Processo de enfermagem - da teoria às implicações para a prática e segurança

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de enfermagem - da teoria às implicações para a prática e segurança"

Transcrição

1 Processo de enfermagem - da teoria às implicações para a prática e segurança 25/7/ :30-17:00 Eneida Rejane Rabelo da Silva Doutora em Ciências Biológicas: Fisiologia Cardiovascular Professor Associado da Escola de Enfermagem da UFRGS Coordenadora do Grupo de Insuficiência Cardíaca e Transplante do HCPA Chefe do Serviço de Enfermagem Cardiovascular do HCPA Bolsista Produtividade em Pesquisa - Cnpq

2 GERAÇÕES DO PROCESSO DE ENFERMAGEM (adaptado de Pesut e Herman) 1953 Início da acreditação da Joint Commission 1999 Joint Commission International para melhorar a qualidade da assistência à saúde internacionalmente 1ª Geração ª Geração ª Geração PE em 4 etapas Foco na doença: Condições fisiopatológicas médicas. By: MAA adaptado by ERRS 2013 PE em 5 etapas: Inclusão do diagnóstico Método orientado para raciocínio clínico e pensamento crítico 1982: oficialmente constituída a NANDA-I Método orientado para Resultados dos pacientes NANDA-I, NIC, NOC Resolução 358/2009 COFEN

3 ...definindo segurança...é a redução do risco de danos desnecessários associados à assistência em saúde até um mínimo aceitável. O mínimo aceitável se refere àquilo que é viável diante do conhecimento atual, dos recursos disponíveis e do contexto em que a assistência foi realizada frente ao risco de não-tratamento, ou outro tratamento. OMS. The Conceptual Framework for the International Classification for Patient Safety v1.1. Final Technical Report and Technical Annexes, Disponível em:

4 Segurança do pacientes e a enfermagem

5 Cuidado versus conhecimento Ênfase na importância do conhecimento de enfermagem? Estamos olhando em como o conhecimento de enfermagem impacta nos resultados do cuidado? By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI 2013

6 Adaptado: by ERRS By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI 2013 Cuidado versus conhecimento Prática baseada em evidência... a segurança do paciente não é nada mais que a redução de atos inseguros nos processos assistenciais e uso das melhores práticas Estamos olhando na direção descritas de forma a alcançar os melhores certa? resultados possíveis para o paciente. Estamos abordando as intervenções corretas? Os resultados estão sendo realmente mensurados refletindo Diminuir a variação nos cuidados no cuidado e no conhecimento Melhorar a confiança nas investigações da prática diária Melhorar os resultados dos pacientes de enfermagem?

7 Antes de medir as intervenções, não precisamos saber o que estamos tentando melhorar ou manter? Enfermeiros tendem a pular para a intervenção, sem realmente parar para pensar sobre no que eles estão tentando intervir! Os resultados são muitas vezes definidos como o resultado de uma intervenção - mas é isso que realmente buscamos? By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI 2013

8 Processo de Enfermagem? Segurança

9 Qual o significado? Tarefa administrativa? Não entende a razão? Uma tarefa que pode deixar de ser realizada em detrimento de outras? É teórico e não se aplica na prática? Dispende muito tempo? Afasta dos pacientes? By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI Adaptado ERRS 2013

10 ...como nós aprendemos? Lei nº 7498/86 Regulamenta o exercício da Enfermagem...Art.11...ao enfermeiro cabe (avaliar, planejar, prescrever...) Teórico mas não aplicável na prática Resolução COFEN-358/09 Sistematização do PE

11 Por que a enfermagem faz tudo de forma tão diferente? Nós dois diagnosticamos Nós dois tratamos Nós dois avaliamos os resultados T. Heather Herdman. Rev. Rene.2013;14 (3):458-9.

12 T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI não temos dúvidas de que os registros de enfermagem são importantes......a dúvida está em realizá-lo plenamente e orientado por um método cientifico...em todas as suas etapas

13 T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI porque exige raciocinio clínico...porque exige pensamento crítico...porque exige conhecimento teórico com aplicação clínica...porque exige intervenções baseadas na minha interpretação diagnóstica!

14 T. Heather Herdman. Rev. Rene.2013;14 (3):458-9.

15 PE e Segurança Aplicar o PE buscando a segurança dos processos Base firme de conhecimento By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI 2013 e Adaptado by ERRS;

16 PROCESSO DE ENFERMAGEM E SEGURANÇA NOC Resultados SEGURANÇA DO PACIENTE NANDA-I (diagnósticos) NIC (intervenções) NOC (resultados) By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI 2013 Adaptado By ERRS

17 Um novo paradigma PARAR com o foco obsessivo no "plano de cuidados (avaliação clínica na admissão e COMEÇAR focando no interesse da enfermagem diária,devidamente registrada) como segurança do paciente e com o resultado do paciente: Avaliando pacientes em risco por questões de segurança Planejando intervenções e avaliando resultados Avaliando pacientes Educando em risco paciente para e família piores resultados em potencial Maximizando resultados individuais (EBE) Maximizando os pontos fortes dos pacientes/famílias By: T. Heather Herdman, RN, PhD, FNI 2013 Adaptado : By ERRS 2013

18 42% o risco: não tem interface com 58% melhora a segurança: participantes ativos no desenho dos registros eletrônicos (seguro, eficiente e centrado no fluxo de cuidado do paciente) outros sistemas, informações criticas são invisiveis a equipe multidisciplinar, o desenho gráfico não permite selecionar adequadamente o paciente, muitas janelas ou telas, ou clicks, congelamento da tela entre outras razões; DOI /01.NURSE d

19 Quality of nursing records and standardized language: literature review Linch, GFC. On line Braz J Nurs. 2010;9(2) Uso da linguagem padronizada Sistema eletrônico Auxiliam o enfermeiro e equipe no cuidado prestado Qualidade da assistência de enfermagem Qualidade dos registros de enfermagem e segurança dos pacientes

20 Eletronic nursing documentation as a strategy to improve quality of patient care Maioria dos registros são manuais Meta 2014 todos registro eletrônico Pesquisas devem ser realizadas para acompanhar e comparar a utilização de registros eletrônicos e em papel. Kelley TF, et al. Journal of Nursing Scholarship, 2011;43:2,154-62

21

22 Relationship between nursing documentation and patients mortality - dados coletados de 48 da admissão Collins SA, et al. Am J Crit Care 2013;22:306-13

23 Relationship between nursing documentation and patients mortality Pela primeira vez na literatura o padrão dos registros de enfermagem foram relacionados com mortalidade. Suportando a tese de que a frequencia e o conteúdo dos registros de enfermagem podem ser preditores de mortalidade, mostrando a sua relevância no cuidado seguro ao paciente. Collins SA, et al. Am J Crit Care 2013;22:306-13

24 Coleta de dados e observação

25 Intervenções Simulação (ambiente clinico mais real possivel) com segurança

26 Quando o risco for inevitável Defina metas alcançáveis com segurança ou riscos aceitáveis

27 Processo de enfermagem - da teoria às implicações para a prática e segurança Obrigada! Eneida Rejane Rabelo da Silva

28 Número de artigos Anderson, Keenan, CIN: Computers, Informatics, Nursing, 2009: 27(2)

Processo de Enfermagem

Processo de Enfermagem Faculdade de Enfermagem Unidade do Cuidado de Enfermagem IV: Adulto e Família- A Processo de Enfermagem Prof a. Dr a. Franciele Roberta Cordeiro Pelotas 2017 Roteiro da apresentação O processo de enfermagem

Leia mais

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM

DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM DIAGNÓSTICOS DA NANDA CONFORME AS NECESSIDADES HUMANAS BÁSICAS DE WANDA HORTA NAS PRÁTICAS DE CAMPO DOS GRADUANDOS EM ENFERMAGEM Iaskara Mazer 1 Ana Paula Modesto 2 Janaina Vall 3 Introdução: É dever do

Leia mais

Eneida Rejane Rabelo da Silva

Eneida Rejane Rabelo da Silva DESAFIO DO GERENCIAMENTO DA DOR EM PACIENTES SUBMETIDOS A PROCEDIMENTO EM LABORATÓRIO DE HEMODINÂMICA Eneida Rejane Rabelo da Silva Enfermeira Especialista em Enfermagem Cardiovascular Doutora em Ciências

Leia mais

"What I feel like to express" about Gestão de Risco Hospitalar

What I feel like to express about Gestão de Risco Hospitalar "What I feel like to express" about Gestão de Risco Hospitalar Projectos nas Áreas de Gestão de Risco e Auditoria Interna SIGA Sistema Integrado de Gestão de Auditorias e Avaliação de Risco Direcção de

Leia mais

PROCESSO DE ENFERMAGEM E A ATUAÇÃO DO TÉCNICO / AUXILIAR DE ENFERMAGEM

PROCESSO DE ENFERMAGEM E A ATUAÇÃO DO TÉCNICO / AUXILIAR DE ENFERMAGEM HOSPITAL DE CLÍNICAS FILIAL EBSERH PROCESSO DE ENFERMAGEM E A ATUAÇÃO DO TÉCNICO / AUXILIAR DE ENFERMAGEM Divisão de Enfermagem Serviço de Educação em Enfermagem Enf.ª Ma. Aldenôra Laísa P. Carvalho Cordeiro

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SAE CIPE. Conselheira - Elizimara Ferreira Siqueira

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SAE CIPE. Conselheira - Elizimara Ferreira Siqueira apresentam SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SAE CIPE Conselheira - Elizimara Ferreira Siqueira AFINAL... SAE CONSULTA DE ENFERMAGEM PROCESSO DE ENFERMAGEM PERIGOS PARA A PROFISSÃO TAREFISMO

Leia mais

GESTÃO DA QUALIDADE Complexidades e paradigmas

GESTÃO DA QUALIDADE Complexidades e paradigmas Será a acreditação o melhor remédio? Motivadores para os hospitais buscarem a acreditação: 1.Melhoria dos processos; 2.Reconhecimento do hospital (imagem); 3.Avaliação mais objetiva da qualidade; 4.Pressões

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Maria Miriam Lima da Nóbrega Docente da Universidade Federal da Paraíba Diretora do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento da CIPE do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani

Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani Aula- 7 Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Profª Tatiani Sistema de Classificação de Resultados de Enfermagem (NOC) Um resultado se define como......a criação de diversos instrumentos de avaliação,

Leia mais

Ana Fernanda Yamazaki Centrone Enfermeira Centro de Oncologia e Hematologia Hospital Albert Einstein

Ana Fernanda Yamazaki Centrone Enfermeira Centro de Oncologia e Hematologia Hospital Albert Einstein Ana Fernanda Yamazaki Centrone Enfermeira Centro de Oncologia e Hematologia Hospital Albert Einstein Ato de evitar, prevenir e melhorar os resultados adversos ou as lesões originadas no processo de atendimento

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS

SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS SEGURANÇA DO PACIENTE A NÍVEL HOSPITALAR: IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DOS REGISTROS EM PRONTUÁRIOS Allana Almeida de Souza 1 ; Antônia Imaculada Santos Serafim 1 ; Francisca Averlânia Dutra de Sousa 1 ; Gerema

Leia mais

Usando o Conhecimento em Enfermagem para criar a Identidade do Enfermeiro

Usando o Conhecimento em Enfermagem para criar a Identidade do Enfermeiro Usando o Conhecimento em Enfermagem para criar a Identidade do Enfermeiro I Conferencia Internacional de Identidade do Enfermerio A Revolucao do Cuidar Howard K. Butcher, PhD, RN University of Iowa, College

Leia mais

Pensamento Crítico Holístico no Processo Diagnóstico de Enfermagem

Pensamento Crítico Holístico no Processo Diagnóstico de Enfermagem 1 Facione PA, Crossetti MGO, Riegel F Pensamento Crítico Holístico no Processo Diagnóstico de Enfermagem Rev Gaúcha Enferm. 2017;38(3):e75576 doi: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2017.03.75576 Editorial

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Competência do Enfermeiro Oncológico

Competência do Enfermeiro Oncológico Competência do Enfermeiro Oncológico Prof. Dr. Antonio Peregrino Universidade do Estado do Rio de Janeiro Laboratório de Ciências Radiológicas Instituto de Medicina Social Rio de Janeiro 2013 O que é competência

Leia mais

GESTÃO DE INDICADORES HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Walker Dutra. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação

GESTÃO DE INDICADORES HISTÓRICO DE REVISÕES. Elaborado por: Walker Dutra. Próxima revisão: após 1 ano da ultima aprovação GESTÃO DE INDICADORES HISTÓRICO DE REVISÕES Data Revisão Descrição da Revisão 00 Emissão inicial 19/04/2013 01 Alteração do item 3 Inclusão de Termos; inclusão dos itens de 5.2.1 à 5.2.11; Alteração do

Leia mais

CHAVES (2009) descreve a CIPE como sendo um produto e um programa do Conselho Internacional de Enfermagem (CIE). A CIE é formada por uma federação de

CHAVES (2009) descreve a CIPE como sendo um produto e um programa do Conselho Internacional de Enfermagem (CIE). A CIE é formada por uma federação de CHAVES (2009) descreve a CIPE como sendo um produto e um programa do Conselho Internacional de Enfermagem (CIE). A CIE é formada por uma federação de associações nacionais de enfermeiros, que atualmente

Leia mais

RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP A INOVAÇÃO NA FORMAÇÃO: A IMPORTANCIA DO CONHECIMENTO ACADÊMICO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM

RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP A INOVAÇÃO NA FORMAÇÃO: A IMPORTANCIA DO CONHECIMENTO ACADÊMICO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM RESUMO DOS 120 ANOS DA EEAP A INOVAÇÃO NA FORMAÇÃO: A IMPORTANCIA DO CONHECIMENTO ACADÊMICO SOBRE SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Raphael Monteiro de Oliveira 1, Cintia Silva Fassarella 2 RESUMO

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

Sistematização da Assistência de Enfermagem

Sistematização da Assistência de Enfermagem Sistematização da Assistência de Enfermagem SAE é uma ferramenta que favorece a melhora da prática assistencial com base no conhecimento, no pensamento e na tomada de decisão clínica com o suporte de evidências

Leia mais

GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA DO PACIENTE: principais pressupostos para a enfermagem

GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA DO PACIENTE: principais pressupostos para a enfermagem GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA DO PACIENTE: principais pressupostos para a enfermagem Profª Dra Maria de Fátima Paiva Brito Ribeirão Preto 2016 GERENCIAMENTO DA SEGURANÇA DO PACIENTE: principais pressupostos

Leia mais

Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis. Lucas Alexandre Pedebôs

Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis. Lucas Alexandre Pedebôs apresentam Protocolos de Enfermagem para Pacientes Crônicos: experiência de Florianópolis Lucas Alexandre Pedebôs Por que construir um protocolo de enfermagem? Lei 7.498/1986 Art. 11 - O enfermeiro exerce

Leia mais

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE CARDÍACO

TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE CARDÍACO TÍTULO: A IMPORTÂNCIA DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO TRANSPLANTE CARDÍACO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: ENFERMAGEM INSTITUIÇÃO: UNIVERSIDADE DE MOGI DAS CRUZES AUTOR(ES):

Leia mais

O PROCESSO DE ENFERMAGEM COMO PERSPECTIVA NA MELHORIA DA QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA 1

O PROCESSO DE ENFERMAGEM COMO PERSPECTIVA NA MELHORIA DA QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA 1 Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões 45 O PROCESSO DE ENFERMAGEM COMO PERSPECTIVA NA MELHORIA DA QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA 1 THE NURSING PROCESS AS A MEANS FOR IMPROVING THE QUALITY

Leia mais

Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar

Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar Seminários de Gestão Tendências e Inovações em Saúde Tendências em Saúde e Impactos na Gestão Hospitalar FEHOSUL Impacto da Acreditação da Joint Commission International na Gestão Hospitalar Helena Barreto

Leia mais

International Family Nursing Association (IFNA) Position Statement on Pre- Licensure Family Nursing Education

International Family Nursing Association (IFNA) Position Statement on Pre- Licensure Family Nursing Education 1 International Family Nursing Association (IFNA) Position Statement on Pre- Licensure Family Nursing Education Portuguese translation by Mariana Lucas da Rocha Cunha, RN, PhD Pediatric Nursing Professor,

Leia mais

RACIOCÍNIO CLÍNICO: UMA TECNOLOGIA INSTRUMENTAL PARA O CUIDADO DE ENFERMAGEM

RACIOCÍNIO CLÍNICO: UMA TECNOLOGIA INSTRUMENTAL PARA O CUIDADO DE ENFERMAGEM RACIOCÍNIO CLÍNICO: UMA TECNOLOGIA INSTRUMENTAL PARA O CUIDADO DE ENFERMAGEM MEIER, M. J. 1 TRUPPEL, T. C. 2 CROZETA, K. 3 DANSKI, M. T. R. 4 BETIOLLI, S. E. 5 A prática assistencial da enfermagem é uma

Leia mais

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.

UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF. UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN E O PROCESSO DE ENFERMAGEM IV JORNADA DE ENFERMAGEM EM ONCOLOGIA PEDIÁTRICA PALESTRANTE: ENF.CLAUDIA MAINENTI UTILIZAÇÃO DAS CLASSIFICAÇÕES NNN e o PROCESSO DE ENFERMAGEM

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Estágio Curricular em Unidades de Saúde de Média e Alta Complexidade CÓDIGO: EFMO64 COORDENADOR:

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Estágio Curricular em Unidades de Saúde de Média e Alta Complexidade CÓDIGO: EFMO64 COORDENADOR: PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Estágio Curricular em Unidades de Saúde de Média e Alta Complexidade CÓDIGO: EFMO64 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA TEÓRICA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO PRÁTICA 450

Leia mais

Evolução da Cultura de Segurança do Paciente: uma análise linear e comparativa com os Hospitais Americanos

Evolução da Cultura de Segurança do Paciente: uma análise linear e comparativa com os Hospitais Americanos Evolução da Cultura de Segurança do Paciente: uma análise linear e comparativa com os Hospitais Americanos Michele S. Malta, Enfermeira, MSc - Serviço de Gestão de Riscos Hospital Mãe de Deus Elenara Oliveira

Leia mais

O PROCESSO DE CUIDAR CENTRADO NAS NECESSIDADES DE SAÚDE DA PESSOA, NO AVANÇO DO CONHECIMENTO E NA ESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE

O PROCESSO DE CUIDAR CENTRADO NAS NECESSIDADES DE SAÚDE DA PESSOA, NO AVANÇO DO CONHECIMENTO E NA ESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE O PROCESSO DE CUIDAR CENTRADO NAS NECESSIDADES DE SAÚDE DA PESSOA, NO AVANÇO DO CONHECIMENTO E NA ESTRUTURAÇÃO DAS POLÍTICAS DE SAÚDE PÚBLICO ALVO: Alunos do curso de enfermagem do Centro Universitário

Leia mais

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre

Enfa Loriane Konkewicz Comissão de Controle de Infecção Hospital de Clínicas de Porto Alegre Enfa Loriane Konkewicz POLÍTICA DE HIGIENE DE MÃOS NO HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Enfa Loriane Konkewicz EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE Allison E. AJIC. 2008 EVIDÊNCIAS: HIGIENE X MORTALIDADE

Leia mais

Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH. Prevenção de Quedas do Paciente no Ambulatório de Quimioterapia.

Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH. Prevenção de Quedas do Paciente no Ambulatório de Quimioterapia. Procedimento Operacional POP nº 10 - NUVISAH/HU Padrão (POP) Núcleo de Segurança do Paciente - COSEP - NUVISAH Título: Mecanismos de Versão: 01 Prevenção de Quedas do Paciente no Ambulatório de Quimioterapia.

Leia mais

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho Soluções Antes de propor soluções é necessário saber dimensionar o tamanho do seu problema,

Leia mais

Implantação da Prescrição de Enfermagem Eletrônica nas Unidades de Internação

Implantação da Prescrição de Enfermagem Eletrônica nas Unidades de Internação Implantação da Prescrição de Enfermagem Eletrônica nas Unidades de Internação Área(s): Hospital Municipal Dr. Moyses Deutsch M Boi Mirim Setor(es): Clínica Médica, Clínica Cirúrgica, Pediatria Modalidade:

Leia mais

Taxonomia e Notificação. -

Taxonomia e Notificação. - Taxonomia e Notificação rodrigo.hluciano@hotmail.com - rodrigo.qualidade@hospitalmontesinai.com.br Rodrigo Heleno Administrador, tecnólogo em logística, cursando MBA em Gestão Empresarial pelo Centro Universitário

Leia mais

Linguagens da prática de enfermagem

Linguagens da prática de enfermagem Linguagens da prática de enfermagem Prof. Dr. Marcos Antônio Gomes Brandão Prof. Adjunto da EEAN/UFRJ Consultor em SAE Citar aula como: BRANDÃO, M. A. G. Linguagens da prática de enfermagem. Rio de Janeiro:

Leia mais

SAE- SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM. Viviane Carrasco

SAE- SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM. Viviane Carrasco SAE- SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Viviane Carrasco Gerações (Pesut & Herman, 1990) Enfermagem 1ª Geração Enfermagem 2ª Geração Enfermagem 3ª Geração Nightingale Criméia Separar pacientes

Leia mais

Adoção de CDS no Hospital Digital. Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria

Adoção de CDS no Hospital Digital. Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria Adoção de CDS no Hospital Digital Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria Contato Claudio Giulliano Alves da Costa claudio@folkstic.com HIMSS Analytics Certified

Leia mais

PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1

PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1 PERSPECTIVAS FUTURAS DA TAXONOMIA II DA NANDA INTERNACIONAL E SUAS IMPLICAÇÕES PARA O ENSINO, ASSISTÊNCIA E PESQUISA 1 OLIVEIRA, Luciana Griebeler 2 ; OLIVEIRA, Stefanie Griebeler 3 ; GARCIA, Raquel Pötter

Leia mais

Plano de Ação para diminuição das taxas de cesáreas através da Classificação de Robson

Plano de Ação para diminuição das taxas de cesáreas através da Classificação de Robson Plano de Ação para diminuição das taxas de cesáreas através da Classificação de Robson Gestão materno infantil/ CO Modalidade: PDSA Fase 01 Planejar Identificação do problema Taxa de parto cesárea acima

Leia mais

OBSERVAÇÃO DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ENDOVENOSOS EM HOSPITAL DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS

OBSERVAÇÃO DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ENDOVENOSOS EM HOSPITAL DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS OBSERVAÇÃO DOS REGISTROS DE ENFERMAGEM NA ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS ENDOVENOSOS EM HOSPITAL DE DOENÇAS INFECTO-CONTAGIOSAS Cristina Oliveira da Costa(1); Érica Oliveira Matias(1); Ires Lopes Custódio(2);

Leia mais

PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA

PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA FACULDADE MARIA MILZA BACHARELADO EM ENFERMAGEM PROGRAMA DE SEGURANÇA DO PACIENTE EM TERAPIA SEMI INTENSIVA: ESTRATÉGIAS DE ENFERMEIRAS EM UMA ORGANIZAÇÃO PÚBLICA Maria do Espírito Santo da Silva¹ Adriana

Leia mais

GESTÃO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO. Léa Pereira de Sousa

GESTÃO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO. Léa Pereira de Sousa GESTÃO DE RISCOS EM CENTRO CIRÚRGICO Léa Pereira de Sousa SUMÁRIO 1 - CONCEITOS 2 - GESTÃO DE RISCOS SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTENCIA DE ENFERMAGEM PROGRAMA DE QUALIDADE CAMPANHA CIRURGIA SEGURA SALVA VIDAS

Leia mais

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP. AIF Processo de Enfermagem EEUSP, 2013 Rita Gengo

Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP. AIF Processo de Enfermagem EEUSP, 2013 Rita Gengo Profa Dra Rita de Cassia Gengo e Silva Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica EEUSP Queaofinaldaaulavocêsejacapazde: Discorrer sobre a definição e etapas do processo de enfermagem Descrever ações

Leia mais

ETAPAS DE ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ME. ERICK RODRIGO SANTOS ALMEIDA

ETAPAS DE ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ME. ERICK RODRIGO SANTOS ALMEIDA ETAPAS DE ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA ME. ERICK RODRIGO SANTOS ALMEIDA ESTRUTURA DE UM PROJETO DE PESQUISA? Tema Problema Objetivos Justificativa Revisão de literatura Metodologia Cronograma Referência

Leia mais

Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE

Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE Grupo de Pesquisa em Tecnologias, Informações e Informática em Saúde e Enfermagem - GIATE REGULAMENTO INTERNO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE E FINALIDADES: Art.1º - O Grupo Pesquisa em Tecnologias, Informações

Leia mais

PROCESSO DE ENFERMAGEM

PROCESSO DE ENFERMAGEM PROCESSO DE ENFERMAGEM PROCESSO DE ENFERMAGEM: São ações sistematizadas e inter-relacionadas, visando a assistência ao ser humano. É UMA FORMA DE PRESTAR CUIDADOS DE ENFERMAGEM DE FORMA SISTEMÁTICA, RENTÁVEL,

Leia mais

A SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE PORTADOR DE PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IMUNE

A SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE PORTADOR DE PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IMUNE A SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE PORTADOR DE PÚRPURA TROMBOCITOPÊNICA IMUNE Emanuelle Silvino Coelho Martins Mestre (1); Alba Rossana Vieira Costa (1); Ana Cristina Rodrigues Luna

Leia mais

Projeto Paciente Seguro: Inserção do paciente e familiar no contexto de sua segurança

Projeto Paciente Seguro: Inserção do paciente e familiar no contexto de sua segurança Projeto Paciente Seguro: Inserção do paciente e familiar no contexto de sua segurança Safe Patient Project: Insertion of the patient and family in the context of their safety Marcia Utimura Amino 1 Ana

Leia mais

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada

Leia mais

Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Organizacional. Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade

Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Organizacional. Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade Gestão à Vista: Transparência e Produtividade na Comunicação Adriana Daum Machado Assessora da Qualidade MERIDIONAL DADOS DADOS 2012 2012 HOSPITAL PRIVADO COM FINS LUCRATIVOS 169 LEITOS 62 LEITOS DE UTI

Leia mais

I Workshop dos Programas de Pós- Graduação em Enfermagem

I Workshop dos Programas de Pós- Graduação em Enfermagem POLÍTICAS PÚBLICAS DE PREVENÇÃO E GERENCIAMENTO DE RISCOS À SAÚDE NA VIGILÂNCIA SANITÁRIA NA AMÉRICA LATINA E CARIBE: REVISÃO INTEGRATIVA Linha de pesquisa: Políticas e práticas em enfermagem e saúde Responsável

Leia mais

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO)

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO) Enfª Débora Cabral Nunes Hospital Unimed de Sorocaba Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de Enfermagem, Nutrição e Farmácia Hospitalar 2011 Cirurgia Segura-TIME

Leia mais

ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DAS

ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DAS ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DAS PESSOAS COM DOENÇA CRÓNICA Avaliação do risco de não adesão ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO A adesão ao regime terapêutico assume particular importância no âmbito das doenças

Leia mais

Sumário. FUNDAMENTOS DA PRÁTICA DE ENFERMAGEM 32 Capítulo 1 Introdução à Enfermagem 34. Capítulo 6 Valores, Ética e Defesa de Direitos 114

Sumário. FUNDAMENTOS DA PRÁTICA DE ENFERMAGEM 32 Capítulo 1 Introdução à Enfermagem 34. Capítulo 6 Valores, Ética e Defesa de Direitos 114 Sumário UNIDADE I FUNDAMENTOS DA PRÁTICA DE ENFERMAGEM 32 Capítulo 1 Introdução à Enfermagem 34 Perspectivas históricas da enfermagem 35 Definições da enfermagem 37 Objetivos da enfermagem 38 Enfermagem

Leia mais

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO

PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO PNEUMONIA ASSOCIADA À VENTILAÇÃO MECÂNICA PAV IMPORTÂNCIA, PREVENÇÃO CRITÉRIOS DIAGNÓSTICOS E NOTIFICAÇÃO IRAS PAINEL GERAL O risco de um passageiro morrer numa viagem aérea é de cerca de um em dez milhões

Leia mais

Acreditação. Acreditação

Acreditação. Acreditação Acreditação Acreditação 1621132 - Produzido em Abril/2011 Acreditação Rumo ao processo de Acreditação Hospitalar e gestão da melhoria contínua, é importante salientar as principais diferenças entre licenciamento,

Leia mais

A enfermagem deve privilegiar suas ações específicas/próprias junto ao cliente e atuar como parceira dos demais profissionais, NÃO APENAS como

A enfermagem deve privilegiar suas ações específicas/próprias junto ao cliente e atuar como parceira dos demais profissionais, NÃO APENAS como Prof. Roberto Albuquerque VI JONAFES/2010 A enfermagem deve privilegiar suas ações específicas/próprias junto ao cliente e atuar como parceira dos demais profissionais, NÃO APENAS como suporte de ações

Leia mais

AUTONÔMIA DA ENFERMAGEM

AUTONÔMIA DA ENFERMAGEM AUTONÔMIA DA ENFERMAGEM Importância na prática baseada em evidência Rosângela A Oliveira Enfermeira Estomaterapeuta Aperfeiçoada em Enfermagem Dermatológica e Podiatria Diretora Técnica SADAPE - Saúde

Leia mais

Prefeitura de São Paulo

Prefeitura de São Paulo Prefeitura de São Paulo Autarquia Hospitalar Municipal 1 Cargos e Remuneração: Analista de Saúde (ANS) 53 vagas Enfermeiro -> R$ 5.070,00 Assistente Técnico de Saúde (ASTS) 89 vagas Técnico em Enfermagem

Leia mais

O Conceito de Segurança do Paciente

O Conceito de Segurança do Paciente O Conceito de Segurança do Paciente Helena Barreto dos Santos Médica Coordenadora do Programa Qualidade e Informação em Saúde Hospital de Clínicas de Porto Alegre hbsantos@hcpa.edu.br apresentação/declaração

Leia mais

Apresentação. Componentes essenciais para programas de prevenção e controle de Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde (IRAS)

Apresentação. Componentes essenciais para programas de prevenção e controle de Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde (IRAS) Componentes essenciais para programas de prevenção e controle de Infecções Relacionadas a Maria Clara Padoveze Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Setembro 13, 2017 Apresentação

Leia mais

Sistematização da assistência de enfermagem aos portadores da doença de Parkinson baseados na teoria do autocuidado e necessidades humanas básicas.

Sistematização da assistência de enfermagem aos portadores da doença de Parkinson baseados na teoria do autocuidado e necessidades humanas básicas. Introdução: Doença de Parkinson é uma afecção degenerativa crônica e progressiva do sistema nervoso central caracterizada pelos sinais cardinais. Afeta cerca de 150 a 200 pessoas para cada 100 mil habitantes¹.

Leia mais

TRANSFORMANDO REALIDADES

TRANSFORMANDO REALIDADES TRANSFORMANDO REALIDADES Transformar realidades com inovação em saúde. É esta Visão que move o Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), sempre e cada vez mais. Hospital público e universitário pertencente

Leia mais

Claudia Laselva Março_2017

Claudia Laselva Março_2017 Certificação Magnet: o que aprendemos nesta trajetória Claudia Laselva Março_2017 O que é o Magnet? É um programa destinado a reconhecer organizações de saúde que oferecem o melhor cuidado de enfermagem.

Leia mais

Ela foi considerada a primeira teórica de enfermagem ao delinear o que considerava a meta de enfermagem e o domínio da prática( McEWEN, 2009 )

Ela foi considerada a primeira teórica de enfermagem ao delinear o que considerava a meta de enfermagem e o domínio da prática( McEWEN, 2009 ) SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM Com Florence Nightingale a Enfermagem iniciou sua caminhada para a adoção de uma prática baseada em conhecimentos científicos, abandonando gradativamente a postura

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA

SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA Gerli Elenise Gehrke Herr1 Fabiele Aozane2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz3 1 Enfermeira no Hospital Unimed Noroeste/RS. Especialista em Enfermagem

Leia mais

PORTARIA COREN-RJ nº 521/2017

PORTARIA COREN-RJ nº 521/2017 PORTARIA COREN-RJ nº 521/2017 Designar palestrantes que irão ministrar as unidades programáticas I, II E II do curso "Bases Teórico-Metodológicas para Sistematização da Assistência da para os Responsáveis

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE IV ENCONTRO GOIANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE Programa Nacional de Segurança Do Paciente Thais Yoshida Enfermeira Coordenadora do Núcleo Interno de Segurança do Paciente

Leia mais

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular

Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de Enfermagem realizar atendimento domiciliar particular PARECER TÉCNICO COREN-MA-CPE Nº 20/2015 ASSUNTO: Atendimento de Enfermagem particular em domicilio. 1. Do fato Solicitação de Parecer Técnico ao COREN MA sobre O que é necessário para o profissional de

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA

SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM AO PACIENTE SUBMETIDO À PROSTATECTOMIA Geisielly Raquel da Cruz Aguiar; Soraia Albino Costa Gonzaga; Ana Cristina Rodrigues Luna e Silva (Universidade Estadual

Leia mais

PROGRAMA CIDADE AMIGA DA PESSOA IDOSA. Dra. Karla Lisboa Consultora Técnica Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS

PROGRAMA CIDADE AMIGA DA PESSOA IDOSA. Dra. Karla Lisboa Consultora Técnica Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS PROGRAMA CIDADE AMIGA DA PESSOA IDOSA Dra. Karla Lisboa Consultora Técnica Organização Pan-Americana da Saúde - OPAS Contextualização: marco jurídico https://www.unfpa.org/sites/default/files/pub-pdf/older_persons_report.pdf

Leia mais

Como empoderar o paciente como aliado na prevenção de eventos adversos

Como empoderar o paciente como aliado na prevenção de eventos adversos Como empoderar o paciente como aliado na prevenção de eventos adversos Infecções hospitalares As Infecções relacionadas a assistência a saúde são uma das principais causas de danos iatrogêncios em todo

Leia mais

Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital. Mara Lílian Soares Nasrala

Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital. Mara Lílian Soares Nasrala Paciente Certo no Lugar Certo Gestão de Fluxo no Hospital Mara Lílian Soares Nasrala HOSPITAL SANTA ROSA Indicadores - 2016 Leitos Instalados 180 Leitos UTI 61 Cirurgias 11.722 PA 75.034 Fundado em 1997-19

Leia mais

PARECER COREN-SP 010/2015 CT Processo nº 3851/2015 Tíckets nºs: , , e

PARECER COREN-SP 010/2015 CT Processo nº 3851/2015 Tíckets nºs: , , e PARECER COREN-SP 010/2015 CT Processo nº 3851/2015 Tíckets nºs: 417.552, 420.969, 420.212 e 420.250 Ementa: Uso da Classificação Internacional da Atenção Primária (CIAP) por Enfermeiros que atuam em Atenção

Leia mais

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL Autores: Liliane Parussolo Nogueira Fernandes Ana Cristina Rossetti Eliete J. Bernardo dos Santos Introdução A

Leia mais

Qualidade dos registros de enfermagem antes e depois da Acreditação Hospitalar em um hospital universitário 1

Qualidade dos registros de enfermagem antes e depois da Acreditação Hospitalar em um hospital universitário 1 Rev. Latino-Am. Enfermagem 2016;24:e2813 DOI: 10.1590/1518-8345.0686.2813 Artigo Original Qualidade dos registros de enfermagem antes e depois da Acreditação Hospitalar em um hospital universitário 1 Aline

Leia mais

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1089/16 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1089/16 ENFERMEIRO

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1089/16 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1089/16 ENFERMEIRO Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1089/16 ENFERMEIRO CADASTRO RESERVA DE CANDIDATOS LOTAÇÃO: COORDENAÇÃO DE ENFERMAGEM DESCRIÇÃO SUMÁRIA: Prestar assistência de enfermagem individualizada aos pacientes,

Leia mais

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO

ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO ANÁLISE DOS INDICADORES DE ASSISTÊNCIA AO PACIENTE CIRÚRGICO Thatianny Tanferri de Brito PARANAGUÁ; Ana Lúcia Queiroz BEZERRA. Faculdade de Enfermagem Universidade Federal de Goiás ttb.paranagua@gmail.com;

Leia mais

A importancia da realização da Anamnese e do Exame Fisico M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J )

A importancia da realização da Anamnese e do Exame Fisico M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) A importancia da realização da Anamnese e do Exame Fisico MARIA DA CONCEIÇÃ O MUNIZ RIBEIRO M E S T R E E M E N F E R M A G E M ( U E R J ) Conceito de Anamnese A anamnese (do grego anamnesis significa

Leia mais

Joint Comission International - JCI

Joint Comission International - JCI Joint Comission International - JCI Além dos padrões ONA, no Brasil, também é possível a acreditação pelos padrões da Joint Commission International (JCI), a divisão internacional da Joint Commission (EUA),

Leia mais

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer

Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade. Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer Cuidados em Oncologia: o Desafio da Integralidade Gelcio Luiz Quintella Mendes Coordenador de Assistência Instituto Nacional de Câncer O que é integralidade? s.f. 1 qualidade do que é integral, 1.1 reunião

Leia mais

Melhoria de Processo Assistencial: Passagem de Plantão (Lean Six Sigma) Claudia Laselva. VI Simpósio Internacional de Enfermagem 2012

Melhoria de Processo Assistencial: Passagem de Plantão (Lean Six Sigma) Claudia Laselva. VI Simpósio Internacional de Enfermagem 2012 Melhoria de Processo Assistencial: Passagem de Plantão (Lean Six Sigma) Claudia Laselva VI Simpósio Internacional de Enfermagem 2012 Tema Central Enfermagem prática, segura e sustentável Passagem de Plantão

Leia mais

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1159/18 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1159/18 ENFERMEIRO

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1159/18 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1159/18 ENFERMEIRO Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1159/18 ENFERMEIRO Lotação: Coordenação de Enfermagem DESCRIÇÃO SUMÁRIA: Prestar assistência de enfermagem individualizada aos pacientes, críticos e não críticos, durante

Leia mais

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS DESENVOLVIDAS NO ANO DE Faculdade de Medicina -Universidade Federal da Bahia

RELATÓRIO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS DESENVOLVIDAS NO ANO DE Faculdade de Medicina -Universidade Federal da Bahia RELATÓRIO DAS ATIVIDADES ACADÊMICAS DESENVOLVIDAS NO ANO DE 2010.2 Faculdade de Medicina -Universidade Federal da Bahia 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do Docente: LÍSIA MARCÍLIO RABELO Regime de Trabalho: DE (Dedicação

Leia mais

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1107/17 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1107/17 ENFERMEIRO

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1107/17 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1107/17 ENFERMEIRO Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1107/17 ENFERMEIRO CADASTRO RESERVA DE CANDIDATOS Lotação: Coordenação de Enfermagem DESCRIÇÃO SUMÁRIA: Prestar assistência de enfermagem individualizada aos pacientes,

Leia mais

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM

II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM II SIEPS XX ENFERMAIO I MOSTRA DO INTERNATO EM ENFERMAGEM Fortaleza - CE 23 a 25 de Maio de 2016 SISTEMATIZAÇÃO DA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM APLICADO A UM PACIENTE COM AIDS: UM RELATO DE EXPERIÊNCIA Mariane

Leia mais

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS

SUPORTE FAMILIAR DE ENFERMAGEM NA UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS 2º Encontro Interdisciplinar em Cuidados Paliativos Da Secção Regional do Sul da Ordem dos Enfermeiros DETALHES EM PALIATIVOS Enfº. Paulo Ramires Enfª. Vanda Almeida UNIDADE DE CUIDADOS PALIATIVOS CHBM,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA ESTE DOCUMENTO NÃO SUBSTITUI O ORIGINAL 0 Programa Analítico de Disciplina Departamento de Medicina e Enfermagem - Centro de Ciências Biológicas e da Saúde Número de créditos: 3 Teóricas Práticas Total Duração em semanas: 15 Carga horária semanal

Leia mais

Revisão de Literatura: como fazer?

Revisão de Literatura: como fazer? Universidade de São Paulo Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto Revisão de Literatura: como fazer? Enfa. Ms. Mônica Cristina Ribeiro A. A. de lima Ribeirão Preto 2017 REVISÕES REVISÕES Necessitam de métodos

Leia mais

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1148/18 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1148/18 ENFERMEIRO

Serviço de Gestão do Fator Humano - Recrutamento e Seleção PROC. Nº 1148/18 Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1148/18 ENFERMEIRO Rev. 02 Pág.1/5 PROCESSO SELETIVO N 1148/18 ENFERMEIRO CADASTRO RESERVA DE CANDIDATOS Lotação: Coordenação de Enfermagem DESCRIÇÃO SUMÁRIA: Prestar assistência de enfermagem individualizada aos pacientes,

Leia mais

Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor

Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor Núcleos Clínico-Cirúrgicos InCor Conceito Estrutura composta por Unidades Clínicas, Cirúrgicas e de Diagnóstico do InCor que apresentam atividades afins. O objetivo da criação dos Núcleos é melhorar a

Leia mais

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde

Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde Áreas Temáticas BVS Atenção Primária à Saúde SINAIS E SINTOMAS Sinais, sintomas, observações e manifestações clínicas que podem ser tanto objetivas (quando observadas por médicos) como subjetivas (quando

Leia mais

Abreviaturas e Siglas

Abreviaturas e Siglas ÍNDI Abreviaturas e Siglas ANOVA Analysis of Variance ACO Anticoagulantes Orais AVK Antagonista da Vitamina K CIPE Classificação Internacional para a Prática de Enfermagem cit. citado ICN International

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

Enfermagem/UFRGS; Porto Alegre, Brasil.

Enfermagem/UFRGS; Porto Alegre, Brasil. da Costa Linch, G. F., Müller-Staub, M., & Rabelo, E. R. (2010). Quality of nursing records and standardized language: analysis and comments. Online Brazilian Journal of Nursing, 9(2). Qualidade dos registros

Leia mais

FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA UMA PRÁTICA SEGURA E SUSTENTÁVEL. MAGNET RECOGNITION PROGRAM 29 de setembro 2012

FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA UMA PRÁTICA SEGURA E SUSTENTÁVEL. MAGNET RECOGNITION PROGRAM 29 de setembro 2012 FERRAMENTAS DE GESTÃO PARA UMA PRÁTICA SEGURA E SUSTENTÁVEL MAGNET RECOGNITION PROGRAM 29 de setembro 2012 Elisa Reis Consultora de Qualidade e Segurança Coordenadora do Programa Magnet Instituições Magnet

Leia mais

Sistemas de monitoramento de pacientes

Sistemas de monitoramento de pacientes Sistemas de monitoramento de pacientes Eliza Cristiane de Carvalho Natália de Souza Leite Biomedicina Tópicos de Pesquisa em Informática CI242 Orientadora: Profª Dra. Carmem Hara O que é monitoramento

Leia mais

DRG BRASIL IAG Saúde - MG

DRG BRASIL IAG Saúde - MG DRG BRASIL IAG Saúde - MG CENÁRIO DO SISTEMA DE SAÚDE BRASILEIRO CENÁRIO DA REDE HOSPITALAR BRASILEIRA Dívida de 800 milhões de dólares dos hospitais privados Medicina S/A Crise financeira ronda hospitais

Leia mais