» CÓDIGO 44 «GEOPROCESSAMENTO - PERFIL 02

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "» CÓDIGO 44 «GEOPROCESSAMENTO - PERFIL 02"

Transcrição

1 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 CADERNO DE QUESTÕES» CÓDIGO 44 «GEOPROCESSAMENTO - PERFIL 02 OBSERVAÇÕES IMPORTANTES Este caderno tem um total de 50 (cinquenta) questões, distribuídas da seguinte forma: Questões de 01 a 20: Língua Portuguesa; Questões de 21 a 50: Conhecimentos Específicos. Verifique se este caderno está completo. Para cada questão são apresentadas cinco alternativas de resposta (a, b, c, d, e), sendo que o candidato deverá escolher apenas uma e, utilizando caneta esferográfica azul ou preta, preencher o círculo (bolha) correspondente no cartão-resposta. As respostas das questões deverão, obrigatoriamente, ser transcritas para o cartãoresposta, que será o único documento válido utilizado na correção eletrônica. Verifique se os dados constantes no cartão-resposta estão corretos e, se contiver algum erro, comunique o fato imediatamente ao aplicador/fiscal. O candidato terá o tempo máximo de 04 (quatro) horas para responder a todas as questões deste caderno e preencher o cartão-resposta. NÃO HAVERÁ SUBSTITUIÇÃO, sob qualquer hipótese, deste caderno, nem do cartãoresposta. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova. BOA PROVA! COORDENAÇÃO PERMANENTE DE CONCURSOS PÚBLICOS

2 Leia o Texto I e responda às questões de 01 a 15. LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO I Sobre técnicas de torrar café e outras técnicas Ronaldo Correia de Brito Já não existe a profissão de torradeira de café. Ninguém mais escuta falar nessas mulheres que trabalhavam nas casas de família, em dias agendados com bastante antecedência. As profissionais famosas pela qualidade do serviço nunca tinham hora livre. Cobravam caro e só atendiam freguesas antigas. Não era qualquer uma que sabia dar o ponto certo da torrefação, reconhecer o instante exato em que os grãos precisavam ser retirados do fogo. Um minuto a mais e o café ficava queimado e amargo. Um minuto a menos e ficava cru, com sabor travoso. Pra tudo na vida existe um ponto certo, diziam orgulhosas do ofício, mexendo as sementes no caco de barro escuro, a colher de pau dançando na mão bem treinada, o fogo aceso na temperatura exata. Muitos profissionais se especializavam na ciência de pôr um fim: os que mexiam a cocada no tacho de cobre, os que fabricavam o sabão caseiro de gorduras e vísceras animais, os que escaldavam a coalhada para o queijo prensado, os que assavam as castanhas. Nos terreiros de candomblé, onde se tocam para os orixás e caboclos, os iniciados sentem o instante em que a toada e o batuque alcançam o ponto de atuação, o transe que faz o santo descer e encarnar no seu cavalo. Nenhum movimento é mais complexo que o de finalizar. Nele, estão contidos o desapego e a separação, o sentimento de perda e morte. Sherazade contou suas histórias durante mil e uma noites, barganhando com o esposo e algoz Sheriar o direito de continuar vivendo e narrando. Mil noites é um número finito. O acréscimo de uma unidade ao numeral mil tornou-o infinito. Mil e uma noites se estendem pela eternidade. Sobrepondo narrativas, entremeando-as com novos contos, abrindo veredas de histórias que se bifurcam noutras, mantendo os enredos num contínuo com pausas diurnas, porém sem o ponto final, Sherazade adiou o término e a morte. De maneira análoga, Penélope tecia um manto sem nunca acabá-lo, acrescentando pontos durante o dia e desfazendo-os à noite. Também postergava o momento. [...] Uma artesã do barro de Juazeiro do Norte chora quando proponho comprar a cerâmica representando uma mulher com muletas, uma criança no peito, o feixe de lenha na cabeça. Conta a história que representou naquela peça simples, sente pena de separar-se de sua criatura. O xilogravador Gilvan Samico me apresenta os mais de cem estudos e as provas de autor até chegar à gravura definitiva. Olha para os lados e me confessa que se pudesse não venderia nenhuma das impressões. Confessa os dias de horror vividos até chegar ao instante em que se decide pela prova definitiva, quando o trabalho é considerado concluído e o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. Que valor possui o esposo de Sherazade, comparado à narrativa que a liberta da morte? Talvez apenas o de ser o pretexto para o mar de histórias que a jovem narra ao longo de mil e uma noites. E o que se segue a esse imaginário fim? O que ocupa a milésima segunda noite, supostamente sem narrativas? Eis a pergunta que todos os criadores se fazem. O que se seguirá ao grande vazio? Deus descansou no sétimo dia após sua criação. O artista descansa, ou apenas se angustia pensando se a criatura que pôs no mundo está verdadeiramente pronta, no ponto exato de um grão de café torrado por uma mestra exímia? Afirmam que a flecha disparada pelo arqueiro zen busca sozinha o alvo. Num estado de absoluta concentração, arqueiro, arco, flecha e alvo se desprendem da energia do movimento e partem em busca do ponto exato. Anos de exercício levam ao disparo perfeito. O escritor trabalha com personagens que o obsedam, alguns chegando a cavalgá-lo como os santos do candomblé. Sonha os sonhos do outro, numa entrega do próprio inconsciente à criação. Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manterse na superfície e salvar-se; com a mão esquerda anota frases sobre ruínas. Nunca possui a técnica exata de um arqueiro zen, nem a perícia de uma torradeira de café. Dialoga com a morte como Sherazade, mantém a respiração suspensa, negocia adiamentos e escreve. Num dia qualquer, sem que nada espere e sem compreender o que acontece à sua volta, um editor arranca papéis inacabados de sua mão. Disponível em: /sobre-tecnicas-de-torrar-cafe-e-outras-tecnicas.shtml Acesso em 12 jun (Texto adaptado). Língua Portuguesa 1

3 1. No TEXTO I, o autor a) apresenta a atual situação dos artesãos no Brasil. b) contesta a desigual valoração para as obras de arte. c) argumenta em prol da necessidade de se fomentar o fazer artístico. d) faz analogia entre o trabalho do artesão e o processo criativo do escritor. e) defende o processo de construção literária como o único capaz de ser concluído. 2. Ao afirmar que Sobrepondo narrativas, entremeando-as com novos contos, abrindo veredas de histórias que se bifurcam noutras, mantendo os enredos num contínuo com pausas diurnas, porém sem o ponto final, Sherazade adiou o término e a morte. (parágrafo 3), o autor do texto retrata a) o poder de sedução dos contos de fada. b) a capacidade de inventividade narrativa como possibilidade de salvação. c) a impossibilidade de se concluir uma produção literária em tempos modernos. d) a indispensável interrelação entre ficção e realidade na concepção da obra literária. e) a necessidade de se conhecer os clássicos da literatura, a exemplo de Mil e uma noites e a Odisseia. 3. Todas as passagens a seguir se reportam à dificuldade do artista em separar-se de sua obra, EXCETO: a) Uma artesã do barro de Juazeiro do Norte chora quando proponho comprar a cerâmica representando uma mulher com muletas, uma criança no peito, o feixe de lenha na cabeça. (parágrafo 4) b) Olha para os lados e me confessa que se pudesse não venderia nenhuma das impressões. (parágrafo 4) c) Confessa os dias de horror vividos até chegar ao instante em que se decide pela prova definitiva, quando o trabalho é considerado concluído e o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. (parágrafo 4) d) Conta a história que representou naquela peça simples, sente pena de separar-se de sua criatura." (parágrafo 4) e) O escritor trabalha com personagens que o obsedam, alguns chegando a cavalgá-lo como os santos do candomblé. (parágrafo 6) 4. A referência à técnica desenvolvida pelas torradeiras de café, apresentada no início do texto, a) denota a predileção do autor por técnicas artesanais, em detrimento das industriais. b) é uma forma de registrar o reconhecimento, por parte das novas gerações, à cultura popular. c) surge como uma homenagem do autor aos trabalhadores que conseguiram manter viva uma tradição popular. d) representa um exemplo da capacidade de certas técnicas rudimentares se perpetuarem ao longo das gerações. e) constitui-se ponto de partida para a discussão acerca da difícil arte de finalizar uma tarefa, tema retratado no decorrer do texto. 2 Língua Portuguesa

