Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI"

Transcrição

1 volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Organização Municipal Caderno 6 Planejamento do Mandato s Caderno 8 Formação de Multiplicador e Educador Político

2 volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Organização Municipal Caderno 6 Planejamento do Mandato Gerenciamento de Crise Caderno 8 Formação de Multiplicador e Educador Político

3 O nosso lema, trabalhadores do Brasil, é progresso com justiça, e desenvolvimento com igualdade. A maioria dos brasileiros já não se conforma com uma ordem social imperfeita, injusta e desumana. João Goulart Discurso de João Goulart no comício de 13 de março de 1964, na Central do Brasil, Rio de Janeiro.

4 O povo não quer ser acalentado, como criança: sabe por que sofre e prefere dos seus governantes ouvir a verdade dura e nua, a verdade necessária que desperta os inconscientes e retardados, os tolos e comodistas. Luís Carlos Prestes Presidente de Honra do PDT

5 CONSELHO CURADOR Carlos Lupi Presidente Direção Nacional do PDT PRESIDENTE Carlos Lupi 1º VICE-PRESIDENTE Dep. André Figueiredo 2º VICE-PRESIDENTE Dep. Brizola Neto SECRETáRIO GERAL Manoel Dias SECRETáRIO ADjUNTO Dep. Paulo Pereira TESOUREIRO Marcelo Panella CONSULTOR jurídico Prefeito José Queiroz SEC. DE RELAÇõES INTERNACIONAIS Dep. Vieira da Cunha SEC. ADjUNTO DE RELAÇõES INTERNACIONAIS Vereador Márcio Bins VOGAL Dep. Cidinha Campos VOGAL Miguelina Vecchio LíDER NO SENADO FEDERAL Senador Acir Gurgacz LíDER NA CâMARA FEDERAL Dep. André Figueiredo VICE-PRESIDENTES REGIONAIS: REGIONAL SUL Alceu Collares REGIONAL SUDESTE Pref. Sérgio Vidigal REGIONAL CENTRO-OESTE Sen. Cristovam Buarque REGIONAL NORDESTE Ronaldo Lessa REGIONAL NORTE Dep. Sebastião Bala Rocha RELAÇõES PARLAMENTARES Dep. Miro Teixeira SECRETáRIO NACIONAL DE FINANÇAS Francisco Loureiro SECRETáRIO NACIONAL DE DIVULGAÇÃO E PROPAGANDA Mário Heringer MOVIMENTOS DE base: juventude SOCIALISTA Luiz Marcelo AÇÃO DA MULHER TRAbALHISTA Miguelina Vecchio MOVIMENTO NEGRO Ivaldo Paixão MOVIMENTO DOS APOSENTADOS, PENSIONISTAS E IDOSOS Maria José Latge MOVIMENTO DE AGRICULTURA FAMíLIAR Dep. José Silva SECRETARIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Maria Amélia Souza Reis MOVIMENTO SINDICAL Claúdio Janta FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA ALBERTO PASQUALINI (FLB-AP) coleção DARCY RIBEIRO volume dois Cadernos Reinventando o Brasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI DIREÇÃO Manoel Dias André Figueiredo Clairton Schardong Luizinho Martins EQUIPE TÉCNICA André Menegotto Célia Romeiro Josbertini Virgínio Clementino Leonardo Zumpichiatti Ricardo Viana ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Christina Pacca FC Leite Filho Gal Leal Osvaldo Maneschy Paulo Ottaran EQUIPE DE APOIO Ades Oliveira Celia Regina L. da Rocha Fernando Barbosa Sandro Alencar Suely Moraes PROFESSORES CONTEUDISTAS Jorge Bernardi Célia Romeiro Celso Gomes Júlio Rocha Paulo Ottaran Ricardo Viana PARTICIPAÇÃO ESPECIAL Acir Gurgacz André Figueiredo Carlos Lupi Manoel Dias COORDENAÇÃO E SUPERVISÃO Leonardo Zumpichiatti Ricardo Viana Presidente Vice-presidente Secretário-Geral Tesoureiro DESIGN INSTRUCIONAL Leonardo Zumpichiatti Ricardo Viana DIREÇÃO, GRAVAÇÃO E EDIÇÃO DOS VíDEOS Leonardo Zumpichiatti Rafael Machado Ricardo Viana REVISÃO ORTOGRáFICA Ades Oliveira André Menegotto Célia Romeiro Francisco Leite Filho Leonardo Zumpichiatti COLAbORADORES Ades Oliveira Michele França Pamela Fonseca COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA Ricardo Viana DESIGN GRáFICO Haroldo Brito

6 Educação política e partidária como ferramenta para gestores públicos. Palavra do presidente Manoel Dias Presidente Nacional da FLB-AP O processo eleitoral deveria representar, numa democracia verdadeiramente representativa, o ponto alto da decisão popular, quando nos referimos à eleição de representantes para o poder legislativo e executivo. Tais representantes teriam a responsabilidade de, dentro da linha ideológica defendida pelo programa partidário, corresponder às expectativas do eleitorado e principalmente dos habitantes de sua localidade. No entanto, fica uma pergunta no ar: será que os partidos e os seus quadros estão instrumentalizados para exercer adequadamente os mandatos eletivos? Vivemos uma crise política e partidária no Brasil, em grande parte como resultado da não valorização dos processos internos de formação e educação de seus militantes e quadros partidários. Daí a necessidade de se perceber rapidamente que o mundo tem mudado. O processo econômico e social exige novas alternativas, entretanto, o processo político de uma forma geral, pouco tem avançado em seus programas e teses. Como mudar esta realidade? Nosso grande desafio é transformar discurso e programa em prática, aproximando nossos mandatos da população que nos confiou seu voto. Um verdadeiro mandato pedetista deve vivenciar e praticar as boas condutas que foram registradas em nossos documentos, teses, estatuto e programas de governos. É com esse objetivo que lançamos o Caderno II da Coleção Darcy Ribeiro, produzido pela Fundação Leonel Brizola Alberto Pasqualini abordando noções básicas de administração pública e partidária além de temas relevantes que contribuirão com a gestão de todos os pedetistas nos poderes legislativos e executivos. Dedicamos este caderno à memória do Presidente João Goulart, o Jango. Sua morte no exílio, em 6 de dezembro de 1976, como consequência do golpe militar de 1º de abril de 1964, representa o nosso compromisso com as reformas de base e com trabalhadores do Brasil. Seu belo exemplo de gestor público trabalhista será sempre lembrado por todos nós. Carlos Lupi Presidente Nacional do PDT O processo de planejamento e organização partidária, desenvolvido pela Direção Nacional do PDT, através da Fundação Leonel Brizola Alberto Pasqualini confirmaram as expectativas de crescimento eleitoral projetadas, consolidando o PDT como o 5º maior partido nacional. No anacrônico sistema eleitoral brasileiro, com trinta partidos oficializados e que disputaram as eleições em 2012, atingimos mais de 5% do eleitorado nacional, totalizando mais de 7,5 milhões de votos, distribuidos notadamente nos grandes centros urbanos, destacando-se nesse cenário as capitais Porto Alegre, Curitiba e Natal. Mas devemos avançar mais! Sabemos que hoje, grande parte da economia e do trabalho concentra-se, principalmente, nos pequenos e médios municípios brasileiros. São nesses municípios que o trabalho de organização do PDT deve crescer e se fortalecer para que o trabalhismo continue vivo, coerente e lutando pelo povo brasileiro. Nossa principal meta é preparar nossos prefeitos, viceprefeitos e vereadores, para que desenvolvam gestões transparentes, participativas e populares, implementando política públicas adequadas ao momento vivido pelo país e em consonância com as diretrizes do trabalhismo. Um prefeito pedetista tem o dever de enfrentar o dilema da educação no seu município, implementando a Educação em Tempo Integral, bandeira máxima do nosso partido, cabendo aos vereadores eleitos a fiscalização e o acompanhamento dessa grande herança brizolista para o Brasil e para nossas crianças. Por isso, não fugiremos das nossas responsabilidades, como partido que defende os interesses exclusivos e próprios de um povo único e tão misto, que não usufrui em sua plenitude da liberdade que tem, por não ter o cuidado que merece. Precisamos educar para libertar!

