Comissão Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO

PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO 552 PROJETO DE PESQUISA SOBRE A UTILIZAÇÃO DE AMBIENTES VIRTUAIS DE APRENDIZAGEM COMO APOIO AO ENSINO SUPERIOR EM IES DO ESTADO DE SÃO PAULO Silvio Carvalho Neto (USP) Hiro Takaoka (USP) PESQUISA EXPLORATÓRIA

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRIMEIROS PASSOS 2.1 Desvendando o trabalho científico: o que é uma monografia jurídica? 2.2 Tipos de trabalhos científicos 2.2.1 Artigo científico 2.2.2 Paper 2.2.3 Sinopse 2.2.4

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi. Sociólogo / Doutor em Economia. Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Sociólogo / Doutor em Economia Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9394/96 Art. 8 A União, os Estados

Leia mais

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção

Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção Tema: Práticas Inovadoras de formação: caminhos e propostas dos cursos de graduação em Engenharia da Produção XX Encontro Nacional de Coordenadores de Curso de Engenharia da Produção (ABEPRO) Rio de Janeiro,

Leia mais

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet

Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Leonardo Pimenta de Mello Distribuição Eletrônica na Hotelaria: Desenvolvimento de Serviços para a Internet Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título

Leia mais

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing

Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing André Luis Canedo Lauria Comportamento do Consumidor em Relação à Educação a Distância: Abordagem Funcional das Atitudes Aplicada ao Marketing Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro

Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Alexandre Cunha Lobo de Melo Gestão Hospitalar O caso de hospitais privados do Rio de Janeiro Dissertação de mestrado Dissertação de mestrado apresentada ao Departamento de Administração da Pontifícia

Leia mais

APÊNDICE A MODELOS: Pré-Texto

APÊNDICE A MODELOS: Pré-Texto 29 APÊNDICE A MODELOS: Pré-Texto FOLHA DE ROSTO (OBRIGATÓRIO)... 30 VERSO DA FOLHA DE ROSTO (OBRIGATÓRIO)... 31 FOLHA DE APROVAÇÃO (OBRIGATÓRIO)... 32 PÁGINAS PRELIMINARES (OPCIONAL)... 33-35 RESUMO MODELO

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos

Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Leonardo Pereira Rodrigues dos Santos Desenvolvimento de serviços na área de educação: uma aplicação de análise conjunta nos cursos de mestrado em administração de empresas DISSERTAÇÃO DE MESTRADO DEPARTAMENTO

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês

A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês Adriana Lúcia de Escobar Chaves A Retenção de Clientes no Setor de Ensino: Estudo de Caso em um Curso de Inglês Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL

AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR EM MATO GROSSO DO SUL: A RELAÇÃO ENTRE O SISTEMA NACIONAL E O SISTEMA ESTADUAL Resumo Marianne Pereira Souza - UFGD marianne-souza@hotmail.com Giselle Cristina Martins Real

Leia mais

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito

Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Elias Dias Lopes Filho Terceira Idade: Perfil de uso do cartão de crédito Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da PUC- Rio como requisito

Leia mais

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior

Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará. Eixo Temático Educação Superior Documento Base do Plano Estadual de Educação do Ceará Eixo Temático Educação Superior Ceará, 2015 1 Socioeconômico Diagnóstico Para compreender a situação da educação no estado do Ceará é necessário também

Leia mais

Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso

Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso Cristina Lyra Couto de Souza Mudança Organizacional em uma Empresa Familiar Brasileira: um estudo de caso Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Departamento de Administração da PUC-Rio como

Leia mais

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line

Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Estatística Básica via MySQL para Pesquisas On-Line Gabriel Ramos Guerreiro - DEs, UFSCar 1 2 Anderson Luiz Ara-Souza - DEs, UFSCar 1 3 Francisco Louzada-Neto - DEs, UFSCar 1 4 1. INTRODUÇÃO Segundo Cavalcanti

