Impactes cumulativos / Cumulative impacts

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Impactes cumulativos / Cumulative impacts"

Transcrição

1 Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 9º semestre Impactes Ambientais Impactes cumulativos / Cumulative impacts 7 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

2 NEPA 1970: Conceito de impactes cumulativos Impactes no ambiente que resultam dos impactes incrementais da acção quando somados aos de outras acções, passadas, presentes ou razoavelmente previsíveis ( ) Impactes cumulativos podem resultar de acções individualmente menores mas colectivamente significativas decorrendo num período de tempo (Secção ) USA CEQ 1978: Impactes ( ) de outras acções, passadas, presentes ou razoavelmente previsíveis, independentemente da agência (federal ou não-federal) ou da pessoa que promove essas acções

3 Tipos de impactes cumulativos (adapt. Barrow, 1997) (1) incremental (aditivo): a + a + a + a (2) interactivo: a + b + c + n (3) Sequencial (4) Sinergístico (6) ultrapassagem de um limiar - efeito de gatilho ( bomba de relógio química ou biológica) (7) processo de retroacção (antagonístico ou positivo)

4 Princípios da Análise de Impactes Cumulativos - AIC (CEQ, 1997) 1. Impactes cumulativos são causados pela agregação de acções passadas, presentes e razoavelmente previsíveis no futuro. 2. Impactes cumulativos são os impactes totais, incluindo impactes directos e indirectos num determinado recurso, ecossistema e comunidade humana de todas as acções, independentemente do seu promotor. (cont.)

5 Princípios de AIC (CEQ, 1997) 3. Os impactes cumulativos precisam de ser analisados em termos do recurso, do ecossistema ou da comunidade humana especificamente afectados. (cont.)

6 Componente ambiental Componente ambiental PROJECTO Componente ambiental Componente ambiental Abordagem usual

7 Componente ambiental Componente ambiental Projecto em análise Outros projectos e acções existentes PROJECTO RECURSO Componente ambiental Componente ambiental Outros projectos e acções passados Outros projectos e acções previsíveis no futuro Abordagem usual Perspectiva da análise de impactes cumulativos

8 Princípios de AIC (CEQ, 1997) 4. Não é prático analisar os efeitos de uma acção no universo; a lista dos impactes deve focar-se naqueles que fazem sentido. (cont.)

9 Princípios de AIC (CEQ, 1997) 5. Os impactes cumulativos num determinado recurso, ecossistema ou comunidade humana raramente coincidem com limites políticos ou administrativos. 6. Os impactes cumulativos podem resultar da acumulação de impactes similares ou da interacção sinergística de diferentes impactes. (cont.)

10 Princípios de AIC (CEQ, 1997) 7. Os impactes cumulativos podem permanecer por muitos anos após a vida útil da acção que os causou. 8. Cada recurso, ecossistema ou comunidade humana afectada deve ser analisada na sua capacidade de acomodar impactes adicionais, baseada nos seus parâmetros espaciais e temporais específicos.

11 Abordagens Técnicas W. Ross (1998) propõe 4 fases: 1. identificação ( scoping ) 2. previsão 3. mitigação 4. pós-avaliação (monitorização, avaliação e gestão)

12 Abordagens Técnicas W. Ross (1998) 1. Identificação dos Componentes Valorizados do Ecossistema (CVE) [VECs - Valued Ecossystem Components]: recursos, ecossistemas, comunidades humanas. Quais são os CVEs importantes afectados pelo projecto? 2. Que outras actividades humanas (passadas, presentes e futuras) afectam esses CVEs? (cont.)

13 Abordagens Técnicas W. Ross (1998) 3. Os impactes do projecto proposto devem ser previstos em combinação com os impactes das restantes actividades passadas, presentes e futuras e deve ser determinado o seu significado. 4. Devem indicar-se formas de gestão dos impactes cumulativos.

14 CASO DE ESTUDO: Desenvolvimento hidroeléctrico de pequena dimensão em Newfoundland, Canada Acção: Re-orientação política da Hydro Newfoundland e Labrador em relação à exploração hidroeléctrica: programa de desenvolvimento hidroeléctrico numa área da província Objectivo: AAE conduzida para avaliar o impacte de 8 pequenas instalações hidroeléctricas promovidas pelo sector privado

15 CASO DE ESTUDO: Desenvolvimento hidroeléctrico de pequena dimensão em Newfoundland, Canada Âmbito: identificadas 8 Valued Ecosystem Components: Recursos Hídricos, Recursos Pesqueiros Recursos Patrimoniais Recursos ecológicos Aves Rapina Aves migratórias / waterfowl Caribou Alce Ursos e Pequenos mamíferos

