CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CASOTECA DIREITO GV PRODUÇÃO DE CASOS 2011"

Transcrição

1 JUDICIÁRIO E FORNECIMENTO DE INSULINAS ANÁLOGAS PELO SISTEMA PÚBLICO DE SAÚDE: DIREITOS, CIÊNCIA E POLÍTICAS PÚBLICAS Autores (em ordem alfabética) Daniel Wang Denise Franco Fernanda Terrazas Mariana Vilella Natália Pires I. INTRODUÇÃO A Lei Federal /06, em seu artigo 1º, diz que todos os pacientes portadores de diabetes terão direito a receber gratuitamente do Sistema Único de Saúde todos os medicamentos e insumos necessários para seu tratamento. A mesma lei estabeleceu também que cabe ao Ministério da Saúde selecionar os medicamentos que serão adquiridos pelos gestores de saúde para fornecimento gratuito aos pacientes (art. 2º). A despeito da existência dessa política, reclamam os pacientes que nas listas de medicamentos produzidos pelo Ministério da Saúde constam apenas as insulinas regulares e a NPH, ficando excluídas da política as chamadas insulinas análogas. Pacientes e médicos que defendem o uso das insulinas análogas alegam que seu uso diminui casos de hipoglicemia, além de ser mais conveniente, o que aumentaria a adesão ao tratamento e diminuiria a quantidade de problemas relacionados ao diabetes, economizando outros gastos pelo sistema de saúde. O fornecimento dessas insulinas tem sido a principal reivindicação de associações de pacientes de diabetes que, entre outras estratégias de atuação, fazem intenso uso de ações judiciais contra o poder público, tanto na forma de ações individuais em que se pede o fornecimento dessas insulinas para um indivíduo, quanto por meio de ações coletivas movidas em parceria com Ministério Público ou Defensoria Pública, para exigir a inclusão das insulinas análogas na lista oficial de

2 medicamentos regularmente e gratuitamente oferecidos pelo Sistema Único de Saúde 1. Atualmente, dentre as ações que demandam fornecimento e tratamento médico, a insulina análoga representa um dos produtos mais pedidos em diversos estados. O grande número de pedidos judiciais gerou muitos efeitos. Além das vitórias de pacientes individuais ou de ações coletivas nos tribunais, alguns estados já estão fornecendo as insulinas análogas em suas listas de medicamentos, apesar da recusa do Ministério de Saúde de incluí-las na política nacional de combate ao diabetes. A decisão reiterada do Ministério da Saúde e da maioria dos estados de não fornecer as insulinas análogas fundamenta-se no argumento de que não há evidências científicas de que as mesmas reduzam a mortalidade e a morbidade dos pacientes, sendo sua única vantagem o uso mais cômodo (Relação Nacional de Medicamentos Especiais, 2008). Outra razão alegada seria o fato de que as análogas são muito mais caras que as insulinas humanas e a NPH. II. O QUE É DIABETES A Diabetes mais comum é denominada diabetes mellitus. Em apertada síntese, a diabetes mellitus é um conjunto de doenças que tem em comum a hiperglicemia (excesso de açúcar no sangue), ou pelo falta de produção de insulina ou associado à redução na sua ação. Se não controlada, a diabetes mellitus pode trazer complicações graves à saúde, como doenças cardiovasculares (primeira causa de morte entre indivíduos diabéticos), falência renal, amputação de membros inferiores, disfunção erétil e cegueira. Segundo dados da Federação Internacional de Diabetes (Atlas IDF, 2009), a prevalência mundial da doença entre os adultos (com idade entre anos) é de 6,6%, já atingindo 285 milhões de adultos em Estima-se que esta prevalência 1 Um caso em que o pedido de inclusão das insulinas análogas teve sucesso foi o do Município de São Gonçalo, que criou uma política de distribuição dessas insulinas após uma ação civil pública proposta pelo Ministério Público Federal. Ver O Globo. Prefeitura de São Gonçalo é obrigada a fornecer insulina especial a diabéticos do município, 9 de Setembro de Disponível em Acesso em 5 de Fevereiro de 2011.

3 aumentará para 7,8% (438 milhões) de adultos até 2030, o que significa que, dentro deste período de trinta anos, prevê-se um aumento de 69% no número de adultos com diabetes nos países em desenvolvimento, paralelamente a um aumento de 20% nos países desenvolvidos. No Brasil, estima-se que 5,8% da população seja portadora de diabetes. Ela atinge principalmente pessoas idosas (por volta de 20% dos brasileiros com mais de 65 anos sofrem de diabetes) e aqueles com até oito anos de escolaridade (VIGITEL, 2010). A tendência é que esse número aumente, em decorrência do avanço da expectativa de vida no Brasil. III. Controle da diabetes mellitus: insulinas análogas vs. insulinas humanas Como ainda não há cura para a diabetes, o paciente tem de aprender a controlar a patologia para prevenir ou estabilizar complicações ligadas a ela. O controle passa por, entre outras coisas, mudanças no seu estilo de vida, como parar de fumar, organizar um plano alimentar saudável e a prática de atividades físicas. O controle da glicemia também necessita do uso de medicamentos, em especial as insulinas. As insulinas são de vários tipos e se classificam de acordo com o tempo da ação. De forma bastante esquemática podemos dividir as insulinas entre aquelas de ação rápida (Regular), intermediária (NPH), prolongada (Glargina e Detemir) e ultrarápida (Lispro, Aspart e Glusilina). As insulinas de ação rápida e intermediária (Regular e NPH) são chamadas também de insulinas humanas, enquanto que as outras são agrupadas como insulinas análogas à humana, termos que usaremos ao longo do texto. Em termos de controle da diabetes, ambos os tipos de insulina apresentam a mesma eficácia. Contudo, os defensores do uso das insulinas análogas no lugar das humanas defendem que as análogas, por apresentarem perfil mais proximo do fisiologico e por poderem ser aplicadas no inicio de cada refeição (enquanto as regulares humanas precisam ser aplicadas pelo menos 30 minutos antes), aumentam a flexibilidade na qualidade de vida do paciente e reduzem a incidência de hipoglicemia (que apresenta sintomas como frio, tremor, fraqueza, tontura, dor de cabeça e irritabilidade). Os defensores da insulina análoga também afirmam que a

4 melhora na qualidade de vida leva a maior adesão ao tratamento e, logo, ao melhor controle da diabetes. Tunis et al, (2009) e Grima et al, (2007) constataram em suas pesquisas que existem menos casos de necessidade de tratamento de complicações decorrentes da diabetes entre pacientes usuários de insulinas análogas. Lasserson et al. (2010), Maia et al. (2007), Hartman (2008) e Maia & Araújo (2002) identificaram menos episódios de hipoglicemia entre os usuários de insulinas análogas, quando comparados com usuários de insulinas humanas. Os autores citados também apontam que o melhor resultado no uso das insulinas análogas está muito ligado à sua comodidade. Para uma doença crônica e assintomática como a diabetes, que requer atenção permanente e cuidados desconfortáveis durante longo período de tempo, a adesão ao tratamento é uma variável essencial que determinará os resultados do tratamento. E um dos fatores de adesão ao tratamento é a sua conveniência. Por outro lado, há pesquisas que afirmam que, em geral, o uso de insulinas análogas, em substituição às humanas, não trouxe melhora significativa na condição de saúde dos pacientes em relação ao controle glicêmico e à redução de risco de hipoglicemia, embora os pacientes estivessem mais satisfeitos com o tratamento (Siebenhofer et al., 2009 A; Siebenhofer et al., 2009 B; Singh et al, 2009; CITEC, 2009). Sugere-se, nesse sentido, que a maior satisfação com o tratamento não decorre da melhora no quadro de saúde, mas da maior conveniência do tratamento feito com insulinas análogas (Siebenhofer et al., 2009 B). A partir de um amplo levantamento, Siebenhofer et al., (2009 A) e BRATS (2010) indicam que a maior parte da literatura científica internacional aponta na direção de que não há evidências fortes de que as insulinas análogas trazem melhoras significativas nas condições de saúde dos pacientes. Portanto, existe forte divergência na literatura medico científica quanto à maior efetividade (resultados de melhora nas condições de saúde) do tratamento com insulinas análogas. Contudo, uma coisa é certa: as insulinas análogas são muito mais custosas que as humanas.

