Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software"

Transcrição

1 Inteligência Computacional Aplicada a Engenharia de Software SQFD Prof. Ricardo de Sousa Britto

2 Introdução A necessidade de vantagem competitiva, tem levado as empresas de desenvolvimento de software a aplicarem muitas técnicas de desenvolvimento orientadas à qualidade. A partir da década de 1990 as empresas começaram a seguir orientações de modelos e padrões de qualidade de processo, tais como CMM (Capacity Maturity Model).

3 Introdução Recentemente, várias empresas como a DEC, AT&T, IBM e HP, têm adaptado o método QFD (Quality Function Deployment), para o desenvolvimento de Software. Essa adaptação é denominada de Desdobramento da Função Qualidade do Software (SQFD - Software Quality Function Deployment). 3

4 Introdução O SQFD enfatiza que a Garantia da Qualidade de Software (SQA Software Quality Assurance) deve ser iniciada a partir da fase de especificação de requisitos. Procura-se ouvir as necessidades dos clientes para traduzi-las em características técnicas do produto. Essa abordagem está relacionada ao desenvolvimento de software centrado no usuário, onde a participação dos usuários do sistema é um fator imprescindível. 4

5 Introdução De acordo com pesquisas realizadas até o momento, entre os benefícios citados pelas empresas que já utilizam o SQFD, destacam-se: a redução de custos; a definição mais rápida das características do produto; quantificação qualitativa dos requisitos do cliente; o registro de informações para a equipe de desenvolvimento e para a manutenção. 5

6 QFD Originalmente desenvolvido no Japão, e primeiramente usado na Kobe Shipyard of Mitsubishi Heavy Industries, Ltda, aproximadamente no ano de Concentra-se na maximização da satisfação do cliente. A ênfase está na compreensão do que é valioso para o cliente e no desdobramento destes valores em valores técnicos. 6

7 QFD O Desdobramento da Qualidade nasceu como uma ferramenta de desenvolvimento de novos produtos em curto espaço de tempo. É o meio utilizado para transmitir as informações dos clientes para o setor de projeto e deste para a fabricação, garantindo de uma forma concreta a qualidade. Quando se vai desenvolver um novo produto é necessário posicionar-se nos conceitos de market-in, ou seja, na identificação das exigências do cliente, como meio de sistematicamente garantir a qualidade. 7

8 QFD 8

9 Elementos do QFD O QFD utiliza alguns elementos denominados de Unidades Básicas de Trabalho (UBT). Esses elementos são as tabelas, as matrizes e os modelos conceituais 9

10 Tabelas A tabela no QFD e considerada a unidade elementar, onde se registra o detalhamento de algo de forma organizada e ordenada em nıveis, semelhante a um diagrama em arvore. Essa organizacao hierarquica e representada graficamente por um triangulo. Utilizam-se primeiramente, ferramentas de criatividade e participacao como, por exemplo, o Brainstorming. Por conseguinte, utiliza-se o diagrama de afinidade, de forma a agrupar as contribuicoes afins sob algum criterio de relacao. 10

11 Tabelas O diagrama de afinidades e um metodo desenvolvido para organizar dados por afinidade, sendo tambem conhecido como metodo Kj de agrupamento. O objetivo do diagrama de afinidades e facilitar a obtencao de novas informacoes a partir daquelas disponıveis, especialmente se elas forem desconexas e nao quantificaveis. 11

12 Tabelas A partir de duas tabelas elabora-se uma matriz, com a finalidade de dar visibilidade as relacoes entre elas. As relacoes entre as tabelas podem ser de tres tipos: qualitativa, de intensidade e quantitativa, Os processos de definicao sao denominados, respectivamente, extracao, correlacao e conversao. 12

13 Extração A extracao e o processo de criar uma tabela a partir de outra. Utiliza-se os elementos de uma tabela como referencia para se obter os elementos de outra tabela. 13

14 Correlação É o processo de identificar a intensidade do relacionamento entre os dados de duas tabelas que compoem uma matriz. O grau ou a intensidade da correlacao e indicado por sımbolos, representando, por exemplo, correlacao Forte, Fraca e Possıvel. 14

15 Conversão Consiste em transferir a importancia relativa (peso) dos dados de uma tabela de uma matriz para os dados da outra tabela, em funcao da intensidade das relacoes existentes entre eles. 15

16 Matriz de qualidade A Matriz de Qualidade (versao japonesa) ou Casa de Qualidade (versao americana), e a matriz mais conhecida, e o ponto inicial da maioria das matrizes usadas no QFD. A matriz da Qualidade e constituıda pela Tabela de Desdobramento da Qualidade Exigida (das necessidades dos clientes) e Tabela de Desdobramento de Caracterısticas da Qualidade. 16

17 Matriz de qualidade A Tabela de Desdobramento da Qualidade Exigida contem as exigencias do cliente. Tabela de Desdobramento de Caracterısticas da Qualidade é construída por meio da extração dos aspectos técnicos a partir da primeira tabela. 17

