Ampliar os conhecimentos sobre o enfoque sistêmico do fluxo financeiro nas organizações e ser capaz de interagir com o seu processo gerencial;

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ampliar os conhecimentos sobre o enfoque sistêmico do fluxo financeiro nas organizações e ser capaz de interagir com o seu processo gerencial;"

Transcrição

1 CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO CONTÁBIL E FINANCEIRA - VII UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - DCC GERÊNCIA FINANCEIRA GERÊNCIA FINANCEIRA Objetivos Ampliar os conhecimentos sobre o enfoque sistêmico do fluxo financeiro nas organizações e ser capaz de interagir com o seu processo gerencial; Compreender o papel fundamental da demonstração do fluxo de caixa como instrumento de controle e ser capaz de utilizá-lo como ferramenta no processo de gestão. 1

2 GERÊNCIA FINANCEIRA Metodologia No desenvolvimento da disciplina será utilizada a aula expositiva, com participação efetiva dos alunos. Para aprimorar os conhecimentos serão desenvolvidos atividades dinâmicas na busca de interação entre a teoria e prática, através de exercícios e estudo de casos. GERÊNCIA FINANCEIRA Programa Gestão financeira Gestão do capital de giro Gestão de caixa Modelos de fluxo de caixa GERÊNCIA FINANCEIRA Plano de aulas DATA ATIVIDADES 03/05/2009 Gestão Financeira 17/05/2009 Gestão do Capital de Giro 24/05/2009 Gestão de Caixa 31/05/2009 Fluxo de Caixa 07/06/2009 Estudo de Caso 2

3 GERÊNCIA FINANCEIRA OBJETIVO Maximizar os a riqueza lucros da dos empresa. acionistas / sócios / proprietários. GERÊNCIA FINANCEIRA As principais áreas de uma empresa Produção / Compras Vendas Recursos Humanos Finanças GERÊNCIA FINANCEIRA A função financeira - Planejamento financeiro - Liquidez x rentabilidade Áreas de decisão financeira - Gestão do capital de giro - Decisões de investimentos - Decisões de capacitação de recursos 3

4 GERÊNCIA FINANCEIRA Os conflitos - Finanças x Marketing - Finanças x Produção - Marketing x Produção GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO O planejamento operacional/financeiro e a gestão do capital de giro Conceitos - Capital de giro - Capital circulante líquido - Capital de giro próprio - Gestão do capital de giro 4

5 CAPITAL DE GIRO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Compreendem os investimentos efetuados no ativo circulante e os recursos obtidos no passivo circulante R.L.P. Investimento Imobilizado Intangível E.L.P. Patrimônio Líquido CAPITAL DE GIRO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO Financeiro Operacional Operacional R.L.P. Investimento Imobilizado Intangível PASSIVO Financeiro E.L.P. Patrimônio Líquido No estudo do capital de giro podemos dividir o grupo circulante em FINANCEIRO e OPERACIONAL para propiciar melhor análise para a sua gestão. (Estudo desenvolvido por Michel Fleuriet) CAPITAL CIRCULANTE LÍQUIDO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO Circulante R.L.P. Investimento Imobilizado Intangível PASSIVO Circulante E.L.P. Patrimônio Líquido A diferença entre o ativo circulante e o passivo circulante, ou o montante de recursos de longo prazo e recursos próprios que financia o capital de giro. 5

6 CAPITAL DE GIRO PRÓPRIO BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO PASSIVO Circulante Circulante Parcela do patrimônio líquido que excede os investimentos em R.L.P. e ativo permanente. R.L.P. Investimento Imobilizado Intangível E.L.P. Patrimônio Líquido GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO CICLO OPERACIONAL CICLO ECONÔMICO Compra Venda Recebimento PME(MP) PME(PP) PME(PA) PMR(MP) CICLO FINANCEIRO GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO NECESSIDADE DE RECURSOS ACS ACP AP 0 X1 X2 X3 X4 X5 ACS - Ativo Circulante Sazonal ACP - Ativo Circulante Permanente AP - Ativo Permanente 6

7 CAPITAL DE GIRO - DIMENSIONAMENTO - BALANÇO PATRIMONIAL ATIVO Financeiro Operacional R.L.P. Investimento Imobilizado Intangível PASSIVO Financeiro Operacional E.L.P. Patrimônio Líquido NCG = AO PO AO = Clientes + Estoques + Crétidos + DES PO = Fornecedores + Obrig. Trabalhistas e Fiscais + Outras obrigações Neces.Recursos = NCG + AF CAPITAL DE GIRO - DIMENSIONAMENTO - Cia. Calçados Calce Firme Após análise do mercado, Pedro e João resolvem constituir uma loja calçadista. A expectativa de vendas mensais é de R$12.150,00, com um Mark Up de 35%. Os concorrentes trabalham com período médio de estocagem para 60 dias, e o período de recebimento das vendas, também, de 60 dias. Os fornecedores dão em média prazo de 15 dias para pagamento das compras. Ainda, O período médio de outras obrigações é de 20 dias e de outros créditos de 5 dias. Diante dos dados os empresários precisam saber o montante de investimento para a Necessidade de Capital de Giro. Supondo-se a necessidade de manter saldo caixa para 5 dias de vendas, identificar o investimento no ativo circulante. CAPITAL DE GIRO - DIMENSIONAMENTO - Cia. Calçados Calce Firme Necessidades de material permanente R$20.000,00 Gastos na Fase pré-operacional...r$ 6.000,00 7

8 GESTÃO DO CAPITAL DE GIRO Caixa Bancos Duplicatas a receber Estoques - Matéria-prima - Produtos em processo - Produtos acabados - Mercadorias - Almoxarifado Desp. Exerc. Seguinte Fornecedores Empréstimos Tributos a recolher Encargos sociais e trabalhista Outras obrigações CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO GESTÃO CONTÁBIL E FINANCEIRA - VII UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ - UEM CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS - CSA DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS - DCC GESTÃO DE CAIXA 8

