Modelagem das áreas de processo do CMMI usando Business Process Management e Software Process Engineering Metamodel Specification

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Modelagem das áreas de processo do CMMI usando Business Process Management e Software Process Engineering Metamodel Specification"

Transcrição

1 Modelagem das áreas de processo do CMMI usando Business Process Management e Software Process Engineering Metamodel Specification Jaguaraci Batista Silva¹, Hugo Saba² 1 Departamento de Computação Universidade Federal da Bahia (UFBA) Av Adhemar de Barros s/n, Ondina Salvador BA Brazil 2 Departamento de Exatas Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS) Abstract. With the globalization, the lacks of documents standardization and agility on inquiry the norms in the guides as well as the Capability Maturity Model Integrated (CMMI), lead to the loss of competitiveness. In the effort for certifications, the agility becomes important to get and to apply the necessary norms that guarantee the processes quality of its. This research proposes a modeling of CMMI processes areas using Business Process Management (BPM) with goal to growth the agility and information reuse, being created an approach between CMMI and Software Process Engineering Metamodel Specification (SPEM) notations, to represent its components on the diagram forms, being sped up the understanding. Resumo. Com a globalização, as faltas de padronização de documentos e de agilidade em consultas de normas em guias como o Modelo Integrado de Maturidade da Capacitação (CMMI), conduzem à perda de competitividade. Na busca por certificações, torna-se importante a agilidade para obter e aplicar as normas necessárias, que garantam a qualidade de seus processos. Esta pesquisa propõe uma modelagem das áreas de processo do CMMI, utilizando, Business Process Management (BPM) com o objetivo de melhorar a agilidade e a reutilização de informações, criando uma relação do CMMI com as notações do Software Process Engineering Metamodel Specification (SPEM), para representar os seus componentes na forma de diagramas, acelerando a compreensão. 1. Introdução Durante a implantação de um modelo de processo em uma empresa produtora de software dificuldades precisam ser vencidas. A falta de padronização nos documentos que guiam a obtenção de informações e a adequação deste modelo a realidade da organização, são exemplos de problemas enfrentados durante esse processo. É importante ter domínio sobre os processos a serem executados ou um guia para acoplálos de forma coesa, para evitar a perda de produtividade (e. g. retrabalho). Uma ferramenta de modelagem de processos possibilita o desenho dos processos conduzindo a um entendimento rápido, publicar as informações e fazer análises sobre seus resultados de maneira ágil, papel de uma metodologia de Business Process Management

2 (BPM) (White, 2007). Essa pesquisa utiliza o BPM para demonstrar uma nova alternativa na obtenção das informações das áreas de processo do CMMI (Modelo Integrado de Maturidade da Capacitação) (Chrissis et al, 2001). Aproveitando a sua padronização de documentos, diagramas usados na representação dos processos e as notações do Software Process Engineering Metamodel Specification (SPEM) (OMG, 2005) para representar melhor o conjunto de práticas contidos no guia. Será proposta uma modelagem base, adaptável e aberta, a qual ajudará bastante a organização que deseja utilizar o modelo CMMI para implantar um novo processo de construção de software. O trabalho está organizado da seguinte forma: os problemas encontrados na obtenção das informações do CMMI e a proposta deste trabalho no capítulo 1. Uma visão geral do guia no capítulo 2. A criação de uma relação entre o CMMI e o SPEM para a utilização de símbolos que representem os seus componentes em forma de diagramas no capítulo 3. Uma breve apresentação da metodologia de BPM utilizada neste trabalho no capítulo 4. A proposta deste trabalho no capítulo 5. As conclusões e sugestões para um trabalho futuro estão no capítulo 6. As referências utilizadas constam na parte final deste artigo. 2. Visão geral do CMMI O Modelo Integrado de Maturidade da Capacitação (CMMI) (SEI, 2002) busca integrar e evoluir os modelos Capability Maturity Model for Software (SW-CMM) (Paulk et al, 1993), System Engineering Capability Maturity Mode (SE-CMM) e Integrated Product Development Capability Maturity Model (IPD-CMM) no intuito de minimizar os custos da implementação da melhoria do processo de software. Este modelo foi desenvolvido pelo Software Engineering Institute (SEI) e possui os elementos essenciais de um processo efetivo, os quais são baseados nos conceitos desenvolvidos por Crosby [4], Deming (Deming, 1986), Juran (Juran, 1989), and Humphrey (Humphrey, 1989). O CMMI não é um método, pois não estabelece ações específicas a serem seguidas, ele fornece uma diretriz para a seleção de estratégias de melhoria de processos, permitindo a determinação dos processos correntes e a identificação das questões mais críticas para a melhoria e qualidade de processos. Precisando ser compreendido e adaptado às características de cada organização. O CMMI SE/SW é organizado em duas representações diferentes de modelos, estagiado e contínuo, e sua arquitetura é composta basicamente por 22 áreas de processo. O modelo na representação de estágios é formado por cinco níveis de maturidade. As 22 áreas de processo estão agrupadas nos níveis 2, 3, 4 e 5, no nível 1 não existe nenhuma área de processo. Cada nível de maturidade representa um patamar evolutivo formado pelas áreas de processo, que estabelecem um conjunto coerente de metas. Estas metas quando satisfeitas em conjunto estabilizam o processo de software, resultando no aumento da capacitação do processo da organização. Quanto maior a capacitação, menor será a variação dos erros de estimativa em torno da média. O modelo na representação contínua é compatível com a norma internacional ISO/IEC (ISO, 2003) para avaliação de processos e é composto por seis níveis de capacidade e as mesmas 22 áreas de processo. A classificação em cada nível de capacidade é definida por um conjunto de características que o processo deve satisfazer.