16 CASO DE ESTUDO: Desenvolvimento hidroeléctrico de pequena dimensão em Newfoundland, Canada Método: avaliou-se o impacte de cada instalação sobre cada VEC - 64 combinações VEC / projecto Técnica: Delphi, que começou com a identificação do problema e dos panelistas (40 panelistas). Foram seleccionados 6 critérios de avaliação: 1) Probabilidade do Impacte 2) Magnitude 3) Extensão Espacial 4) Duração temporal 5) Importância do VEC 6) Estado actual do VEC

17 CASO DE ESTUDO: Desenvolvimento hidroeléctrico de pequena dimensão em Newfoundland, Canada Resultados: Houve 3 rounds para aproximação ao consenso. Valorações individuais combinada num score de impacte: IjVECk = P (M, E, D,) x I x CS onde IjVECk = o impacte do projecto j no VEC k com P = Probabilidade do Impacte; M = Magnitude E = Extensão Espacial; D = Duração temporal I = Importância do VEC; CS = Estado actual do VECk Os resultados são registados numa matriz de soma de impactes e o score calculado (8 projectos em colunas e 8 VEC em linha). Resultado em coluna: impacte de cada projecto no total dos VEC; Resultado em linha: impacte cumulativo do programa (projectos) em cada VEC

18 Abordagens Técnicas 11 passos propostos pelo CEQ 1997 Definição do Âmbito ( Scoping ): 1. Identificação dos impactes cumulativos significativos associados à acção proposta 2. Definição do âmbito geográfico 3. Definição do âmbito temporal 4. Identificação das outras acções afectando os recursos, os ecossistemas e as comunidades humanas em questão (cont.)

19 Abordagens Técnicas 11 passos propostos pelo CEQ 1997 Caracterização do ambiente afectado: 5. Caracterização da capacidade de resposta a mudanças e de absorção das pressões ( stress ) dos recursos, dos ecossistemas e das comunidades humanas identificadas 6. Caracterização das pressões afectando estes recursos, ecossistemas e comunidades humanas e sua relação com limiares regulamentares 7. Caracterização do estado dos recursos, ecossistemas e comunidades humanas ( baseline condition ) (cont.)

20 Abordagens Técnicas 11 passos propostos pelo CEQ 1997 Determinação (e gestão) das consequências ambientais: 8. Identificação das relações causa-efeito importantes entre actividades humanas e recursos, ecossistemas e comunidades humanas 9. Determinação da magnitude e do significado dos impactes cumulativos 10.Modificação de alternativas ou consideração de novas alternativas para evitar ou mitigar impactes cumulativos significativos 11.Monitorizar os impactes cumulativos da alternativa seleccionada e adaptar a gestão

21 Exemplos - Portugal Barragens do Baixo Sabor e do Alto Côa, Rio Douro: Identificação dos recursos, ecossistemas e comunidades humanas afectadas: Qualidade da água Paisagem - transformação de um rio natural em albufeira. Em que troços de rio similares (na bacia portuguesa do Rio Douro) essa transformação já ocorreu ou se prevê venha a ocorrer?

22 Exemplos - Portugal Peixes / introdução de espécies exóticas ligadas a outros projectos Peixes / espécies não migratórias afectadas por outros projectos Flora - espécies raras: análise das populações portuguesas existentes (mesmo fora da área da bacia) Fauna - efeito de barreira das albufeiras existentes e previstas para o lobo

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA

Pós-avaliação AIA. As fases da AIA no DL 69/2000. Selecção dos projectos. Definição do âmbito. Consulta pública. Elaboração do EIA Pós-avaliação AIA As fases da AIA no DL 69/2000 Selecção dos projectos Definição do âmbito Consulta pública Elaboração do EIA Apreciação técnica do EIA Consulta pública Decisão DIA Pós-avaliação Consulta

Leia mais

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL

PLANO DE PORMENOR DO DALLAS FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL FUNDAMENTAÇÃO DA DELIBERAÇÃO DE DISPENSA DE AVALIAÇÃO AMBIENTAL Deliberação da Reunião Câmara Municipal de 29/11/2011 DIRECÇÃO MUNICIPAL DE URBANISMO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE PLANEAMENTO URBANO DIVISÃO

Leia mais

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL

ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DO FRIDÃO ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL CAPÍTULO I INTRODUÇÃO GERAL 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJECTO O Estudo de Impacte Ambiental (EIA) que agora se apresenta é relativo ao Aproveitamento

Leia mais

PE-CONS 3619/3/01 REV 3

PE-CONS 3619/3/01 REV 3 PE-CONS 3619/3/01 REV 3 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e programas no ambiente O PARLAMENTO EUROPEU E O CONSELHO DA UNIÃO EUROPEIA, Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade

Leia mais

Capítulo 15. Impactos Cumulativos

Capítulo 15. Impactos Cumulativos Capítulo 15 Impactos Cumulativos ÍNDICE 15 IMPACTOS CUMULATIVOS 15-1 15.1 INTRODUÇÃO 15-1 15.1.1 Limitações e Mitigação 15-1 15.1.2 Recursos e Receptores Potenciais 15-3 15.2 IMPACTO CUMULATIVO DA ZONA

Leia mais

Avaliação Ambiental de Planos e Programas

Avaliação Ambiental de Planos e Programas NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 10 / AM Tramitação dos processos de Avaliação Ambiental de Planos e Programas 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos processos 4. Fluxograma

Leia mais

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA?

GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? GRANDES BARRAGENS: ENERGIA VERDE OU ESVERDEADA? Paula CHAINHO Novas Barragens, Porto, 28 de Fevereiro PROGRAMA NACIONAL DE BARRAGENS Objectivos a) Contribuição para as metas de produção de energia com

Leia mais

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o,

Tendo em conta o Tratado que institui a Comunidade Europeia, e, nomeadamente, o n. o 1 do seu artigo 175. o, L 197/30 PT Jornal Oficial das Comunidades Europeias 21.7.2001 DIRECTIVA 2001/42/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 27 de Junho de 2001 relativa à avaliação dos efeitos de determinados planos e

Leia mais

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA

PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre PÓS-AVALIAÇÃO EM AIA Articulação da AIA com outros regimes de licenciamento IMPACTES AMBIENTAIS 9 ª aula Prof. Doutora

Leia mais

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves

Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal. Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Posição da SPEA sobre a Energia Eólica em Portugal Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves 1. Introdução A energia eólica é a fonte de energia que regista maior crescimento em todo o mundo. A percentagem

Leia mais

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15]

Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais. [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Conceitos Básicos para Avaliação de Impactos Ambientais [Kemal Vaz] [2 F 10:15 11:15] Revisão: Definição da AIA A avaliação do Impacto Ambiental (AIA) é Um processo formal para identificar: Efeitos esperados

Leia mais

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação

Qualidade dos EIA Critérios para avaliação Engenharia Civil: 5º ano / 10º semestre Engenharia do Territorio: 4º ano / 8º semestre Qualidade dos EIA Critérios para avaliação IMPACTES AMBIENTAIS 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Leia mais

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade

Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Domínio Prioritário Natureza e Biodiversidade Projectos contribuem para: aplicação, desenvolvimento, avaliação e seguimento da política e legislação da UE na área da natureza e da biodiversidade, incluindo

Leia mais

Metodologias e Técnicas em AIA. Previsão de impactes. Identificação e comparação de alternativas

Metodologias e Técnicas em AIA. Previsão de impactes. Identificação e comparação de alternativas Engenharia Civil, 5º ano / 10º semestre Engenharia Território, 4º ano / 8º semestre Metodologias e Técnicas em AIA. Previsão de impactes. Identificação e comparação de alternativas IMPACTE AMBIENTAL 4

Leia mais

Impacto Ambiental. As fases do processo de AIA. Avaliação de Impacto Ambiental. As fases do processo de AIA. As fases do processo de AIA.

Impacto Ambiental. As fases do processo de AIA. Avaliação de Impacto Ambiental. As fases do processo de AIA. As fases do processo de AIA. As fases do processo de AIA Avaliação de Impacto Ambiental Instrumento de carácter preventivo da política do ambiente, sustentado na realização de estudos e consultas, com efectiva participação pública

Leia mais

Plano do 2º Ciclo (Mestrado) do Curso de Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais

Plano do 2º Ciclo (Mestrado) do Curso de Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais Plano do 2º Ciclo (Mestrado) do Curso de Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais O plano de estudos do Mestrado em Engenharia Florestal e dos Recursos Naturais contempla quatro áreas de especialização:

Leia mais

Participação pública. Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Participação pública. Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 1º semestre Participação pública Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Actores Inerentemente activos no processo: Promotor

Leia mais

Projecto de Enquadramento Geral

Projecto de Enquadramento Geral A Política de Biodiversidade da EDP e o Envolvimento da Projecto de Enquadramento Geral Outubro 2010 A Politica de Biodiversidade da EDP no Envolvimento da Direcção de Sustentabilidade e Ambiente 1 Módulo

Leia mais

EDP Gestão da Produção de Energia, S.A APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO

EDP Gestão da Produção de Energia, S.A APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO EDP Gestão da Produção de Energia, S.A APROVEITAMENTO HIDROELÉCTRICO DE DE FOZ FOZ TUA TUA ESTUDO ESTUDO DE DE IMPACTE IMPACTE AMBIENTAL Relatório Relatório Técnico Técnico --Volume Volume II II Abril

Leia mais

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA

PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA PRIMEIROS PASSOS DA AAE EM PORTUGAL APLICAÇÃO À ESTRATÉGIA DE INVESTIMENTO DO PARQUE ALQUEVA Maria do Rosário Partidário, Sofia Antunes, Júlio de Jesus e Marta Garcia LOCALIZAÇÃO Localizado no Concelho

Leia mais

TERMOS DE REFERÊNCIA DO EIA DE APROVEITAMENTOS HIDROELÉCTRICOS. Timóteo de Jesus Pimenta Monteiro 1

TERMOS DE REFERÊNCIA DO EIA DE APROVEITAMENTOS HIDROELÉCTRICOS. Timóteo de Jesus Pimenta Monteiro 1 TERMOS DE REFERÊNCIA DO EIA DE APROVEITAMENTOS HIDROELÉCTRICOS Timóteo de Jesus Pimenta Monteiro 1 RESUMO A legislação existente sobre Avaliação do Impacte Ambiental de projectos acaba por não promover

Leia mais

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA

JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA JUSTIFICAÇÃO PARA A NÃO SUJEIÇÃO DO PLANO DE PORMENOR DE REABILITAÇÃO URBANA DE SANTA CATARINA A AVALIAÇÃO AMBIENTAL ESTRATÉGICA CÂMARA MUNICIPAL DE SINES DEPARTAMENTO DE GESTÃO TERRITORIAL DIVISÃO DE

Leia mais

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL

8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL 8 PROGNÓSTICO AMBIENTAL O prognóstico ambiental elaborado para a Atividade de Pesquisa Sísmica Marítima 3D na Bacia Sedimentar do Ceará -, contempla as possíveis alterações dos fatores ambientais analisados

Leia mais

REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO

REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO REGIME DE RESPONSABILIDADE AMBIENTAL, SINERGIAS COM A PÓS AVALIAÇÃO Sandra de Melo Nobre Eng.ª Ambiente ECOserviços Gestão de sistemas Ecológicos, Lda. snobre@ecoservicos.pt Outubro 2010 Palavras-Chave

Leia mais

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL

3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3 QUADRO LEGAL E INSTITUCIONAL 3.1 QUADRO INSTITUCIONAL O Ministério para a Coordenação da Acção Ambiental (MICOA) criado pelo Decreto Presidencial 6/95 de 16 de Novembro, é responsável por todas as actividades

Leia mais

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt

SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral. ajherdeiro@dgterritorio.pt mota.lopes@apambiente.pt SIARL / Sistema de Administração do recurso Litoral Uma Plataforma Colaborativa para apoiar a Gestão do Litoral ajherdeiro@dgterritorio.pt j @ g p mota.lopes@apambiente.pt Lugares comuns de quem lida com

Leia mais

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005.

Figura 1: Bosque de Casal do Rei, alguns meses após o incêndio que ocorreu no Verão de 2005. Estudo da vegetação 1. Introdução A intensa actividade humana desenvolvida na região Centro ao longo dos últimos milénios conduziu ao desaparecimento gradual de extensas áreas de floresta autóctone, que

Leia mais

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR

PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR PROJECTO DE NORMA REGULAMENTAR Princípios aplicáveis ao desenvolvimento dos Sistemas de Gestão de Riscos e de Controlo Interno das Empresas de Seguros As melhores práticas internacionais na regulamentação

Leia mais

Avaliação Ambiental Estratégica. em Parques Eólicos CNAI 10. Vila Real, 22.10.2010

Avaliação Ambiental Estratégica. em Parques Eólicos CNAI 10. Vila Real, 22.10.2010 Avaliação Ambiental Estratégica em CNAI 10 Vila Real, 22.10.2010 Conteúdo da AAE 1. Objectivos 2. Âmbito 3. Metodologia 4. Análise de FCD (Factores Críticos de Decisão) 5. Avaliação de cenários alternativos

Leia mais

1. Acções de sensibilização

1. Acções de sensibilização PROGRAMA DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL / 2013-2014 As atividades propostas compreendem diferentes momentos de reflexão, discussão e ação, dirigindo-se a toda a comunidade educativa que contempla diferentes níveis

Leia mais

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata

Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Cumulatividade e Sinergia: Conceitos e Desafios para Avaliações de Impactos e elaboração de Planos de Gestão no Brasil Andressa Spata Problema Questionamentos no Brasil a respeito dos conceitos de cumulatividade

Leia mais

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO

Norma ISO 9000. Norma ISO 9001. Norma ISO 9004 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE REQUISITOS FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO SISTEMA DE GESTÃO DA QUALDADE SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Norma ISO 9000 Norma ISO 9001 Norma ISO 9004 FUNDAMENTOS E VOCABULÁRIO REQUISITOS LINHAS DE ORIENTAÇÃO PARA MELHORIA DE DESEMPENHO 1. CAMPO

Leia mais

Avaliação de Risco Ecológico

Avaliação de Risco Ecológico Seminário de Gerenciamento de Áreas Contaminadas Avaliação de Risco Ecológico Cristiane Lima Analista de Risco Ambiental Engenheira Química, D.Sc. O que é Avaliação de Risco Ecológico? Processo em que

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves

Sistema Integrado de Gestão. Evento IDC PME 24.set.2008. Carlos Neves Sistema Integrado de Gestão Evento IDC PME 24.set.2008 Carlos Neves Agradecimentos Carlos Neves - 24.Set.08 2 Sumário 1. Oportunidades e desafios para as PME 2. Os projectos SI/TI e a Mudança 3. Perspectivas

Leia mais

INSTRUÇÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO VESTIBULAR DE INVERNO 2012 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA

INSTRUÇÕES. UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA COMISSÃO PERMANENTE DE SELEÇÃO VESTIBULAR DE INVERNO 2012 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA 3 a etapa: Química, Matemática e Física Química 16 a 30 Matemática 31 a 45 Física 3 a etapa: QUÍMICA, MATEMÁTICA E FÍSICA 31 23 03 30 15 31 11 22 27 29 06 15 21 31 10 23 05 27 31 06 13 06 21 31 15 03 26

Leia mais

Voluntariado Ambiental para a Água

Voluntariado Ambiental para a Água Voluntariado Ambiental para a Água Gestão Participada dos Recursos Hídricos na RH do Algarve Paula Vaz Voluntariado Ambiental para a Água 1. ARH do Algarve, I.P. 2. Voluntariado Ambiental para a Água Enquadramento

Leia mais

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva

Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva centro tecnológico da cerâmica e do vidro coimbra portugal Mecanismos e modelos de apoio à Comunidade Associativa e Empresarial da Indústria Extractiva Victor Francisco CTCV Responsável Unidade Gestão

Leia mais

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Qualificação e Internacionalização de PME CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 07/SI/2010 1 Índice Condições de Elegibilidade do Promotor... 3 Condições

Leia mais

Software comercial para planeamento da distribuição

Software comercial para planeamento da distribuição Software comercial para planeamento da distribuição Existe uma grande variedade de software comercial para planeamento e análise de sistemas eléctricos de distribuição (ver tabela). Muitas das empresas

Leia mais

CNAI 10 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes. O Processo de AIA e os Serviços de Consultoria. Pedro Bettencourt Coutinho

CNAI 10 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes. O Processo de AIA e os Serviços de Consultoria. Pedro Bettencourt Coutinho O Processo de AIA e os Serviços de Consultoria Pedro Bettencourt Coutinho Associação Portuguesa de Projectistas e Consultores ÍNDICE 1. Avaliação Ambiental: o papel dos consultores 2. O estado actual e

Leia mais

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000

Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Convenção Europeia da Paisagem Florença 20.X.2000 Preâmbulo Os membros do Conselho da Europa signatários da presente Convenção, Considerando que o objectivo do Conselho da Europa é alcançar uma maior unidade

Leia mais

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2

NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS. Objectivo ( 1 e 2) 2 Âmbito ( 3 e 4) 2 Definições ( 5 a 11) 2 NORMA CONTABILISTICA E DE RELATO FINANCEIRO 26 MATÉRIAS AMBIENTAIS Esta Norma Contabilística e de Relato Financeiro adopta a Recomendação da Comissão Europeia de 30 de Maio de 2001 respeitante ao reconhecimento,

Leia mais

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao.

Segurança e Higiene no Trabalho. Volume I - Princípios Gerais. Guia Técnico. um Guia Técnico de O Portal da Construção. www.oportaldaconstrucao. Guia Técnico Segurança e Higiene no Trabalho Volume I - Princípios Gerais um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a expressa

Leia mais

Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA)

Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) NORMA DE PROCEDIMENTOS Julho de 2008 04 / AM Tramitação dos processos de Revisão do Estudo de Impacte Ambiental (EIA) (Procedimento de AIA) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação

Leia mais

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000

Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Decreto n.º 4/2005 Convenção Europeia da Paisagem, feita em Florença em 20 de Outubro de 2000 Considerando fundamental, para alcançar o desenvolvimento sustentável, o estabelecimento de uma relação equilibrada

Leia mais

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES

Orientação nº 1/2008 ORIENTAÇÕES PARA A ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (EDL) EIXO 4 REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES Programa de da ELABORAÇÃO DA ESTRATÉGIA LOCAL DE DESENVOLVIMENTO (ELD) 1 / 16 Programa de da 1. Caracterização Socioeconómica do Território A caracterização do território deve centrar-se em dois aspectos

Leia mais

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos

Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos Proposta de Metodologia na Elaboração de Projectos A Lei n.º115/99, de 3 de Agosto, estabeleceu o regime jurídico das associações representativas dos imigrantes e seus descendentes, prevendo o reconhecimento

Leia mais

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA

PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA 1 introdução 1.1 enquadramento O desenvolvimento dos estudos de base para o PLANO DE GESTÃO DE RECURSOS HÍDRICOS DA ILHA DE SANTA MARIA (PGRHI-SMA ) enquadra-se no âmbito da aplicação do Guia Metodológico

Leia mais

n. o 70-B/2000, de 5 de Maio, o seguinte:

n. o 70-B/2000, de 5 de Maio, o seguinte: N. o 42 1 de Março de 2005 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-B 1845 da reorganização internacional da Heidelberg Ciment, grupo cimenteiro alemão de dimensão mundial, com um volume de vendas anual de 3000 milhões

Leia mais

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético:

A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: A Avaliação Ambiental Estratégica no Sector Energético: O Caso do Planeamento das Redes de Transporte de Electricidade 4ª Conferência Nacional de Avaliação de Impactes Vila Real 20 de Outubro de 2010 Autores:

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO

SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO SESSÃO SOBRE O NOVO AEROPORTO DE LISBOA LISBOA 2017 : UM AEROPORTO COM FUTURO Estudos Preliminares de Impacte Ambiental Avaliação de Impacte Ambiental Fernando Santana Departamento de Ciências e Engenharia

Leia mais

Plano Plurianual de Investimentos

Plano Plurianual de Investimentos O Orçamento da (Vale do Minho-CI), irá concentrar os seus recursos para o ano 2009 na implementação dos projectos aprovados no QCAIII que se encontram em fase de conclusão, bem como nos projectos já aprovados

Leia mais

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011

QREN Inovação Inovação Produtiva. Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 1 QREN Inovação Inovação Produtiva Projectos Individuais N.º 05/SI/2011 2 Índice 1. Objectivos e Prioridades 2. Condições de Acesso a. Promotor b. Projecto c. Aviso de Abertura 3. Modalidades de Projectos

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS QUESTÕES DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I.

RELATÓRIO DE PONDERAÇÃO DAS QUESTÕES DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I. DOS PARECERES DAS ENTIDADES COM RESPONSABILIDADES AMBIENTAIS: APA; ARH CENTRO I.P; ARH NORTE I.P; ARH TEJO I.P; DPP Coimbra, 28 de Setembro de 2010 NOTA EXPLICATIVA No contexto do processo de avaliação

Leia mais

A n o I n t e r n a c i o n a l d a B i o d i v e r s i d a d e

A n o I n t e r n a c i o n a l d a B i o d i v e r s i d a d e A n o I n t e r n a c i o n a l d a B i o d i v e r s i d a d e M e c e n a s PARCERIA Tagis Centro de Conservação das Borboletas de Portugal Associação Biodiversidade para Todos APOIO ENQUADRAMENTO O

Leia mais

A energia hidroeléctrica em Portugal

A energia hidroeléctrica em Portugal A energia hidroeléctrica em Portugal António Eira Leitão Eng. António Eira Leitão Presidente do Conselho de Gerência da Hidroerg Presidente da Assembleia Geral da APREN EVOLUÇÃO HISTÓRICA A utilização

Leia mais

Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral

Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral Risco Hidrológico e grandes hidroélectricas na Africa Austral Avaliando os riscos hidrológicos, incertezas e as suas consequências para os sistemas dependentes de energia hidroélectrica na Bacia do Rio

Leia mais

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes

6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e Ética 6 de Maio de 2009 Anabela Lagorse Pontes Códigos de Conduta e de Ética ETICA COMPROMISSO CONDUTA EMPRESAS PROFISSIONAL PRINCÍPIOS INDEPENDÊNCIA DEVERES CLIENTES EXIGÊNCIAS PÚBLICO

Leia mais

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS

Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Gestão Financeira, Patrimonial e Actuarial da Protecção Social Obrigatória Dr. José Manuel Chivala Director Geral Adjunto do INSS Workshop Protecção Social Obrigatória: Níveis de Solidez e Perspectivas

Leia mais

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão

Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável. António Eira Leitão Em nome da energia hidroeléctrica Da memória centenária ao futuro sustentável António Eira Leitão RESUMO Apresenta-se uma síntese sobre a história da energia hidroelétrica em Portugal e perspectivase o

Leia mais

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS

FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS Comissão para as Alterações Climáticas Comité Executivo Fundo Português de Carbono FORMULÁRIO PROGRAMA DE APOIO A PROJECTOS NO PAÍS CANDIDATURA DE PROGRAMA [de acordo com o Anexo do Regulamento] Resumo

Leia mais

BFuture Soluções de Sustentabilidade

BFuture Soluções de Sustentabilidade BFuture Soluções de Sustentabilidade Porque existe um plano B! Hoje em dia é quase consensual que o estilo de vida que se segue nas sociedades ditas desenvolvidas, não é sustentável. Todos começam a ter

Leia mais

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL

PEGADA HÍDRICA EM PORTUGAL Resumo do relatório Water Footprint in Portugal WWF Mediterrâneo, 2010 O Problema: uma pegada demasiado elevada O Relatório Planeta Vivo 2008 da WWF demonstra que o uso insustentável da água é um problema

Leia mais

Dr. José Manuel Durão Barroso Presidência da Comissão Europeia B-1049 Bruxelas

Dr. José Manuel Durão Barroso Presidência da Comissão Europeia B-1049 Bruxelas Dr. José Manuel Durão Barroso Presidência da Comissão Europeia B-1049 Bruxelas Lisboa, 20 Março 2008 Ref.: 20.3.2008 CC para: Comissário Europeu do Ambiente Stavros Dimas, Ministro do Ambiente Francisco

Leia mais

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa

A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa A experiência Portuguesa na Incineradora de RH do Parque da Saúde de Lisboa M. Fátima Reis Unidade de Saúde Ambiental 1 ESTRUTURA 1. Enquadramento 2. Vigilância Epidemiológica Fundamentação Componentes

Leia mais

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas

Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas Dinamizar o Empreendedorismo e promover a Criação de Empresas À semelhança do que acontece nas sociedades contemporâneas mais avançadas, a sociedade portuguesa defronta-se hoje com novos e mais intensos

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET

Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET Disponibilização de Informação sobre Recursos Hídricos via INTERNET INTRODUÇÃO O Ministério do Ambiente, através do Instituto da Água (INAG) e Direcções Regionais do Ambiente (DRA) dispõe actualmente de

Leia mais

Características do texto Académico-Científico

Características do texto Académico-Científico Características do texto Académico-Científico Algumas noções breves Ana Leitão Mestre em Língua e Cultura Portuguesa Essencial para uma adequada indexação posterior em bases de dados; Nem muito abrangentes

Leia mais

Programa de Educação Ambiental

Programa de Educação Ambiental Programa de Educação Ambiental 2015 / 2016 Escolas Centro de Formação Ambiental SEDE - Lisboa 2 Horário de Funcionamento das Actividades 2ª feira a 6ª feira: 9h30 às 13h00 e das 14h00 às 17h30 4 horários:

Leia mais

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação?

2. Existem actividades dentro do sector dos alimentos para animais que estejam isentas de registo ou aprovação? PERGUNTAS MAIS FREQUENTES- ALIMENTAÇÃO ANIMAL 1. Que estabelecimentos carecem de registo ou aprovação no âmbito do sector dos alimentos para animais? Todos os estabelecimentos, em nome singular ou colectivo,

Leia mais

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente

Universidade do Algarve. Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Universidade do Algarve Faculdade de Ciências do Mar e do Ambiente Licenciatura (1º Ciclo) em Engenharia do Ambiente: Duração: 3 anos Grau: Licenciatura Directores de Curso: Prof.ª Doutora Maria João Bebianno

Leia mais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais

ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL. CAPÍTULO I Disposições Gerais ESTATUTOS DA FUNDAÇÃO VODAFONE PORTUGAL CAPÍTULO I Disposições Gerais ARTIGO PRIMEIRO (Natureza) A Fundação Vodafone Portugal, adiante designada abreviadamente por Fundação, é uma instituição de direito

Leia mais

Parque Eólico do Outeiro

Parque Eólico do Outeiro Parque Eólico do Outeiro ESTUDO DE IMPACTE AMBIENTAL Resumo Não Técnico Julho de 2002 1. Em que consiste o Resumo Não Técnico? Este Resumo Não Técnico é um volume independente que integra o Estudo de Impacte

Leia mais

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687

Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 Organização Promotora: braga@nova- acropole.pt www.acropolis.org Telm.: 912637687 1 O Voluntariado é uma resposta necessária à realidade das nossas sociedades e um reconhecido veículo de desenvolvimento

Leia mais

Sistema de Incentivos

Sistema de Incentivos Sistema de Incentivos Qualificação e Internacionalização de PME amrconsult 13 de Maio de 2010 1 Agenda 1 Enquadramento 2 Condições de elegibilidade 3 Despesas elegíveis 4 Incentivo 2 1 Enquadramento 3

Leia mais

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO

REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO REFERENCIAL DO CURSO DE COORDENAÇÃO DE Área de Formação 862 Segurança e Higiene no Trabalho Formação Profissional Contínua/de Especialização ÍNDICE 1- ENQUADRAMENTO... 3 2- OBJECTIVO GERAL... 4 3- OBJECTIVOS

Leia mais

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade

Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Agência Portuguesa do Ambiente Apresentação Pública dos Resultados do Inquérito sobre Equipamentos de Educação Ambiental para a Sustentabilidade Jorge Neves, 19/12/2011, Amadora colocar foto da era ENQUADRAMENTO

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais

Mapa de Pessoal do Turismo de Portugal, I.P. - Serviços Centrais Presidente Vice-Presidente Vogal Secretário-Geral Director Coordenador a) 9 8 1 Director a) 24 23 1 Prestação de assessoria técnica especializada ao Conselho Directivo 2 2 0 Monitorização e avaliação da

Leia mais

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2012 / 2013. Gestor de Processos

Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo. Sistemas Operativos 2012 / 2013. Gestor de Processos Gestor de Processos Núcleo do Sistema Operativo Sistemas Operativos 2012 / 2013 Gestor de Processos Entidade do núcleo responsável por suportar a execução dos processos Gestão das Interrupções Multiplexagem

Leia mais

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical

Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Centro de Conhecimento em Biodiversidade Tropical - Ecotropical Realização: Instituto Energias do Brasil Endereço: Rua Bandeira Paulista, 530 11º andar CEP: 04532-001 São Paulo São Paulo, Brasil. Responsável:

Leia mais

CNAI 10. Visita Técnica

CNAI 10. Visita Técnica CNAI 10 Visita Técnica Baixo Sabor, 21de Outubro de 2010 INVESTIMENTOS HÍDRICOS DO GRUPO EDP Amarante 01 de Julho 2010 PGAI Plano de Gestão Ambiental Integrado do Vale do Sabor e Região Circundante Medidas

Leia mais

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS

METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4 METODOLOGIAS E PRESSUPOSTOS 4.1 Introdução Vimos atrás, no ponto 2.9.3, uma justificação e uma descrição resumidas dos pontos que devem ser tratados sob este tema metodologias e pressupostos a adoptar

Leia mais

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP

Plano de Formação. Condicionamento ambiental das explorações pecuárias. REAP Plano de Formação 1. Enquadramento A produção animal encontra-se perante um aumento das pressões a partir da sociedade para cumprir a legislação ambiental, para que os sistemas de produção sejam explorados

Leia mais

ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 30 de Junho de 2013. Proposta do Conselho Directivo Ponto 2 da Ordem de Trabalhos

ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 30 de Junho de 2013. Proposta do Conselho Directivo Ponto 2 da Ordem de Trabalhos ASSEMBLEIA GERAL DO SPORTING CLUBE DE PORTUGAL 30 de Junho de 2013 Proposta do Conselho Directivo Ponto 2 da Ordem de Trabalhos CONSIDERANDO: a) Que o Sporting Clube de Portugal (SCP), a Sporting Clube

Leia mais

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por:

ARTIGO TÉCNICO. Os objectivos do Projecto passam por: A metodologia do Projecto SMART MED PARKS ARTIGO TÉCNICO O Projecto SMART MED PARKS teve o seu início em Fevereiro de 2013, com o objetivo de facultar uma ferramenta analítica de confiança para apoiar

Leia mais

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário

RELATÓRIO. Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário RELATÓRIO Pedagogia para a Autonomia na Aprendizagem da Língua Inglesa Um Projecto de Intervenção nos Cursos Profissionais do Ensino Secundário Projecto de investigação/acção No âmbito da Portaria nº 350/2008,

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS 1.1 REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM ENGENHARIA FLORESTAL E DOS RECURSOS NATURAIS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria

Leia mais

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes A avaliação de impactes no mundo A IAIA e a APAI A língua portuguesa no mundo A Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes - visão e missão, funcionamento,

Leia mais

Testes de Diagnóstico

Testes de Diagnóstico INOVAÇÃO E TECNOLOGIA NA FORMAÇÃO AGRÍCOLA agrinov.ajap.pt Coordenação Técnica: Associação dos Jovens Agricultores de Portugal Coordenação Científica: Miguel de Castro Neto Instituto Superior de Estatística

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 04/SI/2010 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA)

ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) 30 de Junho de 2005 ALTRI, S.G.P.S., S.A. (SOCIEDADE ABERTA) Relatório do Conselho de Administração Altri, S.G.P.S., S.A. (Sociedade Aberta) Contas Individuais Rua General Norton de Matos, 68 4050-424

Leia mais

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro

MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA. Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro MINISTÉRIOS DAS FINANÇAS E DA ECONOMIA Portaria n.º 1502/2002 de 14 de Dezembro A Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 17 de Junho, publicada em 26 de Julho, que aprovou o PPCE - Programa

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta

1 Criação de uma bolsa anual de árvores para oferta Floresta Comum, Qual o objectivo principal do Floresta Comum? O objectivo? O Floresta Comum, é um programa de incentivo à reflorestação com a floresta autóctone portuguesa. Para a concretização deste objectivo,

Leia mais

NORMA DE PROCEDIMENTOS

NORMA DE PROCEDIMENTOS NORMA DE PROCEDIMENTOS Janeiro de 2005 EIA 1C / AM Tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA) 1. Apresentação 2. Legislação de enquadramento 3. Tramitação dos Estudos de Impacte Ambiental (EIA)

Leia mais

Conceitos. SERVIÇOS CENTRAIS Av. da Liberdade 194, 1269-051 Lisboa Tel.: 21 317 92 00 Fax: 21 317 92 16/7. Página 1

Conceitos. SERVIÇOS CENTRAIS Av. da Liberdade 194, 1269-051 Lisboa Tel.: 21 317 92 00 Fax: 21 317 92 16/7. Página 1 Conceitos Página 1 Ficha1. Plano de Actividades O que é o Plano de Actividades? O Plano de Actividades integra o processo de planeamento e constitui uma peça fundamental, a partir da qual, se define para

Leia mais