EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EKM Visão Geral. Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian"

Transcrição

1 EKM Visão Geral Vinicius Strugata João Aguirre Ricardo Damian

2 EKM 2.0 Desafios na Simulação de Engenharia PAGE 2? Cenário 1: Colaboração Cenário 2: Reutilização Vários analistas trabalhando no mesmo Projeto Busca e reuso de simulações anteriores Cenário 3: Desenvolvimento Desenvolvimento/Projeto de Produtos - DOE

3 EKM 2.0 Alguns Fatos... PAGE 3 Executar uma simulação é um procedimento complexo que produz uma imensa quantidade de dados: Relatórios, gráficos, imagens, vídeos... Arquivos de simulação, CADs, malhas,... Tal conhecimento produzido tem vida curta na mente das pessoas envolvidas (a menos que o mesmo seja bem documentado, arquivado e disponível); Experts em engenharia prosperam na conquista da complexidade, e geralmente não se preocupam em documentar e arquivar suas soluções; Solucionar este problema permite que engenheiros que usem o EKM sejam mais produtivos, e por conseguinte os produtos que sua empresa vende mais valiosos.

4 EKM 2.0 Gerenciamento do Conhecimento PAGE 4

5 EKM 2.0 Solução Escalável PAGE 5

6 EKM 2.0 Solução focada em CAE PAGE 6

7 EKM 2.0 Solução focada em CAE PAGE 7

8 EKM 2.0 Vantagens PAGE 8 Ansys EKM fornece: Uma solução escalável para SPDM focada para CAE; Forte integração com os demais produtos da família Ansys (e também com algumas ferramentas concorrentes como Abaqus, Nastran, Catia,...); Ansys EKM auxilia os engenheiros a: Aprimorar as relações de trabalho e de comunicação; Estabelecer um ambiente colaborativo; Reduzir o tempo necessário para pesquisar e recuperar informações; Gerar um repositório de simulações previamente executadas, inclusive com a possibilidade de preservar o histórico da evolução das mesmas; Extrair relatórios gerados a partir dos arquivos de simulação enviados ao servidor. É possível também gerar relatórios comparativos a partir de dois arquivos selecionados; Documentar o trabalho, conhecimento e melhores práticas; Automatizar processos e reduzir erros; Concentrar-se apenas na física e resultados da simulação;

9 EKM 2.0 Uso Básico PAGE 9 Após devidamente instalado, o EKM provê funcionalidades básicas simples, mas bastante úteis: Repositório de Arquivos, com controle de acesso e controle de versão; Gerenciamento de grupos de usuários com permissões de acesso diferenciadas; Gerenciamento de Workspaces ; Pesquisa livre nos Arquivos usando como critério texto ou propriedade (metadados). Possibilidade de usar critérios combinados na pesquisa; Possibilidade de salvar uma pesquisa; Geração Automática de Relatório a partir de um Arquivo; Duas opções para envio de arquivos para o repositório EKM: WEB Brower Client File Transfer Client

10 EKM 2.0 Repositório de Arquivos PAGE 10 Interface intuitiva, bastante similar ao Windows Explorer; Possibilidade de criar tipos customizados de pastas. Por exemplo: Criação de uma pasta do tipo ProjectA que automaticamente cria as sub-pastas: CAD_Projects, Presentations, Reports e Simulations.

11 EKM 2.0 Controle de Acesso PAGE 11 O Controle de Acesso permite aplicar políticas de permissões de acesso/modificação aos arquivos. Grupos de Usuários, com permissões em comum, podem ser criados. Pode-se aplicar permissões a arquivos ou pastas (e opcionalmente recursivo às subpastas) à usuários individualmente ou a grupos de usuários. Se adequadamente definido, o Controle de Acesso pode ajudar a garantir a integridade dos dados armazenados no EKM. Todas as atividades que envolvem modificação nos arquivos ficam registradas em um Log (atividade executada, hora, usuário). Relatórios de Utilização: é possível gerar relatórios de utilização com detalhes (hrs logadas, qtd de dados transferidos,...) revelando o uso do EKM por usuário. Tal relatório pode ser útil para ajudar a gerenciar e dimensionar os recursos computacionais usados pelo EKM. Controle de Acesso

12 EKM 2.0 Controle de Versão PAGE 12 Permite que um histórico das modificações em um arquivo seja armazenado. Permite que um arquivo, atualmente em edição por um usuário, seja protegido de modificações por outro usuário. Designa a versão corrente de um arquivo por dois números: 1.1, 1.2, 1.3,... Possibilidade de recuperar uma versão antiga de um arquivo. Possibilidade de comparar (metadados) a versão atual com uma versão anterior de um arquivo. Permite visualizar graficamente a evolução do arquivo.

13 EKM 2.0 Workspace PAGE 13 Em adição ao conceito de Grupo de Usuários, tem-se o conceito de Workspace. Um Workspace contém seu próprio conjunto de grupo de usuários e arquivos armazenados. Pode ser usado para representar departamentos de uma empresa (p.ex. P&D, Suporte a Cliente, etc) ou um grande projeto. P&D Novo Projeto A Suporte a Cliente

14 EKM 2.0 Recursos de Pesquisa PAGE 14 O EKM provê um mecanismo de pesquisa integrado e pronto para uso logo após a instalação. Dois tipos de pesquisa estão disponíveis: Palavra-chave: pesquisa rápida em arquivos de texto e em metadados em todos os arquivos do repositório. Avançada: possibilidade de combinar vários critérios de pesquisa e restringir a pesquisa à locais específicos do repositório e também a tipos de arquivos. As pesquisas podem ser salvas e editadas posteriormente. Pesquisa de Arquivos