18 Casa de qualidade 18

19 Casa de qualidade A elaboracao da casa de qualidade pode ser vista como o conjunto de tres atividades: levantamento dos requisitos com os usuarios; traducao dos requisitos em caracterısticas de qualidade (aspectos tecnicos); identificacao das relacoes entre os requisitos e os aspectos tecnicos identificados. 19

20 Modelo Conceitual Constituıdo por um conjunto de tabelas e matrizes sequenciadas de forma a permitir a visibilidade das relacoes existentes entre os componentes, mecanismos e processos. Ele representa o caminho por onde o desenvolvimento do projeto deve percorrer para atingir as metas que foram estabelecidas para o projeto. 20

21 SQFD O SQFD (Software Quality Function Deployment) focaliza a melhoria de qualidade do processo de desenvolvimento de software. Realiza isso pela implementacao de tecnicas de melhoria de qualidade durante a fase de levantamento de requisitos principalmente. 21

22 SQFD O SQFD contempla apenas o desdobramento da qualidade, por meio de uma versão adaptada da Casa de qualidade prescrita no QFD. A abordagem possui 5 fases: Requisitos do cliente; Especificações técnicas do produto; Correlação; Requisitos prioritários dos clientes; Especificações técnicas prioritárias; 22

23 Requisitos do Cliente As necessidades do cliente sao levantadas e registradas na tabela de requisitos do cliente. Geralmente, os requisitos sao declaracoes na terminologia do cliente, por exemplo facil de usar. Após a identificação dos requisitos, eles são organizados em grupos hierárquicos (níveis), agrupando os que possuem conteúdo semelhante. Por último, para cada grupo deve ser definida uma expressão que traduza o conteúdo de todos os seus elementos. 23

24 Especificacoes tecnicas do produto Em cooperacao com o cliente, converte-se os requisitos em especificacoes tecnicas mensuraveis referentes ao produto de software, que devem ser registradas na tabela de especificacoes tecnicas do produto. Alguns requisitos do cliente podem ser convertidos para multiplas especificacoes tecnicas do produto, tornando crucial um extensivo envolvimento do cliente no processo. 24

25 Correlação Com perguntas dirigidas ao cliente completa-se a matriz de correlacao, identificando os pesos dos relacionamentos entre os varios requisitos do cliente e as especificacoes tecnicas do produto. Quando existem muitos clientes envolvidos, é importante estabelecer um consenso quanto à intensidade dos relacionamentos. 25

26 Requisitos prioritários do cliente Com base em pesquisas realizadas junto aos clientes, os requisitos identificados sao priorizados, constituindo a tabela de re- quisitos prioritarios do cliente. Neste momento pode-se agregar informacoes adicionais como taxa competitiva, índice de venda e índice de aperfeiçoamento. 26

27 Especificações técnicas prioritárias As especificacoes tecnicas sao priorizadas com base nos resultados das somas dos valores obtidos a partir da multiplicacao dos pesos dos requisitos pelos graus de intensidade da correlacao entre os requisitos e as especificacoes tecnicas do produto. Dados adicionais podem ser usados para fornecer aos desenvolvedores informacoes uteis como por exemplo, o custo e o ındice de dificuldade. 27

28 Processo de construção da Casa de Qualidade 28

29 Estudo de caso SQFD para identificar e priorizar os requisitos e aspectos tecnicos relacionados a ferramentas de apoio aos testes. Fora realizadas entrevistas com 17 com pessoas ligadas a desenvolvimento de software, tais como: Arquitetos de software; Testadores; Gerentes de projeto. 29

30 Estudo de caso A abordagem utilizada segue os passos do SQFD e termina com a priorizacao dos aspectos tecnicos relacionados a ferramentas de apoio ao teste de software. Foi feita uma selecao das perguntas a serem aplicadas durante as entrevistas para aumentar a probabilidade de obtencao de dados mais precisos. Alem disso, antes das entrevistas foi feita uma apresentação dos aspectos envolvidos. 30

31 Requisitos identificados Gestao e planejamento da atividade de teste Geracao automatica de testes Apoio aos testes Execucao automatica Documentacao de testes (...) 31

32 Grupos de aspectos técnicos Esses aspectos tecnicos correspondem as funcoes que as ferramentas de teste deveriam implementar para atender as necessidades identificadas. Para organizar as funcoes identificadas, essas especificacoes foram reunidas em 14 grupos: (1) Gerador de plano de teste; (2) Gerador de dados; (3) Gerador de testes funcionais; (4) Avaliador de testes; (5) Gerador manual de testes; (6) Rastreador; (7) Integrador; (8) Modelo de teste; (9) Gerador de testes nao-funcionais; (10) Gerador de relatorios; (11) Suporte da ferramenta; (12) Arquitetura da ferramenta; (13) Auxılio da ferramenta; (14) Executor de testes. 32

33 Grupos de aspectos técnicos 33

34 Correlacao entre os requisitos do cliente e as especificacoes tecnicas do produto Utilizou-se o valor 9 para representar uma correcao Forte, 3 para representar uma correlacao Fraca, 1 para indicar uma correlacao Possıvel e 0 se o espaço estiver vazio, o que quer dizer que Não existe correlação. 34

