THAYANA MARINHO MIKOSZ IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO EM UM CRIATÓRIO DE AVES SILVESTRES E EXÓTICAS.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "THAYANA MARINHO MIKOSZ IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO EM UM CRIATÓRIO DE AVES SILVESTRES E EXÓTICAS."

Transcrição

1 THAYANA MARINHO MIKOSZ IMPORTÂNCIA DO MÉDICO VETERINÁRIO EM UM CRIATÓRIO DE AVES SILVESTRES E EXÓTICAS.

2 CURITIBA 2011 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR REALIZADO NO LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO E INCUBAÇÃO DE ANIMAIS ALTERNATIVOS, SILVESTRES E EXÓTICOS (LACRIAS). Relatório de estágio curricular apresentado como requisito à Conclusão do Curso de Graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Federal do Paraná Orientador: Prof. Dr. Edson Gonçalves de Oliveira Supervisor: Prof. Dr. Edson Gonçalves de Oliveira

3 AGRADECIMENTOS A Deus, por ter me guiado por todo este caminho e por sempre me abrir as portas da vida. À minha mãe e ao meu irmão, Sandra e Dhaniel, pelos ensinamentos ao longo da vida e por me incentivarem sempre. À minha bisavó e avó, Elena e Sueli, por haverem criado raízes sólidas e valores familiares dos quais sou fruto. Aos meus tios, Paulo e Valéria, pelo incentivo. Ao Jaci, Simone, Luana e Christian por tantos conselhos e orientações, estas que me permitiram a conclusão serena do curso. Ao Fernando, que sempre me compreendeu e me incentivou, aguentando noites mal dormidas em prol do estudo. Ao Seu João, por me mostrar pequenos sinais que indicam uma missão. Ao Professor Dr. Edson Gonçalves de Oliveira, pela amizade, supervisão e orientação e por haver confiado em mim. Às servidoras Terezinha de Pontes Rodrigues e à Divina, por tanto apoio e respeito, abrindo as portas de seu trabalho para que eu pudesse adquirir experiência, sempre com muita tolerância.

4 LISTA DE QUADROS E TABELAS As espécies silvestres e exóticas que constam no plantel do LACRIAS...pág. 32 Tabela dos animais necropsiados durante o período de estágio...pág. 39 Distribuição de espécies das aves que mais entraram na casuística de enfermidades...pág. 41

5 SUMÁRIO Resumo... pág. 7 I Revisão Bibliográfica...pág. 8 1 Introdução... pág. 8 2 Objetivo... pág Desenvolvimento...pág Doenças Parasitárias...pág Parasitas Internos...pág Parasitas Externos... pág Doenças de origem bacteriana... pág Doenças metabólicas e/ou nutricionais... pág Outras enfermidades comuns em criatórios... pág Clamidiose/Psitacose...pág Conclusão... pág. 31 II Relatório de Estágio... pág Introdução... pág Objetivo geral... pág Objetivos específicos... pág Local de trabalho...pág Atividades realizadas no LACRIAS... pág Materiais Utilizados... pág Resultados e Discussão...pág Vistoria geral... pág Ficha clínica dos animais...pág Montagem do mini-laboratório... pág. 39

6 7.4 Elaboração de fichas de necropsia e realização de necropsias... pág Procedimentos realizados nos casos ocorridos durante o estágio...pág Ascaridiose... pág Retenção de ovo... pág Aerossaculite... pág Mutilação por parceiros ou automutilação (distúrbio comportamental)... pág Sarna... pág Sinusite... pág Conjuntivite... pág Fratura em membro posterior... pág Cisto de pena... pág Realização de exames coproparasitológicos e elaboração de calendário... pág Análise macroscópica das fezes... pág Exame direto... pág Tópicos de melhoria de sanidade e higiene local versus o que já se realizava......pág Controle de pragas... pág Controle dos animais em reprodução através do método dos grampos... pág Acompanhamento da colocação de anilhas... pág Exames de sexagem... pág Acompanhamento do controle de reprodução já existente...pág Conclusão... pág. 53 APÊNDICE 1 Modelo de ficha clínica elaborada... pág. 54 APÊNDICE 2 Ficha de necropsia utilizada... pág. 56 APÊNDICE 3 Mini laboratório... pág. 57 APÊNDICE 4 Preço médio das aves que constam no plantel do LACRIAS...pág. 58 Referências Bibliográficas...pág. 59

7 7 RESUMO A demanda por aves no ramo pet vem crescendo significativamente no Brasil e no mundo. No Brasil, este costume é observado desde sua colonização, e já era praticado pelos silvícolas. Pela grande extensão de nosso território e pela grande diversidade de aves encontrada, somos mais propensos a atividade de criação e a pesquisa. Nota-se um maior interesse na criação de psitacídeos (Araras, Papagaios, Roselas, Calopsitas, Agapornis, Forpus, Ring neck, Katarina). Não é comum a contratação de médicos veterinários nestas criações. Em geral, os animais que adoecem são tratados com indicações de outros criadores, o que nem sempre gera um tratamento correto ou ainda resultados eficientes. Juntamente nota-se a falta de interesse de médicos veterinários a seguir a linha de trabalho com as aves. Busca-nos neste trabalho mostrar algumas ocorrências em criatórios de aves silvestres e exóticas que justificam a supervisão sanitária de um profissional de medicina veterinária para garantir menor ocorrência e óbitos.

8 8 I REVISÃO BIBLIOGRÁFICA 1 INTRODUÇÃO A classe das aves representa o maior número de indivíduos, tanto silvestres quanto exóticas, que são mantidas como animais de companhia em nosso meio e respondem diretamente pela crescente demanda pelo atendimento veterinário. Na literatura internacional encontram-se algumas informações sobre animais de nossa fauna,fato que difere na literatura nacional. É indicado a todos a permanência de um médico veterinário no local, sendo obrigatório para criadores autorizados pelo IBAMA (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis). Porém observa-se grande resistência por parte dos proprietários. Essa se deve pela falsa crença de que a presença de um médico durante algumas horas na semana, no local de criação, não trará resultados diferentes do que eles já obtêm e de que é financeiramente oneroso custear uma assistência técnica. Percebe-se que existem poucos profissionais especializados na medicina de aves e que conheçam o manejo mais adequado para estar numa produção comercial. Porém também falta conhecimento por parte dos criadores, sobre a atuação em criatórios de um médico veterinário, os benefícios econômicos advindos da melhoria da sanidade local. Em 1972, a Organização Panamericana da Saúde promoveu a realização do 2º Seminário sobre Educação em Medicina Veterinária na América Latina (Pfuetzenreite & Zylbersztajn, 2008). Na ocasião, foi apresentada uma síntese das atividades do médico veterinário: higiene dos alimentos (inspeção e controle dos alimentos de origem animal); saneamento ambiental (atuação no planejamento e instalação de indústrias pecuárias e de processamento de alimentos de origem animal com relação ao tratamento e destino de dejetos); promoção da saúde animal (produção de proteína animal e planificação de programas de profilaxia de enfermidades em animais); controle de zoonoses

