Segundo dia Internacional da Democracia CEBRI-RJ

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Segundo dia Internacional da Democracia CEBRI-RJ http://mundorama.net/2009/09/10/evento-segundo-dia-internacional-dademocracia-cebri-rj/"

Transcrição

1 Rua do Russel, 270 / 2 o Andar, Glória CEP Rio de Janeiro RJ Brasil tel.: , Fax ÍNDICE Segundo dia Internacional da Democracia CEBRI-RJ...1 Embaixador: Caças qualificam Brasil como potência...3 Globalização made in Brazil...6 Barreiras a vencer no comércio internacional...10 Ontem e hoje...10 Embaixador brasileiro faz críticas a Zelaya e EUA...11 Mesa redonda no CEBRI discute Colômbia, Honduras e Venezuela...13 Falta incentivo para exportação de serviços, dizem especialistas...14 Faltam 5 dias para o 8º Congresso Brasileiro de Agribusiness...15 Dilemas externos...16 Continuidades estratégicas...19 Brasil precisa assumir suas responsabilidades climáticas...21 Geopolítica complexa: Brasil e Venezuela...22 Crise põe em destaque ação de grupos regionais...28 Segundo dia Internacional da Democracia CEBRI-RJ Mundorama 10/09/2009

2 A Organização das Nações Unidas declarou o dia 15 de setembro como o Dia Internacional da Democracia, em referência ao 20º Aniversário da Primeira Conferência sobre Democracias Novas ou Restauradas. A Fundação Konrad Adenauer (KAS), o Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) e o escritório Dannemann, Siemsen, Bigler & Ipanema Moreira convidam para o 2º dia Internacional da Democracia (15 de setembro de 2009). O evento tem a seguinte programação: Programação 18:00 Credenciamento 18:30 Abertura Peter Fischer-Bollin Representante, Fundação Konrad Adenauer no Brasil Marcos de Azambuja Embaixador, Vice-Presidente do Centro Brasileiro de Relações Internacionais CEBRI Peter Dirk Siemsen Sócio, Escritório Dannemann, Siemsen, Bigler & Ipanema Moreira 19:00 Conferência do 2º Dia Internacional da Democracia Brasil: 120 anos da Proclamação da República Antônio Anastásia Vice-Governador, Estado de Minas Gerais Hélio Jaguaribe de Mattos Cientista Político e Membro da Academia Brasileira de Letras 200 anos de Independência dos países latino-americanos Federico Merke Professor, Universidad del Salvador (Argentina) Democracia na Europa: Estevão Rezende Martins Professor, Universidade de Brasília (UnB) Futuro da Democracia Miriam Saraiva Professora, Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) 20:30 Debate 21:00 Coquetel e lançamento e divulgação dos livros Brasil União Européia América do Sul: anos Caderno Adenauer nº1/2009 Migração e Política Local Local: Escritório Dannemann, Siemsen, Bigler & Ipanema Moreira. Rua Marquês de Olinda, 70 Botafogo Rio de Janeiro RJ (Próximo à estação Botafogo de metrô)- não há estacionamento.

3 Inscrição: pelo site do CEBRI ou enviando nome, instituição, cargo, endereço, telefone, fax, para: Informação: (21) ou Embaixador: Caças qualificam Brasil como potência Embaixador+Cacas+qualificam+Brasil+como+potencia.html Terra Magazine 08/09/2009 Os 36 caças Rafale que o Brasil vai comprar da França, além de helicópteros, cargueiros, submarinos convencionais e tecnologia para fabricação de modelo nuclear, não é gasto excessivo, diz o exembaixador do Brasil na França, Marcos Azambuja. É, completa, o necessário para que o poder militar nacional seja compatível com o tipo de país que o Brasil já é e quer ser: uma potência mundial. "O Brasil não se faz ameaçador, ele apenas não se torna mais um país militarmente inexistente", considera o ex-embaixador, que além de Paris, atuou na Argentina. Tornando-se a maior potência bélica da América Latina, com a aquisição dos novos equipamentos, o país não dispara uma corrida armamentista no continente, analisa Azambuja na entrevista que se segue. Azambuja é membro da Comissão de Armas de Destruição em Massa, integra o Conselho Curador do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI). É Presidente da Fundação Casa França-Brasil. Foi Secretário-Geral do Itamaraty de 1990 a 1992, entre outros. Terra Magazine - Compra dos caças franceses pelo Brasil é uma estratégia de aproximação dos dois países? Marcos Azambuja - Ajuda, facilita, reforça o que já existe. Na verdade, o Brasil já comprou equipamento militar francês várias vezes. Os Mirage tão aí, os porta-aviões estão aí. É um reforço de uma relação que já é densa. A relação tem se intensificado desde quando? A França tem sido um parceiro que busca, primeiro, negócios com o Brasil que tem tecnologia a vender e depois, a trocar. De modo que tem vantagens importantes.

4 Vantagens para a própria França? Para a própria França e para o Brasil. Vantagens competitivas. A França tem uma tradição de fornecer ao Brasil equipamento militar. Você sabe que nós temos uma fábrica de helicópteros que é essencialmente associada à França, à Eurocopter, a Helibras. Há toda uma tradição já que nessa hora se reforça. Quais seriam as vantagens para o Brasil? Primeiro, um grande país, que o Brasil é, tem que ter uma capacidade militar com credibilidade. Em outras palavras, não é um excesso, não é uma demasia, não é comprar o que não precisa, não é nada contra ninguém. Mas um grande país tem que ter uma capacidade militar crível. Em outras palavras, que tenha credibilidade, que imponha uma medida de respeito. O Brasil está, hoje, com um equipamento militar muito datado. Os nossos aviões de caça estão com 20 anos, 25 anos, 30 anos. Tudo em nós ficou muito envelhecido, de modo que é momento de fazer uma renovação e uma adaptação. Certo... O Brasil tem três ou quatro interesses. Primeiro cada vez mais com o petróleo offshore, não só o pré-sal, é uma grande reserva, um grande patrimônio a ser preservado. Tem todo problema amazônico, com a imensa extensão que aquilo tem. Teria a sua qualificação hoje para ser um membro do Bric (Brasil, Rússia, Índia e China) um país que quer jogar no primeiro time, e para jogar no primeiro time, tem que ter uma certa qualificação militar. Por tanto, essas compras nos dão isso. O presidente Lula diz que a França tem disposição em transferir tecnologia para a fabricação de aviões passar a ocorrer em território nacional. Por que a França teria essa disposição? O que presidente quer dizer com isso? A transferência de tecnologia tem que ver nos termos específicos do acordo para ver o que é que nós receberemos. O que eu entendo é que nós compramos uma quantidade de aviões Rafale, que é um avião competitivo com os rivais, que eram suecos, russos e americanos. Entendo que vão comprar uma série de cargueiros que a Embraer vai desenvolver agora, o K-390, que é para substituir o velho C-130, um avião que já viveu sua vida-útil. O objetivo é criar entre nós e a França uma relação de ida e volta. Quer dizer, eles (franceses) vão comprar também aviões nossos, que nós vamos desenvolver agora. E tudo isso é bom. É bom? O Brasil não está gastando demais. O Brasil está se equipando para ter um poder militar compatível com o tipo de país que ele já é. O Brasil cada vez

5 mais busca ser visto como uma potência de presença regional e mundial e isso vem acompanhado de certa necessidade de equipamento. Em relação aos outros países da América Latina, o Brasil vai se tornar a maior potência bélica. Isso é natural. Nós somos a maior potência demográfica, a maior potência territorial, a maior potência econômica, a maior potência tecnológica. Então é natural que haja uma simetria e, também na área militar, o Brasil tenha uma capacitação compatível com sua estatura em outras dimensões. E por tanto o Brasil não será um anão armado, será um gigante com armas adequadas à sua defesa. Uma coisa que é importante que se diga: o Brasil não se capacita contra ninguém. A qualificação militar é para o Brasil ter condições gerais de tranquilidade e de segurança. Pode-se dizer que está havendo uma corrida armamentista na América Latina? Eu não qualificaria como corrida armamentista. A Venezuela fez investimentos grandes, importantes, esses sim muito superiores ao que a Venezuela é em termos de potência regional. O que eu queria acentuar é isso: a Venezuela gastou proporcionalmente muito mais do que o Brasil está gastando. O Brasil está apenas renovando aquilo que envelheceu, não criando novas categorias de armas. Os aviões Mirage, F-5 que nós temos, tem 25, 30 anos, esgotou-se sua vida útil. Nós temos de renová-los. A corrida armamentista é quando você amplia uma capacitação, passa a ter mais. Nós estamos apenas substituindo o velho pelo novo. O Brasil pretende também ter um submarino com propulsão nuclear, e através dessa compra, ele renova sua frota de submarinos e aprende a fazer os submarinos que terão a propulsão nuclear. A despeito da proporcionalidade a que o senhor se refere, a empreitada do Brasil não pode reforçar a visão de que o país seja imperialista? O imperialista tem que ter objetivos, focos. O Brasil, você sabe, não tem objetivos territoriais, não tem objetivos estratégicos. O Brasil não procura obter nem o carvão de um, nem o petróleo de outro. O Brasil apenas está se dotando de uma capacitação militar crível. Você não pode ter um poder militar tão leve, tão gasto, tão ultrapassado que não seja objeto de uma consideração respeitosa pelos demais. O Brasil não se faz ameaçador, ele apenas não se torna mais um país militarmente inexistente. A nossa capacitação não se volta contra ninguém, nem tem objetivo agressivo com relação a ninguém. Isso é apenas para que um país que ocupa mais de metade de um continente, que é uma grande potência mundial, que já um dos Bric tenha um poder militar mínimo - é mínimo para a região, são trinta e poucos aviões - não é nada fora de proporção com a nossa escala.

