4 CAPÍTULO I GENERALIDADES...

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "4 CAPÍTULO I GENERALIDADES..."

Transcrição

1

2 ÍNDICE Introdução... 4 CAPÍTULO I GENERALIDADES Conceito de Plano de Emergência Razões para a elaboração de um plano de Prevenção Objetivos Gerais Objetivos Específicos Apoio Técnico... 6 CAPÍTULO II ELABORAÇÃO DO PLANO DE PREVENÇÃO ETAPAS DO PLANO DE EMERGENCIA ESTUDOS PRÉVIOS CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA... 8 CAPÍTULO III IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS FUGA DE GÁS AMEAÇA DE BOMBA SISMO CHEIAS CAPÍTULO IV ORGANIZAÇÃO DE SEGURANÇA ORGANIZAÇÃO DE SEGURANÇA ÓRGÃO DE COMANDO: EQUIPAS DE INTERVENÇÃO PLANO DE EVACUAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DE SAÍDAS DEFINIÇÃO DE CAMINHOS DE EVACUAÇÃO PROGRAMAÇÃO DA EVACUAÇÃO IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS SELEÇÃO DE LOCAIS DE CONCENTRAÇÃO EXTERNA ELABORAÇAO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA PLANO DE INTERVENÇÃO RECONHECIMENTO, COMBATE E ALARME INTERNO: EVACUAÇAO PRIMEIRA INTERVENÇÃO CORTE DE ENERGIA CONCENTRAÇÃO E CONTROLO INFORMAÇÃO E VIGILÃNCIA INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA ANEXO I - Normas de Evacuação ANEXO III - Alerta e Primeiros Socorros ANEXO IV - Estrutura Interna de Segurança ANEXO V - Instruções Especiais

3 ANEXO VII - Medidas a Adotar em Caso de Sismo ANEXO VIII - Plantas de Evacuação ANEXO IX - Simbologia a Aplicar em Planta de Emergência ANEXO X - Sinalética para Afixação em Edifício

4 Introdução Conscientes da necessidade da existência de um Plano de Prevenção, pensamos ser importante, antes de mais, sensibilizar toda a comunidade escolar para a existência do mesmo. Deste modo, pretendemos apresentar algumas orientações que devem ser postas em prática, todos os anos. Para que, quando confrontados com situações de emergência, todos os elementos da comunidade escolar possam ser atores e não meros espetadores, tornando assim a escola mais segura. Assim, propomos que: Todos os anos letivos se façam aprovar, no Plano de Atividades, dois exercícios/simulacros, sendo um no período da manhã e outro no período da tarde; No início de cada ano letivo, se sugira a todos os Departamentos Curriculares, numa das suas primeiras reuniões, o conhecimento do Plano de Emergência; Todos os Diretores de Turma, no início do ano letivo, agendem, numa das suas primeiras reuniões, com os respetivos alunos, o conhecimento dos pontos principais do Plano de Emergência; Se disponibilize a frequência de cursos de socorrismo a professores e funcionários; Se promova, em parceria com os bombeiros, informação e formação de combate a pequenos focos de incêndio, utilizando extintores; Além das incumbências citadas consideramos que esta mesma organização de segurança deve: Verificar a operacionalidade dos extintores; Assegurar as condições de segurança da instalação elétrica e do gás; Apresentar os caminhos de evacuação urgente e saídas desobstruídas; Testar a funcionalidade dos meios de alarme e alerta; Zelar pelo estado de conservação da sinalização e iluminação de emergência. 4

5 CAPÍTULO I GENERALIDADES 1. Conceito de Plano de Emergência Um PLANO DE EMERGÊNCIA pode definir-se como a sistematização de um conjunto de normas e regras de procedimento, destinadas a minimizar os efeitos das catástrofes que se prevê possam vir a ocorrer em determinadas áreas gerindo, de uma forma otimizada, os recursos disponíveis. Assim, um Plano de emergência constitui um instrumento simultaneamente preventivo e de gestão operacional, uma vez que, ao identificar os riscos, estabelece os meios para fazer face ao acidente e, quando definida a composição das equipas de intervenção, lhes atribui missões. 2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção 1 Identifica os riscos; 2 Estabelece cenários de acidentes para os riscos identificados; 3 Define princípios, normas e regras de atuação gerais face aos cenários possíveis; 4 Organiza os meios de socorro e prevê missões que competem a cada um dos intervenientes; 5 Permite desencadear ações oportunas, destinadas a minimizar as consequências do sinistro; 6 Evita confusões, erros, atropelos e a duplicação de atuações; 7 Prevê e organiza antecipadamente a evacuação e intervenção; 8 Permite rotinas e procedimentos, os quais poderão ser testados, através de exercícios de simulação. Um Plano de PREVENÇÃO deve, por isso, ter as seguintes características: Simplicidade Ao ser elaborado de forma simples e concisa, será bem compreendido, evitando confusões e erros, por parte dos executantes; Flexibilidade Um plano não pode ser rígido. Deve permitir a sua adaptação a situações não coincidentes com os cenários inicialmente previstos; 5

6 Dinamismo Deve ser atualizado, em função do aprofundamento da análise de riscos e da evolução quantitativa e qualitativa, dos meios disponíveis; Adequação Deve estar adequado à realidade da instituição e aos meios existentes; Precisão Deve ser claro na atribuição de responsabilidades. 3. Objetivos Gerais - Dotar a escola de um NÍVEL DE SEGURANÇA EFICAZ; - LIMITAR AS CONSEQUÊNCIAS de um acidente; - Sensibilizar para a necessidade de conhecer e rotinar PROCEDIMENTOS DE AUTO- PROTEÇÃO a adotar, por parte de professores, funcionários e alunos, em caso de acidente; - Corresponsabilizar toda a população escolar, no cumprimento das NORMAS DE SEGURANÇA; - Preparar e ORGANIZAR OS MEIOS humanos e materiais existentes, para garantir a salvaguarda de pessoas e bens, em caso de ocorrência de uma situação perigosa. 4. Objetivos Específicos - Conhecimento real e pormenorizado das CONDIÇÕES DE SEGURANÇA, do estabelecimento escolar; - Correção, pelos responsáveis das escolas, das CARÊNCIAS E SITUAÇÕES DISFUNCIONAIS detetadas; - Organização dos meios humanos internos, tendo em vista a atuação em SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA; - Maximização das possibilidades de resposta dos MEIOS DE 1ª.INTERVENÇÃO; - Elaboração de um PLANO DE EVACUAÇÃO total (ou parcial) das instalações escolares. - Elaboração do PLANO DE INTERVENÇÃO. 5. Apoio Técnico Embora da responsabilidade das direções dos estabelecimentos escolares, os Serviços Municipais de Proteção Civil e os Bombeiros não se demitem do seu dever de apoiar tecnicamente a elaboração dos planos de emergência escolares que agora propõe, nomeadamente: 6

7 Na realização de vistorias ao estabelecimento de ensino, com vista a uma análise exaustiva das condições de segurança; No esclarecimento sobre aspetos de natureza técnica, referente a sinalização de emergência, percursos de evacuação, pontos de concentração, equipamentos de 1.ª intervenção e outros que a seu tempo sejam solicitados; Colaboração na organização e implementação de exercícios e treinos. CAPÍTULO II ELABORAÇÃO DO PLANO DE PREVENÇÃO 1. ETAPAS DO PLANO DE EMERGENCIA A elaboração de um plano de emergência deve incluir estudos prévios que, em conjunto com a estrutura interna de segurança, constituem etapas sistematizadas e sequentemente elaboradas, indispensáveis à sua operacionalidade, em qualquer situação de emergência: Caracterização do espaço; Caracterização da Escola; Identificação de riscos; Levantamento de meios e recursos; Estrutura interna de segurança; Plano de evacuação; Plano de intervenção. 1.1 ESTUDOS PRÉVIOS CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO LOCALIZAÇÃO DO ESPAÇO A Escola Básica de Carregosa situa-se na Avenida da República 3720 em Carregosa. Carregosa é uma das doze freguesias que constituem o Concelho de Oliveira de Azeméis. Tem uma área de 11,82Km2, limitada a Norte pelas freguesias de Fajões e de Cesar; a Sul pelas freguesias de Codal e Vila Chã (Concelho de Vale de Cambra), a Nascente pela freguesia de Vila Cova de Perrinho (Concelho de Vale de Cambra) e a Poente pelas freguesias de Pindelo e Nogueira do Cravo. 7

