Ensino à Distância: O papel do MEC

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensino à Distância: O papel do MEC"

Transcrição

1 Ensino à Distância: O papel do MEC Claudio de Moura Castro Esta nota lida com a postura do MEC com relação a todas as formas de ensino à distância. Passa então em revista as suas ações legais e normativas. Propõe estímulos para iniciativas nest as modalidades de ensino por parte de outros níveis de governo e por instituições não governamentais. Finalmente, apresenta os seu próprios projetos para o ensino de primeiro e segundo graus. I. O MEC precisa de uma política para o ensino à distância? 1 Diante de um passado de indecisões e equívocos nas políticas de uso de novas tecnologias de ensino, alguns observadores sugerem que é preciso começar tabula rasa, voltando ao ponto de partida e elaborando uma política global para o MEC nesta área. A intenção é boa mas a solução não o é. Esta é uma área grande, esgarçada e descozida. Há pouca experiência e muita mudança tecnológica. Há mudanças de atitudes em plena ebulição. Não há qualquer razão para crer que haverá menos turbulência no futuro. A própria extensão ou abrangência do que entrará nesta categoria está por ser definida Diante de tanta inexperiência e incerteza, pensar em algo que possa ser chamado de uma política para o ensino aberto ou à distância seria prematuro. Ou se faz algo de afogadilho, eivado dos erros da inexperiência, ou mantem-se paralizado o sistema, ficando tudo à espera de uma política redentora. Faz mais sentido prosseguir por aproximações sucessivas em um processo de aprenda fazendo institucional. Partem-se de algumas posturas básicas, de uma atitude geral com relação ao assunto e formulam-se as políticas mínimas necessárias para operacionalizar estas convicções. Com o passar do tempo, a experiência permitirá ir eliminando os erros e equívocos. Não é necessário mais do que isso. Mais ainda, não há qualquer ganho em tentar ser mais abrangente e controlador. O ensino à distância é um conjunto de formas não-convencionais de ensino, valendose de todos os meios de comunicação existentes, isoladamente ou em combinação. Trata-se de usar recursos tecnológicos que vão dos correios aos satélites, para chegar a um aluno que está fora do alcance do bom ensino presencial (embora encontros

2 periódicos enriqueçam os programas deste tipo e mereçam ser incentivados). O ensino à distância responde a tres tipos de objetivos, adaptando-se a cada um deles, de acordo com as circunstâncias. Primeiro, o uso de meios tecnológicos pode enriquecer o ensino presencial, como é o caso de usar televisão nas aulas convencionais. Em segundo lugar, supre carências, como pode ser o caso de matérias onde não há professores adequados ou faltam laboratórios. Finalmente, pode completamente substituir a escola convencional, no caso da sua inexistência ou impossibilidade. Assim é o caso de boa parte do ensino por correspondência ou das escolas secundárias pela televisão. Na verdade, o Ensino à Distância evolue em direções que o tornam mais fracionado e decentralizado. Cada vez mais, as transmissões em broadcasting, seja em TV, seja em rádio, se tornam apenas um pedaço deste assunto. Vídeocassette, narrowcasting, computadores, internet estão se tornando cada vez mais importantes. Isso faz com que os grandes planos governamentais sejam, na melhor das hipóteses castelos de cartas e, na pior, um entrave ao seu desenvolvimento. Podemos desde logo propor algumas posturas básicas a presidirem a ação do MEC nesta área: (i) O ensino à distãncia é um instrumento valioso a ser usado sempre que possível, mas não é uma panaceia para todos os problemas ou uma modalidade apropriada para tudo. Tem um grande potencial e muitas limitações. (ii) Ensino à distância inclue não apenas televisão, mas rádio, correio, computadores, telefone, cassette, CD-ROM e internet. E sabe-se que o uso de vários meios simultaneamente aumenta exponencialmente os resultados educativos (iii)o grande potencial consiste em fazer chegar mais longe e a um custo mais accessível um ensino de qualidade apreciável. Trata-se menos de ultrapassar o bom ensino convencional do que de levar um ensino respeitavel onde o convencional bom não chegaria, diante das distâncias ou de dificuldades organizacionais ou econômicas. (iv) O MEC pretende usar o ensino à distância como apoio à sua prioridade absoluta à educação de primeiro e segundo graus (v) Além disto, o MEC estimulará os estados, municípios bem como organizações não governamentais e privadas a servir-se desta modalidade de ensino, podendo em certos casos apoiar-las finaceira ou tecnicamente. Ademais, buscará eliminar os entraves legais que existam, bem como proteger os alunos e os operadores conscienciosos de abusos por parte de outros menos escrupulosos ou responsáveis. II. Como o MEC pode ajudar e apoiar 2

3 A folha corrida do MEC na área do ensino à distância não poderia ser pior. O MEC pouco fez e muito atrapalhou. Espera-se que agora possa haver uma reversão desta tendência. É preciso notar que não há novidades e nem surpresas no ensino à distância, qualquer que seja a sua modalidade. Sabe-se quando e onde funciona e sabe-se que há amplas faixas de atuação onde apresenta resultados previsíveis e satisfatórios. Somente a ignorância, o preconceito ou o isolamente permitem a reticência e os temores que vinham sendo observados. Para que o ensino à distância dê o salto quântico, justificado em um país grande como o Brasil, é necessário que se deixe de atrapalhá-lo com entraves legais e ambiguidades e preconceitos na política educacional. Mas não é só isso. O ensino à distância no Brasil requer alguns projetos grandes e bem sucedidos para que atinja a sua maturidade. Só assim pode deixar de ser um conjunto de experimentos tímidos e acovardados. Para que isto aconteça, não bastam alguns treinamentos de professores ou ou pequenos experimentos. É preciso que apareçam bons projetos de ensino secundário, de educação superior e de pós-graduação (latu senso) e que sejam avaliados de forma sólida e transparente. Além das suas ações diretas e normativas, faz parte das políticas do Ministério estimular ativamente tais iniciativas. III. As regras do jogo: as leis e as normas Nesta seção discutem-se questões de legislação, normas e posturas to Ministério com relação ao ensino à distância. Trata-se de dirimir questões legais com respeito aos canais e ondas, e de criar normas que encoragem as iniciativas e inibam as ações irresponsáveis. Não se trata de criar um código unificado e fechado, mas de resolver os problemas pontuais e imediatamente sentidos. A. As ondas, os cabos, as máquinas e seus donos Há um conunto de decisões técnicas e administrativas do lado do hardware. Algumas destas decisões não podem ser evitadas ou adiadas. Há que decidir quem fica com os canais e quem tem direito de fazer o que pelos ares ou pelos cabos. Não há porque minimizar a importância de decisões acertadas e na hora certa. Os outros parceiros não esperam pelas decisões em câmara lenta que caracterizaram o MEC. Todavia, é preciso estar bem ciente dos vícios crônicos da área educacional nos assunto de ensino utilizando tecnologias complexas (e aqui não falamos nem apenas do MEC e nem do Brasil). Tradicionalmente, os assuntos de tecnologia educacional têm estado nas mãos de gente de formação técnica e movida por imperativos técnicos. As soluções acabam sendo uma resposta de engenharia a um problema de educação ou de organização. Ou seja, uma resposta ao problema errado. Esta é uma das razões clássicas para o fracasso retumbante de quase tudo que se fez nesta área, a começar pelos experimentos pioneiros de Michigan nos anos cinquenta. 3