15 EKM 2.0 Relatórios PAGE 15 Os metadados dos arquivos são usados para gerar os relatórios. Metadados podem ser extraídos de uma grande variedade de arquivos, incluindo os gerados pelos softwares do portfólio Ansys, pelos softwares da família MSOffice e por alguns softwares concorrentes. Possibilidade de gerar relatórios a partir de formatos proprietários. Arquivos Extração de Metadados Relatório Gerado

16 EKM 2.0 Envio de Arquivos PAGE 16 Duas opções estão disponíveis para envio de arquivos ao repositório EKM: WEB Brower Client: Arquivos pequenos ~ 1KB ->100MB WEB application do EKM File Transfer Client (FTC): arquivos grandes ~ 10GB Arquivos grandes ~ 100MB ->10GB Aplicação JAVA standalone A extração dos metadados nos arquivos é realizada no momento do envio ao repositório; Durante o upload, os arquivos são enviados primeiramente para uma área temporária (staging area), no cache service, que então transfere os arquivos.

17 EKM Customização Visão Geral PAGE 17 O Ansys EKM fornece um ambiente altamente escalável e customizável, que pode atender a uma ampla gama de necessidades de uma empresa. Estão disponíveis as seguintes formas de customização: Tipos de Dados; Scripts; Relatórios; Aplicações Customizadas; FluidoDinâmica Estrutural Turbo-máquinas Eletromagnetismo

18 EKM Customização Visão Geral PAGE 18 As customizações são realizadas ao editar arquivos de texto, escritos usando-se as tecnologias requeridas pelo EKM (XHTML, Javascript, JSF, BeanShell, Python). Assim, a customização pode ser tão complexa quanto for o domínio do usuário nestas tecnologias. Mas para a maioria dos casos, pode-se conseguir excelentes resultados ao usar os exemplos fornecidos como base para definir customizações simples e que atendem às necessidades mais comuns.

19 EKM Customização de Tipos de Dados PAGE 19 Útil quando se deseja mais controle sobre como os dados associados com as simulações CAE são usados e organizados: Estrutura de Arquivos: define uma estrutura hierárquica de diretórios e arquivos para um determinado tipo de simulação CAE; Análise de Projeto: tipo especial de diretório que serve como um container de todos os dados pertencentes à uma análise. Permite aplicar relações de interdependência entre estes dados, de modo que qualquer modificação em um dado da cadeia implica na atualização dos dados dependentes; Estrutura de Diretórios Customizada Análise de um Projeto de Fluidodinâmica usando Fluent

20 EKM Customização de Tipos de Dados PAGE 20 Formato de Arquivo: o EKM é capaz de gerenciar e extrair metadados de formatos proprietários de arquivos. Tais metadados podem ser usados para geração de relatórios ou como critério no mecanismo de busca do EKM; Extensões de Tipos Built-In: é possível adicionar atributos aos tipos built-in que podem ser importantes ao fluxo de trabalho em uma simulação CAE. Arquivo de Resultado Formato Proprietário Extração de Metadados Relatório Gerado

21 EKM Customização usando Scripts PAGE 21 EKM provê uma funcionalidade de scripting que pode ser usada para automatizar operações comuns; Scripts podem ser usados diretamente ou indiretamente (por aplicações customizadas ou dentro de um workflow) As linguagens suportadas para se escrever scripts são BeanShel e Python. Python Script Ferramenta de Scripting BeanShell Script

22 EKM Aplicações Customizadas PAGE 22 São aplicações WEB que podem ser dinamicamente instaladas no servidor EKM; Visualmente são compostas de um conjunto de controles em uma Caixa de Diálogo, desenvolvidas usando-se as tecnologias WEB tais como XHTML, CSS, Javascript e JSF; As informações entradas nos controles de interface são processadas através de scripts definidos em BeanShell ou Python. Aplicação WEB Usuário

23 EKM Customização - Conclusão PAGE 23 As características de customização do EKM permitem aplicação em uma ampla gama de necessidades de uma empresa; Estabelece uma forma padrão de como o fluxo de trabalho e as informações são organizadas e processadas; As diferentes formas de customização podem (devem) ser combinadas para assim obter ótimos resultados; A ESSS é a parceira ideal para fornecer soluções customizadas para o EKM, pois a empresa possui especialistas tanto na parte de Engenharia como na parte de Desenvolvimento de Software.

24 EKM 2.0 Workflows PAGE 24 Workflows: conjunto de atividades/tarefas usado para modelar um processo de simulação em engenharia. Tais atividades podem ser seqüenciais, paralelas ou iterativas. Podem ser executadas manualmente ou automaticamente pelo EKM. Podem ser divididas em sub-processos e então enviadas a sistemas gerenciadores de fila como LSF, RSM, SGE, PBS. São definidas em termos de 3 elementos: Variáveis: dados e arquivos de entrada e saída de cada tarefa. Nós: tarefas, delegadas a responsáveis, a serem executadas. Transições: ligações entre nós. Uma transição pode ter um gatilho associado, disparado para executar determinada tarefa adicional sempre que uma transição é percorrida.

25 EKM 2.0 Workflows - Definição PAGE 25 São definidos através de arquivos XML. Podem ser editados em qualquer editor de texto ou visualmente, através da ferramenta Ansys EKM Studio.

