O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO"

Transcrição

1 O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO Fernanda Zorzi 1 Catherine Chiappin Dutra Odir Berlatto 2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema principal a gestão financeira através do fluxo de caixa, e tem como objetivo fundamental analisar a importância desta ferramenta que auxilia na tomada de decisões e auxilia os gestores a tomarem os rumos adequados através de projeções e dados financeiros fornecidos por todas as áreas da O fluxo de caixa é um instrumento de apoio que possibilita o planejamento e o controle de saídas e entradas de recursos financeiros de uma Através da sua utilização é possível ilustrar em tempo real a verdadeira situação financeira, antecipando fatos que poderiam danificar a organização e ajustando seu planejamento. A previsão do fluxo de caixa tem como escopo auxiliar na obtenção de dados informativos para preparar as futuras necessidades de prospecção de recursos financeiros, além de determinar os períodos que ocorrem sobra ou quando há necessidade de recursos ou aplicação de excedentes de caixa nas alternativas mais favoráveis para a empresa sem implicar na liquidez. Neste contexto, o problema de pesquisa será: Quais os aspectos que devem ser observados na elaboração de um fluxo de caixa para a empresa Sultorres? Através desta pesquisa serão analisados os aspectos a serem observados na estruturação de um modelo de fluxo de caixa que permita que seja feito o planejamento financeiro da empresa Sultorres, que fabrica e monta torres em estrutura metálica. A estruturação e a definição dos aspectos a serem observados em um modelo de fluxo de caixa possibilitam o planejamento financeiro e estabelecem diretrizes para que as tomadas de decisões sejam feitas buscando sempre as mudanças benéficas a 1 Aluno(s) do Curso de Ciências Contábeis da FSG. 2 Professor Orientador do Projeto, Trabalho ou TCC

2 empresa e ao crescimento da mesma, onde mediante essas informações se possa visualizar e analisar as diferentes oportunidades de desenvolvimento. Por se tratar de uma ferramenta de extrema importância para que a empresa possa obter dados seguros com rapidez e eficácia em determinado período, é importante que ele esteja sempre atualizado, pois baseado nele que se poderá fazer a análise, planejamento, e organizar e controlar as obrigações e disponibilidades que a mesma possui, auxiliando o gestor na tomada de decisões. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA A proposta principal esta baseada a partir de vários autores como Frezatti (1997), Zdanowicz (1998), Matarazzo (1998) e Campos Filho (1993), que fundamentam a idéia central desta pesquisa que apresenta o fluxo de caixa como ferramenta gerencial financeira importante na tomada de decisões nas empresas. Atualmente as empresas estão passando por um momento de competitividade e expansão dos mercados que exige dos gestores a necessidade de buscarem instrumentos que possam auxiliar no controle e planejamento de seus recursos, avaliando a melhor alternativa de custos e investimentos, visando sempre atingir os objetivos desejados frente ao cenário econômico financeiro da atualidade. Frente a isso é abordada através da discussão teórica a importância do fluxo de caixa, que é um instrumento de análise utilizado por muitas empresas para a identificação do processo de circulação do dinheiro originário de suas atividades, para um determinado período de tempo e cuja finalidade para Campos Filho (1993) é a de auxiliar no processo decisório de uma organização, verificando o total de pagamentos e recebimentos e tem como resultado uma melhor eficiência na administração financeira da mesma. É importante o planejamento do fluxo de caixa, pois é através dele que se tem uma visão antecipada da necessidade de valores para atender as obrigações da empresa, com isso o gestor poderá planejar com antecedência os problemas de caixa que poderão aparecer em caso de diminuição de receitas ou aumento no volume de pagamentos. O fluxo de caixa é de extrema importância para a eficácia econômica financeira e para o controle gerencial da empresa, tanto ela sendo pequena, media ou grande. É

3 indispensável o controle do fluxo e o seu processo de planejamento para que ambos possam ser úteis ao gestor, por isso o acompanhamento e o controle diário reduz a margem de erros, permitindo acompanhar a atuação em tempo hábil de aplicar medidas corretivas se eventualmente for necessário. Para Gitman (2002), o fluxo de caixa permite ao administrador financeiro analisar tanto o passado como o futuro, o que permite projetar diariamente a evolução do disponível, de forma que o administrador possa tomar com a devida antecedência, as medidas oportunas para enfrentar a escassez ou o excesso de recursos gerados pela O controle gerencial do fluxo de caixa fornece subsídios para o processo de estratégia das organizações, com objetivo de buscar as mudanças que a empresa necessita, permitindo planejar, coordenar, organizar, dirigir e controlar os recursos financeiros disponíveis, procurando sempre obter as melhores soluções sem prejudicar o capital de giro da empresa e dessa forma auxiliando o gestor no processo de tomada de decisão (ZDANOWICZ, 1999). Neste contexto, a contabilidade gerencial se faz indispensável para a tomada de decisão, pois através de seus relatórios fornece a informação clara, precisa e objetiva e instrumentos aos administradores de empresas que os auxiliem em suas funções gerenciais, é voltada para a melhor utilização dos recursos econômicos da empresa, através de um adequado controle dos insumos efetuado por um sistema de informação gerencial. Para transformar os números em dados que serviram de base para a tomada de decisão surgira o papel do contador gerencial, participando da rotina administrativa financeira da O fluxo de caixa é elaborado a partir de dados que serão recebidos dos diversos departamentos, da mesma forma a posição de caixa recebe impacto de vários fatores como internos e externos que fará com que o gestor esteja vulneral e atento para qualquer mudança que seja necessária a sua intervenção, por isso é de grande importância que ele esteja sempre atualizado. Através do fluxo de caixa se pode visualizar uma linha do tempo, ou seja, com o conhecimento do que ocorreu no passado, se poderá realizar uma boa projeção do fluxo de caixa para o futuro. A comparação do fluxo de caixa projetado com o real indica as alterações que quase sempre, demonstram as falhas nas projeções, falhas essas

4 que são de extrema importância para o aprimoramento de novas projeções de fluxos de caixa em consequência de um planejamento financeiro. O fluxo de caixa projetado esta cada vez mais sendo utilizado pelas empresas, auxiliando o administrador a visualizar com antecedência uma situação negativa, e podendo a tempo evitar que ela ocorra. Para Campo Filho (1993), é importante o planejamento do fluxo de caixa, porque ira advertir sobre as necessidades para liquidar as obrigações, considerando o prazo para serem saldados. Dessa forma o gestor estará hábil a planejar problemas de caixa que poderão vir a surgir em conseqüência de reduções recorrentes das receitas ou de aumento no volume de pagamentos. Para Zdanowicz (1999), o fluxo de caixa é o instrumento de programação financeira, que corresponde às estimativas de entradas e saídas de caixa em certo período de tempo projetado. A partir do planejamento do fluxo de caixa projetado torna-se possível fazer a negociação de prazos com fornecedores e credores com a finalidade de minimizar possíveis problemas de caixa, pois através dele o gestor é capaz de identificar com certa antecedência os desembolsos e os ingressos que a empresa terá em determinados períodos e avaliar medidas para sua resolução. Em virtudes de prazos, o planejamento do fluxo de caixa deve ser muito bem pensado, dependendo das oscilações de cada Campos Filho (1993, p.109) ressalta que o fluxo de caixa projetado é a ferramenta de que dispõe o administrador financeiro para visualizar com antecedência a situação descrita e evitar que ela ocorra. Já para Frezatti (1997, p.32), o fluxo de caixa projetado é um instrumento que deve conter as metas mais adequadas à Para isso, pode ser necessário fazer varias simulações e negociar alterações que possam acontecer. Utilizando o fluxo de caixa como ferramenta para tomada de decisões financeiras, a empresa terá que avaliar as características de atuação e decidir qual seu nível satisfatório de capital de giro, garantindo assim a sustentação de suas atividades e/ou serviços.

5 REFERÊNCIAS CAMPOS FILHO, Ademar. Fluxo de caixa em moeda forte: análise, decisão e controle. 2. ed. São Paulo: Atlas, FREZATTI, Fábio. Gestão do Fluxo de Caixa Diário: como dispor de um instrumento fundamental para o gerenciamento do negócio. São Paulo: Atlas, GITMAN, Laurence J. Princípios de administração financeira. 7. ed. São Paulo: Harbra, ZDANOWICZ, José Eduardo. Fluxo de caixa para as pequenas empresas. Porto Alegre: SEBRAE, 1997.

O que é Fluxo de Caixa Projetado. O que é o Fluxo de Caixa Projetado

O que é Fluxo de Caixa Projetado. O que é o Fluxo de Caixa Projetado Toda empresa possui o seu fluxo de caixa. Pode ser feito à moda antiga, no papel, em uma simples planilha do Excel, com entradas e saídas, ou então com planilhas mais elaboradoras. A verdade é que o gestor

Leia mais

AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO ETEC HORÁCIO AUGUSTO Não fique sem o conteúdo, acesse:

AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO ETEC HORÁCIO AUGUSTO Não fique sem o conteúdo, acesse: INTRODUÇÃO AULA 2 CONTABILIDADE GERENCIAL PROF. PROCÓPIO A contabilidade gerencial utilizar-se de temas de outras disciplinas, ela se caracteriza pôr ser uma área contábil autônoma, pelo tratamento dado

Leia mais

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária

Contas a pagar & Contas a receber. Gestão Orçamentária Contas a pagar & Contas a receber Gestão Orçamentária Roteiro Introdução Funcionamento Estudo de caso Controle Planejamento Contas a pagar Contas a receber Referências Introdução Orçamento É um dos objetivo

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS

ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS ADMINISTRAÇÃO GERAL CONCEITOS BÁSICOS Atualizado em 27/10/2015 CONCEITOS BÁSICOS Administração, em seu conceito tradicional, é definida como um conjunto de atividades, princípios, regras, normas que têm

Leia mais

FLUXO DE CAIXA PARA ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS 1

FLUXO DE CAIXA PARA ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS 1 FLUXO DE CAIXA PARA ENTIDADE SEM FINS LUCRATIVOS 1 Ivanildo Scheuer 2, Lauri Basso 3, Marcelo Luis Didoné 4. 1 Projeto de Extensão Assessoria em Gestão Empresarial e Serviços de Contabilidade para Entidades

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2. Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO

FLUXO DE CAIXA. Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2. Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO 1 FLUXO DE CAIXA Roger Schmeier 1 Odir Luiz Fank 2 Palavras chave: Fluxo de Caixa, DFC, Caixa, Transações 1 INTRODUÇÃO O estudo aqui apresentado visa pesquisar e apresentar informações e o funcionamento

Leia mais

TÍTULO: ANÁLISE DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA O PEQUENO E MÉDIO PRODUTOR RURAL, COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO.

TÍTULO: ANÁLISE DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA O PEQUENO E MÉDIO PRODUTOR RURAL, COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO. TÍTULO: ANÁLISE DA CONTABILIDADE GERENCIAL PARA O PEQUENO E MÉDIO PRODUTOR RURAL, COMO UMA FERRAMENTA DE GESTÃO. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: ESTATÍSTICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2)

ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) ORÇAMENTO EMPRESARIAL (parte 2) 2) TIPOS DE ORÇAMENTO 2.1) Orçamento de Tendências Uma prática muito comum tem sido utilizar os dados passados para projeções de situações futuras. Tal prática tem dado

Leia mais

CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL

CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL CUSTOS: ANÁLISE EM UMA EMPRESA METAL-MECÂNICA DE CAXIAS DO SUL Marina Cappelletti Périco 1 Catherine Chiappin Dutra 2 Odir Berlatto 3 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema central a Contabilidade

Leia mais

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ

Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ Banco Safra S.A. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE LIQUIDEZ 1/8 1. OBJETIVO Apresentar o modelo de gerenciamento de Risco de Liquidez no Banco Safra e os princípios, as diretrizes e instrumentos de

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO

FECG-SP. Curso de Gestão Financeira E Orçamentária PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO FECG-SP Curso de Gestão Financeira E Orçamentária 2016 PROF. EDUARDO ANTONIO STANISCI PEDRO SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 3 2. CUSTEIO POR ABSORÇÃO 5 3. CUSTEIO VARIÁVEL 4. BIBLIOGRAFIA 7 8 5. SLIDES 9 2 CURSO

Leia mais

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis

Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Estruturação de um Sistema de Informações Contábeis Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Características gerais Objetivos Suporte à Contabilidade Gerencial (Controladoria) Suporte à tomada de

Leia mais

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil

Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Resumo Aula-tema 05: Gestão Contábil Um dos grandes fatores limitantes ao crescimento e desenvolvimento das micro e pequenas empresas é a falta de conhecimento e do uso de informações gerenciais no negócio.

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001308 - TECNOLOGIA EM LOGISTICA Nivel: Superior Area Profissional: GESTAO DA ADMINISTRACAO Area de Atuacao: LOGISTICA/GESTAO Planejar,

Leia mais

Os índices de Liquidez como orientadores na tomada de decisões.

Os índices de Liquidez como orientadores na tomada de decisões. 1. Resumo Os demonstrativos financeiros elaborados pelas empresas, representam as movimentações financeiras de cada uma em determinado período e fornecem informações de grande utilidade para a administração,

Leia mais

Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: Prof. Me. Livaldo dos Santos

Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: Prof. Me. Livaldo dos Santos Unidade IV PLANEJAMENTO OPERACIONAL: RECURSOS HUMANOS E FINANÇAS Prof. Me. Livaldo dos Santos Objetivos Entender o significado de orçamento. Identificar os princípios de planejamento. Conhecer as etapas

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL 1 CONCEITO Orçamento é um instrumento de natureza econômica elaborada com objetivo de prever determinadas quantias que serão utilizadas para determinados fins. Ele consiste em um resumo sistemático, ordenado

Leia mais

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez -

Descrição da Estrutura de Gerenciamento Risco de Liquidez - Descrição da Estrutura de Gerenciamento 2011 - Risco de Liquidez - Sumário: 1. Introdução:... 3 2. Objetivo:... 3 3. Diretrizes de Gestão:... 3 4. Responsabilidades:... 4 4.1. Conselho de Administração:...

Leia mais

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP

Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP Universidade de São Paulo Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade Departamento de Contabilidade e Atuária EAC FEA - USP AULA 10 Supply Chain Management (SCM) Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana

Leia mais

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha

Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Faculdade da Amazônia Ocidental Controladoria e Contabilidade Gerencial Profª Girleida Nobre Rocha Questões de Revisão Contabilidade: Sistema de Informação Gerencial 1. A demonstração contábil-financeira

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - Cetec. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico Etec Prof. Massuyuki Kawano Código: 136 Município: Tupã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de Nível Médio de Técnico em

Leia mais

Ampliar os conhecimentos sobre o enfoque sistêmico do fluxo financeiro nas organizações e ser capaz de interagir com o seu processo gerencial;

Ampliar os conhecimentos sobre o enfoque sistêmico do fluxo financeiro nas organizações e ser capaz de interagir com o seu processo gerencial; CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO CONTÁBIL E FINANCEIRA - VII UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - DCC GERÊNCIA FINANCEIRA

Leia mais

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 12. PREVISÃO DE VENDAS continuação

PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 12. PREVISÃO DE VENDAS continuação PLANEJAMENTO OPERACIONAL - MARKETING E PRODUÇÃO MÓDULO 12 PREVISÃO DE VENDAS Índice 1. Previsão de vendas -...3 1.1. Fatores de cálculo da previsão de vendas... 3 1.1.1. Informações sobre as vendas passadas...

Leia mais

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora:

CONCEITO DE CONTABILIDADE. Para isso contamos com a contabilidade essa que vamos conhecer agora: CONCEITO DE CONTABILIDADE O que vamos ver a seguir nos mostra que com o conhecimento do ciclo de vida da empresa, conseguimos tomar decisões que consistem em conduzi-la ao sucesso. Portanto, há duas preocupações

Leia mais

AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added)

AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added) AS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES SOBRE O EVA (Economic Value Added) Metodologia para avaliar resultados ou investimentos? EVAs positivos significam desempenho superior? O que fazer para aumentar o EVA? Francisco

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec Etec: São José do Rio Pardo Código: 150 Município: São José do Rio Pardo Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnico em Administração

Leia mais

V.4, N.2 (2013) ISSN

V.4, N.2 (2013) ISSN FLUXO DE CAIXA: PROPOSTA DE UM MODELO PARA UMA EMPRESA PRESTADORA DE SERVIÇOS DO RAMO DA MEDICINA DO TRABALHO Iara Maria Lipreri 1 Elisangela Ferrazza 2 Resumo: É de suma importância que as empresas utilizem

Leia mais

BALANCED SCORECARD E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL

BALANCED SCORECARD E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL BALANCED SCORECARD E SUA CONTRIBUIÇÃO NA GESTÃO FINANCEIRA EMPRESARIAL Arthur Elias Orlandin 1 Diana de Almeida e Silva 2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema central o Balanced Scorecard e sua

Leia mais

TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES

TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES TRATAMENTO E ACOMPANHAMENTO DA PESQUISA DE SATISFAÇÃO DOS CLIENTES José Luis Costa (1) Administrador formado pela faculdade IPEP e Graduado em Tecnólogo em Gestão Pública, ingressou na Sanasa em 1994,

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Resolução 3.988/2011. Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL Área Responsável: Risco de Crédito e Capital Gerência de Capital Sumário RELATÓRIO DE ACESSO PÚBLICO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 3 1. INTRODUÇÃO... 3

Leia mais

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Unidade Curricular Gestão Empresarial ADS 2 M/N Introdução aos Princípios da Gestão Empresarial

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS ASPECTOS GERAIS 1. OBJETIVO Definir a Política de Gerenciamento do Capital - PGC para as empresas que compõem o conglomerado Fator, em cumprimento às disposições da Resolução do CMN Nº 3988/2011. 2. CANCELAMENTO / SUBSTITUIÇÃO

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro. Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se

Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro. Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se PLANEJAMENTO DE PROJETOS Mauro Lúcio Batista Cazarotti Aluno do Curso de Gerenciamentos de Projetos - FIJ/Rio de Janeiro Na atualidade competitiva profissional em Gestão de Projetos, exige-se dos profissionais

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho

Aula FN. FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho Finanças para Empreendedores Prof. Pedro de Carvalho FINANÇAS Professor: Pedro Pereira de Carvalho pedro.carvalho@fmu.br Finanças para Empreendedores Prof. Simulação de um orçamento para o fornecimento de materiais e serviços para uma rede LAN, em uma empresa.

Leia mais

PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO

PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO PRINCÍPIOS DA GESTÃO PARA A EDUCAÇÃO Prof. Dr. Bernardo Meyer Departamento de Ciências da Administração - CAD Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC EDUCAÇÃO EDUCAÇÃO - A educação vive um processo

Leia mais

V.4, N.1 (2013) ISSN

V.4, N.1 (2013) ISSN AUDITORIA TRABALHISTA NA EMPRESA EURO TELHAS IND E COM LTDA. Rosane Madalena Astrizzi 1 Pablo de Macedo Dutra 2 INTRODUÇÃO O presente trabalho tem como tema central a auditoria interna e suas contribuições

Leia mais

A Integração da Parceria Contábil e Jurídica

A Integração da Parceria Contábil e Jurídica A Integração da Parceria Contábil e Jurídica Cláudia Safar Laranja Marranghello Bachárel em Ciências Contábeis PUC/RS CRC/RS 056763/0-3 Vice-Presidente da APEJUST nº 1119 Perita e Consultora Contábil nas

Leia mais

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa.

Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aqui você escolhe o curso que deseja fazer de acordo com o seu momento empreendedor e as necessidades de sua empresa. Aprender a Empreender Objetivo: Desenvolver conhecimentos, habilidades e atitudes sobre

Leia mais

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação

Estudo sobre o efeito da Crise Econômica nos Investimentos em Tecnologia de Informação A Tecnologia de Informação (TI) é recurso organizacional e como tal recebe investimentos, que são afetados pela situação econômica e da própria organização. O momento atual da economia brasileira afeta

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS

PROCESSOS ADMINISTRATIVOS PROCESSOS ADMINISTRATIVOS Profª. Ms. Ana Carolina Marini ana.figueira@anhanguera.com DOCENTE Experiência - 13 anos docência - Consultorias - Desenvolvimento de projetos Bacharel em Turismo com ênfase em

Leia mais

Plano de Gerenciamento de Configuração

Plano de Gerenciamento de Configuração Plano de Gerenciamento de Configuração Controle de Versões Versão Data Autor Notas da Revisão 0.1 29/11/2016 Deborah Araujo Denis Ferreira Ezio Mendonça - Plano de gerenciamento de Configuração Página

Leia mais

V.5, N.2 (2014) ISSN

V.5, N.2 (2014) ISSN PROPOSTA DE IMPLANTAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA PARA O PLANEJAMENTO FINANCEIRO DE UMA MICRO EMPRESA DE CERÂMICA VERMELHA NA CIDADE DE CANGUÇU-RS Aline Casarin Aldrighi 1 Caroline Dall Sotto Boff 2 Resumo: Este

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE RISCO DE MERCADO COMPETÊNCIA DEZEMBRO/2015 Existe o risco que você não pode jamais correr, e existe o risco que você não pode deixar de correr. Peter Drucker I. INTRODUÇÃO

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO: DIFERENCIAL COMPETITIVO

PLANEJAMENTO ESTRATEGICO: DIFERENCIAL COMPETITIVO 1 PLANEJAMENTO ESTRATEGICO: DIFERENCIAL COMPETITIVO Amanda Bortolani Oliveira (Discente do 2º ano de Administração AEMS) Angela de Souza Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS)

Leia mais

Gestão Estratégica da Qualidade

Gestão Estratégica da Qualidade UNIVERSIDADE DE SOROCABA Curso Gestão da Qualidade Gestão Estratégica da Qualidade Professora: Esp. Débora Ferreira de Oliveira Aula 2 16/08 Objetivo: relembrar o que foi dado, tirar possíveis dúvidas

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

ESTUDO DE CASO SOBRE CUSTOS PARA PRECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE

ESTUDO DE CASO SOBRE CUSTOS PARA PRECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE ESTUDO DE CASO SOBRE CUSTOS PARA PRECIFICAÇÃO DE SERVIÇOS EM UM ESCRITÓRIO DE CONTABILIDADE Tais Viali 1 Gisele Carina Pistore 2 INTRODUÇÃO A contabilidade de custos é uma ferramenta, fundamental para

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA

ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO EMPRESARIAL CONCEITOS E APLICAÇÕES PROF. SILVIA FLORES ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA ORÇAMENTO É um plano administrativo que cobre todas as operações da empresa, para um período de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCO Este material foi elaborado pela Gestão de Recursos Ltda. ( ), e não pode ser copiado, reproduzido ou distribuído sem sua prévia e expressa concordância. Página 1 de 6 Ficha

Leia mais

Pesquisa de Mercado. Pesquisa de Mercado

Pesquisa de Mercado. Pesquisa de Mercado Pesquisa de Mercado Pesquisa de Mercado 8 PESQUISA DE MERCADO Objetivo específico - ao concluir este módulo, você vai ser capaz de compreender qual a importância da pesquisa de mercado, antes de iniciar

Leia mais

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas

O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas O Papel do Gerente/Administrador Financeiro das Empresas Autora: Begail da Silva Casagrande (UNIC) * Co-autor: Juliano Ciebre dos Santos (FSA) * Resumo: Administrar uma empresa não é uma tarefa fácil.

Leia mais

MANUAL DE RISCOS DE MERCADO Modal Administradora de Recursos Ltda. - MAR

MANUAL DE RISCOS DE MERCADO Modal Administradora de Recursos Ltda. - MAR MANUAL DE RISCOS DE MERCADO Modal Administradora de Recursos Ltda. - MAR Última atualização: Junho / 2016 EXCLUSIVO PARA USO INTERNO Produzido pelas áreas de Risco Operacional e Compliance, Controladoria

Leia mais

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex.

Os processos de segurança da informação devem assegurar a integridade, a disponibilidade e a confidencialidade dos ativos de informação da Apex. 1 POLÍTICA DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO Disposições Gerais Os sistemas de informação, a infraestrutura tecnológica, os arquivos de dados e as informações internas ou externas, são considerados importantes

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

#pública. Risco Operacional

#pública. Risco Operacional #pública Risco Operacional Estrutura de Gerenciamento 2015 SUMÁRIO 1. Objetivo 3 2. Estrutura Organizacional 3 3. Governança para a Gestão do Risco Operacional 4 3.1 Conselho de Administração 4 3.2 Diretoria

Leia mais

A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa

A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa A importância dos Indicadores de Atividade dentro da Empresa Vanessa da Silva Sidônio vanessa_sidonio@hotmail.com Heber Lavor Moreira Professor Trabalho da Disciplina Análise dos Demonstrativos Contábeis

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO AMAZONAS DIVISÃO DE GESTÃO DA QUALIDADE Sistema de Gestão da Qualidade PROCEDIMENTO P.TJAM 67 Planejamento Estratégico Elaborado por: Carla Winalmoller

Leia mais

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros

Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim. 7 Dicas rápidas sobre fluxo de caixa para gestores financeiros Controlar seu fluxo de caixa não é tão simples assim O fluxo de caixa é um dos demonstrativos mais importantes do dia a dia de trabalho de qualquer gestor financeiro. Além de fornecer informações essenciais

Leia mais

Fluxo de caixa como ferramenta de controle empresarial

Fluxo de caixa como ferramenta de controle empresarial 77 Fluxo de caixa como ferramenta de controle empresarial Maria Ana Rosa Cornacchione 1 Marly Rodrigues Cardoso 2 Rosemeire dos Santos Meira 3 Resumo A Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) é um dado

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS Junho/2016 Sócios / Administração 1 / 7 Índice 1. Objetivo... 3 2. Estrutura... 3 a. Comitê de Risco... 3 3. Risco de Preço... 4 4. Risco de Liquidez e Concentração... 4 5.

Leia mais

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC

ANEXO I TRILHAS DE APRENDIZAGEM DO PFGC 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DA PARAÍBA DIREÇÃO GERAL DO CAMPUS JOÃO PESSOA PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE GESTORES

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Tatiana Dornelas de Oliveira Residente de Administração em Gestão Hospitalar do HU/UFJF residecoadm.hu@ufjf.edu.br Como você enxerga o planejamento em nossas vidas? Definições

Leia mais

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA 1 AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Etapas da Receita e da Despesa Orçamentária 2 As etapas da receita e da despesa são as

Leia mais

Relatório - Plano de Ensino 04/02/ :37

Relatório - Plano de Ensino 04/02/ :37 Página: 1/5 ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EMENTA A empresa e sua estrutura de informações. Análise tradicional das demonstrações contábeis. Análise avançada das demonstrações contábeis. Conclusão

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS ASPECTOS RELEVANTES DE CONTROLES INTERNOS DO SEMESTRE FINDO EM 30 de JUNHO de 2016

DESCRIÇÃO DOS ASPECTOS RELEVANTES DE CONTROLES INTERNOS DO SEMESTRE FINDO EM 30 de JUNHO de 2016 DESCRIÇÃO DOS ASPECTOS RELEVANTES DE CONTROLES INTERNOS DO SEMESTRE FINDO EM 30 de JUNHO de 2016 As descrições neste anexo foram elaboradas diretamente e sob a responsabilidade da administração da TURISCAM

Leia mais

ANÁLISE DE UMA BASE DE DADOS DE COMPRAS E VENDAS DE UMA EMPRESA UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE BI 1

ANÁLISE DE UMA BASE DE DADOS DE COMPRAS E VENDAS DE UMA EMPRESA UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE BI 1 ANÁLISE DE UMA BASE DE DADOS DE COMPRAS E VENDAS DE UMA EMPRESA UTILIZANDO UMA FERRAMENTA DE BI 1 Júnior Löwe 2, Ildo Corso 3, Vera Lucia Lorenset Benedetti 4. 1 Análise de Dados de uma Empresa Utilizando

Leia mais

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez

Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Manual de Gerenciamento de Risco de Liquidez Novembro 2015 1. Introdução Este manual de gerenciamento de risco de liquidez foi criado pela equipe da Spectra Investimentos e visa atender os requerimentos

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Aula 1- Contextualização. Prof.: Marcelo Valverde Aula 1- Contextualização Prof.: Marcelo Valverde Plano de ensino: Contabilidade de Custo e Gerencial UNIDADE 1 CONTEXTUALIZAÇÃO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS À CONTABILIDADE GERENCIAL 1.1 Contabilidade de

Leia mais

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE CONTABILIDADE PÚBLICA

FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE CONTABILIDADE PÚBLICA FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE CONTABILIDADE PÚBLICA FAPAN FACULDADE DE AGRONEGÓCIO DE PARAÍSO DO NORTE 1. EVOLUÇÃO DOS ORÇAMENTOS. 2. REGIME CONTÁBIL APLICADO A CONTABILIDADE PÚBLICA.

Leia mais

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas

II.2 GESTÃO AMBIENTAL Função: Estudos e Pesquisas II.1 ADMINISTRAÇÃO JURÍDICA 1. Diferenciar nos processos administrativos: pessoa física e/ou pessoa jurídica. 2. Interpretar formas de contrato e compreender suas características. 3. Identificar as características

Leia mais

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público

Política de Gerenciamento de Capital Outubro Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público Política de Gerenciamento de Capital Outubro 2015 Elaboração: Risco Aprovação: COMEX Classificação do Documento: Público ÍNDICE 1. OBJETIVO... 3 2. ABRANGÊNCIA... 3 3. DEFINIÇÕES... 3 4. RESPONSABILIDADES...

Leia mais

Pessoa Jurídica - Tamanho

Pessoa Jurídica - Tamanho Pessoa Jurídica - Tamanho 0MEI Microempreendedor individual; 0Microempresa; 0Empresa de Pequeno Porte; MEI Microempreendedor individual 0Foi criado visando a legalização de atividades informais por partes

Leia mais

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA

PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA PROPOSTA DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO PARA NOVA REDAÇÃO DOS ARTIGOS 21 A 29 DO ESTATUTO SOCIAL, QUE TRATAM DOS CARGOS E ATRIBUIÇÕES DA DIRETORIA Senhores Acionistas, O Conselho de Administração da Metalfrio

Leia mais

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock

Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Curso de Engenharia Industrial Madeireira UFPR Prof. Umberto Klock Introdução à Gestão de Projetos; Gestão de Escopo; Gestão de Prazos; Gestão de Custos; Gestão de Pessoas; Gestão de Comunicação; Gestão

Leia mais

ARTIGOS TÉCNICOS. 2 - Controle de custo variável

ARTIGOS TÉCNICOS. 2 - Controle de custo variável 2 - Controle de custo variável No artigo anterior iniciamos o assunto Planejamento Operacional conceituando-o como a aplicação de uma série de rotinas administrativas para permitir ao empresário planejar

Leia mais

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios

ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS. Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios ANÁLISE E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Índices de Rotação ou Atividades Índices de Prazos Médios Objetivos Identificar as políticas adotadas pela administração de empresa, relativas aos prazos de recebimentos,

Leia mais

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA):

Definição. Sistema de Gestão Ambiental (SGA): Definição Sistema de Gestão Ambiental (SGA): A parte de um sistema da gestão de uma organização utilizada para desenvolver e implementar sua política ambiental e gerenciar seus aspectos ambientais. Item

Leia mais

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO

TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO TGA II TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO Henri Fayol (1841-1925) TEORIA CLÁSSICA DA ADMINISTRAÇÃO As Funções Básicas da Empresa Funções técnicas: relacionadas com a produção de bens ou serviços da empresa.

Leia mais

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC

Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC Política de Gestão Estratégica de Riscos e Controles Internos CELESC SUMÁRIO SUMÁRIO... 1 INTRODUÇÃO... 2 OBJETIVOS... 3 CONCEITOS...

Leia mais

Planejamento e Controle da Produção I

Planejamento e Controle da Produção I Planejamento e Controle da Produção I Atividades do Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 2012 Gustavo S. C. Meireles 1 Introdução Sistemas produtivos: abrange produção de bens e de serviços; Funções básicas dos

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Riscos de Capital 2014 Sumário 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 7 2 1. Introdução

Leia mais

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO

FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO FACULDADE SUMARÉ PLANO DE ENSINO Curso: (curso/habilitação) Ciências Contábeis Disciplina: Contabilidade Gerencial Carga Horária: (horas/semestre) 50 horas Semestre Letivo / Turno: 6º Semestre Professor:

Leia mais

MEDE, NÃO SE GERENCIA."

MEDE, NÃO SE GERENCIA. "O QUE NÃO SE MEDE, NÃO SE GERENCIA." (Adaptado de William Edwards Deming) O encontro das competências gerenciais da Mereo e ISAT Consulting aliadas à plataforma MEREO proporcionam condições de gerenciamento

Leia mais

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.)

Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Gerenciamento dos Riscos do Projeto (PMBoK 5ª ed.) Esta é uma área essencial para aumentar as taxas de sucesso dos projetos, pois todos eles possuem riscos e precisam ser gerenciados, ou seja, saber o

Leia mais

Administração Financeira

Administração Financeira Administração Financeira MÓDULO 15: Avaliação de empresas: diagnóstico empresarial Este trecho de nossa análise focaliza uma série de situações típicas que envolvem as organizações nos seus aspectos econômico-financeiros.

Leia mais

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS

DESENHO DE CARGOS E TAREFAS Faculdade de Tecnologia SENAC GO Gestão de Pessoas Professor: Itair Pereira da Silva Grupo: Luís Miguel Nogueira de Resende, Valdivino de Carvalho, Rodrigo Neres Magalhães e Venicyus Venceslencio da Paz.

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico

PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015. Ensino Técnico PLANO DE TRABALHO DOCENTE 1º Semestre/2015 Ensino Técnico Código: 0262 ETEC ANHANGUERA Município: Santana de Parnaíba Componente Curricular: CONTABILIDADE DE CUSTOS Eixo tecnológico: GESTÃO E NEGOCIOS

Leia mais

Palavras-chave: Contabilidade, tecnologia da informação, tomada de decisão, profissional contábil.

Palavras-chave: Contabilidade, tecnologia da informação, tomada de decisão, profissional contábil. A TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO NA CONTABILIDADE GIOVANNI CORAZZIM RA:4619634 RESUMO O uso da Tecnologia da Informação na contabilidade vem introduzindo uma nova maneira de visualizar os procedimentos contábeis.

Leia mais

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS

MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS MANUAL DE GESTÃO DE RISCOS DA JUNHO 2016 ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo... 3 2. POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS... 3 2.1. Diretrizes... 3 3. RISCO DE MERCADO... 4 4. RISCO DE LIQUIDEZ... 5 4.1. Introdução...

Leia mais

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos

Custos Industriais. Introdução. Introdução. Introdução à Contabilidade de Custos Custos Industriais Introdução à Contabilidade de Custos Prof. M.Sc. Gustavo Meireles 1 Introdução A apuração adequada, a análise, o controle e o gerenciamento dos custos de produção dos bens e serviços

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE ORÇAMENTO

DESENVOLVIMENTO DE ORÇAMENTO DESENVOLVIMENTO DE ORÇAMENTO Orçamento empresarial Orçamento empresarial é representado pelo orçamento geral que, por sua vez, é composto pelos orçamentos específicos. O orçamento geral retrata a estratégia

Leia mais

COMO ADMINISTRAR SEU NEGÓCIO EM TEMPO DE CRISE.

COMO ADMINISTRAR SEU NEGÓCIO EM TEMPO DE CRISE. COMO ADMINISTRAR SEU NEGÓCIO EM TEMPO DE CRISE. Como gerir o seu negócio em tempo de crise. Exige uma nova postura, pelo menos a postura com mais cautela e com maior conhecimento de seu negócio. O mercado

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

Desafios para manter a iniciativa de BPM alinhada com a estratégia empresarial

Desafios para manter a iniciativa de BPM alinhada com a estratégia empresarial Desafios para manter a iniciativa de BPM alinhada com a estratégia empresarial Marlene Silva YPÊ Curitiba 05/12/12 Quem Somos Marca líder no segmento de higiene e limpeza no Brasil, a Ypê possui uma linha

Leia mais

Organização da Disciplina. Gestão do Orçamento Público AULA 1. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina

Organização da Disciplina. Gestão do Orçamento Público AULA 1. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina. Organização da Disciplina Gestão do Orçamento Público AULA 1 Prof. Nivaldo Vieira Lourenço Planejamento na Administração Pública Fases do planejamento na Administração Pública; Princípios do planejamento na Administração Pública;

Leia mais