Um Estudo sobre Controles Internos em Pequenas e Médias Empresas de TI.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Um Estudo sobre Controles Internos em Pequenas e Médias Empresas de TI."

Transcrição

1 Universidade Presbiteriana Mackenzie Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis Um Estudo sobre Controles Internos em Pequenas e Médias Empresas de TI. Carlos Cristiano Poltronieri São Paulo 2012

2 ii Carlos Cristiano Poltronieri Um Estudo sobre Controles Internos em Pequenas e Médias Empresas de TI. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Presbiteriana Mackenzie para a obtenção do título de Mestre em Controladoria Empresarial. Orientador: Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana São Paulo 2012

3 iii P779e Poltronieri, Carlos Cristiano Um estudo sobre controles internos em pequenas e médias empresas de TI / Carlos Cristiano Poltronieri f. : il., 30 cm Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, Orientação: Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana Bibliografia: f Controles internos. 2. COSO. 3. Estruturas de controle. I. Título. CDD

4 iv Carlos Cristiano Poltronieri Um Estudo sobre Controles Internos em Pequenas e Médias Empresas de TI. Dissertação apresentada ao Programa de Pós- Graduação em Ciências Contábeis da Universidade Presbiteriana Mackenzie para a obtenção do título de Mestre em Controladoria Empresarial. Aprovado em BANCA EXAMINADORA Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana Orientador Universidade Presbiteriana Mackenzie Prof. Dr. Claudio Parisi Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado Prof. Dr. José Carlos Tiomatsu Oyadomari Universidade Presbiteriana Mackenzie

5 v Reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie Professor Dr. Benedito Guimarães Aguiar Neto Decano de Pesquisa e Pós-Graduação Professor Dr. Moisés Ari Zilber Diretor do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas Professor Dr. Sérgio Lex Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis Professora Dra. Maria Thereza Pompa Antunes

6 vi Provai, e vede que o SENHOR é bom; bem-aventurado o homem que nele se refugia. Salmos 34:8

7 vii Dedico esse trabalho aos meus queridos pais e ao meu irmão.

8 viii AGRADECIMENTOS O presente trabalho é resultado da busca incessante de conhecimento que objetiva agregar valor a minha jornada profissional e acadêmica. O desenvolvimento desse estudo ocorreu em uma fase da minha vida a qual muitas realizações ocorreram tanto pessoais, quanto profissionais, sendo que algumas pessoas foram muito importantes e contribuíram muito para tudo isso. Agradeço primeiramente a Deus, a nosso Senhor Jesus e a Nossa Senhora Auxiliadora pelas dádivas celestiais. Aos meus queridos pais, Carlos e Cristina, por tudo o que sou e por tudo o que me ensinaram e o que sempre me proporcionaram. Também, ao meu querido irmão Caio, pelo exemplo de pessoa que é para mim. Especial agradecimento também a Lucila. Aos meus amigos, colegas de graduação, mestrado e também da Consulcamp Auditoria, Rodrigo Romanato e Matheus Favarin. Iniciamos juntos uma jornada acadêmica e também profissional. Muitos foram os desafios, porém sempre enfrentados com muita seriedade, comprometimento e harmonia, o que fez com que se tornássemos eternos amigos. Sou eternamente grato aos sócios da Consulcamp Auditoria, meus professores da PUC-Campinas, Prof. Dr. Ricardo Lopes Cardoso, Prof. Dr. Marcos Francisco R. Sousa Prof. e Dr. Antonio Marcos Favarin, pelo apoio e pela oportunidade, aos meus estudos e ao meu desenvolvimento profissional. Não poderia me esquecer dos amigos Diego, Tiago e Wesley, todos colegas da Mackenzie e da Consulcamp Auditoria. Em especial, aos professores da Universidade Presbiteriana Mackenzie, meu orientador Prof. Dr. Joshua Onome Imoniana, pela paciência dispendida às diversas horas de orientação e dedicação ao desenvolvimento desse trabalho. Sou eternamente grato ao Prof. Dr. José Carlos Tiomatsu Oyadomari pelas sugestões, orientações e dedicação que teve comigo. Muito obrigado a todos.

9 ix RESUMO O estudo objetivou investigar os controles internos nas pequenas e médias empresas de tecnologia da informação. Buscaram-se respostas quanto à indagação: Quão aderente é a estrutura conceitual proposta por COSO às pequenas e médias empresas de TI? Partiu-se de pressupostos presentes em pesquisas realizadas em outros países, as quais estudaram qualidade e efetividade dos controles internos. Adotando-se um enfoque qualitativo foram realizadas entrevistas com responsáveis pelas áreas financeiras de sete pequenas e médias empresas de tecnologia da informação, sendo que dessas, seis possuem auditoria externa independente. A metodologia da pesquisa utilizada é a análise de conteúdo, sendo operacionalizada através do NVIVO, versão 9. Os resultados apresentam onze categorias, dentre as oitenta e seis unidades de significado. A pesquisa sugere que a percepção dos responsáveis pelos controles internos em pequenas e médias empresas de TI como instrumentos ou processos operacionais, sendo que, em muitas situações o ambiente de controle, entre outros aspectos são deixados de lado. As empresas pesquisadas buscam conhecimento sobre o assunto em consultorias e na literatura. Dois dos aspectos apontam que uma estratégia prospectiva influenciam positivamente os controles internos, uma situação aplicável as empresa de TI tendo em vista a instabilidade de suas operações e os crescimentos existentes em curto espaço de tempo. Dentre os aspectos propostos por COSO, os aspectos relacionados com a atuação do conselho de administração, qualidades dos sistemas de informação, existência de auditoria interna, ainda estão em fase de aprimoramento ou mesmo, ainda inexistentes. Palavras Chaves: Controles internos, COSO, estruturas de controle.