9 GESTÃO DE CAIXA Importância Motivos (transação, precaução, especulação) Modelos de gestão (Baumol, Miller & or, etc.) Estratégia de gestão (DR, Estoques e Fornecedor) Pontos Fundamentais na gestão de caixa Diferença entre lucro x fluxo de caixa Tipos de fluxo de caixa (histórico e projetado) Modelos de fluxo de caixa DIAGRAMA DO FLUXO DE CAIXA Duplicatas a Receber Vendas à vista Caixa (Lucro Líquido + Despesas e - Receitas que não envolvem recursos) Vendas a prazo Pagamentos Pagamentos Pagamentos Pagamentos Pagamentos Integralização Estoques Compras Empréstimos Correntes Fornecedores Mão-de -Obra Outras Dividas: Impostos, Taxas, Contribuições, etc. Dividendos Contraprestação Proprietários Ativo Permanente Arrendamento Diagrama geral do fluxo de caixa Assaf Neto GESTÃO DE CAIXA Pontos fundamentais - Definição de postura da organização - Fluxo de informações - Relações bancárias - Estrutura de capital - Análise das entradas e saídas operacionais - Concentração de fundos - Investimentos e captações 9

10 LUCRO X FLUXO DE CAIXA Capital de giro Valores ativados (longo prazo e permanente) Provisões (IR, Devedores duvidosos, etc.) Tributos sobre faturamento Variações monetárias e cambiais Diferimento de impostos Depreciação, amortização, etc. Exemplo Fonte: Fábio Frezatti - Gestão do Fluxo de caixa diário ARQUITETURA DO SISTEMA GESTÃO DE CAIXA Gerais - Dias úteis - Câmbio - Bancos - Help de tela - Limpa ano Recebimentos - Carteira - Bancos - Exportação - Permanente - Acionistas Pagamentos - Fornecedores - Salários e Enc - Outros Investimentos - Caixa - FAC - CDB - Exp. note Empréstimos - Hot - Conta Gar. - Cap. de giro - ACC - Desc. Duplic. Fechamento - Automático - Diário c/ aprov Fonte: Fáio Frezatti - Gestão do fluxo de caixa diário Relatórios - Pagamentos - Recebimentos - Investimentos - Empréstimos FLUXO DE CAIXA 10

11 Fluxo de caixa Conceito Instrumento que permite ao administrador financeiro: planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros da empresa para um determinado período (Zdanowicz,88;21) Fluxo de caixa Objetivo Projeção das entradas e das saídas de recursos financeiros para determinado período, visando prognosticar a necessidade de captar empréstimos ou aplicar excedentes de caixa nas operações mais rentáveis para a empresa (Zdanowicz, 88; 24) Fluxo de caixa Finalidades a. Facilitar a análise e o cálculo na seleção das linhas de crédito a serem obtidas junto às instituições financeiras; b. Programar os ingressos e os desembolsos de caixa, de forma criteriosa, permitindo determinar o período em que deverá ocorrer carência de recursos e o montante, havendo tempo suficiente para as medidas necessárias; c. Permitir o planejamento dos desembolsos de acordo com as disponibilidades de caixa, evitando-se acúmulo de compromissos vultuosos em época de pouco encaixe; Pág

12 Fluxo de caixa Finalidade - Continuação d. Determinar quanto de recursos próprios a empresa dispõe em dado período, e aplicá-los de forma mais rentável possível, bem como analisar os recursos de terceiros que satisfaçam as necessidades da empresa; e. Proporcionar o intercâmbio dos diversos departamentos da empresa com a área financeira; f. Desenvolver o uso eficiente e racional do disponível; g. Financiar as necessidades sazonais ou cíclicas da empresa; h. Providenciar recursos para atender aos projetos de implantação, expansão, modernização ou relocalização industrial e/ou comercial; Pág. 38 Fluxo de caixa Finalidades - Continuação i. Fixar o nível de caixa, em termos de capital de giro; j. Auxiliar na análise dos valores a receber e estoques, para que se possa julgar a conveniência em aplicar nesses itens ou não; l. Verificar a possibilidade de aplicar possíveis excedentes de caixa; m. Estudar um programa saudável de empréstimos ou financiamentos; n. Projetar um plano efetivo de resgate de débitos; o. Analisar a conveniência de serem comprometidos os recursos pela empresa; p. Participar e integrar todas as atividades da empresa, facilitando assim os controles financeiros. Pág. 38 Causas da falta de recursos a. Expansão descontrolada das vendas, implicando em maior volume de compras e de custos pela empresa; b. Insuficiência de capital próprio e utilização do capital de terceiros em proporção excessiva, em consequência, aumentando o grau de endividamento da empresa; c. Ampliação exagerada dos prazos de venda pela empresa, para conquistar o mercado; d. Necessidade de compras de vulto de caráter cíclico ou para reserva, exigindo maiores disponibilidades de caixa; Pág

13 Causas da falta de recursos - continuação. e. Diferenças acentuadas na velocidade dos ciclos de recebimento e pagamento, em função dos prazos de venda e de compra; f. Baixa velocidade na rotação de estoques e nos processos de produção; g. Sub-ocupação temporária do capital fixo, seja pelas limitações de mercado, seja pela falta ou insuficiência de capital de giro; h. Distribuição de lucros, além das disponibilidades de caixa; i. Altos custos financeiros em função de maus planejamento e controle de caixa. Pág. 39 Causas da falta de recursos Fatores externos: a. Declínio das vendas; b. Expansão ou retração do mercado; c. Elevação do nível de preços; d. Concorrência; e. Inflação; f. Alterações nas alíquotas de impostos; g. inadimplência. Pág. 39 Causas da falta de recursos Fatores internos: a. Alteração na política de vendas; b. Decisões na área de produção; c. Política de compras; d. Política de pessoal; Pág

