Adoção de CDS no Hospital Digital. Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adoção de CDS no Hospital Digital. Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria"

Transcrição

1 Adoção de CDS no Hospital Digital Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria

2 Contato Claudio Giulliano Alves da Costa HIMSS Analytics Certified Consultant

3

4 Gartner Hype Cycle for Healthcare Provider Applications, Analytics and Systems 2015

5

6

7 Definição de CDS Funcionalidade de um prontuário eletrônico com o objetivo de prover informações para melhorar a saúde e a assistência. Adaptado de Eligible Professional Meaningful Use Core Measures, Measure 11 of 14

8

9 Cinco certos do CDS A informação correta Para o profissional correto No formato correto da intervenção baseada em evidências, adequada para guiar uma ação, sensível ao contexto todos os membros da equipe assistencial e os pacientes. alertas, prescrições padrões ou informações de referência Através do canal correto PEP, RES, Web ou dispositivos móveis No momento certo do processo/fluxo horário da decisão, ação ou ponto de controle Fonte: AHRQ Agency for Healthcare Research and Quality

10

11 Intervenções do CDS A. CDS durante a entrada de dados 1. Formulários inteligentes 2. Prescrições padrões, plano terapêutico e protocolos 3. Guia de parâmetros 4. Críticas e lembretes alertas imediatos C. CDS durante a avaliação 8. Informações de referência e bases de conhecimento 9. Sistemas especialistas B. CDS durante a análise dos dados 5. Sumário clínico 6. Monitores multi-pacientes e dashboards 7. Análises retrospectivas e preditivas D. CDS disparado sem uma ação do usuário 10. Alertas e lembretes baseados nos dados do paciente Fonte: Improving Outcomes with Clinical Decision Support An implementer s Guide

12 Tipos de CDS Passivo Acesso e valorização da informação relevante do paciente Ativo Acesso ao conhecimento clínico e evidências, com diretrizes e protocolos Interativo Apoio à decisão durante a prescrição e documentação clínica Fonte:

13

14

15 Nível Nível 1: checagem de erros durante a prescrição Sistema, Usuário e Requisitos de Gestão Baixo Nível 2: alertas durante a prescrição com um sistema baseado em regras Médio Nível 3: sistema baseado em regras com alertas disparados de acordo com as anotações no prontuário Alto Fonte:

16 Reconciliação da medicação Medicamentos na admissão e alta Prescrição Eletrônica Prescrição de medicamentos Sistemas de apoio à decisão clínica no POC emar Registro completo administração dos medicamentos (checagem no sistema) Farmácia e Enfermagem Validação da prescrição e dispensação com unitarização (ex.:adm) Fonte: Administração dos medicamentos Identificação segura da enfermeira, paciente e medicação na beira-leito Dispensadores automáticos opcional

17 Duplicidade Alergias Dose fora do padrão Dose acumulada acima do limite Interação medicamentosa Interação medicamento resultado exame laboratorial Interação medicamento com dieta Situação clínica do paciente

18 CDS faz diferença! Fonte: Enrico Coeira

19 Representação dos hospitais classificados como "A" pela Leapfrog Hospital Safety Grade por estágio de EMRAM 100,0% 90,0% 80,0% 70,0% 60,0% 50,0% Ponto crítico 40,0% 30,0% 20,0% 10,0% 0,0% 62,6% 30,8% 20,1% 21,8% 12,8% 14,3% 5,9% 0,0% Stage 0 Stage 1 Stage 2 Stage 3 Stage 4 Stage 5 Stage 6 Stage 7 Fonte: HIMSS Analytics

20 HIT Improving Safety and Quality - 1 Meaningful Use Functionalities have Positive Effects on Health Care Quality, Safety and Efficiency Source: ONC Systematic Review of Literature from

21 HIT Improving Safety and Quality - 2 Three times as many physicians reported that their EHR prevented a potential medication error than caused one Based on the 2013 NAMCS Physician Workflow Survey. 6

22 HIT Improving Safety and Quality -3 More than half of all physicians using EHRs reported positive impacts associated with their EHRs general alerts and reminder functions Based on the 2013 NAMCS Physician Workflow Survey. 7

23 Benefícios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos com CDS 23-56% 45-77% 10% 1 h 71% Redução no número de eventos adversos com medicamentos reportados Redução nos eventos adversos com medicamentos observados Redução de erros que causaram algum dano Redução no tempo total gastos pela enfermagem para o registro da administração de medicamentos em cada turno Redução no número de etapas na administração de medicamentos, de 17 para 5 etapas Source:

24 Recomendações sobre CDS 1. Considerar os 5 certos do CDS 2. Planejar a intervenção do apoio à decisão clínica 3. Utilizar bases de conhecimento internacionais 4. Integrar aos sistemas e processos atuais 5. Medir o impacto na assistência