7 A metologia Projeto da ULB A história da humanidade é marcada pelo papel determinante da família, do estado e das empresas. Para que todas estas instituições pudessem funcionar, fez-se necessária a existência da Política, sem a qual, as coisas seriam resolvidas mediante o uso da força e fazendo prevalecer a tradicional lei do mais forte. A humanidade evoluiu e com ela suas instituições, até atingirmos a plenitude da Democracia onde todos devem ter direito a voz e vez, independente de suas crenças, origens e costumes. Na chamada democracia representativa o povo escolhe seus representantes através de eleições diretas. Devido a forte influência do poder econômico não tem surgido entre a população elementos providos da qualidade necessária para exercer este papel representativo. A Universidade aberta Leonel Brizola enquanto escola de formação política é destinada a todos os interessados em aprender ou compartilhar conhecimentos para melhorar nosso país cada vez mais sejam eles pedetistas, ou não. Ao acessar o internautas encontrará conteúdos relacionados às áreas do direito, filosofia, economia e outros temas como cursos destinados a formação ideológica dos militantes pedetistas e também voltados à qualificação técnica das tarefas importantes na organização partidária e pública. Abrangendo uma ampla grade de conhecimentos das ciências sociais, estes cursos são ofertados pelo método à distância através dos mais modernos e atualizados recursos da internet. Acesse o site da ULB: Inscreva-se e participe! A ULB é a escola de formação política do PDT, criada para proporcionar educação política e capacitar militantes para transformar o país, protagonizando teses, lutas e reivindicações junto ao povo brasileiro. Aprender política de uma forma correta. Este é o objetivo central dos cursos através da formulação de idéias e ideais. Sendo a política o confronto desses ideais, o sujeito histórico que não conhece a trajetória que herda da humanidade pouco pode interferir em seu destino. Os conteúdos foram elaborados de forma simples, possibilitando o fácil entendimento para pessoas de todos os níveis de escolaridade e situando cursistas ao meio político e na história mundial, dando a eles a necessária dimensão de conhecimentos capazes de superar as contradições que lhe são impostas. Para ilustrar melhor, os conteúdos foram configurados como uma pirâmide: no topo, os vídeo aulas que introduzem os temas; no meio, o material explicativo e, na base, as bibliografias indicadas, para aqueles que desejarem se aprofundar nos temas propostos. Mesmo sendo um material formatado para curso à distância, o cursista não estará isolado. Muito ao contrário. A ULB possui uma plataforma de ensino via internet da qual todos poderão fazer parte, juntando-se a centenas de outras pessoas que compartilham informações e saberes no site Para melhor uso deste material, sugerimos reunir um grupo de militantes e propor um estudo organizado do todos os conteúdos, buscando compartilhar os saberes que cada um possui. Sugere-se, também convidar pessoas que detenham algum saber específico, podendo ser do partido ou não, para fazer uma palestra complementar referente aos conteúdos tratados no nosso material. O cursista pode também reunir alguns companheiros, em casa ou na sede do partido, e convidar um professor para palestrar. Portanto, para aqueles que desejam fazer a diferença na política, este material pretende ser um bom começo. Leonardo Zumpichiatti Secretário Executivo Ricardo Viana Coordenador Pedagógico

8 Sobre o Material Didático A descrença na atividade política é sistêmica em todo o mundo, entretanto as pessoas não compreendem suas causas, tampouco suas consequências. Primeiramente, é preciso entender que o modelo de democracia burguês ocidental, fundada pela Revolução Francesa em 1789, chegou ao seu esgotamento devido à apropriação do Estado por parte de setores que privilegiam interesses de grupos econômicos. Essa é a principal causa dessa descrença generalizada. As consequências nefastas desse esgotamento, podem ser percebidas na qualidade de vida das pessoas: sistema de saúde precário, segurança pública que não protege o cidadão, educação que não ensina, desemprego, etc. Enquanto prevalece a descrença e o afastamento do cidadão comum, permanecem no poder aqueles que o utilizam para benefício próprio e de pequenos grupos privilegiados. O antídoto para isso é a construção de um PODER POPULAR, no qual prevaleçam decisões que atendam prioritariamente o conjunto da população que, afinal, é quem paga a conta. Nada mais justo. Portanto, não existe algo melhor do que desenvolver a consciência críticareflexiva para atingirmos o PODER POPULAR. Assim, a tarefa de formação política é INDISPENSÁVEL para esse propósito. Entretanto, devemos ressaltar que a consciência crítica é formada pelo estudo e pelo debate. Mas esse debate e esse estudo não podem ocorrer de forma aleatória ou esporádica, tampouco sem utilizar de técnicas que potencializem os resultados. Nunca é demais lembrar que os resultados da educação são atingidos no longo prazo, sendo muito difícil quantifica-los. Assim surge a importância do papel do mediador na construção desse conhecimento que forma a base do PODER POPULAR; surge assim a figura do Educador Político, responsável pela mediação e promoção do conhecimento, para desenvolver essa importante atividade: basta vontade de aprender e algum acúmulo de conhecimentos acerca da atividade política. Com o primeiro Caderno da Coleção Darcy Ribeiro a ULB assenta as bases teóricas para a compreensão da política atual, bem como a fundamentação doutrinária e prática do Partido Democrático Trabalhista. Agora, neste segundo Caderno, especialmente nesse curso, são desenvolvidos os recursos teóricos necessários para melhor desempenhar a tarefa de Educador Político. RECOMENDAÇÕES Leia o material; Assista a vídeo aula; Identifique companheiros potenciais para desenvolver as atividades de Educação Política; Promova discussões e debates frequentes; Divulgue as atividades de formação política que desenvolve para todos, inclusive para não filiados; Participe dos grupos de discussão nacional acerca da formação política, promovidos pela ULB. Palavras-chaves, observações rápidas e etc., ficam aqui! Crie as suas! Anoteas para pesquisar depois. Entendendo o PDT Dinâmica do conteúdo Organização Você sabia que planejar e aprender técnicas de estudo aumentam o entendimento em até 30%? Marcadores de páginas Na capa interna, junto aos DVD s, existem adesivos coloridos. Useos para marcar, por exemplo, as páginas iníciais de cada capítulo. Palco principal Aqui os conteúdos aparecem de forma destacada e objetiva. Anotações pessoais Quer fazer suas próprias anotações? Fique a vontade, aqui também é usado para indicar uma leitura complementar (Leia+), links externos ou ainda uma dica! Tem mais a anotar? Vale tudo, só não vale ficar para traz. ;-). 13

9 sumário caderno 5 noções de organização municipal sumário caderno 6 noções de planejamento do mandato apresentação o município e sua organização política O município e sua Origem O município COmO unidade federativa a CriaçãO de novo município a Lei OrgâniCa municipal a autonomia municipal as COmpetênCias do município a intervenção no município os poderes municipais a unidade federativa O poder executivo municipal as atribuições do prefeito a Câmara municipal O vereador proibições e incompatibilidades LiCença e perda do mandato mesa COmissões O plenário as sessões a estrutura administrativa municipal noções de administração pública administração direta administração indireta new public management os bens municipais as espécies de bens CessãO dos bens municipais da alienação dos bens incorporação de bens pelo município referências responda apresentação fui eleito e agora? poder executivo X poder legislativo por onde começar? equipe CapaZ COmO montar a equipe analisar O perfil profissional antes de definir funções CHefe de gabinete secretária de gabinete assessoria de COmuniCaçãO assessoria para COmissões e plenário assessor técnico (projetos no executivo) como receber bem os visitantes? correspondências (cartas, s e fax) ligações telefônicas reuniões de comissões plenário finalidades do gabinete eixo de COOrdenaçãO e dinamização das atividades parlamentares e extra parlamentares Quais são Os ObJetivOs do mandato? elo entre O parlamentar e as demandas sociais e individuais escritório político-eleitoral de ação permanente atividades-fim definição dos ObJetivOs essenciais do mandato intervenção permanente e sistemática vinculada ao CumprimentO dos ObJetivOs do mandato estudos e elaboração de projetos prospectivos de médio e LOngO prazo vinculados ao mandato COntatO permanente e programado COm as bases eleitorais vinculação COm as OrganiZações sociais O relacionamento COm Os demais poderes em níveis federal, estadual e municipal indicações para CargOs no executivo atividades meio O uso da tribuna participação nas COmissões técnicas as articulações no interior da bancada e JuntO a Outras forças políticas a COnvivênCia COm Os meios de COmuniCaçãO COntrOLe sistemático das atividades desenvolvidas a troca de idéias, O diálogo do parlamentar COm assessores a agenda parlamentar O acompanhamento sistemático das resoluções e informações da Casa e de Outras instâncias a Leitura diária de JOrnais e revistas a redação de pronunciamentos CurtOs e de discursos a elaboração de projetos de Lei, de emendas e de pareceres recursos Humanos e materiais a estrutura interna a equipe externa de assessoria O uso do COmputadOr e banco de dados, fax, scanner, biblioteca e arquivos doze dicas gerais responda

10 sumário caderno 7 nocões de gerenciamento de crise apresentação o que é crise de imagem perante a opinião pública? de Onde surgem as Crises? alguns fatores geradores de Crises O Que fazer diante da Crise? COmO evitar Que Crises se instalem? O Que não fazer diante da Crise? os princípios da administração pública princípio da LegaLidade princípio da impessoalidade princípio da moralidade princípio da publicidade princípio da eficiência princípio da transparência assessoria de comunicação (ascom) e relacionamento com a mídia efeitos das mídias sociais na Crise o que fazer diante da crise? gerenciador da Crise COmitê de gerenciamento de Crise porta-voz - Quem poderá assumir a função de porta-voz? responda sumário caderno 8 formação do multiplicador e educador político 1 trabalhando com linhas conceituais multiplicador Ou formador político educador político partidários por Quê? Os partidos buscam O poder pra Quê? como somos vistos ou conhecido pela sociedade? O Que é um partido educativo? a ulb COmO instrumento da ação e prática educativa ideológica partidária estrutura municipal de OrganiZaçãO partidária a responsabilidade do exercício da Liderança a ulb COmO instrumento de formação de multiplicadores e educadores ao exercício da Liderança COmO iniciar um processo de CapaCitaçãO e educação política municipal? COmO Criar uma estrutura de OrganiZaçãO básica partidária? desenvolvimento da inteligência sócio-interacionismo interacionismo e desenvolvimento ulb como prática educativa partidária processo de formação política: eixo do CresCimentO partidário diferenciação de métodos de aprendizagem problemas Que O processo de formação política normalmente encontra mediador no apoio aos COmpanHeirOs de partido aprendizagem em grupo: uma prática ao rocesso de construção do conhecimento e ação partidária Quais as razões para impulsionarmos um processo de aprendizagem COLetivO dentro das estruturas partidárias? COmO planejar ações educativas em grupo? resumo OperaCiOnaL de formação política aperfeiçoando a rede de COmuniCaçãO e elaborando um plano de ação responda

11 Cadernos coleção DARCY RIBEIRO volume dois Reinventando o Brasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Gerenciamento de Crise 86 87

12 sumário caderno 7 nocões de gerenciamento de crise apresentação o que é crise de imagem perante a opinião pública? de Onde surgem as Crises? alguns fatores geradores de Crises O Que fazer diante da Crise? COmO evitar Que Crises se instalem? O Que não fazer diante da Crise? os princípios da administração pública princípio da LegaLidade princípio da impessoalidade princípio da moralidade princípio da publicidade princípio da eficiência princípio da transparência assessoria de comunicação (ascom) e relacionamento com a mídia efeitos das mídias sociais na Crise o que fazer diante da crise? gerenciador da Crise COmitê de gerenciamento de Crise porta-voz - Quem poderá assumir a função de porta-voz? responda volume dois coleção DARCY RIBEIRO apresentação Cadernos Crise de imagem com a opinião publica: Prevenir e Gerenciar é só começar Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Depois de uma vibrante campanha eleitoral é hora de acalmar, colocar os pés no chão e pensar no mandato. Aos vereadores e vereadoras, prefeitos e prefeitas e também vice-prefeitos e vice-prefeitas, além dos dirigentes partidários de todas as instâncias que tiveram papel relevante nas articulações, conversações iniciais, escolhas de candidatos e coligações para que o partido alcançasse seus objetivos. Tão importante quanto a eleição é exercer um mandato popular com muita competência, transparência e ética, e para isso, se faz necessária algumas ponderações objetivando a preservação da sua imagem perante a opinião pública. A credibilidade é o seu maior capital diante da população e sociedade em geral. O bom relacionamento profissional com os veículos de comunicação é ponto muito importante para qualquer político ou dirigente partidário, especialmente para evitar possíveis crises de imagem com a opinião pública. Neste caderno vamos nos dedicar ao desafio da preservação de seu maior capital e sua marca, que é a credibilidade frente ao mandato que ora fora eleito(a); vamos tratar de prevenção e gerenciamento de crise de imagem com a opinião pública. Sobre o Autor: Celso Gomes, natural de Criciuma (SC), é formado em Comunicação Socal (com ênfase em Jornalismo), e em Direito. Pós-graduado em Gestão e Planejamento Estratégico Banco da de Palavras Comunicação. Autor do Manual de s com a Opinião Pública pela Editora Imediata (2012), servidor público do Poder Judiciário e presidente do Movimento Sindical do PDT em Rondônia

13 1 o que é crise de imagem perante a opinião pública? Perda de credibilidade. A qualquer tempo durante o mandato o gestor público poderá enfrentar problemas ligados diretamente ao poder central local ou até mesmo com seu secretariado, assessores e auxiliares. Desde um bate boca com um funcionário da prefeitura ou da câmara até um possível indício de corrupção na administração da coisa pública. Em muitas situações os problemas do cotidiano podem parecer coisas banais e simples, mas não são. Fundamental é estar atento e gerenciar os possíveis focos de crise que surgem. Para isso, é preciso estar em constante acompanhamento dos meios de comunicação, realizar pesquisas periódicas com os públicos internos e externos que podem significar boas alternativas para detecção de possíveis embriões de crises, evitando problemas mais sérios, além do aprimoramento dos serviços prestados à sociedade. compromissos da alta administração para com todo o seu corpo funcional e com os contribuintes (a sociedade). 1.2 alguns fatores geradores de Crises I. Falta de uma atenção aos cidadãos e colaboradores que procurem tanto o gabinete do vereador, quanto na prefeitura e até mesmo no escritório do Partido; II. Não dar a atenção devida aos jornalistas; III. Corrupção; IV. Fraudes; V. Nepotismo (empregar parentes em cargos de subordinação direta); VI. Gravações telefônicas de conversas suspeitas; VII. Atos que afrontam a conduta ética e moral; VIII. Favorecimentos pessoais em detrimento a conhecimento técnico para cargos; IX. Ruído na comunicação intersetores; X. Nomeação de secretários, assessores e auxiliares que já tiveram ou ainda tenham algum tipo de envolvimentos em processos ilícitos e judiciais (Ficha suja); XI. Promessas e compromissos não cumpridos; XII. Falta de transparências nas ações e atos da administração, entre outros. Crises de imagem podem afetar o futuro político e até contaminar o próprio mandato em curso. Por isso, a credibilidade é o maior capital que uma pessoa pública pode ter, portanto preservá-la é imprescindível. 1.1 de Onde surgem as Crises? As crises surgem de diversas formas, muitas vezes como resultado de um simples ruído na comunicação interna. Nas organizações existem duas redes de comunicação: a formal e a informal. A formal é aquela que trata das publicações oficiais e informações legitimadas pela alta administração. A rede informal é aquela que compõe uma cadeia de ruídos e boatos, que se inicia através de indivíduos em pequenos ou grandes grupos, que transmitem uma informação colhida de forma incompleta e essa mensagem vai reverberando até que, a partir de determinada escala, a informação inicial já está completamente distorcida e muito longe de qualquer entendimento racional. Embora esta rede, também seja conhecida como rádio corredor, toma proporções que exigem da assessoria de comunicação e do gestor público, quer seja Vereador (a), Vice-Prefeito (a), Prefeito (a) ou dirigentes partidários, uma tomada de atitude firme, a fim de evitar que isso não venha ecoar externamente, ou seja, além dos gabinetes e assessorias diretas. Do contrário poderá acarretar uma crise de credibilidade com a opinião pública, resultando em prejuízos incalculáveis, dependendo da situação. O gestor público, parlamentar ou do poder executivo, através da Assessoria de comunicação ASCOM deverá manter o nível de clareza e rapidez nas informações aos colaboradores diretos e indiretos, e é fundamental que esses sintam o prazer de pertencer ao setor e órgão os quais foram lhe conferidos a confiança. 1.3 O Que fazer diante da Crise? Na hora da crise, o desespero, além de não resolver o problema, poderá concorrer para agravar ainda mais a situação. O ponto inicial é manter a calma e controle da situação, com tomadas de atitudes rápidas e bem coordenadas. Para isso, dependendo da intensidade dos fatos e repercussão, deverá ser imediatamente criado um Comitê de. As providências que serão tomadas sem demora tendem a amenizar o impacto perante aos formadores de opinião e a sociedade. Adotar a postura avestruz (populamente, o avestruz é famoso por esconder sua cabeça no solo ao primeiro sinal de perigo) não é recomendável, pois esconder o problema poderá ocasionar efeitos devastadores com a credibilidade. As crises deverão ser enfrentadas com atitude pensada e amadurecida, porém com a máxima rapidez. A atitude diante da crise deve ser de serenidade e responsabilidade, respondendo às possíveis indagações da sociedade e da imprensa. A omissão fará com que a situação se agrave em momentos de crise. Então, surgiu o problema? Enfrenta-se com firmeza e transparência para resolvê-lo. O lado positivo, quando se possui bom nível de conscientização da rede interna, é o gestor presenciar sua equipe de trabalho se transformando em uma importante aliada no gerenciamento de crises, caso aconteça. Para isso é fundamental que os assessores diretos, em parceria com a Assessoria de Imprensa, adotem políticas internas de informação, com os valores, as missões e 1.4 COmO evitar Que Crises se instalem? Várias são as ações que podem evitar crises, um bom Planejamento Estratégico, por exemplo, é crucial para uma boa gestão. Para evitar-se crise de imagem é imperativo que se lide com a coisa pública com total responsabilidade, lisura e respeito a cada servidor, colaborador, fornecedor e sociedade em geral. Realizar reuniões periódicas para os alinhamentos estratégicos e ações é importante, buscando comprometimento de cada um dos secretários, gerentes, chefes de núcleos e todos que compõem a administração. O prazer de pertencer a gestão deve ser a tônica da administração