14 Equilíbrio financeiro a. Há permanente equilíbrio entre os ingressos e os desembolsos de caixa; b. o capital próprio tende a aumentar, em relação ao capital de terceiros; c. A rentabilidade do capital empregado é satisfatória; d. Menor necessidade de capital de giro; e. Há uma tendência para aumentar o índice de rotação de estoques; f. Os prazos médios de recebimento e de pagamento tendem a estabilizar-se; g. Não há imobilizações excessivas de capital, nem ela é insuficiente para o volume necessário de produção e de comercialização; h. Não há falta de produtos prontos ou mercadorias para o atendimento das vendas. Pág. 40 Desequilíbrio Financeiro SINTOMAS a) insuficiência crônica de caixa; b) captação sistemática de recursos através de empréstimos; c) sensação de esforço desmedido; d) sensação de quebra repentina. Aliviar CAUSAS a) excesso de investimentos, em estoques ou itens de baixa rotação; b) prazo médio de recebimento é maior que o prazo médio de pagamentos; c) excesso de imobilizações; d) inflação monetária. Eliminar CONSEQUÊNCIAS a) vulnerabilidade ante as flutuações de mercado; b) atrasos nos pagamentos de dívidas; c) tensões internas; d) concordata; e) falência. Evitar MEDIDAS DE SANEAMENTO FINANCEIRO a) aumento do capital próprio através da entrada de novos sócios ou do reinvestimento dos lucros; b) redução do ritmo das atividades operacionais; c) adequação do nível de operações ao nível de recurso disponíveis; d) contenção dos custos e despesas operacionais; e) desmobilização de recursos ociosos; f) planejamento e controle financeiros. EQUILÍBRIO FINANCEIRO SIC + I - D = SFC Pág. 40 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO DIRETO 14

15 FLUXO DE CAIXA - DIRETO I ) Das atividades operacionais Entradas Saídas II ) Das atividades de investimentos Entradas Saídas III) Das atividades de financiamentos Entradas Saídas IV) Das atividades táticas Entradas Saídas Recebimentos das vendas Fornecedores Recebimentos de Clientes Salários Tributos Vendas Encargos de sociais Ações de Cias. Vendas Aquisição Outros gastos Bens de do Ações Imobilizado de Cias. Vendas Aquisição de itens Bens do do Diferido Imobilizado Aquisição Integralização de itens de Capital do Diferido Ágio Distribuição venda de lucros ações Financiamentos Amortização da dívida Empréstimos de curto prazo Aplicações Resgate de financeiras aplicações Pgto. de empréstimos Exemplo: Cia. E DE CAIXA SALDO INICIAL.Vendas à vista.recebim. de vendas a prazo.recebimento de juros.empréstimos obtidos.venda de ativos e outros.compras à vista.fornecedores.desp. administrativas, vendas.tributos.empréstimos.outros pagamentos SALDO FINAL FLUXO DE CAIXA I - DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS Recebimentos de Clientes Pagamentos a Fornecedores Impostos Recolhidos Pagamentos ao Pessoal Despesas Gerais Impostos sobre o Lucro SALDO DAS ATIVIDADES OPERACIONAIS II - DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTOS Investimentos no Permanente Investimentos no Realizável a Longo Prazo Valor de venda de Permanente SALDO DAS ATIVIDADES DE INVESTIMENTO III - ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO Novos Empréstimos Integralizações de Capital Amortizações de Empréstimos Despesas (-) Receitas Financeiras Resultado Distribuídos SALDO DAS ATIVIDADES DE FINANCIAMENTO SALDO DO PERÍODO (+) Saldo Inicial Caixa/Bancos/Aplicações Financeiras (=) Saldo Final Caixa/Bancos/Aplicações Financeiras Fonte: PADOVESE, Clóvis Luiz. Contabilidade Gerencial, Atlas, São Paulo,

16 FLUXO DE CAIXA SALDO INICIAL OPERACIONAIS Recebimento de vendas à vista Recebimento de duplicatas Recebimento de juros Recebimento de títulos Pagamento de compras à vista Pagamento a fornecedores Pagamento de despesas Pagamento de juros SALDO OPERACIONAL ESTRATÉGICO Recebimento pela venda de itens do A.Permanente Integralização de capital Financiamentos Pagamento pela compra de itens do A.Permanente Pagamento de dividendos Pagamentos de financiamentos SALDO ESTRATÉGICO TÁTICO Empréstimos Resgates Pagamentos de empréstimos Aplicações financeiras SALDO TÁTICO SALDO FINAL Adaptado de Michel Fleuriet - A Dinâmica Financeira das Empresas Brasileiras. Dom Cabral, Belo Horizonte, DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA SALDO INICIAL 5.000, ,00 Recebimento de duplicatas ,00 Empréstimos ,00 Resgates ,00 Recebimento pela venda de itens do A.Permanente ,00 Integralização de capital ,00 Financiamentos ,00 Recebimento de títulos ,00 Pagamento a fornecedores ,00 Pagamento de despesas ,00 Pagamento pela compra de itens doa.permanente ,00 Pagamento de dividendos ,00 Pagamentos de empréstimos ,00 Aplicações financeiras ,00 SALDO DO PERÍODO 5.000,00 SALDO FINAL ,00 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA SALDO INICIAL 5.000,00 Recebimento de duplicatas ,00 Recebimento de títulos ,00 Pagamento a fornecedores ,00 Pagamento de despesas , ,00 SALDO OPERACIONAL ,00 Recebimento pela venda de itens do A.Permanente ,00 Integralização de capital ,00 Financiamentos , ,00 Pagamento pela compra de itens do A.Permanente ,00 Pagamento de dividendos , ,00 SALDO ESTRATÉGICO ,00 Empréstimos ,00 Resgates , ,00 Pagamentos de empréstimos ,00 Aplicações financeiras , ,00 SALDO TÁTICO ,00 SALDO DO PERÍODO 5.000,00 SALDO FINAL ,00 16

17 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA MÉTODO INDIRETO FLUXO DE CAIXA - INDIRETO I ) Das Operações II ) Variação na Necessidade de Capital de Giro III) Decisões de Investimentos IV) Decisões de Financiamentos V ) Variações na Tesouraria Exemplo: Cia. Modelo Lucro do Exercício (+/-) Ajustes Depreciação do exercício Amortização do exercício Ativo Circulante Operacional Juros passivos Clientes Juros ativos Vendas Outros Lucro de Itens créditos na de venda Investimentos operacionais de bens do AP Vendas Estoques Resultado de Itens de Equiv.PatrimoniaL Imobilizado Vendas Despesas antecipadas operacionais Integralização de Itens de de Capital Ativo Diferido Passivo Aquisição Circulante de Itens de Operacional Investimentos Novos Financiamentos Aquisição Fornecedores Distribuição de Itens de Imobilizado Aquisição Empréstimos de Tributos de a Itens de Lucros pagar CP Amortização de Ativo Diferido Resgate Encargos de Aplicações Financiamentos trabalhistas Financeiras a pagar Aplicações Outros obrigações Financeirasoperacionais Amortização de Empréstimos LEI /2007 Art As demonstrações referidas nos incisos IV e V do caput do art. 176 desta Lei indicarão, no mínimo: I demonstração dos fluxos de caixa as alterações ocorridas, durante o exercício, no saldo de caixa e equivalentes de caixa, segregando-se essas alterações em, no mínimo, 3 (três) fluxos: a) das operações; b) dos financiamentos; e c) dos investimentos; II demonstração do valor adicionado o valor da riqueza gerada pela companhia, a sua distribuição entre os elementos que contribuíram para a geração dessa riqueza, tais como empregados, financiadores, acionistas, governo e outros, bem como a parcela da riqueza não distribuída 17