25

26

27

28

29 Safer Guides Fonte:

30 Obrigado! Dr. Claudio Giulliano Alves da Costa MD, MSc, CPHIMS Diretor da FOLKS Consultoria

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III

Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Beneficios do Circuito Fechado da Administração de Medicamentos (CLMA) Hospital Unimed Recife III Brasil 2016 Erros de medicações Na Inglaterra, um levantamento em 19 hospitais apontou que uma em cada

Leia mais

Experiência do uso de um dispositivo eletrônico móvel à beira leito na promoção da segurança da cadeia medicamentosa

Experiência do uso de um dispositivo eletrônico móvel à beira leito na promoção da segurança da cadeia medicamentosa Experiência do uso de um dispositivo eletrônico móvel à beira leito na promoção da segurança da cadeia medicamentosa Carlos Eduardo Alves Cardoso Silvana Coelho Pinheiro Viviane Ernesto Iwamoto Introdução

Leia mais

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO HOSPITALARES:

SISTEMAS DE INFORMAÇÃO HOSPITALARES: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO HOSPITALARES: PROGRESSOS E AVANÇOS por Marco Antonio Gutierrez 49 / 65 COMPLETADA A PRIMEIRA DÉCADA do século 21 e, para a maioria dos pacientes, uma consulta médica ou uma internação

Leia mais

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado.

Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Define-se Acreditação como um sistema de avaliação e certificação da qualidade de serviços de saúde, voluntário, periódico e reservado. Uma maneira diferente de focar a avaliação. Processo interativo,

Leia mais

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style

08/04/2016. Click to edit Master subtitle style Click to edit Master subtitle style CHECAGEM BEIRA LEITO Hospital Unimed Recife III Autor: Dr. Fernando José Barbosa da Cruz Diretor Médico Enf Ana Paula Vasconcelos de Farias Supervisora Geral de Enfermagem

Leia mais

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR

MEDICAMENTO DE USO PRÓPRIO - DOMICILIAR 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta CESC, FA, LAS, RFC. 1 Objetivo Validar Estabelecer processo de segurança para o paciente

Leia mais

O que é o Modelo de Adoção do Registo Médico Eletrônico (EMRAM) da HIMSS? Qual a sua função?

O que é o Modelo de Adoção do Registo Médico Eletrônico (EMRAM) da HIMSS? Qual a sua função? O que é o Modelo de Adoção do Registo Médico Eletrônico (EMRAM) da HIMSS? Qual a sua função? Sobre a HIMSS Analytics Proprietária, sem fins lucrativos subsidiária totalmente detida pela Healthcare Information

Leia mais

PATROCINADORES PRINCIPAIS

PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS PATROCINADORES PRINCIPAIS Apoio Institucional Patrocinadores Globais APDSI Contributos para a transformação no setor da Saúde As TIC e a Saúde no Portugal de Hoje 2016 APDSI -

Leia mais

Glintt. Sistemas e Tecnologias de Informação e Comunicação. Escola Nacional de Saúde Pública, 9 de Maio de 2015

Glintt. Sistemas e Tecnologias de Informação e Comunicação. Escola Nacional de Saúde Pública, 9 de Maio de 2015 Glintt Sistemas e Tecnologias de Informação e Comunicação Escola Nacional de Saúde Pública, 9 de Maio de 2015 1. Glintt Enquadramento Numerologia Principais números associados à operação da Glintt: + 1.300

Leia mais

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos

Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Farmácia Clínica e uso racional de antimicrobianos Portaria MS 2.616 / 98 regulamenta as ações de controle de infecção hospitalar no país Estabelece o serviço de farmácia como membro consultor da Comissão

Leia mais

O Desafio do Prontuário Eletrônico

O Desafio do Prontuário Eletrônico O Desafio do Prontuário Eletrônico SOUZA J. G. A.; BOULANGER A.; LANDSBERG.G. Unimed-BH INTRODUÇÃO Contexto e Porte da Rede Núcleos de Atenção à Saúde Atenção Domiciliar Unimed Maternidade Unimed Centro

Leia mais

Sistemas de monitoramento de pacientes

Sistemas de monitoramento de pacientes Sistemas de monitoramento de pacientes Eliza Cristiane de Carvalho Natália de Souza Leite Biomedicina Tópicos de Pesquisa em Informática CI242 Orientadora: Profª Dra. Carmem Hara O que é monitoramento

Leia mais

Impacto que a documentação clínica pode trazer ao paciente

Impacto que a documentação clínica pode trazer ao paciente 1 2 Impacto que a documentação clínica pode trazer ao paciente Exigência de garantia qualidade para softwares que armazenam e/ou manipulam informações em saúde. Usuários e consumidores precisam de uma

Leia mais

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR

Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/ Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 14/01/ Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 de 5 Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 16/11/2012 1.00 Proposta inicial CESC, FA, LAS, RFC. 2.00 Atualização CESC, LAS, MBJ, CAMS, LR 1 Objetivo Promover assistência

Leia mais

Valorização da Implementação de Standards no Circuito do Medicamento

Valorização da Implementação de Standards no Circuito do Medicamento Valorização da Implementação de Standards no Circuito do Medicamento III Seminário Internacional de Saúde: Standards ao Serviço da Segurança do Doente Nelson Martins 23 Junho 2016 TÍTULO XPTO 2 Subtítulo

Leia mais

PACIENTES QUEREM UMA ALTA DOSE DE DIGITAL

PACIENTES QUEREM UMA ALTA DOSE DE DIGITAL PACIENTES QUEREM UMA ALTA DOSE DE DIGITAL Os consumidores na área da saúde no Brasil querem um atendimento digital e iniciam essa experiência com maior utilização de ferramentas digitais e prontuários

Leia mais

Saúde para São Paulo

Saúde para São Paulo istock/getty Images Objetivos Ferramenta Integrada de Gestão e Governança Registro Eletrônico de Saúde RES Sistema para registro, recuperação e manipulação das informações de um Registro Eletrônico em

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM

Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM Farmácia Circuito do Medicamento integrado no SGICM 1 2 Sistema de Gestão Integrado do Circuito do Medicamento - SGICM O SGICM como parte integrante do circuito do medicamento apresenta como vantagens:

Leia mais

Identificação Visual x Segurança do Paciente. Farm. Me. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento Membro do Conselho Científico do ISMP Brasil

Identificação Visual x Segurança do Paciente. Farm. Me. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento Membro do Conselho Científico do ISMP Brasil Identificação Visual x Segurança do Paciente Farm. Me. Mariana Martins Gonzaga do Nascimento Membro do Conselho Científico do ISMP Brasil O ISMP BRASIL O ISMP NO MUNDO USA Canadá Espanha Brasil O ISMP

Leia mais

Internamento. Circuito do Medicamento. Prescrição. Validação Farmácia. Alertas. Administração. Monitorizações. Mais que ideias... Criamos Soluções...

Internamento. Circuito do Medicamento. Prescrição. Validação Farmácia. Alertas. Administração. Monitorizações. Mais que ideias... Criamos Soluções... Alertas Administração Monitorizações Dose Unitária Validação Farmácia A ST+I tem como missão Ser uma referência Internacional de elevado valor, nos domínios da, garantindo a sustentabilidade das empresas

Leia mais

Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês

Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês Circuito Fechado do Medicamento no Sírio-Libanês Débora C M F de Carvalho Gerente de Farmácia Regina M Y Conishi Gerente Administrativa de Enfermagem Assistência farmacêutica Debora C M F de Carvalho Gerente

Leia mais

Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller

Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller Identificação Visual x Segurança do Paciente Shirley Frosi Keller Farmacêutica pela ULBRA - 1997 Coordenadora Serviço de Farmácia do HMV 1997 - Jul/15 Coordenadora Serviço de Farmácia da Hospitalar Home

Leia mais

Segurança do doente; segurança na medicação; reconciliação da medicação. Instituições prestadoras de cuidados de saúde do Sistema de Saúde

Segurança do doente; segurança na medicação; reconciliação da medicação. Instituições prestadoras de cuidados de saúde do Sistema de Saúde NORMA NÚMERO: 018/2016 DATA: 30/12/2016 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Reconciliação da medicação Segurança do doente; segurança na medicação; reconciliação da medicação Instituições prestadoras

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues

IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE. PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE PEPEnf- PROGRAMA DE EDUCAÇAÇÃO PERMANENTE ENFERMAGEM Enf ª Rosangela O. Rodrigues QUAL A FINALIDADE DA IDENTIFICAÇÃO? É assegurar que o cuidado seja prestado à pessoa, prevenindo

Leia mais

Trajetória do Hospital Samaritano para Paperless. Lilian Correia Hospital Samaritano de São Paulo

Trajetória do Hospital Samaritano para Paperless. Lilian Correia Hospital Samaritano de São Paulo Trajetória do Hospital Samaritano para Paperless Lilian Correia Hospital Samaritano de São Paulo Paperless Eliminação ou redução do uso de papel na rotina das empresas, obtida através da utilização de

Leia mais

CMD - Conjunto Mínimo de Dados da Atenção à Saúde

CMD - Conjunto Mínimo de Dados da Atenção à Saúde CMD - Conjunto Mínimo de Dados da Atenção à Saúde MDH - Minimum Dataset Healthcare SISRCA - Sistema de Regulação Controle e Avaliação Projeto para modernização das bases de dados essenciais e dos sistemas

Leia mais

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Segurança no uso de Medicamentos de Alta Vigilância (MAV)

Sistema de Gestão da Qualidade PROTOCOLO: Segurança no uso de Medicamentos de Alta Vigilância (MAV) PROCESSO ESPECÍFICO: Unidades de Internação, Unidades de, Atendimento Página: 1/7 1. INTRODUÇÃO Os medicamentos de Alta Vigilância são aqueles que possuem risco aumentado de provocar danos significativos

Leia mais

Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016)

Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016) Ferramenta de rastreamento global: uma revisão das evidências (edição de 2016) Relatório da Health Quality & Safety Commission New Zealand Sumário executivo Introdução: A atenção dedicada recentemente

Leia mais

Prof. Márcio Batista

Prof. Márcio Batista Prof. Márcio Batista OBJETIVOS DA AULA Conhecer os principais conceitos em farmácia hospitalar. Conhecer os aspectos técnicos e legais de localização, construção e instalação e estruturação da farmácia

Leia mais

Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar. Inovação na Farmácia Hospitalar

Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar. Inovação na Farmácia Hospitalar Debate em foco Tendências e Inovação no Segmento Hospitalar Inovação na Farmácia Hospitalar Nossa instituição hoje 439 Leitos Operacionais UTI com 57 leitos Unidades Críticas 62 leitos 19 Salas Cirúrgicas

Leia mais

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE. Diretoria de Tecnologia e Sistemas

REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE. Diretoria de Tecnologia e Sistemas REGISTRO ELETRÔNICO DE SAÚDE Diretoria de Tecnologia e Sistemas Maio/2013 AGENDA OBS. USO DA TI NA QUALIDADE ASSISTENCIAL EXEMPLO Número de reinternações no mesmo hospital com o mesmo diagnóstico por um

Leia mais

MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM

MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM REVISTA GESTÃO & SAÚDE (ISSN 1984-8153) 1 MANIPULAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS PELA EQUIPE DE ENFERMAGEM RESUMO HANDLING AND DRUG ADMINISTRATION FOR THE NURSING STAFF Daniela Silveira PEREIRA 1

Leia mais

CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE

CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE CLICK TO EDIT MASTER TITLE STYLE Click to edit Master text styles Second level Third level Fourth level» Fifth level Digital Hospital: How to improve patient care and profitability Cláudio Giulliano Alves

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE IV ENCONTRO GOIANO DE GERENCIAMENTO DE RISCOS PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE Programa Nacional de Segurança Do Paciente Thais Yoshida Enfermeira Coordenadora do Núcleo Interno de Segurança do Paciente

Leia mais

Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Abril 2014 I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança

Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Abril 2014 I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança Dra. Sandra Abrantes Krug Seabra Abril 2014 I Congresso Internacional sobre Segurança do Paciente ISMP Brasil V Fórum Internacional sobre Segurança do Paciente: Erros de Medicação Fatores Críticos de Sucesso

Leia mais

Treinamento admissional e sua efetividade no processo de administração de medicamento. Maria das Graças S. Matsubara

Treinamento admissional e sua efetividade no processo de administração de medicamento. Maria das Graças S. Matsubara Treinamento admissional e sua efetividade no processo de administração de medicamento Maria das Graças S. Matsubara Agenda Conceitos sobre erro medicação Notificações erro medicação Prevenção erro vs treinamento

Leia mais

Soluções que facilitam a gestão da saúde

Soluções que facilitam a gestão da saúde Soluções que facilitam a gestão da saúde A Hospidata Mais eficiência na gestão de saúde Empresa do grupo MV, líder brasileira em soluções de tecnologia para gestão da saúde, a Hospidata oferece um portfólio

Leia mais

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems)

Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Sistemas de Informação Hospitalares (Healthcare Information Systems) Tópicos Contexto Evolução Requisitos de Informação Benefícios Funções e Componentes Futuro HCIS - Contexto Organizações de saúde são

Leia mais

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara

Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática. Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois. Apresentado por: Carmem Hara Capítulo 1 Informática Biomédica: Ciência e Prática Edward H. Shortliffe e Marsden S. Blois Apresentado por: Carmem Hara Sumário 1) Registro eletrônico de pacientes 2) Impacto da Internet nos tratamentos

Leia mais

VÍDEO INSTITUCIONAL UNIMED VALE DO SINOS/RS

VÍDEO INSTITUCIONAL UNIMED VALE DO SINOS/RS VÍDEO INSTITUCIONAL UNIMED VALE DO SINOS/RS HOSPITAL UNIMED VALE DO SINOS/RS CENTRO DE ONCOLOGIA Viabilidade e desempenho da equipe multidisciplinar Foto1 1.1 NECESSIDADE DO SERVIÇO - Reduzir o alto custo

Leia mais

O Conceito de Segurança do Paciente

O Conceito de Segurança do Paciente O Conceito de Segurança do Paciente Helena Barreto dos Santos Médica Coordenadora do Programa Qualidade e Informação em Saúde Hospital de Clínicas de Porto Alegre hbsantos@hcpa.edu.br apresentação/declaração

Leia mais

Saber online. como é investido cada real do SUS na saúde do brasileiro

Saber online. como é investido cada real do SUS na saúde do brasileiro Saber online como é investido cada real do SUS na saúde do brasileiro Informatização é prioridade PRIORIDADE DE GESTÃO Integrar o controle das ações, permitindo o melhor atendimento ao cidadão, a correta

Leia mais

Manual Ilustrado Cadastros de Registro e Controle

Manual Ilustrado Cadastros de Registro e Controle Manual Ilustrado Cadastros de Registro e Controle Dezembro - 2014 Índice Título do documento 1. Objetivos... 3 2. Introdução... 3 3. Cadastro de Sala... 3 3.1 Cadastrando Sala... 3 4. Cadastro de Procedência...

Leia mais

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO)

Cirurgia Segura-TIME OUT em Sala Operatória (SO) Enfª Débora Cabral Nunes Hospital Unimed de Sorocaba Encontro Nacional Unimed de Recursos e Serviços Próprios e Jornadas Nacionais Unimed de Enfermagem, Nutrição e Farmácia Hospitalar 2011 Cirurgia Segura-TIME

Leia mais

Apresentação. Componentes essenciais para programas de prevenção e controle de Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde (IRAS)

Apresentação. Componentes essenciais para programas de prevenção e controle de Infecções Relacionadas a Assistência a Saúde (IRAS) Componentes essenciais para programas de prevenção e controle de Infecções Relacionadas a Maria Clara Padoveze Escola de Enfermagem Universidade de São Paulo São Paulo, Brasil Setembro 13, 2017 Apresentação

Leia mais

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica

Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa. Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica Segurança na Cadeia Terapêutica Medicamentosa Marinei Ricieri Farmacêutica Clínica 21-Maio-2014 1 O que (quem) é a Cadeia Terapêutica Medicamentosa? 2 É um sistema complexo de fornecimento de medicação.

Leia mais

APLICAÇÃO DO LEAN THINKING NO SETOR DA SAÚDE

APLICAÇÃO DO LEAN THINKING NO SETOR DA SAÚDE APLICAÇÃO DO LEAN THINKING NO SETOR DA SAÚDE Enf. Alex Silva Chefe do Departamento de Emergência Adulto Novembro/2016 Escritório Corporativo da Qualidade Pronto Socorro Adulto Pompeia Estrutura 6 - Box

Leia mais

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes

Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes Contribuições do SISTEMA BRASILEIRO DE ACREDITAÇÃO para a Melhoria da Qualidade da Assistência e Segurança dos Pacientes ABRIL/2011 O Universo de Atuação População 190.732.694 habitantes Fonte: IBGE 2010

Leia mais

UM POUCO DO NOSSO TRABALHO. Desenvolvimento de produtos digitais

UM POUCO DO NOSSO TRABALHO. Desenvolvimento de produtos digitais UM POUCO DO NOSSO TRABALHO Desenvolvimento de produtos digitais Desenvolvemos produtos digitais com inteligência e tecnologia. Somos especialistas em comportamento digital e criamos experiências que impulsionam

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO GERÊNCIA DE INFORMÁTICA Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e valores dispendidos TI 2015 Jan.2016 Projetos de TI executados em 2015 Resultados esperados e

Leia mais

Material preparado e disponibilizado por: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet Enfermeiro Epidemiologista do Serviço de. Hospital Israelita Albert Einstein SP

Material preparado e disponibilizado por: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet Enfermeiro Epidemiologista do Serviço de. Hospital Israelita Albert Einstein SP Material preparado e disponibilizado por: Luiz Carlos Ribeiro Lamblet Enfermeiro Epidemiologista do Serviço de Controle o de Infecção Hospitalar osptaa Hospital Israelita Albert Einstein SP 2009 Manual

Leia mais

Prontuário Eletrônico do Paciente com base no atendimento ambulatorial distribuído

Prontuário Eletrônico do Paciente com base no atendimento ambulatorial distribuído Prontuário Eletrônico do Paciente com base no atendimento ambulatorial distribuído Marisa Munaretto Amaral 1, Prof. Dr. Paulo Bandiera Paiva 2 1 Programa de Pós Graduação em Informática (PPGI), Universidade

Leia mais

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral

O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral O PEP como Instrumento de Otimização Clinica Marcos Sobral São Paulo, 19 de setembro de 2005 Agenda Introdução Desafios MVPEP Formas de acessos Funcionalidades Formulários eletrônicos Índices clínicos

Leia mais

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R

P R O T O C O L O M U L T I D I S C I P L I N A R Controle Nome/Cargo Assinatura Daniela Alencar Moreira Liciana Leticia de Maraes Diego Antonio de S. Fidelis Coordenador de Farmácia Dr. Jorge Lafeta Coordenador CTI Dr. Fábio Liberalli Coordenador Pronto

Leia mais

Porto Alegre/RS EGL

Porto Alegre/RS EGL Documentos-Fonte (Documentos Originais) Dra. Eliana G. Lordelo Definição São todos os documentos, dados e registros originais que foram gerados por um atendimento a um Sujeito de Pesquisa durante um Estudo

Leia mais

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC

A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC A experiência dos Serviços Farmacêuticos da ARSC O que fazemos na gestão da medicação nos cuidados de saúde primários (e não só!) Catarina de Oliveira Coelho Serviços Farmacêuticos ARS Centro 19 de abril

Leia mais

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica.

Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Certificação Joint Commission no Programa de Dor Torácica. Enf. Ana Paula de Mattos Coelho Hemodinâmica - Hospital TotalCor E-mail: acoelho@totalcor.com.br Joint Commission Acreditação do atendimento hospitalar;

Leia mais

Questões éticas e legais do prontuário do paciente: da teoria à prática

Questões éticas e legais do prontuário do paciente: da teoria à prática Questões éticas e legais do prontuário do paciente: da teoria à prática Mariza Klück e José Ricardo Guimarães Comissão de Prontuários de Pacientes / Hospital de Clínicas de Porto Alegre Universidade Federal

Leia mais

Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul 10 anos

Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul 10 anos Centro de Informações sobre Medicamentos do Rio Grande do Sul 10 anos Mesa-redonda redonda: Fármacos e Medicamentos: a informação ao seu alcance Prof. José Gilberto Pereira Associação Brasileira de Informação

Leia mais

Melhoria na continuidade do cuidado do paciente CMC\Setor de Imagem

Melhoria na continuidade do cuidado do paciente CMC\Setor de Imagem Melhoria na continuidade do cuidado do paciente CMC\Setor de Imagem Sumário do Contrato de Projeto Objetivo do Projeto: Melhorar a continuidade da assistência de enfermagem dos pacientes internados na

Leia mais

Prontuário. Sistema Unimed. Dr. Antonio Cesar Azevedo Neves Diretor de Tecnologia da Informação

Prontuário. Sistema Unimed. Dr. Antonio Cesar Azevedo Neves Diretor de Tecnologia da Informação Prontuário Eletrônico no Sistema Unimed Dr. Antonio Cesar Azevedo Neves Diretor de Tecnologia da Informação Sistema Unimed Sistema Unimed 16,5 milhões de clientes 109 mil médicos cooperados 73 mil empresas

Leia mais

Gestão de Estoque Hospitalar

Gestão de Estoque Hospitalar II Forum de Lean Healthcare de São Paulo Gestão de Estoque Hospitalar Jorge Luiz Bison Mauricio Jacó Cerri UNIMED Araras Hospital Próprio em Araras e Leme SP 50.000 vidas (Araras, Leme e Conchal) 700+

Leia mais

Prontuário Eletrônico. Guia rápido para médicos

Prontuário Eletrônico. Guia rápido para médicos Prontuário Eletrônico Guia rápido para médicos Prontuário Eletrônico Central de mensagens pág. 2 Localizar paciente pág. 3 Prescrição - Adicionar Prescrição - Como preencher e assinar detalhes da prescrição

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho

GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho GOVERNANÇA CLÍNICA: como aumentar a efe9vidade (PRODUTIVIDADE) do uso do leito hospitalar? José Carlos Serufo Filho Soluções Antes de propor soluções é necessário saber dimensionar o tamanho do seu problema,

Leia mais

Atenção farmacêutica especializada. Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica. Para poder... Objetivos dos tratamentos

Atenção farmacêutica especializada. Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica. Para poder... Objetivos dos tratamentos Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica William Rotea Junior Atenção farmacêutica especializada Objetiva atender a todas as necessidades relativas aos dos pacientes, com foco nas especificidades da doença

Leia mais

OS DESAFIOS E BARREIRAS DOS PROFISSIONAIS NAS DOENÇAS RARAS NO BRASIL DR. JOÃO GABRIEL LIMA DAHER

OS DESAFIOS E BARREIRAS DOS PROFISSIONAIS NAS DOENÇAS RARAS NO BRASIL DR. JOÃO GABRIEL LIMA DAHER OS DESAFIOS E BARREIRAS DOS PROFISSIONAIS NAS DOENÇAS RARAS NO BRASIL DR. JOÃO GABRIEL LIMA DAHER PROGRAMAÇÃO - CONCEITO DE DOENÇAS RARAS - PANORAMA MUNDIAL - PANORAMA BRASILEIRO - BARREIRAS DOS PROFISSIONAIS

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira

ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1. Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS AULA 1 Renata Loretti Ribeiro Ana Gabriela Trujilho Cancian Enfermeira INTRODUÇÃO É uma das maiores responsabilidades atribuídas ao profissional de enfermagem. Qualquer erro,

Leia mais

Claudia Laselva Março_2017

Claudia Laselva Março_2017 Certificação Magnet: o que aprendemos nesta trajetória Claudia Laselva Março_2017 O que é o Magnet? É um programa destinado a reconhecer organizações de saúde que oferecem o melhor cuidado de enfermagem.

Leia mais

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar

Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Rastrear Medicamentos em Ambiente Hospitalar Como melhorar as operações logísticas e garantir a segurança do paciente no circuito da Farmácia Hospitalar? Sofia Valongo Vasco Antunes Pereira 25 Junho 2015

Leia mais

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013.

Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Estratégias para a segurança do paciente na terapia medicamentosa Helaine Carneiro Capucho, DSc. Rio de Janeiro, 16 de abril de 2013. Total de Vidas perdidas por ano Serviços de Saúde são seguros?

Leia mais

Concurso Prêmio Farmacêutico Augusto Stellfeld CRF-PR 2013 FARMACÊUTICO É MAIS SAÚDE

Concurso Prêmio Farmacêutico Augusto Stellfeld CRF-PR 2013 FARMACÊUTICO É MAIS SAÚDE 1 Concurso Prêmio Farmacêutico Augusto Stellfeld CRF-PR 2013 FARMACÊUTICO É MAIS SAÚDE 2 AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS DOMICILIARES EM PACIENTES INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NA CIDADE

Leia mais

Simpósio de Terapia Infusional Segura

Simpósio de Terapia Infusional Segura Simpósio de Terapia Infusional Segura Rita T. V. Polastrini - Aesculap Academia São Paulo Maio - 2016 Protocolos Institucionais para a Segurança da Terapia Infusional Rita T. V. Polastrini - Aesculap Academia

Leia mais

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)

Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) Comissão de Estudo Especial de Informática em Saúde (CEE78-IS) GT4 Segurança da Informação e do Paciente 8ª Plenária CEE78IS 15/09/2015 APRESENTAÇÃO DO PROJETO

Leia mais

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO

Hospitalares(HIS) com o. e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Integração do Sistema de Informações Hospitalares(HIS) com o Sistema de Transmissão, Distribuição e Arquivamento de Imagens Médicas(PACS) Serviço de Informática - SINFO Instituto tuto do Coração de São

Leia mais

OBJETIVOS DA UNIDADE

OBJETIVOS DA UNIDADE OBJETIVOS DA UNIDADE Conhecer alguns dos desafios para a vinculação dos achados de pesquisas aos processos de formulação de políticas Discutir o conceito de tradução do conhecimento e sua importância para

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA

SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA SEGURANÇA DO PACIENTE: UMA DISCUSSÃO NECESSÁRIA Gerli Elenise Gehrke Herr1 Fabiele Aozane2 Adriane Cristina Bernat Kolankiewicz3 1 Enfermeira no Hospital Unimed Noroeste/RS. Especialista em Enfermagem

Leia mais

Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby

Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby Universidade Federal Fluminense Faculdade de Medicina Planejamento e Gerência em Saúde II Estudo de Caso Serviço de Emergência ProntoBaby Prof.ª Dra Luciana Alves Pereira Prof. Dr. Túlio Batista Franco

Leia mais

CIRURGIA SEGURA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/10/ Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS

CIRURGIA SEGURA. Data Versão/Revisões Descrição Autor 25/10/ Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS 1 de 8 Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autor 1.00 Proposta inicial MDS, DAL,IPAM,MMS 1 Objetivo Melhorar a segurança do paciente cirúrgico reduzindo danos

Leia mais

Cronograma de Educação Permanente 2016

Cronograma de Educação Permanente 2016 Cronograma de Educação Permanente 2016 JANEIRO FEVEREIRO Atendimento ao cliente s Favorecer diálogos sobre boas práticas de atendimento ao cliente. quimioterapia, equipe do SAME e colaboradores. MARÇO

Leia mais

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos.

de Estudos em Saúde Coletiva, Mestrado profissional em Saúde Coletiva. Palavras-chave: Reações adversas, antidepressivos, idosos. ANÁLISE DAS REAÇÕES ADVERSAS OCORRIDAS DEVIDO AO USO DE ANTIDEPRESSIVOS EM IDOSOS DO CENTRO DE REFERÊNCIA EM ATENÇÃO À SAÚDE DA PESSOA IDOSA CRASPI DE GOIÂNIA Gislaine Rosa de SOUZA 1 ; Ana Elisa Bauer

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA

GERENCIAMENTO DE RISCO DE QUEDA 1 de 5 PROTOCOLO Data de Emissão: Histórico de Revisão / Versões Data Versão/Revisões Descrição Autores 1.00 Proposta inicial MGO,ESS,MRM,PAD,GAA,FCA,AMR,RRM 1 Objetivo Implantar um processo de assistência

Leia mais

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc.

Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente. Helaine Carneiro Capucho, DSc. Implementação do Núcleo de Segurança do Paciente e elaboração do Plano de Segurança do Paciente Helaine Carneiro Capucho, DSc. 21 de março de 2016 2007 Implantação do Comitê de Segurança do Paciente

Leia mais

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança

Dimensão Segurança do Doente Check-list Procedimentos de Segurança 1. 1.1 1.2 Cultura de Segurança Existe um elemento(s) definido(s) com responsabilidade atribuída para a segurança do doente Promove o trabalho em equipa multidisciplinar na implementação de processos relativos

Leia mais

EXPERIENCIAS ACTUALES DE SPF EN EL MUNDO PORTUGAL. Henrique Santos Farmacéutico comunitário Instituto Pharmcare

EXPERIENCIAS ACTUALES DE SPF EN EL MUNDO PORTUGAL. Henrique Santos Farmacéutico comunitário Instituto Pharmcare EXPERIENCIAS ACTUALES DE SPF EN EL MUNDO PORTUGAL Henrique Santos Farmacéutico comunitário Instituto Pharmcare Source: CEFAR, Centre for Health Evaluation & Research (ANF Group) / hmr Cambios en 2007 1

Leia mais

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA

Ministério da Saúde - MS Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA RDC N 98, DE 1 DE AGOSTO DE 2016 Dispõe sobre os critérios e procedimentos para o enquadramento de medicamentos como isentos de prescrição e o reenquadramento como medicamentos

Leia mais

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema

Registro Eletrônico de Saúde Unimed. Números do Sistema Números do Sistema Números do Sistema 36 Prestadoras 300 Operadoras (30% das operadoras de saúde) 15 Federações Institucionais 351 Cooperativas 1 Confederação Nacional 1 Confederação Regional 1 Central

Leia mais

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura.

Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura. Seminários As Tecnologias de Informação e Comunicação e os Sistemas de Informação nos Hospitais: entre a oferta e a procura Artur Vaz 23 de Maio de 2015 To become the leading healthcare provider through

Leia mais

Como empoderar o paciente como aliado na prevenção de eventos adversos

Como empoderar o paciente como aliado na prevenção de eventos adversos Como empoderar o paciente como aliado na prevenção de eventos adversos Infecções hospitalares As Infecções relacionadas a assistência a saúde são uma das principais causas de danos iatrogêncios em todo

Leia mais

Gestão em Enfermagem II

Gestão em Enfermagem II Gestão em Enfermagem II Leiria, setembro 2015 Prof. Saudade Lopes 1 Sumário 1.ª aula (2h) 15/09/2015 1 Apresentação da UC 2 - Avaliação 3 Conceitos e funções de gestão. ObjeRvos Adquirir técnicas e procedimentos

Leia mais

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC

Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Controle de antimicrobianos: como eu faço? Rodrigo Duarte Perez Coordenador da C.C.I.H. do H.S.I. Blumenau / SC Hospital Santa Isabel 22.900m² de área construída. N total de leitos: 250. 20 leitos provisórios

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 005 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 005 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 005 / 2011 Assunto: Prescrição de medicamentos homeopáticos pelo Enfermeiro. 1. Do fato Solicitado parecer por enfermeira sobre a prescrição de medicamentos homeopáticos por Enfermeiro.

Leia mais

I-Group Care Gestão Hospitalar Rua Antonio de Camardo, 41 Tatuapé São Paulo SP TEL (11) CEL (11)

I-Group Care Gestão Hospitalar Rua Antonio de Camardo, 41 Tatuapé São Paulo SP TEL (11) CEL (11) Página 1 de 7 Proposta I-Group Care Controladoria Administrativa, Técnica e Financeira, inteligência de sistemas para gestão estratégica na área da Saúde. BREVE LISTA DE SERVIÇOS: CONTROLADORIA ADMINISTRATIVA

Leia mais

CQ dos sistemas de gerenciamento, verificação e transferência de dados

CQ dos sistemas de gerenciamento, verificação e transferência de dados CQ dos sistemas de gerenciamento, verificação e transferência de dados Camila Pessoa de Sales Física Médica Hospital das Clínicas e Hospital Beneficência Portuguesa Transferência de dados em RDT Aumento

Leia mais

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica

Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Regimento Interno da Comissão de Farmácia e Terapêutica Da natureza e finalidade Art. 1º - A Comissão de Farmácia e Terapêutica (CFT) é instância de caráter consultivo e deliberativo da Direção Médica

Leia mais

Farmacêutico na Área Hospitalar. Professor: Dr. Eduardo Arruda

Farmacêutico na Área Hospitalar. Professor: Dr. Eduardo Arruda Farmacêutico na Área Hospitalar Professor: Dr. Eduardo Arruda Introdução Administração de recursos materiais é intimamente ligada ao Farmacêutico Hospitalar; Medicamentos + correlatos = 75% $ no hospital;

Leia mais

Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica

Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica Farmácia Clínica & Prescrição Farmacêutica 1 O Uso Racional de Medicamentos (URM) no Contexto da Farmácia Clínica Maria Denise Ricetto Funchal Witzel Objetivo Expor e analisar os Benefícios da Farmácia

Leia mais

Segurança do paciente. Walter Mendes

Segurança do paciente. Walter Mendes Segurança do paciente Walter Mendes Qualidade na assistência à saúde Grau em que serviços de saúde para indivíduos e populações melhoram a probabilidade de ocorrência de resultados desejados e consistentes

Leia mais