Resumo Executivo Lucro e Pobreza: Aspectos Econômicos do Trabalho Forçado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Resumo Executivo Lucro e Pobreza: Aspectos Econômicos do Trabalho Forçado"

Transcrição

1 Resumo Executivo Lucro e Pobreza: Aspectos Econômicos do Trabalho Forçado A integração global das economias, inclusive dos mercados de trabalho, gerou muitas oportunidades para trabalhadores e empresas, e deu impulso ao crescimento da economia. Contudo, os avanços não foram benéficos para todos. Milhões de pessoas são traficadas enquanto procuram por empregos decentes, são mantidas em servidão por dívida ou em condições semelhantes a de escravos, permanecendo presos na armadilha da pobreza e da discriminação. A abolição da escravidão e do trabalho forçado foi a primeira luta por direitos humanos da história moderna, e o desenvolvimento da lei internacional sobre a questão desempenhou um papel fundamental em moldar as relações de trabalho de forma mais ampla. A pressão normativa contra aqueles que ainda utilizam ou admitem o uso do trabalho forçado é crucial. É preciso que as leis nacionais de combate ao trabalho forçado sejam fortalecidas e que aqueles que dele se beneficiam sejam severamente penalizados. No entanto, as respostas ao trabalho forçado também requerem que haja uma compreensão das suas raízes socioeconômicas para que mudanças possam de fato acontecer. Este relatório analisa tanto o lado da oferta como da demanda por trabalho forçado. Baseia-se em dados primários e, pela primeira vez, fornece evidências sólidas da correlação entre trabalho forçado e pobreza. Além disso, o relatório oferece uma nova estimativa da OIT para os lucros gerados pelo uso do trabalho forçado em vários setores econômicos, assim como pela exploração sexual comercial. Dados e Definições Para determinar os lucros gerados pelo trabalho forçado, foi necessário primeiro desenvolver uma nova estimativa de sua extensão. Em 2012, a OIT publicou novas estimativas, indicando que cerca de 21 milhões de homens, mulheres e crianças se encontram em trabalho forçado. A grande maioria 90% é explorada na economia privada. Os números de 2012 são significativamente maiores do que a estimativa anterior da OIT, o que resultou da melhoria na qualidade dos dados e da metodologia. A nova estimativa confirmou que o trabalho forçado imposto pelo estado está se tornando menos relevante e os recentes acontecimentos políticos contribuem para esta tendência. Em alguns países, o trabalho forçado imposto pelas autoridades estatais ainda é uma grande preocupação e se faz necessário manter a vigilância para proteger a liberdade dos trabalhadores contra as práticas estatais exploradoras e repressivas. A ênfase, contudo, agora passou para o combate ao trabalho forçado e ao tráfico de pessoas na economia privada, muitas vezes relacionados ao crime organizado. Na pesquisa de 2012, a estimativa é de que 22% do total são vítimas da exploração comercial sexual e 68% são vítimas da exploração do trabalho forçado, por exemplo, na agricultura, na construção civil, no trabalho doméstico ou na manufatura. A região do Pacífico Asiático responde, de longe, pelo maior número de trabalhadores forçados 12 milhões ou 56% do total mundial enquanto os países do Centro, Sudeste e do Leste Europeu (não UE) e a Comunidade dos Estados Independentes têm os mais altos índices de prevalência, com 4,2 vítimas por habitantes. 1 Para desenvolver uma nova estimativa dos lucros gerados pelo trabalho forçado, a OIT utilizou dados econômicos armazenados no Banco de Dados Global 2012, tais como informações sobre setores e indústrias nas quais as vítimas de trabalho forçado eram mantidas, seus salários se é que havia pagamento de salário de algum tipo e outros dados econômicos. Além disso, a OIT implementou pesquisas nacionais sobre trabalho forçado, às vezes com foco em setores ou indústrias específicas, crianças e adultos ou em uma forma específica de trabalho forçado. Os resultados dessas pesquisas forneceram a base para uma análise sobre os determinantes do trabalho forçado, focando, em especial, nos fatores que tornam algumas pessoas mais vulneráveis ao trabalho forçado do que outras. Os governos que colaboraram com a OIT na implementação dessas pesquisas devem ser reconhecidos por sua disponibilidade em testar metodologias de pesquisa inovadoras, validar resultados e revisar recomendações para políticas públicas. Em setembro de 2013, os estados membros e parceiros sociais da OIT adotaram uma resolução durante a 1 Para mais informações sobre as estimativas globais para 2012, ver ILO Global Estimate of Forced Labour: Results and methodology, Genebra

2 Conferência Internacional de Estatísticos do Trabalho que pede uma maior harmonização da definição de trabalho forçado para fins estatísticos, o desenvolvimento de metodologias de pesquisa e a implementação de pesquisas nacionais. As informações apresentadas neste relatório baseiam-se na definição de trabalho forçado consagrada na Convenção No. 29 da OIT sobre Trabalho Forçado, adotada em A definição engloba todas as formas de trabalho ou serviço, seja formal ou informal, legal ou ilegal. O trabalho forçado também requer um elemento de coerção ( ameaça de penalidade ) para distingui-lo da exploração de trabalho de forma mais ampla. A Convenção No. 29 requer que os estados membros transformem o trabalho forçado em crime; portanto, exigir trabalho forçado não representa uma violação menor da lei trabalhista, mas um ato criminal. Como tal, está intimamente relacionado ao conceito do tráfico de pessoas, conforme definido pelo Protocolo das Nações Unidas para Prevenir, Suprimir e Punir o Tráfico de Pessoas, Especialmente Mulheres e Crianças, adotado em O Protocolo complementa a Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional, e torna o tráfico de pessoas uma ofensa criminal. Todos os objetivos de exploração através do tráfico são abordados na definição de Trabalho Forçado da OIT, à exceção do tráfico para fins de remoção de órgãos. A escravidão ou práticas similares à escravidão, conforme definido na Convenção das Nações Unidas sobre a Escravatura e a Convenção Suplementar sobre Abolição da Escravidão, também estão incluídas na definição de OIT de trabalho forçado, com algumas exceções, tais como o casamento forçado, a não ser que este leve à imposição de trabalho ou serviço forçado. Quais são os lucros obtidos do trabalho forçado? Os lucros gerados pelo trabalho forçado são, por definição, ilegais. Este estudo apresenta uma nova estimativa global dos lucros atualmente gerados às custas de milhões de vítimas do trabalho forçado. Em 2005, a OIT forneceu a primeira estimativa dos lucros do trabalho forçado, utilizando dados sobre valor adicionado no setor agrícola. O foco foi sobre o setor agrícola e a exploração sexual comercial, uma vez que se supunha que a maioria das vítimas do trabalho forçado seriam encontradas nestas atividades econômicas. Os lucros foram definidos como sendo a diferença entre o valor econômico agregado médio e a soma das despesas com pagamentos de salários e o consumo intermediário. Estimou-se que os lucros globais obtidos pelo uso do trabalho forçado foram de pelo menos US$ 44 bilhões ao ano, dos quais US$ 32 bilhões foram gerados pelo tráfico humano. 2 Com base em estimativas recentes sobre o número de vítimas e uma metodologia mais refinada, a OIT agora pode apresentar uma nova estimativa dos lucros gerados pelo trabalho forçado. Os lucros estão desagregados nas seguintes categorias: exploração sexual comercial, trabalho doméstico, agricultura e outras atividades econômicas. Esta última categoria engloba a construção civil, a manufatura, a mineração e serviços públicos (abastecimento de água, luz, gás, etc.). Estima-se que os lucros totais obtidos pelo uso de trabalho forçado na economia privada em todo o mundo totalizem US$ 150 bilhões ao ano. A maioria dos lucros foi gerada na Ásia, sendo que dois terços dos lucros nesta região têm origem na exploração sexual comercial. 2 ILO: A Global Alliance against Forced Labour, Global Report under the follow-up to the ILO Declaration on Fundamental Principles and Rights at Work, Geneva 2005; Patrick Belser: Forced Labour and Human Trafficking: Estimating the Profits, ILO DECALARATION/WP/42, Geneva