35 Correlacao entre os requisitos do cliente e as especificacoes tecnicas do produto 35

36 Requisitos prioritários do cliente 36

37 Especificações técnicas prioritárias 37

38 Atividade Ler os artigos abaixo e fazer resumo crítico: Avaliação de Ferramentas de Apoio ao Teste de Sistemas de Informação. Function Deployment: Usage in software development. 38

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO

QFD: Quality Function Deployment QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO QFD: CASA DA QUALIDADE - PASSO A PASSO 1 - INTRODUÇÃO Segundo Akao (1990), QFD é a conversão dos requisitos do consumidor em características de qualidade do produto e o desenvolvimento da qualidade de

Leia mais

QFD Quality. Aplicações COMO O QUE. Function Deployment QFD. Curitiba, 05 de fevereiro de 2.004. Diagrama de. Influência em Vendas.

QFD Quality. Aplicações COMO O QUE. Function Deployment QFD. Curitiba, 05 de fevereiro de 2.004. Diagrama de. Influência em Vendas. QFD Quality Function Deployment Aplicações Desenvolvimento de Produtos Gestão da Qualidade Total Gerenciamento pelas Diretrizes Alinhamento de Estratégias Balanced ScoreCard Seis Sigma Direção ou Meta

Leia mais

QFD- DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE APLICADO AO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

QFD- DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE APLICADO AO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO PROPOSTA DE DISSERTAÇÃO DE MESTRADO QFD- DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE APLICADO AO DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos

Clientes gerentes Usuarios finais do sistema Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos do sistema. Definicao de requisitos А А А А Definicao de de do software Clientes gerentes Usuarios finais Clientes engenheiros Gerentes contratantes Arquitetos Usuarios finais Clientes engenheiros Arquitetos Desenvolvedores de software Clientes

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Dimensões de análise dos SI Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + Introdução n Os sistemas de informação são combinações das formas de trabalho, informações, pessoas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a EAP e planejando a Qualidade Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Criando EAP. Planejando a qualidade. Criando a Estrutura Analítica do Projeto

Leia mais

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE

Prof. Dr. Ivanir Costa. Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Prof. Dr. Ivanir Costa Unidade III QUALIDADE DE SOFTWARE Normas de qualidade de software - introdução Encontra-se no site da ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) as seguintes definições: Normalização

Leia mais

QFD (Quality Function Deployment)

QFD (Quality Function Deployment) (Quality Function Deployment) (Desdobramento da Função Qualidade) O é uma técnica que pode ser empregada durante todo o processo de desenvolvimento de produto e que tem por objetivo auxiliar o time de

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS

ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO POR OBJETIVOS Origens: Década de 1950 com Peter F. Druker. Surgiu como método de avaliação e controle sobre o desempenho de áreas e organizações em crescimento rápido. Características: É

Leia mais

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5

Sistemas de Informação James A. O Brien Editora Saraiva Capítulo 5 Para entender bancos de dados, é útil ter em mente que os elementos de dados que os compõem são divididos em níveis hierárquicos. Esses elementos de dados lógicos constituem os conceitos de dados básicos

Leia mais

O Desenvolvimento de Novos Produtos Importância, abordagens e metodologias. Susana Seabra / Miguel Carnide - SPI

O Desenvolvimento de Novos Produtos Importância, abordagens e metodologias. Susana Seabra / Miguel Carnide - SPI Susana Seabra / Miguel Carnide - SPI Conteúdos. 1. INOVAÇÃO DE PRODUTO 2. RISCOS NO DESENVOLVIMENTO DE NOVOS PRODUTOS 3. DETERMINANTES DE SUCESSO DE DNP 4. O CICLO DE DNP 2 01. INOVAÇÃO DE PRODUTO 3 01.

Leia mais

Comercial. Gestão da Qualidade

Comercial. Gestão da Qualidade Gestão da Qualidade Comercial Ferramentas da Qualidade: Ações preventivas são tomadas em problemas potenciais, aqueles que ainda não ocorreram, mas que podem vir a ocorrer no futuro caso não seja tomada

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software

Padrões de Qualidade de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software Engenharia de Software I Aula 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de Software) Padrões de Qualidade

Leia mais

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Gerenciamento de Projeto: Planejando os Riscos Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Introdução Planejar o Gerenciamento dos Riscos. Identificar os Riscos Realizar a Análise Qualitativa

Leia mais

Projeto Informacional (Capítulo 6)

Projeto Informacional (Capítulo 6) Projeto Informacional (Capítulo 6) Henrique Rozenfeld Fernando Antônio Forcellini Daniel Capaldo Amaral José Carlos Toledo Sergio Luis da Silva Dário Henrique Alliprandini Régis Kovacs Scalice Localização