26 EKM 2.0 Workflows - Definição PAGE 26 O Workflow definido no slide anterior é representado desta forma no EKM Agora este workflow pode ser usado como um guia para proceder com uma análise de engenharia, definindo claramente as etapas, o fluxo de informações, os resultados e os responsáveis por cada etapa

27 EKM 2.0 Workflows - Definição PAGE 27 O Workflow é iniciado quando um responsável (no caso LeadAnalyst) cria um novo Process a partir do mesmo. A equipe liderada por LeadAnalyst é composta por dois integrantes, Analyst1 e Analyst2, que dividirão as tarefas do Workflow

28 EKM 2.0 Workflows PAGE 28 Após iniciado, o LeadAnalyst pode acompanhar qual etapa do Workflow está sendo executada e o respectivo responsável

29 EKM 2.0 Workflows PAGE 29 Assim que o LeadAnalyst inicia o processo, uma notificação por é enviada para o responsável pela etapa corrente do Workflow. No caso, tal notificação é enviada para o Analyst1, que poderá verificar a lista de itens a serem trabalhados em My Work Items

30 EKM 2.0 Workflows PAGE 30 Na definição da tarefa constam todos os dados e instruções para sua execução. Ao completar a tarefa, Analyst1 informa ao EKM a localização do resultado da tarefa, que será o input para a próxima etapa.

31 EKM 2.0 Workflows PAGE 31 Tão logo o arquivo de geometria é submetido para o EKM, uma notificação é enviada para o Analyst2, responsável pelas duas próximas etapas: malha e definição do setup físico. O LeadAnalyst pode acompanhar o estágio atual execução do processo.

32 EKM 2.0 Workflows PAGE 32 Analyst2 completa sua lista de tarefas ao informar para o EKM o arquivo com a definição do setup físico. Na seqüência, uma notificação é enviada para Analyst1, responsável por gerar o arquivo de resultado a partir do arquivo de setup físico. Finalmente, o Workflow é finalizado e uma notificação é enviada ao LeadAnalist informando a conclusão do mesmo.

33 EKM 2.0 Workflows PAGE 33 O LeadAnalyst verifica o sucesso da conclusão do Workflow.

34 EKM 2.0 Workflows Considerações Finais PAGE 34 O Workflow provê uma maneira eficiente de documentar, executar e gerenciar melhores práticas em engenharia. Favorece o trabalho colaborativo em equipe por definir claramente as responsabilidades de cada integrante no Workflow. Permite que determinada etapa seja re-atribuída a outro integrante da equipe caso haja necessidade. Cada integrante da equipe pode estar localizado em um mesmo escritório ou geograficamente distantes. Permite o acompanhamento e aprovação da evolução do Workflow pelo Líder de Projeto. Permite que etapas repetitivas do Workflow (ex. geração de malha, relatórios) sejam automatizadas e executadas em batch. Permite que etapas mais complexas sejam executadas com o auxílio de Aplicações Customizadas. Permite trabalhar com qualquer tipo de arquivo, não apenas aqueles gerados pelos softwares do portfólio Ansys. É flexível suficiente para ser usado em atividades paralelas à atividade de engenharia, como por exemplo a organização de um Evento, em que várias atividades devem ser executadas (contactar participantes, contratar Centro de Convenções, reunir artigos a serem apresentados,...) por diferentes pessoas.

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831

Rational Quality Manager. Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 Rational Quality Manager Nome: Raphael Castellano Campus: AKXE Matrícula: 200601124831 1 Informações Gerais Informações Gerais sobre o RQM http://www-01.ibm.com/software/awdtools/rqm/ Link para o RQM https://rqmtreina.mvrec.local:9443/jazz/web/console

Leia mais

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.

J820. Integração Contínua. com CVS, CruiseControl, Cruise Control. argonavis.com.br. AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm. J820 Integração Contínua com CVS, CruiseControl, Cruise Control AntHill Gump e Helder da Rocha (helder@acm.org) Integração contínua Um dos requisitos para implementar a integração contínua é ter um sistema

Leia mais

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4)

CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software. Tendências, Perspectivas e Ferramentas de Qualidade em Engenharia de Software (4) CURSO de GRADUAÇÃO e de PÓS-GRADUAÇÃO do ITA 2º SEMESTRE 2002 CES-32 e CE-230 Qualidade, Confiabilidade e Segurança de Software Eng. Osvandre Alves Martins e Prof. Dr. Adilson Marques da Cunha Tendências,

Leia mais

Ficha Técnica Xenos Developer Studio

Ficha Técnica Xenos Developer Studio Xenos Developer Studio Ficha Técnica Xenos Developer Studio Xenos Developer Studio Soluções de Enterprise Output Management que reduz custos associados à impressão tradicional, ao mesmo tempo em que facilita

Leia mais

Introdução. Mais fácil de explicar, compartilhar, mudar, reutilizar e reaproveitar. Workflow funciona como integrador do conhecimento.

