GUIA PARA A MINERAÇÃO ARTESANAL E DE PEQUENA ESCALA RESPONSÁVEL MAPE- A QUALIDADE DE VIDA É MAIS PRECIOSA QUE O OURO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PARA A MINERAÇÃO ARTESANAL E DE PEQUENA ESCALA RESPONSÁVEL MAPE- A QUALIDADE DE VIDA É MAIS PRECIOSA QUE O OURO"

Transcrição

1 GUIA PARA A MINERAÇÃO ARTESANAL E DE PEQUENA ESCALA RESPONSÁVEL MAPE- A QUALIDADE DE VIDA É MAIS PRECIOSA QUE O OURO Os primeiros seres humanos que povoaram a terra foram nômades que viajavam pelo mundo para colonizá-lo. Foi assim que se criaram os povoados e, com o tempo, as pessoas formaram assentamentos, iniciaram o cultivo da terra e a realização de outras atividades produtivas. Ao longo das muitas viagens que homens e mulheres realizaram por diferentes terras, eles encontraram os minerais e utilizavam-nos de maneira primitiva. No princípio, talvez somente para fins cerimoniais, mas com o passar do tempo foram dando outros usos e surgiu a exploração crescente dos recursos minerais. Esta atividade que, inicialmente, era somente para satisfazer as necessidades locais, converteu-se gradativamente em uma atividade produtiva muito importante. Hoje, a exploração de minerais se espalhou pelo planeta e tem trazido muitos benefícios à humanidade, além de suprir a falta de trabalho em comunidades pobres e de difícil acesso, onde não há outras formas de atividade industrial. A mineração artesanal e de pequena escala é realizada pela população local, geralmente com ajuda de toda família e, por isso, representa uma importante fonte de trabalho e oportunidade de desenvolvimento. Como sabemos, muitos de nossos povoados se formaram a partir da mineração. A mineração artesanal é uma atividade geradora de trabalho e um meio de vida para nós, mineradores artesanais, e isso nos torna trabalhadores com responsabilidades a assumir com nossas famílias e nossas comunidades; devemos realizar nosso trabalho com o compromisso da sustentabilidade ao longo do tempo e sem destruição da natureza. Atualmente temos muitas deficiências na realização de nossas atividades e, por isso, precisamos capacitarnos no uso de tecnologias limpas, que não contaminem nosso ambiente e que nos auxiliem na recuperação de maior quantidade de metal, pois estamos perdendo muito ouro por não dispormos de métodos melhores. É muito difícil aceitar mudanças da noite para o dia e os resultados nem sempre são imediatos ou tão rápidos quanto desejamos. Mas é necessário mudar e o esforço vale à pena, pois vamos todos nos beneficiar dos resultados. Assumir o desafio de explorar os minerais com responsabilidade perante a família, a comunidade e o ambiente, é um processo que será realizado com o passar do tempo a fim de alcançar nossos objetivos de desenvolvimento sustentável e cuidado com o meio ambiente. Isto fará com que todos nós, mineradores e mineradoras artesanais, realizemos nosso trabalho de mineração em melhores condições, com o compromisso de cuidar de nossa saúde e nossa segurança. Desta maneira, vamos reduzir os acidentes e as doenças ocupacionais, e teremos locais e comunidades onde os demais companheiros mineradores, nossas famílias, nossas esposas e nossos filhos possuirão uma qualidade de vida segura em ambientes dos quais poderemos desfrutar sem maiores riscos, convivendo em harmonia com nossas atividades produtivas. É muito importante que nos legalizemos para obter a propriedade de nossas jazidas minerais. Como todos sabemos, os recursos minerais não são renováveis, por isso possuir uma jazida mineral própria nos dá a segurança para realizar novos investimentos visando aumentar a nossa produção e ter outro lugar onde

2 trabalhar quando a primeira zona se esgotar; assim nossas organizações poderão crescer. Além disso, a união com outras organizações, para a troca de experiências e a formação de alianças estratégicas de ajuda mútua fortalecerão o desenvolvimento organizacional de nossa mineração artesanal e das comunidades. Como mineradores legalizados temos direitos e obrigações. É um compromisso com nosso país, e com a sociedade como um todo, respeitar o entorno onde trabalhamos, cuidar do meio ambiente, não contaminar os cursos d água porque outros também utilizam esse recurso -, cuidar das florestas que são nossos pulmões, e dar um tratamento seguro aos resíduos que geramos em nossas comunidades. O cumprimento dessa responsabilidade ajuda a melhorar nossa qualidade de vida e é um exemplo para nossos filhos e para as gerações futuras. Esta publicação é uma ajuda para os mineradores e as organizações que querem ser responsáveis, e também para aqueles que ainda não estão convencidos de que trabalhar na mineração- em condições de legalidade, segurança e respeito, melhorando a qualidade de vida- garantirá benefícios a todos. Façamos a mineração artesanal sustentável ao longo do tempo, para que ajude no desenvolvimento de nossas comunidades e no crescimento de nosso PAÍS. Manuel Reinoso Rivas Presidente AMASUC Associação de Mineradores Artesanais do Centro e Sul do Peru. Introdução Este guia para a MAPE responsável é o resultado de um trabalho coletivo realizado pela rede RESPOMIN e coordenado pela Aliança para a mineração responsável(arm) na América Latina. Nossos membros incluem mineiros filiados a ASM, ONGs, acadêmicos, líderes comunitários, autoridades governamentais e joalheiros e comerciantes de metais preciosos, que vêm trabalhando juntos desde 2003 para desenvolver uma nova visão de responsabilidade na Mineração Artesanal e de Pequena-Escala. Estamos convencidos de que é fundamental para os países em desenvolvimento ter um setor de mineração artesanal e de pequena escala vibrante, responsável e legalizado. Porque apesar de seus problemas ambientais, trabalhistas e da informalidade, ele gera uma grande quantidade de empregos e cadeias produtivas locais. Por essa razão, acreditamos que a MAPE pode ser o motor do desenvolvimento sustentável de regiões e localidades mineradoras se ela for incorporada por nossos governantes como uma estratégia central na luta contra a pobreza. Sob a denominação mineração artesanal e de pequena escala (MAPE) referimo-nos às atividades que pequenos mineradores e mineradoras realizam em torno das jazidas minerais cujas características geológicas permitem uma exploração mais simples. Isto inclui mineradores e mineradoras artesanais que trabalham individualmente, em grupos familiares ou agrupados em diversas formas de organização, de acordo com sua evolução organizacional e tecnológica. Existem abundantes jazidas minerais, tais como os depósitos em praias de rios, planícies aluviais e afloramentos de minas subterrâneas, cujas características determinam a possibilidade de serem exploradas com um reconhecimento geológico simples, sem necessidade de uma etapa de exploração prévia, e cuja extração

3 pode ser realizada por meio de técnicas simples, e cujo processamento pode ser igualmente simples e feito localmente. Tudo isso configura uma dinâmica social, econômica, técnica e produtiva própria daquilo que se denomina MAPE. O que faz deste tipo de mineração uma oportunidade fantástica é o fato de que se trata de uma atividade que pode ser realizada por comunidades pobres já que os investimentos necessários são modestos e as técnicas e conhecimentos são simples, exigindo principalmente o uso de mão-de-obra. Por isso a MAPE pode cumprir um papel importante na geração de emprego e no combate à pobreza. No entanto, a história recente nos mostra que esta oportunidade econômica pode se transformar num grande problema ambiental e social se a atividade não for regulamentada de forma apropriada, ou se for ignorada ou deixada em segundo plano pela legislação e se não forem implementadas políticas e programas que apóiem os esforços que as comunidades e organizações de MAPE vêm realizando para se integrar à economia formal e para se converter em empresas eficientes tecnicamente e economicamente, bem como socialmente e ambientalmente responsáveis. A partir desta perspectiva, nós membros da RESPOMIN construímos de maneira participativa uma visão e alguns princípios para nos orientar acerca do que queremos dizer quando falamos de responsabilidade ambiental e social. Além disso, declaramos que a MAPE responsável se compromete com os esforços globais para atingir as Metas de Desenvolvimento do Milênio e com a Declaração sobre Desenvolvimento Sustentável da Conferência das Nações Unidas sobre Ambiente e Desenvolvimento. Visão de Quirama para a MAPE Responsável A MAPE é uma atividade formalizada, organizada e lucrativa que utiliza tecnologia eficiente e é socialmente e ambientalmente responsável; ela se desenvolve cada vez mais dentro de um ambiente de boa governança, legalidade, participação e respeito à diversidade; ela aumenta sua contribuição na geração de trabalho digno, desenvolvimento local, redução da pobreza e paz social em nossos países, estimulada por uma crescente demanda dos consumidores por minerais sustentáveis e joalheria ética Os princípios específicos que devem reger a Mineração Artesanal e de Pequena Escala são: respeito aos direitos humanos, trabalho digno, a MAPE como geradora de melhor qualidade de vida e desenvolvimento humano sustentável para as comunidades, legalidade de todas as suas operações, proteção ambiental, eqüidade de gênero e respeito à diversidade cultural. Este guia para a MAPE Responsável possui duas seções: A primeira é uma explicação detalhada de seus princípios e do que estes significam na prática cotidiana da MAPE. A segunda seção oferece um exercício de auto-avaliação para os mineradores e as organizações de MAPE, a partir da qual podem identificar suas forças e debilidades e, se assim desejarem, podem empreender ações concretas dentro de suas organizações para melhorar. Se vocês aplicarem este guia e suas recomendações, estarão mais próximos de ter acesso à certificação de comércio justo que está sendo promovida pela Asociación por la Minería Responsable [Associação por uma Mineração Responsável], ARM. Isto é interessante, pois existe uma grande demanda por ouro limpo da parte dos consumidores de jóias, que estão dispostos a pagar um prêmio de comércio justo desde que haja uma certificação independente de que os MAPE estão produzindo de modo

