Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas"

Transcrição

1 Plano de Ação Política de Gestão de Pessoas (Produto 1) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO DO SISTEMA DE CONTROLE EXTERNO DOS ESTADOS, DISTRITO FEDERAL E MUNICÍPIOS BRASILEIROS - PROMOEX 1

2 Recife/PE, 06 de agosto de 2010 Ao: TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA Programa de Modernização do Sistema de Controle Externo dos Estados e Município - PROMOEX Em conformidade com a proposta de trabalho apresentada ao Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia que visa a elaboração da política de recursos humanos e modernização da gestão de pessoal do TCM/BA, os trabalhos da consultoria serão planejados baseado nas sete fases e quatorze produtos descritos detalhadamente, que contemplam a definição da política de gestão de pessoas; uma nova sistemática para avaliação de produtividade e desempenho; a redefinição do plano de cargos, carreiras e vencimentos e elaboração do programa de saúde, qualidade de vida e cidadania do servidor. O presente relatório refere-se ao Plano de Ação (produto1) que consta na fase 1 da prestação dos serviços, que consta o detalhamento das atividades, métodos e técnicas utilizadas, produtos, unidades envolvidas e cronograma físico, voltado para a concretização dos trabalhos, considerando todas as fases do seu desenvolvimento. Nele constam os objetivos estratégicos, fatores críticos de sucesso, etapas do trabalho e as respectivas entregas. Cibelli Maria Pinheiro de Almeida Diretoria Executiva 2

3 I. OBJETIVOS ESTRATÉGICOS a) Analisar e Desenhar Políticas para as práticas da Gestão de Pessoas focada nos resultados/produtividade do TCM/BA; b) Definir as políticas e práticas de incentivo à produtividade; c) Propor políticas e instrumento para Avaliação de Desempenho focalizando os resultados e produtividade com base nas competências; d) Construir políticas de Qualidade de Vida, Saúde e Cidadania; e) Redefinir Modelo de Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos; f) Elaborar estratégia para gerenciamento da mudança e plano de implantação das políticas de gestão de pessoas. II. METODOLOGIA EMPREGADA a. Diagnóstico através de análise do ambiente organizacional, documentações e aplicação de pesquisas; b. Entrevistas individuais com os representantes das equipes de trabalho; c. Discussão das políticas de Gestão com Pessoas com um Comitê (grupo de trabalho) para validação e apresentação aos gestores de nível estratégico para aprovação e disseminação; d. Palestra, evento e reuniões para sensibilização à mudança. 3

4 III. FATORES CRÍTICOS DE SUCESSO Com base numa gestão estratégica das pessoas que compõem o Tribunal de Contas dos Municípios da Bahia e na sua decisão de modernizar, o fator crítico para sucesso deste projeto está voltado para o comprometimento da alta gestão. Portanto, para o alcance dos resultados esperados faz-se necessário a participação efetiva dos gestores de nível estratégico nas reuniões propostas e no constante apoio das ações e da disseminação junto aos servidores. IV. FASES DOS SERVIÇOS O trabalho será realizado em sete fases durante cinco meses, conforme descrito a seguir: FASE 1 Realização de diagnóstico da área de Recursos Humanos do Tribunal de Contas Atividades Específicas dos Consultores: a. tomar conhecimento das atribuições constitucionais e legais do Tribunal de Contas e dos aspectos gerais do seu exercício, bem como da sua estrutura organizacional e das atribuições específicas das suas unidades; b. pesquisar e estudar a normatização relacionada com o objeto da contratação; c. identificar a existência de política de RH no TCM/BA; d. realizar entrevistas, bem como promover reuniões (palestras) de sensibilização e discussões com servidores e gerentes do TCM/BA, abordando aspectos como necessidade e oportunidade de mudanças no TCM/BA, relativas a critérios de alocação de pessoal, formação de Banco de Potencial, adequação da Política 4

5 de Recursos Humanos, revisão do Plano de Cargos e Vencimentos dos servidores; sistemática de avaliação de desempenho e de incentivo a produtividade; instituição de programa de saúde, qualidade de vida e cidadania; e. elaborar plano de ação detalhamento das atividades, métodos e técnicas utilizadas, produtos, unidades envolvidas e cronograma físico, voltado para a concretização dos trabalhos, consideradas todas as fases do seu desenvolvimento, o qual deverá ser submetido ao Grupo de Trabalho para verificação e aprovação; f. confeccionar relatório contendo a percepção dos consultores acerca da área de Recursos Humanos; g. redigir atas de todas as reuniões de trabalho. FASE 2 Análise da atual Política de Recursos Humanos do TCM/BA Atividades Específicas dos Consultores: a. verificar a concepção da Política de RH existente no TCM/BA; b. examinar o Plano de Carreira do Tribunal de Contas dos Municípios do estado da Bahia - TCM/BA (Lei Estadual nº4.824 de 19 de janeiro de 1989 e suas alterações), identificando eventuais defasagens entre classes, níveis e grupos (apoio, médio e superior), possíveis desníveis existentes entre os cargos, bem como deficiências nos instrumentos de avaliação para efeito de promoção dos servidores; c. analisar, à luz do instrumento normativo retro-referido, a estrutura atual dos cargos, assim como suas respectivas atribuições e vencimentos; d. mapear as áreas de atuação de servidores em meio à estrutura do TCM/BA, levando em consideração suas atribuições 5

6 constitucionais; e. identificar e analisar critérios de alocação de pessoal no âmbito do Tribunal de Contas; f. identificar e analisar a atual sistemática de avaliação de desempenho e de incentivo a produtividade dos servidores do TCM/BA; g. identificar e verificar a necessidade de instituição de programa de saúde, qualidade de vida e cidadania, aos servidores; h. elaborar relatório que apresente o resultado dos trabalhos realizados nesta fase; i. redigir atas de todas as reuniões de trabalho. FASE 3 Consolidação de diretrizes para a elaboração de Política de Recursos Humanos para o TCM/BA Atividades Específicas dos Consultores: a. mapear o processo de elaboração de Política de Recursos Humanos para o TCM/BA; b. verificar a possibilidade de manutenção/aperfeiçoamento/adequação de diretrizes pertencentes a atual política de RH; c. identificar, em meio aos estudos e trabalhos realizados, demandas para a elaboração da Política de RH; d. eleger as diretrizes a serem incluídas na nova política de RH, dentre as quais devem merecer destaque: as necessidades organizacionais de uma sistemática adequada de avaliação de desempenho e de incentivo a produtividade, racional e motivador, tendo sempre em vista a missão e os objetivos estratégicos da Instituição. o estabelecimento de critérios para mensuração de 6

