IRINA MARCELINO.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IRINA MARCELINO. irina.marcelino@economico.pt"

Transcrição

1 ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 6024 DE 07 DE OUTUBRO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Soluções FINANCEIRAS Financiamento internacional aempresas portuguesas está a aumentar. Empresas querem soluções mais flexíveis Padronização do financiamento é criticada pelas PME ouvidas pelo Diário Económico. IRINA MARCELINO PAulo Alexandre Coelho As PME portuguesas querem financiamentos menos padronizados e que se adaptem às suas necessidades específicas. É isso que muitas fazem quando procuram uma solução para o seu caso. Para Marta Miraldes, da SBI Consulting, consultora que ajuda PME e start-ups a escolherem a sua melhor fonte de financiamento, o problema é que nem sempre as empresas sabem o que é melhor para a sua situação. É comum vermos uma fraca preparação dos projectos e das equipas quando vão tentar angariar financiamento, refere. Por outro lado, muitos promotores revelam falta de conhecimento das opções de financiamento disponíveis, já que optam por abordar fontes de financiamento que não são as mais adequadas ao tipo de projecto ou aos seus objectivos, afirma. A consultora garante, no entanto que nos últimos dois anos tem assistido ao aparecimentoum número reduzido mas já impressionante de projectos com potencial de mercado muito significativo e que não tiveram qualquer dificuldade em angariar financiamento, não só em Portugal como junto de fundos internacionais. Ou seja, para bons projectos, existe financiamento disponível, afirma. A padronização do tipo de financiamento dado às empresas é criticado por quase todas as PME contactadas pelo Diário Económico. As soluções financeiras são muitas vezes padronizadas e não respondem exactamente aos problemas de financiamento das empresas. E depois, em muitos casos exigem-se garantias que são impossíveis para a maior parte das empresas. O Estado pode desempenhar aí um papel importante, uma vez que cada vez mais tem que assumir um papel de dinamizador do financiamento e de garante junto das instituições financeiras, nomeadamente através das sociedades de garantia mútua, defende António Pinheiro, director de financiamento da Tintas O responsável defende ainda um maior apoio às PME portuguesas que têm como objectivo o mercado interno. Pensamos que se deveriam canalizar mais recursos para as PME, deixando de se apoiar, pelo menos no discurso, quase em exclusivo as empresas e os projectos exportadores, esquecendo que uma grande maioria das empresas e do emprego em Portugal dependem do mercado interno, um mercado que é visto como sendo de risco para quem financia. Pedro Malheiro, CEO da Edge Innovation, defende também que devia existir a consciência que a realidade das PME é bem diferente da das grandes empresas, e adaptar as soluções em função disso. E exemplifica: além de taxas de juro mais atractivas era necessário alargar os períodos de financiamento, para que ficassem mais adaptados aquela que é a realidade da maioria das PME portuguesas. Para além disso, seria desejável uma simplificação dos processos de acesso ao financiamento, que são ainda demasiado complexos. Frédéric Frère, CEO da Travelstore, lembra por seu turno o grave problema dos atrasos nos pagamentos. O que mais nos preocupa é ter que consumir recursos da empresas em processos de cobrança. Frédéric diz-se aliás apologista de uma mudança radical de cultura de pagamento em Portugal. No que respeita ao financiamento, o responsável reconhece que nos últimos anos as condições de financiamento se têm tornado bastante mais difíceis para a generalidade das PME em Portugal, o que afecta significativamente a sua capacidade de investimento e desenvolvi-»

