Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro"

Transcrição

1 Sessão de Esclarecimento e Debate sobre a Reforma da Administração Pública O SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SIADAP * Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro 1

2 O SIADAP Portaria nº1633/2007 de 31 de Dezembro: Os modelos de fichas de avaliação do desempenho de dirigentes intermédios e dos trabalhadores As listas de competências O modelo de fichas de reformulação de objectivos Os modelos de fichas de monitorização As instruções de preenchimento das fichas 2

3 O SIADAP A avaliação e gestão do desempenho enquadra-se no processo modernização da A.P. Focalização no cidadão/utente Reforço do conceito de liderança Gestão por objectivos orientada para resultados Cultura de responsabilidade Reconhecer e premiar o mérito Qualificação das pessoas Melhoria contínua 3

4 O SIADAP Em síntese Desenvolver uma cultura de gestão orientada para resultados com base em objectivos previamente estabelecidos. Auto-avaliação e auto-regulação Mobilizar os trabalhadores em torno da missão essencial do serviço, orientando a sua actividade em função de objectivos claros e critérios de avaliação transparentes Reconhecer o mérito, assegurando a diferenciação e valorização dos níveis de desempenho 4

5 Uma melhor gestão dos recursos humanos Perfis de Competências Posicionamento remuneratório e prémios Planeamento de Efectivos Gestão e Avaliação do Desempenho Mobilidade profissional Recrutamento e Selecção Gestão por Objectivos Formação Qualificação 5

6 Perspectiva integrada Avaliação e gestão do desempenho Das pessoas Dos Serviços Dirigentes Outros trabalhadores Auto-avaliação Serviços de inspecção e de auditoria Entidades externas 6

7 Integração e Coerência Objectivos fixados na Carta de Missão Objectivos anuais do serviço Objectivos fixados aos dirigentes Objectivos fixados aos trabalhadores 7

8 Subsistemas do SIADAP Sistema Integrado de Avaliação do Desempenho Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Serviços Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Dirigentes Subsistema de Avaliação do Desempenho dos Trabalhadores SIADAP 1 SIADAP 2 SIADAP 3 8

9 QUAR - Quadro de Avaliação e Responsabilização A missão do serviço Os objectivos anualmente fixados Componentes Os objectivos estratégicos plurianuais determinados superiormente Os indicadores de desempenho e respectivas fontes de verificação Os meios disponíveis O grau de realização de resultados obtidos na prossecução de objectivos A identificação dos desvios e, sinteticamente, as respectivas causas A avaliação final do desempenho do serviço 9

10 Avaliação dos Serviços SIADAP 1 Objectivos de Eficácia Objectivos de eficiência Objectivos de qualidade PARÂMETROS Medida em que um serviço atinge os seus objectivos e obtém ou ultrapassa os resultados esperados Relação entre os bens produzidos e serviços prestados e os recursos utilizados Conjunto de propriedades e características de bens ou serviços, que lhes conferem aptidão para satisfazer necessidades explícitas ou implícitas dos utilizadores. GRADUAÇÃO Superou o objectivo Atingiu o objectivo Não atingiu o objectivo 10

11 Avaliação Final dos Serviços Desempenho Bom Atingiu todos os objectivos, superando alguns Desempenho Satisfatório Atingiu todos os objectivos ou os mais relevantes Desempenho Insuficiente Não atingiu os objectivos mais relevantes 11

12 Modalidades da avaliação Auto-avaliação Obrigatória e Anual Em referência ao QUAR Integra o RA Acompanhada de informação (Cfr. Art.15.º) Hetero-avaliação Operadores internos (Inspecções-gerais) Operadores externos 12

13 Avaliação dos Serviços Pode ser atribuída aos serviços com avaliação de Desempenho Bom uma distinção de mérito reconhecendo Desempenho Excelente (significa superação global dos objectivos) Por ministério, até 20% dos serviços Por proposta do serviço competente em matéria de planeamento, estratégia e avaliação Tem efeitos: Aumento de 25% para 35% e de 5% para 10% das percentagens máximas (SIADAP 2 & 3) Reforço de dotações orçamentais para mudança de posições remuneratórias ou prémios Reforço para novos projectos de melhoria 13

14 Avaliação dos Dirigentes SIADAP 2 Avaliação de dirigentes superiores (os de 2.º grau não eram avaliados) Dirigentes Intermédios Introdução de Percentagens de diferenciação do desempenho NOVO 14

15 Avaliação dos Dirigentes Superiores e Intermédios Tipo de avaliação AVALIAÇÃO GLOBAL AVALIAÇÃO INTERCALAR No termo das respectivas comissões de serviço, conforme o respectivo estatuto, ou no fim do prazo para que foram nomeados Anualmente Periodicidade Nota Não produz efeitos na respectiva carreira de origem 15

16 Avaliação final Desempenho Inadequado Percentagens Máximas Pressupostos Desempenho adequado Desempenho relevante 25% do total de dirigentes intermédios do serviço Desempenho excelente 5% de entre as menções de relevante Atingiu e ultrapassou todos os objectivos Demonstrou em permanência capacidades de liderança, de gestão e compromisso com o serviço público que podem constituir exemplo para os restantes trabalhadores 16

17 Ponderação dos parâmetros de avaliação Grupos Resultados Competências Dirigentes Mínima de 75% Máxima de 25% Uma predominância decisiva do parâmetro resultados 17

