Uma revisão da literatura sobre ensino de Mecânica Quântica em revistas brasileiras de pesquisa em Ensino de Física/Ciência

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Uma revisão da literatura sobre ensino de Mecânica Quântica em revistas brasileiras de pesquisa em Ensino de Física/Ciência"

Transcrição

1 Uma revisão da literatura sobre ensino de Mecânica Quântica em revistas brasileiras de pesquisa em Ensino de Física/Ciência Glauco Cohen Ferreira Pantoja Marco Antônio Moreira Victoria Elnecave Herscovitz Resumo Neste trabalho, apresentamos os resultados de uma revisão da literatura em revistas brasileiras (Qualis CAPES A1, A2, B1 e B2 categoria Ensino de Ciências e Matemática) sobre a pesquisa em ensino de Mecânica Quântica (MQ) no período situado entre 1999 e Constatamos, a partir da adaptação das categorias empregadas na revisão de literatura de Greca e Moreira (2001), que a maioria dos artigos descreve resultados de implementações de propostas didáticas e/ou análise de concepções dos estudantes sobre MQ. Verificou-se também que o número de artigos publicados ao longo dos últimos dez anos, embora aparentemente baixo (20 artigos), não é irrelevante no que tange aos valores médios de publicações sobre o tema, inclusive em revistas internacionais. Palavras-chave: Ensino de Física, Mecânica Quântica, Revisão da literatura Abstract A review of the literature on quantum mechanics teaching in brazilian journals of research in physics/science education In this paper, we present the results of a review of the literature in brazilian research journals (Qualis CAPES A1, A2, B1 and B2 Science and Mathematics Teaching category) about the research on Quantum Mechanics (QM) teaching in the period situated between 1999 and We found, based on an adaptation of the categories proposed by Greca and Moreira (2001) in a previous

2 review of the literature, that the majority of articles describes the results of new didactic approaches and/or analysis of students conceptions about QM. We verified also that the number of published articles during the last ten years, although seemingly few, is not irrelevant when we regard the average number of publications about the theme, even in international journals. Keywords: Physics Teaching, Quantum Mechanics, Review of literature

3 Introdução Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR A Mecânica Quântica (MQ), um ramo da Física com grande importância no desenvolvimento tecnológico atual, se apresenta como uma nova forma de enxergar o mundo e possui uma nova linguagem que nos permite estudar de forma muito precisa os mecanismos físicos ocorrentes no domínio subatômico. Desta forma, o entendimento deste conteúdo é fundamental tanto para a comunicação dessa nova fronteira da tecnologia, quanto para a divulgação da cultura científica vigente na Física dos séculos XX e XXI. Os esforços para inserir este conteúdo no currículo escolar nos países desenvolvidos são grandes e têm dado motivação a várias pesquisas no tema, sejam estas de viés cognitivo ou sóciocultural. Desta forma, os países desenvolvidos como os europeus e os EUA têm produzido bastante neste sentido e isto fica muito claro em um trabalho de revisão de literatura sobre o ensino de MQ que cobria publicações datadas de 1970 até o ano 2000 (Greca e Moreira, 2001). É importante, portanto, verificar o estado da arte das revistas brasileiras no que diz respeito ao tema exposto, pois assim poderemos ter um parâmetro comparativo de como se encontra a produção específica neste tema em relação às publicações das revistas internacionais. Objetivos Buscamos identificar artigos publicados em revistas brasileiras no intuito de verificar a realização de pesquisas em ensino de MQ. É importante nos situarmos no contexto da pesquisa em torno deste tema, dada a sua relevância, bem como devido à importância da inserção do conteúdo de MQ no currículo do Ensino Médio. Fizemos então a revisão do assunto ensino de MQ, pois além de ser a linha de pesquisa na qual nos inserimos, é um tema de pesquisa que tem crescido nos últimos anos, embora seja recente segundo Greca e Moreira (2001). Listamos a quantidade de artigos nesta área e os categorizamos segundo a classificação de Greca e Moreira (2001) para que tenhamos um padrão comparativo mais fidedigno. Essa categorização nos dará um indicativo do que está sendo publicado no Brasil e qual a ênfase que é dada para a pesquisa nesta linha. O critério de seleção que usamos para a seleção das revistas foi o Qualis da CAPES. Escolhemos as de origem brasileira cujos Qualis eram A1,A2,B1 ou B2, ou seja, as mais bem classificadas pela CAPES.

4 Metodologia Consultamos a partir de 1999 as seguintes revistas: Alexandria (UFSC), Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Ciência e Educação, Experiências em Ensino de Ciências, Investigações em Ensino de Ciências, Revista Brasileira de Ensino de Física, Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Na classificação dos artigos seguimos categorias adaptadas a partir das de Greca e Moreira (2001): Estudo sobre concepções dos estudantes a respeito de conteúdos de MQ. Análise curricular e críticas aos cursos introdutórios de MQ. Propostas didáticas. Implementação de propostas didáticas (inclusão nossa). A identificação dos artigos foi feita através das páginas das revistas na internet, pela leitura dos resumos de artigos presentes nos índices de cada número das revistas e também pela verificação das palavras-chave (Mecânica Quântica, Física Moderna e Ensino de Física). É importante, ainda, esclarecer que desconsideramos temas como supercondutividade ou partículas elementares por serem muito específicos em relação ao tema da revisão. Resultados e discussão Encontramos nas revistas procuradas: 5 artigos no Caderno Brasileiro de Ensino de Física; 4 artigos na revista Ciência e Educação; 5 artigos na revista Investigações em Ensino de Ciências; 5 artigos na Revista Brasileira de Ensino de Física; 1 artigo na Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. Não foi identificado nenhum artigo nas outras revistas pesquisadas. Quanto à categorização, um dos artigos foi classificado, concomitantemente, em duas categorias. Nesta situação, o artigo se enquadrou nas categorias de implementação de proposta

5 didática e na de estudos sobre concepções dos estudantes a respeito do conteúdo de MQ. Ressaltamos que um único artigo ficou fora das quatro classificações que esboçamos, visto que se tratava de uma discussão de Brockington e Pietrocola (2005) sobre a aplicabilidade das regras da transposição didática à Mecânica Quântica. Na tabela 1 apresentamos o número de artigos enquadrado em cada uma das classificações por nós adaptada de Greca e Moreira (2001). Tabela 1 - Número de artigos em cada categoria Estudo sobre Análise curricular Propostas Implementação de Análise concepções dos ou críticas aos didáticas propostas didáticas teórica estudantes a cursos respeito do introdutórios de conteúdo de MQ MQ Na sequência esboçamos uma descrição de cada um dos artigos, a partir da leitura dos mesmos. Fanaro et al. (2007) apresentaram uma proposta didática baseada no método de caminhos múltiplos de Feynmann, aplicada em uma turma de uma escola do Ensino Secudário argentino. Na proposta os autores integraram o uso do arcabouço conceitual da formulação de Feynmann com o uso do programa Modellus para a realização de cálculos matemáticos e exibições geométricas. Sugeriram no trabalho a experiência de dupla-fenda como uma situação para dar sentido a vários conceitos básicos de Mecânica Quântica tais como distribuição de probabilidade, sistema quântico, amplitude de probabilidade, soma das amplitudes de probabilidade, constante de Planck e ao limite de transição Física Clássica Física Quântica. A proposta é embasada em duas teorias de aprendizagem: a teoria da aprendizagem significativa de Ausubel e a teoria dos campos conceituais de Vergnaud e em outro trabalho (Fanaro et al.,2009) narram os resultados da implementação da proposta com turmas de Ensino Médio da Argentina afirmando, inclusive, que houve evidências de aprendizagem significativa Barros e Bastos (2006) publicaram os resultados da introdução do corolário do ciclo da experiência Kellyana a uma proposta didática que envolvia o conceito de difração de elétrons. A proposta foi implementada em Campina Grande (Paraíba), a um grupo de 15 alunos no qual parte