4 responsável e de acordo com os requisitos do Padrão de Ouro Artesanal de Comércio Justo. Assim, convidamos vocês a utilizar este guia como uma ferramenta de aprendizagem e auto-avaliação com sua organização. César Mosquera, Gabriela Factor, Maria Laura Barreto e Cristina Echavarría, Comitê Editorial. Esta publicação foi possível graças ao apoio financeiro do Programa Iberoamericano de Ciência e Tecnologia, CYTED, que financiou os trabalhos da rede RESPOMIN nos anos de 2006 e O conteúdo desta publicação é de autoria coletiva dos membros da RESPOMIN (veja a relação no final). Anita Luján se encarregou de redigir e desenhar a publicação, e o comitê editorial se encarregou de revisar e corrigir a versão final.

5 CAPÍTULO I Princípios para uma MAPE responsável Participar de um processo de certificação é uma decisão voluntária que proporciona benefícios aos produtores por meio de acesso a mercados de comércio justo e o pagamento de um prêmio às organizações que sejam certificadas. Para auxiliar os mineradores artesanais e de pequena escala a tomar esta decisão, apresentamos a continuação dos debates/trabalhos em torno dos princípios da MAPE responsável, que são a base para o desenho de um sistema de certificação para produtos de MAPE. Estes princípios de MAPE responsável estão baseados nas Metas de Desenvolvimento do Milênio e na Declaração de Desenvolvimento Sustentável, que são acordos internacionais para reduzir a pobreza e cuidar do planeta. Direitos humanos A MAPE responsável reconhece e respeita os direitos humanos da população não-mineradora em seu território. De mesmo modo, devem ser respeitados os direitos humanos dos mineradores e das mineradoras. A MAPE responsável adota a Declaração Universal dos Direitos Humanos e declarações posteriores da Organização das Nações Unidas (ONU) acerca dos direitos culturais, sociais e econômicos dos indivíduos. Os direitos dos mineradores de pequena escala devem ser respeitados e sua violação denunciada. As organizações comunitárias de MAPE devem respeitar os direitos humanos, bem como os direitos sociais, econômicos, culturais e trabalhistas de cada pessoa envolvida como sendo princípios fundamentais. Isto inclui, expressamente, os direitos das mulheres, crianças, grupos e indivíduos menos favorecidos. Os direitos humanos são inerentes à pessoa humana (ou seja, cada pessoa os tem pelo simples fato de ter nascido) e são inalienáveis (nada pode revogá-los) e imprescritíveis (para toda a vida). É responsabilidade de todos, mas especialmente das autoridades, fazer com que os direitos humanos sejam reconhecidos, respeitados e protegidos. Em 1948, a Assembléia Geral das Nações Unidas aprovou e proclamou a Declaração Universal dos Direitos Humanos. Esta declaração se baseia nos princípios de liberdade, igualdade, fraternidade e não-discriminação. Os direitos são: Direitos de caráter pessoal. Estabelecem que as pessoas não podem ser submetidas à escravidão ou servidão nem a tratamento desumano; Direito do indivíduo em relação à comunidade. Estabelecem o direito de possuir uma propriedade, seja ela individual ou coletiva; Direitos e liberdades políticas. Tratam da liberdade de opinião e expressão; Direitos econômicos, sociais e culturais. Tratam de questões básicas para a dignidade humana como alimentação, saúde, moradia, trabalho, educação e água, entre outros. Os locais em que se desenvolve a MAPE são, em sua maioria, zonas de grande pobreza; as condições de vida são precárias, há escassez de serviços de saneamento básico e de saúde e educação. Muitas vezes, a remuneração que as famílias de

6 mineradores recebem por seu trabalho não lhes permite ter condições de vida dignas. O que acontece com os direitos humanos em sua organização? São cumpridos para todos, ou há algum grupo que está privado de algum de seus direitos? Muitas vezes, os mineradores são vítimas de perseguições e violações de seus direitos. Outras vezes, grupos de mineradores se envolvem na violação de direitos humanos de outras comunidades em seu território. Você conhece algum caso de violação de direitos humanos? Como as autoridades reagiram nestes casos? Como reagiu a comunidade ou a organização? A MAPE responsável deve contar com uma organização que cumpre e zela pelo respeito aos direitos humanos e aos direitos econômicos, sociais e culturais dos mineradores e das mineradoras em seu território. Toda violação aos direitos humanos deve ser denunciada. A organização de mineradores artesanais pode entrar em contato com organizações de direitos humanos ou outras que lhes permitam fazer prevalecer seus direitos. Podem contatar: A Defensoria Pública em seu país. Entre os direitos econômicos e sociais importantes, temos, por exemplo: O direito à água. A grande maioria das comunidades de mineradores artesanais sofre de escassez de água para consumo humano. A água é necessária para a exploração e o processamento do mineral e, às vezes, é um elemento importante na comercialização do mineral (água em troca de mineral). A água pode contaminar-se durante a mineração, afetando as fontes de água para consumo humano e outras atividades, como a agricultura. No deserto do Peru, por exemplo, a obtenção de água está condicionada à venda do mineral a uma empresa. Se os mineradores não vendem a ela o mineral, não recebem água. Este é um caso claro de violação do direito de acesso à água.. As organizações de MAPE responsável devem desenvolver as estratégias necessárias para garantir o abastecimento de água para consumo humano. Associações e Federações de MAPE em seus próprios países (veja anexo). Anistia Internacional em seu país ou na internet: <www.amnesty.org/es (em espanhol)>. Human Rights Watch: <http://www.hrw.org/portuguese/>. Associação para Mineração Responsável: Direito a uma alimentação adequada. As comunidades de mineradores artesanais também apresentam um maior número de casos de desnutrição, principalmente entre as crianças. Isto se deve não somente à falta de quantidade de alimentos, mas também à pouca qualidade e variedade dos alimentos disponíveis

7 nas comunidades de mineradores e aos escassos níveis de educação e informação de mães e pais minerador(as)(es) sobre nutrição infantil. Uma má alimentação não afeta somente as crianças, mas também a saúde e a renda dos mineradores e das mineradoras. Uma organização responsável de mineradores artesanais adota medidas para garantir a segurança alimentar em sua comunidade. Isto significa que ela vai pressionar, reivindicar e trabalhar junto com as autoridades locais na promoção da diversificação econômica local (se o meio ambiente o permitir) ; vai zelar pelo abastecimento e consumo adequado de alimentos; estará atenta ao estado nutricional das pessoas e ao desenvolvimento ótimo dos programas de saúde do Estado. Direito a moradia adequada. As moradias nas comunidades de mineradores artesanais, freqüentemente, são feitas com materiais pouco resistentes ou restos de antigos acampamentos de mineradores, somente reformados, pois acreditam que serão somente moradias temporárias; entretanto, as famílias tendem a ocupar as moradias nestas condições por muitos anos. são tão distantes das cidades que não contam com escolas primárias e/ou secundárias. Na sua comunidade, as crianças têm escola? Eles freqüentam a escola ou a abandonam para ir à mina? A MAPE responsável é aquela em que suas organizações negociam e se esforçam para ter centros de educação em suas comunidades e exigem de seus associados que mandem seus filhos para a escola. Direito à saúde. Este direito é composto por dois aspectos básicos, o primeiro relacionado com as condições de vida e o segundo relacionado aos serviços de saúde, ou seja, se há um centro ou posto de saúde. Em sua comunidade, onde são atendidas as pessoas que ficam doentes ou quando ocorre um acidente na mina? O posto de saúde dispõe dos recursos necessários para atender a população que fica doente? Qual é o pessoal médico de que o centro de saúde dispõe? A população fica doente com freqüência? Quais são as doenças mais freqüentes? E essas doenças são evitáveis, o que é feito para isso? A comunidade que desenvolve uma MAPE responsável é aquela que se esforça para conseguir que todos os membros da comunidade tenham uma área ou terreno onde possam construir sua casa, ou um espaço onde morar. Além disso, negocia junto ao governo para que as moradias contem com os serviços básicos de fornecimento de água potável, saneamento e energia elétrica. Direito à educação. O Estado deve garantir a educação básica gratuita. No entanto, muitas zonas em que se realizam a MAPE