5 De acordo com a Secretaria de Saúde do Município de São Paulo 2, dentre as insulinas análogas compradas pelo sistema municipal de saúde, em grande parte para o cumprimento de sentenças judiciais, a Insulina Análoga Glargina (R$ 179,59 o frasco com 10 ml), a mais judicializada como será observado a seguir, pode chegar a ser 13 vezes mais cara que a Insulina Humana NPH (fornecida a R$13,00 o frasco com 10 ml). Confira a planilha abaixo 3 : Acompanhamento e Registro de Preços Insulinas Secretaria de Saúde de Municipio de São Paulo (Março-Abril 2011) INSULINA APIDRA SOLOSTAR SOL. INJ. - CANETA DESC. 3ML R$ 14,33/CANETA INSULINA APIDRA SOLOSTAR SOL. INJ. - FRASCO AMPOLA C/ 10ML R$ 47,78/FAM INSULINA ASPART 100 UI/ML(NOVORAPID) FR C/10ML R$ 53,18/FR INSULINA GLARGINA 100UI/ML(LANTUS CARPULE) FR. C/ 3ML R$ 57,88/CARPULE INSULINA GLARGINA 100UI/ML(LANTUS) FR. C/ 10ML R$ 179,59/FAM INSULINA HUMANA NPH 100 UI/ML R$ 10,40/REFIL INSULINA HUMANA NPH EM SOL. INJ. C/100UI/ML-CX. 1 FAM 10ML R$ 13,00/FAM INSULINA HUMANA REGULAR EM SOL. INJ. COM 100 UI/ML R$ 9,86/FAM INSULINA LANTUS SOLOSTAR SOL. INJ., CANETA DESC. 3 ML INSULINA LISPRO 100 UI/ML EM FAM C/ 10 ML INSULINA LISPRO 100 UI/ML EM REFIL C/ 3 ML INSULINA LISPRO MIX UI/ML R$ 63,91/CANETA R$ 48,99/FAM R$ 19,56/REFIL R$ 22,97/REFIL De acordo com os dados expostos acima, resta claro que a Insulina Humana é de fato mais barata que quaisquer das Insulinas Análogas, como as Insulinas Lispro (R$ 48,99 o frasco com 10 ml) e Aspart (R$ 53,18 o frasco com 10 ml), também frequentes alvos da judicialização. Além da discussão quanto à maior efetividade do tratamento com insulinas análogas, a literatura científica que estuda tais medicamentos também diverge quanto ao seu custo-efetividade. Os estudos que indicam não haver evidências fortes de benefícios melhor controle da glicemia, menos casos de hipoglicemia ou menor ocorrência de problemas decorrentes da diabetes avaliam que não há justificativas em assumir o custo muito mais elevado das insulinas análogas (Siebenhofer et al., 2009 B; Singh et al, 2009; BRATS, 2010). 2 De acordo com os últimos acompanhamentos de preços de medicamentos e insumos fornecidos ao Município de São Paulo por meio do Registro de Preços nos termos do artigo 23 da Lei 8666/93. Publicados no Diário Oficial da Cidade de São Paulo em 03 de março e 13 de abril de 2011, páginas 101 e 62, respectivamente. 3 Planilha elaborada com o cruzamento de dados das informações publicadas pela Secretaria de Saúde do Município de São Paulo junto ao Diário Oficial da Cidade de São Paulo, nos dias 03 de março e 13 de abril de 2011, páginas 101 e 62, respectivamente.

6 Mesmo quando se reconhecem vantagens das insulinas análogas sobre as humanas, isto não necessariamente significa que sua incorporação valha a pena. Em sentido oposto, outros estudos afirmam que as insulinas análogas possuem melhor relação custo-efetividade em relação às humanas, uma vez que a maior conveniência das primeiras, além de trazer maior comodidade ao paciente, levaria a uma maior adesão ao tratamento, diminuindo a incidência de hipoglicemia e reduzindo gastos por parte do sistema de saúde para tratamento de problemas relacionados à diabetes (McAdam-Marx, 2008; Leichter, 2008; Brunton, 2008). Em síntese, a discussão na comunidade científica continua aberta. Existe divergência quanto aos benefícios advindos com o uso das insulinas análogas e quanto ao seu custo-efetividade. IV. A POLÍTICA PARA DIABETES DO SUS 4 A assistência para os portadores de diabetes no Sistema Único de Saúde é feita mediante a distribuição de medicamentos e insumos para o controle da doença, cuja responsabilidade é solidária entre as três esferas de governo: federal, estadual e municipal. A Lei Federal nº de 2006 definiu critérios para a distribuição gratuita de medicamentos e materiais necessários para o controle e monitorização da doença aos pacientes inscritos em programas de educação para diabéticos em todo o país. Em outubro de 2007, essa lei federal foi regulamentada pela Portaria do Ministério da Saúde nº 2.583, que definiu o elenco de medicamentos e insumos necessários disponibilizados pelo SUS aos usuários portadores de diabetes mellitus. As responsabilidades dos entes federados no financiamento e fornecimento desses produtos encontram-se normatizadas pela Portaria nº do Ministério da Saúde, de 29 de dezembro de A Relação Nacional de Medicamentos (RENAME) de 2010, a lista mais recente que define os medicamentos essenciais para fornecimento gratuito e universal, também elenca as insulinas para controle da diabetes mellitus como parte da política farmacêutica federal. 4 Sobre a política farmacêutica no Sistema Único de Saúde como um todo ver Anexo I

7 A legislação federal define que a política de assistência farmacêutica do Sistema Único de Saúde para os portadores de diabetes mellitus compreende apenas o fornecimento das insulinas humanas: NPH e Regular. Desse modo, as insulinas análogas não foram padronizadas pelo governo federal para fornecimento pelo sistema público de saúde. Na RENAME de 2008 existe uma justificativa bastante clara para a não inclusão das insulinas análogas: não há evidências de que o tratamento com insulinas análogas traga melhores resultados terapêuticos quando comparadas com insulinas humanas. O documento cita diversos trabalhos mostrando a ausência de benefícios adicionais com o uso de análogas e considerou que as pesquisas que identificaram benefícios estão enviesadas por problemas metodológicos (RENAME, 2008). No entanto, como os estados e os municípios podem, por iniciativa própria, complementar os programas de assistência farmacêutica definidos pelo governo federal por meio da elaboração de protocolos estaduais que incorporem as insulinas análogas, cinco estados da federação decidiram por fornecer algumas das insulinas análogas, que não estão previstas na política de assistência farmacêutica do Sistema Único de Saúde para o controle do diabetes mellitus. São eles: do Distrito Federal 5, Espírito Santo 6, Minas Gerais 7, Paraná 8 e Rio Grande do Sul 9. As justificativas para inclusão são aquelas usadas pelos defensores do uso de insulinas análogas. A título de exemplo, o governo do Paraná entende que o tratamento apenas com insulinas humanas é incapaz[es] de promover o adequado controle da glicemia sem um aumento inaceitável no risco de hipoglicemia, fundamentando tal afirmação por meio de citação de artigos científicos que embasam esta posição. Afirma, também, que a avaliação da relação custo-benefício com o uso de insulinas análogas é bastante favorável (SESA Paraná, 2006) 10. Em conclusão, apenas em alguns poucos estados existe uma política de acesso universal às insulinas análogas 11. As incertezas quanto às vantagens do uso 5 O Distrito Federal possui protocolo complementar para fornecimento de insulina Glargina. 6 O Estado do Espírito Santo possui protocolo complementar para fornecimento da insulina Glargina. 7 O Estado de Minas Gerais possui protocolo complementar para fornecimento da insulina Glargina, mas apenas para diabetes de tipo 1. 8 O Estado do Paraná possui protocolo complementar para fornecimento das insulinas Glargina, Lispro, Aspart e Detemir. 9 O Estado do Rio Grande do Sul possui protocolo complementar para fornecimento das insulinas Lispro e Aspart. 10 Sobre o posicionamento de representantes dos gestores do SUS ver Anexo VII 11 Para maiores informações sobre a metodologia empregada na pesquisa de protocolos estaduais, ver Anexo II