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES

Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES Diretoria de Avaliação da Educação Superior DAES/INEP Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e IES EDUCAÇÃO SUPERIOR BRASILEIRA ALGUNS INDICADORES¹ 2.314 IES 245 públicas (10,6%) e 2.069

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE

AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE AVALIAÇÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS DE ACORDO COM O ENADE Jéssica Beatriz da Silva jessicabeatriz18@gmail.com Myckelle Michely da Silva Ferreira myckellemichely@hotmail.com

Leia mais

Fábio da Silva Abrate

Fábio da Silva Abrate Fábio da Silva Abrate Elaboração de um Questionário para Avaliar as Variáveis Determinantes do Endividamento de Estudantes Universitários no Cartão de Crédito: Um Estudo Piloto Adaptado para o Mercado

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO INTRODUÇÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO (PPC) Articulação com o Plano de Desenvolvimento Institucional PDI Projeto Político Pedagógico Indissociabilidade entre ensino, pesquisa

Leia mais

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem

INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Maria Angela da Silva INGLÊS PARA A ÁREA DE TURISMO: análise de necessidades do mercado e de aprendizagem Dissertação de Mestrado apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre em Letras

Leia mais

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado

Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque. Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados. Dissertação de Mestrado Luiz Fernando Fernandes de Albuquerque Avaliação de algoritmos online para seleção de links patrocinados Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de

Leia mais

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL

DIMENSÃO 1 A MISSÃO E O PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL Faculdade Educacional da Lapa 1 FAEL RESULTADOS - AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL 2012 O referido informativo apresenta uma súmula dos resultados da autoavaliação institucional, realizada no ano de 2012, seguindo

Leia mais

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO

DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS ÁREAS DA ADMINISTRAÇÃO Resultados do ENADE 2012 e do Censo da Educação Superior 2013 dos Cursos de Bacharelado em Administração e dos Cursos Superiores de Tecnologia em determinadas áreas da Administração Bahia Janeiro de 2015

Leia mais

ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO. Dissertações, Teses e Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação, Especialização e outros.

ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO. Dissertações, Teses e Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação, Especialização e outros. ESTRUTURA DO TRABALHO ACADÊMICO Dissertações, Teses e Trabalhos de Conclusão de Curso de Graduação, Especialização e outros. Estrutura Elementos Parte externa Capa (obrigatório) Lombada (opcional) Parte

Leia mais

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com

Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com Luiz Roberto Liza Curi Conselheiro Conselho Nacional de Educação - CNE incolarum@hotmail.com 1 Instâncias de Avaliação MEC CNE CONAES SERES INEP CTAA 2 Desafios da educação superior brasileira 1. Como

Leia mais

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos.

Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. Sistema de Educación Superior en Brasil: Panorama, perspectivas y desafíos. CLAUDIA MAFFINI GRIBOSKI Directora de Evaluación del INEP Instituto Nacional de Estudos e Pesquizas Educacionais Ainísio Teixeria

Leia mais

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012

EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS PARA A REVISTA PRÁXIS: SABERES DA EXTENSÃO EDITAL 23/2012 A Pró-Reitoria de Extensão do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia da Paraíba

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 01/2012 PRÓ-REITORIA DE ENSINO/IFMG/SETEC/MEC, DE 05 DE JUNHO DE 2012. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS PRÓ-REITORIA DE ENSINO Av. Professor Mario Werneck, nº 2590,

Leia mais

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015

Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional. Ciclo Avaliativo 2013 2015 Relatório Parcial de Autoavaliação Institucional Ciclo Avaliativo 2013 2015 Cascavel 2014 CPA Comissão Própria de Avaliação Presidente Prof. Gelson Luiz Uecker Representante Corpo Docente Profa. Anália

Leia mais

EXAME NACIONAL DE CURSOS E POLÍTICA DE REGULAÇÃO ESTATAL DO ENSINO SUPERIOR ALFREDO MACEDO GOMES Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Pernambuco alf1964@terra.com.br RESUMO

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL Lei n o 9.795, de 27 de Abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso

Leia mais

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008

Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Ministério da Educação Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira RESUMO TÉCNICO CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2008 Brasília DF 2009 SUMÁRIO LISTA DE TABELAS... 3 APRESENTAÇÃO...