8 Os direitos culturais. A cultura afeta todos os aspectos da vida e pode ser diversa, não existe uma única cultura. Cada grupo de pessoas, dependendo de seu lugar de origem, tem uma cultura, ou uma forma de se alimentar, viver, vestir, falar etc. A cultura é a base da identidade ou pertencimento de cada pessoa ou grupo. Por isso, o respeito às diferenças tais como o idioma, a religião ou a raça, bem como a liberdade de expressão, de associação e de participação na vida política é um elemento importante do respeito aos direitos culturais. Estes direitos são protegidos por acordos internacionais. Nas comunidades de mineradores artesanais muitas vezes se encontram grupos de diferentes origens culturais; a MAPE responsável deve respeitar todas elas e dar-lhes as mesmas oportunidades de desenvolvimento. Os direitos humanos são as liberdades e valores básicos que cabem a cada pessoa por sua natureza e condição de ser humano para garantir uma vida digna. Por isso, a MAPE responsável: Reconhece o direito de todos os mineradores e todas as mineradoras em sua organização, sem nenhuma discriminação. Respeita e zela pelo respeito aos direitos humanos, econômicos, sociais e culturais dos mineradores e das mineradoras Trabalho digno O trabalho na Mineração Artesanal e de Pequena Escala é realizado em condições de liberdade, eqüidade, segurança e dignidade humana, sem trabalho infantil e permitindo que os pequenos produtores, os trabalhadores e suas famílias tenham um nível de vida digno. A necessidade de oferecer a todos os homens e mulheres a oportunidade de ter um trabalho digno foi proposta pela OIT em 1999 e atualmente é reconhecida pelos países como um fator fundamental para superar a pobreza e assegurar a democracia no mundo. O termo trabalho digno não se refere somente à necessidade de ter trabalho em quantidade suficiente para a população; refere-se, também, a um trabalho de qualidade e no qual os direitos fundamentais do trabalhador sejam respeitados, os trabalhadores gozem da proteção da seguridade social e onde se pratique o diálogo social entre trabalhadores, empregadores e autoridades governamentais. Adotar o conceito de trabalho digno na MAPE responsável significa que se deve considerar que todos os mineradores precisam: Formalizar as relações de trabalho. Na MAPE se encontram diversos tipos de trabalho. Há, por exemplo, o trabalho individual ou por conta própria, o trabalho familiar não remunerado, o trabalho em grupos de sócios trabalhadores, o trabalho comunitário e o trabalho dependente, sob diversas modalidades de pagamento ao trabalhador. Em sua comunidade, quais deles existem? Os pequenos mineradores responsáveis que empregam trabalhadores verificam qual é a autoridade competente

9 (normalmente as agências dos Ministérios do Trabalho ou as Prefeituras), que modelo de contrato de trabalho podem utilizar e, depois de assiná-lo com o trabalhador, registram-no junto às autoridades. Realizar seu trabalho em condições seguras e saudáveis. A MAPE responsável cumpre critérios mínimos para um trabalho seguro; para tanto, reconhece a Convenção 155 da OIT sobre prevenção de acidentes e danos à saúde em decorrência do trabalho e a Convenção 176 da OIT sobre Segurança e Saúde na Mineração. Contar com proteção social contra riscos de acidentes, doenças, invalidez e morte pelo trabalho. Atualmente, como a sua comunidade enfrenta uma situação de acidente, morte ou doenças no trabalho? O minerador e a família ficam desamparados? Uma organização de MAPE responsável deve buscar uma cobertura mínima de seus membros ou, pelo menos, dispor de um fundo de solidariedade ao qual se pode recorrer no caso de um acidente. Eliminar qualquer forma de discriminação no trabalho, especialmente das mulheres. A MAPE responsável rejeita qualquer distinção, exclusão ou preferência baseada em motivos de raças, cor, sexo, religião, opinião política, nacionalidade ou origem social que tenha como efeito anular ou alterar a igualdade de oportunidades ou de tratamento no emprego e na ocupação, de acordo com as Convenções 45, 100 e 111 da OIT. Na sua organização são feitas distinções? Algumas pessoas ou grupos não podem entrar na organização? Por exemplo, as mulheres ou os que vivem em outra cidade? Rejeita qualquer forma de trabalho forçado, obrigatório ou escravo. Em algumas comunidades ainda ocorre o trabalho obrigatório (forçado) pelo endividamento dos trabalhadores com o produtor minerador, sua organização ou intermediários. Chegam a reter os salários, reter documentos de identidade ou outros objetos pessoais de valor e a fazer ameaças. Na MAPE responsável não há espaço para o trabalho forçado ou obrigatório, pois a MAPE cumpre as Convenções 29 e 105 da OIT sobre trabalho forçado. Eliminar o trabalho de meninos, meninas e adolescentes. A mineração é uma atividade perigosa que pode impedir ou retardar o desenvolvimento normal dos menores. Por isso, o emprego de menores de 18 anos de idade nesta atividade tem sido considerado, pela OIT, como uma das PIORES FORMAS DE TRABALHO INFANTIL. Ainda que, em muitos países, existe uma cultura de trabalhar desde cedo, com pouca idade, fica claro que na MAPE responsável não se permitirá a exploração de crianças. Devem ser cumpridas as Convenções 138 e 182 da OIT sobre idade mínima para admissão ao emprego (15 anos) e eliminação das Piores Formas de Trabalho Infantil, entre elas, o trabalho perigoso para menores de 18 anos. Na MAPE responsável não se contratam menores de 15 anos e os menores de 18 anos não realizam trabalhos perigosos tais como trabalhar no subsolo, debaixo d água, levantar e transportar cargas pesadas, utilizar explosivos ou substâncias tóxicas como o mercúrio e o cianeto -, ou trabalhar em jornadas noturnas. Na MAPE responsável, as crianças não abandonam a escola pelo trabalho de mineração. E na sua comunidade, quais são as atividades realizadas pelos meninos e meninas? Os adolescentes vão ao interior das minas? Que idéias te ocorrem para que os meninos e meninas deixem o trabalho de mineração? O que pode ser feito com os adolescentes para evitar que deixem os estudos para ir à mina?

10 Qualidade de vida e desenvolvimento humano sustentável Respeitar a liberdade de associação dos trabalhadores (de qualquer tipo). A MAPE responsável reconhece o direito dos trabalhadores de ter a forma de organização que escolherem, seja ela uma associação, uma empresa ou um sindicato. Na sua comunidade, que tipo de organizações de mineradores e mineradoras existem? Os trabalhadores e trabalhadoras têm o direito de se associar em sindicato? Lembre-se: O principal recurso na produção é o capital humano, ou seja, os trabalhadores e trabalhadoras, com toda sua criatividade e conhecimento. Por isso, é importante que os trabalhadores trabalhem em boas condições. Assim, a MAPE responsável: É uma oportunidade das famílias para superar a pobreza por meio de um trabalho digno e seguro, que lhes permita uma vida digna. O trabalho digno não é um custo adicional; pelo contrário, é um fator que melhora a produtividade das empresas e a competitividade dos territórios A Mineração Artesanal e de Pequena Escala deve melhorar a qualidade de vida dos trabalhadores e trabalhadoras, de suas famílias e da comunidade que abriga os empreendimentos da MAPE, respeitando as concepções próprias e as prioridades de cada comunidade. Para a MAPE responsável é importante contribuir para o desenvolvimento, porém esse deve ser um desenvolvimento com eqüidade, com respeito pelo ser humano, pela democracia e pensando no futuro. Há pessoas que pensam que qualidade de vida se refere somente ao dinheiro que se ganha. Mas, seguramente, já vimos famílias e comunidades de mineradores que, apesar do aumento na renda, continuam em condições de pobreza, sem melhorar suas moradias, sua alimentação ou educação. Alguns poucos enriquecem às custas de outros e gastam o dinheiro em luxos passageiros. Trabalha-se para o dia de hoje, consumindo os recursos naturais e gerando contaminação, sem reinvestir para melhorar ou mudar a situação de pobreza: pão para hoje e fome amanhã. Um desenvolvimento assim não é humano nem sustentável! A MAPE responsável entende que o Desenvolvimento Sustentável é um processo de mudanças que ocorrem de maneira progressiva na qualidade de vida das pessoas. Isto ocorre quando o crescimento econômico se faz com justiça social e a forma de produção não destrói a natureza. O bem-estar das pessoas é considerado tanto o objetivo quanto o motor do desenvolvimento. Nas comunidades de mineradores artesanais, a maioria dos serviços (comunicação, saúde, educação) surge com a