8 de insulinas análogas e o seu maior custo geram uma situação em que a resposta do Ministério da Saúde e da maioria dos Estados é pela sua não incorporação, embora alguns Estados tenham entendido que as evidências existentes são suficientes para justificar o seu fornecimento, atendendo às demandas dos pacientes. IV. JUDICIALIZAÇÃO DAS INSULINAS ANÁLOGAS Conforme visto, a incorporação das insulinas análogas encontra resistência por parte do sistema público de saúde. Os pacientes individualmente ou representados por ONGs e o Ministério Público encontraram no Poder Judiciário uma via para enfrentar essa resistência e conseguir, por via de ações contra o Poder Público, o acesso gratuito às insulinas análogas com base no direito constitucional à saúde. Os medicamentos para diabetes, especialmente as insulinas análogas, representam o principal objeto da judicialização da saúde no estado de São Paulo. Afonso da Silva & Terrazas (2010), por meio de entrevistas com beneficiários de ações judiciais com pedido de medicamentos no município de São Paulo, descobriram que aproximadamente 24% deles são pacientes de diabetes e que as insulinas análogas são o medicamento mais pedido. Em outra pesquisa, que analisa os medicamentos fornecidos pela Prefeitura do Município de São Paulo, aqueles para diabetes representam 46% do total (Vieira & Zucchi, 2007). Entre as pessoas assistidas pela Defensoria Pública do Estado de São Paulo que pleiteiam o direito à saúde, 25% buscam medicamentos para diabetes, em especial insulinas (Wang, 2009). Cabe destacar que tais ações possuem um alto índice de sucesso nos Judiciário (Vieira & Zucchi, 2007; Chieff & Barata, 2009; Afonso da Silva &Terrazas, 2010 e Wang, 2009). No município do Rio de Janeiro também são os medicamentos para diabetes o principal objeto da judicialização da saúde, embora em proporções menores. Figueiredo (2010) levantou que dentre os pedidos contra o Poder Público, 13,2% era para o tratamento de diabetes, seguido pelos oftalmológicos (5,2%). A autora dividiu os medicamentos demandados entre aqueles que são fornecidos pelo SUS e aqueles que estão fora das listas. No primeiro grupo a insulina NPH encontra-se em primeiro e a humana regular em terceiro em termos de frequência. Já dentre os medicamentos

9 não regularmente inclusos na política pública de saúde, as insulinas análogas, somadas, são as mais frequentemente demandadas (Figueiredo, 2010). V. Perfil da judicialização das insulinas no Brasil Por ainda não haver pesquisas que tratem especificamente sobre as ações judiciais demandando insulinas, percebemos que seria necessária uma pesquisa mais específica e ampla sobre o caso das insulinas análogas. Além de identificar quais as insulinas análogas mais pedidas, importa-nos, também, saber como os juízes analisam, se é que o fazem, as informações científicas divergentes sobre a eficácia das insulinas análogas, bem como se eles aceitam a idéia de que considerações de custo e custo-benefício podem ser alegadas pelos gestores para não fornecer a análoga no lugar da regular ou da NPH. Foi feita uma pesquisa sobre casos envolvendo pedido de insulinas nos Tribunais de Justiça de São Paulo (TJ-SP), Minas Gerais (TJ-MG), Rio Grande do Sul (TJ-RS), Espírito Santo (TJ-ES) e Rio de Janeiro (TJ-RJ); todos os Tribunais Regionais Federais (TRF 1, TRF 2, TRF, 3, TRF 4, TRF 5); o Supremo Tribunal Federal (STF) e o Superior Tribunal de Justiça (STJ). No total, 501 decisões foram analisadas 12. As insulinas mais pedidas são as análogas de insulina: em primeiro a Glargina (Lantus), seguida de Lispro (Humalog) e Aspart (Novorapid). Essas são as insulinas que não são fornecidas pelo SUS e são objeto de reivindicação pelos pacientes. Tipo de insulina Insulina Total Glargina (Lantus) 319 Lispro (Humalog) 148 Aspart (Novorapid) 117 NPH 63 Regular Humana 40 Detemir (Levemir) Para mais detalhes sobre a pesquisa de jurisprudência, ver Anexo III

10 Ultra rápida (n.i.) 12 n.i. 10 Novomix 9 NPH ou Regular Humana (n.i.) 9 Apidra (Glusilina) 7 Inalável Exubera 1 Total geral 765 Em um grande número de casos o paciente pediu, no mesmo processo, mais de uma insulina. No cálculo da frequência de insulinas demandadas somamos todas aquelas que foram pedidas, por isso há muito mais insulinas do que decisões. Uma forma interessante de olhar esse dado é agrupar as insulinas análogas em um grupo e as insulinas humanas (NPH e regular) em outro. Tem-se que 84% das insulinas pedidas judicialmente são análogas. Proporção de tipos de insulina solicitas por medida judicial

11 A chance de um paciente conseguir uma decisão obrigando o poder público a fornecer a insulina demandada é muito grande. Em 88% (440) dos casos o tribunal decidiu a favor do paciente. Apenas em 11% (53 casos) o pedido foi negado pelo tribunal. Em 1% dos casos o paciente pedia tanto insulinas regularmente fornecidas quanto análogas e os tribunais decidiram fornecer aquelas, mas não estas. Por isso, os classificamos como casos em que a decisão concede parcialmente o pedido. Tribunal concede insulina? Se separarmos o resultado dos julgamentos por tipo de ação, liminar ou final, encontramos o interessante dado de que entre as decisões finais mais de 92% fornecia a insulina, enquanto que entre as decisões liminares este número diminui para um pouco mais de 78% dos casos. Conforme mostraremos adiante, o menor sucesso das liminares reside no fato de que alguns magistrados entendem que as evidências médicas são controversas e que se faz necessária a produção de perícia para averiguar a real necessidade do medicamento pleiteado. Concessão: liminar vs. final

12 VI. A argumentação dos tribunais Neste item procederemos à análise dos argumentos usados pelos tribunais para fundamentar suas decisões. Conforme visto, o Judiciário precisa enfrentar diversas questões: controvérsia científica; deferência ou ativismo frente a decisões administrativas; impacto econômico; e sopesamento entre direito à saúde do individuo e necessidades da coletividade. Neste item, portanto, analisaremos as diferentes respostas quando presentes a estas questões nos julgamentos. As decisões foram divididas de acordo com o resultado do recurso se concedida ou não a insulina demandada. Agrupamos os argumentos em três conjuntos: (1) argumentos relativos à condição sócio-econômica do paciente; (2) argumentos que fazem referência à necessidade ou eficácia do tratamento pedido e (3) argumentos que entram no debate sobre os custos do tratamento demandado e as conseqüências de sua concessão no orçamento público. Por fim, nos pouquíssimos casos em que houve voto divergente, optamos por analisar apenas os votos vencedores para entender o argumento que de fato embasa a decisão tomada pelos tribunais. Decisões que concedem a(s) insulina(s)

13 Conforme visto, em 440 dos casos (88%) a insulina pedida é concedida pelos tribunais. Destes 440, 215 fazem referência à condição sócio-econômica do paciente. Dentre estes 215 casos, na quase totalidade decisões (97%) - os tribunais afirmaram que se tratava de um paciente hipossuficiente e que nem ele, e nem sua família, teriam condições de arcar com os custos do tratamento. Em 5 casos, o tribunal entendeu que a condição sócio-econômica do paciente é irrelevante na análise de pedido de fornecimento da insulina porque o Sistema Único de Saúde é universal e igualitário, não comportando discriminação de renda. Em 1 caso, por ser tratar de decisão em sede liminar, o tribunal entendeu que não caberia discussão sobre a hipossuficiência do paciente. Por fim, também em 1 caso o tribunal afirmou que o Sistema Único de Saúde deve tratar cidadãos de forma indistinta (...) mas preferencialmente aos hipossuficientes. Neste caso, não ficou claro se o cidadão recebeu o tratamento por ser hipossuficiente ou apenas por ser cidadão. Análise da condição sócio-econômica do paciente Do total que concede a insulina, em 293 decisões houve alguma análise sobre a necessidade e a eficácia do tratamento pedido. Uma alegação recorrente por parte do Poder Público para pedir o indeferimento da ação era quanto a real

14 necessidade do paciente de receber a insulina pedida e à eficácia do tratamento quando comparado com aqueles regularmente oferecidos pelo sistema público de saúde. Na grande maioria das vezes em que esse tema apareceu na decisão do tribunal casos - os tribunais basearam-se no laudo do médico do paciente para provar que o paciente necessitava do tratamento, a despeito das alegações e evidências em contrário trazidas pelo Poder Público. Em 6 casos o tribunal foi convencido da necessidade e eficácia do tratamento por meio de perícia técnica judiciária, e em outros 5 a decisão foi tomada com base em pesquisa de literatura médica ou estudos técnicos sobre a eficácia das insulinas análogas. Houve 1 caso em que o tribunal baseou-se tanto na literatura médica quanto no laudo assinado pelo médico do paciente. Em 2 casos o tribunal reconheceu a necessidade do tratamento, mas abriu a possibilidade de substituição do medicamento pedido por um genérico. Por fim, em 33 casos o tribunal simplesmente afirmou que o tratamento pedido era necessário, sem citar a fonte desta afirmação. Análise da eficácia e necessidade da insulina pedida Com relação ao debate sobre os custos do tratamento e as consequências econômicas e orçamentárias da sua concessão, esse assunto foi analisado e usado na fundamentação da decisão em 182 casos. Em 130 deles o tribunal entendeu que, quando está em jogo o direito à vida e à saúde dos pacientes, a questão dos custos é irrelevante e não pode ser alegada pelo Poder Público para justificar o não

15 fornecimento de um medicamento. Em 34 casos os magistrados entenderam que a alegação de que não havia recursos ou que a concessão de medicamentos traria danos ao sistema de saúde ou ao atendimento de outros pacientes não foi comprovada pelo Poder Público. Em 18 decisões entendeu-se que a ausência de recursos é culpa da própria administração pública, de sua má gestão ou falha na escolha de prioridades, não podendo ser alegada em favor do Estado para se eximir de fornecer o medicamento pedido. Análise das conseqüências da decisão no orçamento público Decisões que não concedem a(s) insulina(s) Conforme visto, em apenas 53 casos o pedido de fornecimento de medicamento foi negado pelo tribunal. Em apenas 5 casos o pedido foi negado tendo como fundamento (ou um dos fundamentos) o fato de o paciente ter condições financeiras para comprar o medicamento, ou de não conseguir provar sua hipossuficiência. O seguinte trecho é representativo: O impetrante não é assistido por médico do SUS, tem plano de saúde (fls 12) e não demonstrou, inequivocamente, não ter condições de arcar com os custos de seu tratamento" (Tribunal de Justiça de São Paulo - AC /2-00).

16 Houve 44 casos em que a não concessão da insulina teve como fundamento (ou um dos fundamentos) a não comprovação da necessidade ou indispensabilidade do paciente de receber o tratamento pedido, inclusive pela não comprovação da eficácia das insulinas análogas sobre as humanas, regularmente oferecidas pelo poder público. Destes 44 casos, em 25, principalmente liminares, o tribunal entendeu que não poderia conceder o medicamento porque o conjunto probatório não foi suficiente para comprovar a necessidade, especialmente pela falta de realização de perícia médica judicial. Em 2 casos, o tribunal concluiu, a partir do laudo produzido pelo próprio médico do paciente, que a insulina análoga não seria indispensável para o paciente. Já em 6 decisões, o tribunal baseou-se na perícia médica judicial para afirmar que o tratamento pedido não era indispensável ao paciente e que o tratamento poderia ser feito com as insulinas regularmente oferecidas pelo sistema público. Em 4 julgados a afirmação de que não havia necessidade do fornecimento da insulina foi baseada na literatura médica que afirma não haver vantagens na substituição das insulinas análogas pelas regulares ou NPH. Por fim, em 7 casos os tribunais não informaram a fonte da informação de que o tratamento não seria necessário ou indispensável. Análise da eficácia e necessidade da insulina pedida (total de 44 casos)

17 Os custos da concessão judicial e/ou seu impacto econômico foram usados como argumento para negar a concessão em 19 dos 53 casos de não concessão. Em 7 deles, o tribunal afirmou de forma mais genérica que custos impõem restrições a direitos, portanto não haveria como o Estado fornecer todos os medicamentos demandados pelos pacientes. Já em 12 casos, os tribunais foram mais específicos e afirmaram que é preciso respeitar as escolhas do sistema de saúde e, portanto, caberia à Administração decidir o rol de medicamentos aos quais os cidadãos podem ter acesso. Decisões com pedido de mudança estrutural Neste item analisaremos as decisões que pedem mais do que o simples fornecimento de insulina a um paciente ou um grupo determinado de pacientes. Elas pedem o fornecimento regular de insulinas pelo Poder Público a uma coletividade. São pedidos de mudança estrutural porque demandam uma efetiva mudança na política e não só uma atuação pontual. As decisões com pedido de mudança estrutural merecem ser analisadas separadamente porque elas têm potencialmente maior impacto econômico para o sistema de saúde, atingem um número muito maior de pessoas. Na pesquisa feita por meio do banco de dados eletrônico dos tribunais foram encontrados 7 casos com pedido de mudança estrutural. A estes adicionamos para a análise uma decisão que encontramos por outra via - Apelação /3-00 (TJSP), mas cuja análise entendemos válida pelo fato de serem poucas as ações com pedidos de mudança estrutural que conseguimos coletar por meio da pesquisa pelo site. Tribunal Ação Pedido Resultado Fornecimento dos medicamentos TRF 4 Apelação constantes no Programa Nacional Concede de Assistência Farmacêutica para pedido Hipertensão Arterial e Diabetes TRF 4 Ag. Instrumento Implantação de Protocolo Clínico aos análogos de insulina de longa (glargina e levemir) e curta duração (aspart e lispro), com o objetivo de viabilizar o acesso dos portadores de Diabetes Mellitus Tipo 1 ao tratamento. Nega pedido

18 TRF 4 Ag. Instrumento TRF 5 Apelação TJ-ES TJRS Ag. Instrumento Ag. Instrumento TJSP Apelação /6-00 TJSP* Apelação /3-00 Fornecimento de todo e qualquer medicamento e exame necessários ao tratamento da Diabetes Mellitus Tipo II, para residentes nos Municípios que integram a Subseção Judiciária da Justiça Federal de Jaraguá do Sul/SC. Fornecimento de Glargina a todos os usuários do sistema de saúde de Sergipe portadores de Diabetes Mellitus Tipo 1 Fornecimento aos pacientes portadores de diabetes de insulina análoga de longa duração (Glargina) e de curta duração pelo Estado do Espírito Santo. Fornecimento de Glargina e Detemir a todas as crianças e adolescentes portadoras de diabetes. Fornecimento de Glargina aos munícipes de Jacareí Fornecimento de todos os medicamentos e insumos necessários, inclusive insulinas, aos residentes no Município de São Paulo portadores de Diabetes Nega pedido Concede pedido Concede pedido Nega pedido Nega pedido Nega pedido Denegação do pedido de mudança estrutural Em 4 casos houve denegação do pedido de fornecimento de insulinas análogas para uma coletividade. Todos eles eram pedidos alternativos, ou seja, pediam-se insulinas para um indivíduo ou grupo determinado de pessoas e, ao mesmo tempo, para toda uma coletividade. Embora nos 4 casos o pedido de mudança estrutural (para a coletividade) tenha sido negado, em 3 deles o pedido individual foi concedido. No Ag. Instrumento (TRF 4) o tribunal negou o pedido considerando as conseqüências que a decisão teria para o sistema público de saúde. Ressaltou, ainda, que os recursos do SUS são escassos e que [D]deferir-se, sem qualquer planejamento, benefícios para alguns, ainda que necessários, pode causar danos para muitos, consagrando-se, sem dúvida, injustiça. A decisão também entendeu que a introdução de medicamentos deve obedecer a formalidades e a um processo administrativo e que se o tribunal concedesse o pedido, estaria atuando em

19 matéria típica da Administração. Por fim, reforça o entendimento de que o direito à saúde é um direito social coletivo e não um direito individual. No Ag. Instrumento , o TJRS entendeu que não tinha conhecimento médico-científico suficiente para avaliar os benefícios das medicações pedidas e determinar a obrigação do Estado de cumprir a obrigação demandada. Além do mais, fala-se nos custos que tal decisão implicaria seguramente sacrificando carências básicas e bem conhecidas na área da saúde, bastando confrontar os preços. A Apelação /6-00 (TJSP) é um dos casos com pedido alternativo. Embora tenha havido um pedido de mudança estrutural, este não foi discutido ao longo do acórdão, que simplesmente analisou o pedido individual e julgou parcialmente procedente a ação civil pública, obrigando a Administração a fornecer a insulina apenas aos beneficiários nomeados na inicial. Não se sabe os fundamentos de tal decisão. Na Apelação /3-00, o TJSP entendeu que o pedido é demasiadamente genérico e que a tutela do interesse difuso à saúde, no caso dos autos, deve passar obrigatoriamente pela tutela de direitos individuais, sob pena de tornar o autor carecedor da ação por falta de interesse. Por fim, no Ag. Instrumento entendeu-se que as evidências científicas disponíveis não permitem identificar vantagens significativas em relação à utilização dos diferentes tipos de insulinas, considerando eficácia, segurança e comodidade e que as insulinas NPH e regular, fornecidas pelo Ministério da Saúde, suprem as necessidades dos pacientes. Além do mais, afirmou que a lei que trata sobre diabetes dá aos pacientes o direito de acesso aos medicamentos escolhidos pelo SUS e que não há inconstitucionalidade ou ilegalidade nos critérios adotados pelo sistema: [T]trata-se de política pública elaborada de acordo com as diretrizes do Governo Federal, amparadas, por sua vez, pelos dados disponibilizados por equipe técnica. Por fim, ressaltou-se ainda que questões orçamentárias e de custos devem ser consideradas para não comprometer a fruição de direitos a parcela mais ampla da sociedade. Concessão do pedido de mudança estrutural

20 Em um dos casos - Apelação (TRF 4) - houve pedido de fornecimento de insulinas já constantes no Programa Nacional de Assistência Farmacêutica para Hipertensão Arterial e Diabetes. Neste caso, o pedido é estrutural, mas diferencia-se dos outros porque se pede a efetivação de uma política já existente, enquanto que nos outros se pede uma mudança na política por meio da introdução de insulinas análogas, não constantes na lista oficial. Dentre os pedidos de fornecimento de insulinas análogas concedidos, em um caso, a Apelação (TRF 5), havia um pedido alternativo (tanto para um indivíduo quanto para uma coletividade). Neste caso, ambos haviam sido concedidos em primeira instância e o Poder Público apelou. Contudo, o tribunal analisou apenas o pedido individual e toda a argumentação foi construída em torno da necessidade do indivíduo. Decidiu-se por negar provimento à apelação, o que dá a entender que ambos os pedidos foram concedidos, embora não tenha havido qualquer argumentação sobre o pedido de mudança estrutural. Por fim, em apenas um caso - Ag. Instrumento (TJES) - decidiu-se pela concessão do pedido de mudança estrutural de forma fundamentada. O julgado baseou-se na apresentação de estudos científicos e em receitas médicas afirmando que as insulinas solicitadas são superiores à NPH, regularmente fornecida pelo sistema de saúde no referido Estado. O tribunal considerou também que os estudos apresentados pela Administração Pública defendendo que as análogas não são indispensáveis, pois podem ser substituídas pela NPH, são inconclusivos. Sobre o impacto financeiro, a decisão afirmou que dificuldades financeiras do Poder Público não podem servir de obstáculo ao fornecimento de medicamentos e de garantia da vida dos jurisdicionados. VII. Os tipos ideais de decisões A partir da análise de conteúdo do fundamento dos julgados, procederemos à construção de tipos-ideais de decisão judicial sobre pedidos de fornecimento de insulinas análogas. Importa ressaltar que ideal, neste contexto, não tem uma carga valorativa/normativa e não significa o melhor ou o mais desejável. Tipo-ideal é um conceito específico da sociologia weberiana que procura entender a realidade por meio da construção de um tipo puro e com características propositalmente

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

TERCEIRA TURMA RECURSAL JUIZADOS ESPECIAIS FEDERAIS SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ Autos nº: 201070500120051 Recorrentes/Recorridos: União Federal, Estado do Paraná, Município de Curitiba e Ester Ulissea Klettenberg Relator: Juiz Federal Eduardo Appio V O T O 1. Trata-se de pedido de

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal,

(PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, A SRA. JANAÍNA BARBIER GONÇALVES (PROCURADORA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL) Excelentíssimo Presidente do Supremo Tribunal Federal, Ministro Gilmar Mendes, na pessoa de quem cumprimento as demais autoridades

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999

PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 COMISSÃO DE SEGURIDADE SOCIAL E FAMÍLIA PROJETO DE LEI Nº 2.031, DE 1999 Dispõe sobre o atendimento obrigatório aos portadores da Doença de Alzheimer no Sistema Único de Saúde - SUS, e dá outras providências.

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política

ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política ARTIGO: O direito à saúde e a judicialização da política Carlos Roberto Pegoretti Júnior 1 RESUMO: Os entes políticos, por vezes, encontram-se no pólo passivo de demandas judiciais referentes à entrega

Leia mais

Excelentíssimo{a) Senhor(a) Doutor(a) Juiz(a) de Direito do Juizado Especial da Fazenda Pública da Comarca de -MG * '

Excelentíssimo{a) Senhor(a) Doutor(a) Juiz(a) de Direito do Juizado Especial da Fazenda Pública da Comarca de -MG * ' Excelentíssimo{a) Senhor(a) Doutor(a) Juiz(a) de Direito do Juizado Especial da Fazenda Pública da Comarca de -MG OBJETO: ( ) INSUMO DE INTERESSE PARA A SAÚDE HUMANA (exceto cirurgia e transporte) ( )

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores CHRISTINE SANTINI (Presidente), CLAUDIO GODOY E LUIZ ANTONIO DE GODOY. fls. 1 ACÓRDÃO Registro: 2014.0000230468 Vistos, relatados e discutidos estes autos de Apelação nº 0015157-53.2013.8.26.0003, da Comarca de São Paulo, em que é apelante SUL AMÉRICA COMPANHIA DE SEGURO

Leia mais

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica

Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Aquisição e Gerenciamento de Medicamentos do Componente Básico da Assistência Farmacêutica Maceió -Setembro/2013 HISTÓRICO PORTARIA GM/MS nº 3.916/98 POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS ESTABELECEU DIRETRIZES

Leia mais

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA

SECRETARIA DE SAÚDE SECRETARIA EXECUTIVA DE COORDENAÇÃO GERAL DIRETORIA GERAL DE PLANEJAMENTO - GERÊNCIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA NOTA TÉCNICA 07/13 RELATÓRIO ANUAL DE GESTÃO - RAG ORIENTAÇÕES GERAIS Introdução O Planejamento é um instrumento de gestão, que busca gerar e articular mudanças e aprimorar o desempenho dos sistemas de

Leia mais

Junho 2013 1. O custo da saúde

Junho 2013 1. O custo da saúde Junho 2013 1 O custo da saúde Os custos cada vez mais crescentes no setor de saúde, decorrentes das inovações tecnológicas, do advento de novos procedimentos, do desenvolvimento de novos medicamentos,

Leia mais

Ações Judiciais e direito à saúde.

Ações Judiciais e direito à saúde. Ações Judiciais e direito à saúde. Fabiola Sulpino Vieira Área de Economia da Saúde e Desenvolvimento. Secretaria Executiva do Ministério da Saúde. Brasília, DF, Brasil Para exemplificar a complexidade

Leia mais

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO

SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE E LEGISLAÇÃO DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL ADRIANO CRISTIAN CARNEIRO Fortalecimento do SUS Constituição Federal de 1988, artigos 196 a 200; Lei Federal nº. 8.080, de 19/09/1990 Lei

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Número de Ordem Pauta Não informado Registro: 2011.0000035249 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 0565228-16.2010.8.26.0000, da Comarca de Monte Aprazível, em

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA Aluno: Endrigo Araldi Teoria Geral do Processo II Matrícula: 11/0115791 Vallisney de Souza Oliveira O ÔNUS DA PROVA NO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR Brasília, 30 de Maio de 2013

Leia mais

PROCESSO N.º 1629/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12

PROCESSO N.º 1629/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12 CONSELHO PLENO INTERESSADA: UNIÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO - UNDIME/PR MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Consulta

Leia mais

RELATÓRIO FINAL OFICINA

RELATÓRIO FINAL OFICINA Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Ciências Farmacêuticas RELATÓRIO FINAL OFICINA Gestão da assistência farmacêutica e ações judiciais: estratégias que favorecem o uso racional e o acesso a medicamentos

Leia mais

P O D E R J U D I C I Á R I O

P O D E R J U D I C I Á R I O Registro: 2013.0000791055 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0024907-79.2012.8.26.0564, da Comarca de São Bernardo do Campo, em que é apelante CRIA SIM PRODUTOS DE HIGIENE

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso.

AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. AGRAVO DE INSTRUMENTO: Conceito: é o recurso adequado para a impugnação das decisões que denegarem seguimento a outro recurso. Por que se diz instrumento: a razão pela qual o recurso se chama agravo de

Leia mais

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro 27/06/2014 NT 120/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro SOLICITANTE : Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES CNHD Supervisão

Leia mais

HIDROCEFALIA. LAUDO MÉDICO QUE COMPROVA A NECESSIDADE DO PROCEDIMENTO. DECISÃO DETERMINA A REALIZAÇÃO, SOB PENA DE MULTA

HIDROCEFALIA. LAUDO MÉDICO QUE COMPROVA A NECESSIDADE DO PROCEDIMENTO. DECISÃO DETERMINA A REALIZAÇÃO, SOB PENA DE MULTA DÉCIMA SÉTIMA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0022741-44.2014.8.19.0000 AGRAVANTE: MUNICÍPIO DE ARRAIAL DO CABO AGRAVADO: BRYAN RODRIGUES ALVES PINTO REP/S/MÃE NATALY RODRIGUES ALVES DES. RELATOR:

Leia mais

Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02. *Cristiane Pederzolli Rentzsch*

Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02. *Cristiane Pederzolli Rentzsch* Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02 *Cristiane Pederzolli Rentzsch* I - Introdução II - A Meta 02 III - Experiência da 17ª Vara da SJDF IV - Conclusão V - Agradecimentos I. Introdução O Conselho

Leia mais

ACÓRDÃO. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D.

ACÓRDÃO. Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. AC no 001.2011.003557-1/001 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do Egito de A. D. Ferreira ACÓRDÃO REMESSA OFICIAL No 001.2011.003557-1/001

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho

ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho ESTADO DA PARAÍBA PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gab. Des. Genésio Gomes Pereira Filho AGRAVO DE INSTRUMENTO N 037.2011.000.844-0/001 RELATOR: Des. Genésio Gomes Pereira Filho. AGRAVANTE: Ministério

Leia mais

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0043131-69.2013.8.19.0000

AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0043131-69.2013.8.19.0000 TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO DÉCIMA TERCEIRA CÂMARA CÍVEL AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº 0043131-69.2013.8.19.0000 AGRAVANTE: ESTADO DO RIO DE JANEIRO réu AGRAVADO: WLADIMIR DAVID LOPES autor

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES

MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA COORDENAÇÃO NACIONAL DE HIPERTENSÃO E DIABETES JANEIRO/2011 HIPERTENSÃO ARTERIAL E DIABETES MELLITUS MORBIDADE AUTO REFERIDA

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013.

PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. PROJETO DE LEI Nº 76, DE 07 DE OUTUBRO DE 2013. Regulamenta a concessão de insumos e monitoramento da Glicemia Capilar aos portadores de Diabetes Mellitus (DM) Art. 1.º Fica aprovada concessão de insumos

Leia mais

Pelos autos, o Sr. Leonido Ferreira da Cruz, Presidente da Câmara Municipal de Arenápolis-MT, aduz consulta que inquire:

Pelos autos, o Sr. Leonido Ferreira da Cruz, Presidente da Câmara Municipal de Arenápolis-MT, aduz consulta que inquire: PROCESSO Nº : 8.523-5/2010 INTERESSADO : CÂMARA MUNICIPAL DE ARENÁPOLIS ASSUNTO : CONSULTA RELATOR : CONSELHEIRO HUMBERTO MELO BOSAIPO PARECER Nº : 062/2010 Exmo. Sr. Conselheiro: Pelos autos, o Sr. Leonido

Leia mais

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que:

CARTA DE BRASÍLIA. Com base nas apresentações e debates, os representantes das instituições e organizações presentes no encontro constatam que: CARTA DE BRASÍLIA Contribuições do I Seminário Internacional sobre Políticas de Cuidados de Longa Duração para Pessoas Idosas para subsidiar a construção de uma Política Nacional de Cuidados de Longa Duração

Leia mais

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*486EBBAA* PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de 2014. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo e de cargos em comissão no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional

Leia mais

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br

Fabiola Sulpino Vieira. fabiolasulpino@uol.com.br Fabiola Sulpino Vieira fabiolasulpino@uol.com.br Mercado Farmacêutico Mundial Entre 1980 e 1999 houve crescimento de 5 até quase 120 bilhões de dólares a preços constantes Em 1999, 15% da população mundial

Leia mais

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo

Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo Programa Nacional de Controle do Tabagismo (PNCT) Tratamento do Tabagismo O tabagismo é, reconhecidamente, uma doença crônica, resultante da dependência à droga nicotina, e um fator de risco para cerca

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL OAB PADRÃO DE RESPOSTAS PEÇA PROFISSIONAL : Fábio é universitário, domiciliado no Estado K e pretende ingressar no ensino superior através de nota obtida pelo Exame Nacional, organizado pelo Ministério da

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN SOLICITANTE Dra MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA NÚMERODOPROCESSO 0166.14.000132-1 (0001321-35.2014.8.13.0166) DATA 31/01/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica

TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto ) em portadores de fibrilação atrial crônica NT 65 Data: 08/04/2014 Solicitante: Dr. Eduardo Soares de Araújo Juiz de Direito Especial da Comarca Pública de Andradas Número do Processo: 0016044-91.2014.8.13.0026 TEMA: Uso de rivaroxabana (Xarelto

Leia mais

Afirmando fazer jus ao re 1 bi dos medicamentos pleiteados, requereu a

Afirmando fazer jus ao re 1 bi dos medicamentos pleiteados, requereu a PODER JUDICIÁRIO DO ESTADO DA PARAÍBA TRIBUNAL DE JUSTIÇA GAB. DES. ROMERO MARCELO DA FONSECA OLIVEIRA DECISÃO MONOCRÁTICA RECURSO OFICIAL E APELAÇÃO CÍVEL N 001.2011.021744-3/001. ORIGEM : Vara da Fazenda

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS

DEFENSORIA PÚBLICA DO ESTADO DE MINAS GERAIS CONCURSO DE PRÁTICAS EXITOSAS 2011 X CONGRESSO NACIONAL DE DEFENSORES PÚBLICOS (ANADEP) DEFENSORIA ESPECIALIZADA DA SAÚDE Defensoria Especializada da Saúde Defensor: Bruno Barcala Reis Email: bruno.reis@defensoria.mg.gov.br

Leia mais

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL

Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Implementación e Impacto de las Listas Nacionales de Medicamentos Esenciales Experiencias en Países Seleccionados de la Región - BRASIL Lima, Perú 27 noviembre de 2007 Sistema Único de Saúde - SUS Estabelecido

Leia mais

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde

Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde 254 Algumas Considerações sobre Assistência à Saúde Luiz Eduardo de Castro Neves 1 Nos dias atuais, em que há cada vez mais interesse em bens de consumo, é, sem dúvida, nos momentos em que as pessoas se

Leia mais

JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL

JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL JUDICIALIZAÇÃO DA SAÚDE NO BRASIL Uma reflexão para a desjudicialização ou como lidar com essa questão no SUS Rio de Janeiro 30 de julho de 2012 6ª Seminário Internacional de Atenção Básica LENIR SANTOS

Leia mais

Tatiana Accioly Fayad Gerente Jurídica

Tatiana Accioly Fayad Gerente Jurídica Tatiana Accioly Fayad Gerente Jurídica UNIMED GOIÂNIA COOPERATIVA MÉDICA (Lei 5.764/71) e OPERADORA DE PLANOS DE SAÚDE (Lei 9.656/98) Lei 9656/98 Lei dos Planos de Saúde Lei nova (14 anos) 36 artigos e

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO ACÓRDÃO Voto n. 12.772 A~A NA^ DE JU STIÇA DE SÃO PAULO ACÔRDAO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N u*»,oui» Obrigação de fazer. Devido processo legal observado. Cerceamento de defesa não caracterizado.

Leia mais

APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5017968-34.2014.4.04.7205/SC

APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5017968-34.2014.4.04.7205/SC APELAÇÃO/REEXAME NECESSÁRIO Nº 5017968-34.2014.4.04.7205/SC RELATORA : Des. Federal VIVIAN JOSETE PANTALEÃO CAMINHA APELANTE : UNIÃO - ADVOCACIA GERAL DA UNIÃO APELADO : AUTORA ADVOGADO : FABIANE ELOISA

Leia mais

Superior Tribunal de Justiça

Superior Tribunal de Justiça AgRg no RECURSO ESPECIAL Nº 1.311.383 - RS (2012/0041009-1) RELATOR : MINISTRO NAPOLEÃO NUNES MAIA FILHO AGRAVANTE : ANTONIO CHAGAS DE ANDRADE ADVOGADOS : MARCELO LIPERT E OUTRO(S) ROBERTO DE FIGUEIREDO

Leia mais

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011

Reunião do Comitê da Saúde. 8 de novembro de 2011 Reunião do Comitê da Saúde 8 de novembro de 2011 ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA NO SUS Em 1998 foi publicada a Portaria GM/MS 3.916, que estabeleceu a POLÍTICA NACIONAL DE MEDICAMENTOS (PNM) como parte essencial

Leia mais

Fornecimento de Medicamentos: Possibilidade de Ressarcimento Requerido ao Ente Federado Designado pelas Normas do SUS

Fornecimento de Medicamentos: Possibilidade de Ressarcimento Requerido ao Ente Federado Designado pelas Normas do SUS 1 Fornecimento de Medicamentos: Possibilidade de Ressarcimento Requerido ao Ente Federado Designado pelas Normas do SUS Mariana Moreira* Este estudo pretende contribuir com os municípios visando à obtenção

Leia mais

I miii mil mu mu mu um um mu mi nu *D?7fi3RR9*

I miii mil mu mu mu um um mu mi nu *D?7fi3RR9* TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mu mu mu um um mu mi nu *D?7fi3RR9* Vistos, relatados e discutidos estes

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ.

EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO PARANÁ. Assunto: Desconto da Contribuição Sindical previsto no artigo 8º da Constituição Federal, um dia de trabalho em março de 2015.

Leia mais

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do E gito de A. D. Ferreira

Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do E gito de A. D. Ferreira AG no 200.2011.026369-2/001 1 1 Poder Judiciário do Estado da Paraíba Tribunal de Justiça Gabinete da Desembargadora Maria das Neves do E gito de A. D. Ferreira DECISÃO AGRAVO DE INSTRUMENTO No 200.2011.026369-2/001

Leia mais

DIABETES MELLITUS NO BRASIL

DIABETES MELLITUS NO BRASIL DIABETES MELLITUS NO BRASIL 17º Congresso Brasileiro Multidisciplinar em Diabetes PATRÍCIA SAMPAIO CHUEIRI Coordenadora d Geral de Áreas Técnicas DAB/MS Julho, 2012 DIABETES MELITTUS Diabetes é considerado

Leia mais

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014

TJM-RS NGE-JME-RS. Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 2013 TJM-RS NGE-JME-RS Anexo I - 2.2.3 - Levantamento de dados históricos Projetos TJM/RS de 2009 a 2014 [PAINEL DE INDICADORES-TJM-RS] Contém os indicadores do do Tribunal de Justiça Militar do Rio Grande

Leia mais

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR

Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Nº 2324/2014 - ASJTC/SAJ/PGR Suspensão de Liminar nº 764/AM Relator: Ministro Presidente Requerente: Estado do Amazonas Requerido: Tribunal de Justiça do Estado do Amazonas Interessado: Ministério Público

Leia mais

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO

A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO A SAÚDE NO GOVERNO LULA PROGRAMA DE GOVERNO ÍNDICE Diagnóstico Princípios Básicos: 1- Redefinição da atuação pública na saúde 2-Saúde como direito de todos 3-Estabilidade e continuidade das políticas de

Leia mais

Inteiro Teor (869390)

Inteiro Teor (869390) : Acórdão Publicado no D.J.U. de 19/10/2005 EMENTA PREVIDENCIÁRIO. REVISÃO DA RMI. IRSM DE FEVEREIRO/94 (39,67%). NÃO RETENÇÃO DE IRRF. JUROS MORATÓRIOS. 1. Os salários de contribuição devem ser reajustados,

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000154119 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9144977-64.2002.8.26.0000, da Comarca de Mairiporã, em que são

Leia mais

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP

LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP LUCIENI PEREIRA Auditora Federal de Controle Externo do TCU Professora de Gestão Fiscal Presidente da ANTC Diretora da CNSP Fortaleza, 25 de novembro de 2015 combate à corrupção na gestão dos serviços

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO ACÓRDÃO ^SSS^ AC TGISTRADO(A)SOBN -- iriümpiii *00727314* Vistos, relatados e discutidos estes autos de RECURSO EX-OFICIO n 114.385-0/2-00, da Comarca de ITAPETININGA, em que é recorrente JUÍZO "EX OFFICIO",

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Nº 70046147369 COMARCA DE CAÇAPAVA DO SUL. Vistos, relatados e discutidos os autos.

SÉTIMA CÂMARA CÍVEL Nº 70046147369 COMARCA DE CAÇAPAVA DO SUL. Vistos, relatados e discutidos os autos. AGRAVO INTERNO. DECISÃO MONOCRÁTICA QUE NEGOU SEGUIMENTO AO AGRAVO DE INSTRUMENTO. ECA. DIREITO À VIDA E À SAÚDE. FORNECIMENTO DE FRALDAS DESCARTÁVEIS. SOLIDARIEDADE ENTRE OS ENTES PÚBLICOS. É dever dos

Leia mais

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136

PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013. p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 PORTARIA Nº 876/GM, DE 16 DE MAIO DE 2013 p. DOU, Seção1, de 17.5.2013, págs. 135/136 Dispõe sobre a aplicação da Lei nº 12.732, de 22 de novembro de 2012, que versa a respeito do primeiro tratamento do

Leia mais

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA.

ACÓRDÃO. O julgamento teve a participação dos Exmos. Desembargadores DONEGÁ MORANDINI (Presidente) e EGIDIO GIACOIA. ACÓRDÃO Registro: 2015.0000723861 Vistos, relatados e discutidos estes autos do Agravo de Instrumento nº 2173891-09.2015.8.26.0000, da Comarca de São Paulo, em que é agravante RICARDO MORAND DE LIMA, é

Leia mais

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE

UNIVERSALIDADE. O Modelo de Atenção á Saúde ESF INTEGRALIDADE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE DE ALAGOAS SUPERINTENDÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DIRETORIA DE ATENÇÃO BÁSICA GERÊNCIA DE ATENÇÃO A SAÚDE DE GRUPOS ESPECÍFICOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS CAPACITAÇÃO EM ATENÇÃO

Leia mais

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria

Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Estado do Rio de Janeiro Procuradoria EXCELENTÍSSIMO SENHOR PRESIDENTE DO CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA A ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL SEÇÃO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, serviço público independente, dotado de personalidade jurídica e forma

Leia mais

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados:

A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de. Constituem motivos justificados: Abono de faltas e a acreditação na avaliação médica. A Lei 605/49, no artigo12, parágrafos 1º e 2º, dispõe sobre as formas de abono de faltas mediante atestado médico: Constituem motivos justificados:

Leia mais

JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL

JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL DIREITO TRIBUTÁRIO Hélcio Corrêa JUSTIÇA ESPECIALIZADA EM MATÉRIA TRIBUTÁRIA NA REGIÃO SUL DO BRASIL TAX COURTS IN SOUTHERN BRAZIL 89 Sérgio Ricardo Ferreira Mota RESUMO Aponta o atual estágio de especialização

Leia mais

Vem Aí 2016! A data corte para ingresso no Ensino Fundamental e 9 anos. Sílvia Fráguas Assessora da Área Jurídica

Vem Aí 2016! A data corte para ingresso no Ensino Fundamental e 9 anos. Sílvia Fráguas Assessora da Área Jurídica Vem Aí 2016! A data corte para ingresso no Ensino Fundamental e 9 anos Sílvia Fráguas Assessora da Área Jurídica O Direito Fundamental à Educação Art. 205 CF/88. A educação, direito de todos e dever do

Leia mais

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada

IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE. Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada IV CONGRESSO BRASILEIRO DE DIREITO E SAÚDE Os Impactos da Judicialização na Saúde Pública e Privada 25/11/2015 HISTÓRICO: Período anterior a CF de 1988 INAMPS População e procedimentos restritos Movimento

Leia mais

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006

A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 A GESTÃO HOSPITALAR E A NOVA REALIDADE DO FINANCIAMENTO DA ASSISTÊNCIA RENILSON REHEM SALVADOR JULHO DE 2006 No passado, até porque os custos eram muito baixos, o financiamento da assistência hospitalar

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000073868 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 9141018-46.2006.8.26.0000, da Comarca de Campinas, em que é apelante UNIMED CAMPINAS COOPERATIVA DE TRABALHO

Leia mais

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS

SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS (41) 3087-6666 www.licidata.com.br SANÇÕES ADMINISTRATIVAS E RESCISÕES CONTRATUAIS PENALIDADES, PROCEDIMENTOS E ASPECTOS POLÊMICOS 11 e 12 de Dezembro de 2014 - Vitória - ES Apresentação: As hipóteses

Leia mais

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO

Vistos, relatados e discutidos estes autos de. AGRAVO DE INSTRUMENTO n 501.512-4/4-00, da Comarca de SÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRATICA REGISTRADO(A) SOB N *01319002* Vistos, relatados e discutidos estes autos de AGRAVO DE INSTRUMENTO

Leia mais

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições

A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições A Defensoria Pública é a instituição com previsão constitucional para prestar assistência jurídica integral às pessoas que não têm condições financeiras para pagar por um advogado. (Art. 134 da Constituição)

Leia mais

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C

Poder Judiciário JUSTIÇA FEDERAL Seção Judiciária do Paraná 2ª TURMA RECURSAL JUÍZO C JUIZADO ESPECIAL (PROCESSO ELETRÔNICO) Nº201070510020004/PR RELATORA : Juíza Andréia Castro Dias RECORRENTE : LAURO GOMES GARCIA RECORRIDO : UNIÃO FAZENDA NACIONAL V O T O Dispensado o relatório, nos termos

Leia mais

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS:

02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: PARECER Nº 02/2011/JURÍDICO/CNM. INTERESSADOS: DIVERSOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS. ASSUNTOS: BASE DE CÁLCULO DO ADICIONAL DE INSALUBRIDADE DOS SERVIDORES PÚBLICOS MUNICIPAIS. DA CONSULTA: Trata-se de consulta

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO. Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO fls. 1 Registro: 2013.0000027012 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Embargos Infringentes nº 0003778-19.2011.8.26.0575/50000, da Comarca de São José do Rio Pardo, em que é embargante

Leia mais

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 15 / 04 / 2014. Des. Cristina Tereza Gaulia. Relator

ACÓRDÃO. Rio de Janeiro, 15 / 04 / 2014. Des. Cristina Tereza Gaulia. Relator 5ª CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA AGRAVO DE INSTRUMENTO Nº: 0004117-44.2014.8.19.0000 2ª VARA DE TRÊS RIOS Agravante: Município de Três Rios Agravado: Elimar Santos de Carvalho Juiz: Dra. Ana Carolina

Leia mais

Envelhecimento e Reajuste por Faixa Etária: Impacto da Lei 9.656 e do Estatuto do Idoso

Envelhecimento e Reajuste por Faixa Etária: Impacto da Lei 9.656 e do Estatuto do Idoso 140 Envelhecimento e Reajuste por Faixa Etária: Impacto da Lei 9.656 e do Estatuto do Idoso Eunice Bitencourt Haddad 1 O aumento do número de idosos, que se revela em verdadeiro bônus demográfico, acarreta,

Leia mais

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172

Mercado de Saúde no Brasil. Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Mercado de Saúde no Brasil Jaqueline Castro residecoadm.hu@ufjf.edu.br 40095172 Constituição de 1988 Implantação do SUS Universalidade, Integralidade e Participação Social As instituições privadas participam

Leia mais

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar?

VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA. HiperDia, desafios futuros e o que esperar? VI CONGRESSO DE HIPERTENSÃO DA SBC/DHA HiperDia, desafios futuros e o que esperar? MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção a Saúde - SAS Departamento de Atenção Básica - DAB Coordenação Nacional de Hipertensão

Leia mais

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE

DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE DISCIPLINA DE ATENÇÃO PRIMÁRIA À SAÚDE I MSP 0670/2011. SISTEMAS DE SAÚDE Paulo Eduardo Elias* Alguns países constroem estruturas de saúde com a finalidade de garantir meios adequados para que as necessidades

Leia mais

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira

Poder Judiciário Tribunal Regional Federal da 5ª Região Gabinete do Desembargador Federal Rogério Fialho Moreira RELATOR: DESEMBARGADOR FEDERAL ROGÉRIO FIALHO MOREIRA RELATÓRIO Trata-se de apelação interposta pelo INSS (fls. 83/90), em face da sentença (fls. 79/80), que julgou procedente o pedido de aposentadoria

Leia mais

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO

ACÓRDÃO PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N I miii mil mil mil um um um mu mi nu *03276613* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os autos identificados acima;

VISTOS, RELATADOS E DISCUTIDOS os autos identificados acima; e. 0 4 +Cre:S. 4.1A.,y1.0 PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DA PARAÍBA GABINETE DO DESEMBARGADOR JOÃO BENEDITO DA SILVA ACÓRDÃO MANDADO DE SEGURANÇA N. 200.2009.006317-9/001 6" Vara Criminal

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo

TRIBUNAL DE JUSTIÇA PODER JUDICIÁRIO São Paulo Registro: 2011.0000018579 ACÓRDÃO Vistos, relatados e discutidos estes autos do Apelação nº 0142773-50.2009.8.26.0100, da Comarca de, em que é apelante MARITIMA SAUDE SEGUROS S/A sendo apelado LIDIA ZAHARIC.

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO

PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SÃO PAULO ACÓRDÃO/DECISÃO MONOCRÁTICA REGISTRADO(A) SOB N ACÓRDÃO I MUI mil mu mu uni um um imi mi 111 *03043864* Vistos, relatados e discutidos

Leia mais

Ana Carolina Brochado Teixeira Iara Antunes de Souza

Ana Carolina Brochado Teixeira Iara Antunes de Souza Ana Carolina Brochado Teixeira Iara Antunes de Souza Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de

Leia mais

Como harmonizar a relação entre cidadãos/consumidores e sus/operadoras de planos de saúde e reduzir as demandas judiciais

Como harmonizar a relação entre cidadãos/consumidores e sus/operadoras de planos de saúde e reduzir as demandas judiciais Como harmonizar a relação entre cidadãos/consumidores e sus/operadoras de planos de saúde e reduzir as demandas judiciais João Baptista Galhardo Júnior Membro do Comitê Estadual da Saúde do Conselho Nacional

Leia mais

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura

TEMA: RESPIMAT ESPIMAT. Data: 22/04/2013 NOTA TÉCNICA 57 /2013. Medicamento x Material Procedimento Cobertura NOTA TÉCNICA 57 /2013 Data: 22/04/2013 Medicamento x Material Procedimento Cobertura Solicitante: Juiz de Direito FLÁVIO BARROS MOREIRA Número do processo: 0082629-95.2012 TEMA: TEMA: SYMBICORT YMBICORT

Leia mais

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência.

DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL: Prevenção, Consciência e Convivência. Lourival dos Santos Filho Graduando em Farmácia Faculdades Integradas de Três Lagoas AEMS Klerison Romero Martinez Graduando

Leia mais

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO. Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000

OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO. Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000 OITAVA CÂMARA CÍVEL DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO RIO DE JANEIRO Agravo de Instrumento nº 0040129-28.2012.8.19.0000 Agravante: Waldemar Monteiro Fidalgo Agravado: CABERJ Caixa de Assistência à Saúde

Leia mais