IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil"

Transcrição

1 IV Encontro Nacional da Anppas 4,5 e 6 de junho de 2008 Brasília - DF Brasil Mudanças Sociais na Pesca Artesanal: Um Estudo a partir da Pressão Sobre o Estoque de Tambaqui (Colossoma macropomum, Cuvier, 1818) do Lago Grande de Manacapuru (Am). Raniere Garcez Costa Sousa Eng. Pesca, Mestrando PPG/CASA UFAM Carlos Edwar de Carvalho Freitas Eng. Ambiental, Professor Dr. - UFAM Antonio Carlos Witkoski Sociólogo, Professor Dr. - UFAM Marco Antonio de Souza Brito Cientista Social, mestrando PPG/ Sociologia UFAM Resumo Com a queda da produção da malva, da juta e com o crescimento dos grandes centros urbanos, aumentou a busca pelo pescado, o que acarretou na criação de expectativas para as comunidades da várzea amazônica. Isso alterou o comportamento do camponês ribeirinho que pescava somente para o sustento da família e passa agora a exercer a pesca como atividade principal. Essa mudança de atividade, somada à pesca profissional aumentou a pressão sobre os estoques de peixes do Lago Grande de Manacapuru, principalmente para aquelas espécies de maior valor comercial como é o caso do tambaqui (Colossoma macropomum). Muitas pesquisas foram realizadas a respeito desta espécie. Este trabalho visa analisar a pressão sobre o estoque de tambaqui dessa região, relacionado com a mudança social na pesca artesanal. Foram realizadas visitas em 7 (sete) comunidades ribeirinhas, no período de fevereiro de 2007 a janeiro de 2008, para se estudar as mudanças na pesca, juntamente com coletas mensais de tambaqui no porto de desembarque pesqueiro em Manacapuru. Foram medidos 1271 espécimes (comprimento padrão) para verificar se os tamanhos destes correspondiam com aquele permitido para a pesca, segundo o IBAMA 55 cm. Foi observado que 99% dos indivíduos estavam com tamanho abaixo do mínimo permitido, o que indica uma sobre pesca no estoque e isso pode estar relacionado à mudança da atividade pesqueira daquelas comunidades. Diante disso, consideramos que a adoção de medidas para assegurar a sustentabilidade deste recurso deve levar em consideração os aspectos sociais e econômicos inerentes aos grupos que o explotam. Palavras-chave Pesca artesanal; tambaqui; comunidades ribeirinhas. 1

2 INTRODUÇÃO Durante as últimas décadas a intensificação da pesca tem aumentado a pressão sobre os estoques pesqueiros da várzea (Smith, 1985; Goulding, 1988; Furtado, 1990). Para se conseguir grandes exemplares de Tambaqui (aqueles maiores que 50 centímetros) os pescadores precisam, hoje, realizar pescarias cada vez mais longe, e isso tem aumentado os custos das pescarias, que já são elevados. Além do mais, encontrar esse recurso tem sido cada vez mais é incerto. Isso é percebido pelos deslocamentos dos barcos da frota pesqueira comercial que são bastante expressivos. Petrere Jr. (1978a) observou que os grandes barcos sediados em Manaus realizavam viagens de pesca com distâncias de até km. Atualmente, a distância máxima percorrida pelos barcos da frota de Manaus mais do que duplicou, alcançando até km para realizar pescarias nos trechos superiores dos rios Juruá, Japurá e Javari (Barthem et al., 1997). Esse comportamento parece estar relacionado com a sobrepesca o que influencia na escassez do recurso. Aqui se sugere que a sobrepesca dos recursos pesqueiros tem corrido na região Amazônica, já por muito tempo, provavelmente desde o surgimento, avanço e uso das redes de nylon (malhadeiras) nos anos de 1970 e 1980 (Araújo-Lima & Goulding, 1997), o que tem alterado as práticas de apropriação dos recursos pesqueiros no Lago Manacapuru (AM). As mudanças no setor pesqueiro estão relacionadas com novas expectativas mercadológicas que influenciaram diretamente no comportamento do camponês/ribeirinho que pescava somente para o sustento da família e passando agora a exercer a pesca como atividade principal em face às diminutas alternativas de subsistência fato decorrente da crise da produção de juta e da malva, nos anos 70 e 80, em razão das novas demandas e determinações do mercado da pesca de Manacapuru e Manaus. Outro fator que esta contribuindo com a mudança social do camponês ribeirinho é a presença de fazendas de gado bufalino (búfalo) nas áreas de várzea. Estas por sua vez, são desmatadas e utilizadas para pastagens, o que acarreta na destruição dos recursos extrativistas buriti, açaí, castanha, ingá etc. e na expulsão das espécies de animais nativas (paca, cutia, capivara, anta, etc.) que antes estavam mais presentes na dieta das populações ribeirinhas. Com a diminuição das opções dos recursos naturais, ou seja, o uso da terra e floresta, as populações ribeirinhas foram forçadas a procurarem outras alternativas econômicas com retorno financeiro rápido o que tem sido realizado através da atividade pesqueira. Como é sabido pela literatura da região, o recurso pesqueiro é limitado. Contudo, a demanda do mercado tem crescido continuamente, muito mais rápida para algumas espécies do que para outras. Portanto, a tendência é de que aquelas espécies com maior demanda sejam as primeiras a sofrerem o impacto do aumento da pesca. 2

3 Van Den Avyle (1993) observou que mesmo com a estrutura de idade estável em pescarias aleatória, as classes de idades mais velhas, sob uma exploração intensiva, irão desaparecer primeiro nas capturas de populações. É o que foi observado com a piramutaba (brachyplatystoma vaillanti) por Barthem & Petrere (1995), o pirarucu (Arapaima gigas) por Ruffino & Isaac (1994) e o tambaqui (Colossoma macropomum) por Merona & Bittencourt (1988), Merona (1993) e Isaac & Rufino, (1996) os últimos, objeto de estudo dessa pesquisa. Sabe-se que na Amazônia o tambaqui é a maior espécie da Ordem Characiformes, com comprimentos maiores que 1 m (Froese & Pauly, 2000) é também, conforme Araújo Lima & Goulding, (1997), o segundo maior peixe de escama de água doce na América do Sul, depois do Pirarucu (Arapaima gigas). O ciclo de vida dessa espécie, requer uma grande diversidade de habitats e um investimento substancial de energia para seu crescimento e maturação, além de serem susceptíveis ao declínio causado pela sobrepesca nas diferentes classes de idade (Araújo- Lima & Goulding, 1997). O tambaqui faz parte da economia pesqueira da região e é importante fonte de proteína animal na Amazônia Central. É, na verdade, o peixe mais importante como alimento em muitas regiões da Amazônia (Smith, 1981; Goulding et al., 1996; Araújo-Lima & Goulding, 1997). Na Amazônia, as pescarias artesanais exploram uma alta diversidade de espécies, de médio e grande porte, com predominância de espécies migradoras como o tambaqui (Colossoma macropomum), o jaraqui (Semaprochilodus spp.) entre outras. Existem na região várias modalidades de pesca, como aquelas pesquisadas por (Petrere Jr, 1991). Nesse estudo, duas modalidades de pesca se mostram com destaque, que são a pesca de subsistência e a pesca comercial multiespecífica destinada ao comércio local: 1) A pesca de subsistência: nesse tipo de pesca, o termo subsistência pode ser empregado para caracterizar o uso tradicional e cotidiano de recursos pesqueiros por formações sociais dependentes do recurso, incluindo grupos familiares, pequenas vilas, subestruturas étnicas e outras estruturas sociais de pequeno porte. A dependência inclui sobrevivência física, manutenção de culturas tradicionais e a própria persistência das estruturas sociais (Muth, 1996). Esta pesca caracteriza-se pelo uso de uma grande variedade de apetrechos e por uma substancial multiespecificidade (Batista et al., 1998, 2000; Freitas & Batista, 1999); 2) A pesca comercial multiespecífica destinada ao comércio local: é uma pesca artesanal com finalidades comerciais, destinada ao abastecimento dos principais centros urbanos regionais. Nela ainda permanece algumas características da pesca de subsistência, como o uso de vários apetrechos de pesca, a captura de uma ampla faixa de espécies, a baixa tecnologia envolvida e a elevada dependência do conhecimento tradicional empírico para detecção dos cardumes e/ou a determinação dos melhores locais de pesca. É a modalidade de pesca mais bem estudada (Petrere Jr., 1978a; 1978b; 1983; 1985; Merona & Bittencourt, 1988; Ruffino et al., 1998). Em 3

4 geral, as pescarias de água doce são extremamente complexas, devido à grande diversidade de apetrechos, de estratégias de pesca e de contextos sociais e econômicos (Welcomme, 1999). Assim, o presente trabalho busca entender a pressão da pesca artesanal comercial e de subsistência sobre o estoque de tambaqui (Colossoma macropomum) do Lago Grande de Manacapuru e, ao mesmo tempo, avaliar as mudanças sociais ocorridas nessa atividade pelas comunidades ribeirinhas que ali vivem, visando contribuir com a produção de conhecimentos científicos que possam ajudar na elaboração de proposta de manejo para a pesca sustentável do tambaqui naquela região. METODOLOGIA Área de estudo A área de estudo está localizada no Sistema Lago Grande de Manacapuru, situado na margem esquerda do rio Solimões, pelas coordenadas geográficas S 03º 17 06,73 e W 060º 41 04,32. Este lago permanece conectado com o canal principal do rio Solimões, durante todo o ano, e é de grande importância para a pesca comercial local e regional. Encontramos na região sete comunidades ribeirinhas que utilizam a pesca como fonte de alimento e renda (Figura 1). As coordenadas geográficas das referidas comunidades constam da Tabela 1. Jaitêua de Cima Lago São Lourenço Jaitêua de Baixo Figura 1 Distribuição das comunidades dentro da área de estudo: NSA = Nossa Senhora Aparecida, NSPS = Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, SA = Santo Antonio, NSPS1 = Nossa Senhora do Perpétuo Socorro 1, ADT = Assembléia de Deus Tradicional, AD = Assembléia de Deus e SI = Santa Izabel. Fonte Projeto PIATAM (REDE). km 4

5 Esta região é formada por uma rede de ambientes aquáticos que se conectam durante as fazes do ciclo hidrológico (enchente, cheia, vazante e seca) por canais, lagos, furos, igarapés, paranás, e restingas, que formam uma grande área de várzea por essa diversidade de ambientes aquáticos chamamos de Sistema Lago Grande de Manacapuru. Nessas áreas, há uma variedade grande de peixes, sendo por isso, de interesse amplo para a pesca comercial regional. Trata-se de uma região de várzea, com predomínio de áreas baixas, periodicamente inundáveis durante os períodos de cheia. A região também é composta por áreas de terras altas as terra firme. Suas características são modificadas com a variação do ciclo hidrológico. Tabela 1 Relação das localidades, comunidades e suas respectivas coordenadas geográficas. Localidade Comunidades Coordenadas - UTM Latitude Longitude Cajazeira Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (NSPS) -3, ,7666 Nossa Senhora Aparecida (NSA) -3, ,7748 Jaitêua de Baixo Santo Antônio (SA) -3, ,7515 Jaitêua de Cima Nossa Senhora do Perpétuo Socorro (NSPS1) -3, ,8505 Assembléia de Deus Tradicional (ADT) -3, ,8604 Assembléia de Deus (AD) -3, ,8653 Santa Izabel (SI) -3, ,8608 Coleta dos dados A metodologia empregada neste trabalho consistiu na coleta de dados referente ao comprimento padrão (distância do focinho do peixe até o final do pedúnculo caudal, em centímetros) do tambaqui (Colossoma macropomum), desembarcados no porto de desembarque pesqueiro Panairzinho, em Manacapuru-AM, no período de fevereiro de 2007 a janeiro de 2008, e visitas em sete comunidades do Sistema Lago Grande, para a coleta de dados referentes ao número de famílias que exercem a atividade da pesca naquela região. Nas visitas, foram observadas questões como: tipo de apetrechos utilizados na pesca, tipos de embarcações etc. Os dados coletados foram digitalizados e organizados em planilhas do Excel, para análises estatísticas posteriores. 5

6 RESULTADOS Característica da pesca Foi observado que toda a atividade pesqueira no Sistema Lago Grande de Manacapuru é praticada em canoas e/ou barcos de cascos de madeira, acoplados com motores de centro, rabeta e/ou remo. Coleta dos exemplares de tambaqui Foram coletados de forma aleatória, durante o desembarque do pescado no porto de desembarque pesqueiro Panairzinho em Manacapuru, um total de 1271 indivíduos de Tambaqui (Colossoma macropomum) durante o período de fevereiro de 2007 a Janeiro de Destes, foram medidos o comprimento padrão de 100 exemplares mensalmente durante o período do estudo, para verificar a pressão da pesca sobre essa espécie e comparar o comprimento destes exemplares, com aquele tamanho de captura permitido pelo órgão fiscalizador Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais (IBAMA), conforme constam na Tabela 2. Tabela 2 Medidas mensais do comprimento padrão (mínimos, máximos e médios) de exemplares de Tambaqui (Colossoma macropomum) desembarcados no porto Panairzinho em Manacapuru. N = número de indivíduos amostrados. Comprimento (cm) do Tambaqui N total = 1271 Meses Média Geral = Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Jan N Mínimo Máximo Sobre-Pesca vs IBAMA 99 % < 55 cm 1 % 55 cm Média O tambaqui (Colossoma macropomum) apresentou tamanho mínimo de 17 centímetros e máximo de 80 centímetros (comprimento padrão), sendo que apenas 15 indivíduos (1%) de um total de 1271, estavam dentro do tamanho de captura permitido (55 cm) e 99% abaixo desse valor (Figura 2). 6

7 90 Todos os indivíduos IBAMA (55 cm) Média Geral (31 cm) fev mar abr mai jun jul ago set out nov dez jan Média 25%-75% Mínimo-Máximo Figura 2 Distribuição mensal dos comprimentos, mínimos, máximos e médios, dos exemplares de Tambaqui (Colossoma macropomum) coletados durante o período de estudo. As comunidades estudadas As comunidades da área de estudo são compostas por 154 famílias que utilizam a área do Sistema Lago Grande de Manacapuru para a lavoura (roça) e a pesca. Estas comunidades apresentam na pesca características de subsistência, por utilizarem técnicas, embarcações e uso de apetrechos simples e rudimentares, pescam para o sustento da família e vendem parte de sua produção na cidade de Manacapuru. Através da pesquisa foi possível observar uma mudança na atividade da pesca de subsistência influenciada pela demanda do pescado pelos grandes centros urbanos, tais como Manacapuru e Manaus. Este fato causou a mobilização e a transformação da mão de obra ribeirinha artesanal de subsistência para outra forma de utilização do recurso pesqueiro, denominada de pesca comercial de pequena escala (Barthem et al., 1997), na qual o pescador deixa de produzir apenas para o sustento da família, passando a utilizar seu tempo integral para produção pesqueira com fins comerciais. Isso tem ocorrido em três comunidades na área de estudo, fato mencionado pelos pescadores, que são as comunidades: Santo Antonio, Assembléia de Deus Tradicional e a Santa Isabel, que apesar de utilizarem a pesca para o sustento da família, praticam também essa atividade em tempo integral para fins comerciais (Figura 3). 7

8 Nossa Senhora do Perpétuo Socorro Nossa Senhora da Aparecida * Santo Antônio * Assembléia de Deus Tradicional Assembléia de Deus Nossa Senhora do Perpétuo Socorro 1 * Santa Izabel Figura 3 Quantidade de famílias por comunidades existentes na área de estudo. Onde: * = Comunidades que praticam a pesca comercial de pequena escala em tempo integral. DISCUSSÃO E CONCLUSÃO Com o declínio da produção de juta e malva, grande parte da mão de obra ribeirinha migrou da atividade agrícola para a atividade pesqueira (Gentil, 1988; McGrath et al., 1993). Este comportamento também aconteceu nas comunidades Santo Antonio, Assembléia de Deus Tradicional e comunidade Santa Isabel lócus da pesquisa. Estima-se que a pesca amazônica envolve atualmente pescadores, sendo a grande maioria moradores de várzea (Bayley & Petrere, 1989; Furtado, 1990). Segundo Welcomme & Bartley (1998), as tendências atuais nas pescarias de água doce e costeiras indicam que o potencial de produção desses sistemas são limitados por duas razões: 1) o declínio da qualidade do ambiente aquático devido à eutrofização, à poluição e às modificações que vêm levando a uma contínua redução da capacidade das associações de peixes nativos de se adaptarem; e 2) a incapacidade de muitas espécies de compensar, por meio da reprodução natural, uma pressão de pesca inadequada e/ou excessiva sobre sua população. Isso ocorre mais rapidamente para aquelas espécies de interesse comercial como é o caso do tucunaré, tambaqui, pirarucu entre outras espécies. A profunda interação entre os ribeirinhos, o ambiente e a biota assegura, histórica e cotidianamente, um elevado conhecimento empírico que se traduz no uso de estratégias de pesca adequadas ao ambiente e à espécie de exploração (Freitas et al., 2002a). Por outro lado, observa- 8

9 se que o uso tradicional desse conhecimento tende a uma finalidade mais pragmática. Isso é observado nas pescarias realizadas em épocas das migrações de algumas espécies de peixes, como é o caso do tambaqui, onde a composição das práticas de pesca somadas ao conhecimento tradicional, deixam mais vulnerável(is) esta(s) espécie(s) às redes de pesca (tramalha, malhadeira, redinha etc.) ocasionando a captura intensa desta espécie na bacia Amazônica fato observado desde 1970 (Araújo-Lima & Goulding, 1997) e que tem aumentado gradualmente a pressão sobre o recurso (Bayley & Petrere, 1989, Meshkat, 1960). O tamanho comum de captura do tambaqui, em 1895, era maior que 55 centímetros de comprimento. Um século depois, ou seja, já nos anos de 1990, a maioria dos tambaquis capturados na Amazônia brasileira foi de juvenis e adultos e jovens menores que 50 centímetros de comprimento (Araújo-Lima & Goulding, 1997; Barthem, 1999). Esse fato ainda acontece, hoje, nos portos de desembarque de pesca como os de Manacapuru e Manaus, onde juvenis de tambaqui, são desembarcados em grandes quantidades, com comprimentos a partir de 17 centímetros, e vendidos nas feiras e mercados locais, em cambadas 1 com 5 ou 7 indivíduos a preços muito baixos. Em meados dos anos de 1990, o preço de mercado do Tambaqui cresceu rapidamente no Brasil, com adultos raros maiores que 20 kg vendidos por U$ 100 no mercado de Manaus, fazendo dessa espécie a mais cara vendida (Araújo-Lima & Goulding, 1997). Dessa forma, aumentando a expectativa de lucro para os pescadores, e conseqüentemente ocasionou a tambaqui e posteriormente também aumentou a pressão sobre os estoques da região. procura pelo Essa procura por alimento, principalmente pelos de boa qualidade, que proporcionam um aumento na renda familiar, criam expectativas para aquelas comunidades como as existentes na área de estudo, que mudam ou adaptam suas atividades cotidianas para outra que aparentemente lhe proporcionará uma melhoria de vida com o aumento da renda familiar. O que motiva os pescadores a capturarem indivíduos menores e mais próximos dos centros consumidores, essa pressão sobre o recurso pesqueiro é evidenciada pela grande freqüência de indivíduos de tambaqui capturados com comprimentos abaixo do que o permitido pelo órgão fiscalizador dessa atividade, o IBAMA, indicando que provavelmente esta havendo uma sobre pesca do recurso corroborando com os estudos de Petrere (1983), Van Den Avyle (1993) e Isaac & Ruffino (1996). Mesmo com a alta produtividade pesqueira na bacia Amazônica criada pelas enchentes anuais, a sobrepesca do tambaqui tem ocorrido nessa região (Geri, 1984; Barthem, 1999). Tambaquis jovens permanecem nos lagos e áreas inundadas até aproximadamente os 4 anos de idade, se alimentando de zooplancton, invertebrados e material orgânico, potencialmente fazendoos menos acessíveis as redes de nylon e linhas com anzóis. Por outro lado, os tambaquis adultos ficam mais acessíveis as pescarias nesse período (Isaac & Ruffino, 1996; Barthem, 1999). Os 1 Cambada é a forma que as pessoas residentes nos centros urbanos e áreas rurais da região Amazônica denominam, para a utilização de um cipó ou fio, que atravessa o opérculo e boca do peixe, que são enfileirados e dependurados com 5 e 7 indivíduos, para a venda nas ruas e feiras dos centros urbanos. 9

10 tambaquis adultos são facilmente localizados pelos pescadores, pois estes sabem que os tambaquis se dirigem para debaixo das árvores frutíferas e ali ficam a procura de alimento por muito tempo, o que é previsível pelos pescadores (Goulding, 1980; Araújo-Lima & Goulding, 1997). Se os recursos pesqueiros forem manejados de forma sustentável, integrando as populações locais que atualmente os exploram, eles poderão contribuir significativamente para o desenvolvimento da várzea. Por outro lado, se os recursos pesqueiros forem explorados de forma não sustentável, e sem participação das populações da várzea, a intensificação da pesca pode levar à degradação dos ecossistemas da várzea e a marginalização da população ribeirinha (MacGoodwin, 1990; Weber, 1994). Barthem et al. (1997) discutem várias opções de manejo pesqueiro regional e propõem o uso de estratégias adequadas às características ecológicas da espécie-alvo. O estudo constatou que 99% dos indivíduos de tambaqui, oriundos do Sistema Lago Grande e que foram desembarcados no porto de desembarque pesqueiro em Manacapuru, estavam com tamanho abaixo do tamanho mínimo permitido, o que indica uma sobrepesca no estoque de tambaqui nessa região, e isso pode estar relacionado à mudança da atividade pesqueira das comunidades ali existentes somada ao esforço da pesca comercial. Face a isso, consideramos que a adoção de medidas para assegurar a sustentabilidade deste recurso deve levar em consideração os aspectos sociais e econômicos inerentes aos grupos que o explotam. AGRADECIMENTOS Ao grupo PIATAM, pelo apoio e logística para as coletas de dados em campo, aos camponesesribeirinhos, aos feirantes e pescadores do porto de desembarque pesqueiro Panairzinho em Manacapuru, pela ajuda ao ceder-nos informações que foram de grande valia para este estudo. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Araújo-Lima, C., & Goulding, M. So fruitful a fish: ecology, conservation, and aquaculture of the Amazons` tambaqui. Columbia University Press, New York, Barthem, R. B. A pesca comercial no médio Solimões e sua interação com a reserva de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá. In: Queiroz, H. L.; Cramptom, W. G. R. (Eds). Estratégias para manejo de recursos pesqueiros em Mamirauá.. Sociedade Civil Mamirauá, CNPQ, Brasília-DF. p , Barthem, R. B.; Petrere Jr., M; Isaac, V.J.; Ribeiro, M.C.L.B.; McGrath, D.G.; Vieira, I.J.A.; Valderama-Barco, M. A pesca na Amazônia: problemas e perspectivas para o seu manejo. In: 10

11 Valadares-Pádua, C. & Bodmer, R. E. [eds.] Manejo e Conservação da Vida Silvestre no Brasil. MCT-CNPq, Sociedade Civil Mamirauá, p , Barthem, R. Várzea fisheries in the Middle Rio Solimões. p In: Padoch, C.; Ayres, J.; Pinedo- Vazquez, M. & Henderson, A. editors. Várzea: diversity, development, and conservation of Amazonia s whitewater floodplain. Advances in economic botany. Voume 13. New York Botanical Garden Press, New York, Barthen, R.B.; Petrere JR., M. Fisheries and population dynamics of Brachyplatystoma vailantii (Pimelodidae) in the Amazon Estuary. In: N.B. Armantrout [ed.] Condition of the World s Aquatic Habitat. Proceedings of the World Fisheries. Congress, Theme 1, Oxford and IBH Publishing Co. Pvt., New Delhi , Batista, V. S.; Inhamuns, A.J.; Freitas, C.E.C.; Freire-Brasil, D. Characterization of the fishery in riverine communities in the Low-Solimões/High- Amazon region. Fisheries Management and Ecology, 5: , Batista, V.S.; Freitas, C.E.C.; Inhamuns, A.J.; Freire-Brasil, D. The fishing activity of the river people in the floodplain of the central Amazon. In: W.J. Junk, J.J. Ohly.; M.T.F. Piedade & M.G.M. Soares [eds.] The Central Amazon Floodplain: Actual Use and Options for a Sustainable Management., Backhuys Publishers, Leiden, The Netherlands, p , 2000b. Bayley, P.& Petrere, M. Amazon fisheries: assessment current status and management options. Canadian special publications fisheries abs aquatic science. 106: , Freitas, C. E. C.; Batista, V. S. A pesca e as populações ribeirinhas da Amazônia Central. Brazilian Journal of Ecology, 1:32-36, Freitas, C. E. C.; Batista, V. S.; Inhamuns, A. J. Strategies of the small-scale fisheries on the Central Amazon floodplain. Acta Amazônica, 32:1-7, 2002a. Freitas, C. E. C.; Nascimento, F. A.; Souza, F. K. S.; Santos, I. L. A.; Barbosa, R. P. Avaliação Preliminar da Atividade Pesqueira no Lago de Balbina e sua Interferência na Reserva Biológica Uatumã. Relatório Técnico apresentado ao Programa Waimiri-Atroari, Convênio Eletronorte- IBAMA, Manaus, 39p, 2002b. Froese, R. & Pauly, D. FishBase species summary for Colossoma macropomun tambaqui. FishBase International Center for Living Aquatic Resources Management, Penang, Malaysia, Furtado, L. G. Caracteristicas gerais e problemas da pesca Amazônica no Pará. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Antropologia, 6 (1), p , Garcez, D. S. A pesca de ribeirinhos em ambientes de várzea de uso comum, Baixo Solimões, Amazônia Central. Dissertação de Mestrado. INPA/UA. Manaus. 89 p,

12 Gentil, J. A juta na agricultura na várzea na área de Santarém Médio Amazonas. Boletim do Museu Paraense Emilio Goeldi, Antropologia 79, p. 1-50, Geri, J. The fishes of Amazônia. p In: Sioli, H. editor. The Amazon: Limnology and landscape ecology of a mighty tropical river and its basin. Dr. Junk, W., Boston, Goulding, M. The fishes and the forest: Explorations in Amazonian Natural History. University of California Press: Berkeley, CA, USA. 280p, Goulding, M.; Carvalho, J. L.; Ferreira, E.G. Rio Negro: Rich Life in Poor Water, Goulding, M.; Nigel, J. H.& Mahar, D. J. Floods of fortune: ecological and economy along the Amazon. Columbia University Press, New York, Hardin, G. The tragedy of the commons. Science, 162: , Isaac, V. J. & Ruffino, M. L. Population dynamics of tambaqui, Colossoma macropomum Cuvier, in the lower Amazon, Brazil. Fisheries Management and Ecology, 3: MacGoodwin, R. Crisis in the world s fisheries. Standford University Press, Satanford, McGrath, D.; Castro, F.; Futemma, C.; Amaral, B.& Calabria, I. Manejo comunitario da pesca nos lagos de varzea do Baixo Amazonas, p In: Furtado, L.; Mello, A. & Leitão, W. Povos das Águas: Realidade e perspectivas na Amazônia. Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém, Pará, Merona, B. Pesca e Ecologia dos Recursos Aquáticos na Amazônia. In: Furtado, L.; Leitão, W,; de Mello, A. F. (orgs). Povos das Águas: realidade e Perspectiva na Amazônia. Museu Paraense Emilio Goeldi, Belém: , Merona, B.; Bittencourt, M.M. A pesca na Amazônia através dos desembarques no mercado de Manaus: resultados preliminares. Memória Sociedad Ciências Natutales La Salle, 48: , Meshkat, A. Report to Government of Brazil on the Fisheries of the Amazon Region. Technical report Food and Agriculture Organization United Nations: Rome, Muth, R. M. Subsistence and artisanal fisheries policy: an international assessment. In: Meyer, R.M.; Zhang, C.; Windsor, M.L.; McCay, B.J. ; Husjak, L.J.; Mith, R.M. [eds.] Fisheries Resource Utilization and Policy. Proceedings of the World Fisheries Congress, Theme 2, New Dheli: Oxford & IBH Publishing Concluído. Pvt. Ltd., p.76-82, Petrere Jr., M. Pesca e esforço de pesca no Estado do Amazonas. I. Esforço e captura por unidade de esforço. Acta Amazônica, 8: , 1978a. Petrere Jr., M. Pesca e esforço de pesca no Estado do Amazonas: II. Locais, aparelhos de captura e estatísticas de desembarque. Acta Amazônica, 8 (supl.. 2):54p, 1978b. 12

13 Petrere Jr., M. Relationships among catches, fishing effort and river morphology for eight rivers in Amazonas State (Brazil), during Amazoniana, 8: , Petrere Jr., M. A pesca commercial no rio Solimões-Amazonas e seus afluentes: análise dos informes do pescado desembarcado no Mercado Municipal de Manaus ( ). Ciência e Cultura, 37: , Petrere Jr., M. As comunidades Humanas ribeirinhas da Amazônia e suas transformações sociais. In: Diegues, A. C. (ed.): Populações Humanas, rios e mares da Amazônia. Anais do IV Encontro de Ciências Sociais e o Mar do Brasil, São Paulo, pp , Ruffino, M. L. & Isaac, V. J. The fisheries of the Lower Amazon: questions of management and development.acta Biologica Venezuelica15: 37-46, Rufino, M.L.; Isaac, V.J.; Milstein, A. Fisheries ecology in the lower Amazon: a typical artisanal pratice in the tropics. Ecotropica, 4:99-114, Smith, N. J. Man, fishes, and the Amazon. Columbia University Press, New York Smith, N. J. The impact of cultural and ecological change on Amazonian fisheries. Biological Conservation 32:355-73, Van Den Avyle, M. J. Dynamics of exploited fish populations. p In: Kohler, C. & Hubert, W. A., editors. Inland fisheries management in North America. American Fisheries Society, Bethesda, Maryland, Weber, P. Net Loss: Fish jobs, and the Marine Environment. Worldwatch, Paper 120. Washington, D. C.,1994. Welcomme, R. L. & Bartley, D.M. Current approaches to the enhancement of fisheries. Fisheries Management and Ecology, 5: , Welcomme, R. L. A review of a model for qualitative evaluation of exploitation levels in multispecies fisheries. Fisheries Management and Ecology, v.6, p.1-19,

A pesca de pequena escala no rio Madeira pelos desembarques ocorridos em Manicoré (Estado do Amazonas), Brasil

A pesca de pequena escala no rio Madeira pelos desembarques ocorridos em Manicoré (Estado do Amazonas), Brasil A pesca de pequena escala no rio Madeira pelos desembarques ocorridos em Manicoré (Estado do Amazonas), Brasil Renato Soares CARDOSO 1, Carlos Edwar de Carvalho FREITAS 2 Resumo O trabalho teve como objetivo

Leia mais

N as décadas de 50 e 60, a produção pesqueira mundial, marinha e de água

N as décadas de 50 e 60, a produção pesqueira mundial, marinha e de água RECURSOS PESQUEIROS AMAZÔNICOS: STATUS ATUAL DA EXPLORAÇÃO E PERSPECTIVAS DE DESENVOLVIMENTO DO EXTRATIVISMO E DA PISCICULTURA Introdução Carlos Edwar de Carvalho Freitas 1 N as décadas de 50 e 60, a produção

Leia mais

Caracterização do uso de malhadeiras pela frota pesqueira que desembarca em Manaus e Manacapuru, Amazonas

Caracterização do uso de malhadeiras pela frota pesqueira que desembarca em Manaus e Manacapuru, Amazonas Caracterização do uso de malhadeiras pela frota pesqueira que desembarca em Manaus e Manacapuru, Amazonas Valdelira Lia Araújo FERNANDES 1, Rafaela Nascimento VICENTINI 2, Vandick da Silva BATISTA 3 RESUMO

Leia mais

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO

MONITORAMENTO HIDROLÓGICO MONITORAMENTO HIDROLÓGICO 2012 Boletim n o 18 18/05/2012 Boletim de acompanhamento - 2012 1. Figura 1: Mapa de estações estratégicas 2. Comportamento das Estações monitoradas De acordo com as tabelas I

Leia mais

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino

[ meio ambiente ] 68 ecoaventura l Pesca esportiva, meio ambiente e turismo. Por: Oswaldo Faustino [ meio ambiente ] Ameaçado de extinção, o Pirarucu, o maior peixe de escamas de nossas águas, ganhou programa de manejo e seus exemplares voltam a atingir número e tamanhos que permitem anualmente sua

Leia mais

Woods Hole Research Center, Falmouth, Massachusetts, Estados Unidos 2

Woods Hole Research Center, Falmouth, Massachusetts, Estados Unidos 2 Recuperando a Pesca do Pirarucu no Baixo Amazonas, Brasil Autores Leandro Castello 1,2, Caroline C. Arantes 3,4, Fabio Sarmento 3, David G. McGrath 1,2 1 Woods Hole Research Center, Falmouth, Massachusetts,

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PESCA ATRAVÉS DO BANCO DE ESTATÍSTICA E SIG NA REGIÃO DE SANTARÉM, ESTADO DO PARÁ, BRASIL. ProVárzea/Ibama *Email: soaemerson@gmail.

AVALIAÇÃO DA PESCA ATRAVÉS DO BANCO DE ESTATÍSTICA E SIG NA REGIÃO DE SANTARÉM, ESTADO DO PARÁ, BRASIL. ProVárzea/Ibama *Email: soaemerson@gmail. AVALIAÇÃO DA PESCA ATRAVÉS DO BANCO DE ESTATÍSTICA E SIG NA REGIÃO DE SANTARÉM, ESTADO DO PARÁ, BRASIL Emerson Carlos SOARES 1 *; César Valdenir TEIXEIRA 2 ; Anselmo Cristiano de OLIVEIRA 2 ; Marcelo PARISE

Leia mais

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM

Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013. QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento Sustentável Mamirauá - IDSM As Principais Ameaças a Conservação do Ecossistema de Várzea Amazônica, e a Experiência do Instituto Mamirauá (IDSM-OS) Ciclo BIOTA-Educação SP, setembro de 2013 QUEIROZ, Helder L. Instituto de Desenvolvimento

Leia mais

QUEDA DA PRODUTIVIDADE DE PESCADO NO RIO TOCANTINS: A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DE MARABÁ - PARÁ

QUEDA DA PRODUTIVIDADE DE PESCADO NO RIO TOCANTINS: A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DE MARABÁ - PARÁ QUEDA DA PRODUTIVIDADE DE PESCADO NO RIO TOCANTINS: A PERCEPÇÃO DOS PESCADORES DE MARABÁ - PARÁ Sandro Ferreira Nascimento 1 ; Andréa Hentz de Mello 2 ; Gustavo Ferreira de Oliveira 3 ; Verônica Danielle

Leia mais

A composição dos custos de armação e a renda das expedições de pesca da frota pesqueira artesanal da região do Médio rio Madeira, Amazonas, Brasil 1

A composição dos custos de armação e a renda das expedições de pesca da frota pesqueira artesanal da região do Médio rio Madeira, Amazonas, Brasil 1 A composição dos custos de armação e a renda das expedições de pesca da frota pesqueira artesanal da região do Médio rio Madeira, Amazonas, Brasil 1 Renato Soares CARDOSO 2, Carlos Edwar de Carvalho FREITAS

Leia mais

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal

OCEAN2012. Dia da Dependência de Pescado - Portugal OCEAN2012 Dia da Dependência de Pescado - Portugal A Europa está tão dependente de produtos da pesca capturados fora das suas águas que, neste momento, cerca de metade do pescado que consomem é proveniente

Leia mais

AUTOR(ES): WANESSA ANDRADE PIRES, DAYANNE DE JESUS RIBEIRO, FLÁVIA ROCHA DOS SANTOS BRITO, WAGNER SCHULE DE SOUZA

AUTOR(ES): WANESSA ANDRADE PIRES, DAYANNE DE JESUS RIBEIRO, FLÁVIA ROCHA DOS SANTOS BRITO, WAGNER SCHULE DE SOUZA TÍTULO: POPULAÇÕES RIBEIRINHAS DO RIO AMAZONAS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA AUTOR(ES): WANESSA ANDRADE PIRES,

Leia mais

Visconde do Rio Branco, 210 Centro - 12020-040 Taubaté/SP, gomesdasilvaster@gmail.com

Visconde do Rio Branco, 210 Centro - 12020-040 Taubaté/SP, gomesdasilvaster@gmail.com A preservação da biodiversidade marinha e estuarina no nordeste do Pará como estratégia de enfrentamento à sobrepesca. Oswaldo Gomes de Souza Junior 1,Mario Augusto da Silva Botelho 2, Antonio Erasmo Feitosa

Leia mais

CPRM Serviço Geológico do Brasil

CPRM Serviço Geológico do Brasil CPRM Serviço Geológico do Brasil Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral Ministério de Minas e Energia MISSÃO Gerar e difundir o conhecimento geológico e hidrológico básico para o desenvolvimento

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia OS RECURSOS NATURAIS E A SUSTENTABILIDADE: UM ESTUDO DOS MODOS DE VIDA NA COMUNIDADE SÃO FRANCISCO DE ASSIS - BAIXO

Leia mais

Capítulo I. Caracterização da frota e do desembarque da pesca comercial no município de Coari, Amazonas, Brasil.

Capítulo I. Caracterização da frota e do desembarque da pesca comercial no município de Coari, Amazonas, Brasil. Capítulo I Caracterização da frota e do desembarque da pesca comercial no município de Coari, Amazonas, Brasil. 1 RESUMO Neste estudo, foi avaliado o potencial da pesca comercial no município de Coari,

Leia mais

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS

HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS HIDROVIA SOLIMÕES - AMAZONAS MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes CODOMAR Companhia Docas do Maranhão AHIMOC Administração das Hidrovias da Amazônia Ocidental

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia RIOS, ESTRADAS E REDES DE PESCA NA AMAZÔNIA OCIDENTAL André de Oliveira Moraes; Tatiana Schor and.moraes@gmail.com

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central

Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Influência da velocidade da correnteza e tipo de sedimento na riqueza de macroinvertebrados bentônicos em um igarapé na Amazônia Central Maria I. G. Braz, Daniel P. Munari, Paulo S.D. da Silva, Thaíse

Leia mais

PROJETO Avaliação dos impactos do manejo dos estoques pesqueiros sob diferentes sistemas de gestão.

PROJETO Avaliação dos impactos do manejo dos estoques pesqueiros sob diferentes sistemas de gestão. Rede de pesquisa Rede de pesquisa Manejo Integrado dos Recursos Pesqueiros na Várzea Amazônica. Estudo comparativo de duas regiões: Baixo Amazonas e Baixo Purus. PROJETO Avaliação dos impactos do manejo

Leia mais

Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA

Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Reserva de Desenvolvimento Sustentável Piagaçu-Purus Purus : Gestão, Biodiversidade e Conservação Cláudia Pereira de DEUS* *Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia INPA Instituto Piagaçu - IPi Os caminhos

Leia mais

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos

Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática. Odete Rocha. Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos Mudanças Cimáticas Globais e Biodiversidade Aquática Odete Rocha Departamento de Ecologia Universidade Federal de São Carlos O que sabemos e o que devemos fazer?" O funcionamento dos ecossistemas aquáticos

Leia mais

GESTÃO PARTICIPATIVA DA PESCA NA REGIÃO DO MAICÁ, EM SANTARÉM, PA: REFLEXÕES JURÍDICAS E AMBIENTAIS

GESTÃO PARTICIPATIVA DA PESCA NA REGIÃO DO MAICÁ, EM SANTARÉM, PA: REFLEXÕES JURÍDICAS E AMBIENTAIS GESTÃO PARTICIPATIVA DA PESCA NA REGIÃO DO MAICÁ, EM SANTARÉM, PA: REFLEXÕES JURÍDICAS E AMBIENTAIS Regina Glória Pinheiro Cerdeira Serguei Aily Franco de Camargo RESUMO A região do Maicá vem realizando

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

Termo de Referência. Contexto. Objetivo. Atividades

Termo de Referência. Contexto. Objetivo. Atividades Contexto Termo de Referência Consultor de Monitoramento Socioeconômico para Projeto de Conservação da Biodiversidade Wildlife Conservation Society, Programa Brasil (WCS Brasil), Manaus, Amazonas, Brasil

Leia mais

Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pesquisa Sísmica 3D, Não Exclusiva Bacia Sedimentar Marítima de Pernambuco-Paraíba

Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pesquisa Sísmica 3D, Não Exclusiva Bacia Sedimentar Marítima de Pernambuco-Paraíba Estudo Ambiental de Sísmica (EAS) Pág. i / ii Sumário II.6.4... 1 1 - Justificativa... 1 2. Objetivos... 2 3. Metas... 3 4. Indicadores Ambientais... 4 5. Metodologia... 5 5.1 Supervisão da Coleta dos

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

Resumos do V CBA - Outras temáticas

Resumos do V CBA - Outras temáticas 1 A pluriatividade como estratégia para ampliar a sustentabilidade das famílias de pescadores artesanais 1 The pluriatividade as strategy to extend the sustentabilidade of the artisan fishing families

Leia mais

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento

Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos. Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Ações do Sistema SEPROR para o incentivo a produção de orgânicos Sonia Alfaia Secretaria Executiva Adjunta de Planejamento Política Institucional da SEPROR QUEM SOMOS NÓS? O Amazonas possui 270 mil produtores

Leia mais

2 Características do Sistema Interligado Nacional

2 Características do Sistema Interligado Nacional 2 Características do Sistema Interligado Nacional O Sistema Elétrico Brasileiro (SEB) evoluiu bastante ao longo do tempo em termos de complexidade e, consequentemente, necessitando de um melhor planejamento

Leia mais

Sistema integrado de estatística pesqueira para a Amazônia

Sistema integrado de estatística pesqueira para a Amazônia Sistema integrado de estatística pesqueira para a Amazônia MAURO LUIS RUFFINO Diretor de Ordenamento, Controle e Estatística (DICAP) da Secretaria Especial de Aqüicultura e Pesca da Presidência da República

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE. Alice Silva de Castilho 1 ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE A PRECIPITAÇÃO REGISTRADA NOS PLUVIÔMETROS VILLE DE PARIS E MODELO DNAEE Alice Silva de Castilho 1 RESUMO - Este artigo apresenta uma análise comparativa entre os totais mensais

Leia mais

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA

INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MAMIRAUÁ IDSM/OS/MCTI PROGRAMA DE MANEJO DE PESCA EDITAL DO CURSO DE GESTÃO COMPARTILHADA DOS RECURSOS PESQUEIROS COM FOCO NO MANEJO PARTICIPATIVO DE PIRARUCU (Arapaima

Leia mais

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES

EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES EVOLUÇÃO DOS CAUDAIS EXTREMOS EM CURSOS DE ÁGUA DO INTERIOR CENTRO E NORTE DE PORTUGAL ADÉLIA NUNES Departamento de Geografia Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, Largo da Porta Férrea 3004-530

Leia mais

O aconselhamento cien5fico para a gestão do sector das Pescas da UE. Mudança de paradigma no contexto da "nova" PCP.

O aconselhamento cien5fico para a gestão do sector das Pescas da UE. Mudança de paradigma no contexto da nova PCP. O aconselhamento cien5fico para a gestão do sector das Pescas da UE. Mudança de paradigma no contexto da "nova" PCP. O Programa Nacional de Recolha de Dados de Pesca Funchal, 27 de Junho de 2013 Lídia Gouveia

Leia mais

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa:

NOSSO PLANETA. O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: NOSSO PLANETA O planeta Terra se caracteriza por uma história evolutiva complexa: Interações entre atmosfera, terra sólida, oceanos e a biosfera resultaram no desenvolvimento de uma grande e complexa variedade

Leia mais

Com base nos conhecimentos sobre usinas hidrelétricas e na análise do mapa, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmativas a seguir.

Com base nos conhecimentos sobre usinas hidrelétricas e na análise do mapa, atribua V (verdadeiro) ou F (falso) para as afirmativas a seguir. Relatório do vestibular UEL Questões da Primeira Fase: Trata-se de um vestibular de elevada qualidade, com questões diversificadas nos temas trabalhados, incluindo assuntos de atualidades e com relevância

Leia mais

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA

ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA ESTRUTURA POULACIONAL DE H. ancistroides (Ihering, 1911) EM RIACHOS URBANOS NO MUNICIPIO DE TOLEDO, PARANA 1* Thales Serrano Silva, 2 Tiago Debona, 3 Vinicius Valiente do Santos, 4 Ricardo Soni, 5 Éder

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

PLANO DE CURSO DA DISCIPLINA

PLANO DE CURSO DA DISCIPLINA Carga Horária: 80 horas Créditos: 04 Prof. Dr. Adnilson de Almeida Silva PLANO DE CURSO DA DISCIPLINA EMENTA Populações tradicionais, cultura e identidade. Diversidade e Cultura Contra- Hegemônica. Patrimônio

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO,

EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, ESTADO DE RONDÔNIA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA MENSAGEM N 183/2010. EXCELENTÍSSIMO SENHOR GOVERNADOR DO ESTADO, O PRESIDENTE DA ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE RONDÔNIA encaminha a Vossa Excelência para

Leia mais

Região Norte e Amazônia não são sinônimos

Região Norte e Amazônia não são sinônimos REGIÃO NORTE Região Norte e Amazônia não são sinônimos Não existe uma Amazônia, e, sim, várias. Amazônia Internacional: região natural coberta pela floresta Amazônica, que se estende por alguns países

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia.

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Avaliação microbiológica do pirarucu (Arapaima gigas) salgado seco comercializado em feiras da Cidade de Manaus e Fonte Boa, Amazonas Euclides Luis

Leia mais

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA

COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA COMPARAÇÃO ENTRE A TEMPERATURA DA ÁREA URBANA E DA ÁREA RURAL DO MUNICÍPIO DE VIGIA Andressa Garcia Lima 1, Dra. Maria Aurora Santos da Mota 2 1 Graduada em Meteorologia- UFPA, Belém-PA, Bra. andressinhagl@yahoo.com.br.

Leia mais

Operação apreende duas toneladas de peixes e animais silvestres, no AM

Operação apreende duas toneladas de peixes e animais silvestres, no AM Page 1 of 6 22h15 - Atualizado em 22h21 Operação apreende duas toneladas de peixes e animais silvestres, no AM Ação foi realizada entre 18 e 27 de janeiro. Carne de jacaré, jabutis vivos e filhote de guariba

Leia mais

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1

Por: Pedro Arlindo, Anabela Mabota, António Paulo, Cynthia Donovan e David Tschirley 1 24 de Março de 2004 flash No 38 P Resultados das Pesquisas do SIMA-DEST e Departamento de Análise de Políticas MADER-Direcção de Economia Mudanças nos Padrões de Consumo na Zona Sul: Que Opções Alimentares

Leia mais

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ

RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA PARA O DESENVOLVIMENTO Centro de Hidráulica e Hidrologia Prof. Parigot de Souza RELATÓRIO DE MONITORAMENTO DA ICTIOFAUNA NA ÁREA DA UHE MAUÁ RELATÓRIO TÉCNICO Nº 44 2012 COORDENAÇÃO

Leia mais

Co-Gestão e o Sistema de Monitoramento Voluntário: a Desistência dos Agentes Ambientais Voluntários no Baixo Amazonas.

Co-Gestão e o Sistema de Monitoramento Voluntário: a Desistência dos Agentes Ambientais Voluntários no Baixo Amazonas. IV Encontro Nacional da ANPPAS 4, 5 e 6 de junho de 2008 Brasília DF Brasil Co-Gestão e o Sistema de Monitoramento Voluntário: a Desistência dos Agentes Ambientais Voluntários no Baixo Amazonas. Lucilene

Leia mais

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica.

Mobilização - construir parcerias e articulações integradas às dimensões ambientais: social, cultural e econômica. MISSÃO Desenvolver e implantar projetos que tenham como foco a geração de benefícios para o Planeta, provocando modificações conscientes, tanto no campo das ciências, quanto das atividades humanas. PRINCÍPIOS

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Claudemir Oliveira da Silva

Claudemir Oliveira da Silva RELATÓRIO DO BANCO DE DADOS ACCESS Claudemir Oliveira da Silva 1 Relatório de Consultoria Censo Comunitário das Comunidades Ribeirinhas de São Francisco - Minas. por Claudemir Oliveira da Silva INTRODUÇÃO

Leia mais

Torezani1, E.; Baptistotte1, C.; Coelho1, B. B.; Santos2, M.R.D.; Bussotti2, U.G.; Fadini2, L.S.; Thomé1, J.C.A.; Almeida1, A.P.

Torezani1, E.; Baptistotte1, C.; Coelho1, B. B.; Santos2, M.R.D.; Bussotti2, U.G.; Fadini2, L.S.; Thomé1, J.C.A.; Almeida1, A.P. ABUNDÂNCIA, TAMANHO E CONDIÇÃO CORPORAL EM CHELONIA MYDAS (LINNAEUS 1758) NA ÁREA DO EFLUENTE DA CST (COMPANHIA SIDERÚRGICA DE TUBARÃO), ESPÍRITO SANTO BRASIL, 2000-2004. Torezani1, E.; Baptistotte1, C.;

Leia mais

Poluição e contaminação em aqüicultura. Kátia Daniele do Nascimento Limnologia II

Poluição e contaminação em aqüicultura. Kátia Daniele do Nascimento Limnologia II Poluição e contaminação em aqüicultura Kátia Daniele do Nascimento Limnologia II Poluição Poluição da água é a alteração de suas características por quaisquer ações ou interferências, sejam elas naturais

Leia mais

Discussões e Recomendações para o Decreto de Pesca da Bacia do Rio Negro (no. 27.012 de setembro de 2007)

Discussões e Recomendações para o Decreto de Pesca da Bacia do Rio Negro (no. 27.012 de setembro de 2007) Discussões e Recomendações para o Decreto de Pesca da Bacia do Rio Negro (no. 27.012 de setembro de 2007) Histórico Foi editado em 2001 o primeiro Decreto Estadual (no.22.304), proibindo a pesca comercial

Leia mais

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP

NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP NOTA TÉCNICA MANUTENÇÃO DA PRODUÇÃO DO SISTEMA CANTAREIRA PARA A POPULAÇÃO DA RMSP O abastecimento da RMSP foi concebido para atuação integrada entre seus sistemas produtores, buscando sempre a sinergia

Leia mais

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas

Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Como as alterações climáticas podem afetar as cidades, as organizações e as empresas Thelma Krug Pesquisadora, INPE Membro do Conselho do IPCC Congresso Internacional de Sustentabilidade São José dos Campos,

Leia mais

B I O G E O G R A F I A

B I O G E O G R A F I A B I O G E O G R A F I A FLORESTA AMAZÔNICA 2011 Aula XII O bioma Amazônia representa aproximadamente 30% de todas as florestas tropicais remanescentes do mundo e nele se concentra a maioria das florestas

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011

Pesquisa Mensal de Emprego. Abril 2011 Diretoria de Pesquisas Coordenação de Trabalho e Rendimento Pesquisa Mensal de Emprego Abril 2011 1 1 Rio de Janeiro, 26/05/2011 Janeiro Fevereiro Março Abril Maio Junho Julho Agosto Setembro O Janeiro

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele.

Contexto. O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Contexto O fenômeno das cheias e vazantes na Amazônia acontece há seculos e as populações tradicionais sabem conviver com ele. Dinâmica das Cheias Quando as águas sobem, o gado é levado para terra firme.

Leia mais

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends

Serviços Ambientais. Programa Comunidades - Forest Trends Serviços Ambientais OFICINA DE FORMACAO Rio Branco, Acre 12 de Marco, 2013 Beto Borges Programa Comunidades e Mercados FOREST TRENDS Programa Comunidades - Forest Trends Promovendo participação e beneficios

Leia mais

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM

INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM INQUILINISMO EM CORNITERMES (ISOPTERA, TERMITIDAE) EM DUAS ÁREAS DE PASTAGEM Ana Cristina da Silva¹, José Max Barbosa de Oliveira Junior¹, Lauana Nogueira², Letícia Gomes ¹, Thales Amaral² Reginaldo Constantino³

Leia mais

F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE

F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE F-15 CIDADANIA & DIVERSIDADE Promovendo a Inclusão do Conceito de Gênero na Pesca Artesanal no Brasil A PERSPECTIVA INTERNACIONAL DE DIREITOS HUMANOS Inclusão de direitos humanos e responsabilidades sociais

Leia mais

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli)

REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) 1 REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo sugerindo à Agência Nacional de Águas que determine às empresas concessionárias deste serviço a divulgação em suas

Leia mais

Produto 3: Avaliação socioeconômica

Produto 3: Avaliação socioeconômica Fundo Para o Meio Ambiente Mundial Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente PROJETO GESTÃO INTEGRADA E SUSTENTÁVEL DOS RECURSOS HÍDRICOS TRANSFRONTEIRIÇOS NA BACIA DO RIO AMAZONAS, CONSIDERANDO

Leia mais

Palavras-chaves: Recursos Pesqueiros, Sustentabilidade, Cultura, Amazônia. Políticas Públicas.

Palavras-chaves: Recursos Pesqueiros, Sustentabilidade, Cultura, Amazônia. Políticas Públicas. Resumo No presente artigo aborda-se a inter-relação dos pescadores camponeses com o sistema capitalista de produção e a importância da cultura como meio para a real sustentabilidade da pesca e, por conseguinte,

Leia mais

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE

ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE ATIVIDADES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL REALIZADAS NA COMUNIDADE ILHA DE DEUS, RECIFE-PE Juliana dos Santos Silva 1, Anália Carmem Silva de Almeida 2, Arlindo de Paula Machado Neto 3 e Carlos Augusto Sampaio

Leia mais

Re-pensando o estudo e o manejo da pesca no Brasil

Re-pensando o estudo e o manejo da pesca no Brasil ARTIGO DE OPINIÃO Re-pensando o estudo e o manejo da pesca no Brasil LEANDRO CASTELLO 1 1 State University of New York, College of Environmental Science and Forestry, Syracuse, New York, Estados Unidos;

Leia mais

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL.

COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. COMPORTAMENTO DOS ÍNDICES DO ESTADO TRÓFICO DE CARLSON (IET) E MODIFICADO (IET M ) NO RESERVATÓRIO DA UHE LUÍS EDUARDO MAGALHÃES, TOCANTINS BRASIL. Liliana Pena Naval* Doutorada pela Universidad Complutense

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL

CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE DE INCÊNDIOS EM PLANTAÇÕES INDUSTRIAIS NO BRASIL NOVTEC 2010 Workshop Novas Tecnologias em Gestão Florestal Sustentável A gestão do risco de incêndio e a gestão da cadeia de valor 25-26 de Outubro, 2010 Lisboa, Portugal CARACTERIZAÇÃO DA HISTÓRIA RECENTE

Leia mais

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo

Exercícios Amazônia. Geografia Professor: Claudio Hansen. Material de apoio do Extensivo Exercícios Amazônia 1. As florestas contribuem com a fixação de parte do carbono atmosférico do planeta, amenizando o processo do aquecimento global. As queimadas realizadas nessas formações vegetais,

Leia mais

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015

SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 SONDAGEM INDUSTRIAL Março de 2015 A exportação se consolida como perspectiva positiva para os próximos meses A Sondagem industrial, realizada junto a 162 indústrias catarinenses no mês de março, mostrou

Leia mais

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias

Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias Processo de regulamentação para o repovoamento de peixes em bacias hidrográficas brasileiras DBFLO/CGFAP/COOPE Rogério Inácio de Carvalho rogerio.carvalho@ibama.gov.br (61)3316-1703 Normas Ambientais Art.

Leia mais

Proposta para identificação rápida dos períodos hidrológicos em áreas de várzea do rio Solimões-Amazonas nas proximidades de Manaus

Proposta para identificação rápida dos períodos hidrológicos em áreas de várzea do rio Solimões-Amazonas nas proximidades de Manaus Proposta para identificação rápida dos períodos hidrológicos em áreas de várzea do rio Solimões-Amazonas nas proximidades de Manaus Maria Mercedes BITTENCOURT 1, Sidinéia Aparecida AMADIO 2 RESUMO A variação

Leia mais

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A

GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA A A GERAÇÃO DO CONHECIMENTO Transformando conhecimentos em valores www.geracaococ.com.br Unidade Portugal Série: 6 o ano (5 a série) Período: MANHÃ Data: 15/9/2010 PROVA GRUPO GRUPO VIII 3 o BIMESTRE PROVA

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB

ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB ESTUDO DA VIABILIDADE DO USO DE CISTERNAS EM ASSENTAMENTO RURAL NO MUNICÍPIO DE VÁRZEA-PB Jackson Silva Nóbrega 1 ; Francisco de Assis da Silva 1 ; Marcio Santos da Silva 2 ; Maria Tatiane Leonardo Chaves

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC

A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC A participação do Idoso na econômia das famílias da Região do Grande ABC Não podemos acrescentar dias em nossas vidas, mas podemos acrescentar vida em nossos dias Cora Coralina 1 - Introdução Este trabalho

Leia mais

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE

BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 BIODIVERSIDADE BIODIVERSIDADE E MANEJO SUSTENTÁVEL DA FLORESTA TROPICAL 1 João Artur Silva 2 Márcio Ribeiro² Wilson Junior Weschenfelder² BIODIVERSIDADE Modelos de Diversidade A diversidade biológica varia fortemente

Leia mais

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005

O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 O TURISMO NO ESPAÇO RURAL 2005 Elaborado por: Maria Julieta Martins Coordenado por: Teresinha Duarte Direcção de Serviços de Estudos e Estratégia Turísticos Divisão de Recolha e Análise Estatística Índice

Leia mais

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL

AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL AGRICULTURA TRADICIONAL DE CORTE E QUEIMA NO BIOMA DE MATA ATLÂNTICA (RJ) - BRASIL Ana Valéria Freire Allemão Bertolino Departamento de Geografia/FFP - Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Brasil

Leia mais

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental

Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental 482 Anais do Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - Vol. 2: Congestas 2014 Eixo Temático ET-13-003 - Educação Ambiental OS DESAFIOS DO LIXO NOS DIVERSOS AMBIENTES Viviane Susy de

Leia mais

BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS

BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS BRASIL: A ESCASSEZ HÍDRICA E SEUS IMPACTOS ECONÔMICOS 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 01 02 03 04 05 06 07 08 09 10 11 12 13 14 Panorama Hídrico O Brasil é muito rico em recursos hídricos......mas

Leia mais

SOLUÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA

SOLUÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA SOLUÇÕES PARA A SUSTENTABILIDADE NA AMAZÔNIA Resultados da Fundação Amazonas Sustentável (FAS) Por Virgílio Viana, João Tezza, Valcléia Solidade, Luiz Villares, Edvaldo Correa, Fernanda Martins e Marcelo

Leia mais

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO

Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO Usina Hidrelétrica Belo Monte APRESENTAÇÃO GERAL DO EMPREENDIMENTO BREVE HISTÓRICO Estudo de Inventário do rio Xingu: realizados na década de 1970 com relatório técnico emitido no final de 1979 Estudos

Leia mais

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS

BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS BOA GOVERNANÇA PARA GESTÃO SUSTENTÁVEL DAS ÁGUAS URBANAS PROGRAMA DRENURBS Um programa para integrar objetivos ambientais e sociais na gestão das águas Superintendência de Desenvolvimento da Capital -

Leia mais

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas

O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Workshop Adaptação às mudanças climáticas e os desafios da gestão ambiental integrada no Brasil O Plano Nacional de Recursos Hídricos e as Mudanças climáticas Diretoria de Recursos Hídricos Ministério

Leia mais

A Renda da água: Dinâmicas sociais da pesca comercial e o controle ao acesso dos recursos pesqueiros em regimes de uso comum na Amazônia brasileira

A Renda da água: Dinâmicas sociais da pesca comercial e o controle ao acesso dos recursos pesqueiros em regimes de uso comum na Amazônia brasileira A Renda da água: Dinâmicas sociais da pesca comercial e o controle ao acesso dos recursos pesqueiros em regimes de uso comum na Amazônia brasileira Pedro Rapozo (Universidade do Minho) Doutorando em Sociologia

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades.

A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. 1. As cidades A maioria da população mundial, europeia e nacional vive hoje em cidades. Na União Europeia, mais de 2/3 da população vive em áreas urbanas e 67% do Produto Interno Bruto (PIB) europeu é

Leia mais

PROJETO EXECUTIVO DE DESEMBARQUE PESQUEIRO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA

PROJETO EXECUTIVO DE DESEMBARQUE PESQUEIRO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA PROJETO EXECUTIVO DE DESEMBARQUE PESQUEIRO COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO CODESA Vitória Outubro/ LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1 Associação da Ilha das Caieiras (ASPEMADE)... 6 Figura 2 Associação de

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia

O PROJETO SIMCAFE. Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia Simulação dos Impactos das Mudanças Climáticas globais sobre os setores de Agropecuária, Floresta e Energia O PROJETO SIMCAFE Projeto Financiado pela: Financiadora de Estudos e Projetos Instituição Proponente:

Leia mais

Nosso Território: Ecossistemas

Nosso Território: Ecossistemas Nosso Território: Ecossistemas - O Brasil no Mundo - Divisão Territorial - Relevo e Clima - Fauna e Flora - Ecossistemas - Recursos Minerais Um ecossistema é um conjunto de regiões com características

Leia mais

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa

Recursos Genéticos brasileiros. Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Recursos Genéticos brasileiros Derly José Henriques da Silva Professor do Departamento de Fitotecnia Universidade Federal de Viçosa Acesso aos recursos genéticos (antes da CDB ECO - RIO 1992) recursos

Leia mais

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015

ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL. ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 ÍNDICE DE CONFIANÇA DOS PEQUENOS NEGÓCIOS NO BRASIL ICPN Outubro de 2015 Sumário Executivo Indicadores de confiança são indicadores

Leia mais

TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura)

TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura) TÍTULO: Validação e Introdução de Tecnologia Apropriada à Produção de Tambaqui (Piscicultura) 1. IDENTIFICAÇÃO: Nome do Programa ao qual pertence: PROTA Data de início: Previsão de duração: Nome do responsável:

Leia mais