11 contribuição de mineradores e mineradoras. Estes são uma grande conquista que deve ir melhorando até que se tenha uma comunidade na qual todos se beneficiam do desenvolvimento proporcionado pela mineração. O desenvolvimento sustentável é uma combinação de desenvolvimento econômico, desenvolvimento social e proteção do meio ambiente. Um quarto elemento, chamado de governança, é a forma como se tomam as decisões sobre como utilizar o território e seus recursos. Por exemplo, se estamos dispostos a sacrificar uma floresta com grande diversidade biológica para extrair o ouro que está por baixo. A Governança é a arte da participação informada nas decisões sobre nosso território e nossa comunidade: Quem decide os temas para as consultas e reuniões? Como se decide quem serão os representantes legítimos para tomar decisões em nome da comunidade? Quem decide os prazos, as datas e lugares das reuniões? Como se decide o que é mais importante: a mina ou a floresta? Há procedimentos claros para a tomada de decisão e todos estão informados para poder participar? O desenvolvimento econômico: um empreendimento de mineração deve ser rentável, proveitoso; mas também deve criar oportunidades econômicas não-mineradoras. Na mineração em grande escala, muitos bens e serviços são importados, mas na medida em que a MAPE vai se desenvolvendo numa localidade, são criadas aglomerações produtivas de suprimento de bens e serviços, tanto relacionadas com a mineração e a comunidade de mineradores quanto com a transformação do mineral, por meio do estabelecimento de oficinas/engenhos ou indústrias de beneficiamento, a criação de cadeias de joalheria para agregação de valor ao metal e geração de empregos locais, e até restaurantes, alojamentos e lojas. A MAPE responsável deve ter como meta a geração de oportunidades econômicas para a comunidade local. O desenvolvimento social refere-se às conseqüências sociais da atividade de mineração. O desenvolvimento social leva à melhoria nas condições de acesso a saúde, educação, moradia e lazer dos trabalhadores (condições de trabalho, nível salarial, etc.), dos fornecedores, dos clientes e das comunidades locais. Proteção ambiental: a atividade da empresa deve permitir a manutenção da saúde da comunidade, da biodiversidade do ecossistema e dos recursos naturais do território. Isto inclui, por exemplo, fazer uso racional da água, realizar práticas de recuperação ambiental de acordo com o ecossistema local, dispor os resíduos e efluentes de maneira segura, utilizar reagentes poluidores como o cianeto e o mercúrio de maneira responsável, buscando reduzir ou substituir o mercúrio pela utilização de tecnologias mais limpas. Os mineradores responsáveis sejam eles organizações de base comunitária ou pequenos empresários que contratam trabalhadores contribuem para a melhoria da qualidade de vida e o desenvolvimento humano sustentável, pois são mineradores e mineradoras ativos que, como integrantes da comunidade, contribuem para o desenvolvimento social e econômico de seus membros e suas comunidades. A MAPE responsável tem, também, uma grande responsabilidade com os trabalhadores migrantes, a que devem tratar sem discriminação; eles, por sua vez, devem contribuir com a comunidade local enquanto vivem nela.

12 Legalidade Lembre-se: O desenvolvimento sustentável e com eqüidade deve ser um processo de abertura de oportunidades para todos, a partir do qual as comunidades melhoram sua qualidade de vida. Por isso, a MAPE responsável: Utiliza os recursos naturais para satisfazer as necessidades da comunidade no presente, sem afetar o uso dos recursos no futuro. Reconhece que a organização dos produtores é fundamental e que esta deve ser um instrumento para o desenvolvimento social e econômico dos membros, suas famílias e da comunidade local. Os benefícios da MAPE responsável devem chegar a todos os membros da organização e a seus trabalhadores. A organização deve, portanto, ter uma estrutura democrática e uma administração transparente. A legalização da Mineração Artesanal e de Pequena Escala é uma condição fundamental e necessária, mas não suficiente, para conseguir alcançar a responsabilidade social e ambiental de maneira sustentável e a licença social para a MAPE. Este princípio refere-se à forma de atuação das instituições e organizações do Estado, bem como à atuação dos produtores mineradores, que deve estar de acordo com a lei e as normas e políticas existentes para a MAPE em cada país. Em alguns países, a MAPE não é reconhecida legalmente. Os governos têm preferido desenvolver uma política de mineração baseada em investimentos internacionais ou permitindo somente o desenvolvimento de mineração de média e grande escala. Isto tem gerado o aumento da informalidade no setor. Nos países onde há leis que regulamentam a MAPE, a MAPE responsável está devidamente registrada e funciona de acordo com a legislação e as normas. Os mineradores e suas organizações, as autoridades locais e regionais de todos os setores que têm um papel relacionado com a MAPE e Ministérios (de Minas e Energia, do Meio Ambiente, do Trabalho, etc.) devem atuar com base nas leis existentes. Porém, como atuar no caso de essas leis não existirem? O que se pode fazer quando não é possível aplicar as leis? Os mineradores e as mineradoras devem fortalecer suas organizações e suas lideranças, e se unir em nível nacional e internacional para ter influência política para aprovar leis apropriadas para a MAPE.

13 Em teu país, existem leis e políticas de Estado relacionadas com a MAPE? As referidas leis são apropriadas para que se possa desenvolver uma MAPE de maneira plena e responsável? Quais são as falhas nas leis? E na sua comunidade, na sua região, estas leis são cumpridas ou seu cumprimento é exigido? Porque não são cumpridas? A legalização é um passo fundamental, mas não suficiente para alcançar uma MAPE socialmente e ambientalmente responsável: é necessário que as políticas públicas estejam integradas. Isto significa que as políticas que existem em cada região onde se desenvolve a MAPE devem integrar aspectos econômicos (melhorar a produtividade, novas tecnologias, acesso a crédito e comercialização, etc.) com outros aspectos sociais, tais como o desenvolvimento local, o cuidado com a natureza, os direitos trabalhistas e o exercício da cidadania. Lembre-se: A legalização da Mineração Artesanal e de Pequena Escala é uma condição indispensável, é fundamental e necessária. Não é possível alcançar uma MAPE responsável se não for uma atividade legalizada. Eqüidade de gênero Nas organizações e nas iniciativas de Mineração Artesanal e de Pequena Escala responsável deve existir eqüidade entre homens e mulheres nos direitos, no acesso ao recurso e no uso das instalações, bem como na participação e na influência na tomada de decisões dentro da organização. Nas organizações, processos e aspectos em que não há eqüidade, devem ser tomadas medidas e realizadas ações para alcançá-la. As mulheres representam um grande percentual da força de trabalho na mineração artesanal e de pequena escala quando comparado com as operações de mineração de grande escala. Anteriormente, acreditava-se erroneamente que as mulheres não trabalhavam na mineração, que as mulheres somente ajudavam os homens com o moinho e levando a comida, entre outros. Mas agora as coisas mudaram e se reconhece que elas têm um papel importante. As mulheres trabalham inclusive dentro das minas ainda que, em alguns países, isso seja proibido por lei. A MAPE responsável reconhece expressamente que as mulheres são trabalhadoras na mineração; esse reconhecimento deve ocorrer também na prática. A eqüidade de gênero refere-se à igualdade de oportunidades para homens e mulheres, e a atenção às respectivas necessidades levando em conta suas diferenças. Desta maneira, todos os homens e mulheres da organização mineradora têm o mesmo acesso aos recursos existentes para seu trabalho, e podem usá-los de acordo com suas necessidades e cumprindo procedimentos que são iguais para todos e todas. Quando falamos de recursos, não são somente os recursos naturais ou o dinheiro em espécie.

14 Lembre-se: O acesso aos recursos naturais, econômicos, políticos e sociais determina o acesso às oportunidades de desenvolvimento. Por isso, uma MAPE responsável: Reconhecerá as mesmas oportunidades a homens e mulheres. Assegurará que as mulheres recebam o mesmo salário que os homens pela mesma atividade ou função. Dará oportunidade de participação em igualdade de condições a homens e mulheres. Recursos econômicos ou produtivos. Referese ao acesso ao crédito, ferramentas, renda e tecnologia. Quer dizer que tanto os homens quanto as mulheres devem poder solicitar créditos nas agências bancárias. Também quer dizer que ambos devem receber o mesmo pagamento pela realização do mesmo tipo de trabalho e ter a mesma oportunidade de dispor de ferramentas e tecnologias adequadas às suas necessidades para realizar seu trabalho. Recursos políticos. Refere-se a que homens e mulheres devem ter igual possibilidade de chegar aos postos de decisão e direção. O mesmo vale para o acesso às instituições, organizações, grupos e redes de interesse e ao controle dos mesmos. Quantas mulheres em sua comunidade exercem postos de decisão e direção? Com quem as empresas negociam: com os homens ou com as mulheres? As mulheres mineradoras possuem uma organização própria em sua comunidade? Recursos sociais. Referem-se, principalmente, ao acesso à formação e especialização profissional, à saúde e à informação. O acesso aos recursos sociais é de suma importância porque se os homens e as mulheres não estão capacitados e/ou informados, não podem exercer seus direitos aos recursos de propriedade, econômicos e políticos. Na sua comunidade de mineradores, quem são os que mais têm acesso à capacitação: homens ou mulheres? Qual o tipo de capacitação que recebem os homens e as mulheres com maior freqüência? Qual é a capacitação de que necessitam? Quem é que têm maiores problemas de saúde e precisa ir aos hospitais, homens ou mulheres? Multiculturalidade A Mineração Artesanal e de Pequena Escala na América Latina é diversa e se desenvolve num espaço de diversidade étnica e cultural. Nos locais onde indígenas ou outros grupos étnicos são os proprietários do território e diferentes dos mineradores em si, as organizações de MAPE devem realizar consultas, com respeito pelas práticas culturais locais, a fim de chegar a acordos com a autoridade e a comunidade tradicional local acerca dos impactos e benefícios das atividades de mineração e comércio naquele território étnico. Na América Latina existem diferentes povos e culturas que compartilham um mesmo espaço geográfico e social. Há quem acredite que isto é um problema, mas na realidade é a razão da grande riqueza cultural da América Latina. A MULTICULTURALIDADE é a primeira expressão dessa diversidade cultural, que promove a não-discriminação por

15 razões de raça ou cultura, a celebração e o reconhecimento da diferença cultural bem como o direito a ela. Na América Latina existem comunidades aborígines e afro, descendentes dos habitantes originais da América e dos escravos africanos. Na sua condição de grupos étnicos, eles são reconhecidos por leis e instituições internacionais e, em alguns países, conseguiram o reconhecimento de direitos coletivos sobre alguns territórios tradicionais. Estes direitos especiais reconhecem a desvantagem histórica destes grupos e buscam compensá-los para reduzir sua marginalidade. Os grupos étnicos possuem sistemas próprios de tomada de decisões, inclusive instituições sociais próprias e políticas e sistemas de reciprocidade (intercâmbio) e de redistribuição da riqueza. Também têm um apego especial ao território, portanto, é importante reconhecer e respeitar tais regras para levar adiante uma MAPE responsável no território de grupos étnicos. A sua mina está localizada em um território tradicional de indígenas ou Lembre-se: afrodescendent es? Se for assim, você A MAPE responsável também deve levar em pediu conta o espírito da Convenção 169 da OIT, autorização sobre a consulta prévia a povos indígenas ou para realizar as grupos étnicos quando se vai realizar alguma atividades de atividade ou projeto em seus territórios. A mineração neste MAPE responsável nunca é realizada indo contra território? A os desejos da comunidade local. comunidade de mineradores é formada por comunidades indígenas ou de afrodescendentes? Quais são? Seus integrantes têm os mesmos direitos e oportunidades de participar em todas as ações da MAPE? Você identificou suas principais autoridades e tem falado com elas sobre a MAPE e os benefícios ou danos que traz para eles? Sua organização tem respeitado os locais sagrados e as práticas religiosas e culturais dos indígenas? A MAPE também é realizada por grupos sociais como as cooperativas na Bolívia, cujas formas de organização e relações se estabeleceram sob uma história de luta sindical, com tradições e costumes próprios. Por isso, devem ser respeitados e não discriminados em qualquer tipo de negociação social ou empresarial. Em outros lugares, os grupos sociais das comunidades de MAPE são forasteiros, pessoas que migram para as zonas onde se encontra o metal, buscando uma nova oportunidade, muitas vezes em uma dinâmica de febre do ouro. Trazem consigo seus próprios sistemas de organização e relações. É importante para a convivência pacífica dos grupos de forasteiros com os locais contar com uma licença social, que é a aceitação dos residentes originários e o acordo de procedimentos pactuados sobre manejo dos impactos e distribuição de benefícios. Por tudo isso, a MAPE responsável deve reconhecer e respeitar essas diferenças e semelhanças e levá-las em conta em todas suas ações, em todos os espaços e em todas as decisões.

16 Proteção ambiental A MAPE responsável deve contribuir com a proteção do meio ambiente e da saúde humana, bem como com a recuperação ecológica em sua área de operação e em suas comunidades. Nas organizações e operações de mineração em que são utilizadas substâncias tóxicas e naquelas em que os rejeitos da mina são lançados nos corpos d água, e onde a diversidade biológica é afetada de modo negativo pelas operações de mineração, devem ser tomadas medidas para identificar, manejar e reduzir os impactos negativos. Os impactos ambientais provocados pela MAPE são talvez a maior preocupação da sociedade em geral, de um crescente número de consumidores de jóias produzidas com ética e também dos próprios mineradores. Entre os impactos que são considerados provocados pela mineração artesanal de ouro estão: A contaminação do ar, água e solo com mercúrio; A contaminação das águas com cianeto e outras substâncias tóxicas, inclusive combustíveis e dejetos humanos; A disposição direta da água da lavagem e efluentes nos rios e em outros corpos d água; Os perigos de desastres naturais, incluindo movimentos descendentes de solo e material rochoso, e avalanches sobre zonas povoadas ou reservas naturais causadas pelo rompimento de represas para lavagem de minério ou localizados em zonas de risco de terremoto, ou por taludes mal construídos; Danos devidos a desmatamento e erosão do solo; Destruição da paisagem. Por estes motivos, alguns grupos duvidam que a mineração possa ser realizada de uma maneira ambiental e socialmente responsável e defendem a proibição da mineração, independente de sua escala. Por isso devemos demonstrar que a MAPE também pode ser ambientalmente responsável!!! Ainda que pareça difícil e caro, uma MAPE responsável agora dispõe de várias alternativas para contribuir para a proteção ambiental e a recuperação ecológica em suas operações e áreas de influência. Preste atenção no que você deve fazer se quiser desenvolver uma MAPE ambientalmente responsável: Se sua atividade de mineração estiver localizada em um parque nacional ou uma área protegida, você deve ter uma autorização especial da autoridade competente que certifique a viabilidade ambiental. No Brasil, o procedimento normalmente utilizado consiste em requerer a licença ambiental por vias normais, como se estivesse prestes a operar em uma área que não possui as características mencionadas. Nestas condições, o próprio órgão licenciante é quem irá solicitar ao requerente uma anuência do órgão responsável pelo gerenciamento da área. Ou seja, ao invés de uma licença especial, haveria uma licença acrescida de uma anuência. Se você for introduzir qualquer mudança tecnológica, essa deve estar acompanhada de um plano de redução de impacto ambiental. Por exemplo, se você for introduzir

17 monitores ou bombas de água, você deve evitar que o rio se encha de lama. A água é um dos elementos mais importantes para a vida!!!. Portanto devemos contribuir para sua conservação e não contaminá-la!!! Na sua atividade de mineração, procure reduzir a descarga de lama nos corpos d água, construindo piscinas de sedimentação antes de lançar os dejetos no rio e, se possível, recicle a água das instalações de lavagem. NUNCA aplicar mercúrio em todo o minério moído. Primeiro deve-se concentrar o mineral para, então, aplicar mercúrio somente no concentrado. Deste modo, não só economizamos mercúrio, mas também garantimos uma redução na quantidade de mercúrio que pode chegar à natureza. SEMPRE devemos usar retortas para recuperar o máximo de mercúrio, para que não chegue ao ar, nem à água, nem ao solo. Para o comércio justo, o uso da retorta será obrigatório depois do primeiro ano de certificação. A queima da amálgama deve ser realizada em instalações próprias, com equipamento apropriado e por pessoal treinado, em condições de isolamento e segurança. O mercúrio. Um inimigo traiçoeiro! Um dos principais problemas ambientais da MAPE é o uso de reagentes como o mercúrio, o qual NUNCA desaparece da natureza; pelo contrário, acumula-se nos seres vivos até causar doenças e, muitas vezes, mutações genéticas. O mercúrio não mata instantaneamente, como o cianeto, provoca a morte lentamente e por isso quase não percebemos e acreditamos que não faz nada. Devemos ter como meta melhorar nossos processos de beneficiamento, buscando eventualmente erradicar totalmente o uso do mercúrio. Enquanto isso, devemos fazer mudanças importantes para reduzir a quantidade de mercúrio que chega à natureza. Como por exemplo:

18 Lembre-se: A Terra é o único planeta que nós e nossas futuras gerações temos para viver. O cianeto. Morte instantânea por descuido! Se seguir estas indicações você pode estar a caminho de alcançar os padrões Ainda que de responsabilidade ambiental tenhamos mais necessários para a certificação de ouro medo do cianeto de comércio justo. Se conseguir devido à sua abandonar completamente o uso do ação imediata, é mercúrio, você poderá obter uma fato que é mais certificação especial que confere um fácil de prêmio ecológico adicional além daquele manuseá-lo e conferido pelo selo de comércio justo. controlá-lo. Além disso, o uso correto do cianeto garante a recuperação do ouro fino que não consegue ser capturado pelo mercúrio. Ao contrário do mercúrio que nunca desaparece o cianeto se evapora e seu poder letal desaparece quando entra em contato com a luz e o ar. Os maiores riscos do cianeto são: misturá-lo com mercúrio; deixar que chegue às fontes d água subterrâneas, onde pode manter seu poder letal; ou vazamentos acidentais devido ao manuseio errado. processo. Os operadores das unidades de queima de amálgama devem ser capazes de controlar, pelo menos, o ph e a concentração adequados de cianeto. ISSO JÁ É UMA GRANDE CONTRIBUIÇÃO!!! NUNCA se deve usar cianeto numa mistura que já foi tratada com mercúrio. Esta prática perigosa é a causa da formação de compostos de mercúrio e cianeto que persistem para sempre na natureza e causam muitas doenças letais. Atualmente, há muitos esforços da parte de ONGs e instituições de governo que têm levado ao desenvolvimento de normas em relação à mineração, visando a proteção ambiental. Os mineradores responsáveis devem conhecer as leis e políticas para a MAPE de seus países e cumprir os procedimentos para obter a licença ambiental. Se você utiliza cianeto no processamento do mineral, o primeiro passo é buscar ajuda para treinamento no manuseio correto do cianeto e controle adequado dos parâmetros do