10 x ABSTRACT This study was aimed at investigating the internal controls in the Small and Medium-Size Enterprises (SMEs) of information technology. Responses were sought on: How adherent is the said SMEs to the conceptual framework proposed by COSO? Our assumptions were based on the studies conducted in other countries, which expatiated on the quality and effectiveness of internal controls. By adopting a qualitative method interviews were focus on those responsible financial statements of seven IT-Based SMEs in the region of Campinas. Of these, six had independent auditors. The research methodology used was content analysis, being operated through the Nvivo Sofware for Qualitative Analysis, Version 9. The results show eleven categories, with eighty-six units of meaning. Research suggests that internal control is perceived by those responsible for financial statements in IT-Based SMEs as instruments or operational processes, and, in many situations the control environment, among other aspects are left aside. The surveyed companies are seeking knowledge on the subject in consulting and literature. Two aspects indicate that a forward-looking strategy positively affect internal controls, a situation applicable to IT company in view of the instability of its existing operations and growth in a short time. Concerning the aspects proposed by COSO, most of the SMEs are adherent to the framework, however, in respect to actions of the board of directors, quality of information systems, existence of internal audit, these are still in the process of improvement or even lacking. Key Words: Internal Control, COSO, Control Structure

11 xi Lista de Quadros Quadro 1 Evolução Histórica dos Controles Internos nos Estados Unidos Quadro 2 Conceitos de Controles Internos Quadro 3 Componentes da Estrutura de Controles Internos Quadro 4 Características das empresas entrevistadas Quadro 5 Características dos entrevistados Quadro 6 Descrição das unidades de significado Quadro 7 Descrição das categorias e subcategorias Quadro 8 Detalhamento da Categoria 01 Conceito e Características dos Controles Internos Quadro 9 Detalhamento da Categoria 02 Busca por Entendimento e Melhoria dos Controles Internos Quadro 10 Detalhamento da Categoria 03 Influência aos Controles Internos Quadro 11 Detalhamento da Categoria 04 Demanda por Controles Internos Quadro 12 Detalhamento da Categoria 5 - O Papel do ERP em Controles Internos Quadro 13 Detalhamento da Categoria 6 Ambiente de Controle Quadro 14 Detalhamento da Categoria 7 Avaliação de Riscos Quadro 15 Detalhamento da Categoria 8 Atividades de Controle Quadro 16 Detalhamento da Categoria 9 Informação e Comunicação Quadro 17 Detalhamento da Categoria 10 Controles Internos e Demonstrativos Contábeis 53 Quadro 18 Detalhamento da Categoria 11 Monitoramento... 54

12 xii Lista de Figuras Figura 1 Papel dos controles internos dentro das organizações Figura 2 Modelo da Pesquisa Figura 3 Esquema Básico da Análise de Conteúdo Figura 4 Unidades de significado e similaridade de palavras Figura 5 Pressuposto Sugerido Categoria 01 Conceito e Características dos Controles Internos Figura 6 Pressuposto Sugerido Categoria 02 Busca por Entendimento e Melhoria dos Controles Internos Figura 7 Pressuposto Sugerido Categoria 03 Influências aos Controles Internos Figura 8 Pressuposto Sugerido Categoria 04 Demanda por Controles Internos Figura 9 Pressuposto Sugerido 05 O Papel do ERP em Controles Internos Figura 10 Pressuposto Sugerido Categoria 06 Ambiente de Controle Figura 11 Pressuposto Sugerido Categoria 07 Avaliação de Riscos Figura 12 Pressuposto Sugerido Categoria 08 Atividades de Controle Figura 13 Pressuposto Sugerido Categoria 09 Informação e Comunicação Figura 14 Pressuposto Sugerido Categoria 10 Controles Internos e Demonstrativos Contábeis Figura 15 Pressuposto Sugerido Categoria 11 Monitoramento Figura 16 Pressuposto Sugerido... 62

13 xiii Lista de Tabelas Tabela 1 NÓS Comparados por número de itens codificados... 36

14 xiv Sumário 1. Introdução Caracterização do Problema Questão de Pesquisa Justificativas e Contribuições Estrutura Geral da Pesquisa Referencial Teórico Conceitos e Importância de Controles Internos Desenvolvimento dos Controles Internos Responsáveis pelos Controles Internos Estruturas Conceituais de Controles Internos A Estrutura Conceitual Proposta por COSO (1994) Pesquisas Empíricas sobre Controles Internos e COSO Procedimentos Metodológicos Modelo da Pesquisa Método de Pesquisa Método Qualitativo Delimitação do Problema População e Amostra Instrumentos de Coleta de Dados Técnicas para a Análise dos Dados Análise de Conteúdo Etapas da Análise de Conteúdo Análise dos Resultados e Discussões Características das Empresas Entrevistadas e dos Entrevistados Definição das Unidades de Significado O Processo de Categorização das Unidades de Significado Categoria 1 Conceito e Características dos Controles Internos... 39

15 xv 3.5. Categoria 2 Busca por Entendimento e Melhoria dos Controles Internos Categoria 3 Influências aos Controles Internos Categoria 4 Demanda por Controles Internos Categoria 5 O Papel do ERP em Controles Internos Categoria 6 Ambiente de Controle Categoria 7 Avaliação de Riscos Categoria 8 Atividades de Controle Categoria 9 Informação e Comunicação Categoria 10 Controles Internos e Demonstrativos Contábeis Categoria 11 - Monitoramento Pressupostos Sugerido pelo Estudo Considerações Finais Referências Bibliográficas e Bibliografia Apêndices Roteiro de Entrevistas... 71

16 1. Introdução A elaboração e apresentação de demonstrações financeiras estão intimamente relacionadas com aspectos não apenas intrínsecos às práticas contábeis, padrões de divulgação ou regulamentações contábeis vigentes em determinado pais, ou mesmo, vigentes internacionalmente, mas também, aos sistemas de controles internos empregados pelas organizações, os quais permitem a manutenção de instrumentos que reduzam riscos e ajudam as organizações a garantir a confiabilidade desses. (SPIRA e PAGE, 2003, p. 656). Dada a importância das demonstrações financeiras para os usuários de sua informação, Lehman (2010, p. 741) dispõe que o propósito de um sistema de controles internos é assegurar aos usuários a confiabilidade das informações existentes nos relatórios financeiros das organizações. Em uma linha semelhante, Kinney e Maher (1990, p. 1) destacam a importância dos controles internos para os investidores, para o governo e para a sociedade, haja vista que esses causam a confiabilidade dos relatórios corporativos, e na de organização das corporações. Destaca-se que no Brasil, não existem regulamentações especificas, tais como SOX 1 ou COSO 2 (1994), ou mesmo, estruturas de controles internos as quais devem ser aplicadas pelas organizações em geral. Exceto quanto às instituições financeiras, pois essas possuem regulamentação especifica por força da Resolução nº 2.554, de 24 de setembro de 1998, que dispõe sobre a implantação e implementação de sistema de controles internos pelas instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil. A definição de controles internos é bastante ampla, sendo que, o foco do presente trabalho será o estudo das características dos controles internos, bem como, as práticas de 1 SOX: Denominação da Lei Sarbanes Oxley, aprovada pelo congresso dos Estados Unidos da América, em julho de 2002, em resposta ao aumento de escândalos contábeis naquele país. Os principais objetivos foram definir processos contábeis para empresas com capital aberto e assegurar a confiabilidade aos investidores. Em especial, a seção 404 que trata sobre controles internos. (SCALF, 2009) 2 COSO: Em 1992 foi criado nos Estados Unidos foi criado o intitulado Estrutura Integrada de Controles Internos (Internal Control Integrated Framework), pelo Comitê de Organizações Patrocinadoras (Committe of Sponsoring Organization)s da Comissão Treadway. Essa estrutura é um relatório guia para instituições em todo o mundo, e teve como objetivo estabelecer uma única definição de controles internos que atendesse a necessidade de diferentes interessados, sendo que, fizeram parte desse comitê representantes do AICPA, do American Accounting Association, do Institute of Internal Auditors e do Financial Executives Institute. Em 1994 o relatório foi atualizado, sendo a sua última versão. 1