6 cursava a disciplina de Física Moderna e parte a disciplina de Mecânica Quântica. Aplicaram uma série de questionários e realizaram entrevistas como avaliação. A metodologia das aulas reunia elementos experimentais (tipo experimento virtual) e aulas expositivas. Concluíram que a conceitualização destes alunos melhorou, mas que seu conhecimento prévio de Mecânica Quântica era incipiente, assim como o conhecimento de Óptica Ondulatória. Ostermann e Ricci (2005) discutiram a implementação de uma proposta didática que tinha como premissa a minimização do uso do formalismo matemático e maximização do conteúdo conceitual, a um grupo de 19 professores do Ensino Médio. O curso teve 18 encontros (de três horas-aula cada um) e seu conteúdo versava sobre temas como as diferenças entre os objetos clássicos e quânticos, as analogias com a óptica ondulatória, efeito fotoelétrico, espalhamento Compton, difração e interferência de feixes de partículas. O seguimento da disciplina foi dividido em três unidades, a saber, a conceitual (cujos resultados são expostos no trabalho referenciado), a formal e a de aplicações. A ênfase do curso estava no uso de experimentos virtuais (como o experimento de Mach-Zender, por exemplo) como ferramenta de exploração das características peculiares dos sistemas quânticos. De acordo com os autores, os resultados obtidos revelaram uma melhora significativa nas respostas formuladas. Pinto e Zanetic (1999), embasados na epistemologia de Gaston Bachelard, prepararam uma intervenção didática em forma de mini-curso para alunos de uma escola pública em Guarulhos, São Paulo. O mini-curso durou 12 horas e versou principalmente sobre a descrição histórica da luz (até a MQ, com a introdução do modelo fotônico) e sua avaliação envolveu três etapas, a saber, o esboço de um perfil epistemológico através do teste, uma etapa de trabalhos culturais, na qual, através de uma feira de ciências e de um relatório final, os alunos deixavam suas impressões e comentários relativos ao mini-curso. Estas críticas foram usadas no processo de reconstrução da unidade de ensino. Cavalcante e Tavolaro (2001) apresentaram uma proposta de quatro atividades de baixo custo para a inserção da Física Moderna no Ensino Médio. As atividades estavam embasadas em conceitos de óptica ondulatória (como difração e interferência), que culminaram em um experimento sobre o efeito fotoelétrico. A proposta surgiu a partir da análise de algumas concepções de alunos sobre a Física Moderna. Montenegro e Pessoa Jr. (2002) narraram o resultado de um estudo sobre concepções a respeito do conteúdo de MQ feito com 8 turmas de uma disciplina de Mecânica Quântica, no período final de seus cursos (com exceção de uma das turmas). O estudo envolveu 121 alunos e a metodologia usada para a pesquisa era a de análise de questionários e realização de entrevistas,

7 cujos conteúdos versavam sobre o experimento de dupla fenda, o princípio da incerteza, o conceito de estado quântico, o conceito de retrodição e o postulado da projeção. A categorização usada para dividir os dados foi a mesma usada por Pessoa Jr. no livro Conceitos de Física Quântica (Pessoa Jr, 2003), a saber, interpretação ondulatória realista, interpretação corpuscular realista, interpretação dualista realista e interpretação dualista positivista. Os autores concluíram que: O conhecimento que um aluno tem de uma área de Física não é perfeitamente integrado em sua mente. Às vezes, para um mesmo problema, isso o leva a enunciar uma frase e logo em seguida se contradizer (Montenegro e Pessoa Júnior, 2002, p. 123). Um aluno pode utilizar representações internas (scripts) distintas, ou interpretações privadas distintas e até contraditórias, para analisar problemas diferentes. (op. cit, p. 123). Há uma diferença grande entre defender explicitamente ou oficialmente uma interpretação, por um lado, e utilizá-la implicitamente ou privadamente para compreender um problema de Física Quântica, de outro. Ao passo que a maioria dos alunos defendeu oficialmente a interpretação ortodoxa, com relação à questão sobre o aparelho de Stern-Gerlach (seção 5) apenas 20% adotaram implicitamente a postura ortodoxa, sendo que 40% se aliaram à visão ondulatória, 30% à interpretação dualista realista e 10% à corpuscular. Esta discrepância revela que a questão das interpretações da teoria não é bem trabalhada nos cursos usuais de Mecânica Quântica (ibid). Há uma razoável correlação positiva (seção 6), ou seja, em muitos casos o aluno utilizou a mesma interpretação privada em dois problemas diferentes (ibid, p. 124). Brockington e Pietrocola (2005) descreveram a teoria da transposição didática de Yves Chevallard e analisaram as possibilidades de aplicação das regras desta para os conceitos de Mecânica Quântica ao nível do Ensino Médio, bem como as limitações e condições necessárias para tal. Criticaram, com base na teoria, as posturas de alguns materiais didáticos. Discutiram a possibilidade da ênfase na argumentação filosófica como meio de privilegiar o debate e as características mais qualitativas deste conhecimento. Souza et al. (2006) narraram os resultados do estudo das concepções de 99 estudantes do Ensino Médio mineiro relativas aos modelos atômicos de Thomson e Bohr, bem como o modo