Leia mais

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS

Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Relatório da IES ENADE 2012 EXAME NACIONAL DE DESEMEPNHO DOS ESTUDANTES GOIÁS UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais G O V E R N O F E D E R A L P A Í S R

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação

Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO NORMAS PARA APRESENTAÇÃO GRÁFICA DE DISSERTAÇÕES E TESES DEFENDIDAS NOS PROGRAMAS

Leia mais

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1

LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 LEGISLAÇÃO EDUCACIONAL PARA O ENSINO DE MÚSICA NAS SÉRIES INICIAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL NA REGIÃO SUL DO BRASIL 1 Gabriel Ferrão Moreira 2 Prof. Dr. Sérgio Luiz Ferreira de Figueiredo 3 Palavras-chave:

Leia mais

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global

data PROJETO DE LEI N 8035/2010. 1 Supressiva 2. Substitutiva 3. Modificativa 4. Aditiva 5. Substitutivo global Página Artigo: 6º Parágrafo: Único Inciso Alínea EMENDA MODIFICATIVA O parágrafo único do Artigo 6º do PL n 8035 de 2010, passa a ter a seguinte redação: Art. 6º... Parágrafo único. O Fórum Nacional de

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual

Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual Universidade Federal de Goiás Faculdade de Artes Visuais Programa de Pós-Graduação em Arte e Cultura Visual NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE RELATÓRIOS PARA QUALIFICAÇÃO (MESTRADO E DOUTORADO), TESES E TRABALHOS

Leia mais

Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas. PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br

Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas. PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br ENADE CPC IGC Os impactos do IGC e CPC na vida econômica das IES Privadas PROF. DR. JAIR DOS SANTOS JÚNIOR jairsantosjr@santosjunior.com.br Contexto ENADE CPC IGC O nascimento dos indicadores (2008) Portaria

Leia mais

Acompanhar a evolução do tema Avaliação do Ensino Superior junto ao MEC, no sentido de manter a instituição atualizada sobre esta discussão.

Acompanhar a evolução do tema Avaliação do Ensino Superior junto ao MEC, no sentido de manter a instituição atualizada sobre esta discussão. O que é a CPA? A Comissão Própria de Avaliação CPA é parte integrante do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior e é responsável pela condução dos processos de avaliação internos da instituição,

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional

REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS. PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional REFERENCIAIS ESTRATÉGICOS Projeto de Lei nº 8.035, de 2010 PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO 2011-2020: metas que envolvem a Educação Profissional O PNE é formado por: 10 diretrizes; 20 metas com estratégias

Leia mais

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3

Janine Garcia 1 ; Adamo Dal Berto 2 ; Marli Fátima Vick Vieira 3 ENSINO A DISTÂNCIA: UMA ANÁLISE DO MOODLE COMO INSTRUMENTO NO PROCESSO ENSINO-APRENDIZAGEM DO ENSINO MÉDIO E SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE (IFC) - CÂMPUS ARAQUARI

Leia mais

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PLANO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REDAÇÃO DO PROJETO DE LEI Aprova o Plano Municipal de Educação - PME e dá outras providências. O Prefeito do Município de vereadores decreta e eu sanciono a seguinte Lei: Faço

Leia mais

EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE

EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE 1 EAD NO BRASIL: A RELAÇÃO ENTRE O IDH REGIONAL E UMA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE Maringá Pr. 05/2015 Ednar Rafaela Mieko Shimohigashi Centro Universitário Cesumar ednar.shimohigashi@unicesumar.edu.br Eliane