Leia mais

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS

SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS SISTEMÁTICA PARA SELEÇÃO DE TÉCNICAS ESTATÍSTICAS APLICADA AO DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS Creusa Sayuri Tahara Amaral Grupo ei2 NUMA EESC USP São Carlos Agenda Introdução Metodologia Seis sigma Design

Leia mais

17/02/2015 PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

17/02/2015 PROJETO DE PRODUTOS E SERVIÇOS Objetivo: satisfazer as necessidades atuais e/ou futuras dos consumidores. Isto aumenta a competitividade da empresa. O projeto de produtos/serviços inicia com o consumidor e nele termina. Primeiro: Segundo:

Leia mais

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI

PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI PEDRO HENRIQUE DE OLIVEIRA E SILVA MESTRE EM MODELAGEM MATEMÁTICA E COMPUTACIONAL E-MAIL: PEDROHOLI@GMAIL.COM CMM E CMMI INTRODUÇÃO Aumento da Importância do Software Software está em tudo: Elemento crítico

Leia mais

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7

QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 QUALIDADE DE SOFTWARE AULA N.7 Curso: SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Disciplina: Qualidade de Software Profa. : Kátia Lopes Silva 1 CMM: DEFINIÇÃO Capability Maturity Model Um modelo que descreve como as práticas

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 18 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 18-23/05/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

Qualidade de Software: Visão Geral

Qualidade de Software: Visão Geral Qualidade de Software: Visão Geral Engenharia de Software 1 Aula 05 Qualidade de Software Existem muitas definições de qualidade de software propostas na literatura, sob diferentes pontos de vista Qualidade

Leia mais

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades

Qualidade em Projetos aperfeiçoamento de processos Entendimento/Monitoração e Controle. 0 - Generalidades * AMARAL, J.A. Modelos para gestão de projetos: como utilizar adequadamente conceitos, ferramentas e metodologias. São Paulo: Scortecci: 2004 * http://www.rcgg.ufrgs.br/cap14.htm (visitado em 05/2006)

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos

Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Gerenciamento de Projetos Modulo VIII Riscos Prof. Walter Cunha falecomigo@waltercunha.com http://waltercunha.com Bibliografia* Project Management Institute. Conjunto de Conhecimentos em Gerenciamento

Leia mais

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI

Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Fatores humanos de qualidade CMM E CMMI Eneida Rios¹ ¹http://www.ifbaiano.edu.br eneidarios@eafcatu.gov.br Campus Catu 1 Curso de Análise e Desenvolvimento de Sistemas Conteúdos Fatores humanos de qualidade

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software CENTRO UNIVERSITÁRIO NOVE DE JULHO Profº. Edson T. França edson.franca@uninove.br Software Sistemas Conjunto de elementos, entre os quais haja alguma relação Disposição das partes ou dos elementos de um

Leia mais

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP

Planejamento - 7. Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos. Mauricio Lyra, PMP Planejamento - 7 Planejamento do Gerenciamento do Risco Identificação dos riscos 1 O que é risco? Evento que representa uma ameaça ou uma oportunidade em potencial Plano de gerenciamento do risco Especifica

Leia mais

Processo de Desenvolvimento Unificado

Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento Unificado Processo de Desenvolvimento de Software? Conjunto de atividades bem definidas; com responsáveis; com artefatos de entrada e saída; com dependências entre as mesmas

Leia mais

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas

Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade. Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas Introdução Visão Geral Processos de gerenciamento de qualidade Entradas Ferramentas e Técnicas Saídas O que é qualidade? Qualidade é a adequação ao uso. É a conformidade às exigências. (ISO International

Leia mais

ANAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA QFD EM UMA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA

ANAIS APLICAÇÃO DA TÉCNICA QFD EM UMA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA APLICAÇÃO DA TÉCNICA QFD EM UMA CLÍNICA DE FISIOTERAPIA ANA KARINA GUEDES ( akguedes@gmail.com, aninhakg@gmail.com ) UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ ÁLVARO AZEVEDO CARDOSO ( azevedo@unitau.br, aazevedocardoso@gmail.com

Leia mais

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria

Agenda. Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Agenda Introdução Etapas genéricas Atividades de apoio Ferramentas de apoio Modelos genéricos Modelos de mercado Modelos de melhoria Introdução Processo de software é o conjunto de ferramentas, métodos

Leia mais

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE

GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Fonte: http://www.testexpert.com.br/?q=node/669 1 GARANTIA DA QUALIDADE DE SOFTWARE Segundo a NBR ISO 9000:2005, qualidade é o grau no qual um conjunto de características

Leia mais

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia.

Na medida em que se cria um produto, o sistema de software, que será usado e mantido, nos aproximamos da engenharia. 1 Introdução aos Sistemas de Informação 2002 Aula 4 - Desenvolvimento de software e seus paradigmas Paradigmas de Desenvolvimento de Software Pode-se considerar 3 tipos de paradigmas que norteiam a atividade

Leia mais

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual

Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Aula 09 - Remuneração por competências: uma alavanca para o capital intelectual Objetivos da aula: Estudar a remuneração por habilidades; Sistematizar habilidades e contrato de desenvolvimento contínuo.

