ACIDENTES DE TRABALHO EM SERVIDORES PÚBLICOS: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE NOTIFICAÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ACIDENTES DE TRABALHO EM SERVIDORES PÚBLICOS: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE NOTIFICAÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 ACIDENTES DE TRABALHO EM SERVIDORES PÚBLICOS: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE NOTIFICAÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE MINAS GERAIS Autoria: Roberta Kelly Figueiredo, Mirela Castro Santos Camargos Resumo Este trabalho analisou o tratamento da questão dos acidentes de trabalho pela Administração Pública de Minas Gerais em relação aos seus servidores. Para tanto, foram investigados a legislação vigente e os procedimentos adotados para caracterização e prevenção no serviço público mineiro. Concluiu-se que, o tratamento do acidente de trabalho ocorrido entre os servidores se aproxima da concepção da medicina do trabalho, focada no indivíduo e na reparação dos danos. A legislação existente é precária, o processo de caracterização e notificação não é bem definido e informado, desestimulando a notificação de acidentes, principalmente aqueles considerados leves, que não demandam afastamento.

2 ACIDENTES DE TRABALHO EM SERVIDORES PÚBLICOS: UMA ANÁLISE DO PROCESSO DE NOTIFICAÇÃO PELA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DE MINAS GERAIS 1. INTRODUÇÃO Os acidentes de trabalho no Brasil são considerados como o maior agravo à saúde dos trabalhadores. Segundo dados divulgados pela Organização Internacional do Trabalho (OIT), em 2008, o Brasil é 15º país no ranking mundial em número de acidentes do trabalho em geral, sendo o quarto país em número de acidentes com morte (SOBRINHO, 2010). Porém, sabe-se que as estatísticas brasileiras sobre acidentes de trabalho são precárias, visto não abarcarem o setor de trabalho informal, os trabalhadores previdenciários autônomos, proprietários e empregados domésticos, além do funcionalismo público militar e civil. Ademais, a subnotificação também impacta nas estatísticas sobre acidentes, especialmente naqueles de menor gravidade e, nos casos de ocorrências em áreas menos desenvolvidas, inclusive de acidentes graves (BINDER e CORDEIRO, 2003). A notificação é importante porque, na maioria das vezes, os acidentes e doenças relacionadas ao trabalho são evitáveis e passíveis de prevenção. Além disso, é possível identificar o motivo pelo qual os trabalhadores adoecem ou morrem, associando esses dados aos ramos de atividade econômica e aos processos de trabalho, para que possam ser feitas intervenções sobre suas causas e determinantes (BRASIL, 2013). Em um momento em que o acidente de trabalho passa a ser visto como um tema fundamental no que concerne à saúde do trabalhador, torna-se essencial a discussão sobre esse assunto, como modo de fortalecer os instrumentos para prevenção e intervenção, auxiliando na elaboração de novas estratégias de gestão. Apesar da importância da notificação dos acidentes de trabalho, independentemente de sua natureza, o total desconhecimento sobre o que acontece no setor informal da economia brasileira soma-se ao fato de que, no setor privado, as pessoas podem se sentir desencorajadas a notificar acidentes de trabalho, com medo que isso possa prejudicar suas relações com o empregador. Nesse caso, a questão da instabilidade no emprego pode ser um fator importante na tomada de decisão. Em contraposição, no setor público, mesmo que a estabilidade no emprego não seja um determinante importante, caso o acidente não incapacite o servidor de desempenhar suas atividades, esse pode se sentir desmotivado a notificar o acidente, seja por desinteresse, por falta de esclarecimento ou por achar que aquela informação não iria se traduzir em transformação em seu ambiente de trabalho. Para Carneiro (2006), existem poucos trabalhos que relatam experiências em desenvolvimento de ações de prevenção de doenças e promoção à saúde dos servidores públicos. Em geral, a perícia médica, por obrigação legal, é a única atividade realizada, ou seja, a ação no controle da ausência ao trabalho. O desconhecimento sobre o real contexto no qual se inserem os acidentes de trabalho exprime a limitação das análises sobre o tema. As análises, quando existem, enfocam a subnotificação e estão centradas principalmente no setor privado. Pouco se sabe dos acidentes de trabalho no setor público, de como esses são tratados e registrados. Assim, analisar a problemática dos acidentes de trabalho entre os servidores públicos é especialmente relevante nesse contexto de valorização das ações de prevenção de doenças e promoção à saúde, no qual os processos ainda são regidos por regulamentos vinculados a um pensamento teórico focado no indivíduo e, em especial, na compensação dos danos causados pelos acidentes de trabalho. 2

3 Dada a escassez das discussões e informações sobre acidentes de trabalho entre os servidores públicos, seja no âmbito federal, estadual ou municipal, o objetivo deste estudo foi analisar o tratamento dessa questão pela Administração Pública direta, autárquica e fundacional de Minas Gerais em relação aos seus servidores, atentando-se para situações que versam sobre as notificações dos acidentes. Nesta pesquisa, foram analisados a legislação vigente e os procedimentos adotados para caracterização e prevenção de acidentes de trabalho no serviço público mineiro, com vistas a compreender em que medida esses fatores colaboram para a subnotificação dos acidentes de trabalho entre os seus servidores. Buscou-se também discutir de que maneira o tratamento da questão dos acidentes de trabalho pelo estado de Minas Gerais está alinhado aos objetivos estratégicos do governo. O artigo tem a seguinte estrutura, após essa introdução, a seção 2 apresenta o referencial teórico de suporte à pesquisa empírica. A metodologia e os resultados são apresentados nas seções 3 e 4, respectivamente. Encerra-se com as conclusões na seção 5, seguidas das referências. 2. REFERENCIAL TEÓRICO: 2.1. O Campo da Saúde do Trabalhador Desde o surgimento da problemática saúde-doença no contexto do trabalho, as concepções e práticas adotadas se desenvolveram muito. A medicina do trabalho, enquanto especialidade médica, surgiu com a Revolução Industrial, na primeira metade do século XIX, na Inglaterra. Com a implantação de novas tecnologias, os trabalhadores estavam submetidos a um processo acelerado de produção, que colocava em risco a reprodução da força de trabalho e, consequentemente, do sistema de trabalho adotado. Naquele contexto, nascem os serviços de medicina do trabalho que tinham como objetivo proteger os interesses do empregador. Essa atividade era centrada na figura do médico, que se tornava o responsável pela prevenção dos danos à saúde resultantes dos riscos do trabalho (MENDES e DIAS, 1991). Para Mendes e Dias (1991), a adaptação física e mental dos trabalhadores pautava-se na seleção daqueles menos propensos ao absenteísmo e colocação desses em lugares ou tarefas correspondentes às aptidões, além da análise das doenças, faltas e licenças da força de trabalho já alocada. A medicina do trabalho se conformou como uma atividade essencialmente médica, com o cerne de sua prática fundamentado nos locais físicos - e não nos processos - de trabalho. Ademais, a concepção médica adotada era mono-causal, sendo que para cada doença haveria um respectivo agente causador. A prática médica no ambiente de trabalho era pautada no isolamento de riscos específicos e na atuação sobre suas conseqüências, vinculando os sintomas encontrados a uma doença legalmente reconhecida (MENDES e DIAS, 1991, MINAYO-GOMEZ e THEDIN-COSTA, 1997; ALVES, 2004). A partir do início do século XX, a saúde no trabalho torna-se uma questão social e a patologia do trabalho ganha destaque na saúde pública e na medicina legal. A partir de então, emerge o modelo da Saúde Ocupacional, no qual a relação trabalho-doença passa a ser compreendida de modo que o trabalho (especialmente o local de trabalho) contribui para a doença e a doença prejudica o trabalho. Esse modelo vai se consagrar, sobretudo, nas grandes empresas, com a organização de equipes cada vez mais multi-profissionais, buscando relacionar o ambiente de trabalho e o corpo do trabalhador. Essa vertente enfatiza a higiene industrial, reconhecendo, avaliando e controlando os riscos ambientais físicos, químicos, biológicos e ergonômicos que podem ocasionar alterações na saúde, conforto ou eficiência do trabalhador. A avaliação tem como base a clínica médica, mas também contempla fatores 3

4 ambientais e biológicos de exposição e efeito, com vistas a intervir nos locais de trabalho e controlar os riscos ambientais (MINAYO-GOMEZ e THEDIN-COSTA, 1997; ALVES, 2004). O desenvolvimento da saúde ocupacional ocorreu tardiamente no Brasil. Segundo Mendes e Dias (1991), na legislação, a saúde ocupacional expressou-se na regulamentação do Capítulo V da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), relativo à Segurança e Medicina do Trabalho, especialmente na norma que institui a obrigatoriedade de equipes multiprofissionais em ambientes de trabalho e na avaliação de riscos ambientais, e adoção dos limites de tolerância, entre outras. Medidas que deveriam assegurar a saúde do trabalhador restringiamse a intervenções pontuais sobre os riscos mais evidentes. Ademais, a normatização das formas de trabalhar consideradas seguras imputou aos trabalhadores os ônus por acidentes e doenças, concebidos como decorrentes da ignorância e da negligência (MINAYO-GOMEZ e THEDIN-COSTA, 1997). Segundo Mendes e Dias (1991), o modelo da saúde ocupacional mantém o foco conceitual no trabalho em detrimento do setor da saúde e, de forma análoga à medicina do trabalho, continua a abordar os trabalhadores como objeto das ações de saúde, mesmo quando enfoca a questão do coletivo de trabalhadores. Em meio às críticas à Saúde Ocupacional, surge o paradigma da Saúde do Trabalhador, marcado pela busca da compreensão das relações entre o trabalho e a saúde (ou a doença) dos trabalhadores, por meio de uma abordagem multidisciplinar e intersetorial das ações, pautando-se em conhecimentos oriundos de disciplinas como: medicina social, saúde pública, saúde coletiva, clínica médica, medicina do trabalho, sociologia, epidemiologia social, engenharia, psicologia, entre outras. A saúde do trabalhador tem como fundamento a construção de um saber e de um saber-fazer interdisciplinar, que se diferenciam de uma ação centrada no conhecimento médico ou nos saberes divididos em especialidades que compõem uma equipe multiprofissional (MENDES e DIAS, 1991; MINAYO-GOMEZ e THEDIN- COSTA, 1997; ALVES, 2004). Ao avançar em relação aos modelos anteriores, e longe de estar focado na reparação de eventuais danos à saúde do trabalhador, esse paradigma busca a mudança efetiva das condições de trabalho. Nesse contexto, conforme apontado por Alves (2004), uma das práticas que mais se destacam em saúde do trabalhador é a da vigilância em saúde. A vigilância em saúde pode ser entendida como um conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes e condicionantes da saúde relacionados aos ambientes e processos de trabalho, e tem por objetivo planejar, implantar e avaliar intervenções que reduzam os riscos ou agravos à saúde (CARNEIRO, 2011) Concepções sobre Acidentes de Trabalho Os acidentes de trabalho sempre estiveram presentes no cotidiano dos trabalhadores, mas com o avanço do processo de industrialização e da luta operária a partir do século XIX, tornaram-se um objeto de estudo sistemático. Segundo Machado e Minayo-Gomez (1995), as primeiras teorias formuladas concebiam os acidentes de trabalho de forma genérica e sob uma perspectiva eminentemente jurídica. Pautada no entendimento do Estado como mediador jurídico dos interesses das classes trabalhadoras e das relações de trabalho em geral, as discussões sobre o tema foram ganhando espaço, ao contemplar teorias voltadas à redução da responsabilidade do capital sobre os efeitos do trabalho. As vertentes clássicas de análise dos acidentes de trabalho deram origem a diversas teorias, dentre as quais desponta a preocupação em encontrar o culpado pelo acidente, tendo em vista a determinação jurídica da responsabilidade civil. Gamba (2007) destaca que, no direito brasileiro, a culpa sempre foi o fundamento para a existência da obrigação de reparar o 4