17 complience 3 empregadas atualmente em pequenas e médias empresas de Tecnologia da Informação, e avaliar qual a sua relação às estruturas de controles internos apresentadas em COSO (1994). A escolha por estudar pequenas e médias empresas de Tecnologia da Informação foi em função das próprias características e os possíveis latentes impactos em suas estruturas de controles internos, tais como: Necessidade de se manter mão-de-obra altamente especializada, sendo que, esse é um dos maiores ativos das empresas de Tecnologia da Informação, ou seja, ativos intangíveis; Alta necessidade de segurança da informação, seja pela manutenção de códigos fontes em desenvolvimentos internos de seus produtos, como também, pela segurança e confiabilidade dos desenvolvimentos de soluções por encomenda; Exceto por uma das empresas, todas as demais são empresas que possuem auditoria externa independente de suas demonstrações financeiras; Escassez de pesquisas relacionadas ao assunto, mesmo em empresas de outros segmentos. Por isso, o entendimento do funcionamento, das práticas dos sistemas de controles internos nessas realidades motiva a pesquisa, e qual a atual situação quando comparado com estruturas de controles internos utilizadas internacionalmente, como no caso em estudo, a de COSO (1994). Destaca-se a importância dessas empresas e a sua participação em relação a econômica do pais. De acordo com uma pesquisa realizada 4 pela Brasscom, que é a Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação, o setor brasileiro de Tecnologia da Informação (TI) movimentou US$ 102,6 bilhões em 2011, o que representa crescimento de 11,3% em relação ao ano anterior, segundo estudo encomendado à consultoria International 3 Conforme Vieira (2007, p. 178) o termo complience pode ser traduzido como conformidade legal. É o ato de aderir aos dispositivos legais e regulamentares ou às políticas de gestão às quais a organização está submetida. 4 Brasscom é Associação Brasileira das Empresas de Tecnologia da Informação e Comunicação. O resultado da pesquisa está disponível em: 2

18 Data Corporation (IDC). A pesquisa comprova, ainda, o peso significativo do setor na economia do País, com representação de 4,4% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro em A Associação destaca que a importância para a competitividade e produtividade da economia nacional, sendo, que o mercado brasileiro de TI contribui para o aumento de eficiência dos mais diversos segmentos. Tradicionalmente, cresce a taxas que são pelo menos o dobro da expansão do PIB, com projeção de 9% para A maior fatia do faturamento de TI provém do segmento TI In-House (US$ 41,6 bilhões), que é a tecnologia desenvolvida pelo governo e por empresas de outros setores da economia. Hardware vem na segunda posição com grande expressão, US$ 29,9 bilhões. Em seguida, aparecem serviços (US$ 14,7 bilhões), software (US$ 6,18 bilhões) e BPO (US$ 5,6 bilhões). O estudo contempla apenas o mercado interno de TI, sem contabilizar exportações e operações internacionais. Adicionalmente, de acordo com uma pesquisa 5 realizada pela KPMG Brasil, o setor de Tecnologia da Informação foi o setor que mais realizou fusões e aquisições no ano de 2011 no Brasil, liderando o ranking pelo 4 ano consecutivo. Somente o ano passado, foram concretizados 90 negócios envolvendo empresas do segmento, um aumento de 5,5% em relação ao ano anterior. Os dados constam em um levantamento realizado trimestralmente pela KPMG e que identifica as 42 áreas que mais realizaram transações no país Caracterização do Problema Ao longo da última década, em específico, questões relacionadas à governança corporativa, qualidade das informações, e consequentemente os controles internos vêm cumulativamente sendo colocados sobre discussão, tendo em vista os diversos fatos notórios, tais como, o aumento e desenvolvimento do mercado de capitais em países emergentes, os escândalos corporativos ocorridos nos Estados Unidos. Essas situações colocam à prova a fidedignidade dos relatórios e demais informações emitidas pelas corporações, os quais necessariamente estão suportados por controles internos. 5 Publicação disponível no site da KPMG Brasil, disponível no Press Release de , em: 3

19 Nesse contexto, o entendimento sobre quais são os fatores e as dimensões, que operacionalmente, devem ser levadas em consideração no que tange a qualidade e funcionalidade de controles internos são colocadas sob avaliação, tanto para o momento de implementação, quanto para a avaliação periódica, por administradores e acionistas em especial. A qualidade e efetividade dos controles internos, além de ser um fator necessário à segurança e confiabilidade dos demonstrativos financeiros, é também, um dos mecanismos utilizados para a redução dos custos de agência, conforme estudado por Abdel-Khalik (1993, p.31). Determinadas características contingenciais, como estratégia e tamanho, sob a ótica da Teoria da Contingência 6, afetam diretamente a estrutura de controles, com base em COSO (1994), e consequente impacto na sua efetividade, em relação à eficiência e efetividade das atividades, confiabilidade das informações e conformidade com leis e regulamentações. (JOPIKII, 2010, p.115) Ainda quanto em relação à qualidade e efetividade dos controles internos, existem pesquisas que sugerem que as empresas que implementaram ERP (Enterprise Resource Planning 7 ), reportaram menos deficiências na efetividade de seus controles internos, os quais são base para seus demonstrativos financeiros. (MORRIS, 2011, p. 157) Rae e Subramaniam (2008, p.104) concluíram que para existir qualidade nos controles internos, três outros aspectos devem ser levados em consideração sendo: o ambiente ético corporativo, treinamento sobre gerenciamento de risco e atividades de auditoria interna. Como se observa, diversos aspectos podem impactar na determinação da qualidade e efetividade dos controles internos. Nesse sentido, o entendimento de características contingenciais, bem como, a utilização de instrumentos de controle como ERP, ou mesmo, a existência de uma relação de agência são variáveis determinantes. O padrão estrutural de controles tem se desenvolvido substancialmente a partir da estrutura conceitual de COSO 6 De acordo com Covaleski (1996, p. 2) a Teoria da Contingência é essencialmente uma perspectiva teórica sobre o comportamento organizacional que enfatiza como fatores contingentes, como a tecnologia e o ambiente os quais afetam a concepção e funcionamento das organizações. 7 Enterprise Resource Planning: em português, planejamento de recursos organizacionais. São sistemas organizacionais de informação que integram e automatizam processos de negócio em toda a cadeia de valor de uma entidade. O destinatário central de informações dos diversos processos de negócios é função da contabilidade. (Dorantes, et al. 2009, p. 4) 4