9 9 (responsabilidade compartilhada entre os organismos governamentais ligados à agricultura e saúde). Entretanto, especificadamente sobre a área de aves como pet nada foi abordado. A atividade de clínica veterinária é a que mais se aproxima da medicina e traz como fundamento prático o conhecimento dos processos mórbidos nos organismos animais (Pfuetzenreite & Zylbersztajn, 2008). O campo de ação da clínica se apóia principalmente nas diversas técnicas diagnósticas para o tratamento das enfermidades. Nas áreas de Zootecnia e Produção Animal, o médico veterinário trabalha com a criação e aperfeiçoamento dos animais domésticos, procurando obter a melhor relação entre a quantidade ou valor de produtos de origem animal e o valor dos insumos aplicados à produção (Pfuetzenreite & Zylbersztajn, 2008). O conjunto de atividades desenvolvidas pelos profissionais que trabalham na área de medicina veterinária preventiva e saúde pública envolve conhecimentos que orientam medidas específicas para a proteção, manutenção e recuperação da saúde animal em prol da saúde humana por meio da monitoração, prevenção, controle e erradicação de enfermidades, especialmente as zoonoses (Pfuetzenreite & Zylbersztajn, 2008). A defesa da saúde animal exerce ação sobre a produtividade e a qualidade sanitária dos rebanhos e também dos produtos de origem animal. Os cursos de Medicina Veterinária são abrangentes e buscam que o aluno tenha noções de todas as áreas de atuação. Os alunos são submetidos a longo treinamento para aquisição de habilidades para exercer suas atividades com melhores resultados. Eles olham com seus próprios olhos, mas aprendem a ver com os olhos do coletivo (Pfuetzenreite & Zylbersztajn, 2008). Os estudantes são levados a observar precisamente

10 10 o que os professores de determinadas disciplinas com maior ênfase conhecem, ao mesmo tempo em que devem treinar a aptidão para ver outras formas (por exemplo, a concepção preventivista e social). A medicina veterinária possui sua própria cultura profissional, dentro de um contexto histórico que envolve práticas, códigos profissionais, crenças, valores e atitudes, moldando uma imagem relacionada ao modelo médico curativo mas que não pode fugir ao preventivo e informativo (Pfuetzenreite & Zylbersztajn, 2008). O trabalho dentro de um criadouro se faz necessário antes mesmo deste iniciar a criação propriamente dita. Cabendo ao médico veterinário orientar o proprietário sobre o planejamento da construção do mesmo, da legislação vigente, da classificação do criatório. Segundo a instrução normativa 93/1998 do IBAMA, animais silvestres são aqueles que seu ciclo, em algum momento de suas vidas, ocorre nos limites do território ou de águas brasileiras. Animais exóticos são aqueles que não apresentam nenhuma parte de seu ciclo em território brasileiro. Entram também nesta classificação os animais introduzidos pelo homem em nossa fauna. A normativa também classifica animais domésticos. Estes são descritos como aqueles que, em determinado momento de sua evolução apresentaram características biológicas e comportamentais de dependência do homem, sendo por meio de manejo ou não. Três tipos de criatórios são normatizados pelo IBAMA. 1) O criatório conservacionista tem por objetivo a criação e a reprodução, nesse contexto apoia as ações do IBAMA e dos demais órgãos ambientais envolvidos na conservação das espécies, auxiliando a manutenção de animais silvestres em condições adequadas de

11 11 cativeiro e dando subsídios no desenvolvimento de estudos. Nesta categoria, os animais não podem ser vendidos ou doados, apenas intercambiados com outros criadouros e zoológicos para fins de reprodução. 2) O criatório comercial tem por objetivo a produção das espécies para fins de comércio, seja do próprio animal ou de seus produtos e subprodutos. 3) Um criatório científico regulamenta as atividades de pesquisas científicas com animais silvestres. Só podem obter esse registro, Órgãos ou Instituições devidamente reconhecidas pelo Poder Público, como Universidades e Centros de Pesquisa. Vale citar que neste ano, em 2011, a IN 03/11 libera a comercialização de aves como Agapornis (Agapornis sp), Roselas (Platycercus eximius) e Ring Necks (Psittacula Kramer), com a justificativa de que quanto maior a criação de aves em cativeiro, menor será o contrabando. Mourão citado por Rocha (2003) afirma que, nos últimos anos, inúmeros interessados na criação de animais silvestres, foram desestimulados pela burocracia da legislação vigente, o que gerou a uma profunda necessidade de adaptação do mercado interno e de políticas governamentais, no afã de favorecer as atividades ambientais desenvolvidas no país. Atualmente, calcula-se que existem cerca de espécies de aves em todo o mundo (Renctas, 2002). O autor ainda cita, que entre os continentes, a América do Sul destaca-se como o mais rico qualitativamente, possuindo atualmente cerca de espécies de aves residentes e 2.920, caso sejam também incluídas as exóticas. Com toda esta variedade da fauna de aves, o Brasil possui exemplares muito cotados como animais

12 12 de estimação ou simplesmente decorativos, seja por sua beleza visual ou por suas habilidades de canto. Atualmente, o comércio ilegal de animais silvestres é a terceira atividade ilícita do mundo, depois das armas e das drogas. O Brasil participa com cerca de 5 a 15% do total mundial desse tipo de comércio (Renctas, 2002). O hábito de manter animais silvestres como mascotes vem desde o tempo da colonização do Brasil. Quando os portugueses aqui aportaram, incorporaram a prática dos índios de manter macacos e aves tropicais seus animais de estimação, além de utilizarem o colorido das penas de aves brasileiras para adorno de chapéus e outras peças do vestuário. Manter animais silvestres em cativeiro continua sendo uma característica cultural da população brasileira: partindo dos mais abastados, que exibem suas coleções particulares de animais silvestres como troféus à sua vaidade; até os de menor posse, que se embrenham na mata em busca desses animais que, quando vendidos, ajudarão a diminuir sua fome. A maior parte das aves silvestres disponíveis no comércio mundial vem dos trópicos, e esses, não são oriundos de criatórios legalizados e sim de um comércio ilegal. Diante desse fato, há um tráfico intenso desses animais no Brasil, levando esse grupo com maior número de espécies listado na fauna brasileira como sendo ameaçadas de extinção (Sick citado por Renctas, 2002), como por exemplo, a arara azul (Anodorhyncus hyacinthinus) que se reproduz em velocidade bem menor que o fluxo predatório. Verificase a existência de um amplo comércio mundial para todas as espécies, mas

13 13 especialmente para as mais ameaçadas, que são as mais valorizadas, por estarem em perigo. Segundo Borba e Martins, 1995, custo de produção é a soma dos valores de todos os recursos (insumos) e operações (serviços) utilizados no processo produtivo de certa atividade. Para fins de análise econômica, custo de produção é a compensação que os donos dos fatores de produção (terra, trabalho e capital), utilizados por uma empresa para produzir determinado bem, devem receber para que eles continuem fornecendo esses fatores à mesma. Para que o produtor passe a administrar o seu sistema de produção como uma empresa, necessário se faz que ele tenha conhecimento de quanto custa, para ele, produzir aquele bem, ou seja, ele tem que saber qual o custo de produção. Apesar dos muitos problemas com relação ao processo de apuração de dados e da subjetividade na sua estimativa, a determinação do custo de produção é uma prática necessária e indispensável ao bom administrador, constituindo-se em um valioso instrumento para as decisões do administrador. Os custos têm a finalidade de verificar se e como os recursos empregados, em um processo de produção, estão sendo remunerados, possibilitando, também, verificar como está a rentabilidade da atividade, comparada a alternativas de emprego do tempo e capital. Dados sobre custos de produção necessitam ser coletados todos os dias. Eles abrangem custos com mão de obra, alimentação, sanidade, reprodução, impostos, custos com materiais de escritório, combustível, juros, energia elétrica, luz, instalações, depreciação das mesmas, encargos financeiros, taxas, materiais de limpeza, entre outros. Com estes dados em mãos e uma produção controlada podemos analisar a rentabilidade da atividade gado de corte; reduzir os custos controláveis; determinar o preço de venda

