UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GERENCIAMENTO E AUTOMAÇÃO DE ILUMINAÇÃO VISANDO A ECONOMIA DE ENERGIA Área de Automação por Nilson Burg Adhemar Maria do Valle Filho, Dr. Orientador Itajaí (SC), novembro de 2010

2 UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS DA TERRA E DO MAR CURSO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO GERENCIAMENTO E AUTOMAÇÃO DE ILUMINAÇÃO VISANDO A ECONOMIA DE ENERGIA Área de Automação por Nilson Burg Relatório apresentado à Banca Examinadora do Trabalho de Conclusão do Curso de Ciência da Computação para análise e aprovação. Orientador: Adhemar Maria do Valle Filho, Dr. Itajaí (SC), novembro de 2010

3 AGRADECIMENTOS Agradeço em primeiro lugar a Deus por ter me iluminado durante esta caminhada, e me concedido a saúde e o discernimento para aprender e vencer mais esta etapa de minha vida. Aos meus pais porque souberam me educar me preparar para os desafios da vida. Agradeço ao Leoniz e ao professor Valim, pela colaboração para com a conclusão deste trabalho. Ao meu orientador, Adhemar, por ter aceitado esse desafio e colaborado com todo o desenvolvimento do mesmo. Ao instegrantes da minha banca, Zeferino, Fabrício e Luy, por colaborarem com o meu crescimento e consequentemente com um trabalho melhor elaborado. Agradeço à minha esposa por permanecer ao meu lado incentivando e fornecendo todo o apoio necessário. Aos meus colegas de aula por todos os trabalhos que fizemos juntos colaborando para o crescimento de todos ao longo da faculdade. A todas as pessoas envolvidas direta ou indiretamente no meu percurso na faculdade. Aos meus colegas: Axel, Vailati, Moisés, Mário, Francis, Paulo, Webber, Marcos, Wippel, Cristian, Fabrício, Elton, Gustavo, Braz, Daniel, Dario, Maicom, Debatin, Diogo, Rafael, Jeferson, João, Lennon, Udo, e tantos outros que fizeram desse período, uma fase não somente de aprendizado, mas também de diversão, novas amizades, e crescimento como pessoa. ii

4 SUMÁRIO LISTA DE ABREVIATURAS... v LISTA DE FIGURAS... vi LISTA DE TABELAS... vii RESUMO... viii ABSTRACT... ix INTRODUÇÃO PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Solução Proposta OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos METODOLOGIA ESTRUTURA DO TRABALHO FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SISTEMA E REQUISITOS SOLUÇÕES SIMILARES Automação de iluminação residencial Sistema Scenario - Linha Classic Controle para iluminação Actilume Philips Tabela comparativa com as soluções similares TECNOLOGIAS USADAS Porta serial Porta Paralela PIC Sensor de Presença Sensor de Iluminação Iluminação do Ambiente Controlador Lógico Programável Armazenamento dos dados PROJETO DEFINIÇÃO DO ESCOPO ANÁLISE DOS REQUISITOS Requisitos Funcionais Requisitos Não Funcionais Regras de Negócio Diagrama de Casos de Uso iii

5 3.2.5 Telas do Sistema Desenvolvimento CONTROLE AQUISIÇÃO DE DADOS ARMAZENAMENTO DE DADOS E RELATÓRIOS TESTES E ANÁLISES VALIDAÇÃO E DOCUMENTAÇÃO CONCLUSÕES REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS DESCRIÇÃO DOS CASOS DE USO UC01 ACESSA O SISTEMA UC02 ACESSA CONSULTA RELATÓRIO UC03 ACESSA CONSULTA RELATÓRIO COMPLETO UC04 ACESSA CONSULTA STATUS DA ILUMINAÇÃO UC05 ACESSA CONFIGURAÇÃO iv

6 LISTA DE ABREVIATURAS ABNT BIOS CI CLP CPU DLL ECP EPP GUI KBps KWh LDR LX OOP PIC SGDB SPP SQL TCC UML UNIVALI USB W Associação Brasileira de Normas Técnicas Basic Imput/Output System Circuito Integrado Controlador Lógico Programável Unidade Central de Processamento Dinamic Link Library Extended Capabilities Port Enhanced Paralel Port Graphical User Intetrface Kilo Bytes por segundo Kilo Watt hora Light Dependent Resistor LUX (medida de luminância) Object Oriented Programming Programmable interface control Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados Standard Paralel Port Structured Query Language Trabalho de Conclusão de Curso Unified Modeling Language Universidade do Vale do Itajaí Universal Serial Bus Watt (medida de potência) v

7 LISTA DE FIGURAS Figura 1. Iluminação... 7 Figura 2. Sensores... 8 Figura 3. Esquema de Ligação Scenario Figura 4. Sensor e Controlador Actilume Figura 5. Porta Serial Figura 6. Comunicação Serial Figura 7. Porta Paralela Figura 8. Pinagem da Porta Paralela Figura 9. PIC 16F 628ª Figura 10. Sensores de Presença Figura 11. Sensor de Luz LDR Figura 12. Controlador Lógico Programável (CLP) Figura 13. Funcionamento do CLP Figura 14. Portas Lógicas Figura 15. Símbolos de Programação LADDER Figura 16. Casos de Uso do Aplicativo Figura 17. Tela Principal Figura 18. Tela de Relatórios Figura 19. Tela de Relatório Campo Data Figura 20. Tela de Configuração do Sistema Figura 21. Esquema da interface de controle Figura 22. Interface de controle Figura 23. Interface de aquisição de dados Figura 24. Esquema elétrico da interface de aquisição de dados Figura 25. Tabelas do banco de dados vi

8 LISTA DE TABELAS Tabela 1. Análise de Ociosidade da Iluminação... 2 Tabela 2. Levantamento de custo do projeto Tabela 3. Orçamento da interface de teste Tabela 4. Comparativo entre as soluções Tabela 5 - Configuração porta paralela Tabela 6. Instruções do PIC 16F 628A Tabela 7. Comandos enviados à porta paralela Tabela 8. Informações de entrada vii

9 RESUMO BURG, Nilson. Gerenciamento e automação de iluminação. Itajaí, p. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Ciência da Computação) - Centro de Ciências Tecnológicas da Terra e do Mar, Universidade do Vale do Itajaí, Itajaí, As empresas conhecem o desafio que é oferecer um produto sustentável a preços competitivos. A redução de custos é algo que está cada vez mais presente no dia a dia. Reduções de custo, mudanças de projetos ou mesmo a redução de gastos com matéria-prima criados sobre um produto aumentam a sua competitividade e geram menos agressão à natureza. Produtos que seguem essa linha de pensamento podem fazer parte dos chamados produtos verdes ou produtos ambientalmente corretos. Dentre as principais formas de redução de custo para colocar um produto na linha dos produtos ambientalmente corretos estão: a economia de papel utilizando arquivos digitais ou papel reciclado, utilização de equipamentos com maior eficiência energética, racionalização no uso de equipamentos eletrônicos como computadores e impressoras, redução dos desperdícios, racionalização no uso da iluminação, entre outros. O presente trabalho aborda a questão de economia na iluminação através do controle desta por um microcomputador, com o auxílio de sensores de presença e de iluminação. Neste computador serão armazenadas todas as informações referentes aos tempos e horários de uso da iluminação de determinada área, fornecendo assim vários subsídios para o gerenciamento e controle das mesmas, como relatórios e estimativas de custo. Palavras-chave: Economia. Iluminação. Automação. viii