Leia mais

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO

FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO FACULDADE LEGALE RELATÓRIO DE AUTOAVALIAÇÃO 2013 DE ACORDO COM O MODELO DO: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO - COMISSÃO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR CONAES/INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA PRÓ-REITORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA MESTRADO EM SAÚDE PÚBLICA NORMAS PARA ELABORAÇÃO DA DISSERTAÇÃO CAMPINA GRANDE 2015 1 DISSERTAÇÃO A defesa pública da dissertação

Leia mais

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO

A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO MESTRADO EM EDUCAÇÃO A DISLEXIA COMO DIFICULDADE DE APRENDIZAGEM SOB A ÓTICA DO PROFESSOR UM ESTUDO DE CASO NEUZA APARECIDA GIBIM PONÇANO Presidente Prudente SP

Leia mais

Análise da Governança Corporativa como Determinante das Despesas de Auditoria e Consultoria no Brasil

Análise da Governança Corporativa como Determinante das Despesas de Auditoria e Consultoria no Brasil Rodrigo Telles Pires Hallak Análise da Governança Corporativa como Determinante das Despesas de Auditoria e Consultoria no Brasil Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Administração

Leia mais

RELATÓRIO DOS CURSOS DE BACHARELADO E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM ADMINISTRAÇÃO. Bahia

RELATÓRIO DOS CURSOS DE BACHARELADO E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM ADMINISTRAÇÃO. Bahia RELATÓRIO DOS CURSOS DE BACHARELADO E CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIA EM ADMINISTRAÇÃO Bahia Fevereiro de 2013 0 DADOS ESTATÍSTICOS DOS CURSOS DE BACHARELADO E DOS CURSOS SUPERIORES DE TECNOLOGIAS EM DETERMINADAS

Leia mais

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação

Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Renata Céli Moreira da Silva Responsabilidade Social no Ensino em Administração: um estudo exploratório sobre a visão dos estudantes de graduação Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa

Leia mais

Planejamento CPA Metropolitana 2013

Planejamento CPA Metropolitana 2013 Planejamento CPA Metropolitana 2013 1 Planejamento CPA Metropolitana Ano 2013 Denominada Comissão Própria de Avaliação, a CPA foi criada pela Legislação de Ensino Superior do MEC pela Lei 10.861 de 10

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE

FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE CAPA DURA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E MEIO AMBIENTE NOME DO ALUNO Arial 18, negrito TÍTULO SUBTÍTULO Arial 18, negrito ARIQUEMES-RO 2011 FOLHA EM BRANCO ( FOLHA DE GUARDA ) Arial 18, negrito FACULDADE DE EDUCAÇÃO

Leia mais

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.

ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados. PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com. ENADE e CPC Como compreender seu desempenho e estratégias de melhoria de resultados PROF. AMÉRICO DE ALMEIDA FILHO aalmeidaf@yahoo.com.br CPC Conceito Preliminar de Curso 1 - Nota dos Concluintes no ENADE

Leia mais

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência

Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Roberta de Souza Chun Análise de Persistência de Participantes em Planos de Previdência Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo Programa

Leia mais

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás

MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás MAPEANDO AS CORRELAÇÕES ENTRE PRODUTIVIDADE E INVESTIMENTOS DE BOLSAS EM PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO: o caso da Universidade Federal de Goiás Dalton Lopes Martins (UFG) dmartins@gmail.com Arlon Silva (UFG)

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO. Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE EDUCAÇÃO JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática São Paulo 2010 JOÃO FÁBIO PORTO Diálogo e interatividade em videoaulas de matemática

Leia mais

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco

Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal do Vale do São Francisco 349 PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES SOBRE INFRAESTRUTURA DOS CURSOS DE PSICOLOGIA: CONSIDERAÇÕES A PARTIR DO ENADE-2006 Mônica Lima Universidade Federal da Bahia Monica Aparecida Tomé Pereira Universidade Federal

Leia mais

Normas para Redação da Dissertação/Tese

Normas para Redação da Dissertação/Tese Normas para Redação da Dissertação/Tese Estrutura A estrutura de uma dissertação, tese ou monografia compreende três partes fundamentais, de acordo com a ABNT (NBR 14724): elementos prétextuais, elementos