8 pelo qual compreendem suas respectivas analogias, a saber, o pudim de passas e o sistema solar. Aplicaram questionários de perguntas abertas cujas respostas deram origens a categorias relativas ao modo pelo qual os alunos compreendiam as analogias. Os autores verificaram que a compreensão dos alunos da analogia do pudim de passas é deficiente e que os mesmos se posicionam acriticamente em relação ao que lhes é apresentado no contexto escolar. Muitos alunos não entendem a própria estrutura interna da analogia, ou seja, que a massa do pudim seria a carga positiva espalhada de forma homogênea e que as passas seriam as cargas negativas. Quanto à analogia do sistema solar a compreensão dos alunos foi também classificada como deficiente, porém a porcentagem dos alunos que conseguiram identificar as relações analógicas entre o átomo e o sistema solar foi maior do que no caso do pudim de passas. Carvalho Neto et al. (2009) implementaram uma proposta didática sobre a natureza preditiva da Mecânica Quântica e o seu caráter intrinsecamente probabilístico a um grupo de dez alunos do terceiro ano do Ensino Médio baiano. O estudo começou no ano de 2004 e envolveu observação participante. Os autores estudaram, de forma qualitativa, as concepções de cinco estudantes, antes e depois de um mini-curso que envolvia os fundamentos da MQ. Este minicurso durou 20 horas e foram discutidos aspectos como o efeito fotoelétrico (focando nas semelhanças e diferenças com a radiação clássica), o átomo de Bohr (com a introdução da discretização do momentum angular), a dualidade onda-partícula (dando a ênfase à complementaridade) e por fim a MQ formulada entre 1925 e O estudo passou à segunda fase (que consistiu na reformulação do primeiro mini-curso) envolvendo mais cinco estudantes no ano de Nesta etapa os objetos de discussão foram o experimento de dupla-fenda e o princípio da complementaridade para induzir a percepção dos estudantes ao aspecto preditivo da MQ. Como conclusão do estudo, os autores afirmaram que houve evidência de aprendizagem significativa, visto que houve uma diferenciação do conceito de probabilidade presente na estrutura cognitiva dos estudantes (o que facilitou a interpretação correta do Princípio de Incerteza de Heisenberg), bem como a percepção da natureza preditiva da MQ, por parte dos alunos. Greca e Herscovitz (2005, Greca et al., 2001) discutiram a aplicação de uma proposta didática que tinha como objetivo o ensino de conceitos como estado de um sistema físico, princípio de incerteza, superposição linear de estados, resultados de medições e distribuição de probabilidades, de forma conceitual-fenomenológica. O referencial teórico usado no estudo foi o da teoria dos modelos mentais de Johnson-Laird. O estudo envolveu 94 estudantes (três turmas de engenharia de uma disciplina de Física Geral IV) que formaram o grupo experimental (GE) e 24 estudantes, sendo 10 de uma turma de Física Geral IV (FG-IV) também de engenharia, 10 de uma

9 turma que cursava a disciplina de Introdução à MQ (IMQ) e 4 de uma turma que já havia cursado MQ I, formando o grupo de controle (GC). O GE participou de uma intervenção didática de 24 horas-aula, assim como os alunos da FG-IV do GC, enquanto os alunos da IMQ estiveram inclusos no curso regular de 60 horas-aula. A metodologia de avaliação foi o uso de pré-teste, pós-teste e de um teste de associação de conceitos. Como resultado as autoras expõem que 25% dos alunos de grupo experimental se enquadraram em um núcleo que usava os conceitos de MQ de forma desejável. 40% dos alunos se inseriram em um núcleo que usava alguns conceitos fundamentais da MQ de forma incompleta. 18% ficaram na faixa do uso de um híbrido entre MQ e MC, isto é, os conceitos de MQ foram captados de forma distorcida. 17% não conseguiram eliciar respostas às perguntas de forma incoerente, compondo um núcleo indeterminado. Em relação aos alunos do grupo de controle, as autoras afirmam que: As respostas do grupo da disciplina de FGIV "tradicional" (dividindo-se entre respostas clássicas e sem resposta) refletem o fato de que estes estudantes não receberam instrução específica acerca deste princípio, sendo praticamente apenas apresentados a uma definição do mesmo. O mesmo, porém, não se pode dizer dos outros grupos considerados: embora a discussão conceitual sobre tal princípio possivelmente tenha sido escassa, dadas as características das abordagens destes cursos (tradicional e técnica centrada na resolução de exercícios), todos os alunos resolveram em alguma instância problemas onde o uso do princípio era necessário. Isto pode refletir uma aprendizagem superficial e mecânica desta propriedade fundamental: aparentemente muitos dos estudantes se limitam a aplicar o formalismo quântico, sem tentar entendê-lo. (Greca e Herscovitz, 2005, p.74) Oliveira et al. (2007) narraram o resultado de uma pesquisa com dez professores do Ensino Médio fluminense (seis pós-graduados e quatro graduados) sobre a sua opinião quanto à introdução de conteúdos de Física Moderna no Ensino Médio, em especial do tema Raios-X. Os autores detectaram que a maior parte dos professores entrevistados não abordava o conteúdo de Física Moderna em suas aulas (a maior justificativa foi falta de tempo), porém grande parte deles achou interessante tanto o uso de História da Ciência nas aulas quanto a introdução do tema mencionado. Sales et al. (2008) apresentaram o resultado da implementação de uma proposta de um objeto de aprendizagem denominado pato quântico. Os autores concluíram que a atividade motivou os alunos e foi muito divertida para os alunos e não fizeram nenhuma conclusão direta acerca da aprendizagem.

10 Araújo e Rodrigues (2001) esboçaram uma comparação entre as disciplinas de Física Moderna (FM) e Mecânica Quântica (MQ), afirmando que a primeira era relativa aos cursos de licenciatura e bacharelado em Física e a segunda somente à grade do bacharelado em Física. Concluíram, a partir da análise dos livros didáticos mais usados nos cursos, que a disciplina FM tem um viés mais conceitual do que a disciplina MQ, que possui caráter mais matemático e formal. Concluiram também que aquela é uma introdução desta e é suficiente para prover os licenciandos do conteúdo de Teoria Quântica necessário para os futuros professores do Ensino Médio. A segunda seria, entretanto, um aprofundamento necessário somente aos alunos do bacharelado, dada a matematização inerente à disciplina. Peduzzi e Basso (2005) discutiram a avaliação de um texto, que tratava sobre o átomo de Bohr, escrito para professores do Ensino Médio. O texto buscava fazer a introdução do conteúdo através de uma filosofia da ciência lakatosiana como uma alternativa mais adequada ao empirismo-indutivismo, concepção implícita na grande maioria dos livros didáticos do Ensino Médio, segundo os autores. O material foi exposto à análise de estudantes de licenciatura, mestrandos e doutorandos da UFRGS e UFSC. Os analistas se posicionaram como favoráveis ao material e ainda sugeriram várias críticas que os autores iriam incorporar ao material. Ostermann e Ricci (2004, Ostermann et al. 2008) narraram o resultado da aplicação de uma proposta didática voltada para a mudança conceitual de professores em formação continuada. A proposta didática era estruturada em torno da diferenciação entre os conceitos da Física Moderna e da Física Clássica. Na abordagem, não foram usados modelos semi-clássicos para não dificultar o processo de evolução conceitual. Foi usado também um interferômetro de Mach- Zender virtual no tratamento do conceito de interferência e para a introdução de conceitos da MQ. Verificaram diferenças (resultados positivos) estatisticamente significativas entre o pré-teste e o pós-teste a um nível p<0.001 e ainda constataram evoluções nas concepções dos estudantes. Lobato e Greca (2005) investigaram a inserção de conteúdos de teoria quântica nos currículos de Física do Ensino Médio de alguns países europeus, a saber, Portugal, Espanha, França, Inglaterra, País de Gales, Dinamarca, Suécia, Canadá, Austrália, Itália, Finlândia, concluindo que Portugal, Espanha, Itália e Finlândia, têm seus currículos enquadrados no enfoque tradicional (que utiliza via histórica), ou seja, inserção da TQ através da hipótese de Planck e do efeito fotoelétrico, seguidos do princípio da incerteza e da dualidade onda-partícula. Alguns destes países dão ênfase à