10 ABSTRACT The companies know the challenge of offering a sustainable product at competitive price. The cutting cost efforts are more and more present in our lives. Cost reduction, project changes or even the reduction in raw material expenses during a product development process increase the competitiveness and cause less aggression to the nature. Products that follow this line of thinking are part of a group called green products or environmentally friendly products. Among the main ways for manufacturing a green product with less cost are: the paper economy using digital files or recycled paper, the utilization of equipment with greater energy efficiency, rational use of electronic equipments as computers and printers, wastefulness reduction, rational lighting usage, and others. The focus of the present work is the question of the illumination economy through control by a microcomputer, with the aid of presence and illumination sensors. In this computer all information about the time of usage of specific areas will be stored, supplying subsidy for the managing and control of those areas, with written reports and cost estimative. Keywords: Economy. Lighting. Automation. ix

11 INTRODUÇÃO A competitividade entre empresas provoca a busca por novas posturas administrativas. A minimização dos gastos, por exemplo, pode ocorrer em várias áreas: gerência dos resíduos, controle da poluição, otimização da energia, entre outros. Levando-se em consideração a quantidade de equipamentos elétricos de uma empresa média, qualquer alteração no consumo de energia que seja permanente, mesmo pequena, no final de cada mês pode representar um montante significativo de economia. Observa-se que a energia contribui para uma parcela acentuada nos gastos da empresa, principalmente se a empresa é da área da metalurgia. Para as empresas a iluminação pode gerar um custo elevado com energia se esta não for utilizada corretamente, sobretudo em setores com grandes áreas para serem iluminadas e que necessitam de lâmpadas mais potentes para atingir o nível de luminosidade específico. Geralmente essas áreas não têm nenhum controle de iluminação ou divisões por setores de trabalho para serem iluminados, de maneira que as lâmpadas de alto consumo de energia, não permaneçam ligadas sem necessidade. 1.1 PROBLEMATIZAÇÃO Formulação do Problema Apesar de já existirem muitos dispositivos automatizados para controlar a iluminação, como por exemplo, as fotos-células, que de acordo com a luminosidade do ambiente acionam o acendimento da lâmpada, não foi encontrado nenhum dispositivo que faça o controle de uma área através de um computador de maneira simples, eficiente e de baixo custo, armazenando informações para diversos fins, visando a economia de energia. Analisada uma situação em particular na expedição de uma empresa da área da metalurgia, onde toda a iluminação do setor permanece acesa durante todo o expediente de trabalho que se estende por dois turnos, de segunda a sábado, notou-se que muitas vezes algumas áreas ficam iluminadas desnecessariamente durante um longo período. Esta situação se deve ao fato de que no setor com cinco corredores de estoque e uma área de embalagem trabalham geralmente 6 pessoas, muitas vezes juntas.

12 Segundo uma análise realizada neste setor, em uma determinada área durante 5 dias conforme Tabela 1, identificou-se que em média 12 por cento do tempo total de uso da iluminação é ociosa. Sendo que na área analizada, essa ociosidade chega a 20 por cento do tempo total sem movimentação. Todo esse tempo em que a iluminação fica ativada desnecessariamente pode gerar um gasto com energia elevado desnecessariamente. Um cálculo simples foi feito sobre as lâmpadas deste setor. No setor existem 65 lâmpadas de 400 W cada, somando W de consumo por hora. Considerando que fiquem acesas 17 horas por dia, somariam W por dia. Como o valor gasto hoje por KWh é de R$: 0,38, e no mês tem 22 dias úteis, obtém-se um total de gasto de R$: 3965,12. Caso seja implantado um sistema que reduza em 10 por cento o consumo de energia com iluminação, ao final do mês será reduzido em R$: 396,51 o gasto com iluminação somente neste setor. Tabela 1. Análise de Ociosidade da Iluminação Dia Tempo lidado (horas) Tempo ocioso (horas) segunda-feira 15 2 terça-feira 15 3 quarta-feira 15 1,5 quinta-feira 15 2 sexta-feira 15 1 total 75 9, Solução Proposta Para economizar o máximo de energia e ter um controle satisfatório da iluminação sobre essas áreas, é necessário separar as lâmpadas por grupos, instalar em cada grupo um sensor para medir a luminosidade e informar quando será necessário o auxílio das lâmpadas na iluminação do ambiente (no caso da noite ou locais com pouca iluminação), um sensor de presença para acionar a iluminação somente quando houver a presença de alguém e a primeira condição não estiver atendida e os acionadores para ligar e desligar as lâmpadas quando necessário. O controle será realizado através de um dispositivo micro-processado. Porém, para facilitar o monitoramento, geração de relatórios e análise de dados, optou-se pelo gerenciamento através de 2

13 um computador, sendo possível gravar todo o histórico de acionamentos para consultas e geração de relatórios futuros visando informações de estimativas de gasto ou tempo de uso da iluminação em um determinado período, ou como ferramenta no auxílio a decisões relativas ao uso e melhorias nessas áreas. A ferramenta que será desenvolvida, foco deste trabalho, terá seu desenvolvimento realizado em linguagem de programação C++ e banco de dados SQL para armazenamento de dados, recebendo as informações para tratamento através das interfaces de comunicação serial, no qual serão conectados os dispositivos de coleta de dados, e enviando as informações para controle através da porta paralela. O aplicativo receberá as informações de presença e luminosidade que, depois de tratadas, em conjunto com os horários pré-estipulados de trabalho, fará o controle de ligamento ou desligamento das lâmpadas de um determinado local, não deixando áreas não usadas com as lâmpadas acesas desnecessariamente. Também, no deslocamento de uma pessoa pelo setor, não será necessário deixar acionado o máximo de iluminação. Porém, se a pessoa pára para fazer algum trabalho naquele local, então é necessário aumentar a luminosidade. De acordo com a potência das lâmpadas, o tempo em que as mesmas ficaram desligadas fora do normal (o normal seria o tempo total em que todas as lâmpadas ficavam acionadas antes da implantação desta ferramenta conforme colocado na análise descrita anteriormente) e o custo da energia, se obtêm uma estimativa de economia em moeda corrente muito precisa. 1.2 OBJETIVOS Objetivo Geral O objetivo geral deste trabalho é desenvolver um sistema que processe informações recebidas por uma interface, armazene estes dados, gere relatórios para análise e gerenciamento e comande dispositivos através de uma interface visando à economia de energia elétrica Objetivos Específicos Para atender o objetivo geral, foram definidos os seguintes objetivos específicos: Pesquisar e analisar soluções similares; Determinar os requisitos exigidos pelo sistema; 3

14 Compreender o funcionamento dos dispositivos a serem usados; Estudar as ferramentas e tecnologias computacionais necessárias para a construção do sistema; Definir o escopo do sistema; Modelar o sistema; Implementar o sistema, incluindo hardware e software; Testar e validar a implementação do sistema e Documentar o desenvolvimento e os resultados obtidos com o sistema. 1.3 Metodologia Para completar e satisfazer todos os objetivos listados neste trabalho foi adotado a seguinte metodologia: A análise e pesquisa de soluções similares foi feita através da internet, por sites de busca, com o objetivo de encontrar artigos científicos, trabalhos, projetos ou quaisquer produtos que tratem do mesmo assunto ou tenham finalidade semelhante. Posteriormente a pesquisa se estendeu a outros sites, em português ou inglês, que tratam de coisas relacionadas a este assunto. Também foi consultado um profissional na área elétrica da empresa analisada, a fim de desenvolver a idéia buscando sugestões para o trabalho, esclarecer alguns pontos e também conhecer mais sobre esta área. A determinação dos requisitos do sistema foi feita através da análise dos recursos disponibilizados ao sistema, das ferramentas escolhidas, da estrutura a ser montada para os testes, da área a ser coberta, do número de entradas e saídas usadas, e da verificação e medição da luminosidade. Os requisitos também levaram em consideração o objetivo principal da solução proposta neste trabalho. Para compreender o funcionamento dos dispositivos usados, foram estudados suas formas de comunicação e os recursos que eles disponibilizam através de manuais, livros e internet. Também 4

15 foi detalhada a forma com que o computador fará a comunicação e troca de informações com estes dispositivos, sendo que estas informações foram obtidas através das formas de consulta já citadas. Na fase de estudo das ferramentas e tecnologias computacionais necessárias para a construção deste sistema, foi feita uma recapitulação do que se estudou durante toda a faculdade através dos trabalhos, apostilas, livros e material guardado, além de aprimorar e aprofundar os conhecimentos de programação utilizando as ferramentas específicas para a realização deste trabalho. Estas ferramentas foram melhor exploradas através do estudo e consulta ao material obtido. Nesta fase também foram estudadas mais a fundo as formas de comunicação com os dispositivos e a forma com que as ferramentas trabalham com estas interfaces para usá-las corretamente na etapa de desenvolvimento. O escopo foi definido de acordo com a solução proposta, satisfazendo o problema exposto e conforme o objetivo geral. Para definir o escopo, considerou-se o estudo e análise dos dispositivos usados. Para preenchimento dos requisitos e regras de negócio do escopo deste trabalho foi utilizada a ferramenta Enterprise Architect, a mesma ferramenta usada no decorrer do curso. Foram desenvolvidos os diagramas do sistema utilizando-se o Enterprise Architect, de acordo com a notação UML (Unified Modeling Language). Conforme os estudos realizados, requisitos e especificações, foi desenvolvido os diagramas do sistema. Na fase de implementação do sistema será feita a conexão do computador com os dispositivos. Serão realizados testes de comunicação e será criado o banco de dados para armazenamento das informações, que servirão para a geração dos relatórios e a implementação do sistema, conforme o escopo e a modelagem já definidos. Na fase de testes e validação, será montada uma estrutura para simular o ambiente com uma sessão de controle e ativação da iluminação. Serão conectados um sensor de presença, um sensor de iluminação e o dispositivo para acionamento de uma lâmpada. Será simulado o uso do sistema no claro e no escuro, com presença e sem presença, verificando assim o funcionamento correto do sistema. Esse teste será realizado várias vezes para armazenamento de dados para estatísticas. Em seguida serão gerados os relatórios para análise dos testes. Caso ocorra qualquer problema, o mesmo será analisado, corrigido e o relatório gerado novamente, até o correto funcionamento do sistema. 5

16 Por fim, na fase de documentação, será descrito todo o processo de desenvolvimento, montagem do sistema, testes e validações com detalhes, os seus resultados e conclusões retirados através dos relatórios emitidos pelo próprio sistema, além da análise sobre o sistema em funcionamento. 1.4 Estrutura do trabalho Este trabalho está dividido em três capítulos. O primeiro capítulo trata da formulação do problema e como ele será resolvido durante os estudos, bem como as formas de pesquisa e fundamentação teórica. No segundo capítulo, apresenta-se a fundamentação teórica, onde são definidos os requisitos do sistema e são colocadas todas as questões ligadas a este trabalho como: material utilizado, tecnologias, ferramentas para o desenvolvimento e o funcionamento de cada uma; fazendo assim compreender o funcionamento completo do sistema proposto além apresentar algumas soluções similares e um comparativo entre elas e o sistema proposto para maior esclarecimento. No terceiro capítulo está a parte do projeto, na qual é especificada a descrição do escopo, análise de requisitos funcionais, não funcionais e regras de negócio. Também são tratados os casos de uso e as telas. Ainda neste capítulo será descrito todo o desenvolvimento deste projeto, desde a montagem das interfaces até a fase de testes e validação da ferramenta, explanado aspectos importantes e decisivos para a conclusão deste trabalho. Por fim, as conclusões encerram o trabalho, com algumas explanações e considerações retiradas no decorrer do andamento deste projeto até sua finalização. 6

17 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA 2.1 SISTEMA E REQUISITOS Para determinar os pré-requisitos do sistema, é necessário entender como ele funcionará por completo, ou seja, todos os dispositivos, interfaces e ferramentas usadas para o seu desenvolvimento. Como exemplo, foi utilizada a estrutura exposta na Figura 1, que retrata uma situação de iluminação específica e na Figura 2, é exposto a arquitetura de sensores necessária para atender este local. Figura 1. Iluminação

18 Figura 2. Sensores O primeiro a ser tratado é o sensor de presença. O mesmo, quando acionado, indica a presença de alguém ou a movimentação de alguma coisa (veículos como carrinhos ou empilhadeiras, por exemplo) na sua área de cobertura, enviando assim um sinal para o computador através de um cabo instalado entre o sensor e a porta de comunicação serial do computador onde estará instalado o software de gerenciamento e controle. O mesmo acontece com o sensor de luminosidade, que envia o sinal para o computador quando a iluminação do ambiente for abaixo da exigida pelo sistema. A ligação dos sensores de luminosidade e de presença pode ser feita de algumas formas. Neste trabalho, optou-se por construir uma interface de comunicação entre os sensores e o computador. Esta interface, além de todos os componentes eletrônicos, possui como peça principal o CI (Circuito Integrado) PIC (Programmable interface control) que será responsável por receber as informações dos sensores, processá-las e fazer o envio para a porta serial do computador da maneira mais viável. Mas, para entender melhor como se dará essa comunicação, é preciso saber o que é e como funciona esse CI e também a porta serial do computador. 8

19 O acionamento da iluminação será feito através de contactores. Estes, por sua vez, serão acionados por um CLP (Controlador Lógico Programável) que receberá todas as informações do computador através da porta paralela de comunicação, pois esta porta consegue usar até oito fios para o envio dos comandos e acionará os contactores de acordo com a informação recebida em conjunto com o programa utilizado no mesmo. Também teria a opção de acionar os contactores através de relês de acionamento, o que diminuiria o custo caso for instalado para controlar até oito áreas. Com a utilização dos relês, o sistema estaria mais limitado, mas além do custo menor, não seria necessário a programação e utilização do CLP, pois os relês são acionados diretamente pelas saídas de dados da porta paralela, que são oito. O controle das interfaces será realizado através de um software desenvolvido em linguagem C++. Este software coleta as informações enviadas pelos sensores através da porta serial e envia um sinal através da porta paralela para o CLP, o qual é responsável pelo acionamento da iluminação. Para ser feita a devida comunicação entre o software e as interfaces de aquisição de dados e controle, utilizando a porta paralela, é necessário que o aplicativo utilize alguma DLL (Dinamic Link Library) ou Driver de Sistema, que tenha acesso à porta paralela, pois o programa não tem permissão de acesso direto a este hardware. Quem faz todas as requisições de hardware é o SO (Sistema Operacional), neste caso o Windows. Esse problema será resolvido usando a DLL inpout32.dll, a DLL alowio.dll ou o driver de sistema Userport.sys que permitem o controle desta porta. Esses arquivos adicionados ao programa permitem a correta transmissão de dados utilizando a porta paralela. Para a geração do aplicativo é necessário a utilização de uma ferramenta de programação. Neste projeto é utilizada a ferramenta C++ Builder da Borland e para o armazenamento de dados a ferramenta MySQL. Foram feitos dois orçamentos, o primeiro (Tabela 2) considerando o uso de relês de acionamento, caso o sistema possua até oito áreas de controle e a opção utilizada neste trabalho, o segundo foi considerado o uso do CLP para o acionamento da iluminação, neste caso é substituído os relês pelo CLP, considerando o valor do CLP em torno de R$ 420,00, mas este componente não foi usado para o desenvolvimento do trabalho, e foi colocado apenas como outra opção para o controle da iluminação. No orçamento está descrito o custo aproximado da implantação do sistema, onde são listados os componentes usados neste projeto considerando a instalação e controle de duas áreas. Não foi listado um computador no orçamento, pois pode ser reaproveitado um computador de 9

20 consulta qualquer que possua o SO Windows XP ou superior, que é pré-requisito para ser instalado o sistema de gerenciamento e controle de iluminação. Caso o ambiente não disponibilize desta ferramenta, deve ser adicionado ao orçamento um computador comum completo que custa em média R$: 1.000,00. Este computador pode ser utilizado para diversas outras funções. Neste orçamento não foi considerado a fiação a ser utilizada e a mão-de-obra para a instalação da mesma, pois para cada situação a metragem de fios e a mão-de-obra são diferentes e para esta situação em específico a estrutura será montada em laboratório para testes. Na Tabela 3 está descrito o orçamento dos componentes para a interface de teste em laboratório. A mesma será utilizada para os testes e validação da ferramenta e também para a apresentação deste trabalho. Tabela 2. Levantamento de custo do projeto Decrição Valor Quantidade Valor total Contactor R$ 25,00 2 R$ 50,00 ReLê R$ 62,70 2 R$ 125,40 Sensor de presença R$ 25,00 2 R$ 50,00 Sensor de iluminação R$ 30,00 2 R$ 60,00 Placa eletrônica R$ 14,00 1 R$ 14,00 Acoplador óptico R$ 1,35 6 R$ 8,10 Resistor de carbono R$ 0,02 6 R$ 0,12 Capacitor eletrolítico R$ 0,06 4 R$ 0,24 PIC R$ 11,20 1 R$ 11,20 CI MAX232 R$ 1,90 1 R$ 1,90 Capacitor cerâmico R$ 0,05 2 R$ 0,10 Conector serial R$ 1,20 1 R$ 1,20 Conector paralelo R$ 2,50 1 R$ 2,50 Total do orçamento: R$ 324,00 Tabela 3. Orçamento da interface de teste Decrição Valor Quantidade Valor total LED 5mm R$ 0,75 8 R$ 6,00 Resistor 470 Ohms R$ 0,12 8 R$ 0,96 Placa eletrônica R$ 14,00 1 R$ 14,00 Conector paralelo R$ 2,50 1 R$ 2,50 Total R$ 23,46 10

21 Conforme gastos informados na parte de problematização, é estimado o custeio do projeto entre quatro e seis meses, devido aos outros custos de instalação envolvidos. Na seqüência do trabalho será especificado cada dispositivo ou interface a ser usado para melhor entendimento e compreensão do sistema proposto nesse trabalho, bem como os sistemas a serem utilizados e algumas informações sobre a área de iluminação a qual também é envolvida. 2.2 SOLUÇÕES SIMILARES Automação de iluminação residencial Este projeto desenvolvido por alunos da PUCPR teve como objetivo simular a automação das luzes de uma residência. Com a implantação deste projeto, os usuários podem selecionar alguns tipos de iluminação pré-determinados. Através de uma interface com o computador, onde é possível selecionar o tempo de funcionamento da iluminação externa ou ainda contar com a função automático, onde se evita que lâmpadas permaneçam ligadas em cômodos que não possuem a presença de nenhuma pessoa, esta função é realizada com a ajuda de sensores de posição. Após o usuário selecionar a opção desejada na interface, a mesma é enviada para o micro controlador que fará o acionamento respectivo. Como característica deste projeto pode-se citar a economia de energia gerada, bem como uma otimização na iluminação decorrente da configuração personalizada efetuada pelo usuário do sistema. O software é inteligente, contando a quantidade de pessoas no ambiente, gerando um controle de iluminação mais preciso. Este projeto está limitado à automação e não serve para a análise de dados, pois não registra informações relevantes além de não dispor de nenhum relatório para acompanhamento das configurações e do uso efetivo (MASNEL; COSTA, 2010) Sistema Scenario - Linha Classic 11

22 O sistema Scenario é um dispositivo formado por um módulo micro processado e um keypad usado como interface e é utilizado em conjunto com sensores de presença e temporizadores. Esse módulo controla a alimentação de retorno dos circuitos de cargas elétricas através de canais de potência e através do keypad o usuário faz o controle e configuração do módulo. Cada circuito de carga elétrica corresponde a uma zona, e cada canal do módulo controla uma zona, sendo 8 (oito) zonas ao total, ilustrado na Figura 3. O sistema pode ser expansível a 30 (trinta) módulos e 90 (noventa) teclados (Tecnologia, 2010). Figura 3. Esquema de Ligação Scenario Fonte: Tecnologia, 2010 Sua principal característica é a economia pelo uso racional da energia. Possui o diferencial de ser acessado via controle remoto universal e a possibilidade de integração com sistemas de Home-Theater. Isso além do fato de ter a possibilidade de instalação em ambientes residenciais e industriais (Tecnologia, 2010). O que se pode observar é que esse sistema não possui nenhum tipo de estatística de uso ou qualquer tipo de relatório para análise e acompanhamento de sua utilização. Não se pode configurar muitas restrições interessantes como horário de funcionamento. 12

23 2.2.3 Controle para iluminação Actilume Philips O dispositivo para controle de iluminação Actilume da Philips, primeiro sistema plug and play para controle de iluminação, é simples e fácil de instalar. Desenvolvido para escritórios, escolas, entre outros, oferece o máximo de economia e conforto, comanda a iluminação de acordo com a presença e regula a iluminação (através de um dimmer), quando a luz natural do ambiente não é suficiente. Esse sistema se baseia em um sensor e uma unidade de controle (Figura 4) instalados na luminária, juntamente com um reator específico com interface digital. Este sensor possui três funções: sensor de luz, de movimento e infravermelho para uso com controle remoto. A iluminação também pode ser controlada manualmente por um interruptor pulsador do tipo campainha. O Actilume é um produto verde devido à alta taxa de economia de energia e a superação em 10% ou mais se comparado com sistemas similares ou anteriores (Philips, 2010). Figura 4. Sensor e Controlador Actilume Fonte: Philips, 2010 Pontos positivos do produto: a fácil instalação, custo baixo e a alta eficiência. 13

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs)

Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) Controladores Lógicos Programáveis (CLPs) A UU L AL A Uma empresa fabrica clipes em três tamanhos: grande, médio e pequeno. Seus clientes consomem os produtos dos três tamanhos, mas a empresa nunca conseguiu

Leia mais

Fundamentos de Automação. Controladores

Fundamentos de Automação. Controladores Ministério da educação - MEC Secretaria de Educação Profissional e Técnica SETEC Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul Campus Rio Grande Fundamentos de Automação Controladores

Leia mais

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA

O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Quim. Nova, Vol. 38, No. 3, S1-S6, 2015 O USO DE UM SENSOR DE LUZ LINEAR COMO RECURSO DIDÁTICO PARA DEMONSTRAR PRINCÍPIOS DE DIFRAÇÃO E ESPECTROSCOPIA Fernando Arruda Mendes de Oliveira a,b, Eduardo Ribeiro

Leia mais

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394)

Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) Serial Paralela USB FireWire(IEEE1394) histórico Tudo começou em 1980 quando a IBM estava desenvolvendo seu primeiro micro PC. Já haviam definido que o barramento ISA seria usado para permitir que o IBM

Leia mais

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS

AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS CENTRO FEDERAL DE ENSINO TECNOLÓGICO MG CONTEXTO SOCIAL E PROFISSIONAL DA ENGENHARIA MECATRÔNICA AUTOMAҪÃO INDUSTRIAL E LINHAS DE PRODUҪÃO FLEXÍVEIS COMPONENTES: Guilherme Márcio Matheus Sakamoto Rafael

Leia mais

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição

William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição William Stallings Arquitetura e Organização de Computadores 8 a Edição Capítulo 7 Entrada/saída Os textos nestas caixas foram adicionados pelo Prof. Joubert slide 1 Problemas de entrada/saída Grande variedade

Leia mais

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA

CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA 8 CAPÍTULO 2 CARACTERÍSTICAS DE E/S E PORTA PARALELA A porta paralela, também conhecida por printer port ou Centronics e a porta serial (RS-232) são interfaces bastante comuns que, apesar de estarem praticamente

Leia mais

Painel de Controle e Configurações

Painel de Controle e Configurações Painel de Controle e Configurações Painel de Controle FERRAMENTAS DO PAINEL DE CONTROLE: - Adicionar Hardware: Você pode usar Adicionar hardware para detectar e configurar dispositivos conectados ao seu

Leia mais

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS

TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: PROGRAMAÇÃO DE CLP PARA UMA MÁQUINA DE SECÇÃO SEGMENTOS ORGÂNICOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA:

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Sistemas de Entrada/Saída Princípios de Hardware Sistema de Entrada/Saída Visão Geral Princípios de Hardware Dispositivos de E/S Estrutura Típica do Barramento de um PC Interrupções

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta manual do usuário Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

LENDO SINAIS. O computador poderá tomar uma ou várias decisões ao mesmo tempo, conforme o dado lido através de sensores específicos.

LENDO SINAIS. O computador poderá tomar uma ou várias decisões ao mesmo tempo, conforme o dado lido através de sensores específicos. LENDO SINAIS Poderemos desenvolver interfaces de diversos tipos, e conectá-las à Porta Paralela para adquirirmos dados do mudo real, onde poderemos processá-los, armazená-los e depois converte-los em informações

Leia mais

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2)

Software RedeMB5 Manual do Usuário (Ver. 2) Manual do Usuário (Ver. 2) 1. Introdução O software RedeMB5 é uma ferramenta que permite monitorar em tempo real 247 medidores de energia ou multitransdutores digitais KRON em uma rede padrão RS-485 com

Leia mais

Profª Danielle Casillo

Profª Danielle Casillo UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Automação e Controle Aula 07 Linguagem Ladder Profª Danielle Casillo A LINGUAGEM LADDER Foi a primeira que surgiu para programação

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO)

SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) SISTEMA DE GRAVAÇÃO DIGITAL COM UM MICROCOMPUTADOR (DVD OU PLACAS DE CAPTURA DE VÍDEO) Há vários tipos de sistemas de gravações digitais. Os mais baratos consistem de uma placa para captura de vídeo, que

Leia mais

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a:

PIC16F628a. Pinagem do PIC16F628a: PIC16F628a O PIC16F628a é um microcontrolador fabricado pela Microchip Technology (www.microchip.com), com as seguintes características: - composto de 18 pinos; - possui somente 35 instruções no seu microcódigo;

Leia mais

Relé de proteção do diferencial 865

Relé de proteção do diferencial 865 Relé de proteção do diferencial 865 Para a proteção do diferencial de motores, transformadores e geradores Boletim 865, Série A Guia de especificações Sumário Página de descrição da seção 1.0 Características

Leia mais

Automação de Bancada Pneumática

Automação de Bancada Pneumática Instituto Federal Sul-rio-grandense Campus Pelotas - Curso de Engenharia Elétrica Automação de Bancada Pneumática Disciplina: Projeto Integrador III Professor: Renato Allemand Equipe: Vinicius Obadowski,

Leia mais

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0

Índice. Mamut Gravador Telefônico Digital MGC Manual de Instalação Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Procedimento de Instalação do Gravador Digital Mamut. V 1.0 Índice 1- Preparação da CPU para o funcionamento do Gravador Digital Mamut 1.1 - Preparação da CPU 1.2 - Instalação do Firebird 2 - Instalação

Leia mais

Componentes de um computador típico

Componentes de um computador típico Componentes de um computador típico Assim como em um videocassete, no qual é necessário ter o aparelho de vídeo e uma fita contendo o filme que será reproduzido, o computador possui a parte física, chamada

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2

MANUAL DE INSTRUÇÕES. Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 MANUAL DE INSTRUÇÕES Conversor USB P/ RS-232/422/485 Modelo D501 Revisão 2 CONTEMP IND. COM. E SERVIÇOS LTDA. Al. Araguaia, 204 - CEP 09560-580 São Caetano do Sul - SP - Brasil Fone: 11 4223-5100 - Fax:

Leia mais

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público

Notas de Aplicação. Utilizando o servidor de comunicação SCP Server. HI Tecnologia. Documento de acesso público Notas de Aplicação Utilizando o servidor de comunicação SCP Server HI Tecnologia Documento de acesso público ENA.00024 Versão 1.02 dezembro-2006 HI Tecnologia Utilizando o servidor de comunicação SCP Server

Leia mais

Quando você economiza energia, você também reduz o impacto no meio ambiente.

Quando você economiza energia, você também reduz o impacto no meio ambiente. Quando você economiza energia, você também reduz o impacto no meio ambiente. O uso do Gerenciador de Energia irá reduzir o consumo de energia de sua casa ou escritório, diminuir a geração de calor, reduzir

Leia mais

Painel de Controle Windows XP

Painel de Controle Windows XP Painel de Controle Windows XP Autor: Eduardo Gimenes Martorano Pág - 1 - APOSTILA PAINEL DE CONTROLE Pág - 2 - ÍNDICE INTRODUÇÃO:...4 PAINEL DE CONTROLE...4 TRABALHANDO COM O PAINEL DE CONTROLE:...4 ABRINDO

Leia mais

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET

Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Universidade Tuiuti do Paraná UTP Faculdade de Ciências Exatas - FACET Hardware de Computadores Questionário II 1. A principal diferença entre dois processadores, um deles equipado com memória cache o

Leia mais

4. Controlador Lógico Programável

4. Controlador Lógico Programável 4. Controlador Lógico Programável INTRODUÇÃO O Controlador Lógico Programável, ou simplesmente PLC (Programmiable Logic Controller), pode ser definido como um dispositivo de estado sólido - um Computador

Leia mais

1 - Processamento de dados

1 - Processamento de dados Conceitos básicos sobre organização de computadores 2 1 - Processamento de dados O que é processamento? O que é dado? Dado é informação? Processamento é a manipulação das informações coletadas (dados).

Leia mais

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas

IW10. Rev.: 02. Especificações Técnicas IW10 Rev.: 02 Especificações Técnicas Sumário 1. INTRODUÇÃO... 1 2. COMPOSIÇÃO DO IW10... 2 2.1 Placa Principal... 2 2.2 Módulos de Sensores... 5 3. APLICAÇÕES... 6 3.1 Monitoramento Local... 7 3.2 Monitoramento

Leia mais

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda.

Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. Manual do equipamento Henry Equipamentos Eletrônicos e Sistemas Ltda. +55 41 3661-0100 Rua Rio Piquiri, 400 - Jardim Weissópolis - Pinhais/PR - Brasil CEP: 83322-010 CNPJ: 01.245.055/0001-24 Inscrição

Leia mais

5 Entrada e Saída de Dados:

5 Entrada e Saída de Dados: 5 Entrada e Saída de Dados: 5.1 - Arquitetura de Entrada e Saída: O sistema de entrada e saída de dados é o responsável pela ligação do sistema computacional com o mundo externo. Através de dispositivos

Leia mais

Estrutura interna de um microcontrolador

Estrutura interna de um microcontrolador Estrutura interna de um microcontrolador Um microcontrolador é composto por um conjunto de periféricos interligados a uma unidade de processamento e todo este conjunto confere a este componente uma versatilidade

Leia mais

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico

Módulo I. Desenvolvimento Software CLP - Básico Desenvolvimento Software CLP - Básico Lista de exercícios utilizados nas vídeo aulas e manual de referência das instruções utilizadas em cada aula. Setor de capacitação técnica Branqs Automação Santos

Leia mais

1. CAPÍTULO COMPUTADORES

1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1. CAPÍTULO COMPUTADORES 1.1. Computadores Denomina-se computador uma máquina capaz de executar variados tipos de tratamento automático de informações ou processamento de dados. Os primeiros eram capazes

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma

Aula 04 B. Interfaces. Prof. Ricardo Palma Aula 04 B Interfaces Prof. Ricardo Palma Interface SCSI SCSI é a sigla de Small Computer System Interface. A tecnologia SCSI (pronuncia-se "scuzzy") permite que você conecte uma larga gama de periféricos,

Leia mais

Placa Acessório Modem Impacta

Placa Acessório Modem Impacta MANUAL DO USUÁRIO Placa Acessório Modem Impacta Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. A Placa Modem é um acessório que poderá ser utilizado em todas as centrais

Leia mais

Linha de Módulos de Comando

Linha de Módulos de Comando RKM SISTEMAS DE AUTOMAÇÃO E CONTROLE LTDA. Rua Catão Coelho, 215 PORTO ALEGRE RS Fone: (51) 3029-3250 www.rkmautomacao.com.br Linha de Módulos de Comando RKM Aurora MANUAL DE CONFIGURAÇÃO Rev. 1.0 Abril

Leia mais

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores

Attack 1.35. Software de controle e Monitoração de amplificadores Attack 1.35 Software de controle e Monitoração de amplificadores 1 Índice 1 Hardware necessário:... 3 1.1 Requisitos do computador:... 3 1.2 Cabos e conectores:... 3 1.3 Adaptadores RS-232 USB:... 4 1.4

Leia mais

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0

GPRS Universal. Manual do Instalador. C209994 - Rev 0 GPRS Universal Manual do Instalador C209994 - Rev 0 » Introdução: Antes da instalação deste produto, recomendamos a leitura deste manual, que contém todas as informações necessárias para a correta instalação

Leia mais

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos

MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware. Professor: Renato B. dos Santos MOTAGEM E MANUTENÇÃO Hardware Professor: Renato B. dos Santos 1 O computador é composto, basicamente, por duas partes:» Hardware» Parte física do computador» Elementos concretos» Ex.: memória, teclado,

Leia mais

Técnico/a de Refrigeração e Climatização

Técnico/a de Refrigeração e Climatização Técnico/a de Refrigeração e Climatização 1315 Eletricidade e eletrónica - programação de autómatos 2013/ 2014 Gamboa 1 Introdução Automação, estudo dos métodos e procedimentos que permitem a substituição

Leia mais

automação residencial module neocontrol

automação residencial module neocontrol automação residencial module neocontrol 2014 www.neocontrol.com.br A Neocontrol S/A, indústria brasileira, oferece produtos e soluções para o mercado de automação residencial e predial. Com mais de 215

Leia mais

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton

ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES. Prof. André Dutton ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Prof. André Dutton EMENTA: Conceitos fundamentais e histórico da ciência da computação; Histórico dos computadores, evolução e tendências; Modalidades de computadores

Leia mais

Automação Industrial Parte 2

Automação Industrial Parte 2 Automação Industrial Parte 2 Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Perspectiva Histórica Os primeiros sistemas de controle foram desenvolvidos durante a Revolução

Leia mais

Automação de Locais Distantes

Automação de Locais Distantes Automação de Locais Distantes Adaptação do texto Improving Automation at Remote Sites da GE Fanuc/ Water por Peter Sowmy e Márcia Campos, Gerentes de Contas da. Nova tecnologia reduz custos no tratamento

Leia mais

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html

Automação Industrial. Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki. http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html Automação Industrial Prof. Ms. Getúlio Teruo Tateoki http://www.getulio.eng.br/meusalunos/autind.html -Duas Aulas quinzenais -Datas: Engenharia Elétrica 08 e 18 de agosto 01, 15, 29 de setembro 13 e 27

Leia mais

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação

Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação. Introdução à Engenharia de Controle e Automação Rodrigo Baleeiro Silva Engenheiro de Controle e Automação (do latim Automatus, que significa mover-se por si) ; Uso de máquinas para controlar e executar suas tarefas quase sem interferência humana, empregando

Leia mais

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS

TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Texto Técnico 005/2013 TRABALHO COM GRANDES MONTAGENS Parte 05 0 Vamos finalizar o tema Trabalho com Grandes Montagens apresentando os melhores recursos e configurações de hardware para otimizar a abertura

Leia mais

Introdução sobre à porta USB

Introdução sobre à porta USB Introdução sobre à porta USB O USB (Universal Serial Bus) surgiu em 1995 com uma parceria entre várias companhias de alta tecnologia (Compaq, Hewlett-Packard, Intel, Lucent, Microsoft, NEC e Philips).

Leia mais

CEFET/RJ UnED Petrópolis

CEFET/RJ UnED Petrópolis CEFET/RJ UnED Petrópolis Relatório de Estágio Supervisionado Empresa: CEFET/RJ UnED Petrópolis Curso: Técnico em Telecomunicações/TV Digital Estagiária: Dayana Kelly Turquetti de Moraes Telefones: (24)

Leia mais

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1

Entrada e Saída. Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Entrada e Saída Prof. Leonardo Barreto Campos 1 Sumário Introdução; Dispositivos Externos; E/S Programada; E/S Dirigida por Interrupção; Acesso Direto à Memória; Bibliografia. Prof. Leonardo Barreto Campos

Leia mais

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6

1 Introdução... 4. Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5. 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Índice 1 Introdução... 4 Características... 4 Requisitos do Dispositivo... 5 2 Conhecendo o dispositivo... 6 Verificação dos itens recebidos... 6 Painel Frontal... 7 Painel Traseiro... 8 3 Conectando o

Leia mais

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS

COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS COMUNICAÇÃO SERIAL ENTRE EQUIPAMENTOS 1 Introdução Para transmitir ou receber informações de outros dispositivos é necessário que os sistemas automáticos sejam capazes de comunicarem-se com estes dispositivos.

Leia mais

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO

CAPÍTULO 5. INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO 28 CAPÍTULO 5 INTERFACES PARA PERIFÉRICOS DE ARMAZENAMENTO INTERFACES DIVERSAS: FIREWIRE, SPI e I 2 C INTERFACES COM O MUNDO ANALÓGICO Interfaces para periféricos de armazenamento: Periféricos de armazenamento,

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control

MANUAL DO USUÁRIO. Software de Gerenciamento. Controlador de Fator de Potência. Self Control MANUAL DO USUÁRIO Software de Gerenciamento Controlador de Fator de Potência Self Control ÍNDICE 1.0 INTRODUÇÃO 4 1.1 Aplicações 4 2.0 CARACTERÍSTICAS 4 2.1 Compatibilidade 4 3.0 INSTALAÇÃO 4 4.0 INICIALIZAÇÃO

Leia mais

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior

Arquitetura de Computadores. Professor: Vilson Heck Junior Arquitetura de Computadores Professor: Vilson Heck Junior Agenda Conceitos Estrutura Funcionamento Arquitetura Tipos Atividades Barramentos Conceitos Como já discutimos, os principais componentes de um

Leia mais

INFORMÁTICA BÁSICA. Prof. Rafael Zimmermann

INFORMÁTICA BÁSICA. Prof. Rafael Zimmermann INFORMÁTICA BÁSICA Prof. Rafael Zimmermann 1. INFORMÁTICA É a ciência que estuda o processamento de informações. Nasceu da necessidade do homem processar informações cada vez mais complexas e com maior

Leia mais

Redes de Computadores

Redes de Computadores Redes de Computadores Introdução Fabricio Breve Onde estão as redes? Caixa Eletrônico Terminais conectados a um computador central Supermercados, farmácias, etc... Vendas Caixa Estoque Etc... Por que Redes?

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES

DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES 1 DESENVOLVIMENTO DE UM SISTEMA DE CONTROLE AUTOMATIZADO DA ILUMINAÇÃO ARTIFICIAL DE INTERIORES Denise Antunes de Lima 1 ; Jonatan Rafael Rakoski Zientarski 2 1 INTRODUÇÃO A iluminação artificial do interior

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO PÉGASUS GPRS STUDIO V3.03 MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO 3i Soluções Ind. Com. de Equip. Eletrônicos e Serviços em Materiais Elétricos Ltda. Rua Marcilio Dias, 65 Lapa CEP 05077-120 São Paulo - SP Brasil

Leia mais

VEÍCULO BV 1. Figura 01 BV 1 construído com material de baixo custo

VEÍCULO BV 1. Figura 01 BV 1 construído com material de baixo custo VEÍCULO BV 1 Resumo Este trabalho apresenta um tutorial ("How To") para a construção de um robô simples controlado por um PC através da porta paralela. A construção deste robô tem como objetivo introduzir

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...8 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas......8 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 é um rastreador desenvolvido com os mais rígidos padrões de qualidade

Leia mais

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9

Apresentação...3. Vantagens...3. Instalação...4. Informações Técnicas...5. Especificações Técnicas...9 1 ÍNDICE Apresentação...3 Vantagens...3 Instalação...4 Informações Técnicas...5 Especificações Técnicas...9 2 APRESENTAÇÃO: O SS100 Moto é um rastreador exclusivo para Motos desenvolvido com os mais rígidos

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES

FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES FACULDADE PITÁGORAS DISCIPLINA: ARQUITETURA DE COMPUTADORES Prof. Ms. Carlos José Giudice dos Santos cpgcarlos@yahoo.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Conceito de Computador Um computador digital é

Leia mais

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS

TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS TÍTULO: SISTEMA DE ACESSIBILIDADE E AUTOMATIZAÇÃO PARA PESSOAS PORTADORAS DE NECESSIDADE ESPECIAIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS E ARQUITETURA SUBÁREA: ENGENHARIAS INSTITUIÇÃO: FACULDADE DE TECNOLOGIA

Leia mais

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira

Processadores. Prof. Alexandre Beletti Ferreira Processadores Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução O processador é um circuito integrado de controle das funções de cálculos e tomadas de decisão de um computador. Também é chamado de cérebro do

Leia mais

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página

CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes. Capítulo1 - Introdução à Redes. Associação dos Instrutores NetAcademy - Agosto de 2007 - Página CCNA 1 Conceitos Básicos de Redes Capítulo1 - Introdução à Redes 1 Requisitos para Conexão à Internet Para disponibilizar o acesso de um computador à rede, devem ser levados em consideração 03 parâmetros:

Leia mais

Projetos de Eletrônica Básica II

Projetos de Eletrônica Básica II Projetos de Eletrônica Básica II MUITO CUIDADO NA MONTAGEM DOS CIRCUITOS, JÁ QUE SE ESTÁ TRABALHANDO COM A REDE ELÉTRICA. Projete um sistema para uma casa inteligente, com as seguintes características:

Leia mais

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais:

Por razões, é requerido um módulo de E/S, que deve desempenhar duas funções principais: Entrada e Saída Além do processador e da memória, um terceiro elemento fundamental de um sistema de computação é o conjunto de módulos de E/S. Cada módulo se conecta com o barramento do sistema ou com

Leia mais

Controle de acesso FINGER

Controle de acesso FINGER Controle de acesso FINGER MANUAL DE INSTRUÇÕES Sobre esse Guia Esse guia fornece somente instruções de instalação. Para obter informações sobre instruções de uso, favor ler o Manual do usuário.. ÍNDICE

Leia mais

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos

Modelo Genérico de Módulo de E/S Grande variedade de periféricos Conteúdo Capítulo 7 Entrada/Saída Dispositivos externos Módulos E/S Técnicas de E/S E/S Programada E/S Conduzida por interrupções Processamento de interrupções Controlador Intel 82C59A Acesso Directo à

Leia mais

TUTORIAL INSTALAÇÃO DA ROTINA 2075 NO LINUX

TUTORIAL INSTALAÇÃO DA ROTINA 2075 NO LINUX Apresentação O departamento de varejo da PC Sistemas inovou seu produto de frente de caixa, permitindo seu funcionamento no sistema operacional do Linux com a distribuição Ubuntu. O cliente poderá usar

Leia mais

Microcontrolador Modelix 3.6

Microcontrolador Modelix 3.6 Curso de Robótica 1 Curso de Robótica Introdução à robótica O desenvolvimento da robótica surgiu da necessidade de se aperfeiçoar processos de fabricação, no sentido de melhorar a qualidade dos produtos.

Leia mais

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional);

Duas capacidades de armazenamento de digitais. Opção para 1.900 digitais (padrão) ou 9.500 digitais opcional); Características Possui estrutura com design moderno e LEDs que indicam a confirmação de registros; Exclusivo sistema de hibernação quando o equipamento encontra-se sem energia vinda da rede elétrica, o

Leia mais

Manual de Instalação, Configuração e Uso

Manual de Instalação, Configuração e Uso Manual de Instalação, Configuração e Uso KEYPAD MACRO Para controle de cenas ou canais de qualquer módulo da rede Scenario-net Índice 1. Manual de Utilização... 2 1.1. Apresentação e identificação das

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO

RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO RECONHECIMENTO DE VOZ UTILIZANDO ARDUINO Jessica Garcia Luz, Wyllian Fressatti Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí - PR - Brasil jessica.garcia.luz@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino

Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Alarme Automotivo com mensagem para móvel utilizando Arduino Maycon Cirilo dos Santos¹, Wyllian Fressatti¹ ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil mayconsi2012@gmail.com, wyllian@unipar.br

Leia mais

Câmera CFTV Digital Sem Fio

Câmera CFTV Digital Sem Fio Câmera CFTV Digital Sem Fio Manual do Usuário Você acaba de adquirir um produto Leadership, testado e aprovado por diversos consumidores em todo Brasil. Neste manual estão contidas todas as informações

Leia mais

Microcontroladores e Microprocessadores

Microcontroladores e Microprocessadores Microcontroladores e Microprocessadores Arquitetura Von Neumann e Arquitetura Harvard Prof. Samuel Cavalcante Conteúdo Componentes básicos de um computador Processamento Unidades de Entrada/Saída (I/O)

Leia mais

Placas Adaptadoras e montagem de Redes

Placas Adaptadoras e montagem de Redes Placas Adaptadoras e montagem de Redes Objetivos da aula: 1 - Descrever a função da placa adaptadora de rede em uma rede. 2 - Descrever as opções de configuração para placas adaptadoras de rede. 3 - Listar

Leia mais

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP

Cabeça de Rede de Campo PROFIBUS-DP Descrição do Produto O módulo, integrante da Série Ponto, é uma cabeça escrava para redes PROFIBUS-DP do tipo modular, podendo usar todos os módulos de E/S da série. Pode ser interligada a IHMs (visores

Leia mais

A Evolução dos Sistemas Operacionais

A Evolução dos Sistemas Operacionais Capítulo 3 A Evolução dos Sistemas Operacionais Neste capítulo, continuaremos a tratar dos conceitos básicos com a intensão de construirmos, agora em um nível mais elevado de abstração, o entendimento

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO. STK 728U, STK 738U e STK 748. Apostila elaborada pelo. Eng. Sergio Americano Mendes CREA-MG 29.539/D

MANUAL DO USUÁRIO. STK 728U, STK 738U e STK 748. Apostila elaborada pelo. Eng. Sergio Americano Mendes CREA-MG 29.539/D MANUAL DO USUÁRIO STK 728U, STK 738U e STK 748 Apostila elaborada pelo Eng. Sergio Americano Mendes CREA-MG 29.539/D Proibida a reprodução não autorizada 2014 1 OPERANDO O SISTEMA COMO USUÁRIO Teclado

Leia mais

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS

INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS INOVANDO UM PROCESSO DE SERVIÇOS DE TI COM AS BOAS PRÁTICAS DO ITIL E USO DE BPMS Cilene Loisa Assmann (UNISC) cilenea@unisc.br Este estudo de caso tem como objetivo trazer a experiência de implantação

Leia mais

Arquitetura Genérica

Arquitetura Genérica Arquitetura Genérica Antes de tudo, vamos revisar o Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador. Modelo Simplificado do Funcionamento de um Computador O funcionamento de um computador pode ser

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação

Controle de Acesso. Automático de Veículos. saiba mais. automação Controle de Acesso Automático de Veículos Este trabalho tem como objetivo desenvolver uma solução tecnológica que permita o controle dos portões automáticos remotamente através da internet. Aplicando-se

Leia mais

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida:

1. Ementa 2. Objetivos Gerais: 3. Objetivos Específicos 4. Estruturação do conteúdo da disciplina e sistemática as ser desenvolvida: 1. Ementa Gerenciamento e desenvolvimento de um projeto que acompanhe as etapas do ciclo de vida do software e ou hardware, com ênfase em: documentação, determinação dos requisitos, projeto lógico, projeto

Leia mais

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3)

Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Controladores Lógicos Programáveis CLP (parte-3) Mapeamento de memória Na CPU (Unidade Central de Processamento) de um CLP, todas a informações do processo são armazenadas na memória. Essas informações

Leia mais

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução

Modelo OSI. Prof. Alexandre Beletti Ferreira. Introdução Modelo OSI Prof. Alexandre Beletti Ferreira Introdução Crescimento das redes de computadores Muitas redes distintas International Organization for Standardization (ISO) Em 1984 surge o modelo OSI Padrões

Leia mais

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0

DataQuest. Soluções para Controle de Acesso. DataMini. Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest Soluções para Controle de Acesso DataMini Manual Técnico Software Ver. 1.0 DataQuest DataQuest Comércio e Consultoria Ltda. Av. Dr. Guilherme Dumont Villares, n 1050 Sala 11 Vila Suzana - São

Leia mais

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015

ROM e RAM. Memórias 23/11/2015 ROM e RAM Memórias Prof. Fabrício Alessi Steinmacher. Para que o processador possa executar suas tarefas, ele busca na memória todas as informações necessárias ao processamento. Nos computadores as memórias

Leia mais

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM...

INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 4. INTERLIGAÇÃO DO SISTEMA... 5 5. ALGUNS RECURSOS... 6 6. SERVIDOR BAM... 1 de 30 INDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 2. CONFIGURAÇÃO MÍNIMA... 4 3. INSTALAÇÃO... 4 3.1. ONDE SE DEVE INSTALAR O SERVIDOR BAM?... 4 3.2. ONDE SE DEVE INSTALAR O PROGRAMADOR REMOTO BAM?... 4 3.3. COMO FAZER

Leia mais