3 Os lucros anuais por vítima são mais altos nas economias desenvolvidas (US$ per capita), seguidos pelos países do Oriente Médio (US$ per capita) e os mais baixos na região da Ásia - Pacífico (US$ per capita) e na África (US$ per capita). Globalmente, dois terços dos lucros do trabalho forçado foram gerados pela exploração sexual comercial, resultando em cerca de US$ 99 bilhões ao ano. Ao calcular os lucros, pressupôs-se que os salários e o consumo intermediário representem cerca de 30% da receita total das vítimas de trabalho forçado em exploração sexual comercial. Estima-se que as vítimas de exploração de trabalho forçado, incluindo trabalho doméstico, agricultura e outras atividades econômicas, geram US$ 51 bilhões de lucro ao ano. Deste valor, estima-se que os lucros do trabalho forçado na agricultura, incluindo silvicultura e pesca, sejam de US$ 9 bilhões ao ano. Isto foi calculado estimando-se a diferença entre o valor agregado atribuído ao trabalho (usando o valor agregado por trabalhador, que foi então multiplicado pela participação da mão de obra, conservadoramente estimada como sendo de dois terços) e os salários pagos às vítimas de trabalho forçado naquele setor, usando as informações do Banco de Dados Global Estima-se que os lucros para outras atividades econômicas sejam de US$ 34 bilhões ao ano, incluindo construção, manufatura, mineração e serviços públicos (água, luz, gás, etc.). Nestes casos, o valor agregado atribuído ao trabalho é calculado utilizando-se as receitas médias específicas do setor, divididas pela participação da mão de obra. Por fim, estima-se que residências privadas que empregam trabalhadores domésticos sob condições de trabalho forçado podem economizar cerca de US$ 8 bilhões anualmente ao não remunerar ou remunerar insuficientemente seus trabalhadores. Estas economias foram calculadas com base na diferença entre os salários que os trabalhadores domésticos deveriam receber e os salários reais pagos a trabalhadores domésticos em trabalho forçado. Com base nas informações do Banco de Dados Global 2012, pode-se estimar que os trabalhadores domésticos forçados em média recebem cerca de 40% do salário que deveriam receber. Os lucros per capita são mais altos na exploração comercial sexual, o que pode ser explicado pela demanda por tais serviços e pelos preços que os clientes estão dispostos a pagar, o baixo investimento de capital e os baixos custos operacionais associados a esta atividade. 3

4 Quais são os fatores socioeconômicos que tornam as pessoas vulneráveis ao trabalho forçado? As pesquisas confirmam que o trabalho forçado é comum em setores e indústrias que atraem trabalhadores com pouca ou nenhuma qualificação, onde a demanda por mão de obra flutua e onde as condições de trabalho muitas vezes são degradantes. Afora a exploração sexual comercial, os setores mais frequentemente citados no Banco de Dados Global 2012 são agricultura (incluindo pesca e silvicultura), construção, manufatura, mineração, serviços públicos (água, luz, gás, etc.) e trabalho doméstico. Ainda que também haja trabalhadores altamente qualificados nestes setores, as vítimas do trabalho forçado tendem a estar entre os trabalhadores pouco qualificados ou sem qualificação. A constatação mais marcante desta pesquisa, contudo, é a clara correlação entre a vulnerabilidade das famílias a choques súbitos em sua renda e a probabilidade de se envolverem em trabalho forçado. As pesquisas citadas neste relatório ilustram que, apesar das variações entre países e condições econômicas, as famílias pobres têm uma grande dificuldade para lidar com choques de renda, especialmente aqueles que projetam as famílias abaixo da linha de pobreza alimentar. Na presença de tais choques, homens e mulheres sem rede de proteção social tendem a tomar empréstimos para equalizar o consumo e a aceitar qualquer trabalho para si e seus filhos, até mesmo sob condições de exploração. Isto pode levar à uma forte dependência de credores, aliciadores e empregadores inescrupulosos que exploram sua condição de vulnerabilidade. A ausência de educação e o analfabetismo também são fatores chave. Adultos com baixa escolaridade e crianças cujos pais não tiveram educação encontram-se em maior risco de trabalho forçado. Baixa escolaridade e analfabetismo reduzem as opções de emprego para os trabalhadores e muitas vezes os forçam a aceitar trabalho sob péssimas condições. Ademais, indivíduos alfabetizados, que conseguem ler os contratos, podem estar em melhores condições de reconhecer situações que podem levar à exploração e à coerção. Escolaridade e alfabetização também levam a níveis de renda mais elevados, reduzindo a probabilidade de cair em pobreza extrema e, portanto, reduzindo a dependência de crédito. Gênero é outro fator importante ao determinar a probabilidade de se estar em trabalho forçado, especialmente em relação a atividades econômicas específicas. De acordo com a estimativa global da OIT, cerca de 55% de todas as vítimas são mulheres e meninas. Na exploração sexual comercial e no trabalho doméstico, a grande maioria das vítimas são mulheres e meninas. Contudo, em outras atividades econômicas homens e meninos tendem a estar representados de forma desproporcional. De acordo com dados de pesquisas nacionais, homens e meninos correm um risco um pouco maior do que mulheres e meninas de se tornarem vítimas de trabalho forçado. Isto pode ser explicado pelo recorte das pesquisas e pelo enfoque específico dado ao trabalho servil ou à servidão por dívida. Estudos anteriores da OIT demonstraram que normalmente é o chefe de família do sexo masculino que contrai empréstimos junto a agiotas e, portanto, oferece sua mão de obra como garantia. Isto muitas vezes implica em que a família inteira seja considerada devedora. Algumas pesquisas nacionais mostram que homens que migraram se encontravam em situação de trabalho forçado com maior frequência do que as mulheres, dependendo muito da escolha do país de destino. Outras pesquisas nacionais mostraram que famílias encabeçadas por mulheres corriam maior risco de se envolver em trabalho forçado do que famílias encabeçadas por homens. Portanto, ainda que gênero seja um fator importante para se determinar o risco de trabalho forçado, ele muitas vezes é contextual, com grandes variações entre países, setores e formas de trabalho forçado. Por fim, a migração é um importante fator de risco. De acordo com as estimativas mundiais da OIT, 44 % das vítimas haviam migrado, dentro ou para além de fronteiras internacionais, antes de se envolverem em trabalho forçado. As pesquisas que se concentraram em trabalhadores migrantes no Leste Europeu mostraram uma clara correlação entre a necessidade de emprestar dinheiro para o pagamento das taxas de recrutamento e o risco de acabar envolvido em trabalho forçado. Migrantes com educação tinham menor probabilidade de se envolverem em trabalho forçado, ressaltando mais uma vez a importância da educação. Por fim, a escolha do país de destino e a condição legal de trabalhadores migrantes naquele país desempenhou um papel significativo na determinação da probabilidade de se encontrar em situação de trabalho forçado: uma situação migratória irregular implica em um maior risco de se expor ao trabalho forçado. O caminho em direção ao futuro Ainda que empregadores inescrupulosos e criminosos colham enormes lucros da imposição ilegal de trabalho forçado, as perdas sofridas pelas vítimas, suas famílias e a sociedade são significativas. As vítimas e suas famílias perdem renda e, consequentemente, não conseguem vencer a pobreza. Além disso, muitas vítimas ficam traumatizadas e pode levar anos até que consigam reconstruir suas vidas. O trabalho forçado coloca as empresas e os empregadores cumpridores da lei em 4

5 posição de desvantagem na medida em que cria um ambiente de concorrência desleal e de riscos que comprometem a reputação de todo um setor. Isto lesa os governos e as sociedades, pois os lucros gerados pelo trabalho forçado driblam os sistemas tributários nacionais e os custos envolvidos no combate aos casos de trabalho forçado são significativos. O que é preciso fazer? Há uma enorme carência de métodos que padronizem a coleta de dados entre os países. Tal padronização e coleta sistemática de dados permitiria à OIT e a outros organismos internacionais gerar números globais mais confiáveis, medir tendências e melhor compreender os fatores de risco. Dados e pesquisas aprimorados contribuirão para a elaboração de políticas mais eficazes. Dando seguimento à resolução da Conferência Internacional de Estatísticos do Trabalho, adotada em setembro de 2013, a OIT agora irá estabelecer um grupo de trabalho de estatísticos, economistas e outros especialistas para promover avanços na coleta de dados e nas pesquisas nesta área. Contudo, se quisermos fazer uma diferença significativa nas vidas de 21 milhões de homens, mulheres e crianças em trabalho forçado, precisamos agir imediatamente e de forma concreta. O fato de que enormes lucros podem ser auferidos com impedimento limitado por parte de milhões de trabalhadores pobres e sem educação, fáceis de iludir representa um argumento contundente a favor de intervenções governamentais mais fortes. Apesar de ter havido uma maior ação judicial no combate ao trabalho forçado e ao tráfico de pessoas nos últimos anos, para as empresas o risco continua baixo e os ganhos, elevados e isso precisa mudar. São necessárias medidas para fortalecer as leis e as políticas e reforçar a fiscalização em setores com alto risco de trabalho forçado. Isto deve estar vinculado a um sistema de identificação precoce das vítimas e sua efetiva proteção. Violações de direitos trabalhistas devem ser punidas com agilidade e sanções criminais devem ser impostas àqueles que vitimizam grupos específicos de trabalhadores vulneráveis. Os trabalhadores devem ser empoderados através do apoio à sua organização e do acesso a indenizações. Também é necessário fortalecer medidas preventivas contra o trabalho forçado e abordar fatores de risco específicos. A proteção social pode prevenir a vulnerabilidade das famílias a repentinos choques de renda e à servidão por dívida. O acesso à educação e ao ensino técnico podem aumentar o poder de barganha dos trabalhadores, e evitar que, especialmente crianças, caiam vítimas do trabalho forçado. Medidas para promover a inclusão social e combater a discriminação contra mulheres e meninas também podem dar uma grande contribuição à prevenção do trabalho forçado. Uma boa regulação da migração pode fortalecer o impacto positivo da migração sobre o desenvolvimento e prevenir a exploração e o abuso de trabalhadores migrantes. Faz-se urgente e necessário combater as causas socioeconômicas desta prática ilegal e enormemente lucrativa. São necessárias medidas amplas, que requerem que governos, trabalhadores, empregadores e outros atores trabalhem juntos em prol do fim do trabalho forçado. A continuidade da existência do trabalho forçado representa um mal para os negócios, para o desenvolvimento e para suas vítimas. Trata-se de uma prática para a qual não há mais lugar na sociedade moderna e cuja erradicação deve ser uma questão prioritária. 5

Conferência Internacional do Trabalho

Conferência Internacional do Trabalho Conferência Internacional do Trabalho PROTOCOLO À CONVENÇÃO 29 PROTOCOLO À CONVENÇÃO SOBRE TRABALHO FORÇADO, 1930, ADOTADA PELA CONFERÊNCIA EM SUA CENTÉSIMA TERCEIRA SESSÃO, GENEBRA, 11 DE JUNHO DE 2014

Leia mais

Boletim Econômico Edição nº 59 abril de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico

Boletim Econômico Edição nº 59 abril de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Boletim Econômico Edição nº 59 abril de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Economia informal e transição para a economia formal e as ferramentas da OIT 1 Perfil da economia

Leia mais

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde 21 24 de março de 2016 Maputo, Moçambique A economia informal: conceitos,

Leia mais

O Pacto Mundial para o Emprego:

O Pacto Mundial para o Emprego: O Pacto Mundial para o Emprego: Uma resposta à crise Escritório da OIT no Brasil Seminário sobre a Elaboração do PNTD e a Participação dos Trabalhadores São Paulo, 29 de setembro de 2009 Objetivo estratégico

Leia mais

setor têxtil O indivíduo submetido ao trabalho escravo está sujeito a uma série de violações que lhes subtraem a liberdade e a dignidade.

setor têxtil O indivíduo submetido ao trabalho escravo está sujeito a uma série de violações que lhes subtraem a liberdade e a dignidade. O governo federal brasileiro assumiu a existência do trabalho escravo contemporâneo perante o país e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 1995. Assim, o Brasil se tornou uma das primeiras nações

Leia mais

Trabalho doméstico infantil: estimativas mundiais 2012

Trabalho doméstico infantil: estimativas mundiais 2012 Trabalho doméstico infantil: estimativas mundiais 2012 Esta ficha técnica atualiza as estimativas mundiais sobre trabalho doméstico infantil 2008 No quadro das estimativas mundiais sobre trabalho infantil

Leia mais

Enfrentamento aotráfico de Pessoas: Boas Práticas e Cooperação Jurídica. O trabalho forçado é a antítese do trabalho decente

Enfrentamento aotráfico de Pessoas: Boas Práticas e Cooperação Jurídica. O trabalho forçado é a antítese do trabalho decente Enfrentamento aotráfico de Pessoas: Boas Práticas e Cooperação Jurídica O trabalho forçado é a antítese do trabalho decente Trabalho Forçado Convenção sobre trabalho forçado, 1930 (29). todo trabalho ou

Leia mais

Centro de Direitos Humanos Faculdade de Direito Universidade de Coimbra. Direito ao Trabalho. Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria

Centro de Direitos Humanos Faculdade de Direito Universidade de Coimbra. Direito ao Trabalho. Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direito ao Trabalho Federal Ministry for Foreign Affairs of Austria Direito ao Trabalho (...) só se pode fundar uma paz universal e duradoura com base na justiça social (...) Constituição da Organização

Leia mais

O tráfico de pessoas para fins de exploração sexual

O tráfico de pessoas para fins de exploração sexual O que você precisa saber sobre O tráfico de pessoas para fins de exploração sexual CEDCA / PR Copyright Fundação Nosso Lar Projeto gráfico: Carlos Luz; Edição final: Valtenir Lazzarini; Supervisão do Projeto:

Leia mais

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde

Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde Workshop sub-regional sobre a Recomendação 204 da OIT e a transição para a economia formal em Moçambique, São Tomé e Cabo Verde 21 24 de março de 2016 Maputo, Moçambique Um quadro legislativo favorável

Leia mais

CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL

CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL CONFERÊNCIA TRÁFICO DE SERES HUMANOS PREVENÇÃO, PROTECÇÃO E PUNIÇÃO O TRÁFICO DE SERES HUMANOS * ENQUADRAMENTO LEGAL GERAL * Declaração Universal dos Direitos do Homem Artigo 1º Todos os seres humanos

Leia mais

Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira

Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira Panorama Mundial do Trabalho Infantil e a Experiência Brasileira Laís Abramo Diretora do Escritório da OIT no Brasil Forum Mundial de Direitos Humanos Brasília, 12 dezembro 2013 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO

Leia mais

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome

Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome - 06-23-2016 Exposição fotográfica: cinco anos de cooperação por um mundo sem fome por Por Dentro da África - quinta-feira, junho 23,

Leia mais

fico: Conceito de Tráfico

fico: Conceito de Tráfico Conceito de Tráfico fico: Ações: Recrutamento Transporte Transferência Abrigo Recebimento de pessoas Meios: Ameaça Uso da força Outras formas de coação Rapto / Cárcere privado Fraude Engano Abuso de poder

Leia mais

O TRABALHO INFANTIL ARMINDA MATEUS CACULO

O TRABALHO INFANTIL ARMINDA MATEUS CACULO O TRABALHO INFANTIL ARMINDA MATEUS CACULO SUMÁRIO PERSPECTIVA HISTÓRICA DO TRABALHO INFANTIL INSTRUMENTOS INTERNACIONAIS INSTRUMENTOS REGIONAIS INSTRUMENTOS NACIONAIS O TRABALHO INFANTIL EM ANGOLA CAUSAS

Leia mais

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD

NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD SEMINÁRIO SINDICAL SOBRE O PLANO NACIONAL DE TRABALHO DECENTE - PNTD Paulo Sergio Muçouçah Coordenador dos Programas de Trabalho Decente e Empregos Verdes Escritório da OIT no Brasil Roteiro da apresentação

Leia mais

Programa Melhores Condições de Trabalho: definições dos KPIs e subindicadores. Subindicador, a ser incluído junto com o KPI quando relevante

Programa Melhores Condições de Trabalho: definições dos KPIs e subindicadores. Subindicador, a ser incluído junto com o KPI quando relevante Programa Melhores Condições de Trabalho: definições dos KPIs e subindicadores KPI padrão Subindicador, a ser incluído junto com o KPI quando relevante KPI do programa Melhores Condições de Trabalho/subindicador(es)

Leia mais

COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030

COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030 COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030 COMPROMISSOS DE ACELERAÇÃO DA RESPOSTA PARA ACABAR COM A EPIDEMIA DE AIDS ATÉ 2030 1 2 3 4 5 Garantir que 30 milhões de

Leia mais

O conceito de Trabalho Decente

O conceito de Trabalho Decente O Trabalho Decente O conceito de Trabalho Decente Atualmente a metade dos trabalhadores de todo o mundo (1,4 bilhão de pessoas) vive com menos de 2 dólares ao dia e portanto, é pobre quase 20% é extremamente

Leia mais

Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África

Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África Parceria global quer erradicar o casamento precoce na África por Por Dentro da África - segunda-feira, novembro 09, 2015 http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/parceria-global-quer-erradicar-o-casamento-precoce-na-africa

Leia mais

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a:

MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS. As Chefes e os Chefes de Estado e de Governo das Américas nos comprometemos a: SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS OEA/Ser.E 14 a 15 de abril de 2012 CA-VI/doc.6/12 Rev.2 Cartagena das Índias, Colômbia 23 maio 2012 Original: espanhol MANDATOS DECORRENTES DA SEXTA CÚPULA DAS AMÉRICAS As Chefes

Leia mais

Plano Nacional de Trabalho Decente -

Plano Nacional de Trabalho Decente - Plano Nacional de Trabalho Decente - PNTD Ministério do Trabalho e Emprego Setembro de 2009 Trabalho Decente Contar com oportunidades de um trabalho produtivo com retribuição digna, segurança no local

Leia mais

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014

Ações Reunião realizada nos dias 13 a 16 de outubro de 2014 R E L A Ç Õ E S I N T E R N A C I O N A I S Órgão Organização Internacional do Trabalho (OIT) Representação Eventual 18ª Reunião Regional Americana da OIT Representante Lidiane Duarte Nogueira Advogada

Leia mais

MECANISMO DE ARTICULAÇÃO PARA A ATENÇÃO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE TRÁFICO INTERNACIONAL

MECANISMO DE ARTICULAÇÃO PARA A ATENÇÃO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE TRÁFICO INTERNACIONAL MERCOSUL/CMC/DEC. N 26/14 MECANISMO DE ARTICULAÇÃO PARA A ATENÇÃO A MULHERES EM SITUAÇÃO DE TRÁFICO INTERNACIONAL TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto, as Decisões N 05/91,

Leia mais

Mecanismo de monitorização. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos

Mecanismo de monitorização. Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Mecanismo de monitorização Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra o Tráfico de Seres Humanos Quais são os objetivos da convenção? A Convenção do Conselho da Europa relativa à Luta contra

Leia mais

Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER:

Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER: Convenção No. 182 VERSÃO LIVRE EM PORTUGUÊS VERSÃO OFICIAL EM INGLÊS VER: http://ilolex.ilo.ch:1567/public/english/docs/convdisp.htm CONVENÇÃO 182, DE 1999, SOBRE AS PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL

Leia mais

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente

A visão da OIT sobre o Trabalho Decente Boletim Econômico Edição nº 61 maio de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico A visão da OIT sobre o Trabalho Decente 1 1. CONCEITO DE TRABALHO DECENTE O conceito de Trabalho

Leia mais

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015

DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO PROFISSIONAL DO MAPTSS 26 DE JUNHO DE 2015 O REGIME DOS TRABALHADORES DOMÉSTICOS NO ÂMBITO DA CONVENÇÃO E DA RECOMENDAÇÃO SOBRE O TRABALHO DECENTE PARA OS TRBALHADORAS E OS TRABALHADORES DOMÉSTICOS DR. AUGUSTO POMBAL CENTRO POLIVALENTE DE FORMAÇÃO

Leia mais

O negócio internacional do tráfico de seres humanos: tipos e magnitude do problema

O negócio internacional do tráfico de seres humanos: tipos e magnitude do problema Ministério da Justiça e Segurança Pública O negócio internacional do tráfico de seres humanos: tipos e magnitude do problema Novembro - 2017 Idade: 25 anos Origem: Goiânia Destino: Espanha Promessa: trabalhar

Leia mais

Lucro e Pobreza A Economia do Trabalho Forçado OIT, 2014

Lucro e Pobreza A Economia do Trabalho Forçado OIT, 2014 Lucro e Pobreza A Economia do Trabalho Forçado OIT, 2014 OIT Direitos e Princípios Fundamentais no Trabalho (FPRW) Programa de Ação Especial de Combate ao Trabalho Forçado (SAP-FL) Dois grandes resultados

Leia mais

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU

INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU INDICADORES SOCIOECONÔMICOS SDR BLUMENAU Aspectos Econômicos ** Serviço de Apoio à Micro e Pequenas Empresas de Santa Catarina SEBRAE/SC. Santa Catarina em Números. Disponível em ,

Leia mais

Deputada Maria Fernanda Lay

Deputada Maria Fernanda Lay Deputada Maria Fernanda Lay Timor Leste PERCENTAGEM DAS VÍTIMAS DA VIOLÊNCIA DOMÉSTICA NO MUNDO OMS 33% das mulheres no mundo têm sido fisica i ou sexualmente agredidas por um parceiro antigo ou atual.

Leia mais

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da

Subsidiar a implementação de um conjunto de ações orientadas para a prevenção e erradicação do trabalho de crianças e adolescentes no estado da O TRABALHO INFANTO- JUVENIL NO ESTADO DA BAHIA Destaques do relatório preparado por Inaiá Maria Moreira de Carvalho e Cláudia Monteiro Fernandes para a OIT Brasil Março de 2010 1 Objetivo Geral Subsidiar

Leia mais

PROJETO DE RELATÓRIO

PROJETO DE RELATÓRIO Parlamento Europeu 2014-2019 Comissão dos Direitos da Mulher e da Igualdade dos Géneros 15.12.2016 2017/0000(INI) PROJETO DE RELATÓRIO que contém uma proposta de recomendação do Parlamento Europeu ao Conselho

Leia mais

ELEMENTOS PARA UMA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO. Constança Urbano de Sousa Praia, 25 de março de 2013

ELEMENTOS PARA UMA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO. Constança Urbano de Sousa Praia, 25 de março de 2013 ELEMENTOS PARA UMA NOVA LEI DE IMIGRAÇÃO Constança Urbano de Sousa Praia, 25 de março de 2013 Objetivos Implementação da ENI Regime jurídico adaptado à nova realidade de Cabo Verde como país de imigração

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA

A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA A ORGANIZAÇÃO DE ESTADOS IBERO- AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA E A EDUCAÇÃO AO LONGO DA VIDA Seminário Política Brasileira de Educação ao Longo da Vida. Porto Seguro, 16 a 18 de setembro

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Programa Bolsa Família Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Programa Bolsa Família Brasil na América do Sul População: 175 milhões Área: 8.514.215,3 km² 26 estados e DF 5.562 municípios População pobre: em torno

Leia mais

Nome do palestrante: Ida Pietricovsky de Oliveira Trabalho Infantil: avanços e desafios. Amazônia Rural Trabalho precário 4 e 5 de dezembro de 2014

Nome do palestrante: Ida Pietricovsky de Oliveira Trabalho Infantil: avanços e desafios. Amazônia Rural Trabalho precário 4 e 5 de dezembro de 2014 Nome do palestrante: Ida Pietricovsky de Oliveira Trabalho Infantil: avanços e desafios Amazônia Rural Trabalho precário 4 e 5 de dezembro de 2014 Contexto/Introdução O Brasil é referência mundial em relação

Leia mais

1. TRABALHO FORÇADO COMO A ANTÍTESE DO TRABALHO DECENTE

1. TRABALHO FORÇADO COMO A ANTÍTESE DO TRABALHO DECENTE APRESENTAÇÃO CPI TRABALHO ESCRAVO Laís Abramo 23/5/2012 1. TRABALHO FORÇADO COMO A ANTÍTESE DO TRABALHO DECENTE 2. O trabalho forçado é a antítese do trabalho decente. Constitui uma grave violação dos

Leia mais

Código de Conduta Empresarial. The Binding Site Group Limited. Março de 2017

Código de Conduta Empresarial. The Binding Site Group Limited. Março de 2017 Código de Conduta Empresarial The Binding Site Group Limited Março de 2017 Este Código de Conduta Empresarial se aplica a todos na Binding Site Group Limited, incluindo suas subsidiárias e filiais globais

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL COPATROCINADOR UNAIDS 2015 BANCO MUNDIAL COPATROCINADORES UNAIDS 2015 O QUE É O BANCO MUNDIAL? Milhões ainda estão se tornando infectados a cada ano e muitos são excluídos do tratamento por culpa de serviços

Leia mais

Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT

Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT Os trabalhadores e as trabalhadoras domésticas no mundo e a Convenção (Nº 189) da OIT CES - Seminário sobre Apoio domiciliário e Trabalho doméstico: Perpectivas de emprego Lisboa, 29 de Novembro de 2013

Leia mais

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015

A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais. Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 A Agenda de Desenvolvimento pós-2015 e os desafios para os Governos Locais Belo Horizonte 26 de Agosto de 2015 Os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) Em 2000, durante a Cúpula do Milênio, líderes

Leia mais

27 de junho de Domingos Lopes

27 de junho de Domingos Lopes 27 de junho de 2016 Domingos Lopes Objetivos Temáticos OT 8. Promover a sustentabilidade e a qualidade do emprego e apoiar a mobilidade dos trabalhadores assumindo como meta nacional, até 2020, o aumento

Leia mais

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA

COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA COPATROCINADOR UNAIDS 2015 UNICEF FUNDO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A INFÂNCIA COPATROCINADORES UNAIDS 2015 UNICEF O QUE É UNICEF? O Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) acredita que promover os

Leia mais

O Impacto Socioeconómico da Prisão Preventiva em Quénia, Moçambique e Zâmbia

O Impacto Socioeconómico da Prisão Preventiva em Quénia, Moçambique e Zâmbia O Impacto Socioeconómico da Prisão Preventiva em Quénia, Moçambique e Zâmbia Sumário Executivo Em muitos países, as pessoas acusadas de crimes são mantidas em detenção, antes do julgamento. A lei permite

Leia mais

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira.

A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira; Aspectos demográficos e estrutura da população brasileira. A formação e a diversidade cultural da população brasileira Os primeiros habitantes

Leia mais

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS

POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS POLÍTICA DE DIREITOS HUMANOS Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir uns para com os outros com espírito de fraternidade.

Leia mais

Recomendação de políticas Fraude tecnológica e exploração em linha

Recomendação de políticas Fraude tecnológica e exploração em linha Recomendação de políticas Fraude tecnológica e em linha A oportunidade A computação em nuvem está revolucionando a forma como as pessoas trabalham, aprendem, interagem e brincam. A educação é apenas um

Leia mais

DÉCADA INTERNACIONAL DE. AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO

DÉCADA INTERNACIONAL DE. AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO DÉCADA INTERNACIONAL DE AFRODESCENDENTES 1º de janeiro de 2015 a 31 de dezembro de 2024 RECONHECIMENTO, JUSTIÇA E DESENVOLVIMENTO DÉCADA INTERNACIONAL DOS AFRODESCENDENTES 1º DE JANEIRO DE 2015 A 31 DE

Leia mais

I. Do Bolsa Família à Renda Básica de Cidadania

I. Do Bolsa Família à Renda Básica de Cidadania I. Do Bolsa Família à Renda Básica de Cidadania O programa Bolsa Família constitui um dos principais instrumentos utilizados pelo governo do presidente Lula para cumprir a sua meta de até o final de seu

Leia mais

Convenção de Istambul

Convenção de Istambul CONVENÇÃO DO CONSELHO DA EUROPA PARA A PREVENÇÃO E O COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES E A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA Convenção de Istambul LIVRE DO MEDO LIVRE DA VIOLÊNCIA QUAL É O OBJETIVO DA CONVENÇÃO?

Leia mais

IMIGRAÇÃO : QUEBRANDO TABUS

IMIGRAÇÃO : QUEBRANDO TABUS IMIGRAÇÃO : QUEBRANDO TABUS QUEM SOMOS O Centro de Apoio ao Migrante CAMI fundado pelo SPM em julho de 2005, é um espaço de referência na promoção e defesa dos direitos humanos dos imigrantes. Desde 2013

Leia mais

Pobreza e Desigualdade de Renda

Pobreza e Desigualdade de Renda C H A P T E R 20 Pobreza e Desigualdade de Renda Economics P R I N C I P L E S O F N. Gregory Mankiw Tradução e adaptação dos slides de Ron Cronovich 2009 South-Western, a part of Cengage Learning, all

Leia mais

Fluxos migratórios e estrutura da. população. IFMG - Campus Betim Professor Diego Alves de Oliveira Disciplina de Geografia - 3º Ano 2016

Fluxos migratórios e estrutura da. população. IFMG - Campus Betim Professor Diego Alves de Oliveira Disciplina de Geografia - 3º Ano 2016 Fluxos migratórios e estrutura da população IFMG - Campus Betim Professor Diego Alves de Oliveira Disciplina de Geografia - 3º Ano 2016 O que leva uma pessoa a migrar? Todas as migrações ocorrem livremente?

Leia mais

VIH e SIDA: Uma visão geral da epidemia e da importância da ação no mundo do trabalho

VIH e SIDA: Uma visão geral da epidemia e da importância da ação no mundo do trabalho VIH e SIDA: Uma visão geral da epidemia e da importância da ação no mundo do trabalho www.itcilo.org PORQUÊ DEBATER O VIH E A Afetam a faixa etária mais produtiva e economicamente ativa. É difícil conhecer

Leia mais

Código de Ética e Conduta

Código de Ética e Conduta Página 1 de 6 Introdução O da Rotta Paletes busca o compromisso de alcançar seus objetivos empresariais com visão sempre na responsabilidade social, valorização do seu relacionamento com clientes, fornecedores

Leia mais

TRABALHO ESCRAVO. Brasília, abril de 2016.

TRABALHO ESCRAVO. Brasília, abril de 2016. TRABALHO ESCRAVO Brasília, abril de 2016. Trabalho Escravo O trabalho escravo é uma grave violação de direitos humanos, que tem levado milhões de seres humanos a serem explorados e submetidos a condições

Leia mais

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária.

PROGRAMA DE ACÇÃO SAÚDE. - Advocacia junto ao Ministério da Saúde para criação de mais centros de testagem voluntária. PROGRAMA DE ACÇÃO A diversidade e complexidade dos assuntos integrados no programa de acção da OMA permitirá obter soluções eficazes nos cuidados primários de saúde, particularmente na saúde reprodutiva

Leia mais

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA

Estratégia da ONUSIDA para : Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA Estratégia da ONUSIDA para 2016-2020: Acelerar o financiamento para pôr fim à SIDA www.itcilo.org INTRODUÇÃO Estratégia global orientar e apoiar a resposta à SIDA, a nível global e assente em princípios

Leia mais

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989);

A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); A organização da ECO-92 foi solicitada pela resolução da Assembléia Geral das Nações Unidas (dezembro, 1989); Essa reunião mundial (CNUMAD - 92) foi organizada para elaborar a estratégia para deter e reverter

Leia mais

CIPD além de 2014: Integração da dinâmica populacional no desenvolvimento sustentável

CIPD além de 2014: Integração da dinâmica populacional no desenvolvimento sustentável CIPD além de 2014: Integração da dinâmica populacional no desenvolvimento sustentável Suzana Cavenaghi ENCE/IBGE Seminário Internacional La CIPD más allá de 2014 y la dinámica demográfica de América Latina

Leia mais

O CRESCENTE MERCADO DO TRÁFICO DE PESSOAS Marina Nunes ROLLI 1

O CRESCENTE MERCADO DO TRÁFICO DE PESSOAS Marina Nunes ROLLI 1 O CRESCENTE MERCADO DO TRÁFICO DE PESSOAS Marina Nunes ROLLI 1 RESUMO: Este artigo visa fazer uma breve análise sobre o tema Tráfico de Pessoas sob a luz da dignidade da pessoa humana, Esta atividade tem

Leia mais

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E SANEAMENTO. Prelector: Lionidio de Ceita 25 Julho 2016

ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E SANEAMENTO. Prelector: Lionidio de Ceita 25 Julho 2016 ALTERAÇÕES CLIMÁTICAS E SANEAMENTO Prelector: Lionidio de Ceita 25 Julho 2016 Alterações Climáticas: Mito ou Realidade? O assunto das alterações climáticas tem sido amplamente discutido em termos políticos,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO UNIVERSITÁRIO NORTE DO ESPÍRITO SANTO DISCIPLINA: ECONOMIA DA ENGENHARIA I I AULA MODELO SOBRE DEPRECIAÇÃO, EXAUSTÃO E AMORTIZAÇÃO Conceito a) Legislação Societária

Leia mais

Estrutura Populacional

Estrutura Populacional Estrutura Populacional A estrutura populacional consiste na divisão dos habitantes, de acordo com aspectos estruturais, possibilitando sua análise por meio: da idade (jovens, adultos e idosos); do sexo

Leia mais

COUNTRY PAYMENT REPORT. Portugal

COUNTRY PAYMENT REPORT. Portugal COUNTRY PAYMENT REPORT 16 Portugal Country Payment Report 16: PORTUGAL O Relatório de Pagamentos por país é desenvolvido pela Intrum Justitia. A Intrum Justitia reúne dados de milhares de empresas na Europa

Leia mais

Acelerar a resposta para pôr um fim à SIDA Estratégia ONUSIDA

Acelerar a resposta para pôr um fim à SIDA Estratégia ONUSIDA Acelerar a resposta para pôr um fim à SIDA Estratégia ONUSIDA 2016 2021 Apresentado por: Dr.ª Hellen Magutu Amakobe, Ponto Focal para o VIH e SIDA, OIT Quénia Síntese 1 2 3 4 Processo de elaboração da

Leia mais

Na União Europeia e países europeus (I):

Na União Europeia e países europeus (I): O princípio da CPD diz-nos que as políticas nos vários setores devem contribuir ativamente para os objetivos de luta contra a pobreza e de promoção do desenvolvimento ou, pelo menos, não prejudicarem esses

Leia mais

Direitos dos Trabalhadores Domésticos na Irlanda

Direitos dos Trabalhadores Domésticos na Irlanda Direitos dos Trabalhadores Domésticos na Irlanda O que é um trabalhador doméstico? Em geral, de acordo com a legislação irlandesa, um trabalhador é definido como uma pessoa que exerce uma atividade vinculada

Leia mais

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio

Objectivos de Desenvolvimento do Milénio República de Moçambique Objectivos de Desenvolvimento do Milénio Ponto de Situação, Progressos e Metas Conferência Cumprir Bissau Desafios e Contribuições da CPLP para o cumprimento dos ODMS 5 de Junho

Leia mais

Formas extremas de exploração laboral

Formas extremas de exploração laboral Formas extremas de exploração laboral Ana Cardoso Sesimbra, março 2016 Crise financeira/ Financial crisis Fragilização das relações laborais/ Weakening of labour relations Destruição do valor do trabalho/

Leia mais

Medidas de Ocorrência de Doenças: Morbidade

Medidas de Ocorrência de Doenças: Morbidade Ribeirão Preto, 2016 DISCIPLINA EPIDEMIOLOGIA Medidas de Ocorrência de Doenças: Morbidade Luiz Henrique Arroyo ROTEIRO DA AULA Conceitos básicos da epidemiologia o Epidemia, Endemia o Pandemia, Surto o

Leia mais

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A

Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A Definição Compreende-se por o processo de integração e interdependência entre países em seus aspectos comerciais, financeiros, culturais e sociais. A globalização surgiu por necessidade primária do e na

Leia mais

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO...

SETORES DA ECONOMIA DE UM PAÍS - SETOR PRIMÁRIO... Economia do Brasil INTRODUÇÃO A economia de um país pode ser dividida em setores (primário, secundário e terciário) de acordo com os produtos produzidos, modos de produção e recursos utilizados. Estes

Leia mais

Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil

Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Uma análise dos diferenciais salariais no Brasil Ricardo Paes de Barros DIPES/IPEA Rosane Mendonça UFF/IPEA Gostaríamos de agradecer a toda a nossa equipe no IPEA pelo excelente trabalho de assistência

Leia mais

D O M I N G O, 1 5 D E M A I O D E

D O M I N G O, 1 5 D E M A I O D E EXERCÍCIO 11: estrutura do texto argumentativo, valor discursivo de palavras e expressões, referenciação, acentuação gráfica, análise sintática, produção de parágrafos argumentativos. D O M I N G O, 1

Leia mais

Ações Reunião Ordinária realizada no dia 18 de julho de 2014

Ações Reunião Ordinária realizada no dia 18 de julho de 2014 R E L A Ç Õ E S D O T R A B A L H O Órgão Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) Representação Efetiva Grupo de Trabalho Tripartite para Implementação da Agenda Nacional de Trabalho Decente Representante

Leia mais

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009

TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL. Julho de 2009 TRABALHO DECENTE E JUVENTUDE NO BRASIL Brasília, Julho de 2009 Trabalho Decente e Juventude no Brasil 1. Diagnóstico da situação magnitude do déficit de Trabalho Decente para os jovens relação educação