14 A instalação de uma Ouvidora-Geral como caixa de ressonância do órgão é ponto fundamental para manter-se informado das demandas e possíveis ruídos que por outra via poderia não chegar até o poder decisório. O canal aberto com o cidadão é sempre de grande valia. 1.5 O Que não fazer diante da Crise? Tão importante quanto evitar situações que geram crises é saber o que NÃO fazer diante da situação. Assim, podem-se evitar problemas ainda maiores quando ela se instala na instituição. As 12 dicas abaixo podem contribuir para que não se potencialize ainda mais a situação de risco de credibilidade. I. Lentidão na resposta; II. Mascarar a realidade; III. Sonegar informações; IV. Colocar a culpa em outros quando reconhecidamente não é; V. Evitar acesso da imprensa e tratar mal os jornalistas; VI. Alegar que não há Nada a Declarar; VII. Processar jornalista ou veículo por noticiar ou levantar tal crise; VIII. Em caso de vítimas, deixar de prestar assistência à família; IX. Tentar mitigar alegando que é fato isolado; X. Permitir que alguém, sem o devido preparo, fale à imprensa; XI. Informação em off para jornalistas; XII. Apostar no esquecimento do fato pela população. 2 os princípios da administração pública 2.2 princípio da impessoalidade O princípio da impessoalidade proíbe o subjetivismo. Este princípio visa a neutralidade e a objetividade das atividades administrativas no regime político, que tem como objetivo principal o interesse público e não pessoal. 2.3 princípio da moralidade Este princípio diz respeito à moral administrativa. Tanto a moralidade quanto o interesse público fazem parte da legalidade administrativa. Este princípio está associado à ética e à honestidade: Lei + Moralidade + Interesse Público = Legalidade Administrativa. 2.4 princípio da publicidade Significa que, qualquer cidadão pode se dirigir ao Poder Público e requerer cópias e certidões de atos e contratos. O Poder Público, por ser público, deve agir com a maior transparência possível, para que os atos praticados sejam, a qualquer hora, conhecidos pela população. Todos os atos deverão ser livres ao acesso dos cidadãos, para que estes sejam fiscalizados pelos contribuintes. 2.5 princípio da eficiência Os princípios da Administração Pública fundamentam toda e qualquer atividade administrativa pública e encontram-se regulados na Constituição Federal/1988, no seu art. 37, caput e em outros dispositivos, que entre outras normas devem ser obedecidos para que não haja conseqüências negativas. O princípio da eficiência significa que toda ação administrativa tem que ser de qualidade, com atendimento rápido, com urbanidade, segurança, transparência, neutralidade e sem burocracia. Art A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência. (...) 2.1 princípio da LegaLidade O Administrador Público está, durante o exercício da sua atividade funcional, sujeito as determinações da Lei, sob pena da invalidade do seu ato, bem como da responsabilidade disciplinar, civil e criminal, se for o caso. A atividade administrativa, para que possa gerar efeitos (ter eficácia), precisa seguir o que determina a Lei. Ao contrário dos demais ramos do Direito, que expressam em Lei aquilo que não é permitido, o Direito Administrativo submete a Administração Pública a realização, tão somente, daquilo que está determinado na legislação. O administrador não pode agir, nem deixar de agir, senão de acordo com a lei, na forma determinada. 2.6 princípio da transparência O princípio da transparência sempre deverá estar presente, em instituições públicas e privadas, especialmente em momentos de crise de credibilidade com a opinião pública. Quando se fala a verdade, mesmo que esta não seja tão favorável, com a compreensão da sociedade sobre os verdadeiros fatos e providências, o quadro tende a reverter em credibilidade. Se em algum momento foram prestadas informações equivocadas à imprensa ou aos colaboradores internos, assim que seja percebido o ruído, o porta-voz deverá imediatamente, e de público, fazer as correções para que seja sempre restabelecida a verdade, e ela por mais dura que seja deverá ser o norte da gestão

15 3 assessoria de comunicação (ascom) e relacionamento com a mídia Cada vez mais a Assessoria de Comunicação exerce caráter estratégico nas organizações. Isso se comprova em ocasiões quando instituições e personalidades públicas se deparam com situações inesperadas que as colocam em risco perante os diversos públicos. Em algumas organizações, o assessor de comunicação assume o papel de resolução da questão e, em muitos casos, intermediador entre o problema e a imprensa, contornando ou mesmo minimizando os prejuízos à imagem da organização, mas é importante ressaltar que essa não é uma prática de todas as organizações. Em alguns setores, especialmente na esfera pública, o despertar para o papel estratégico do profissional que atua na ASCOM é apenas recente. Pode se dizer que, apesar dos debates sobre o marco regulatório que fundamenta o tema e na visão dos assessores de comunicação do Poder Judiciário e Ministério Público, a função do assessor de comunicação poderá ser ocupada por um profissional da área da comunicação, como por exemplo, o jornalista, relações públicas e publicitários, e que este assessor (a) deve zelar pela informação no trato de sua forma e fim junto a sociedade. Informação é bem público e a sociedade tem direito a uma informação ética e responsável, formando canais de diálogo com a sociedade para atender melhor às necessidades dos que buscam informações sobre a organização. É papel da Assessoria, ainda, contribuir para a democratização da informação, divulgando e promovendo ações facilitadoras do acesso pelo cidadão aos serviços e à estrutura da Administração Local. que durante e depois das campanhas eleitorais se utilizam de tais ferramentas e mídias para multiplicar opiniões e teses, e na maioria das vezes tais ações visam expor algo ou alguém, seja para o bem ou para o mal. Essa tendência desperta a todos no que diz respeito ao acompanhamento de tudo que vem saindo nas redes sociais sobre a trajetória de líderes políticos ou até partidos políticos. Isso pode ajudar a sintonizar focos (bons e ruins) para serem trabalhados pela equipe responsável por trações ações de comunicação. As organizações que já entenderam este comportamento das redes começam a formar os seus núcleos de mídias sociais e interagem com seus públicos, mas esta equipe deverá estar sintonizada com as diretrizes, normas, conhecimentos e visão sistêmica da sua instituição, tornando o seu monitoramento das redes sociais constante, além de um bom relacionamento com jornalistas e internautas. Alguns segmentos já perceberam que apenas o Call Center (Central de atendimento composta por estrutura física e de pessoal que têm por objetivo centralizar o recebimento de questionamentos ou dúvidas de pessoas, distribuindo automaticamente os questionamentos ou dúvidas aos atendentes treinados pela instituição e que utilizarão canais de comunicação virtual ou não para respondê-las.) não é suficiente para manter o bom índice de satisfação dos usuários e começam a investir proativamente no monitoramento das mídias sociais, promovendo respostas rápidas e diretas aos seus usuários. 4 o que fazer diante da crise? Durante o período de crise comportamentos como desespero e estresse, além de não resolverem o problema, poderão concorrer para agravá-la ainda mais. O ponto inicial é manter a calma e o controle da situação, com atitudes rápidas e bem coordenadas. Para isso, dependendo da intensidade dos fatos e repercussão, deverá ser imediatamente criado um Comitê de. 4.1 gerenciador da Crise 3.1 efeitos das mídias sociais na Crise A expansão do Facebook e Twitter, em especial no Brasil, traz o aperfeiçoamento das mídias sociais e a democratização do acesso aos canais de relacionamentos pessoais e profissionais, mas por outro lado também pode potencializar crises, caso caia na rede algo que possa macular a credibilidade de pessoas e/ou instituições. As redes sociais são ferramentas de interação livre entre usuários da rede global de computadores mas os políticos, gestores e pessoas públicas que decidirem por não aderirem às redes sociais podem estar optando por uma possível exposição negativa, em caso de crise com seus públicos interno e externo, pois estas servem de explanação e defesas de temas e teses de seus usuários e cada cidadão tem em mãos ferramentas que, se utilizadas, podem promover de forma positiva ou negativa a imagem da organização. A credibilidade pessoal ou de uma organização é construída ao longo de muitos anos e sua preservação é de grande valia, pois ações nas redes sociais podem, em segundos, transformar em ruínas o projeto ou a estratégia construídas por tempos de trabalho e para melhor entender, conhecer e acompanhar as mídias sociais é fundamental estar inserido nela, e assim evitar surpresas desagradáveis. Durante cada período eleitoral o avanço das redes sociais, como ferramenta de convencimento e conquista do voto, tem crescido. É surpreendente o número de pessoas Se comprovada a necessidade de um Comitê de, este deverá ser acionado imediatamente. Após a identificação da situação de crise, os fatos deverão ser imediatamente informados a alta-administração. A partir de então, a Assessoria de Imprensa deve ficar responsável pelo fluxo de informação interna e externamente, pela definição das fontes, sem perder de vista que a comunicação é um bem público e que devem ser respeitados os princípios da administração pública e do Código Nacional de Ética dos Jornalistas (Documento que fixa as normas a que deverá subordinarse a atuação do profissional, nas suas relações com a comunidade, com as fontes de informação e entre jornalistas). 4.2 COmitê de gerenciamento de Crise Tanto as crises, quanto as composições de Comitês variam. Normalmente o gestor principal do Órgão escolhe uma equipe para compor o referido Comitê e imediatamente nomeia um porta-voz. Nem toda crise necessitará da criação de um Comitê. É muito importante que a assessoria de comunicação acompanhe atentamente a repercussão dos fatos para medir a extensão do problema. Caso a situação não seja contornada, mesmo com notas e entrevistas à imprensa por exemplo, será necessário, realmente, a instituição do Comitê de

16 4.3 porta-voz - Quem poderá assumir a função de porta-voz? c) A omissão fará com que a situação se tranquilize em momentos de crise. Então, surgiu o problema? Enfrenta-se com firmeza e transparência para resolvê-lo. d) Para evitar-se crise de imagem é imperativo que se lide com a coisa pública com responsabilidade, mas visualizando o interesse pessoal. e) Realizar reuniões periódicas para os alinhamentos estratégicos e ações é importante, buscando o comprometimento de cada um dos secretários, gerentes, chefes de núcleos e todos que compõem a administração. O prazer de pertencer a gestão deve ser a tônica da administração. Esta função poderá ser exercida por um (a) assessor (a) do quadro Executivo ou Legislativo, mas lembramos que existe empresas especializadas em gerenciamento de crise. No caso dos assessores ou secretários diretos que já conhecem os pontos fortes e os pontos fracos da instituição ou da pessoa envolvida diretamente na crise, terão mais facilidade para detectar possíveis origens dos fatos ou ruídos. Para isso, o porta-voz, responsável pela interlocução entre o Poder Local e a imprensa, deverá ter autonomia e apoio dos envolvidos e do Comitê de. É decisivo que o porta voz seja uma pessoa preparada, tranqüila, perspicaz e capaz de enfrentar situações de alto estresse. Cada membro da equipe do Comitê deve ter função definida sobre suas atribuições durante todo o gerenciamento a fim de manter harmonia e unidade nas teses formuladas e defendidas que serão expostas pelo Porta-Voz. Desta forma, o interlocutor exercerá a sua missão com padrão e comum conhecimento de grupo, de acordo com as orientações e preparo do Comitê de. A presença do Assessor de Comunicação neste Comitê é fundamental para orientar o relacionamento com jornalistas, contribuindo para que todas as informações que surjam e fluam para os diversos públicos envolvidos na crise. O fato de um profissional de comunicação atuar na administração de uma crise não implica em mascarar fatos incontestáveis da realidade, mas manter a sociedade informada, evitando os boatos e contra-informações que possam manchar a imagem do Poder Local. 5 responda 1) Sobre gerenciamento de crise, julgue os itens: a) Tão importante quanto a eleição é exercer um mandato com muita competência, transparência e ética, e para isso, se faz necessária algumas ponderações objetivando a preservação da sua imagem perante a opinião pública. A credibilidade de imagem é o maior capital de um político diante da população e sociedade em geral. b) O bom relacionamento profissional com os veículos de comunicação é ponto muito importante para qualquer político ou dirigente partidário, especialmente para evitar possíveis crises de imagem com a opinião pública. c) O gestor público não enfrenta grandes problemas ligados ao poder central local ou até mesmo com seu secretariado, assessores e auxiliares, pois não ocorrem bate boca com um funcionário da prefeitura ou da câmara até um possível indício de corrupção na administração da coisa pública. d) As crises surgem de poucas formas, mas muitas vezes como resultado de um simples ruído na comunicação interna. Nas organizações existem apenas duas redes de comunicação: a formal e a informal. e) Na hora da crise, o desespero, além de não resolver o problema, poderá concorrer para agravar ainda mais a situação. O ponto inicial é manter a calma e controle da situação, com tomadas de atitudes rápidas e bem coordenadas. 3) O que NÃO fazer diante da Crise? julgue os itens: a) Tão importante quanto evitar situações que geram crises é não saber o que fazer diante da situação. Assim, podem-se evitar problemas ainda maiores quando ela se instala na instituição. b) Lentidão na resposta. c) Colocar a culpa em outros quando reconhecidamente não é. d) Evitar acesso da imprensa e tratar mal os jornalistas. e) Permitir que alguém, além do Porta-Voz, sem o devido preparo fale à imprensa. 4) Sobre os efeitos das mídias sociais na crise, julgue os itens: a) A expansão do Facebook e Twitter, em especial no Brasil, não traz o aperfeiçoamento das mídias sociais e na democratização do acesso aos canais de relacionamentos pessoais e profissionais, mas por outro lado potencializa as crises. b) As redes sociais são ferramentas de interação limitadas entre usuários da rede global de computadores, mas os políticos, gestores e pessoas públicas que decidirem por não aderirem às redes sociais podem estar optando por uma possível exposição negativa, em caso de crise com seus públicos interno e externo. c) A credibilidade pessoal ou de uma organização é construída em curto e médio prazo e sua preservação é de grande valia, pois ações nas redes sociais podem, em segundos, tornar em ruínas o projeto ou a estratégia construídas por tempos de trabalho e para melhor entender, conhecer e acompanhar as mídias sociais é fundamental estar inserido nela, e assim evitar surpresas desagradáveis. d) Durante cada período eleitoral o avanço das redes sociais, como ferramenta de convencimento e conquista do voto, tem crescido pouco, mas é surpreendente o número de pessoas que durante e depois das campanhas eleitorais se utilizam de tais ferramentas e mídias para multiplicar opiniões e teses. e) As organizações que já entenderam este comportamento das redes começam a formar os seus núcleos de mídias sociais e interagem com seus públicos. 2) Ainda sobre o gerenciamento da crise, julgue os itens: a) Esconder o problema poderá ocasionar efeitos devastadores com a credibilidade. As crises deverão ser enfrentadas com atitude pensada e amadurecida, porém com a máxima rapidez. b) A atitude diante da crise deve ser de serenidade e responsabilidade, mas não tendo pressa em responder as possíveis indagações da sociedade e da imprensa. 5) Sobre o que fazer diante da Crise, julgue os itens: a) Durante o período de crise, comportamentos como desespero e estresse, além de não resolverem o problema, poderão concorrer para agravá-la ainda mais. O ponto inicial é manter a calma e o controle da situação, com atitudes rápidas e bem coordenadas. b) Após a identificação da situação de crise, os fatos deverão ser imediatamente informados a alta-administração. A partir de então, a Assessoria de Imprensa deve ficar responsável pelo fluxo de informação interna e externamente, pela definição das fontes, sem perder de vista que a comunicação é um bem público e que devem ser respeitados os princípios da administração pública e do Código Nacional de Ética das Redes Sociais. c) Tanto as crises, quanto as composições de Comitês variam. Normalmente o gestor principal do Órgão escolhe uma equipe para compor o referido Comitê e imediatamente nomeia um porta-voz. d) O porta-voz é responsável pela interlocução entre o Poder Local e a imprensa e deverá ter autonomia e apoio dos envolvidos e do Comitê de. e) É decisivo que o porta voz seja uma pessoa preparada, tranqüila, perspicaz e capaz de enfrentar situações de alto estresse. Gabarito: 1) V, V, F, F, V; 2) V, F, F, F, V; 3) F, V, V, V, V; 4) F, F, F, F, V; 5) V, F, V, V, V 96 97

17 Parabéns! Concluímos com êxito a nossa inicialização aos temas básicos da gestão pública e partidária. Agora, inicia-se mais uma nova etapa: tornar o processo de educação e formação política fundamentado na organização de núcleos de base - NB. O NB é uma ferramenta importante para o processo pré-eleitoral e eleitoral, pois organiza a base e o partido frente às temáticas importantes que poderão contribuir nas pautas eleitorais. Trata-se de uma modalidade de organização que prioriza a reunião e integração de pequenos grupos de pessoas com alguma afinidade, ou seja, a formalização de algo que faz parte da nossa vida social, mas com um conteúdo político. Essa é uma nova forma de fazer política! No nosso dia-a-dia estamos sempre reunidos com pessoas. Seja no trabalho, na escola, com os vizinhos, com a família para nos relacionar. O Núcleo pode iniciar sem o formalismo convencional, aberto a participação de todos! Convide seus amigos e forme um Núcleo de Base! Promova reuniões, discuta o conteúdo e a realidade brasileira! Lembre-se que o Núcleo de base está inserido no Estatuto do PDT: Art Núcleo de Base é uma unidade de cooperação e de mobilização do Partido organizado por categoria profissional, por local de trabalho, de moradia, de estudo ou por movimentos sociais, sempre vinculado a um Diretório Distrital ou de Bairro, ao Diretório Municipal ou, ainda, em situações especiais, aos Movimentos Partidários, aos Diretórios Estaduais e Nacional. 1º - Os NÚCLEOS DE BASE serão constituídos pelos filiados na respectiva área territorial ou de atuação. 2º - Para a constituição de um Núcleo de Base são necessários cinco (5) filiados no mínimo. Sempre que o número de integrantes ultrapassar a vinte e cinco (25), o núcleo será desmembrado. Art A estruturação e o funcionamento dos Núcleos de Base serão regulados pelo Regimento Interno do Diretório Estadual que deverá ser submetido à aprovação da Direção Nacional. RÁDIO

18 FUNDAÇÃO LEONEL brizola - ALbERTO PASQUALINI SEDE NACIONAL brasília Setor de Autarquias Federais Sul - SAFS, Quadra 2, Lote 3, Plano Piloto, CEP: , Brasília-DF Tel/fax: (61) / SEDE NACIONAL RIO DE janeiro Rua do Teatro, 39-2º andar, Centro CEP: , Rio de Janeiro-RJ tel/fax: (21) / Twitter: pdt_nacional Esta publicação é parte integrante dos CADERNOS REINVENTANDO O brasil, DA FUNDAÇÃO LEONEL brizola - ALbERTO PASQUALINI - FLb-AP, UNIVERSIDADE LEONEL brizola - ULb, PDT. Impresso em novembro de 2012, composto em DAX de Hans Reichel ADOBE MYRIAD PRO de Robert Slimbach, Carol Twombly, Fred Brady e Christopher Slye ADOBE MINION PRO de Robert Slimbach SEGOE PRINT de Brian Allen, Carl Crossgrove, James Grieshaber e Karl Leuthold, com capa em papel Supremo 250g/m 2, miolo em AP 75g/m 2. Design/projeto gráfico e diagramação de Haroldo Brito para Criatus Design.

19 fundação leonel brizola - alberto pasqualini sede nacional brasília Setor de Autarquias Federais Sul - SAFS, Quadra 2, Lote 3, Plano Piloto, CEP: , Brasília-DF Tel/fax: (61) / sede nacional rio de Janeiro Rua do Teatro, 39-2º andar, Centro CEP: , Rio de Janeiro-RJ tel/fax: (21) / Twitter: pdt_nacional

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Noções de Organização Municipal Caderno 7 Noções de Gerenciamento de Crises Caderno

Leia mais

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Caderno 5 Noções de Organização Municipal Caderno 7 Noções de Gerenciamento de Crises Caderno

Leia mais

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA

UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA UNIDADE II METODOLOGIA DO FORMAÇÃO PELA ESCOLA Quando focalizamos o termo a distância, a característica da não presencialidade dos sujeitos, num mesmo espaço físico e ao mesmo tempo, coloca se como um

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Formação dos grupos de trabalho e Detalhamento das estratégias do Plano de Ação Julho 2014 Grupos de trabalho: formação Objetivo: elaborar atividades e

Leia mais

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL

1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1 MINUTA DO PLANO DE COMUNICAÇÃO E PARTICIPAÇÃO SOCIAL 1.1 APRESENTAÇÃO O Plano de Comunicação e Participação Social subsidiará a elaboração do Plano Diretor de Mobilidade Urbana, criando as bases para

Leia mais

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno

PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO. Programa de Educação Ambiental Interno PROGRAMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA SAMARCO Programa de Educação Ambiental Interno Condicionante 57 LO 417/2010 SUMÁRIO 1. APRESENTAÇÃO 04 2. IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA 05 3. REGULAMENTO APLICÁVEL 06 3.1. FEDERAL

Leia mais

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014

Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO. Histórico de elaboração Julho 2014 Planejamento Estratégico PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO Histórico de elaboração Julho 2014 Motivações Boa prática de gestão Orientação para objetivos da Direção Executiva Adaptação à mudança de cenários na sociedade

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015

Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 Coordenação-Geral de Comunicação e Editoração (CGCE) Diretoria de Comunicação e Pesquisa (DCP) Maio/2015 A proposta de plano de comunicação elaborada pela Coordenação- Geral de Comunicação e Editoração

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF

COMISSÃO DIRETORA. Praça dos Três Poderes Senado Federal CEP: 70165 900 Brasília DF A estrutura administrativa do Senado Federal está dividida em três áreas que compreendem os órgãos superiores de execução, órgãos de assessoramento superior e órgão supervisionado. Conheça a estrutura

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Secretaria Geral Parlamentar Secretaria de Documentação Equipe de Documentação do Legislativo DECRETO Nº 55.867, DE 23 DE JANEIRO DE 2015 Confere nova regulamentação ao Conselho Municipal de Segurança

Leia mais

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM

A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE CONTAGEM DECRETO nº 1098, de 12 de fevereiro de 2009 Dispõe sobre alocação, denominação e atribuições dos órgãos que compõem a estrutura organizacional do Gabinete da Prefeita e dá outras providências. A PREFEITA

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

O que fazer para reformar o Senado?

O que fazer para reformar o Senado? O que fazer para reformar o Senado? Cristovam Buarque As m e d i d a s para enfrentar a crise do momento não serão suficientes sem mudanças na estrutura do Senado. Pelo menos 26 medidas seriam necessárias

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA

TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA DADOS DA CONSULTORIA Função no Projeto: Contratação de consultoria especializada para desenvolver e implementar estratégias de impacto e sustentabilidade da Campanha Coração Azul no

Leia mais

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores.

AMAJUM. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. No próximo dia 7 de outubro, o povo brasileiro retorna às urnas, desta vez para escolher prefeitos, vice-prefeitos e vereadores. Produção: Ação conjunta: Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso Parceiro:

Leia mais

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA

TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR DIRETA De: Gabinete do Vereador Jimmy Pereira Para: Ação Jovem Brasil Resposta à solicitação de Informações para a formação do Índice de Transparência da Câmara do Rio TRANSPARÊNCIA QUANTO À ATUAÇÃO PARLAMENTAR

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL

REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL REGIMENTO INTERNO DA ESCOLA NACIONAL DA MAGISTRATURA DA ASSOCIAÇÃO DOS MAGISTRADOS DO BRASIL Capítulo I Da Instituição Art. 1º - A Escola Nacional da Magistratura (ENM), órgão da Associação dos Magistrados

Leia mais

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR

Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE. Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR 1 Anexo PROPOSTA DOCUMENTO BASE Versão Consulta Pública SISTEMA NACIONAL DE PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL - SINAPIR A Definição e organização do sistema: 1 O Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial

Leia mais

PROGRAMA COMPLIANCE VC

PROGRAMA COMPLIANCE VC Seguir as leis e regulamentos é ótimo para você e para todos. Caro Colega, É com satisfação que compartilho esta cartilha do Programa Compliance VC. Elaborado com base no nosso Código de Conduta, Valores

Leia mais

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015

Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA. ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 30/06/2015 Boletim Administrativo Eletrônico de Pessoal Nº: 5745 terça feira, 05 de maio de 2015 COMISSÃO DIRETORA ATO DA COMISSÃO DIRETORA N O 5, de 2015 Revisa e altera os objetivos estratégicos do plano

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS

POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS EMPRESAS ELETROBRAS POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO E ENGAJAMENTO COM PÚBLICOS DE INTERESSE DAS Versão 2.0 09/02/2015 Sumário 1 Objetivo... 3 1.1 Objetivos Específicos... 3 2 Conceitos... 4 3 Princípios... 5 4 Diretrizes... 5 4.1

Leia mais

Sumário. Apresentação...7

Sumário. Apresentação...7 Sumário Apresentação................................7 1. CONCEITOS BÁSICOS.........................11 Delimitação de funções..................... 12 2. ORIGENS E DESENVOLVIMENTO...................21 3.

Leia mais

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil

ONG BRASI O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO. Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil ONG BRASI 2012 O DIÁLOGO ABRE CAMINHOS PARA O DESENVOLVIMENTO Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Marco Regulatório das Organizações da Sociedade Civil Dezembro de 2013 3 EXPEDIENTE Presidenta

Leia mais

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL

TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL TEXTO BASE PARA UM POLÍTICA NACIONAL NO ÂMBITO DA EDUCAÇÃO PATRIMONIAL Eixos Temáticos, Diretrizes e Ações Documento final do II Encontro Nacional de Educação Patrimonial (Ouro Preto - MG, 17 a 21 de julho

Leia mais

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL CONJACI CONSELHO DISTRITAL DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DE JACI-PARANÁ Distrito de Jaci-Paraná Município de Porto Velho - RO MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL Dezembro de 2012. MINUTA DE DECRETO MUNICIPAL

Leia mais

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES

ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL SUGESTÕES ELEIÇÕES 2008 A RELAÇÃO ENTRE VEREADORES, ADMINISTRAÇÕES PETISTAS E O MOVIMENTO SINDICAL 1) INTRODUÇÃO SUGESTÕES Ao longo dos seus vinte e oito anos e com a experiência de centenas de administrações que

Leia mais

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária

PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária PROJETO interação FAMÍLIA x ESCOLA: UMA relação necessária Apoio: Secretária municipal de educação de santo Afonso PROJETO INTERAÇÃO FAMÍLIA X ESCOLA: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA. É imperioso que dois dos principais

Leia mais

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003

Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC SALVADOR MAIO/2003 Secretaria Municipal da Educação e Cultura - SMEC ATRIBUIÇÕES DOS GESTORES ESCOLARES DA REDE PÚBLICA MUNICIPAL DE ENSINO VERSÃO PRELIMINAR SALVADOR MAIO/2003 Dr. ANTÔNIO JOSÉ IMBASSAHY DA SILVA Prefeito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas

REGIMENTO INTERNO. Art.2º - Designação O APL de Software do Oeste Paulista é composto por empresas REGIMENTO INTERNO Este documento regula as relações entre os membros do Arranjo Produtivo Local ( APL) de Software do Oeste Paulista em conformidade com as seguintes normas: Art.1º - Visão e Objetivo O

Leia mais

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE)

O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) O que é o Plano de Mobilização Social Pela Educação (PMSE) É o chamado do Ministério da Educação (MEC) à sociedade para o trabalho voluntário de mobilização das famílias e da comunidade pela melhoria da

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia

Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Eunápolis Bahia PORTARIA Nº 14/2009 Aprova o Regulamento da I Conferência Municipal de Cultura de Eunápolis-BA e dá outras providências. A SECRETÁRIA

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA EXECUTIVA DOS CONSELHOS RESOLUÇÃO Nº xx/xxxx CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM dd de mês de aaaa Dispõe sobre a criação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ

CÂMARA MUNICIPAL DE JACAREÍ PROJETO DE LEI Dispõe sobre a instituição do Conselho de Comunicação Social do Canal de Cidadania de Jacareí, e dá outras providências. O PREFEITO DO MUNICÍPIO DE JACAREÍ, USANDO DAS ATRIBUIÇÕES QUE LHE

Leia mais

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL

CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL O CÓDIGO RIP DE CONDUTA EMPRESARIAL Março de 2015 1ª edição MENSAGEM DO PRESIDENTE O Código de Conduta da RIP ( Código ) é a declaração formal das expectativas que servem

Leia mais

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL

PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL PROPOSTAS PARA O ESTADO BRASILEIRO - NÍVEIS FEDERAL, ESTADUAL E MUNICIPAL MEDIDAS CONCRETAS PARA O ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NO ÂMBITO DOMÉSTICO/FAMILIAR A presente Matriz insere-se no

Leia mais

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012)

DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS. (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/NÓS PODEMOS (aprovada em 2010 e 1ª revisão em agosto de 2012) Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais

Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Condutas Vedadas aos Agentes Públicos Federais Bases legais Constituição Federal Lei das Eleições (Lei 9.504/97) Lei das Inelegibilidades (LC 64/90) Código Eleitoral Resoluções do TSE Finalidade da Legislação

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 RESOLUÇÃO Nº 16, DE 5 DE MAIO DE 2010 Define os parâmetros nacionais para a inscrição das entidades e organizações de assistência social, bem como dos serviços, programas, projetos e benefícios socioassistenciais

Leia mais

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA Boletim GESTÃO DE PESSOAS & RECURSOS HUMANOS IPEA, 13 de outubro de 2010 EXTRA Nº 2 OUTUBRO INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA PORTARIA Nº 385, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010. Institui, no âmbito do IPEA,

Leia mais

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008

Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública. Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Desenvolvimento de Pessoas na Administração Pública Assembléia Legislativa do Estado de Säo Paulo 14 de outubro de 2008 Roteiro 1. Contexto 2. Por que é preciso desenvolvimento de capacidades no setor

Leia mais

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / /

LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / LEI Nº 2.422, DE 08 DE ABRIL DE 2008 CERTIDÃO Certifico e dou fé que esta Lei foi publicada no placard do Município no dia- / / JANE APARECIDA FERREIRA =Responsável pelo placard= Dispõe sobre a composição,

Leia mais

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR

O PAPEL DO GESTOR COMO MULTIPLICADOR Programa de Capacitação PAPEL D GESTR CM MULTIPLICADR Brasília 12 de maio de 2011 Graciela Hopstein ghopstein@yahoo.com.br Qual o conceito de multiplicador? Quais são as idéias associadas a esse conceito?

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004

LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 LEI N 1.892/2008 Dá nova redação a Lei nº 1.580/2004 Povo do Município de Viçosa, por seus representantes legais, aprovou e eu, em seu nome, sanciono e promulgo a seguinte Lei: Das disposições Gerais Art.

Leia mais

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS

DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS 1 DIRETRIZES DE FUNCIONAMENTO DO MOVIMENTO NACIONAL PELA CIDADANIA E SOLIDARIEDADE/ NÓS PODEMOS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES E OBJETIVO DO MOVIMENTO 2 Artigo 1º O Movimento Nacional pela Cidadania e Solidariedade/Nós

Leia mais

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008

DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 DECRET0 Nº 2.250, DE 30 DE MAIO DE 2008 Publicado no Jornal Correio Paranaense Em, 04.06.2008 Dispõe sobre a Estrutura Regimental da Secretaria Municipal de Governo. O Prefeito Municipal de São José dos

Leia mais

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS

PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS PROGRAMA CIDADES SUSTENTÁVEIS 2014 1 Índice 1. Contexto... 3 2. O Programa Cidades Sustentáveis (PCS)... 3 3. Iniciativas para 2014... 5 4. Recursos Financeiros... 9 5. Contrapartidas... 9 2 1. Contexto

Leia mais

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS

VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS VII - A GESTÃO DA POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL NO SUAS NA VISÃO DA UNIÃO, ESTADOS E MUNICÍPIOS Secretaria Nacional de Assistência Social 1 2 3 Quando a Comissão Organizadora da VI Conferência Nacional

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 RELATÓRIO DAS ATIVIDADES 2004 1. Palestras informativas O que é ser voluntário Objetivo: O voluntariado hoje, mais do que nunca, pressupõe responsabilidade e comprometimento e para que se alcancem os resultados

Leia mais

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014

DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 CONSELHO ESTADUAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE MINAS GERAIS DELIBERAÇÃO DA DIRETORIA EXECUTIVA N 01/2014 A Diretoria Executiva do Conselho Estadual dos Direitos da Criança e do Adolescente

Leia mais

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA

Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA Universidade Federal de Uberlândia OUVIDORIA 2008 Universidade Federal de Uberlândia Ouvidoria Avenida João Naves de Ávila, nº. 2121 Sala 14, Bloco 1A - Bairro Santa Mônica Uberlândia-MG CEP: 38400-902

Leia mais

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2008/prt1559_01_08_2008.html Página 1 de 5 ADVERTÊNCIA Este texto não substitui o publicado no Diário Oficial da União Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 1.559, DE 1º DE AGOSTO DE 2008 Institui a Política Nacional

Leia mais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais

Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais Scup e Política: vitória nas urnas pelas redes sociais A campanha do prefeito de Duque de Caxias Alexandre Aguiar Cardoso, natural de Duque de Caxias, cidade da região metropolitana do Rio de Janeiro,

Leia mais

Regimento Interno da Articulação de Esquerda

Regimento Interno da Articulação de Esquerda Regimento Interno da Articulação de Esquerda A Articulação de Esquerda (AE) é uma tendência interna do Partido dos Trabalhadores. Existe para a defesa de um PT de luta, de massa, democrático, socialista

Leia mais

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI

Cadernos. Reinventando. coleção DARCY RIBEIRO. volume dois FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI volume dois coleção DARCY RIBEIRO Cadernos Reinventando obrasil FUNDAÇÃO LEONEL BRIZOLA - ALBERTO PASQUALINI Organização Municipal Caderno 6 Planejamento do Mandato Caderno 7 Gerenciamento de Crises Caderno

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS

REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Er REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DOS PRINCÍPIOS Art 1º O Fórum da Agenda 21 Local Regional de Rio Bonito formulará propostas de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sustentável local, através

Leia mais

PLANO DE AÇÃO - 2014

PLANO DE AÇÃO - 2014 PREFEITURA MUNICIPAL DE QUIXADÁ SECRETARIA MUNICIPAL DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO PLANO DE AÇÃO - 2014 MISSÃO Assessorar as Regionais Educacionais, fortalecendo o processo

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA

CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA CÓDIGO DE ÉTICA DO BANCO DA AMAZÔNIA APRESENTAÇÃO O Banco da Amazônia S.A., consciente da importância da ética nas relações com a comunidade em que atua, divulga este Código de Ética, que contém os padrões

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.036/05 Aprova a NBC T 11.8 Supervisão e Controle de Qualidade. O Conselho Federal de Contabilidade, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, Considerando que as Normas

Leia mais

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA.

PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PROPOSTA DE GOVERNO DA COLIGAÇÃO BLUMENAU: QUEM AMA CUIDA. PARTIDOS COLIGADOS: 1. Partido dos Trabalhadores PT; 2. Partido Progressista PP; 3. Partido Democrático Trabalhista PDT; 4. Partido Comunista

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

ATO NORMATIVO Nº 010/2013

ATO NORMATIVO Nº 010/2013 ATO NORMATIVO Nº 010/2013 Organiza as ações de comunicação social, no âmbito do Ministério Público do Estado da Bahia. OPROCURADOR-GERAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA BAHIA, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS

POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS POR QUE SER ASSOCIADO ABESE? CONHEÇA TODOS OS BENEFÍCIOS Associação Brasileira das Empresas de Sistemas Eletrônicos de Segurança - ABESE Entidade que representa, nacionalmente, as empresas de sistemas

Leia mais

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII)

Apresentação Plano de Integridade Institucional da Controladoria-Geral da União (PII) PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CONTROLADORIA-GERAL DA UNIÃO Secretaria-Executiva Diretoria de Planejamento e Desenvolvimento Institucional Plano de Integridade Institucional (PII) 2012-2015 Apresentação Como

Leia mais

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC

Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil. Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC Gestão e Sustentabilidade das Organizações da Sociedade Civil Alfredo dos Santos Junior Instituto GESC QUEM SOMOS? INSTITUTO GESC - IGESC Fundação da AMBA, pelos alunos do primeiro curso de MBA. Serviços

Leia mais

Você pode contribuir para eleições mais justas

Você pode contribuir para eleições mais justas Procuradoria Regional Eleitoral no Estado de SP Defesa da democracia, combate à impunidade. Você pode contribuir para eleições mais justas Os cidadãos e as cidadãs podem auxiliar muito na fiscalização

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação

Cartilha para Conselhos. Municipais de Educação Cartilha para Conselhos Municipais de Educação Sistemas de ensino são o conjunto de campos de competências e atribuições voltadas para o desenvolvimento da educação escolar que se materializam em instituições,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana

Equipe da GCO: 1. Carlos Campana Gerente 2. Maria Helena 3. Sandro 4. Mariana Gerência de Comunicação GCO tem por finalidade planejar, organizar, coordenar e controlar as atividades de comunicação e editoriais do Confea. Competências da GCO 1. Organizar e executar projetos editoriais:

Leia mais

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM

Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Nº DESCRIÇÃO EIXO SC PP CPP QTD ORDEM Criar rádios e TV's comunitárias voltadas à prestação de contas das ações, programas e 1 projetos existentes nos municípios e divulgação dos serviços públicos locais,

Leia mais

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento

Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Em busca da sustentabilidade na gestão do saneamento: instrumentos de planejamento Marcelo de Paula Neves Lelis Gerente de Projetos Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério das Cidades Planejamento

Leia mais

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS

PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS PELA TRANSPARÊNCIA E QUALIDADE NA APLICAÇÃO DOS RECURSOS PÚBLICOS ORIENTAÇÃO NORMATIVA n 01, de 02 de janeiro de 2010, atualizada em 01 de dezembro de 2012. Toda ação da sociedade em relação à transparência

Leia mais

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016

Estado de Mato Grosso Prefeitura Municipal de Itanhangá CNPJ: 07.209.225/0001-00 Gestão 2013/2016 LEI Nº 325/2013 Data: 04 de Novembro de 2013 SÚMULA: Dispõe sobre o Plano Municipal de Políticas Públicas Sobre Drogas, que tem por finalidade fortalecer e estruturar o COMAD como órgão legítimo para coordenar,

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE PESQUISA EM PROJETO DE ARQUITETURA CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC

Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC Tribunal Regional Eleitoral de Santa Catarina 008ª Zona Eleitoral de Canoinhas/SC gdelbem@tre-sc.gov.br ; gdelbem@yahoo.com.br Proposta de valores no Planejamento Estratégico da Justiça Eleitoral Gestão

Leia mais

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da

1. A comunicação é atividade institucional e deve ser regida pelo princípio da 1 SUGESTÕES PARA UMA POLÍTICA DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO COMITÊ DE POLÍTICAS DE COMUNICAÇÃO DO MINISTÉRIO PÚBLICO (CPCOM), REUNIÃO DE 30 DE MARÇO DE 2011 Redesenhado a partir da Constituição

Leia mais

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL

CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL Índice CÓDIGO DE ÉTICA PROFISSIONAL 3 5 6 7 INTRODUÇÃO ABRANGÊNCIA PRINCÍPIOS RELACIONAMENTOS CONSELHO DE ÉTICA SANÇÕES DISPOSIÇÕES FINAIS INTRODUÇÃO Considerando que a paz,

Leia mais

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015.

ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. ANEXO V À RESOLUÇÃO Nº XX/2015, DE XX DE XXXX DE 2015. 1 OBJETIVO O objetivo deste documento é estipular um plano de ação para criar e gerenciar perfis do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA

POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA POLÍTICA DE GOVERNANÇA COOPERATIVA 1 1. APRESENTAÇÃO Esta política estabelece os princípios e práticas de Governança Cooperativa adotadas pelas cooperativas do Sistema Cecred, abordando os aspectos de

Leia mais

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO

MANUAL DO JOVEM DEPUTADO MANUAL DO JOVEM DEPUTADO Edição 2014-2015 Este manual procura expor, de forma simplificada, as regras do programa Parlamento dos Jovens que estão detalhadas no Regimento. Se tiveres dúvidas ou quiseres

Leia mais

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte!

Câmara Municipal de Barueri. Conheça a Norma SA8000. Você faz parte! Câmara Municipal de Barueri Conheça a Norma SA8000 Você faz parte! O que é a Norma SA 8000? A SA 8000 é uma norma internacional que visa aprimorar as condições do ambiente de trabalho e das relações da

Leia mais

Código de Ética e Conduta Lojas Renner

Código de Ética e Conduta Lojas Renner Código de Ética e Conduta Lojas Renner Junho de 2008 Introdução Carta do Presidente Código de Ética: Valores e Princípios Empresariais Código de Conduta: Colaboradores Fornecedores Clientes Comunidade

Leia mais

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007

******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ******************************************************************************** LEI Nº 7508/2007, de 31 de dezembro de 2007 ********************************************************************************

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2)

Ministério do Meio Ambiente MMA. Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Ministério do Meio Ambiente MMA Programa Nacional do Meio Ambiente PNMA (Fase 2) Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA Termo de Referência PNMA nº 02/2013 O presente

Leia mais

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007.

LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. LEI Nº 2.278/07, DE 24 DE AGOSTO DE 2007. Dispõe sobre a criação do Instituto Escola de Governo e Gestão Pública de Ananindeua, e dá outras providências. A CÂMARA MUNICIPAL DE ANANINDEUA estatui, e eu

Leia mais

PROJETO DE CIDADANIA

PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA PROJETO DE CIDADANIA A Anamatra A Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho Anamatra congrega cerca de 3.500 magistrados do trabalho de todo o país em torno de interesses

Leia mais

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente.

Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Programa Permanente de Autorregulamentação da ANJ. Para tornar a relação entre o jornal e seus leitores ainda mais transparente. Introdução. Jornal é o meio de comunicação de maior credibilidade. Por isso,

Leia mais

Quais são os objetivos dessa Política?

Quais são os objetivos dessa Política? A Conab possui uma Política de Gestão de Desempenho que define procedimentos e regulamenta a prática de avaliação de desempenho dos seus empregados, baseada num Sistema de Gestão de Competências. Esse

Leia mais

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras

Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras Plano de Trabalho e Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras 1. Introdução O Projeto Político-Pedagógico da Escola Legislativa de Araras foi idealizado pelo Conselho Gestor da Escola,

Leia mais

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO

COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO COMISSÃO ESTADUAL DA AGENDA TERRITORIAL DE DESENVOLVIMENTO INTEGRADO DE ALFABETIZAÇÃO E DE EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS NO ESPÍRITO SANTO REGIMENTO INTERNO SUMÁRIO CAPITULO I Do fundamento legal CAPITULO

Leia mais

O acesso a informações públicas será assegurado mediante:

O acesso a informações públicas será assegurado mediante: SIMRECI Sistema de Relacionamento com o Cidadão O SIMRECI é um programa de computador que oferece ferramentas para a gestão do relacionamento com o cidadão e, especialmente garante ao poder público atender

Leia mais

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹

Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ Plano de Comunicação para o Hospital Infantil Varela Santiago¹ José Alves de SOUZA² Maria Stella Galvão SANTOS³ Universidade Potiguar (UnP ), Natal, RN RESUMO Este Plano de Comunicação refere-se a um estudo

Leia mais

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA

NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA NET SERVIÇOS DE COMUNICAÇÃO S.A. CÓDIGO DE CONDUTA APRESENTAÇÃO Este é o Código de Conduta da Net Serviços de Comunicação S.A. e de suas controladas ( NET ). A NET instituiu este Código de Conduta norteado

Leia mais

Política de Comunicação Integrada

Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada agosto 2009 Política de Comunicação Integrada Política de Comunicação Integrada 5 1. Objetivos Promover a comunicação integrada entre as empresas Eletrobras e dessas

Leia mais

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES.

FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO. CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. FÓRUM PERMANENTE DA AGENDA 21 DE TANGUÁ RJ REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO l - DA CONSTITUIÇÃO, SEDE, OBJETIVOS, PRINCÍPIOS E ATRIBUIÇÕES. Art. 1º - O Fórum permanente da Agenda 21 de Tanguá, criado pela Lei

Leia mais