Leia mais

ALINE APARECIDA BALDISSERA APLICAÇÃO DO DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE (QFD) PARA MELHORIA DA QUALIDADE EM UM RESTAURANTE SELF-SERVICE

ALINE APARECIDA BALDISSERA APLICAÇÃO DO DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE (QFD) PARA MELHORIA DA QUALIDADE EM UM RESTAURANTE SELF-SERVICE ALINE APARECIDA BALDISSERA APLICAÇÃO DO DESDOBRAMENTO DA FUNÇÃO QUALIDADE (QFD) PARA MELHORIA DA QUALIDADE EM UM RESTAURANTE SELF-SERVICE GUARATINGUETÁ 2012 ALINE APARECIDA BALDISSERA APLICAÇÃO DO DESDOBRAMENTO

Leia mais

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1

2 Seminário de Engenharia Química. Silvia Binda 1 2 Seminário de Engenharia Química Silvia Binda 1 Inter-relação entre o conceito de qualidade, gestão da qualidade e elementos que a compõem QUALIDADE Gestão da Qualidade Habilidade de um conjunto de características

Leia mais

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com)

CMMI Conceitos básicos. CMMI Representações contínua e por estágios. Professor Gledson Pompeu (gledson.pompeu@gmail.com) CMMI Conceitos básicos 113 CMMI integra as disciplinas de engenharia de sistemas e de engenharia de software em um único framework de melhoria de processos. 114 No tocante às disciplinas de engenharia

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Sistemas de Informação, Piscicultura, Desdobramento da Função Qualidade (QFD).

PALAVRAS-CHAVE: Sistemas de Informação, Piscicultura, Desdobramento da Função Qualidade (QFD). SISTEMA DE INFORMAÇÃO PARA O CONTROLE E RASTREAMENTO, APLICADO À CADEIA PRODUTIVA DA PISCICULTURA: PROJETO DE REQUISITOS UTILIZANDO QUALITY FUNCTION DEPLOYMENT QFD JEFERSON PISTORI 1 ANDRÉ RIYUITI HIRAKAWA

Leia mais

Gerência dos Riscos do Projeto

Gerência dos Riscos do Projeto Universida Mogi das ruzes Gerência dos Riscos do Projeto A Gerência Risco do Projeto inclui os processos envolvidos na intificação, análise e resposta aos riscos do projeto. Isto inclui a maximização dos

Leia mais

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos

3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos 3 Metodologia de Gerenciamento de Riscos Este capítulo tem como objetivo a apresentação das principais ferramentas e metodologias de gerenciamento de riscos em projetos, as etapas do projeto onde o processo

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Desenvolvimento Ágil Modelos Ágeis Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 Extreme Programming (XP); DAS (Desenvolvimento Adaptativo de Software)

Leia mais

Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE Tema Projeto de Produto QFD PARTE 2 Dr. Egon Walter Wildauer

Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE Tema Projeto de Produto QFD PARTE 2 Dr. Egon Walter Wildauer Tema Projeto de Produto QFD Parte 2 Projeto Pós-graduação Curso Engenharia da Produção Disciplina Projeto de Produto, QFD, FMEA e DoE Tema Projeto de Produto QFD PARTE 2 Professor Dr. Egon Walter Wildauer

Leia mais

USO DO QFD NA ESCOLHA DE PACOTE DE SOFTWARE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO

USO DO QFD NA ESCOLHA DE PACOTE DE SOFTWARE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO USO DO QFD NA ESCOLHA DE PACOTE DE SOFTWARE DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Jusane Farina Lara 1 1 ICMC- Instituto de Ciências Matemáticas e Computação, São Carlos, SP UNOESC Universidade do Oeste de Santa Catarina,

Leia mais

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2

APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 APLICACAÇÃO DE METRICAS E INDICADORES NO MODELO DE REFERENCIA CMMI-Dev NIVEL 2 Renan J. Borges 1, Késsia R. C. Marchi 1 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí, PR Brasil renanjborges@gmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto,

14 Os principais documentos de um projeto são: o termo de. 15 Elemento integrante do gerenciamento do escopo do projeto, De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir.

No que se refere a conceitos básicos do gerenciamento de projetos, segundo o PMBoK, julgue os itens a seguir. De acordo com o comando a que cada um dos itens de 1 a 70 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS

FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FERRAMENTAS DA QUALIDADE NO GERENCIAMENTO DE PROCESSOS Priscila Pasti Barbosa 1, Sheila Luz 2, Fernando Cesar Penteado 3, Generoso De Angelis Neto 4, Carlos

Leia mais

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207

Qualidade de. Software. Definições. Qualidade do Produto ISO 9126. Processo de. Software. Modelo de Processo de. Software CMM SPICE ISO 12207 Qualidade de : Visão Geral ISO 12207: Estrutura s Fundamentais Aquisição Fornecimento s de Apoio Documentação Garantia de Qualidade Operação Desenvolvimento Manutenção Verificação Validação Revisão Conjunta

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS

INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS INSTRUÇÃO DE TRABALHO PARA INFORMAÇÕES GERENCIAIS Asia Shipping Transportes Internacionais Ltda. como cópia não controlada P á g i n a 1 7 ÍNDICE NR TÓPICO PÁG. 1 Introdução & Política 2 Objetivo 3 Responsabilidade

Leia mais

Sistemas de Informação I

Sistemas de Informação I + Sistemas de Informação I Processo de software I Ricardo de Sousa Britto rbritto@ufpi.edu.br + O que é Engenharia de Software n Definição dada pela IEEE [IEE93]: n Aplicação de uma abordagem sistemática,

Leia mais

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1

Engenharia de Software Introdução. Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Engenharia de Software Introdução Ricardo Argenton Ramos UNIVASF Engenharia de Software I - Aula 1 Tópicos Apresentação da Disciplina A importância do Software Software Aplicações de Software Paradigmas

Leia mais

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto.

Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Risco de projeto é um evento ou condição incerta que, se ocorrer, tem um efeito positivo ou um negativo no objetivo de um projeto. Um risco tem uma causa e, se ocorre, uma conseqüência. Se um ou outro

Leia mais

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante

Engenharia de Software Questionário sobre Engenharia de Requisitos Resolvido Prof. MSc Wagner Siqueira Cavalcante 1 - Q193183 ( Prova: FCC - 2011 - TRT - 19ª Região (AL) - Analista Judiciário - Tecnologia da Informação / Engenharia de Software / Análise de Requisitos; Engenharia de Requisitos; ) De acordo com Sommerville,

Leia mais

Tecnologia e Sistemas de Informações

Tecnologia e Sistemas de Informações Universidade Federal do Vale do São Francisco Tecnologia e Sistemas de Informações Prof. Ricardo Argenton Ramos Aula 3 Componentes de SIs Pessoas SI Organiz. Unidades que exercem diferentes funções, tais

Leia mais

Gerenciamento de Riscos. Marcelo Sakamori

Gerenciamento de Riscos. Marcelo Sakamori Gerenciamento de Riscos Marcelo Sakamori Risco Qualquer atividade que pode ocorrer e modificar o resultado de uma atividade do projeto (GREENE, 2008). Risco Risco Risco Gerenciamento de Riscos A finalidade

Leia mais

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL

Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Empresa de Informática e Informação do Município de Belo Horizonte S/A PRODABEL Diretoria de Sistema - DS Superintendência de Arquitetura de Sistemas - SAS Gerência de Arquitetura de Informação - GAAS

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Curso de Desenvolvimento de Software Prof. Alessandro J de Souza ajdsouza@cefetrn.br 1 Rational Unified Process RUP Fase Construção 2 VISÃO GERAL Fase Construção. Visão Geral 3

Leia mais

Fábrica de Software 29/04/2015

Fábrica de Software 29/04/2015 Fábrica de Software 29/04/2015 Crise do Software Fábrica de Software Analogias costumam ser usadas para tentar entender melhor algo ou alguma coisa. A idéia é simples: compara-se o conceito que não se

Leia mais

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto

O que é CMMI? Base do CMMI. Melhorando o processo é possível melhorar-mos o software. Gerais. Processo. Produto Gerais Processo Produto Propostas NBR ISO 9000:2005 define principios e vocabulário NBR ISO 9001:2000 define exigências para sistema de gerência de qualidade NBR ISO 9004:2000 apresenta linha diretivas

Leia mais

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br

Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo. Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Engenharia de Software II: Criando a Declaração de Escopo Prof. Msc Ricardo Britto DIE-UFPI rbritto@ufpi.edu.br Sumário Desenvolvendo o Plano de Gerenciamento do Projeto. Coletando Requisitos. Declarando

Leia mais

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com

Fundamentos em Teste de Software. Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Fundamentos em Teste de Software Vinicius V. Pessoni viniciuspessoni@gmail.com Objetivos do treinamento 1. Expor os fundamentos de Teste de Software; 2. Conceituar os Níveis de Teste; 3. Detalhar sobre

Leia mais

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos

Roteiro SENAC. Análise de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos. Análise Quantitativa de Riscos SENAC Pós-Graduação em Segurança da Informação: Análise de Riscos Parte 5 Leandro Loss, Dr. Eng. loss@gsigma.ufsc.br http://www.gsigma.ufsc.br/~loss Roteiro Análise de Qualitativa Quantitativa Medidas

Leia mais

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI

Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Pós-Graduação em Gerenciamento de Projetos práticas do PMI Planejamento do Gerenciamento das Comunicações (10) e das Partes Interessadas (13) PLANEJAMENTO 2 PLANEJAMENTO Sem 1 Sem 2 Sem 3 Sem 4 Sem 5 ABRIL

Leia mais

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000

GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O PMBOK E A ISO-31000 GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE O E A -31000 Maildo Barros da Silva 1 e Fco.Rodrigo P. Cavalcanti 2 1 Universidade de Fortaleza (UNIFOR), Fortaleza-CE, Brasil phone: +55(85) 96193248,

Leia mais

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software

Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Universidade Federal do Vale do São Francisco Padrões de Qualidade de Software e Métricas de Software Engenharia de Software I Aula 3 e 4 Ricardo Argenton Ramos Agenda da Aula Introdução (Qualidade de

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE PROJETO DO PRODUTO

ESPECIFICAÇÕES DE PROJETO DO PRODUTO Vasconcellos DE DE Ferreira, MÁQUINAS Dr. Eng. ESPECIFICAÇÕES DE DO PRODUTO As especificações de projeto são um conjunto de informações, estabelecidas com base nas necessidades dos clientes, que definem

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração

Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das Partes Interessadas e da Integração Diretoria de Desenvolvimento Gerencial Coordenação Geral de Educação a Distância Gerência de Projetos - Teoria e Prática Conteúdo para impressão Módulo 4: Gerenciamento dos Riscos, das Aquisições, das

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE I

ENGENHARIA DE SOFTWARE I ENGENHARIA DE SOFTWARE I Prof. Cássio Huggentobler de Costa [cassio.costa@ulbra.br] Twitter: www.twitter.com/cassiocosta_ Agenda da Aula (002) Metodologias de Desenvolvimento de Softwares Métodos Ágeis

Leia mais

Engenharia de Software III

Engenharia de Software III Departamento de Informática Programa de Pós Graduação em Ciência da Computação Laboratório de Desenvolvimento Distribuído de Software Estágio de Docência http://www.din.uem.br/~pg45640/ Qualidade de Software

Leia mais

Engenharia de Requisitos

Engenharia de Requisitos Engenharia de Requisitos Introdução a Engenharia de Requisitos Professor: Ricardo Argenton Ramos Aula 08 Slide 1 Objetivos Introduzir a noção de requisitos do sistema e o processo da engenharia de requisitos.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Introdução à Melhoria de Processos de Software baseado no MPS.BR Prof. Maxwell Anderson www.maxwellanderson.com.br Agenda Introdução MPS.BR MR-MPS Detalhando o MPS.BR nível G Introdução

Leia mais

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica

Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Estudo de Modelos de Diagnóstico em Empresas quanto à Gestão da Inovação Tecnológica Leonardo Pinheiro Morel (FEG-UNESP) pro04096@feg.unesp.br Prof. Dr. Ubirajara Rocha Ferreira (FEG-UNESP) ferreiur@feg.unesp.br

Leia mais

Feature-Driven Development

Feature-Driven Development FDD Feature-Driven Development Descrição dos Processos Requisitos Concepção e Planejamento Mais forma que conteúdo Desenvolver um Modelo Abrangente Construir a Lista de Features Planejar por

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 28 Revisão para a Prova 2 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 28-28/07/2006 1 Matéria para a Prova 2 Gestão de projetos de software Conceitos (Cap. 21) Métricas (Cap.

Leia mais

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia

Introd. Engenharia de Produção. Projeto de Engenharia Introd. Engenharia de Produção 2007 Projeto de Engenharia Prof. João A. Camarotto Projeto de Engenharia Execução de um conjunto de ações de forma coordenada para realizar a construção, a fabricação, o

Leia mais

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA

ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA ALESSANDRO RODRIGO FRANCO FERNANDO MARTINS RAFAEL ALMEIDA DE OLIVEIRA INTRODUÇÃO O projeto de um banco de dados é realizado sob um processo sistemático denominado metodologia de projeto. O processo do

Leia mais

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE

MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE MODELO CMM MATURIDADE DE SOFTWARE O modelo CMM Capability Maturity Model foi produzido pelo SEI (Software Engineering Institute) da Universidade Carnegie Mellon (CMU), em Pittsburgh, EUA, por um grupo

Leia mais

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2

No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 Os níveis 3, 4 e 5 No Relatório Técnico que apresenta o modelo CMM a apresentação das KPAs segue o formato visto Aqui, ênfase no nível 2 descrição sucinta das KPAs dos níveis 3, 4 e 5 INF310 - Modelos

Leia mais

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto

Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Auditoria e Qualidade de Software ISO/IEC 9126 Engenharia de Software Qualidade de Produto Prof. Elias Batista Ferreira Material cedido por: Prof. Edison A M Morais Objetivo Descrever os processos da norma

Leia mais

Interface Humano -Computador

Interface Humano -Computador A Interface Humano -Computador Aula 04 Modelos de Processos de Design de IHC Giliane Bernardi - giliane@inf.ufsm.br http://nte.ufsm.br O Processode Design de IHC Relembrando Questões chave no projeto centrado

Leia mais

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral

Programa do Módulo 2. Processo Unificado: Visão Geral 9.1 Programa do Módulo 2 Orientação a Objetos Conceitos Básicos Análise Orientada a Objetos (UML) O Processo Unificado (RUP) Processo Unificado: Visão Geral 9.2 Encaixa-se na definição geral de processo:

Leia mais

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio

CMM Capability Maturity Model. Silvia Regina Vergilio CMM Capability Maturity Model Silvia Regina Vergilio Histórico O DoD patrocinou a fundação do SEI (Software Engineering Institute) na Universidade de Carnegie Mellon (Pittsburg) com o objetivo de propor

Leia mais

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process)

Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Introdução ao OpenUP (Open Unified Process) Diferentes projetos têm diferentes necessidades de processos. Fatores típicos ditam as necessidades de um processo mais formal ou ágil, como o tamanho da equipe

Leia mais

Histórico de mercado. Gestão da Qualidade. Histórico de mercado. Histórico de mercado. Antes do século 20. Em 1916. Anos 40

Histórico de mercado. Gestão da Qualidade. Histórico de mercado. Histórico de mercado. Antes do século 20. Em 1916. Anos 40 Antes do século 20 Em 1916 Anos 40 Gestão da Qualidade Garantia de qualidade era de responsabilidade do artesão 1a. Utilização formal de garantia e controle da qualidade (laboratórios BELL 1o. gráfico

Leia mais

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA?

A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? A PROBLEMÁTICA DO DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE: CRISE OU CALAMIDADE CRÔNICA? ADEMILSON ANGELO CABRAL Discente da AEMS Faculdades Integradas de Três Lagoas DIEGO BEZERRA DA SILVA Discente da AEMS Faculdades

Leia mais

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para:

SGQ 22/10/2010. Sistema de Gestão da Qualidade. Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: PARTE 2 Sistema de Gestão da Qualidade SGQ Gestão da Qualidade Qualquer atividade coordenada para dirigir e controlar uma organização para: Possibilitar a melhoria de produtos/serviços Garantir a satisfação

Leia mais

Gerência da Qualidade

Gerência da Qualidade Gerência da Qualidade Curso de Engenharia de Produção e Transportes PPGEP / UFRGS ENGENHARIA DE PRODUÇÃO Temas Abordados Qualidade Ferramentas da Qualidade 5 Sensos PDCA/MASP Os Recursos Humanos e o TQM

Leia mais

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga

DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil. Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga DISCIPLINA ENGENHARIA DE SOFTWARE Aula 03 Processo Unificado e Desenvolvimento Ágil Profª Esp.: Maysa de Moura Gonzaga 2º Semestre / 2011 O Processo Unificado dos autores Ivar Jacobson, Grady Booch e James

Leia mais

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo

Migração de sistemas antigos. Avançando para um futuro competitivo Migração de sistemas antigos Avançando para um futuro competitivo A automação e controle é um dos mais importantes investimentos para garantir o sucesso da manufatura de qualquer indústria. Porém, por

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Roteiro Qualidade de Software Produto de Software Processo de Software Modelo de Qualidade CMM Qualidade Qualidade de Software Na visão popular: Luxo Mais caro, complexo = maior

Leia mais

Gestão Gestão de Qualidade

Gestão Gestão de Qualidade Gestão Gestão de Qualidade Qualidade fator bastante objectivo difere de pessoa para pessoa e difere no tempo Consumidor grau em que o produto satisfaz as necessidades pelas quais foi adquirido Produtores

Leia mais

3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO

3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO 50 3. PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE DESENVOLVIMENTO DE PRODUTOS 3.1. ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO O Processo de Desenvolvimento de Produtos é um dos processos mais importantes e vitais para o negócio de

Leia mais

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com

Engenharia de Software: conceitos e aplicações. Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com Engenharia de Software: conceitos e aplicações Prof. Tiago Eugenio de Melo, MSc tiagodemelo@gmail.com 1 Objetivos da aula Apresentar os conceitos de Engenharia de Software e explicar a sua importância.

Leia mais

Processo de Software

Processo de Software Processo de Software Uma importante contribuição da área de pesquisa de processo de software tem sido a conscientização de que o desenvolvimento de software é um processo complexo. Pesquisadores e profissionais

Leia mais

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso

IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso IBM Software IBM Business Process Manager Simples e Poderoso Uma única plataforma BPM que oferece total visibilidade e gerenciamento de seus processos de negócios 2 IBM Business Process Manager Simples

Leia mais

POLÍTICA. Localizador Revisão Folha:

POLÍTICA. Localizador Revisão Folha: 1/13 1. INTRODUÇÃO Esta norma tem por finalidade descrever os deveres do EPG para o cumprimento de seu trabalho diário dentro dos objetivos da Instituição. 2. OBJETIVO Estabelecer as regras para a realização

Leia mais

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504

Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Especialização em Gerência de Projetos de Software Qualidade de Processo de Software Normas ISO 12207 e 15504 Prof. Dr. Sandro Ronaldo Bezerra Oliveira srbo@ufpa.br Qualidade de Software 2009 Instituto

Leia mais

Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto

Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto Utilização do QFD como ferramenta para hierarquizar requisitos de projeto Magnos R. Klein (FAHOR) mk000856@fahor.com.br Luciano Schaedler (FAHOR) ls000859@fahor.com.br Cristiano Eich (FAHOR) ce000701@fahor.com.br

Leia mais