20 (1994), porém nem todas as variáveis de controle podem ser operacionalizadas, para todas as organizações, o que pode não implicar na inexistência de qualidade, ou mesmo, que o estágio de desenvolvimento seja precário, ou que, ainda esteja em uma fase incipiente. Apesar de o controle interno ser um fator essencial que afeta a empresa, as evidências do desempenho real de uma estrutura de controle interno no ambiente organizacional é quase inexistente, e o tema é relativamente inexplorado por pesquisadores, como observado por Kinney (2000, p. 88) Questão de Pesquisa Um problema de pesquisa origina-se da inquietação, da dúvida, da hesitação, da perplexidade, da curiosidade sobre uma questão não resolvida (MARTINS; THEÓFILO, 2007, p.22). De acordo com Cooper e Schindler (2003, p. 74) deve se considerar a questão de pesquisa como sendo uma questão orientada para o fato e para a coleta de informações. Ainda, é a hipótese de escolha que melhor informa o objetivo do estudo de pesquisa. Tendo em vista o exposto, fica a seguinte questão de pesquisa a ser discutida neste estudo: Quão aderente é a estrutura conceitual proposta por COSO (1994) às pequenas e médias empresas de TI? Objetivos da Pesquisa O objetivo geral deve procurar dar uma visão geral do assunto de pesquisa, sendo onde se estabelece o que espera conseguir chegar com a sua investigação. (SILVA, 2003, p. 57). Levando em consideração as exposições anteriores, o objetivo geral desse trabalho é: Entender como os controles internos funcionam na prática, e a sua aderência ou não a estrutura de controles internos proposta por COSO (1994). 5

21 De acordo com Santos e Parra (1999, p.210) o objetivo específico deve ser o ponto central dentro de um contexto geral, onde é desdobrado o objetivo geral em questões mais especificas. Sendo assim, levando em consideração o objetivo geral, tendo os seguintes objetivos específicos: Conhecer a literatura sobre controles internos, e fatores determinantes de qualidade e efetividade, especificamente em relação ao seu papel sobre demonstrativos financeiros e compliance, tomando como base a estrutura conceitual proposta por COSO (1994); Entender como os controles internos funcionam na prática levando em consideração a realidade brasileira, tomando como base o segmento de Tecnologia de Informação (TI), em específico, as pequenas e médias empresas; Buscar entendimento sobre como os controles internos são aperfeiçoados, bem como, entender quais são os fatores indutores coercitivos e quais as influencias para isso, bem como, os aspectos facilitadores; A fim de responder o problema de pesquisa mencionado, bem como, atingir os objetivos propostos, o presente estudo emprega o método de pesquisa qualitativo, em algumas literaturas denominadas como pesquisa de paradigma fenomenológico, com a realização de entrevistas a pessoas chaves, utilizando-se de roteiro de entrevista previamente elaborado Justificativas e Contribuições As justificativas para a pesquisa se dividem em dois aspectos, sendo a relevância social e para o mercado em geral, e a relevância para academia, em específico para as matérias relacionadas à elaboração de demonstrativos financeiros, auditoria das demonstrações contábeis, controles internos, compliance, e governança corporativa. A relevância social e para o mercado em geral: o entendimento das deficiências, as causas e consequências e aprimoramentos necessários na estrutura de controles internos, beneficiará as organizações em geral, indicando possíveis caminhos para melhoria da qualidade e efetividade, se balizando por cada realidade. 6

22 A relevância para a academia: estudo contribui para o enriquecimento das matérias de controles internos nos campos da auditoria contábil independente, auditoria interna e governança corporativa, levando em consideração os aspectos relacionados à implementação, melhoria dos controles internos. No mesmo sentido, o atual estudo poderá ser utilizado em futuras pesquisas relacionadas aos assuntos abordados, podendo ser, então, um ponto de partida para outros estudos. 1.4.Estrutura Geral da Pesquisa Abaixo está o retrato da estrutura geral de desenvolvimento da pesquisa, sendo: 1) Introdução; 2) Revisão da literatura sobre controles internos; 3) Características das empresas de TI; 4) Procedimentos metodológicos adotados; 5) Apresentação e análise dos resultados; 6) Conclusões, limitações e sugestões para futuras pesquisas. 7

23 1. Referencial Teórico 1.1. Conceitos e Importância de Controles Internos O crescimento no tamanho das organizações, o aumento da complexidade dos processos organizacionais e a consequente necessidade de descentralização do poder decisório, faz com surja a necessidade de criação de mecanismos de prestação de contas e monitoramento das organizações, tanto para os proprietários quanto para partes relacionadas, incluindo os seus clientes, fornecedores e financiadores. (TENÓRIO, 2007, p. 17) Kinney e Maher (1990, p. 1) destacam a importância dos controles internos para os investidores, para o governo e para a sociedade, haja vista que esses causam a confiabilidade dos relatórios corporativos, e na própria organização das corporações. Em um esquema lógico, Kinney (2000, p. 85) ilustra o papel dos controles internos dentro da organização, como segue: Figura 1 Papel dos controles internos dentro das organizações. Fonte: Kynney (2000, p.85) A qualidade e efetividade dos controles internos, além de ser um fator necessário à segurança e confiabilidade dos demonstrativos financeiros, é também, um dos mecanismos utilizados para a redução dos custos de agência, conforme estudado por Abdel-Khalik (1993, p.31). 8