3 O conjunto de atividades correspondente a cada área de processo pode ter sua capacidade de execução classificada em Nível 0 Incompleto, Nível 1 Executado, Nível 2 Gerenciado, Nível 3 Definido, Nível 4 Gerenciado Quantitativamente e Nível 5 Em Otimização. Estes modelos focalizam na capacitação das organizações em produzirem consistentemente e previsivelmente produtos de qualidade assegurada. Também focalizam na premissa básica da gerência de processo, na qual a qualidade do produto é determinada principalmente pela qualidade do seu processo. 3. Mapeamento do CMMI usando o SPEM O Software Process Engineering Metamodel Specification (SPEM) (OMG, 2005), modelo utilizado para especificar, definir processos e seus componentes, foi construído a partir de um subconjunto, chamado de SPEM Foundation, um perfil do metamodelo Unified Modeling Language (UML) (Booch et al, 2003) que oferece algumas representações e estereótipos para modelar artefatos, processos, ferramentas e outros componentes utilizados em um processo de construção de softwares. A descrição dos principais elementos que compõem o SPEM e a sua relação com o CMMI estão descritas na tabela 1. Tabela 1. Tabela de relacionamento dos elementos comuns utilizados no CMMI e SPEM. Figuras Notações do SPEM Componentes do CMMI WorkProduct Activity or Step WorkProduct Produto típico de trabalho. Práticas e sub-práticas genéricas ou específicas. Produto típico de trabalho. Guidance Phase ProcessPackage SPEM Packages Guia ou manual. Nível de maturidade. Área de processo relacionada. Metas genéricas ou específicas. ProcessPerformer Habilidade requerida para executar atividades. ProcessRole Habilidade requerida para executar atividades.

4 WorkDefinition WorkProduct Área de processo. Produto típico de trabalho. A metodologia proposta buscou uma aproximação dos elementos apresentados nos guias do SPEM (OMG, 2005) e CMMI (Chrissis, 2001) na utilização da metodologia de BPM (Seção 4) para a representação dos guias através de diagramas. Um produto típico ou Workproduct, relacionados a alguns dos elementos da tabela 1, simbolizam um ou mais artefatos gerados a partir de uma prática ou sub-prática e normalmente são utilizados materiais de apoio para o seu conhecimento como um guia ou manual elementos que também estão associados como Phase e Guidance. As atividades no CMMI são agrupadas e guiadas por metas, estas podem ser específicas, no caso das habilidades requeridas para a sua execução serem de nível técnico ou genéricas que apóiam a sua institucionalização, o perfil de execução das atividades são representadas pelos elementos ProcessRole, ProcessPerformer, as práticas e subpráticas estão sendo representadas pelo componente Activity ou Step e as metas pelo SPEM Packages. Essa institucionalização se dá através das necessidades da empresa e são associadas em níveis de maturidade (Seção 2). Um nível de maturidade contém áreas de processos e esta pode estar relacionada a outras, os elementos Workdefinition e ProcessPackage representam essa informação. 4. Visão geral da metodologia de BPM A metodologia de modelagem e gerenciamento dos processos de negócio foi construída durante o programa de residência em software com foco em e-government na Universidade Federal da Bahia (Santos et al, 2007). A construção dessa modelagem, deve-se ao fato de ocorrer em paralelo vários projetos de modelagem propostos pelo programa. Com isso, foi necessário estabelecer critérios de padronização dos documentos para a obtenção de dados, a forma de compor os elementos gráficos que os representasse usando a BPMN (Business Process Management Notation) (White, 2007) em diagramas e um guia que servisse de base para outros projetos de modelagem na universidade. No caso específico da residência, foi adotada uma seqüência de atividades agrupadas em três etapas, conforme a figura 1 abaixo: Figura 1 Etapas da metodologia (Santos et al, 2007)

5 4.1 Etapa 1 Emoldurar processos O mapeamento de processos define claramente como funciona os macros e subprocessos, seus relacionamentos, quem realiza cada atividade. Apoiando a compreensão do contexto dos processos através de uma documentação detalhada da organização, possibilitando uma visão geral dos seus processos e atividades.. O relacionamento pode ser de três tipos: 1:1 (i.e. um para um), geralmente constituem processos bem formados, 1:M (i.e. um para muitos) quando um processo pode ter várias ações de um outro diretamente relacionado a ele e M:M (i.e. muitos para muitos), onde vários processos se relacionam com tantos outros. O relacionamento 1:1 ocorre entre sub-processos e entre processos ocorrem 1:M - M:1, M:M - M:1 ou 1:M - M:M. 4.2 Etapa 2 Compreender o processo Para a modelagem e avaliação dos processos, utilizando as informações colhidas nos documentos da etapa anterior, são utilizados diagramas compondo três ou mais níveis de detalhamento, classificados como diagramas de Handoff, de Fluxo e Atividades. O diagrama de Handoff permite um visão geral dos processos envolvidos em uma determinada tarefa, dando ênfase aos atores dos procedimentos. Neste aspecto, são abordados os itens de evento inicial que desencadeia a execução do processo, o evento final representando o fim do processo, as estruturas de decisões que afetam o fluxo, os operadores lógicos e raias de responsabilidade. As estruturas de decisões de processo representado pelo símbolo se, podem ser usadas como forma de indicar uma decisão de fluxo a partir de alguma característica dos passos anteriores. Alguma característica deve ser analisada e se ela for verdadeira o fluxo a ser seguido será um, e se for falsa o fluxo será outro. Os loops servem para indicar a necessidade de voltar a executar um determinado passo ou seqüência de passos até que uma determinada condição de parada seja alcançada, e o fluxo do processo possa seguir seu caminho normal. Os operadores lógicos ou representam a possibilidade de seguir por um ou mais caminhos subseqüentes a esse passo. O operador (i.e. exclusivo) representa a possibilidade de seguir apenas um dos fluxos possíveis a partir do processo em que se encontra. Fluxos concorrentes são representados pelo símbolo e indicando que para que um passo fora do e possa ser executado, todos os passos que estão inclusos nesse fluxo paralelo devem ter sido completados. A representação em raias é exclusiva para o participante e contém todos os processos executados por ele, facilitando conhecer as suas responsabilidades. O diagrama de Fluxo é gerado a partir do Handoff e apresenta um maior nível de detalhamento que o seu predecessor. Para obtê-lo, é necessário criar novos níveis de detalhamento para cada um dos passos originais, e em cada um desses níveis gerados, incluir novos passos que para não afetar a legibilidade do diagrama, devem ser criados com um certo critério. Neste Diagrama são abordados os mesmos itens do diagrama de Handoff, que são as decisões que afetam o fluxo, loops significantes, evento inicial, evento final e a representação em raias dos participantes do passo. O evento inicial e o evento final são considerados as interfaces que comunicam o processo em questão com o anterior e posterior respectivamente. Além desses itens devem ser considerados: os mecanismos de Handoff, cuja finalidade é a identificação da transição entre as atividades e suas entradas e saídas, dos fluxos de dados que são transferidos de um

6 passo para outro e dos tipos de mídias usadas nesses fluxos. Além disso, devem ser feitas cinco perguntas para a sua validação: O que faz o passo prosseguir? Quem mais está envolvido nesse passo? O nome desse passo reflete o seu resultado? Todas as saídas são representadas?, E no caso de um Handoff, como o trabalho é passado adiante?. O diagrama de Atividade serve para descrever partes confusas ou problemáticas do processo. Novos passos podem ser desenhados no diagrama com o objetivo de tornar o processo o mais claro possível. O nível de detalhamento deste diagrama é maior que os diagramas de Handoff e Fluxo, pois além dos itens abordados nestes diagramas, outros serão adicionados, como: recursos, custos, sistemas e outras informações que possam facilitar o entendimento do processo. 4.3 Etapa 3 Projetar o processo desejado Definição da decisão a ser tomada em relação aos processos identificados durante a etapa AS-IS, onde os fatores como processos, suas principais características, deficiências, foram detalhadamente identificados e junto ao alinhamento com os objetivos e estratégias da organização. Apoiando a organização na definição de aspectos que tornem os processos identificados e coerentes com os objetivos e estratégias da mesma, se essa for a decisão tomada pela empresa. Nesses casos, é necessário aplicar simulações, desenvolver um novo modelo de processos com as melhorias previstas para a situação atual identificada, dentre outros. A decisão a ser tomada pela empresa dependerá do foco dado a modelagem realizada na organização, pois, se a idéia era apenas identificar os processo atuais da organização, alterações nos mesmos não serão necessárias. Dentre as várias decisões a serem tomadas pelas organizações, após a realização da etapa de identificação dos processos atuais da organização, poderá decidir por mantê-lo, melhorá-lo ou abandonálo criando um novo modelo. 5. Modelagem da área de processo do CMMI usando BPM e notações do SPEM Na construção da modelagem proposta, com base na metodologia de BPM (Seção 4), foram utilizados diversos documentos e elementos visuais através de ferramentas de escritório para edição de textos com a capacidade de criação de planilhas e uma ferramenta de modelagem de processos de negócio denominada Bonapart (Bonapart, 2007). A Bonapart apresenta-se em três etapas, a etapa de emoldurar e de compreender o processo, as quais foram utilizadas na modelagem proposta, por se tratarem da aquisição e modelagem da informação, enquanto a terceira, projetar o processo desejado, não foi utilizada, pois poderá ser executada durante a implantação do CMMI, para a sua melhor adequação aos processos de negócio da empresa. 5.1 Emoldurar processos O objetivo deste fase como já foi explicado, é obter informações da organização para servir de base para modelagem. Utilizou-se os templates e padrões, utilizados na modelagem, com o objetivo de modelar as práticas específicas da área de processo do CMMI de Produto (Product Integration) (Chrissis et al, 2001)(SEI, 2002). A escolha dessa PA (Process Area) se deu devido á existência de vários trabalhos

7 publicados com algumas áreas de processo no nível 2 e por acreditar que todos os documentos utilizados neste trabalho podem servir para muitas empresas no Brasil que encontram-se atualmente no nível de maturidade 3. Além disso, por não se tratar de uma modelagem de processos de negócios na organização, pois o uso da metodologia de BPM e construir uma modelagem de apoio com as informações da PA, não foram utilizadas as etapas de documentar a missão, estratégia, metas e objetivos da organização. Estas devem ser feitas posteriormente, quando da implantação do modelo de processo na empresa. Apenas duas etapas foram abordadas: a preparação da modelagem e a construção do mapa geral do processo Preparação da modelagem Durante a fase da preparação da modelagem, é necessário conhecer todas as atividades relacionadas para compor uma visão geral do processo, foram definidas duas atividades: Obtenção da lista de atividades (Seção ) e Agrupamento das atividades em subprocessos (Seção ) Obtenção da lista de atividades As sub-práticas contidas na tabela 1, estão agrupadas junto a práticas específicas. As informações sobre os atores, são recomendações do próprio guia para o perfil profissional com as qualificações necessárias para execução das atividades (Tabela 2). Tabela 1 Meta específica da PA de Produto. Meta específica SG 1.0 Preparar para a integração do produto Práticas específicas SP 1.1-1Determinar a seqüência de integração; SP 1.2-1Estabelecer o ambiente de integração; SP 1.3-1Estabelecer os procedimentos e critérios; As área de processo estão contidas nas descrições das práticas específicas, são referenciadas através de recomendações para questões relacionadas as atividades como: soluções de problemas, onde requisitar os artefatos de entrada, qual PA será responsável pela gerência de versões dos documentos, onde será armazenado os artefatos de saída e mídia utilizada. Tabela 2 Prática Específica SP Determinar a seqüência de integração. Atividade Atores Área de Processo SG SP Determinar a Seqüência de 1- Identificar os componentes para Engenheiro de Software, Analista de Engenheiro de Software Gerência de acordo com o fornecedor

8 2 - Identificar as relações entre os componentes 3 - Identificar uma seqüência para 4 - Identificar uma seqüência alternativa para Engenheiro de Software Analista de Analista de Gerência de Risco Gerência de Risco 5 - Verificar qual a melhor seqüência Analista de 6 - Revisar a seqüência de quando necessário Analista de Decisão de Análise de Resolução Os recursos, documento do domínio da aplicação, ferramenta de criação de protótipo, aplicativos de escritório e guias para análise são os produtos típicos de trabalho recomendados pelas sub-práticas e os exemplos de recursos presentes em Ability to Perfom ou habilidade para execução da PA. Os documentos de entrada (e.g. documento dos componentes do produto) e saída (e. g. documento da seqüência de integração) foram extraídos das informações dos produtos típicos de trabalho e agrupados para o conhecimento de quais artefatos são necessários para a execução e o que será gerado como produto de trabalho após a realização das atividades Agrupamento das atividades em sub-processos Os sub-processos representam as práticas específicas da meta SG 1.0 (Tabela 1). O documento de informação sobre os sub-processos contém entre outras informações: o seu objetivo, uma breve descrição e o agrupamento das sub-práticas ou atividades listadas acima. Na modelagem abordada, os sub-processos são criados a partir de um agrupamento lógico e coeso das atividades para então construir o diagrama de Mapa Geral do processo. Este documento será útil também quando da criação do diagrama de atividades, pois os diagramas serão organizados em níveis de detalhamento Construção do mapa geral Para alcançar a meta SG 1.0,(i.e. processo aqui representado), são necessárias práticas específicas (SP) (i.e. um conjunto de atividades apresentadas acima). No diagrama de mapa geral é possível perceber a orientação sobre o início e final do processo, facilitando o entendimento sobre quais os conjuntos de atividades necessárias a sua execução. A relação entre as práticas específicas são iguais ás definidas para os processos utilizada na modelagem, ou seja, 1:1 (i.e. um para um). A ferramenta de modelagem BPM utilizada para a construção do diagrama, a Bonapart (Bonapart, 2007), não permite o uso de elementos visuais do SPEM, sendo necessário utilizar as figuras para adaptação dos objetos visual predefinidos internamente. Na criação do diagrama acima foram utilizados símbolos do BPMN (White, 2007), para representação de processos, e o SPEM Packages, conforme o mapeamento criado (Capítulo 3).

9 Figura 2. Mapa geral SG 1.0 Preparar para integração do produto. 5.2 Compreender o processo Um dos benefícios das ferramentas de BPM é a criação de diagramas que representam as atividades a serem desempenhadas nos processos. Nesta etapa, foi utilizado o diagrama de atividades diretamente, por já apresentar as informações (e. g. atores, recursos e sistemas) que facilitam o entendimento do processo. Na construção do diagrama foi utilizada a padronização de elementos da metodologia BPM (Capítulo 4). Os elementos foram organizados da seguinte forma: as área de processos e perfis habilitados para executar ás atividades, localizados á esquerda. As atividades estão no centro do diagrama e segue a orientação de execução, começando no topo deslocando-se para baixo e com os nomes começando por números seqüenciais. Os recursos como (Figura 3): ferramentas, guias e documentos, localizam-se à direita As setas pretas indicam a direção do caminho a ser percorrido, a necessidade da informação obtida na atividade anterior e o fluxo de seqüência para o próximo passo. As setas vermelhas ou azuis, os recursos, as áreas de processo, o perfil necessário para execução das atividades e a direção da busca por esses elementos. No evento de entrada, por exemplo, representado pela figura Workproduct do SPEM, a direção da seta indica que os artefatos necessários para a execução deste sub-processo devem ser entregues pela PA Desenvolvimento de Requisitos e o seu produto final enviado pela PA de Gerência de Configuração para que esta possa controlar as versões dos documentos especificados (Figura 3). No diagrama também estão presentes os estereótipos utilizados nas setas, tais como: uses, Retrieves information e o relacionamento 1:1 (i.e. um para um). O uses indica que para a execução da atividade é necessário utilizar um recurso ou guia. Para saber se existe alguma informação a ser recuperada de um documento ou sistema, é utilizado o Retrieves information. O relacionamento indica que deve existir na empresa apenas um perfil para executar a função e uma área de processo a qual esse profissional deve se reportar. A existência de um único perfil não restringe a delegação deste para uma ou mais pessoas, apenas a capacidade técnica exigida.

10 Figura 3. Diagrama de atividades SP Determinar a Seqüência de. 6. Considerações Finais A modelagem da área de processo do CMMI utilizando uma metodologia de BPM e notações do SPEM, minimizou o fato das coletas de informação contidas no CMMI serem exaustivas para os consultores, transformando em uma modelagem por

11 simbologia o que facilita a compreensão. A concentração das informações em documentos e a busca por organizar o entendimento através de diagramas tornou a leitura e interpretação mais dinâmicas. As informações geradas pela modelagem proposta, utilizando os modelos previamente construídos em uma ferramenta de BPM, possibilita a reutilização e é adaptável a outras empresas. Uma modelagem completa da área de de Produto foi realizada como exemplo e seus documentos podem ser vistos em Como trabalho futuro, busca-se uma comparação entre a implantação de uma área de processo do CMMI, seguindo a abordagem proposta neste artigo, e a abordagem convencional (i.e. com base no guia de implantação do CMMI) para efetuar uma análise minuciosa dos benefícios entre uma técnica e outra. Referências Bonapart. Ferramenta de Modelagem de Processo de Negócios. Disponível em acessado em agosto de Booch, G., Jacobson, I., Rumbaugh, J (1999). Unified Modeling Language User s Guide. Addison-Wesley. Chrissis, M. B., Konrad M., Shrum S.. CMMI: Guidelines for Process Integration and Product Improvement. Addison Wesley, fevereiro de ISBN Crosby, P.B.. Quality is Free. McGraw Hill, Book Co. 1979, 309p. Deming, W.E., Out of Crisis, MIT Center for Advanced Engineering Studies, Cambridge, MA, Humphey, Watts.. Managing the Software Process. Reading, Mass.: Addison-Wesley, ISO. ISO/IEC TR The International Organization for Standardization and International Eletrotechnical Commission, Information Technology Software Process Assessment. Outubro de Juran, J. M., Juran.. On leadership for Quality. New York: Free Press, OMG. Software Process Engineering Metamodel Specification. Object Management Group. Janeiro de 2005, Versão 1.1. Paulk Mark C., et al. The Capability Maturity Model for Software. Version 1.1, Software Engineering Institute, Carnegie Mellon University, Pittsburgh, PA (USA), Santos, A.G., Santos F. G., Mendes F. A. T., Cruz G. M., Silva J. B., Freitas J.V. V.B., Santana M. R., Pastor S. O.Metodologia de Processos de Negócios. Universidade Federal da Bahia, Programa de Residência em Software com foco em e-government, Disponível em acessado em agosto de SEI. CMMI., et al. The Capability Maturity Model for Software. Version 1.1- CMU/SEI-2002-TR-012, March 2002.

12 White, S. A.. Introduction to BPMN, IBM, BPMN Articles and Papers. Disponível na Internet em acessado em agosto de 2007.

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Análise dos Requisitos de Software Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Análise dos Requisitos de Software Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução Tipos de requisitos Atividades Princípios da

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE UML-Unified Modeling Language Linguagem de Modelagem Unificada Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução a linguagem UML

Leia mais

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado

Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Modelagem do Processo de Gerenciamento da Configuração de Software para um Ambiente Integrado Martha A. D. Abdala Centro Técnico Aeroespacial (CTA) martha@iae.cta.br Resumo Os processos utilizados na engenharia

Leia mais

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL

APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL APLICAÇÃO DE BOAS PRÁTICAS DE QUALIDADE DE SOFTWARE NO DESENVOLVIMENTO DE UM PROTÓTIPO DE SISTEMA DE REGISTRO ELETRÔNICO EM SÁUDE ASSISTENCIAL Cristiane Machado de Vargas 1 Ana Marcia Debiasi Duarte 2

Leia mais

MODELAGEM DE PROCESSOS

MODELAGEM DE PROCESSOS MODELAGEM DE PROCESSOS a a a PRODUZIDO POR CARLOS PORTELA csp3@cin.ufpe.br AGENDA Definição Objetivos e Vantagens Linguagens de Modelagem BPMN SPEM Ferramentas Considerações Finais Referências 2 DEFINIÇÃO:

Leia mais

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI)

ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) ALESSANDRO PEREIRA DOS REIS PAULO CESAR CASTRO DE ALMEIDA ENGENHARIA DE SOFTWARE - CAPABILITY MATURITY MODEL INTEGRATION (CMMI) APARECIDA DE GOIÂNIA 2014 LISTA DE TABELAS Tabela 1 Áreas de processo por

Leia mais

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação

CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos. Bacharel em Sistemas de Informação CMMI (Capability Maturity Model Integration) Thiago Gimenez Cantos Bacharel em Sistemas de Informação Faculdade de Informática de Presidente Prudente Universidade do Oeste Paulista (UNOESTE) thiago@visioncom.com.br;

Leia mais

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE

AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE AVALIAÇÃO DE UM PROCESSO DE IMPLANTAÇÃO DE PRODUTOS DE SOFTWARE QUANTO A SUA ADERÊNCIA AO CMMI FOR SERVICE Autoria: Natércia Ponte Nogueira, Andreia Rodrigues, Adriano Albuquerque, Alessandro Câmara RESUMO.

Leia mais

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3

Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Uma Arquitetura de Processos para ISO 9001:2000 e SW- CMM Nível 3 Carlo Giovano Pires, Fabiana Marinho, Gabriela Telles, Márcia Sampaio Instituto Atlântico, Rua Chico Lemos, 946, 60822-780, Fortaleza -

Leia mais

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI)

F U N D A Ç Ã O E D U C A C I O N A L S Ã O J O S É. MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) 1 MODELOS DE MATURIDADE CMMI Capability Maturity Model Integration (CMMI) Teresinha Moreira de Magalhães 1 Lúcia Helena de Magalhães 2 Fernando Machado da Rocha 3 Resumo Este trabalho visa apresentar uma

Leia mais

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e

Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e JEANE MENDES DA SILVA SANTOS Um Framework para definição de processos de testes de software que atenda ao nível 3 do TMM-e Plano de Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à Universidade Federal de

Leia mais

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.

CMM. Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software. Capability. Maturity. Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos. CMM Capability Maturity Model: : Um Modelo para Melhoria do Processo (de Produção) de Software Odisnei Galarraga odisnei@atlas.unisinos.br 8/3/2002 Pró-Reitoria de Administração - Diretoria de Serviços

Leia mais

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio

Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS / INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Planejamento da disciplina: Modelagem de processos de negócio Professor: Clarindo Isaías Pereira

Leia mais

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática

Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Implantando um Programa de Melhoria de Processo: Uma Experiência Prática Evandro Polese Alves Ricardo de Almeida Falbo Departamento de Informática - UFES Av. Fernando Ferrari, s/n, Vitória - ES - Brasil

Leia mais

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP

Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Carlos Henrique Santos da Silva, MSc, PMP Especializações Certificações Mestre em Informática na área de Sistemas de Informação UFRJ/IM Pós-Graduado em Análise, Projeto e Gerência de Sistemas PUC Pós-Graduado

Leia mais

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software

Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Spider-PM: Uma Ferramenta de Apoio à Modelagem de Processos de Software Renan Sales Barros 1, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1 1 Faculdade de Computação Instituto de Ciências Exatas e Naturais (ICEN)

Leia mais

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE)

1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) 1 UML (UNIFIED MODELING LANGUAGE) Segundo Tonsig (2003), para conseguir desenvolver um software capaz de satisfazer as necessidades de seus usuários, com qualidade, por intermédio de uma arquitetura sólida

Leia mais

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva

Treinamento BPM e BPMN Apresentação Executiva Apresentação Executiva 1 O treinamento de BPM e BPMN tem como premissa capacitar o aluno a captar as atividades relativas a determinado processo da empresa, organizá-las, gerando um fluxograma de atividades/processos,

Leia mais

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev

Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Artigos técnicos selecionados Relato da Experiência do Processo de Institucionalização do Modelo CMMI na Dataprev Rosana Fernandes Osório, Guilherme Tavares Motta Coordenação Geral de Qualidade de Software

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Aula 03 CMMI Capability Maturity Model Integration Parte I Agenda Processos CMMI Definição Histórico Objetivos Características Representações

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade IV QUALIDADE DE SOFTWARE introdução As mudanças que estão ocorrendo nos clientes e nos ambientes de negócios altamente competitivos têm motivado as empresas a modificarem

Leia mais

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN

INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 2.1 CONCEITO DE MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN INTRODUÇÃO A MODELAGEM DE PROCESSOS UTILIZANDO BPMN 1 FÁBIO RODRIGUES CRUZ 2 1 INTRODUÇÃO A Business Process Modeling Notation (BPMN), ou Notação de Modelagem de Processos de Negócio, é um conjunto de

Leia mais

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1

Introdução CMMI. Qualidade e Teste de Software CMMI 1 Introdução CMMI O propósito da qualidade é estabelecer um diferencial competitivo, através de contribuições como redução de defeitos, redução de custos, redução de retrabalho e aumento da produtividade,

Leia mais

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade;

do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; 1 ARQUITETURA E DESIGN DE SOFTWARE O que é Arquitetura? do grego: arkhé (chefe ou mestre) + tékton (trabalhador ou construtor); tekhne arte ou habilidade; do dicionário: Arte de projetar e construir prédios,

Leia mais

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br

BPMN (Business Process. George Valença gavs@cin.ufpe.br BPMN (Business Process Modeling Notation) George Valença gavs@cin.ufpe.br 31/10/2012 Introdução Modelagem de processos No ciclo de vida BPM, a etapa de modelagem de processos consiste em um conjunto de

Leia mais

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO

18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO 18º Congresso de Iniciação Científica UM ESTUDO EXPLORATÓRIO SOBRE TÉCNICAS DE MODELAGEM DE REQUISITOS DE SOFTWARE PARA SISTEMA EMBARCADO Autor(es) MARINA CALÇA Orientador(es) LUIZ EDUARDO GALVÃO MARTINS

Leia mais

Capability Maturity Model Integration - CMMI

Capability Maturity Model Integration - CMMI Capability Maturity Model Integration - CMMI Para Desenvolvimento Versão 1.2 M.Sc. Roberto Couto Lima ÍNDICE 1. Definição ------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Processo de Desenvolvimento de Software

Processo de Desenvolvimento de Software Unidade IV Introdução aos Padrões de PDS Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Conteúdo da Unidade 1. CMM / CMMI 2. SPICE 3. ISO 12207 4. MPS/BR CMM - Capability Maturity Model CMM Capability

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral

Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação. CMMI Visão Geral Especialização em Gestão Estratégica de Tecnologia da Informação CMMI Visão Geral Agenda Um histórico dos modelos CMM e CMMI Modelo CMMI Suíte do modelo Representações Níveis de maturidade Áreas de processo

Leia mais

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504

PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE DE ACORDO COM A NORMA ISO/IEC 15504 MARCELO NORTE DE OLIVEIRA 1 marcelonorte.ti@gmail.com IREMAR NUNES DE LIMA 2 iremar.prof@uol.com.br RESUMO: Este artigo trata

Leia mais

Modelagem de Processos de Software Através do SPEM - Software Process Engineering Metamodel - Conceitos e Aplicação

Modelagem de Processos de Software Através do SPEM - Software Process Engineering Metamodel - Conceitos e Aplicação Modelagem de Processos de Software Através do SPEM - Software Process Engineering Metamodel - Conceitos e Aplicação Elias Canhadas Genvigir INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais CEFET - PR -

Leia mais

Introdução à Qualidade de Software

Introdução à Qualidade de Software FACULDADE DOS GUARARAPES Introdução à Qualidade de Software www.romulocesar.com.br Prof. Rômulo César (romulodandrade@gmail.com) 1/41 Objetivo do Curso Apresentar os conceitos básicos sobre Qualidade de

Leia mais

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3

Objetivos. Histórico. Out/11 2. Out/11 3 Objetivos Histórico Evolução da Qualidade Princípios de Deming CMMI Conceitos Vantagens Representações Detalhamento Gerenciamento Comparação Out/11 2 Histórico SW-CMM (Software Capability Maturity Model):

Leia mais

Modelagem e Avaliação do CMMI no SPEM para Definição de um Meta-Processo de Software

Modelagem e Avaliação do CMMI no SPEM para Definição de um Meta-Processo de Software UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO CENTRO DE INFORMÁTICA CURSO CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO TURMA 2004.2 Modelagem e Avaliação do CMMI no SPEM para Definição de um Meta-Processo de Software Autor Rodrigo Cavalcante

Leia mais

Políticas de Qualidade em TI

Políticas de Qualidade em TI Políticas de Qualidade em TI Aula 05 MPS.BR (ago/12) Melhoria de Processo do Software Brasileiro Prof. www.edilms.eti.br edilms@yahoo.com Agenda Descrição sumária do MPS.BR - Melhoria de Processo do Software

Leia mais

Professor: Disciplina:

Professor: Disciplina: Professor: Curso: Disciplina: Marcos Morais de Sousa marcosmoraisdesousa@gmail.com marcosmoraisdesousa.blogspot.com Sistemas de informação Engenharia de Software II Gerenciamento de Qualidade CMMI e MPS.BR

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Qualidade de Software André Mesquita Rincon Instituto de Informática/Universidade Federal de Goiás (UFG) Goiânia GO Brasil Curso Superior de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas/Fundação

Leia mais

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4

efagundes com GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 GOVERNANÇA DE TIC Eduardo Mayer Fagundes Aula 3/4 1 CobIT Modelo abrangente aplicável para a auditoria e controle de processo de TI, desde o planejamento da tecnologia até a monitoração e auditoria de

Leia mais

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software?

21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? 21. Qualidade de Produto ou Qualidade de Processo de Software? Qualidade de software é uma preocupação real e esforços têm sido realizados na busca pela qualidade dos processos envolvidos em seu desenvolvimento

Leia mais

Definição do Framework

Definição do Framework Definição do Framework 1. Introdução 1.1. Finalidade Este documento tem por finalidade apresentar o mapeamento dos processos de Definição de Processo Organizacional e Avaliação e Melhoria do Processo dos

Leia mais

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB

Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Universidade Federal de Goiás Instituto de Informática Sistemas de Informação Código da Matriz Curricular: 109P1NB Plano de Disciplina Ano Letivo: 2013-1 º Semestre Dados da Disciplina Código Disc. Nome

Leia mais

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software

Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Uma proposta de um processo prático para apoiar o reuso de software Rosangela Kronig (UNIP) rkronig.mes.engprod@unip.br Ivanir Costa (UNIP) icosta@unip.br Mauro Spínola (UNIP) mspinola@unip.br Resumo A

Leia mais

Projeto 2.03 Avaliação e Melhoria do Processo de Software no Departamento Regional/BA da ECT, Baseado na ISO/IEC 15504

Projeto 2.03 Avaliação e Melhoria do Processo de Software no Departamento Regional/BA da ECT, Baseado na ISO/IEC 15504 Projeto 2.03 Avaliação e Melhoria do Processo de Software no Departamento Regional/BA da ECT, Baseado na ISO/IEC 15504 Resumo Jorge Amaro Coelho Junior, Silvio Vanderlei Araújo Sousa, Kátia Fracassi, Vânia

Leia mais

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI

Profa. Celia Corigliano. Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Profa. Celia Corigliano Unidade IV GERENCIAMENTO DE PROJETOS DE TI Agenda da disciplina Unidade I Gestão de Projetos Unidade II Ferramentas para Gestão de Projetos Unidade III Gestão de Riscos em TI Unidade

Leia mais

Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML

Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML Derivando a arquitetura inicial do software de uma central de monitoração de diabéticos a partir do modelo de Negócio da UML Claudio Yua Shen Ling Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza (CEETEPS)

Leia mais

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização

Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Proposta de Implementação de Qualidade de Software na Organização Daniel Gonçalves Jacobsen 1 Faculdade Dom Bosco de Porto Alegre Porto Alegre RS Brasil daniel@flete.com.br Abstract. This article describes

Leia mais

IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA IMPLEMENTANDO MÉTODOS DE ESTIMATIVA DE PROJETO DE SOFTWARE NO DOTPROJECT PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Uma proposta de uso do TMM para melhoria da capacidade nas áreas de Verificação e Validação do CMMI

Uma proposta de uso do TMM para melhoria da capacidade nas áreas de Verificação e Validação do CMMI Uma proposta de uso do TMM para melhoria da capacidade nas áreas de Verificação e Validação do CMMI Nielso Cândido de Oliveira únior 1 1 Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS

DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS DETERMINAÇÃO DA MATURIDADE DE PROCESSOS EM EMPRESAS CERTIFICADAS PELA NBR ISO 9001:2000, COMO UM INDICADOR DA GESTÃO POR PROCESSOS Marcos Eduardo Andreazza Jaguaribe 1 Dr. Luiz Gonzaga Mariano Filho 1

Leia mais

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2

UML 2. Guia Prático. Gilleanes T.A. Guedes. Novatec. Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 UML 2 Guia Prático Gilleanes T.A. Guedes Obra revisada e ampliada a partir do título Guia de Consulta Rápida UML 2 Novatec capítulo 1 Introdução à UML A UML (Unified Modeling Language ou Linguagem de Modelagem

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos

3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos 3. Metodologias de Gerenciamento de Riscos A complexidade que caracteriza a implantação de um sistema ERP é uma das maiores preocupações das organizações que pretendem desenvolver projetos desta natureza.

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade.

O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. O Modelo de Maturidade de Processos: como maximizar o retorno dos investimentos em melhoria da qualidade e produtividade. Jairo Siqueira 1 Resumo Este estudo apresenta um modelo para avaliação do grau

Leia mais

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio

Nos artigos anteriores apresentamos. Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Desenvolvimento de Software Dirigido por Caso de Uso Parte III: Caso de Uso de Negócio Vinicius Lourenço de Sousa vinicius.lourenco.sousa@gmail.com Atua no ramo de desenvolvimento de software há mais de

Leia mais

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com

Qualidade de Software. Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Qualidade de Software Prof. Natália Oliveira M.Sc queiroz.nati@gmail.com Ementa Conceitos sobre Qualidade Qualidade do Produto Qualidade do Processo Garantida da Qualidade X Controle da Qualidade Conceitos

Leia mais

Departamento de Produção POLI

Departamento de Produção POLI Departamento de Produção POLI Marcelo Pessoa Mauro Spinola Sarah Kohan Fevereiro 2004 Multiplicidade de Modelos Por que usar um modelo? Modelos atuam como referência para a obtenção de níveis adequados

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Recursos e Cronograma Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Recursos e Cronograma Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Recursos; Pessoal; Software; Hardware; Outros recursos;

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo QUALIDADE DE SOFTWARE - PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

A história de UML e seus diagramas

A história de UML e seus diagramas A história de UML e seus diagramas Thânia Clair de Souza Vargas Departamento de Informática e Estatística Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Florianópolis, SC Brazil thania@inf.ufsc.br Abstract.

Leia mais

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software

Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software Qualidade de Processo de Desenvolvimento de Software DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos DAS 5316 Integração de Sistemas Corporativos Prof. Ricardo J. Rabelo Conteúdo Introdução & Problemática

Leia mais

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro

Introdução a CMMI. Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Introdução a CMMI Paulo Ricardo Motta Gomes Renato Miceli Costa Ribeiro Campina Grande, 29 de setembro de 2008 Agenda Processos Motivação Sintomas de falha de processo Aprimoramento de Processos O Framework

Leia mais

Conceitos de Processos & BPM

Conceitos de Processos & BPM http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte I Rogério Araújo http://rogerioaraujo.wordpress.com Série Rações Semanais Conceitos de Processos & BPM Parte

Leia mais

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso

Casos de Uso O que é. Casos de Uso. Objetivos de um Caso de Uso. Atores. Atores e Casos de Uso. Diagramas de Caso de Uso Casos de Uso O que é Casos de Uso Descrições narrativas de processos do domínio da aplicação Documentam a seqüência de eventos de um ator (um agente externo) usando o sistema para completar, do início

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil

Instituto de Computação, Universidade Federal do Amazonas (UFAM) Manaus-AM, Brasil Elicitação de Requisitos a partir de Modelos de Processos de Negócio e Modelos Organizacionais: Uma pesquisa para definição de técnicas baseadas em heurísticas Marcos A. B. de Oliveira 1, Sérgio R. C.

Leia mais

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis

Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Uma Implementação do Processo de Garantia da Qualidade usando a Spider-QA, a Spider-CL e o Mantis Rodrigo Araujo Barbalho 1, Marília Paulo Teles 2, Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira 1,2 1 Faculdade de Computação

Leia mais

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI

Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI Universidade Federal de Pernambuco Graduação em Ciência da Computação Centro de Informática Um modelo para o gerenciamento de múltiplos projetos de software aderente ao CMMI PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO

Leia mais

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS

PDS - DATASUS. Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS PDS - DATASUS Processo de Desenvolvimento de Software do DATASUS Coordenação Geral de Arquitetura e Engenharia Tecnológica Coordenação de Padronização e Qualidade de Software Gerência de Padrões e Software

Leia mais

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br

O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br O Modelo Processo de Software Brasileiro MPS-Br Prof. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Disponível em www.pasteurjr.blogspot.com 1-Estrutura do MPS-Br ( Softex, 2009) O MPS.BR1 é um programa mobilizador,

Leia mais

Qualidade de Software

Qualidade de Software Início Qualidade de Software Álvaro Rocha amrocha@ufp.pt http://www.ufp.pt/~amrocha Início>Tópicos Tópicos 1. Fundamentos 2. Qualidade e Maturidade do Processo de SW ISO 9000, ISO 12207, SW-CMM, TRILLIUM;

Leia mais

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste

Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste Melhoria da Qualidade de Produto e de Processo de Software a partir da Análise de Indicadores de Teste ERIKA DE FREITAS NITA CI&T SYSTEMS S/A www.cit.com.br Resumo Atualmente, a maioria das empresas de

Leia mais

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE

AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE REVISTA ELETRÔNICA DE ADMINISTRAÇÃO ISSN 1676-6822 PERIODICIDADE SEMESTRAL EDIÇÃO NÚMERO 8 JUNHO DE 2005 AS CARACTERÍSTICAS DO CMM E O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE COM QUALIDADE Kleber ALMEIDA Docente da

Leia mais

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619

Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2. Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Tópicos em Engenharia de Software (Optativa III) AULA 2 Prof. Andrêza Leite andreza.lba@gmail.com (81 )9801-6619 Engenharia de Software Objetivo da aula Depois desta aula você terá uma revisão sobre o

Leia mais

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação

Resumo. 1. Introdução. Abstract. 2. Motivação Um Estudo para a Definição de Processos das Gerências da Qualidade e da Configuração em um Ambiente Integrado para Apoio ao Desenvolvimento e Gestão de Projetos de Software Abdala, Martha A. D.; Lahoz,

Leia mais

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009)

CMMI. B) descrições das atividades consideradas importantes para o atendimento de suas respectivas metas específicas. Governo do ES (CESPE 2009) CMMI Governo do ES (CESPE 2009) Na versão 1.2 do CMMI, 111 os níveis de capacidade são definidos na abordagem de estágios. 112 os níveis de maturidade são definidos na abordagem contínua. 113 existem seis

Leia mais

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN

Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Professor: Rômulo César romulodandrade@gmail.com www.romulocesar.com.br BPMN Benefícios da modelagem Em uma organização orientada a processos, modelos de processos são o principal meio para medir o desempenho

Leia mais

Os Padrões ISO/IEC 12207 e 15504 e a Modelagem de Processos da Qualidade de Software

Os Padrões ISO/IEC 12207 e 15504 e a Modelagem de Processos da Qualidade de Software Os Padrões ISO/IEC 12207 e 15504 e a Modelagem de Processos da Qualidade de Software Carlos Lahoz Instituto de Aeronáutica e Espaço (IAE) Centro Técnico Aeroespacial (CTA) lahoz@iae.cta.br Nilson Sant

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM

CLEVERSONTPP@GMAIL.COM UM BREVE DESCRITIVO DO MODELO MPS-BR (MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO) E SUAS PERSPECTIVAS PARA O FUTURO CLÉVERSON TRAJANO PRÉCOMA PORTES PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DA TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos

BEM-VINDO!!! Apresentação Inicial. Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos Apresentação Inicial BEM-VINDO!!! Por favor, descreva o seu atual conhecimento sobre Mapeamento de Processos 1 Mapeamento de Processos Mapeamento de Processos e Negócios com BPM 2 Ementa Introdução Definição

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Universidade São Judas Tadeu Profª Dra. Ana Paula Gonçalves Serra Engenharia de O Processo Uma Visão Genérica Capítulo 2 (até item 2.2. inclusive) Engenharia de - Roger Pressman 6ª edição McGrawHill Capítulo

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ UFPR Bacharelado em Ciência da Computação SOFT DISCIPLINA: Engenharia de software AULA NÚMERO: 08 DATA: / / PROFESSOR: Andrey APRESENTAÇÃO O objetivo desta aula é apresentar e discutir conceitos relacionados a modelos e especificações. Nesta aula

Leia mais

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio

ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio 1. Introdução ATENAS: Um Sistema Gerenciador de Regras de Negócio Geraldo Zimbrão da Silva (IM/UFRJ) Victor Teixeira de Almeida (COPPE/UFRJ) Jano Moreira de Souza (COPPE/UFRJ) Francisco Gonçalves Pereira

Leia mais

BPMN - Business Process Modeling and Notation

BPMN - Business Process Modeling and Notation BPMN - Business Process Modeling and Notation AGENDA Notação Conceito Visão Geral da Notação BPMN Notação BPMN no Escritório de Processos NOTAÇÃO - CONCEITO Segundo o dicionário: Ação de indicar, de representar

Leia mais

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow

Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Uma Arquitetura de Linha de Produto Baseada em Componentes para Sistemas de Gerenciamento de Workflow Itana M. S. Gimenes 1 itana@din.uem.br Fabrício R. Lazilha 2 fabricio@cesumar.br Edson A. O. Junior

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX

REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX REPRESENTAÇÃO DE REQUISITOS VARIÁVEIS COM UML, SEGUINDO O MÉTODO ICONIX Murilo Augusto Tosatti (ICV-Unicentro), Marcos Antonio Quináia (Orientador), e-mail: maquinaia@gmail.com. Universidade Estadual do

Leia mais

Qualidade do Processo de Software

Qualidade do Processo de Software CBCC Bacharelado em Ciência da Computação CBSI Bacharelado em Sistemas de Informação Qualidade do Processo de Software Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br www.ufpa.br/srbo Tópicos Especiais

Leia mais

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE

Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE Definição do Framework de Execução de Processos Spider-PE 1. INTRODUÇÃO 1.1 Finalidade Este documento define um framework de execução de processos de software, denominado Spider-PE (Process Enactment),

Leia mais