18 Alterações ao sistema anterior Apenas dois parâmetros de avaliação Resultados Competências 18

19 Mais simples: Não há, em regra, ponderação por cada Objectivo e por cada Competência Fixação de três níveis de avaliação final: Desempenho Relevante (+ Excelente) Desempenho Adequado Desempenho Inadequado 19

20 Avaliação dos resultados atingidos Avaliação expressa em três níveis Nível Pontuação Objectivo superado Objectivo atingido Objectivo não atingido

21 Avaliação das competências Avaliação expressa em três níveis Nível Pontuação Competência demonstrada a um nível elevado Competência demonstrada Competência não demonstrada ou inexistente

22 Avaliação final = resultado da média ponderada das pontuações dos dois parâmetros Avaliação final é expressa em três menções Menção qualitativa Pontuação Desempenho Relevante Desempenho Adequado Desempenho Inadequado 4 a 5 2 a 3,999 1 a 1,999 22

23 Ponderação dos parâmetros de avaliação Grupos Resultados Competências (Regime transitório) Competências Dirigentes Mínima de 75% Máxima de 25% Técnico Superior e Técnico Téc. Profissional e Administrativo Operário e Auxiliar Mínima de 60% Máxima de 40% Pode ser de 100% 23

24 Regime transitório (3 anos) para certos grupos profissionais NOVO Cumulativamente Trabalhadores a quem, no recrutamento, para a respectiva carreira, é exigida habilitação nível da escolaridade obrigatória ou conferente de diploma do 12º ano do ensino secundário Trabalhadores a desenvolver actividades ou tarefas caracterizadas como de rotina, padronizadas, previamente determinadas e executivas 24

25 Avaliação apenas com base nas competências Visa avaliar: Os conhecimentos As capacidades técnicas Os comportamentais susceptíveis de influenciar o desempenho duma função Pode ser atribuída ponderação diversa a cada competência de forma a destacar a sua importância no exercício de funções Escolhidas para cada trabalhador (mediante acordo) não inferior a oito, uma delas deve relacionar-se com a capacidade de realização e orientação para resultados 25

26 Diferenciação de desempenhos Percentagem máxima de 25% para as avaliações finais de Desempenho Relevante 5% para o reconhecimento de Desempenho Excelente (de entre as avaliações de Desempenho Relevante) Proposto pelo avaliador ou Proposto pelo avaliado NOVO 26

27 Conselho Coordenador da Avaliação Mais simples: Composição de entre 3 a 5 dirigentes designados pelo dirigente máximo. Nos serviços de grande dimensão pode ser desdobrado em secções autónomas, presididas pelo dirigente máximo e com número restrito de dirigentes. Quando, por condicionantes orgânicas, não for possível a constituição do CCA pode ser constituída uma Comissão de Avaliação (por despacho DM). 27

28 Outras alterações Nova ficha e metodologia relativa à auto-avaliação (momento e efeitos) Ficha para monitorização de desempenho Fundamental para uma avaliação mais fundamentada e objectiva e para melhoria do desempenho Ficha de reformulação de objectivos Assume-se a possibilidade, em casos de evidente necessidade Requerimento de reunião de avaliação pelo avaliado Reforço dos meios de exercício do direito por parte do avaliado 28

29 Outras alterações Ficha de avaliação mais objectiva: Inscrição dos objectivos da unidade orgânica, dos indicadores de medida e definição dos critérios de superação Listas de competências mais extensas e adequadas Instituição da Comissão Paritária Deixa de existir avaliação extraordinária e o suprimento de avaliação Publicidade dos actos 29

30 SISTEMA INFORMÁTICO DE APOIO EM 2009 Sistema GeADAP (Desenvolvido pela GeRAP/IIMFAP) Funções de Administração do Sistema Avaliação de Serviços Avaliação das Unidades Orgânicas Avaliação de Dirigentes e Trabalhadores Relatórios do Organismo Agregação de dados e produção de Indicadores SIADAP

31 SIADAP 1,2,3 31

32 SIADAP 1,2,3 Agregação de dados 32

33 Documentação Documentos de apoio disponíveis em 33

34 O SIADAP OBRIGADO PELA VOSSA ATENÇÃO Luís Evangelista (Director de Serviços da DGAEP) 34

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro

SIADAP LEI N.º 66-B/2007 de 28 de Dezembro Âmbito de aplicação (art.º 2.º) SISTEMA INTEGRADO DE GESTÃO E DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA SIADAP Âmbito genérico de aplicação: - Administração directa do Estado; - Administração

Leia mais

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP

Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Avaliação do Pessoal Não Docente SIADAP Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro com as alterações introduzidas pela Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro SIADAP: PERIODICIDADE: bianual Requisitos para a avaliação:

Leia mais

Avaliação e gestão do. Lei nº 66-B/2007 de 28 de Dezembro

Avaliação e gestão do. Lei nº 66-B/2007 de 28 de Dezembro Avaliação e gestão do desempenho 2008 Lei nº 66-B/2007 de 28 de Dezembro Subsistemas SIADAP 1- Avaliação de desempenho dos serviços da Administração Pública SIADAP 2 Avaliação de desempenho dos dirigentes

Leia mais

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO 2011/2012 SIADAP Lei n.º 66 B/2007

CALENDÁRIO DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO 2011/2012 SIADAP Lei n.º 66 B/2007 1. Planeamento do processo de avaliação, definição dos objectivos e resultados a atingir de acordo com o Plano de Actividades e QUAR para o ano 2012; definição de avaliadores para o ano 1ª Semana de Janeiro.

Leia mais

Plano de Intervenção Avaliadores

Plano de Intervenção Avaliadores Plano de Intervenção Avaliadores Apresentam-se algumas especificidades do processo SIADAP 2012 visando o esclarecimento da abordagem a prosseguir pelos Avaliadores. Para obter esclarecimentos adicionais

Leia mais

Enquadramento do SIADAP DEFINIÇÃO, PRINCÍPIOS E OBJETIVOS

Enquadramento do SIADAP DEFINIÇÃO, PRINCÍPIOS E OBJETIVOS SIADAP Autarquias Locais Lei nº 66-B/2007, de 28 de Dezembro Decreto Regulamentar nº 18/2009, de 4 de Setembro. Enquadramento do SIADAP DEFINIÇÃO, PRINCÍPIOS E OBJETIVOS Enquadramento do SIADAP - Definição,

Leia mais

Sessão de Trabalho SIADAP 1 - MEI

Sessão de Trabalho SIADAP 1 - MEI Sessão de Trabalho SIADAP 1 - MEI 17 Novembro Agenda Ciclo de gestão 2008/2009 Balanço da aplicação do SIADAP 1-2008 Boas práticas na definição dos objectivos do QUAR Intervenções e debate 1 Ciclo de Gestão

Leia mais

NIF. Período em avaliação / / a / /

NIF. Período em avaliação / / a / / AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TRABALHADORES (SIADAP 3) FICHA DE AVALIAÇÃO MINISTÉRIO SERVIÇO NIF (A preencher pelo avaliador) Avaliador Cargo NIF Avaliado Categoria/carreira Unidade orgânica NIF Período em avaliação

Leia mais

MANUAL DE APOIO AO SIADAP

MANUAL DE APOIO AO SIADAP MANUAL DE APOIO AO SIADAP O SIADAP (Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública) é enquadrado pela Lei n.º 66- B/2007, de 28 de dezembro e é de aplicação obrigatória.

Leia mais

SIADAP 2.ª geração NOVO PARADIGMA DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS XXIX COLÓQUIO NACIONAL ATAM. Cristina Ribeiro

SIADAP 2.ª geração NOVO PARADIGMA DA GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS XXIX COLÓQUIO NACIONAL ATAM. Cristina Ribeiro 2.ª geração DE RECURSOS HUMANOS ATAM 1 e2 na sequência da extinção da Inspecção-Geral da Administração Pública (IGAP), a função fiscalizadora da Inspecção-Geral de Finanças (IGF) surge agora reforçada

Leia mais

DIRETRIZES DO CCA-IST

DIRETRIZES DO CCA-IST DIRETRIZES DO CCA-IST 19.01.2015 PLANEAMENTO DO SIADAP PARA 2015-2016 Nos termos dos artigos 58.º e 62.º da Lei do SIADAP 1 (LSIADAP), o Conselho Coordenador de Avaliação (CCA) define as regras a seguir

Leia mais

Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2013/14

Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 2013/14 Relatório do Sistema Integrado de Avaliação de Desempenho na Administração Pública 213/14 da Universidade do Minho Maio de 215 471-57 Braga P Etapas formais: Pretende-se com este documento elaborar um

Leia mais

FICHA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TRABALHADORES (SIADAP 3) MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE MUNICÍPIO DE CAMINHA

FICHA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TRABALHADORES (SIADAP 3) MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE MUNICÍPIO DE CAMINHA FICHA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO TRABALHADORES (SIADAP 3) MINISTÉRIO DAS CIDADES, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E AMBIENTE MUNICÍPIO DE CAMINHA (A preencher pelo avaliador) Avaliador NIF 5 0 0 8 4 3 1 3 9

Leia mais

O Ciclo Anual do Processo Gestão Pública. 23 Março 2010

O Ciclo Anual do Processo Gestão Pública. 23 Março 2010 DGPJ O Ciclo Anual do Processo Gestão Pública 23 Março 2010 O Ciclo Anual de Gestão Fixação dos objectivos do serviço para o ano seguinte, tendo em conta a sua missão, as suas atribuições, os objectivos

Leia mais

DIRETRIZES DO CCA-IST

DIRETRIZES DO CCA-IST DIRETRIZES DO CCA-IST 13.05.2013 PLANEAMENTO DO SIADAP PARA 2013/2014 A Lei do Orçamento de Estado para 2013 introduziu alterações significativas no SIADAP 1, que obrigam a mudanças nos procedimentos desenvolvidos

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL Cada Unidade Orgânica deve constituir uma bateria de objectivos directamente relacionados com o QUAR / Plano de Actividades por carreiras de onde serão seleccionados

Leia mais

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho?

FAQ. 1. Qual o âmbito de aplicação pessoal da portaria n.º 242/2011, de 21 de junho? FAQ SISTEMA DE AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DA CARREIRA ESPECIAL DE ENFERMAGEM I. Enquadramento 1. Quais os instrumentos legais aplicáveis ao SIADAP dos enfermeiros? Ao SIADAP dos enfermeiros aplicam-se os

Leia mais

O NOVO SIADAP. I. Os Ciclos de Avaliação

O NOVO SIADAP. I. Os Ciclos de Avaliação A partir de 1 de janeiro de 2013, com a entrada em vigor da Lei do Orçamento de Estado para 2013 (Lei n.º 66-B/2012, de 31 de dezembro), foram introduzidas alterações ao Sistema Integrado de Gestão e Avaliação

Leia mais

DESPACHO DO VICE-ALMIRANTE DIRECTOR-GERAL Nº 6/2009

DESPACHO DO VICE-ALMIRANTE DIRECTOR-GERAL Nº 6/2009 DESPACHO DO VICE-ALMIRANTE DIRECTOR-GERAL Nº 6/2009 ASSUNTO: QUADRO DE QUOTAS DE DIFERENCIAÇÃO DE DESEMPENHOS, PONDERAÇÃO DOS RESULTADOS E COMPETÊNCIAS, QUADRO DE ORIENTAÇÃO PARA ATRIBUIÇÃO DE EXCELÊNCIA

Leia mais

Relatório de auditoria

Relatório de auditoria gabinete de auditoria interna Relatório de auditoria SIADAP 2012 sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na administração pública programa 2012 n.º1 >2014 Página1 Índice A. SUMÁRIO EXECUTIVO...

Leia mais

Organismo avaliado: SG. 1. Enquadramento. 2. Parecer com análise crítica. 3. Documentos de referência

Organismo avaliado: SG. 1. Enquadramento. 2. Parecer com análise crítica. 3. Documentos de referência Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da SG (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: SG 1. Enquadramento

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2012/M, de 8 de outubro

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE. Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2012/M, de 8 de outubro AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE Decreto Regulamentar Regional n.º 26/2012/M, de 8 de outubro DIMENSÕES DA AVALIAÇÃO Científica e pedagógica; Participação nas atividades do estabelecimento de

Leia mais

REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA. TÍTULO I Disposições gerais e comuns

REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA. TÍTULO I Disposições gerais e comuns REGULAMENTO DO SISTEMA DE GESTÃO E AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO NA SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE LISBOA TÍTULO I Disposições gerais e comuns Capítulo I Objecto e âmbito Artigo 1.º Objecto 1. O presente regulamento

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NA AET a) Fixação do nº mínimo de objetivos por carreira: Dirigentes Intermédios (coordenadora Técnica) 4 Objetivos (um funcional, um de relacionamento e um de grau

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º de Setembro de

Diário da República, 1.ª série N.º de Setembro de Diário da República, 1.ª série N.º 172 4 de Setembro de 2009 5935 4 Os administradores designados nos termos deste artigo ficam sujeitos a todas as regras destes Estatutos, nomeadamente no que respeita

Leia mais

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório

da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Regulamento da Avaliação do Desempenho e Alteração do Posicionamento Remuneratório Capítulo I Generalidades Artigo 1.º Objecto O presente regulamento, editado com base nos artigos 74.º-A a 74.º-C do ECDU,

Leia mais

ASSISTENTE TÉCNICO, ASSISTENTE OPERACIONAL, TÉCNICO DE INFORMÁTICA E VIGILANTE DA NATUREZA 1. ENQUADRAMENTO

ASSISTENTE TÉCNICO, ASSISTENTE OPERACIONAL, TÉCNICO DE INFORMÁTICA E VIGILANTE DA NATUREZA 1. ENQUADRAMENTO MATRIZ PARA PONDERAÇÃO CURRICULAR PARA OS ANOS DE 20 E 206 de acordo com o disposto no artigo 4.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro. ENQUADRAMENTO A presente matriz de avaliação tem por base a ponderação

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA

REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA 5538 Diário da República, 1.ª série N.º 162 21 de Agosto de 2009 Curso Tecnológico de Administração e Marketing Componentes Carga horária semanal 90 min. Disciplinas de Formação 10.º 11.º 12.º Português

Leia mais

Avaliação do Desempenho de Docentes

Avaliação do Desempenho de Docentes Agrupamento de Escolas de Ponte da Barca Avaliação do Desempenho de Docentes Decreto Regulamentar 2/2010 de 23 de Junho Julho/2010 Em Destaque: 1. Objectivos da avaliação do desempenho. 2. Relevância da

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Relatório 2013/2014. Divisão de Gestão de Recursos Humanos

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Relatório 2013/2014. Divisão de Gestão de Recursos Humanos AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Relatório 2013/2014 Divisão de Gestão de Recursos Humanos Índice Síntese do processo... 3 Reconhecimento de Desempenho Relevante e Excelente... 5 Reclamações... 6 Análise estatística

Leia mais

Proposta Regulamento do Conselho de Coordenação da Avaliação e Secção Autónoma da Câmara Municipal do Barreiro

Proposta Regulamento do Conselho de Coordenação da Avaliação e Secção Autónoma da Câmara Municipal do Barreiro Proposta Regulamento do Conselho de Coordenação da Avaliação e Secção Autónoma da Câmara Municipal do Barreiro O Decreto Regulamentar nº 18/2009, de 4 de setembro, procedeu à adaptação às Autarquias Locais

Leia mais

Fax: A presente versão do projecto de Regulamento da UP será objecto de sugestões:

Fax: A presente versão do projecto de Regulamento da UP será objecto de sugestões: Exmo Senhor Prof. Doutor JOSÉ CARLOS MARQUES DOS SANTOS Reitor da Universidade do Porto Fax: 220408186 N/Refª:Dir:NIG/0383/10 08-04-2010 Assunto: Projecto de regulamento de avaliação de desempenho dos

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 009 Presidência do Conselho de Ministros ORGANISMO: INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, I.P. MISSÃO: O Instituto Nacional de Estatística tem por Missão produzir

Leia mais

SIADAP 1, 2 e 3 MANUAL DE EXECUÇÃO BIÉNIO

SIADAP 1, 2 e 3 MANUAL DE EXECUÇÃO BIÉNIO SIADAP 1, 2 e 3 MANUAL DE EXECUÇÃO BIÉNIO 2017-2018 1 SIADAP 1 AVALIAÇÃO DOS SERVIÇOS APLICAÇÃO A avaliação do desempenho das unidades orgânicas é efetuada anualmente, em articulação com o ciclo de gestão

Leia mais

Avaliação do Desempenho dos - SIADAP 1 (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) avaliação

Avaliação do Desempenho dos - SIADAP 1 (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) avaliação Avaliação do Desempenho dos Serviços da Administração Pública P - SIADAP 1 (Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Relatório de auto-avalia avaliação A Avaliação e o Ciclo de Gestão (art. 8.º) O ciclo de

Leia mais

PARTE J3 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

PARTE J3 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO MINISTÉRIO DAS FINANÇAS Diário da República, 2.ª série N.º 104 30 de maio de 2013 17389 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO MAR, DO AMBIENTE E DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO Direção-Geral de Alimentação e Veterinária Aviso (extrato)

Leia mais

Assunto: Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP)

Assunto: Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP) Ofício Circular 13/GDG/08 Assunto: Sistema integrado de gestão e avaliação do desempenho na Administração Pública (SIADAP) A Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro, veio rever e aperfeiçoar o anterior sistema

Leia mais

Deliberação do Conselho de Ministros

Deliberação do Conselho de Ministros DB 772/2007 2007.12.27 Deliberação do Conselho de Ministros O sector público tem enfrentado uma crescente pressão por parte dos cidadãos e empresas, que manifestam expectativas cada vez maiores quanto

Leia mais

Academia das Ciências de Lisboa M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O E C I Ê N C I A

Academia das Ciências de Lisboa M I N I S T É R I O D A E D U C A Ç Ã O E C I Ê N C I A RELATÓRIO DE AUTO-AVALIAÇÃO Na sequência do Relatório de Atividades do ano 2014, a ACL apresenta em síntese o exercício de autoavaliação dos objetivos alcançados e os desvios verificados face aos objetivos

Leia mais

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL SIADAP 2. Orientações gerais e comuns a todas as Unidades Orgânicas do IPL:

NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL SIADAP 2. Orientações gerais e comuns a todas as Unidades Orgânicas do IPL: NORMAS DE APLICAÇÃO DO SIADAP 2 E 3 NO IPL I SIADAP 2 Orientações gerais e comuns a todas as Unidades Orgânicas do IPL: 1. No início da sua comissão de serviço e no quadro das suas competências legais,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GUALDIM PAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGULAMENTAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS GUALDIM PAIS AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGULAMENTAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DO PESSOAL NÃO DOCENTE REGULAMENTAÇÃO DOS CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR (Aprovados na reunião do Conselho de Coordenação de Avaliação de 11 de Outubro de 2010) PREÂMBULO A

Leia mais

Plano de Carreiras. Capítulo I Disposições gerais

Plano de Carreiras. Capítulo I Disposições gerais Plano de Carreiras Capítulo I Disposições gerais Artigo 1.º Âmbito de aplicação 1 O plano de carreiras aplica-se a todos os trabalhadores, com exceção dos dirigentes ou assessores contratados através de

Leia mais

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo

Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Tomada de posse do Director-Geral das Alfândegas e dos Impostos Especiais sobre o Consumo Intervenção do Ministro de Estado e das Finanças Fernando Teixeira dos Santos - 16 de Janeiro de 2008 - Senhores

Leia mais

DESPACHO. Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio.

DESPACHO. Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 de Maio. DESPACHO A concretização do sistema de avaliação do desempenho estabelecido no Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário (ECD), recentemente regulamentado,

Leia mais

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO

Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do MS) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da ARS CENTRO (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) Organismo avaliado: ARS CENTRO 1.

Leia mais

LINHAS GERAIS. Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro

LINHAS GERAIS. Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro LINHAS GERAIS DA Lei de Vínculos, Carreiras e Remunerações (LVCR) Lei nº 12-A/2008, de 27 de Fevereiro Arnaldo Azevedo 1 Quadros e carreiras Vínculos Mobilidade Regime remuneratório rio 2 Quadro de pessoal

Leia mais

Disposições gerais Objecto

Disposições gerais Objecto O Decreto-Lei n.º 15/2007, de 19 de Janeiro procedeu à alteração ao Estatuto da Carreira dos Educadores de Infância e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário consagrando um regime de avaliação

Leia mais

Alto Comissariado da Saúde

Alto Comissariado da Saúde Alto Comissariado da Saúde QUAR 2010 Projecto de Parecer emitido pelo Alto Comissariado da Saúde (GPEARI do Ministério da Saúde) com Análise Crítica da Auto-Avaliação da Direcção-Geral da Saúde Setembro

Leia mais

Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR

Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR Direcção Regional de Educação de Lisboa e Vale do Tejo CRITÉRIOS DE PONDERAÇÃO CURRICULAR A fixação dos critérios da ponderação curricular, bem como a respectiva valoração é feita por grupo profissional,

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2016/2017. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2016/2017. Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 2016 2017 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2016/2017 Agrupamento de Escolas de Condeixa-a-Nova 16.11.2016 1. ÂMBITO Dando cumprimento ao disposto no decreto regulamentar nº 26/2012, de 21 de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º xx/2012

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA. Portaria n.º xx/2012 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Portaria n.º xx/2012 A presente Portaria regulamenta a avaliação do desempenho docente dos diretores de agrupamentos de escolas ou escolas não agrupadas, dos diretores

Leia mais

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância

QUAR 40% 75% INDICADORES. CLASSIFICAÇÃO Ind 1 Número de acordos EA subscritos meta 2012 Tolerância QUAR ANO:2012 Ministério da Economia e do Emprego INSTITUTO PORTUGUÊS DE ACREDITAÇÃO, I.P. (IPAC) MISSÃO: Prestar serviços de acreditação, nos termos previstos no Regulamento (CE) 765/2008. VISÃO: Ser

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO SECRETARIA Serviço ou Organismo NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA OS DIRIGENTES DE NÍVEL INTERMÉDIO A preencher pelo avaliador Avaliador Cargo NIF Avaliado Cargo Unidade orgânica NIF Período em avaliação a 1.

Leia mais

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente

Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Projecto de Decreto Regulamentar Avaliação de Desempenho Docente Uma avaliação dos professores justa, séria e credível, que seja realmente capaz de distinguir o mérito e de estimular e premiar o bom desempenho,

Leia mais

MANUAL DE APOIO Adaptação do SIADAP 3 Trabalhadores integrados nas carreiras médicas.

MANUAL DE APOIO Adaptação do SIADAP 3 Trabalhadores integrados nas carreiras médicas. MANUAL DE APOIO Adaptação do SIADAP 3 Trabalhadores integrados nas carreiras médicas www.acss.min-saude.pt Índice Matérias CONSIDERAÇÕES GERAIS Enquadramento; Subsistemas; Princípios; Objetivos do processo

Leia mais

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES Regulamento Interno AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES REGULAMENTO INTERNO DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES NORMA I ÂMBITO E DEFINIÇÃO 1. O presente regulamento, em conformidade com

Leia mais

1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados.

1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados. II Enquadramento 1. O Decreto Regulamentar n.º 57/80, de 10 de Outubro, assentava o seu sistema de avaliação em características pessoais dos notados. 2. O Decreto Regulamentar n.º 44-B/83, de 1 de Junho,

Leia mais

PROPOSTA DE INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO

PROPOSTA DE INSTITUTO POLITÉCNICO DE CASTELO BRANCO P R O P O S TA D E R EG U L A M E N TO AVA LIAÇÃO DO DES EMPENH O DO PES SOAL DOCENTE DO I NSTITUTO POLI TÉCNI C O DE CA STE LO BR ANCO (Artº 35º-A do DL 207/2009 de 31 de Agosto) PROPOSTA DE REGULAMENTO

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns

REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO. CAPÍTULO I Disposições Comuns REGULAMENTO INTERNO DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOS DOCENTES DO ENSINO PORTUGUÊS NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I Disposições Comuns SECÇÃO I Disposições gerais Artigo 1º Objecto O presente regulamento procede

Leia mais

Artigo 1.º Fins. 2. O Conselho Técnico-Científico deliberará sobre as situações específicas mencionadas no número anterior.

Artigo 1.º Fins. 2. O Conselho Técnico-Científico deliberará sobre as situações específicas mencionadas no número anterior. Projecto de Regulação do Processo de Avaliação de Desempenho e de Posicionamento Remuneratório dos Docentes e Investigadores no Instituto Politécnico de Lisboa Artigo 1.º Fins O presente regulamento define

Leia mais

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DO INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P.

DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DO INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. DELIBERAÇÃO DO CONSELHO DIRECTIVO DO INSTITUTO NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL, I.P. I - No âmbito do Regime Jurídico de Vinculação, Carreiras e Remunerações (LVCR), compete ao Conselho Directivo do INAC, I.P.,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO IPV

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO IPV AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO IPV REUNIÃO COM AS UNIDADES ORGÂNICAS DO IPV 14 DE NOVEMBRO DE 2012 Pedro Rodrigues Mário Cunha Raquel Vaz AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DO PESSOAL DOCENTE DO IPV

Leia mais

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Quinta-feira, 28 de junho de 2012 Número 124

SUPLEMENTO I SÉRIE ÍNDICE. Ministério das Finanças. Quinta-feira, 28 de junho de 2012 Número 124 I SÉRIE Quinta-feira, 28 de junho de 2012 Número 124 ÍNDICE SUPLEMENTO Ministério das Finanças Portaria n.º 198-A/2012: Adapta à Autoridade Tributária e Aduaneira, a seguir designada por AT, os Subsistemas

Leia mais

Introdução: qual o objectivo deste manual?

Introdução: qual o objectivo deste manual? Introdução: qual o objectivo deste manual? A Secção de Recursos Humanos da Área de Administração e Recursos Humanos do Departamento de Administração e Finanças pretende, com este Manual, disponibilizar

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 FCT QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO 2008 Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Visão: Objectivos Estratégicos (OE): OE 1. Fomentar o desenvolvimento da competência científica e tecnológica

Leia mais

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra

O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra O Instituto Nacional de Estatística, INE, IP, abre procedimento concursal para preenchimento do Cargo de Delegada/o do INE na Delegação de Coimbra (Direção Intermédia de 2º Grau) Designação do Cargo: Áreas

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Orientações da SADD. SADD 2012 Orientações para ADD Página 1

AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO. Orientações da SADD. SADD 2012 Orientações para ADD Página 1 AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO Orientações da SADD SADD 2012 Orientações para ADD Página 1 0 - Notas introdutórias Avaliação do Desempenho Docente Âmbito Periocidade e requisito temporal Aplica-se aos docentes

Leia mais

Presidência do Conselho de Ministros Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro. Orientações SIADAP

Presidência do Conselho de Ministros Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro. Orientações SIADAP Presidência do Conselho de Ministros Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro Orientações SIADAP 2013-2014 e 2015-2016 FICHA TÉCNICA Título Orientações SIADAP 2013-2014 e 2015-2016

Leia mais

O Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes

O Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes O Processo de Avaliação de Desempenho dos Docentes Serviço Qualidade Pedagógica da Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Coimbra Janeiro 2014 Este documento encontra-se estruturado

Leia mais

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012

Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 Avaliação do desempenho do docente -2011/2012 (Decreto-regulamentar n.º 26/2012, de 21 de Fevereiro) A avaliação do desempenho do pessoal docente visa a melhoria da qualidade do serviço educativo e das

Leia mais

RECOMENDAÇÕES N.º 3/CCAP/2008

RECOMENDAÇÕES N.º 3/CCAP/2008 PRINCÍPIOS ORIENTADORES PARA A DEFINIÇÃO DOS PADRÕES RELATIVOS ÀS MENÇÕES QUALITATIVAS RECOMENDAÇÕES N.º 3/CCAP/2008 JULHO DE 2008 Índice INTRODUÇÃO 1 PRINCÍPIOS ORIENTADORES E RECOMENDAÇÕES 3 Princípios

Leia mais

PARECER PROJECTO DE DESPACHO

PARECER PROJECTO DE DESPACHO PARECER PROJECTO DE DESPACHO Percentagens máximas para atribuição da avaliação final de Desempenho Relevante e o reconhecimento de Desempenho Excelente para os docentes que exercem cargos de gestão e administração"

Leia mais

Regulamentação. Guia informativo para Contratados

Regulamentação. Guia informativo para Contratados Regulamentação Guia informativo para Contratados Férias Os trabalhadores têm direito a um período de férias remuneradas em cada ano civil, nos termos previstos no Código do Trabalho (Lei n.º 7/2009, de

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Regulamento dos Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência Os Quadros de Valor, de Mérito e de Excelência destinam-se a tornar patente o reconhecimento de aptidões e atitudes

Leia mais

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP)

REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) REGULAMENTO Modelo de Gestão de Desempenho da Fundação Fernando Pessoa (FFP) / Universidade Fernando Pessoa (UFP) Grupo Estratégico de Recursos Humanos Cláudia Camelo Cristina Pimentão Pedro Cunha 2 ENQUADRAMENTO

Leia mais

Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação PROJECTO DE DECRETO REGULAMENTAR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

Gabinete do Secretário de Estado Adjunto e da Educação PROJECTO DE DECRETO REGULAMENTAR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE PROJECTO DE DECRETO REGULAMENTAR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE 18 de Março de 2010 1 [Preâmbulo] Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 Maio. Assim: Nos termos da alínea

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES

Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES ASCUDT - Associação Sócio-Cultural dos Deficientes de Trás-os-Montes Sistema de Gestão da Qualidade ANÁLISE E INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DA AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS COLABORADORES (novembro 2014) Índice

Leia mais

FAQ S SIADAP-RAM DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 27/2009/M, DE 21/8

FAQ S SIADAP-RAM DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 27/2009/M, DE 21/8 FAQ S SIADAP-RAM DECRETO LEGISLATIVO REGIONAL N.º 27/2009/M, DE 21/8 1- Uma trabalhadora que entrou de licença de maternidade a partir de Setembro 2010, e nessa altura também mudou de Director, como fica

Leia mais

Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009

Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009 Parecer da DGAI sobre a Auto-Avaliação do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras relativa ao desempenho de serviço, em 2009 (Artigo 17.º da Lei n.º 66-B/2007, de 28 de Dezembro) 1 Enquadramento De acordo

Leia mais

QUAR 2014 revisto (31/07/2014) Autorizado pela Tutela (05/01/2015)

QUAR 2014 revisto (31/07/2014) Autorizado pela Tutela (05/01/2015) QUAR 2014 revisto (31/07/2014) Autorizado pela Tutela (05/01/2015) ANO: 2014 MINISTÉRIO: Presidência do Conselho de Ministros SERVIÇO: INSTITUTO NACIONAL DE ESTATÍSTICA, I.P. MISSÃO: O Instituto Nacional

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO MINISTÉRIO Organismo/Serviço NIF FICHA DE AVALIAÇÃO PARA O GRUPO PROFISSIONAL DO PESSOAL AUXILIAR Avaliador Cargo NIF A preencher pelo avaliador Avaliado Unidade orgânica Carreira Categoria NIF Período

Leia mais

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA CRITÉRIOS DE SELEÇÃO E RESPETIVA METODOLOGIA DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA aprovados através de processo de consulta escrita concluído a 13 de Maio de 2015 METODOLOGIA E CRITÉRIOS DE SELEÇÃO DA ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Leia mais

Aprova o regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos

Aprova o regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos DECRETO N.º 116/XI Aprova o regulamento orgânico da Comissão de Acesso aos Documentos Administrativos A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte:

Leia mais

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde

Quadro de Avaliação e Responsabilização (QUAR) - SIADAP 1 - Ministério da Saúde ANO: 2013 Ministério da Saúde NOME DO ORGANISMO - Secretaria-Geral do Ministério da Saúde MISSÃO DO ORGANISMO A Secretaria-Geral do Ministério da Saúde (SGMS) tem por missão assegurar o apoio técnico e

Leia mais

GUIÃO ORIENTADOR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE

GUIÃO ORIENTADOR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE GUIÃO ORIENTADOR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DOCENTE O presente regulamento define as regras para a avaliação dos docentes integrados na carreira, em período probatório e dos docentes em regime de contrato

Leia mais

O relatório de auto-avaliação no âmbito do SIADAP 1

O relatório de auto-avaliação no âmbito do SIADAP 1 W O R K S H O P O relatório de auto-avaliação no âmbito do SIADAP 1 Jorge Caldeira Lisboa, 2 de Julho de 2008 Agenda Papel da DGPJ - intercalar Conceitos Vantagens - Arquitectura dos processos de monitorização

Leia mais

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução

Agrupamento de Escolas do Vale de Ovil. 1. Introdução Procedimento simplificado para avaliação do desempenho dos docentes em regime de contrato a termo - Ano letivo 2011/2012 1. Introdução O presente documento decorre do referido no nº 5 do artigo 30º do

Leia mais

ATA DE REUNIÃO PARA PROCEDIMENTO CONCURSAL

ATA DE REUNIÃO PARA PROCEDIMENTO CONCURSAL Procedimento Concursal: A termo X Indeterminado Dirigente Assistente Operacional Assistente Operacional Superior Assistente Técnico x Assistente Técnico 1º grau Técnico Superior Técnico Superior 2º grau

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO E SECÇÕES AUTÓNOMAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS

REGULAMENTO DO CONSELHO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO E SECÇÕES AUTÓNOMAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS REGULAMENTO DO CONSELHO DE COORDENAÇÃO DA AVALIAÇÃO E SECÇÕES AUTÓNOMAS DA CÂMARA MUNICIPAL DE MATOSINHOS O Decreto Regulamentar nº18/2009, de 4 de Setembro, procedeu à adaptação às Autarquias Locais do

Leia mais

FAQ. Sistema de Avaliação do Desempenho das Carreiras Médicas

FAQ. Sistema de Avaliação do Desempenho das Carreiras Médicas VERSÃO DATA 1.0 23/12/2013 FAQ Sistema de Avaliação do Desempenho das Carreiras Médicas INDÍCE I ENQUADRAMENTO II METODOLOGIA DE AVALIAÇÃO Periodicidade; Requisitos de Avaliação; Parâmetros de Avaliação;

Leia mais

CONSELHO GERAL. Critérios de Avaliação

CONSELHO GERAL. Critérios de Avaliação CONSELHO GERAL AVALIAÇÃO INTERNA DO DESEMPENHO DOCENTE AVALIAÇÃO DO DIRETOR Critérios de Avaliação De acordo com a Portaria 266/2012, de 30 de agosto, compete ao Conselho Geral definir os critérios de

Leia mais

DECRETO REGULAMENTAR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO

DECRETO REGULAMENTAR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO DECRETO REGULAMENTAR DA AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO Versão de 26 de Março de 2010 1 [Preâmbulo] Foram observados os procedimentos decorrentes da Lei n.º 23/98, de 26 Maio. Assim: Nos termos da alínea c) do

Leia mais

e Avaliação de Desempenho com SAS/SPM

e Avaliação de Desempenho com SAS/SPM Complementaridade e Integração da Gestão e Avaliação de Desempenho com SAS/SPM 28 de Outubro Centro de Congressos de Lisboa Eng. Rui Marques (INA), Dra. Sara Araújo (Maternidade Júlio Dinis) 1 Agenda 1

Leia mais

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0

nº de Cursos Técnicos Superiores Profissionais (CTSP) em projeto piloto 1-100,0 QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO - 2014 Ministério da Educação e Ciência Instituto Politécnico de Castelo Branco (IPCB) MISSÃO: A qualificação de alto nível dos cidadãos, a produção e difusão do

Leia mais

Avaliação do Desempenho Docente

Avaliação do Desempenho Docente Manuel Pina, Diretor do CFAECIVOB Maio de 2013 Avaliação do Desempenho Docente Autoavaliação e outras questões Notas prévias: Esta apresentação serviu de base a sessões de formação realizadas nas escolas

Leia mais

REFORMA DOS REGIMES DE VINCULAÇÃO, DE CARREIRAS E DE REMUNERAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PRINCÍPIOS ORIENTADORES

REFORMA DOS REGIMES DE VINCULAÇÃO, DE CARREIRAS E DE REMUNERAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PRINCÍPIOS ORIENTADORES REFORMA DOS REGIMES DE VINCULAÇÃO, DE CARREIRAS E DE REMUNERAÇÕES NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA PRINCÍPIOS ORIENTADORES I. Breve caracterização da situação actual A situação actual em matéria de vínculos, carreiras

Leia mais

*B X* B X. Data:

*B X* B X. Data: *B10047674X* B10047674X C I R C U L A R Nº B10047674X Data: 29-10-2010 Serviço de Origem: ENVIADA PARA: Inspecção Geral da Educação Gabinete de Gestão Financeira Direcções Regionais de Educação Escolas

Leia mais

Suzana Alves da Silva Toscano Secretária de Estado da Administração Pública

Suzana Alves da Silva Toscano Secretária de Estado da Administração Pública A avaliação do desempenho é um instrumento de apoio à gestão e um factor de mobilização em torno da missão dos serviços e organismos e por isso deve ser visto como um estímulo ao desenvolvimento das pessoas

Leia mais

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS

Balanced Scorecard A experiência do IGFSS A experiência do IGFSS - IGFSS- 1 AGENDA 1. Quem somos 2. Balanced Scorecard 3. Resultados - IGFSS- 2 1. Quem Somos - IGFSS- 3 QUEM SOMOS? Somos o primeiro e único organismo da AP em Portugal com o reconhecimento

Leia mais