Leia mais

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1

25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 A EVOLUÇÃO DO MAPEAMENTO DA INTEGRAÇÃO ENTRE PÓS- GRADUAÇÃO E GRADUAÇÃO EM DIREITO NO BRASIL: A UTILIDADE DAS BASES DE DADOS DA CAPES 2007/2009 E INEP

Leia mais

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS

VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS VI Seminário da Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VI Seminário,

Leia mais

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010

CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 1 CENSO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR 2010 O Censo da Educação Superior, realizado anualmente pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), constitui se em importante instrumento

Leia mais

Público Alvo: Investimento: Disciplinas:

Público Alvo: Investimento: Disciplinas: A Universidade Católica Dom Bosco - UCDB com mais de 50 anos de existência, é uma referência em educação salesiana no país, sendo reconhecida como a melhor universidade particular do Centro-Oeste (IGC/MEC).

Leia mais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais

Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Raquel Rodrigues Santos Técnicas de modelagem do improvement para construção de tábuas geracionais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre

Leia mais

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP

ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL EM ITAPEVI/SP CONGRESSO INTERNACIONAL INTERDISCIPLINAR EM SOCIAIS E HUMANIDADES Niterói RJ: ANINTER-SH/ PPGSD-UFF, 03 a 06 de Setembro de 2012, ISSN 2316-266X ANÁLISE DESCRITIVA DO POLO PRESENCIAL DA UNIVERSIDADE ABERTA

Leia mais

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO

NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO NORMATIZAÇÃO E REGULAÇÃO DOS DOCUMENTOS OFICIAIS DAS INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO SUPERIOR LASSALISTA CURSOS DE GRADUAÇÃO PROVÍNCIA LA SALLE BRASIL - CHILE APRESENTAÇÃO O Setor de Educação Superior da Província

Leia mais

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim

Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim Informativo Comissão Própria de Avaliação URI Erechim 7ª edição março 2015 Avaliação Institucional: um ato de consolidação para as universidades! Segundo o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais

Leia mais

Graziela Xavier Fortunato. Otimização dos Dispêndios de Publicidade sob Incerteza dos Ciclos Econômicos. Tese de Doutorado

Graziela Xavier Fortunato. Otimização dos Dispêndios de Publicidade sob Incerteza dos Ciclos Econômicos. Tese de Doutorado Graziela Xavier Fortunato Otimização dos Dispêndios de Publicidade sob Incerteza dos Ciclos Econômicos Tese de Doutorado Tese apresentada ao Programa de Pós-graduação em Administração de Empresas do Departamento

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri

Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Raquel Jauffret Guilhon Geração automática de suíte de teste para GUI a partir de Rede de Petri Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do grau de Mestre pelo

Leia mais

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC

Coordenação de Pós-Graduação e Extensão. Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Coordenação de Pós-Graduação e Extensão Legislação sobre cursos de Pós-graduação Lato Sensu e Credenciamento da FACEC Os cursos de especialização em nível de pós-graduação lato sensu presenciais (nos quais

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADA: Fundação de Ensino e Tecnologia de Alfenas (FETA) UF: MG ASSUNTO: Recredenciamento da Universidade José do Rosário

Leia mais

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado

Heloisa Iara Colchete Provenzano. Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais. Dissertação de Mestrado Heloisa Iara Colchete Provenzano Personalidade e Risco: Um estudo em Finanças Comportamentais Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação em Administração de Empresas da

Leia mais

" Controle de Estoque com a Utilização do Sistema Kanban"

 Controle de Estoque com a Utilização do Sistema Kanban Vinicius Valverde de Assis " Controle de Estoque com a Utilização do Sistema Kanban" Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção do título de Mestre (opção profissional)

Leia mais

Proposta para otimização de processos licitatórios na Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU

Proposta para otimização de processos licitatórios na Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU Adriana Fonseca Lins Proposta para otimização de processos licitatórios na Companhia Brasileira de Trens Urbanos - CBTU Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial para obtenção

Leia mais

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL

ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL ATUALIZA ASSOCIAÇÃO CULTURAL ENFERMAGEM EM EMERGÊNCIA ÍRIA CRUZ PIMENTEL RELAÇÃO DA ETNIA COM A HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RESGISTRADOS NO PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DE HIPERTENSOS E DIABÉTICOS

Leia mais

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT

ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RESUMO ABSTRACT ESTATISTICA SOBRE O NÚMEROS DE BOLSAS OU FINANCIAMENTOS NA FACULDADE RAMOS, Alaína dos S. 1 SANTOS, Jéssica 2 PETITTO, Sonia 3 PERRI, Ricardo Alves 4 RESUMO Sabe-se que, hoje em dia, existe um grande aumento

Leia mais

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME

XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME XXV ENCONTRO NACIONAL DA UNCME Os desafios da Educação Infantil nos Planos de Educação Porto de Galinhas/PE Outubro/2015 Secretaria de Educação Básica CONCEPÇÃO DE EDUCAÇÃO INFANTIL É direito dos trabalhadores

Leia mais

Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres

Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres Naira da Costa Muylaert Lima Infraestrutura, Gestão Escolar e Desempenho em Leitura e Matemática: um estudo a partir do Projeto Geres Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada como requisito parcial

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPH0339 O ENSINO SUPERIOR NO GOVERNO FHC E SUA DISTRIBUIÇÃO SOBRE O

Leia mais

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação

Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação Pesquisa TIC Educação 2010 Coletiva de Imprensa Pesquisa sobre o Uso das Tecnologias de Informação e Comunicação nas Escolas Brasileiras TIC Educação São Paulo, 09 de Agosto de 2011 CGI.br Comitê Gestor

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS

CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS CONVITE E CHAMADA DE TRABALHOS E PROPOSTAS DE SESSÕES E MINICURSOS A Rede Brasileira de Monitoramento e Avaliação (RBMA) convida os interessados a participarem do seu VII Seminário, que acontecerá nos

Leia mais

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS

AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS AVALIAÇÃO, GESTÃO E QUALIDADE NO ENSINO SUPERIOR AS POLÍTICAS PÚBLICAS BRASILEIRAS Fernanda de Cássia Rodrigues Pimenta UNICID 1 fernanda@educationet.com.br Prof. Dra. Celia Maria Haas UNICID 2 celiamhaas@uol.com.br

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS

INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS INSTITUTO SUPERIOR MIGUEL TORGA ESCOLA SUPERIOR DE ALTOS ESTUDOS Envolvimento parental e nível sociocultural das famílias: Estudo comparativo num agrupamento escolar Marco Sérgio Gorgulho Rodrigues Dissertação

Leia mais

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006.

PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. PORTARIA Nº 300, DE 30 DE JANEIRO DE 2006. Aprova, em extrato, o Instrumento de Avaliação Externa de Instituições de Educação Superior do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES O MINISTRO

Leia mais

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos

Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Padrão FEAD de normalização Manual para normalização de trabalhos técnicos científicos Objetivo Visando padronizar os trabalhos científicos elaborados por alunos de nossa instituição Elaboramos este manual

Leia mais

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1

BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS. NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 BIBLIOTECA DE CIÊNCIAS JURÍDICAS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE DOCUMENTOS CIENTÍFICOS: TRABALHOS ACADÊMICOS Aula 1 Paula Carina de Araújo paulacarina@ufpr.br 2014 Pesquisa Pesquisa Atividade básica da ciência

Leia mais

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010

CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 2010 Capítulo. Análisis del discurso matemático escolar CURSOS DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA DO ESTADO DE SÃO PAULO, NO BRASIL: UMA DESCRIÇÃO COM BASE EM DADOS DE 200 Marcelo Dias Pereira, Ruy César Pietropaolo

Leia mais