18 FLUXO DE CAIXA E EQUIVALENTE DE CAIXA Lei 11638/2007 Lucro do Exercício a ) Das Operações (+/-) Ajustes Depreciação do exercício I.1 ) Lucro Ajustado Amortização do exercício Ativo Circulante Operacional Juros passivos I.2 ) Variação nas contas circulantes Clientes Juros ativos Outros créditos operacionais Integralização Lucro na venda de bens do AP Estoques de Capital b) Decisões de Financiamentos Novos Resultado Equiv.PatrimoniaL Despesas Financiamentos antecipadas operacionais Passivo Distribuição Vendas de Circulante de Lucros Itens de Investimentos Operacional Amortização Financiamentos Vendas Fornecedores de Itens de Imobilizado c) Decisões de Investimentos Vendas Tributos de Itens a pagar de Ativo Diferido Aquisição Encargos de trabalhistas Itens de Investimentos a pagar Aquisição Outros de obrigações Itens de Imobilizado operacionais Exemplo: Cia. Modelo Aquisição de Itens de Ativo Diferido DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA RESULTADO DO EXERCÍCIO (+/-) Ajustes Depreciação do exercício RESULTADO AJUSTADO Variação nas Contas Circulantes Clientes Estoques Fornecedores Obrigações Sociais, Fiscais e Tributárias Caixa Líquido Provenientes de Atividades Operacionais Geração de Caixa pelas Atividades de Investimentos Entradas Saídas Geração de Caixa pelas Atividades de Investimentos Entradas Saídas GERAÇÃO LÍQUIDADE CAIXA ( + ) Saldo inicial de Caixa ( = ) Saldo final de Caixa Fonte: Lei e Pronunciamentos CPC - adaptado. DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO LÍQUIDO DE CAIXA RESULTADO DO EXERCÍCIO (+/-) Ajustes Depreciação do exercício GERAÇÃO BRUTA DE CAIXA Variação da necessidade de Capital de Giro Variação dos Fornecedores Variação de Outros Passivos Operacionais Variação de Clientes Variação Estoques GERAÇÃO OPERACIONALDE CAIXA Variação de Emprést. Bancários de C.Prazo GERAÇÃO CORRENTE DE CAIXA Variação dos itens Permanentes de Caixa Aumento de Capital Dividendos Acréscimo de Imobilizado Variação dos itens não Correntes Aumento de Financiamento de Longo Prazo GERAÇÃO LÍQUIDADE CAIXA ( + ) Saldo inicial de Caixa ( = ) Saldo final de Caixa Fonte: MATARAZZO, Dante C. - Análise das Demonstrações Financeiras,3ª Ed. São Paulo, Atlas,

19 PROPOSTA DE DFC - MASSAKAZU TAKAKURA DEMONSTRATIVOS DA EMPRESA:- 0 DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA Lucro líquido do exercício - (+) Deprec.,Amort. do exercício - (+/-) RCMB - (+/-) Variação monetária - (+/-) Resultado Financeiro Líquido CP - (+/-) Lucro na alienação de bens permanentes. - (+/-) Resultado da equiv. patrimon. - - Geração Bruta de Caixa - Variações na Necessidade de Capital de Giro Análise de Ativo Circulante - Análise do Passivo Circulante - Geração Operacional de Caixa - Variações na Tesouraria Variações nos Itens não operacional Geração corrente de Caixa - INVESTIMENTOS FINANCIAMENTOS Geração Líquida de Caixa - Saldo Inicial - Saldo Final - 19

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos

FLUXO DE CAIXA. Administração Financeira aplicação de recursos. distribuição CONCEITOS. Fluxo de caixa previsão de: ingressos desembolsos 1 FLUXO DE CAIXA O fluxo de caixa é o instrumento que permite a pessoa de finanças planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar os recursos financeiros de sua empresa para determinado período. captação

Leia mais

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor

FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO. João Victor FUNDAMENTOS DE CAPITAL DE GIRO João Victor Outubro, 2013 Contextualização do Capital de Giro FINANÇAS Fluxos Internacionais de Capital ÂMBITO Sistema Financeiro Nacional MACRO Mercados Financeiros ÂMBITO

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2013 Balanço patrimonial tivo Circulante Nota 31 de dezembro de 2013 31 de

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JULHO DE 2013 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JULHO DE 2013 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JULHO DE 2013 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 314 Fornecedores 36.047 Aplicações Financeiras 2.323 Provisão Férias

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/ FRAS-LE SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 3 Demonstração do Resultado Abrangente 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Bancos 207 Fornecedores 34.860 Aplicações Financeiras 4.887 Provisão Férias e Encargos

Leia mais

1) DFC- DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA

1) DFC- DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA 1) DFC- DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA De acordo com a NBC TG 02 - Resolução nº. 1.295/10; do Conselho Federal, a DFC Demonstração do Fluxo de Caixa tem por objetivo: (...) proporcionar aos usuários das

Leia mais

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Paulo Diogo Remo Willame Fundamentos da Gestão do Capital de Giro Paulo Diogo Remo Willame Finanças Empresarial: Âmbito Macro Macroeconomia Fluxos Internacionais de Capitais Sistemas Financeiros Mercados de Capitais Âmbito Micro

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 (Em R$ Mil) CNPJ 47.902.648/0001-17 CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 28 DE FEVEREIRO DE 2011 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Bancos 46 Fornecedores 41.785 Aplicações Financeiras 5.541 Provisão

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos

Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Alfredo Preto Neto Complexo Hospitalar Edmundo Vasconcelos Medindo Resultados Medir o desempenho da empresa é fundamental para o sucesso e a boa gestão. Não se trata apenas de uma boa prática gerencial,

Leia mais

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas

Análise das Demonstrações Contábeis Aplicações Práticas Introdução O capítulo desenvolverá aplicações práticas do processo de análise econômico-financeira com base nas demonstrações de uma empresa de eletroeletrônicos Todos os valores dos demonstrativos estão

Leia mais

Prof. Eduardo Alexandre Mendes UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

Prof. Eduardo Alexandre Mendes UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE PLANEJAMENTO FINANCEIRO E O SEU NEGÓCIO Prof. Eduardo Alexandre Mendes UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE AGENDA O que é planejamento financeiro? Qual a importância e quais são os benefícios e resultados

Leia mais

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis

Conceitos Introdutórios. A Inflação nas Finanças. Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Mercado Financeiro Brasileiro A Inflação nas Finanças Demonstrações Contábeis Conceitos Introdutórios Retornar Conceitos Introdutórios ADMINISTRAÇÃO A administração é o processo

Leia mais

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008

08 BALANÇO & CONTAS. em 31 Dezembro 2008 08 BALANÇO & CONTAS em 31 Dezembro 2008 BALANÇO CÓDIGO DAS CONTAS ACTIVO Activo Bruto 2008 Amortizações e Ajustamentos Activo Líquido 2007 Activo Líquido IMOBILIZADO Imobilizações incorpóreas: 431 Despesas

Leia mais

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em R$ Mil)

CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE NOVEMBRO DE 2015 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 11.859 Fornecedores 40.112 Contas a Receber 77.159

Leia mais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais

Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Balanço patrimonial em 31 de dezembro Em milhares de reais Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.431 27.730 Fornecedores

Leia mais

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores

Análise do Capital de Giro. Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Análise do Capital de Giro Administração Financeira 4º Sem. Unipampa Prof. Silvia Flores Ciclos da Empresa Compra de Matéria Prima Recebimento Venda CICLO OPERACIONAL Venda Período Médio de Estoques Período

Leia mais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais

Dersa Desenvolvimento Rodoviário S.A. Balanços patrimoniais Balanços patrimoniais em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Ativo Nota 2014 2013 Passivo Nota 2014 2013 (Ajustado) (Ajustado) Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 5 48.650 835 Fornecedores 10

Leia mais

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ /

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM: ( Valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE 17.802.769,62 10.829.348,39 DISPONIBILIDADE 7.703.537,60 3.824.493,65 Caixa e Bancos 436.727,86 548.337,85 Aplicações Financeiras 7.266.809,74

Leia mais

8.000 ATIVO CIRCULANTE

8.000 ATIVO CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO Ativo X0 X1 Receita de Vendas 8.000 ATIVO CIRCULANTE 500 2.150 (-) CPV -5.000 Caixa 100 1.000 Lucro Bruto 3.000 Bancos 200 100 (-) Despesas financeiras -1.500

Leia mais

Nivelamento de Conceitos Contábeis

Nivelamento de Conceitos Contábeis Nivelamento de Conceitos Contábeis Demonstrações Contábeis Balanço Patrimonial - BP Demonstração de Resultado do Exercício - DRE Demonstração dos Fluxos de Caixa DFC Substituiu a Demonstração das Origens

Leia mais

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ /

ASSEMBLÉIA PARAENSE CNPJ / BALANÇO PATRIMONIAL EM: ( Valores em Reais) ATIVO CIRCULANTE 16.593.857,87 20.881.086,44 DISPONIBILIDADE 5.578.801,92 12.097.091,80 Caixa e Bancos 212.257,01 1.053.906,30 Aplicações Financeiras 5.366.544,91

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE

NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE NOÇÕES BÁSICAS DE CONTABILIDADE Prof. Wanderson S. Paris, M.Eng. prof@cronosquality.com.br NOÇÕES DE CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADO BALANÇO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DE RESULTADOS X ATIVIDADES

Leia mais

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil)

CNPJ / CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 (Em R$ Mil) CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 30 DE JUNHO DE 2017 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO CIRCULANTE CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 23.605 Fornecedores 29.103 Contas a Receber 7.623 Provisão Férias

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE JANEIRO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 2.956 Fornecedores 38.696 Contas a Receber 53.851

Leia mais

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa. Prof. Marcelo Delsoto

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa. Prof. Marcelo Delsoto Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa Prof. Marcelo Delsoto Capital de Giro Entender a importância dos prazos de rotação dos Ativos na gestão das empresas. Elaborar os quadros de Ciclo Operacional e o Ciclo

Leia mais

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon

Avaliação de Empresas Profa. Patricia Maria Bortolon Avaliação de Empresas EVA E MVA Aula 11 EVA Indica a quantia em termos monetários que foi adicionada à riqueza efetiva do acionista em determinado período Diferente do lucro contábil, pois considera o

Leia mais

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO

TOTAL DO ATIVO TOTAL DO PASSIVO CET - BALANÇO PATRIMONIAL EM 31 DE MAIO DE 2016 CNPJ 47.902.648/0001-17 ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE Caixa e Equivalentes de Caixa 7.061 Fornecedores 33.947 Contas a Receber 41.832

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa (Nota 6) 25.888 67.330 Fornecedores 4.797 8.340 Aplicações financeiras 3.341

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012 ATIVO NE 31/12/2013 31/12/2012 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 85.142.911 86.881.544

Leia mais

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Camila & Carlos Augusto

Fundamentos da Gestão do Capital de Giro. Camila & Carlos Augusto Fundamentos da Gestão do Capital de Giro Camila & Carlos Augusto Janeiro/2013 O QUE É CAPITAL DE GIRO AUMENTO DAS VENDAS AUMENTO DO FATURAMENTO ENDIVIDAMENTO E SEM DINHEIRO! CAPITAL DE GIRO CURTO PRAZO

Leia mais

ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS O me nance intere das em mons as ins gestor ALEXANDRE ALCANTARA DA SILVA sobre patrim se, e a jam, a conce ou mu Este l duz o ESTRUTURA, ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 4a EDIÇÃO AMPLIADA

Leia mais

2

2 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 Controladora Consolidado ATIVO Jun 2009 Set 2009 Jun 2009 Set 2009 Circulante Disponibilidades 23,0 37,4 56,1 92,1 Contas a receber de clientes 62,8 72,8 114,2 125,9 Estoques

Leia mais

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA

ISBE 3 - Uberlândia Novo INSTRUÇÕES DA PROVA Assinatura: Nº Questão: 5 INSTRUÇÕES DA PROVA A prova é individual e intransferível, confira os seus dados. Responda dentro da área reservada ao aluno. Não escreva fora das margens ou atrás da folha. Textos

Leia mais

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira

Oficina Técnica. Adoção Inicial das Novas Normas Contábeis OUTUBRO 2012. Elaborado por: Elias da Silveira Cerqueira Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRINCIPAIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Prof. Flávio Smania Ferreira 5 termo ADMINISTRAÇÃO GERAL e-mail: flavioferreira@live.estacio.br blog: http://flaviosferreira.wordpress.com Demonstrações Contábeis: Representa

Leia mais

A avaliação da magnitude, da distribuição no tempo e do risco dos fluxos de caixa futuros é a essência do orçamento de capital.

A avaliação da magnitude, da distribuição no tempo e do risco dos fluxos de caixa futuros é a essência do orçamento de capital. Fluxo de Caixa o administrador financeiro precisa preocupar-se com o montante de fluxo de caixa que espera receber, quando irá recebê-lo e qual a probabilidade de recebê-lo. A avaliação da magnitude, da

Leia mais

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita)

1 CONCEITO DE CONTAS. Teoria Patrimonalista Patrimoniais (bens, direitos, obrigações e P.L) Resultado (despesa e receita) R O T E I R O 1) CONCEITO DE CONTAS 2) ELEMENTOS DE UMA CONTA 3) FUNÇÃO E FUNCIONAMENTO DAS CONTAS 4) MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO 5) CONTAS SINTÉTICAS E ANÁLITICAS 6) CONTAS DE RESULTADO 7) CONTAS BILATERAIS

Leia mais

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17

Contabilidade Avançada Prof. João Domiraci Paccez Exercício Nº 17 Exercício Nº 17 1 Elaboração do Balanço Patrimonial de em moeda de ATIVO Valores Históricos Valores ajustados Quant. de Valores na moeda de Ativo circulante 350.000 105.132,3249 416.324 Caixa 80.000 80.000

Leia mais

RESPOSTAS CTB03MA - 1 NPC

RESPOSTAS CTB03MA - 1 NPC Questões solicitadas na avaliação 1ª NPC - 11 de abril de 2016 QUESTÃO 1: (1,0 ponto) RA = Rentabilidade do Ativo RPL = Rentabilidade do Patrimônio Líquido Qual a RA e a RPL da Cia. Excursão, sabendo-se

Leia mais

Palestra. Lei /07: DFC/ DVA - Obrigatoriedade. Elaborado por:

Palestra. Lei /07: DFC/ DVA - Obrigatoriedade. Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3662-0035 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures

MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício de 2013 MARISA LOJAS S.A. 2ª Emissão Pública de Debêntures Relatório Anual do Agente Fiduciário Exercício

Leia mais

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana

Balanço Patrimonial da Cia Salve&Kana Elaboração da DFC Método Direto A fim de possibilitar melhor entendimento, vamos desenvolver um exemplo passo a passo da montagem da DFC pelo método direto, tomando por base as informações a seguir: Balanço

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Demonstrações Contábeis

Demonstrações Contábeis Demonstrações Contábeis Análise Horizontal do Balanço Patrimonial - É um dos indicadores da análise financeira. - Calcula-se o percentual de cada conta em relação ao demonstrativo do período (ano) anterior.

Leia mais

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

Unidade IV ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Unidade IV 20 RESOLUÇÃO DE UM EXERCÍCIO COMPLETO 5 Resolução de um exercício completo elaborado conforme a legislação em vigor. Todos os demonstrativos contábeis já

Leia mais

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS

Contabilidade ESTRUTURA PATRIMONIAL SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) FLUXO DE RECURSOS. Fluxo dos recursos SÍNTESE DO FUNCIONAMENTO DAS CONTAS ESTRUTURA PATRIMONIAL Patrimônio = Bens + Direitos ( ) Obrigações SITUAÇÃO LÍQUIDA (PATRIMÔNIO LÍQUIDO) Ativo ( ) Passivo = Situação Líquida (Patrimônio Líquido) FLUXO DE RECURSOS ATIVO Aplicação dos Recursos

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 ATIVO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO Explicativa n o 31/12/2011 31/12/2010 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades

Leia mais

Data: 23-ABR-2012 16:26 Ano: 2011 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658.

Data: 23-ABR-2012 16:26 Ano: 2011 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658. Ano: 2011 Página: 1 de 5 Imobilizado: Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos naturais 452 Edifícios 20.465.336,28 1.870.256,52 18.595.079,76 17.296.259,99 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

Data: 26-ABR-2011 20:53 Ano: 2010 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658.

Data: 26-ABR-2011 20:53 Ano: 2010 Página: 1 de 5. 5 - Balanço Unidade monetária: em Euros Exercícios Código das contas 7.658.947,00 452 7.658. Ano: 2010 Página: 1 de 5 Imobilizado: Bens de domínio público: 451 Terrenos e recursos naturais 452 Edifícios 18.833.303,86 1.537.043,87 17.296.259,99 17.404.288,49 453 Outras construções e infra-estruturas

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/ LOJAS AMERICANAS SA Versão : 1. Balanço Patrimonial Ativo 1. Balanço Patrimonial Passivo 2 Índice DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 1 Balanço Patrimonial Passivo 2 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 6 Demonstração do Fluxo de Caixa 7 Demonstração das Mutações

Leia mais

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010

Lumina Resíduos Industriais S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em de 2010 Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo Nota explicativa 31 de dezembro de 2010 31 de dezembro 1º de janeiro

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AMBEV S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 8 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll

TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll TIPOS DE INVESTIMENTOS IMPORTANTES NA ELABORAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA- PARTE ll! Investimento pré-operacional! Investimento em giro! Liberação do investimento em giro! Sunk Cost Francisco Cavalcante(f_c_a@uol.com.br)

Leia mais

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21

Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS EDITAL SISTEMATIZADO APRESENTAÇÃO... 21 Súmario APRESENTAÇÃO DA COLEÇÃO SINOPSES PARA CARREIRAS FISCAIS... 13 EDITAL SISTEMATIZADO... 15 APRESENTAÇÃO... 21 CAPÍTULO I NOÇÕES DE CONTABILIDADE... 23 1. Noções de contabilidade...23 1.1. Conceitos,

Leia mais

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE

1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE 1. Elaborar a Demonstração dos Fluxos de Caixa (Método Direto e Indireto). C I A. E X E M P L O BALANÇO PATRIMONIAL Ativo X1 X2 Variação ATIVO CIRCULANTE Caixa 2.500 18.400 15.900 Clientes 15.600 13.400

Leia mais

NÚCLEO DE GESTÃO DO PORTO DIGITAL

NÚCLEO DE GESTÃO DO PORTO DIGITAL ATIVO CIRCULANTE DISPONIBILIDADE CAIXA 1.028,94 BANCOS-CONTAS CORRENTES 211.547,05 APLICAÇÕES DE LIQUIDEZ IMEDIATA 4.614.347,81 DIREITOS REALIZÁVEIS A CURTO PRAZO TÍTULOS A RECEBER 93.509,62 ADIANTAMENTOS

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais)

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 (Valores expressos em reais) BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2015 E 2014 ATIVO NE 31/12/2015 31/12/2014 PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO NE 31/12/2015 31/12/2014 CIRCULANTE CIRCULANTE Disponibilidades 4 90.705.601 82.095.096

Leia mais

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados.

Unidade II. No ativo, a disposição das contas obedece ao grau decrescente de liquidez dos elementos nelas registrados. Unidade II 8 ATIVO Ativo compreende, como já vimos, os bens e direitos da empresa, classificados de acordo com sua destinação específica, que varia segundo os fins da empresa. No ativo, a disposição das

Leia mais

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC

Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC Rodrigo Pereira 01/02/2017 Fonte: CPC-03 Demonstração dos Fluxos de Caixa Informações sobre o fluxo de caixa de uma entidade são úteis para proporcionar aos usuários

Leia mais

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr.

Orçamento de Caixa. Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Prof. Alexandre Silva de Oliveira, Dr. Orçamento de Caixa Conceito: - Conjunto de ingressos e desembolsos de numerários ao longo do período - Representação dinâmica da situação financeira

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2017 2016 Passivo e patrimônio líquido 2017 2016 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 50.383 78.050 Fornecedores 22.725 23.096 Contas

Leia mais

Professor conteudista: Ricardo S. Takatori

Professor conteudista: Ricardo S. Takatori Análise de Balanços Professor conteudista: Ricardo S. Takatori Sumário Análise de Balanços Unidade I 1 INTRODUÇÃO... 1 2 ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS...2 3 OBJETIVOS DA ANÁLISE... 4 TÉCNICAS DE

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL

BALANÇO PATRIMONIAL 1 de 6 31/01/2015 14:44 BALANÇO PATRIMONIAL Balanço Patrimonial é a demonstração contábil destinada a evidenciar, qualitativa e quantitativamente, numa determinada data, a posição patrimonial e financeira

Leia mais

O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO

O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO O FLUXO DE CAIXA COMO FERRAMENTA GERENCIAL NA TOMADA DE DECISÃO Fernanda Zorzi 1 Catherine Chiappin Dutra Odir Berlatto 2 INTRODUÇÃO Esta pesquisa apresenta como tema principal a gestão financeira através

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR)

DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Page 1 of 6 DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS (DOAR) Até 31.12.2007, a Demonstração das Origens e Aplicações de Recursos (DOAR) era obrigatória para as companhias abertas e para as companhias

Leia mais

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário

Capítulo Planejamento Orçamentário DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO. Aspectos preliminares importantes. Planejamento orçamentário Capítulo 16 DESENVOLVIMENTO DE UM MODELO DE ORÇAMENTO 16.1 Planejamento Orçamentário 16.1 Planejamento orçamentário 16.2 Elaboração de quadros orçamentários 16.3 Projeções de resultados Administração Financeira:

Leia mais

Gas Brasiliano Distribuidora S.A.

Gas Brasiliano Distribuidora S.A. Balanço patrimonial em 31 de março (não auditado) Ativo 2016 2015 Passivo e patrimônio líquido 2016 2015 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 78.050 132.536 Fornecedores 23.096 19.064 Contas

Leia mais

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo

Características. P A S S I V O Origem dos recursos aplicados no Ativo Balanço Patrimonial conteúdo - características aplicação de recursos - Ativo origem de recursos - Passivo estrutura geral estrutura do Ativo estrutura do Passivo Características Principal demonstrativo

Leia mais

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social.

Balanço Patrimonial. Circulante Compreende obrigações exigíveis que serão liquidadas até o final do próximo exercício social. Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras Professor: Roberto César Balanço Patrimonial ATIVO Circulante Compreende contas que estão constantemente em giro - em movimento, sua conversão em dinheiro

Leia mais

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes:

EXERCICIOS SOBRE DFC. As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em X2, eram os seguintes: EXERCICIOS SOBRE DFC As demonstrações contábeis da Empresa Cosmos, sociedade anônima de capital aberto, em 31.12.X2, eram os seguintes: ATIVO X1 X2 PASSIVO X1 X2 Disponível 3.000 1.500 Fornecedores 54.000

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Versão : 2. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ PETRÓLEO BRASILEIRO S.A. - PETROBRAS Versão : 2. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Análise Financeira de Curto Prazo

Análise Financeira de Curto Prazo AULA/TEMA Análise Financeira de Curto Prazo Indicadores de Liquidez Profa. Me. Vanessa Anelli Borges Conteúdo Programático Introdução Indicadores de liquidez Geral Corrente Seca Imediata 2 Indicadores

Leia mais

Capital Circulante Líquido e Necessidade de Capital de Giro

Capital Circulante Líquido e Necessidade de Capital de Giro Capital Circulante Líquido e Necessidade de Capital de Giro As companhias geralmente tem entre seus desafios manter o equilíbrio financeiro de suas atividades, de maneira que seja possível pagar todas

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AES TIETE ENERGIA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/ AES TIETE ENERGIA S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 5 Demonstração do Resultado 7 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA E SUA RELAÇÃO COM A DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS

CONSIDERAÇÕES SOBRE A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA E SUA RELAÇÃO COM A DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS CONSIDERAÇÕES SOBRE A DEMONSTRAÇÃO DO FLUXO DE CAIXA E SUA RELAÇÃO COM A DEMONSTRAÇÃO DAS ORIGENS E APLICAÇÕES DE RECURSOS 1. Introdução O atual cenário econômico brasileiro propicia pouca estabilidade