4 5. A finalização do processo de produção artística é retratada no texto como algo a) impessoal, em função das demandas comerciais. b) definitivo, já que registra o momento tão desejado pelo artista. c) angustiante e doloroso, por se tratar de uma separação entre criador e criatura. d) complexo, pelo fato de ser toda obra de arte o resultado de um trabalho coletivo. e) libertador, pois a conclusão de uma obra de arte instiga o artista a produzir sempre mais. 6. Considerando o texto, aponte, dentre as alternativas a seguir, aquela em que as expressões apresentam relação sinonímica. a) "fabricavam" "escaldavam" (parágrafo 2) b) "adiou" "postergava" (parágrafo 3) c) "estendem" "bifurcam" (parágrafo 3) d) "impressões" "estranheza" (parágrafo 4) e) "descansa" "angustia" (parágrafo 5) 7. No final do texto, ao comparar o arqueiro zen ao escritor, o autor observa que a) o arqueiro zen, diferentemente do escritor, dificilmente atinge seu objetivo. b) o arqueiro zen, diferentemente do escritor, consegue, com exatidão, finalizar seu trabalho. c) as ações do escritor e do arqueiro zen atingem, simultaneamente, o ponto exato de finalização. d) o escritor, ao contrário do arqueiro zen, dedica-se com esmero ao processo de produção, antes de finalizar seu trabalho. e) o escritor e o arqueiro zen não conseguem finalizar seus trabalhos com êxito, por mais que se esforcem. 8. A coesão de um texto se dá através da conexão entre vários enunciados e da relação de sentido existente entre eles. Em relação à coesão presente no texto, o termo destacado encontra-se devidamente justificado em: a) Ninguém mais escuta falar nessas mulheres que trabalhavam nas casas de família, *...+ (parágrafo 1). O termo em destaque indica uma referência à expressão freguesas antigas (parágrafo 1). b) Nele, estão contidos o desapego e a separação *...+ (parágrafo 3). O termo em destaque faz referência a nenhum movimento (parágrafo 3). c) *...+ quando o trabalho é concluído e o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. (parágrafo 4). O conectivo e indica uma progressão semântica que acrescenta um dado novo. d) *...+ a jovem narra ao longo de mil e uma noites. (parágrafo 5). O vocábulo em destaque caracteriza uma referência mais específica em relação ao termo a que se refere: Sherazade. e) *...+ alguns chegando a cavalgá-lo *...+ (parágrafo 6). O termo destacado substitui a expressão santos do candomblé. Língua Portuguesa 3

5 9. Em Nos terreiros de candomblé, onde se tocam para os orixás e caboclos, os iniciados sentem o instante em que a toada e o batuque alcançam o ponto *...+ (parágrafo 2), as vírgulas utilizadas a) evidenciam a expressão vocativa. b) indicam uma oração de valor comparativo. c) demarcam uma explicação acerca do espaço. d) determinam a introdução de expressão da fala do autor. e) marcam a opinião do autor em relação à informação anterior. 10. Analise as proposições a seguir: I. As palavras desapego e separação pertencem ao mesmo campo semântico. II. O prefixo na palavra infinito exprime sentido de negação. III. O termo sublinhado em O escritor trabalha com personagens que o obsedam tem como referente a expressão escritor. É CORRETO o que se afirma apenas em a) I. b) II. c) III. d) I e II. e) I e III. 11. O termo destacado em Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manter-se na superfície e salvar-se *...+ (parágrafo 6), pode ser substituído, sem alteração de sentido, por: a) Porque b) Para que c) Porquanto d) Contanto que e) Ao mesmo tempo que 12. Os conectivos ou partículas linguísticas de ligação, além de exercer funções coesivas, manifestam ainda diferentes relações de sentido entre os enunciados. Aponte, dentre as alternativas a seguir, aquela em que a relação estabelecida pelo conectivo em destaque está CORRETAMENTE indicada entre parênteses. a) Uma artesã do barro de Juazeiro do Norte chora quando proponho comprar a cerâmica. (Proporção). b) Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manter-se na superfície e salvar-se; (Consequência). c) Dialoga com a morte como Sherazade, [...] (Comparação). d) Olha para os lados e me confessa que se pudesse não venderia nenhuma das impressões. (Finalidade). e) Num dia qualquer, sem que nada espere e sem compreender o que acontece à sua volta [...] (Adversidade). 4 Língua Portuguesa

6 13. Por vezes, a omissão de palavras ou expressões não acarreta alteração no sentido de orações ou períodos, já que tal omissão pode ser depreendida do contexto. Há, dentre as alternativas a seguir, uma ocorrência assim caracterizada. Aponte-a. a) "Mil e uma noites se estendem pela eternidade". (parágrafo 3) b) "O que se seguirá ao grande vazio?" (parágrafo 5) c) "Deus descansou no sétimo dia após sua criação". (parágrafo 5) d) "Nunca possui a técnica exata de um arqueiro zen, *...+ (parágrafo 6) e) "[...] a flecha disparada pelo arqueiro zen busca sozinha o alvo". (parágrafo 6) 14. Analise as proposições a seguir, acerca da pontuação, e assinale (V), para o que for verdadeiro, e (F), para o que for falso. ( ) No trecho De maneira análoga, Penélope tecia um manto *...+", a vírgula é utilizada para separar uma expressão adverbial disposta no início do período. ( ) Em Dialoga com a morte como Sherazade, mantém a respiração suspensa, negocia adiamentos e escreve., as vírgulas são utilizadas para separar orações coordenadas. ( ) Em Enquanto se afoga em paixões, com a mão direita tenta manter-se na superfície e salvarse; *...+, não há razão linguístico-gramatical que justifique a presença da vírgula na sentença. Assim, seu uso é facultativo. A sequência que completa CORRETAMENTE os parênteses é a) V V F b) V F F c) F V F d) V V V e) F F V 15. A regência verbal em destaque na frase mulheres que trabalhavam nas casas de família é a mesma do verbo destacado em a) Anos de exercício levam ao disparo perfeito. b) Deus descansou no sétimo dia após sua criação. c) Muitos profissionais se especializavam na ciência de pôr um fim: *...+ d) O xilogravador Gilvan Samico me apresenta os mais de cem estudos: *...+. e) *...+ o criador experimenta a estranheza diante do que não mais lhe pertence. Língua Portuguesa 5

7 As questões de 16 a 18 referem-se ao TEXTO II, a seguir: TEXTO II Capítulo I Muito trabalho, mestre Zé? Está vasqueiro. Tenho umas encomendas de Gurinhém. Um tangerino passou por aqui e me encomendou esta sela e uns arreios. Estou perdendo o gosto pelo ofício. Já se foi o tempo em que dava gosto trabalhar numa sela. Hoje estão comprando tudo feito. E que porcarias se vendem por aí! Não é para me gabar. Não troco uma peça minha por muita preciosidade que vejo. Basta lhe dizer que seu Augusto do Oiteiro adquiriu na cidade uma sela inglesa, coisa cheia de arrebiques. Pois bem, aqui esteve ela para conserto. Eu fiquei me rindo quando o portador do Oiteiro me chegou com a sela. E disse, lá isto disse: por que seu Augusto não manda consertar esta bicha na cidade? E deu pela sela um preção. Se eu fosse pedir o que pagam na cidade, me chamavam de ladrão. É, mestre José Amaro sabe trabalhar, não rouba a ninguém, não faz coisa de carregação. Eles não querem mais os trabalhos dele. Que se danem. Aqui nesta tenda só faço o que quero. REGO, José Lins do. Fogo Morto. Record: Rio de Janeiro, Pelo disposto acima, é CORRETO afirmar sobre o Mestre José Amaro: a) Mostra-se insatisfeito com os resultados de seus últimos trabalhos. b) Prefere trabalhar para clientes de fora, pois estes valorizam seu trabalho. c) Orgulha-se do esmero com que desenvolve seu trabalho e da qualidade que lhe imprime. d) Embora se envaideça de seu ofício, preocupa-se com o fato de não poder mais executá-lo da melhor forma. e) Questiona a qualidade do trabalho de outros seleiros, mas reconhece o valor dos novos materiais industrializados. 17. É, mestre José Amaro sabe trabalhar, não rouba a ninguém, não faz coisa de carregação. Eles não querem mais os trabalhos dele. Que se danem. Aqui nesta tenda só faço o que quero. A fala final de Mestre José Amaro revela a) certa resignação diante das novas demandas do mercado. b) revolta por desenvolver seu ofício numa região de parcas condições. c) a decisão de não mais confeccionar produtos para o senhor Augusto do Oiteiro. d) a sua disposição em manter-se fiel ao trabalho de qualidade que sempre desenvolveu. e) a determinação por continuar tentando convencer os vaqueiros da qualidade de suas selas. 6 Língua Portuguesa

8 18. Atente para a seguinte passagem: Eles não querem mais os trabalhos dele. Agora, considere as seguintes afirmações acerca da expressão em destaque: I. Retoma um termo expresso anteriormente. II. Refere-se diretamente aos moradores e comerciantes da cidade. III. Embora não se refira a nenhum elemento textual anterior, o contexto possibilita a recuperação do termo referente. Está(ão) CORRETA(S): a) III apenas b) I e II apenas. c) I e III apenas. d) II e III apenas. e) I, II e III. 19. Leia a seguir: I. Declaração fundamentada em ponto de vista a respeito de um fato ou negócio. II. É o instrumento pelo qual Ministros ou outras autoridades expedem instruções sobre a organização e funcionamento de serviço e praticam outros atos de sua competência. III. Modalidade de comunicação entre unidades administrativas de um mesmo órgão, que podem estar hierarquicamente em mesmo nível ou em níveis diferentes. Trata-se, portanto, de uma forma de comunicação eminentemente interna. As descrições dizem respeito, respectivamente, a a) Parecer Portaria Memorando. b) Ofício Relatório Parecer. c) Parecer Ofício Portaria. d) Memorando Ofício Declaração. e) Portaria Requerimento Relatório. 20. Pela própria natureza, a redação oficial deve apresentar uma linguagem que obedeça a critérios específicos. Todas as características a seguir devem compor a redação oficial, EXCETO: a) Impessoalidade e clareza. b) Uso da linguagem padrão. c) Tratamento linguístico formal. d) Concisão e transparência de sentido. e) Presença de conotação e da criatividade do emissor. Língua Portuguesa 7

9 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» GEOPROCESSAMENTO Perfil 02 CÓDIGO 44 «21. Dentro dos conceitos do modelo de dados OMT-G, um Geo-Campo é utilizado para representações de fenômenos geográficos da variação contínua no espaço. Assinale a alternativa que descreve um Geo-Campo do tipo Tesselação: a) Uma coleção de pontos distribuídos de forma regular ou irregular em um determinado domínio espacial. b) Um conjunto de grades triangulares de pontos que cobrem um determinado domínio espacial. c) Uma coleção de linhas fechadas que não se cruzam e nem se tocam. d) Um conjunto de células regulares que não se sobrepõem e que cobrem completamente um determinado domínio espacial. Cada célula possui um único valor para todas as posições dentro dela. e) Um conjunto de regiões simples que não se sobrepõem e que cobrem completamente um determinado domínio espacial. 22. Em um banco de dados do SGBD Postgresql, com a extensão PostGIS habilitada, o seguinte comando SQL foi executado: SELECT a.geocodigo AS codigo_setor_censitario, count(b.cd_domicilio) AS quantidade_domicilios, a.geometria AS limite_setor_censitario FROM etabsetor a JOIN etablogradouros b ON st_contains(a.geometria,b.geometria) WHERE a.nome_uf= Paraíba GROUP BY a.geocodigo,a.geometria ORDER BY a.geocodigo Assinale a alternativa que contém o resultado CORRETO desse comando: a) Geometrias que representam os limites dos setores censitários do Estado da Paraíba, agrupadas pela quantidade de domicílios e ordenadas pelo código do setor censitário. b) Geometria que representa o limite do Estado da Paraíba, formada a partir do agrupamento dos limites dos setores censitários, com os atributos codigo_setor_censitario e quantidade de domicílios. c) Geometrias que representam os limites dos setores censitários do Estado da Paraíba, com os atributos código do setor censitário e quantidade de domicílios, ordenados pelo código do setor censitário. d) Geometrias que representam a localização dos domicílios do Estado da Paraíba dentro dos setores censitários, agrupados pelo código do setor censitário. e) Geometria que representa o limite do Estado da Paraíba com a quantidade de domicílios contidos em setores censitários. 8 Código 44 «Geoprocessamento - Perfil 02 «Conhecimentos Específicos

10 23. Assinale a alternativa que apresenta o método de indexação espacial baseado no menor retângulo envolvente (MBR ou Brounding Box) de cada geometria em uma tabela. a) R-Tree. b) B-Tree. c) Hast. d) Grid. e) BST. 24. As operações de análises espaciais são de extrema importância para o Geoprocessamento. As funções de análises espaciais utilizam atributos espaciais e não-espaciais das entidades gráficas armazenadas na base de dados espaciais e buscam fazer simulações (modelos) sobre os fenômenos do mundo real, seus aspetos ou parâmetros. Sobre tais operações, é INCORRETO afirmar: a) As operações pontuais geram, como saída, um geo-campo, cujos valores são função apenas dos valores dos geo-campos de entrada em cada localização correspondente. b) As operações booleanas são utilizadas em análise espacial, tendo, como base, operadores lógicos que não permitem a realização de cruzamentos entre dois ou mais planos de informação. c) As operações de vizinhança são efetuadas a partir de um geo-campo, computando um geo-campo de saída com base na dimensão e forma de uma vizinhança em torno de cada localização p. d) As operações zonais são sempre definidas sobre geo-campos. Pode-se citar como exemplo de operadores zonais: média, máximo e mínimo e desvio padrão sobre uma região especificada. e) As operações matemáticas compreendem: funções aritméticas, logarítmicas e trigonométricas, aplicadas a MNT s e a dados de sensores remotos. 25. A classificação de imagens, a partir do uso de algoritmos de classificação, permite a criação de imagens virtuais da área para a realização de um posterior cruzamento das informações obtidas, ou mesmo para a elaboração de mapas temáticos. Sobre os algoritmos de classificação de imagens é INCORRETO afirmar que: a) Os métodos do paralelepípedo, da distância mínima e da máxima verossimilhança são algoritmos de classificação supervisionada. b) O método da máxima verossimilhança (MAXVER) baseia-se na escolha de áreas que possam ser representativas de determinadas feições conhecidas. Este método utiliza a média e a covariância dos pixels amostrados, sendo calculada a probabilidade de um pixel externo a essas amostras pertencer a elas. c) Para utilizar o método MAXVER é necessário adquirir amostras (polígonos delimitadores) para cada uma das classes consideradas. Posteriormente, o método define a probabilidade de um dado pixel externo aos polígonos amostrados pertencer às suas respectivas classes e gera um mapa temático com as classes específicas. d) O método da distância mínima trabalha com uma área quadrada representativa, definida pelo menor e pelo maior valor de pixels contidos em um agrupamento pré-escolhido. Esses pixels, definidos por um polígono qualquer, representarão uma determinada classe presente em uma imagem. e) Os métodos não-supervisionados classificam os pixels de forma automática por meio de uma padronização de sua reflectância. Conhecimentos Específicos» Geoprocessamento - Perfil 02» Código 44 9

11 26. Sobre as técnicas de Tratamento Digital de Imagens é INCORRETO afirmar: a) A fusão de imagens tem como objetivo unir dados do sensor com melhor resolução espacial com outro sensor que possui melhor resolução espectral. b) O aumento de contraste é uma técnica usada para extração de informações de imagens. No entanto, esta técnica não irá nunca revelar informação nova que já não esteja contida na imagem original. c) Uma vez que as imagens de sensores orbitais são constituídas por várias bandas, composições coloridas de conjuntos de três bandas sintetizam de forma eficiente, numa única imagem, uma grande quantidade de informação, ao mesmo tempo em que representa essas informações em diferentes cores, facilitando, portanto, sua interpretação. d) A enorme mistura de frequências em uma imagem dificulta sobremaneira a interpretação de feições com frequências especificas. Para contornar este problema e melhorar a aparência da distribuição espacial das informações, são utilizadas técnicas de filtragem espacial de frequências. e) As técnicas de operações aritméticas consistem em realçar, seletivamente, as feições de alta, média e baixa frequências que compõem as imagens de sensoriamento remoto. 27. O processo de correção geométrica aplicado a imagens de sensores remotos bem como na Fotogrametria visa minimizar/eliminar uma série de distorções espaciais presentes nas cenas. No âmbito do Sensoriamento Remoto, assinale a alternativa INCORRETA quanto ao sistema de transformação baseada em pontos de controle no terreno. a) A precisão final alcançada em uma determinada imagem geometricamente corrigida será função direta da precisão dos pontos de controle bem como da precisão na identificação e posicionamento dos mesmos feita interativamente pelo usuário. b) O conceito básico está fundamentado na utilização de um modelo matemático que relaciona coordenada de pontos nos dois sistemas envolvidos: o sistema de imagem (bidimensional, dado em pixel) e o sistema de terreno (X, Y; ou X, Y, Z). c) Os pontos de controle (GCP s) devem ser feições bem definidas, com grande contraste espectral em relação aos seus arredores na imagem, facilmente identificáveis e de fácil acesso no campo. d) Um dos modelos matemáticos mais utilizados é a transformação afim geral que necessita, no mínimo, de 4 (quatro) pontos de controle no ajustamento pelo MMQ (Método dos Mínimos Quadrados). e) A transformação afim geral deverá corrigir quaisquer distorções de escala, deslocamento, rotação ou skew existentes entre a imagem e o mapa. 10 Código 44 «Geoprocessamento - Perfil 02 «Conhecimentos Específicos

12 28. O desenvolvimento de relações funcionais entre as características da vegetação (principalmente culturas agrícolas) e dados coletados remotamente tem sido meta de muitos profissionais dos setores agrícola e florestal. Para minimizar a variabilidade causada por fatores externos, a reflectância espectral tem sido transformada e combinada em vários índices de vegetação; os mais comumente empregados utilizam a informação contida nas refletâncias de dosséis referentes às regiões do vermelho e do infravermelho próximo. Objetivando calcular o Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (IVDN), um técnico em geoprocessamento utilizou-se da técnica de tratamento digital de imagens denominada operações aritméticas. A operação aritmética específica para a determinação mencionada foi: a) Razão de bandas. b) Adição de bandas. c) Subtração de bandas. d) Realce de bandas. e) Adição de bandas. 29. O TDI (Tratamento Digital de Imagens) tem como objetivo facilitar e/ou melhorar a extração de informações das imagens e consequentemente a classificação de padrões homólogos. A classificação pode ser alcançada utilizando-se métodos supervisionados e não-supervisionados. Sobre esses métodos, é INCORRETO afirmar: a) Numa classificação supervisionada, é obrigatório um treinamento prévio (aquisição de amostras). b) Numa classificação não-supervisionada, o algoritmo de classificação dispensa a fase de treinamento. c) Um mesmo algoritmo pode classificar de forma supervisionada e não supervisionada, pois o que diferencia um método do outro é apenas a etapa de treinamento. d) Os algoritmos supervisionados podem ser do tipo pixel e por região. e) MaxVer e K-médias são algoritmos de classificação supervisionados e não-supervisionados, respectivamente. 30. O satélite Landsat-8, também conhecido por LDCM (Landsat Data continuity Mission), foi lançado em 11 de fevereiro de 2013 e adquiriu a primeira imagem em 18 de março de Sobre o referido satélite, é INCORRETO afirmar que a) possui dois sensores, sendo um que capta a radiação eletromagnética refletida e outro que registra a radiação emitida pelos alvos da superfície terrestre. b) seu sistema de imageamento possui onze bandas espectrais, sendo 9 (nove) na região do espectro eletromagnético refletivo e 2 (duas) na região do espectro eletromagnético emissivo. c) possui sensor com capacidade de adquirir imagens com resolução espacial melhor que 900 m 2. d) possui resolução radiométrica de 11 (onze) bits. e) possui resolução temporal de 16 dias. Conhecimentos Específicos» Geoprocessamento - Perfil 02» Código 44 11

13 31. Em Sensoriamento Remoto, o termo resolução espectral refere-se ao número e à dimensão (tamanho) de intervalos de comprimentos de onda específicos (chamado de bandas ou canais) no espectro eletromagnético aos quais um instrumento de Sensoriamento Remoto é sensível. Assim, é CORRETO afirmar que o sensor remoto que possui melhor resolução espectral é: a) OLI (Operational Land Imager) do Landsat-8. b) ETM+ (Enhanced Tematic Mapper plus) do Landsat-7. c) TM (Tematic Mapper) do Landsat-5. d) AVNIR-2 (Advanced Visible and Near Infrared Radiometer type 2) do ALOS. e) TIRS (Thermal InfraRed Sensor) do Landsat Sobre resolução em Sistemas de Sensoriamento Remoto assinale (V), para o que for Verdadeiro e (F), para o que for Falso. ( ) Um instrumento hiperespectral de Sensoriamento Remoto adquire dados tipicamente em centenas de bandas espectrais. ( ) A Resolução espacial de um instrumento sensor é definida pelo tamanho do pixel. ( ) A resolução espacial nominal de um sistema sensor é definida como a dimensão em metros do IFOV projetado no terreno, onde o diâmetro do círculo no terreno é uma função do campo de visada instantâneo (IFOV) vezes a altitude do sensor sobre o nível do terreno. ( ) Quanto maior a resolução espacial nominal, maior o poder de resolução espacial do sistema de Sensoriamento Remoto. ( ) São exemplos de resoluções espaciais nominais: ETM+ (30 m x 30 m) Multiespectral; ETM+ (15 m x 15 m) Pancromática; CCD-Quickbird (61 cm x 61 cm) Pancromática; CCD-Quickbird (2 m x 2 m) Multiespectral. ( ) Para um mesmo sensor óptico, normalmente imagens obtidas em posição Nadir apresentam melhor resolução espacial que imagens obtidas em posição off-nadir. ( ) Uma alta resolução radiométrica aumenta a probabilidade de que os fenômenos sejam avaliados com mais exatidão pelo Sensoriamento Remoto. A sequência CORRETA é: a) V V V F F V F. b) F V V F V F F. c) V F V F F V V. d) F F F V F V V. e) V F F F F V V. 12 Código 44 «Geoprocessamento - Perfil 02 «Conhecimentos Específicos

14 33. Os sensores remotos orbitais são parte da carga útil dos satélites que têm como função adquirir dados da superfície terrestre, geralmente na forma de imagens. Tomando como base esta definição, a alternativa que corresponde a características de sensores orbitais imageadores é: a) Resoluções (espacial, espectral, molecular) e largura de faixa imageada. b) Resoluções (sensorial, espectral, radiométrica) e largura da faixa angular. c) Resoluções (espacial, espectral, radiométrica) e medida de distâncias. d) Resoluções (temporal, espectral, espacial) e medida de distâncias. e) Resoluções (espacial, espectral, radiométrica) e largura de faixa imageada. 34. No Sensoriamento Remoto, um sistema sensor é constituído basicamente por três partes, que são: a) Coletor, filme e lentes. b) Antena, detectores e filtros. c) Coletor, detector e processador. d) Detector, processador e lentes. e) Sistema óptico, processamento e armazenamento. 35. As ondas eletromagnéticas são agrupadas ou formadas por seus comprimentos e subdivididas em faixas que compõem o espectro eletromagnético. Que alternativa corresponde a intervalos do espectro visível, infravermelho próximo, infravermelho médio e infravermelho termal, respectivamente? a) 1,55 a 1,75 µm; 0,40 a 0,90 µm; 0,20 a 0,45 µm e 0,40 a 0,70 µm. b) 0,40 a 0,75 µm; 10,4 a 12,5 µm; 1,55 a 1,75 µm e 1,30 a 3,00 µm. c) 0,40 a 0,70 µm; 2,04 a 2,35 µm; 0,76 a 1,10 µm e 10,4 a 12,5 µm. d) 0,45 a 0,70 µm; 0,76 a 0,90 µm; 1,55 a 1,75 µm e 10,4 a 12,5 µm. e) 0,45 a 0,70 µm; 0,70 a 0,90 µm; 0,90 a 1,13 µm e 10,4 a 12,5 µm. 36. Os primeiros satélites artificiais para coleta de dados sobre os recursos naturais renováveis e não renováveis da superfície terrestre foram lançados no século passado (década de 70), quando, em 1972, os americanos lançaram o primeiro satélite com características para imageamento terrestre, o EARTH-1, rebatizado por Landsat-1. Vários outros satélites para observações terrestres foram colocados em órbita por diversos países, inclusive pelo Brasil. Nesse sentido, assinale a alternativa em que nem todos os itens correspondem a satélites de observação terrestre. a) Landsat-8, Deimos-1, GeoEye-1 e RapidEye. b) Landsat-8, SPOT-7, GeoEye-1 e Worldview-1. c) SRTM, Landsat-8, Worldview-1 e GeoEye-1. d) RADARSAT-2, GeoEye-2, Worldview-1 e Worldview-2. e) GeoEye-1, Landsat-5, Worldview-1 e Landsat-8. Conhecimentos Específicos» Geoprocessamento - Perfil 02» Código 44 13

15 37. Utilizando-se de dados do sensor OLI do Landsat-8, foi identificado que, em uma mesma imagem (banda espectral), os corpos hídricos tinham respostas espectrais divergentes. Tal diferença ocorria devido à alta quantidade de material em suspensão que alguns reservatórios hídricos apresentavam. Nesse sentido é INCORRETO afirmar que a) a divergência no padrão de resposta espectral dos corpos hídricos foi identificada em uma imagem (banda) da região do espectro eletromagnético da faixa do visível, pois a água com material em suspensão apresenta menor transmissão da radiação incidente nesta faixa de comprimento de onda. b) a divergência no padrão de resposta espectral dos corpos hídricos foi identificada na banda do infravermelho próximo, pois, nesta, a água apresenta alta absorção da radiação incidente. c) o material em suspensão tem como característica aumentar a reflectância da radiação eletromagnética da faixa do visível. d) os corpos hídricos que não apresentavam material em suspensão tinham maior transmitância. e) a banda espectral correspondente à região do infravermelho é a mais indicada para delimitar os corpos hídricos, estando estes com ou sem material em suspensão. 38. Sobre o comportamento espectral dos principais alvos terrestre, analise as seguintes afirmações: I. A curva espectral da vegetação no espectro visível é caracterizada por dois picos decorrentes da elevada absorção da REM solar pelos pigmentos das folhas. II. A partir do espectro infravermelho-próximo ocorre uma elevação da reflectância da vegetação associada diretamente à sua estrutura celular. III. Quanto maior o teor de umidade em um determinado tipo de solo, menor a reflectância no espectro visível. IV. A partir do espectro eletromagnético da região infravermelha, a água limpa apresenta uma elevada capacidade de absorção da REM solar, assim como a água com material em suspensão, o que acarreta baixa reflectância. Está CORRETO o que se afirma apenas em: a) I. b) I, II e III. c) IV. d) II, III e IV. e) III e IV. 14 Código 44 «Geoprocessamento - Perfil 02 «Conhecimentos Específicos

16 39. Os Sistemas de Informações Geográficas (SIGs) são aceitos como sendo uma tecnologia que possui o ferramental necessário para realizar análises com dados espaciais. Com base no exposto, julgue os itens a seguir: I. As análises espaciais utilizam os atributos espaciais e não espaciais da base de dados, buscando fazer simulações (modelos) sobre os fenômenos do mundo real, seus aspectos ou parâmetros. II. Existem diferentes técnicas de análise espacial que permitem a produção de novos mapas a partir de dados já existentes. III. O processo de análise de dados espaciais inclui métodos de visualização, métodos exploratórios e métodos que auxiliem na escolha de um modelo estatístico e na estimação dos parâmetros deste modelo. IV. Na análise exploratória é possível descrever e visualizar distribuições espaciais e descobrir padrões de associação espacial (aglomerados espaciais). V. São funções da análise espacial: reclassificação, sobreposição, vizinhança e conectividade. Estão CORRETAS: a) I, II, III, IV e V. b) II, III, IV e V apenas. c) I, II, III e IV apenas. d) II, III e IV apenas. e) II e IV apenas. 40. As aplicações dos Sistemas de Informações Geográficas (SIGs), devido a sua abrangência, podem ser encontradas em diversos setores da atividade humana, o que caracteriza a ferramenta como um sistema de apoio à decisão. Contudo, alguns resultados (aplicações) só serão possíveis utilizando-se dados matriciais. A alternativa, cuja aplicação requer exclusivamente o uso de dados do tipo raster é: a) Mapeamentos florestais. b) Planejamento urbano. c) Índice de Vegetação por Diferença Normalizada (IVDN). d) Planejamento de rotas de ônibus. e) Roteamento turístico. Conhecimentos Específicos» Geoprocessamento - Perfil 02» Código 44 15

17 41. As estruturas usadas para o armazenamento de dados espaciais podem ser divididas em duas grandes classes de representações computacionais: vetorial e matricial ou raster. Assim, quando armazenados em ambientes computacionais (softwares de SIG) para manipulações e/ou análises, a utilização de um tipo em relação ao outro apresenta vantagens e desvantagens. No que diz respeito a esse enunciado, relacione características referentes aos dois tipos de armazenamento de dados geográficos, utilizando-se (V), para o formato Vetorial e (R) para o formato Raster. ( ) Menor espaço de armazenamento. ( ) Preservação das relações topológicas. ( ) Maior facilidade nas modelagens e simulações. ( ) Associação de atributos alfanuméricos a dados gráficos. ( ) Algoritmo de processamento mais rápido. A única alternativa que representa a relação sequenciada é: a) R V R V R. b) V V R V R. c) R V R R R. d) R V V V R. e) V V R V V. 42. No banco de dados de um SIG, cinco tipos de dados podem ser gerados: mapas temáticos, mapas cadastrais, redes, imagens e Modelos Numéricos do Terreno (MNT). Sobre esses dados, todas as alternativas estão corretas, EXCETO: a) Os dados temáticos são representados por matrizes ou vetores. b) As imagens são dados representados por matrizes e por vetores. c) O MNT pode ser adquirido por grades retangulares com representação matricial ou por grades triangulares com representação vetorial. d) Pontos georreferenciados com coordenadas vetoriais e seus atributos no banco de dados se referem a dados cadastrais. e) Dados em redes são representados na forma de linhas vetoriais georreferenciadas, com a topologia em arco-nó e seus atributos no banco de dados. 43. A topologia tem fundamental importância na concepção de um SIG, pois ela define as relações invariantes da rotação, translação e escala entre as entidades gráficas do mapa. Assim, é CORRETO afirmar que existe uma relação topológica entre a rede viária (rodovias estaduais e federais) de um estado e seus municípios (polígonos). Essa relação é de: a) Proximidade. b) Sobreposição. c) Conectividade. d) Intersecção. e) Pertinência. 16 Código 44 «Geoprocessamento - Perfil 02 «Conhecimentos Específicos

18 44. Tomando como base a topologia da figura abaixo e afirmando que a topologia arco-nó-polígono é utilizada quando se quer representar elementos gráficos do tipo área, marque a alternativa CORRETA. a) A estrutura possui 3 nós. b) A estrutura possui 6 nós. c) A estrutura possui 5 nós. d) A estrutura possui 4 nós. e) A estrutura possui 2 nós. 45. O MDT (Modelo Digital do Terreno) tem como função representar, matematicamente, a distribuição espacial de uma característica vinculada a uma superfície real. Nesse sentido, assinale a alternativa cujas variáveis não são todas passíveis de serem representadas por um MDT. a) Classes de solo, pluviometria e altimetria. b) Temperatura, pluviometria e altimetria. c) Altimetria, temperatura e fertilidade do solo. d) Fertilidade do solo, qualidade da água e teor de minerais do solo. e) Qualidade da água, teor de minerais do solo e pluviometria. 46. A Krigagem é um interpolador que calcula a cota de um ponto de interesse pela média ponderada das amostras de sua vizinhança, distribuindo os pesos de acordo com a variabilidade espacial, que é, por sua vez, determinada por meio de análise geoestatística. Ainda sobre Krigagem, analise as seguintes afirmações: I. A análise geoestatística fornece coeficientes que descrevem a variabilidade espacial do conjunto analisado, expressa em curvas de semivariogramas. II. Na operação da Krigagem, os coeficientes do semivariograma são fornecidos, para controle da interpolação, com o conjunto de amostras. III. A geração de mapa de declividade é realizada interpolando por Krigagem o Modelo Digital do Terreno. Está CORRETO o que se afirma apenas em: a) I. b) II. c) I e II. d) III. e) II e III. Conhecimentos Específicos» Geoprocessamento - Perfil 02» Código 44 17

19 47. Uma das modelagens mais utilizadas com geotecnologias diz respeito à elaboração de MNTs (Modelos Números do Terreno) ou MDTs (Modelos Digitais do Terreno). Sobre este tipo de modelagem é INCORRETO afirmar: a) O MNT pode ser considerado como a representação digital da variação contínua de qualquer fenômeno geográfico que ocorre na superfície ou mesmo na atmosfera. b) MNTs podem ser representados matematicamente por meio de pontos e linhas (no plano) ou grades de pontos e polígonos (para superfícies tridimensionais). c) A representação tridimensional de MNTs pode ser feita por meio de modelos que utilizam grades de pontos ou superfícies vetoriais. d) Os MNTs são utilizados para cálculo de declividades, estabelecimento de perfis topográficos, elaboração de mapas de orientação de vertentes e confecção de zoneamentos climáticos. e) O MNT é utilizado para denotar a representação qualitativa e quantitativa de uma grandeza que varia continuamente no espaço. 48. Os MDTs (Modelos Digitais do Terreno) podem ser gerados a partir de diferentes fontes de dados e tecnologias. Das opções abaixo, assinale apenas a que NÃO possibilita no âmbito do Geoproessamento e do Sensoriamento Remoto a geração de MDT. a) SPOT 5. b) Quickbird. c) Geoeye 1. d) WFI CBERS 2. e) SRTM. 49. Em um empreendimento imobiliário habitacional desenvolvido próximo a um rio de grande vazão, foi constatado que algumas quadras ocupavam áreas de proteção permanente (APP). Com o objetivo de visualizar quais lotes das quadras estavam espacialmente irregulares, foi contratado um tecnólogo em geoprocessamento, o qual de posse do mapa do empreendimento em meio digital devidamente georeferenciado em um software de SIG obteve sucesso utilizando-se de uma técnica de análise espacial denominada: a) Vizinho mais próximo. b) Aproximação. c) Buffer. d) Álgebra de mapa. e) Espacialização. 50. Os softwares livres possuem características especificas, dentre as quais a liberdade de executar o programa para qualquer propósito e adaptá-lo para as necessidades do usuário. Com base no exposto, a alternativa em que todos os itens correspondem a softwares livres aplicados ao Geoprocessamento é: a) SPRING, GVSIG, IDRISI e Quantum GIS. b) GVSIG, GRASS GIS, TerraView e Quantum GIS. c) Quantum GIS, ENVI, GRASS GIS e SPRING. d) ERDAS, GRASS GIS, ENVI e MAPINFO. e) TerraView, ERDAS, GVSIG e ENVI. 18 Código 44 «Geoprocessamento - Perfil 02 «Conhecimentos Específicos

» CÓDIGO 72 «MATEMÁTICA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS

» CÓDIGO 72 «MATEMÁTICA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 21 «CONTABILIDADE

» CÓDIGO 21 «CONTABILIDADE PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 94 «SECRETARIADO

» CÓDIGO 94 «SECRETARIADO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 07 «ADMINISTRAÇÃO GERAL E EMPREENDEDORISMO

» CÓDIGO 07 «ADMINISTRAÇÃO GERAL E EMPREENDEDORISMO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 01 «ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO

» CÓDIGO 01 «ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 02 «ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING

» CÓDIGO 02 «ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 100 «TECNOLOGIA AUTOMOTIVA

» CÓDIGO 100 «TECNOLOGIA AUTOMOTIVA PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 46 «HARDWARE

» CÓDIGO 46 «HARDWARE PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de

Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de Relações mais harmoniosas de convívio com a natureza; O mundo como um modelo real que necessita de abstrações para sua descrição; Reconhecimento de padrões espaciais; Controle e ordenação do espaço. Técnicas

Leia mais

» CÓDIGO 45 «GESTÃO RURAL

» CÓDIGO 45 «GESTÃO RURAL PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 04 «ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS

» CÓDIGO 04 «ADMINISTRAÇÃO DE PESSOAS PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA

UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA - UFBA Instituto de Ciências Ambientais e Desenvolvimento Sustentável Prof. Pablo Santos 4 a Aula SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA - SIG Introdução Definições Necessárias

Leia mais

» CÓDIGO 05 «ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

» CÓDIGO 05 «ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Sistema de Informações Geográficas

Sistema de Informações Geográficas UNIVERSIDADE DO EXTREMO SUL CATARINENSE Pós Graduação Ecologia e Manejo de Recursos Naturais Sistema de Informações Geográficas Prof. Fabiano Luiz Neris Criciúma, Março de 2011. A IMPORTÂNCIA DO ONDE "Tudo

Leia mais

» CÓDIGO 86 «PSICOLOGIA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS

» CÓDIGO 86 «PSICOLOGIA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações;

Dado Vetorial. Características do Dado Vetorial. Usa entidades como ponto, linha e polígono para identificar localizações; Estrutura dos Dados Geográficos Organização lógica dos dados para preservar sua integridade e facilitar o seu uso. Vetorial Raster ou Matricial Dado Vetorial Usa entidades como ponto, linha e polígono

Leia mais

Sistemas Sensores. Introdução

Sistemas Sensores. Introdução Sistemas Sensores 5ª Aulas Introdução O sol foi citado como sendo uma fonte de energia ou radiação. O sol é uma fonte muito consistente de energia para o sensoriamento remoto (REM). REM interage com os

Leia mais

» CÓDIGO 60 «LEGISLAÇÃO

» CÓDIGO 60 «LEGISLAÇÃO PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 99 «SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA

» CÓDIGO 99 «SOCIOLOGIA E METODOLOGIA DA PESQUISA PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão

Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão 01 Sistemas de Informação Geográfica (SIG) para Agricultura de Precisão Rodrigo G. Trevisan¹; José P. Molin² ¹ Eng. Agrônomo, Mestrando em Engenharia de Sistemas Agrícolas (ESALQ-USP); ² Prof. Dr. Associado

Leia mais

SIG - Sistemas de Informação Geográfica

SIG - Sistemas de Informação Geográfica SIG - Sistemas de Informação Geográfica Gestão da Informação Para gestão das informações relativas ao desenvolvimento e implantação dos Planos Municipais de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Leia mais

» CÓDIGO 69 «MATEMÁTICA - PERFIL 03

» CÓDIGO 69 «MATEMÁTICA - PERFIL 03 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 27 «CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS - PERFIL 06

» CÓDIGO 27 «CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS - PERFIL 06 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos

Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO. Profa. Adriana Goulart dos Santos Universidade do Estado de Santa Catarina Departamento de Engenharia Civil GEOPROCESSAMENTO Profa. Adriana Goulart dos Santos Aula 2 o INTRODUÇÃO A SIG o MODELAGEM DE DADOS Por que Geoprocessamento? Porque

Leia mais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto. Características das Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Características das Imagens Orbitais 1 - RESOLUÇÃO: O termo resolução em sensoriamento remoto pode ser atribuído a quatro diferentes parâmetros: resolução espacial resolução espectral

Leia mais

» CÓDIGO 48 «INFORMÁTICA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS

» CÓDIGO 48 «INFORMÁTICA APLICADA A GESTÃO E NEGÓCIOS PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 31 «DESIGN GRÁFICO - PERFIL 01

» CÓDIGO 31 «DESIGN GRÁFICO - PERFIL 01 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático:

Teoria : Estruturas de Dados. Estrutura Vetorial. Quais tipos de dados são representados por estruturas vetoriais? Mapa temático: Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de ciências Humanas e da Educação FAED Mestrado em Planejamento Territorial e Desenvolvimento Socio- Ambiental - MPPT Disciplina: Geoprocessamento

Leia mais

Dados para mapeamento

Dados para mapeamento Dados para mapeamento Existem dois aspectos com relação aos dados: 1. Aquisição dos dados para gerar os mapas 2. Uso do mapa como fonte de dados Os métodos de aquisição de dados para o mapeamento divergem,

Leia mais

» CÓDIGO 38 «EVENTOS

» CÓDIGO 38 «EVENTOS PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS SIG Profa.. Dra. Maria Isabel Castreghini de Freitas ifreitas@rc.unesp.br Profa. Dra. Andréia Medinilha Pancher medinilha@linkway.com.br O que é classificação? É o processo de

Leia mais

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG

Introdução ao SIG. Objetivos Específicos 18/11/2010. Competência: Apresentar: Utilidade de um SIG MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE - MMA INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE - ICMBio DIRETORIA DE PLANEJAMENTO, ADMINISTRAÇÃO E LOGÍSTICA - DIPLAN COORDENAÇÃO GERAL DE GESTÃO DE PESSOAS -

Leia mais

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens

Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11. Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Geomática e SIGDR aula teórica 23 17/05/11 Sistemas de Detecção Remota Resolução de imagens Manuel Campagnolo ISA Manuel Campagnolo (ISA) Geomática e SIGDR 2010-2011 17/05/11 1 / 16 Tipos de resolução

Leia mais

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental

Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Disciplina: Monitoramento e Controle Ambiental Prof.: Oscar Luiz Monteiro de Farias Sensoriamento Remoto aplicado ao Monitoramento Ambiental Andrei Olak Alves 2 espectro visível ultravioleta Sol infravermelho

Leia mais

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto

044.ASR.SRE.16 - Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Texto: PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO Autor: BERNARDO F. T. RUDORFF Divisão de Sensoriamento Remoto - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais São José dos Campos-SP - bernardo@ltid.inpe.br Sensoriamento

Leia mais

MNT: Modelagem Numérica de Terreno

MNT: Modelagem Numérica de Terreno MNT: Modelagem Numérica de Terreno I. 1ntrodução MODELO : Representação da realidade sob a forma material (representação tangível) ou sob a forma simbólica (representação abstrata). MODELO DO TERRENO:

Leia mais

Técnicas de Cartografia Digital

Técnicas de Cartografia Digital Técnicas de Cartografia Digital Maria Cecília Bonato Brandalize 2011 Aula 8 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens 1. Vetoriais 2. Matriciais 3. Vantagens e Desvantagens Como são representados

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 6 CLASSIFICAÇÃO DE IMAGENS Obter uma imagem temática a partir de métodos de classificação de imagens multi- espectrais 1. CLASSIFICAÇÃO POR PIXEL é o processo de extração

Leia mais

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs.

Site da disciplina: Site do Laboratório de Geotecnologias Aplicadas: https://moodleinstitucional.ufrgs.br. http://www.ufrgs. Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Geociências Departamento de Geografia Sistemas de Informações Geográficas I GEO 01007 Professora: Eliana Lima da Fonseca Site da disciplina: https://moodleinstitucional.ufrgs.br

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I)

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA (I) UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB450 TOPOGRAFIA E GEOPROCESSAMENTO II PROF. DR. CARLOS ALBERTO VETTORAZZI

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais

Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Sensoriamento Remoto Práticas Avançadas para Processamento Digital de Imagens Orbitais Jorge Pereira Santos 1ª versão - 2013 Processamento Digital Geotecnologias e Software Livre www.processamentodigital.com.br

Leia mais

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Princípios Físicos do Sensoriamento Remoto Aula 1 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa O que é Sensoriamento Remoto? Utilização conjunta de sensores, equipamentos

Leia mais

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc.

Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. Sistemas de Informação Geográfica Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc. SUMÁRIO Apresentação da ementa Introdução Conceitos Básicos de Geoinformação Arquitetura de SIGs Referências Bibliográficas APRESENTAÇÃO

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS DISCIPLINA: LEB210 GEOPROCESSAMENTO SEGUNDO SEMESTRE DE 2013 PROF. DR. CARLOS ALBERTO

Leia mais

QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE)

QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE) QGIS 2.8 Rampa de Cores para Representação Topográfica do Modelo Digital de Elevação (MDE) Jorge Santos 2015 QGIS 2.8: Novas Rampas de Cores Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Download e Processos no MDE...

Leia mais

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS

UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS UFGD FCA PROF. OMAR DANIEL BLOCO 4 PROCESSAMENTO DE IMAGENS Executar as principais técnicas utilizadas em processamento de imagens, como contraste, leitura de pixels, transformação IHS, operações aritméticas

Leia mais

» CÓDIGO 28 «CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS - PERFIL 07

» CÓDIGO 28 «CONTROLE E PROCESSOS INDUSTRIAIS - PERFIL 07 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

» CÓDIGO 37 «EDUCAÇÃO FÍSICA - PERFIL 03

» CÓDIGO 37 «EDUCAÇÃO FÍSICA - PERFIL 03 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

MAPEAMENTO FLORESTAL

MAPEAMENTO FLORESTAL MAPEAMENTO FLORESTAL ELISEU ROSSATO TONIOLO Eng. Florestal Especialista em Geoprocessamento OBJETIVO Mapear e caracterizar a vegetação visando subsidiar o diagnóstico florestal FUNDAMENTOS É uma ferramenta

Leia mais

Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 » CÓDIGO 63 «LIBRAS. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova.

Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 » CÓDIGO 63 «LIBRAS. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova. PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

SPRING 3.6.03 - Apresentação

SPRING 3.6.03 - Apresentação SPRING 3.6.03 - Apresentação GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informações espaciais, geração de saídas na forma de mapas, relatórios, arquivos digitais, etc;

Leia mais

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Aplicações CBERS na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Pesquisas CBERS - UFRGS 2001: Início do projeto Participantes: - PPG-SR / CEPSRM - Instituto de Geociências Geodésia Geografia Geologia - Faculdade

Leia mais

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES

MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES MODELAGEM DIGITAL DE SUPERFÍCIES Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG 2012 Introdução Os modelo digitais de superficie (Digital Surface Model - DSM) são fundamentais

Leia mais

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente

Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente Sensoriamento Remoto Orbital e Cartografia Derivada para Florestas e Meio Ambiente. Afinal de contas, como tudo isso começou?. Conceitos básicos. Principais sensores orbitais. Cartografia para Florestas

Leia mais

» CÓDIGO 49 «INFORMÁTICA BÁSICA

» CÓDIGO 49 «INFORMÁTICA BÁSICA PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Processamento de Imagem. Prof. Herondino

Processamento de Imagem. Prof. Herondino Processamento de Imagem Prof. Herondino Sensoriamento Remoto Para o Canada Centre for Remote Sensing - CCRS (2010), o sensoriamento remoto é a ciência (e em certa medida, a arte) de aquisição de informações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

2.1.2 Definição Matemática de Imagem

2.1.2 Definição Matemática de Imagem Capítulo 2 Fundamentação Teórica Este capítulo descreve os fundamentos e as etapas do processamento digital de imagens. 2.1 Fundamentos para Processamento Digital de Imagens Esta seção apresenta as propriedades

Leia mais

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail.

Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³. ²Universidade do Estado do Rio de Janeiro / Faculdade de Formação de Professores - rfariageo@hotmail. GERAÇÃO DE MAPA DE USO E COBERTURA DE SOLO UTILIZANDO IMAGENS DE SATÉLITE LANDSAT 8 PARA O SUPORTE AO PLANEJAMENTO MUNICIPAL DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ. Costa, B.L. 1 ; Faria, R.A.M²; Marins, L.S.³ 1 Universidade

Leia mais

QGIS 2.8 + SAGA GIS Álgebra de Mapas para Substituição de Pixels Negativos no MDE Topodata

QGIS 2.8 + SAGA GIS Álgebra de Mapas para Substituição de Pixels Negativos no MDE Topodata QGIS 2.8 + SAGA GIS Álgebra de Mapas para Substituição de Pixels Negativos no MDE Topodata Jorge Santos 2015 1 Conteúdo Sumário Capítulo 1... 3 Download e Análise do Topodata... 3 1.1. Download do Topodata

Leia mais

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso

Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Geoprocessamento e Cartografia Prof. MSc. Alexander Sergio Evaso Aula 02 Componentes de um GIS (SIE, ou SIG) Ideias dependem de pessoas. Pessoas trazem o conhecimento para uma equipe, que engendra ideias.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E DA NATUREZA DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS Laboratório de Ensino, Pesquisa e Projetos em Análise Espacial TUTORIAL DE SPRING Alexandro Medeiros

Leia mais

» CÓDIGO 96 «SEGURANÇA DO TRABALHO - PERFIL 02

» CÓDIGO 96 «SEGURANÇA DO TRABALHO - PERFIL 02 PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA SISTEMAS DE INFORMAÇÃO GEOGRÁFICA Jugurta Lisboa Filho Departamento de Informática Universidade Federal de Viçosa (MG) jugurta@dpi.ufv.br Universidade Federal de Viçosa Departamento de Informática Tópicos

Leia mais

» CÓDIGO 58 «INFRAESTRUTURA (DESIGN E CONSTRUÇÃO CIVIL)

» CÓDIGO 58 «INFRAESTRUTURA (DESIGN E CONSTRUÇÃO CIVIL) PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

Aula prática - Modelo Numérico. do Terreno. do Terreno (MNT) ou Modelo Digital do Terreno

Aula prática - Modelo Numérico. do Terreno. do Terreno (MNT) ou Modelo Digital do Terreno Aula prática - Modelo MDT correspondem a Digital Terrain Model (DTM) ou Digital Elevation Model (DEM). Uma das modelagens mais utilizadas em geotecnologias que procura representar digitalmente o comportamento

Leia mais

Prova Objetiva 2 e Prova Discursiva

Prova Objetiva 2 e Prova Discursiva Escola de Administração Fazendária Concurso Público 2009 Prova Objetiva 2 e Prova Discursiva Especialista em Geoprocessamento Nome: N. de Inscrição Instruções 1. Escreva seu nome e número de inscrição,

Leia mais

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados

TerraView. O TerraView está estruturado da seguinte forma: - Modelo de dados TerraView O TerraView é um aplicativo desenvolvido pelo DPI/INPE e construído sobre a biblioteca de geoprocessamento TerraLib, tendo como principais objetivos: - Apresentar à comunidade um fácil visualizador

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS

I Encontro Brasileiro de usuários QGIS I Encontro Brasileiro de usuários QGIS Uso do QGIS no Processamento Digital de Imagens de Sensoriamento Remoto Jorge Santos jorgepsantos@outlook.com www.processamentodigital.com.br Dicas, tutoriais e tudo

Leia mais

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO

IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CENTRO DE TECNOLOGIA E RECURSOS HUMANOS UNIDADE ACADÊMICA DE ENGENHARIA CIVIL IMAGENS DE SATÉLITE PROF. MAURO NORMANDO M. BARROS FILHO Sumário 1. Conceitos básicos

Leia mais

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO

APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO APLICAÇÕES PRÁTICAS DE PROCESSAMENTO DE IMAGENS EM SENSORIAMENTO REMOTO ESTÁGIO DOCÊNCIA ALUNA: ADRIANA AFFONSO (PROGRAMA DE PÓS- GRADUAÇÃO NO INPE MESTRADO EM SENSORIAMENTO REMOTO) ORIENTADOR: PROF. DR.

Leia mais

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas

FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2. 2- Câmaras Fotogramétricas FOTOGRAMETRIA I Prof Felipe: Aulas 1 e 2 2- Câmaras Fotogramétricas Generalidades (fotografia) Elementos Fotografia aérea Espectro Eletromagnético 1 Fotogrametria é a arte, ciência, e tecnologia de obtenção

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã

GEOPROCESSAMENTO. Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ. ções espaciais, geraçã GEOPROCESSAMENTO Conjunto de ferramentas usadas para coleta e tratamento de informaçõ ções espaciais, geraçã ção o de saídas na forma de mapas, relatórios, rios, arquivos digitais, etc; Deve prover recursos

Leia mais

O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR.

O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR. O SENSORIAMENTO REMOTO E SUAS TÉCNICAS DE ANÁLISE: UMA COMPARAÇÃO ENTRE NOVAS E VELHAS TECNOLOGIAS, UM ESTUDO DE CASO SOBRE A TECNOLOGIA LIDAR. (O mapeamento de território através das arvores). Diogo Caio

Leia mais

Imagens de Satélite (características):

Imagens de Satélite (características): Imagens de Satélite (características): São captadas por sensores electro ópticos que registam a radiação electromagnética reflectida e emitida pelos objectos que se encontram à superfície da terra através

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/38 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Cota de Reserva Ambiental (CRA) Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas a manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago

FOTOINTERPRETAÇÃO. Interpretação e medidas. Dado qualitativo: lago FOTOINTERPRETAÇÃO a) conceito A fotointerpretação é a técnica de examinar as imagens dos objetos na fotografia e deduzir sua significação. A fotointerpretação é bastante importante à elaboração de mapas

Leia mais

Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 » CÓDIGO 12 «ARTE. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova.

Edital Nº 334/2013, de 05 de novembro de 2013 » CÓDIGO 12 «ARTE. Não serão dadas explicações durante a aplicação da prova. PROVA ESCRITA DO CONCURSO PÚBLICO PARA O PROVIMENTO DO CARGO DE PROFESSOR EFETIVO DE ENSINO BÁSICO, TÉCNICO E TECNOLÓGICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA Edital Nº 334/2013,

Leia mais

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada

AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens. 5.1 Importando Grades e Imagens Interface Simplificada 5.1 AULA 5 Manipulando Dados Matriciais: Grades e Imagens Nessa aula serão apresentadas algumas funcionalidades do TerraView relativas à manipulação de dados matriciais. Como dados matriciais são entendidas

Leia mais

Introdução ao Sensoriamento Remoto

Introdução ao Sensoriamento Remoto Introdução ao Sensoriamento Remoto Cachoeira Paulista, 24 a 28 novembro de 2008 Bernardo Rudorff Pesquisador da Divisão de Sensoriamento Remoto Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE Sensoriamento

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes

6 Geoprocessamento. Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 6 Geoprocessamento Daniel de Castro Victoria Edlene Aparecida Monteiro Garçon Bianca Pedroni de Oliveira Gustavo Bayma Silva Daniel Gomes 156 O que é geoprocessamento? Consiste no uso de ferramentas computacionais

Leia mais

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM

Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM Criando Mapa de Declividade a partir de dados SRTM SPRING 5.0 1 O objetivo deste tutorial é apresentar de forma simples e prática como construir, no Spring, mapa de declividade a partir de dados do SRTM.

Leia mais

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS

Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS Capítulo 5 INTERNET E NOVAS TECNOLOGIAS 5.1 - GEOPROCESSAMENTO E INTERNET...2 5.2 - BIBLIOTECAS DIGITAIS...4 5.2.1 - Introdução...4 5.2.2 - Natureza dos Dados Geográficos...4 5.2.3 - Apresentação dos Dados...5

Leia mais

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa

Características dos Sensores. Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa Características dos Sensores Aula 3 Professor Waterloo Pereira Filho Docentes orientados: Daniela Barbieri Felipe Correa TAMANHO DO PIXEL Alta Resolução Média Resolução Cobertura Sinótica Meteorológicos

Leia mais

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M

C a p í t u l o I V. P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M C a p í t u l o I V P r o c e s s a m e n t o d a s I m a g e n s O r b i t a i s d o s S e n s o r e s T M e E T M IV.1 Processamento Digital das Imagens Orbitais dos Sensores TM e ETM + IV.1.1 Introdução

Leia mais

Modelagem Digital do Terreno

Modelagem Digital do Terreno Geoprocessamento: Geração de dados 3D Modelagem Digital do Terreno Conceito Um Modelo Digital de Terreno (MDT) representa o comportamento de um fenômeno que ocorre em uma região da superfície terrestre

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto.

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2. Sensoriamento Remoto. UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Laboratório de Topografia de UNICAP - LABTOP Topografia 2 Sensoriamento Remoto Parte 1 Recife, 2014 Conceito de Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto consiste

Leia mais

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas

AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas 3.1 AULA 3 Ferramentas de Análise Básicas Neste capítulo serão apresentadas algumas ferramentas de análise de dados com representação vetorial disponíveis no TerraView. Para isso será usado o banco de

Leia mais

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto

15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto 15- Representação Cartográfica - Estudos Temáticos a partir de imagens de Sensoriamento Remoto O Sensoriamento Remoto é uma técnica que utiliza sensores, na captação e registro da energia refletida e emitida

Leia mais

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015

SENSORES REMOTOS. Daniel C. Zanotta 28/03/2015 SENSORES REMOTOS Daniel C. Zanotta 28/03/2015 ESTRUTURA DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 COMPONENTES DE UM SATÉLITE Exemplo: Landsat 5 LANÇAMENTO FOGUETES DE LANÇAMENTO SISTEMA SENSOR TIPOS DE SENSORES

Leia mais

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6

PROCESSAMENTO DIGITAL DE IMAGENS SPRING 5.0.6 Universidade do Estado de Santa Catarina UDESC Centro de Ciências Humanas e da Educação CCE/FAED Deapartamento de Geografia DG Curso Mestrado em Planejamento Regional e Desenvolvimento Sócio Ambiental

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO Geog.Ms. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Conceito Disciplina do conhecimento que utiliza

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA

ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA ESTUDO COMPARATIVO DE SOFWARES GRATUITOS DE GEOPROCESSAMENTO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE ENGENHARIA 1. Introdução Nos últimos anos, a área de geotecnologias ganhou maior visibilidade através da popularização

Leia mais

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE

SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene Delazari Grupo de Pesquisa em Cartografia e SIG da UFPR SIG Aplicado ao Meio Ambiente - 2011 GA020- SIG APLICADO AO MEIO AMBIENTE Prof. Luciene S. Delazari -

Leia mais