4 Os problemas de educação tem que ter uma resposta que faça sentido na educação. A lógica é a da operação de escolas. A engenharia apenas oferece os meios. E hoje estes meios estão consolidados e oferecem muito menos dificuldades. Dito isto, há que se mencionar algumas das questões pendentes no lado técnico dos canais e os cabos. O MEC pretende criar um canal de 24 horas de programação televisiva. Este será um instrumento potente cuja viabilização prática e organizativa tem que ser atendida. A operação deste canal requer a montagem de um conselho de programação com uma composição a ser melhor estudada. Diante da criação próxima de redes de transmissões a cabo e a satélite, barateando dramaticamente a operação de canais de TV, há uma questão importante: Quem deverá receber estes canais? Uma possibilidade atraente que merece ser explorada é a criação de um consórcio das fundações filantrópicas brasileiras mais respeitadas (Oderbrecht, Vitae, Bradesco, ITAU, José Carvalho etc) e talvez com participação de fundações extrangeiras (Ford, Kellog etc). Este consórcio operaria um canal educativo, seguindo regras claras e simples. O crescimento explosivo do Internet pode mudar radicalmente o panorama do ensino à distância e da regulamentação de quem opera nele. Tratando-se de uma comunicação particularmente barata, não seria de se estranhar se pudesse rapidamente se tornar um meio dominante.nos Estados Unidos, já há cursos e às provas por via Internet. Mais ainda, o diploma sequer menciona que o curso foi feito á distância. Além do potencial que isso representa, a Internet é um sistema por natureza decentralizado e sem controles. Possivelmente, muitas das decisões operacionais do ensino à distância poderão ser tomadas em regime colegiado, mediante a criação de um comitê interministerial de educação à distância, composto das agências hoje diretamente envolvidas no processo (MEC, Ministério das Comunicações etc). Mas, antes de tudo é preciso não complicar as coisas e criar normas, exigências e regulamentos onde não são necessários. B. Propaganda institucional na televisão educativa Uma questão bastante diferente das anteriores é a legislação que rege os canais não comerciais. De acordo com as leis vigentes, nos canais considerados educativos a publicidade comercial não é permitida. Em que pese as boas intenções de impedir que transmissões educativas sejam inundadas com propaganda comercial, a lei é excessivamente inflexível nesta direção. Esta rigidez legal ignora alguns aspectos muito importante das atividades filantrópicas de hoje. Existem atualmente muitas empresas comerciais - ou suas fundações filantrópicas - que financiam programas de televisão educativa ou cultural mas que perderiam o incentivo para fazê-lo se não for possível identificar a sua contribuição para os programas. Não se trata nestes casos de anúncios comerciais mas de uma discreta informação de quem financiou o programa e do seu logotipo no início e fim do programa. 4

5 Há fortes razões para que esta identificação do patrocinador do programa deva ser possível nos canais educativos. Não é necessário anunciar a excelência do sabonete vendido pelo patrocinador mas, tão somente, mencionar o seu nome e logotipo. É importante que no bojo das modificações legais que estão em vias de serem feitas, não se deixe de fora este aspecto, pois pode ter um impacto incalculável no montante de recursos privados canalizados para a televisão educativa. C. As normas para o ensino à distância Muitas modalidades de ensino são reguladas por lei, ao mesmo tempo que outras permanecem totalmente à margem da legislação. De forma geral, onde se requer diploma a legislação é abundante e opressiva - frequentemente sem ser eficiente - e é ausente onde não há a prática de certificação - necessária ou não. Nenhuma destas alternativas é satisfatória. A legislação tende ser equivocada ou canhestra e a liberdade total pode levar a abusos, lesar participantes e desestimular as iniciativas sérias. Esta seção examina os problemas de legislação, de acordo com o tipo e nível de ensino. A escola de primeiro e segundo graus, também à distância? Não é o ideal que um escola de primeiro grau seja oferecida à distância. Não obstante, em alguns casos isso é melhor do que nada e não devemos subestimar a possibilidade de oferecer um ensino satisfatório com o uso de monitores treinados para tal. A experiência de rádio interativo na Nicaragua e agora na Bolívia não deixa margens para dúvidas. Não só é possível, mas também trata-se de um formato de operação bastante bem sucedido. No segundo grau é ainda mais apropriado operar programas à distância. Já vêm de longa data a experiência da França em oferecer ensino por correspondência para filhos de franceses que estão no exterior. Os resultados no Baccalaureat não deixam margens para dúvidas quanto à viabilidade destas escolas pelo correio. Os filhos de militares americanos no exterior tambem têm acesso à cursos à distância oferecidos a partir do Texas. O Ministério deverá patrocinar algumas destas atividades, como mencionado adiante. Todavia, cabe também criar as normas para que outros possam operar nesta área. Tanto no nível do primeiro como no do segundo graus, parece razoável que a presença obrigatória seja sempre substituida por critérios mais rígidos de provas. No momento, não parece apropriado que se proponha no Brasil que as provas sejam feitas por correspondência, sem controle da sua realização. Nos Estados Unidos, muitos cursos à distância enviam as provas para a escola mais próxima ou para uma biblioteca pública e a sua aplicação fica sob a responsabilidade do diretor ou do bibliotecário. Mas no Brasil, até que se imponha o prestígio e respeitabilidade desta 5

6 forma de ensino, é necessário fazer com que os critérios de aferição dos alunos à distância sejam ainda mais rígidos do que nos cursos presenciais. Assim sendo, o segundo grau à distância deveria funcionar com provas preparadas e aplicadas pelo poder público ao fim de cada semestre. O método de aferição seria semelhante ao utililzado pelo supletivo. Como este sistema já existe para o supletivo e não apresenta maiores problemas operacionais, aqui não há novidades. Sendo assim aferido o resultado, pouco mais há que se exigir das escolas, além daquilo que corresponde à proteção do aluno como consumidor de um serviço vendido. No caso do primeiro grau, não é necessário sequer que se tenham tantas precauções. As escolas que são habilitadas a oferecer o primeiro grau regular, poderão também oferecê-lo à distância. Basta apenas exigir que as provas sejam de corpo presente. A inspeção das escolas pelo poder público seria endosso suficiente para a probidade dos procedimentos. Se esta inspeção não é confiável, isto não é um problema de ensino à distância. Afeta igualmente o ensino presencial e deveria ser objeto de atenções que nada tem a ver com a distância entre o aluno e o professor. D. A universidade aberta, finalmente? No nível superior, a legislação brasileira tem sido totalmente restritiva. A única exceção foi a concessão de uma licença especial à CAPES para oferecer, à distância, cursos de especialização de professores de ensino superior. Mas em particular, o curso de graduação à distância permanece tabu, apesar de haver sido usado desde a década de vinte na União Soviética e relançado com prestígio e qualidade pela Open University, já faz mais de vinte anos. O exemplo desta iniciativa inglesa levou a criação de muitas instituições similares, tanto em países industrializados como em outros mais pobres. Sem tentar uma avaliação sistemática destes programas, pode-se dizer que o saldo tem sido amplamente positivo. Mas no Brasil, um dos maiores países do mundo em extensão territorial, a distância tem que ser vencida de outra forma que o correio, o radio ou a televisão. Não há espaço legal para o ensino universitário à distância ou mesmo parcialmente à distância, como se torna mais comum nos programas deste nível. Esta é uma área que implora um modificação na legislação. E não é nada difícil encontrar as formas de abrir estas portas sem riscos de fraude ou perda de qualidade. O exemplo da Open University aí está para quem quiser ver, na teoria ou na prática. Inicialmente, a OU pretendia ser uma instituição inteiramente na contramão das tradições universitárias inglesas. Alunos, professores, aulas e avaliações: seria tudo diferente e informal. Mas a necessidade de se legitimar perante opinião pública levou a concessões, sobretudo na avalição. Para adquirir respeitabilidade, os programas, materiais de ensino e provas passaram a ser revisados pelos mais eminentes e conservadores membros do establishment de Oxbridge. Ou seja, os critérios passaram a ser mais rigorosos e transparentes do que nas próprias universidades convencionais de primeira linha. 6

7 O modelo aí está. Bastaria uma mudança simples de legislação, substitutindo a frequência obrigatoria por um modelo diferenciado de exames. A instituição brasileira que já tem os seus cursos de graduação credenciados e quiser oferecer graduação à distância, ou parcialmente à distância, teria somente que satisfazer um sistema rígido de provas e estaria liberada da presença obrigatoria nas aulas. Por exemplo, as provas poderiam ser formuladas sob a supervisão de um grupo onde participem professores regulares do quadro de mestrados com conceito A ou B da Capes. As provas seriam aplicadas necessariamente de corpo presente e fiscalizadas por pessoas designadas por este mestrado. A correção seria feita pelos professores da mantenedora mas enviadas para verificação (por amostragem, à critério do mestrado) aos seus formuladores originais. Após esta revisão, as provas seriam arquivadas por um período de cinco anos. A ser adotado este critério, poucos cursos convencionais no país terão critérios de verificação tão exigentes e confiáveis. Ao mesmo tempo, não criam maiores dificuldades para quem quiser operar cursos à distância. Com estas regras em ação, o resto interessa menos. Para proteção do aluno, é preciso também um compromisso assumido de atendimento individual, um compromisso de reuniões periódicas com tutores e outros cuidados mínimos. Mas neste particular, o aluno é o maior fiscal. Os cursos que exigem equipamentos deverão demonstrar que podem oferecer aos alunos encontros periódicos, com a frequência necessária e em locais devidamente equipados. Não é nem realista e nem apropriado pedir que seja seu próprio equipamento, devido à necessidade de espalhar geograficamente estes locais. Basta apenas que demonstrem estarem os arranjos institucionais formalizados com instituições que dispõe deles (SENAI, escolas técnicas, faculdades locais etc) Os operadores que não tem credenciamento para oferecer cursos de graduação deverão satisfazer critérios adicionais, não diferentes em essência do que se deveria pedir de cursos presenciais, mas muito mais simples. Será necessário explicitar estes critérios de credenciamento de instituições que apenas operarão cursos à distância. E. O que fazer com os diplomas dos cursos profissionais? Os cursos onde os diplomas têm validade legal ou um valor de mercado importante, deverão merecer atenção especial do MEC. Isto é necessariamente o caso dos cursos onde o mercado é protegido, tal como em enfermagem e construção civil. A certificação de ofício é uma prática clássica e totalmente aplicável para o caso dos cursos por correspondência. Países com longa tradição de diplomas e certificados na área profissional sempre ofereceram exames para aqueles que ou terminam cursos ou obtiveram pela prática o seu conhecimento. Por exemplo, os compagnons du devoir franceses aprendem o seu ofício dentro da tradição milenar do mestreaprendiz. Ao terminarem a sua formação de base, fazem o exame de CAP (Certificat d Aptitude Professionelle) oferecido aos concluintes dos cursos regulares de formação profissional do Ministério da Educação Nacional. 7

8 8 Rebatendo ao caso brasileiro, os concluintes de cursos à distância poderiam fazer exames públicos da mesma natureza dos aplicados aos concluintes dos programas do MEC ou do SENAI. Mas a política do MEC deve ser de agressivamente ajudar quem está encontrando formas legítimas de ensinar. Deve, portanto, haver um esforço do MEC para organizar os exames em cooperação com as escolas que oferecem tais cursos. Os horários e locais devem ser convenientes para os alunos e para as escolas. Os exames devem ser inteligentes, justos e apropriados para medir o desempenho esperado na profissão escolhida. Este é o papel do MEC. Não é tutelar e nem prenderse a detalhes mas ajudar no que só ele pode fazer que é fiscalizar, estimular e fixar normas. E mais ainda, não basta esperar sentado que as escolas procurem o MEC com soluções prontas. A atitude deverá ser pro-ativa. Após tantos anos de descaso e má vontade, é preciso mostrar uma nova face. F. A proteção ao consumidor dos cursos por correspondência não formais Há muitos cursos onde diploma ou algum credenciamento da escola não têm qualquer valor legal mas fornecem uma informação importante ao mercado. Quem tem diploma tem um papel demonstrando haver sido exposto a um conjunto de informações, e haver dominado certos conteúdos próprios da ocupação. O empregador fica sabendo o que sabe o aluno. Mais importante em uma área pouco respeitada e onde o joio e o trigo estão misturados, o aluno fica sabendo quais as escolas que são sérias e que ultrapassaram um limiar de competência. Na verdade, a clientela dos cursos comerciais por correspondência não têm o menor preparo para avaliar o que está oferecendo o curso cujo anúncio êle encontra em uma revista em quadrinhos. Devemos nos lembrar que estes alunos são os únicos no Brasil cuja distribuição por status sócio-econômico é semelhante à do primeiro ano primário, isto é, são uma imagem da distribuição de status da população brasileira. Credenciar estes cursos como se foram universidades seria uma emenda pior do que o soneto. Um dos aspectos que tornam atraentes estes cursos é a sua liberdade de operação, desenho e re-desenho dos seus cursos. Este é um mercado vibrante onde apenas o Instituto Universal Brasileiro matricula próximo de tres milhões de alunos (dado não confirmado). Mais ainda, uma pesquisa do IPEA mostrou ganhos econômicos substanciais para boa parte dos graduados destes cursos que normalmente custam menos de 100 US$ (incluindo os materiais e equipamentos). No fundo, o mais importante é permitir aos alunos saber quem é sério e quem não é. Os grandes inimigos de instituições como o Instituto Universal Brasileiro e Instituto Monitor são os seus concorrentes inescrupulosos. Em um mercado que oferece um curso de paquera, é preciso informar aos futuros alunos quem não pertence a esta categoria de operadores trêfegos e desonestos. Trata-se mais de proteção ao consumidor do que de credenciamento. Possivelmente algo como a legislação americana de truth in advertising aproximase do modelo que precisamos. Tal legislação regulamentaria o que o curso pode anunciar e prometer. A filosofia básica é que tem que cumprir o que promete e que

9 deve ser veraz a publicidade. O curso seria obrigado a informar, por exemplo, quanto custa, o que está incluido no custo, quanto tempo dura, quais são os critérios para aprovação e que tipo de assistència o aluno pode esperar do curso. Mais ainda, que empregos realisticamente o graduado pode almejar. Neste particular, é mais importante impedir que haja promessas impossíveis ou improváveis. Um compromisso de devolução de dinheiro após a primeira aula faz também sentido. Um caminho paralelo seria o apoio do MEC para a criação de uma associação das escolas sérias de ensino por correspondência. Estas escolas desenhariam um conjunto de exigências adicionais para a participação dos cursos na associação e permitiria aos associados mencionar em seus anúncios que os cursos dos seus membros satisfizeram certos critérios de qualidade de materiais pedagógicos e de idoneidade. O MEC poderia indicar comissões de revisão de materiais de cursos e dar algum tipo de endosso cauteloso aos cursos associados. Na verdade, nada impede que estas escolas tomassem a iniciativa por conta própria. No entanto, como isto não aconteceu não há boas razões para que não seja o MEC o iniciador destas medidas. IV. O Financiamento: quem paga as contas? Em uma área carente e prejudicada por uma longa história de descaso e má vontade por parte do governo, o apoio financeiro pode ter o efeito catalizador que se requer para estimular a ação. Assim é que o Ministério pretende criar algumas linhas de auxílio e estímulo para atividades de ensino à distância. Não obstante, a prioridde é financiar o uso mais do que a produção de programas. Há mais produção do que uso, e é o uso que deve ser estimulado. De preferência, que se financiem os alunos ao invés do operadores, o que permite melhor controle e focalização dos esforços. Considerando o potencial oferecido pelo ensino à distância em todas as suas modalidades, há boas razões para o MEC incentivar a participação de tantos quantos queiram operar nesta área. Dentro de certos limites qualitativos, quanto mais melhor. Em alguns casos, o MEC poderá criar incentivos ou mesmo estímulos financeiros. Em outros, poderá se associar a estados ou municípios na preparação e veiculação de programas. Nos poucos casos em que o Ministério decida financiar a produção, devem haver licitação, para que se incentivem múltiplos fornecedores. Não há boas razões para repetir o ciclo de cursos de treinamento para as diferentes tarefas do ensino â distância, como foi feito no passado sem grandes consequências. Isto se aprende fazendo projetos concretos. Aqueles estados ou municípios que se propuzerem a agir em consonância com as políticas do MEC poderão ter os seus programas parcialmente financiados pelo Estado. Pode-se também pensar em um consórcio inter-universitário com instituições públicas e privadas para oferecer ensino à distância em áreas prioritárias. 9

10 V. Avaliação Em linha com a diretriz central do MEC de avaliar os resultados de tudo que se faz em educação, o ensino aberto deveria também ser alvo de uma atenção sistemática. Em alguns casos, o exame dos materiais usados e dos procedimentos de avaliação e apoio podem ser úteis. Contudo, a maneira mais interessante de se avaliar é através de pesquisas de acompanhamento de ex-alunos. Através delas ficamos sabendo até que ponto o programa teve consequências sobre a vida de cada aluno. Caberia ao MEC encomendar pesquisas de acompanhamento de egressos dos tipos e modaliades mais importantes de ensino à distância. A experiência do IPEA de avaliar programas comerciais de treinamento por correspondência mostra a viabilidade prática de realizar tais estudos a custos modestos. VI. Assistência Técnica e Informação Cabe ao Ministério servir de ponte entre os que sabem e os que querem aprender, entre os que têm os materiais e os que gostariam de tê-los. Sua função de de patrocinador de clearing houses pode ser crítica. É importante insisir, o fato de ser importante não que dizer que deva ser feito diretamente pelo Ministério. Clearing house é tipicamente uma atividade para ser terciarizada. Ha lugar para instituições públicas de compra e distribuição de programas de vídeo para emissoras locais ou mesmo para escolas e cursos que deles queiram se servir. Em particular, a riqueza da coleção de programas da BBC e PBS no exterior, bem como da Globo no país não devem ser deixada de lado por conta de falta de informação ou de recursos mínimos necessários para a sua compra ou aluguel. Em alguns casos, há instituições públicas como os CEFETs que já estáo produzindo e operando programas à distância, mas que restringem sua clientela ao seu entorno geográfico imediato. Caberia, no caso, criar incentivos para que operem em um raio maior de alcance, de forma a aumentar seus efetivos e reduzir seus custos unitários. VII. As ações diretmente apoiadas pelo MEC Como sugerido, o MEC deve ter as suas prioridades de ação e, paralelamente, facilitar a vida dos que querem fazer um bom serviço (pelo menos, deve deixar de atrapalhar). Dentro de suas prioridades próprias, já ficou claramente estabelecido no MEC que sua ação se concentrará na escola de segundo grau e na formação de professores do primeiro grau. Ai se concentrarão as energias e os recursos do MEC, sempre dentro da premissa de que as ações diretas serão evitadas. O MEC estimula, contrata, financia, fiscaliza e avalia. Mais ainda, financia o uso ao invés da produção. A. A escola secundária pela televisão 10

11 11 Há uma longa experiência de ensino pela televisão, mesmo no Brasil. Estados Unidos e Mexico já a utilizaram com grande sucesso e o mesmo se deu no Brasil nos estados do Maranhão e Ceará. As causas do seu progressivo abandono nada tem a ver com os êxitos substantivos no processo de ensino. Cabe portanto retomar o processo, recuperar as boas experiências e inaugurar outras. Há correções de curso dos velhos projetos e novas idéias a ser aplicadas. Mas antes de tudo, é trabalhar no terreno do que já aprendemos a fazer e o fizemos bem em periodos onde os recursos humanos e técnicos eram muito mais precários. Embora as avaliações das ações passadas sejam precárias, há um mínimo de conhecimento que deve ser posto a serviço do que queremos fazer. Um grande escolho no caminho é a definição do que é a televisão educativa e de sua divisão de trabalho com os professores e monitores. O primeiro erro a ser evitado é criar a imagem - real ou imaginária - de que a televisão educativa é para substituir o professor. Isto matou ou atrapalhou muito do que se tentou fazer. É preciso que fique claro, a TV é para ajudar o professor. Ela apenas o substitui quando este não existe. Por exemplo, Kentucky não tinha e não tem professores de alemão ou Latim nas suas cidades do interior, daí o uso da TV para as aulas destas disciplinas. Tal era o caso do Maranhão. O segundo escolho é a definição do que é qualidade na TV educativa. Há amplos papeis e modelos educacionais para a TV (além dos papeis deseducacionais frequentemente em vigor). Cada um comporta o seu estilo. Quando o objetivo é arrancar o tele-espectador da novela, requer-se uma linguagem visual onde a qualidade da imagem, o ritmo e o interesse têm que estar a serviço deste objetivo. Mas quando se trata de escola e não de edutainment o objetivo é oferecer uma escola atraente e não um Fantástico educativo. A questão é prática e não filosófica. Cada série escolar requer pelo menos mil horas de aula. Se, digamos, metade deste tempo de aula tem que ser veiculado pela televisão (o resto sendo o trabalho com o monitor), oito séries requererão pelo menos quatro mil horas de programação. Com os recursos existentes e nos prazos disponíveis, seria impossível criar tudo no padrão Globo. Além disto, aula requer livro-texto, outro problema a ser enfrentado, pois não faria sentido uma produção cara seguindo de perto os livros convencionais. Por estas razões, os países mais ricos do mundo fazem escola televisiva com produções convencionais de aula filmada pela câmera. Bom exemplo é a TV educativa de Kentucky, de produção recente, onde o professor dá aula para os alunos, tal como se estivesse em uma situação real. O uso de computação gráfica é mínimo e não se vai muito além dos meios audio-visuais que são comuns nas escolas americanas (slides, desenhos, alguns clips, etc). É preciso não abalroar o escolho clássico da tecnologia educativa, onde os programas caem nas mãos de pessoas cujos interesses são a produção de programas. Para estas pessoas, tudo o mais que já foi feito é considerado como tão eivado de defeitos que tornam inaceitável o programa. Para eles, é preciso tudo refazer para que fique bem feito. Diante das ambições presentes e da justificada pressa, este caminho seria fatal.

12 É preciso vasculhar o que existe e usar tudo que for aproveitável. Mas devemos entender que educação por TV requer materiais impressos que sigam de perto as aulas. Isto reduz consideravelmente o estoque disponível. Com base em um bom levantamento, será posssível encontrar as áreas onde já existem materiais reutilizáveis, as áreas onde não há nada ou onde a importância da imagem e de recursos visuais podem justificar novas produções (por exemplo, em ciências). Claramente, muita produção será necessária, mas dentro de uma filosofia de complementar. É melhorar e não refazer tudo. B. Um programa para professores de primeiro grau O calcanhar de Aquiles de qualquer sistema de ensino será sempre os professores. A televisão complementa ou parcialmente subsitui o professor, mas no longo prazo, não ha desenvolvimento educativo sem o apoio de um grande exército de bons mestres. Daí a importância que se reveste qualquer política para melhorar o seu nivel. A longo prazo, nada substitui uma faxina séria nos programas de formação inicial de professores. Não obstante, por muitos anos a maioria avassaladora dos mestres em ação será composta dos mesmos que hoje já compõe o corpo docente. Por esta razão, qualquer política de médio e curto prazo tem que contemplar a melhoria dos professores já em serviço. Inevitavelmente, quanto mais fracos os professores, mais distantes estão dos locais onde facilmente se podem oferecer cursos presenciais. Consequentemente, o ensino por correspondência e a televisão são os instrumentos que podem chegar a eles com menores dificuldades. Daí o grande papel estratégico que pode ter um programa de formação de professores combinando correspondência e televisão. Mas ao contrário da televisão educativa para o segundo grau, a programação aqui requer mais atenções. O sem número de programas presenciais de reciclagem de professores que se revelaram inócuos nos deve levar a ter muito mais cuidado na busca de bons formatos e bons conteúdos para estes programas. Já há boas experiências de ensino de ciências e matemática que é preciso capitalizar. Há também alguma coisa feita na preparação de alfabetizadores. Cabe ao MEC promover um apoio consistente, bastante e continuado para estas iniciativas, evitando a pulverização de recursos, os esforços episódicos e os critérios burocráticos de seleção de candidatos a operar este sistema. Cabe também, não partir na frente sem o compromisso dos estados ou municícios com a utilização massiça dos programas. C. Os professores da graduação podem ser aperfeiçoados à distância A experiência da CAPES com o POSGRAD foi suficientemente avaliada e não deixou margens para dúvidas. Este foi um programa de aperfeiçoamento de professores nas matérias centrais dos currículos de graduação, conduzido pelo correio e com encontros periódicos dos alunos com o seu tutor. Os cursos eram oferecidos pelos mestrados bem 12

13 sucedidos nas avaliações da CAPES e os tutores eram escolhidos entre professores que ensinavam as mesmas matérias nos cursos de mestrado. Haveria boas razões para repetir a experiência. Os custos são modestos e o mero fato de serem reduzidos os deslocamentos e diárias já muda a ordem de magnitude dos orçamentos necessários. O modelo é bom e poderia ser simplesmente repetido. Contudo, não há por que não tentár aperfeiçoá-lo, sobretudo dado o crescimento do Internet no Brasil. D. Mais uma universidade? A última coisa que o Ministério precisa é de criar uma nova universidade. Dito isto, não há porque não possa apoiar financeiramente a criação de um programa de graduação à distância, mais como estímulo e demonstração do que pela necessidade de haver mais um curso de graduação. Seria o caso de incentivar a abertura de alguns cursos à distância em instituições já existentes. Por exemplo, seria possível pensar em consórcios de estabelecimentos de ensino operando no interior dos estados e que passariam a oferecer alguns cursos à distância. Cada estabelecimento se especializaria na operação de cursos nas áreas onde têm mais competência, sendo os materiais dos cursos distribuidos pelos outros estabelecimentos que seriam também usados para os encontros periódicos. Desta forma, cidades que não podem justificar mais de um curso superior, poderiam oferecer por correspondência outros que seriam de interesse dos seus habitantes. 13

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007

RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 RESOLUÇÃO UnC-CONSEPE 040/2007 Aprova a Reformulação do Regimento da Educação a Distância O Reitor da Universidade do Contestado, no uso de suas atribuições, de acordo com o Art. 25 do Estatuto da Universidade

Leia mais

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica

Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica Visão de Futuro Instituto Tecnológico de Aeronáutica João Luiz F. Azevedo Apresentação preparada como parte do processo de seleção do Reitor do ITA São José dos Campos, 23 de outubro de 2015 Resumo da

Leia mais

A modalidade de ensino que cresce a passos largos no Brasil, ainda provoca desconfiança em muita gente. VOCÊ ESTUDARIA A DISTÂNCIA?

A modalidade de ensino que cresce a passos largos no Brasil, ainda provoca desconfiança em muita gente. VOCÊ ESTUDARIA A DISTÂNCIA? O formato é bem antigo, mas ele voltou a ganhar notoriedade na década de 90, com o avanço da tecnologia e, principalmente, devido ao alcance da internet pela população. Ainda assim, ele está longe de ser

Leia mais

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1

Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 Regulação, supervisão e avaliação do Ensino Superior: Perguntas Frequentes. 1 1. Quais são os tipos de instituições de ensino superior? De acordo com sua organização acadêmica, as instituições de ensino

Leia mais

Como preparar os professores para nossas escolas

Como preparar os professores para nossas escolas Como preparar os professores para nossas escolas Claudio de Moura Castro Não há bom ensino sem bons professores. E, claramente, o Brasil sofre de uma severa escassez de bons professores para suas escolas

Leia mais

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo

Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de Viabilidade e Pesquisa de Campo Estudo de viabilidade As perguntas seguintes terão que ser respondidas durante a apresentação dos resultados do estudo de viabilidade e da pesquisa de campo FOFA.

Leia mais

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD?

Módulo 1. Introdução. 1.1 O que é EAD? Módulo 1. Introdução Cada vez mais o mundo social e do trabalho necessitam de sujeitos capazes de fazer a diferença através de suas ações e atitudes. A utilização do ambiente virtual, como meio de interação

Leia mais

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA

DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA GUIA PARA A ESCOLHA DO PERFIL DE INVESTIMENTO DO PLANO DE CONTRIBUIÇÃO DEFINIDA Caro Participante: Preparamos para você um guia contendo conceitos básicos sobre investimentos, feito para ajudá-lo a escolher

Leia mais

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU R E G I M E N T O G E R A L PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Regimento Geral PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Este texto foi elaborado com as contribuições de um colegiado de representantes da Unidades Técnico-científicas,

Leia mais

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO

CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1 CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PRAÇA DA REPÚBLICA, 53 - FONE: 3255-2044 CEP: 01045-903 - FAX: Nº 3231-1518 SUBSÍDIOS PARA ANÁLISE DO PLANO DE CURSO 1. APRESENTAÇÃO É com satisfação que apresentamos este

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E ÉTICA DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO MAGNA INTERNATIONAL INC. DIRETRIZ SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO Oferecer ou receber presentes e entretenimento é muitas vezes uma

Leia mais

Região. Mais um exemplo de determinação

Região. Mais um exemplo de determinação O site Psicologia Nova publica a entrevista com Úrsula Gomes, aprovada em primeiro lugar no concurso do TRT 8 0 Região. Mais um exemplo de determinação nos estudos e muita disciplina. Esse é apenas o começo

Leia mais

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi

Controles Internos e Governança de TI. Charles Holland e Gianni Ricciardi Controles Internos e Governança de TI Para Executivos e Auditores Charles Holland e Gianni Ricciardi Alguns Desafios da Gestão da TI Viabilizar a inovação em produtos e serviços do negócio, que contem

Leia mais

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas;

PROFMAT - Programa de Mestrado Profissional em Matemática. Regimento. Coordenação do ensino de matemática nas escolas; Capítulo I Objetivos Regimento Artigo 1º - O Objetivo do Programa de Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional é proporcionar ao aluno formação matemática aprofundada, relevante ao exercício

Leia mais

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom

medida. nova íntegra 1. O com remuneradas terem Isso é bom Entrevista esclarece dúvidas sobre acúmulo de bolsas e atividadess remuneradas Publicada por Assessoria de Imprensa da Capes Quinta, 22 de Julho de 2010 19:16 No dia 16 de julho de 2010, foi publicada

Leia mais

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO PARECER HOMOLOGADO(*) (*) Despacho do Ministro, publicado no Diário Oficial da União de 24/6/2003 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: UF Conselho Nacional de Técnicos em Radiologia

Leia mais

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro

PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro Anexo 3 PLANO DE NEGÓCIOS Roteiro 1. Capa 2. Sumário 3. Sumário executivo 4. Descrição da empresa 5. Planejamento Estratégico do negócio 6. Produtos e Serviços 7. Análise de Mercado 8. Plano de Marketing

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE CAMPINA GRANDE CONSELHO UNIVERSITÁRIO CÂMARA SUPERIOR DE PÓS-GRADUAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 07/2014 Aprova a criação do Curso de Pós-Graduação Stricto Sensu, denominado

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO. PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 I RELATÓRIO COMISSÃO DE EDUCAÇÃO PROJETO DE LEI N o 4.106, DE 2012 Regulamenta o exercício da profissão de Supervisor Educacional, e dá outras providências. Autor: Deputado ADEMIR CAMILO Relator: Deputado ARTUR BRUNO

Leia mais

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.

Módulo 3. Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4. Módulo 3 Interpretação da norma NBR ISO 19011:2002 requisitos: 6.2, 6.2.1, 6.2.2, 6.2.3, 6.2.4, 6.2.5, 6.3, 6.4, 6.4.1, 6.4.2, 6.4.3 Exercícios 6.2 Iniciando a auditoria/ 6.2.1 Designando o líder da equipe

Leia mais

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo)

COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA. PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N.º 7.569, DE 2.006 (Do Poder Executivo) AUTOR: PODER EXECUTIVO RELATOR: DEPUTADO CARLOS ABICALIL Modifica as competências e a estrutura organizacional da

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática

Serviço Público. Manutenção e Suporte em Informática Serviço Público Manutenção e Suporte em Informática Wilson Pedro Coordenador do Curso de Serviço Público etec_sp@ifma.edu.br Carla Gomes de Faria Coordenadora do Curso de Manutenção e Suporte em Informática

Leia mais

II. Atividades de Extensão

II. Atividades de Extensão REGULAMENTO DO PROGRAMA DE EXTENSÃO I. Objetivos A extensão tem por objetivo geral tornar acessível, à sociedade, o conhecimento de domínio da Faculdade Gama e Souza, seja por sua própria produção, seja

Leia mais

Como ter sucesso na educação a distância

Como ter sucesso na educação a distância Metodologia Diferenciada Ambiente de Aprendizagem Moderno Inovação Continuada e Empreendedorismo Como ter sucesso na educação a distância 1 Regulamento 2 1 Como ter sucesso na educação a distância Para

Leia mais

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA

RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA RESOLUÇÃO CNE/CEB Nº 1, DE 21 DE JANEIRO DE 2004.(*) Estabelece Diretrizes Nacionais para a

Leia mais

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior

Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior Gestão escolar: Escolas enfrentarão cenário de competitividade cada vez maior G estão escolar: não há diretor de qualquer instituição de ensino que não esteja às voltas com esta questão, hoje. Um cenário

Leia mais

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência

Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Contribuição da TIA/TEC-LA para a ANATEL sobre o gerenciamento do espectro de rádio-frequência Sendo uma organização que representa os interesses de fabricantes e fornecdores de produtos e sistemas para

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA.

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇOS, ENSINO E PESQUISA LTDA. REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO São Paulo 2010 CAPÍTULO I DO CONCEITO, FINALIDADE E OBJETIVOS Art. 1º - O Estágio

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO RESOLUÇÃO Nº 110/10. Fixa as normas para os cursos de especialização e aperfeiçoamento do IFPR. O CONSELHO SUPERIOR DO INSTITUTO FEDERAL DO PARANÁ, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, e,

Leia mais

O papel do CRM no sucesso comercial

O papel do CRM no sucesso comercial O papel do CRM no sucesso comercial Escrito por Gustavo Paulillo Você sabia que o relacionamento com clientes pode ajudar sua empresa a ter mais sucesso nas vendas? Ter uma equipe de vendas eficaz é o

Leia mais

2. Cursos de Extensão

2. Cursos de Extensão 2. Cursos de Extensão Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) APRESENTAÇÃO DOS CURSOS DE EXTENSÃO DO IIC O Instituto Internacional de Cromatografia (IIC) oferecerá no ano de 2011 as seguintes atividades

Leia mais

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE:

2- FUNDAMENTOS DO CONTROLE 2.1 - CONCEITO DE CONTROLE: 1 - INTRODUÇÃO Neste trabalho iremos enfocar a função do controle na administração. Trataremos do controle como a quarta função administrativa, a qual depende do planejamento, da Organização e da Direção

Leia mais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais

TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA. Seção I Das Disposições Gerais TÍTULO V DOS NÍVEIS E DAS MODALIDADES DE EDUCAÇÃO E ENSINO CAPÍTULO II DA EDUCAÇÃO BÁSICA Seção I Das Disposições Gerais Art. 22. A educação básica tem por finalidades desenvolver o educando, assegurar-lhe

Leia mais

Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do ensino médio pode aumentar em 1 ano

Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do ensino médio pode aumentar em 1 ano SP quer ampliar ensino técnico estadual Data:10/05/2011 Veículo: O ESTADO DE S. PAULO SP Mariana Mandelli Secretaria de EDUCAÇÃO vai propor parcerias com instituições particulares e públicas; duração do

Leia mais

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são:

RESOLVE: CAPÍTULO I PRINCÍPIOS GERAIS. Os objetivos gerais da EAD na Universidade Federal do Paraná (UFPR) são: RESOLUÇÃO Nº 28/08-CEPE Fixa normas básicas de controle e registro da atividade acadêmica dos Cursos de Aperfeiçoamento e Especialização na modalidade de Educação a Distância da Universidade Federal do

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) PRÓ-REITORIA DE ENSINO NORMATIVA INTERNA PARA O TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aracaju/SE 2011 CAPÍTULO I Das finalidades e dos Objetivos Art. 1º - As Normas de Trabalho de Conclusão de Curso (TCC)

Leia mais

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto?

2 - Sabemos que a educação à distância vem ocupando um importante espaço no mundo educacional. Como podemos identificar o Brasil nesse contexto? A EDUCAÇÃO À DISTÂNCIA E O FUTURO Arnaldo Niskier 1 - Qual a relação existente entre as transformações do mundo educacional e profissional e a educação à distância? A educação à distância pressupõe uma

Leia mais

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO

Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Sessão de Abertura Muito Bom dia, Senhores Secretários de Estado Senhor Presidente da FCT Senhoras e Senhores 1 - INTRODUÇÃO Gostaria de começar por agradecer o amável convite que a FCT me dirigiu para

Leia mais

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO

AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO AGUARDANDO HOMOLOGAÇÃO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO INTERESSADO: Secretaria Estadual de Educação de São Paulo UF: SP ASSUNTO: Aplicação do regime de intercomplementaridade à Educação

Leia mais

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca

IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca IESG - INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE GARÇA LTDA. Rua América, 281 Garça/SP CEP 17400-000 (14) 3407-2505 www.uniesp.edu.br/garca PROGRAMA DE ACOMPANHAMENTO DOS EGRESSOS O Instituto de Ensino de Garça,

Leia mais

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA

INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA INSTITUTO DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA Autor: Jeferson Correia dos Santos ARTIGO TÉCNICO INOVAÇÃO NA GESTÃO DE PÓS-VENDAS: SETOR AUTOMOTIVO RESUMO A palavra inovação tem sido atualmente umas das mais mencionadas

Leia mais

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional

Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Regimento do Mestrado Profissional em Matemeatica em Rede Nacional Capítulo I Objetivos Artigo 1º - O Mestrado Profissional em Matemática em Rede Nacional (PROFMAT) tem como objetivo proporcionar formação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL UNISC REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL CAPÍTULO I DA NATUREZA Art. 1º Este Regulamento estabelece as políticas da disciplina de Trabalho

Leia mais

DELIBERAÇÃO N.º 008/00 APROVADA EM 15/12/00 CÂMARAS DE LEGISLAÇÃO E NORMAS, ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

DELIBERAÇÃO N.º 008/00 APROVADA EM 15/12/00 CÂMARAS DE LEGISLAÇÃO E NORMAS, ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROCESSO: N.º 651/00 DELIBERAÇÃO N.º 008/00 APROVADA EM 15/12/00 CÂMARAS DE LEGISLAÇÃO E NORMAS, ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO INTERESSADO: SISTEMA ESTADUAL DE ENSINO ESTADO DO PARANÁ ASSUNTO: : Estabelece

Leia mais

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME

Código de Ética e Conduta Profissional da MRC Consultoria e Sistema de Informática Ltda. - ME 1 - Considerações Éticas Fundamentais Como um colaborador da. - ME eu devo: 1.1- Contribuir para a sociedade e bem-estar do ser humano. O maior valor da computação é o seu potencial de melhorar o bem-estar

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO N. 3.529, DE 12 DE JUNHO DE 2007 Dispõe sobre a oferta de cursos de pósgraduação lato sensu

Leia mais

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito

REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO. Artigo 1º Objectivo e âmbito REGULAMENTO PARA A CREDITAÇÃO DA FORMAÇÃO Artigo 1º Objectivo e âmbito 1. O presente Regulamento estabelece as normas relativas aos processos de creditação no ISCIA para efeitos do disposto no artigo 45.º

Leia mais

Manual de administração

Manual de administração Manual de administração Como fazer outsourcing dos sistemas de informação Índice Introdução Passo 1 - Definir o enquadramento Passo 2 - Analisar os recursos e serviços internos Passo 3 - Analisar os recursos

Leia mais

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem?

Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? SAIBA TUDO SOBRE O ENEM 2009 Qual a principal diferença entre o Enem tradicional e o novo Enem? Até 2008, o Enem era uma prova clássica com 63 questões interdisciplinares, sem articulação direta com os

Leia mais

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011

PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 CENTRO DA QUALIDADE, SEGURANÇA E PRODUTIVIDADE PARA O BRASIL E AMÉRICA LATINA PREVIEW DAS PRINCIPAIS SEÇÕES DA NBR ISO 19011 Diretrizes para auditorias de sistemas de gestão da qualidade e/ou ambiental

Leia mais

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS

REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS REGIMENTO DO CURSO DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA E TECNOLOGIA ESPACIAIS ÁREA DE CONCENTRAÇÃO EM ENGENHARIA E GERENCIAMENTO DE SISTEMAS ESPACIAIS TÍTULO I DOS OBJETIVOS DO CURSO Art. 1º A Área de Concentração

Leia mais

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico

Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola. Projeto Básico Secretaria de Educação a Distância Departamento de Planejamento em EAD Coordenação Geral de Planejamento de EAD Programa TV Escola Projeto de Gestão Compartilhada para o Programa TV Escola Projeto Básico

Leia mais

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996

A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 A EXPANSÃO DO ENSINO SUPERIOR NO BRASIL: A QUALIDADE DA OFERTA A DISTÂNCIA DO CURSO DE PEDAGOGIA A PARTIR DA LDB DE 1996 RESUMO Aila Catori Gurgel Rocha 1 Rosana de Sousa Pereira Lopes 2 O problema proposto

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC

PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC 1 PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO - PPC O PPC, Projeto Pedagógico de Curso, é o instrumento de concepção de ensino e aprendizagem de um curso e apresenta características de um projeto, no qual devem ser definidos

Leia mais

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan.

Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. Entrevista da Professora Rosa Trombetta à rádio Jovem Pan. A Professora Rosa Trombetta, Coordenadora de Cursos da FIPECAFI aborda o assunto elearning para os ouvintes da Jovem Pan Online. Você sabe o que

Leia mais

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG

A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG A Contextualização e Abrangência dos Conteúdos de Álgebra nos Vestibulares da UEL, UEM e UEPG Autor: Gefferson Luiz dos Santos Orientadora: Angela Marta Pereira das Dores Savioli Programa de Pós-Graduação

Leia mais

PROJETO DE LEI N o 6.137, DE 2005 (Do Sr. ALEX CANZIANI)

PROJETO DE LEI N o 6.137, DE 2005 (Do Sr. ALEX CANZIANI) COMISSÃO DE EDUCAÇÃO E CULTURA PROJETO DE LEI N o 6.137, DE 2005 (Do Sr. ALEX CANZIANI) Dispõe sobre o acesso aos cursos de graduação oferecidos pelas Instituições de Ensino Superior. Autor: Deputado Alex

Leia mais

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES

O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES O ENSINO DAS FUNÇÕES ATRAVÉS DO JOGO BINGO DE FUNÇÕES Marcos Aurélio Alves e Silva- UFPE/CAA Alcicleide Ramos da Silva- UFPE/CAA Jucélia Silva Santana- UFPE/CAA Edelweis José Tavares Barbosa- UFPE/CAA

Leia mais

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa.

I. A empresa de pesquisa de executivos deve lhe fornecer uma avaliação precisa e cândida das suas capacidades para realizar sua pesquisa. DIREITO DOS CLIENTES O que esperar de sua empresa de Executive Search Uma pesquisa de executivos envolve um processo complexo que requer um investimento substancial do seu tempo e recursos. Quando você

Leia mais

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO

CAMPO DE APLICAÇÃO Esta Norma Complementar se aplica no âmbito da Administração Pública Federal, direta e indireta. APROVAÇÃO 05/IN01/DSIC/GSIPR 00 14/AGO/09 1/7 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Gabinete de Segurança Institucional Departamento de Segurança da Informação e Comunicações CRIAÇÃO DE EQUIPES DE TRATAMENTO E RESPOSTA A INCIDENTES

Leia mais

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região

Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Tribunal do Trabalho da Paraíba 13ª Região Apresentação 1.Identificação do órgão:tribunal do Trabalho da Paraíba/ Assessoria de Comunicação Social 2.E-mail para contato:rdaguiar@trt13.jus.br, rosa.jp@terra.com.br

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

Regulamentos e Critérios para Subsídios de Assistência Internacional

Regulamentos e Critérios para Subsídios de Assistência Internacional Regulamentos e Critérios para Subsídios de Assistência Internacional Os Subsídios de Assistência Internacional de LCIF oferecem financiamento para projetos de ajuda humanitária que são esforços de cooperação

Leia mais

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software

Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software Qualidade na gestão de projeto de desenvolvimento de software [...] O que é a Qualidade? A qualidade é uma característica intrínseca e multifacetada de um produto (BASILI, et al, 1991; TAUSWORTHE, 1995).

Leia mais

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA

VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA VERTICALIZAÇÃO OU UNIÃO ESTRATÉGICA ABRAMGE-RS Dr. Francisco Santa Helena Presidente da ABRAMGE-RS Sistema ABRAMGE 3.36 milhões de internações; 281.1 milhões de exames e procedimentos ambulatoriais; 16.8

Leia mais

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções

Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções Biblioteca Henrique Schulz Biblioteca HEV Campus II Política de desenvolvimento de coleções INSTITUTO DE ENSINO SUPERIOR DE INDAIATUBA - IESI INDAIATUBA/SP 2 SUMÁRIO 1 POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DE COLEÇÕES...

Leia mais

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto

Introdução ao Projeto de Aeronaves. Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Introdução ao Projeto de Aeronaves Aula 3 Criação, Estruturação, Montagem e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto Tópicos Abordados Criação, Estruturação e Gerenciamento de uma Equipe de Projeto. O Papel

Leia mais

Código de Conduta Ética

Código de Conduta Ética Código de Conduta Ética MENSAGEM DA DIRETORIA A todos os dirigentes e empregados A Companhia de Seguros Aliança do Brasil acredita no Respeito aos princípios éticos e à transparência de conduta com as

Leia mais

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO.

AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. AS CONTRIBUIÇÕES DOS ENCARTES DE PREÇOS NA FORMAÇÃO DO ALUNO. Autor: José Marcos da Silva Instituição: MIDS/Macaé E-mail:mzosilva@yahoo.com.br. RESUMO Na atualidade, é preciso que se crie novos métodos

Leia mais

Código de prática para a gestão da segurança da informação

Código de prática para a gestão da segurança da informação Código de prática para a gestão da segurança da informação Edição e Produção: Fabiano Rabaneda Advogado, professor da Universidade Federal do Mato Grosso. Especializando em Direito Eletrônico e Tecnologia

Leia mais

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições

Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Desafios para a gestão do setor público no Ceará Liderança e Instituições Banco Mundial 24 maio 2012 O exército da Macedônia era brilhante enquanto liderado por Alexandre......mas o exército romano era

Leia mais

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL

EIXO EXERCÍCIO PROFISSIONAL SEMINÁRIO CONFEA / CAU APRESENTADAS NOS GTs, ALINHADAS COM AS SOLUÇÕES BUSCADAS PELO SEMINÁRIO Brasília, 24 e 25 de julho de 2014 Eixo 1: Exercício Profissional Eixo 2: Fiscalização Eixo 3: Formação Profissional

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia

X SEMINÁRIO NACIONAL. Programa ABC na Educação Científica. 08 a 10 de outubro de 2014. Ilhéus - Bahia X SEMINÁRIO NACIONAL Programa ABC na Educação Científica 08 a 10 de outubro de 2014 Ilhéus - Bahia O Ensino de Ciências na Bahia I (Sessão 5) Prof. Dr. José Fernando Moura Rocha Instituto de Física - UFBA

Leia mais

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR

Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR Curso de Especialização em GESTÃO E LOGÍSTICA HOSPITALAR ÁREA DO CONHECIMENTO: Administração e Saúde. NOME DO CURSO: Curso de Pós-Graduação Lato Sensu, especialização em Gestão e Logística Hospitalar.

Leia mais

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu

Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu Regulamento da Pós-Graduação Lato Sensu CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Os cursos de pós-graduação lato sensu da FACULDADE UNIDA são regidos pela Resolução n. º 01, de 8 de junho de 2007,

Leia mais

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros.

PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1. Se você ler cada um dos quadros cuidadosamente, provavelmente cometerá muito poucos erros. PRINCÍPIOS DA INSTRUÇÃO PROGRAMADA 1 INSTRUÇÕES Existem diferenças entre um Curso Programado ou Programa em Instrução Programada e um livro - texto comum. A primeira diferença é que o material se apresenta

Leia mais

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos.

A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE a Reforma Universitária e o Programa Universidade Para Todos. A CONTEE, depois de uma trajetória de mais de uma década de permanente debate interno e sintonia com as entidades filiadas, se encontra

Leia mais

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná.

RESOLUÇÃO. Artigo 1º Fica aprovado, conforme anexo, o Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. RESOLUÇÃO CONSEPE 14/2006 Referenda a aprovação do Regulamento da Coordenação de Ensino a Distância do Centro Universitário Franciscano do Paraná. O Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão

Leia mais

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa.

Ser sincero em sua crença de que todos devem ir para casa todos os dias com segurança e saúde - demonstre que você se importa. A Liderança Faz a Diferença Guia de Gerenciamento de Riscos Fatais Introdução 2 A prevenção de doenças e acidentes ocupacionais ocorre em duas esferas de controle distintas, mas concomitantes: uma que

Leia mais

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB.

Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Concepções e qualidade da Educação Superior a Distância : a experiência da Universidade Aberta do Brasil- UAB. Profa. Dra. Nara Maria Pimentel Diretora de Ensino de Graduação da UnB Presidente do Fórum

Leia mais

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público

RIO DE JANEIRO 2015. Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público RIO DE JANEIRO 2015 Anteprojeto de lei de proteção de dados pessoais/ Contribuição do ITS para o debate público APL DE DADOS Resumo Esta é uma contribuição do ITS ao debate público sobre o anteprojeto

Leia mais

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação

Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Educação Especial Informe de Assistência Técnica SPED 2009-2: Observação dos programas de educação pelos pais, e pessoas designadas pelos mesmos, com o Propósito de Avaliação Para: Superintendentes, diretores,

Leia mais

MBA em Marketing Estratégico

MBA em Marketing Estratégico MBA em Marketing Estratégico Público - alvo O MBA em Marketing Estratégico é indicado para profissionais com experiência profissional mínima de três anos, com formação universitária em qualquer área e

Leia mais

"O MEC não pretende abraçar todo o sistema"

O MEC não pretende abraçar todo o sistema "O MEC não pretende abraçar todo o sistema" Data: 30/11/2008 Veículo: O Globo Editoria: Boa Chance Ministro diz que governo não vai regular MBAs e que empresas já mantêm certo controle sobre a qualidade

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

OF. FÓRUM nº 024/2015. Brasília, 27 de outubro de 2015.

OF. FÓRUM nº 024/2015. Brasília, 27 de outubro de 2015. OF. FÓRUM nº 024/2015 Brasília, 27 de outubro de 2015. Ao Senhor Erasto Fortes Mendonça Presidente da Câmara de Educação Superior Conselho Nacional de Educação Brasília/DF Senhor Presidente, O Fórum das

Leia mais

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO

FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO FAMEC REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO 1 REGULAMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO (Lei Nº 11.788 / 2008) Regulamenta as atividades do Estágio Curricular da FAMEC e estabelece normas

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA- EAD 2014.1

ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA- EAD 2014.1 NÚMERO DE VAGAS: 50 ESPECIALIZAÇÃO EM EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA- EAD 2014.1 PREVISÃO DE INÍCIO DAS AULAS Abril de 2014 APRESENTAÇÃO / JUSTIFICATIVA A educação em todos os níveis - desde o ensino fundamental

Leia mais

Curso de Graduação em Administração

Curso de Graduação em Administração Curso de Graduação em Administração O curso de Administração da ESPM forma excelentes profissionais há mais de uma década. Iniciado em 1990, formou sua primeira turma em 1994, quando o curso tinha cinco

Leia mais

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução:

O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE NORTE DO PARANÁ aprovou e eu, Reitora em exercício, sanciono a seguinte Resolução: Resolução CONSUN n o 046/2003. Credenciada pelo Decreto Federal de 03/07/97 - D. O. U. Nº 126, de 04/07/97 Aprova o Regulamento Geral da Agência de Comunicação Integrada, do Curso de Comunicação Social

Leia mais

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares

V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares V Encontro Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares: uma política de apoio à gestão educacional Clélia Mara Santos Coordenadora-Geral

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO REGULAMENTO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO APRESENTAÇÃO Dispõe sobre as normas para realização de Estágio Supervisionado pelos acadêmicos da Faculdade de Belém FABEL. O presente regulamento normatiza o Estágio

Leia mais

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos

Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA DIRETORIA DE AVALIAÇÃO DA EDUCAÇÃO SUPERIOR Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior SINAES Principais aspectos XIX SEMINÁRIO

Leia mais