8 Carregosa é constituída pelos lugares de Arrifaninha, Azagães, Barreiro, Borralhais, Calvário, Cardeal, Carregosa de Baixo, Carregosa de Cima, Cavadinha, Chão da Silva, Costeira, Currais, Fontanheira, Ínsua, Perrinho, Póvoa, Presigo, Seada, Serrado, Silvares, Teamonde e Vacaria. Carregosa pertence ao distrito de Aveiro, Concelho e Comarca de Oliveira de Azeméis. Esta freguesia foi elevada a vila em 13 de julho de VIAS DE ACESSO DOS SOCORROS EXTERIORES: Bombeiros Voluntários, sitos na Rua dos Bombeiros Voluntários Fajões. Da Escola para o Hospital, os Bombeiros podem seguir pela estrada nacional n.º 227 direto a S. João da Madeira. A G.N.R., sita na vila de Cesar Rua de Mirões Cesar O Serviço Municipal de Proteção Civil, sito na Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis. PONTO DE ENCONTRO EXTERIOR: é em frente à escola, conforme mapa de enquadramento CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA Nome da escola: Escola Básica de Carregosa Morada: Av. Da Republica n.º 217 P.C. Carregosa apartado 23. Nº de telefone: Nº de fax: Escola eb23 Descrição e composição da escola: - um bloco (rés do -chão) com cantina, bufete, três salas de aula, sala de convívio de alunos, reprografia/papelaria, gabinete de funcionários, casas de banho, cantina e cozinha. - Um bloco principal com rés do chão formado por quatro salas de aulas: uma de E V, uma de ET, sala sete e sala doze, um anfiteatro, duas casas de banho normais mais uma de apoio a deficientes, hall de entrada e secretaria, sala de professores duas casas de banho, uma para professores e outra para professoras, gabinete de coordenação e um gabinete de apoio à coordenação, gabinete médico, sala de atendimento dos diretores de turma e uma arrecadação. No segundo andar deste bloco existem dois laboratórios de Ciências e Ciências Físico Químicas, nove salas de aula, duas arrecadações, uma sala de informática, uma Biblioteca e uma sala destinada ao atendimento dos alunos de Educação Especial. 8

9 - Um pavilhão de Educação Física constituído por: 2 salões de jogos, balneários masculinos e femininos, gabinete de professores, duas casas de banho, 1 casa das máquinas (central de aquecimento). Um campo de jogos: um em terra batida e um alcatroado. POPULAÇÃO ESCOLAR Professores - 42 Funcionários - 12 Alunos -281 CAPÍTULO III IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS 1 - RISCOS INTERNOS 1.1. INCÊNDIO 1.2. FUGA DE GÁS 1.3. AMEAÇA DE BOMBA 2 - RISCOS EXTERNOS Riscos de origem natural: 2.1. SISMO 2.2. CHEIAS 1.1. INCÊNDIO O risco de incêndio é maior na cozinha devido à existência de fogo, e materiais facilmente inflamáveis. De salientar também a possibilidade de incêndio com origem em curto-circuitos. Esta situação, apesar de poder ocorrer em qualquer local onde exista equipamento elétrico, poderá assumir maior gravidade nos locais onde são armazenados determinados produtos e materiais, assim como, onde existem equipamentos que pela sua natureza poderão servir de combustíveis. Os locais de maior risco estão assinalados nas plantas dos Pavilhões (salas com características especiais, a saber: Pav.1, Lab. Ciências (salas nº 1 e 2), Lab. de Química, (salas 7 e 8), Salas de Informática, Biblioteca, salas de EV e ET e Central de Aquecimento. Nestes locais, ou nas imediações, estão colocados extintores para uma primeira intervenção. 9

10 1.2. FUGA DE GÁS As instalações de gás são concebidas de forma a evitar a ocorrência de acidentes pessoais decorrentes do uso normal, nomeadamente: asfixia, intoxicação, queimaduras entre outros. Neste edifício escolar, a possibilidade de ocorrência de uma fuga de gás é reduzida vistos todos os sistemas de gás serem regularmente vistoriados e alvo de manutenção, por pessoal qualificado. No entanto, e como os acidentes são de difícil previsão, os locais onde existe a possibilidade de ocorrer uma fuga de gás são: cozinha, depósito exterior de gás, central de aquecimento de água do pavilhão gimnodesportivo, assim como todo o percurso da canalização de gás. Todos estes locais estão devidamente assinalados no mapa respetivo AMEAÇA DE BOMBA O perigo de ameaça de bomba, apesar de muito reduzido, pode ocorrer em momentos muito específicos do ano escolar, nomeadamente em alturas de avaliação dos alunos ou eventuais protestos. No entanto, esta situação não deve ser descurada, acionandose, caso ocorra, o plano de evacuação. 2. RISCOS NATURAIS 2.1 SISMO O risco sísmico é entre os riscos naturais, aquele que, de um modo mais grave e prolongado, pode afetar o equilíbrio socioeconómico de uma região, ou mesmo de um país. Por si só, os sismos podem não constituir uma grande ameaça, mas a sua ação em zonas densamente povoadas e de forte risco sísmico pode pôr em risco a vida humana e causar grandes prejuízos materiais. Para além do colapso de edifícios e de incêndios provocados por fugas de gás, resultantes da rutura das redes de abastecimento, um sismo pode induzir uma série de outros acidentes igualmente graves, como sejam a libertação de gases tóxicos, o deslizamento de terras, a rutura de barragens, etc. Como fenómeno natural que é, não é possível evitá-lo ou prever a sua ocorrência, pelo que a segurança contra estes riscos visará a minimização dos seus efeitos sobre pessoas e bens. Não havendo registos de sismos que tenham afetado de forma importante esta região em anos recentes, não deve ser colocada de parte a hipótese de se sentirem os efeitos de um abalo com epicentro noutras regiões. Assim, além das consequências diretas provocadas pelo abalo, há a considerar situações colaterais já referidas, como incêndios, fugas de gás, derrocadas e mesmo, a situação de pânico. 10

11 2.2 CHEIAS Não apresenta qualquer possibilidade de risco direto em toda a área envolvente da Escola. 3. IDENTIFICAÇÃO DAS FONTES DE ENERGIA Existe o quadro geral de energia elétrica no hall de entrada do edifício principal, com um interruptor de corte geral e o interruptor de corte de todos os quadros setoriais. Existem ainda quadros parciais em todos os Pavilhões, junto às escadas de acesso ao 1º piso e um outro no 1º piso. A distribuição do gás para a cozinha, balneários e central de aquecimento, faz-se a partir de um único ponto de gás situado no exterior e devidamente vedado. Existem torneiras de passagem nesse ponto, na cozinha, balneários e central de aquecimento. CAPÍTULO IV ORGANIZAÇÃO DE SEGURANÇA 1. ORGANIZAÇÃO DE SEGURANÇA A Organização de segurança refere-se a aspetos distintos mas complementares da preparação interna para a atuação na emergência e visa garantir que, de imediato, se tomem as medidas necessárias à preservação da vida e dos bens. Nela são contidas: - ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA - PLANO DE EVACUAÇÃO - PLANO DE INTERVENÇÃO Pretende-se constituir um sistema organizativo interno a ativar quando ocorrer um acidente e que intervirá com a finalidade de o controlar tão cedo quanto possível, de forma a proteger as pessoas e os bens. Face às características de cada estabelecimento escolar, nomeadamente número de edifícios e número de ocupantes, pretende-se que sejam designadas pessoas, nomeadamente professores e funcionários que, numa situação de emergência, desempenhem funções operacionais específicas, acumuláveis ou não, com as funções do dia a dia, isto é, a vigilância das instalações. Esta estrutura, de dimensão e composição variáveis, deve, basicamente, e de acordo com o organograma sugerido, (ANEXO IV) integrar os seguintes elementos, ainda que algumas tarefas possam ser exercidas cumulativamente pela mesma pessoa: 11

12 1.1. ÓRGÃO DE COMANDO: Delegado de segurança devem ser preocupações constantes do responsável de segurança verificar: A desobstrução dos caminhos de evacuação e saídas; A operacionalidade dos meios de 1ª intervenção e dos equipamentos de segurança em geral; A funcionalidade dos meios de alarme e alerta; O estado de conservação da sinalização de segurança e iluminação de emergência. Coordenador de piso ou bloco coordena e orienta a ação das equipas de intervenção EQUIPA DE INTERVENÇÃO Alarme aciona a campainha que denuncia a ocorrência Alerta avisa os bombeiros e a autoridade 1ª Intervenção utiliza os meios de extinção ou contenção disponíveis Cortes de Energia procedem ao corte de energia elétrica e gás Evacuação controla a evacuação e encaminha os ocupantes para a saída Informação e Vigilância presta esclarecimentos aos socorros externos sobre o local do acidente e/ou sinistrados e regula a circulação de pessoas Concentração e Controlo inteira-se sobre a contagem dos alunos tendo especial atenção para com os que possuam dificuldades de mobilidade Assistente Operacional do PBX Assistente Operacional que estiver na portaria Assistente Operacional/Professor que estiver no referido setor Coordenadores de bloco e a Chefe da cozinha Assistentes Operacionais de cada setor Delegado de Segurança (João Castanheira) Delegado de Segurança (João Castanheira) Restantes elementos da equipa de Segurança (João Coutinho; Luís Mota). No dimensionamento da estrutura interna de segurança, devem ser considerados os períodos de férias ou outro tipo de ausências, pelo que devem ser designadas duas pessoas para cada cargo PLANO DE EVACUAÇÃO A evacuação deve ser decidida e ordenada, como regra, pela Direção da Escola, podendo ser parcial, envolvendo apenas parte do edifício, já que uma evacuação geral pode não só ser desnecessária, como prejudicial às operações de controlo da situação. 12

13 No plano de evacuação há a considerar: IDENTIFICAÇÃO DE SAÍDAS Devem ser assinaladas quer as saídas normais que conduzem ao exterior dos edifícios escolares, quer as saídas de emergência (se as houver). Devem ainda ser assinaladas as saídas para fora do recinto escolar. Consideram-se saídas normais aquelas cuja utilização faz parte do funcionamento regular do estabelecimento escolar e saídas de emergência as que são utilizadas cumulativamente com aquelas, no caso de ocorrência de um sinistro DEFINIÇÃO DE CAMINHOS DE EVACUAÇÃO Visam encaminhar, de maneira rápida e segura, os ocupantes para o exterior ou para uma zona isenta de perigo. Devem, por isso, ser definidos um itinerário normal (percurso a utilizar prioritariamente) e um itinerário alternativo (quando o itinerário normal se encontrar impraticável). A sinalização de segurança deve ter em conta este conceito. No caso desta escola, dadas as suas características, pensamos não ser necessários itinerários alternativos PROGRAMAÇÃO DA EVACUAÇÃO Iluminação normalizada de emergência de saída em todos os corredores dos pavilhões que garantam um nível luminoso suficiente para uma evacuação ordeira. A evacuação deve ser programada, isto é, deve ser definido quem sai em 1º lugar ou em 2º, de acordo com a proximidade das saídas e/ou local de ocorrência do sinistro. Há algumas regras elementares que todos os alunos devem conhecer e por isso deverão estar afixadas nas salas de aula (ANEXO I). Deve nomear-se para cada grupo de evacuação (turma) um "chefe de fila", escolhido de entre os alunos, que será encarregado de abrir a porta da sala ao soar o sinal de alarme e seguir à frente e um "cerra-fila", normalmente o professor, que conferirá os alunos no ponto de reunião. Na eventualidade de existirem portadores de deficiência na população escolar, devem ser previamente designadas pessoas para apoiarem a sua evacuação IDENTIFICAÇÃO DOS PONTOS CRÍTICOS Consideram-se pontos críticos: os locais de cruzamento de vias, escadas e saídas para a rua. Neles deverão situar-se os "sinaleiros", que orientam as pessoas nos percursos e saídas a utilizar na situação de emergência, de forma a evitar grandes concentrações de pessoas, habitualmente geradoras de pânico. 13

14 SELEÇÃO DE LOCAIS DE CONCENTRAÇÃO EXTERNA Também designados de pontos de encontro, devem ser locais amplos e seguros, situados no exterior dos edifícios escolares, se os houver, ou na proximidade da escola, onde devem convergir e permanecer as pessoas, após saírem do edifício. No caso da nossa escola, o ponto de encontro é no campo de futebol de terra ELABORAÇAO DAS PLANTAS DE EMERGÊNCIA Com base nas plantas de existentes na escola, elaboram-se as plantas de emergência, por piso, (ou pavilhão) onde constam: vias de evacuação, localização de saídas, pontos de encontro, meios e recursos existentes, locais de corte de energia elétrica, gás e água e ainda outras informações consideradas convenientes. Encontram-se afixadas junto da entrada principal do estabelecimento escolar e outros pontos estratégicos PLANO DE INTERVENÇÃO O plano de intervenção deve definir os procedimentos a adotar de forma a combater o sinistro e minimizar as suas consequências, até à chegada dos socorros externos. Assim, os escalões de mobilização, na eventualidade de ocorrência de um incêndio, por exemplo, devem incidir sobre as seguintes fases: RECONHECIMENTO, COMBATE E ALARME INTERNO: Qualquer pessoa que se aperceba de um foco de incêndio deve de imediato avisar a Coordenação da escola. Deve, de seguida, verificar se existem pessoas em perigo, a fim de lhes prestar apoio, utilizando depois os meios de extinção disponíveis. A Coordenação da escola, responsável pela Segurança, deve certificar-se sobre a localização exata, extensão do sinistro, matérias em combustão e se há vítimas a socorrer. De acordo com as características e dimensão da situação, deve avisar os coordenadores de piso, acionar o alarme interno e alertar os bombeiros. Os coordenadores de piso acionam as equipas de evacuação e 1ª.intervenção que vão atuar em simultâneo, bem como as equipas de corte de energia e de concentração e controlo EVACUAÇAO Dada a ordem para abandono das instalações, a equipa de evacuação, (constituída pelos "chefes de fila", "cerra-fila" e "sinaleiros") orienta os ocupantes para as saídas PRIMEIRA INTERVENÇÃO A equipa de 1.ª intervenção deve utilizar de imediato os extintores e/ou redes de incêndio, mais próximas do local do sinistro. 14

15 Se não for possível controlar o foco de incêndio, informa o coordenador de piso e abandona o local CORTE DE ENERGIA De acordo com as instruções do coordenador, as pessoas nomeadas procedem aos cortes gerais ou parciais de energia elétrica e fecham as válvulas de corte de gás CONCENTRAÇÃO E CONTROLO Esta equipa reúne as pessoas dispersas pela escola e procede à conferência de toda a população, que abandonou o edifício. Caso se verifiquem desaparecidos, devem ser avisados o Delegado de segurança e os bombeiros INFORMAÇÃO E VIGILÂNCIA Ao ser acionado o sinal de alarme interno, esta equipa, de acordo com as instruções do Delegado de Segurança, deve dirigir-se para as portas de acesso à escola, a fim de informar os socorros externos sobre a localização exata do sinistro e pessoas em perigo. Deve, ainda, controlar e orientar a movimentação de pessoas e veículos. Para além dos procedimentos acima referidos, compete à Coordenação da Escola determinar, após vistoria dos Bombeiros, o regresso às instalações. Como complemento do Plano de Prevenção, devem ser elaboradas, distribuídas e afixadas as INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA, tal como a seguir se refere: 1.4. INSTRUÇÕES DE SEGURANÇA As instruções de segurança são imprescindíveis para uma prevenção eficaz em qualquer tipo de instalações e devem ser elaboradas de forma simples e clara, tendo como padrão-base os riscos de incêndio e pânico, uma vez que situações, tais como fuga de gás, explosões, sismos, ameaças de bomba ou outras, têm consequências semelhantes (seguem - se os vários anexos). 15

16 ANEXO I - Normas de Evacuação (Afixadas em todas as salas e lidas pelos DT) 1. Caso ocorra uma emergência, a Escola dispõe do sinal sonoro intermitente (em vez do toque contínuo, são vários toques interrompidos por uma pausa). 2. Cabe à Direção da Escola decidir sobre a evacuação total ou parcial das instalações escolares. 3. O professor coordena a evacuação da turma com o auxílio do delegado, sendo este o primeiro da fila de evacuação e o professor é o último, certificando-se que todos saíram e verificando se as portas e janelas estão fechadas. 4. Ao ser ordenada a evacuação, não se preocupe com o material pessoal, siga rigorosamente as normas de evacuação. 5. Os alunos devem sair sem corridas, mas em passo apressado, em fila indiana, seguindo os percursos de evacuação, as instruções dos sinaleiros presentes nos pontos críticos, conforme previamente definido. 6. Não pare nunca nas portas de saída, deixando-as livres, e, ao utilizar as escadas, encoste-se à parede no lado previamente determinado. 7. Compete ao professor manter a ordem no ponto de encontro e proceder à conferência dos alunos. 8. Os alunos não devem abandonar o local sob qualquer pretexto e sem a devida autorização. 9. O regresso à normalidade é ordenado pelo Delegado de Segurança, que informará pelos meios que considere convenientes. 10. Caso esteja isolado e não consiga sair, deve assinalar a sua presença. 16

17 ANEXO II - Procedimentos da Comunidade Escolar Pessoal Operário, Assistentes Operacionais, Assistentes Técnicos, alunos e docentes Portaria: Compete ao assistente operacional de serviço, ao sinal de alarme, abrir os portões de saída e portão de acesso para veículos, assegurando, de acordo com ordens superiores, o controlo de saída e entrada no recinto, bem como indicar aos Agentes de Proteção (BOMBEIROS) qual o acesso mais adequado ao local em causa. Quadro elétrico Principal; Compete à Encarregada dos assistentes operacionais, desligar o quadro elétrico, que pode ser o geral ou os parciais, conforme a necessidade, assim como o corte do gás. Receção (telefone): Compete ao assistente operacional de serviço, acionar o alarme por ordem superior; compete-lhe ainda acionar os meios de alerta adequados e indicados por ordem superior (telefonar aos Bombeiros, Proteção Civil, Centro de Saúde, GNR). Sala de Convívio: A assistente operacional, deve assegurar-se que todos os elementos que se encontram na sala se dirijam para o Ponto de Encontro. Coordena a saída dos elementos, do hall de acesso à sala, pelo que, efetuada esta operação, aqueles deverão dirigir-se para o Ponto de Encontro mais próximo. Bar ou Papelaria, bem como no SASE as assistentes operacionais deverão coordenar a saída de todos os elementos pelas portas de saída aí existentes. Reprografia: A assistente operacional presente neste local, deverá interromper as tarefas, desligar as máquinas, se possível, e apoiar a evacuação dos alunos que se encontrem lá. Efetuada a tarefa deverá dirigir-se para o Ponto de Encontro. Cozinha / Cantina: As assistentes operacionais presentes neste local deverá interromper as suas tarefas e a responsável, deverá, caso seja possível, desligar o Gás e o Quadro Elétrico, após o que deverão dirigir-se para o Ponto de Encontro (estas tarefas, no caso do acidente ocorrer na cozinha) 17

18 Balneários: Ao sinal de alarme o assistente operacional presente e os professores da turma no local, deverá assegurar, se possível, o corte geral de abastecimento de gás e os quadros parciais de eletricidade, evacuar os balneários e assegurar-se que todos os alunos que se encontrem no espaço exterior se dirijam para o ponto de encontro. Assistentes Operacionais de serviço nos pisos: Ao sinal de alarme, os assistentes aí existentes, deverão assegurar que os percursos de saídas estão desimpedidos e orientar os alunos para o Ponto de Encontro. Centro de Recursos (Biblioteca): Ao sinal de alarme, a assistente em serviço nesse local, bem como o docente que aí se encontrar, deverão proceder, com calma, à evacuação do espaço e dirigir-se para o Ponto de Encontro. Sala de Informática: Ao sinal de alarme, o docente presente nesta sala deverá proceder à evacuação da mesma e desligar, se possível, todos os equipamentos elétricos. Serviços Administrativos: Ao sinal de alarme, com a calma necessária, deverão evacuar o local e dirigir-se para o Ponto de Encontro de forma ordenada e com a rapidez possível. Compete a quem chefiar estes serviços, assegurar-se que todos os elementos abandonaram o local e, se possível, desligar os equipamentos elétricos em funcionamento. De seguida, deverão dirigir-se para o Ponto de Encontro. Sala de Professores: Ao sinal de alarme, deverão abandonar a sala e dirigir-se para o Ponto de Encontro, desligando, se possível, os equipamentos elétricos aí existentes. Em caso de necessidade, prestarão auxílio na evacuação de outros elementos. Gabinete de Gestão: Ao sinal de alarme, ordenado pelo elemento da Coordenação com essa função, deverão estes abandonar o gabinete, desligando, se possível, todos os equipamentos elétricos em funcionamento e dirigir-se para o Ponto de Encontro. Em caso de necessidade, prestarão auxílio na evacuação de outros elementos. Outro elemento do Órgão de Gestão prestará toda a informação necessária aos meios de socorro, Pais e Encarregados de Educação, bem como aos meios de Comunicação Social, caso se justifique. Sala de Educação Especial: Ao sinal de alarme, deverão os elementos aí presentes abandonar o mesmo e dirigir-se para o Ponto de Encontro. Caso existam equipamentos elétricos em funcionamento, deverão os mesmos, se possível, ser desligados. NOTA: O pessoal docente que, no momento da evacuação, se encontre a lecionar, deverá dirigir-se imediatamente com os alunos para o ponto de encontro e verificar a presença de todos eles no local. Por sua vez, o pessoal docente que não se encontre a lecionar, deverá, se possível, conjuntamente com o pessoal não docente, 18

19 utilizar os meios de combate primários existentes na escola (extintores, rede de água armada, etc.), até à chegada dos meios de socorro e de novas indicações. O pessoal docente e não docente, presente na Reprografia, na Secretaria, na Sala de Professores, Sala da Coordenação e na Sala de Educação Especial que não tenham uma intervenção direta, deve dirigir-se para o exterior, até ao ponto de ENCONTRO. Fora das Salas de Aula: ALUNOS Os alunos devem acatar e cumprir as ordens do Pessoal Docente e Não Docente, abandonando os locais onde se encontrem e dirigir-se para o Ponto de Encontro, o mais rapidamente possível, em marcha rápida, sem correrias e atropelos, pelo percurso mais curto. Dentro da Sala de Aula Devem acatar e cumprir as ordens do Professor e saber o percurso previsto no Plano de Evacuação, que se encontra afixado nas salas de aula. Os alunos e professores que se encontrarem na Sala de Convívio, no Bar, na Reprografia ou no Corredor de ligação entre as duas áreas, devem acatar as indicações/ordens dos funcionários presentes e saírem, de um modo ordenado, pelas saídas mais próximas: Uma vez no PONTO DE ENCONTRO, os alunos devem agrupar-se por turmas, a fim de ser feita a verificação dos alunos presentes e ausentes. Os assistentes operacionais do R/C deverão estar colocados perto da escadaria, a fim de orientar os alunos e tentar impedir situações de pânico. Os assistentes operacionais do1º piso, colocar-se-ão no cimo das escadas, a fim de orientar a saída ordenada dos alunos. Os alunos, ao sair das salas, devem seguir pela direita atrás do "chefe de fila", sendo o professor ("cerra-fila") o último a abandonar a sala de aula. 19

20 ANEXO III - Alerta e Primeiros Socorros NÚMEROS DE TELEFONES ÚTEIS ENTIDADE TELEFONE Bombeiros GNR Proteção Civil Hospital S. João da Madeira Hospital St.ª M.ª da Feira Guarda Nacional Republicana - César Câmara Municipal de Oliveira de Azeméis Fornecedor de energia elétrica EDP Avarias

21 ANEXO IV - Estrutura Interna de Segurança ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA Delegado de Segurança (João António Castanheira Marques) Rés de Chão: Rosa Ribeiro 1.º Piso: Beatriz Aguiar Pavilhão: Docentes Coordenadores de Piso Alarme/PBX 1.ª Intervenção Cortes de energia Evacuação Concentração e Controle Informação e Vigilância Funcionária avisa os Bombeiros, a G.N.R., e o Centro de coordenação operacional Funcionários do bloco em causa utilizam os extintores e a rede de incêndio instalada. Elétrica Vitória Figueiredo Gás Fernanda Araújo Professor na turma e Delegado de turma Professores Órgão de Gestão - Presta esclarecimentos Orientadores -Orienta as pessoas no percurso de evacuação. O Delegado de Segurança João Castanheira O Diretor António Camilo Silva

22 ANEXO V - Instruções Especiais Equipas de Intervenção, Responsáveis e Função Alarme: assistente operacional do telefone, por ordem da Coordenadora de Estabelecimento, aciona o sistema de alarme acústico que denuncia a ocorrência. Alerta: assistente operacional do telefone avisa bombeiros, centro de coordenação operacional e GNR. 1ª Intervenção: Os assistentes operacionais do Pavilhão em causa utilizam extintores e a rede de incêndio armada. Cortes de Energia/Gás: Responsável pela manutenção procede ao corte geral de energia elétrica e gás. Evacuação / Sinaleiros: Funcionário Piso 1 Funcionário R/ Chão (em cada pavilhão) a evacuação, em cada pavilhão/piso, e encaminha as pessoas para a saída. Controla Informação: Assessor do Executivo presta esclarecimentos aos socorros externos sobre o local do sinistro e sinistrados. Vigilância: Assessor do Executivo, orienta as pessoas na circulação pelo percurso de evacuação. Concentração Controlo: Professores reúnem nos pontos de encontro os alunos evacuados e conferem a presença de todos. Coordenação: Professor Responsável pela Segurança., assegura o desenrolar de todas as operações.

23 ANEXO VI - Instruções Particulares (Afixadas na cozinha e laboratórios) COZINHA SE OCORER UM INCÊNDIO Avise a pessoa mais próxima. Feche o gás na válvula de corte geral. Utilize o extintor instalado, de acordo com as instruções de atuação. Corte a corrente no quadro elétrico, no quadro parcial e relativo a esta área. Caso não consiga dominar a situação, feche as portas e janelas e comunique imediatamente o acidente à direção da escola. SE OCORRE UMA FUGA DE GÀS Desligue a válvula. Não faça lume. Não acione nenhum interruptor. Abra as portas e janelas. Abandone o local. Comunique o acidente à direção da escola. LABORATÓRIOS REGRAS GERAIS Só entrar no laboratório após autorização do professor. Usar material de laboratório, apenas quando autorizado pelo professor. Nunca retirar nada do laboratório sem permissão. Ler cuidadosamente os rótulos dos reagentes e as instruções dos equipamentos. Nunca colocar resíduos sólidos no lavatório ; colocá-los num recipiente adequado, de acordo com as instruções do professor. Usar calçado que proteja os pés e o equipamento de segurança adequado. Ler os protocolos até ao final, antes de iniciar a atividade experimental. Não ingerir nem cheirar os reagentes. Lavar frequentemente as mãos ou as luvas e lavar cuidadosamente depois de trabalhar com produtos químicos ou matéria animal ou vegetal. Usar equipamentos de proteção pessoal adequados (óculos de segurança, bata, luvas e máscara). Não mexer nos reagentes com as mãos; usar luvas ou espátulas. Não usar a bata fora do laboratório. Não comer nem beber no laboratório. Não brincar com os colegas no laboratório; assumir uma postura responsável.

24 SE OCORER UM INCÊNDIO Atue sobre o foco de incêndio com o meio de extinção adequado, de acordo com seguinte quadro: Fogo Matérias sólidas Líquidos ou sólidos liquefeitos Gases Metais Material elétrico Agente Extintor Água, manta, kevlar, ou extintor instalado Extintor instalado. Nunca utilizar água Corte da fonte. Extintor instalado Areia seca ou extintor instalado Corte da corrente. Extintor instalado Caso não consiga dominar a situação: Feche as portas e janelas. Comunique imediatamente o acidente à direção da escola. Abandone a sala. SE OCORER UM DERRAME Recolha ou neutralize a substância derramada, de acordo com as recomendações presentes no Kit de derrame, ou Manual de segurança. Se se tratar de um ácido ou outro produto corrosivo, deve lavá-lo imediatamente com água. Armazenamento e transporte de substâncias perigosas: Manter o inventário atualizado, que deverá conter: a indicação do stock de cada produto, a capacidade de cada recipiente, a data de aquisição e a data da primeira utilização. Ter os recipientes convenientemente rotulados. Separar as substâncias químicas incompatíveis entre si. Não adquirir mais reagentes do que o necessário. Não pegar nos frascos de reagentes pelas rolhas. Não transportar reagentes incompatíveis juntos. Não transportar ácidos fortes em baldes plásticos, mas em recipientes adequados de proteção. Usar tabuleiros ou recipientes inquebráveis para transportar frascos. Verificar, no princípio e no fim da aula, se as torneiras de gás se encontram fechadas. Zelar para que os alunos preservem o laboratório limpo e organizado, dando especial atenção ás bancadas de trabalho. Zelar para que os alunos utilizem corretamente todo o material de laboratório, tendo em conta todas as instruções de utilização.

25 Evitar que os alunos obstruam a passagem com os bancos e as mochilas, de modo a facilitar uma possível saída de emergência. QUADRO ELÉTRICO MEDIDAS PREVENTIVAS Verificar regularmente o funcionamento, procedendo de imediato às reparações necessárias por pessoal habilitado. Proceder à substituição das chapas de identificação dos disjuntores, sempre que necessário. Manter desobstruído o acesso aos quadros, não permitindo a acumulação de objetos combustíveis na sua proximidade. EM CASO DE INCÊNDIO Atacar o incêndio com extintores existentes no local, sem correr riscos. Nunca utilizar água ou outros agentes à base de água (espumas). Caso não consiga extinguir o incêndio, abandonar o local, fechando as portas. Comunicar imediatamente o acidente à Direção da Escola.

26 ANEXO VII - Medidas a Adotar em Caso de Sismo Um grande sismo pode ocorrer a qualquer momento e sem aviso prévio, pelo que as ações a tomar em caso de sismo devem ser imediatas, sendo essencial que cada um saiba o que esperar e como agir. O que esperar em caso de sismo O primeiro indício de um sismo de grandes proporções poderá ser: Um tremor ligeiro percetível pela oscilação de objetos suspensos e pelo abanar de objetos em prateleiras; Um bang violento, semelhante à passagem de um avião supersónico; Um ruído surdo e prolongado, que poderá ser bastante alto. Um ou dois segundos depois sentirás o verdadeiro sismo. É importante agir imediatamente. Não esperes até teres a certeza de que está realmente a ocorrer um sismo. À medida que a vibração do solo aumenta o perigo também aumenta: Armários e prateleiras podem cair; Objetos suspensos do teto oscilarão e poderão soltar-se; Tetos falsos, seus componentes e equipamentos neles instalados poderão cair; Caixilhos das portas poderão arquear, fechando as portas violentamente; Caixilhos das janelas poderão encurvar, quebrando os vidros e lançando estilhaços. O ruído que acompanha um sismo, provocado pelos objetos a cair, vidros a quebrar, alarmes de incêndio que disparam, portas a bater e paredes a rachar, pode provocar uma enorme tensão. O ruído será sempre assustador, mas poderá ser menor quando estamos preparados. O que fazer durante um sismo? NO INTERIOR DO EDIFÍCIO: Não deves tentar sair do edifício; Não deves tentar sair pelas janelas; Deves afastar-te de janelas e painéis de vidro; Deves afastar-te de armários, prateleiras, objetos pesados e outro mobiliário que possa cair; Não deves utilizar o elevador;

27 Em salas de aula: Os alunos e os professores devem refugiar-se debaixo das carteiras, agarrar uma perna das mesas e proteger a cabeça e os olhos, pressionando a cara contra os braços; Os alunos devem aguardar com calma que o seu professor lhes dê instruções. Em zonas de circulação ou onde não haja possibilidade de se cobrir: Refugiar-se junto de pilares, sob vigas e vergas de portas ou junto de uma parede interior, ajoelharse, colocar a cabeça junto aos joelhos, apertar as mãos firmemente por trás do pescoço e proteger as laterais da cabeça com os cotovelos. Em bibliotecas: Afastar-se imediatamente das janelas, painéis de vidro e estantes e proteger-se apropriadamente. Em laboratórios e cozinhas: Tentar apagar todas as chamas, antes de se proteger; Afastar-se de todos os materiais perigosos que podem derramar. NO EXTERIOR: Não deve reentrar no edifício, mantendo-se no exterior; Deve afastar-se de edifícios, muros, vedações, árvores, postes e cabos elétricos; Deve agachar-se ou deitar-se no solo e proteger a cabeça; Deve ir observando o que se passa em redor, mantendo-se atento a possíveis perigos, que o obriguem a movimentar-se. No exterior ou no interior dos edifícios, quando um sismo ocorre, reagir imediatamente ao primeiro indício ou sinal de alerta. O que fazer após o sismo? Deve proceder-se à evacuação das salas de aula e dos edifícios em geral, sob a vigilância dos professores e elementos da estrutura interna de segurança.

28 EVACUAÇÃO DO EDIFÍCIO: Todas as saídas devem ser abertas e as alimentações principais de água, energia elétrica e gás devem ser cortadas; Cada professor é responsável pela evacuação da sua sala de aula; Os professores devem verificar o estado do edifício em todo o caminho de evacuação e assinalar os riscos potenciais; Os professores devem guiar os alunos até às saídas, grupo após grupo; Os professores e os elementos da estrutura interna de segurança devem coordenar a evacuação do edifício, de forma a evitar congestionamentos e eventuais ferimentos nos alunos, devendo guiá-los para um local de reunião predefinido. Todas as pessoas que se encontram no exterior no momento do sismo deverão dirigir-se para o local de reunião. NO LOCAL DE REUNIÃO: Os professores devem: Reunir os alunos por turmas e contá-los; Detetar todos os alunos feridos e prestar os primeiros socorros, quando necessário; Alertar os alunos para a hipótese da ocorrência de réplicas. Os alunos: Não devem regressar ao edifício; Devem manter-se a uma distância de pelo menos 5 m das fachadas, muros e vedações; Não devem beber água das torneiras ou de recipientes abertos; Devem evitar qualquer contacto com cabos elétricos ou vedações metálicas

29 ANEXO VIII - Plantas de Evacuação Planta Emergência 1.º Piso

30 Planta Emergência Rés do Chão

31 Pavilhão Gimnodesportivo

32 ANEXO IX - Simbologia a Aplicar em Planta de Emergência - Você está aqui. - Extintor de Incêndio. - boca de incêndio. - Botão de Alarme. - Telefone de Emergência. - Caminho de Evacuação.

33 - Corte de Eletricidade. - Corte de Gás. - Local de Risco.

34 ANEXO X - Sinalética para Afixação em Edifício (EXEMPLOS) - Extintor de Incêndio. - Quadro Elétrico. - boca de incêndio Armada. - Saída de Emergência. - Saída de Emergência à Direita. - Escadas de Emergência à Esquerda. - Ponto de Encontro.

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação

Escola Secundária Daniel Sampaio Plano de Prevenção e Emergência. contra Sismos. Exercício de Evacuação Plano de Segurança contra Sismos Exercício de Evacuação Dia 21 de Fevereiro de 2008 O que esperar em caso de SISMO O primeiro indício de um Sismo de grandes proporções poderá ser: Um tremor ligeiro perceptível

Leia mais

Plano de Evacuação. de Evacuação

Plano de Evacuação. de Evacuação NORMAS GERAIS DE EVACUAÇÃO PROFESSORES 1 Se houver uma situação de emergência, na escola, ela dispõe do seguinte alarme acústico para informação: campainha normal, mas com toque diferenciado três toques

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES

PLANO DE EMERGÊNCIA EM CASO DE INCÊNDIO PROFESSORES PROFESSORES Competências dos professores Quando os professores se encontram numa sala de aula com um grupo de alunos, devem: 1. Ao ouvir o sinal de alarme, avisar os alunos para não tocarem nos interruptores

Leia mais

Etapas do Manual de Operações de Segurança

Etapas do Manual de Operações de Segurança OPERAÇÕES www.proteccaocivil.pt DE SEGURANÇA CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS ETAPAS LEVANTAMENTO DE MEIOS E RECURSOS ESTRUTURA INTERNA DE SEGURANÇA PLANO DE EVACUAÇÃO PLANO DE INTERVENÇÃO

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

ESCOLA SECUNDÁRIA/ 3º CEB POETA AL BERTO, SINES PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ALUNOS: Quando soar o sinal de ALARME, deve seguir as instruções do Professor. O aluno nomeado Chefe de Fila deve dirigir-se para porta de saída, procede à sua abertura, segurando-a e mantendo-a aberta.

Leia mais

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu

Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu Av. da Corredoura - 6360-346 Celorico da Beira Telefs: 271742415 271742075 * Fax: 271741300 * Email: geral@eb23sacaduracabral.eu A ESCOLA é um bem público. Plano de Segurança Ela é o centro de convergência

Leia mais

Como ATUAR em caso de:

Como ATUAR em caso de: S e g u r a n ç a n a E P C i s a v e A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA

DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA DELEGADOS E SUBDELEGADOS DE TURMA INTRODUÇÃO O Plano de Segurança pretende representar para a comunidade escolar um ponto de referência para uma eventual situação de emergência face a eventuais catástrofes.

Leia mais

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA

PLANOS DE PREVENÇÃO EMERGÊNCIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR ESCOLA EB1 DO CARMO PLANOS DE PREVENÇÃO E EMERGÊNCIA 2014/2015 Estrada da Papanata S/N 4900-470 VIANA DO CASTELO TEL. 258 824965 FAX 258

Leia mais

CENTRO ESCOLAR DE POMARES

CENTRO ESCOLAR DE POMARES CENTRO ESCOLAR DE POMARES Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação de emergência

Leia mais

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2

INTRODUÇÃO ESCOLA JOÃO AFONSO DE AVEIRO 2 1 INTRODUÇÃO É importante a Escola ter um Plano de Evacuação para que todos saibam o que fazer em caso de incêndio. Depois de feito há que treinar regularmente com professores e colegas. A prática permite

Leia mais

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar

Em caso de sismo. Segurança escolar. Plano de emergência escolar Duas saídas Segurança escolar Plano de emergência escolar (em caso de sismo ou ) Procure conhecer sempre nos edifícios da sua escola, assim como o a realizar em caso de emergência Procure sempre conhecer

Leia mais

O que fazer em caso de sismo

O que fazer em caso de sismo www.aterratreme.pt O que fazer em caso de sismo Todos os anos se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, pois é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA

ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA PLANO DE SEGURANÇA A SEGURANÇA COMEÇA EM CADA UM DE NÓS E É DA RESPONSABILIDADE DE TODOS! CONSTITUIÇÃO DO PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO

Leia mais

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO

SISMO INCÊNDIO. 1º - Se estás numa sala ou átrio: PREVENÇÃO DURANTE O SISMO REGRAS GERAIS DE SEGURANÇA SISMO INCÊNDIO DURANTE O SISMO PREVENÇÃO 1º - Se estás numa sala ou átrio: Conserva a calma. Não te precipites para as saídas. Protege-te ajoelhando debaixo de uma mesa. Com

Leia mais

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO

CAPÍTULO II PLANO DE PREVENÇÃO 2 Índice Introdução... 4 Capítulo I Generalidades... 5 1.1. Conceito de Plano de Emergência... 5 1.2. Razões para a elaboração de um plano de Prevenção... 5 1.3. Objetivos Gerais... 6 1.4. Objetivos Específicos...

Leia mais

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO

ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA DE MELGAÇO Objetivos: -Proporcionar aos alunos um primeiro contacto com as regras e procedimentos a adotar em caso de emergência. -Efetuar o reconhecimento do percurso de evacuação

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO

PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO PROCEDIMENTOS DE EVACUAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO 16 de Outubro 2013 Escola Secundária de Penafiel A CULTURA DE SEGURANÇA A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da

Leia mais

Escola Secundária D. Duarte

Escola Secundária D. Duarte 1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 1.1 Localização geográfica A Escola Secundária D. Duarte fica situada na Rua António Augusto Gonçalves em Santa Clara Coimbra. Vias de acesso para socorros exteriores: Protecção

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos

Plano de Prevenção e Emergência. Jardim de Infância Unidinhos Plano de Prevenção e Emergência Jardim de Infância Unidinhos Jorge Carvalho 6/2/2010 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 OBJECTIVOS... 4 Razões:... 4 Objectivos Gerais:... 4 Objectivos Específicos:... 5 PLANO DE PREVENÇÃO...

Leia mais

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas

Manual de Utilização, Manutenção e Segurança. nas. Escolas Manual de Utilização, Manutenção e Segurança Escolas nas Sumário 1 Preâmbulo da 2. a edição 2 Nota Prévia 3 Introdução 5 Manual de utilização, manutenção e segurança das Escolas 7 2 SEGURANÇA CONTRA RISCOS

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA

Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA Escola E.B. 2,3 Rainha Santa Isabel Carreira PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE I- Enquadramento do Estabelecimento de Ensino 1. Localização... 4 2. Acesso.... 5 3. Descrição das instalações... 6 II- Caracterização

Leia mais

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos:

1. OBJETIVOS O presente Plano de Segurança pretende cumprir os seguintes objetivos: Escola Básica Integrada de Santa Cruz da Trapa Plano de Segurança - Evacuação Ano letivo 2014/2015 INTRODUÇÃO As preocupações sempre crescentes relativamente à segurança da escola levou-nos a elaborar

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR. Viana do Castelo AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA MARIA MAIOR EB2,3 DE FREI BARTOLOMEU DOS MÁRTIRES Viana do Castelo 4901-873 VIANA DO CASTELO TEL. 258 806 480 FAX 258 806 489 diretor@esmaior.pt ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 PLANO

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo

Plano de Prevenção e Emergência. Escola Básica D. Domingos Jardo Plano de Prevenção e Emergência Escola Básica D. Domingos Jardo ÍNDICE Introdução Objetivos Gerais Objetivos Específicos PLANO DE PREVENÇÃO I FICHA DE CARATERIZAÇÃO DA ESCOLA 1. - Identificação do estabelecimento

Leia mais

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores

Janeiro 2012. Instruções de Segurança. Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores Cenário 1 Alarme de reconhecimento Responsável Bloco faz o reconhecimento Atuação Equipa 1ª Intervenção Alarme Parcial Bloco A Atuação Equipa Evacuação Bloco A Situação Controlada? Sinistro? Sim Não Reposição

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 -

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA EB 1 AMOREIRA2 - MARÇO 2012 - PLANO DE EMERGÊNCIA / NÚMEROS EXTERNOS: NÚMERO NACIONAL DE EMERGÊNCIA 112 BOMBEIROS ALCABIDECHE 21 469 00 26 G.N.R. ALCABIDECHE 21 460 38 50 G.N.R.

Leia mais

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010

Plano de Evacuação Geral. Abril/2010 Plano de Evacuação Geral Abril/2010 A segurança na Escola deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais e encarregados de educação.

Leia mais

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA

FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Direção Regional de Educação do Centro PLANO DE SEGURANÇA E s c o l a J o ã o A f o n s o d e A v e i r o FUNÇÕES DOS AGENTES DE SEGURANÇA Responsável pela Segurança da

Leia mais

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C

Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C Designação do estabelecimento: MegaExpansão LDA. Situado na: Rua Cruz de Portugal, Edifício Avenida, loja C 8300-135 Silves Telefone: 282441111 Localização geográfica Sul Estrada Nacional 124 Norte Este

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO Índice 1. Introdução... 3 2. Localização da Escola... 4 3. Descrição do Recinto Escolar... 5 4. Normas de Atuação a Adotar na Receção, Validação e Divulgação de Alarmes...

Leia mais

Plano de Prevenção e Emergência

Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência INTRODUÇÃO 4 I OBJECTIVOS DO PLANO DE PREVENÇÃO / EMERGÊNCIA 5 1. OBJECTIVOS GERAIS 5 2. OBJECTIVOS ESPECÍFICOS 5 II PLANO DE PREVENÇÃO 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

Leia mais

Índice. Página 1 de 7

Índice. Página 1 de 7 Índice 1 - Considerações gerais...2 1.1 - Introdução...2 2 - Actuação em caso de emergência...2 2.1 - Esquema geral de actuação...2 2.2 - Procedimento gerais de actuação...3 2.2.1 - Em caso de incêndio

Leia mais

ANO LECTIVO 2010 / 2011

ANO LECTIVO 2010 / 2011 ESCOLA SECUNDÁRIA MANUEL DE ARRIAGA Plano de Segurança ANO LECTIVO 2010 / 2011 Constituição do Plano de Segurança PLANO DE SEGURANÇA PLANO DE PREVENÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA INTERNO ANEXOS CADERNO DE REGISTO

Leia mais

Plano de Segurança (simplificado)

Plano de Segurança (simplificado) Plano de Segurança (simplificado) 10 Setembro 2012 Índice 1. Introdução 2. Caracterização da Escola 2.1. Caracterização do Risco 2.2. Equipamentos e sistemas de segurança incêndio 3. Organização da Segurança

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SÃO JOÂO DO ESTORIL PLANO DE EMERGÊNCIA. S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 PLANO DE EMERGÊNCIA S. João do Estoril, Janeiro de 2011 1 ÍNDICE Introdução 1 Contactos em caso de emergência.2 Ficha de caracterização da Escola Identificação do estabelecimento de ensino.3 Caracterização

Leia mais

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO

PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO PROCEDIMENTOS EM CASO DE EMERGÊNCIA INTRODUÇÃO Os procedimentos em caso de emergência definem-se como um documento orientador com normas de actuação dos vários sectores em situação de emergência, destinadas

Leia mais

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos.

Escolas. Segurança nas. Escolas. nas. Segurança. Escolas. Segurança das Escolas ajudar os órgãos de gestão dos estabelecimentos. egurança Segurança Segurança A segurança deve ser uma preocupação comum a todos os membros da comunidade educativa pessoal docente e não docente, alunos, pais, encarregados de educação e representantes

Leia mais

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice

Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Plano de Segurança da Escola Profissional vértice Janeiro 2012 PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA PROFISSIONAL VÉRTICE ÍNDICE 1 Introdução 2 Razões e Objetivos 1-2 2-3 3 Planos de Prevenção 3-15 3.1 - Caracterização

Leia mais

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE

NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE NOTA TÉCNICA nº 22 Complementar do Regime Jurídico de SCIE OBJECTIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte de papel ou em suporte digital, conforme a legislação

Leia mais

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig

PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Rota de Fuga e Análise de Riscos. Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig PROGRAMA PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Rota de Fuga e Análise de Riscos Maj. QOBM Fernando Raimundo Schunig 2010 É um mapa que representa, através de símbolos apropriados, o trajeto a ser seguido pelo indivíduo

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE

PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE PLANO DE EMERGÊNCIA ESCOLA SECUNDÁRIA IBN MUCANA ALCABIDECHE OUTUBRO 2011 ÍNDICE I INTRODUÇÃO 3 II ELABORAÇÃO DO PLANO DE EMERGÊNCIA II.1. CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO 5 II.2. IDENTIFICAÇÃO DE RISCOS 6 II.3.

Leia mais

Informação para Visitantes

Informação para Visitantes Informação para Visitantes Informação e orientações para visitantes Bem-vindo ao Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC), um instituto público de investigação, dedicado à ciência e tecnologia,

Leia mais

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c).

INTRODUÇÃO. Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). INTRODUÇÃO Este caderno é um anexo ao Plano de Segurança, segundo a Portaria nº1444/2002 de 7 de Novembro, no Artigo 16º, ponto3, alínea c). 1 Escola E. B. 2,3 Cardoso Lopes Morada: Prolongamento da Av.

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO

PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO PLANO DE SEGURANÇA E EVACUAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA VITORINO NEMÉSIO Praia da Vitória, outubro de 2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 5 I - PLANO DE PREVENÇÃO... 7 1. Identificação e caracterização do Estabelecimento

Leia mais

PLANO DE PREVENÇÃO PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA

PLANO DE PREVENÇÃO PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA PLANO DE PREVENÇÃO E PROCEDIMENTOS DE EMERGÊNCIA 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO Escola: Morada: Quinta N. Srª da Conceição, Rua Antero de Quental, nº7, 2730-013 Barcarena Freguesia: Barcarena

Leia mais

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO

BRIGADA DE INCÊNDIO ORGANIZAÇÃO DA BRIGADA DE INCÊNDIO BRIGADA DE INCÊNDIO Brigada de Incêndio: É um grupo organizado de pessoas voluntárias ou não, treinadas e capacitadas para atuarem dentro de uma área previamente estabelecida na prevenção, abandono e combate

Leia mais

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO

ESCOLA E.B. 2,3 DO CÁVADO PANÓIAS 2006 2007 RUA DA VEIGUINHA 4700-760 PANÓIAS BRG 1 Agradecemos a colaboração de: Responsável pelo Gabinete de Segurança do C.A.E de Braga; Chefe Rodrigues e Chefe Costa dos Bombeiros Sapadores de

Leia mais

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA

ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO PLANO DE EMERGÊNCIA C) PLANO DE EVACUAÇÃO ESCOLA E.B.1 DE ALTO DE RODES, FARO NORMAS DE EVACUAÇÃO - ALUNOS Ao ouvires o sinal de alarme, deves cumprir as seguintes regras: Mantém-te tranquilo e segue as instruções do teu

Leia mais

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO

MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO MEDIDAS DE PREVENÇÃO E AUTOPROTECÇÃO Os sismos são fenómenos naturais que não se podem prever nem evitar. Os seus efeitos podem ser minimizados com comportamentos adequados. Há que saber agir correctamente.

Leia mais

Megaexpansão - Silves

Megaexpansão - Silves 2010 Megaexpansão - Silves DÁRIO AFONSO FERNANDA PIÇARRA [ 21 09 2010 ] ÍNDICE Objectivos (pág. 3) Caracterização do Estabelecimento (pág. 3 a 6) Organização de Emergência (pág. 6 a 8) Plano de Intervenção

Leia mais

Presidência da República Secretaria -Geral

Presidência da República Secretaria -Geral PLANO DE SEGURANÇA (versão simplificada para utilizadores) 1 1. Introdução Um Plano de Segurança é definido como um conjunto de medidas de autoprotecção (organização e procedimentos) tendentes a evitar

Leia mais

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência

Escola Secundária da Ramada. Plano de Prevenção e Emergência Plano de Prevenção e Emergência 2009 1. Introdução A segurança precisa ser pensada. O lema deve ser: antes prevenir que remediar. A comunidade escolar não está minimamente sensibilizada para estas questões.

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica NORMAS GERAIS PARA USO DO LABORATÓRIO DIDÁTICO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CÂMPUS GOVERNADOR

Leia mais

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA.

Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. Vem comigo, vamos saber mais! CONHECE OS RISCOS E PREVINE-TE, PARA VIVERES EM SEGURANÇA. A PROTEÇÃO CIVIL E OS SEUS AGENTES POLÍCIA MARÍTIMA GNR CRUZ VERMELHA PSP INEM BOMBEIROS A protecão civil tem por

Leia mais

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002)

PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) TÍTULO: Planos de Emergência na Indústria AUTORIA: Factor Segurança, Lda PUBLICAÇÕES: TECNOMETAL n.º 141 (Julho/Agosto de 2002) KÉRAMICA N.º 256 (Novembro/Dezembro de 2002) 1. INTRODUÇÃO O Plano de Emergência

Leia mais

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS

PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE FUGA EM OCORRÊNCIAS DE INCÊNDIOS E EMERGÊNCIAS EM ESCOLAS PLANO DE EMERGÊNCIA CONTRA INCÊNDIO de acordo com o projeto de norma nº 24:203.002-004 da ABNT ( setembro 2000 ) 1 Objetivo 1.1 Estabelecer

Leia mais

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA

INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA INQUÉRITO SOBRE O ESTADO DOS LABORATÓRIOS E CONDIÇÕES DE TRABALHO E SEGURANÇA Na sequência da Circular nº04/cd/03, de 17 de Janeiro, vimos por este meio solicitar a colaboração dos Responsáveis pelos Laboratórios

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 004 CAGV/IFMG/SETEC/MEC DE 30 DE ABRIL DE 2014. SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE MINAS GERAIS CAMPUS GOVERNADOR VALADARES CONSELHO ACADÊMICO Av. Minas Gerais, 5.189 - Bairro Ouro

Leia mais

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP

REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP REGULAMENTO DE SEGURANÇA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS ADMINISTRATIVOS E DE SUPORTE LOGÍSTICO PARA A EDP DPS 38.008-13 EDP Natureza do documento Versão Data Emissor Procedimento de Segurança (DPS) R4 14-12-2012

Leia mais

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes:

2.2 A Administração do Condomínio dá ênfase às medidas preventivas, assim entendidas as seguintes: Fl. 01 de 06 1 Objetivo A presente Regulamentação Especial visa normalizar os procedimentos para o pessoal incumbido de prevenir ou combater um princípio de incêndio e de atuar em situações de emergência,

Leia mais

EXERCÍCIO A TERRA TREME

EXERCÍCIO A TERRA TREME EXERCÍCIO A TERRA TREME Q&A A. A TERRA TREME EXERCÍCIO PÚBLICO DE PREPARAÇÃO PARA O RISCO SÍSMICO 1. Porquê lançar uma iniciativa como esta? As catástrofes sísmicas parecem-nos sempre um fenómeno distante.

Leia mais

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO

Brigada Escolar - Defesa Civil na Escola BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO BRIGADAS ESCOLARES - DEFESA CIVIL NA ESCOLA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO PLANO DE ABANDONO 1 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.... 4 1.1OS DESASTRES MAIS RECENTES... 4 2 PLANO DE ABANDONO... 4 2.1 LEGISLAÇÃO... 5 3 TERMINOLOGIA......

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1

PLANO DE EMERGÊNCIA. Lagoa, 2006. Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 PLANO DE EMERGÊNCIA Lagoa, 2006 Escola Secundária de Lagoa Plano de Emergência pág. 1 Índice Índice... 1 CARACTERIZAÇÃO DO ESPAÇO... 4 1. ASPECTOS FÍSICOS... 4 1.1. Localização Geográfica:... 4 1.2. Enquadramento

Leia mais

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico

Sugere-se a passagem dos slides e explicação sumário durante 5 a 10 minutos. 2/19/2014 Instituto Superior Técnico DECivil, Fevereiro 2014 A necessidade A segurança e as respostas a emergências são aspectos vitais em qualquer organização e edifício. Assim importa assegurar que no DECivil os colaboradores (docentes

Leia mais

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO

1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1- CONTEXTO E CARACTERIZAÇÃO GERAL DO AGRUPAMENTO 1.1- Enquadramento territorial e contexto físico O Concelho da Moita onde se localiza o Agrupamento de escolas Fragata do Tejo está situado na região de

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00

PLANO DE EMERGÊNCIA E EVACUAÇÃO Revisão: 00 Número: DOC 0006 Página: 1 de 12 1. IDENTIFICAÇÃO INSTITUCIONAL ÓRGÃO: Instituto de Biofísica Carlos Chagas Filho - UFRJ ENDEREÇO: Av. Carlos Chagas Filho 373, CCS, Bloco G, CEP:21941-902 TELEFONE: 21

Leia mais

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA

NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC) PLANO DE EMERGÊNCIA ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SEGURANÇA PÚBLICA CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DIRETORIA DE ATIVIDADES TÉCNICAS - DAT NORMAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIOS INSTRUÇÃO NORMATIVA (IN 031/DAT/CBMSC)

Leia mais

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO

SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO IV JORNADAS TÉCNICAS DE SEGURANÇA E HIGIENE DO TRABALHO DA ESCOLA PROFISSIONAL DE AVEIRO SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO MEDIDAS DE AUTOPROTECÇÃO Manuela Mil-Homens Comando Distrital de Operações de Socorro

Leia mais

Plano de Emergência Externo de Ílhavo

Plano de Emergência Externo de Ílhavo Plano de Emergência Externo de Ílhavo 2012 Conteúdo Parte I Enquadramento Geral do Plano... 12 1. Introdução... 12 2. Âmbito de aplicação... 14 3. Objetivos gerais... 15 4. Enquadramento legal... 16 5.

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/9 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA GERADORES AUXILIARES (GERADOR MÓVEL) 2 DESCRIÇÃO Trabalhos específicos de operação e ligação de gerador auxiliar móvel à rede de distribuição

Leia mais

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação

Serviços Tecno Consultores em Formação. Serviços Tecnológicos MAPFRE Consultores em Engenharia e Formação Serviços Tecno Consultores em Formação Consultores em Engenharia e Formação Plano de Formação 2014 Índice Curso Intensivo sobre Segurança no Trabalho para atualização de CAP s 4 Curso Intensivo sobre Segurança

Leia mais

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO

REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO REGRAS DE SEGURANÇA JUNTO A INSTALAÇÕES DE MUITO ALTA TENSÃO E ALTA TENSÃO LINHAS DE TRANSPORTE SUBESTAÇÕES, POSTOS DE CORTE E DE SECCIONAMENTO A REN - Rede Eléctrica Nacional, S.A. é a concessionária

Leia mais

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio

Índice geral. Apresentação. Prólogo à 2.ª edição. Sumário. Siglas. Agradecimentos. 1. Introdução. 2. O risco de incêndio Índice geral 3 Prólogo à 2.ª edição 5 Sumário 7 Siglas 9 Agradecimentos 11 1. Introdução 13 Tipificação dos incêndios... Causas de incêndio... Consequências dos incêndios... 2.3.1. Considerações gerais...

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO

PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO PLANO DE EMERGÊNCIA: FASES DE ELABORAÇÃO www.zonaverde.pt Página 1 de 10 INTRODUÇÃO Os acidentes nas organizações/estabelecimentos são sempre eventos inesperados, em que a falta de conhecimentos/formação,

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência.

PLANO DE EMERGÊNCIA. Preparar os funcionários para um rápido e eficiente abandono do edifício, em caso real de incêndio ou qualquer outra emergência. INTRODUÇÃO Em virtude do grande número de vítimas que os incêndios tem causado nos locais de maior concentração humana, principalmente edifícios e, tendo como causas principais à falta de conhecimento

Leia mais

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora

Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos. Câmara Municipal de Mora Pág.1/12 Identificação de Perigos, Avaliação e Controlo de Riscos Câmara Municipal de Mora 2010 Pág.2/12 Identificação da Entidade Informação da Visita Documento Entidade: Câmara Municipal de Mora Entidade:

Leia mais

9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial

9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial 9.12 Normas de Utilização das Instalações Desportivas da ESMA (Complexo Desportivo Dr. Manuel de Arriaga) Documento do Serviço do Desporto do Faial Regras a observar na utilização da Piscina 1 Utilização

Leia mais

PLANTAS DE EMERGÊNCIA

PLANTAS DE EMERGÊNCIA OBJETIVO Definir bases técnicas para a elaboração de Plantas de Emergência, em suporte físico ou em suporte digital, conforme a legislação em vigor (RJ-SCIE e RT-SCIE) e a NP4386, aqui entendidas como

Leia mais

Gabinete de Indisciplina Prevenção do Abandono Escolar (GIPAE) CÓDIGO DE CONDUTA

Gabinete de Indisciplina Prevenção do Abandono Escolar (GIPAE) CÓDIGO DE CONDUTA Gabinete de Indisciplina e Prevenção do Abandono Escolar (GIPAE) CÓDIGO DE CONDUTA Setembro 2015 O ALUNO DEVE: DIREITOS DOS ALUNOS 1. Ver reconhecidos e valorizados o mérito, o desempenho escolar, a assiduidade,

Leia mais

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO

FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO FICHA DE CARACTERIZAÇÃO DA ESCOLA 2º. E 3º.CICLOS DO ENSINO BÁSICO E ENSINO SECUNDÁRIO 1 IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO ESCOLAR ESCOLA: EB 2,3 / Dr. Daniel de Matos MORADA: Vila Nova de Poiares TELEFONE:

Leia mais

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires

Escola Secundária/3 José Cardoso Pires Escola Secundária/3 José Cardoso Pires PLANO DE EMERGÊNCIA PLANO DE EMERGÊNCIA 21 982 61 00 ÍNDICE Introdução - pág. 1 Objectivos - pág. 2 1 - ESTUDOS PRÉVIOS 1.1 - Caracterização do Escola - pág. 3 1.2

Leia mais

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL

UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL UCF CRIANÇA e ADOLESCENTE UNIDADES DE SAÚDE com SAÚDE INFANTIL Identificação do Estabelecimento Data: / / Designação: Morada: Freguesia: Concelho: Telefone: Fax: Correio Electrónico: Director / Coordenador

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA INTERNA

PLANO DE SEGURANÇA INTERNA PLANO DE SEGURANÇA INTERNA 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1. Objetivo e âmbito de aplicação... 3 1.2. Implementação... 3 1.3. Revisão do Plano... 3 1.4. Divulgação do Plano... 4 1.5. Referências legislativas...

Leia mais

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS

CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS CORPO DE BOMBEIROS MILITAR DO PARÁ CENTRO DE ATIVIDADES TÉCNICAS CARTILHA DE ORIENTAÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DE MEDIDAS DE SEGURANÇA CONTRA INCÊNDIO EM PEQUENOS ESTABELECIMENTOS Belém 2014 / Versão 1.0 1

Leia mais

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA

COMUNIDADE EUROPEIA. Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA COMUNIDADE EUROPEIA Plano de Emergência ESCOLA PROFISSIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL DE SERPA 1. INTRODUÇÃO... 5 2. CARACTERIZAÇÃO DAS INSTALAÇÕES... 6 2.1 Localização e Envolvente Exterior... 6 2.2 Socorros

Leia mais

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ

PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ PLANO DE CONTENÇÃO DE EMERGÊNCIA APLICÁVEL AOS TRANSFORMADORES ELEVADORES DA SE 440KV DA UHE JUPIÁ Autores: Aguinaldo Lima de Moraes Jr. José Natalino Bezerra Luiz Tomohide Sinzato CESP - Companhia Energética

Leia mais

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.

Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas. Incêndios e Explosões Baseado no original do Instituto Nacional de Seguridad e Higiene en el Trabajo - da Espanha) - www.mtas.es/insht/ INTRODUÇÃO Os incêndios e explosões, ainda que representem uma porcentagem

Leia mais

ÍNDICE. Plano de Prevenção do Jardim de Infância de Maçal do Chão

ÍNDICE. Plano de Prevenção do Jardim de Infância de Maçal do Chão ÍNDICE INTRODUÇÃO... 4 I - OBJECTIVOS DO PLANO DE PREVENÇÃO... 5 II - PLANO DE PREVENÇÃO... 6 1. IDENTIFICAÇÃO DO ESTABELECIMENTO DE ENSINO E LOCALIZAÇÃO GEOGRÁFICA... 6 2.CARACTERIZAÇÃO DO ESTABELECIMENTO

Leia mais

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL

AÇÕES A SEREM SEGUIDAS APÓS A ATIVAÇÃO DO PEL Usina Termelétrica Gov. LEONEL BRIZOLA/TERMORIO Informe de recursos internos LIMITES DA ÁREA INDUSTRIAL COMPOSIÇÃO DA UTE GLB Planta Outras instalações Rota de fuga ATIVAÇÃO DO PEL Qualquer empregado ou

Leia mais

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso

Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Madeira: Soluções Globais para Investimentos de Sucesso Zona Franca Industrial Plano de Emergência Documento disponível em: www.ibc-madeira.com Plano de Emergência da Zona Franca Industrial Nota de Divulgação

Leia mais

O QUE FAZER EM CASO DE SISMO

O QUE FAZER EM CASO DE SISMO O QUE FAZER EM CASO DE SISMO Na semana em que se realiza o exercício de prevenção de risco sísmico A Terra Treme, é importante relembrar as regras básicas de segurança incluindo alguns cuidados a ter antes,

Leia mais

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro

Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna. Abílio Casaleiro Resposta Hospitalar à Catástrofe Externa e Emergência Interna 27.02.2015 Apresentação do Hospital de Cascais Plano de Catástrofe Externa Plano de Emergência Interna Hospital de Cascais - Caracterização

Leia mais

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho

O Portal da Construção Segurança e Higiene do Trabalho Guia Técnico Segurança e Higiene do Trabalho Volume XVIII Plano de Emergência um Guia Técnico de Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode ser reproduzido ou distribuído sem a

Leia mais

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho

Sinalização de Segurança. As cores na segurança do trabalho Sinalização de Segurança As cores na segurança do trabalho Funções das cores na segurança Prevenção de Acidentes; Identificar os equipamentos de segurança; Delimitando áreas; Identificação de Tubulações

Leia mais

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS

- NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS - NORMA REGULAMENTADORA Nº 23 PROTEÇÃO CONTRA INCÊNDIOS Aprovada pela Portaria GM/MTB nº 3.214 - DOU 06/07/1978. 23.1 Todos os empregadores devem adotar medidas de prevenção de incêndios, em conformidade

Leia mais

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1

Laboratório de Química Orgânica. Orgânica e Farmacêutica. Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo QOI - 02/03 1 Laboratório de Química Orgânica e Farmacêutica NORMAS GERAIS E PROCEDIMENTOS DE SEGURANÇA Com colaboração da Dr.ª Sara Cravo 1 Laboratório de Química Orgânica 2 QOI - 02/03 1 1) Não entre no laboratório

Leia mais

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão)

PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) PLANO DE EMERGÊNCIA ÍNDICE (Modelo a ser preenchido e adaptado por cada órgão) 1 - Identificação do Órgão ou Entidade 2 - Apresentação 3 - Introdução 4 - Objetivos 5 - Procedimentos de manutenção 6 Instruções

Leia mais