11 parte experimental (a Finlândia, por exemplo) enquanto outros ressaltam O aspecto filosófico do conteúdo; Dinamarca, Suécia, Canadá e Austrália seguem um padrão semelhante ao da Inglaterra, que adotou a perspectiva de Feymann exibida no seu livro intitulado QED (Quantum Electrodynamics), na tentativa de mudar a proposta tradicional. Rezende Júnior e Cruz (2009) entrevistaram 31 estudantes de Licenciatura em Física no intuito de obter informações acerca de como estes estudantes vislumbravam a pertinência dos conceitos de Física Moderna ao Ensino Médio. Quinze deles estudavam em universidades catarinenses e 16 em universidades mineiras. Como resultado os autores apresentaram que: os professores, em sua maioria, se interessavam em levar a FMC para a escola média, mas as declarações que eles fazem são preocupantes no que tange à formação inicial e podem refletir o uso da cultura dos pré-requisitos; não demonstraram clareza acerca dos conhecimentos prévios necessários para se aprender a FMC; tendiam a reproduzir a sequência dos temas estudados durante suas formações quando questionados sobre a possibilidade de implementação de tópicos e temas da FMC no Ensino Médio; criam que, por causa da Matemática, o conteúdo de FMC deve ser tratado somente de forma informativa. Conclusão/síntese O número de artigos de pesquisa em ensino de MQ, embora aparentemente baixo, é relativamente expressivo nas revistas brasileiras, visto que em uma revisão da literatura (em andamento) que incluía mais 15 revistas internacionais, selecionadas a partir do mesmo critério usado neste trabalho, encontramos 59 artigos no total. A quantidade de artigos, por nós identificados em revistas brasileiras, foi 20 artigos, o que é equivalente a quase um terço do número artigos obtidos na revisão da literatura que incluía revistas internacionais. Outro aspecto a comentar é o de que dez dos artigos são relativos à implementação de propostas didáticas e o segundo maior número de artigos era relativo ao estudo de concepções dos estudantes sobre MQ. Uma possível explicação para este fato pode estar correlacionada ao período em que realizamos a revisão. Greca e Moreira em 2001 assinalaram que a maioria das pesquisas focava em propostas didáticas ou em críticas às abordagens tradicionais, porém sua

12 revisão varria o período da década de 70 ao final da década de 90, no qual provavelmente havia pouco material previamente desenvolvido sobre o tema. Nosso trabalho, por outro lado, analisa um período no qual a discussão se fundamenta em bases previamente lançadas, bem como em trabalhos anteriormente desenvolvidos. Não fizemos uma revisão crítica da literatura, e isto deve ser esclarecido, pois este fator não nos permite afirmar se, de fato, as implementações das propostas didáticas foram todas frutíferas, bem como não nos permite inferir se as concepções listadas nos artigos são contextualmente aceitas. A revisão aponta, entretanto, para um avanço quantitativo no que diz respeito à publicação de trabalhos relativos ensino de Mecânica Quântica em revistas brasileiras, com algumas destas aceitando trabalhos em outras línguas tais como o espanhol e em menor número, o inglês. Referências ARAÚJO, W. S. e RODRIGUES, C. Comparação entre as ementas de um curso de mecânica quântica e física moderna. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 23, n. 3, BARROS, M. A. e BASTOS, H. B. Investigando o uso do ciclo da experiência Kellyana na compreensão do conceito de difração de elétrons. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v.24, n.1, BROCKINGTON, G. e PIETROCOLA, M. Serão as regras da transposição didática aplicáveis aos conceitos de física moderna? Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.10, n.3, CARVALHO NETO, R. FREIRE Jr. e SILVA, J. Improving student s meaningful learning in the predicative nature of quantum mechanics. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.14, n.1, CAVALCANTE, M. e TAVOLARO, C. Uma oficina de física moderna que vise sua inserção no ensino médio. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v.18, n.3, FANARO, M. A.,ARLEGO, M. e OTERo, M. R. El método de caminos múltiples de Feynman como referencia para introducir los conceptos fundamentales de la mecánica cuántica en la escuela secundaria. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v.24, n.2, 2007.

13 FANARo, M. A., ARLEGO, M. e OTERO, M. R. Teaching the foundations of quantum mechanics in secondary school: a proposed conceptual structure. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v. 14, n.1, GRECA, I. e HERSCOVITZ, V. Superposição linear em mecânica quântica. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v.5,n.1, GRECa, I. M. e MOREIRA, M. A. Uma revisão da literatura sobre estudos relativos ao ensino da mecânica quântica introdutória. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.6, n.1, GRECA, I. M., MOREIRA, M. A. e HERSCOVITZ, V. E. Uma proposta para o ensino de mecânica quântica. Revista brasileira de ensino de física, São Paulo, v.23, n LOBATO, T. e GRECA, I. M. Análise da inserção de conteúdos de teoria quântica nos currículos de física do ensino médio. Ciência e Educação, Bauru, v.11, n.1, MONTENEGRO, R. e PESSOA Jr., O. Interpretações da teoria quântica e as concepções dos alunos do curso de física. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.7, n.2, OLIVEIRA, F., VIANNA, D. M. e GERBASSI, R. Física moderna no ensino médio: o que dizem os professores? Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v.29, n OSTERMANN, F. e RICCI, T. Conceitos de física quântica na formação de professores: relato de uma experiência didática centrada no uso de experimentos virtuais. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v.22, n.1, OSTERMANN, F. e RICCI, T. Construindo uma unidade conceitual sobre mecânica quântica: um estudo na formação de professores de física. Ciência e Educação, Bauru, v.10, n.2, OSTERMANN, F., PRADO, S. D., e RICCI, T. Investigando a aprendizagem de professores de física acerca do fenômeno da interferência quântica. Ciência e Educação, Bauru, v.14, n.1, PEDUZZI, L. O. Q. e BASSO, A. Para o ensino do átomo de Bohr no nível médio. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 27, n.4, PESSOA Jr., O. Conceitos de Física Quântica. São Paulo: Editora Livraria da Física PINTO, A. C. e ZANETIC, J. É possível levar a física quântica para o ensino médio? Caderno Brasileiro de Ensino de Física, Florianópolis, v.16, n.1, REZENDE Jr., M. F. e CRUZ, F. F. S. Física moderna e contemporânea na formação de licenciados em física: necessidades conflitos e perspectivas. Ciência e Educação, Bauru, v.15, n.2, 2009.

14 SALES, G., VASCONCELOS, F. H. L., FILHO, J. A. C. e Pequeno, M. C. Atividades de modelagem exploratória aplicada ao ensino de física moderna com a utilização do objeto de aprendizagem pato quântico. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v.30, n.2, SOUZA, V., JUSTI, R. e FERREIRA, P. Analogias utilizadas no ensino dos modelos atômicos de Thomson e Bohr: uma análise crítica do que os alunos pensam a partir delas. Investigações em Ensino de Ciências, Porto Alegre, v.11, n.1, Glauco Cohen Ferreira Pantoja. Estudante de mestrado do Programa de Pós-graduação em Ensino de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Marco Antônio Moreira. Professor do Programa de Pós-graduação em Ensino de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Victoria Elnecave Herscovitz. Professora colaboradora do Programa de pós-graduação em Ensino de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO

ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO ATIVIDADES EXPERIMENTAIS PARA O ESTUDO DA ASTRONOMIA: CONSTRUINDO O SISTEMA SOLAR REDUZIDO José da Silva de Lima¹; José Rodolfo Neves da Silva²; Renally Gonçalves da Silva³; Alessandro Frederico da Silveira

Leia mais

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos.