24 Lehman (2010, p. 741) dispõe que a finalidade de um forte sistema de controle interno é tranquilizar os usuários das informações, trazendo confiabilidade dos seus demonstrativos financeiros. Um sistema de controle interno fortalece a governança corporativa, permite que os objetivos de gestão sejam alcançados, e atenua o risco de fraude, aumentando a percepção dos funcionários sobre tal aspecto. O IBRACON, em uma publicação intitulada de Controles Internos Contábeis e Alguns Aspectos de Auditoria, em conjunto com o CRC São Paulo, 5 Região, no ano de 2000, trataram controles internos como sendo todos os processos e rotinas, de natureza administrativa ou contábil, destinados a fazer com que na empresa: a) os colaboradores respeitem e adiram às politicas traçadas pela Alta Administração; b) os ativos tenham sua integridade protegida; e c) as operações sejam adequadamente registradas, e sua totalidade, nos registros contábeis e fidedignamente retratadas pelas demonstrações financeiras. De acordo com Almeida (2003, p.63) o controle interno representa em uma organização o conjunto de procedimentos, métodos ou rotinas com os objetivos de proteger os ativos, produzir dados contábeis confiáveis e ajudar a administração na condução ordenada dos negócios da empresa. Os sistemas de controles internos empregados pelas organizações devem permitir a manutenção de instrumentos que reduzam riscos e ajudam as organizações a garantir a confiabilidade de demonstrativos financeiros e a conformidade com leis e regulamentações. (SPIRA e PAGE, 2003, p. 656). Como se observa, não apenas a literatura nacional e publicação do órgão de classe dos auditores independentes no Brasil tratam sobre os propósitos dos controles internos, mas, sobretudo, dentre os seus vários objetivos, o principal e mais latente se dá em relação à fidedignidade e confiabilidade das demonstrações financeiras e a redução de riscos. Como proposto por Hightower (2009, p. 27), controles internos referem-se a um conjunto de atividades para guiar, gerenciar e regular para uma direção. São mais do que simples regras, pois envolvem os princípios, as crenças, os valores e a cultura de uma companhia. A definição de Hightower (2009, p.27) é bastante abrangente em sua definição de controles internos, porém, avaliando o aspecto mencionado em conjunto com as estruturas conceituais de controles internos, como COSO (1994) essas são convergentes. Pois de acordo com a referida estrutura, a base para controles internos é o ambiente onde a organização está 9

25 inserida aspectos relacionados a princípios, crenças e valores mencionados pelo autor ilustram os referidos aspectos. Para Zanette, Alberton e Dutra (2008) os controles internos podem ser caracterizados como administrativos e contábeis. Administrativos são os ligados à eficiência operacional e à obediência às diretrizes administrativas; contábeis, os que visam à proteção patrimonial e a qualidade da informação contábil. Tal classificação de certa forma pode ser tratada com uma mera diferenciação didática, tendo em vista que conforme colocado pelos outros autores, os controles internos impactam diretamente na informação contábil, e aspectos como cultura, diretrizes administrativas não podem ser tratados de forma isolada ou separadamente Desenvolvimento dos Controles Internos O pais em que mais se desenvolveu controles internos foi os Estados Unidos, haja vista, as características do mercado de ações nesse pais, e as consequentes regulamentações emitidas pelo Governo Americano e também pelos órgãos de classe. Boynton, Johnson e Kell (2002, p.319) destacam importância crescente dos controles internos, e se baseiam em uma publicação do Instituto Americano dos Contadores Públicos Certificados dos Estados Unidos (Institute of Certified Public Accountants AICPA) de 1947, que tratavam sobre a importância dos controles internos, em função da: a) extensão e o tamanho das entidades com finalidades lucrativas tinham se tornado tão complexa que a administração precisava recorrer a vários relatórios e analises para controlar eficazmente as operações; b) as conferências e revisões inerentes a um bom sistema de controles internos proporcionava proteção contra fraquezas humanas e reduziam a possibilidade de ocorrência de erros e irregularidades; c) dadas as limitações econômicas de seus honorários, era impraticável que a auditoria independente auditasse a maioria das companhias se não pudesse recorrer aos respectivos sistemas de controles internos. A matéria ganha cada vez mais significância, fazendo com que regulamentações sobre aplicação, bem como, relacionadas à auditoria e procedimentos aplicáveis sejam emitidas. Nos Estados Unidos diversos atos foram divulgados os quais fomentaram a necessidade, importância e obrigatoriedade dos controles internos, como segue: 10

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa

18/08/2015. Governança Corporativa e Regulamentações de Compliance. Gestão e Governança de TI. Governança Corporativa. Governança Corporativa Gestão e Governança de TI e Regulamentações de Compliance Prof. Marcel Santos Silva A consiste: No sistema pelo qual as sociedades são dirigidas, monitoradas e incentivadas, envolvendo o relacionamento

Leia mais

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira

Governança. Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira Governança Sistemas de Informação 8º Período Prof: Mafran Oliveira 1 Definição de Governança Governança Corporativa: É a Estrutura que identifica os objetivos de uma organização e de que forma pode-se

Leia mais

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS

CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS CobiT 4.01 OBJETIVOS DE CONTROLE PARA INFORMAÇÃO E TECNOLOGIAS RELACIONADAS METODOLOGIA DE AUDITORIA PARA AVALIAÇÃO DE CONTROLES E CUMPRIMENTO DE PROCESSOS DE TI NARDON, NASI AUDITORES E CONSULTORES CobiT

Leia mais

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission

COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission COSO - The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission Eduardo Martins Pereira Fernando Bracalente Marcelo Dinofre Mario Luiz Bernardinelli mariolb@gmail.com Abstract The purpose of

Leia mais

Congratulações, estimado leitor! É muito bom poder estar aqui novamente. Este tópico tem como objetivo abordar, de forma clara e objetiva, o

Congratulações, estimado leitor! É muito bom poder estar aqui novamente. Este tópico tem como objetivo abordar, de forma clara e objetiva, o Congratulações, estimado leitor! É muito bom poder estar aqui novamente. Este tópico tem como objetivo abordar, de forma clara e objetiva, o gerenciamento de riscos corporativos e controles internos Modelo

Leia mais

Auditoria de Sistemas FATEC 2011

Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Auditoria de Sistemas FATEC 2011 Histórico 3.000 a.c. - Antropologistas encontraram registros de atividades de auditoria de origem babilônica ~2.000 a.c - No antigo Egito havia a necessidade de se ratificar

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio.

Palavras-chaves: Auditoria. Controle Interno. Sarbanes Oxley. Planejamento Estratégico. Gestão de Riscos Corporativos. Processo de Negócio. GESTÃO DE PROCESSOS DE NEGÓCIO: a participação dos controles internos na gestão estratégica corporativa Nome: Ricardo Alexandre Gonçalves de Moura (Auditor especialista em revisão de controles internos

Leia mais

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Estimados amigos concurseiros! É sabido que foi publicado o Edital ESAF nº 18, de 07 de março de 2014, do concurso para

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: AUDITORIA

FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: AUDITORIA Centro Universitário de Brasília UNICEUB FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS (FATECS) CURSO: CIÊNCIAS CONTÁBEIS ÁREA: AUDITORIA A IMPORTÂNCIA DA ANÁLISE DE CONTROLES INTERNOS NO TRABALHO

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

CONTROLE INTERNO Parte I

CONTROLE INTERNO Parte I UnB Universidade de Brasília FACE Faculdade de Economia, Administração, Contabilidade e Ciência da Informação e Documentação. CCA Departamento de Ciências Contábeis e Atuarias Auditoria 1 Prof.: Wolney

Leia mais

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Um dos pontos mais polêmicos e de maior impacto nestas alterações das normas de auditoria independente

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

Atuação da Auditoria Interna na avaliação e na mensuração de riscos AUDITORIA INTERNA NO CONBRAI 2009.