14 14 compatível com o mercado em que atua; identificar e determinar a rentabilidade do produto; identificar o ponto de equilíbrio do sistema de produção de psitacídeos; servir como ferramenta extremamente útil para auxiliar o produtor no processo de tomada de decisões seguras e corretas. Segundo o Conselho Federal de Medicina Veterinária a Responsabilidade Técnica na área de criatórios tanto conservacionistas, quanto científicos ou comerciais de animais silvestres abrange: a) Acompanhar o Projeto aprovado pelo IBAMA, exigindo o cumprimento de todas as suas etapas; b) Orientar sobre o manejo adequado para cada espécie, procurando assegurar o bem estar animal; c) Garantir a profilaxia dos animais e higiene das instalações; d) Orientar sobre a alimentação adequada para cada espécie, bem como o armazenamento e qualidade dos insumos; e) Avaliar periodicamente a qualidade da água para abastecimento dos animais e para o consumo humano no estabelecimento; f) Proceder, responder ou fazer cumprir todos os atos que impliquem na adequada captura e contenção de animais silvestres por meios químicos (sedação, tranquilização e anestesia) e/ou físicos; g) Notificar as autoridades sanitárias de ocorrências de interesse para a saúde pública e animal, como por exemplo, zoonoses, antroponoses e outras doenças diagnosticadas clínica ou laboratorialmente por profissional capacitado. Tal notificação deve ser acompanhada de laudo técnico emitido pelo Responsável Técnico (RT) ou outro Profissional por ele designado para o assunto específico;

15 15 h) Promover o treinamento do pessoal envolvido com o manejo dos animais em todos os aspectos, a fim de garantir a segurança da população (visitantes), dos animais e dos próprios funcionários; i) Orientar a adequação e manutenção das instalações; j) Fazer cumprir todos as normas de segurança do trabalhador e certificar-se de que todos os equipamentos de segurança estejam em plenas condições de uso e disponíveis ao pessoal treinado para sua utilização; l) Deve atender todas as exigências do IBAMA, encaminhando os relatórios de acordo com aquela Instituição; k) Manter os funcionários envolvidos, cientes do risco de acidentes e zoonoses, além da preocupação com a higiene e profilaxia individual; m) Acatar e fazer cumprir as normas e legislação pertinente à sua área de atuação, agindo de forma integrada com os profissionais que exercem a fiscalização oficial. A carga horária mínima sugerida pelo Conselho Federal de Medicina Veterinária é de tempo integral para criatórios conservacionistas e científicos e de um período de 6 horas semanais para criatórios comerciais. O valor sugerido pelo Conselho é referente a 1,2 salários mínimos. No Estado do Paraná o valor atual do salário mínimo corresponde a R$639,26. O valor para uma RT realizada por um Médico Veterinário seria então de R$767,12.

16 16 2 OBJETIVO Geral: Ressaltar a importância do Médico Veterinário como profissional em criatórios. Específico: a- Enumerar e discorrer sobre as principais doenças encontradas no LACRIAS. b- Demonstrar, por meio da medicina curativa e preventiva, a importância da atuação do médico veterinário dentro de um criatório, afim de que cada animal permaneça em perfeito estado de sanidade e com alto índice de reprodução, para que o lucro relativo dos criadores cresça.

17 17 3 DESENVOLVIMENTO Esta revisão foi baseada em casos clínicos ocorridos durante o estágio curricular realizado no LACRIAS. 3.1 DOENÇAS PARASITÁRIAS Parasitas internos Os nematóides são vermes que normalmente são filiformes, apresentam um dos mais bem sucedidos planos de organização funcional e os mais bem sucedidos ciclos de vida desenvolvidos pela natureza (Rey, 1991). Suas formas típicas são fusiformes, alongadas, não-segmentada, com dimorfismo sexual e com simetria bilateral (Rey, 1991). Dos vários problemas sanitários que afetam as aves silvestres, as enfermidades parasitárias estão entre as mais frequentes, podendo causar desde infecções subclínicas até a morte (Freitas et. al., 2002), em que as endoparasitoses são muito comuns, principalmente em casos de criações com alta densidade populacional (Barnes, 1986). As infecções parasitárias podem interferir no comportamento e no desenvolvimento reprodutivo das aves em cativeiro, em virtude de uma nutrição inadequada e estresse, assim propiciar o aparecimento de infecções secundárias (Freitas et. al., 2002). Porém não se sabe se em aves de vida livre há um grau de patogenicidade efetivo (Keymer, 1982). Os nematóides encontrados no LACRIAS são descritos a seguir: A. Ascaridia galli O ciclo de vida desse helminto é simples e direto, os ovos são eliminados pelas fezes sendo eles, resistentes ao frio e à maioria dos desinfetantes (Rey, 1991). A larva

18 18 torna-se infectante no ovo após duas a três semanas. Quando os ovos são ingeridos pelo hospedeiro, as larvas eclodem no proventriculo e migram pela mucosa, retornando ao lúmen nas formas maduras (Davis et. al., 1977). Esses parasitas competem com o hospedeiro por nutrientes, prejudicando o estado geral da ave (caquexia). Os sinais clínicos associados à ascaridíase incluem perda de peso, anorexia, má absorção de nutrientes, anormalidades no crescimento dos filhotes, manifestações intestinais graves como hemorragias decorrentes de congestão e lesão da mucosa intestinal. Os animais apresentam anemia podendo apresentar tanta debilidade e até morrer. Os animais jovens são mais sensíveis (Back, 2002). O grande número de áscaris pode causar obstrução intestinal. Em aves produtoras de ovos, tais parasitas assumem maior importância, pois podem atingir o oviduto e ser incorporado ao ovo, porém não há risco a saúde pública (Back, 2002). O estresse provocado pela infestação desse parasita,favorece o surgimento de infecções secundárias como a Pasteurelose. Esta doença é causada por microrganismos pertencentes ao gênero Pasteurella, neste caso Pasteurella Multocida. Os vermes adultos de Ascaridia galli são encontrados no intestino, porém as formas jovens fazem ciclo hepático e pulmonar, até serem eliminados pela secreção pulmonar e chegar ao intestino, onde produzem ovos eliminados nas fezes e diagnosticados ao exame coproparasitológico (Steiner et. al., 1985). Seu ovo é visível através do exame direto de fezes e possue como característica membrana dupla, é redondo a oval (Steiner, 1985). Freitas et. al., (2002) encontraram em fezes de aves em cativeiro a prevalência de 21,8% de Ascaridia sp.

19 19 B. Capillaria sp: São parasitas normalmente espécie-específicos. Medem entre 0,6 e 2,5 cm (Rey, 1991). São bastante comuns em psitacídeos, causam hemorragia na mucosa e lesões diftéricas na boca, faringe, esôfago e inglúvio (Cubas, et. al., 2006). Como sinais clínicos podem passar desapercebidos ou manifestar atrofia de musculatura peitoral e plumagem descolorida decorrentes da má absorção intestinal de nutrientes (Cubas, et. al., 2006). O sinal clínico mais encontrado é o emagrecimento progressivo sem causa aparente (Rey,1991). A presença do parasita é diagnosticada pela constatação e identificação de ovos bioperculados em exame parasitológico de fezes pelo método de flutuação e presença de adultos no intestino delgado e fígado, por ocasião da necropsia (Cubas et. al., 2006); além de serem visíveis em raspados da mucosa intestinal (Rey,1991). Marietto Gonçalves et. al. (2006) analisaram fezes de aves silvestres everificaram que 19,3% das amostras estavam parasitadas com ovos de Ascaridia sp., Capillaria sp. e Heterakis sp., cistos de Balantidium sp., Blastocystis sp. e Entamoeba sp. e oocistos de coccídeos. Segundo Freitas et. al. (2002), a prevalência de Capillaria sp foi de 31,4%. Giovannoni e Kubiak (2001) descrevem a fauna parasitária de helmintos em animais domésticos necropsiados. Os autores relatam a presença de Ascaridia galli, Heterakis gallinae, Cheilospirura hamulosa, Tetrameres confusa, Capillaria annulata e Melleagris gallopavo em galinhas domésticas. Os helmintos com maior prevalência em aves domésticas encontrados por Permim (1997), foram os Heterakis gallinarum, Ascaridia galli, Capillaria anatis, Capillaria obsignata.

20 20 Em pesquisas realizadas no Brasil foi relatado prevalência de 29,2% de Capillaria sp em aves da família Psitacidae mantidas em cativeiro (Farret et. al., 2008). C. Coccidiose A coccidiose em aves é uma infecção intestinal causada na maioria das vezes por espécies do gênero Eimeria. Esses parasitas intracelulares multiplicam-se no intestino, causando destruição tecidual e prejudicando a digestão e a absorção dos alimentos, o que resulta em diarreia aquosa ou hemorrágica (Davis et.al., 1977). A coccidiose determina danos nos tecidos intestinais e mudanças nas funções do trato intestinal, permitindo a colonização de vários agentes patogênicos (Kawasoe, 2000). O ciclo de vida das coccídias envolve uma série de estágios no interior dos hospedeiros, gerando uma resposta imune bastante complexa que envolve tanto a imunidade mediada por células como a produção de anticorpos (Allen & Fetterer, 2002). A Eimeria sp. tem distribuição cosmopolita. Epidemiologicamente, seus oocistos são altamente resistentes, persistindo no ambiente até por anos (Steiner et.al., 1985). Estes protozoários são altamente hospedeiro-especificos, sendo que após a infecção há produção de imunidade espécie-especifica (Urquhart et. al., 1998). Após debelarem a infecção, as aves atingidas podem se recuperar e continuar eliminando oocistos no ambiente, condição que as caracteriza como portadores convalescentes (Urquhart et. al., 1998). Nas fezes de aves infectadas há eliminação de oocistos não esporulado, que em condições ambientais favoráveis se esporula e se torna infectante. A infecção ocorre com

21 21 a ingestão do oocisto esporulado, que então se dirige para os enterócitos aonde ocorre a reprodução tanto sexuada quanto assexuada, que gera lesão em epitélio e dificulta a função intestinal (Filho, 2006). A Eimeria sp. produz alterações na mucosa intestinal, cuja gravidade está relacionada a densidade parasitária e a localização dos parasitas na mucosa. Após a ruptura das células contendo esquizontes ou gamontes, o tecido em geral recupera lentamente sua morfologia básica. Ocorre em algumas espécies lesões superficiais do epitélio e a destruição das vilosidades intestinais, o que pode causar diminuição da absorção de nutrientes e consequente deficiência da conversão alimentar e aparece como sintoma clínico a diminuição de peso e problemas de crescimento (Urquhart et. al., 1998). (Cubas, 2006). O diagnóstico baseia-se no exame post-mortem de algumas aves acometidas Apesar dos oocistos poderem ser detectados nos exames de fezes, seria errado fazer o diagnóstico com base apenas nessas evidências, pois o maior efeito patogênico em geral ocorre antes da produção de oocistos, e dependendo do hospedeiro envolvido, a presença de grandes quantidades de oocistos não está necessariamente relacionada a graves alterações patológicas no intestino, já que há espécies apatogênicas (Urquhart et. al., 1998). Marietto Gonçalves et. al. (2006) analisaram fezes de aves silvestres e verificaram que 19,3% das amostras estavam parasitadas com oocistos de Coccídeos.

22 22 Segundo pesquisa realizada por Santos et. al. (2008), dentre os atendimentos realizados no Hospital Veterinário da Universidade Federal do Paraná, as endoparasitoses foram a segunda maior causa, ficando a coccidiose positiva em 45,83% dos casos Parasitas externos A. Knemidokoptes sp (sarna) A sarna knemidokóptica é provocada por vários tipos de ácaros da família Knemidokoptidae, todas parasitas da pele das aves (Marcondes, 2001). O ciclo biológico deste parasita abrange apenas um hospedeiro que ao penetrar na epiderme estimula a grande produção de substância córnea (Baumgartner, 1998). As manifestações clínicas em aves de vida livre são diferentes das aves em cativeiro (Jaensch et. al., 2003). O stress associado ao manejo incorreto e à insalubridade contribuem para a imunossupressão e para que a manifestação clínica se apresente (Cubas et. al., 2006). Os periquitos australianos (Melopsittacus undulatus) parecem ser os mais suscetíveis segundo Greiner, (1994). Zenoble em (1991), relata que estes artrópodes vivem nas partes desnudas do corpo ou até mesmo nas regiões emplumadas. A sarna ocasiona lesões proliferativas, hiperqueratosas e de aparência porosa (Cubas et. al., 2006). O espessamento da pele ocorre e pode acarretar deformação dos membros e perda dos dígitos (Bruno & Albuquerque, 2008). Os mesmos autores conduziram uma pesquisa em aves de cativeiro e encontraram 68% de animais positivos para a presença de Knemidokoptes sp.

23 23 No Hospital Veterinário da UFPR em 2008, Santos et. al., encontraram a prevalência de 39,02%, nas aves avaliadas, a maior dentre os ectoparasitos. No LACRIAS, dois animais apresentaram quadro clínico de hiperqueratose e crescimento excessivo de unhas duratnte o período de estágio curricular. Um sendo Agapornis personatta, outro Bolborhynchus lineola. B. Dermanyssus gallinae ( piolho de galinha ou ácaro vermelho ) São ácaros encontrados nos criatórios formando colônias nas frestas, fendas das madeiras, ninhos, em acúmulo de sujeiras como fezes, penas, poeira e teias de aranhas (Backer, 1999). Permanecem neste local a maior parte de seu ciclo, principalmente durante o dia e pela noite procuram aves para realizar o repasto sanguíneo (Backer, 1999). O ciclo total demora 7 dias (Wall & Shearer, 2001). Estes ácaros podem sobreviver por 10 semanas em um local sem aves (Wall & Shearer, 2001). Quando não encontram seu hospedeiro natural podem atacar mamíferos e até o homem (Backer, 1999). Possuem picada dolorosa, provocando dermatite (Cubas et. al., 2006). Fatores como a pluviosidade e a temperatura interferem na proliferação parasitária (Devidson et. al., 1994). No LACRIAS houveram durante o período de estágio curricular dois surtos de piolhos das aves. Um em setembro na sala dos Forpus sp, Agapornis sp e Nymphicus hollandicus. Outros surto ocorrendo no final de outubro num dos viveiros da sala de

24 24 Passeiriformes aonde se encontravam filhotes desmamados de Nymphicus hollandicus e Bolborhynchus lineola. 3.2 Doenças de origem bacteriana A. Aerossaculite A estrutura respiratória das aves compreende aproximadamente 20% do volume do corpo dos psitacídeos e as doenças relacionadas ao aparelho respiratório são relativamente comuns (Cubas et. al., 2006). A ocorrência é bem maior no inverno ou quando ocorrem mudanças bruscas de temperatura. Algumas considerações importantes sobre as diferenças anatômicas do aparelho respiratório das aves. A epiglote é ausente, assim como as cordas vocais, não há cartilagem tireóide, os anéis traqueais são completos, a siringe é aunsente, há presença de sacos aéreos e o diafragma é rudimentar (Davis et. al., 1977) Os sacos aéreos, em muitas espécies cobrem o coração, o fígado, os testículos, os rins, os ovários e intestinos. Eles são divididos em sacos aéreos: interclavicular (em algumas espécies), saco aéreo torácico cranial, saco aéreo torácico caudal, saco aéreo abdominal. O consumo de oxigênio em vôo é de 10 a 15 vezes maior que em repouso (Davis et. al., 1977). Segundo (Steiner et. al., 1985) sinais de que a função respiratória apresenta algum problema são aumento da frequência respiratória, cauda sacudindo, dificuldade respiratória, sonolência, penas/plumas eriçadas, sons respiratórios anormais, portanto o médico veterinário deve frequentar o criadouro com certa frequência para poder identificar as diferenças fisiológicas e particulares de cada ave. Além das diferenças entre espécies existem diferenças de indivíduo para indivíduo. Os sacos aéreos estão recobertos internamente por uma camada de células epiteliais que respondem fortemente a um insulto (Steinern et. al., 1985). Estes exsudatos

AUTO MUTILAÇÃO EM PSITACÍDEOS Revisão de Literatura.

AUTO MUTILAÇÃO EM PSITACÍDEOS Revisão de Literatura. AUTO MUTILAÇÃO EM PSITACÍDEOS Revisão de Literatura. BÉRGAMO, Mayara Discente do curso de Medicina Veterinária da Faculdade de Medicina Veterinária de Garça- FAMED PEREIRA, Rose Elisabeth Peres ZAPPA,

Leia mais

AVICULTURA ALTERNATIVA

AVICULTURA ALTERNATIVA AVICULTURA ALTERNATIVA Principais doenças e métodos de prevenção São várias as doenças que atacam as aves, a maioria são doenças respiratórias. Aspergilose é uma infecção que ataca as aves, sendo provocada

Leia mais

Streptococcus sp. Boletim Técnico

Streptococcus sp. Boletim Técnico Boletim Técnico S Streptococcus sp. C A Estreptococose é uma doença causada por bactérias gram positivas do gênero Streptococcus sp. e S. agalactiae. Esta é considerada a enfermidade de maior impacto econômico

Leia mais

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS

COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSES EM ANIMAIS DOMÉSTICOS Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais

Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais Nematóides mais comuns em Seres Humanos e Animais 1- Ascaridíase gênero Ascaris 2- Ancilostomíase gênero Ancylostoma 3- Oxiuríase gênero Enterobius 4- Filaríase gênero Wuchereria Ascaris O gênero Ascaris

Leia mais

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR

Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR MICOPLASMOSE AVIÁRIA Disciplina de Doença das Aves Domésticas Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Ciências Veterinárias - UFPR Mycoplasma gallisepticum, M.synoviae, M.meleagridis

Leia mais

SÍNDROME DO AUTO BICAMENTO EM AVES ORNAMENTAIS

SÍNDROME DO AUTO BICAMENTO EM AVES ORNAMENTAIS ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 SÍNDROME DO AUTO BICAMENTO EM AVES ORNAMENTAIS Melca Nicéia Altoé de Marchi 1 ; Jussara Maria

Leia mais

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides

Nematódeos. - infecção oral. Classificação. Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Ascarididae Ascaris lumbricoides Classificação Reino: Animalia Filo: Aschelminthes Classe: Nematoda Ordem: Ascaridida Família: Ascarididae Espécie: Ascaris lumbricoides Características gerais É o maior nematódeos do intestino do homem

Leia mais

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição

Ascaris lumbricoides. Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva. Nutrição Ascaris lumbricoides Fernanda Aparecida Gonçalves da Silva Nutrição Introdução O A.lumbricoides é encontrado em quase todos os países do globo, estimando-se que 30% da população mundial estejam por ele

Leia mais

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO

COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública COCCIDIOSE EM ANIMAIS DOMÉSTICO Adivaldo Henrique da Fonseca Prof. Titular de Doenças

Leia mais

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR

Colibacilose Aviária. Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Disciplina de Doença das Aves Curso de Medicina Veterinária MV Leonardo Bozzi Miglino Mestrando em Cinecias Veterinarias - UFPR Introdução Enfermidade sistêmica ou localizada causada E. coli, incluindo

Leia mais

MEDICINA VETERINÁRIA

MEDICINA VETERINÁRIA MEDICINA VETERINÁRIA 1. TURNO: Integral GRAU ACADÊMICO: Médico Veterinário PRAZO PARA CONCLUSÃO: Mínimo = 5 anos Máximo = 8 anos 2. PRINCÍPIOS NORTEADORES DO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Para a boa formação

Leia mais

Estabelecimento de protocolo para avaliação sanitária pré-soltura de Passeriformes

Estabelecimento de protocolo para avaliação sanitária pré-soltura de Passeriformes Universidade Estadual de Santa Cruz Departamento de Ciências Agrárias e Ambientais Grupo de Pesquisas em Animais Silvestres Estabelecimento de protocolo para avaliação sanitária pré-soltura de Passeriformes

Leia mais

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose

Sindrome respiratória felina. Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose DOENÇAS DE FELINOS Sindrome respiratória felina Rinotraquiete viral Clamidiose Calicivirose RINOTRAQUEÍTE Agente etiológico: Herpesvírus felino Conhecida como "a gripe do gato", pois os sintomas são parecidos

Leia mais

1. Programa Sanitário

1. Programa Sanitário Com metodologia baseada nos princípios da Medicina Veterinária Preventiva, este plano de trabalho foi estruturado para a implantação do Monitoramento Sanitário para Tilapicultura. 1. Programa Sanitário

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia

TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia TABELA DE EQUIVALÊNCIA Curso de Odontologia Disciplina A Disciplina B Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Currículo 64823 MICROBIOLOGIA GERAL 17/34 ODONTOLOGIA MICROBIOLOGIA

Leia mais

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE)

Código Sanitário para Animais Terrestres - 2008 Versão em português baseada na versão original em inglês de 2007 - Versão não oficial (OIE) OUTRAS DOENÇAS CAPÍTULO 2.10.1 Zoonoses Transmissíveis por Primatas não Humanos Artigo 2.10.1.1. Introdução Há cerca de 180 espécies diferentes de primatas não humanos pertencentes a duas subordens divididas

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES]

www.drapriscilaalves.com.br [VERMINOSES] [VERMINOSES] 2 Os cães e gatos podem albergar uma grande variedade de vermes (helmintos) que causam danos como perda de peso, crescimento tardio, predisposição a outras doenças, menor absorção e digestão

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA

SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SEAB DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL DDSA ÁREA DE SANIDADE AVÍCOLA ASA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N. º 005/2008 O CHEFE DA DIVISÃO DE DEFESA SANITÁRIA ANIMAL - DDSA, no uso das atribuições legais e com fundamento no art. 8º, da Resolução nº. 029/06 -, de 14 de março de 2006, Considerando

Leia mais

Questionário Proficiência Veterinária

Questionário Proficiência Veterinária Tema Elaborador Caso Clínico PARASITOSE EM AVES Daniel de Almeida Balthazar, Zootecnista e Médico Veterinário, Clínica e Cirurgia de animais selvagens e domésticos. Em uma criação de perus com aproximadamente

Leia mais

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC

Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC Pesquisa Científica de Parasitologia em Rio dos Cedros-SC A pesquisa foi realizada pelo Laboratório Freitag & Weingärtner durante o período de 01/06/2005 a 31/08/2005 na cidade de Rio dos Cedros-SC em

Leia mais

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS

PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS COLÉGIO JOÃO PAULO I LABORATÓRIO DE BIOLOGIA - 2º ANO PROF. ANDRÉ FRANCO FRANCESCHINI PROTOZOÁRIOS PARASITAS INTESTINAIS AMEBÍASE Agente causador: Entamoeba histolytica. Diagnóstico: E. P. F. exame parasitológico

Leia mais

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio

Vírus - Características Gerais. Seres acelulares Desprovidos de organização celular. Não possuem metabolismo próprio vírus Vírus - Características Gerais Seres acelulares Desprovidos de organização celular Não possuem metabolismo próprio Capazes de se reproduzir apenas no interior de uma célula viva nucleada Parasitas

Leia mais

39 Por que ferver a água antes de beber?

39 Por que ferver a água antes de beber? A U A UL LA Por que ferver a água antes de beber? Todo ano seu Antônio viaja para o litoral com a família e enfrenta sempre os mesmos problemas: congestionamento na estrada, praias lotadas e sujas que,

Leia mais

Enfermidades Nutricionais. M.V. Patrick Westphal Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR

Enfermidades Nutricionais. M.V. Patrick Westphal Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR Enfermidades Nutricionais M.V. Patrick Westphal Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR 2011 INTRODUÇÃO Doenças não infecciosas que afetam as aves; Erros na Formulação; Necessidade de conhecimento para

Leia mais

Definições. O que é um INCUBATÓRIO. Custo de produção. Controle sobre a prole. Manejo intensivo para domesticação. o Justificativa de instalação

Definições. O que é um INCUBATÓRIO. Custo de produção. Controle sobre a prole. Manejo intensivo para domesticação. o Justificativa de instalação Definições O que é um INCUBATÓRIO o Justificativa de instalação Custo de produção Controle sobre a prole Manejo intensivo para domesticação Manejo de Incubatório Equipamentos necessários o Incubadora Tamanho

Leia mais

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel

Ano VI Número 11 Julho de 2008 Periódicos Semestral ANCILOSTOMÍASE. OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel ANCILOSTOMÍASE OLIVEIRA, Fábio FAGUNDES, Eduardo BIAZOTTO, Gabriel Discentes da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia de Garça FAMED NEVES, Maria Francisca Docente da Faculdade de Medicina Veterinária

Leia mais

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1.

HIGIENE ZOOTÉCNICA. Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1. HIGIENE ZOOTÉCNICA Prof. Paulo Francisco Domingues Departamento de Higiene Veterinária e Saúde Pública FMVZ UNESP - Botucatu 1 Tortuga A HIGIENE NO PROCESSO DE PRODUÇÃO ANIMAL Genética Alimentação Produção

Leia mais

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo

COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO. Profª Fernanda Toledo COLÉGIO ALEXANDER FLEMING SISTEMA RESPIRATÓRIO Profª Fernanda Toledo RECORDAR Qual a função do alimento em nosso corpo? Por quê comer????? Quando nascemos, uma das primeiras atitudes do nosso organismo

Leia mais

Ecologia da Febre Maculosa

Ecologia da Febre Maculosa Ecologia da Febre Maculosa Depois dos mosquitos, carrapatos hematófagos estão em segundo lugar como fonte de trasmissão de patógenos aos seres humanos, mas estão em primeiro lugar como fonte de transmissão

Leia mais

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus.

Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. SAÚDE AMBIENTAL DOENÇAS CAUSADAS PELA FALTA DE SANEAMENTO BÁSICO HEPATITE A Doença causada por vírus. Contaminação: água e alimentos contaminados com fezes de pessoas portadoras do vírus. Falta de higiene,

Leia mais

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS

Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS Riscos Ambientais MAPA DE RISCOS MAPA DE RISCOS Previsto na NR 5. 5.16 A CIPA terá por atribuição: a) identificar os riscos do processo de trabalho, e elaborar o mapa de riscos, com a participação do maior

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC CENTRO DE CIÊNCIAS AGROVETERINÁRIAS - CAV COORDENAÇÃO DO CURSO DE PÓS GRADUAÇÃO - CAV ESTUDO EDUCATIVO EPIDEMIOLÓGICO DA DOENÇA DE AUJESZKY EM SANTA CATARINA

Leia mais

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC)

DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE LEISHMANIOSE VISCERAL CANINA (LVC) 1 Quando é que se deve suspeitar de leishmaniose visceral num cão? Sempre que o cão apresentar o conjunto de sintomas da doença, ou seja, emagrecimento,

Leia mais

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção

CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO. Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE. Campanha regional. Promoção CARTILHA CUIDE DO SEU REBANHO Contra a BRUCELOSE ou TUBERCULOSE Campanha regional Promoção INTRODUÇÃO A Tuberculose que é causada pelo Mycobacteium bovis e a Brucelose causada pela brucella abortus, atacam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS VETERINÁRIAS CLOSTRIDIOSES EM AVES Larissa Pickler Médica Veterinária Mestranda em Ciências Veterinárias - UFPR Formas

Leia mais

MAPA DE RISCOS COMSAT

MAPA DE RISCOS COMSAT MAPA DE RISCOS COMSAT Comissão de Saúde do Trabalhador 1 - Cores usadas no Mapa de Risco e Tabela de Gravidade GRUPO 1: VERDE GRUPO 2: VERMELHO GRUPO 3: MARROM GRUPO 4: AMARELO GRUPO 5: AZUL Riscos Físicos

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS

MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS MATRIZ CURRICULAR DO CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA DISCIPLINAS OBRIGATÓRIAS DISCIPLINA UNIDADE PRÉ-REQUISITO CH SEMANAL CH SEMESTRAL TEO PRA TEO PRA 1. Administração Rural EA Economia Rural 2 1 32 16 48

Leia mais

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.*

Nº CASOS NOVOS OBTIDOS TAXA INCID.* HANSENÍASE O Ministério da Saúde tem o compromisso de eliminação da hanseníase como problema de saúde pública até 2015, ou seja, alcançar menos de 1 caso por 10.000 habitantes. Pode-se dizer que as desigualdades

Leia mais

[PARVOVIROSE CANINA]

[PARVOVIROSE CANINA] [PARVOVIROSE CANINA] 2 Parvovirose Canina A Parvovirose é uma doença infecto-contagiosa causada por um vírus da família Parvoviridae. Acomete mais comumente animais jovens, geralmente com menos de 1 ano

Leia mais

ENDOPARASITOSE EM AVES - Revisão de Literatura

ENDOPARASITOSE EM AVES - Revisão de Literatura ENDOPARASITOSE EM AVES - Revisão de Literatura RENNÓ, Pauyra de Paula QUEIROZ, Fernanda Meira GARCIA, Braulio Paleari PRADO, Raquel Nakamura Almeida SIMÕES, Marcela Meneghetti SOUZA, João Paulo Fontini

Leia mais

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor.

Doença de Chagas. 4) Número de Aulas: as atividades serão desenvolvidas em três etapas, divididas em aulas a critério do professor. Doença de Chagas Introdução Em 1909 o pesquisador do Instituto Osvaldo Cruz, Carlos Chagas, descobriu uma doença infecciosa no interior de Minas Gerais. Segundo seus estudos, era causada pelo protozoário

Leia mais

BACTERIOSES EM PEIXES: O QUE FAZER?

BACTERIOSES EM PEIXES: O QUE FAZER? BACTERIOSES EM PEIXES: O QUE FAZER? Dra. Andréa Belém Costa Universidade Federal do Amazonas UFAM Grupo de Pesquisa em Sanidade e Imunologia de Peixes - SIPX XX Encontro de Truticultores Campos do Jordão

Leia mais

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT)

BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) BRUCELOSE E TUBERCULOSE BOVINA E BUBALINA Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) Prof. Dr. Ernst E. Müller Departamento de Medicina Veterinária Preventiva

Leia mais

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I

ALIMENTAÇÃO Preventiva. Volume I ALIMENTAÇÃO Preventiva Volume I By porque evoluir é preciso Que o teu alimento seja seu medicamento Hipócrates Pai da medicina moderna Não coma, nutra-se! Existem muitas informações importantes disponíveis,

Leia mais

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES

OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES OS EFEITOS DO PÓ NOS PULMÕES Introdução É possível que o nível de doenças ocupacionais provocadas pelo pó se encontre em declínio, embora isso não signifique que esteja desaparecendo. Na atualidade, os

Leia mais

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso

ANEXO. CONTEÚDO PROGRAMÁTICO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do curso ANEXO Para candidatos que desejam entrar na 2ª etapa do Metabolismo (anabolismo x catabolismo) Metabolismo de Carboidratos Metabolismo de Lipídeos Motilidade no trato gastrointestinal Introdução ao Metabolismo

Leia mais

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão?

Perguntas frequentes. 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? Perguntas frequentes 1) O que é a febre aftosa? Quais as principais formas de transmissão? A febre aftosa é uma doença infecciosa aguda que causa febre, seguida do aparecimento de vesículas (aftas), principalmente,

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO

PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL TRATADOR(A) DE ANIMAIS EM CATIVEIRO PERFIL PROFISSIONAL Tratador/a de animais em Cativeiro Nível 2 CATÁLOGO NACIONAL DE QUALIFICAÇÕES 1/8 ÁREA DE ACTIVIDADE - AGRO-ALIMENTAR OBJECTIVO

Leia mais

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular.

Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade I Energia: Conservação e transformação. Aula 5.1 Conteúdo: Sistema cardiovascular. 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO

Leia mais

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman

043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman DO de 08/08/13 NOVA ESTRUTURA 043765 S/SUBVISA/SVFSZ/UJV Unidade de Diagnóstico, Vigilância, Fiscalização Sanitária e Medicina Veterinária Jorge Vaitsman Cumprir e fazer cumprir no Município do Rio de

Leia mais

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado

Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil.. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado Criação e Comércio de ANIMAIS Silvestres e Exóticos no Brasil. Processo de Licenciamento. Gerenciamento. Mercado ABRASE Associação Brasileira de Criadores e Comerciantes De Animais Silvestres e Exóticos

Leia mais

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição

Relatos de casos de Strongyloides stercoralis. Isabelle Assunção Nutrição Relatos de casos de Strongyloides stercoralis Isabelle Assunção Nutrição RECIFE/2011 INTRODUÇÃO A estrongiloidíase é uma helmintíase predominantemente intestinal causada pelo Strongyloides stercoralis,

Leia mais

Anatomia e Fisiologia Humana

Anatomia e Fisiologia Humana Componentes Vias Respiratórias A) Cavidades ou Fossas Nasais; B) Boca; C) Faringe; D) Laringe; E) Traqueia; F) Brônquios; G) Bronquíolos; H) Pulmões Cavidades ou Fossas Nasais; São duas cavidades paralelas

Leia mais

29/03/2012. Introdução

29/03/2012. Introdução Biologia Tema: - Sistema Respiratório Humano: órgãos que o compõem e movimentos respiratórios; - Fisiologia da respiração ; - Doenças respiratórias Introdução Conjunto de órgãos destinados à obtenção de

Leia mais

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna

Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna 10 Capítulo 3 Úlceras Tróficas de Perna As úlceras tróficas de perna constituem uma doença mutilante comum, que surge geralmente a partir de um pequeno trauma ou de uma infecção secundária em regiões da

Leia mais

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS

PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS PLANTAS TÓXICAS EM PASTAGENS No Brasil uma das principais causas da mortalidade em ruminantes acontece devido a ingestão de plantas tóxicas. Define-se planta tóxica como qualquer vegetal que quando ingerido

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CAMPUS DE PALOTINA HOSPITAL VETERINÁRIO RELATÓRIO DE EXAME NECROSCÓPICO Identificação do animal Nome/número RG do HV Espécie: Raça: Idade: Sexo: Peso: Cor: Data e hora do

Leia mais

Como controlar a mastite por Prototheca spp.?

Como controlar a mastite por Prototheca spp.? novembro 2013 QUALIDADE DO LEITE marcos veiga dos santos Professor Associado Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da USP www.marcosveiga.net O diagnóstico da mastite causada por Prototheca spp.

Leia mais

campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens

campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens campanha nacional de combate ao tráfico de animais selvagens CONSELHO FEDERAL DE MEDICINA VETERINÁRIA SISTEMA CFMV/CRMVs Campanha Nacional de Combate ao Tráfico de Animais *O tráfico de animais é a terceira

Leia mais

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms)

Glossário. Caso Pendente de Intoxicação: aquele que não passou por avaliação médica.(oms) Toxicovigilância Glossário Agente Tóxico (Toxicante): é qualquer substância, ou seus metabólitos, capaz de produzir um efeito tóxico (nocivo, danoso) num organismo vivo, ocasionando desde alterações bioquímicas,

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO

UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAI CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE MEDICINA - BACHARELADO EMENTAS DISCIPLINAS MATRIZ 3 1º AO 3º PERÍODO 1 º Período C.H. Teórica: 90 C.H. Prática: 90 C.H. Total: 180 Créditos: 10

Leia mais

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25

Doenças Respiratórias Crônicas. Caderno de Atenção Básica 25 Doenças Respiratórias Crônicas Caderno de Atenção Básica 25 PREVALÊNCIA O Asma (acomete cerca de 300 milhões de indivíduos no mundo) O Rinite Alérgica (afeta cerca de 20 25% da população) O DPOC (afeta

Leia mais

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h

Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA Informe do dia 26.04.09, às 13h Ministério da Saúde Gabinete Permanente de Emergências em Saúde Pública ALERTA DE EMERGÊNCIA DE SAÚDE PÚBLICA DE IMPORTÂNCIA INTERNACIONAL Ocorrências de casos humanos de influenza suína no México e EUA

Leia mais

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível.

VALÊNCIAS FÍSICAS. 2. VELOCIDADE DE DESLOCAMENTO: Tempo que é requerido para ir de um ponto a outro o mais rapidamente possível. VALÊNCIAS FÍSICAS RESISTÊNCIA AERÓBICA: Qualidade física que permite ao organismo executar uma atividade de baixa para média intensidade por um longo período de tempo. Depende basicamente do estado geral

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS

CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS CONTROLE DA SAÚDE DO TRABALHADOR NAS EMPRESAS Dr. Ailton Luis da Silva www.healthwork.com.br ailton@healthwork.com.br Tel: (11) 5083-5300 Modelos de Serviços de Saúde Ocupacional existentes. A Convenção

Leia mais

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves

Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Programa de Estágio em Educação Ambiental Jardim Zoobotânico de Toledo Parque das Aves Estamos cadastrando alunos cursando Biologia interessados em trabalhar em atividades monitoradas em Ed.Ambiental no

Leia mais

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia.

PROVA FORMAÇÃO DE AGENTE DE COMBATE A ENDEMIAS Prefeitura Municipal de Ouro Preto 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. 1- Assinale a alternativa que define o que é epidemiologia. a) Estudo de saúde da população humana e o inter relacionamento com a saúde animal; b) Estudo de saúde em grupos de pacientes hospitalizados;

Leia mais

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO

www.cpsol.com.br TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO TEMA 003 CONHEÇA E PREVINA AS DOENÇAS DO INVERNO 1/8 O inverno chegou e junto com ele maiores problemas com as doenças respiratórias entre outras Isso não ocorre por acaso já que pé nesta estação onde

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*)

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO SUPERIOR RESOLUÇÃO CNE/CES 1, DE 18 DE FEVEREIRO DE 2003. (*) Institui Diretrizes Curriculares Nacionais dos Cursos de Graduação em Medicina Veterinária.

Leia mais

Bacharelado em Medicina Veterinária

Bacharelado em Medicina Veterinária Bacharelado em Medicina Veterinária INFORMAÇÕES Duração do Curso: 05 anos (10 semestres) Horário: Manhã Número de Vagas: 100 anuais Coordenador: Profº Dr. Carlos Tadeu Bandeira de Lavor O CURSO O Curso

Leia mais

Bactérias e Doenças Associadas

Bactérias e Doenças Associadas Bactérias e Doenças Associadas Disenteria Bacilar Agente Etiológico: Bactérias do gênero Shigella Forma de transmissão: Água e alimentos contaminados com as fezes dos doentes. Sintomas: Infecção intestinal,

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro

Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro 1 Núcleo de Pesquisa, Ensino e Extensão em Pecuária www.ufpel.edu.br/nupeec Efeitos do estresse calórico sobre a produção e reprodução do gado leiteiro Marcelo Moreira Antunes Graduando em Medicina Veterinária

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA

INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA INSTRUÇÃO DE SERVIÇO N.º 014/2007 - GEDSA Considerando, a importância da avicultura catarinense para a economia do estado; Considerando a necessidade de controle sanitário para evitar a reintrodução da

Leia mais

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO

DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª: : FLÁVIA NUNES DOENÇAS INFECCIOSAS DO CORAÇÃO ENDOCARDITE REUMÁTICA O desenvolvimento da endocardite reumática é atribuído diretamente à febre reumática, uma doença

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Ensino das matérias pré-profissionalizantes relacionadas as áreas da Medicina Veterinária Preventiva, Saúde Animal e Saúde Pública Veterinária

Ensino das matérias pré-profissionalizantes relacionadas as áreas da Medicina Veterinária Preventiva, Saúde Animal e Saúde Pública Veterinária Comissão de Ensino e Pesquisa Ensino das matérias pré-profissionalizantes relacionadas as áreas da Medicina Veterinária Preventiva, Saúde Animal e Saúde Pública Veterinária Profª. Drª. Elma P. S. Polegato

Leia mais

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão.

Para entender bem a doença é preciso entender suas fontes de infecção e suas principais vias de transmissão. DIAGNÓSTICO SANITÁRIO DO REBANHO: MAIS VANTAGENS COM A MESMA AMOSTRA. A Associação Paranaense de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa (APCBRH) apresenta a todos os associados, produtores e indústrias

Leia mais

DISCIPLINAS MINISTRADAS PELO DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA

DISCIPLINAS MINISTRADAS PELO DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA DISCIPLINAS MINISTRADAS PELO DEPARTAMENTO DE CLÍNICA E CIRURGIA VETERINÁRIA Anestesiologia e Técnica Cirúrgica Carga-Horária: 120h Pré-medicação anestésica. Anestesia local. Anestesias regionais. Anestesia

Leia mais

Aula 4: Sistema digestório

Aula 4: Sistema digestório Aula 4: Sistema digestório Sistema digestório As proteínas, lípideos e a maioria dos carboidratos contidos nos alimentos são formados por moléculas grandes demais para passar pela membrana plasmática e

Leia mais

19/10/2011. Ricardo M. Hayashi. - Adaptação do agente ao hospedeiro. - Seleção genética para alta produtividade. - Densidade do galpão (aves/m2)

19/10/2011. Ricardo M. Hayashi. - Adaptação do agente ao hospedeiro. - Seleção genética para alta produtividade. - Densidade do galpão (aves/m2) Ricardo M. Hayashi Médico Veterinário Mestrando em Ciências Veterinárias UFPR - Adaptação do agente ao hospedeiro - Seleção genética para alta produtividade - Densidade do galpão (aves/m2) - Otimização

Leia mais

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS

IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Instituto de Veterinária Departamento de Epidemiologia e Saúde Pública IMPORTÂNCIA E CONTROLE DAS HELMINTOSES DOS CÃES E GATOS Adivaldo Henrique da Fonseca

Leia mais

Com auxílio da bioinformática, grupo da USP gera catálogo de genes de espécies de Eimeria

Com auxílio da bioinformática, grupo da USP gera catálogo de genes de espécies de Eimeria Com auxílio da bioinformática, grupo da USP gera catálogo de genes de espécies de Eimeria Os pesquisadores Arthur Gruber e Alda Madeira, professores do Instituto de Ciências Biomédicas da USP e seu grupo

Leia mais

Cuidados e recomendações TOP WESTIES

Cuidados e recomendações TOP WESTIES w w w.. c o m ÍNDICE Introdução... 3 Vermifugação... 4 Vacinas... 5 Doenças... 6 Alimentação... 7 Pulgas e carrapatos... 8 INTRODUÇÃO Este documento serve para mostrar e orientar os donos e futuros donos

Leia mais

LEVANTAMENTO DAS PARASITOSES INTESTINAIS NOS MUNICÍPIOS DE MARINGÁ E SARANDI-PR.

LEVANTAMENTO DAS PARASITOSES INTESTINAIS NOS MUNICÍPIOS DE MARINGÁ E SARANDI-PR. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 LEVANTAMENTO DAS PARASITOSES INTESTINAIS NOS MUNICÍPIOS DE MARINGÁ E SARANDI-PR. Stella Lopes de Faria 1 ; Elvira

Leia mais

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO]

www.drapriscilaalves.com.br [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] [COMPLEXO RESPIRATÓRIO VIRAL FELINO] 2 Complexo Respiratório Viral Felino É um conjunto de sintomas causado pelas doenças Rinotraqueíte Felina e Calicivirose Felina. São doenças virais cujos sinais clínicos

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM CATIVEIRO NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SETOR DE FAUNA SILVESTRE DEPARTAMENTO DE BIODIVERSIDADE SECRETARIA DO AMBIENTE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL MANUAL PARA INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO DE EMPREENDIMENTOS DE USO E MANEJO DE FAUNA SILVESTRE EM

Leia mais

35 Como o berne aparece no boi?

35 Como o berne aparece no boi? A U A UL LA Como o berne aparece no boi? A criação de gado requer dos fazendeiros, entre outras coisas, o cuidado com a saúde dos animais, pois os bois são atingidos por muitas doenças. Nesta aula vamos

Leia mais

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA

OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA OBJETIVOS DA PARASITOLOGIA ESTUDAR A MORFOLOGIA E A BIOLOGIA DOS PARASITOS COMO FUNDAMENTO PARA CONHECER PATOGENIA, DIAGNÓSTICO, TRATAMENTO E CONTROLE (PROFILAXIA) DAS DOENÇAS CAUSADAS POR ELES Profa.

Leia mais

Sistema Digestivo - Função

Sistema Digestivo - Função Sistema Digestivo Fome Saciedade Sistema Digestivo - Função O organismo humano recebe os nutrientes através dos alimentos. Estes alimentos têm de ser transformados em substâncias utilizáveis, envolvendo

Leia mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais

A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais PROFESSORA NAIANE A respiração ocorre dia e noite, sem parar. Nós podemos sobreviver determinado tempo sem alimentação, mas não conseguimos ficar sem respirar por mais de alguns poucos minutos. Você sabe

Leia mais

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite

para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Björn Qvarfordt Técnico habilitado realizando manutenção preventiva no equipamento de ordenha Medidas práticas para controle da mastite e melhora da qualidade do leite Por: Renata Travaglini Gonçalves

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO DE CIÊNCIAS NATURAIS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No domínio Viver melhor na Terra, o aluno deve ser capaz de: Compreender a importância da saúde individual e comunitária na qualidade

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais