ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANAIS DA 4ª MOSTRA DE TRABALHOS EM SAÚDE PÚBLICA 29 e 30 de novembro de 2010 Unioeste Campus de Cascavel ISSN"

Transcrição

1 CARGA DE TRABALHO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM DE UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA ADULTO SEGUNDO O TISS-28 Kelly Ribeiro 1 Anair Lazzari Nicola INTRODUÇÃO: A unidade de terapia intensiva (UTI) é destinada a internação de pacientes graves que necessitam de cuidados contínuos, assistência de profissionais especializados, recursos e tecnologias específicas adequadas para um diagnóstico e terapia assistencial, visando a sobrevida com qualidade desses indivíduos (BRASIL, 1998). A UTI é caracterizada como sendo um ambiente de elevada tensão o que gera sobrecarga física e mental aos membros da equipe de enfermagem, por prestarem atendimento a pacientes sujeitos a alterações hemodinâmicas bruscas e risco eminente de morte que necessitam de tomada de decisões imediata. Essas ações exigem dos profissionais de enfermagem elevada carga de trabalho, remetendo assim para a necessidade de um gerenciamento de enfermagem que aborde essas especificidades no planejamento da assistência, bem como a gravidade do paciente, para dessa forma poder adequar o quadro de funcionários (VERSA, 2008). A necessidade de caracterizar a demanda de trabalho de enfermagem em UTI considerando o quantitativo de pessoal que assegure qualidade na assistência e adequada relação custo-benefício da assistência, tem sido uma das preocupações constantes dos gestores. Uma vez que, a necessidade crescente de diminuir custos e aumentar a oferta de serviços, na área de saúde, coloca em questão o quadro de pessoal de enfermagem, que representa o maior quantitativo e maior custo na unidade (QUEIJO, 2008; FUGULIN; 2002). A utilização de uma metodologia de dimensionamento é um importante instrumento gerencial, pois com a análise dos dados sobre as condições dos pacientes pode-se tomar decisões mais acertadas sobre a distribuição dos recursos humanos, considerando que um correto dimensionamento traduz numa maior satisfação dos profissionais de enfermagem que 1 Aluna do 5º ano do Curso de Enfermagem da Unioeste, Campus de Cascavel. Rua: Chavantes, 1643 Santa Cruz. Fone: (45) E-mal:

2 refletirá na qualidade da assistência, produtividade e processo orçamentário (NICOLA; ANSELMI, 2005). Diante disso, o Conselho Federal de Enfermagem (COFEN, 2004), órgão que regulamenta o exercício dos profissionais de enfermagem, estabeleceu por meio da Resolução 293/2004 critérios para dimensionar o quantitativo mínimo de profissionais de enfermagem para a cobertura assistencial nas instituições de saúde. E para isso recomenda a utilização de um instrumento que classifique o tempo de assistência conforme as necessidades do paciente. O instrumento utilizado para o desenvolvimento deste estudo foi o Therapeutic Intervention Scoring System-28 (TISS- 28), proposto inicialmente por Cullen e seus colaboradores em 1974, a princípio com duplo objetivo, de mensurar a gravidade dos pacientes e calcular a correspondente carga de trabalho de enfermagem na UTI, com base no tipo e quantidade de intervenções terapêuticas recebidas. Este instrumento apresenta 28 intervenções que recebem pontuações de um a oito, podendo obter um somatório total variando de 1 a 78 pontos, que permite determinar a carga de trabalho de enfermagem da seguinte forma: a cada ponto do TISS-28 equivale a 10,6 minutos do tempo de trabalho de um profissional de enfermagem em um turno de trabalho na unidade (QUEIJO; PADILHA, 2009). Este estudo mostra a caracterização dos pacientes da UTI geral adulto do Hospital Universitário do Oeste do Paraná (HUOP), situado na cidade de Cascavel- PR, bem como a carga de trabalho dos profissionais de enfermagem medida pelo instrumento TISS-28. Os resultados apresentados a partir da análise dos dados oferecem informações necessárias para o dimensionamento dos recursos humanos de enfermagem a fim de atender as necessidades assistenciais dos pacientes da unidade, bem como, a distribuição adequada dos profissionais evitando assim sobrecarga de trabalho e desperdício de recursos. OBJETIVO: Identificar a carga de trabalho dos profissionais da equipe de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Geral Adulto de acordo com os parâmetros presentes no TISS-28 e de acordo com sexo, faixa etária e diagnóstico dos pacientes. METODOLOGIA: Para o alcance do objetivo proposto, foi realizado um estudo descritivo e documental de natureza quantitativa. O local eleito para a coleta de dados foi a UTI-Geral Adulto do HUOP. A UTI Geral, conta com nove leitos destinados a atender pacientes adultos. A equipe de enfermagem, no período da coleta de dados, era constituída por seis enfermeiros, 21 técnicos de enfermagem e 18 auxiliares de enfermagem distribuídos nos três turnos diários de trabalho com seis horas no período matutino e vespertino e doze horas no período noturno. A população alvo deste estudo foram pacientes internados na unidade que apresentavam o

3 instrumento TISS-28 preenchido e completo, no período de julho a dezembro de 2008, com idade igual a superior a 14 anos. Os pacientes foram classificados de acordo com três diagnósticos: trauma, clínico e cirúrgico; e conforme a faixa etária: adolescentes, com idade de 14 a 19 anos; adulto jovem, com faixa etária 20 a 40 anos; adulto, com 41 a 59 anos e por fim, idoso, com idade superior a 60 anos. A amostra deste estudo foi composta por 132 prontuários. Os dados foram coletados do livro de registro da unidade UTI-Geral, o qual continha informações como: dia de internamento, desfecho, número de prontuário, data de admissão e da alta. No segundo momento foram utilizados os prontuários dos pacientes, localizados no SAME (Serviço de Atendimento Médico e Estatística) para completar as informações referentes ao desfecho, idade e diagnóstico. Para identificar a carga de trabalho, os dados foram coletados do instrumento TISS-28 que era preenchido diariamente pelo enfermeiro da unidade. RESULTADOS: A respeito da caracterização dos pacientes conforme diagnósticos, do total de 132 pacientes, 50 (38%) destes tiveram como diagnóstico trauma, 45 (34%) indivíduos com diagnóstico cirúrgico e por fim 28%, isto é 37 pacientes foram admitido na unidade devido ao diagnóstico clínico. Em relação ao sexo 67% eram do sexo masculino. Os pacientes que compuseram a amostra apresentaram uma média de idade de 43 anos, com uma variação entre 15 a 86 anos. Verificou-se que a maioria dos pacientes hospitalizados na UTI-Geral estão classificados como adulto jovem, isto é, com idade de 20 a 40 anos com 35%, seguido por pacientes adultos 28%, com a faixa etária de 41 a 59 anos; 24% dos pacientes classificados como idosos com idade acima de 60 anos e por fim em menor número os adolescentes de 14 a 19 anos que obtiveram um percentual de 13%. Sobre o desfecho desses indivíduos, 77% (102) dos pacientes que foram admitidos na UTI-Geral receberam alta. Já 23% (30) dos pacientes admitidos na unidade foram a óbito, destes 70% (21) eram do sexo masculino. Sendo a taxa de mortalidade maior no diagnóstico clínico. Sobre a carga de trabalho dos indivíduos que ingressaram na UTI Geral, com base no instrumento TISS-28, o diagnóstico de trauma apresentou o TISS Inicial, que é a quantidade de intervenções terapêuticas realizadas no internamento do paciente na unidade foi de 51 pontos para o grupo etário adulto do sexo feminino e com diagnóstico clínico, enquanto que no diagnóstico cirúrgico o grupo etário adolescente do sexo masculino obteve um escorre de 38, e por fim para o diagnóstico cirúrgico o grupo etário adolescente do sexo feminino com 44 pontos, sendo todos esses grupos classificado em classe III pacientes graves e instáveis hemodinamicamente (ELIAS, et al., 2006); e de acordo com a Resolução do COFEN

4 293/2004 esses grupos etários requer assistência intermediária, pois a pontuação ficou em média de 6,0 horas diária. Sobre a pontuação do TISS Médio, pontuação aproximada que estes indivíduos apresentaram em relação às intervenções e cuidados requeridos durante a internação, levando em consideração o desvio padrão (DP), o diagnóstico trauma variou de 25,82 (DP=4,4) do grupo etário adulto jovem feminino a 34,47 (DP=1,69) idoso do sexo feminino; já para o diagnóstico cirúrgico, o grupo etário que foi admitido na unidade com maior escorre foi adulto masculino com o escorre 27,46 (DP=4,88), seguido de adolescente masculino 26,38 (DP=9,04), adulto jovem feminino de 26,11 (DP=6,5) e masculino com 25,84 (DP=6,4); por fim do diagnóstico cirúrgico o grupo etário adolescente feminino apresentou pontuação de 35,6, adulto masculino 33,11 (DP=9,31) e idoso do mesmo sexo 33,11 (DP=7,61). Finalmente sobre o TISS Final, que é o último escorre apresentado pelo paciente, na circunstância tanto de alta da unidade quanto a óbito, sobre o diagnóstico trauma, o maior e o menor escorre apresentado pelos indivíduos alvo deste estudo foi 30 (DP=10,82) para o idoso do sexo masculino e 20 (DP=5,3) para adulto do sexo masculino e 20 (DP=4,53) adulto jovem do sexo feminino. Para o diagnóstico cirúrgico, os três maiores escorres foram do grupo etário adulto masculino com 25 (DP=7,31), adulto jovem feminino 21,4 (DP=7,7) e idoso feminino apresentando pontuação de 21 (DP=7,48). E por fim, do diagnóstico clínico, adulto do sexo masculino 30,12 (DP=9,86) e idoso do sexo masculino 30,12 (DP=9,09), estes dois grupos apresentaram um escorre final iguais, no entanto com desvio padrão diferentes, ainda, masculino foi de 23 (DP=1,41); idoso do sexo feminino 21,4 (DP=9,09). CONSIDERAÇÕES FINAIS: O desenvolvimento avançado dos recursos terapêuticos e a necessidade de pessoal especializado para o cuidado ao paciente crítico têm gerado alto consumo dos recursos hospitalares, trazendo como conseqüência, a necessidade cada vez maior de avaliar o desempenho das UTIs. É nesse contexto que os instrumentos de medida de gravidade e de demanda de trabalho de enfermagem surgem como recursos assistenciais e gerenciais voltados à classificação de pacientes e auxílio na adequação dos recursos no âmbito da assistência intensiva na UTI. No entanto, apesar das contribuições que podem proporcionar, apenas o uso adequado dos resultados obtidos é que confirmarão sua real importância. Para isso, devem ser analisados à importância da qualidade da assistência que se tem como meta e dos preceitos éticos inerentes ao cuidado ao paciente grave internado na UTI. Diante ao exposto, a aplicação do TISS-28 ajustado às recomendações da Resolução COFEN n. 293/2004 pode contribuir para o dimensionamento adequado de trabalhadores de

5 enfermagem na UTI e favorecer as condições de trabalho para o alcance de uma assistência de enfermagem de qualidade e segurança. Este estudo buscou caracterizar os indivíduos admitidos na UTI-Geral do referido hospital, a fim de verificar qual a carga de trabalho dos profissionais de enfermagem de acordo com as intervenções terapêuticas realizadas e os cuidados que estas demandam, de acordo com o diagnóstico trauma, clínico e cirúrgico, conforme a idade, classificadas em adolescente, adulto jovem, adulto e idosos. Em relação a carga de trabalho, pela pontuação média do TISS- 28, a faixa etária adulto masculino com diagnóstico clínico apresentou a maior pontuação 33,11 o que representa 5,8 horas de enfermagem, segundo a Resolução COFEN 293/2004. Já para o sexo feminino encontramos o grupo etário adolescente com pontuação média do TISS-28 com 35,6, o que equivale a 6,3 horas de enfermagem, segundo a referida resolução, logo enquadrando-se na assistência intermediária. Esses dados apresentam alterações significativas quando consideramos o TISS inicial ou o final e consequentemente as horas de assistência de enfermagem também acompanha essas alterações. Para finalizar, consideramos que os dados apresentados neste estudo, podem subsidiar os enfermeiros da unidade para desencadear o processo de dimensionamento dos profissionais de enfermagem necessários para prover a assistência que garantam a segurança dos pacientes e dos trabalhadores de enfermagem. PALAVRA-CHAVES: Unidade de Terapia Intensiva; carga de trabalho; dimensionamento de pessoal; recursos humanos; cuidados de enfermagem. REFERÊNCIAS BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 466, 4 de junho de Regulamento técnico para funcionamento dos serviços de tratamento intensivo. Brasília, DF,1998. COFEN. Conselho Federal de Enfermagem. Resolução nº 293/2004. Fixa e estabelece parâmetros para o dimensionamento do quadro de profissionais de enfermagem nas unidades assistenciais das instituições de saúde e assemelhados. Disponível em: Acesso em: jul ELIAS, A.C.G.P. et al. Aplicação do sistema de pontuação de intervenções terapêuticas (TISS 28) em unidade de terapia intensiva para avaliação da gravidade do paciente. Rev Latino-am Enfermagem. v. 14, n. 3, p , FUGULIN, F.M.T. Dimensionamento de pessoal de enfermagem: avaliação do quadro de pessoal das unidades de internação de um hospital de ensino. [tese doutorado]. [online]. São Paulo: Escola de Enfermagem da USP; 2002.

6 NICOLA, A.L.; ANSELMI, M.L. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital universitário. Rev Bras Enferm. v.58, n. 2, p QUEIJO, AF. Estudo comparativo da carga de trabalho de enfermagem em unidade de Terapia Intensiva Geral e Especializada, segundo o Nursing Activities Score (NAS) Doutorado (tese). São Paulo: Escola de Enfermagem, Universidade de São Paulo. QUEIJO, A. F.; PADILHA, K. G. Nursing Activities Score (NAS): adaptação transcultural e validação para a língua portuguesa. Rev. esc. enferm. USP [online]. 2009, vol.43, n.spe, pp VERSA, G.L.S. Dimensionamento de pessoal de enfermagem para assistir o paciente com traumatismo crânio-encefálico na unidade de terapia intensiva Monografia (Especialização). Cascavel-PR, UNIOESTE.

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004

RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 RESOLUÇÃO COFEN-293/2004 Fixa e Estabelece Parâmetros para o Dimensionamento do Quadro de Profissionais de Enfermagem nas Unidades Assistenciais das Instituições de Saúde Legislação Rápida O Conselho Federal

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM

DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM Profª Drª Ana Maria Laus analaus@eerp.usp.br DIMENSIONAMENTO DE PESSOAL DE ENFERMAGEM É a etapa inicial do provimento de pessoal, que tem por finalidade a previsão

Leia mais

Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento

Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento Perfil epidemiológico do CTI e estrutura de atendimento O Serviço de Terapia Intensiva Adulto, possui 10 leitos que incluem 2 leitos de isolamento distribuídos em uma área aproximada de 130m2. Encontra-se

Leia mais

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva

Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva VI Simpósio Internacional de Enfermagem (SIEN) Análise de erro de medicação sob a ótica de auxiliares/técnicos de enfermagem em uma Unidade de Terapia Intensiva Daniela Benevides Ortega Enfermeira da UTI

Leia mais

O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO 1 O PERFIL DOS PACIENTES COM SÍNDROME DE GUILLAIN-BARRÉ ATENDIDOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO Aluana Moraes 1 Ana Cristina Casarolli Geis 2 Thaís Eberhardt 3 Daisy Cristina Rodrigues 4 Lili Marlene Hofstatter

Leia mais

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan

Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência. Profº. Enfº Diógenes Trevizan Atuação da enfermagem no transporte e remoção de paciente em urgência e emergência Profº. Enfº Diógenes Trevizan Introdução O transporte e remoção de clientes em atenção às urgências e emergências se destaca

Leia mais

Sistema de Classificação de Pacientes: identificação da complexidade assistencial de pacientes em diferentes clínicas de internação

Sistema de Classificação de Pacientes: identificação da complexidade assistencial de pacientes em diferentes clínicas de internação - 1 - Ministério da Educação Brasil Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri UFVJM Minas Gerais Brasil Revista Vozes dos Vales: Publicações Acadêmicas Reg.: 120.2.095 2011 UFVJM ISSN: 2238-6424

Leia mais

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir?

Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Atraso na admissão hospitalar de pacientes com acidente vascular cerebral isquêmico: quais fatores podem interferir? Paula Souto Nogueira Renata Carolina Acri Miranda Monique Bueno Alves Introdução 15.000.0000

Leia mais

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL

ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL ANÁLISE DA CARGA DE TRABALHO E DISPONIBILIDADE DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UNIDADE NEONATAL Autores: Liliane Parussolo Nogueira Fernandes Ana Cristina Rossetti Eliete J. Bernardo dos Santos Introdução A

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL UNIMED DE VENDAS

ENCONTRO NACIONAL UNIMED DE VENDAS Atenção Primária à Saúde A experiência da Unimed-BH Triple Aim Como está nosso modelo tradicional de plano de saúde nestes 3 quesitos? Custos do cuidado http://www.iess.org.br/?p=publicacoes&id_tipo=13

Leia mais

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001

ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 ANÁLISE DOS DADOS DE MORTALIDADE DE 2001 Coordenação Geral de Informações e Análise Epidemiológica Departamento de Análise da Situação de Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde - Ministério da Saúde Janeiro

Leia mais

PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE

PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE PERFIL DOS IDOSOS INTERNADOS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO EM CAMPINA GRANDE Autora: Kézia Naiana de Oliveira Gomes (1); Co-autora e Orientadora: Gerlane Ângela da Costa Moreira Vieira (2). Universidade

Leia mais

Universidade Estadual de Maringá- UEM Universidade Estadual de Maringá-UEM

Universidade Estadual de Maringá- UEM  Universidade Estadual de Maringá-UEM CARACTERIZAÇÃO DO ATENDIMENTO DE PACIENTES IDOSOS QUE SOFRERAM QUEDA ATENDIDOS NO PRONTO ATENDIMENTO DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PÚBLICO NO NOROESTE DO PARANÁ Autor Josy Anne Silva; Co-autor Edivaldo

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM ENFERMAGEM. EDITAL Nº 024/2016 COREMU

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM ENFERMAGEM. EDITAL Nº 024/2016 COREMU UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ UNIOESTE PROGRAMA DE RESIDÊNCIA EM ÁREA PROFISSIONAL DE SAÚDE EM ENFERMAGEM. EDITAL Nº 024/2016 COREMU CONVOCAÇÃO DOS CANDIDATOS PARA A MATRÍCULA NO PROGRAMA DE

Leia mais

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH

EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE. Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH EXIJA QUALIDADE NA SAÚDE Reunião do Grupo de Indicadores de Enfermagem do Núcleo de Apoio à Gestão Hospitalar NAGEH 15 de agosto de Incidência de Queda de Paciente Incidência de Queda de Paciente 3,0

Leia mais

ESTATÍSTICA HNSC

ESTATÍSTICA HNSC ESTATÍSTICA HNSC - 2007 DADOS ESTATÍSTICOS - LEITOS geral de leitos de leitos para internação de leitos para observação de leitos projeto Canguru Leitos do nos setores de internação na UTI adulto na UTI

Leia mais

Rotatividade de Pessoal

Rotatividade de Pessoal Rotatividade de Pessoal 4 3 2,2 2,2 2,2 % 2 1 1,28 1,47 1,79 Representa o movimento de entradas e saídas de empregados Regime de contratação CLT Taxa de Absenteísmo Geral 2,5 2 % 1,5 1,21 1,28 1,96,96,96,5

Leia mais

BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri

BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri INTERNAÇÃO DOMICILIAR: EXPERIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS BETIM Leila da Cunha Meneses Maria Aparecida Rodegheri Betim- Minas Gerais Dados Importantes População : 2010 (IBGE) : 378.089 Orçamento

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JULHO/2014 31/07/2014 COMPLEXO ESTADUAL DO CÉREBRO V Relatório de gestão dos serviços assistenciais do Complexo Estadual do Cérebro: Instituto Estadual do Cérebro Paulo Niemeyer e Hospital

Leia mais

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco

Currículo Disciplina Carga Horária. Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Currículo Disciplina Carga Horária Aspectos Éticos e Bioéticos na Assistência de Enfermagem ao Paciente Grave ou de Risco Assistência de Enfermagem a Criança a ao Adolescente Grave ou de Risco Estágio

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ANO ACADÊMICO º SEMESTRE PROGRAMA DA DISCIPLINA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ANO ACADÊMICO º SEMESTRE PROGRAMA DA DISCIPLINA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP FACULDADE DE ENFERMAGEM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM ANO ACADÊMICO 2016 2º SEMESTRE PROGRAMA DA DISCIPLINA CÓDIGO: EN590 NOME: ADMINISTRAÇÃO EM ENFERMAGEM

Leia mais

2 MATERIAIS E MÉTODOS

2 MATERIAIS E MÉTODOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OCORRÊNCIA DE INTOXICAÇÕES MEDICAMENTOSAS NO ANO DE 2009 EM MARINGÁ PR Patrícia Fernanda Premero 1 ; Tanimaria da Silva Lira Ballani 2 ; Silvana Lorenzi

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR:

PROGRAMA DE DISCIPLINA. DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR: PROGRAMA DE DISCIPLINA DISCIPLINA: Tópicos em Enfermagem V Enfermagem em Cuidados Intensivos CÓDIGO: EFM069 COORDENADOR: CARGA HORÁRIA CARGA HORÁRIA CRÉDITOS INÍCIO TÉRMINO TEÓRICA PRÁTICA 45 15 04 VERSÃO

Leia mais

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 191

Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 191 Câmara Municipal de Volta Redonda RJ PROGRAMA Nº - 191 Manutenção e Operacionalização do SAH Promover a instalação de ferramentas de gestão que permitam o perfeito gerenciamento das informações dos diversos

Leia mais

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE

FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE FREQUÊNCIA DE DESNUTRIÇÃO EM IDOSOS À ADMISSÃO NO SERVIÇO DE GERIATRIA DO REAL HOSPITAL PORTUGUÊS EM RECIFE-PE Rafaella Italiano Peixoto (1); Manuella Italiano Peixoto (2); Hákylla Rayanne Mota de Almeida

Leia mais

INTERNAÇÃO DOMICILIAR: EXPERIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS

INTERNAÇÃO DOMICILIAR: EXPERIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS INTERNAÇÃO DOMICILIAR: EXPERIÊNCIA EM UM MUNICÍPIO DE MINAS GERAIS Autoras:Leila da Cunha Meneses; Maria Aparecida Rodegheri. Objetivo:O objetivo é mostrar nossa experiência ao longo dos três anos de funcionamento

Leia mais

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº

O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO: 2016-2020 O planejamento estratégico configura-se em ações que foram construídas com base nos objetivos consolidados na Lei nº 8.246. As ações estratégicas serão monitoradas e

Leia mais

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2014

PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2014 PRESTAÇÃO DE CONTAS JANEIRO/2014 31/01/2014 HOSPITAL ESTADUAL ALBERTO TORRES V. Relatório referente a execução do Contrato de Gestão 31/2012 sobre as ações executadas sobre o apoio ao gerenciamento e execução

Leia mais

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos.

diferenciação adotados foram as variáveis: gênero, faixa etária, caráter do atendimento e óbitos. Introdução AVE- Acidente Vascular Encefálico, também conhecido como AVC e derrame cerebral, é classicamente caracterizado pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. A American Heart

Leia mais

Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ)

Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ) Enfermagem em Emergência e UTI (JEQUIÉ) Apresentação Inscrições abertas Objetivos Geral Habilitar o profissional de Enfermagem para o Atendimento e Desenvolvimento de ações de específicas em Emergência

Leia mais

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1

COORDENAÇÃO DO NÚCLEO CURRICULAR FLEXÍVEL PRÁTICAS EDUCATIVAS FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 FICHA DE OBSERVAÇÃO - 1 ENFERMAGEM NOS CUIDADOS INTEGRAIS AO ADULTO E IDOSO NO PERÍODO PERI OPERATÓRIO Acadêmico: Curso: Período: Turno: Disciplina(s): Local: Campos de Observação: Profissional responsável

Leia mais

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS

IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS IDADE GESTACIONAL, ESTADO NUTRICIONAL E GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO DE PARTURIENTES DO HOSPITAL SANTA CASA DE MISERICÓRDIA DE PELOTAS RS Autor(es): LEIVAS, Vanessa Isquierdo; GONÇALVES, Juliana Macedo;

Leia mais

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO

RESUMO SEPSE PARA SOCESP INTRODUÇÃO RESUMO SEPSE PARA SOCESP 2014 1.INTRODUÇÃO Caracterizada pela presença de infecção associada a manifestações sistêmicas, a sepse é uma resposta inflamatória sistêmica à infecção, sendo causa freqüente

Leia mais

ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DAS

ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DAS ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO DAS PESSOAS COM DOENÇA CRÓNICA Avaliação do risco de não adesão ADESÃO AO REGIME TERAPÊUTICO A adesão ao regime terapêutico assume particular importância no âmbito das doenças

Leia mais

metas do plano de trabalho

metas do plano de trabalho Associação das Pioneiras Sociais Rede SARAH de Hospitais de Reabilitação Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 Acompanhamento das metas do plano de trabalho 2016 1º semestre 2016 Conforme

Leia mais

##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002.

##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002. 1 de 5 15/5/2009 15:24 ##ATO Portaria nº 251/GM, Em 31 de janeiro de 2002. Estabelece diretrizes e normas para a assistência hospitalar em psiquiatria, reclassifica os hospitais psiquiátricos, define e

Leia mais

aula 6: quantificação de eventos em saúde

aula 6: quantificação de eventos em saúde ACH-1043 Epidemiologia e Microbiologia aula 6: quantificação de eventos em saúde Helene Mariko Ueno papoula@usp.br Como quantificar eventos relacionados à saúde? O que medir? Como medir? Quando medir?

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS COLABORADORES DE ENFERMAGEM E LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE

CARACTERIZAÇÃO DOS COLABORADORES DE ENFERMAGEM E LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 000-00-00000-00-0 CARACTERIZAÇÃO DOS COLABORADORES DE ENFERMAGEM E LEVANTAMENTO DAS NECESSIDADES PARA EDUCAÇÃO PERMANENTE Mariana de Ângelo Almeida 1 ; Laís da Silva Luca

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 09 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 09 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 9 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96

Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 Hospital Privado Capital Fechado com fins lucrativos Geral e de Médio Porte Selado Qualidade Programa CQH desde 2008 Média e alta complexidade 96 leitos 19 leitos de UTI 5 Salas Cirúrgicas 300 Cirurgias/mês

Leia mais

Caracterização dos usuários com incontinência urinária atendidos na região Leste-Nordeste de saúde de Porto Alegre

Caracterização dos usuários com incontinência urinária atendidos na região Leste-Nordeste de saúde de Porto Alegre Caracterização dos usuários com incontinência urinária atendidos na região Leste-Nordeste de saúde de Porto Alegre Alessandra Garcia de Figueiredo Agostini Sandra Maria Cezar Leal Silvana Mara Janning

Leia mais

AJUSTE DAS PRESSÕES DE CUFF EM PACIENTES INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NO ALTO SERTÃO PARAIBANO.

AJUSTE DAS PRESSÕES DE CUFF EM PACIENTES INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NO ALTO SERTÃO PARAIBANO. AJUSTE DAS PRESSÕES DE CUFF EM PACIENTES INTERNADOS NA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA NO ALTO SERTÃO PARAIBANO. LUIZ WILLIAM BARRETO WANDERLEY ENFERMEIRO, MESTRANDO EM ENFERMAGEM UFPB; JOÃO PESSOA PB, BRASIL

Leia mais

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS

2. Nome do(s) supervisor(es): PROFA. DRA. SONIA REGINA PASIAN. Psicóloga MARIA PAULA FOSS UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE RIBEIRÃO PRETO DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA E EDUCAÇÃO CENTRO DE PESQUISA E PSICOLOGIA APLICADA ESTÁGIO: AVALIAÇÃO NEUROPSICOLÓGICA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011

CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 PARECER COREN-SP GAB Nº 046 / 2011 1. Do fato Assunto: Dimensionamento de Pessoal de Enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva. Solicitado parecer por enfermeiro sobre a realização de cálculo de dimensionamento

Leia mais

PORTARIA Nº 2.352/GM Em 26 de outubro de 2004.

PORTARIA Nº 2.352/GM Em 26 de outubro de 2004. PORTARIA Nº 2.352/GM Em 26 de outubro de 2004. Regulamenta a alocação dos recursos financeiros destinados ao processo de contratualização constante do Programa de Reestruturação dos Hospitais de Ensino

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR

A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR A IMPORTÂNCIA DA ATUAÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSISTÊNCIA DOMICILIAR PROGRAMA DE ATENÇÃO DOMICILIAR UNIMED-BH CAMILA CARNEIRO DA FONSECA Assistente Social Serviço de Atenção Domiciliar Atenção Domiciliar

Leia mais

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS

ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS PREFEITURA MUNICIPAL DE CAXIAS DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DA SAÚDE ESTRATÉGIAS SINGULARES DE IMPLANTAÇÃO DA CADERNETA DO IDOSO NO MUNICÍPIO DE CAXIAS DO SUL - RS Nadia Peresin Perottoni Enfermeira Atenção

Leia mais

PROTOCOLO CÓDIGO AZUL E AMARELO

PROTOCOLO CÓDIGO AZUL E AMARELO AZUL E AMARELO I. Definição: O código amarelo consiste no reconhecimento precoce de mudanças agudas nos parâmetros vitais dos pacientes, com o intuito de reduzir o número de parada cardiorespiratórias

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: ATUALIZAÇÃO Profa. Dra. Marcia Cristina Zago Novaretti Diretora Mestrado Profissional Gestão em Sistemas de Saúde Universidade Nove de Julho Epidemiologia: Eventos Adversos # 1/3

Leia mais

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016

Epidemiológico. Informe. Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 13 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a 13 de 216 A vigilância da influenza no é composta pela vigilância sentinela de Síndrome Gripal

Leia mais

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016

Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 2016 Informe Epidemiológico Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Influenza: Monitoramento até a Semana Epidemiológica 12 de 216 A vigilância da influenza no Brasil é composta pela vigilância

Leia mais

Departamento de Saúde Coletiva NESC Laboratório de Análise de Sistemas de Informações em Saúde - LABSIS. Ministério da Saúde

Departamento de Saúde Coletiva NESC Laboratório de Análise de Sistemas de Informações em Saúde - LABSIS. Ministério da Saúde - MS Fundação Oswaldo Cruz - Centro de Pesquisa Aggeu Magalhães - CPqAM Departamento de Saúde Coletiva - NESC Laboratório de Análises de Sistemas de Informações em Saúde - LABSIS Indicadores em Saúde Departamento

Leia mais

GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017

GNT Saúde Suplementar. Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 GNT Saúde Suplementar Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 Goiânia, 31 de Março e 01 de Abril de 2017 DRG e sua aplicabilidade na Saúde Suplementar GOLDETE PRISZKULNIK Executiva Médica em Gestão

Leia mais

PORTARIA Nº 1.703/GM Em 17 de agosto de 2004.

PORTARIA Nº 1.703/GM Em 17 de agosto de 2004. 1 de 5 12/03/2014 11:52 PORTARIA Nº 1.703/GM Em 17 de agosto de 2004. Destina recurso de incentivo à contratualização de Hospitais de Ensino Públicos e Privados, e dá outras providências. O MINISTRO DE

Leia mais

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS

BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS BOAS PRÁTICAS DE FABRICAÇÃO EM ESTABELECIMENTOS DE ALIMENTAÇÃO DA CIDADE DE DOURADOS-MS Mônica Barreto de Lima 1 ; Thaise Maria Tobal 2 UFGD/FCS Dourados MS, E-mail: monika.barreto@hotmail.com 1 Bolsista

Leia mais

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc

Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc ASSISTÊNCIA PRÉ-HOSPITALAR A VÍTIMAS DE TRAUMAS Prof. Fernando Ramos Gonçalves _Msc PRIMEIROS SOCORROS = SOCORROS DE URGÊNCIA = PRONTO SOCORRISMO= ATENDIMENTO PRÉ- HOSPITALAR (APH) TERMINOLOGIA MAIS ADEQUADA

Leia mais

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos

Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos 15/03/2017 Hospital Summit Terceirização de Serviços Médicos Modelo Adotado Grupo São Lucas Ribeirania Ribeirão Preto Dr Pedro Antonio Palocci o Médico Pediatra formado pela XXIIIª Turma da FMRP-USP 1979

Leia mais

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital de ensino PESQUISA

REBEn. Revista Brasileira de Enfermagem. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital de ensino PESQUISA Revista Brasileira de Enfermagem REBEn Dimensionamento de pessoal de enfermagem em um hospital de ensino Nursing personnel downsizing in a teaching hospital Dimensionamiento de personal de enfermería en

Leia mais

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR

POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR NOTA TÉCNICA 02 2006 POLÍTICA NACIONAL DE INTERNAÇÃO DOMICILIAR 1 Brasília, 10 de fevereiro de 2006. I. Introdução: NOTA TÉCNICA 02 2006 O Ministério da Saúde está propondo a implantação da Política Nacional

Leia mais

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes

Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Estratégias da Implantação para a Conquista da Certificação ONA no Hospital Municipal de Mogi das Cruzes Nossa história Cenário Cenário Nossa história Setores Previsão segundo o Plano de Trabalho Quando

Leia mais

RETRATO DO SETOR SAÚDE

RETRATO DO SETOR SAÚDE COORDENADORIA DE GESTÃO DO TRABALHO E EDUCAÇÃO NA SAÚDE SEMINÁRIO DE PLANEJAMENTO, MONITORAMENTO E AVALIAÇÃO DA FORÇA DE TRABALHO EM SAÚDE NO CEARÁ RETRATO DO SETOR SAÚDE Lúcia Arruda GESTÃO DE RECURSOS

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA ENFERMEIROS

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA ENFERMEIROS 1- LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO PROGRAMÁTICO PARA ENFERMEIROS Compreensão e Interpretação de Texto Vocabulário (antonímia, sinonímia, polissemia) Regência (verbal e nominal) Concordância (verbal e nominal)

Leia mais

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro

RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES. Câmara Municipal de Mogadouro RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS MUNICIPES Câmara Municipal de Mogadouro ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 2 2. A IMPORTÂNCIA DE MEDIR A SATISFAÇÃO DOS CLIENTES... 2 3. OBJETIVOS... 2 4. METODOLOGIA... 2

Leia mais

Passo 5 O questionário foi criado com 27 questões sendo 35 lacunas para serem preenchidas, utilizando-se uma linha temporal desde o diagnóstico da

Passo 5 O questionário foi criado com 27 questões sendo 35 lacunas para serem preenchidas, utilizando-se uma linha temporal desde o diagnóstico da 3 Método Este estudo realizou uma pesquisa do tipo descritivo tendo uma abordagem de pesquisa pré-planejada e estruturada. (MALHOTRA, 2006). A pesquisa buscou o conhecimento adquirido pela gestante analfabeta

Leia mais

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007

Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Caracterização clínica e demográfica dos militares contratados internados no Serviço de Psiquiatria do Hospital Militar Principal em 2007 Dra. Joana Alexandre Dra. Teresa Babo Dra. Sofia Moreira Introdução

Leia mais

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826

Santa Casa Fundada. Inaugurada em 1826 Santa Casa Fundada em 1803 Inaugurada em 1826 PERFIL Organização Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre Instituição de direito privado, filantrópica, de ensino e assistência social, reconhecida

Leia mais

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO

Superintendência de Gestão, Planejamento e Finanças Gerência de Contratos e Convênios ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO ANEXO II METAS DE PRODUÇÃO 1. ATIVIDADES MÍNIMAS A REALIZAR 1.1. ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Produção. 1.1.1. Realizar, no mínimo, 90% da meta estabelecida no Plano de Metas de 1.1.2. O indicador de aferição

Leia mais

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA

TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA TERMO TÉCNICO PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA CONTRATAÇÃO DE PESSOA JURÍDICA ESPECIALIZADA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS MÉDICOS EM CLINICA MÉDICA E MEDICINA INTESIVA ADULTO PROCEDIMENTO DE CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS

Leia mais

Resolução COFEN Nº 293/2007

Resolução COFEN Nº 293/2007 Resolução COFEN Nº 293/2007 Dimensionamento de Pessoal Cleide Mazuel Canavezi cleidem@corensp.org.br Resolução COFEN 293/2004 1 Dimensionamento de Pessoal Fixa e Estabelece Parâmetros para Dimensionar

Leia mais

Soluções que facilitam a gestão da saúde

Soluções que facilitam a gestão da saúde Soluções que facilitam a gestão da saúde A Hospidata Mais eficiência na gestão de saúde Empresa do grupo MV, líder brasileira em soluções de tecnologia para gestão da saúde, a Hospidata oferece um portfólio

Leia mais

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral

Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular. Semestral Curso Técnico Subsequente em Curso Técnico em Enfermagem Nome do Curso - Curso Técnico em Enfermagem CÂMPUS Florianópolis/SC MATRIZ CURRICULAR Módulo 1 / Semestre 1 Carga horária total: 390ch Unidade Curricular

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO, DISPENSAÇÃO E USO DE QUETIAPINA EM UMA FARMÁCIA DE MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS DE TERESINA, PI.

AVALIAÇÃO DA PRESCRIÇÃO, DISPENSAÇÃO E USO DE QUETIAPINA EM UMA FARMÁCIA DE MEDICAMENTOS EXCEPCIONAIS DE TERESINA, PI. Área: CV ( X ) CHSA ( ) ECET ( ) MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ UFPI Coordenadoria de Pesquisa CPES Campus Universitário Ministro Petrônio Portela, Bloco 06 Bairro Ininga Cep: 64049-550

Leia mais

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento.

Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento acima citado verificar suas condições de funcionamento. Relatório de Fiscalização CASE CARUARU Rua Presidente Castelo Branco, s/nº - Cidade Alta Caruaru Diretor técnico: não tem Telefone: (81) 3719 9433 Por determinação deste Conselho fomos ao estabelecimento

Leia mais

Especialização em Enfermagem em Emergência - NOVO

Especialização em Enfermagem em Emergência - NOVO Especialização em Enfermagem em Emergência - NOVO Apresentação Previsão de Início - Agosto Inscrições em Breve - Turma 01 - Campus Stiep A Pós-Graduação em Enfermagem em Emergência surge para atender a

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável

Secretaria de Estado da Saúde SP Coordenadoria de Regiões de Saúde - CRS. Painel Santa Casa SUStentável Painel Santa Casa SUStentável Em 11 de dezembro de 2013 foi realizado o lançamento do Programa de auxílio às Santas Casas e hospitais filantrópicos do Estado de São Paulo. O projeto, conhecido como Santa

Leia mais

Relatório de Emprego na Cadeia da Saúde Suplementar

Relatório de Emprego na Cadeia da Saúde Suplementar Relatório de Emprego na Cadeia da Saúde Suplementar Edição nº 02. Data-base: Mai/2017 Relatório de Emprego na Cadeia da Saúde Suplementar SUMÁRIO 1. ESTOQUE DE EMPREGO 2. EMPREGO SETORIAL 3. FLUXO DE EMPREGO

Leia mais

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar

Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar Garantia de Qualidade e Continuidade da Assistência no Atendimento Domiciliar ANA ADALGISA DE OLIVEIRA BORGES GESTORA DE ATENÇÃO DOMICILIAR - SERVIÇOS PRÓPRIOS UNIMEB-BH Introdução Definição Conceito de

Leia mais

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP

Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina da USP SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE ASSISTÊNCIA MULDISCIPLINAR AO PACIENTE POLITRAUMATIZADO Áquila Lopes Gouvêa Enfermeira da Equipe de Controle de Dor Instituto Central do Hospital das Clínica da Faculdade de Medicina

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CEARÁ UECE CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Autores: Ilse Maria Tigre de Arruda Leitão, Sherida Kananini Paz de Oliveira, Roberta Meneses Oliveira, Nayane Silva Mendes, Renata

Leia mais

Docentes do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Cascavel PR. 2

Docentes do Curso de Enfermagem da Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Cascavel PR. 2 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 CONHECIMENTO E PRÁTICA CLÍNICA DA EQUIPE DE ENFERMAGEM SOBRE MEDIDAS DE PREVENÇÃO DE ÚLCERA DE PRESSÃO EM UNIDADE

Leia mais

DIAS E HORÁRIOS DAS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS ENFERMAGEM TODOS OS AUTORES DEVERÃO CHEGAR IMPRETERIVELMENTE NO HORÁRIO MARCADO.

DIAS E HORÁRIOS DAS APRESENTAÇÕES DOS TRABALHOS ENFERMAGEM TODOS OS AUTORES DEVERÃO CHEGAR IMPRETERIVELMENTE NO HORÁRIO MARCADO. TÍTULO ORIENTADOR SALA DATA ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NAS COMUNIDADES INDÍGENAS INFECÇÕES HOSPITALARES: REPENSANDO A IMPORTÂNCIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UM PACIENTE COM HANSENÍASE:

Leia mais

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE

RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE RELATÓRIO DE INSPEÇÃO (RETORNO) DE VISITA AO CAPSi - INFÂNCIA E JUVENTUDE Data: 27/01/2016 1. Identificação Nome da Instituição: Centro de Atenção Psicossocial para Infância e Juventude (CAPSi) Endereço:

Leia mais

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013

CENSO DE DIÁLISE SBN 2013 CENSO DE DIÁLISE SBN 213 Dados Gerais Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN: 73 Total de Unidades Renais Cadastradas na SBN e Ativas com programa crônico: 658 Total de Unidades Ativas que Responderam

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA SOBRE MEDIDAS DE CONTROLE DE INFECÇÃO

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA SOBRE MEDIDAS DE CONTROLE DE INFECÇÃO INTRODUÇÃO As IRAS representam um grave problema de saúde no país; Existe uma série de evidências que fundamentam as ações para a prevenção e o controle das IRAS a fim de reduzir os riscos nos serviços

Leia mais

Hotelaria. Reunião 05/08/2015

Hotelaria. Reunião 05/08/2015 Hotelaria Reunião 05/08/2015 PAUTA Definição dos indicadores; Registros das informações; Adesão ao programa; Participação dos hospitais; Estudo de Caso (próxima reunião); Índice do Quilo de Roupa Lavada

Leia mais

NURSING CARE: HOURS REQUIRED FOR CRITICAL PATIENT S CARE ATENCIÓN DE ENFERMERÍA: HORAS NECESARIAS PARA EL CUIDADO AL PACIENTE CRÍTICO

NURSING CARE: HOURS REQUIRED FOR CRITICAL PATIENT S CARE ATENCIÓN DE ENFERMERÍA: HORAS NECESARIAS PARA EL CUIDADO AL PACIENTE CRÍTICO Artigo Original ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM: HORAS REQUERIDAS PARA O CUIDADO DO PACIENTE CRÍTICO* NURSING CARE: HOURS REQUIRED FOR CRITICAL PATIENT S CARE ATENCIÓN DE ENFERMERÍA: HORAS NECESARIAS PARA EL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE / UFRN CAMPUS CENTRAL

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE / UFRN CAMPUS CENTRAL PARECER CONSUBSTANCIADO DO CEP DADOS DO PROJETO DE PESQUISA Título da Pesquisa: VALIDAÇÃO DE INSTRUMENTO DE AVALIAÇÃO DO ESTADO DE SAÚDE E GESTÃO DE EVENTO ADVERSO NÃO-FARMACOLÓGICO NO AMBIENTE Pesquisador:

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS

PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS PREVALÊNCIA DOS SINTOMAS DA ASMA EM ADOLESCENTES DE 13 E 14 ANOS Marcos Abrantes Moreira. Acadêmico de Fisioterapia da Faculdade Santa Maria. E-mail:markim.abrantes@hotmail.com Luma Soares Lustosa. Acadêmica

Leia mais

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli

Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia. Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Tipos de Estudos Clínicos: Classificação da Epidemiologia Profa. Dra. Maria Meimei Brevidelli Roteiro da Apresentação 1. Estrutura da Pesquisa Científica 2. Classificação dos estudos epidemiológicos 3.

Leia mais

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS.

CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. CFM informa sobre os direitos dos pacientes no SUS. O Sistema Único de Saúde (SUS) é a forma como o Governo deve prestar saúde pública e gratuita a todo o cidadão. A ideia é ter um sistema público de

Leia mais

HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE DIA MUNDIAL DA ASMA

HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE DIA MUNDIAL DA ASMA HOSPITALIZAÇÕES E MORTALIDADE POR ASMA: É POSSÍVEL EVITAR? DR. GUILHERME FREIRE GARCIA ABRA MAIO DE 2012- DIA MUNDIAL DA ASMA DIA MUNDIAL DA ASMA 1º DE MAIO DE 2012 EPIDEMIOLOGIA DA ASMA 300 milhões de

Leia mais

TISS. Troca de Informações em Saúde Suplementar MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REDE CREDENCIADA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS

TISS. Troca de Informações em Saúde Suplementar MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REDE CREDENCIADA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS TISS Troca de Informações em Saúde Suplementar MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA REDE CREDENCIADA PREENCHIMENTO DOS FORMULÁRIOS 2007 ÍNDICE 1. OBJETIVO... 03 2. INFORMAÇÕES CONTATOS... 03 3. APRESENTAÇÃO... 04

Leia mais

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social

PSICOLOGIA E DIREITOS HUMANOS: Formação, Atuação e Compromisso Social DIFICULDADES ENCONTRADAS PELOS TRABALHADORES DE ENFERMAGEM NO CUIDADO AO IDOSO HOSPITALIZADO. Andressa de Fátima Silva* (PIBIC/AF/IS/CNPq), Herbert Leopoldo de Freitas Góes (Orientador), Viviani Camboin

Leia mais

PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA

PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA BELÉM 2013 PANORAMA DAS INTERNAÇÕES POR CONDIÇÕES SENSÍVEIS À ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SANTARÉM-PA Tarcys Mallony Teixeira Printes Camila Santos do Amaral Fernando Costa Araújo Zilma Nazaré de Souza Pimentel

Leia mais

configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos

configura-se como garantir ofertas de cuidados domiciliares apoiadoras dos projetos Serviço de Atenção Domiciliar de São Bernardo do Campo Proponente: Secretaria de Saúde de São Bernardo do Campo, SP. CNPJ: 46523239/0001-47 Endereço: Rua Luiz Ferreira da Silva, 172, Parque São Domingo,

Leia mais

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009

COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 COMISSÃO DE DESINSTITUCIONALIZAÇÃO DO MUNICÍPIO DE MARINGÁ PARANÁ: AÇÕES NO ANO DE 2009 Robsmeire Calvo Melo Zurita 1 ; Alessandra Massi Puziol Alves 2 Neide Barboza Lopes 3 INTRODUÇÃO: No Brasil ainda

Leia mais

AVALIAÇÃO DA CARGA MENTAL DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO SETOR DA CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ HUOP

AVALIAÇÃO DA CARGA MENTAL DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO SETOR DA CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ HUOP AVALIAÇÃO DA CARGA MENTAL DE TÉCNICOS DE ENFERMAGEM DO SETOR DA CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DO HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DO OESTE DO PARANÁ HUOP ISABELE MAIA GALVÃO JOSÉ MOHAMUD VILAGRA HELENARA SALVATI BERTOLOSSI

Leia mais

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde

Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde Tipologia dos Estabelecimentos de Saúde O Cadastro Nacional de Estabelecimentos de Saúde - CNES foi implantado em 29 de dezembro de 2000, através da Portaria SAS n.º 511. O CNES abrange a todos os estabelecimentos

Leia mais

HIV/AIDS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO COMPARATIVO EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS

HIV/AIDS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO COMPARATIVO EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS HIV/AIDS E QUALIDADE DE VIDA: ESTUDO COMPARATIVO EM PESSOAS ACIMA DE 50 ANOS Josevânia da Silva UNIPE josevaniasco@gmail.com Jéssica Oliveira Galvão UFPB jessica92.og@hotmail.com Ana Alayde Werba Saldanha

Leia mais

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013):

Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): Ao Dep. de Gestão Hospitalar no Estado do Rio de Janeiro compete (Art.19 do Decreto nº 8.065 de 07/08/2013): I - promover a integração operacional e assistencial dos serviços de saúde vinculados ao Ministério

Leia mais