7 quadro de pessoal a ser proposto para o Tribunal, relativamente à composição de cargos e funções, assim como às suas respectivas atribuições e lotações, levando em consideração sua estrutura e competências constitucionais; as necessidades organizacionais de um programa de saúde, qualidade de vida e cidadania, tendo em vista a missão e os objetivos estratégicos da Instituição, definição de critérios e o desenvolvimento de sistemática para alocação de pessoal no âmbito do TCM/BA; a instituição de mecanismos de aprimoramento do sistema de remuneração e de promoção dos servidores; a fixação de regras para fins de instituição de Banco de Potencial para o TCM/BA. e. elaborar relatório acerca dos trabalhos realizados nessa fase; f. redigir atas de todas as reuniões de trabalho. FASE 4 Definição da Política de Recursos Humanos para o TCM/BA Atividades Específicas dos Consultores: a. definir as premissas, pressupostos, parâmetros e diretrizes a partir dos quais será formatada a sistemática de avaliação de desempenho e de incentivo à produtividade; b. formular a sistemática de avaliação de desempenho e de incentivo à produtividade; c. definir as premissas, pressupostos, parâmetros e diretrizes a partir dos quais será formatado o programa de saúde, qualidade de vida e cidadania. d. definir o novo modelo para a Política de RH do TCM/BA e o respectivo fluxograma, de forma a melhor contribuir para o 7

8 alcance dos objetivos do setor e daqueles definidos no Programa de Modernização do Sistema de Controle Externo dos Estados, Distrito Federal e Municípios Brasileiros PROMOEX; e. especificar os programas, sistemas e atividades para atendimento das novas Políticas de Recursos Humanos a ser implantada no TCM/BA visando a otimização do sistema existente. f. indicar prioridades de curto, médio e longo prazo, para a implantação das novas Políticas de RH; g. apresentar sugestões de alterações, caso necessárias, em normativos atinentes à área de RH, existentes no Tribunal; h. elaborar estratégia para o gerenciamento da mudança e o plano de implantação das novas Políticas de RH; i. elaborar minuta(s) de projeto(s) de instrumento(s) normativo(s) voltado(s) para a implantação da política de RH estabelecida para o Tribunal; j. elaborar relatório acerca dos trabalhos realizados nessa fase, apresentando, junto ao mesmo, os produtos nela desenvolvidos; k. - redigir atas de todas as reuniões de trabalho. FASE 5 Elaboração de projeto de revisão do Plano de Cargos e Vencimentos dos servidores do TCM/BA Atividades Específicas dos Consultores: a. redefinir modelo de Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos para os servidores do TCM/BA, adequando-o às diretrizes definidas na Política de Recursos Humanos apresentada pelos consultores ao Tribunal, tendo por base o plano atual; b. elaborar minuta de projeto de lei, voltado para a revisão do atual Plano ou para a implantação de novo modelo de Plano, o 8

9 qual será submetido à aprovação tanto do Plenário deste Tribunal de Contas quanto da Assembléia Legislativa; c. elaborar relatório acerca dos trabalhos realizados nessa fase, apresentando, junto ao mesmo, o produto nela desenvolvido; d. redigir atas de todas as reuniões de trabalho. FASE 6 Formação de Banco de Potencial para o Tribunal de Contas Atividades Específicas dos Consultores: a. efetuar levantamento do perfil de cada servidor, componente do atual quadro de pessoal do Tribunal de Contas, com vistas à formação de Banco de Potencial, com base em seus conhecimentos, competências, habilidades e atitudes necessários para o desenvolvimento de cada processo de trabalho; b. definir e desenvolver sistemática para formação do Banco de Potencial do Tribunal. c. elaborar relatório acerca dos trabalhos realizados nessa fase, apresentando, junto ao mesmo, o produto nela desenvolvido; d. redigir atas de todas as reuniões de trabalho. FASE 7 Estratégias para implantação da Política de Recursos Humanos definida para o TCM/BA Atividades Específicas dos Consultores: a. elaborar estratégia para o gerenciamento da mudança na área de Recursos Humanos e o plano de implantação da nova estrutura de RH, bem como dos processos de trabalho a ela vinculados detalhar atividades, priorizações de ações/processos a serem implementados, unidades envolvidas e cronograma físico; 9

10 b. preparar e conduzir treinamento para transferência dos conhecimentos e técnicas de implantação e condução da Política de Recursos Humanos do TCM/BA, direcionado a equipe de multiplicadores indicada pelo Tribunal (aproximadamente 20 servidores); c. elaborar relatório acerca dos trabalhos realizados nessa fase, apresentando, junto ao mesmo, os produtos nela desenvolvidos; d. redigir atas de todas as reuniões de trabalho. V. ENTREGAS - PRODUTOS E RELATÓRIOS O quadro abaixo apresenta o rol dos relatórios e/ou produtos oferecidos como resultado da execução dos serviços de consultoria: FASES 1 RELATÓRIOS/PRODUTOS PRODUTO 1 Plano de Ação (detalhamento das atividades, métodos e técnicas utilizadas, produtos, unidades envolvidas e cronograma físico, voltado para a concretização dos trabalhos, consideradas todas as fases do seu desenvolvimento). PRODUTO 2 Relatório contendo a percepção dos consultores acerca da área de Recursos Humanos do Tribunal de Contas dos Municípios do estado da Bahia. 2 3 PRODUTO 3 Relatório apresentando o resultado dos trabalhos decorrentes da análise efetuada na atual Política de Recursos Humanos do TCM/BA mostrando seus pontos críticos. PRODUTO 4 Relatório acerca dos trabalhos realizados na Fase 3, do qual deverá constar o elenco das diretrizes escolhidas pelos consultores para inclusão na política de RH do Tribunal. 10

11 4 PRODUTO 5 Produtos a serem desenvolvidos na Fase 4 quais sejam: 1 projeto de Política de Recursos Humanos a ser implantada no TCM/Ba e seu respectivo fluxograma; 2 minuta(s) de projeto(s) de instrumento(s) normativo(s) voltado(s) para a implantação da política de RH estabelecida para o Tribunal; e 3 sugestões de alterações, caso necessárias, em normativos atinentes à área de RH, existentes no Tribunal. 4- documento especificando os programas, sistemas e atividades para atendimento das novas Políticas de RH com a otimização do sistema existente. PRODUTO 6 Relatório acerca dos trabalhos realizados na Fase 4, o qual deverá conter, em anexo, os produtos nela desenvolvidos (itens 1 a 4 do PRODUTO 5). 5 PRODUTO 7 Minuta de projeto de lei, voltado para a revisão do atual Plano (Plano de Cargos e Vencimentos dos servidores do TCM/Ba) ou para a implantação de novo modelo de Plano (Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos para os servidores do TCM/Ba). PRODUTO 8 Relatório acerca dos trabalhos realizados na Fase 5 junto ao qual deverá se achar anexo o projeto de lei a que se refere o PRODUTO 7. PRODUTO 9 Documento contendo Perfis dos servidores componentes do atual quadro de pessoal do Tribunal de Contas, baseados em seus conhecimentos, competências, habilidades e atitudes necessários para o desenvolvimento de cada processo de trabalho, no âmbito do Tribunal de Contas. 6 PRODUTO 10 Sistemática para formação do Banco de Potencial do TCM/Ba, definida e desenvolvida. PRODUTO 11 Relatório acerca dos trabalhos realizados na Fase 6 o qual deverá conter, em anexo, os produtos nela desenvolvidos (PRODUTO 9 e PRODUTO 10). 7 PRODUTO 12 Estratégia para o gerenciamento da mudança na área de Recursos Humanos e o plano de implantação da nova estrutura de RH, bem como dos processos de trabalho a ela vinculados. 11

12 PRODUTO 13 Treinamento para transferência de tecnologia (capacitação em técnicas de implantação e condução da Política de RH do TCM/Ba, direcionada para equipe de servidores indicada pelo Tribunal). PRODUTO 14 Relatório acerca dos trabalhos realizados na Fase 7, devendo conter, em anexo, um resumo executivo de todas as atividades desenvolvidas e dos resultados alcançados durante o período da consultoria. VI. CRONOGRAMA GERAL DE ATIVIDADES O Quadro abaixo apresenta o período previsto para a execução das atividades: FASES Realização de diagnóstico da área de Recursos 1 Humanos do Tribunal de Contas Análise da atual Política de Recursos Humanos do 2 TCM/Ba Consolidação de diretrizes para a elaboração de 3 Política de Recursos Humanos para o TCM/Ba Definição da Política de Recursos Humanos para o 4 TCM/Ba Elaboração de projeto de revisão do Plano de Cargos e Vencimentos dos servidores do TCM/Ba Formação de Banco de Potencial para o Tribunal de Contas Estratégias para implantação da Política de Recursos Humanos definida para o TCM/Ba PERÍODO TOTAL DE EXECUÇÃO PERÍODO DE EXECUÇÃO agosto agosto agosto agosto e setembro agosto, setembro e outubro setembro, outubro e novembro novembro dezembro 5 meses 12

13 PREVISÃO MENSAL DE ENTREGAS Agosto Produto 1, 2, 3 e 4 - plano de ação, percepção, análise e diretrizes Setembro Produtos 5 e 6 Políticas de Gestão de Pessoas Outubro Produtos 7 e 8 Plano de Cargos, Carreiras e Vencimentos Novembro Produtos 9, 10 e 11 Avaliação de Desempenho e Banco de Potencial Dezembro Produtos 12 e 13 Estratégia gestão da mudança e treinamento Produto 14 Relatório final e Evento RESUMO DAS FASES/PRODUTOS FASE 1 FASE 2 FASE Etapa 3 II Produto Fase 1 1 Modelagem e Implantaç Plano ç de ão Ação dos Processos Produto Fase 2 2 Produto 3 Produto 4 Modelagem e do Percepção Sistema Diagnóstico Diretrizes AGOSTO FASE 4 FASE 5 Produto Fase 1 5 Modelagem e Definição Implantaç ç Política ão dos Processos Produto Fase 2 6 Produto 7 Produto 8 Modelagem e do Minuta Sistema e Manual Plano de Cargos Projeto de Lei PCCV SETEMBRO OUTUBRO FASE 6 FASE 7 Etapa II Fase Produto 1 9 Modelagem e Implantaç ç Perfil Servidor ão dos Processos Produto Fase 10 2 e 11 Modelagem e Banco do Sistema de Potencial Produto 12 Produto 13 Estratégia Treinamento Produto 14 Relatório Final OUTUBRO NOVEMBRO DEZEMBRO 13

14 VII. PLANO DE AÇÃO DETALHADO No cronograma abaixo é apresentado o detalhamento das atividades, métodos e técnicas utilizadas, produtos, unidades envolvidas, voltado para a concretização dos trabalhos, consideradas todas as fases do seu desenvolvimento. 1. DIAGNÓSTICO DA ATUAL POLÍTICA DE GESTÃO DE PESSOAS ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO OBJETIVO ESTRATÉGICO 1. Analisar e Desenhar Políticas para as práticas da Gestão de Pessoas focada nos resultados/produtivi dade do TCM/BA TEMA FASE PROD. ATIVIDADE MÉTODO/ TÉCNICA PRAZO (dias) Diagnóstico 1, 2 e 3 1, 2 e 3 Levantamento e Análise documental e observação em campo sobre atual política de RH. Diagnóstico 1, 2 e 3 1 Diagnóstico 1, 2 e 3 1 Elaboração do plano de ação detalhado Apresentação do Plano de Ação Pesquisa da legislação vigente e conhecimento in loco das práticas de RH. Construção interna baseada nos dados obtidos. Reunião para apresentação expositiva e dialogada. UNIDADE ENVOLVIDA 15 Grupo de Trabalho e Consultoria CONSULTOR RESPONSÁVEL 3 Consultoria 1 Grupo de Trabalho e Consultoria 14

15 Diagnóstico 1, 2 e 3 1, 2 e 3 Apresentação da consultoria e sensibilização à mudança Palestra interativa 1 Todos os servidores e Consultoria Diagnóstico 1, 2 e 3 1, 2 e 3 Entrevistas com gestores estratégicos Diagnóstico 1, 2 e 3 2 Diagnóstico 1, 2 e 3 2 e 3 Diagnóstico 1, 2 e 3 2 e 3 Relatório contendo a percepção dos consultores acerca da área de RH Preparação de integrantes do Grupo de Trabalho para coleta de dados Relatório com análise da atual Política de RH do TCM-BA Entrevista individual 2 Consultoria, Conselho, Auditoria, Superintend. e Diretoria Transcrição das informações levantadas e observadas Orientação direcionada para acompanhamento do retorno dos questionários aplicados Apresentação expositiva para validação 1 Consultoria 2 Grupo de Trabalho e Consultoria 1 Grupo de Trabalho e Consultoria Tatiane Pimentel 15

16 2. DEFINIÇÃO DAS POLÍTICAS DE GESTÃO DE PESSOAS ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: 1. Definir as políticas e práticas de incentivo à produtividade; 2. Propor políticas e instrumento para Avaliação de Desempenho focalizando os resultados e produtividade com base nas competências; TEMA FASE PROD. ATIVIDADE MÉTODO/ TÉCNICA PRAZO (dias) Definição 3 e 4 4 Proposta e consolidação das diretrizes propostas para nova política de RH. Definição 4 5 e 6 Análise do sistema de avaliação de desempenho vigente Definição 4 5 e 6 Alinhamento das competências essenciais/ individuais Definição 4 5 e 6 Aplicação do Instrumento de Avaliação Pesquisa bibliográfica e análise das experiências na gestão dos tribunais de contas. UNIDADE CONSULTOR ENVOLVIDA RESPONSÁVEL 5 Grupo de Trabalho e Consultoria Levantamento dos instrumentos utilizados e resultados das últimas avaliações 3 Consultoria Encontros com os gestores estratégicos Sistema informatizado 20 2 Consultoria Tatiane Pimentel Consultoria Servidores Tatiane Pimentel 16

17 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: 3. Construir políticas de Qualidade de Vida, Saúde e Cidadania. Definição 4 5 e 6 Elaboração e aplicação da pesquisa sobre o estilo de vida, saúde e qualidade de vida, cidadania Definição 4 5 e 6 Mapeamento do perfil de saúde e qualidade de vida dos servidores. Definição 4 5 e 6 Definição de indicadores para mensurar viabilidade do programa de SQVT Levantamento dos benefícios e programas adotados pelo TCM-BA e entrevista com as áreas (administrativa/ gestão de pessoal) Tabulação e análise das informações levantadas na pesquisa. Analítico, descritivo e comparativo Definição 4 5 e 6 Apresentação do Plano Reunião com exposição dialogada. Corporativo de QSVTCidadania Definição 4 4,5 e 6 Elaboração do Projeto de Política de RH c/respectivos fluxogramas, programas, sistemas e minuta. Encontros com o grupo de trabalho, associação, área adm./gestão de pessoal para construção interativa do projeto 10 Consultoria Servidores (amostra) Tatiane Pimentel 2 Consultoria Tatiane Pimentel 2 Consultoria 1 Consultorias e Grupo de trabalho 15 Consultoria e Grupo de trabalho 17

18 3. REDEFINIÇÃO DE PLANO DE CARGOS, CARREIRA E VENCIMENTOS ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO TEMA FASE PROD. AÇÃO MÉTODO/TÉCNICA PRAZO (dias) Redefinição 5 7 e 8 Análise do modelo da gestão de cargos praticados pelo TCM- BA Avaliação das leis e normativos. UNIDADE ENVOLVIDA 10 Consultoria Área adm/ gestão de pessoal CONSULTOR RESPONSÁVEL OBJETIVO ESTRATÉGICO: Redefinir Modelo de Plano de Carreira, Cargos e Vencimentos. Redefinição 5 7 e 8 Revisão da estrutura do desenho dos cargos e funções Descrição e especificações de cargos Redefinição 5 7 e 8 Definição da estrutura ocupacional e de salários Reunião com área adm / gestão de pessoal e entrevistas setoriais Análise, avaliação e ordenamento dos cargos e funções. 30 Consultorias e setores (a definir) 10 Consultoria e grupo de Trabalho Tatiane Pimentel Redefinição 5 7 e 8 Modelagem de indicadores e critérios para a implantação do plano. Redefinição 5 7 e 8 Definição das políticas para a gestão de cargos e vencimentos Análise no mercado com organizações de perfil semelhante Reuniões com o grupo de trabalho e área adm / gestão de pessoal para construção do plano de cargos e vencimentos 10 Consultoria 10 Consultoria e grupo de Trabalho 18

19 Redefinição 5 7 e 8 Preparação de uma minuta de projeto de lei Redefinição 5 7 e 8 Criação do Manual de cargos, carreira e vencimentos Composição do documento com apoio da área de planejamento Produção de lay-out 10 5 Consultoria Consultoria e Assessoria de Comunicação 4. FORMAÇÃO DO BANCO DE POTENCIAL OBJETIVO ESTRATÉGICO: 1. Elaborar banco de talentos baseado em competências Formação 6 9 e 10 Levantamento do perfil de cada servidor Formação 6 9 e 10 Criação do Banco de Potencial Formação 6 9 e 10 Elaboração e apresentação do relatório com a sistemática do banco de potencial Através do resultado da avaliação de desempenho Análise e descrição dos perfis dos servidores. Reunião com grupo de trabalho 30 Consultoria Tatiane Pimentel 15 Comitê e Consultores 5 Consultoria e grupo de trabalho 19

20 5. GESTÃO DA MUDANÇA E IMPLANTAÇÃO ESTRATÉGIA DE ATUAÇÃO OBJETIVO ESTRATÉGICO: Elaborar estratégia para gerenciamento da mudança e plano de implantação das políticas de gestão de pessoas. TEMA FASE PROD. AÇÃO MÉTODO/TÉCNICA PRAZO (dias) Gestão 6 e 7 12, 13 e 14 Relatório com proposta para gerenciamento da mudança e implantação da nova estrutura de gestão de pessoas. Reunião com o grupo de trabalho Gestão 6 e 7 12, 13 e 14 Preparação da Capacitacão de Pessoal Construção do conteúdo proposto. UNIDADE ENVOLVIDA CONSULTOR RESPONSÁVEL 2 Consultoria 5 Consultoria Gestão 6 e 7 12, 13 e 14 Treinamento com os gestores/ grupo de trabalho (20) Participativa com, trabalhos em grupos, exercícios práticos e vivências. 10 Consultoria Grupo de trabalho Gestores estratégicos Gestão 6 e 7 12, 13 e 14 Preparação do Plano de comunicação para disseminação das políticas Uso das mídias internas: intranet, folder, cartilha, cartaz, publicações internas, quadro de avisos, dentre outras. 7 Consultoria e Assessoria de Tatiane Pimentel Comunicação 20

21 Gestão 7 12, 13 e 14 Organização e execução de Evento para divulgação das novas políticas de RH Gestão 7 12, 13 e 14 Relatório Geral com resumo executivo das atividades desenvolvidas e resultados alcançados. Reunião para apresentação expositiva. 5 Consultoria e Grupo de trabalho 1 Consultoria, Grupo de trabalho e gestores estratégicos Tatiane Pimentel Plano de Ação elaborado pelas consultoras:, e Recife, 06 de agosto de

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 3ª REGIÃO Controle de Versões Autor da Solicitação: Subseção de Governança de TIC Email:dtic.governanca@trt3.jus.br Ramal: 7966 Versão Data Notas da Revisão 1 03.02.2015 Versão atualizada de acordo com os novos

Leia mais

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados

Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados E77p Espírito Santo. Tribunal de Contas do Estado. Plano de Ação 2015: Objetivos estratégicos, Indicadores, Metas e Projetos priorizados / Tribunal de Contas do Estado. Vitória/ES: TCEES, 2015. 13p. 1.Tribunal

Leia mais

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi

Gestão de Recursos Humanos e Contratualização. Nelson Marconi Gestão de Recursos Humanos e Contratualização Nelson Marconi Estágios das Políticas de Recursos Humanos 1º estágio: controles e ajuste das despesas 2º estágio: definição de políticas consistentes porém

Leia mais

Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade

Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade Desenvolvendo pessoas e um melhor serviço à sociedade Relatório de atividades 2014 Introdução No quadriênio de 2007 a 2010 a implantação de Modelo de Gestão de Pessoas por Competências na Secretaria da

Leia mais

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob;

b) supervisionar o cumprimento desta política pelas entidades integrantes do Sistema Sicoob; 1. Esta Política institucional de gestão de pessoas: Política institucional de gestão de pessoas a) é elaborada por proposta da área de Gestão de Pessoas da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob

Leia mais

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares,

Região. O PRESIDENTE DO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO, no uso de suas atribuições legais, regimentais e regulamentares, PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA DO TRABALHO TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 24ª REGIÃO PORTARIA TRT/GP/DGCA Nº 630/2011 Define a Política de Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicações

Leia mais

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF

Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Secretaria de Fiscalização de Pessoal Levantamento de Governança e Gestão de Pessoas na APF Fabiano Nijelschi Guercio Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Brasília-DF, 25 de fevereiro de 2013

Leia mais

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas

Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas Relatório Percepção das Consultoras acerca do cenário e práticas de Gestão de Pessoas (RH) do Tribunal de Contas (Produto 2) TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DA BAHIA PROGRAMA DE MODERNIZAÇÃO

Leia mais

Consultoria: Alta Performance em Vendas

Consultoria: Alta Performance em Vendas MPRADO COOPERATIVAS Consultoria: Alta Performance em Vendas Apresentação: MPrado Consultoria Empresarial Uma das maiores consultorias em Agronegócio do Brasil; 15 anos de mercado; 70 Consultores em Gestão

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

PROCESSOS DE PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS

PROCESSOS DE PLANEJAMENTO E GERENCIAMENTO DE PROJETOS 1 Ficha Técnica Proposto por: Presidente Des. Cássio Rodolfo Sbarzi Guedes Vice-Presidente Des. Marcos Alaor Diniz Grangeia Corregedor-Geral da Justiça Des. Paulo Kiyochi Mori Coordenação Juiz Francisco

Leia mais

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás

POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS. Sistema. Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO DO SISTEMA ELETROBRÁS Sistema Eletrobrás Política de Logística de Suprimento do Sistema Eletrobrás POLÍTICA DE LOGÍSTICA DE SUPRIMENTO 4 POLÍTICA DE Logística de Suprimento

Leia mais

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios:

1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: 1. Esta Política Institucional de Gestão de Continuidade de Negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

1. Escopo ou finalidade da iniciativa

1. Escopo ou finalidade da iniciativa 1. Escopo ou finalidade da iniciativa O Poder Judiciário tem-se conscientizado, cada vez mais, de que se faz necessária uma resposta para a sociedade que exige uma prestação jurisdicional mais célere e

Leia mais

Diretoria de Gestão Interna

Diretoria de Gestão Interna Diretoria de Gestão Interna Objetivo 13: Garantir que os processos de trabalho e seus produtos sejam oportunos e primem pela qualidade, com uso intensivo de tecnologia Iniciativas Ações Produtos ou resultados

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 66, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2012. Institui o Programa de Fortalecimento Institucional da ANAC. A DIRETORIA DA AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL - ANAC, no exercício das competências

Leia mais

PRODUTOS DO COMPONENTE 2 2.1 - POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS FORMULADA E APROVADA

PRODUTOS DO COMPONENTE 2 2.1 - POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS FORMULADA E APROVADA PRODUTOS DO COMPONENTE 2 2.1 - POLÍTICAS DE RECURSOS HUMANOS FORMULADA E APROVADA A reformulação da Política de Recursos Humanos é imprescindível para a Administração alcançar a modernização do serviço

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA FACILITADOR PEDAGÓGICO

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA FACILITADOR PEDAGÓGICO MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA FACILITADOR PEDAGÓGICO 1 Função no Projeto Facilitação especializada em metodologias pedagógicas

Leia mais

Política de Logística de Suprimento

Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento Política de Logística de Suprimento 5 1. Objetivo Aumentar a eficiência e competitividade das empresas Eletrobras, através da integração

Leia mais

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO

PADRÃO DO SISTEMA DE GESTÃO Emitente QUALIDADE E GESTÃO Revisão: 00 Pág. 1/5 Nome Data Elaboração Verificação Aprovação Núcleo de Gestão e Qualidade. Núcleo de Gestão e Qualidade Alta Direção (subprefeito, coordenadores, chefe de

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal

Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fórum Gestão de Pessoas Levantamento do Perfil de Governança e Gestão de Pessoas da Administração Pública Federal Fabiano Nijelschi G. Fernandes Auditor Federal de Controle Externo Secretaria de Fiscalização

Leia mais

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade

CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE. Seção I Da Finalidade CAPÍTULO XX DA UNIDADE DE APOIO A GESTÃO ESTRATÉGICA UAGE Seção I Da Finalidade Art. 1º A Unidade de Apoio à Gestão Estratégica (UAGE) tem como finalidade promover o gerenciamento estratégico setorial

Leia mais

Planejamento Estratégico Projeto 18 Gestão por Competências

Planejamento Estratégico Projeto 18 Gestão por Competências Projeto 18 Gestão por Competências Brasília, 10 de agosto de 2011. Equipe do Projeto Carla Leivas Ferro Costa Craveiro GRH/SAF Alexandre Hertz - SNM/GDM Camila Romero Monteiro da Silva - GED/SPO Daniel

Leia mais

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO

COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO COMPETÊNCIA, CONSCIENTIZAÇÃO E TREINAMENTO OBJETIVO DA SEÇÃO Esta seção apresenta a Competência, Conscientização e do Sistema da Qualidade da TELEDATA que atende ao item 6.2.2 Norma ISO 9001:2008. DIRETRIZES

Leia mais

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC.

Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento dos sistemas e demais aplicações informatizadas do TJAC. Código: MAP-DITEC-001 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Sistemas Aprovado por: Diretoria de Tecnologia da Informação 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos para o gerenciamento

Leia mais

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL

ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1. INTRODUÇÃO: O Banco Pottencial, considera a gestão de riscos como um instrumento essencial para maximização da eficiência no uso do capital e para escolha

Leia mais

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL

ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL ANEXO X DIAGNÓSTICO GERAL 1 SUMÁRIO DIAGNÓSTICO GERAL...3 1. PREMISSAS...3 2. CHECKLIST...4 3. ITENS NÃO PREVISTOS NO MODELO DE REFERÊNCIA...11 4. GLOSSÁRIO...13 2 DIAGNÓSTICO GERAL Este diagnóstico é

Leia mais

Ato da Mesa N 69/2013

Ato da Mesa N 69/2013 À Assessoria de Projetos e Gestão compete: Ato da Mesa N 69/2013 Anexo I 1. assessorar o Diretor-Geral a promover, planejar, coordenar, acompanhar e orientar a implementação da melhoria contínua ~ gestão

Leia mais

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras

Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira. nas Organizações Públicas Brasileiras Processo de Construção de um Plano de Cargos e Carreira nas Organizações Públicas Brasileiras A estruturação ou revisão de um PCCR se insere em um contexto de crescente demanda por efetividade das ações

Leia mais

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário.

visitas às instituições sociais. Os colaboradores voluntários também foram consultados, por meio da aplicação de um questionário. 1. Apresentação O Voluntariado Empresarial é um dos canais de relacionamento de uma empresa com a comunidade que, por meio da atitude solidária e proativa de empresários e colaboradores, gera benefícios

Leia mais

Etapa 01 Proposta Metodológica

Etapa 01 Proposta Metodológica SP Etapa 01 Proposta Metodológica ConsultGEL - Rua: : José Tognoli, 238, Pres., 238, Pres. Prudente, SP Consultores Responsáveis, SP Élcia Ferreira da Silva Fone: : (18) 3222 1575/(18) 9772 5705 João Dehon

Leia mais

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA)

Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de TI (GRG e ATHIVA) Projeto 1: Elaboração dos Planos Diretores de TI da Administração Pública de Pernambuco Projeto 2: Elaboração do Plano de Governo em TI Oficina 1 Análise sobre os PDTI s e alinhamento com Governança de

Leia mais

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS

GESTÃO POR COMPETÊNCIAS GESTÃO POR COMPETÊNCIAS STM ANALISTA/2010 ( C ) Conforme legislação específica aplicada à administração pública federal, gestão por competência e gestão da capacitação são equivalentes. Lei 5.707/2006

Leia mais

Planejamento Estratégico

Planejamento Estratégico Planejamento Estratégico A decisão pela realização do Planejamento Estratégico no HC surgiu da Administração, que entendeu como urgente formalizar o planejamento institucional. Coordenado pela Superintendência

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 5.707, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2006. Institui a Política e as Diretrizes para o Desenvolvimento de Pessoal da administração

Leia mais

Gestão Por Competências nas IFES

Gestão Por Competências nas IFES Goiânia 22 de Novembro de 2012 Gestão Por Competências nas IFES Anielson Barbosa da Silva anielson@uol.com.br A G E N D A 1 Desafios da Gestão de Pessoas nas IFES. 2 3 Bases Legais da Gestão de Pessoas

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010

Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional - 2010 Sumário 1. Introdução:...3 2. Abrangência:...3 3. Estrutura do Gerenciamento de Risco Operacional:...3 3.1. Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional:...4

Leia mais

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE

Projeto Corporativo Relacionamento Externo. Apresentação RIALIDE Projeto Corporativo Relacionamento Externo // 1 Apresentação RIALIDE 25 de novembro de 2014 1 Agenda // 2 Contextualização e Objetivos do Projeto Abordagem Metodológica Etapas do Projeto Benchmarking Segmentação

Leia mais

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília

Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília Rio de Janeiro São Paulo Belo Horizonte Brasília MGS Plano de execução de serviço Projeto de transformação de Processos Estrutura do Documento 1. Introdução

Leia mais

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?)

PLANO DE AÇÃO 2013 Procuradoria Regional da República da 1 Região Painel de Contribuição. ATIVIDADES (como fazer?) Reunir com o Gabinete do Procurador-Chefe, para apresentação da metodologia de trabalho março, Anna e Vânia Castro Consolidar a lista de procedimentos e rotinas que serão mapeadas em toda a PRR1 1 "Mapear

Leia mais

CAERN. Descrição de Perfis

CAERN. Descrição de Perfis Nível: Superior Reporte: Coordenador Sumário Participar do planejamento e desenvolvimento das políticas e práticas de Recursos Humanos da empresa. Desenvolver atividades técnicas de avaliação comportamental

Leia mais

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos

SIMPROS 2001. Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Experiência de implantação da norma ISO 9001:2000 a partir da utilização da ISO/IEC TR 15504 (SPICE) para Melhoria de Processos Adilson Sérgio Nicoletti Blumenau, SC - setembro de 2001 Conteúdo Apresentação

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1

FACULDADE ESTÁCIO DE SANTO ANDRÉ SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 SÍNTESE DO PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO 1 CURSO: CST em Gestão em Recursos Humanos MISSÃO DO CURSO A missão do Curso Superior de Tecnologia em Gestão de Recursos Humanos da ESTÁCIO EUROPAN consiste em formar

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

"A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO

A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia Marta Gaino Coordenadora PMO "A experiência da implantação do PMO na Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia" Marta Gaino Coordenadora PMO Secretaria da Fazenda do Estado da Bahia A Sefaz/BA é um órgão da Administração Pública Direta

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar

1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário. Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar 1 Fórum de Educação a Distância do Poder Judiciário Gestão de Projetos de EAD Conceber, Desenvolver e Entregar Prof. Dr. Stavros Panagiotis Xanthopoylos stavros@fgv.br Brasília, 27 de novembro de 2009

Leia mais

Gestão de Segurança a da. Estadual da Bahia

Gestão de Segurança a da. Estadual da Bahia Gestão de Segurança a da Informação no Governo Estadual da Bahia 1 www.fortic.ba.gov.br Fatores motivadores. Crescente aumento das ameaças eletrônicas e o maior uso de Tecnologia da Informação nas transações

Leia mais

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE

OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA GERAL DO ESTADO DE MATO GROSSO OPERAÇÃO EM REDE OUVIDORIA PÚBLICA Canal de escuta que tem como foco a aproximação do cidadão com o poder público visando a garantia de direitos e promoção da cidadania.

Leia mais

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX.

SUMÁRIO. Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. Procedimento de Gestão OGX PG.SMS.017 Denominação: Análise Crítica SUMÁRIO Este procedimento define a estrutura e a sistemática para a condução da Análise Crítica do Sistema de Gestão de SMS da OGX. ÍNDICE

Leia mais

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10

MANUAL DA QUALIDADE MQ SGQ 01-10 SUMÁRIO: Apresentação da ACEP 2 Missão da Empresa 3 Escopo e Justificativas de Exclusão 4 Comprometimento da Direção 5 Política da Qualidade 7 Objetivos de Qualidade 7 Fluxo de Processos 8 Organograma

Leia mais

Oficina de Gestão de Portifólio

Oficina de Gestão de Portifólio Oficina de Gestão de Portifólio Alinhando ESTRATÉGIAS com PROJETOS através da GESTÃO DE PORTFÓLIO Gestão de portfólio de projetos pode ser definida como a arte e a ciência de aplicar um conjunto de conhecimentos,

Leia mais

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ

INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ INCUBADORA TECNOLÓGICA DE SANTO ANDRÉ TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS DE ASSESSORIA E CONSULTORIA EM PLANEJAMENTO, ELABORAÇÃO DE PROJETOS E PLANO DE NEGÓCIOS. Contatos Valter Fernandes (Gerente do Projeto)

Leia mais

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015

Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 Política de Gerenciamento do Risco Operacional Banco Opportunity e Opportunity DTVM Março/2015 1. OBJETIVO Esta política tem como objetivo estabelecer as diretrizes necessárias para o adequado gerenciamento

Leia mais

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011)

PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) PORTARIA-TCU Nº 385, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2009 (Revogada) (Portaria - TCU nº 36, de 31/01/2011, BTCU nº 03, de 31/01/2011) Dispõe sobre as competências da Secretaria de Infraestrutura de Tecnologia da

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA NACIONAL DE DEFESA CIVIL TERMO DE REFERÊNCIA CAPACITAÇÃO INTERNA DIAGNÓSTICO E MATRIZ CURRICULAR 1 Função no Projeto Realização de diagnóstico de necessidades

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus!

Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência. Instituto Crer & Ser. A excelência honra a Deus! Palestras, Treinamentos e Consultoria para Gestão Ministerial Desenvolvendo Pessoas para Servirem com Excelência Instituto Crer & Ser A excelência honra a Deus! Quem somos O Instituto Crer & Ser nasceu

Leia mais

Página 1 de 19 Data 04/03/2014 Hora 09:11:49 Modelo Cerne 1.1 Sensibilização e Prospecção Envolve a manutenção de um processo sistematizado e contínuo para a sensibilização da comunidade quanto ao empreendedorismo

Leia mais

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE

POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE POLÍTICAS DE GESTÃO PROCESSO DE SUSTENTABILIDADE 1) OBJETIVOS - Apresentar de forma transparente as diretrizes de sustentabilidade que permeiam a estratégia e a gestão; - Fomentar e apoiar internamente

Leia mais

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios:

1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: 1. Esta Política institucional de gestão de continuidade de negócios: a) é elaborada por proposta da área de gestão de continuidade de negócios da Confederação Nacional das Cooperativas do Sicoob Sicoob

Leia mais

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08

Pesquisa de Maturidade do GERAES. Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade do GERAES Data de aplicação: 21/02/08 Pesquisa de Maturidade Metodologia MPCM / Darci Prado Disponível em www.maturityresearch.com Metodologia da pesquisa 5 níveis e 6 dimensões

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade

Sistema de Gestão da Qualidade Sistema de Gestão da Qualidade Coordenadora Responsável Mara Luck Mendes, Jaguariúna, SP, mara@cnpma.embrapa.br RESUMO Em abril de 2003 foi lançado oficialmente pela Chefia da Embrapa Meio Ambiente o Cronograma

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014

PODER JUDICIÁRIO. PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 PODER JUDICIÁRIO JUSTIÇA FEDERAL CONSELHO DA JUSTIÇA FEDERAL PORTARIA Nº CJF-POR-2014/00093 de 20 de fevereiro de 2014 Dispõe sobre a aprovação do Documento Acessório Comum Política de Gestão de Riscos,

Leia mais

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE GESTÃO DE RISCOS DAS EMPRESAS ELETROBRAS Versão 2.0 30/10/2014 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Conceitos... 3 3 Referências... 4 4 Princípios... 4 5 Diretrizes... 5 5.1 Identificação dos riscos...

Leia mais

Pessoas e Negócios em Evolução

Pessoas e Negócios em Evolução Empresa: Atuamos desde 2001 nos diversos segmentos de Gestão de Pessoas, desenvolvendo serviços diferenciados para empresas privadas, associações e cooperativas. Prestamos serviços em mais de 40 cidades

Leia mais

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza

MECANISMOS PARA GOVERNANÇA DE T.I. IMPLEMENTAÇÃO DA. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza MECANISMOS PARA IMPLEMENTAÇÃO DA GOVERNANÇA DE T.I. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. http://about.me/tilfrozza CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O CICLO DA GOVERNANÇA DE TI O Ciclo da Governança de T.I. ALINHAMENTO

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SUBPROCESSO: Capacitação e Desenvolvimento de Servidores. 1. Objetivos do. Principais benefícios esperado pelos clientes; Razão da existência

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES

GESTÃO DE RISCOS DA SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÕES Número da Norma Complementar Revisão Emissão Folha ICMBio Instituto Chico Mendes De Conservação da Biodiversidade Diretoria de Planejamento, Administração e Logística ORIGEM COTEC - Coordenação de Tecnologia

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com

www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com www.dehterakm.com beatriz@dehtearkm.com Quem somos? A BEATRIZ DEHTEAR KM apresenta a seus clientes uma proposta totalmente inovadora para implementar a Gestão do Conhecimento Organizacional. Nosso objetivo

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS

PRINCIPAIS VANTAGENS DO USO DE MANUAIS ADMINISTRATIVOS MANUAIS ADMINISTRATIVOS Manual é todo e qualquer conjunto de normas, procedimentos, funções, atividades, políticas, objetivos, instruções e orientações que devem ser obedecidas e cumpridas pelos funcionários

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

Estratégias para a implantação do T&V

Estratégias para a implantação do T&V 64 Embrapa Soja, Documentos, 288 Estratégias para a implantação do T&V Lineu Alberto Domit 1 A estratégia de ação proposta está baseada na experiência acumulada na implantação do sistema T&V no estado

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG

RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG SUPERINTENDÊNCIA DE CONTROLE GERÊNCIA DE CONTROLE DE TESOURARIA ANÁLISE DE RISCO OPERACIONAL RELATÓRIO SOBRE A GESTÃO DE RISCO OPERACIONAL NO BANCO BMG Belo Horizonte 01 de Julho de 2008 1 SUMÁRIO 1. Introdução...02

Leia mais

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti

Governança AMIGA. Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti e d a id 4 m IN r fo a n m Co co M a n ua l Governança AMIGA Para baixar o modelo de como fazer PDTI: www.microsoft.com/brasil/setorpublico/governanca/pdti Um dos grandes desafios atuais da administração

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Líder em consultoria no agronegócio

Líder em consultoria no agronegócio MPRADO COOPERATIVAS mprado.com.br COOPERATIVAS 15 ANOS 70 Consultores 25 Estados 300 cidade s 500 clientes Líder em consultoria no agronegócio 3. Gestão empresarial 3.1 Gestão empresarial Objetivo: prover

Leia mais

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania

EVENTOS. Caravana da Inclusão, Acessibilidade e Cidadania A União dos Vereadores do Estado de São Paulo UVESP, desde 1977 (há 38 anos) promove parceria com o Poder Legislativo para torná-lo cada vez mais forte, através de várias ações de capacitação e auxílio

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 TERMO DE REFERÊNCIA (TR) nº 001/2009 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultor (a) para desenvolver, treinar e implantar o Sistema de Gestão de Projetos do IBAMA. 2 JUSTIFICATIVA 2.1 Contextualização: O

Leia mais

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública

Implantação do Sistema de Divulgação de Melhores Práticas de Gestão na Administração Pública Ministério do Planejamento, Orçamento e Programa 0792 GESTÃO PÚBLICA EMPREENDEDORA Objetivo Promover a transformação da gestão pública para ampliar os resultados para o cidadão e reduzir custos. Indicador(es)

Leia mais

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais.

Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. RESOLUÇÃO Nº 306, DE 5 DE JULHO DE 2002 Estabelece os requisitos mínimos e o termo de referência para realização de auditorias ambientais. O CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE-CONAMA, no uso das competências

Leia mais

Cultura do não Foco do RH no Departamento Pessoal Não alinhamento das estratégias de Gestão de Pessoas com as estratégias do MTur Pouco envolvimento

Cultura do não Foco do RH no Departamento Pessoal Não alinhamento das estratégias de Gestão de Pessoas com as estratégias do MTur Pouco envolvimento Cultura do não Foco do RH no Departamento Pessoal Não alinhamento das estratégias de Gestão de Pessoas com as estratégias do MTur Pouco envolvimento da alta direção nos eventos Desinteresse dos servidores

Leia mais

Projeto de Extensão 1 IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO

Projeto de Extensão 1 IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO 1 IDENTIFICAÇÃO DO EVENTO Título: PROJETO DE GESTÃO E VALORIZAÇÃO DE PESSOAS Data de realização: a partir de 2013 Local de realização: IESUR Clientela: Colaboradores e acadêmicos do IESUR Unidade organizadora

Leia mais

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006

Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000. LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Data desta Revisão: 06/03/2006 Manual Brasileiro NR: MA 1 Pág: 1/1 de Acreditação - ONA Data de Emissão: 10/01/2000 LIDERANÇA E ADMINISTRAÇÃO Esta seção agrupa os componentes relacionados ao sistema de governo da Organização, aos aspectos

Leia mais

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira

Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados. Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Gestão e melhoria de processos no Governo de Minas Gerais: trajetória e resultados alcançados Palestrante: Vanice Cardoso Ferreira Agenda A trajetória da Gestão de Processos no Governo de Minas A trajetória

Leia mais

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro

PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Poder Judiciário do Estado do Rio de Janeiro Revisão do Plano Estratégico 2013/2014 PLANO DE COMUNICAÇÃO DA ESTRATÉGIA DO PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO 2014 Página 1 de 16 Sumário 1 Apresentação... 3 2 Objetivos... 4 3 Público-Alvo

Leia mais

Estrutura da Gestão de Risco Operacional

Estrutura da Gestão de Risco Operacional Conceito No Brasil a Resolução n.º 3380, emitida pelo BACEN em 29 de junho de 2006, seguindo as diretrizes estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional, definiu como: A possibilidade de ocorrência de

Leia mais

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob.

e) visa estabelecer diretrizes aplicáveis ao posicionamento estratégico de comunicação e marketing das entidades integrantes do Sicoob. 1. Esta Política Institucional de Comunicação e Marketing: Política Institucional de Comunicação e Marketing a) é elaborada por proposta da área de Comunicação e Marketing da Confederação Nacional das

Leia mais

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal

Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Metodologia de Gerenciamento de Projetos da Justiça Federal Histórico de Revisões Data Versão Descrição 30/04/2010 1.0 Versão Inicial 2 Sumário 1. Introdução... 5 2. Público-alvo... 5 3. Conceitos básicos...

Leia mais

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação

TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação TRIBUNAL REGIONAL FEDERAL DA 2ª REGIÃO Secretaria de Tecnologia da Informação REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO DE PROVIDÊNCIAS INICIAIS Março/2014 V 1.1 REGIONALIZAÇÃO DE SERVIÇOS DE TI MAPEAMENTO

Leia mais

Governança Corporativa

Governança Corporativa Governança Corporativa POLÍTICA DE INTEGRIDADE A política de integridade (conformidade), parte integrante do programa de governança corporativa. Mais do que nunca as empresas necessitam de estruturas consistentes

Leia mais

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional. 1 POLÍTICA DE GERENCIAMENTO DO RISCO OPERACIONAL 1.1 Introdução O Banco Central do Brasil em 29/06/2006 editou a Resolução 3380, com vista a implementação da Estrutura de Gerenciamento do Risco Operacional.

Leia mais

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA

QUALITY ASSURANCE. Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA QUALITY ASSURANCE Com a Auditoria Interna da Telefônica Vivo se Estruturou para Obter a Certificação Internacional do IIA Viviane Souza Miranda CCSA Diretora de Auditoria Interna Telefônica Vivo Índice

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE RONDÔNIA COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PLANO DIRETOR DE TI Plano de Trabalho Elaboração do Plano Diretor de Tecnologia da Informação

Leia mais

Gestão de Programas Estruturadores

Gestão de Programas Estruturadores Gestão de Programas Estruturadores Fevereiro/2014 DEFINIÇÕES Rede de Desenvolvimento Integrado Arranjos que estimulam e proporcionam um comportamento (em rede) cooperativo entre agentes governamentais

Leia mais