Leia mais

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os

Contabilidade CRISE. Planejamento Financeiro 25/08/2016. Escreve, oficializa É a ciência que registra os CRISE Contabilidade Escreve, oficializa É a ciência que registra os Possuem denominador financeiro comum acontecimentos verificados no patrimônio de uma entidade Conjunto de bens direitos e obrigações

Leia mais

Sistemas de Informações Contábeis

Sistemas de Informações Contábeis Estudo de caso Sistemas de Informações Contábeis O Material anexo representa partes das Demonstrações Contábeis da Empresa Katikero, encerradas em 31.12.x6, elaboradas de acordo com as normas e Princípios

Leia mais

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO

O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta na implantação e no desenvolvimento de seu negócio de forma estratégica e inovadora. O que são

Leia mais

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS ANÁLISE DE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Material Adicional Distribuído (Borinelli e Pimentel, 2010) Prof. Renê Coppe Pimentel Prof. Renê Coppe Pimentel Pg. 1 PROGRAMA 1. Apresentação - Objetivo Corporativo

Leia mais

Atividade AH / AV. Análise das demonstrações contábeis 2017

Atividade AH / AV. Análise das demonstrações contábeis 2017 Atividade AH / AV Análise das demonstrações contábeis 2017 Indícios Aumento do empréstimo de LP Novos investimentos? Imobilizado aumentou pouco, investimentos aumentou muito. Por que investimento aumentou?

Leia mais

Prof Flávio S. Ferreira

Prof Flávio S. Ferreira Prof Flávio S. Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com 1 O Balanço Patrimonial É o mais importante relatório da contabilidade. DEMONSTRA o patrimônio de uma entidade

Leia mais

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE

ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE ENCERRAMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 17/01/2013 LUCIANO PERRONE Introdução Enquadramento conforme as Novas Normas Contábeis IFRS. SOCIEDADES ANÔNIMAS DE CAPITAL ABERTO SOCIEDADES DE GRANDE PORTE

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO DO SIMULADO.

1. APRESENTAÇÃO DO SIMULADO. 1. APRESENTAÇÃO DO SIMULADO. Sejam bem-vindos, meus amigos! Somos os professores Julio Cardozo, Gabriel Rabelo e Luciano Rosa e lecionamos as disciplinas de Contabilidade Geral, Avançada, de Custos e Análise

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS. Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis. Prof. ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS Aula 9- Unidade II - A análise tradicional das demonstrações contábeis Prof.: Marcelo Valverde Unidade II. Análise tradicional das demonstrações contábeis 2.4. Análise

Leia mais

Conjunto das demonstrações contábeis

Conjunto das demonstrações contábeis Conjunto das demonstrações contábeis O conjunto completo das demonstrações contábeis está previsto no item 10 da NBC TG 26 R4: (a) Balanço Patrimonial (BP) O artigo 178 da Lei nº 6.404/1976 trata do Balanço

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais)

BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) CIRCULANTE BALANÇO PATRIMONIAL DOS PERÍODOS FINDOS EM 30 DE JUNHO (em milhares de reais) ATIVO CONSOLIDADO 2008 2007 2008 2007 Numerário disponível 1.265 2.072 5.915 6.418 Aplicações no mercado aberto

Leia mais

O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR PARA O ACIONISTA

O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR PARA O ACIONISTA O QUE É CAPITAL DE GIRO E DE QUE MANEIRA ELE AFETA A CRIAÇÃO (OU DESTRUIÇÃO) DE VALOR! O que é e como calculá-lo! Utilidades da análise do capital de giro! De que maneira um maior ou menor capital de giro

Leia mais

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova

AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova AFRFB 2014 Contabilidade Resolução da Prova Prof. Marcelo Seco Vamos às questões? 1 Esaf 2014 AFRFB O lucro obtido na Venda de Imobilizado e o Resultado de Equivalência Patrimonial representam, na Demonstração

Leia mais

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis

Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Novo Plano de Contas e os Novos Demonstrativos Contábeis Coordenação Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação STN/CCONF Última Atualização: 16/06/2010 O Brasil a Caminho dos Padrões Internacionais

Leia mais

Sumário. Parte I Administração Financeira e Mercados Financeiros, 1

Sumário. Parte I Administração Financeira e Mercados Financeiros, 1 Sumário Prefácio à 12 a Edição, xvii Parte I Administração Financeira e Mercados Financeiros, 1 1 Introdução à Administração Financeira, 3 1.1 Administração financeira nas empresas, 3 1.1.1 Objetivos das

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com PROJEÇÃO DE CAIXA Projeção da evolução do Caixa com base no

Leia mais

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 ---

ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- ANÁLISE FINANCEIRA E DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS 2012 --- SUMÁRIO Análise Financeira 04 Resumo Econômico-Financeiro 06 Resultados s 07 Resultado por Área de Negócio 08 Demonstração do Valor Adicionado 08 Liquidez

Leia mais

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015

Elekeiroz S.A. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Elekeiroz S.. Demonstrações contábeis de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS em 31 de dezembro de 2015 Balanço patrimonial 31 de dezembro de 2015 31 de dezembro de 2014 Passivo

Leia mais

As rotinas do Contas a Receber envolvem todas as atividades de venda das empresas.

As rotinas do Contas a Receber envolvem todas as atividades de venda das empresas. CONTAS A RECEBER As rotinas do Contas a Receber envolvem todas as atividades de venda das empresas. É importante relembrar que o contas a receber está relacionado com outros setores da empresa da mesma

Leia mais

OPERAÇÕES FINANCEIRA

OPERAÇÕES FINANCEIRA OPERAÇÕES FINANCEIRA (Cap 09) Prof. Renê Coppe Pimentel Material e conteúdo padronizados elaborados por professores da FEA/USP Renê Coppe Pg. 1 APLICAÇÃO DE RECURSOS (ATIVOS): APLICAÇÕES FINANCEIRAS Renê

Leia mais

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas

1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1 BALANÇO PATRIMONIAL BP Atividades Práticas 1. Questões: 1 - Comente os principais grupos de contas do Balanço, com exemplos. 2 - Explique o que são curto e longo prazo para a contabilidade. 3 - Quais

Leia mais