Leia mais

Marina Cyrino. Dezembro, 2014 Rachel Delvecchio

Marina Cyrino. Dezembro, 2014 Rachel Delvecchio Marina Cyrino Dezembro, 2014 Rachel Delvecchio Tauil & Chequer Advogados is associated with Mayer Brown LLP, a limited liability partnership established in the United States. Informações Gerais Base Erosion

Leia mais

Estudo prevê potencial para reforma trabalhista criar 2,3 milhões de vagas

Estudo prevê potencial para reforma trabalhista criar 2,3 milhões de vagas O Globo, 20 de junho de 2017 Estudo prevê potencial para reforma trabalhista criar 2,3 milhões de vagas Estimativa leva em consideração flexibilização de regras e redução de custos para o empregador (FOTO:

Leia mais

Introdução à Economia do Trabalho II

Introdução à Economia do Trabalho II Introdução à Economia do Trabalho II Solange Ledi Gonçalves Doutoranda Teoria Econômica Universidade de São Paulo XLII Encontro Nacional dos Estudantes de Economia Tópicos 1. Introdução 2. Demanda e oferta

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu Agrícola de Desenvolvimento Rural são uma

Leia mais

CAPÍTULO. Progresso tecnológico, salários e desemprego. Olivier Blanchard Pearson Education

CAPÍTULO. Progresso tecnológico, salários e desemprego. Olivier Blanchard Pearson Education Progresso tecnológico, salários e desemprego Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 13 Progresso tecnológico, salários e desemprego Há visões otimistas e pessimistas sobre o progresso tecnológico.

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ROMERO JUCÁ Minuta PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2013 Dispõe sobre a expropriação das propriedades rurais e urbanas onde se localizem a exploração de trabalho escravo

Leia mais

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios

Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Direitos Humanos na Constituição Brasileira: Avanços e Desafios Cátedra UNESCO de Educação para a Paz, Direitos Humanos, Democracia e Tolerância Faculdade de Saúde Pública (USP), Auditório Paula Souza.

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Apresentação de propostas e formalização de Convênios com a SPM - PR Vitória, maio de 2011 Secretaria de Políticas para as Mulheres Criada

Leia mais

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010

Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Variação do Produto Interno Bruto - PIB no ano de 2010 Em 2010, segundo divulgação do IBGE, o PIB brasileiro cresceu 7,5% em relação a 2009. O PIB atingiu R$ 3,675 trilhões (ou, à taxa de câmbio de R$

Leia mais

RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE

RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE RELATÓRIO FINAL DA I CONFERENCIA NACIONAL DE EMPREGO E TRABALHO DECENTE Realizada de 08 a 11 de agosto de 2012 MÁRIO DOS SANTOS BARBOSA Assessor Especial para Assuntos Internacionais Coordenador da I CNETD

Leia mais

Recomendação de políticas Prevenção de crimes cibernéticos modernos

Recomendação de políticas Prevenção de crimes cibernéticos modernos Recomendação de políticas Prevenção de crimes modernos A oportunidade A combinação de um maior acesso à internet, do aumento explosivo dos dispositivos conectados, e da rápida expansão de serviços inovadores

Leia mais

A EXPLORAÇÃO SEXUAL. Vamos entender como juntos podemos proteger crianças e adolescentes dessa grave violação de direitos.

A EXPLORAÇÃO SEXUAL. Vamos entender como juntos podemos proteger crianças e adolescentes dessa grave violação de direitos. A EXPLORAÇÃO SEXUAL Vamos entender como juntos podemos proteger crianças e adolescentes dessa grave violação de direitos. Por que esta causa? É uma das mais graves violações de direitos humanos. Quando

Leia mais

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO WALTER ANTÔNIO ADÃO SUPERINTENDENTE DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUARIO E DA SILVICULTURA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO CENÁRIOS - AGRONEGÓCIO 2

Leia mais

OS TRABALHADORES RURAIS E REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Jane Lucia Wilhelm Berwanger

OS TRABALHADORES RURAIS E REFORMA DA PREVIDÊNCIA. Jane Lucia Wilhelm Berwanger OS TRABALHADORES RURAIS E REFORMA DA PREVIDÊNCIA Jane Lucia Wilhelm Berwanger HISTÓRICO PREVIDÊNCIA RURAL Estatuto do Trabalhador Rural Lei n. 4.214/63 Lei Complementar 11/71 Constituição Federal Leis

Leia mais

Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho

Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho Política de Direitos Humanos no Local de Trabalho Política de Direitos no Local de Trabalho Valorizamos o relacionamento que temos com os nossos funcionários. O sucesso do nosso negócio depende de cada

Leia mais

EUROPEAN PAYMENT REPORT 2017

EUROPEAN PAYMENT REPORT 2017 EUROPEAN PAYMENT REPORT 17 Portugal O Relatório Europeu de Pagamentos baseia-se num inquérito realizado simultaneamente em 29 países europeus, entre Fevereiro e Março de 17. Neste relatório, a Intrum Justitia

Leia mais

Planejamento Tributário Empresarial

Planejamento Tributário Empresarial Planejamento Tributário Empresarial 21/02/2016 Profa. Silvia Bertani M O M E N T O D E R E F L E X Ã O 21/02/2016 Profa. Silvia Bertani 21/02/2016 Profa. Silvia Bertani Planejamento Tributário atividade

Leia mais

Políticas salariais em tempos de crise 2010/11

Políticas salariais em tempos de crise 2010/11 Políticas salariais em tempos de crise 2010/11 Organização Internacional do Trabalho travail@ilo.org PARTE I: Salários na Crise Econômica e Financeira Crescimento global dos salários mensais reduzido pela

Leia mais

Série Manuais, n. 1. Trabalho Escravo. Manual de orientação. Secretaria-Geral de Articulação Institucional

Série Manuais, n. 1. Trabalho Escravo. Manual de orientação. Secretaria-Geral de Articulação Institucional Série Manuais, n. 1 Trabalho Escravo Manual de orientação Secretaria-Geral de Articulação Institucional Brasília, DF. 2015 DEFENSORIA PÚBLICA DA UNIÃO Defensor Público-Geral Federal Haman Tabosa de Moraes

Leia mais

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos

Política Nacional sobre drogas. Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos Política Nacional sobre drogas Leon Garcia- Diretor de Articulação e Projetos A arma mais importante que nós temos- os que temos uma perspectiva democrática para a vida social para tratar do tema das drogas

Leia mais

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD

A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD A Agenda do Trabalho Decente no Brasil e a I CNETD Ana Lúcia Monteiro Organização Internacional do Trabalho 28 de outubro de 2011 ESQUEMA DA APRESENTAÇÃO 1. O Conceito de Trabalho Decente 2. O compromisso

Leia mais