Atuação da Auditoria Interna na avaliação e na mensuração de riscos AUDITORIA INTERNA NO CONBRAI 2009. IBC realizada em 18 de agosto de 2009. A sua circulação, cópia ou distribuição, total ou parcial, para outros fins deve ser previamente autorizada, por escrito, pela Claro. Atuação da Auditoria Interna

Leia mais

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA! O que faz a auditoria externa?! Quais as funções da auditoria interna?! Qual a interligação entre a auditoria externa

Leia mais

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios

Módulo 4. Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Módulo 4 Visão geral dos controles do COBIT aplicáveis para implantação da Sarbanes, o papel de TI, a importância dos softwares e exercícios Estruturas e Metodologias de controle adotadas na Sarbanes COBIT

Leia mais

A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance

A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance A Importância do Compliance para a Garantia da Ética e da Governança Corporativa Seminário de Controles Internos e Compliance 7º CONSEGURO Setembro de 2015 Índice Planejamento para o Evento Painel de Notícias

Leia mais

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional

Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada. Política de Gerenciamento de Risco Operacional Western Asset Management Company Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Limitada Política de Gerenciamento de Risco Operacional Ratificada pela Reunião de Diretoria de 29 de abril de 2014 1 Introdução

Leia mais

Auditoria Interna e Governança Corporativa

Auditoria Interna e Governança Corporativa Auditoria Interna e Governança Corporativa Clarissa Schüler Pereira da Silva Gerente de Auditoria Interna TUPY S.A. Programa Governança Corporativa Auditoria Interna Desafios para os profissionais de auditoria

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas

Universidade do Estado de Minas Gerais Instituto Superior de Ensino e Pesquisa de Ituiutaba Sistemas de Informação Segurança e Auditoria de Sistemas 1. Conceitos e Organização da Auditoria Universidade do Estado de Minas Gerais 1.1 Conceitos Auditoria é uma atividade que engloba o exame de operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES

Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES Declaração de Posicionamento do IIA: AS TRÊS LINHAS DE DEFESA NO GERENCIAMENTO EFICAZ DE RISCOS E CONTROLES JANEIRO 2013 ÍNDICE DE CONTEÚDOS Introdução...1 Antes das Três Linhas: Supervisão do Gerenciamento

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional

Gerenciamento do Risco Operacional. Gerenciamento do Risco Operacional Gerenciamento do Risco Operacional Controle do documento Data Autor Versão Outubro/2010 Compliance 001 Dezembro/2011 Compliance 002 Dezembro/2012 Compliance 003 Agosto/2014 Compliance 004 Revisão do documento

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 XII ENCONTRO ESTADUAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA Claudio Longo Ernst & Young Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 Objetivos da Apresentação

Leia mais

A. Definição de Auditoria Interna 1. Definir propósito, autoridade e responsabilidade da atividade de Auditoria Interna.

A. Definição de Auditoria Interna 1. Definir propósito, autoridade e responsabilidade da atividade de Auditoria Interna. Programa do Exame CIA 2013, Parte 1 Fundamentos de Auditoria Interna 125 questões 2.5 Horas (150 minutos) Os tópicos testados na Parte 1 do novo exame CIA incluem aspectos de orientação obrigatória do

Leia mais

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY)

COBIT (CONTROL OBJECTIVES FOR INFORMATION AND RELATED TECHNOLOGY) Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Informática e Estatística INE Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Projetos I Professor: Renato Cislaghi Aluno: Fausto Vetter Orientadora: Maria

Leia mais

Palavras chave: Controle Interno; COSO; Gestão de Risco Corporativo

Palavras chave: Controle Interno; COSO; Gestão de Risco Corporativo CONTROLE INTERNO DAS EMPRESAS SUPERMERCADISTAS DA REGIÃO METROPOLITANA DE BELÉM: UMA ANÁLISE UTILIZANDO O MODELO DO Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission - COSO RESUMO O objetivo

Leia mais

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT

Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Gestão de Sistemas de Informação II Introdução ao COBIT Professor Samuel Graeff prof.samuel@uniuv.edu.br COBIT O que e? COBIT significa Control Objectives for Information and related Technology - Objetivos

Leia mais

Avaliação dos controles internos nos prestadores de serviços. Marco Antonio Renata Romariz

Avaliação dos controles internos nos prestadores de serviços. Marco Antonio Renata Romariz Avaliação dos controles internos nos prestadores de serviços Marco Antonio Renata Romariz Agenda Objetivo Cenário atual Riscos chaves associados a processos terceirizados Exemplos de serviços terceirizados

Leia mais

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima

Auditoria de Sistemas. UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria de Sistemas UNIPAC Ipatinga Segurança e Auditoria de Sistemas Prof. Thiago Lopes Lima Auditoria É uma atividade que engloba o exame das operações, processos, sistemas e responsabilidades gerenciais

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso

CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar. Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT: Visão Geral e domínio Monitorar e Avaliar Daniel Baptista Dias Ernando Eduardo da Silva Leandro Kaoru Sakamoto Paolo Victor Leite e Posso CobiT O que é? Um framework contendo boas práticas para

Leia mais

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com

Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria. Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Auditoria e Segurança de Sistemas Aula 02 Auditoria Felipe S. L. G. Duarte Felipelageduarte+fatece@gmail.com Evolução / Necessidade Empresas com Capital Fechado Aumento da concorrência Investimento em

Leia mais

Boletim Gestão & Governança

Boletim Gestão & Governança Boletim Gestão & Governança Edição 18 Ano III Junho 2015 SAVE THE DATE Primeiro encontro de controles internos na cidade do Rio de Janeiro 24 de Setembro 2015 Aguardem a agenda do evento! Vejam nesta edição:

Leia mais

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional

Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Como integrar a estrutura de Controles Internos à gestão de Risco Operacional Wagner S. Almeida Departamento de Supervisão de Bancos e Conglomerados Bancários Divisão de Equipes Especializadas I Comissão

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Papéis de Trabalho TURMA: PECC Nesta aula, continuaremos o estudo dos aspectos técnicos concernentes à Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis,

Leia mais

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS

AUDITORIA INTERNA DA ATLAS AUDITORIA INTERNA DA ATLAS A auditoria interna serve à administração como meio de identificação de que todos os processos internos e políticas definido pela ATLAS, assim como sistemas contábeis e de controle

Leia mais

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como

Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências atuais Quais competências necessitam de aprimoramento Como 1ª Pesquisa Protiviti/Audibra sobre as Tendências da Auditoria Interna no Brasil Junho, 2010 Objetivo da Pesquisa Apresentar benchmarks considerando: Como os auditores internos avaliam suas competências

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional.