Introdução. Mais fácil de explicar, compartilhar, mudar, reutilizar e reaproveitar. Workflow funciona como integrador do conhecimento. Screen Introdução O Taverna utiliza uma linguagem de fluxo de trabalho especifica como processos (Web Services) se encaixam. Descreve o que você quer fazer, não como você deseja fazê-lo. Diagrama de fluxo

Leia mais

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo

Modelagem de informações de. construçãocapítulo1: Capítulo. Objetivo do capítulo construçãocapítulo1: Capítulo 1 Modelagem de informações de A modelagem de informações de construção (BIM) é um fluxo de trabalho integrado baseado em informações coordenadas e confiáveis sobre um empreendimento,

Leia mais

VisTrails. Fernando Seabra Chirigati Aluno de Engenharia de Computação e Informação COPPE/UFRJ Email: fernando_seabra@cos.ufrj.br

VisTrails. Fernando Seabra Chirigati Aluno de Engenharia de Computação e Informação COPPE/UFRJ Email: fernando_seabra@cos.ufrj.br VisTrails Fernando Seabra Chirigati Aluno de Engenharia de Computação e Informação COPPE/UFRJ Email: fernando_seabra@cos.ufrj.br Características SGWf - Sistema de Gerenciamento de Workflows; Desenvolvido

Leia mais

Guia de instalação e configuração do Alteryx Server

Guia de instalação e configuração do Alteryx Server Guia de referência Guia de instalação e configuração do Alteryx Server v 1.5, novembro de 2015 Sumário Guia de instalação e configuração do Alteryx Server Sumário Capítulo 1 Visão geral do sistema... 5

Leia mais

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power

Ferramentas SIMARIS. Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Totally Integrated Power s Totally Integrated Power Ferramentas SIMARIS Fácil, rápido e seguro planejamento de Distribuição de Energia Elétrica. Answers for infrastructure and cities. Planejamento de distribuição de energia mais

Leia mais

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM

19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM 19 Congresso de Iniciação Científica CAPACITAÇÃO EM SISTEMA CAD DE GRANDE PORTE E EM SISTEMA PDM Autor(es) ANDRE BERTIE PIVETTA Orientador(es) KLAUS SCHÜTZER Apoio Financeiro PIBITI/CNPQ 1. Introdução

Leia mais

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos

Testes de Software. Por quê testar? 3/28/2011. Andrew Diniz da Costa. andrew@les.inf.puc-rio.br. Manter alta qualidade. Prevenir e encontrar defeitos Testes de Software Andrew Diniz da Costa andrew@les.inf.puc-rio.br Por quê testar? Manter alta qualidade Prevenir e encontrar defeitos Ganhar confiança sobre o nível de qualidade e prover informações.

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS COTAS DE DISCO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS Trabalhando com cotas Usando o Gerenciador de Recursos de Servidor de Arquivos para criar uma cota em um volume ou uma pasta, você pode limitar o espaço em disco

Leia mais

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services

Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services - Windows SharePoint Services... Page 1 of 11 Windows SharePoint Services Guia de Introdução ao Windows SharePoint Services Ocultar tudo O Microsoft Windows

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 06. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 06. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 06 Prof. André Lucio Competências da aula 6 Diretiva de grupo (GPO). Internet Information Services (IIS). PowerShell. Aula

Leia mais

Construindo portais com Plone. Módulo Workflow

Construindo portais com Plone. Módulo Workflow Construindo portais com Plone Módulo Workflow Introdução Workflow = fluxo de trabalho Um workflow é uma série de interações que devem ocorrer para se completar uma tarefa. Qualquer organização possui workflows:

Leia mais

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES

INDICE 3.APLICAÇÕES QUE PODEM SER DESENVOLVIDAS COM O USO DO SAXES w w w. i d e a l o g i c. c o m. b r INDICE 1.APRESENTAÇÃO 2.ESPECIFICAÇÃO DOS RECURSOS DO SOFTWARE SAXES 2.1. Funcionalidades comuns a outras ferramentas similares 2.2. Funcionalidades próprias do software

Leia mais

IBM WebSphere Business Monitor

IBM WebSphere Business Monitor Obtenha visibilidade em tempo real do desempenho dos processos de negócios IBM WebSphere Business Monitor Fornece aos usuários de negócios uma visão abrangente e em tempo real do desempenho dos processos

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO. Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS IMPRESSÃO Serviços de impressão Os serviços de impressão permitem compartilhar impressoras em uma rede, bem como centralizar as tarefas de gerenciamento

Leia mais

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider

Ferramenta: Spider-CL. Manual do Usuário. Versão da Ferramenta: 1.1. www.ufpa.br/spider Ferramenta: Spider-CL Manual do Usuário Versão da Ferramenta: 1.1 www.ufpa.br/spider Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 14/07/2009 1.0 15/07/2009 1.1 16/07/2009 1.2 20/05/2010 1.3 Preenchimento

Leia mais

Sistemas de controle para processos de bateladas

Sistemas de controle para processos de bateladas Sistemas de controle para processos de bateladas Por Alan Liberalesso* Há algum tempo os processos de batelada deixaram de ser um mistério nas indústrias e no ambiente de automação. O cenário atual nos

Leia mais

Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br

Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Introdução aos Sistemas Operacionais Professor: Fernando Santorsula E-mail: fernando.santorsula@esamc.br Aula 15 (Revisão prova B2): Conteúdo programático Teórica Conteúdo da Aula 12 até a

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS

CSF Designer Intuition SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS SOLUÇÕES DE OUTPUT FIS O CSF Designer Intuition TM da FIS ajuda organizações que lidam com o cliente a criar, de forma instantânea e interativa, documentos comerciais respeitando as regulações vigentes,

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

A U T O R I Z O R R I GUIA DE INSTALAÇÃO W E B. Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006

A U T O R I Z O R R I GUIA DE INSTALAÇÃO W E B. Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006 A U T O R I Z A D O R W E B B I O M E T R I A GUIA DE INSTALAÇÃO Versão: 1.02 Agosto/2006 Versão: AW 4.004.006 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 UTILIZANDO A BIOMETRIA... 4 INSTALAÇÃO... 5 CADASTRO DA DIGITAL...15

Leia mais

Bruno Contessi Frederico Gendorf Regis Ataides Vinicius Strugata. 31 de maio de 2011

Bruno Contessi Frederico Gendorf Regis Ataides Vinicius Strugata. 31 de maio de 2011 Bruno Contessi Frederico Gendorf Regis Ataides Vinicius Strugata 3 de maio de 0 Primeiro Acesso: ESSS Customer Portal A página de acesso do ESSS Customer Portal é: https://www.esss.com.br/customerportal

Leia mais

O Primeiro Programa em Visual Studio.net

O Primeiro Programa em Visual Studio.net O Primeiro Programa em Visual Studio.net Já examinamos o primeiro programa escrito em C que servirá de ponto de partida para todos os demais exemplos e exercícios do curso. Agora, aprenderemos como utilizar

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

Genio desafios. O Genio entre os novos paradigmas da engenharia do software. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com

Genio desafios. O Genio entre os novos paradigmas da engenharia do software. www.quidgest.com quidgest@quidgest.com Genio desafios O Genio entre os novos paradigmas da engenharia do software Genio Desafios Linguagem Genio Integração ANSI SQL Sintaxe de referência ao modelo Inferência e validação de tipos Declaração

Leia mais

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People.

Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. Business Process Management [BPM] Get Control. Empower People. O SoftExpert BPM Suite é uma suíte abrangente de módulos e componentes perfeitamente integrados, projetados para gerenciar todo o ciclo de

Leia mais

Novidades do SolidWorks Enterprise PDM 2009

Novidades do SolidWorks Enterprise PDM 2009 Novidades do SolidWorks Enterprise PDM 2009 Conteúdo Comunicados...4 1 Novidades para os usuários...5 Listas de materiais...5 BOMs do SolidWorks...5 Listas de corte e BOMs de soldagem...5 Número de peça

Leia mais

Gerenciamento Profissional de Conteúdo Corporativo

Gerenciamento Profissional de Conteúdo Corporativo DocuWare Product Info Gerenciamento Profissional de Conteúdo Corporativo O DocuWare é um sistema de software de última geração para a gestão de documentos na Gestão Profissional de Conteúdo Corporativo.

Leia mais

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho.

Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Recurso E-Meeting para o Moodle: um relato do desenvolvimento de uma solução livre de webconferência otimizada para redes de baixo desempenho. Resumo Este artigo apresenta uma solução de webconferência

Leia mais

http://aden.psl.gov.ao/wiki/environmentdevelpt

http://aden.psl.gov.ao/wiki/environmentdevelpt Página 1 de 20 Wiki Histórico Cronograma Ver Código Visualizar Tickets Pesquisa Tags Discussion Blog Desenvolvimento ambiente Eclipse Desenvolvimento existem em muitos ambientes Linux, mas a nossa escolha

Leia mais

XDR. Solução para Big Data.

XDR. Solução para Big Data. XDR Solução para Big Data. ObJetivo Principal O volume de informações com os quais as empresas de telecomunicações/internet têm que lidar é muito grande, e está em constante crescimento devido à franca

Leia mais

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED

O Sistema mais completo. de Captura e GED. do Mercado. MegaGED O Sistema mais completo de Captura e GED do Mercado AutoStore O AutoStore é um software de captura e distribuição de documentos (Texto, Imagens e Arquivos Eletrônicos) Com o AutoStore é possível automatizar

Leia mais

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15

Introdução ao Plone. terça-feira, 4 de agosto de 15 Introdução ao Plone Sumário O que é Gestão de Conteúdo O que é Conteúdo Principais características de um CMS O que é o Plone Tipos de conteúdo no Plone Metadados Templates Interface do portal Gestão de

Leia mais

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC

XXXVIII Reunião Anual da SBNeC XXXVIII Reunião Anual da SBNeC Introdução ao Armazenamento de Dados de Experimentos em Neurociência Parte 3: Uso de questionários digitais (continuação) + Ferramentas para Gerenciamento de Arquivos Amanda

Leia mais

Laplink PCmover Express A Maneira Mais Fácil de Migrar para um Novo PC Windows. Guia do Usuário

Laplink PCmover Express A Maneira Mais Fácil de Migrar para um Novo PC Windows. Guia do Usuário Laplink PCmover Express A Maneira Mais Fácil de Migrar para um Novo PC Windows Guia do Usuário Serviço de Atendimento ao Cliente/ Suporte Técnico Site: http://www.laplink.com/index.php/por/contact E-mail:

Leia mais

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa

Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Desenvolvendo e Integrando Serviços Multiplataforma de TV Digital Interativa Agenda Introdução Aplicações interativas de TV Digital Desafios de layout e usabilidade Laboratório de usabilidade Desafios

Leia mais

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.

Conceitos. - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação. - Dados x Informações. Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com. Conceitos - Sistema de Informação, Estruturas e Classificação - Dados x Informações Edson Almeida Junior www.edsonalmeidajunior.com.br Definição de Sistema Uma coleção de objetos unidos por alguma forma

Leia mais

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente

Servidor de OpenLAB Data Store A.02.01 Lista de Preparação do Local. Objetivo do Procedimento. Responsabilidades do cliente Servidor Lista de Preparação de OpenLAB do Data Local Store A.02.01 Objetivo do Procedimento Assegurar que a instalação do Servidor de OpenLAB Data Store pode ser concluída com sucesso por meio de preparação

Leia mais

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos

PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6. Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos PAV - PORTAL DO AGENTE DE VENDAS AGL Versão 2.0.6 Manual de Instalação e Demonstração AGL Sistemas Corporativos Add-on responsável pela integração do SAP Business One com o setor comercial através da internet.

Leia mais

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível

Versão 1.0 Janeiro de 2011. Xerox Phaser 3635MFP Plataforma de interface extensível Versão 1.0 Janeiro de 2011 Xerox Phaser 3635MFP 2011 Xerox Corporation. XEROX e XEROX e Design são marcas da Xerox Corporation nos Estados Unidos e/ou em outros países. São feitas alterações periodicamente

Leia mais

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br

Introdução à Tecnologia Web. Tipos de Sites. Profª MSc. Elizabete Munzlinger www.elizabete.com.br IntroduçãoàTecnologiaWeb TiposdeSites ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br ProfªMSc.ElizabeteMunzlinger www.elizabete.com.br TiposdeSites Índice 1 Sites... 2 2 Tipos de Sites... 2 a) Site

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013

ORDEM DE SERVIÇO OS 003/DINFO/2013 16/09/2013 A DIRETORIA DE INFORMÁTICA DINFO DA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO -UERJ, no uso de suas atribuições legais, estabelece: Art. 1º: Para fins de normatização do Desenvolvimento Tecnológico na UERJ

Leia mais

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula

Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Plano de Aula - Dreamweaver CS6 - cód.5232 24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 2 Continuação do Capítulo 1 - Introdução ao Dreamweaver CS6 Aula 3 Capítulo 2 - Site do Dreamweaver

Leia mais

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares

Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Portfólio de produtos Microsoft para servidores Estudo de caso de solução do cliente Cornell usa computação de alto desempenho para acelerar a pesquisa e ampliar o acesso a softwares Visão geral País ou

Leia mais

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação

Andarta - Guia de Instalação. Guia de Instalação Guia de Instalação 29 de setembro de 2010 1 Sumário Introdução... 3 Os Módulos do Andarta... 4 Instalação por módulo... 6 Módulo Andarta Server... 6 Módulo Reporter... 8 Módulo Agent... 9 Instalação individual...

Leia mais

HAT Programação Auditoria Pós. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0

HAT Programação Auditoria Pós. 12.1.x. abril de 2015. Versão: 2.0 HAT Programação Auditoria Pós 12.1.x abril de 2015 Versão: 2.0 1 Sumário 1 Introdução... 3 2 Visão do Processo... 3 3 Serviço... 5 4 Dataset... 7 5 Formulário Principal AuditoriaPos... 9 6 Arquitetura

Leia mais

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online

Introdução a listas - Windows SharePoint Services - Microsoft Office Online Page 1 of 5 Windows SharePoint Services Introdução a listas Ocultar tudo Uma lista é um conjunto de informações que você compartilha com membros da equipe. Por exemplo, você pode criar uma folha de inscrição

Leia mais

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008

Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 Usando ferramentas já conhecidas integradas ao Visual Studio Team System 2008 White Paper Maio de 2008 Para obter as últimas informações, visite o site www.microsoft.com/teamsystem As informações contidas

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS NECESSÁRIAS PARA O DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Willian Magalhães 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

Paulo Theophilo Diretor Mkt

Paulo Theophilo Diretor Mkt Paulo Theophilo Diretor Mkt Agenda 1. Simpress 10 anos! 2. Estudo de casos 3. Perguntas e Esclarecimentos Agenda 1. Simpress 10 anos! 2. Estudo de casos 3. Perguntas e Esclarecimentos Simpress 10 anos

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Saída do sistema do Servidor FTP do Capture Pro Software

Saída do sistema do Servidor FTP do Capture Pro Software Visão geral Saída do sistema do Servidor FTP do Capture Pro Software O Servidor FTP do Capture Pro Software transfere dados de índice e lotes (que foram digitalizados com saída para o PC local) para um

Leia mais

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO

CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest SOLUÇÕES DE OUTPUT DE PAGAMENTO CSF FasTest Reduzindo o esforço empregado nos testes Os testes são a faca de dois gumes da composição de documentos: durante o ciclo de vida de seu documento,

Leia mais

Manual de Iniciaça o. Índice

Manual de Iniciaça o. Índice Manual de Iniciaça o Índice Passo 1- Definir... 2 Definir grupos de tarefas... 2 Definir funções... 6 Definir utilizadores... 11 Definir o Workflow... 14 Definir tarefas... 18 Passo 2 - Planear... 21 Planear

Leia mais

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas.

DeltaV Logbooks. Benefícios. Introdução. Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Sistema Digital de Controle Distribuido DeltaV Especificação do produto DeltaV Logbooks Minimize riscos associados às mudanças de turnos. Documente eletrônicamente eventos, observações e notas. Melhore

Leia mais

GSA2013 THE GREAT SHAREPOINT ADVENTURE 2013

GSA2013 THE GREAT SHAREPOINT ADVENTURE 2013 Missões Impossíveis em Desenvolvimento de Software. GSA2013 THE GREAT SHAREPOINT ADVENTURE 2013 Este curso de 5 dias explora as oportunidades de desenvolvimento com o SharePoint Server 2013 da Microsoft.

Leia mais

SPEKX Platform Service Process Engineering and Knowledge exchange. Visão Inicial. Release 01

SPEKX Platform Service Process Engineering and Knowledge exchange. Visão Inicial. Release 01 SPEKX Platform Service Process Engineering and Knowledge exchange Visão Inicial Release 01 ÍNDICE ANALITÍCO 1. O que é?...3 2. Que tipo de aplicações WEB podem ser geradas pelo SPEKX Platform?...4 3. Que

Leia mais

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing

Q-flow 2.2. Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2. Sizing Q-flow 2.2 Código de Manual: Qf22007POR Versão do Manual: 3.1 Última revisão: 21/10/2005 Aplica-se a: Q-flow 2.2 Sizing Qf22007POR v3.1 Q-flow Sizing Urudata Software Rua Canelones 1370 Segundo Andar CP11200

Leia mais

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO

SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO SISTEMA DE BANCO DE IMAGENS MANUAL DE USO Versão: BETA Última atualização: 24/06/2012 Índice O sistema de banco de imagens 03 Pesquisa de fotos 04 Pautas e eventos 08 Cadastro de fotos 09 Edição e indexação

Leia mais

Anexo I Formulário para Proposta

Anexo I Formulário para Proposta PLATAFORMA CGI.br Solicitação de Propostas SP Anexo I Formulário para Proposta Data: 05/07/2013 Versão: 1.1 Plataforma CGI.br Solicitação de Propostas - SP Anexo I Formulário para Proposta 1. Estrutura

Leia mais

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO

Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Opções para impressão de códigos de barras para impressoras Zebra em ambientes Oracle WMS e MSCA RELATÓRIO INFORMATIVO SOBRE APLICAÇÃO Direitos autorais 2004 ZIH Corp. Todos os nomes e números de produtos

Leia mais

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória

b) Estabilizador de tensão, fonte no-break, Sistema Operacional, memória principal e memória CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA SISUTEC DISCIPLINA: INTRODUÇÃO A COMPUTAÇÃO PROF.: RAFAEL PINHEIRO DE SOUSA ALUNO: Exercício 1. Assinale a opção que não corresponde a uma atividade realizada em uma Unidade

Leia mais

Etapas para Desenvolvimento de Base DevInfo 6.0

Etapas para Desenvolvimento de Base DevInfo 6.0 Etapas para Desenvolvimento de Base DevInfo 6.0 OBJETIVOS Orientar a criação de bases de dados para utilização no sistema DevInfo, semelhantes à encontrada no Portal ODM. (Disco I) Antes de iniciar o desenvolvimento

Leia mais

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation.

Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. Project and Portfolio Management [PPM] Sustainable value creation. O SoftExpert PPM Suite é a solução mais robusta, funcional e fácil para priorizar, planejar, gerenciar e executar projetos, portfólios

Leia mais

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC

GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC GERENCIAMENTO CENTRALIZADO DELL POWERVAULT DL 2000 BASEADO EM TECNOLOGIA SYMANTEC RESUMO EXECUTIVO O PowerVault DL2000, baseado na tecnologia Symantec Backup Exec, oferece a única solução de backup em

Leia mais

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com

Palavras-chave: i3geo, gvsig, Mapserver, integração, plugin. Contato: edmar.moretti@terra.com.br ou edmar.moretti@gmail.com III Jornada Latinoamericana e do Caribe do gvsig Artigo: Integração do software i3geo com o gvsig Autor: Edmar Moretti Resumo: O i3geo é um software para a criação de mapas interativos para internet qu

Leia mais

Guia do Cúram Verification

Guia do Cúram Verification IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 IBM Cúram Social Program Management Guia do Cúram Verification Versão 6.0.5 Nota Antes de usar essas informações e o produto

Leia mais

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube

Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Integração Contínua com Rational Team Concert, Jenkins e SonarQube Agenda 1. Introdução à Integração Contínua 2. Ferramentas 3. Solução de Integração Contínua em Furnas 4. Demonstração O que é a Integração

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2

Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2 Manual de Usuário da Plataforma de compras do Grupo José de Mello - Mercado Eletrônico Instalação e Atualização MEConnect2 1 Índice 1. Introdução... 3 2. Visão Geral... 3 3. Instalação e Atualização...

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios

Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas. Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Universidade Federal de Goiás Centro de Recursos Computacionais - CERCOMP Divisão de Sistemas Criação de uma Serviço de Geração de Relatórios Goiânia 12/2011 Versionamento 12/12/2011 Hugo Marciano... 1.0

Leia mais

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart.

BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. 16/08/2013 BI Citsmart Fornece orientações necessárias para instalação, configuração e utilização do BI Citsmart. Versão 1.0 19/12/2014 Visão Resumida Data Criação 19/12/2014 Versão Documento 1.0 Projeto

Leia mais

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda.

Eberhardt Comércio e Assist. Técnica. Ltda. Rua das Cerejeiras, 80 Ressacada CEP 88307-330 Itajaí SC Fone/Fax: (47) 3349 6850 Email: vendas@ecr-sc.com.br Guia de emissão de relatórios para envio ao DNPM ou arquivo e uso do software do sistema de

Leia mais

Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos

Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos Treinamento em Alfresco Open Source Enterprise Content Management ( ECM ) - GED Gestão Eletrônica de Documentos Sobre o treinamento Este é um curso para quem precisa conhecer o essencial do produto o Alfresco

Leia mais

Suporte aos clientes. Guia do usuário, Winter 16. @salesforcedocs

Suporte aos clientes. Guia do usuário, Winter 16. @salesforcedocs Guia do usuário, Winter 16 @salesforcedocs A versão em Inglês deste documento tem precedência sobre a versão traduzida. Copyright 2000 2015 salesforce.com, inc. Todos os direitos reservados. Salesforce

Leia mais

6 Infraestrutura de Trabalho

6 Infraestrutura de Trabalho 6 Infraestrutura de Trabalho Este capítulo tem como objetivo fornecer uma visão geral do ambiente de trabalho encontrado na organização estudada, bem como confrontá-lo com a organização ideal tal como

Leia mais

Oracle SQL Developer

Oracle SQL Developer BDDAD Bases de Dados Oracle SQL Developer Nelson Freire (ISEP LEI-BDDAD 2015/16) 1/30 SQL Developer Sumário Introdução Instalar Abrir Ligar à BD no Servidor Oracle SQL Worksheet Editar SQL Executar SQL

Leia mais

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI

Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Requisitos de business intelligence para TI: O que todo gerente de TI deve saber sobre as necessidades reais de usuários comerciais para BI Janeiro de 2011 p2 Usuários comerciais e organizações precisam

Leia mais

Manual de Instalação e Configuração

Manual de Instalação e Configuração e Configuração MyABCM 4.0 Versão 4.00-1.00 2 Copyright MyABCM. Todos os direitos reservados Reprodução Proibida Índice Introdução... 5 Arquitetura, requisitos e cenários de uso do MyABCM... 7 Instalação

Leia mais

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323

44 Summit Road, Suite 101 Riverside, CT 06878 (800) 573-4756 (203) 698-9323 oferece consistência de suporte entre grupos de desenvolvimento Michel Vrinat, Diretor de Programa, PLM, CAE/Europa; Don Brown, Presidente Medição do desafio confrontando o desenvolvimento do produto A

Leia mais

Nome N Série: Ferramentas

Nome N Série: Ferramentas Nome N Série: Ferramentas Competências: Identificar e utilizar técnicas de modelagem de dados; Habilidades: Utilizar ferramentas de apoio ao desenvolvimento de software; Bases Tecnológicas: Metodologias

Leia mais

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor

Banco do Brasil S.A. Consulta ao Mercado - RFP - Request for Proposa Aquisição de Ferramenta de Gestão de Limites Dúvida de Fornecedor 1. Em relação ao módulo para Atribuição de Limites, entendemos que Banco do Brasil busca uma solução para o processo de originação/concessão de crédito. Frente a essa necessidade, o Banco do Brasil busca

Leia mais

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO

LEI DE ACESSO A INFORMAÇÃO DIREITO DO CIDADÃO DESCRIÇÃO DO SIGAI O SIGAI (Sistema Integrado de Gestão do Acesso à Informação) é uma solução de software que foi desenvolvida para automatizar os processos administrativos e operacionais visando a atender

Leia mais

2 Requisitos Mínimos... 2. 1 Visão Geral 2 Instalando o SDK... da Sun 3 Instalando o Tomcat... do Apache Jakarta Project 4 Instalando o WebIntegrator

2 Requisitos Mínimos... 2. 1 Visão Geral 2 Instalando o SDK... da Sun 3 Instalando o Tomcat... do Apache Jakarta Project 4 Instalando o WebIntegrator Conteúdo I Conteúdo Part I Introdução 2 1 Apresentação... 2 2 Requisitos Mínimos... 2 Part II Instruções de Instalação 2 1 Visão Geral... 2 2 Instalando o SDK... da Sun 2 3 Instalando o Tomcat... do Apache

Leia mais

Sumário. Arquitetura de Software com VSTS...1 Emerson Facunte. Gerenciando Projetos no VSTS com Práticas do PMI... 33 Alércio Bressano

Sumário. Arquitetura de Software com VSTS...1 Emerson Facunte. Gerenciando Projetos no VSTS com Práticas do PMI... 33 Alércio Bressano Sumário Arquitetura de Software com VSTS...1 Emerson Facunte 1 Arquitetura de Software... 3 1.1 Overview... 3 1.2 O Papel do Arquiteto... 6 1.2.1 Atribuições... 6 1.2.2 Análise Estrutural para Arquitetura

Leia mais

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes.

Com relação às áreas de conhecimento de projetos conforme o. PMBoK, julgue os itens subseqüentes. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Construindo Aplicações Web com. PHPe MySQL. André Milani. Novatec

Construindo Aplicações Web com. PHPe MySQL. André Milani. Novatec Construindo Aplicações Web com PHPe MySQL André Milani Novatec Capítulo 1 Bem-vindo ao PHP Seja bem-vindo ao PHP! O primeiro capítulo deste livro aborda como obter, instalar e configurar corretamente o

Leia mais

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop

Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Microsoft Visual Studio Express 2012 for Windows Desktop Apresentação da ferramenta Professor: Danilo Giacobo Página pessoal: www.danilogiacobo.eti.br E-mail: danilogiacobo@gmail.com 1 Introdução Visual

Leia mais

Prototipação de Software

Prototipação de Software UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS, LETRAS E CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS DE COMPUTAÇÃO E ESTATÍSTICA Prototipação de Software Engenharia de Software 2o. Semestre de 2005

Leia mais

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer.

Templates. Existem vários frameworks e softwares para criação de templates, sendo os mais conhecidos: Gantry, T3 e Artisteer. Templates Template ou tema, é a camada de visão de qualquer programa orientado a objetos, isto mesmo, template não é uma exclusividade do Joomla! Fim manter um padrão de nomenclatura, irei utilizar o termo

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES

DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES DESCRITIVO TÉCNICO TI - SOLUÇÕES DE SOFTWARES 09 A, por resolução do seu Comitê Técnico, em acordo com os Estatutos e as Regras da Competição, adotou as exigências mínimas que seguem no tocante a esta

Leia mais

DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO BB 2015 -

DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO BB 2015 - DOMÍNIO PRODUTIVO DA INFORMÁTICA - CONCURSO - Professor Esp. Wellington de Oliveira Graduação em Ciência da Computação Pós-Graduação em Docência do Ensino Superior Pós-Graduação MBA em Gerenciamento de

Leia mais