Palavras-chaves: Ensino de Química, Educação, Softwares Educativos. SOFTWARES EDUCACIONAIS PARA FUTUROS PROFESSORES DE QUÍMICA Joycyely Marytza de Araujo Souza Freitas 1 Reneid Emanuele Simplicio Dudu 2 Gilberlândio Nunes da Silva 3 RESUMO Atualmente a informática e a

Leia mais

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

ANEXO I - EDITAL Nº 15/2015 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE ENSINO PROCESSO SELETIVO DO 2º SEMESTRE 205 ANEXO I - EDITAL Nº 5/205 QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINA E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Habilitação: Regime: Duração: PEDAGOGIA LICENCIATURA FORMAÇÃO PARA O MAGISTÉRIO EM EDUCAÇÃO INFANTIL SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização:

Leia mais

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES

CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES CONSTRUINDO TRIÂNGULOS: UMA ABORDAGEM ENFATIZANDO A CONDIÇÃO DE EXISTÊNCIA E CLASSIFICAÇÕES Poliana de Brito Morais ¹ Francisco de Assis Lucena² Resumo: O presente trabalho visa relatar as experiências

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA:

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( X ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA

SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA SOFTWARES LIVRES: UMA REDE PARA O ENSINO E APRENDIZAGEM DE MATEMÁTICA NA REGIÃO CARBONÍFERA Ms. Jeferson Fernando de Souza Wolff RESUMO O computador, como ferramenta pedagógica para ensino e aprendizagem

Leia mais

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional

RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO. GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional RELATO DO PROJETO OBSERVATÓRIO DA EDUCAÇÃO GT 06 Formação de professores de Matemática: práticas, saberes e desenvolvimento profissional Maria Madalena Dullius, madalena@univates.br Daniela Cristina Schossler,

Leia mais

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428

Aula 8 Fótons e ondas de matéria II. Física Geral F-428 Aula 8 Fótons e ondas de matéria II Física Geral F-428 1 Resumo da aula anterior: Planck e o espectro da radiação de um corpo negro: introdução do conceito de estados quantizados de energia para os osciladores

Leia mais

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO

VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br RESUMO CONFLITOS CONCEITUAIS COM IMAGENS RELATIVAS A CONCEITOS COMUNS ENTRE A MATEMÁTICA ELEMENTAR E A AVANÇADA 1 VALÉRIA GUIMARÃES MOREIRA 2 CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS lelagm@yahoo.com.br

Leia mais

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação

Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Concepções de Professores que Ensinam Matemática para os Anos Iniciais a Respeito do Campo Conceitual Aditivo no Âmbito do Observatório da Educação Valdir Amâncio da Silva 1 Angélica da Fontoura Garcia

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS

MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS MODELAGEM CONCEITUAL EM MATEMÁTICA. UMA EXPERIÊNCIA COM O USO DO SOFTWARE CMAPTOOLS Dr. André Ricardo Magalhães andrerm@gmail.com Universidade do Estado da Bahia Brasil Modalidade: Comunicação Breve Nível

Leia mais

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA.

EDITAL Nº 001/2014 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA. EDITAL Nº 00/204 DED/PROEN/IFAM ANEXO I QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO DE VAGAS POR DISCIPLINAS E CURSOS LICENCIATURA EM FÍSICA Módulo I Educação a Distância e Ambiente Virtual de Aprendizagem História e

Leia mais

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES

NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES NÚCLEO DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA E ENSINO DE FÍSICA E AS NOVAS TECNOLOGIAS NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES Edson Crisostomo dos Santos Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES edsoncrisostomo@yahoo.es

Leia mais

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA

CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA CONCEPÇÕES MATEMÁTICA APRESENTADAS POR PROFESSORES DO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PSICOPEDAGOGIA Jacqueline Oliveira de Melo Gomes Faculdade de Formação de Professores da Mata Sul / FAMASUL-PE jacomgomes@yahoo.com.br

Leia mais

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL

A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 A TEORIA E A PRÁTICA NO CURSO DE PEDAGOGIA: O LIMITE DO POSSÍVEL Celeida Belchior Cintra Pinto 1 ; Maria Eleusa Montenegro

Leia mais

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005.

METODOLOGIA. 1 Centros de Educação de Jovens e Adultos, criados pela portaria nº 243 de 17 de fevereiro de 2005. USO DE SITES VISANDO A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA DE FÍSICA NO CURSO SEMIPRESENCIAL DA EJA INTRODUÇÃO Francinaldo Florencio do Nascimento Governo do Estado da Paraíba fran.nice.fisica@gmail.com Vivemos

Leia mais

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES

A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES A AÇÃO-REFLEXÃO NA FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES PINTO 1,SIMONE P; VIANNA 2,DEISE M. 1 Programa de Pós Graduação em Ensino de Biociências e Saúde. Instituto Oswaldo Cruz. 2 Instituto de Física. Universidade

Leia mais

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química

Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Abordagem de Licenciandos sobre softwares educacionais de Química Autor(a): Joycyely Marytza 1 INTRODUÇÃO As atuais concepções pedagógicas exigem do professor a inclusão das novas tecnologias para um melhor

Leia mais

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor

Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Atividades CTS em uma abordagem argumentativa: a reflexão de um futuro professor Ariane Baffa Lourenço 1, Maria Lúcia V. dos S. Abib 2 e Salete Linhares Queiroz 3 1 Programa de Pós-Graduação Interunidades

Leia mais

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA

OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA OBSERVANDO AS FASES DA LUA, AS ESTAÇÕES DO ANO E OS ECLIPSES DE OUTRO PONTO DE VISTA Autores : Edson KARSTEN; Irene WEHRMEISTER. Identificação autores: Acadêmico do curso Física Licenciatura, IFC-Campus

Leia mais

MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010.

MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA. MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010. MAPAS CONCEITUAIS E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA MOREIRA, Marco Antonio. Mapas Conceituais e Aprendizagem Significativa. São Paulo: Centauro, 2010. OBJETIVO Abordar mapas conceituais essencialmente como

Leia mais

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA

TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA TENDÊNCIAS DE PESQUISA SOBRE OS LIVROS DIDÁTICOS DE CIÊNCIAS E FÍSICA Resumo LEITE, Álvaro Emílio UFPR aelfis@yahoo.com.br GARCIA, Nilson Marcos Dias* UTFPR/UFPR nilson@utfpr.edu.br ROCHA, Marcos UFPR

Leia mais

Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano.

Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano. Alfred Landé (13 de dezembro de 1888, Elberfeld, Alemanha 30 de outubro de 1976, Columbia, EUA ). -> foi um físico alemão/norte americano. -> mais conhecido por suas contribuições para a teoria quântica.

Leia mais

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA

A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA A CONSTRUÇÃO DE ESPAÇOS E MATERIAIS DIGITAIS PARA A EDUCAÇÃO MATEMÁTICA: O USO DO SMARTPHONE NO ENSINO DA GEOMETRIA Autores : Agata RHENIUS, Melissa MEIER. Identificação autores: Bolsista IFC-Campus Camboriú;

Leia mais

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014.

Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. Portaria Inep nº 254, de 02 de junho de 2014. Publicada no Diário Oficial da União em 04 de junho de 2014. O Presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep),

Leia mais

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM

O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM O ENSINO DE FÍSICA: DA METODOLOGIA DE ENSINO ÀS CONDIÇÕES DE APRENDIZAGEM José Cícero Santos (UFAL) [cjnego2007@gmail.com] Aldisío Alencar Gomes (UFAL) [aldisioalencar@gmail.com] Ana Paula Perdigão Praxedes

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS

A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS A UTILIZAÇÃO DE METODOLOGIAS ALTERNATIVAS NA FORMAÇÃO DOS PROFESSORES DE BIOLOGIA: A QUESTÃO DOS PROJETOS Prof. Dra. Simone Sendin Moreira Guimarães Instituto de Ciências Biológicas/ICB Universidade Federal

Leia mais

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE

PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE PESQUISA AÇÃO: ACOMPANHANDO OS IMPACTOS DO PIBID NA FORMAÇÃO DOCENTE Rafaela Souza SANTOS, Valquiria Rodrigues do NASCIMENTO, Dayane Graciele dos SANTOS, Tamíris Divina Clemente URATA, Simara Maria Tavares

Leia mais

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES

ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA NEVES ANÁLISE DE VÍDEOS DOCUMENTAIS: PERSPECTIVAS PARA DISCUSSÕES ACERCA DO PROGRAMA ETNOMATEMÁTICA Rouseleyne Mendonça de Souza NEVES Mestrado em Educação em Ciências e Matemática - UFG Órgão financiador: CAPES

Leia mais

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia.

Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Fractais na escola: a prática de uma engenharia didática apoiada por tecnologia. Autor 1 * Autor 2 ** Resumo: Neste artigo vamos apresentar o relato de uma proposta de trabalho desenvolvida na escola básica

Leia mais

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA

O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA O PERCURSO FORMATIVO DOS DOCENTES QUE ATUAM NO 1º. CICLO DE FORMAÇÃO HUMANA Profª. Ms. Marilce da Costa Campos Rodrigues - Grupo de estudos e pesquisas em Política e Formação Docente: ensino fundamental

Leia mais

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa

Centro de Estudos Avançados em Pós Graduação e Pesquisa EDUCAÇÃO INFANTIL JUSTIFICATIVA O momento social, econômico, político e histórico em que vivemos está exigindo um novo perfil de profissional, de cidadão: informado, bem qualificado, crítico, ágil, criativo,

Leia mais

5 Considerações finais

5 Considerações finais 5 Considerações finais 5.1. Conclusões A presente dissertação teve o objetivo principal de investigar a visão dos alunos que se formam em Administração sobre RSC e o seu ensino. Para alcançar esse objetivo,

Leia mais

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN CONTEÚDOS ATITUDINAIS E PROCEDIMENTAIS NO ENSINO DA METAMORFOSE DE BORBOLETAS

Leia mais

ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA

ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA ENSINO E APRENDIZAGEM DA MATEMÁTICA ESCOLAR: (RE) CONSTRUINDO CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO DE ATITUDES POSITIVAS EM RELAÇÃO À GEOMETRIA Nelson Antonio Pirola UNESP npirola@uol.com.br Resumo: O minicurso

Leia mais

HISTÓRIA E FILOSOFIA DA CIÊNCIA NOS VESTIBULARES DO SUL DO BRASIL. Kauan Dalfovo Marquez 1 ; Otávio Bocheco 2

HISTÓRIA E FILOSOFIA DA CIÊNCIA NOS VESTIBULARES DO SUL DO BRASIL. Kauan Dalfovo Marquez 1 ; Otávio Bocheco 2 HISTÓRIA E FILOSOFIA DA CIÊNCIA NOS VESTIBULARES DO SUL DO BRASIL Kauan Dalfovo Marquez 1 ; Otávio Bocheco 2 INTRODUÇÃO Várias potencialidades e benefícios têm sido apontados, na literatura especializada,

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS.

CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. CONTRIBUIÇÕES DO CURSO ONLINE DE NIVELAMENTO EM MATEMÁTICA PARA OS DISCENTES DOS CURSOS PRESENCIAIS DE ENGENHARIAS E CIÊNCIAS CONTÁBEIS. Flávio de Paula Soares Carvalho. (UNIPAM E-mail: flavioscarvalho@unipam.edu.br)

Leia mais

A relevância do contrato didático na explicação de dificuldades de aprendizagem na disciplina de estatística em cursos de Psicologia

A relevância do contrato didático na explicação de dificuldades de aprendizagem na disciplina de estatística em cursos de Psicologia A relevância do contrato didático na explicação de dificuldades de aprendizagem na disciplina de estatística em cursos de Psicologia Giselda Machado Magalhães Moreno Jorge Tarcísio da Rocha Falcão Universidade

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA

Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Mestrado Profissional em Ensino de Biologia em Rede Nacional - PROFBIO PROPOSTA Considerando que o Ensino Médio é para a maioria dos cidadãos a última oportunidade de uma educação formal em Biologia, a

Leia mais

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO A VIVÊNCIA DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO Autor (1) Sergio Morais Cavalcante Filho Universidade Estadual da Paraíba (UEPB CCEA Patos) email: sergio.smcf@gmail.com RESUMO O presente artigo expõe uma experiência

Leia mais

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO GEOPLANO CIRCULAR: PROPICIANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Maria da Gloria Vasconcellos Cid Faculdades Integradas Geraldo Di Biase Volta Redonda RJ glorinhacid@hotmail.com INTRODUÇÃO A Matemática tem

Leia mais

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA

O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA 1 O ENSINO DE ESTATÍSTICA NO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO OFERECIDO NA MODALIDADE À DISTÂNCIA: AVALIAÇÃO DE UMA EXPERIÊNCIA Rio Grande/RS, maio de 2009 Suzi Samá Pinto Universidade Federal de Rio Grande (FURG)

Leia mais

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO

CONSELHO DE CLASSE DICIONÁRIO CONSELHO DE CLASSE O Conselho de Classe é um órgão colegiado, de cunho decisório, presente no interior da organização escolar, responsável pelo processo de avaliação do desempenho pedagógico do aluno.

Leia mais

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I

George Kelly (1905-1967) 11 - Kelly. Ponto de Partida. Kelly. O Realismo de Kelly. Universo de Kelly. Estágio Curricular Supervisionado em Física I 11 - Kelly George Kelly (1905-1967) Estágio Curricular Supervisionado em Física I www.fisica-interessante.com 1/33 www.fisica-interessante.com 2/33 Kelly Ponto de Partida formou-se em Matemática e Física

Leia mais

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano

Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano Produção de vídeos pelos Educandos da Educação Básica: um meio de relacionar o conhecimento matemático e o cotidiano SANTANA, Ludmylla Siqueira 1 RIBEIRO, José Pedro Machado 2 SOUZA, Roberto Barcelos 2

Leia mais

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA

XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA XIX CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA IMPACTOS DO PIBID/INGLÊS SUSTENTABILIDADE NOS ALUNOS André Henrique Gonçalves (UESC) henriqueios@live.com Laura de Almeida (UESC) prismaxe@gmail.com RESUMO

Leia mais

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado

Mostra de Projetos 2011. Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra de Projetos 2011 Como ensinar os porquês dos conceitos básicos da Matemática, visando a melhora do processo ensino e aprendizado Mostra Local de: Paranavaí Categoria do projeto: II - Projetos finalizados

Leia mais

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados.

Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. www..botanicaonline.com.br Site organizado pela Profa. Dra. Suzana Ursi Depto. de Botânica, Instituto de Biociências, USP Princípios de pesquisa na área de educação: análise de dados. Autor: João Rodrigo

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática.

Palavras-chave: Educação Matemática; Avaliação; Formação de professores; Pró- Matemática. PRÓ-MATEMÁTICA 2012: UM EPISÓDIO DE AVALIAÇÃO Edilaine Regina dos Santos 1 Universidade Estadual de Londrina edilaine.santos@yahoo.com.br Rodrigo Camarinho de Oliveira 2 Universidade Estadual de Londrina

Leia mais

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA

USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA USO DO LABORATÓRIO DE INFOMÁTICA NAS DE MATEMÁTICA Resumo: Neste mini-curso os participantes terão a oportunidade de conhecer uma metodologia, bem como também construir e trabalhar com a mesma, na tentativa

Leia mais

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática

Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Pesquisa com Professores de Escolas e com Alunos da Graduação em Matemática Rene Baltazar Introdução Serão abordados, neste trabalho, significados e características de Professor Pesquisador e as conseqüências,

Leia mais

Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul

Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul Um panorama dos Programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática no Rio Grande do Sul Resumo A prospect of Postgraduate programs of Science and Mathematics teaching in Rio Grande do

Leia mais

INTERESSE E MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE ESTUDANTES DA PRÁTICA DE ENSINO EM BIOLOGIA

INTERESSE E MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE ESTUDANTES DA PRÁTICA DE ENSINO EM BIOLOGIA INTERESSE E MOTIVAÇÃO EM SALA DE AULA: UM RELATO DE Resumo ESTUDANTES DA PRÁTICA DE ENSINO EM BIOLOGIA TARGA, Adriano Dias Santos UFPR adrianotargads@gmail.com PAIM, Andressa UFPR dessapaim@gmail.com PAREDES,

Leia mais

Universidade Estadual de Santa Cruz Licenciatura em Física UAB Prof. Geraldo Fernandes e Talita Duarte. Aula 04 Metodologia de um TCC

Universidade Estadual de Santa Cruz Licenciatura em Física UAB Prof. Geraldo Fernandes e Talita Duarte. Aula 04 Metodologia de um TCC Universidade Estadual de Santa Cruz Licenciatura em Física UAB Prof. Geraldo Fernandes e Talita Duarte Aula 04 Metodologia de um TCC Trabalho de Conclusão de Curso I Objetivos Ao final desta aula, você

Leia mais

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO

FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO FORMAÇÃO MATEMÁTICA EM CURSOS DE PEDAGOGIA EM DOIS TEMPOS: UM ESTUDO Thiago Tavares Borchardt Universidade Federal de Pelotas thiago tb@hotmail.com Márcia Souza da Fonseca Universidade Federal de Pelotas

Leia mais

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3

DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS. Maio/2005 216-TC-C3 1 DESENVOLVENDO HABILIDADES E CONSTRUINDO CONHECIMENTOS NO AMBIENTE VIRTUAL CYBERNAUTAS Maio/2005 216-TC-C3 José Antonio Gameiro Salles UNISUAM / CCET / Desenv. de Softwares & UNISUAM/LAPEAD - antoniosalles@gmail.com

Leia mais

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental

PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental PENSAMENTO ALGÉBRICO: Equações no Ensino Fundamental Antonia Zulmira da Silva (autor) 1 GD2 Educação Matemática nos anos finais do Ensino Fundamental Resumo: Este artigo tem por objetivo apresentar, analisar

Leia mais

ANÁLISE DOS CONTÉUDOS DE QUÍMICA ABORDADOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II

ANÁLISE DOS CONTÉUDOS DE QUÍMICA ABORDADOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II ANÁLISE DOS CONTÉUDOS DE QUÍMICA ABORDADOS NO ENSINO FUNDAMENTAL II Thais Cristina de Oliveira Rocha 1 (IC) * André Amaral Gonçalves Bianco 1 (PQ) 1 Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).*thais.cristina1991@gmail.com

Leia mais

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica

Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça. Metodologia Científica Projeto de Graduação 1 Prof. Fabiano Dorça Metodologia Científica Metodologia Científica Conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para formular e resolver problemas de aquisição

Leia mais

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS

UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS UMA INVESTIGAÇÃO COM ALUNOS DE UM CURSO DE LICENCIATURA EM MATEMÁTICA SOBRE A MOBILIZAÇÃO DE CONHECIMENTOS MATEMÁTICOS Cintia Ap. Bento dos Santos Universidade Cruzeiro do Sul Programa de Pós Graduação

Leia mais

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em

Procuramos verificar o que propõem alguns professores que ministram disciplinas relacionadas aos temas em questão nos cursos de licenciatura em A SISTEMATIZAÇÃO DOS CONTEÚDOS DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RELACIONADA AOS TEMAS JOGOS E BRINCADEIRAS E CAPOEIRA, NA PERSPECTIVA DE DOCENTES DO ENSINO SUPERIOR André Barros Laércio Iório Luciana Venâncio

Leia mais

Estatística básica na sala de aula.

Estatística básica na sala de aula. Estatística básica na sala de aula. Rodrigo Sychocki da Silva Porto Alegre, 12 de Julho de 2010. Estatística básica na sala de aula. Rodrigo Sychocki da Silva* Maria Alice Gravina** Marcus Vinicius de

Leia mais

Aprendizagem Significativa: o uso de um software matemático no ensino de função

Aprendizagem Significativa: o uso de um software matemático no ensino de função Aprendizagem Significativa: o uso de um software matemático no ensino de função Ângelo Gustavo Mendes Costa 1 GD9 Processos cognitivos e linguísticos em Educação Matemática Resumo do trabalho. Este trabalho

Leia mais

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA

POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA POTENCIALIDADES DO SOFTWARE GEOGEBRA NA SALA DE AULA DE MATEMÁTICA: UM EXEMPLO COM ENSINO E APRENDIZAGEM DE TRIGONOMETRIA Maria Maroni Lopes Universidade Federal do Rio Grande do Norte marolopes@hotmail.com

Leia mais

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa

6 Metodologia. 6.1 Situando a pesquisa 6 Metodologia Apresento neste capítulo a metodologia utilizada nesta pesquisa, o contexto em que ocorreu a coleta de dados, os participantes, os instrumentos usados e os procedimentos metodológicos para

Leia mais

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO

JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO JOGO DE PALAVRAS OU RELAÇÕES DE SENTIDOS? DISCURSOS DE LICENCIANDOS SOBRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRODUÇÃO DE TEXTOS EM UMA AVALIAÇÃO Tatiana Galieta (Universidade do Estado do Rio de Janeiro) Introdução

Leia mais

IV ENEBIO e II EREBIO da Regional 4 Goiânia, 18 a 21 de setembro de 2012

IV ENEBIO e II EREBIO da Regional 4 Goiânia, 18 a 21 de setembro de 2012 CONCEPÇÕES DE GRADUANDOS DE CURSOS DE LICENCIATURA DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE GOIÁS SOBRE CIÊNCIA, MÉTODO CIENTÍFICO E ENSINO DE CIÊNCIAS. Leonardo Henrique Montalvão (Programa FaunaCO Licenciando em Ciências

Leia mais

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO

A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO A PESQUISA NO ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS: RELAÇÃO ENTRE A TEORIA E A PRÁTICA DOCENTE DE ENSINO Silvana Sousa Andrade - UESC 1 GT15 - O Professor e a Pesquisa RESUMO: Este estudo aborda a relação entre

Leia mais

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA

A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA A PROBLEMATIZAÇÃO COMO ESTRATÉGIA METODOLÓGICA Jeferson Luiz Appel Dar-se-ia mais significação aos conteúdos conceituais a serem aprendidos pelos alunos pela necessidade de esses adquirirem um novo conhecimento

Leia mais

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL

CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL ISSN 2316-7785 CAMPO CONCEITUAL E REPRESENTAÇÕES SEMIÓTICAS DO CONCEITO DE FUNÇÃO: ANÁLISE DE LIVROS DIDÁTICOS DE MATEMÁTICA DO ENSINO FUNDAMENTAL Jéssica Goulart da Silva Universidade Federal do Pampa

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS COORDENAÇÃO DO BACHARELADO EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA OFICINA DE PRODUÇÃO ACADÊMICA Material de apoio à construção do TCC Prezados,

Leia mais

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA

CURSO DE LICENCIATURA EM FÍSICA SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SERTÃO PERNAMBUCANO DIREÇÃO DE ENSINO DEPARTAMENTO DE ENSINO SUPERIOR 1. Perfil do Curso CURSO DE LICENCIATURA

Leia mais

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se

relataram que mesmo com os cursos de treinamento oferecidos, muitas vezes se PEDAGOGIA HOSPITALAR: PERSPECTIVAS PARA O TRABALHO DO PROFESSOR. Bergamo, M.G. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Silva, D.M. (Graduanda em Pedagogia, Faculdades Coc); Moreira, G.M. (Curso de Pedagogia,

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 3 METODOLOGIA DA PESQUISA O objetivo principal deste estudo, conforme mencionado anteriormente, é identificar, por meio da percepção de consultores, os fatores críticos de sucesso para a implementação

Leia mais

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2

Mestre Profissional em Ensino de Matemática pela PUC-SP; emaildaraquel@uol.com.br 2 Estudo da reta em geometria analítica: uma proposta de atividades para o Ensino Médio a partir de conversões de registros de representação semiótica com o uso do software GeoGebra Raquel Santos Silva 1

Leia mais

MÍDIA E ENSINO DE BIOLOGIA: ASPECTOS DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA NOS PLANEJAMENTOS DE AULA CONSTRUÍDOS POR LICENCIANDOS

MÍDIA E ENSINO DE BIOLOGIA: ASPECTOS DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA NOS PLANEJAMENTOS DE AULA CONSTRUÍDOS POR LICENCIANDOS IX CONGRESO INTERNACIONAL SOBRE INVESTIGACIÓN EN DIDÁCTICA DE LAS CIENCIAS Girona, 9-12 de septiembre de 2013 COMUNICACIÓN MÍDIA E ENSINO DE BIOLOGIA: ASPECTOS DE ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA NOS PLANEJAMENTOS

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO

GUIA DE IMPLEMENTAÇÃO DO CURRICULO ANO 2 - APROFUNDAMENTO ESTRUTURA GERAL DOS ROTEIROS DE ESTUDOS QUINZENAL Os roteiros de estudos, cujo foco está destacado nas palavras chaves, estão organizados em três momentos distintos: 1º MOMENTO - FUNDAMENTOS TEÓRICOS -

Leia mais

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA

CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA CONTRIBUIÇÕES PARA UMA ALFABETIZAÇÃO CIENTÍFICA: ANALISANDO ABORDAGENS DA PRIMEIRA LEI DE NEWTON EM LIVROS DIDÁTICOS DE FÍSICA Andrew Stanley Raposo 1, Tayse Raquel dos Santos 2, Katemari Rosa 3 Unidade

Leia mais

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria.

Palavras-chave: Projeto de ensino; reprovação em Matemática; monitoria. REPROVAÇÃO EM MATEMÁTICA NO ENSINO SUPERIOR: UMA TENTATIVA DE REDUZIR OS ALTOS ÍNDICES Profa. Dra. Camila Pinto da Costa Universidade Federal de Pelotas camila.ufpel@gmail.com Profa. Dra. Rejane Pergher

Leia mais

A história e filosofia da ciência na sala de aula: Construindo estratégias didáticas com futuros professores de Física

A história e filosofia da ciência na sala de aula: Construindo estratégias didáticas com futuros professores de Física A história e filosofia da ciência na sala de aula: Construindo estratégias didáticas com futuros professores de Física Boniek Venceslau da Cruz Silva Centro de Ciências da Natureza, Universidade Federal

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCAEDHMT01-P A IMPORTÂNCIA EPISTEMOLÓGICA DA METODOLOGIA DE PESQUISA NAS CIÊNCIAS SOCIAIS Ozilma Freire dos Santos (1) Deyve Redyson (3). Centro de Ciências Aplicadas e Educação/Departamento de Hotelaria/MONITORIA

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 UMA ANÁLISE DA PERSPECTIVA DOS GRADUANDOS DO CURSO DE MATEMÁTICA DAS MODALIDADES DE LICENCIATURA E BACHARELADO DA UFRN SOBRE A FORMAÇÃO CONTINUADA STRICTO SENSU Claudianny Noronha Amorim Universidade Federal

Leia mais

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h)

METODOLOGIA DA PESQUISA. Característica: Obrigatória. Créditos: 2 (30 h) METODOLOGIA DA PESQUISA Ementa: Pesquisa qualitativa e quantitativa. As técnicas de observação e o trabalho de campo: componentes do trabalho de campo: componentes do trabalho de campo. O método cientifico.

Leia mais

GT2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE LECIONAM MATEMÁTICA NO SEGUNDO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO

GT2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE LECIONAM MATEMÁTICA NO SEGUNDO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO GT2: FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE LECIONAM MATEMÁTICA NO SEGUNDO SEGMENTO DO ENSINO FUNDAMENTAL E NO ENSINO MÉDIO Victor Giraldo UFRJ (victor.giraldo@ufrj.br) Letícia Rangel UFRJ (leticiarangel@ufrj.br)

Leia mais

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010

X Encontro Nacional de Educação Matemática Educação Matemática, Cultura e Diversidade Salvador BA, 7 a 9 de Julho de 2010 HISTÓRIA DA MATEMÁTICA E APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA: UMA COMBINAÇÃO POSSÍVEL NO ENSINO DE FUNÇÕES Cauê Roratto Universidade Estadual de Maringá caue_mtm@yahoo.com.br Clélia Maria Ignatius Nogueira Universidade

Leia mais

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano?

Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Atividades de interpretação de gráficos de barras e linhas: o que sabem os alunos do 5º ano? Maria Betânia Evangelista UFPE EDUMATEC - Brasil Resumo Esse estudo teve como objetivo analisar o desempenho

Leia mais

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra

Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Jogos Envolvendo Números Inteiros: Um Episódio na Classe de Sandra Simone Cristina do Amaral Porto 1 GD7 Formação de Professores que Ensinam Matemática Resumo do trabalho. Este artigo discute um projeto

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais