Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir"

Transcrição

1 Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir 2º Forum da Responsabilidade das Organizações Novembro 2006

2 Jogos Santa Casa Um exemplo a seguir Henrique Lopes (Prof. Responsável pelo Estudo)

3 A história do jogo a dinheiro Desde à pelo menos 2500 anos que se joga a dinheiro Quase todos os países do Mundo têm licenciado o jogo a dinheiro Muitos países entregaram essa exploração a Entidades Estatais ou Paraestatais Alguns outros concessionaram certos formatos de jogos a entidades privadas

4 História (cont.) Nos últimos 30 anos os países ocidentais têm incrementado de uma forma quase exponencial, a oferta de jogos e territórios onde é permitido jogar. A tecnologia veio digitalizar progressivamente as formas de jogo, o que conduziu a uma nova oferta na tipologia e nos operadores

5 Montantes económicos Os valores em jogo são na actualidade equivalentes a sectores económicos inteiros. Exemplos: EUA milhões de US$ (2003) Portugal cerca de milhões (2005)

6 Resultados sociais do jogo I A receita do jogo a dinheiro, tem sido abordada pela maioria dos governos como uma forma de contribuição fiscal voluntária. O jogo institucionalizado é muitas vezes utilizado como ferramenta de controlo social do jogo clandestino, e outras formas de desenvolvimento criminal

7 Resultados sociais do jogo II Frequentemente na regulação das concessões determina-se que uma fracção do dinheiro apurado retorna à Sociedade como beneficio social. Conforme os países assim a aplicação social é determinada: Comunidades étnicas (EUA) Aplicação fiscal directa (Escandinávia) IPSS s e afins (Portugal e outros)

8 Novas realidades, novos problemas As novas formas de jogo a dinheiro têm uma capacidade de viciação sem precedentes na história, o que associado ao alargamento da oferta criou um novo problema de dependencia, em particular junto dos jovens. Espanha (região de Aragão entre 2003 e 2004) aumento de 50% de jovens à procura de recuperação EUA (Estado de New York) estima em jovens em risco ou já dependentes

9 A situação internacional Grande preocupação dos governos com as novas formas de jogo: O fenómeno da dependência de jogo, como mais uma aditividade de par com as de produto Aumento brutal do numero de dependentes de jogo especialmente entre os menores Grave exposição de grupos sociais particulares (doentes psíquicos, pessoas isoladas, populações prisionais, etc.) Perda acentuada de receita fiscal Diminuição de controlo de quem são os verdadeiros promotores do jogo a dinheiro

10 A capacidade diferencial de geração de dependência Os jogos são tão mais geradores de dependência quanto menor for o período que decorre entre a aposta e sorteio As formas de jogo assentes em interactividade são mais geradoras de dependência do que as formas passivas

11 Ordenação da probabilidade de viciação em jogo Jogos on-line LVT s Jogos de casino Apostas desportivas (corridas de cavalos, etc.) Bingo Lotos e Lotarias

12 O problema e a solução A própria essência do negócio, pode se for mal conduzida, ser génese de disturbio social. Acordou-se entre os principais operadores de jogo, de que é importante que, a par do desenvolvimento do negócio se desenvolva também o conceito de Jogo Responsável

13 Conceito de Jogo Responsável Promover apenas os jogos que minimizam os problemas associados Promover o jogo pelo prazer que ele pode provocar Desenvolver as actividades de marketing de modo responsável Combater de forma activa a lavagem de dinheiro (Definição de Jogo Responsável da WLA)

14 Evolução do conceito de jogo responsável Primeiros esboços feitos por uma empresa (Harrah s Entertainment, Inc) Criação da American Gaming Association. EUA Criação do National Center for Responsible Gaming (NCRG) EUA Criação Responsible Gaming National Education Campaing. EUA Criação do Institute for Research on Pathological Gambling and Related Disorders (integrado na Divisão sobre dependência, da Harvard Medical School. EUA Primeiro código de conduta de Jogo Responsável. EUA 2004.Jogos Santa Casa, iniciam estudos no sentido do desenvolvimento do Jogo Responsável

15 A resposta internacional I Interdição de operadores de jogo on-line Ex: proibição nos EUA dessas empresas em Outubro de 2006 Acções de pressão em diversos países europeus sobre esse tipo de actividades Limitação de plafonds de jogo e controlo de clientes nas LVT s (Canadá) Criação de padrões de conduta ética partilhados pela generalidade dos países Ex. EL, WLA Limitação dos tipos de jogos a oferecer ao público

16 A resposta internacional II Avaliação do impacto do jogo a dinheiro: em termos de epidemiologia da dependência, sua caracterização, produção de protocolos de acção comercial que visem a diminuição do impacto nos públicos mais sensiveis. Aumento do controlo sobre a rede de vendas Acções de prevenção secundária

17 A resposta nacional (no contexto do actual projecto) Os Jogos Santa Casa, em conjunto com o Centro de Estudos Aplicados da UCP, desenvolveram um protocolo que visa sem perder de vista os legítimos interesses comerciais que asseguram a assistência a milhares de pessoas: Produzir um levantamento state-of-art do campo cientifico de dependência de jogo a dinheiro, e partilha-lo com pares de outras Nações Europeias Avaliar a epidemiologia de dependência de jogo a dinheiro em Portugal, suas características, com recurso às mais modernas ferramentas Partilhar essa experiência internacionalmente Verificar todos os procedimentos internos em termos de Jogo responsável

18 O futuro Com base nos conhecimentos adquiridos, nas acções apreendidas e a desenvolver, os Jogos Santa Casa serão uma das organizações de jogo a dinheiro mais avançadas da Europa no domínio do Jogo Responsável. Se assim o desejar, os Jogos Santa Casa poderão ser um Centro de Excelência Internacional de boas praticas no âmbito do Jogo Responsável

Epidemiologia de Dependência de Jogo a Dinheiro em Portugal

Epidemiologia de Dependência de Jogo a Dinheiro em Portugal Epidemiologia de Dependência de Jogo a Dinheiro em Portugal Novembro de 2009 Henrique Lopes, PhD 10 Conclusões Principais 1. A taxa de prevalência de dependência de jogo a dinheiro em Portugal é idêntica

Leia mais

BWIN: PÁGINA DE JOGO RESPONSÁVEL

BWIN: PÁGINA DE JOGO RESPONSÁVEL OBSERVATÓRIO TRANSNACIONAL DE JOGO REMOTO Transparência Responsabilidade Social Corporativa A protecção dos consumidores exige a fixação de parâmetros rigorosos que garantam a idoneidade dos operadores.

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 2009-2014 Comissão do Mercado Interno e da Protecção dos Consumidores 22.6.2011 2011/2084(INI) PROJECTO DE RELATÓRIO sobre os jogos em linha no mercado interno (2011/2084(INI)) Comissão

Leia mais

ESTUDO DO IMPACTO SÓCIO-ECONÓMICO RIP CURL PRO PORTUGAL PENICHE 2012

ESTUDO DO IMPACTO SÓCIO-ECONÓMICO RIP CURL PRO PORTUGAL PENICHE 2012 ESTUDO DO IMPACTO SÓCIO-ECONÓMICO RIP CURL PRO PORTUGAL PENICHE 2012 OVERVIEW Key aspects Internacional Liderança e relevância na aldeia global Regional Mais importante Evento de surf na Europa Desportivo

Leia mais

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes

Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes A avaliação de impactes no mundo A IAIA e a APAI A língua portuguesa no mundo A Rede de Língua Portuguesa de Avaliação de Impactes - visão e missão, funcionamento,

Leia mais

LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL

LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL LIVRO VERDE SOBRE O JOGO EM LINHA NO MERCADO INTERNO RESPOSTA INDIVIDUAL 1 - Tem conhecimento de quaisquer dados ou estudos disponíveis sobre o mercado do jogo em linha na União Europeia que poderiam contribuir

Leia mais

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática

Aspectos Sócio-Profissionais da Informática ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA I N S T I T U T O P O L I T É C N I C O D E C A S T E L O B R A N C O ENGENHARIA INFORMÁTICA Aspectos Sócio-Profissionais da Informática Jovens Empresários de Sucesso e Tendências

Leia mais

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE

MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE MAIS PRÓXIMO DA COMUNIDADE RESPONSABILIDADE SOCIAL Com vista a promover uma cultura de responsabilidade social, o Millennium bcp tem procurado desenvolver um conjunto de acções junto dos vários grupos

Leia mais

6º Congresso Nacional da Administração Pública

6º Congresso Nacional da Administração Pública 6º Congresso Nacional da Administração Pública João Proença 30/10/08 Desenvolvimento e Competitividade: O Papel da Administração Pública A competitividade é um factor-chave para a melhoria das condições

Leia mais

formação financiamento

formação financiamento INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «EMPREENDEDORISMO UMA SOLUÇÃO PARA A CRISE», A VISÃO DO EMPREENDEDORISMO EM PORTUGAL, NO CENTRO

Leia mais

A Normalização e a Gestão do Risco

A Normalização e a Gestão do Risco A Normalização e a Gestão do Risco ISO 26000 e a Gestão do Risco 22 de Maio 2014 João Simião Algumas reflexões para partilhar 2 Curiosidades sobre riscos Sabia que o termo risco (risk) é referido em 141

Leia mais

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA

Case study. II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Case study 2009 II Encontro de Parceiros Sociais Microsoft CAMINHOS PARA A SUSTENTABILIDADE EMPRESA Microsoft Corporation fundada em 1975, líder mundial em software, serviços e soluções, que apoiam as

Leia mais

Prospecto Informativo Invest Tecnologia (Ser. 12/1)

Prospecto Informativo Invest Tecnologia (Ser. 12/1) Prospecto Informativo Invest Tecnologia (Ser. 12/1) Fevereiro de 2012 Designação: Invest Tecnologia (Ser. 12/1). Classificação: Caracterização do Depósito: Garantia de Capital: Garantia de Remuneração:

Leia mais

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico -

SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - SUSTENTABILIDADE COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO - Sector Eléctrico - APE Energia e Ambiente metas e políticas Maio 2004 António Neves de Carvalho EDP Electricidade de Portugal, S.A. Gabinete de Ambiente

Leia mais

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT

Relatório de Responsabilidade Social da SOLFUT 1 Janeiro de 2014 a 31 de Dezembro de 2014 Construir um mundo melhor começa num Sonho. Quem sonha, partilha o sonho e envolve os outros para agirem. E como diz o poeta a obra nasce! 2 Índice 1. Introdução

Leia mais

Textos aprovados 131k 57k

Textos aprovados 131k 57k 1 de 5 05-03-2012 18:18 Index Anterior Seguinte Texto integral Processo : 2008/2215(INI) Ciclo relativo ao documento : A6-0064/2009 Textos apresentados : A6-0064/2009 Debates : PV 09/03/2009-22 Votação

Leia mais

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro

CADERNO APFN Apostar na Família Construir o Futuro CADERNO APFN 5 Apostar na Família Construir o Futuro Fevereiro 2002-1 - DECLARAÇÃO DE PRINCÍPIOS DA APFN Acreditamos que: 1. A vida humana deve ser respeitada, reconhecida e protegida desde o momento da

Leia mais

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção

Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento. (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção Estratégia Nacional de Educação para o Desenvolvimento (2010-2015) ENED Plano de Acção 02 Estratégia Nacional de

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy

PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA. Selfenergy PROGRAMA DE APOIO À IMPLEMENTAÇÃO DE PROJECTOS DE PRODUÇÃO DE ENERGIA E DE EFICIÊNCIA ENERGÉTICA Selfenergy PARCEIRO: SCT Consulting SOLVING CHALLENGES TOGETHER Uma empresa com energia A Vivapower é uma

Leia mais

Ficha de Caracterização de Projecto. Instituto de Apoio à Criança Projecto Rua - em Família para Crescer

Ficha de Caracterização de Projecto. Instituto de Apoio à Criança Projecto Rua - em Família para Crescer Ficha de Caracterização de Projecto Instituto de Apoio à Criança Projecto Rua - em Família para Crescer 2 A. IDENTIFICAÇÃO GERAL DA ENTIDADE Projecto IAC Projecto Rua em Família para Crescer Promotor:

Leia mais

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira

XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011. Diogo Gaspar Ferreira XXXVII Congresso Nacional APAVT - Turismo: Prioridade Nacional Viseu, 01 a 04 de Dezembro de 2011 Diogo Gaspar Ferreira 1. PONTOS FRACOS E FORTES DO TURISMO RESIDENCIAL PORTUGUÊS 2. PLANO ESTRATÉGICO A

Leia mais

BRIEFING. Europeu e Concorrência

BRIEFING. Europeu e Concorrência SETEMBRO 2009 01 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DECIDE: LEGISLAÇÃO PORTUGUESA APLICÁVEL AOS JOGOS SOCIAIS DO ESTADO É COMPATÍVEL COM O DIREITO COMUNITÁRIO Em Portugal, os jogos de fortuna ou azar estão sujeitos a

Leia mais

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS

PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA ENERGÉTICA E ENERGIAS RENOVÁVEIS Enquadramento Protocolo de Quioto Cimeira de Joanesburgo Directiva Renováveis Estratégia Nacional de Desenvolvimento Sustentável Programa E4 Nova Resolução do Conselho de Ministros INTERREG Programas Regionais

Leia mais

Participação pública. Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário

Participação pública. Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Mestrado em Engenharia do Ambiente 5º ano / 1º semestre Participação pública Impactes Ambientais 11 ª aula Prof. Doutora Maria do Rosário Partidário Actores Inerentemente activos no processo: Promotor

Leia mais

1) Breve apresentação do AEV 2011

1) Breve apresentação do AEV 2011 1) Breve apresentação do AEV 2011 O Ano Europeu do Voluntariado 2011 constitui, ao mesmo tempo, uma celebração e um desafio: É uma celebração do compromisso de 94 milhões de voluntários europeus que, nos

Leia mais

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações:

I EMJ 8 de Junho de 2013 Recomendações finais Participantes nos grupos de trabalho que produziram as recomendações: Nr Área Recomendação Valido Abstenh o-me C/6 E/7 F/7 Voluntariado Aproveitar espaços sem utilização para fazer jardins, espaços para convívio e locais de desporto para a população. Promover a limpeza dos

Leia mais

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE

OPORTUNIDADES. Cluster energético: oportunidades; horizontes; observatório, BejaGlobal; PASE CLUSTER ENERGÉTICO DE BEJA OPORTUNIDADES SUSTENTABILIDADE ENERGÉTICA E CRESCIMENTO ECONÓMICO A sustentabilidade energética e climática é um desígnio estratégico duplo significado. Por um lado, desenvolvimento

Leia mais

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique

A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique www.iese.ac.mz A Experiência da Iniciativa de Transparência da Indústria Extractiva (ITIE) em Moçambique Rogério Ossemane 3ª Conferencia Internacional sobre Monitoria e Advocacia da Governação Maputo,

Leia mais

As A p s e p c e t c os o s Só S c ó i c o o P r P of o iss s i s on o a n i a s s d a d a I nf n or o mát á ica c 2º Trabalho Prático Abril de 2007

As A p s e p c e t c os o s Só S c ó i c o o P r P of o iss s i s on o a n i a s s d a d a I nf n or o mát á ica c 2º Trabalho Prático Abril de 2007 Aspectos Sócio Profissionais da Informática 2º Trabalho Prático Abril de 2007 Sumário Estratégia de Lisboa Plano Tecnológico Visão Geral Prioridades Alguns Resultados Ideias de Negócio Referências Bibliográficas

Leia mais

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009

OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 FISCAL N.º 4/2009 OUTUBRO/NOVEMBRO 2009 INCENTIVOS FISCAIS A PROJECTOS DE INVESTIMENTO DE INTERNACIONALIZAÇÃO No passado mês de Setembro foram publicados dois decretos-lei que completaram e alteraram o

Leia mais

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos

Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos Ensino profissional celebra 20 anos com forte crescimento de alunos e cursos * Total de alunos mais do que triplica o de há 10 anos e atinge 91 mil; peso das escolas secundárias públicas passa de zero

Leia mais

Banco Popular, Espanha

Banco Popular, Espanha Banco Popular, Espanha Tecnologia avançada de automação do posto de caixa para melhorar a eficiência e beneficiar a saúde e segurança dos funcionários O recirculador de notas Vertera contribuiu para impulsionar

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 1662 Diário da República, 1.ª série N.º 59 24 de Março de 2011 Parte E Obrigações dos organismos notificados 1 Os organismos notificados devem comunicar à autoridade notificadora as seguintes informações:

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos

TURISMO DE NATUREZA. AEP / Gabinete de Estudos TURISMO DE NATUREZA AEP / Gabinete de Estudos Junho de 2008 1 1. Situação a nível europeu De acordo com o Estudo realizado por THR (Asesores en Turismo Hotelería y Recreación, S.A.) para o Turismo de Portugal,

Leia mais

2ª Conferência. Cresce e Empreende! Projecto Sports For All. Fundação Aragão Pinto. Real Colégio de Portugal. Bruno de Carvalho 23 de Outubro de 2012

2ª Conferência. Cresce e Empreende! Projecto Sports For All. Fundação Aragão Pinto. Real Colégio de Portugal. Bruno de Carvalho 23 de Outubro de 2012 2ª Conferência Cresce e Empreende! Projecto Sports For All Fundação Aragão Pinto Real Colégio de Portugal Bruno de Carvalho 23 de Outubro de 2012 CRESCE! O que é crescer? Dicionário: Desenvolver-se; Tornar-se

Leia mais

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS

PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS PLANO DE PROMOÇÃO DA EFICIÊNCIA NO CONSUMO (PPEC) REVISÃO DAS REGRAS Intervenção do Senhor Presidente da CIP Confederação da Indústria Portuguesa, Eng.º Francisco van Zeller, na Audição Pública (CCB, 04/04/2008)

Leia mais

www.luxhistoricalconsulting.com.pt luxhistconsulting@gmail.com

www.luxhistoricalconsulting.com.pt luxhistconsulting@gmail.com Turismo Genealógico A Lux - Historical Consulting é uma empresa de consultoria histórica e produção de conteúdos que oferece serviços de genealogia, património empresarial, branding e turismo cultural.

Leia mais

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal

SAÚDEGLOBAL. AON Portugal SAÚDEGLOBAL AON Portugal Breve Apresentação do Negócio DADOS DE CARACTERIZAÇÃO Designação Comercial Saúdeglobal N.º Colaboradores N.º de Estabelecimentos Dispersão Geográfica Nacional Facturação em 2010

Leia mais

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes

Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste. Questões Frequentes Um Fundo Petrolífero para Timor-Leste Questões Frequentes 1. Porque não organizar o Fundo Petrolífero como um Fundo Fiduciário separado (em vez de o integrar no Orçamento de Estado)? 2. Por que razão deve

Leia mais

PROTOCOLO BANCO DE MEDICAMENTOS RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES

PROTOCOLO BANCO DE MEDICAMENTOS RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES PROTOCOLO BANCO DE MEDICAMENTOS RESPOSTAS ÀS PERGUNTAS MAIS FREQUENTES 1. Como posso aderir ao Banco de Medicamentos? Para aderir ao Banco de Medicamentos, a empresa deverá inscrever-se na Plataforma através

Leia mais

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades.

adaptados às características e expectativas dos nossos Clientes, de modo a oferecer soluções adequadas às suas necessidades. A Protteja Seguros surge da vontade de contribuir para o crescimento do mercado segurador nacional, através da inovação, da melhoria da qualidade de serviço e de uma política de crescimento sustentável.

Leia mais

nos Desportos de Deslize Nauticampo 9 de Fevereiro de 2012

nos Desportos de Deslize Nauticampo 9 de Fevereiro de 2012 Aposta Municipal nos Desportos de Deslize Nauticampo 9 de Fevereiro de 2012 http://www.surfline.com/surf-news/best-bet-february-portugal_66478 As Ondas como recurso endógeno, diferenciador e catalisador

Leia mais

RESUMO. Intervir ao nível dos factores ambientais para promover a saúde do indivíduo e das comunidades a eles expostos

RESUMO. Intervir ao nível dos factores ambientais para promover a saúde do indivíduo e das comunidades a eles expostos PLANO NACIONAL DE ACÇÃO AMBIENTE E SAÚDE 2008-2013 (PNAAS) RESUMO 1 O Plano Nacional de Acção Ambiente e Saúde (PNAAS), aprovado pela Resolução do Conselho de Ministros n.º 91/2008, de 4 de Junho (http://dre.pt/pdf1sdip/2008/06/10700/0310603179.pdf),

Leia mais

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução

Bom dia, Senhoras e Senhores. Introdução Bom dia, Senhoras e Senhores Introdução Gostaria de começar por agradecer o amável convite que o Gabinete do Parlamento Europeu em Lisboa me dirigiu para participar neste debate e felicitar os organizadores

Leia mais

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Associação Nacional de Apostadores Online Argumentação principal: A ANAon (Associação Nacional de Apostadores On-line) é uma associação sem fins lucrativos,

Leia mais

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO

DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO DIÁLOGO SOCIAL EUROPEU: PROJECTO DE ORIENTAÇÕES MULTISSECTORIAIS PARA O COMBATE DA VIOLÊNCIA E ASSÉDIO DE TERCEIROS RELACIONADOS COM O TRABALHO EPSU, UNI Europa, ETUCE, HOSPEEM, CEMR, EFEE, EuroCommerce,

Leia mais

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA

ACQUALIVEEXPO. Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA ACQUALIVEEXPO Painel A INTERNACIONALIZAÇÃO DO SECTOR PORTUGUÊS DA ÁGUA EVOLUÇÃO DO SECTOR DA ÁGUA NOS BALCÃS: O EXEMPLO DA SÉRVIA Lisboa, 22 de Março de 2012 1 1. Introdução A diplomacia económica é um

Leia mais

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior

Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa na Ciência, Tecnologia e Ensino Superior Prioridades da presidência portuguesa da União Europeia na área de Ciência e Tecnologia Construir o futuro da Ciência e da

Leia mais

Norma de Procedimentos

Norma de Procedimentos FEADER A Europa investe nas zonas rurais Governo dos Açores Norma de Procedimentos Acção 3.2.1 Serviços Básicos para a Economia e Populações Rurais 2011 A CONSULTA DESTA NORMA NÃO DISPENSA A CONSULTA DA

Leia mais

DNA CASCAIS. 3 Anos a apoiar Empreendedores. 11 de Março de 2010

DNA CASCAIS. 3 Anos a apoiar Empreendedores. 11 de Março de 2010 DNA CASCAIS 3 Anos a apoiar Empreendedores 11 de Março de 2010 Missão p e n s a r g l o b a l l a g i r l o c a l Ecossistema Empreendedor Parceiros Globais : DNA CASCAIS Ecossistema Empreendedor em Cascais

Leia mais

Seminário: emissão de valores mobiliários e. Isabel Alexandre

Seminário: emissão de valores mobiliários e. Isabel Alexandre Seminário: emissão de valores mobiliários e ofertas públicas em tempos de crise O fomento da literacia financeira Isabel Alexandre 3 e 4 de Junho de 2013 Sala Conferência Hotel Praia Mar I. Definição de

Leia mais

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental

Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Análise de sustentabilidade da empresa nos domínios económico, social e ambiental Estratégias adoptadas As estratégias adoptadas e o desempenho da APFF nos três domínios da sustentabilidade encontram-se

Leia mais

Economia e Finanças Públicas Aula T9

Economia e Finanças Públicas Aula T9 Economia e Finanças Públicas Aula T9 3. Receitas Públicas: Teoria e Prática 3.1 Principais fontes de financiamento público 3.1.1 Tipologia das receitas públicas 3.1.2 Características desejáveis de um sistema

Leia mais

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011

Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 Plano Municipal de Cascais contra a Violência Doméstica 2008-2011 A violência doméstica é um fenómeno complexo que requer uma intervenção concertada e multidisciplinar. 1 PLANO MUNICIPAL CONTRA A VIOLÊNCIA

Leia mais

Parceria sólida desde 2011 Programa centrado nos líderes É nas alturas de crise que o líder tem de assumir plenamente a sua missão no desenvolvimento da empresa, dos colaboradores, das famílias e da comunidade

Leia mais

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores

Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Protocolo de Colaboração Rede Embaixadores para a Responsabilidade Social das Empresas dos Açores Introdução Considerando que nos Açores, são já muitas as empresas e organizações que assumem convictamente

Leia mais

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS)

Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Resultados Consolidados a 30 de Junho de 2010 Informação Privilegiada (IFRS/IAS) Volume de Negócios: 122,8 M (119,9 M em 6M09) 28 de Julho de 2010 1. Indicadores Chave O volume de negócios e o EBITDA apresentados

Leia mais

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP )

Shared Services Center Get the global picture. Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Shared Services Center Get the global picture Estudo de implementação de plataforma de desenvolvimento de centros de serviços partilhados ( CSP ) Enquadramento Shared Services Center: Get the global picture

Leia mais

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água

A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água A organização nacional do sector da água: pontos fortes e pontos fracos. um contributo português para o desenvolvimento do sector da Água no Mundo Como pode a PPA contribuir para uma melhor consolidação.

Leia mais

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011

A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 A Cooperação Portuguesa para o Desenvolvimento: uma visão para o papel das ONGD Documento de Posição da Plataforma Portuguesa das ONGD Agosto de 2011 O presente documento tem por objectivo dar um contributo

Leia mais

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira

Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira Polis Litoral Operações Integradas de Requalificação e Valorização da Orla Costeira OBJECTIVOS DO POLIS LITORAL: (RCM n.º 90/2008, de 3 de Junho) a) Proteger e requalificar a zona costeira, tendo em vista

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO

Sistema de Incentivos à Inovação. Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Sistema de Incentivos à Inovação Inovação Produtiva CONDIÇÕES DE ENQUADRAMENTO Aviso para apresentação de candidaturas Nº 02/SI/2012 1 Índice Tipologias de Investimento... 3 Condições de Elegibilidade

Leia mais

Plano tecnológico? Ou nem tanto?

Plano tecnológico? Ou nem tanto? Plano tecnológico? Ou nem tanto? WEB: ÉDEN?APOCALIPSE? OU NEM TANTO? Plano Tecnológico Mas, Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, além deste Contrato, o Novo Contrato para a Confiança, o nosso

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial

Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Desenvolvimento Sustentável da Inovação Empresarial Inovar para Ganhar Paulo Nordeste Portugal tem apresentado nos últimos anos casos de sucesso em inovação; como novos produtos, serviços e modelos de

Leia mais

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJECTO DE LEI N.º 660/X ESTABELECE O REGIME DE APLICAÇÃO DA EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR Exposição de Motivos A garantia da saúde sexual e reprodutiva na sociedade contemporânea é condição necessária

Leia mais

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR

POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR POLÍTICAS DE COMPETITIVIDADE PARA O SECTOR AGRO-ALIMENTAR Prioridades Estratégicas Indústria Portuguesa Agro-Alimentar Federação das Indústrias Portuguesas Agro-Alimentares XI LEGISLATURA 2009-2013 XVIII

Leia mais

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA

POLÍTICA DE AMBIENTE, QUALIDADE E SEGURANÇA HOMOLOGAÇÃO: José Eduardo Carvalho 14-03- Pág. 2 de 5 A Tagusgás subscreve a Política AQS da Galp Energia. A Política AQS da Tagusgás foi definida tendo em consideração os Objectivos Estratégicos do Grupo

Leia mais

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt

Tendências. Membro. ECOPROGRESSO, SA tel + 351 21 798 12 10 fax +351 21 798 12 19 geral@ecotrade.pt www.ecotrade.pt 30 27 Evolução do Preço CO2 Jan 06 - Fev 07 Spot Price Powernext Carbon Jan de 2006 a Fev 2007 Spot CO2 (30/01/07) Preço Δ Mensal 2,30-64.50% 2007 2,35-64,4% 2008 15.30-16,16% Futuro Dez 2009 2010 15.85

Leia mais

Discurso do IGT na conferência da EDP

Discurso do IGT na conferência da EDP Discurso do IGT na conferência da EDP 1. A Segurança e Saúde no Trabalho é, hoje, uma matéria fundamental no desenvolvimento duma política de prevenção de riscos profissionais, favorecendo o aumento da

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Lei de Bases da Economia Social

Lei de Bases da Economia Social Projecto de Lei nº 68/XII Lei de Bases da Economia Social A Economia Social tem raízes profundas e seculares na sociedade portuguesa. Entidades como as misericórdias, as cooperativas, as associações mutualistas,

Leia mais

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações

II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações II Fórum Português da Responsabilidade das Organizações O Futuro é hoje: visões e atitudes para um Portugal sustentável Introdução 1.Sustentabilidade e Responsabilidade Social; 2. O Desenvolvimento Sustentável;

Leia mais

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março

Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março Decreto-Lei n.º 56/2006, de 15 de Março EXPLORAÇÃO DE JOGOS SOCIAIS (DISTRIBUIÇÃO DOS RESULTADOS LÍQUIDOS) (LOTARIAS - TOTOBOLA TOTOLOTO TOTOGOLO LOTO 2 JOKER - EUROMILHÕES) A afectação das receitas dos

Leia mais

ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES

ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES ORGANIZAÇÃO DAS SESSÕES 1ª Sessão - Apresentação da Kutsemba e dos Voluntários e Gestão das Expectativas de ambas as partes (3H) - 8 Maio Formadora(s) : Ana Vitorino / Joana Loureiro / Ana Diniz Apresentação

Leia mais

Voluntariado Afirmação de uma Cidadania Plena

Voluntariado Afirmação de uma Cidadania Plena Voluntariado Afirmação de uma Cidadania Plena Voluntariado versus Solidariedade - Enquadramento Legal do Voluntariado - O Voluntário - Voluntariado um Compromisso de Solidariedade - O BLV de Vila Nova

Leia mais

28-06-2011. Principais motivações:

28-06-2011. Principais motivações: 1 2 Desde o início de 2009 que o HDES tem equacionado a possibilidade de entrar no mercado do Turismo da Saúde, discutindo internamente a ideia e a possível adesão de profissionais médicos, bem como contactando,

Leia mais

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro?

Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? Orçamento da saúde 2012 para onde vai o seu dinheiro? José Carlos Caiado 26 de Outubro de 2011 Introdução Elaboração do orçamento da saúde Monitorização e divulgação de informação Melhoria do desempenho

Leia mais

VIFUG Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias

VIFUG Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias VIFUG Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias Brasília, 02 de Dezembro de 2015 Loterias e Jogos no Brasil Estudo Técnico FGV Loterias da CAIXA Em 2014 - de R$ 13,5 bilhões, repasses de R$ 6,38

Leia mais

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA

INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA INOVAÇÃO, EMPREENDEDORISMO E O FUTURO MINISTÉRIO DA ECONOMIA Empresas INOVAÇÃO PRODUTOS DIMENSÃO MERCADO PRODUÇÃO MARKETING GESTÃO LIDERANÇA FINANCIAMENTO RH COMPETÊNCIAS Empreendedorismo VISÃO ESTRUTURADA

Leia mais

Responsabilidade Social da Capgemini. 1º Fórum Português de Responsabilidade Social das Organizações

Responsabilidade Social da Capgemini. 1º Fórum Português de Responsabilidade Social das Organizações Responsabilidade Social da Capgemini 1º Fórum Português de Responsabilidade Social das Organizações O modelo de responsabilidade social da Capgemini, também já implementado em muitos dos nossos clientes,

Leia mais

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data

A Chevron e Angola. Parceiros de Longa Data A Chevron e Angola Parceiros de Longa Data As oportunidades de crescimento e progresso nunca foram tão vastas nas seis décadas de história da Chevron em Angola. Biliões de dólares estão a ser investidos

Leia mais

Anexo VII. Tratamento de Dados. Contributos para a Carta de Desporto da Natureza do Parque Natural da Serra da Estrela

Anexo VII. Tratamento de Dados. Contributos para a Carta de Desporto da Natureza do Parque Natural da Serra da Estrela Anexo VII Tratamento de Dados Contributos para a Carta de Desporto da Natureza do Parque Natural da Serra da Estrela Os dados apresentados na figura seguinte referem-se aos pareceres resultantes dos pedidos

Leia mais

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO

MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO MERCADO ECONÓMICO EM ANGOLA PERSPECTIVA DE EVOLUÇÃO Mercado Economico em Angola - 2015 Caracterização Geográfica de Angola Caracterização da economia Angolana Medidas para mitigar o efeito da redução do

Leia mais

Curso de Técnico Comercial Bancário

Curso de Técnico Comercial Bancário Curso de Técnico Comercial Bancário Este curso é integralmente financiado pelo Estado Português e Fundo Social Europeu não tendo quaisquer custos para os participantes. OBJECTIVOS Os Cursos de Aprendizagem

Leia mais

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015

GOVERNO. Orçamento Cidadão 2015 REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE GOVERNO Orçamento Cidadão 2015 Os recursos públicos do Estado são recursos públicos do povo e para o povo, condição que dá ao cidadão o direito de saber como

Leia mais

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO

1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO 1ª CONFERÊNCIA IBÉRICA DE EMPREENDEDORISMO Painel: Empreendedorismo Social - 27 e 28 de Outubro de 2011 Práticas Inovadoras de Responsabilidade Social e Empreendedorismo Cascais, 27 de Outubro de 2011

Leia mais

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros

Normas de Ética e Conduta Empresarial para Terceiros Todas as actividades empresariais na Bristol-Myers Squibb (BMS) apoiam-se no alicerce do nosso compromisso com a integridade e a conformidade com todas as leis, regulamentos, directivas e códigos industriais

Leia mais

importância económica do sector

importância económica do sector importância económica do sector ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DAS BEBIDAS REFRESCANTES NÃO ALCOÓLICAS O CONTEXTO DA INDÚSTRIA AGRO-ALIMENTAR E SUA IMPORTÂNCIA ESTRATÉGICA A industria de bebidas não alcoólicas

Leia mais

Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias

Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias Prestígio da profissão docente a partir da sociedade.novas tecnologias Paulo Carlos Pimentel Evolução histórica da profissão docente Começa-se por falar de ensino a partir do século XVI. O ensino estava

Leia mais

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO

INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO Janeiro 2004 INICIATIVA ESTRATÉGICA CONHECIMENTO E INOVAÇÃO 1 - OBJECTIVOS O Conhecimento é fonte de Desenvolvimento. A criação e transmissão do Conhecimento

Leia mais

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES

GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES GUIA INFORMATIVO PARA ORGANIZAÇÕES FICHA TÉCNICA Organização: Câmara Municipal da Amadora, Gabinete de Acção Social Equipa Técnica: Ana Costa, Rute Gonçalves e Sandra Pereira Design/Paginação: Estrelas

Leia mais

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA

CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA CONFERÊNCIA DISTRIBUIÇÃO DE SEGUROS E PRODUTOS FINANCEIROS FERNANDO FARIA DE OLIVEIRA 28 de Novembro de 2014 AGENDA FUNÇÕES DA BANCA E DOS SEGUROS BANCASSURANCE E ASSURBANK RACIONAL E CONDICIONANTES EVOLUÇÃO

Leia mais

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil

Formação Nacional de Formadores para a Participação Juvenil Contexto Não é claro, nem na Convenção Europeia sobre os Direitos Humanos nem na Declaração Universal dos Direitos Humanos, como é que a participação (juvenil) na sociedade civil é assegurada como Direito

Leia mais

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português.

Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Identificação da empresa Sociedade de Transportes Colectivos do Porto, S.A. (ou STCP, S.A.) empresa detida a 100% pelo Estado Português. Breve Historial da STCP A STCP - Sociedade de Transportes Colectivos

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES

PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES ESCOLA SECUNDÁRIA C/ 3º CICLO DE MANUEL DA FONSECA PLANO ANUAL DE ACTIVIDADES A intervenção do Psicólogo na escola baseia-se num modelo relacional e construtivista, que fundamenta uma prática psicológica

Leia mais

1º Forúm Amianto O AMIANTO MATA! PRIMEIRO OS TRABALHADORES, AS PESSOAS E O AMBIENTE EM QUE VIVEMOS

1º Forúm Amianto O AMIANTO MATA! PRIMEIRO OS TRABALHADORES, AS PESSOAS E O AMBIENTE EM QUE VIVEMOS 1º Forúm Amianto O AMIANTO MATA! PRIMEIRO OS TRABALHADORES, AS PESSOAS E O AMBIENTE EM QUE VIVEMOS ARMANDO FARIAS 1 O enorme desenvolvimento do uso do amianto a partir dos finais do século XIX, com a descoberta

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

Perguntas e respostas sobre timeshare e produtos de férias de longa duração

Perguntas e respostas sobre timeshare e produtos de férias de longa duração MEMO/07/231 7 de Junho de 2007 Perguntas e respostas sobre timeshare e produtos de férias de longa duração Que direitos têm actualmente os consumidores relativamente aos contratos de timeshare? Em conformidade

Leia mais