5 dano. A teoria da culpa orienta as análises dos acidentes com vistas a atribuir-lhes uma das causas possíveis, quais sejam, a ação dolosa do empregador, por meio da condição insegura do trabalho, ou dolo do empregado, por meio do ato inseguro. A teoria da culpa é amplamente utilizada no Brasil, onde com pequena alteração pertinente à aceitação da concomitância das perspectivas da condição insegura e do ato inseguro, são ressaltadas diversas interpretações de culpabilidade, que vão desde a imperícia do trabalhador, passando pela acidentabilidade, pela predisposição aos acidentes em decorrência de características individuais, até a dicotomia entre fatores humanos e o ambiente de trabalho, na qual se apóia a legislação brasileira vigente sobre o tema (MACHADO e MINAYO-GOMEZ, 1995). Ademais, Oliveira (2007) destaca que as explicações dos acidentes de trabalho, pautadas no ato inseguro e na naturalização dos riscos, estão muito presentes inclusive na prática discursiva dos trabalhadores. Conforme relatado por Castro (2001), o fato de o empregador ser responsável pelas análises dos atos inseguros e condições inseguras agrava a tendência de se mascarar as responsabilidades patronais fazendo com que o trabalhador seja considerado culpado, até que prove o contrário. Segundo Sobrinho (2010), calcado nessa perspectiva, o direito previdenciário brasileiro ampara a total socialização dos riscos acidentários postos aos empregados. Todavia, não isenta o empregador, caso esse contribua culposamente para a ocorrência do acidente do trabalho. De acordo com Sobrinho (2010) e Oliveira (2007), a análise dos acidentes deve se deslocar para um viés de participação efetiva dos trabalhadores, de compreensão do contexto e atuação sobre ele. A compreensão dos matizes teóricos de análise de acidentes de trabalho, que vão desde a medicina do trabalho até a saúde do trabalhador, é relevante para a análise da atuação do Estado de Minas Gerais no que concerne ao tema. Todavia, é importante ressaltar que, para o objeto desse estudo, discutir quem seria o responsável por indenizar os trabalhadores pelo agravo decorrente do trabalho não faria sentido, visto que a sociedade, representada pelo Estado, é também empregadora, devendo arcar com os custos do acidente em qualquer situação. Ademais, a legislação a que os servidores estatutários estão subordinados é diferente daquela dos trabalhadores regidos pela CLT, que são objeto da legislação brasileira sobre o tema. Contudo, torna-se essencial trazer à tona toda a discussão acima posta, com vistas a identificar o discurso vigente nas teorias sobre acidentes de trabalho. Tanto aquelas que discutem a questão da culpa sob influência da concepção da medicina social e da saúde ocupacional, com o objetivo de reparação do infortúnio e de ressarcimento financeiro ao acidentado; como o apontamento da saúde do trabalhador como perspectiva de análise para os acidentes de trabalho, nos permitirá compreender a atuação da Administração Pública mineira em relação aos acidentes de trabalho entre os seus funcionários Gestão da Saúde do Servidor de Minas Gerais Em Minas Gerais, a implantação do Choque de Gestão, marca o início de uma nova forma de gestão fundamentada no planejamento estratégico de longo prazo. Em 2003, o Governo iniciou o processo de modernização da Administração Pública, conduzido pela Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão (SEPLAG), que alterou o foco gerencial para o resultado. A primeira fase do Choque de Gestão, compreendida entre 2003 e 2006, priorizou o rearranjo das contas públicas para alcance do equilíbrio fiscal, sem perder de vista as inovações na gestão. Em 2007 houve a implementação do Estado para Resultados, segunda fase do Choque de Gestão, que tinha como objetivo a consolidação e o aprimoramento do arsenal implantado e a melhoria do desempenho gerencial, com fortalecimento do alinhamento das ações à estratégia. Essa fase foi sucedida, em 2011, pela Gestão para Cidadania. Foram introduzidas novas ferramentas gerenciais relativas à área de recursos 5

6 humanos no Estado, com vistas a implantar um modelo de gestão de pessoas baseado em competências, com foco na meritocracia, na valorização contínua e no desenvolvimento do servidor (NEVES, FRANÇA e VILAÇA, 2012). Ressaltando a relevância dessa temática para o Governo de Minas, em 2011, por meio da Lei Delegada nº 179, foi instituída a Subsecretaria de Gestão de Pessoas (SUGESP), vinculada à SEPLAG. A criação da SUGESP favorece a consolidação de uma política de gestão de pessoas pautada no alinhamento à estratégia governamental. No contexto atual, no qual metas institucionais são pactuadas, com vistas ao alcance de resultados efetivos, a qualidade de vida no trabalho e a saúde do servidor tornam-se essenciais para o alcance dos objetivos almejados. Segundo Carneiro (2011), as questões relativas à saúde do servidor são pertinentes à política de gestão de pessoas. Ele ressalta que, embora seja conveniente a incorporação de diretrizes, concepções e práticas de saúde pública, em especial de saúde do trabalhador, as ações em saúde do servidor não fazem referência ao Estado enquanto promotor de políticas públicas, mas ao Estado empregador, que tem responsabilidades trabalhistas perante os empregados. Desde 2006, o órgão responsável pelas atividades de prevenção de doenças e promoção da saúde dos servidores efetivos do Poder Executivo estadual é a SEPLAG, por meio da Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional (SCPMSO). Essa Superintendência tem por competência normatizar, orientar, implementar e executar as atividades de perícia médica e saúde ocupacional desses servidores e, desde 2011, está vinculada à SUGESP, evidenciando a alteração no foco da gestão da saúde do trabalhador para a área de gestão de pessoas. A SCPMSO é composta por três diretorias, quais sejam: Diretoria Central de Perícia Médica (DCPM), Diretoria Central de Suporte Técnico Administrativo (DCSTA) e Diretoria Central de Saúde Ocupacional (DCSO). A instituição de uma diretoria especificamente voltada para a saúde ocupacional em 2006 é muito significativa no que concerne ao deslocamento do foco na doença via assistência à saúde e ações de fiscalização na perícia médica para a saúde via prevenção e promoção à saúde. A DCSO tem por finalidade gerenciar as atividades de saúde ocupacional, competindo-lhe, entre outras coisas, normatizar, orientar, coordenar, supervisionar e executar as atividades dessa matéria, além de realizar estudos e propor medidas para controle e prevenção de acidentes de trabalho e de doenças ocupacionais, bem como para melhoria de ambientes de trabalho (MINAS GERAIS, 2011). Atualmente, a DCSO desenvolve projetos relevantes, porém isolados, na área de saúde do trabalhador. As ações de maior destaque são a realização de levantamentos ambientais, com o objetivo de caracterizar funções insalubres ou perigosas para fins de concessão de benefícios; o Programa de Cessação do Tabagismo, que auxilia os servidores do Poder Executivo estadual a pararem de fumar por meio de grupos de terapia cognitivocomportamental (FIGUEIREDO e SÁ, 2011); o Programa de Saúde Vocal do Professor, que, até março de 2012, capacitou quase professores quanto ao uso da voz, à promoção da saúde vocal e à prevenção de doenças laríngeas (MOREIRA et al., 2012). Porém, a falta de uma Política de Saúde do Servidor conduz a iniciativas sem interdependência e de pouca efetividade no que concerne à prevenção de agravos e à promoção da saúde e da segurança no trabalho. Compreender os objetivos estratégicos do Governo, a estrutura organizacional, e as ações pertinentes à saúde do trabalhador é essencial para avaliar a atuação e as propostas da Administração Pública frente aos acidentes de trabalho entre seus servidores. A estrutura organizacional na qual a saúde do trabalhador está inserida, assim como as ações já desenvolvidas ou projetos em elaboração nessa área, afetam diretamente as questões relativas aos acidentes de trabalho entre os servidores públicos estaduais, tema mais específico desse 6

7 trabalho. Sendo assim, na próxima seção, será apresentada a metodologia empregada para análise proposta. 3. METODOLOGIA A pesquisa que subsidiou a elaboração deste trabalho foi pautada na metodologia qualitativa, por meio de análise documental e de entrevistas semi-estruturadas. Foi realizada análise documental da legislação que rege as questões referentes aos acidentes de trabalho entre os servidores do Poder Executivo do Estado de Minas Gerais e da minuta da legislação que regulamentará a Política de Saúde Ocupacional. Em avaliação prévia do tema, foi identificado que não há muitos dados consolidados sobre a temática. A seleção das entrevistas semi-estruturadas mostrou-se adequada para explorar o tema e conhecer o estado das artes do acidente de trabalho para os servidores de Minas Gerais. Ademais, essa metodologia favorece o alcance de um ambiente informal para a realização da pesquisa e permite o aprofundamento em determinadas temáticas quando necessário. Foram realizadas nove entrevistas, nos meses de outubro e novembro de Para a realização das entrevistas, foram utilizados dois roteiros: um para os gestores e médicos de BH e outro para os médicos peritos do interior. Com a permissão dos entrevistados, todas as entrevistas foram gravadas. A duração das entrevistas variou de acordo com o roteiro utilizado e, o ritmo do fornecimento de informações e o aprofundamento possibilitado por cada entrevistado. Não foi realizada a transcrição do material completo, apenas de alguns trechos mais relevantes. Por questões éticas, os entrevistados não terão seus nomes divulgados. Para obter informações sobre a atuação da Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional (SCPMSO) em relação aos acidentes de trabalho, processos pertinentes a essa questão e os projetos relativos ao tema, foram convidados a participar da entrevista três gestores da referida unidade. Também foram realizadas entrevistas com médicos peritos que realizam ou realizavam as caracterizações de acidentes de trabalho em Belo Horizonte e nas unidades periciais do interior. Em Belo Horizonte foram entrevistados dois médicos peritos que possuem larga experiência no processo de caracterização do acidente de trabalho dos servidores estatutários. Até agosto de 2012, esses peritos eram responsáveis pelas caracterizações de acidente na DCPM e, atualmente, um deles continua tratando essa questão na DCSO. As entrevistas com os gestores e com os médicos peritos responsáveis pelas caracterizações de acidentes de trabalho tiveram como objetivo compreender o processo atual de caracterização e as demais ações pertinentes aos acidentes de trabalho na Administração Pública mineira, assim como captar a percepção dos atores sobre a temática e conhecer as propostas para essa área. Com os médicos peritos que atuam nas Unidades Periciais do interior do estado, foram realizadas quatro entrevistas, com o intuito de captar as informações que eles possuem sobre o tema, além do conhecimento e percepção sobre o processo de caracterização do acidente de trabalho. 4. ANÁLISE DOS DADOS Os dados analisados são pautados na legislação que rege a temática dos acidentes de trabalho para os servidores do Poder Executivo estadual, assim como nas entrevistas realizadas. Apesar das entrevistas permitirem vários nuances de análise, nesta pesquisa elas auxiliam na compreensão dos processos vigentes e da percepção dos entrevistados sobre tais processos, no levantamento dos projetos desenvolvidos na área e na apuração das ações 7

8 pretendidas pela Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional em relação aos acidentes de trabalho. A análise da legislação, além de informar sobre os procedimentos, tem o intuito de situar o leitor sobre o atual tratamento dado às questões pertinentes aos acidentes de trabalho no Estado de Minas Gerais. Para tal, é necessário apresentar a definição legal do conceito de acidente de trabalho. Acidente de trabalho é definido no artigo 19 da Lei n.º de 1991 como aquele que ocorre pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal, ou perturbação funcional, que cause perda ou redução da capacidade de trabalho, temporária ou permanente, ou ainda a morte (BRASIL, 1991). Essa conceituação do acidente típico aplicase aos trabalhadores regidos pela Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT). Nessa Lei, as doenças profissionais, doenças do trabalho e acidentes de trajeto também são equiparados a acidentes de trabalho. Os servidores da Administração Pública direta autárquica e fundacional de Minas Gerais são regidos por legislação própria, sendo que, além da Constituição de 1988, vigoram e fazem menção aos acidentes de trabalho a Constituição Estadual, a Lei 869/1952, que dispõe sobre o Estatuto dos Funcionários Públicos Civis do Estado de Minas Gerais (Estatuto do Servidor), e o Comunicado SCSS nº 02/1996. O conceito de acidente de trabalho adotado na legislação mineira não se limita às ocorrências que provoquem perda ou redução da capacidade laborativa ou morte. A concepção mais ampla adotada pelo Estatuto do Servidor de Minas Gerais abre margem, inclusive, para a caracterização como acidente de trabalho de agravos leves, que não gerem redução ou perda imediata da capacidade laborativa. O Estatuto do Servidor define o conceito de acidente de trabalho conforme abaixo: Art O funcionário, ocupante de cargo de provimento efetivo, será aposentado: d) quando inválido em conseqüência de acidente ou agressão, não provocada, no exercício de suas atribuições, ou doença profissional; 1º - Acidente é o evento danoso que tiver como causa mediata ou imediata o exercício das atribuições inerentes ao cargo. 2º - Equipara-se a acidente a agressão sofrida e não provocada pelo funcionário no exercício de suas atribuições. 3º - A prova de acidente será feita em processo especial, no prazo de oito dias, prorrogável quando as circunstâncias o exigirem, sob pena de suspensão. 4º - Entende-se por doença profissional a que decorrer das condições do serviço ou de fato nele ocorrido, devendo o laudo médico estabelecer-lhe a rigorosa caracterização. 5º - A aposentadoria, a que se referem às alíneas "c", "d" e "e só será concedida quando verificado o caráter incapacitante e irreversível da doença ou da lesão, que implique a impossibilidade de o servidor reassumir o exercício do cargo mesmo depois de haver esgotado o prazo máximo admitido neste Estatuto para o gozo de licença para tratamento de saúde. Art Quando licenciado para tratamento de saúde, acidente no serviço de suas atribuições, ou doença profissional, o funcionário receberá integralmente o vencimento ou a remuneração e demais vantagens. (MINAS GERAIS, 1952) O Estatuto do Servidor faz referência aos acidentes de trabalho quando remete à aposentadoria por invalidez e à licença para tratamento de saúde. Somente no Art. 286, que foi revogado pelo art. 1º da Lei Complementar nº 70, de 30/7/2003, o acidente de trabalho volta a ser citado nessa Lei. Esse artigo trata sobre o auxílio-doença e estabelece uma frequência diferenciada desse benefício para o servidor licenciado em decorrência de acidente ou moléstia profissional. Art Ao funcionário licenciado há mais de dez meses para tratamento de saúde, é assegurado o direito, a título de auxílio-doença, à percepção de um mês de vencimento. 8

9 Parágrafo único - Quando se tratar de moléstia profissional ou de acidente, nos termos do artigo 170, o auxílio-doença será devido após três meses de licenciamento, sendo repetido quando este atingir um ano. (Minas Gerais, 1952) Todos os artigos que fazem referência aos acidentes de trabalho ou doenças profissionais têm como fundamento a garantia de benefícios e o foco o indivíduo, sem considerar o ambiente no qual o servidor sofre o agravo e as condições de trabalho às quais ele está submetido. Além disso, os procedimentos para a garantia desses direitos de que tratam a legislação em vigor são regulamentados por ato administrativo inadequado, complexo e pouco acessível. O Estatuto do Servidor determina que o acidente de trabalho, assim como a doença profissional, deve ser caracterizado por laudo médico. A documentação que deve ser providenciada consiste em declaração da chefia imediata do servidor assinada pela chefia e também por duas testemunhas do acidente devidamente identificadas pelo nome e pelo MASP (número de matrícula do servidor público estadual), laudo de exame médico referente ao 1º atendimento recebido pelo servidor após o acidente e Boletim de Inspeção Médica (BIM) preenchido. Essa documentação deve ser encaminhada ao setor competente, que, mediante sua análise, poderá ou não caracterizar o agravo como acidente de trabalho. O servidor deverá comparecer à Perícia Médica, dentro das normas vigentes, porém a análise realizada é documental. Visto que não há outra norma vigente sobre o assunto, não está claro se e em quais situações a documentação pode ser protocolada por terceiros. Caso o acidente seja de trajeto, a chefia deve informar se é o percurso habitual do servidor, se houve registro policial e enviar a xerocópia legível autenticada da ocorrência policial. Para a caracterização do acidente, muitas informações são solicitadas sem que haja formulário próprio para preenchimento pela chefia imediata do servidor ou pelo médico assistente responsável pelo primeiro atendimento. O BIM é um formulário para uso do serviço pericial da SCPMSO e também não possui campos específicos para a análise de caracterização de acidente de trabalho pelos médicos peritos. A falta de formulário para preenchimento da chefia e do médico assistente pode contribuir para a falta de informações necessárias, além de tornar o processo mais complexo para os atores envolvidos. As informações procedimentais constantes no comunicado que estabelece as normas estão disponíveis no Portal do Servidor desde 2010 e também são encontradas em uma cartilha da SCPMSO, disponibilizada aos órgãos e entidades do Poder Executivo estadual (MINAS GERAIS, 2010). A informação sobre a caracterização do acidente de trabalho é limitada a esses meios e, além disso, não há ações de sensibilização sobre a relevância de caracterizar acidentes de trabalho. A comunicação do processo não aborda os motivos para se caracterizar um acidente de trabalho e não atua na sensibilização dos gestores nem dos servidores públicos sobre o tema. Nesse contexto, há desinformação dos servidores, de suas chefias, das unidades de recursos humanos e, inclusive, do corpo pericial. Não há nenhum processo preventivo, nem educacional. Mesmo no nível de perito de interior, é muito precária a informação passada para ele, em um suposto treinamento. Com isso, foi feita uma norma interna que todas as caracterizações são feitas em Belo Horizonte. (Entrevistado 4) As entrevistas realizadas com peritos do interior do estado corroboraram a fala acima. Todos falaram sobre a atuação da SCPMSO em relação à caracterização e houve conflitos entre a forma de proceder. Para alguns, o processo é iniciado no interior sendo toda a documentação solicitada enviada para análise em Belo Horizonte, enquanto outros entrevistados relataram que realizam a caracterização do acidente de trabalho no interior. Alguns disseram desconhecer qualquer ação informativa referente ao tema, enquanto outros relataram haver vasto trabalho de informação. 9