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. NBC TA 450 CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.216/09 Aprova a NBC TA 450 Avaliação das Distorções Identificadas durante a Auditoria. O

Leia mais

Ari Marcelo Liotto. GERENCIAMENTO DE RISCO A Aderência da Metodologia do TCU à Metodologia COSO

Ari Marcelo Liotto. GERENCIAMENTO DE RISCO A Aderência da Metodologia do TCU à Metodologia COSO Ari Marcelo Liotto GERENCIAMENTO DE RISCO A Aderência da Metodologia do TCU à Metodologia COSO Monografia apresentada como requisito parcial à obtenção do título de Especialista em Controle Externo - Área

Leia mais

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios

PARTE III Auditoria Conceitos Introdutórios FATERN Faculdade de Excelência Educacional do RN Coordenação Tecnológica de Redes e Sistemas Curso Superior de Tecnologia em Sistemas para Internet Auditoria em Sistemas de Informação Prof. Fabio Costa

Leia mais

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009

O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas CRC CE, 16/10/2009 O Papel das Auditorias Internas e Externas na Governança das Empresas (*) Palestrante: Vinícius Sampaio (*) Contará

Leia mais

A autuação do TCE/RS frente ao Controle Interno Municipal: novas perspectivas 2012/2013

A autuação do TCE/RS frente ao Controle Interno Municipal: novas perspectivas 2012/2013 A autuação do TCE/RS frente ao Controle Interno Municipal: novas perspectivas 2012/2013 Flávio Flach Contador, Auditor Público Externo, Assessor Técnico da DCF/TCE-RS, Coordenador da Comissão de Estudos

Leia mais

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual

Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Pedro Bruno Barros de Souza Mensuração do Desempenho do Gerenciamento de Portfólio de Projetos: Proposta de Modelo Conceitual Dissertação de Mestrado Dissertação apresentada ao Programa de Pósgraduação

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO

SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO NBR ISO/IEC 27002: 2005 (antiga NBR ISO/IEC 17799) NBR ISO/IEC 27002:2005 (Antiga NBR ISO/IEC 17799); 27002:2013. Metodologias e Melhores Práticas em SI CobiT; Prof. Me. Marcel

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.203/09 Aprova a NBC TA 200 Objetivos Gerais do Auditor Independente e a Condução da Auditoria em Conformidade com Normas de Auditoria. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE

I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE POLÍTICA DE COMPLIANCE Revisado em Março de 2013 I. PROGRAMA GLOBAL DE COMPLIANCE A The Warranty Group, Inc. (corporação) e suas empresas subsidiárias têm o compromisso de realizar seus negócios de modo

Leia mais

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná

Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas. 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Seminário O controle interno governamental no Brasil Velhos Desafios, Novas Perspectivas 14 a 16 de Maio Iguassu Resort Foz do Iguaçu - Paraná Controle Interno na visão dos Auditores Externos Situação

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

GOVERNANÇA CORPORATIVA

GOVERNANÇA CORPORATIVA GOVERNANÇA CORPORATIVA Os valores que lastreiam as práticas da Companhia são: transparência, prestação de contas, conformidade e equidade. Transparência refere-se em particular às informações que têm reflexo

Leia mais

estudo e apoio acadêmico

estudo e apoio acadêmico Olá, A Mundo da Monografia disponibiliza para você alguns trabalhos prontos, assim é possível tirar dúvidas e estudar os temas de trabalhos mais frequentes nas universidades brasileiras. Mas, lembre-se:

Leia mais

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52

CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA. ESTRAGEIRA: FASB nº 8 e FASB nº 52 CONVERSAO DE DEMONSTRACOES CONTABEIS EM MOEDA Evolução das Normas de Contabilidade aplicadas no EUA Critérios Contábeis brasileiros e americanos (USGAAP) Objetivos da conversão de demonstrações contábeis

Leia mais

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br

COBIT. Governança de TI. Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br COBIT Governança de TI Juvenal Santana, PMP tecproit.com.br Sobre mim Juvenal Santana Gerente de Projetos PMP; Cobit Certified; ITIL Certified; OOAD Certified; 9+ anos de experiência em TI; Especialista

Leia mais

$XGLWRULDé uma atividade que engloba o exame das operações, processos,

$XGLWRULDé uma atividade que engloba o exame das operações, processos, $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR 6(*85$1d$($8',725,$'(6,67(0$6 &\QDUD&DUYDOKR F\QDUDFDUYDOKR#\DKRRFRPEU

Leia mais

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS

O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS O CONTROLE INTERNO E A AUDITORIA INTERNA GOVERNAMENTAL: DIFERENÇAS FUNDAMENTAIS Wanderlei Pereira das Neves 1 Resumo Nosso trabalho visa a demonstrar que a auditoria interna governamental é o ápice da

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO

Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA SUMÁRIO Código Revisão Data Emissão Aprovação PPG 1.0 18/02/2016 HS - RC RCA Título: Política de Controles Internos Riscos Corporativos SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 2 2. PRINCÍPIOS... 2 3. ABRANGÊNCIA... 2 4. DEFINIÇÕES...

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DOS COMITÊS DE AUDITORIA NOS TRABALHOS DOS AUDITORES INDEPENDENTES DE COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DOS COMITÊS DE AUDITORIA NOS TRABALHOS DOS AUDITORES INDEPENDENTES DE COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DOS COMITÊS DE AUDITORIA NOS TRABALHOS DOS AUDITORES INDEPENDENTES DE COMPANHIAS ABERTAS BRASILEIRAS Jerônimo ANTUNES Universidade de São Paulo (Brasil) Wesley Ramos HONORATO Universidade

Leia mais

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira

O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira O Controlo Interno como Linha de Defesa da Solvabilidade Financeira Francisco Rocha Diretor do Departamento de Auditoria do Banco de Portugal 7 de outubro de 2014 Seminar Seminar name SUMÁRIO Controlo

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DO RISCO NA PLANIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS

A UTILIZAÇÃO DO RISCO NA PLANIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS LUIZ RENATO COSTA XAVIER A UTILIZAÇÃO DO RO NA PLANIFICAÇÃO DAS AÇÕES DE CONTROLE DA SECRETARIA DE CONTROLE INTERNO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS Projeto de pesquisa apresentado ao Instituto Serzedello Corrêa,

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação (PETI) Secretaria de Tecnologia da Informação Florianópolis, março de 2010. Apresentação A informatização crescente vem impactando diretamente

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI

CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC - CCI SINÔNIMO DE EXCELÊNCIA EM GOVERNANÇA CORPORATIVA O PROGRAMA DE CERTIFICAÇÃO DE CONSELHEIROS IBGC IRÁ APRIMORAR E CONFERIR MAIOR EFICÁCIA À ATIVIDADE PROFISSIONAL