6 Não há risco de interpretação equivocada de países do continente? Você não pode garantir, a interpretação dos outros é direito dos outros. É improvável que seja assim. O Brasil não fez compras tão importantes que sugira que ele queira agredir. Nós compramos não serve para invadir ninguém. Não é uma força militar ameaçadora, nem voltada contra ninguém, apenas gera maior respeito pelo Brasil e uma percepção de que o país não pode ser um gigante econômico, um gigante agropecuário, um gigante de minerais e ser um anão militar. Isso não existe. A Argentina não verá isso como uma ameaça a ela, nem é. Ninguém mais. A própria Venezuela eu creio que verá que o presidente está comprando equipamento em escala muito menor, dado o tamanho da nossa economia, que o que ela fez ao país. No caso da Venezuela, há compras que vão bem além do que o que seria normal para um país daquele porte. No nosso caso, não. O Brasil continuará um país com gastos muito reduzidos. Não pensa que com isso nós viramos um gigante militar. Apenas passa a ser um país com algum tipo de equipamento que permita falar com autoridade. O presidente Lula e o presidente Nicolas Sarkozy intensificaram relações, como o senhor diz. Eles têm uma empatia que pode explicar? Têm. Uma empatia herdada também. Porque você sabe que havia uma relação muito boa também entre os presidentes Fernando Henrique Cardoso e o presidente (Jacques) Chirac, o que criou entre o presidente Sarkozy e o Lula. Entre Brasil e França, há uma relação naturalmente próxima. Pelas raízes comuns de latinidade, de convergência de ideias políticas - nós somos dois países social-democratas. Há uma aproximação que deriva um pouco da história - houve missão militar francesa no Brasil nos anos Há uma bela e boa tradição de entendimento. Então quando é para o Brasil comprar alguma coisa, o Brasil olha para a França com uma certa naturalidade. Globalização made in Brazil O Estado de S. Paulo 25/08/2009 Novo status do país e ofensiva internacional de empresas brasileiras exigem profissionais com visão global

7 Elida Oliveira - Especial para O Estado de S. Paulo SÃO PAULO - Duas décadas depois de abrir mercados, o País já encara a globalização como aliada. Antes vilã por fechar empresas e provocar desemprego, hoje ela remete aos emergentes do Brics (Brasil, Rússia, Índia e China) e às multinacionais brasileiras. Na nova etapa da globalização, a posição defensiva dos anos 90 deu lugar à ambição. Mais de 800 corporações nacionais atuam no exterior, com investimento superior a US$ 100 bilhões só em 2008 foram US$ 20 bilhões. Não são só as empresas do País que estão em alta. Apesar de a quantidade de profissionais com perfil global no Brasil ainda ser pequena, eles são muito valorizados lá fora, diz Marcelo de Lucca, gerente da empresa de recrutamento Michael Page. O executivo daqui teve de se adaptar a um cenário volátil. Pelas crises econômicas, tem facilidade de se relacionar e é mais ocidentalizado do que outros do Brics. A reação à crise financeira reforçou projeções do Brasil como potência econômica em Mas, para chegar lá, o País precisa de profissionais de visão global, preparados para competir e liderar. Quem pensa que só a faculdade é suficiente estará em desvantagem. É preciso ter perspectiva global, diz Rodolfo Eschenbach, líder da área de organização e talentos da consultoria Accenture. Precisamos de profissionais que analisem, entendam e interfiram no mundo, afirma Matias Spektor, coordenador do Centro de Estudos Internacionais da FGV. Malas prontas Aos 33 anos, Vivian Broge, gerente de Recursos Humanos da Natura, está de malas prontas para, como diz Spektor, interferir no mundo. Em alguns dias, ela vai se mudar para a Cidade do México, de onde vai comandar as áreas de RH e Marketing de Relacionamento da empresa presente em sete países. Cada vez mais as equipes são multiculturais e precisamos de pessoas que tenham uma visão de mundo diferente e complementar. Isso é viver a globalização. Filha de alemão com portuguesa, Vivian sempre transitou bem por outras culturas, mas essa será sua primeira experiência como expatriada (funcionária deslocada para um posto no exterior). Ainda que eu volte para o mesmo cargo, valerá a pena. Para preparar pessoas como Vivian para assumir postos de comando em outros países, boa parte das empresas aposta em treinamentos caseiros.

8 Buscamos profissionais que já estejam um pouco preparados para a globalização. A formação técnica, a gente dá aqui dentro, diz o gerente de Desenvolvimento de Gente da Ambev, Thiago Porto. Diretor de Tecnologia da Informação e Serviços Compartilhados da Ambev, Renato Nahas, de 42 anos, entrou na empresa em 1996, aos 29. Três anos depois, fez um MBA in company, montado pela própria empresa, com direito a um módulo em Nova York. Em 2004 já estava na Bélgica, participando do Comitê de Convergência, que preparou a unificação da cultura empresarial entre a companhia brasileira e a belga Interbrew. O choque foi ver como brasileiros e europeus pensam de forma diferente. Nós preferimos velocidade a perfeição, que, para eles, é o primordial, diz Porto. A pressa brasileira, no entanto, fez a diferença no processo de fusão. Quando montamos o plano com prazo de um ano, eles acharam impossível de executar. Mas nós assumimos a imperfeição e acertamos os pontos dissonantes depois, diz Nahas. Havia diferenças mais, digamos, pitorescas. Após o almoço, só dava brasileiro escovando os dentes no banheiro. Os belgas achavam estranhíssimo, eles não têm costume de fazer isso fora de casa, diz Nahas, que hoje trabalha em São Paulo, coordenando 900 pessoas. Tive sorte de entrar numa empresa que sempre aspirou ser um player global. Pioneira No caso da Odebrecht, essa ambição global teve início lá atrás, em 1979, quando a construtora começou a buscar mercados na América Latina. Quinta colocada em 2008 no ranking de transnacionais brasileiras da Fundação Dom Cabral, com ativos de R$ 8,1 bilhões no exterior, a Odebrecht está presente nas três Américas, na África, no Oriente Médio e na Europa. Ao decidir por novas geografias, já tínhamos incorporado a percepção de quais competências seriam necessárias para enfrentar os desafios, diz André Amaro, vice-presidente de Planejamento e Desenvolvimento. Há 21 anos na Odebrecht, Amaro também foi um expatriado. No início dos anos 90, morou quatro anos na Alemanha. Trabalhou também na Argentina e em Portugal. É um desafio largamente compensado pela adrenalina de vencer. Vizinho alemão Vencer inclui sucesso nos negócios e nas relações pessoais algo que não se ensina em faculdades. Na Alemanha, Amaro tinha um vizinho que chamava a polícia sempre que a rotina da casa mudava. No aniversário

9 do meu filho, a polícia chegou às 8 da noite. Eu convidei o vizinho para um jantar, para estreitarmos os laços. Éramos cinco casais e ele foi o primeiro a sair, às 10 da noite. Mas chegou em casa e ligou para a polícia, reclamando do barulho, lembra, rindo. O responsável financeiro da vice-presidência da América Latina e Angola da Odebrecht, Fábio Freitas, de 33 anos, teve o primeiro cargo fora do Brasil aos 23 anos. Sempre quis a experiência internacional, fosse qual fosse o país, diz Freitas. Ele foi expatriado para Angola e para a Amazônia peruana, onde ficou de 2005 a Agora, já casado, preferiu ficar em São Paulo para criar o filho de dois anos, mas não deixou a ponte aérea. Viajo todo mês. Freitas se enquadra no perfil do novo profissional que as empresas procuram, segundo Roberto Carlos Bernardes, doutor em Sociologia da Inovação pela USP e especialista em estratégia empresarial e gestão da inovação do Centro Universitário FEI. É alguém que desenvolve projetos e, ao mesmo tempo, opera redes de gestão dispersas no mundo. Preparação Atingir esse nível de sofisticação na formação pessoal, para Bernardes e outros analistas, passa por um fator: educação. Tudo tem como base a melhoria da educação, afirma o ex-embaixador do Brasil em Washington Rubens Barbosa, hoje consultor de negócios. Para o Brasil crescer e ser líder internacional, temos de ganhar competitividade em inovações tecnológicas, pesquisa termos vagos, que todos repetem, mas difíceis de concretizar. Vamos precisar de muitos engenheiros para obras de infraestrutura, de profissionais de Direito Internacional e de Relações Internacionais para assessorar empresas, diz Denise Gregory, diretora-executiva do Centro de Estudos Brasileiros de Relações Internacionais (Cebri) e analista de comércio exterior do Ministério do Desenvolvimento. E precisaremos de pessoas fluentes em mandarim. Leva-se em média oito anos para aprender o idioma. Os jovens de hoje devem correr. Depois da universidade, a única coisa que precisei estudar mesmo foram línguas estrangeiras. O resto eu aprendi no dia a dia do trabalho, diz Frederico Laguna, de 36 anos, atualmente coordenador da equipe de modelagem numérica da PSA Peugeot-Citroën em São Paulo ele e seus comandados são responsáveis por transformar os desenhos dos designers em protótipos digitais de alta fidelidade, que vão orientar a produção industrial dos carros.

10 Formado em Engenharia Mecânica pela Unesp, Laguna morou um ano nos Estados Unidos, três meses no México e quatro anos na Alemanha, sempre trabalhando na indústria automobilística. Na Peugeot-Citröen incorporou o francês ao seu arsenal linguístico. Língua é nota de corte para conseguir emprego, diz. Para Caio Moraes, de 34 anos, a língua não foi nota de corte, mas é um fator diário de preocupação. Típico executivo global, o engenheiro químico formado pela USP trabalhou ou comandou equipes em dezenas de países como funcionário da Rhodia e do grupo Ultra. A experiência internacional lhe valeu, há três anos, o convite para ser diretor administrativo-financeiro da Valeo (fabricante de autopeças francesa) na Coreia do Sul. Hoje estou bem integrado à cultura da Ásia, mas a gente leva muito mais tempo para se comunicar de maneira razoável, diz. Como sabem que os ocidentais jamais dominarão completamente a língua e os dialetos, muitos coreanos se aproveitam. Já fiz pronunciamentos em inglês que foram distorcidos na tradução em alguns casos, de propósito. Barreiras a vencer no comércio internacional Jornal Zero Hora 20/08/2009 Uma das atividades mais afetadas pela crise global foi a de exportação e importação. O comércio internacional caiu drasticamente por efeito da contração do crédito decorrente do agravamento da turbulência financeira e da redução da demanda, quando a recessão abateu os maiores compradores do planeta. Em Porto Alegre para participar de um seminário sobre as perspectivas da União Europeia (UE) e do Mercosul, especialistas em relações internacionais avaliam os perspectivas da recuperação sobre comércio e movimentos de integração. O seminário é organizado por Fundação Konrad Adenauer, Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e UFRGS, com apoio da delegação da Comissão Europeia no Brasil. Jornal Zero Hora 20/08/2009 Ontem e hoje

11 INTEGRAÇÃO Em parceria com o Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), a Fundação Konrad Adenauer promove hoje e amanhã, no Hotel Embaixador, na Capital, o seminário para jornalistas União Europeia e Mercosul Experiências e Perspectivas. A abertura será hoje, às 18h15mim, com Peter Fischer-Bollin, da Fundação Konrad Adenauer, e José Botafogo Gonçalves, presidente do Conselho Curador do Centro Brasileiro de Relações Internacionais. O evento segue amanhã a partir das 9h. Embaixador brasileiro faz críticas a Zelaya e EUA Folha de S. Paulo 19/08/2009 Chefe da missão em Tegucigalpa diz que deposto é pouco crítico em relação a Chávez Para diplomata, Obama tem a chave da restituição: é "só acenar com a retirada das preferências tarifárias" às exportações hondurenhas O embaixador do Brasil em Honduras, Brian Michael Fraser Neele, criticou a relação do presidente deposto Manuel Zelaya com o aliado Hugo Chávez e a ingerência do presidente venezuelano no país. Como exemplo, citou o fato de o embaixador da Venezuela em Honduras, Armando Laguna, ter tentado acompanhar Zelaya na audiência com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em Brasília, na semana passada. "Foi preciso dizer que ele não poderia participar." Neele -que estava em férias quando houve o golpe, há 52 dias, e foi mantido fora de Tegucigalpa como parte das sanções- também deixou claro que considera ambígua a posição americana no caso. "Os EUA não querem que Zelaya volte, mas veem a necessidade de ele voltar." Para Neele, se o presidente Barack Obama quisesse apressar o retorno ao poder do deposto, como exige resolução da OEA (Organização dos Estados Americanos), era "só acenar com a retirada das preferências tarifárias" às exportações hondurenhas, 70% destinadas aos EUA. Neele assumiu a embaixada no início de 2008, perdeu a mulher pouco depois em acidente aéreo em Tegucigalpa e já teve sua transferência

12 aprovada para inaugurar a embaixada em Antígua e Barbuda, no Caribe. Ele falou mais como analista do que como diplomata em debate promovido pelo Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), no Rio. Suas avaliações por vezes divergiram das que têm sido feitas por outras autoridades. Ele acha, por exemplo, que Zelaya "tirou da algibeira" o relato de que o avião em que os golpistas o expulsaram para a Costa Rica fez escala na base de Palmerola, administrada por militares americanos e hondurenhos. "Ninguém tinha ouvido falar disso até o encontro com o presidente Lula." O assessor internacional do Planalto, Marco Aurélio Garcia, havia dito à Folha que considerou a revelação "inquietante e inacreditável". Neele fez elogios a Zelaya - "é a figura moderna de Honduras, num certo sentido". Mas afirmou que o deposto "se perdeu quando quis prorrogar seu mandato à revelia da Carta [que proíbe a reeleição]" e adotou posição "pouco crítica" a Chávez, acompanhado pela chanceler Patricia Rodas, "chavista incondicional". Para o embaixador, Zelaya "caiu na mão" da Alba (Aliança Bolivariana para as Américas) quando a alta do petróleo, em 2007, obrigou o país a comprometer 60% de sua receita com o produto. O governo americano negou então ajuda financeira. "Para meu espanto, os EUA abdicaram de Honduras." No início de 2008, Zelaya aderiu à Alba e à Petrocaribe, pela qual a Venezuela vende petróleo em condições mais favoráveis que as de mercado. O diplomata considerou "extraordinário" o fato de nenhum país ter reconhecido o governo de Roberto Micheletti, mas disse que o Peru "rompeu a unidade latino-americana" ao manter embaixador em Tegucigalpa. Ele contou que foi dito a Zelaya que o Brasil quer sua volta "para legitimar a sucessão [há eleição presidencial marcada para novembro] e deslegitimar sua derrocada à força". Embora o hondurenho declare que não insistirá em buscar a reeleição, Neele disse temer o "fator Chávez". "Ele não pode perder Honduras, único país da América Central que entrou na Alba por conta própria [o presidente nicaraguense Daniel Ortega já era próximo de Chávez antes de voltar ao poder]. O Brasil tenta contrabalançar, mas não tem dinheiro fácil para colocar."

13 No debate, tanto o professor Alfredo Valladão, do Instituto de Estudos Políticos de Paris, quanto o embaixador Marcos de Azambuja bateram nessa tecla: mais do que ser "generoso", o Brasil precisará gastar para consolidar liderança regional. "Somos hoje os terapeutas da América do Sul. É sábio, mas não sei se é eficaz. É preciso pôr dinheiro atrás da nossa retórica", disse Azambuja. Mesa redonda no CEBRI discute Colômbia, Honduras e Venezuela Instituto Millenium 15/08/2009 O Centro Brasileiro de Relações Internacionais CEBRI tem a satisfação de convidar para a Mesa-Redonda: Colômbia, Honduras e Venezuela: implicações para a segurança regional. Embaixador Michael Neele Brian Michael Fraser Neele é Embaixador do Brasil em Honduras. Possui pósgraduação em Desenvolvimento Econômico pelo Instituto de Estudos Sociais em Haia. Foi Chefe da Divisão de Informação Comercial e Chefe do Escritório de Representação do MRE no Rio de Janeiro (ERERIO). Michael Neele exerceu atividade diplomáticas em La Paz, Londres, Genebra, Lagos, Beirute, Âncara, Baku e Roma. Recebeu Medalha de Pacificador do Exército brasileiro. DEBATEDORES: Alfredo Valladão e Embaixador Marcos de Azambuja IDIOMA: Português DATA: 18 de agosto de 2009, terça-feira. HORÁRIO: 10h00. LOCAL: CEBRI, Rua do Russel, 270/ 2º andar Glória, RJ. Incrições através do site: INFORMAÇÕES: (21) Walquiria Felizardo ou Maria Julia Torres

14 Falta incentivo para exportação de serviços, dizem especialistas O Estado de S. Paulo 05/08/2009 O Brasil é o maior exportador de serviços na América Latina, mas, apesar da importância desse nicho de mercado, ainda falta uma política pública de incentivo para impulsionar ainda mais as vendas externas de serviços voltados para os setores financeiros, empresariais e de telecomunicações, entre outros. Essa foi a avaliação do seminário "A emergência do Brasil como líder regional na exportação de serviços", realizado nesta quartafeira, 5, pelo Centro Brasileiro de Relações Internacionais (Cebri), no bairro da Glória, zona sul do Rio. De acordo com Nanno Mulder, da divisão de Comércio Internacional e Integração da Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (Cepal), o Brasil responde atualmente por cerca de 40% da exportação de "outros serviços" - mais ligados a setores empresariais como o de telecomunicações e finanças - sendo que em meados de 1985 essa participação era de 15%. De acordo com ele, o País ultrapassou o México, que tinha 27% das exportações de serviços em 1985 e, atualmente, essa parcela caiu para 17%. "O Brasil está fazendo as coisas bastante bem, mas precisa fazer um esforço ainda maior para melhorar a competitividade, mas deveria haver uma maior cooperação entre o governo federal e estadual e os setores público e privado", afirmou Mulder. De acordo com ele, munido com os dados mais recentes sobre esse setor colhidos pelos bancos centrais dos países da América Latina, o Brasil, em 2006, exportou US$ 11 bilhões em serviços. No México, o segundo maior mercado latino-americano, o volume foi de US$ 2,3 bilhões. Entre todos os países do mundo, o Brasil respondeu, em 2008, por 0,9% da exportação de serviços. Em 1990, essa participação era de 0,4%. "Cerca de 60% do PIB brasileiro é serviços. O IBGE agora está detalhando um pouco mais essa categoria. Pelos dados da área de produtividade, na maioria dos setores de serviços do Brasil a produtividade é extremamente baixa. Os únicos que despontaram foram serviços financeiros e telecomunicações", afirmou a coordenadora do Centro de Comércio exterior do Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, Lia Valls.

15 De acordo com ela, se a categoria de serviços precisa ter dinamismo e cada vez mais importância no comércio mundial, é preciso entender melhor o que são as exportações de serviços, com a melhora na coleta de dados e informações sobre esse setor, por exemplo. "É uma área que não se consegue ainda captar com clareza o que é esse comércio de serviços", afirmou Lia. Faltam 5 dias para o 8º Congresso Brasileiro de Agribusiness tôsabendo.com 05/08/2009 Acontece na próxima semana, nos dias 10 e 11, em São Paulo, o 8º Congresso Brasileiro de Agribusiness, promovido pela Associação Brasileira de Agribusiness ABAG. Esta edição, que terá como tema a crise financeira e a sustentabilidade no agronegócio, inova e chega à era da web 2.0. Pela primeira vez, o Congresso terá transmissão on line, ao vivo, pelo Twitter. Já há alguns anos gostaríamos de tornar nosso Congresso mais interativo, onde uma parcela maior da população pudesse acompanhar, mesmo de longe, os debates propostos pela ABAG (Associação Brasileira de Agribusiness). Porém não sabíamos como fazer isso. Neste ano, com a popularização do Twitter em todo o Brasil, percebemos ter a ferramenta ideal para a interação de pessoas de qualquer parte do mundo que queira saber o que acontece, naquele exato momento, no Congresso, afirma Carlo Lovatelli, Presidente da ABAG. 8º CBA Em tempos de crise a necessidade de se reinventar é cada vez mais presente. Para debater este assunto tão presente na vida do produtor mundial, o 8º Congresso Brasileiro de Agribusiness reúne grandes nomes do mercado. No primeiro dia do evento, Luis Carlos Guedes Pinto, Vicepresidente de Agronegócios do Banco do Brasil e Armínio Fraga, Sócio da Gávea Investimentos e expresidente do Banco Central farão o painel Lições da Crise e Visão Mundial, seguido por uma mesa-redonda composta por Márcio Lopes de Freitas, Presidente da Organização das Cooperativas Brasileiras (OCB), Katia Abreu, Presidente da Confederação

16 da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), Armando Monteiro, Presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) e Alexandre Figliolino, Diretor do Banco Itaú BBA. Sustentabilidade A sustentabilidade estará em pauta no segundo dia. O painel Mercado e Soluções, será moderado por Cristiano Walter Simon, Vice-presidente da ABAG e contará com a palestra de Josué Christiano Gomes da Silva, Presidente da Companhia de Tecidos Norte de Minas Coteminas. Depois haverá uma mesa-redonda, onde Marcos de Azambuja, Vice-presidente do Centro Brasileiro de Relações Internacionais (CEBRI) irá debater o Bilateralismo e Multilateralismo. Outro participante será o Governador do Estado do Mato Grosso, Blairo Maggi, que discutirá A Sustentabilidade como Oportunidade de Negócio e por fim o Ministro da Secretaria de Assuntos Estratégicos Roberto Mangabeira Unger, comentará Sustentabilidade: Contexto Estratégico de uma Nação. No mesmo dia, pela manhã, será apresentado o painel Questões-chave para o Agronegócio Brasileiro, com a presença de Paulo Del Caro S. Canabrava, Consultor de Negócios do Abastecimento da Petrobras e do Ex-ministro da Economia Delfim Netto. Ainda haverá uma mesa-redonda sobre o assunto com a presença de Luiz Carlos Corrêa Carvalho - Vicepresidente da ABAG, Ricardo Guimarães - Presidente da Thymus Branding, Denis Lerrer Rosenfield - Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e Roberto Rodrigues - Coordenador do Centro de Agronegócio da Fundação Getúlio Vargas (FGV) e ex-ministro da Agricultura. Dilemas externos a Folha de S. Paulo 26/07/2009 Pesquisa mapeia divisões ideológicas no Itamaraty e entre formadores de opinião em temas diplomáticos; cresce posição crítica à ampliação da integração no Mercosul O grau de aprofundamento da integração sul-americana e o futuro formato do Mercosul são hoje os temas que provocam maior divergência no debate público sobre a política externa brasileira.

17 Há uma divisão sobre o caráter menos ou mais institucionalizado das relações regionais que corresponde, grosso modo, às posições de correntes influentes no comando da diplomacia respectivamente nos governos de Fernando Henrique Cardoso [ ] e Luiz Inácio Lula da Silva. O mapeamento dessas posições é o aspecto mais interessante do recémlançado livro "A Agenda Internacional do Brasil - A Política Externa Brasileira de FHC a Lula" [ed. Campus/Elsevier, 216 págs., R$ 49], do cientista político Amaury de Souza. Souza, sócio da consultoria MCM, é integrante do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), criado há 11 anos no Rio de Janeiro por especialistas em sua maioria egressos do governo FHC e que hoje inclui em seu conselho o assessor internacional do Palácio do Planalto, Marco Aurélio Garcia. O livro parte dos resultados de pesquisas qualitativas feitas em 2001 e em 2008 com a "comunidade brasileira de política externa", a última com foco na integração regional. Foram ouvidas autoridades no Itamaraty e nos ministérios, membros do Congresso, acadêmicos e dirigentes empresariais, sindicais e de ONGs. As pesquisas ajudam a sistematizar um debate cada vez mais intenso, que corresponde ao aumento de centros de estudo da área e de setores afetados por acordos internacionais negociados pelo país. Tanto em 2001 quanto em 2008, elas apuraram alta adesão (99% e 97%) à ideia de que o Brasil deve "participar ativamente" das questões globais. O levantamento de 2008 mostra que a abertura econômica, que sofreu resistência nos anos 90, hoje tem seus resultados amplamente aprovados (88%) e revela um quadro de opiniões em transição sobre qual é o melhor caminho para a inserção econômica do Brasil. Entre Sul e Norte Embora 26% acreditem que o país deve privilegiar negociações comerciais com os países desenvolvidos, e 31% com a América do Sul e nações em desenvolvimento, o maior grupo (41%) é o que defende a concomitância das duas estratégias. Para Souza, é um resultado que corresponde à perda de nitidez da polarização clássica entre países ricos e emergentes. O próprio comércio

18 brasileiro é hoje quase igualmente distribuído entre América do Sul, EUA, Europa e Ásia. Esse fenômeno explica também o aparecimento de uma linha de opinião, definida por ele como "regionalista", que defende tanto negociações globais -a Organização Mundial do Comércio é o fórum mais citadoquanto a integração institucional da América do Sul. Os "regionalistas" são 38% dos entrevistados, a meio caminho entre os "globalistas" (27%), favoráveis à integração regional focada no aspecto econômico, e os "pós-liberais" (29%), que dão prioridade às relações Sul-Sul. Souza vê nos "globalistas" os herdeiros da tradição liberal de política externa, dominante sob FHC, e nos "regionalistas" e "pós-liberais" subdivisões da corrente conhecida como "autonomista", mais forte no atual governo (veja quadro abaixo). Uma das características da minoria "globalista" é o ceticismo em relação a instituições como o Parlamento do Mercosul, o Banco do Sul e a Unasul (União de Nações Sul-Americanas), criada em 2008 sob auspícios do Brasil para coordenar políticas energéticas, de defesa, sociais e culturais. Souza, um "globalista", classifica a Unasul como "improvável", pelas diferenças históricas entre o Brasil e os vizinhos hispânicos, mas é um apoiador entusiasmado das iniciativas de integração energética e física, como o financiamento brasileiro a obras de infraestrutura na região. O papel do Mercosul O outro ponto de divisão é o Mercosul -cujas metas, estabelecidas no Tratado de Assunção (1991), têm sido comprometidas pela falta de sintonia entre as políticas econômicas de Brasil e Argentina, redundando no recente aumento das restrições argentinas a exportações brasileiras. Entre 2001 e 2008, passaram de 4% para 21% os que acreditam que o bloco -que inclui ainda Paraguai e Uruguai- deve retroceder para uma área de livre comércio, embora a maioria ainda defenda o objetivo de se chegar a um mercado comum, nos moldes europeus. O aumento dos defensores de um Mercosul minimalista coincide com forte redução, de 72% para 38%, dos que acham que o Brasil precisa do peso do bloco para negociar em outros fóruns comerciais. Numa área de livre comércio, o governo dispensaria a consulta aos sócios regionais.

19 Folha de S. Paulo 26/07/2009 Continuidades estratégicas Embora as pesquisas coordenadas por Amaury de Souza indiquem polarização política sobre os rumos da política externa, o quadro não é tão preto no branco. O próprio Souza, na conclusão do livro, enfatiza que, nos últimos 15 anos, houve mais continuidade do que rupturas nas grandes linhas da diplomacia, entre elas a defesa de uma ordem multipolar e os projetos de integração física da América do Sul. Em muitos pontos, borram-se as fronteiras entre "regionalistas" e "globalistas". A ideia de que o Mercosul deve abandonar a Tarifa Externa Comum e ser apenas uma área de livre comércio, por exemplo, já foi defendida por assessores da Fiesp (Federação das Indústrias do Estado de São Paulo) que atuaram no governo FHC, como Roberto Giannetti da Fonseca, exsecretário-geral da Camex (Câmara de Comércio Exterior). Mas é contestada pelo ex-embaixador em Buenos Aires José Botafogo Gonçalves, que foi ministro da Indústria e Comércio em Para ele, "os que defendem o retrocesso são os que mais vão perder". Botafogo, presidente do Cebri (Centro Brasileiro de Relações Internacionais), argumenta que a união aduaneira, mesmo com buracos, significa preferência para produtos brasileiros. Além disso, diz, a almejada liberação para acordos fora da região esbarrará nas mesmas cláusulas extracomércio (investimentos, compras governamentais) que afundaram negociações anteriores. Por outro lado, o embaixador vê com descrença a ampliação do Mercosul - a adesão plena da Venezuela está pendente de aprovação pelos Congressos brasileiro e paraguaio - e afirma que o Brasil deve investir no aprofundamento do bloco original. "É verdade que a Argentina mudou, mas o Brasil tem enorme instrumental dentro do Mercosul para resolver esse problema. Falta foco", critica.

20 Assim como Souza, Botafogo aponta na Unasul uma "fuga adiante" da diplomacia, diante do que considera um fosso entre o discurso integracionista e a "prática desagregadora" de líderes regionais. Resposta pragmática Deles diverge Maria Regina Soares de Lima, coordenadora do Observatório Político Sul-Americano, do Iuperj (Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro), que tem posição mais próxima à do Itamaraty. Para a pesquisadora, a Unasul foi a resposta pragmática do Brasil ao desafio de construir uma política sul-americana que pudesse conviver com diferentes regimes comerciais, num contexto regional mais heterogêneo do que o da década de 1990, quando vigia o Consenso de Washington. Soares de Lima afirma que a assimetria entre o Brasil e os vizinhos impõe essa abordagem multilateral, que "elimina o peso negativo da hegemonia". É a habilidade do governo brasileiro de manter relações regionais "coordenadas, sem polarizações e confronto", diz ela, que favorece a sua atual capacidade de interlocução com os Estados Unidos. "A alternativa ao multilateralismo é bilateralizar as relações, com o risco de que o temor dos vizinhos fique muito mais forte", ressalta. Outro ponto em que a polarização enfraquece diante da realidade diz respeito às alianças Sul-Sul. No prefácio de "A Agenda Internacional do Brasil", o ex-chanceler Luiz Felipe Lampreia ( ) ataca o governo Lula por supostamente priorizar essas parcerias. Já Botafogo diz que essa prioridade corresponde mais à retórica do que à prática: "A política para o Norte é até mais eficaz". Do seu lado, Soares de Lima avalia que o governo Lula inovou nessas parcerias, mas não as privilegia. Ela cita intercâmbios técnicos que "vieram para ficar", em áreas como saúde e agricultura, e qualifica de mito a ideia de que seja preciso escolher entre emergentes ou ricos. "O Brasil está em vários tabuleiros, como é nossa tradição diplomática." A professora vê com naturalidade a presença da política externa entre os temas de disputa político-partidária: "É um fenômeno habitual nas democracias".

Brasil e América do Sul

Brasil e América do Sul Brasil e América do Sul Brasil Linha do equador Tropico de Capricórnio O Brasil é o quinto país mais extenso e populoso do mundo. É a sétima maior economia mundial. É um país capitalista à apresenta propriedade

Leia mais

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia

5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento / Integração Franceline Hellen Fukuda 17 de maio de 2008 5ª Cúpula América Latina, Caribe e União Européia Resenha Desenvolvimento

Leia mais

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo

27/02/2015 Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim - 22/02/2015 - Mundo - Folha de S.Paulo Fechar embaixadas seria retrocesso impraticável, diz Celso Amorim PATRÍCIA CAMPOS MELLO DE SÃO PAULO 22/02/2015 02h00 Fechar embaixadas e consulados do Brasil no exterior seria um "retrocesso impraticável",

Leia mais

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015)

Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) Modelo de desenvolvimento da era Lula está exaurido, diz ministro :: Matias Spektor e Patrícia Campos Mello (Folha de S. Paulo, em 30/08/2015) O modelo de desenvolvimento da era Lula o tripé composto por

Leia mais

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO

POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO POLÍTICA EXTERNA, DEMOCRACIA. DESENVOLVIMENTO GESTÃO do MÍNÍSTRO CEISO AMORÍM NO itamaraty AqosTO 95A DEZEMBRO 94 / FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO Brasília 1995 Tricentenário do nascimento de Alexandre de

Leia mais

Capítulo 03 Mercados regionais

Capítulo 03 Mercados regionais Capítulo 03 Mercados regionais As organizações decidem atuar no mercado global quando sabem que o crescimento externo será maior do que o interno. Nesse sentido, a China é um dos mercados para onde as

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 93 Exposição na abertura do encontro

Leia mais

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

DISCIPLINA: INTRODUÇÃO AO ESTUDO DAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS 7.PROJETO PEDAGÓGICO 1º SEMESTRE DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À ECONOMIA EMENTA: Conceitos Fundamentais; Principais Escolas do Pensamento; Sistema Econômico; Noções de Microeconomia; Noções de Macroeconomia;

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 36 Discurso por ocasião do jantar

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 13 Discurso em jantar oferecido ao

Leia mais

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE

AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE AMÉRICA: PROJETOS DE INTEGRAÇÃO GEOGRAFIA 8ºANO PRFª BRUNA ANDRADE A FORMAÇÃO DOS ESTADOS LATINO- AMERICANOS OS PAÍSES DA AMÉRICA LATINA FORMARAM-SE A PARTIR DA INDEPENDÊNCIA DA ESPANHA E PORTUGAL. AMÉRICA

Leia mais

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y

Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam. Gosto pela diplomacia. humanidades relações exteriores y humanidades relações exteriores y Gosto pela diplomacia Cresce o interesse de brasileiros pelos rumos da política externa Carlos Haag Mesmo com um papa argentino, os brasileiros acreditam que o país está

Leia mais

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009.

Data: GEOGRAFIA TUTORIAL 5B. Aluno (a): Equipe de Geografia IMAGENS BASE. Fonte: IBGE, 2009. Aluno (a): Série: 3ª Turma: TUTORIAL 5B Ensino Médio Equipe de Geografia Data: GEOGRAFIA IMAGENS BASE Fonte: IBGE, 2009. Colégio A. LIESSIN Scholem Aleichem - 1 - NANDA/MAIO/2014-488 TEXTO BASE Os blocos

Leia mais

Geografia: ROCHA Globalização A globalização é a mundialização da economia capitalista que forma o aumento do processo de interdependência entre governos, empresas e movimentos sociais. Globalização Origens

Leia mais

Seminário Internacional e Workshop para Jornalistas. Novos Caminhos para a integração Regional: o projeto da UNASUL

Seminário Internacional e Workshop para Jornalistas. Novos Caminhos para a integração Regional: o projeto da UNASUL Seminário Internacional e Workshop para Jornalistas Novos Caminhos para a integração Regional: o projeto da UNASUL Por Daniel Edler Organizada pela Fundação Konrad Adenauer, em parceria com a Universidade

Leia mais

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central.

1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 1) Caracterize a economia e a história recente da região insular da América Central. 2) Considere a tabela para responder à questão: TAXA DE CRESCIMENTO URBANO (em %) África 4,3 Ásia 3,2 América Lat./Caribe

Leia mais

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO

VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO VALOR E PARTICIPAÇÃO DAS EXPORTAÇÕES, POR FATOR AGREGADO E PAÍS DE DESTINO 1 - CHINA 2 - ESTADOS UNIDOS 2014 34.292 84,4 4.668 11,5 1.625 4,0 6.370 23,6 5.361 19,8 13.667 50,6 2013 38.973 84,7 5.458 11,9

Leia mais

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09

- Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 - Informe de Política Externa Brasileira Nº 228 18/09/09 a 24/09/09 Apresentação: O Observatório de Política Externa Brasileira é um projeto de informação semanal da Graduação em Relações Internacionais,

Leia mais

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações.

ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. ERRATA: Na página 5, onde se lê relevar nenhuma das tentações, leiase reavivar nenhuma das tentações. Declaração à imprensa da Presidenta da República, Dilma Rousseff, após a VI Reunião de Cúpula Brasil-União

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO

HÁ UM ANO, O MUNDO VIVIA UMA FASE DE OTIMISMO A economia verde Às vésperas da Conferência de Copenhague, a maior discussão global sustentabilidade desde o Protocolo de Kyoto, empresas e governos de todo o mundo têm uma certeza: quem não se adaptar

Leia mais

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS

Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS Resolução de Questões- Tropa de Elite ATUALIDADES Questões- AULA 1-4 NILTON MATOS 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. OBS: EM NEGRITO OS ENUNCIADOS, EM AZUL AS

Leia mais

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO

SENADO FEDERAL Gabinete do Senador ALOYSIO NUNES FERREIRA RELATÓRIO RELATÓRIO Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 93, de 2011 (Mensagem nº 212, de 17/06/2011, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação do Senado

Leia mais

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011)

INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Seminário 09 A AMAZÔNIA E SUAS FRONTEIRAS NO CONTEXTO DA INTEGRAÇÃO REGIONAL E DO COMÉRCIO EXTERIOR (Versão 24/10/2011) Objetivo: Em consonância com a Política Externa do Governo Federal de Integração

Leia mais

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global

Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Pressão sobre os recursos nos mercados globais de commodities afeta economia global Conclusão é do novo relatório do Earth Security Group, lançado hoje em São Paulo na sede da Cargill São Paulo, 23 de

Leia mais

AUTORAS ROSANGELA SOUZA

AUTORAS ROSANGELA SOUZA AUTORAS ROSANGELA SOUZA Especialista em Gestão Empresarial com MBA pela FGV e Professora de Estratégia na Pós-Graduação da FGV. Desenvolveu projetos acadêmicos sobre segmento de idiomas, planejamento estratégico

Leia mais

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015

Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 Declaração Conjunta Brasil-Alemanha sobre Mudança do Clima Brasília, 20 de agosto de 2015 1. A Presidenta da República Federativa do Brasil, Dilma Rousseff, e a Chanceler da República Federal da Alemanha,

Leia mais

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS

AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS AEDB CURSO DE ADMINISTRAÇÃO AULA 1 GESTÃO DE NEGÓCIOS INTERNACIONAIS * NEGÓCIOS INTERNACIONAIS: Definição: Por negócios internacionais entende-se todo negócio realizado além das fronteiras de um país.

Leia mais

Morte de Chávez deixa Venezuela à mercê de outra revolução: a volta da autonomia petrolífera dos EUA

Morte de Chávez deixa Venezuela à mercê de outra revolução: a volta da autonomia petrolífera dos EUA Morte de Chávez deixa Venezuela à mercê de outra revolução: a volta da autonomia petrolífera dos EUA Com a 2ª maior reserva de petróleo do mundo, a produção venezuelana caiu 30% nos 14 anos de chavismo

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 61 Discurso no almoço em homenagem

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 66 Discurso na solenidade de comemoração

Leia mais

SEMIPRESENCIAL 2013.1

SEMIPRESENCIAL 2013.1 SEMIPRESENCIAL 2013.1 MATERIAL COMPLEMENTAR II DISCIPLINA: REALIDADE S. P. E. BRASILEIRA PROFESSOR: CARLOS ALEX BRIC BRIC é um acrônimo criado em novembro de 2001, pelo economista Jim O'Neill, chefe de

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 08 DE FEVEREIRO PALÁCIO DO ITAMARATY

Leia mais

GRADUAÇÃO FGV EM SÃO PAULO. Administração Pública. fgv.br/vestibular

GRADUAÇÃO FGV EM SÃO PAULO. Administração Pública. fgv.br/vestibular GRADUAÇÃO FGV EM SÃO PAULO Administração Pública fgv.br/vestibular Idealismo, Excelência e Credibilidade A Fundação Getulio Vargas surgiu em 20 de dezembro de 1944, com o objetivo de preparar profissionais

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 47 Discurso em mesa-redonda com membros

Leia mais

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali:

O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: Briefing A Caminho de Bali Brasília, 21 de Novembro 2007 O Protocolo de Kyoto e o Mandato de Bali: O que o mundo precisa fazer para combater as mudanças climáticas As mudanças climáticas são, sem dúvida,

Leia mais

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO

COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO COMUNICADO CONJUNTO DOS PRESIDENTES DOS ESTADOS PARTES DO MERCOSUL E DOS ESTADOS ASSOCIADOS DECLARAÇÃO DE OURO PRETO Os Presidentes dos Estados Partes do MERCOSUL e dos Estados Associados, reunidos na

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS, ATUALIDADES E CARTOGRAFIA PROFESSOR: MEDSON LOZAN

CONHECIMENTOS GERAIS, ATUALIDADES E CARTOGRAFIA PROFESSOR: MEDSON LOZAN 1-2- 3-4- 5-6- 7-8- 9-10- 11-12- 13-14- 15-16- 17-18- 19-20- 21-22- 23-24- 25-26- PAÍS CAPITAL PARTE-I AMÉRICA LATINA 1-TREINANDO O CONHECIMENTO CARTOGRÁFICO DA REGIÃO 1-ARGENTINA EM FOCO EXERCÍCIOS SOBRE

Leia mais

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL

Soluções Integradas em Petróleo, Gás e Energia BRASIL BRASIL O Brasil possui uma economia sólida, construída nos últimos anos, após a crise de confiança que o país sofreu em 2002, a inflação é controlada, as exportações sobem e a economia cresce em ritmo

Leia mais

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.

EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04. EXPOSIÇÃO NO ENCONTRO INTERNACIONAL DO 39º CONGRESSO DA FEDERAÇÃO NACIONAL DAS INDÚSTRIAS QUÍMICAS DA FRANÇA CGT ÊLE DE RÉ, FRANÇA, 29.04.2014 Boa tarde companheiras e companheiros, Primeiramente a Central

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 54 03/06/05 a 09/06/05 China pode vetar reforma do Conselho de Segurança O governo brasileiro não considerou um problema diplomático a ameaça chinesa

Leia mais

Ensino Fundamental II

Ensino Fundamental II Ensino Fundamental II Valor do trabalho: 2.0 Nota: Data: /dezembro/2014 Professora: Angela Disciplina: Geografia Nome: n o : Ano: 8º Trabalho de Recuperação Final de Geografia ORIENTAÇÕES: Leia atentamente

Leia mais

Brasil e o contexto sul-americano

Brasil e o contexto sul-americano Brasil e o contexto sul-americano Análise Integração Regional Ana Flávia Lima Teles e Sílvia Helena Guilherme Canêdo 01 de junho de 2006 Brasil e o contexto sul-americano Análise Integração Regional Ana

Leia mais

América: a formação dos estados

América: a formação dos estados América: a formação dos estados O Tratado do Rio de Janeiro foi o último acordo importante sobre os limites territoriais brasileiros que foi assinado em 1909, resolvendo a disputa pela posse do vale do

Leia mais

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS

LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS LANÇAMENTO DA PLATAFORMA IDS MESA 3 DESAFIOS DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E AS RELAÇÕES INTERNACIONAIS Local: Sala Crisantempo Data : 12/12/2014 Horário: 9h30 às 13h30 Expositores: Eduardo Viola - Professor

Leia mais

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina

NOTA DE IMPRENSA. Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina NOTA DE IMPRENSA Embargado até 27/11/2007, às 10h (horário de Brasília) Aquecimento global vai ampliar as desigualdades na América Latina Relatório de desenvolvimento humano 2007/2008 estabelece o caminho

Leia mais

Organizações internacionais Regionais

Organizações internacionais Regionais Organizações internacionais Regionais Percurso 4 Geografia 9ºANO Profª Bruna Andrade e Elaine Camargo Os países fazem uniões a partir de interesses comuns. Esses interesses devem trazer benefícios aos

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

RELATÓRIO Nº, DE 2013

RELATÓRIO Nº, DE 2013 RELATÓRIO Nº, DE 2013 Da COMISSÃO DE RELAÇÕES EXTERIORES E DEFESA NACIONAL, sobre a Mensagem nº 10, de 2013 (nº 28, de 1º de fevereiro de 2013, na origem), da Presidente da República, que submete à apreciação

Leia mais

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano

Análise Semanal. Edição nº 23 10/07/15 CONJUNTURA ECONÔMICA. Mais um plano Mais um plano CONJUNTURA ECONÔMICA A chave da agenda positiva tão perseguida pelo governo federal em tempos de crise política e volta da inflação parece ser a preservação dos empregos. Na última terça-feira

Leia mais

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar

Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar AGENDA BAHIA Especialistas apontam obstáculos e soluções para o Brasil avançar Além das reformas tributária e trabalhista, país precisa investir em infraestrutura eficaz, na redução do custo da energia

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 81 Discurso no jantar oferecido pelo

Leia mais

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)?

Jornalista: Eu queria que o senhor comentasse (incompreensível)? Entrevista concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após cerimônia de apresentação dos resultados das ações governamentais para o setor sucroenergético no período 2003-2010 Ribeirão

Leia mais

IV Fórum da Terra. " Mudança Climática o Desafio do Século XXI

IV Fórum da Terra.  Mudança Climática o Desafio do Século XXI IV Fórum da Terra " Mudança Climática o Desafio do Século XXI Mariana Luz CEBRI Centro Brasileiro de Relações Internacionais Rio de Janeiro, 25 de Outubro de 2011 Economia verde como desafio global Economia

Leia mais

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala

Blocos Econômicos. MERCOSUL e ALCA. Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos MERCOSUL e ALCA Charles Achcar Chelala Blocos Econômicos Tendência recente, com origens na década de 50, com a CEE Comunidade Econômica Européia Em 2007 fez 50 anos Objetivos Fortalecer

Leia mais

PALÁCIO DO PLANALTO. BRASÍLIA, DF, 30 DE JANEIRO DE 1997

PALÁCIO DO PLANALTO. BRASÍLIA, DF, 30 DE JANEIRO DE 1997 14 Discurso na solenidade de assinatura de contrato de intercâmbio de energia elétrica entre a Eletrobrás, a Eletrosul e a empresa elétrica uruguaia Administración Nacional de Usinas y Transmisiones Eléctricas

Leia mais

CURSO EXTENSIVO 2014**

CURSO EXTENSIVO 2014** Temos unidade em São Paulo e Campinas e nossas aulas são presenciais. *Lançamento de nosso curso on-line de exercícios com material exclusivo - última semana do mês de FEV/13. Índice de aprovação de 15

Leia mais

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org

Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org Este documento faz parte do Repositório Institucional do Fórum Social Mundial Memória FSM memoriafsm.org CLIPPING FSM 2009 AMAZÔNIA Jornal: CARTA MAIOR Data: 30/01/09 http://www.cartamaior.com.br/templates/materiamostrar.cfm?materia_id=15547

Leia mais

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise

Amazônia Brasileira e Brasil em Crise Amazônia Brasileira e Brasil em Crise 1. (UERJ-2009) Folha de São Paulo, 01/06/2008. Adaptado de Zero Hora, 16/06/2008. Diferentes critérios e objetivos podem orientar a divisão do espaço geográfico em

Leia mais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais

BLOCOS ECONÔMICOS. O Comércio multilateral e os blocos regionais BLOCOS ECONÔMICOS O Comércio multilateral e os blocos regionais A formação de Blocos Econômicos se tornou essencial para o fortalecimento e expansão econômica no mundo globalizado. Quais os principais

Leia mais

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol Resenha Desenvolvimento / Economia e Comércio Raphael Rezende Esteves 22 de março de 2007 1 Cooperação entre Brasil e EUA para a produção de etanol

Leia mais

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio.

01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. 01. Com freqüência os meios de comunicação noticiam conflitos na região do Oriente Médio. Sobre essa questão, leia atentamente as afirmativas abaixo: I. Em 11 de setembro de 2001, os EUA sofreram um violento

Leia mais

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05

- Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 - Observatório de Política Externa Brasileira - Nº 67 02/09/05 a 08/09/05 Lula faz um balanço da política externa O presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez um balanço de sua política externa na cerimônia

Leia mais

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade

ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade ATUDALIDADES - Conflitos na Atualidade Origem dos povos ORIENTE MÉDIO: Conflitos árabes-israelenses: 1948 Independência de Israel 1949 Guerras da Independência 1956 Crise de Suez 1964 Criação da OLP` 1967

Leia mais

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl

CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS. www.prochile.gob.cl CONHECENDO O CHILE ATRAVÉS DE SEU SETOR SERVIÇOS www.prochile.gob.cl O Chile surpreende pela sua variada geografia. Suas montanhas, vales, desertos, florestas e milhares de quilômetros de costa, o beneficiam

Leia mais

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro

Discurso do Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro , Luiz Inácio Lula da Silva, durante reunião plenária dos Ministros da Fazenda do G-20 Financeiro São Paulo-SP, 08 de novembro de 2008 Centrais, Senhoras e senhores ministros das Finanças e presidentes

Leia mais

Relações entre Brasil e Estados Unidos estão em impasse

Relações entre Brasil e Estados Unidos estão em impasse relações Brasil-EUA Relações entre Brasil e Estados Unidos estão em impasse Peter Hakim Muito antes de os presidentes Dilma Rousseff e Barack Obama decidirem adiar a viagem da líder brasileira a Washington,

Leia mais

Celso Amorim: 'Precisamos nos preparar para evitar uma guerra cibernética'

Celso Amorim: 'Precisamos nos preparar para evitar uma guerra cibernética' Celso Amorim: 'Precisamos nos preparar para evitar uma guerra cibernética' Ex-ministro de Relações Exteriores e atual titular da Defesa explica por que a América do Sul necessita de uma visão comum sobre

Leia mais

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20

Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Neoliberalismo tingido de verde de olho na Rio + 20 Rodrigo Otávio Rio de Janeiro - A antropóloga e ambientalista Iara Pietricovsky faz parte do grupo de articulação da Cúpula dos Povos (evento das organizações

Leia mais

MERCOSUL: Motor Econômico Regional. Documento final de conclusões e propostas do Terceiro Foro Empresarial do MERCOSUL

MERCOSUL: Motor Econômico Regional. Documento final de conclusões e propostas do Terceiro Foro Empresarial do MERCOSUL MERCOSUL: Motor Econômico Regional Documento final de conclusões e propostas do Terceiro Foro Empresarial do MERCOSUL Caracas, 26 e 27 de julho de 2014 Durante os dias 26 e 27 de julho de 2014, representantes

Leia mais

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL

O COMÉRCIO EXTERIOR DO BRASIL International Seminar & Book Launch of "Surmounting Middle Income Trap: the Main Issues for Brazil" Institute of Latin American Studies (ILAS, CASS) Brazilian Institute of Economics at Getulio Vargas Foundation

Leia mais

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO:

DATA: VALOR: 20 PONTOS NOME COMPLETO: DISCIPLINA: Geografia PROFESSOR(A): Rodrigo/Saulo DATA: VALOR: 20 PONTOS NOTA: NOME COMPLETO: ASSUNTO: TRABALHO DE RECUPERAÇÃO FINAL SÉRIE: 2ªEM TURMA: Nº: 01. RELAÇÃO DO CONTEÚDO Demografia (Transição

Leia mais

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt

Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após encontro com a Senadora Ingrid Betancourt São Paulo-SP, 05 de dezembro de 2008 Presidente: A minha presença aqui

Leia mais

Resumo dos resultados da enquete CNI

Resumo dos resultados da enquete CNI Resumo dos resultados da enquete CNI Brasil - México: Interesse empresarial para ampliação do acordo bilateral Março 2015 Amostra da pesquisa No total foram recebidos 45 questionários de associações sendo

Leia mais

5 Case Stara. Cristiano Buss *

5 Case Stara. Cristiano Buss * Cristiano Buss * Fundada em 1960, a Stara é uma fabricante de máquinas agrícolas. De origem familiar, está instalada em Não-Me-Toque, no norte do Estado; Em seis anos, cresceu 11 vezes, com baixo nível

Leia mais

BRICS e o Mundo Emergente

BRICS e o Mundo Emergente BRICS e o Mundo Emergente 1. Apresente dois argumentos favoráveis à decisão dos países integrantes da Aliança do Pacífico de formarem um bloco regional de comércio. Em seguida, justifique a situação vantajosa

Leia mais

brasil, américa latina e a união europeia diante de novas agendas globais

brasil, américa latina e a união europeia diante de novas agendas globais brasil, américa latina e a união europeia diante de novas agendas globais Miriam Gomes Saraiva O Brasil e a União Europeia são ambos fortemente comprometidos tanto com o multilateralismo global quanto

Leia mais

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos

O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos O Brasil e os acordos internacionais de comércio e investimentos Seminário AMCHAM 29 de Agosto de 2013 1 1. Os acordos de comércio 2 Crise não freou celebração de acordos de comércio Soma de Acordos Preferenciais

Leia mais

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça.

Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. Resenha do Livro The Future of Power, de Joseph Nye, por Gustavo Resende Mendonça. No campo das Relações Internacionais, Joseph Nye dispensa apresentações. Um dos fundadores da teoria liberal, Nye ajudou

Leia mais

A visita da presidente Dilma à China

A visita da presidente Dilma à China A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A visita da presidente Dilma à China Análise Ásia Déborah Silva do Monte 02 de Julho de 2011 A presidente Dilma

Leia mais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais

O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Complexo Jogo dos Espaços Mundiais O Mundo está fragmentado em centenas de países, mas ao mesmo tempo, os países se agrupam a partir de interesses em comum. Esses agrupamentos, embora não deixem de refletir

Leia mais

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República

27/11/2009. Entrevista do Presidente da República Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, para o jornal Metro, edição São Paulo e edição ABC Publicada em 27 de novembro de 2009 Jornalista: Muitos

Leia mais

"Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria"

Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria Nº EDIÇÃO: 816 30.MAI.13 ENTREVISTAS Edmar Bacha, economista e ex-presidente do BNDES "Desvalorizar o real e abrir mais o País dariam um rumo à indústria" O economista Edmar Bacha, que integrou a equipe

Leia mais

"É possível levar energia renovável para todos"

É possível levar energia renovável para todos "É possível levar energia renovável para todos" Por Daniela Chiaretti De Nairóbi, Quênia Connie Hedegaard: "Acho que quando temos uma crise global como a que estamos vivendo, é uma oportunidade excelente

Leia mais

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites

Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Organização Mundial do Comércio: Possibilidades e Limites Análise Integração Regional / Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 15 de outubro de 2003 Organização Mundial do Comércio: Possibilidades

Leia mais

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos

EDUCAÇÃO, SAÚDE & SEGURANÇA PÚBLICA. Ano 1, Outubro de 2005 Informação sem fins lucrativos GEOpress VENEZUELA URUGUAI TIMOR LESTE S.TOMÉ E PRÍNCIPE REP. DOMINICANA PORTO RICO CHILE CABO VERDE COLÔMBIA PERÚ COSTA RICA BRASIL PARAGUAI CUBA BOLÍVIA PANAMÁ EL SALVADOR ARGENTINA Língua Portuguesa

Leia mais

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país.

Elas formam um dos polos mais dinâmicos da economia brasileira, e são o principal sustentáculo do emprego e da distribuição de renda no país. Fonte: http://www.portaldaindustria.org.br 25/02/2015 PRONUNCIAMENTO DO PRESIDENTE DO CONSELHO DELIBERATIVO NACIONAL (CDN) DO SERVIÇO BRASILEIRO DE APOIO ÀS MICRO E PEQUENAS EMPRESAS (SEBRAE), NA SOLENIDADE

Leia mais

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado

Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do passado Análise Desenvolvimento Vinícius Tavares de Oliveira 01 de Julho de 2010 Política externa alemã: continuidade, mudança e a sombra do

Leia mais

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34

Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 Trabalho de história 3º tri Integrantes Frederico Strasser Nº:15 Diogo Amorim Nº:12 Guilherme Hasslocher Nº:19 Lucas Fuss Nº:28 Mateus Peres Nº:34 -Enquanto Buenos Aires se tornava mais poderosa, os lideres

Leia mais

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões

O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões O tema desta edição do EVP em Notícias é: Conexões Nosso entrevistado é o Prof. Dr. Rogério da Costa, da PUC-SP. A partir de um consistente referencial teórico-filosófico, mas em uma linguagem simples,

Leia mais

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA

Integração produtiva e cooperação industrial: LEONARDO SANTANA Integração produtiva e cooperação industrial: a experiência da ABDI LEONARDO SANTANA Montevidéu, 15 de julho de 2009 Roteiro da Apresentação 1. Política de Desenvolvimento Produtivo PDP 2. Integração Produtiva

Leia mais

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos

O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos O potencial da carne bovina brasileira nos circuitos não aftósicos Professor: Raphael Rocha Formado em Administração, especialista em Marketing, pela UFRJ, com MBA em Gestão de Negócios, Comércio e Operações

Leia mais

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname

Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname Acordo-Quadro de Associação entre o MERCOSUL e a República do Suriname A República Argentina, a República Federativa do Brasil, a República do Paraguai, a República Oriental do Uruguai, a República Bolivariana

Leia mais

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que

18 de maio, 19h30. Minhas primeiras palavras são de saudação ao colega Ministro Gao Hucheng, que PALAVRAS DO MINISTRO ARMANDO MONTEIRO POR OCASIÃO DO JANTAR OFERECIDO PELO CONSELHO EMPRESARIAL BRASIL - CHINA, COM A PRESENÇA DO MINISTRO DO COMÉRCIO DA CHINA, GAO HUCHENG 18 de maio, 19h30. Minhas primeiras

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na cerimónia de apresentação

Leia mais

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815)

NAPOLEÃO BONAPARTE. Pode-se dividir seu governo em três partes: Consulado (1799-1804) Império (1804-1815) Governo dos Cem Dias (1815) NAPOLEÃO BONAPARTE 1 Profª Adriana Moraes Destaca-se política e militarmente no Período Jacobino. DIRETÓRIO Conquistas militares e diplomáticas na Europa defesa do novo governo contra golpes. Golpe 18

Leia mais

América do Sul. Cerca de 300.000 deles se estabeleceram no seu país desde a fundação do Estado brasileiro em 1822.

América do Sul. Cerca de 300.000 deles se estabeleceram no seu país desde a fundação do Estado brasileiro em 1822. Discurso do Presidente Federal Horst Köhler durante o banquete oferecido por ocasião da visita de Estado do Presidente da República Federativa do Brasil Luiz Inácio Lula da Silva no dia 3 de dezembro de

Leia mais

CAROS (AS) LEITORES (AS),

CAROS (AS) LEITORES (AS), Brochura-CafeSustent.indd 1 09/09/2011 12:00:41 CAROS (AS) LEITORES (AS), Em junho de 2007, a FEBRABAN - Federação Brasileira de Bancos deu início a uma série de cafés da manhã com o objetivo de discutir

Leia mais