10 A questão da informação / comunicação é sensível para os entrevistados, que a apontam como um fator relevante para a subnotificação de acidentes. A gente teria que melhorar o processo de informação com o objetivo de não prejudicar ninguém, né, ninguém sair prejudicado. Porque existem muitas situações em que o servidor se acidenta. Ele não é informado, a chefia não se intera, às vezes, daquele acidente e esse episódio passa desapercebido. (Entrevistado 3). Ao ser perguntado se os atores envolvidos são devidamente informados sobre o processo de caracterização de acidente de trabalho, um entrevistado respondeu: Não. E aí foi interessante você falar atores porque não é só o servidor. Existem outros atores aí nesse processo que também precisam ser instruídos, né. As chefias precisam, o servidor acidentado precisa, e o próprio perito, né, o próprio serviço de perícia médica. Ele precisa saber lidar melhor com essas situações. (Entrevistado 1) Além da falta de legislação específica, a desinformação dos atores envolvidos no processo concernente aos acidentes de trabalho foi apontada pelos entrevistados como um fator relevante para a subnotificação de acidentes. A falta de compreensão sobre as implicações de se caracterizar ou não, a inexistência de sensibilização sobre o tema e o desconhecimento sobre o que é acidente de trabalho, sobre a documentação exigida e os prazos estabelecidos no procedimento de caracterização foram levantados como motivos que poderiam levar à não caracterização. Algumas dessas falas estão relatadas abaixo: Pela desinformação, pela falta de preparo, pela alta rotatividade. Infelizmente geram situações que não são esclarecidas, que não são documentadas e que poderiam beneficiar ou não esse servidor ao longo de sua vida funcional. (Entrevistado 3) Acho que por muitas razões: a desinformação é uma delas, acho que alguns por receio ou por entenderam que aquilo não levaria a nada, não teria nenhuma razão de ser, não mudaria em nada o contexto. (Entrevistado1) A falta de sensibilização sobre o tema colabora, inclusive, para o receio de alguns servidores em realizar a caracterização. Conforme relatado em entrevista, quando questionado sobre de que seria o receio em caracterizar o acidente: Eu não sei se receio de alguma represália, de aquilo ficar registrado na vida funcional dele e aquilo ser considerado como alguma coisa desabonadora. Mas, me surpreendeu, o fato de uma pessoa conhecida nossa, que sofreu um acidente. Ela chegou a fazer contato com a gente perguntando se ela caracterizasse, ela seria prejudicada de alguma forma. Então, é surpreendente pensar que as pessoas ainda tenham esse tipo de receio: vir a ser prejudicada em função da caracterização. (Entrevistado 1) Porém, como dito em entrevista, não seria possível, no contexto atual, corresponder à demanda gerada por ações de informação e sensibilização, visto que o procedimento não está bem definido. Para isso, é necessário repensar o processo referente aos acidentes de trabalho. A melhoria do processo foi ressaltada como ponto que demanda atuação do serviço pericial, além da definição do que se entende por acidente. Acho que a gente precisa de ter um procedimento bem definido, bem claro, fácil, ágil; divulgar esse procedimento, porque não adianta também a gente querer fazer uma campanha de divulgação, que hoje a gente também não vai conseguir corresponder à demanda. Digamos que hoje o nosso processo ainda tá um pouco lento, obscuro e difícil. Então a gente precisaria de dar uma melhorada no processo, fazer essa divulgação, conscientizar o servidor do que que é um acidente de trabalho, da importância da gente estar atento ao acidente, que quando você identifica uma situação de risco e você atua, você evita vários problemas maiores. E mostrar muito mais o lado da prevenção do que o lado de que o acidente pode vir a gerar algum 10

11 benefício ou algum malefício, alguma repreensão do servidor Trabalhar de forma mais adequada o que o hoje o servidor entende por acidente de trabalho. (Entrevistado 1) Não há uma estruturação do tratamento dos acidentes de trabalho, nem das caracterizações realizadas. Conforme narrado pelo entrevistado ao falar sobre os acidentes de trabalho na Administração Pública mineira: O que tem é o seguinte: ele ainda é mal notificado, ele é mal compreendido, as vantagens não estão bem colocadas, não há uma prevenção (...). No momento do admissional no Estado, a pessoa não é alertada sobre os direitos e as vantagens que ela tem. Então, isso dificulta muito, porque as coisas ainda são feitas de uma forma empírica, no disse a disse. Não se tem uma informação concreta, no computador, para todos do Estado. (Entrevistado 2) Com o objetivo de revisar e sistematizar o processo de caracterização de acidente de trabalho, além de alterar o foco de atuação em relação ao tema, no segundo semestre de 2012 a Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional redirecionou todas as atividades vinculadas aos acidentes de trabalho para a Diretoria Central de Saúde Ocupacional (DCSO). Desde então, essa Diretoria realiza a caracterização dos acidentes de trabalho e está revisando o fluxo dessa atividade. Eles estão trabalhando executando a caracterização, mas eles também ficaram incumbidos de refazer o processo, né, propor um novo processo, um novo procedimento, refazer o fluxo, né. Pensar em um formulário, para que a gente possa padronizar no Estado todo. Então, além de assumir a execução, eles ficaram com a responsabilidade de repensar o próprio processo de caracterização. (Entrevistado 2) Com o deslocamento das caracterizações de acidentes de trabalho para a DCSO, já foram implementadas algumas mudanças no processo, como a instituição de formulário próprio para caracterização do acidente de trabalho, para uso interno. Além disso, está sendo estruturado um banco de dados, com informações de todas as caracterizações de acidentes de trabalho realizadas. Nós agora temos todos os dados. Temos os dados do local, temos os dados do acidente, e nós temos os dados da pessoa, se ela sempre mexe com aquilo, se ela não mexe, nós temos a quantidade de treinamento que ela recebeu para aquilo ou não. Um dos dados que a gente está batendo é o treinamento que ela recebeu para trabalhar naquele local, se ela foi avisada, se ela foi treinada constantemente, se ela foi alertada dos riscos. (Entrevistado 2) Até então, somente os acidentes de trabalho com instrumentos perfuro-cortantes eram registrados à parte, possibilitando visualização do número de ocorrências por ano. Conforme informações dos entrevistados, esses acidentes foram registrados em um caderno desde 1998 e, até a metade de 2012, somavam mais de 400 casos. Mesmo se referindo a um tipo específico de acidente, acredita-se que o número coletado nesses 14 anos é muito baixo. Conforme relatado em entrevista, tudo indica que esse número reflita a subnotificação dos acidentes de trabalho existente no estado de Minas Gerais. A partir da transferência da caracterização para a DCSO, todas as caracterizações passaram a ser registradas em planilha, com informações mais completas sobre os acidentes, com o intuito de levantar elementos para subsidiar a nova legislação e possibilitar, no futuro, o levantamento dos ambientes e situações que oferecem risco para atuação direcionada à eliminação dos mesmos. Havia uma consolidação por parte de quem já mexia com isso com perfuro-cortante. Atualmente, nós englobamos também à saúde ocupacional, o acidente de trabalho típico, o acidente de trabalho perfuro cortante, o acidente de trabalho de secreções contaminada e o acidente de trabalho de trajeto. E fazemos o registro disso tudo e 11

12 estamos tentando municiar o computador para a gente ter um estudo mais profundo e tentarmos melhorar a legislação do Estado. (Entrevistado 2) Também foram relatadas ações planejadas de sensibilização sobre acidentes de trabalho. A DCSO está elaborando um folder informativo e, conforme relatado nas entrevistas, está planejado o desenvolvimento de esclarecimento sobre o tema por meio de mídia televisiva, destinado aos servidores públicos estaduais, especialmente aqueles lotados em escolas, que são a maioria dos funcionários da Administração Pública direta, autárquica e fundacional. Essas ações corroboram para a elaboração de nova regulamentação para o tema, para revisão do processo relativo aos acidentes de trabalho e são compreendidas pelos entrevistados como os primeiros passos para a regulamentação da Política de Saúde Ocupacional, que ainda não foi publicada. No contexto atual, foi confirmado pelas entrevistas que a atuação da SCPMSO em relação aos acidentes de trabalho está restrita à caracterização, que até muito recentemente era competência da Diretoria Central de Perícia Médica. Tratar acidentes de trabalho no âmbito da perícia médica corrobora para o desconhecimento sobre sua incidência no Estado, visto que eventos que não geram afastamento não demandam avaliação pericial e, consequentemente, tendem a não ser caracterizados. Nas entrevistas, foi relatada a importância de se notificar todo e qualquer acidente de trabalho, gerando ou não afastamento do acidentado. Esses eventos podem ser prenúncios de acidentes mais graves e, seu devido registro, além de garantir direitos ao trabalhador que porventura tenha sua saúde prejudicada futuramente em decorrência desse fato, pode indicar situações e ambientes que devem ser avaliados para sanar ou minimizar situações de risco. Como registro dos eventos que não geram afastamento podem contribuir para a prevenção daqueles mais graves por meio de uma atuação preventiva, é necessário definir de modo claro o que é considerado acidente. Essa necessidade foi ressaltada pelos entrevistados. O que é que nós vamos considerar como acidente: todo e qualquer evento, independente de ter gerado afastamento ou um dano? Se sim, então o nosso volume de caracterização vai aumentar muito. Se não, o que fazer com esses outros casos? (Entrevistado 1) Eu acho que tem que ficar claro para o servidor, primeiro em que situações que ele vai procurar, né. Qualquer tombo que ele levar ele vai procurar a gente para fazer a caracterização? Então, definir claramente o que é que a gente está considerando como acidente e qual que é o tipo de demanda que deveria realmente ser enviada para cá. Então, a primeira coisa é definir isso. (Entrevistado 1) Uma precondição para se conhecer a incidência de acidentes de trabalho entre os servidores públicos estaduais, é definir o conceito de acidente de modo claro. Sem que seja especificado o que deve ser caracterizado como acidente de trabalho, o que deve ser registrado ou o será desconsiderado nas estatísticas, não será possível conhecer aquilo sobre o qual se tem o objetivo de agir. Nesse sentido, torna-se difícil, inclusive, fazer ações de sensibilização. Atualmente, os casos que não geram afastamento, nos quais o servidor protocola toda a documentação em tempo hábil e o médico perito estabelece o nexo entre o acidente e o trabalho é caracterizado como acidente. Porém, conforme relatado pelos entrevistados, a caracterização desse tipo de evento não é comum. Há subnotificação desses acidentes que não geram afastamento e, na impressão de entrevistado, essa é maior entre os servidores do Estado de Minas Gerais que na iniciativa privada. Ademais, foi também relatado que muitos dos acidentes de trabalho caracterizados são identificados como tal pelo médico perito que avalia o servidor para fim de licença para 12

13 tratamento de saúde. Nesses casos, o médico perito informa ao servidor sobre o procedimento para caracterização ou encaminha para o setor responsável pelo procedimento. Esse fato fortalece a hipótese da subnotificação decorrente da falta de conhecimento dos atores sobre o processo. A Administração Pública de Minas Gerais não possui dados consolidados sobre acidentes de trabalho ocorridos entre os servidores. Atualmente, a caracterização é feita em documento físico pelo médico perito e fica arquivada no prontuário médico do servidor. Há um sistema eletrônico em desenvolvimento e, após implantá-lo, as caracterizações serão lançadas em sistema, sendo possível realizar levantamento dos acidentes notificados. O contexto atual do tratamento da questão não permite um levantamento fidedigno dos acidentes ocorridos, haja visto a falta de sistematização dos dados, a indefinição do processo e da conceituação, além da limitação das informações sobre o tema. Além disso, não é possível avaliar de fato as conseqüências dos acidentes de trabalho, uma vez que os acidentados não são acompanhados pela Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional, exceto quando comparecem à perícia médica para avaliação de capacidade laborativa para fim de concessão de algum benefício. Na legislação existente, as referências aos acidentes de trabalho e às doenças profissionais têm o foco no indivíduo e seu objetivo principal é assegurar direitos previdenciários, como integralidade dos proventos em afastamentos temporários do trabalho ou em caso de aposentadoria decorrente desses agravos. Não há referências às relações de trabalho que envolvem o acidente, nem à atuação no ambiente, por meio da construção de registros que possibilitem conhecimento pleno dos acidentes ocorridos para intervenção e prevenção e, como respaldado pela legislação, para a redução de riscos inerentes ao trabalho. Em 2012, a SCPMSO pactuou como um dos produtos de seu Acordo de Resultados a elaboração de uma minuta de norma que institui a política de saúde ocupacional dos servidores. Para elaborar a norma, a equipe da SCPMSO realizou benchmarking em outros Estados do Brasil com vistas a conhecer a iniciativas, além de realizar pesquisa bibliográfica sobre o campo da saúde do trabalhador e sobre a legislação que rege o tema em outros entes da Federação. Baseadas nas discussões realizadas pelo grupo de estudos formado para esse fim, a SCPMSO elaborou a minuta de projeto de lei, alinhada com a perspectiva contemporânea do campo de estudo da saúde do trabalhador (SCPMSO, 2012). Essa nova perspectiva aponta para um alinhamento das ações aos valores da Secretaria de estado de Planejamento e Gestão e aos objetivos estratégicos as Subsecretaria de Gestão de Pessoas, por meio da valorização do servidor. Caso ocorra, essa regulamentação significará um salto considerável no que concerne aos acidentes de trabalho e à Saúde do Trabalhador na Administração Pública, alterando a atuação focada na reparação de danos para o desenvolvimento de ações de vigilância e prevenção de acidentes de trabalho. Contudo, os achados desta pesquisa apontam que ainda existe um longo caminho a ser percorrido. 5. CONCLUSÃO Conclui-se que, atualmente, as ações pertinentes aos acidentes de trabalho entre os servidores efetivos de Minas Gerais são previstas na legislação e têm o objetivo de garantir direitos previdenciários aos indivíduos acidentados. Há um vazio legal no que concerne a ações de prevenção de acidentes de trabalho para os servidores estaduais. A legislação que rege o tema, ou a falta dela, deveria proporcionar aos servidores a eliminação ou a redução dos riscos inerentes ao trabalho, direito previsto constitucionalmente. Além de não haver uma legislação adequada sobre acidentes de trabalho, os procedimentos para sua notificação são regulamentados por um ato administrativo precário, um comunicado, inadequado para tal fim. Além da disponibilização das informações constantes nesse comunicado na internet, não há outros documentos que acrescentem dados 13

14 sobre o procedimento para caracterização ou sobre o que deva ser caracterizado aos atores interessados. Isso colabora para a existência de um processo que não é bem definido, muito menos bem informado. Esse procedimento e, principalmente, os motivos para se caracterizar um agravo como acidente de trabalho não são bem informados aos atores interessados e tornam-se complexos devido, inclusive, à falta de formulários próprios. O processo vigente desestimula a notificação de acidentes leves, que não geram afastamento do trabalho. Contudo, apesar do processo atual contribuir especialmente para a subnotificação dos acidentes que não geram afastamentos, conforme entrevistas, há indicações de que todo e qualquer acidente de trabalho é subnotificado no Estado. O motivo mais recorrente apresentado nas entrevistas foi a desinformação, a falta de conhecimento do processo. A regulamentação da caracterização do acidente de trabalho restringe-se ao ato pericial. Porém, essa temática é essencialmente sensível ao campo da saúde do trabalhador, por meio de prevenção dos agravos e promoção da segurança e da saúde. Essa atuação é facilitada quando há um direcionamento que, no caso do Estado, deve ser legal. Atualmente, inexiste qualquer legislação que discipline sobre matéria de prevenção de acidentes de trabalho para os servidores do estado de Minas Gerais, sendo a legislação vigente pautada na reparação de danos já consumados. Ademais, para que seja possível desenvolver ações de prevenção dos acidentes é necessário conhecê-los. Para que sejam desenvolvidas ações efetivas, todos os acidentes devem ser notificados, inclusive aqueles que não provocam danos imediatos. Os registros dos acidentes devem se aproximar ao máximo do que ocorre na realidade e, para tal, deve-se criar condições que favoreçam uma notificação sem sub-registros ou sem super-registros. Dessa maneira, é possível mapear de fato as situações de risco e atuar pontualmente nos ambientes para sua redução. O processo de consolidação e análise dos dados de acidentes de trabalho é condição básica para atuar em saúde do trabalhador. Porém, além de haver fatores que desestimulam a notificação, os dados das caracterizações realizadas não são sistematizados, impossibilitando análise e mapeamento dos acidentes. Destaca-se que a área competente pela saúde do trabalhador no Estado reconhece limitações no tratamento dos acidentes de trabalho e que é necessário mudar o foco da questão para a prevenção. Além disso, está alinhada com a idéia de que a implementação de políticas efetivas de prevenção de acidentes de trabalho depende da disseminação de informações e do conhecimento das taxas de acidentes e suas principais causas, que possibilitam uma atuação efetiva nos ambientes de trabalho. Agindo em consonância com essa concepção, a Superintendência Central de Perícia Médica e Saúde Ocupacional transferiu recentemente a competência da caracterização dos acidentes de trabalho para a Diretoria Central de Saúde Ocupacional, que, além de executar a caracterização, ficou responsável por revisar o processo atual e propor nova legislação. Essa legislação a ser proposta será parte da regulamentação da Política de Saúde Ocupacional, que terá sua minuta de lei enviada à Assembléia em breve. A temática do acidente de trabalho, segundo relatos, será uma entre as primeiras a ser regulamentada entre todas as matérias que perpassam essa Política, com foco não mais na garantia de direitos previdenciários, mas com o objetivo de criar condições para eliminação dos riscos e reduzir os acidentes de trabalho. Atualmente, o tratamento do acidente de trabalho ocorrido entre os servidores da Administração Pública direta, autárquica e fundacional de Minas Gerais se aproxima da concepção da medicina do trabalho, focada no indivíduo e na reparação dos danos. A legislação existente é precária, não garantindo nem direitos constitucionais, como a normatização com vistas a reduzir riscos. A esperada publicação da Política de Saúde 14

15 Ocupacional e sua regulamentação, caso ocorra, deslocará a atenção para as ações de prevenção, por meio de uma tentativa de alinhamento teórico com o paradigma da Saúde do Trabalhador e alinhada ao valor destacado no mapa estratégico da SEPLAG de valorização do servidor, propiciando melhores condições para o alcance dos resultados almejados pela Administração Pública. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ALVES, N. C. R. Corpos entre Saúde e Trabalho: A construção sociopolítica da LER como doença. Belo Horizonte: UFMG, 2004 (Dissertação de Mestrado) BINDER, M. C. P.; CORDEIRO, R. Sub-registro de acidentes do trabalho em localidade do Estado de São Paulo, Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 37, n. 4, Ago Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v37n4/16774.pdf>.acesso em: 15 Abr BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, ed. - Belo Horizonte: Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, 2012 Disponível em: <http://www.almg.gov.br/opencms/export/sites/default/consulte/legislacao/downloads/pdfs/c onstituicaofederal.pdf> Acesso em: 15 Nov BRASIL, Lei 8213, de 24 de julho de Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Disponível em: Acesso em: 25 Abr BRASIL. Ministério da Saúde. Por que notificar? Disponível em:< Acesso em: 17 Jan CASTRO, J. A. L. Acidente de trabalho frente à responsabilidade civil. In: CARVALHO NETO, A., SALIM, C.A.(org.). Novos desafios em saúde e segurança do trabalho. Belo Horizonte: PUC Minas, Instituto de Relações do Trabalho e Fundacentro, CARNEIRO, S. A. M. Saúde do trabalhador público: questão para a gestão de pessoas a experiência na Prefeitura de São Paulo. Revista do Serviço Público. Brasília 57 (1): Jan/Mar Disponível em: <http://www.geocities.ws/occfi/saudedoservidor.pdf#page=24>. Acesso em: 03 Abr CARNEIRO, S. A. M. Saúde do servidor: uma questão para a gestão de pessoas. Trabalho apresentado no IV Congresso Consad de Gestão Pública; Brasília, Disponível em:<http://www.sgc.goias.gov.br/upload/arquivos/ /painel_24-084_085_086.pdf>. Acesso em: 10 Nov FIGUEIREDO, R. K., SÁ, A. M. Programa de Cessação do Tabagismo para os servidores do Poder Executivo Estadual de Minas Gerais, 2011(Mimeo). GAMBA, J. C. M. Responsabilidade civil objetiva pelos danos à saúde do trabalhador. Semina: Ciências Sociais e Humanas, Londrina, v. 28, n. 1, p.23-44, jan/jun MACHADO, J. M. H., MINAYO GOMEZ, C. Acidentes de Trabalho: concepções e dados. In: Minayo, M.C.S. (org) Os Muitos Brasis: Saúde e População na Década de 80. p São Paulo/Rio de Janeiro: Hucitec/ABRASCO, MENDES, R. DIAS, E. C. Da medicina do trabalho à saúde do trabalhador. Revista Saúde Pública., S. Paulo, 25 (5): 341-9, Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rsp/v25n5/03.pdf>. Acesso em: 03 Abr

16 MINAS GERAIS. Constituição do Estado de Minas Gerais. 14.ed. Belo Horizonte. Assembleia Legislativa do Estado de Minas Gerais, Disponível em: <http://www.almg.gov.br/opencms/export/sites/default/consulte/legislacao/downloads/pdfs/c onstituicaoestadual.pdf> Acesso em: 15 Nov MINAS GERAIS. Decreto , de 02 de dezembro de Dispõe sobre a organização da Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão. Disponivel em: < &comp=&ano=2011> Acesso em: 19 Dez MINAS GERAIS. Comunicado SCSS 002 de 26 de julho de Assunto: Caracterização de Agravo como Acidente de Trabalho MINAS GERAIS. Lei 869, de 05 de julho de Dispõe sobre o estatuto dos funcionários públicos civis do Estado de Minas Gerais. Disponível em: <http://www.almg.gov.br/consulte/legislacao/completa/completa-novamin.html?tipo=lei&num=869&comp=&ano=1952&texto=consolidado>. Acesso em: 18 Abr MINAYO-GOMEZ, C., THEDIM-COSTA, S. M. F. Incorporação das ciências sociais na produção de conhecimentos sobre trabalho e saúde. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=s &lng=en&nrm=iso>. Acesso em 24 Nov MOREIRA, E. B. S. et.al. Política estadual de saúde vocal: relato de experiência. Trabalho apresentado no V Congresso CONSAD de Gestão Pública; Brasília, NEVES, F. S., FRANÇA, M. I. R., VILAÇA, T. A. A complexidade da construção de uma política integrada e estratégica de gestão de pessoas no serviço público: Uma reflexão sobre o modelo de gestão de pessoas implantado no governo de Minas Gerais. Trabalho apresentado no V Congresso Consad de Gestão Pública; Brasília, Disponível em: <http://www.escoladegoverno.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/searh_eg/imprensa/pdf/16 5.pdf>. Acesso em: 04 nov 2012 OLIVEIRA, F. A persistência da noção de ato inseguro e a construção da culpa: os discursos sobre os acidentes de trabalho em uma industria metalúrgica. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, 32 (115): 19-27, SOBRINHO, Z. P. Por uma sociologia dos acidentes do trabalho. Revista Complejus - V.1. N.1 - jan./jun Disponível em: <http://www.amatra21.org.br/complejus/arquivo%5crevista%20complejus%20zeu%20palm eira.pdf>. Acesso em: 05 Abr SCPMSO. Minuta de projeto de lei s/nº Institui a Política de Saúde Ocupacional do Servidor Público, no âmbito da Administração Pública direta, autárquica e fundacional. [Inédito] 16

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013

PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 25 DE MARÇO DE 2013 Institui as diretrizes gerais de promoção da saúde do servidor público federal, que visam orientar os órgãos e entidades do Sistema de Pessoal Civil da Administração

Leia mais

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA

GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO AUDITIVA Odilon Machado de Saldanha Júnior Belo Horizonte 2009 2 GUIA DO PROTOCOLO SALDANHA PARA AUDITORIA DO PROGRAMA DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL.

Campus Governador Lamenha Filho - Rua Jorge de Lima, 113, Trapiche da Barra, CEP 57.010.382, Maceió/AL. NÚCLEO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E SEGURANÇA DO TRABALHADOR NAISST REGIMENTO INTERNO Capítulo I Das Disposições Preliminares Art 1º. Este Regimento Interno estabelece e disciplina a estruturação e o

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA

CONSELHO FEDERAL DE FONOAUDIOLOGIA RESOLUÇÃO CFFa nº 467, de 24 de abril de 2015. Dispõe sobre as atribuições e competências relativas ao profissional fonoaudiólogo Especialista em Fonoaudiologia do Trabalho, e dá outras providências. O

Leia mais

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário

Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Modelo da Avaliação da Capacidade Laboral e do Nexo Técnico Previdenciário Instituto Nacional do Seguro Social - INSS Proposta Inicial Versão Preliminar Junho/2013 MODELO DE AVALIAÇÃO DA CAPACIDADE LABORAL

Leia mais

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO)

NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) NR 35 - GESTÃO DA SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO (PROPOSTA DE TEXTO) Objeto, princípios e campo de aplicação 35.1 Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece princípios e requisitos para gestão da segurança

Leia mais

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS

SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DIRETRIZES BÁSICAS Elaborado em: 05/01/2011 Autor: Borges 1.Introdução É comum entre empregadores e colaboradores que exerçam cargos de confiança a preocupação em gerir

Leia mais

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei:

Faço saber que a Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins decreta e eu sanciono a seguinte Lei: LEI Nº 1.374, DE 08 DE ABRIL DE 2003. Publicado no Diário Oficial nº 1.425. Dispõe sobre a Política Estadual de Educação Ambiental e adota outras providências. O Governador do Estado do Tocantins Faço

Leia mais

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS

Leia mais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais

O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico (NTE) - Leonardo Bianchini Morais MORAIS, Leonardo Bianchini. O Fator Acidentário Previdenciário (FAP) e o Nexo Técnico Epidemiológico

Leia mais

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010

SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 SECRETARIA DE RECURSOS HUMANOS PORTARIA NORMATIVA Nº 3, DE 7 DE MAIO 2010 Estabelece orientações básicas sobre a Norma Operacional de Saúde do Servidor - NOSS aos órgãos e entidades do Sistema de Pessoal

Leia mais

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG

A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA PRÓ- REITORIA DE RECURSOS HUMANOS DA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA- UEPG MAYER, Maria Fernanda (estagio I), e-mail: mariaf@onda.com.br NADAL, Isabela Martins (supervisora

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES

PREFEITURA MUNICIPAL DE MUNIZ FREIRE - ES DECRETO Nº 6.106/2013 REGULAMENTA AS LICENÇAS PARA TRATAMENTO DE SAÚDE, DE QUE TRATAM OS ARTS. 80, I; 82 A 100, DA LEI MUNICIPAL Nº 1.132, DE 02 DE JULHO DE 1990 (ESTATUTO DOS SERVIDORES PÚBLICOS DO MUNICÍPIO

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Regulamenta o inciso III do 4º do art. 40 da Constituição, que dispõe sobre a concessão de aposentadoria especial ao servidor público titular de cargo efetivo cujas atividades

Leia mais

Vigilância e saúde do trabalhador

Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância e saúde do trabalhador Vigilância em Saúde do Servidor é o conjunto de ações contínuas e sistemáticas, que possibilita detectar, conhecer, pesquisar, analisar e monitorar os fatores determinantes

Leia mais

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e

A SECRETARIA DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO, no uso de suas atribuições legais, e PORTARIA SSST Nº 11, de 13/10/1994 "Publica a minuta do Projeto de Reformulação da Norma Regulamentadora nº 9 - Riscos Ambientais com o seguinte título: Programa de Proteção a Riscos Ambientais". A SECRETARIA

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010.

INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 01, DE 26 DE FEVEREIRO DE 2010. Publicado no D.O.U de 12 de março de 2010. Institui o Projeto Qualidade de Vida dos Profissionais de Segurança Pública e Agentes Penitenciários.

Leia mais

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO

SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO SESMT - SERVIÇOS ESPECIALIZADOS EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO Aline Barbosa Pinheiro Prof. Andréia Alexandre Hertzberg Centro Universitário Leonardo da Vinci UNIASSELVI Graduação Tecnológica

Leia mais

Orientações sobre conduta em caso de acidente em serviço ou do trabalho

Orientações sobre conduta em caso de acidente em serviço ou do trabalho UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE PROGEPE PRO REITORIA DE GESTÃO DE PESSOAS CASQ COORDENAÇÃO DE ATENÇÃO INTEGRAL À SAÚDE E QUALIDADE DE VIDA DPVS DIVISÃO DE PROMOÇÃO E VIGILÂNCIA DA SAÚDE STSO SEÇÃO DE SEGURANÇA

Leia mais

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta.

A Segurança consiste na responsabilidade de saber e agir da maneira correta. Segurança do Trabalho É o conjunto de medidas que versam sobre condições específicas de instalações do estabelecimento e de suas máquinas visando à garantia do trabalhador contra riscos ambientais e de

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE

POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE POLÍTICA DE GESTÃO DE SEGURANÇA DO TRABALHO E SAÚDE OCUPACIONAL DA ELETROBRAS ELETRONORTE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 3 3 DIRETRIZES... 3 4 RESPOSABILIDADES... 5 5 DISPOSIÇÕES GERAIS... 5 2 1 OBJETIVO

Leia mais

1.1 Segurança do trabalho

1.1 Segurança do trabalho 1.1 Segurança do trabalho A Segurança do Trabalho pode ser entendida como o conjunto de medidas adotadas, visando minimizar os acidentes de trabalho, doenças ocupacionais, bem como proteger a integridade

Leia mais

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO

Reunião de Abertura do Monitoramento 2015. Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Reunião de Abertura do Monitoramento 2015 Superintendência Central de Planejamento e Programação Orçamentária - SCPPO Roteiro da Apresentação 1. Contextualização; 2. Monitoramento; 3. Processo de monitoramento;

Leia mais

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE

RIO 2016 POLÍTICA DE COMPLIANCE COMITÊ ORGANIZADOR DOS JOGOS OLÍMPICOS RIO 206 RIO 206 POLÍTICA DE 25/02/205 / 2 Sumário. OBJETIVO... 2 2. DEFINIÇÕES... 2 3. ATRIBUIÇÕES E RESPONSABILIDADES... 5 4. DIRETRIZES... 7 4. Programa Geral de...

Leia mais

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX

Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Lei N X.XXX de XX de XXXXX de XXX Dispõe sobre a Educação Ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A GOVERNADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: FAÇO SABER

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO

MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO MODELO REGIMENTO DO CORPO CLÍNICO CAPÍTULO I CONCEITUAÇÃO Art. 1º - Corpo Clínico é o conjunto de médicos que se propõe a assumir solidariamente a responsabilidade de prestar atendimento aos usuários que

Leia mais

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS.

Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Curso de Atualização Semipresencial Gestão das Condições De Trabalho e Saúde dos Trabalhadores da Saúde 1. TÍTULO Implantação do Programa de vigilância à saúde dos trabalhadores do HGRS. Daniele da Silva

Leia mais

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS.

ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS. 40 Relatório de Gestão 2014. Copyright. Proibida cópia ou reprodução sem autorização do IABAS. ESF Estratégia de Saúde da Família GESTÃO DE PESSOAS 40 Relatório de Gestão 2014 B lanço Soci l ESF Estratégia de Saúde da Família Relatório de Gestão 2014 41 GESTÃO DE PESSOAS Gestão de Pessoas Com o

Leia mais

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral

II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL. Palestrante: Luisa Rocha Cabral 1 II SEMINÁRIO SOBRE GESTÃO DE PESSOAS NO SETOR PÚBLICO DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO GERENCIAL Palestrante: Luisa Rocha Cabral Graduada em Administração Pública pela Escola de Governo Professor Paulo Neves

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN 2176-4778 ORGANIZAÇÃO DAS AÇÕES EM SAÚDE DO TRABALHADOR NA ATENÇÃO BÁSICA NOS MUNICÍPIOS DA 20ª REGIONAL DE SAÚDE DO PARANÁ 1 Viviane Delcy da Silva 2 Neide Tiemi Murofuse INTRODUÇÃO A Saúde do Trabalhador (ST)

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA INSS Nº 31, DE 10 DE SETEMBRO DE 2008 Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Previdenciário, e dá outras providências. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL: Lei nº 8.212, de

Leia mais

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania

Arquivos públicos municipais. Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania Arquivos públicos municipais Mais transparência pública, mais informação, mais memória e mais cidadania APRESENTAÇÃO Este documento tem como objetivo principal informar e sensibilizar as autoridades públicas

Leia mais

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO

O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO III Congresso Consad de Gestão Pública O NOVO MODELO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DA SEPLAG Norma Maria Cavalcanti Alcoforado Painel 02/007 Avaliação de desempenho e remuneração variável O NOVO MODELO DE

Leia mais

Orientação de Serviço SEPLAG/DCCTA e SEE/SNP nº001/2015

Orientação de Serviço SEPLAG/DCCTA e SEE/SNP nº001/2015 Orientação de Serviço SEPLAG/DCCTA e SEE/SNP nº001/2015 Assunto: Situação previdenciária dos servidores públicos estaduais efetivados pela Lei Complementar Estadual nº100, de 2007, à vista da decisão proferida

Leia mais

A POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR

A POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHADOR http:///br/resenhas.asp?ed=4&cod_artigo=73 Copyright, 2006. Todos os direitos são reservados.será permitida a reprodução integral ou parcial dos artigos, ocasião em que deverá ser observada a obrigatoriedade

Leia mais

Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO

Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO Manual básico para novos servidores SEGURANÇA DO TRABALHO Sorocaba Março de 2014 SEGURANÇA DO TRABALHO É a atividade desenvolvida por profissionais que compõem o SESMT (Serviço Especializado em Segurança

Leia mais

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS

AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS AS DOENÇAS E AS RELAÇÕES COM OS PROCESSOS TRABALHISTAS Ana Maria Selbach Rodrigues Médica do Trabalho SAÚDE Saúde: do latim, salute salvação, conservação da vida (Dicionário Aurélio) OMS = saúde é um estado

Leia mais

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE

VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE VIGILÂNCIA E PROMOÇÃO À SAÚDE Um modelo de assistência descentralizado que busca a integralidade, com a participação da sociedade, e que pretende dar conta da prevenção, promoção e atenção à saúde da população

Leia mais

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO

REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO DO CURSO DE PSICOLOGIA DA FACULDADE ANGLO-AMERICANO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º O Estágio, pela sua natureza, é uma atividade curricular obrigatória,

Leia mais

Texto para Discussão

Texto para Discussão Convênio: Fundação Economia de Campinas - FECAMP e Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - SEBRAE Termo de Referência: Reforma Trabalhista e Políticas Públicas para Micro e Pequenas Empresas Texto

Leia mais

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial

Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Seção 2: Atenção ao Paciente Subseções: Gestão do Acesso, Internação, Atendimento em Emergência e Atendimento Ambulatorial Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Requisitos necessários a todos as subseções

Leia mais

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE

SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE SEMINÁRIO NACIONAL DE SERVIÇO SOCIAL NA PREVIDÊNCIA SOCIAL O SERVIÇO SOCIAL E A SAÚDE DO TRABALHADOR: ATUAÇÃO NO BENEFÍCIO POR INCAPICIDADE Ângela Maria Fenner Assistente Social do INSS Conselheira do

Leia mais

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas

VI política de recursos humanos. Gestão de Pessoas VI política de recursos humanos Gestão de Pessoas mensagem presidencial GESTÃO DE PESSOAS O Governo Federal estabeleceu, em todos os setores, um processo amplo de diálogo e de participação. Assim, a opção

Leia mais

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS

FACULDADE DA REGIÃO DOS LAGOS INSTITUTO DE ADMINISTRAÇÃO E CIÊNCIAS ECONÔMICAS 1. Princípios Teórico-Filosóficos A Faculdade da Região dos Lagos vem se destacando como uma das principais instituições na formação de administradores, empresários e gerentes em nossa região. Além disso,

Leia mais

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL...

Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. HOSPITAL... Plano de Prevenção de Riscos de Acidentes com Materiais Perfuro Cortantes. Baseado na NR 32 Segurança e Saúde no Trabalho em Serviços de Saúde Portaria N 1.748 de 30 de Agosto de 2011. HOSPITAL... Validade

Leia mais

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso

Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso III Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí II Jornada Científica 9 a 23 de Outubro de 200 Utilização dos processos de RH em algumas empresas da cidade de Bambuí: um estudo multi-caso Sablina

Leia mais

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional

1 LIDERANÇA. Indicador 1: Eficiência da Comunicação Organizacional COMPILADO DAS SUGESTÕES DE MELHORIAS PARA O IDGP/2011 por critério e indicador 1 LIDERANÇA O critério Liderança aborda como está estruturado o sistema de liderança da organização, ou seja, o papel da liderança

Leia mais

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo)

PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) PROJETO DE LEI COMPLEMENTAR Nº, DE 2014 (Do Senhor Pedro Paulo) Institui a Lei da Meritocracia, através do Planejamento Estratégico da Administração Pública Brasileira e do Sistema Nacional de Gestão de

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa RESOLUÇÃO DE MESA N.º 806/2007. (publicada no DOE nº 236, de 13 de dezembro de 2007) Dispõe sobre o Programa de Gerenciamento

Leia mais

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2)

NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) Página 1 de 6 NR 7 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional(107.000-2) 7.1. Do objeto. 7.1.1. Esta Norma Regulamentadora - NR estabelece a obrigatoriedade de elaboração e implementação, por parte

Leia mais

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco

1 Faculdade Santa Maria. 2 Faculdade São Francisco IMPORTÂNCIA DO USO DE EPI S EM EMPRESAS INCINERADORAS DE LIXO HOSPITALAR: VISÃO DO TRABALHADOR Suênia Kátia Gonçalves 1 Lidiane Leite Nobre 1 Maria Aparecida de Freitas 1 Ana Cláudia Cavalcante Silva 1

Leia mais

A Odontologia na Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal

A Odontologia na Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal A Odontologia na Política de Atenção à Saúde e Segurança do Trabalho do Servidor Público Federal 1 Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão Departamento de Políticas de Saúde, Previdência e Benefícios

Leia mais

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes

POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes POLÍTICA DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE - SMS. Elaboração Luiz Guilherme D CQSMS 10 00 Versão Data Histórico Aprovação 00 20/10/09 Emissão de documento Aldo Guedes Avaliação da Necessidade de Treinamento

Leia mais

NR-15 (Texto para Consulta Pública)

NR-15 (Texto para Consulta Pública) MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO DEPARTAMENTO DE SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO Trata-se de proposta de texto para alteração da Norma Regulamentadora n.º 15 (Atividades

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA Santa Maria, RS. 2012 SUMÁRIO CAPÍTULO I... 3 DA NATUREZA E DOS OBJETIVOS... 3 CAPÍTULO II... 4 REGULARIZAÇÃO DO ESTÁGIO... 4 CAPÍTULO III... 5 DOS ASPECTOS LEGAIS... 5

Leia mais

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia

Estado de Goiás Prefeitura Municipal de Niquelândia PROCEDIMENTOS E ROTINAS AO DARTAMENTO DE RECURSOS HUMANOS Título: Instrução Normativa nº. 001/2012. Ementa: Recomenda procedimentos para o Departamento de Recursos Humanos dos Órgãos da Administração Direta

Leia mais

Insalubridade. Conceito

Insalubridade. Conceito Insalubridade Conceito As atividades insalubres são aquelas que, por sua própria natureza, condições ou métodos de trabalho, expõem as pessoas a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância

Leia mais

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005

GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 GERÊNCIA EXECUTIVA DO INSS EM MACEIÓ CONSELHO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL RECOMENDAÇÃO Nº 02, DE 02 DE MARÇO DE 2005 O Plenário do Conselho de Previdência Social em sua 6ª Reunião Ordinária, realizada em 02/03/2005,

Leia mais

AÇÕES REGRESSIVAS INSS

AÇÕES REGRESSIVAS INSS AÇÕES REGRESSIVAS INSS Salim Jorge Curiati São Paulo, 28 de outubro de 2008 Com fundamento no quanto disposto nos artigos 120 e 121 da 8.213/91 (Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social

Leia mais

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS

PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA PAUTA NOVO REGULAMENTO LEGISLAÇÃO CRITÉRIOS PARA REALIZAÇÃO DE PERÍCIA MÉDICA NOVOS FLUXOS PERÍCIA MÉDICA ADMINISTRATIVA Responsável pelas atividades médico- -periciais inerentes ao sistema

Leia mais

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais,

ATO Nº 20/2011. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais e regimentais, ATO Nº 20/2011 Disciplina a concessão de licenças-médicas aos servidores em exercício neste Regional e dá outras providências. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 7ª REGIÃO, no uso de suas

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metodologia Neste capítulo é descrita a metodologia da presente pesquisa, abordandose o tipo de pesquisa realizada, os critérios para a seleção dos sujeitos, os procedimentos para a coleta, o tratamento

Leia mais

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO

POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO POLÍTICA DE HIGIENE E SEGURANÇA DO TRABALHO Toda empresa deve adotar uma Política de Higiene e Segurança do Trabalho e ao adotar políticas para as suas atividades, as empresas passam a dispor de instrumentos

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA RESOLUÇÃO Nº 06/2013 DO CONSELHO DIRETOR SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL Institui o Programa de Apoio à Qualificação (QUALI-UFU) mediante o custeio de ações de qualificação para os servidores efetivos: docentes

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho

Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho Edital GERIR HUGO Nº 003/2015 Processo Seletivo Simplificado para Contratação Engenheiro de Segurança do Trabalho O Instituto GERIR, entidade de direito privado e sem fins lucrativos, classificado como

Leia mais

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008

DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 DECRETO Nº 29.290, DE 22 DE JULHO DE 2008 DODF de 23.07.2008 Dispõe sobre o afastamento para estudo, congressos, seminários ou reuniões similares de servidor e empregado da Administração Pública Distrital

Leia mais

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015

Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 Pesquisa Prazer em Trabalhar 2015 As 15 Melhores Práticas em Gestão de Pessoas no Pará VIII Edição 1 Pesquisa Prazer em Trabalhar Ano VI Parceria Gestor Consultoria e Caderno Negócios Diário do Pará A

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 16/INSS/PRES, DE 27 DE MARÇO DE 2007 Dispõe sobre procedimentos e rotinas referentes ao Nexo Técnico Epidemiológico Previdenciário NTEP, e dá outras providências. FUNDAMENTAÇÃO LEGAL:

Leia mais

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e,

O GOVERNADOR DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 91, inciso III, da Constituição Estadual e, DECRETO N.º 2297 R, DE 15 DE JULHO DE 2009. (Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial de 16/07/2009) Dispõe sobre procedimentos para concessão de licenças médicas para os servidores públicos

Leia mais

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL

COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL COORDENAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS SUPERVISÃO DE SAÚDE OCUPACIONAL NORMA INTERNA NA OCORRÊNCIA DE ACIDENTE DE TRABALHO 2012 1 SUMÁRIO I Apresentação 03 II Objetivo 03 III Informações gerais 04 IV- Preenchimento

Leia mais

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE 1.1.1 SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE GABINETE DO SECRETÁRIO GA PUBLICADA NO DOE DE 12-1-213 SEÇÃO I PÁG 46-5 RESOLUÇÃO SMA Nº 97, DE 1 DE OUTUBRO DE 213 O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE,

Leia mais

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira

GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS. Vanice Ferreira GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS Vanice Ferreira 12 de junho de 2012 GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais DE QUE PROCESSOS ESTAMOS FALANDO? GESTÃO E OTIMIZAÇÃO DE PROCESSOS: conceitos iniciais

Leia mais

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE)

O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Página 1 de 5 O fator acidentário previdenciário (FAP) e o nexo técnico epidemiológico (NTE) Texto extraído do Jus Navigandi http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=10065 Leonardo Bianchini Morais

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comisão designada pela Portaria nº 1.525/11, prorrogada pela Portaria nº 561/12

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Comisão designada pela Portaria nº 1.525/11, prorrogada pela Portaria nº 561/12 RELATÓRIO FINAL DA COMISSÃO DESIGNADA PELA PORTARIA UTF N 1.525/2011, ORROGADA PELA PORTARIA UTF Nº 561/2012, RESPONSÁVEL PELA AESENTAÇÃO DE OPOSTA DE VIABILIDADE DE IMPLANTAÇÃO DO DECRETO Nº 4.836/2003

Leia mais

Sistema de Gestão de SMS

Sistema de Gestão de SMS DESCRIÇÃO DA EMPRESA Nome SMART EXPRESS TRANSPORTES LTDA EPP CNPJ 12.103.225/0001-52 Insc.Est. 79.477.680 Atividade: transporte rodoviário de carga em geral Código: 206-2 Nº de funcionários (inclusive

Leia mais

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador

II.7.7 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador 60 / 70 - Programa de Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS do Trabalhador.1 Justificativa A PETROBRAS busca integrar Segurança, Meio Ambiente e Saúde SMS, consolidando os princípios relacionados a estes

Leia mais

Manual de Recursos Humanos

Manual de Recursos Humanos Manual de Recursos Humanos Associação dos Amigos do Paço das Artes Francisco Matarazzo Sobrinho Organização Social de Cultura 1 Finalidade: Disponibilizar princípios básicos de gestão de pessoal que devem

Leia mais

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011

DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 DECRETO No- 7.602, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2011 Dispõe sobre a Política Nacional de Segurança e Saúde no Trabalho PNSST. A PRESIDENTA DA REPÚBLICA, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84, incisos

Leia mais

5 Conclusão e Considerações Finais

5 Conclusão e Considerações Finais 5 Conclusão e Considerações Finais Neste capítulo são apresentadas a conclusão e as considerações finais do estudo, bem como, um breve resumo do que foi apresentado e discutido nos capítulos anteriores,

Leia mais

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA

Administração Central Unidade de Ensino Médio e Técnico - CETEC. Plano de Trabalho Docente 2013. Qualificação: SEM CERTIFICAÇÃO TÉCNICA Plano de Trabalho Docente 2013 Ensino Técnico ETEC Dr. Francisco Nogueira de Lima Código:059 Município: CASA BRANCA Área Profissional: AMBIENTE, SAÚDE E SEGURANÇA Habilitação Profissional: TÉCNICO EM SEGURANÇA

Leia mais

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação

(Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014. (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação (Assessoria de Comunicação Social/MEC) INSTRUMENTO DIAGNÓSTICO PAR MUNICIPAL 2011-2014 (6ª versão maio 2011) Ministério da Educação Instrumento Diagnóstico - PAR Municipal 2011-2014 A gestão que prioriza

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Caro colega. Gustavo Moreno Frias Diretor de Saúde

Caro colega. Gustavo Moreno Frias Diretor de Saúde Caro colega Nesta Cartilha estão as principais perguntas sobre LER, CAT e Direitos, que os bancários fazem seja por telefone ou contato direto no local de trabalho. É um verdadeiro guia rápido e contou

Leia mais

entrevista semi-estruturada; estruturada;

entrevista semi-estruturada; estruturada; MONITORAMENTO & AVALIAÇÃO DA APS: CONCEPÇÃO DOS TRABALHADORES DA SAÚDE DA SESA Equipe dos Núcleos da Normalização e Desenvolvimento de Recursos Humanos/SESA/ES Brasília Agosto/2008 INTRODUÇÃO CONTEXTUALIZAÇÃO:

Leia mais

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte:

Referido dispositivo é aplicado aos servidores públicos por força de previsão expressa do artigo 39, parágrafo 3º, o qual dispõe o seguinte: 1. Da legislação que prevê o direito às férias - previsão constitucional e infraconstitucional Preconiza o artigo 7º da Constituição Federal que o trabalhador possui direito a férias anuais, com um adicional

Leia mais

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO

MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO MANUAL DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS SERVIDORES TÉCNICO- ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO UFES 2015 SUMÁRIO 1. Apresentação O Programa de Avaliação de Desempenho constitui um processo pedagógico, coletivo

Leia mais

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE

ADICIONAL DE PERICULOSIDADE 1 - DEFINIÇÃO Adicional salarial a que fazem jus os servidores que trabalham em contato permanente sob condições de risco acentuado em determinadas atividades ou operações classificadas como perigosas

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA

ESTUDO COMPARATIVO NBR ISO 13485:2004 RDC 59:2000 PORTARIA 686:1998 ITENS DE VERIFICAÇÃO PARA AUDITORIA ESTUDOCOMPARATIVO NBRISO13485:2004 RDC59:2000 PORTARIA686:1998 ITENSDEVERIFICAÇÃOPARAAUDITORIA 1. OBJETIVO 1.2. 1. Há algum requisito da Clausula 7 da NBR ISO 13485:2004 que foi excluída do escopo de aplicação

Leia mais

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina

Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Resolução nº 1488/98 do Conselho Federal de Medicina Deveres dos médicos com relação à saúde do trabalhador Versa sobre normas específicas para médicos que atendam o trabalhador Fonte: Diário Oficial da

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ Criada pela Lei nº 10.435, de 24 de abril de 2002 NORMA PARA PARTICIPAÇÃO DOS SERVIDORES TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO DA, EM TREINAMENTO REGULARMENTE INSTITUÍDO EDUCAÇÃO FORMAL CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Estabelece critérios para participação

Leia mais

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3)

ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) ANEXO VII: NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) NR 9 - PROGRAMA DE PREVENÇÃO DE RISCOS AMBIENTAIS (109.000-3) 9.1. Do objeto e campo de aplicação. 9.1.1. Esta Norma Regulamentadora

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Publicada no DJE/STF, n.10, p. 1-3 em 16/01/2015 RESOLUÇÃO Nº 542, DE 13 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre as prerrogativas, as responsabilidades, a competência e a atuação da Secretaria de Controle Interno

Leia mais