Leia mais

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC

Governança de TI com COBIT, ITIL e BSC {aula #2} Parte 1 Governança de TI com melhores práticas COBIT, ITIL e BSC www.etcnologia.com.br Rildo F Santos rildo.santos@etecnologia.com.br twitter: @rildosan (11) 9123-5358 skype: rildo.f.santos (11)

Leia mais

Evolução e perspectivas da governança corporativa no Brasil

Evolução e perspectivas da governança corporativa no Brasil Evolução e perspectivas da governança corporativa no Brasil José Écio Pereira da Costa Júnior Membro dos Comitês de Auditoria da Gafisa e Votorantim Dezembro de 2014 Tendências e Perspectivas Motivadores

Leia mais

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com

GESTÃO DE T.I. COBIT. José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com GESTÃO DE T.I. COBIT José Luís Padovan jlpadovan@gmail.com COBIT Control Objectives for Information and Related Technology Copyright 1996, 1998, 2000 Information Systems Audit and Control Foundation. Information

Leia mais

Auditoria interna Especialização PwC

Auditoria interna Especialização PwC www.pwc.pt/academy Especialização PwC PwC s Academy Formação de profissionais para profissionais Especialização PwC Este curso com uma forte componente prática, procura dotar os recursos afetos à função

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance

14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance O Compliance e as metodologias para monitorar riscos de não conformidade 14º Congresso de Auditoria Interna e Compliance 11 de novembro 2014 14 horas Agenda Os principais objetivos do nosso encontro 1.

Leia mais

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO

COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO COBIT FOUNDATION - APOSTILA DE RESUMO GOVERNANÇA DE TI O QUE É GOVERNANÇA DE TI É um conjunto de estruturas e processos que visa garantir que a TI suporte e maximize adequadamente os objetivos e estratégias

Leia mais

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa

Fundação Libertas. Nova denominação da entidade. Manual de Governança Corporativa Manual de Governança Corporativa Sumário 1. Definição.... Objetivo... 3. Da Contextualização da PREVIMINAS... 3.1. Arcabouço Legal e Regulatório... 3.. A Identidade da PREVIMINAS... A Filosofia Empresarial

Leia mais

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria

experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria experiência Uma excelente alternativa em serviços de auditoria A Íntegra é uma empresa de auditoria e consultoria, com 25 anos de experiência no mercado brasileiro. Cada serviço prestado nos diferentes

Leia mais

Governança de TIC. CobiT 4.1

Governança de TIC. CobiT 4.1 Governança de TIC CobiT 4.1 Conceitos Governança: A expressão governar tem origem na expressão navegar... E o que quem navega faz? Ele faz um mapa, dá a direção, faz as regras de convivência. Tomáz de

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon

International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon Julho de 2007 Volume 11 / Número 7 International Financial Reporting Standards Mudança de Paradigma na Divulgação das Informações Financeiras D.J. Gannon D.J. Gannon é sócio da Deloitte & Touche LLP, onde

Leia mais

O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso.

O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso. O valor da Auditoria Interna e imperativos para o sucesso. 29 de julho de 2011 Como Mensurar o Trabalho da Auditoria Interna e Demonstrar o Quanto a Área Agrega Valor para a Empresa Walter Batlouni Jr

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar.

C O B I T. Gerenciamento dos Riscos Mitigação. Aceitação. Transferência. Evitar/Eliminar. C O B I T Evolução Estratégica A) Provedor de Tecnologia Gerenciamento de Infra-estrutura de TI (ITIM) B) Provedor de Serviços Gerenciamento de Serviços de TI (ITSM) C) Parceiro Estratégico Governança

Leia mais

Ferramentas computadorizadas para aprimoramento dos trabalhos de auditoria interna

Ferramentas computadorizadas para aprimoramento dos trabalhos de auditoria interna CHRISTIAN TERNES ARRIAL Ferramentas computadorizadas para aprimoramento dos trabalhos de auditoria interna Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de Pós-Graduação do Cefor como parte das exigências

Leia mais

Sumário. Apresentação

Sumário. Apresentação Sumário Apresentação XVII Capítulo 1 Aspectos introdutórios 1 1 Origens da auditoria moderna 1 2 Teoria da agência 2 3 Auditoria no Brasil: evolução e convergência 3 3.1 Evolução da auditoria no Brasil

Leia mais

Risco na medida certa

Risco na medida certa Risco na medida certa O mercado sinaliza a necessidade de estruturas mais robustas de gerenciamento dos fatores que André Coutinho, sócio da KPMG no Brasil na área de Risk & Compliance podem ameaçar a

Leia mais

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA

ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA ISO 14001:2015 SAIBA O QUE MUDA NA NOVA VERSÃO DA NORMA SUMÁRIO Apresentação ISO 14001 Sistema de Gestão Ambiental Nova ISO 14001 Principais alterações e mudanças na prática Estrutura de alto nível Contexto

Leia mais

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação

SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação SUPERVISÃO COOPERATIVA Acompanhamento Indireto, acompanhamento dos planos, auditoria e comunicação 1 Acompanhamento Indireto Tratamento das informações Análise intrínseca, evolutiva e comparativa Processos

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos.

Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. Metodologia de Auditoria com Foco em Riscos. 28 de Novembro de 2003 Dados do Projeto Colaboradores: Bancos ABN Amro Real Banco Ficsa Banco Itaú Banco Nossa Caixa Bradesco Caixa Econômica Federal HSBC Febraban

Leia mais

IX Encontro de Auditores e Peritos do Espírito Santo Avaliação de Risco na análise dos Controles Internos Vitória, ES. 29/08/2014

IX Encontro de Auditores e Peritos do Espírito Santo Avaliação de Risco na análise dos Controles Internos Vitória, ES. 29/08/2014 IX Encontro de Auditores e Peritos do Espírito Santo Avaliação de Risco na análise dos Controles Internos Vitória, ES. 29/08/2014 Agenda Objetivos Termos de Referência Risco Objetivos do Auditor O Modelo

Leia mais

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras

Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Versão 5.0 dezembro 2010 Política de Gestão de Riscos das Empresas Eletrobras Sumário 1. Objetivos 2. Conceitos 3. Referências 4. Princípios 5. Diretrizes

Leia mais

INTRODUÇÃO. Apresentação

INTRODUÇÃO. Apresentação ANEXO ÚNICO DA RESOLUÇÃO ATRICON 05/2014 DIRETRIZES DE CONTROLE EXTERNO ATRICON 3204/2014: CONTROLE INTERNO: INSTRUMENTO DE EFICIÊNCIA DOS JURISDICIONADOS SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 2 Apresentação... 2 Justificativa...

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais