INDICADORES MUNDIAIS DO SETOR ELÉTRICO AS EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS DE INTEGRAÇAO ENERGÉTICA

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INDICADORES MUNDIAIS DO SETOR ELÉTRICO AS EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS DE INTEGRAÇAO ENERGÉTICA"

Transcrição

1 Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica INDICADORES MUNDIAIS DO SETOR ELÉTRICO AS EXPERIÊNCIAS LATINO-AMERICANAS DE INTEGRAÇAO ENERGÉTICA JULHO DE 2009 Rio de Janeiro 1

2 Índice 1 SUMÁRIO EXECUTIVO O MERCADO COMUM DE ELETRICIDADE NA AMÉRICA CENTRAL O MERCADO COMUM DE ELETRICIDADE NA COMUNIDADE ANDINDA. 6 4 A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE BRASIL E PARAGUAI: A CENTRAL HIDROELÉTRICA BINACIONAL ITAIPU A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE ARGENTINA E URUGUAI: A CENTRAL BINACIONAL DE SALTO GRANDE A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE ARGENTINA E PARAGUAI: A CENTRAL BINACIONAL YACYRETÁ A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE ARGENTINA E CHILE: A CENTRAL SALTA O PROCESSO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BRASIL-PERU REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA...19 Nivalde J. de Castro * Adriana Maria Dassie ** Danilo Delgado *** * Professor do Instituto de Economia - UFRJ e coordenador do Grupo de Estudos do Setor Elétrico ** Assistente de Pesquisa do GESEL-IE-UFRJ *** Assistente de Pesquisa do GESEL-IE-UFRJ 2

3 1 SUMÁRIO EXECUTIVO A integração energética na América Latina será possível mediante a existência de recursos energéticos suficientes para promover a integração da região, a partir da elaboração de projetos multilaterais, tanto técnicos como regulatórios, que servirão para atender as necessidades de mais de um país. O processo de integração exige a intensa participação dos governos envolvidos, de tal modo que seja possível chegar a acordos que permitam a superação de obstáculos que derivam dos variados desenhos de cada mercado e marcos regulatórios que existem na região. O beneficio econômico de uma integração, seja avaliado do ponto de vista social ou privado, deve ser o fator determinante do projeto de integração. O presente relatório apresentará os casos de integração energética ocorridos ou ainda em processo na América Latina. Primeiramente, será analisado o processo de integração energética na América Central, abrangendo Costa Rica, Nicarágua, Panamá, El Salvador e Guatemala. A segunda parte do relatório trata sobre a formação da Comunidad Andina de Naciones, composto por Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela. A seção seguinte trata da integração energética entre Brasil e Paraguai, através da Usina Binacional de Itaipu, mostrando como foi formatada esta central geradora que atende o mercado de energia dos dois países. As três seções seguintes abrangem acordos energéticos estabelecidos pela Argentina com Chile, Uruguai e Paraguai, respectivamente. Por fim, é realizada uma análise acerca do processo de integração energética que se inicia entre Brasil e Peru, com o objetivo de construir seis novas usinas hidroelétricas na região amazônica peruana, totalizando 7 GW de potência instalada, que seria utilizada para atender os mercados brasileiros e peruanos. 3

4 2 O MERCADO COMUM DE ELETRICIDADE NA AMÉRICA CENTRAL A integração Energética na América Central teve início em 1976 com um acordo firmado entre Honduras e Nicarágua. Em 1982, a interconexão ocorre entre Costa Rica e Nicarágua e, em 1986, entre Costa Rica e Panamá e El Salvador e Guatemala, formando dois subsistemas interconectados. Somente em 2003 ocorreu a integração entre Honduras e El Salvador. A integração existente tem sido muito importante para o fornecimento de energia elétrica excedente em cada país, basicamente energia hidráulica. Diante das perspectivas de aproveitar um mercado elétrico com alcance regional, em 1996, assinou-se o Tratado Marco Del Mercado Eléctrico de América Central, ratificado pelos seis países membros e que entrou em vigor em Neste tratado está a base jurídica na qual se sustenta a criação de um mercado elétrico regional, que fortalece a infra-estrutura do SIEPAC (Sistema de Interconexión Eléctrica para la América Central) e a construção de uma linha de transmissão de alta voltagem que realize a interconexão dos países da região. O sistema de transmissão regional inclui as instalações dirigidas a reforçar os sistemas elétricos existentes, a construção da linha de interconexão de 250 KV, ligando a Guatemala ao Panamá e as ampliações das subestações associadas. Os principais benefícios do Mercado Eléctrico Regional MER são os seguintes: Aumento da segurança jurídica, redução do risco, maior facilidade de acesso às fontes de financiamento e diminuição das taxas de juros, refletindo em menores preços no mercado; Melhoras tecnológicas na oferta pela existência de escala, resultando em menores preços para a eletricidade; Maior competição pela existência de mais agentes no mercado; Melhor qualidade do serviço, resultado de uma infra-estrutura de transmissão mais robusta e aplicação de critérios de qualidade e segurança uniforme; e Mercado de serviços auxiliares, com o objetivo de melhorar a qualidade dos serviços. 4

5 Os objetivos do SIEPAC são: apoiar a formação e consolidação do MER com o propósito de facilitar a participação do setor privado no desenvolvimento de projetos adicionais de geração elétrica e estabelecer a infra-estrutura de interconexão elétrica que permita a troca de energia entre os participantes do MER. O custo total para o desenvolvimento e construção da linha de interconexão e das subestações do projeto foi estimado em US$ 330,0 milhões. Deste total, o BID liberou um empréstimo no valor de US$ 240,0 milhões em 1997, com o restante sendo financiado por instituições locais. A linha SIEPAC se conectará às redes nacionais de cada país mediante um total de 28 acessos nas seguintes subestações: Guatemala Norte, Panaluya e Guatemala, estas na Guatemala; Ahuachapán, Nejapa e 15 de Septiembre, em El salvador; Rio Lindo e Aqua Caliente, em Honduras; Planta Nicarágua e Ticuantepe, na Nicarágua. Cañas, Parrita, Rio Claro e Palmar Norte, na Costa Rica e Veladero, no Panamá. O Gráfico nº. 1 apresenta a rota que a linha de transmissão deverá percorrer ao final do projeto e as subestações que deverão alimentar cada país participante. Gráfico nº. 1 Mapa do projeto da linha de transmissão SIEPAC Fonte: SIEPAC 5

6 3 O MERCADO COMUM DE ELETRICIDADE NA COMUNIDADE ANDINDA Os países que compõem a Comunidad Andina de Naciones dispõem do seguinte potencial energético: Bolívia: conta com a segunda maior reserva de gás natural da região, que tem a Venezuela com as maiores reservas. Encontra-se entre os dez países com maiores reservas hídricas da América Latina. Colômbia: concentra as maiores reservas de carvão da região. É o segundo país com maior potencial hidrelétrico, além de estar entre os seis países latinoamericanos em reservas de petróleo. Equador: é o quarto país em reservas de petróleo e está entre os dez países com maiores reservas hídricas da América Latina. Peru: é o terceiro país da América Latina em reservas hídricas, além de ser o sexto em reservas de gás natural. Venezuela * : conta com as maiores reservas de petróleo da região e quinta maior do mundo. Além disso, possui as maiores reservas de gás natural, é o quarto país em reservas de carvão e o quinto em reservas hídricas na América Latina. O processo de integração energética dos países membros da Comunidad Andina de Naciones teve início em 1969 com a construção da linha de transmissão Zulia La Fría, ligando Colômbia e Venezuela. No entanto, a troca de energia entre os países nunca foi significativa e sempre ocorreram em conseqüência de problemas de segurança no fornecimento de energia. Essa linha de transmissão foi a base para que a integração energética se desenvolvesse futuramente na região. * A Venezuela deixou de fazer parte da CAN em 2006 para se integrar ao Mercosul. 6

7 O marco histórico através do qual se desenvolve a integração energética entre os países andinos Bolívia, Colômbia, Equador, Peru e Venezuela é um reflexo de que, para fortalecer e aproveitar todas as potencialidades de uma integração elétrica entre países vizinhos, os respectivos governos devem estabelecer um marco regulatório geral no qual as regras de interconexão sejam estabelecidas. Este recebeu o nome de Reglas Fundamentales, das quais convém destacar: Os países membros não usarão de prática discriminatória entre os preços no seu mercado interno e o mercado externo; Haverá garantia, por parte dos países membros, de livre acesso às linhas de transmissão destinadas a interconexão internacional; Cada país deve operar sob condições competitivas; O uso físico das interconexões será conseqüência do despacho econômico coordenado dos mercados; Os países membros não devem usar de práticas de subsídio e incentivo direto às exportações de energia elétrica, o que será considerado prática anticompetitiva; Cada país membro deverá incentivar a participação privada nos desenvolvimento da infra-estrutura de transporte de eletricidade para a interconexão internacional. A evolução do processo de interconexão elétrica da Comunidad Andina vem permitindo definir ambiciosos planos para os próximos anos. Há previsão para construção de uma interconexão da Bolívia com o SIEPAC, além de projetos que já se encontram em construção, como é o caso da linha de transmissão que ligará Peru e Equador. Para alcançar os níveis de interconexão previstos para o ano de 2010 será necessária um investimento na ordem de US$ 800 milhões, valor que certamente refletirá sobre as tarifas. 7

8 O consumo de eletricidade nos países que compõem o CAN vem mantendo uma tendência de crescimento desde a década de 1970, como é possível observar no Gráfico nº. 2. A capacidade instalada vem acompanhando essa tendência, conforme o Gráfico nº. 3. Porém, se a tendência de crescimento do consumo se mantiver, é provável que haja uma dificuldade, por parte de alguns países, em aumentar a capacidade de geração usando apenas os insumos de que dispõem. Portanto, eis a importância de se promover a integração energética entre estes países, pois será possível que as necessidades energéticas dos países deficitários possam ser supridas por aqueles que possuem recursos excedentes às suas necessidades. Gráfico nº. 2 Consumo de Energia Elétrica dos Países Membros da CAN Fonte: Elaborado pelo GESEL-IE-UFRJ, com base nos dados Relatório CEPAL (2008) Gráfico nº. 3 Capacidade Instalada dos Países Membros da CAN Capacidad instalada para producir energía eléctrica ,0 GWh , , , , ,0 0, Venezuela Perú Ecuador Colombia Bolivia Anos Fonte: Elaborado pelo GESEL-IE-UFRJ, com base nos dados do Relatório CEPAL(2008) 8

9 4 A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE BRASIL E PARAGUAI: A CENTRAL HIDROELÉTRICA BINACIONAL ITAIPU A Usina Hidroelétrica Itaipu Binacional é um empreendimento internacional com o objeto de aproveitar o potencial hidroelétrico do Rio Paraná e gerar eletricidade para atender os mercados brasileiro e paraguaio. O ano da assinatura do Tratado de Itaipu, 1973, coincidiu com a primeira crise do petróleo. Neste período, no qual os países são levados a buscar alternativas para substituir o combustível fóssil, do qual o Brasil ainda não dispunha em volume suficiente para não depender das exportações, a construção de Itaipu consolidou a opção brasileira pela geração de energia através de fonte hidráulica, dobrando a capacidade de geração elétrica pelo país no período. A central tem capacidade instalada de MW, sendo que as duas últimas unidades geradoras entraram em operação em Com as 20 unidades geradoras em atividade e o Rio Paraná em condições favoráveis, com chuvas em níveis normais em toda a bacia, a geração poderá alcançar o patamar de 100 bilhões de kwh. O Brasil foi o responsável pelo projeto de instalação e pelos investimentos empregados na construção da usina, além de ter sido o financiador da parte pertencente ao Paraguai. De acordo com os contratos estabelecidos entre os dois países, a energia elétrica gerada é dividida igualmente entre os dois países. Como o Paraguai não consome toda a sua parte apenas 20% do total gerado já é suficiente para abastecer seu mercado interno, os 80% restantes são vendidos para o Brasil, conforme observado no Gráfico nº. 4. 9

10 Gráfico nº. 4 Participação da Energia de Itaipu no Mercado Paraguaio (em MW médio e em %) Fonte: Itaipu Binacional Em 2008 a usina produziu 94,7 milhões de MWh, que garantiu o suprimento de 87,3% de toda a energia elétrica consumida no Paraguai e 19,3% da demanda do sistema interligado brasileiro, conforme observado no Gráfico nº. 5.. Gráfico nº. 5 Participação da Energia de Itaipu no Mercado Brasileiro (em MW médio e em %) Fonte: Itaipu Binacional 10

11 A operação da usina tem o objetivo de maximizar a utilização dos reservatórios (energia disponível), nos períodos de baixas e altas afluências, atendendo as demandas do sistema elétrico brasileiro e paraguaio. Evita-se verter água e otimiza-se a sua utilização na produção de energia. O Gráfico nº. 6 apresenta o total de energia que Itaipu gerou nos anos de 2004 a Gráfico nº. 6 Total de Energia Produzida por Itaipu Binacional (em MW médios) Fonte: Itaipu Binacional 11

12 5 A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE ARGENTINA E URUGUAI: A CENTRAL BINACIONAL DE SALTO GRANDE A central de Salto Grande está localizada 450 km ao norte de Buenos Aires e 500 km de Montevidéu, cujo projeto começou a se desenvolver em A usina é equipada com 14 geradores, que representam uma potencia instalada de MW. A central possui um centro de controle responsável por operar o sistema elétrico da usina e coordenar as operações entre os dois países por meio dos organismos encarregados do despacho, Despacho de Carga Argentino (CAMMESA) e Uruguaio (UTE). Com a finalidade de transportar a energia gerada na central até os centros de consumo na Argentina e no Uruguai, a Comisión Técnica Mixta de Salto Grande (CTMSG) construiu, entre os anos de 1977 e 1986, uma rede de transmissão com uma tensão de 500 kv composta por seis subestações e 1300 km de linhas aéreas. O Gráfico nº. 7 mostra a evolução do montante de energia gerada pela usina que, pela média histórica, passou a gerar mais energia a partir do ano de Gráfico nº. 7 Evolução Anual da Energia Gerada pela UH de Salto Grande Fonte: Comisión Técnica Mixta de Salto Grande 12

13 6 A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE ARGENTINA E PARAGUAI: A CENTRAL BINACIONAL YACYRETÁ A represa hidrelétrica Yacyretá-Apipé foi construída sobre as quedas de Yacyretá- Apipé no Rio Paraná, entre a província argentina de Corrientes e o departamento paraguaio de Missiones. A central hidrelétrica é constituída de 20 grupos geradores de 155 MW cada um, totalizando MW de capacidade instalada. As primeiras unidades começaram a gerar eletricidade em A energia gerada por Yacyretá chega ao sistema argentino através de três linhas de transmissão de 500 KV, que vinculam a central com o ponto de entrega na estação Rincón de Santa Maria e, ao sistema paraguaio mediante uma linha de 220 Kv, até a subestação Ayolas. A partir da estação Rincón de Santa Maria, duas linhas de 500Kv se conectam a rede nacional em Salto Grande e em Puerto Bastiani. Durante o ano de 2007, o volume de energia gerada pela central Yacyretá, manteve-se estável, conforme observado no Gráfico nº. 8. Gráfico nº. 8 Energia Gerada pela Central Binacional Yacyretá (em GWh) GWh Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano 2007 Fonte: Elaborado pelo GESEL-IE-UFRJ, com base no Informe Anual Mercado Eléctro Mayorista (2007) 13

14 7 A INTERCONEXÃO ELÉTRICA ENTRE ARGENTINA E CHILE: A CENTRAL SALTA Esta central é outro exemplo de interconexão, pois não se trata de uma usina hidrelétrica e sim de uma central de ciclo combinado (642 MW), situada na localidade de Salta Argentina e ligada ao Sistema Interconectado Del Norte Grande de Chile. Ela foi construída por uma empresa chilena para gerar eletricidade fazendo uso do gás natural proveniente da Argentina, mas não fornece eletricidade para este país. A linha de interconexão entre Chile e Argentina possui extensão total de 408 km e potencia nominal de 777 MVA. Futuramente, espera-se conectar a central ao sistema interconectado argentino, com o objetivo de fazer com que esta central forneça energia para os dois países. O Gráfico nº. 9 apresenta as principais ligações elétricas existentes e projetadas entre alguns países da América Latina. Nele podemos verificar que a Central Salta é realmente o único projeto de uma usina termoelétrica destinada à integração energética na região. Por ser este mapa retirado do relatório da CEPAL, Série Recursos Naturales e Infresctrutua, publicado em 2004, não está representado o projeto de integração energética entre Brasil e Peru. Gráfico nº. 9 Mapa das ligações elétricas, projetadas e existentes, entre Chile, Peru, Argentina, Paraguai, Uruguai e Brasil. Fonte: CEPAL Série Recursos Naturales e Infraesctrutura, Nº 73 14

15 8 O PROCESSO DE INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA BRASIL-PERU O processo de integração energética na América Latina se desenvolveu de forma muito pontual, sem uma estratégia pré-definida. Há um potencial de recursos energéticos existentes em praticamente todos os países que não está sendo utilizado para atender a crescente demanda de energia elétrica da região, onde o Brasil pela sua dimensão econômica pode agir como um fator importante para definir uma estratégia de integração. Estudos recentes indicam que há uma forte complementaridade entre o Brasil e Peru, pois este país tem um grande potencial hidroelétrico na sua floresta amazônica, ao mesmo tempo em que enfrenta sérios problemas de suprimento de energia elétrica. Em maio de 2009, foi assinado pelos Ministros de Minas e Energia do Brasil e do Peru um acordo de integração energética para a construção de seis usinas hidrelétricas que deverão abastecer os mercados de energia dos dois países. As usinas construídas possuem aproximadamente MW de potência instalada prevista e se situam na bacia amazônica do território peruano, próximas ao estado do Acre, conforme a Figura nº.1. Figura nº.1 Localização das Usinas Hidrelétricas do Convênio de Integração Energética Brasil-Peru Fonte: GAMA, Sinval. Peru Energy Sector Projects. (2009) 15

16 Com o intuito de se elaborar minimamente uma estratégia para a integração de energia elétrica entre o Brasil e Peru, constata-se que a base para a integração é deter um conhecimento sobre o marco regulatório do Peru, pois a integração só é possível tendo-se um denominador comum dos respectivos marcos regulatórios. Neste sentido, é necessário analisar as linhas gerais das regras que norteiam o setor elétrico no Peru, uma vez que ambos os países deverão apresentar grande crescimento no consumo energético nos próximos anos. No entanto, para o desenvolvimento de um marco regulatório e institucional entre o Brasil e o Peru, é importante avaliar os níveis de oferta e demanda de hidroeletricidade e de gás natural registrados nos dois países a fim de se determinar as verdadeiras necessidades energéticas de cada um dos interessados. A Tabela nº.1 apresenta o potencial hidrelétrico (MW) e a capacidade de geração hidrelétrica (MW) em 2006 do Brasil e do Peru. Tabela nº. 1 Potencial Hidroelétrico e Capacidade de Geração Hidroelétrica de Brasil e Peru em (em MW) Países Potencial Hidroelétrico Capacidade Instalada de Geração Hidroelétrica Brasil Peru TOTAL Fonte: OLADE 2006 A partir dos dados observados na tabela nº. 1, verifica-se que ambos os países possuem um grande potencial hidroelétrico. Entretanto, ao se comparar a capacidade de geração hidrelétrica com o potencial hidrelétrico dos dois países, pode-se perceber que há subutilização dos recursos hidroelétricos no Peru, uma vez que a capacidade instalada de geração hidroelétrica do país representa apenas 5,2% do total do seu potencial hidrelétrico. 16

17 A Tabela nº. 2 mostra a evolução do consumo de energia elétrica (TWh) entre 1997 e 2006 em cada um dos dois países. Países 1997 (em Gm³) Tabela nº. 2 Evolução do Consumo de Gás Natural (em Gm³) 2005 (em Gm³) 2006 (em Gm³) Taxa de Crescimento Médio Anual (em %) Taxa de Crescimento Médio Anual (em %) Brasil 7,6 22,5 24,5 14,0 8,9 Peru 0,4 3,8 4,0 28,8 6,4 Fonte: OLADE 2006 De acordo com os dados apresentados, o Peru apresenta uma taxa média de crescimento anual do consumo de energia elétrica entre 1997 e 2006 de 4,8%. No entanto, ao se observar o período compreendido entre os anos de 2005 e 2006, verifica-se uma maior taxa média de crescimento do consumo entre os dois países. Deste modo, pode-se perceber que para um maior crescimento da demanda de energia elétrica nos dois países, o suprimento dessa demanda poderá ser realizado através de um melhor e maior aproveitamento dos recursos hidrelétricos disponíveis ainda não utilizados na bacia amazônica do Peru. A questão do marco regulatório é a base que deverá guiar qualquer acordo de cooperação entre o Brasil e o Peru. Desta forma, o desenvolvimento de um marco regulatório minimamente comum é necessário para garantir que os investimentos brasileiros na construção de novas usinas hidroelétricas no Peru e o comércio de energia entre os dois países busquem a modicidade tarifária e apresente um fornecimento confiável. Por outro lado, um elemento importante da estratégia de integração energética entre os dois países deve estabelecer as regras para a repartição da energia gerada entre os dois países. Esta decisão, bem como todas as outras, deve estar apoiada em um tratado aprovado pelos dois Congressos. Dado a quantidade de recursos hidroelétricos disponíveis no Peru e o crescimento da demanda de energia elétrica, a base da integração deve ser a construção de 17

18 novas usinas hidroelétricas que sejam capazes de gerar energia para ambos os mercados, em proporções a serem fixadas previamente. O despacho de carga deverá ser coordenado pelos operadores de cada país. E a energia gerada será vendida de acordo com os preços praticados no mercado de cada país em contratos de longo prazo. Excedentes poderão ser negociados nos mercados spots. Conclui-se, portanto, que a convergência para um marco regulatório comum que garanta condições institucionais e econômicas para a integração energética irá permitir a construção de hidroelétricas no Peru, usando-se toda a experiência e condições econômicas existentes no Brasil. 18

19 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ANCAJIMA, A. Integración Energética Perú - Brasil: La libre disponibilidad de la energia peruana y El precio justo. Diagnóstico del problema. Seminário Internacional de Integração Energética Brasil-Peru. Rio de Janeiro, Disponível em: COMUNIDAD ANDINA DE NACIONES. Decisión 536, Marco general para la interconexión subregional de sistemas eléctricos e intercambio intracomunitario de electricidad. Em Reunión de la Comisión de la Comunidad Andina con los Ministros de Energía. Cartagena, septiembre de Disponible en ( DAMMERT, A.; CARPIO, RG; MOLINELLI, F. Regulación y supervisión del sector eléctrico. Fondo Editorial de la Pontíficea Universidad Católica del Peru. Primera edición, octubre de GAMA, Sinval.Z.. Peru Energy Sector Projects. Seminário Internacional de Integração Energética Brasil-Peru. Rio de Janeiro, Disponível em: WORLD ENERGY COUNCIL. Regional Energy Integration in Latin America and the Caribbea. World Energy Council, Disponível em: nd_the_caribbean/default.asp. 19

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA SENADO FEDERAL COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL E GESEL - GRUPO DE ESTUDOS DO SETOR ELÉTRICO / UFRJ CICLO DE DEBATES SOBRE AS PERSPECTIVAS DA INTEGRAÇÃO ELÉTRICA

Leia mais

Papel da ITAIPU Binacional na Integração Elétrica Regional

Papel da ITAIPU Binacional na Integração Elétrica Regional Papel da ITAIPU Binacional na Integração Elétrica Regional Luiz Fernando Leone Vianna Diretor-Geral Brasileiro da ITAIPU Binacional 31 de outubro de 2017 Sumário Integração Energética; Integração Elétrica

Leia mais

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Eletrobrás Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Integração Energética na América Latina Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Fevereiro de 2010 O Sistema Eletrobrás O Sistema Eletrobrás

Leia mais

2 Sistema Elétrico Brasileiro

2 Sistema Elétrico Brasileiro 2 Sistema Elétrico Brasileiro O setor elétrico brasileiro passou por diversas mudanças nos últimos anos. Tais mudanças foram necessárias para viabilizar a expansão da capacidade de geração e acompanhar

Leia mais

Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS. Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ

Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS. Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ Painel 3 MATRIZ ENERGÉTICA BRASILEIRA: DESAFIOS E ALTERNATIVAS Nivalde de Castro Coordenador do GESEL Instituto de Economia da UFRJ Rio de Janerio 23 de junho de 2015 Sumário Energia Elétrica e seus desafios

Leia mais

Desafios da Integração Energética na América Latina

Desafios da Integração Energética na América Latina Desafios da Integração Energética na América Latina Rubens Rosental Rio de Janeiro, 31 de outubro de 2017 Sumário Integração Regional Energia elétrica: novo catalisador Brasil: papel indispensável Desafios

Leia mais

Conferência Internacional: ECONOMIC COOPERATION COMMITTE. Desafios da Integração Elétrica na América do Sul Sec. 2: NATURAL RESOURCES AND ENERGY

Conferência Internacional: ECONOMIC COOPERATION COMMITTE. Desafios da Integração Elétrica na América do Sul Sec. 2: NATURAL RESOURCES AND ENERGY Conferência Internacional: Potencialidades, JOINT MEETING OF THE Oportunidades BRAZIL JAPAN e ECONOMIC COOPERATION COMMITTE Desafios da Integração Elétrica na América do Sul Sec. 2: NATURAL RESOURCES AND

Leia mais

PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O SETOR ELÉTRICO

PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O SETOR ELÉTRICO PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O SETOR ELÉTRICO RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACOMPANHAMENTO DOS PROCESSOS DE INTERNACIONALIZAÇÕA E INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA DA ELETROBRAS Abril a Julho de 2012 Tomaz Hamdan

Leia mais

Jurídico ABCE. Energética. na Latina. Direito e Energia Elétrica 20 e 21 de agosto de 2007

Jurídico ABCE. Energética. na Latina. Direito e Energia Elétrica 20 e 21 de agosto de 2007 XIII Simpósio Jurídico ABCE Reflexões sobre a Integração Energética na América Latina Direito e Energia Elétrica Brasília 20 e 21 de agosto de 2007 Todos os direitos reservados para Interconexión Eléctrica

Leia mais

ENASE 2008 DESAFIOS PARA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HÍDRICA GRANDES APROVEITAMENTOS CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO

ENASE 2008 DESAFIOS PARA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HÍDRICA GRANDES APROVEITAMENTOS CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO ENASE 2008 DESAFIOS PARA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HÍDRICA GRANDES APROVEITAMENTOS CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA DE TRANSMISSÃO JOSÉ CLÁUDIO CARDOSO PRESIDENTE OUTUBRO/2008 CENÁRIOS DE EXPANSÃO DO SISTEMA

Leia mais

Integração e Segurança Energética na América Latina. Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica

Integração e Segurança Energética na América Latina. Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica SEMINÁRIO INTERNACIONAL Integração e Segurança Energética na América Latina PAINEL 6 Novas tecnologias e seu impacto sobre a integração elétrica Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Leia mais

O Processo de Integração Energética e a Internacionalização da Eletrobras

O Processo de Integração Energética e a Internacionalização da Eletrobras O Processo de Integração Energética e a Internacionalização da Eletrobras Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL UFRJ 5 º SISEE Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica: Integração

Leia mais

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro

As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro XXVII ENCOSEL Novembro de 2011 As Perspectivas do Setor Elétrico Brasileiro Nivalde J. de Castro Professor da UFRJ e coordenador do GESEL Perspectivas Mundiais Sumário Perspectivas do SEB: Potencial elétrico:

Leia mais

Integração Energética e Comercialização de Energia Seminário Internacional de Integração Energética Brasil - Bolívia

Integração Energética e Comercialização de Energia Seminário Internacional de Integração Energética Brasil - Bolívia Integração Energética e Comercialização de Energia Seminário Internacional de Integração Energética Brasil - Bolívia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 27 de Julho de

Leia mais

PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O SETOR ELÉTRICO

PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O SETOR ELÉTRICO PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE O SETOR ELÉTRICO RELATÓRIO QUADRIMESTRAL DE ACOMPANHAMENTO DOS PROCESSOS DE INTERNACIONALIZAÇÃO E INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA DA ELETROBRAS Dezembro 2012 a Março de 2013

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS DEZEMBRO DE 2015 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Em 2014, de acordo com a International Renewable Energy Agency (IRENA), a fonte biomassa apresentou 80.227

Leia mais

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA

MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DA GERAÇÃO HIDRELÉTRICA NA REGIÃO AMAZÔNICA e INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA NA AMÉRICA DO SUL Reunião Plenária da ABRAGE Brasília, 25 de março de 2010 AGENDA Energia no Brasil

Leia mais

Integração Energética e Comercialização de Energia Seminário Internacional de Integração Energética Brasil - Bolívia

Integração Energética e Comercialização de Energia Seminário Internacional de Integração Energética Brasil - Bolívia Integração Energética e Comercialização de Energia Seminário Internacional de Integração Energética Brasil - Bolívia Antônio Carlos Fraga Machado Presidente do Conselho de Administração 27 de Julho de

Leia mais

Cautela na indústria latino-americana do aço, queda no consumo e na produção

Cautela na indústria latino-americana do aço, queda no consumo e na produção Comunicado de imprensa N 219_5 Produção - Comércio Cautela na indústria latino-americana do aço, queda no consumo e na produção Indicadores da América Latina em janeiro de 219 5,3 milhões de toneladas

Leia mais

Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico:

Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico: Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico: MAIO AGOSTO 2010 Daniel Bueno B. Tojeiro RIO DE JANEIRO

Leia mais

A Dinâmica da Oferta e Demanda de Energia Elétrica no Brasil em

A Dinâmica da Oferta e Demanda de Energia Elétrica no Brasil em A Dinâmica da Oferta e Demanda de Energia Elétrica no Brasil em 2005-2006. 1 - Introdução Nivalde J. de Castro * Pedro Paulo Ballarin Bruni** O Setor de Energia Elétrica SEE - em 2005 apresentou evolução

Leia mais

Mário Menel Presidente

Mário Menel Presidente Mário Menel Presidente EXPOIBRAM Exposição Internacional de Mineração 29 de setembro de 2011 TÓPICOS A ABIAPE; Cenário Energético Atual; Autoprodução como fator de Competitividade; Autoprodução e Mineração;

Leia mais

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia.

ABINEE TEC SUL. Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos. Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia. ABINEE TEC SUL Seminário e Mostra de Produtos Eletroeletrônicos Valter Luiz Cardeal de Souza Eletrobrás Diretor de Engenharia Porto Alegre, 18 e 19 de agosto de 2004 MATRIZ ENERGÉTICA Consumo de Energia

Leia mais

Ciclo de Debates sobre as Perspectivas de. Seminário sobre Integração no Arco Norte

Ciclo de Debates sobre as Perspectivas de. Seminário sobre Integração no Arco Norte Ciclo de Debates sobre as Perspectivas de Integração Elétrica na América do Sul Seminário sobre Integração no Arco Norte Brasília 21 de novembro de 2013 A Eletrobras vem se estruturando para se tornar

Leia mais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais

Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais III Seminário "Estratégias para Conservação de Peixes em Minas Gerais 5 anos do Programa Peixe Vivo Planejamento da Matriz Elétrica Brasileira e a Importância das Questões Ambientais Prof. Nivalde J. de

Leia mais

Sistemas de Potência e Energia

Sistemas de Potência e Energia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA Sistemas de Potência e Energia Departamento de Energia Elétrica Faculdade de Engenharia UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA E-mail: jopass@ieee.org Juiz de Fora, 30

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JUNHO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

A integração elétrica do ponto de vista do Brasil

A integração elétrica do ponto de vista do Brasil A integração elétrica do ponto de vista do Brasil Roberto Brandão Potencialidades, Oportunidades e Desafios da Integração Elétrica na América do Sul Foz do Iguaçu, 27/11/2015 Sumário Introdução; Motivações

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS SETEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa quase 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2017 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Características Centrais do SEB

Características Centrais do SEB Seminário Energia Sustentável Universidade de Coimbra- Faculdade de Economia Os Desafios do Setor Elétrico do Brasil frente às Energias Renováveis Nivalde J. de Castro Coordenador do Gesel- UFRJ Características

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL AGO.2012

INFORMATIVO MENSAL AGO.2012 Preço de Liquidação das Diferenças PLD Médio AGO/212 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 16, 6 14, 12, 5 1, 8, 6, 4, 2, 4 3 2 1, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 3/ NORTE SEMANA 2 4/ a 1/ SEMANA 3 11/ a 17/ SEMANA 4 18/

Leia mais

Integração dos Mercados Elétricos na Europa e América Latina: desafios e avanços

Integração dos Mercados Elétricos na Europa e América Latina: desafios e avanços Integração dos Mercados Elétricos na Europa e América Latina: desafios e avanços Seminário Internacional Integração e segurança elétrica na América Latina 25.08.2016 Solange David Vice-presidente do Conselho

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS ABRIL DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia Elétrica

Leia mais

Apoio ao Comercio de Energia e Integração Energética Regional

Apoio ao Comercio de Energia e Integração Energética Regional Apoio ao Comercio de Energia e Integração Energética Regional Arnaldo Vieira de Carvalho Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) Divisão de Energia Departamento de Infraestrutura e Meio Ambiente

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MARÇO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO. Sul

INFORMATIVO MENSAL MARÇO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO. Sul JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças 400,00 PLD Médio MAR/2019 800 PLD Médio

Leia mais

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica. Indicadores Latino Americanos do Setor Elétrico

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica. Indicadores Latino Americanos do Setor Elétrico Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Indicadores Latino Americanos do Setor Elétrico Janeiro a Abril de 2011 Adriana Maria Dassie Rio de janeiro 1 Abreviaturas

Leia mais

A Integração Elétrica na Perspectiva do Brasil. Nivalde de Castro Roberto Brandão

A Integração Elétrica na Perspectiva do Brasil. Nivalde de Castro Roberto Brandão A Integração Elétrica na Perspectiva do Brasil Nivalde de Castro Roberto Brandão Rio de Janeiro, 25 agosto 2016 Sumário Introdução; Motivações da integração por parte do Brasil; Perspectivas de integração

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS NOVEMBRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, a fonte biomassa representa pouco mais de 9% da potência outorgada pela Agência Nacional de Energia

Leia mais

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira

Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Da teoria à prática: a operação real da fonte solar fotovoltaica na matriz elétrica brasileira Dr. Sinval Zaidan Gama Diretor de Operação - ONS Rio de Janeiro, 12 de junho 2018 A Matriz de Energia Elétrica

Leia mais

Resultados 2T15 Agosto, 2015

Resultados 2T15 Agosto, 2015 Resultados Agosto, 2015 Destaques Afluência no SIN no de 91% da MLT 1 (vs. 104% em ) Hidrologia Nível de reservatórios do SIN encerrou o em 38,3% vs. 43,0% no Rebaixamento médio do MRE de 18,9% no vs.

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: INTERNACIONAL

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: INTERNACIONAL RELATÓRIO DE CONJUNTURA: INTERNACIONAL Maio de 2009 Nivalde J. de Castro Danilo Delgado PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS FINANCEIRAS DO SETOR ELÉTRICO 1 PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL FEVEREIRO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO.

INFORMATIVO MENSAL FEVEREIRO Preço de Liquidação das Diferenças. Intercâmbio de Energia entre Submercados. Nordeste. Norte SE/CO. JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ JAN FEV R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças 600,00 PLD Médio FEV/2019 800 PLD Médio Anual

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI

CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI CONTRIBUIÇÃO DA ITAIPU PARA O DESENVOLVIMENTO DO BRASIL E DO PARAGUAI FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS FGV SÉRIE ENERGIA EM FOCO 2015 ESTRATÉGIAS E DESAFIOS PARA O FUTURO Rio de Janeiro - RJ 28 de setembro de 2015

Leia mais

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI

Competitividade na indústria brasileira e momento econômico. Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Competitividade na indústria brasileira e momento econômico Ricardo L. C. Amorim Especialista em Análise Econômica da ABDI Julho/2016 Evolução do PIB a preços de mercado (em US$ correntes) Fonte: World

Leia mais

AVALIAÇÃO EM ESCALA DA MATRIZ ENERGÉTICA E ELÉTRICA DO MERCOSUL VISANDO A INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL

AVALIAÇÃO EM ESCALA DA MATRIZ ENERGÉTICA E ELÉTRICA DO MERCOSUL VISANDO A INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL AVALIAÇÃO EM ESCALA DA MATRIZ ENERGÉTICA E ELÉTRICA DO MERCOSUL VISANDO A INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA REGIONAL JILMAR TATTO, Doutorando do Departamento de Engenharia de Energia e Automação Elétricas da Escola

Leia mais

Atualização tecnológica da Operação do Sistema Elétrico em face dos condicionantes regulatórios e de sustentabilidade do negócio

Atualização tecnológica da Operação do Sistema Elétrico em face dos condicionantes regulatórios e de sustentabilidade do negócio Atualização tecnológica da Operação do Sistema Elétrico em face dos condicionantes regulatórios e de sustentabilidade do negócio Rio de Janeiro 19.11.2018 Reive Barros dos Santos Presidente Sumário 1.

Leia mais

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO

A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO A BIOELETRICIDADE E O PLANEJAMENTO ENERGÉTICO VII Seminário de Bioeletricidade CEISE Br / UNICA 25ª Fenasucro & Agrocana 2017 Sertãozinho/SP 23 ago. 2017 José Mauro Coelho Diretor de Estudos do Petróleo,

Leia mais

Allan Nº1 GabrielNº7 Pedro F. Nº27 Pedro S. Nº28 Renan Nº31 Vitor Nº33 Vitoria Nº34

Allan Nº1 GabrielNº7 Pedro F. Nº27 Pedro S. Nº28 Renan Nº31 Vitor Nº33 Vitoria Nº34 * Explorando a América do Sul Allan Nº1 GabrielNº7 Pedro F. Nº27 Pedro S. Nº28 Renan Nº31 Vitor Nº33 Vitoria Nº34 *Caracterização geral da América do Sul * América do Sul abrange um território de 18 milhões

Leia mais

Papel da ITAIPU Binacional no Mercado Brasileiro

Papel da ITAIPU Binacional no Mercado Brasileiro Papel da ITAIPU Binacional no Mercado Brasileiro Joni Madruga Garcia Gerente da Divisão de Programação e Controle da Produção da Diretoria Técnica A ITAIPU Binacional MISSÃO gerar energia elétrica de qualidade,

Leia mais

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades

VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA VIII FÓRUM CAPIXABA DE ENERGIA Planejamento Energético Brasileiro: Perspectivas e Oportunidades Luís Fernando Badanhan Diretor do Departamento de Desenvolvimento Energético

Leia mais

O Setor Elétrico do Brasil

O Setor Elétrico do Brasil V SISEE Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Integração com Energia Renovável O Setor Elétrico do Brasil Desafios para o Século XXI José Antonio Coimbra Secretário-Executivo Rio de Janeiro,

Leia mais

Fontes renováveis e smart grid

Fontes renováveis e smart grid Fontes renováveis e smart grid 2º Seminário sobre a Inserção de novas fontes renováveis no Planejamento Energético Nacional Mario Daher Gerente Executivo - ONS COPPE-UFRJ Rio de Janeiro, 30/04/2014 1 As

Leia mais

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia

Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Desafios Técnicos e Socioeconômicos da Oferta de Energia Junho/2015 Ronaldo dos Santos Custódio rcustodio@eletrosul.gov.br Matriz Renovável O problema brasileiro Brasil possui matriz notadamente renovável

Leia mais

SEMINÁRIO INTERNACIONAL PROGRAMA ARCUS. INTEGRAÇÃO POLÍTICA E ECONOMICA DA AMÉRICA DO SUL Intercâmbios Universitários Brasil-Chile-França

SEMINÁRIO INTERNACIONAL PROGRAMA ARCUS. INTEGRAÇÃO POLÍTICA E ECONOMICA DA AMÉRICA DO SUL Intercâmbios Universitários Brasil-Chile-França SEMINÁRIO INTERNACIONAL PROGRAMA ARCUS INTEGRAÇÃO POLÍTICA E ECONOMICA DA AMÉRICA DO SUL Intercâmbios Universitários Brasil-Chile-França O Brasil e a América do Sul: Cenários Geopolíticos e os Desafios

Leia mais

O Brasil e o Processo de Integração Elétrica na América do Sul

O Brasil e o Processo de Integração Elétrica na América do Sul O Brasil e o Processo de Integração Elétrica na América do Sul Nivalde de Castro 1 Paola Dorado 2 Introdução A integração elétrica é um tema de crescente atenção e preocupação a nível mundial devido, por

Leia mais

A Energia na Cidade do Futuro

A Energia na Cidade do Futuro Ministério de Minas e Energia A Energia na Cidade do Futuro 2º Workshop Perspectivas da Matriz Elétrica Brasileira I Participação das Fontes Renováveis e Alternativas Campinas, 07 de junho de 2013 José

Leia mais

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica

Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral de Acompanhamento dos Indicadores do Setor Elétrico Mundial: América do Norte Janeiro a Março de

Leia mais

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil

EDP Investor Day. 5 Anos de IPO EDP no Brasil EDP Investor Day 5 Anos de IPO EDP no Brasil Disclaimer Esta apresentação pode incluir declarações que representem expectativas sobre eventos ou resultados futuros de acordo com a regulamentação de valores

Leia mais

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente

X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA X EDIÇÃO DA CONFERÊNCIA PCH Mercado & Meio Ambiente Moacir Carlos Bertol Secretario de Planejamento e Desenvolvimento Energético Adjunto São Paulo - Setembro de 2016 2 Estrutura

Leia mais

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017

BOLETIM: A Bioeletricidade da Cana em Números Fevereiro de 2017 Destaques: A capacidade instalada atualmente pela biomassa (14.619 MW) supera a capacidade instalada pela usina Itaipu. Com 9% da matriz elétrica brasileira, a fonte biomassa em geral ocupa a 2ª posição

Leia mais

3 O setor elétrico brasileiro 3.1 Breve histórico

3 O setor elétrico brasileiro 3.1 Breve histórico 3 O setor elétrico brasileiro 3.1 Breve histórico Em meados do século XIX, o processo de modernização do país impulsionou o setor urbano da economia. O crescimento das cidades levou a expansão da indústria

Leia mais

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8

Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas. SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Geração de Energia Elétrica - Hidrelétricas SIE Sistemas de Energia Professora Camila Bastos Eletroeletrônica Módulo 8 Introdução A energia elétrica é produzida através de outras formas de energia; O Atlas

Leia mais

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade

Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Energia Limpa: Viabilidade e Desafios A Bioeletricidade Zilmar José de Souza XIV CONGRESSO BRASILEIRO DE ENERGIA Rio de Janeiro 23 de outubro de 2012 A UNICA A União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA)

Leia mais

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira

A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira A Importância das Fontes Alternativas e Renováveis na Evolução da Matriz Elétrica Brasileira V Seminário de Geração e Desenvolvimento Sustentável Fundación MAPFRE Prof. Nivalde José de Castro Prof. Sidnei

Leia mais

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE

C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE - 13 - Anexo C C. PLANO DE AÇÃO PARA O REFORÇO DAS ESTATÍSTICAS VITAIS E DE SAÚDE Introdução 39. A finalidade deste documento é informar aos Órgãos Diretivos da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS)

Leia mais

Mesa: Especificidades dos Setores Elétricos da América Latina

Mesa: Especificidades dos Setores Elétricos da América Latina Mesa: Especificidades dos Setores Elétricos da América Latina IV Seminário Internacional do Setor de Energia Elétrica Élbia Melo Conselho de Administração da CCEE 25 de Agosto de 2009 Agenda Características

Leia mais

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País

11º FIIEE Minas Gerais. Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País 11º FIIEE Minas Gerais Inventário do Potencial Hidrelétrico Do País Modelo do Setor Elétrico do Brasil Leis 10847 e 10848 de 2004 Princípios Promover a Modicidade Tarifária Garantir a Segurança do Suprimento

Leia mais

Indústria siderúrgica latino-americana prevê cenário positivo, mas com pontos de atenção

Indústria siderúrgica latino-americana prevê cenário positivo, mas com pontos de atenção Press Release N 219_4 Produção - Comércio Indústria siderúrgica latino-americana prevê cenário positivo, mas com pontos de atenção Destaques da América Latina em 218: 65,1 milhões de toneladas de produção

Leia mais

Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina

Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina Abril e Maio de 2012

Leia mais

O PAPEL DO REGULATEL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO

O PAPEL DO REGULATEL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO 47 PAINEL TELEBRASIL O PAPEL DO REGULATEL NA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO BRASÍLIA, 15 DE NOVEMBRO DE 2003 ANTONIO CARLOS VALENTE PRESIDENTE REGULATEL QUEM SOMOS? CONGREGA OS 19 PAÍSES LATINO AMERICANOS, INCLUINDO

Leia mais

Perspectivas da Bioeletricidade Sucroenergética

Perspectivas da Bioeletricidade Sucroenergética 1 Seminário Paranaense de Energia da Biomassa Residual Agrícola Perspectivas da Bioeletricidade Sucroenergética Prof. Guilherme Dantas Curitiba, 6 de dezembro de 2013. Sumário A Geração de Energia no Setor

Leia mais

Relatório. Indicadores do Setor Elétrico na América do Sul: Evolução e Análise: Janeiro Março 2008

Relatório. Indicadores do Setor Elétrico na América do Sul: Evolução e Análise: Janeiro Março 2008 Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Indicadores do Setor Elétrico na América do Sul: Evolução e Análise: Janeiro Março 2008 Nivalde José de Castro

Leia mais

Panorama Geral do Setor Elétrico

Panorama Geral do Setor Elétrico 11º CONSTRUBUSINESS Congresso Brasileiro da Construção 2015 Panorama Geral do Setor Elétrico Ministro Eduardo Braga São Paulo, 09 de março de 2015 2 Condições Hidrológicas Desfavoráveis 29.909 21.438 22.413

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2016

A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2016 A BIOELETRICIDADE DA CANA EM NÚMEROS JANEIRO DE 2016 CAPACIDADE DE GERAÇÃO DA BIOELETRICIDADE Atualmente, no Brasil, a fonte biomassa já representa quase 10% da potência outorgada pela Agência Nacional

Leia mais

Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina

Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina Junho e Julho de

Leia mais

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica

Planejamento nacional e Integração elétrica regional. Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Planejamento nacional e Integração elétrica regional Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos de Energia Elétrica Foz do Iguaçu, Brasil 27 de novembro de 2015 Planejamento nacional e Integração elétrica regional

Leia mais

A POSIÇÃO ESTRATÉGICA DO COMPLEXO HIDRELÉTRICA DO RIO MADEIRA PARA O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO. Felipe Botelho Tavares

A POSIÇÃO ESTRATÉGICA DO COMPLEXO HIDRELÉTRICA DO RIO MADEIRA PARA O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO. Felipe Botelho Tavares A POSIÇÃO ESTRATÉGICA DO COMPLEXO HIDRELÉTRICA DO RIO MADEIRA PARA O SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Felipe Botelho Tavares 1 A energia elétrica é fundamental na caminhada para o desenvolvimento econômico de

Leia mais

Benefícios de Interligação de Sistemas Elétricos Antonio Carlos Zambroni de Souza Professor Associado Universidade Federal de Itajubá

Benefícios de Interligação de Sistemas Elétricos Antonio Carlos Zambroni de Souza Professor Associado Universidade Federal de Itajubá Benefícios de Interligação de Sistemas Elétricos Antonio Carlos Zambroni de Souza Professor Associado Universidade Federal de Itajubá Luanda, 24 a 27 de Setembro de 2013 CONFERÊNCIA INTERNACIONAL SOBRE

Leia mais

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário

Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural. João Carlos de Souza Meirelles Secretário Desenvolvimento de Mercados do Gás Natural João Carlos de Souza Meirelles Secretário Potência de Geração de Energia Elétrica Comparativo entre São Paulo e o Brasil Tipos de Geração Capacidade Instalada

Leia mais

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO

OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO OPORTUNIDADES E DESAFIOS DO SETOR ELÉTRICO 01 de Abril de 2011 Mesa Redonda sobre Energia no Brasil: Energia e o Novo Governo Rio de Janeiro Empresa de Pesquisa Energética Uma Empresa do Ministério de

Leia mais

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas

Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Reestruturação do Setor Elétrico Brasileiro Desafios e Perspectivas Amilcar Guerreiro Diretor de Estudos Econômicos e Energéticos Empresa de Pesquisa Energética - EPE Rio de Janeiro, RJ 30 de agosto de

Leia mais

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026

EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA EXPANSÃO DO CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO BRASIL PDE2026 Forum COGEN / Canal Energuia Geração Distribuida e Cogeração Ubiratan Francisco Castellano Secretario de Planejamento

Leia mais

Comparative model: Telehealth in Latin America Mônica Pena de Abreu

Comparative model: Telehealth in Latin America Mônica Pena de Abreu Comparative model: Telehealth in Latin America Mônica Pena de Abreu Protocolos regionais de politica públicas de telessaúde para América Latina e Caribe Instituições coordenadoras: UFMG e RUTE Financiamento:

Leia mais

Blocos econômicos. Bloco Econômico é uma integração de países nos. desenvolvimento e maior poder de competição.

Blocos econômicos. Bloco Econômico é uma integração de países nos. desenvolvimento e maior poder de competição. Blocos econômicos Bloco Econômico é uma integração de países nos aspectos, visando seu desenvolvimento e maior poder de competição. Eles constituem expressivos espaços integrados de livre comércio. Esses

Leia mais

INFORMATIVO MENSAL MAI.2012

INFORMATIVO MENSAL MAI.2012 R$/MWh R$/MWh R$/MWh Preço de Liquidação das Diferenças PLD Médio MAI/212 PLD Médio Anual - Seco x Úmido 25, 6 2, 5 15, 4 1, 5, 3 2 1, MÉDIA SEMANA 1 1/ a 4/ NORTE SEMANA 2 5/ a 11/ SEMANA 3 12/ a 18/

Leia mais

Resultados Março, 2011

Resultados Março, 2011 Resultados 2010 Março, 2011 Principais destaques em 2010 Operacional Geração de energia 25% superior à garantia física Início do programa de modernização nas usinas de Nova Avanhandava (347 MW), Ibitinga

Leia mais

O Mercado Livre de Energia Elétrica

O Mercado Livre de Energia Elétrica O Mercado Livre de Energia Elétrica Conjuntura atual do setor elétrico, seus impactos na indústria e perspectivas futuras. Campetro Energy Novembro de 2015 Sumário 1. Institucional Grupo Votorantim e Votorantim

Leia mais

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: INTERNACIONAL

RELATÓRIO DE CONJUNTURA: INTERNACIONAL RELATÓRIO DE CONJUNTURA: INTERNACIONAL Abril de 2009 Nivalde J. de Castro Danilo Delgado PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES ECONÔMICAS FINANCEIRAS DO SETOR ELÉTRICO 1 PROJETO PROVEDOR DE INFORMAÇÕES SOBRE

Leia mais

Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina

Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Bimestral de Acompanhamento Conjuntural dos Principais Mercados Elétricos da América Latina Fevereiro e Março

Leia mais

Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico:

Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico: Projeto Provedor de Informações Econômico-Financeiro do Setor de Energia Elétrica Relatório Quadrimestral Indicadores Nacionais do Setor Elétrico: JANEIRO ABRIL 2010 Daniel Bueno B. Tojeiro RIO DE JANEIRO

Leia mais

FÓRUM DE DEBATES DO JORNAL GGN AS HIDROELÉTRICAS DA AMAZÔNIA E O MEIO AMBIENTA

FÓRUM DE DEBATES DO JORNAL GGN AS HIDROELÉTRICAS DA AMAZÔNIA E O MEIO AMBIENTA FÓRUM DE DEBATES DO JORNAL GGN AS HIDROELÉTRICAS DA AMAZÔNIA E O MEIO AMBIENTA Altino Ventura Filho Secretário de Planejamento e Desenvolvimento Energético / MME Realização: Patrocínio: Secretaria de Planejamento

Leia mais

ITAIPU: INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA E SUSTENTABILIDADE

ITAIPU: INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA E SUSTENTABILIDADE ITAIPU: INTEGRAÇÃO ENERGÉTICA E SUSTENTABILIDADE Conferência Internacional: Potencialidades, Oportunidades e Desafios da Integração Elétrica na América do Sul Painel: Integração Elétrica como vetor de

Leia mais

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação

Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação Sumário Executivo do Programa Mensal de Operação 1. APRESENTAÇÃO Durante o mês de março/2016, ocorreu precipitação nas bacias hidrográficas dos subsistemas Sul e Sudeste/Centro- Oeste, no Tocantins e em

Leia mais

Desobstruindo as Artérias O Impacto dos Custos de Transporte sobre o Comércio da América Latina e Caribe

Desobstruindo as Artérias O Impacto dos Custos de Transporte sobre o Comércio da América Latina e Caribe Desobstruindo as Artérias O Impacto dos Custos de Transporte sobre o Comércio da América Latina e Caribe Mauricio Mesquita Moreira Economista Principal 7 Seminario Internacional em Logística Agroindustrial.

Leia mais

O Paradoxo da Sustentabilidade Ambiental versus Competitividade Econômica: o exemplo do Complexo Hidroelétrico de Simplício

O Paradoxo da Sustentabilidade Ambiental versus Competitividade Econômica: o exemplo do Complexo Hidroelétrico de Simplício O Paradoxo da Sustentabilidade Ambiental versus Competitividade Econômica: o exemplo do Complexo Hidroelétrico de Simplício Nivalde José de Castro 1 Guilherme de Azevedo Dantas 2 A competitividade econômica

Leia mais