19 Segunda Parte: OURO SUJO, OURO LIMPO, OURO ÉTICO, OURO VERDE COMO É O OURO QUE PRODUZIMOS EM MINHA MINA? Vejamos se teu empreendimento está a caminho de ser uma MAPE responsável ou já é!!! Quanto mais conhecer e aplicar os princípios descritos na primeira parte... mais próximo estará de consegui-lo. Qualifique sua organização e seu empreendimento... e, em seguida, l qualifique outros que conheça!!! Em seguida você tem uma lista de perguntas: são perguntas sobre o desafio MAPE de ouro responsável. Marque com um X no quadro de respostas aquela que você acredita ser a mais próxima da sua realidade. Perguntas de ouro!! Direitos Humanos, Econômicos, Sociais e Culturais 1 Na sua comunidade, vocês se organizaram e reivindicaram água Não, e não fazemos nada a respeito Não, mas estamos planejando Sim potável para todos? 2 Na sua comunidade, são desenvolvidos programas para as crianças que sofrem de desnutrição? 3 As pessoas de sua comunidade possuem título de propriedade de suas casas? 4 Existem escolas para as crianças em sua localidade? 5 Existem centros de saúde e profissionais de saúde em sua localidade? 6 Sua organização tem acesso à internet, ou existem telecentros em sua cidade? Quantas pessoas da organização sabem utilizá-los? 7 Na sua organização, é

20 proibida a entrada de alguns trabalhadores ou de sócios/sócias por serem diferentes dos demais? Quais? 8 Sua organização se preocupa com sua comunidade e dá contribuições para melhorar a qualidade de vida de todos? Trabalho Digno 9 Na sua organização, os mineradores e mineradoras utilizam equipamento de proteção? 10 Quando um minerador sofre um acidente, a organização dispõe de um fundo para amparar ao minerador ou a sua família? 11 Na sua organização, existem regras para parar pessoas obrigadas a fazer alguns trabalhos por causa de dívidas ou outros motivos? [ 12 Na sua organização existem crianças trabalhando ou ajudando seus parentes nas minas 13 Os trabalhadores de sua organização têm o direito de organizar-se para negociar melhores condições? Qualidade de vida e desenvolvimento humano sustentável 14 Em sua comunidade, há outros negócios e atividades produtivas além da mineração? 15 Sua organização se preocupa com o

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente

Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Ciências Humanas e Suas Tecnologias - Geografia Ensino Médio, 3º Ano Principais Conferências Internacionais sobre o Meio Ambiente Prof. Claudimar Fontinele Em dois momentos a ONU reuniu nações para debater

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série

PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série PROFª CLEIDIVAINE DA S. REZENDE Disc. Sociologia / 1ª Série 1 - DEFINIÇÃO Direitos e deveres civis, sociais e políticos usufruir dos direitos e o cumprimento das obrigações constituem-se no exercício da

Leia mais

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997

DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 DECLARAÇÃO FINAL Quebec, 21 de setembro de 1997 Reunidos na cidade de Quebec de 18 a 22 de setembro de 1997, na Conferência Parlamentar das Américas, nós, parlamentares das Américas, Considerando que o

Leia mais

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil

UIPES/ORLA Sub-Região Brasil 1 A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE NO MUNDO GLOBALIZADO 1 Introdução Área de atuação. A Carta de Bangkok (CB) identifica ações, compromissos e garantias requeridos para atingir os determinantes

Leia mais

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil

CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil CARTA DA TERRA Adaptação Juvenil I TRODUÇÃO Vivemos um tempo muito importante e é nossa responsabilidade preservar a Terra. Todos os povos e todas as culturas do mundo formam uma única e grande família.

Leia mais

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986

CARTA DE OTTAWA. PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 CARTA DE OTTAWA PRIMEIRA CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE PROMOÇÃO DA SAÚDE Ottawa, novembro de 1986 A Primeira Conferência Internacional sobre Promoção da Saúde, realizada em Ottawa, Canadá, em novembro

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS DECLARAÇÃO UNIVERSAL SOBRE O GENOMA HUMANO E OS DIREITOS HUMANOS A Conferência Geral, Lembrando que o Preâmbulo da Carta da Unesco refere-se a os princípios democráticos de dignidade, igualdade e respeito

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 3 COMBATE À POBREZA ÁREA DE PROGRAMAS Capacitação dos pobres para a obtenção de meios de subsistência sustentáveis Base para

Leia mais

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611

Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 Metalúrgica JORBA Indústria e Comércio Ltda. Av. Emilio Giaquinto, 177 Parque Novo Mundo São Paulo SP CEP: 02181-110 Fone/Fax: (55-11) 2632-2611 CNPJ: 61.460.077/0001-39 / INSCR: 105.657.106.110 Gestão

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI)

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) - 1 - ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS AMERICANOS Conselho Interamericano de Desenvolvimento Integral (CIDI) ANEXO I PRIMEIRA REUNIÃO INTERAMERICANA DE MINISTROS OEA/Ser./XLIII.1 E ALTAS AUTORIDADES DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil

Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Declaração de Brasília sobre Trabalho Infantil Nós, representantes de governos, organizações de empregadores e trabalhadores que participaram da III Conferência Global sobre Trabalho Infantil, reunidos

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014

CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 CÓDIGO DE CONDUTA DO FORNECEDOR SODEXO APRIL 2014 Índice INTRODUÇÃO INTEGRIDADE NOS NEGÓCIOS DIREITOS HUMANOS E DIREITOS FUNDAMENTAIS NO TRABALHO Eliminação de todas as formas de trabalho forçado ou compulsório

Leia mais

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros.

Índice. 4. Princípios Os seguintes princípios norteiam as ações de Responsabilidade Socioambiental da Chevrolet Serviços Financeiros. Índice 1. Objetivo... 1 2. Escopo e Partes Afetadas... 1 3. Definições... 1 4. Princípios... 1 5. Objetivos, metas e programas... 2 6. Papéis e Responsabilidades... 5 7. Regulamentação Aplicável... 6 1.

Leia mais

Declaração de Santa Cruz de la Sierra

Declaração de Santa Cruz de la Sierra Reunião de Cúpula das Américas sobre o Desenvolvimiento Sustentável Santa Cruz de la Sierra, Bolivia, 7 ao 8 de Dezembro de 1996 Declaração de Santa Cruz de la Sierra O seguinte documento é o texto completo

Leia mais

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012

Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 Marcha Global contra o Trabalho Infantil Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil na Agricultura Washington DC, EUA 28-30 julho, 2012 MARCO DE AÇÃO A Conferência Internacional sobre Trabalho Infantil

Leia mais

Política de Sustentabilidade

Política de Sustentabilidade Política de Sustentabilidade Sul Mineira 1 Índice Política de Sustentabilidade Unimed Sul Mineira Mas o que é Responsabilidade Social? Premissas Básicas Objetivos da Unimed Sul Mineira Para a Saúde Ambiental

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Prefeitura Municipal de Jaboticabal

Prefeitura Municipal de Jaboticabal LEI Nº 4.715, DE 22 DE SETEMBRO DE 2015 Institui a Política Municipal de estímulo à produção e ao consumo sustentáveis. RAUL JOSÉ SILVA GIRIO, Prefeito Municipal de Jaboticabal, Estado de São Paulo, no

Leia mais

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial,

implementação do Programa de Ação para a Segunda Década de Combate ao Racismo e à Discriminação Racial, 192 Assembleia Geral 39 a Sessão suas políticas internas e exteriores segundo as disposições básicas da Convenção, Tendo em mente o fato de que a Convenção está sendo implementada em diferentes condições

Leia mais

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS

PROGRAMA DE ADOÇÃO DE PRINCÍPIOS SOCIOAMBIENTAIS A Copagaz A Copagaz, primeira empresa do Grupo Zahran, iniciou suas atividades em 1955 distribuindo uma tonelada de Gás Liquefeito de Petróleo - GLP por dia nos estados de São Paulo, Mato Grosso e Mato

Leia mais

Código. de Conduta do Fornecedor

Código. de Conduta do Fornecedor Código de Conduta do Fornecedor 03/2014 Índice 1. Considerações... 03 2. Decisões... 04 3. Diretrizes... 05 3.1. Quanto à Integridade nos Negócios... 05 3.2. Quanto aos Direitos Humanos Universais... 06

Leia mais

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com

Reflexões sobre Empresas e Direitos Humanos. Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com Reflexões sobre Empresas e Leticia Veloso leticiahelenaveloso@outlook.com PRINCÍPIOS ORIENTADORES SOBRE EMPRESAS E DIREITOS HUMANOS (ONU, 2011): 1. PROTEGER 2. RESPEITAR 3. REPARAR Em junho de 2011, o

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS

CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS CAPÍTULO VI - AVALIAÇÃO DE RISCOS, PROCESSOS DECISÓRIOS E GERENCIAMENTO DE RISCOS VI.1. Introdução A avaliação de riscos inclui um amplo espectro de disciplinas e perspectivas que vão desde as preocupações

Leia mais

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR

DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR DECLARAÇAO DE NYÉLÉNY FÓRUM MUNDIAL PELA SOBERANIA ALIMENTAR Nyéléni, Selingue, Malí Quarta-feira 28 de fevereiro de 2007 Nós, mais de 500 representantes de mais de 80 paises, de organizações camponesas,

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global

Os 10 Princípios Universais do Pacto Global Os 10 Princípios Universais do Pacto Global O Pacto Global advoga dez Princípios universais, derivados da Declaração Universal de Direitos Humanos, da Declaração da Organização Internacional do Trabalho

Leia mais

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude

Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011. 66/121. Políticas e programas voltados à juventude Organização das Nações Unidas A/RES/66/121 Assembleia Geral Distribuição: geral 2 de fevereiro de 2012 65 a sessão Item 27 (b) da pauta Resolução adotada pela Assembleia Geral em 19 de dezembro de 2011

Leia mais

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Não discriminação e igualdade de oportunidades: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora Escritório da OIT no Brasil Brasília, 3 de

Leia mais

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente

Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Igualdade de oportunidades e não discriminação: elementos centrais da Agenda do Trabalho Decente Laís Abramo Socióloga, Mestre e Doutora em Sociologia Diretora do Escritório da OIT no Brasil Salvador,

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO

PROGRAMAÇÃO DO EVENTO PROGRAMAÇÃO DO EVENTO Dia 08/08 // 09h00 12h00 PLENÁRIA Nova economia: includente, verde e responsável Nesta plenária faremos uma ampla abordagem dos temas que serão discutidos ao longo de toda a conferência.

Leia mais

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO VEJA RIO+20 1. United Nations Conference on Environment and Development UNCED (ECO-92) DECLARAÇÃO DO RIO DE JANEIRO SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO Abstract: A declaração final da ECO-92 acenou para

Leia mais

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento

Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, tendo se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 14 de junho de 1992, reafirmando

Leia mais

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO

CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO CONFERÊNCIA DAS NAÇÕES UNIDAS SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO CAPÍTULO 30 FORTALECIMENTO DO PAPEL DO COMÉRCIO E DA INDÚSTRIA INTRODUÇÃO 30.1. O comércio e a indústria, inclusive as empresas transnacionais,

Leia mais

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS

OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS OIT DESENVOLVIMENTO DE EMPRESA SOCIAL: UMA LISTA DE FERRAMENTAS E RECURSOS FERRAMENTA A QUEM É DESTINADA? O QUE É O QUE FAZ OBJETIVOS Guia de finanças para as empresas sociais na África do Sul Guia Jurídico

Leia mais

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega

Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Implementação de Direitos Humanos em nível local na Noruega Njal Hoestmaelingen, Diretor do Instituto de Direito e Política Internacional (ILPI) Discurso feito por Njaal Hoestmaelingen no Seminário de

Leia mais

Carta dos Povos da Terra

Carta dos Povos da Terra Carta dos Povos da Terra Primeira Proposta Janeiro 2011 Para contribuir no debate e enriquecer esta proposta de Carta, pode se inscrever enviando um e-mail para carta@forums.rio20.net www.rio20.net Um

Leia mais

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS BR/1998/PI/H/4 REV. DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS Adotada e proclamada pela resolução 217 A (III) da Assembléia Geral das Nações Unidas em 10 de dezembro de 1948 Brasília 1998 Representação

Leia mais

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende *

Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado nas Organizações de Terceiro Setor Marisa Seoane Rio Resende * Voluntariado é a expressão da participação da sociedade na vida pública mais significativa da atualidade. Os movimentos de participação

Leia mais

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012

Padrão de Príncipes, Critérios e Indicadores para Florestas Modelo. Rede Ibero-Americana de Florestas Modelo 2012 Meta superior (RIABM 2011): A Floresta Modelo é um processo em que grupos que representam uma diversidade de atores trabalham juntos para uma visão comum de desenvolvimento sustentável em um território

Leia mais

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino

Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino ED/2003/CONV/H/1 Convenção relativa à Luta contra a Discriminação no campo do Ensino Adotada a 14 de dezembro de 1960, pela Conferência Geral da UNESCO, em sua 11ª sessão, reunida em Paris de 14 de novembro

Leia mais

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1

PRINCÍPIOS DO RIO. Princípio 1 PRINCÍPIOS DO RIO António Gonçalves Henriques Princípio 1 Os seres humanos são o centro das preocupações para o desenvolvimento sustentável. Eles têm direito a uma vida saudável e produtiva em harmonia

Leia mais

www. Lifeworld.com.br

www. Lifeworld.com.br 1 Artigos da Constituição Mundial A Constituição Mundial é composta de 61º Artigos, sendo do 1º ao 30º Artigo dos Direitos Humanos de 1948, e do 31º ao 61º Artigos estabelecidos em 2015. Dos 30 Artigos

Leia mais

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA

CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA CONVENÇÃO SOBRE OS DIREITOS DA CRIANÇA Adoptada pela Resolução No. 44/25 da Assembleia Geral das Nações Unidas em 20 de Novembro de 1989 PREÂMBULO Os Estados Partes da presente Convenção, Considerando

Leia mais

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA...

MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI A VIDA AMEAÇADA... MEIO AMBIENTE E VIDA TEXTO PARA A CAMINHADA DE CORPUS CRISTI Daniel Cenci A VIDA AMEAÇADA... A vida é sempre feita de escolhas. A qualidade de vida resulta das escolhas que fazemos a cada dia. É assim

Leia mais

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade

APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO POLITICA PPS PR Curso Haj Mussi Tema Sustentabilidade Desenvolvido por: Neuza Maria Rodrigues Antunes neuzaantunes1@gmail.com AUMENTO DA POPULAÇÃO URBANA 85% NO BRASIL (Censo

Leia mais

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013

Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil. Salvador, 08 de abril de 2013 Andréa Bolzon Escritório da OIT no Brasil Salvador, 08 de abril de 2013 Fundada em 1919 (Tratado de Versalhes) Mandato: promover a justiça social e o reconhecimento internacional dos direitos humanos e

Leia mais

Política de Responsabilidade Socioambiental

Política de Responsabilidade Socioambiental Política de Responsabilidade Socioambiental SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 OBJETIVO... 3 3 DETALHAMENTO... 3 3.1 Definições... 3 3.2 Envolvimento de partes interessadas... 4 3.3 Conformidade com a Legislação

Leia mais

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL

TRADUÇÃO NÃO OFICIAL UNASUL/CMRE/RESOLUÇÃO/Nº 28/2012 MEDIANTE A QUAL É RESOLVIDO APRESENTAR PARA A APROVAÇÃO DO CONSELHO DE CHEFAS E CHEFES DE ESTADO E DE GOVERNO DA UNIÃO DAS NAÇÕES SUL-AMERICANAS A AGENDA DE AÇÕES PRIORITÁRIAS

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das empresas Eletrobras 1. DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente para o desenvolvimento sustentável, das áreas onde atuamos e

Leia mais

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS)

DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) DOS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO (ODM) PARA OS OBJETIVOS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL (ODS) INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas (ONU) está conduzindo um amplo debate entre governos

Leia mais

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD

www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD www.imcdgroup.com CÓDIGO DE CONDUTA. IMCD O SUCESSO DA IMCD É BASEADO NO ESTABELECIMENTO DE UM AMBIENTE QUE PROMOVE A RESPONSABILIDADE, CONFIANÇA E O RESPEITO. IMCD Código de Conduta 3 1. Introdução O

Leia mais

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL

MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL MARCHA MUNDIAL DAS MULHERES TERCEIRA AÇÃO INTERNACIONAL Autonomia econômica das mulheres Autonomia econômica das mulheres se refere à capacidade das mulheres de serem provedoras de seu próprio sustento,

Leia mais

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA

FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA FIEP FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIA DO ESTADO DA PARAÍBA INQUETAÇÕES E DESCONFORTO PARA NÓS, SERES HUMANOS! RESPOSTA DA FIEP E DAS INDÚSTRIAS DA PARAÍBA. O QUE ESTAMOS FAZENDO AGORA. ANÁLISE DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS

Leia mais

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios

Princípios de Emponderamento da Mulheres. Princípios de Empoderamento das Mulheres. Igualdade significa Negócios. Igualdade significa negócios Princípios de Emponderamento da Mulheres Princípios de Empoderamento das Mulheres Igualdade significa negócios Igualdade significa Negócios Igualdade significa Negócios da Mulheres Princípios de Emponderamento

Leia mais

AULA 9. Ação pelo Ambiente

AULA 9. Ação pelo Ambiente AULA 9 Ação pelo Ambiente Roberto e o seu grupo do meio ambiente estão se preparando para a Grande Reunião que irá tratar dos problemas ambientais do planeta. Ele pede ajuda à Sofia para bolar um plano

Leia mais

Tratados internacionais sobre o meio ambiente

Tratados internacionais sobre o meio ambiente Tratados internacionais sobre o meio ambiente Conferência de Estocolmo 1972 Preservação ambiental X Crescimento econômico Desencadeou outras conferências e tratados Criou o Programa das Nações Unidas para

Leia mais

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000

BR/2001/PI/H/3. Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 BR/2001/PI/H/3 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO), Dakar, 25 de Abril de 2000 2001 Declaração das ONGs Educação para Todos Consulta Internacional de ONGS (CCNGO),

Leia mais

Um mundo melhor começa aqui

Um mundo melhor começa aqui Um mundo melhor começa aqui h, 12 de junho de 2009 O Dia mundial contra o trabalho infantil vai ser celebrado a 12 de Junho de 2009. Este ano, o Dia mundial marca o décimo aniversário da adopção da importante

Leia mais

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente

Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Resolução Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente Reunidos na 2 Assembleia Sindical sobre Trabalho e Meio Ambiente, no Rio de Janeiro, Brasil, de 11 a 13 de junho de 2012, organizada por Sustainlabour,

Leia mais

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR

IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR IX CONFERÊNCIA ESTADUAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL CURITIBA-PR Rosiane Costa de Souza Assistente Social Msc Serviço Social/UFPA Diretora de Assistência Social Secretaria de Estado de Assistência Social do Pará

Leia mais

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a).

Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). 1 Ofício nº 01/2015 - CDS - OAB/BLUMENAU Aos(as) Excelentíssimos(as) Vereadores(as) de Blumenau. Blumenau, 24 de junho de 2015. Ilustríssimo(a) Senhor(a) Vereador(a). Conforme se denota do sítio eletrônico,

Leia mais

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council

CONSELHO INTERACÇÃO. Declaração Universal dos Deveres do Homem. Setembro de 1997. Criado em 1983. InterAction Council CONSELHO INTERACÇÃO Criado em 1983 Declaração Universal dos Deveres do Homem Setembro de 1997 InterAction Council Declaração Universal dos Deveres do Homem Preâmbulo Considerando que o reconhecimento da

Leia mais

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR

OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR OS PRINCÍPIOS DA ESSILOR Cada um de nós, na vida profissional, divide com a Essilor a sua responsabilidade e a sua reputação. Portanto, devemos conhecer e respeitar os princípios que se aplicam a todos.

Leia mais

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente.

Valores Pessoas; Trabalho em Equipe; Conduta Ética; Orientação ao Cliente; Orientação a Resultados; Inovação; e Comunidade e Meio Ambiente. CÓDIGO DE ÉTICA EMPRESARIAL 1 INTRODUÇÃO O Código de Ética Empresarial da COELCE, apresenta os princípios direcionadores das políticas adotadas pela empresa e que norteiam as ações e relações com suas

Leia mais

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global

Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Tratado de Educação Ambiental para Sociedades Sustentáveis e Responsabilidade Global Este Tratado, assim como a educação, é um processo dinâmico em permanente construção. Deve portanto propiciar a reflexão,

Leia mais

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO

OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO OS OBJETIVOS DO DESENVOLVIMENTO DO MILÊNIO NA PERSPECTIVA DE GÊNERO Conjuntura Para além de enfrentarem a discriminação social e familiar, muitas mulheres ainda lutam para ultrapassar os obstáculos ao

Leia mais

EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO. Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) ONU-HABITAT

EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO. Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) ONU-HABITAT Ruth McLead ONU-HABITAT/Nepal ONU-HABITAT EQUIDADE DE GÊNERO POR UM MELHOR FUTURO URBANO Uma visão geral do Plano de Ação para a Equidade de Gênero da ONU-HABITAT (2008-2013) Abordar EQUIDADE desigualdades

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20

Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 Ministério da Saúde SAÚDE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: SAÚDE NA RIO + 20 INTRODUÇÃO A Organização das Nações Unidas realizará em junho de 2012, no Rio de Janeiro, a Conferência das Nações Unidas sobre

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada)

Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Resumo do [Plano de Ações de Aichi Concernentes à Educação e Edificação dos Direitos Humanos] (Versão revisada) Por uma AICHI que respeita os direitos humanos Conceitos básicos 1. Objetivo básico do plano

Leia mais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais

Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Pacto Internacional sobre os Direitos Econômicos, Sociais e Culturais Adotado e aberto à assinatura, ratificação e adesão pela resolução 2200A (XXI) da Assembléia Geral das Nações Unidas, de 16 de Dezembro

Leia mais

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado,

Destacando que a responsabilidade primordial e o dever de promover e proteger os direitos humanos, e as liberdades fundamentais incumbem ao Estado, Declaração sobre o Direito e o Dever dos Indivíduos, Grupos e Instituições de Promover e Proteger os Direitos Humanos e as Liberdades Fundamentais Universalmente Reconhecidos 1 A Assembléia Geral, Reafirmando

Leia mais

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo

Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo Trabalho, Mudanças Climáticas e as Conferências do Clima: subsídios para as negociações da UGT na COP-21 Resumo Executivo I Informações Gerais Impactos das Mudanças Climáticas As mudanças climáticas impõem

Leia mais

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992)

Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) Declaração sobre meio ambiente e desenvolvimento (Rio de Janeiro, 1992) A Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e desenvolvimento, Tendo-se reunido no Rio de Janeiro, de 3 a 21 de junho de

Leia mais

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos:

Art. 1º - A Política Nacional de Recursos Hídricos baseia-se nos seguintes fundamentos: Patrimonio Hídrico Brasileiro - Explicação do Abaixo Assinado. Observação: O melhor instrumento para entender essa proposta é o Texto Base da Campanha da Fraternidade de 2004, Fraternidade e Água, realizada

Leia mais

Política de Proteção Infantil

Política de Proteção Infantil Política de Proteção Infantil Diga SIM à Proteção Infantil! Como uma organização internacional de desenvolvimento comunitário centrado na criança e no adolescente, cujo trabalho se fundamenta na Convenção

Leia mais

Política de Responsabilidade So cio Ambiental

Política de Responsabilidade So cio Ambiental Política de Responsabilidade So cio Ambiental Sumário 1. FINALIDADE:... 4 2. ABRANGÊNCIA:... 4 3. DIVULAGAÇÃO... 4 4. IMPLEMENTAÇÃO... 4 5. SUSTENTABILIDADE EM NOSSAS ATIVIDADES... 4 6. REVISÃO DA POLÍTICA...

Leia mais

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993

CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 CONFERÊNCIA MUNDIAL SOBRE OS DIREITOS DO HOMEM Viena, 14-25 de Junho de 1993 DECLARAÇÃO DE VIENA E PROGRAMA DE ACÇÃO Nota do Secretariado Em anexo encontra-se o texto da Declaração de Viena e do Programa

Leia mais

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE

O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE O Programa de Fortalecimento Institucional para a Igualdade de Gênero e Raça, Erradicação da Pobreza e Geração de Emprego - GRPE Marcia Vasconcelos - OIT Reunión de Especialistas Género, Probreza, Raza,

Leia mais

Princípios de Ética no Grupo DB

Princípios de Ética no Grupo DB Princípios de Ética no Grupo DB Código de conduta Objetivo do código de conduta Estipulamos com valor vinculativo os nossos padrões e as expectativas relativas aos nossos negócios diários. Para todos os

Leia mais

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos!

ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! ESPORTE NÃO É SÓ PARA ALGUNS, É PARA TODOS! Esporte seguro e inclusivo. Nós queremos! Nós podemos! Documento final aprovado por adolescentes dos Estados do Amazonas, da Bahia, do Ceará, do Mato Grosso,

Leia mais

AMMPL (BME) Código de Conduta

AMMPL (BME) Código de Conduta AMMPL (BME) Código de Conduta 1 Código de Conduta da AMMPL (BME) I Introdução A Association Materials Management, Purchasing and Logistics (Associação de Gestão de Materiais, Compras e Logística, AMMPL

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso

Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Anais. III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva. Ações Inclusivas de Sucesso Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Anais III Seminário Internacional Sociedade Inclusiva Ações Inclusivas de Sucesso Belo Horizonte 24 a 28 de maio de 2004 Realização: Pró-reitoria de Extensão

Leia mais

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais)

Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) Requisitos do Grupo Volkswagen relativos à sustentabilidade nas relações com os seus parceiros comerciais (Code of Conduct para parceiros comerciais) I. Preâmbulo Os requisitos que se seguem especificam

Leia mais

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO

CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO CONFERÊNCIA INTERNACIONAL DO TRABALHO (Tradução não oficial 1 ) Recomendação 202 RECOMENDAÇÃO RELATIVA AOS PISOS NACIONAIS DE PROTEÇÃO SOCIAL A Conferência Geral da Organização Internacional do Trabalho,

Leia mais

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras

UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras UNESCO Brasilia Office Representação no Brasil Declaração sobre as Responsabilidades das Gerações Presentes em Relação às Gerações Futuras adotada em 12 de novembro de 1997 pela Conferência Geral da UNESCO

Leia mais

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras

Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras Setembro de 2010 Política de Sustentabilidade das Empresas Eletrobras DECLARAÇÃO Nós, das empresas Eletrobras, comprometemo-nos a contribuir efetivamente

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios

Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios Primeira Reunião de Cúpula das Américas Declaração de Princípios A seguir inclui-se o texto completo da Declaração de Princípios assinada pelos os Chefes de Estado e de Governo que participaram da Primeira

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL DAS EMPRESAS ELETROBRAS. Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Política de Responsabilidade Social das Empresas Eletrobras Versão 1.0 18/08/2014 1 Sumário 1. Objetivo... 3 2. Conceitos... 3 3. Diretrizes... 3 3.1. Diretrizes Gerais... 3 3.2. Diretrizes Específicas...

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial

1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial Décima Oitava Sessão Agenda item 43 Resoluções aprovadas pela Assembléia Geral 1904 (XVIII). Declaração das Nações Unidas sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial A Assembléia Geral,

Leia mais

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA

cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 1 CAPA cartilha direitos humanos layout:layout 1 2008-09-05 13:42 Página 2 TODOS SÃO IGUAIS PERANTE A LEI* *Artigo 5º da Constituição Brasileira

Leia mais