2 II Diário Económico Quarta-feira 8 Outubro 2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS» mento e defende que as condições deviam voltar para padrões mais competitivos quando comparados com outros mercados internacionais. E conclui: Portugal nunca teve tanta criatividade e ambição no seu tecido empresarial, considera, concluindo: seria uma pena não se aproveitar toda esta energia por limitações de financiamento. Os números Apesar de serem apenas um milhar, as grandes empresas são as que mais dívidas têm: 87,2 mil milhões de euros, dados de Julho de 2014 do Banco de Portugal. Na mesma altura, as 36 mil micro empresas tinham créditos de 73,2 mil milhões, as 39 mil pequenas empresas empréstimos de 42,9 mil milhões e as seis mil médias empresas crédito de 45,7 mil milhões de euros. O valor global dos empréstimos às microempresas tem vindo a diminuir desde Em Dezembro desse ano, por exemplo, a dívida estava nos 80,1 mil milhões de euros. O mesmo acontece com as pequenas empresas, cujo valor de dívida tem vindo a baixar desde essa altura, apesar de ter aumentado, entre Junho e Julho, em cerca de 600 milhões de euros. As médias empresas não podem dizer o mesmo: o valor da sua dívida tem vindo a baixar de forma desde a mesma altura. Esta descida do valor em dívida pode ser uma boa notícia para as PME, que vêem a sua autonomia financeira crescer. De acordo com uma análise feita pela IGNIOS - Gestão de Crédito para o Diário Económico, enquanto a autonomia das grandes empresas tem vindo a descer, a das PME está a aumentar. No entanto, para as PME o endividamento é muito mais pesado. Enquanto para as grandes empresas o peso do endividamento que implica juros é de 35,9%, para as médias é de 42,4%, para as pequenas de 37,2% e para as micro de 37,3%. As microempresas estão mais expostas a um mercado interno sobredesvalorizado, têm menos poder negocial, têm mais situações não registadas na contabilidade. Estão menos endividadas, mas pagam, em termos relativos, mais juros, explica Paulo Deus, analista da IGNIOS. Ainda de acordo com a análise, a rendibilidade líquida do volume de negócios, depois de pagos financiamentos e impostos, é muito menor nas médias e nas micro empresas. Do lado dos financiadores, o Banco de Portugal revela que apenas o financiamento por parte da administração pública (22,1 mil milhões em 2010 para 40,3 mil milhões em Julho), de particulares (41,7 mil milhões para 47,9 mil milhões) e proveniente do exterior tem aumentado. Isto apesar de ainda ser o sector financeiro quem mais financia em Portugal (313 mil milhões de euros às empresas em Julho, face a 353,9 mil milhões em 2010). Mas a importância do financiamento externo é cada vez maior. Se em 2010 rondava os 157 mil milhões de euros (cerca de metade do concedido pelo sector financeiro), hoje este valor chega praticamente aos 225 mil milhões. FRÉDERIC FRÈRE Travelstore A Travelstore assume que, por ser focada no serviço a empresas, obriga a uma elevada capacidade de tesouraria para fazer face ao elevado volume de vendas pago a crédito. E, por isso, antecipou uma prática internacional que consiste em transferir a competência de crédito para empresas de cartão de crédito, que têm, diz Frédéric Frère, soluções particularmente interessante para empresas. Ao longo dos anos, a empresa tem recorrido a contas correntes caucionadas que a permitem recorrer ao financiamento em função das necessidades. Em alturas de crescimento, quando investem em tecnologia ou em novos mercados, o capital de risco tem sido uma opção. A empresa tenta sempre, no entanto, evitar um endividamento excessivo. SÍLVIA MARTINS, Bebévida No final de 2013, o nível de endividamento financeiro era de cerca de 12% do activo da Bebévida. As soluções a que mais têm recorrido são o leasing financeiro imobiliário e mobiliário e o renting. E, no ano passado, optaram também pela Garantia Mútua, por considerarem que as suas taxas de juro são bastante favoráveis. Sobre melhorias no financiamento a PME, Sílvia Martins defende maior abrangência dos projectos de I&D em termos de CAE, de forma a contemplarem um maior número de soluções. Como se financiam as PME e as start ups em Portugal Empresas defendem importância de capitais próprios e de flexibilidade. JOÃO ABELHA Padlock Empresa criada com capitais próprios, a Padlock conseguiu, até agora, auto- -financiar-se. Mas o seu crescimento rápido a nível nacional levou a empresa a decidir avançar para a internacionalização. João Abelha, o fundador, afirma aliás encarar a possibilidade de financiar-se cedendo capital da empresa a parceiros estratégicos, recorrendo a blue angels, ou capitais de risco. No que respeita ao funcionamento do financiamento tradicional, via banca, por exemplo, João Abelha defende que seria interessante uma avaliação com caracter mais subjectivo onde o algoritmo fosse menos matematico, uma avaliação em que o carácter viral das novas tecnologias e tendências fosse majorado. JOSÉ QUEZADA CV DNA A start up CV-DNA tem sido financiada exclusivamente com recursos a capitais próprios e suprimentos dos accionistas. A empresa está, no entanto, a olhar para o capital de risco para poder internacionalizar o conceito. José Quezada defende, no entanto, um parceiro que acrescente valor. Sobre as soluções disponíveis no mercado, nomeadamente as bancárias, Quezada considera-as pouco interessantes. As propostas das entidades bancárias estão quase sempre dependentes de capacidade financeira pessoal dos accionistas e é importante que tal não aconteça. ANTÓNIO PINHEIRO Tintas 2000 Onívelde endividamento da Tintas 2000 está estabilizado, mas em fase decrescente, afirma António Pinheiro. A empresa tem apostado na capacidade de se autofinanciar. Quando isso não é possível, a recorre a soluções tradicionais. Para apoio de tesouraria e fundo de maneio, optam por soluções de curto/médio prazo, como o factoring, o leasing, o confirming, assim como por linhas de crédito protocoladas e apoiadas pelo Estado ou contas correntes caucionadas. Têm ainda optado por locações financeiras, linhas de crédito protocoladas com o Estado ou projectos no âmbito dos quadros comunitários de apoio. A empresa destaca ainda a importância do financiamento através de sistemas de garantia mútua. RUI SALVADA Copimática Empresa sólida, a Copimática não tem quaisquer dívidas para além das que se vencem mensalmente de gestão corrente. Ao longo dos anos, apenas tem recorrido a renting e leasing, soluções que se adequam mais ao seu perfil, que não se ajusta a opções como o capital de risco, por exemplo. Não têm tido dificuldades de acesso ao crédito, mas os custos associados ao financiamento são o que mais preocupa Rui Salvada. Paulo Alexandre Coelho

3 PUB

4 IV Diário Económico Quarta-feira 8 Outubro 2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS As opções a que as empresas podem recorrer para se financiar A banca tem soluções adaptadas às necessidades. A garantia mútua tem juros atractivos e existem várias linhas de capital público disponíveis. Saiba quais. IRINA MARCELINO E RAQUEL CARVALHO São várias as opções para se financiar, apesar do período de contracção económica. Mas antes de olhar para as opções, tem de pensar se tem capitais próprios para avançar. A tecnologia veio permitir a muitos negócios minimizar as receitas necessárias à sua implementação, defende Marta Miraldes, da SBI Consulting, empresa de consultoria financeira a PME e start ups. A especialista considera que as empresas tradicionais que não tem ambições internacionais são hoje as que têm mais dificuldade de aceder ao crédito, dada a estratégia de negócio mais direccionado para o mercado interno, o que, para as entidades financeiras, é entendido como um risco. Para Marta, os bons projectos conseguem financiamento. Raros são os bons projectos em Portugal que não tenham já sido capazes de atrair investimento, uma ideia que, aliás, é também usualmente transmitida pela própria banca. Os principais bancos nacionais têm vários produtos para financiar PME. O Santander Totta, no primeiro semestre de 2014 concedeu crédito no valor de 725,5 milhões de euros e destacaram-se os produtos de factoring e confirming e a Solução Exportação, bem como produtos de apoio à internacionalização como o International Desk e o Santander Passport. Em 2013, o banco criou ainda o portal Santander Trade, que reúne informação de sectores de comércio em mais de 185 países. Nas linhas PME Investe/Crescimento 2014, o banco já concedeu crédito no valor de 1,9 mil milhões de euros. Nesta linha, o Novo Banco apoiou empresas, no total de 123 milhões de euros. Quanto a produtos específicos, o Novo Banco realça o NB Express Bill, que garante pagamentos e antecipa recebimentos online, ao qual já aderiram 19 mil empresas. O banco apoia ainda as exportações através de trade finance, um produto que é também disponibilizado pelo Millenniumbcp, que tem apostado no factoring para as PME. A CGD disponibiliza a linha Caixa Capitalização, a linha Export Invest, vários instrumentos de cobertura de risco e de apoio à tesouraria, tendo equipas específicas de apoio à exportação. Quanto ao BPI, antecipa o reembolso de IVA MARTA MIRALDES SBI Consulting Raros são os bons projectos em Portugal que não tenham conseguido obter investimento. através da contratação de financiamentos de curto prazo adaptados às necessidades de cada empresa. As PME podem obter adiantamento de até 100% do valor de reembolso. O banco apoia ainda as PME através da linha PME Crescimento Crédito Comercial a Exportadoras, e da Linha BPI FEI Inovação. Outra opção de financiamento para as empresas é a garantia mútua. Para que essa empresa possa obter uma garantia tem de ser accionista de uma Sociedade de Garantia Mútua, sociedade de carácter mutualista. Em 2013, a Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua, que gere quatro sociedades regionais, tinha em mãos mais de 100 mil operações e movimentava seis mil milhões de euros de crédito. Um dos empresários contactados pelo Diário Económico, da Tintas 2000, disse mesmo que se não fosse o apoio do sistema de garantia mútua nos últimos anos, e o financiamento das PME, já de si precário e dificultado, teria sido ainda mais problemático. Mas existem ainda outras opções de financiamento - neste caso com fundo público, nomeadamente através da PME Investimentos Sociedade de Investimento, cujos instrumentos são desenvolvidos sob a alçada do FINOVA (Fundo de Apoio ao Financiamento à Inovação), cujas entidades financiadoras são o Programa Operacional Factores de Competitividade (COMPETE) e os Programas Operacionais Regionais de Lisboa e do Algarve. No que concerne aos instrumentos financeiros geridos pela PME Investe, são linhas de crédito e seguros, estando actualmente activa a PME Crescimento, a Comércio Investe. Entre as linhas geridas, estão linhas de crédito e seguros como é a PME Crescimento e a Linha Comércio Investe, assim como vários fundos de capital de risco, de corporate venture capital e, ainda, fundos destinados a revitalizar empresas em situação difícil. No caso das Linhas de crédito (PME Crescimento 2014 e Linha de crédito Comércio Investe) a PNME Investimentos reecaminha as PME para as entidades bancárias que assinaram protocolo com a entidade. Para aceder a estes instrumentos, as PME poderão contactar o PME Investimentos e posteriormente serão encaminhadas de acordo com o instrumento financeiro pretendido. Portugal 2020 Programa tem disponíveis 25 O novo quadro comunitário Portugal 2020, que é o sucessor do Quadro de Referência Estratégico Nacional (QREN), tem um orçamento total de 26 mil milhões de euros para distribuir por projectos promovidos por consórcios de instituições europeias. Destes, seis mil milhões estão disponíveis para as PME nacionais. Um valor que duplicou, comparativamente ao quadro comunitário anterior. Aos 21,46 mil milhões de euros (preços correntes, incluindo o financiamento do objectivo de cooperação territorial europeiaeadotação da Iniciativa para o Emprego dos Jovens), acrescem 4,06 mil milhões de euros que Portugal receberá destinados ao desenvolvimento rural e 392 milhões de euros para as pescas e o sector marítimo De referir ainda o Horizonte 2020 (H2020), o maior programa Europeu de I&D e Inovação, gerido directamente pela comissão europeia e sem a intervenção das autoridades nacionais.

5 Quarta-feira 8 Outubro 2014 Diário Económico V A garantia mútua baseia-se numa parceria entre o Estado, as empresas e a banca, através de um sistema de cariz mutualista em que as sociedades financeiras prestam garantias às empresas de que são accionistas, mutualistas. A contragarantia é dada pelo Estado através de um fundo específico para o efeito. Philipp Schmidli / Bloomberg disponibiliza seis mil milhões para PME mil milhões de euros para distribuir para projectos promovidos por consórcios de entidades europeias. Com uma dotação de cerca de 80 milhões, dos quais 20% consagrados a PME. Este novo quadro tem também novos prazos para análise e pagamento das verbas. Agora, as autoridades de gestão não podem levar mais de 60 dias a analisar uma candidatura, nem mais de 45 para pagar uma factura. Prazos que, se forem violados em 20%, podem determinar a exoneração do gestor desse programa. Outra das novidades é a existência de uma diferenciação na atribuição do financiamento, tanto do ponto de vista territorial, sendo expectável que os territórios de baixa densidade tenham uma discriminação positiva, como dos resultados. O grau de cumprimento de um projecto será um factor de ponderação na atribuição de um apoio no projecto seguinte. No dia da apresentação destas novas regras, Poiares Maduro anunciou que a meta do Governo é conseguir uma taxa de execução de 5% do Portugal 2020 em 2015, uma taxa que compara com os 2% do QREN em Esta OE/15 com novos incentivos É muito provável que o Governo repercuta no Orçamento de Estado para 2015 a criação de incentivos para passar para o mercado, activos de valor importante que constam do balanço dos bancos. Esta é uma medida que visa ajudar a reestruturação da dívida corporativa das empresas, sendo por isso, criados mecanismos de constituição de obrigações convertíveis e preferenciais para PME. Por outro lado, Pires de Lima, em Conselho de Ministros, comprometeu-se a tornar o PER e o SIRVE mais ágeis para a recuperação das empresas. é provavelmente a programação mais célere que alguma vez ocorreu, disse. Este mês está prevista a nomeação das autoridadesdegestãoeapublicação dos regulamentos específicos que permitirão a verdadeira operacionalização dos programas operacionais e, posteriormente a abertura dos primeiros concursos, apartir de Novembro. Poiares Maduro rejeita quaisquer críticas de atraso no processo e reitera que será possível ter os primeiros movimentos financeiros em Dezembro. Mas é preciso garantir que haja dotação orçamental do próprio orçamento comunitário, lembrou. Por outro lado, só será possível avançar com projectos do próprio Estado que não dependem da realização de um concurso. De realçar que o quadro comunitário ainda em execução -oqren,queterminouem 2013, mas tem mais dois anos para ser executado -, já tem a melhor taxa de execução de todos os Estados-membro (82%), frisou o ministro do desenvolvimento regional, esclarecendo que Portugal não terá de devolver nem um euro dos milhões que ainda estão por executar. Castro Almeida, Secretário de Estado do Desenvolvimento Regional explicou que existe uma taxa de overbooking de 6% (1.200 milhões de euros) - candidaturas aprovadas para além do valor global do QREN (21 mil milhões) para garantir que se houver uma desistência ou menor execução já há projectos aprovados. Informou ainda da abertura de novos concursos, para garantir que se a folga não for suficientemente grande, há projectos para usar o dinheiro. De referir a desistência por parte de empresas nacionais de projectos, desde o início do Quadro de Referência Estratégico (QREN), em 2007, por incapacidade de concretizar os investimentos previstos e que representavam um investimento de 4,45 mil milhões de euros que contava com uma comparticipação comunitária de 1,23 mil milhões. R.C.

6 VI Diário Económico Quarta-feira 8 Outubro 2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS >> CINCO START UPS DE SUCESSO QUE FORAM FINANCIADAS PELO SEEDCAMP Luis Teixeira, director de operações da Farfetch. Bento Correia, CEO da VisionBox. Carlos Oliveira, Fundador da Mobicomp. Carlos Silva, CEO da Seedrs. Cristina Fonsecas, co-fundadora da Talkdesk. Fotos: José António Domingues >> Farfetch Loja online, que vende artigos de luxo nas áreas do têxtil, calçado e acessórios, desde Com maisde280lojasnaeuropae América do Norte, a marca encontra-se em exponencial crescimento, e pretende expandir a sua equipa de mais de 300 colaboradores. >> VisionBox Empresa de sistemas de controlo automático de fronteiras e soluções de identidade electrónica. Instalou a solução de controlo automático de fronteiras no novo terminal do aeroporto de Lisboa e está a implementar a tecnologia em 15 aeroportos do Reino Unido e em Doha no Qatar. >> Mobicomp Empresa nascida em 2008, a Mobicomp já abriu escritórios em Espanha, Reino Unido, Finlândia e Dubai, e tem clientes em muitos países árabes e em toda a Escandinávia. Desenvolve aplicações para operadores de telecomunicações, e foi adquirida em 2008 pela Microsoft. >> Seedrs Empresa que disponibiliza um serviço online que permite investir em start ups, abrindo a investidores não profissionais a oportunidade de financiarem empresas num estádio inicial. A empresa cobre uma comissão sobre o capital angariado. Tem escritórios em Lisboa e Londres. >> Talkdesk Criada em 2011, opera em Sillicon Valley, na Califórnia. Cria um call center low cost em apenas cinco minutos. Surgiu por brincadeira, após a vitória do projecto, num concurso, cujo objectivo era ganhar um computador. Conta com clientes como a Chevrolet, Sidecar ou Dropbox. TechTour junta start ups e investidores Iniciativa da CGD junta-se ao Seedcamp e coloca em Lisboa fundos de investimento de 40 mil milhões de euros. RAQUEL CARVALHO O Seedcamp Lisboa, que é organizado pela aceleradora Beta-i, uma associação sem fins lucrativos, criada em 2010 com a missão de promover o empreendedorismo, teve lugar no dia 2 de Outubro e contou na assistência com a presença de vários investidores e dos maiores fundos internacionais de capital de risco. Além do fundo de 30 milhões de euros gerido pela Seedcamp, o fundo europeu líder em micro-seed investment e mentoring dedicado a startups em fase inicial, o evento contou com a visita de investidores que participam no Techtour Ibéria, uma iniciativa da Caixa Geral de Depósitos, que trouxe a Lisboa representantes de fundos de capital de risco avaliados em 12 mil milhões de euros. A Culturgest, em Lisboa, foi palco deste evento que contou com a participação de José de Matos, presidente da Comissão Executiva da CGD, que salientou a importância da presença de fundos de investimentos no valor de 40 mil milhões de euros. Na sua intervenção, garantiu que tanto a Caixa Capital - sociedade gestora de fundos de capital de risco da CGD -, como os investidores presentes acreditam no poder da inovação e do empreendedorismo para transformar a sociedade num sítio melhor, salientando estar confiante nesta Em busca de financiamento >> B-Guest: concierge inteligente que aumenta ainovaçãoenívelde serviços em hotéis >> Trip Dashboard: plataforma web que apoia instituições turísticas >> Legal Flow: ferramenta de gestão de processos legais >> Vitalidi: programa que faz reconhecimento biométrico através de sinal electrocardiográfico >> Skilleo: serviço online de recrutamento >> DoDoc: ferramenta que formata documentos >> WeClipse: permite comunicar através de vídeos e amigos >> Earthindicators: ferramenta de gestão e monitorização florestal; >> Ignidata: plataforma business to business nova vaga de empreendedores. O CEO da CGD destacou a importância do acesso ao capital para que as startups possam fazer crescer negócios e gerar novos empregos, e lembrou que a Caixa Capital tem disponíveis 500 milhões de euros para investir. Stephan Morais, administrador da Caixa Capital, disse a propósito que parte do dinheiro já foi investido em startups e empresas portuguesas. Temos capital para co-investir e queremos escolher os parceiros certos para levarem as empresas portuguesas aos palcos mundiais e transformá-las em grandes sucessos, disse. Um dos objectivos do evento é dar a conhecer aos grandes investidores internacionais as start ups com potencial. No total, foram nove as seleccionadas para apresentar os seus projectos: A B-Guest, a Trip Dashboard,a Legal Flow, a a Vitalidi, Skilleo, a DoDoc, a We- Clipse, a Earthindicators, e a Ignidata (mais informação na caixa ao lado). Seguiu-se um painel de cinco investidores que representam grandes empresas de capital de risco. Além de Sthepan Morais, a representar a Caixa Capital, estiveram representantes da Baldanter Capital, da Index Ventures, da Fidelity Grownth Partners Europe e da Octupus, bem como uma business angel. A mensagem que passou é que na hora de escolher uma empresa para inevstir, no topo das prioridades surge a consistência do projecto, as suas potencialidades de crescimento e a qualidade da equipa de gestão. De realçar a presença do ministro da Economia, Pires de Lima, que destacou que o empreendedorismo atravessa um bom período em Portugal e que é um dos pilares da nossa recuperação económica. O papel das startups na criação de postos de trabalho no sector privado foi destacado, assim como o facto de Portugal estar a tornar-se, através da inovação e do empreendedorismo, num país mais competitivo. Pires de Lima lembrou ainda que as pessoas são o principal activo do país e um bom motivo para que os investidores apostem em Portugal, que, destacou, subiu 15 posições no ranking da competitividade. O evento contou ainda com a presença de Pedro Rocha Vieira, presidente da Beta-i, que salientou que a entrada da Seedcamp em Portugal mudou a visão de muitas empresas, que tomaram consciência que podem ser cada vez mais empreendedoras, e de Carlos Espinal, Partner da SeedCampo, que informou que o fundo já apoiou 119 empresas, num total de 190 milhões de euros.

7 Quarta-feira 8 Outubro 2014 Diário Económico VII Banco de fomento apoiará PME a partir deste ano Último trimestre de 2014 apontado para o início de actividade do IFD. Será através dos balcões da banca comercial que o crédito concedido pelo futuro banco do fomento (a Instituição Financeira de Desenvolvimento)- IFD chegará às empresas. Exclusivamente dedicado às PME, o banco vai ter três áreas preferenciais de actuação: a capitalização das PME através por exemplo de venture capital ou de outros instrumentos que possam vir a ser criados; a gestão de instrumentos financeiros com recurso a fundos europeus estruturais; a gestão da totalidadedos reembolsos dos subsídios reembolsáveis atribuídos ao investimento empresarial e, também, a activação de instrumentos de crédito bancário, com base nos protocolos assinados com instituições financeiras congéneres, como é o caso do banco de fomento alemão, KfW, ou outras instituições financeiras multilaterais. O novo banco vai agregar entidades públicas O novo banco vai agregar entidades públicas comoapme Investimentos, a Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua, a Portugal Ventures easofid. como a PME Investimentos,a Sociedade Portuguesa de Garantia Mútua, a Portugal Ventures e, ainda, a Sofid que, apesar de continuar a tar um grau de autonomia elevado, vão passar a trabalhar numa lógica de gestão mais integrada, disse recentemente o ministro da Economia, António Pires de Lima, ao Diário Económico. O financiamento a disponibilizar através do IFD tem como objectivo principal beneficiar pequenas e médias empresas e, por isso, os empréstimos concedidos através da banca comercial vão ter prazos mais liongosde reembolso e juros mais baixos. A sua actividade deverá ter início no último trimestre deste ano, altura em que os fundos europeusdo Portugal 2020 deverão chegar à economia. Terá sede no Poro e contará com sete a nove mebros, dos quais dois a quatroserão executivos. I.M. Pires de Lima disse recentemente ao Diário Económico que a troika tentou limitar o papel do Banco de Fomento. Paula Nunes PUB

8 VIII Diário Económico Quarta-feira 8 Outubro 2014 SOLUÇÕES FINANCEIRAS Seguros de crédito recuam 4% até Agosto Estes produtos mitigam os riscos de incumprimento nas vendas a crédito. Ana Brígida Com o desafio da exportação, são cada vez mais as empresas que procuram seguros de crédito, solução que existe para mitigar o risco de incumprimento no pagamento de facturas a crédito. Berta Dias da Cunha, administradora da Cosec, diz que a evolução deste mercado em Portugal está relacionada com a evolução da estratégia económica adoptada pelo tecido empresarial, registando um crescimento sustentado desde Porém, os últimos dados da Associção Portuguesa de Seguradores referentes aos primeiros oito meses do ano, dão conta de um recuo de 4% face ao período homólogo de 2013, representando um valor de prémios emitidos de 43,3 milhões de euros, e revelando, por isso, uma inversão na tendência. E pode haver aqui uma explicação. Nuno Francisco, country representative Portugal da Cesce, frisa que a sinistralidade está em valores muito baixos, o que é positivo do ponto de vista dos resultados das seguradoras, mas por outro, cria no mercado a percepção errada de que o risco das transacções comerciais a crédito é menor e isso leva a que muitas empresas não sintam necessidade de recorrerem ao seguro de crédito. Uma das vantagens dos seguros de crédito é a Como aceder a seguros de crédito? Qualquer empresa que venda a crédito pode solicitar uma cotação para contratarumsegurode créditos, explica Berta Dias da Cunha. Para tal, basta contactaracosece disponibilizar alguma informação sobre as vendas a crédito e o histórico do incumprimento, explica a administradora da empresa que presta actualmente garantias no valor de 9,6 mil milhões de euros, dos quais 4,4 mil milhões relativos a exportações. Nuno Francisco destaca o acesso fácil a qualquer produto da área seguradora ou financeira, podendo-se pedir ajuda dos mediadores ou contactando directamente as seguradoras de crédito. mitigação dos riscos. Berta Dias da Cunha não tem dúvidas de que este produto constitui um importante instrumento de protecção das empresas, salvaguardando-as contra o risco de incumprimento por parte dos seus devedores, em situações tipificadas como a mora do devedor ou a insolvência. E, diz, durante todo o processo de exportação, esta ferramenta reveste-se de importância acrescida, face ao maior desconhecimento do risco dos clientes e à maior dificuldade de recuperar os créditos em caso de incumprimento. Já Nuno Francisco salienta que estes produtos protegem as vendas a crédito, porque, explica, em caso de incumprimento têm direito a receber uma % de indemnização. Frisa ainda que ajudam na prospecção de novos clientes e novos mercados, através de um conjunto de informação profissional detalhada que permite às empresas estarem mais capacitadas para identificarem os seus potenciais clientes, em mercados onde o acesso à informação é mais complexo. E no fundo, o que as empresas procuram nestes produtos é mesmo uma ferramenta que os ajude a gerir melhor as suas vendas a créditoeadefinirumapolíticacomercialmais equilibrada, diz Nuno Francisco. R.C. BA já investiram 26,8 milhões em start ups Os investimentos realizados nos últimos três anos, pela comunidade portuguesa de business angels (BA) têm assumido uma particular importância na criação de novas empresas e na concretização de projectos inovadores em fases iniciais do seu ciclo de vida. Francisco Banha, Presidente Federação Nacional de Associações de Business Angels, informa que, através da primeira linha de financiamento criada no âmbito do Programa FINOVA, foram efectuados 153 investimentos em 95 start ups, com menos de três anos de actividade, no montante global de 17,8 milhões de euros que possibilitaram a criação de mais de 150 postos de trabalho qualificado. Entretanto, foi lançada em Fevereiro deste ano a segunda linha de financiamento para business angels, no montante global de 15 milhões de euros, sendo que até Julho deste ano já foram realizados investimentos em mais 18 start ups que totalizaram cerca de nove milhões de euros, informa, acreditando que a comunidade de business angels é o investidor por excelência do financiamento de novos negócios que ambicionam conquistar o mercado global. O responsável lembra estarem ainda disponíveis para investir até Junho de 2015, 24 milhões de euros da primeira linha de financiamento, e até Setembro de 2015, seis milhões de euros da segunda linha de financiamento. R.C. 150 Postos de trabalho qualificado já foram criados através do programa Finova. Capital de risco Se tiver um projecto inovador e uma equipa de qualidade pode recorrer a sociedades de capital de risco que possuem fundos específicos para investir em startups. É o caso da Portugal Ventures, que tem a partir de 13 de Outubro, uma call em aberto. Além do capital de risco puramente privado, existe o capital de risco público. A PME Investimentos, por exemplo, gere vários fundos deste tipo, destinados quer para a inovação e internacionalizacao das PME, quer para fases em que as empresas ainda estão a dar os seus primeiros passos ( early stage e pre-seed ). O financiamento, via capital de risco, na fase em que o negócio já não está a correr tão bem também pode passar pela PME Investimento, através do Revitalizar. Business Angels Apesar de serem rotulados como investidores, muitas vezes os business angels são empresários que, pelas sinergias que detectam entre os seus negócios e novas oportunidades, afirma Marta Miraldes, procuram investir em determinados projectos, assumindo um papel activo na gestão do negócio. Muitos Business Angels estão reunidos em associações. Em Portugal, na Federação Nacional de Associações de Business Angels (FNABA) e na Associação Portuguesa de Business Angels (APBA). A PME Investimentos também tem uma linha específica de business angels.

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012

Competitividade, Emprego e Investimento. 17 de outubro de 2012 Competitividade, Emprego e Investimento 17 de outubro de 2012 Introdução O Programa do XIX Governo estabelece a consolidação orçamental como um dos objectivos centrais da presente legislatura; Contudo,

Leia mais

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise?

Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? Na minha opinião como estão as empresas a atravessar a crise? O sector empresarial sente a crise como está a sentir a restante sociedade. A elevada taxa de desemprego de 12,3% traduz bem o drama social

Leia mais

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008

Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 1/1 Novas linhas de intervenção do sistema de garantia mútua desenvolvidas desde o segundo semestre de 2008 No cenário da actual conjuntura económica o sistema de garantia mútua é visto quer pelos parceiros

Leia mais

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades -

Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - O papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento na recapitalização das empresas Fóruns da Garantia Mútua, Norgarante - Investir num Mundo de Oportunidades - Ricardo Luz Administrador Executivo Pousada

Leia mais

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs

CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs PROTOCOLO ORDENS PROFISSIONAIS CONDIÇÕES PARA OS MEMBROS - PROFISSIONAIS LIBERAIS E ENIs Para aderir a este Protocolo e beneficiar das respectivas condições, abra a sua Conta Gestão Tesouraria ou Conta

Leia mais

Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015)

Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais. Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015) Apoios ao Empreendedorismo Programas Nacionais PEEI Programa Estratégico para o Empreendedorismo e Inovação PROGRAMA +E+I (2011-2015) Programa +E+I Enquadramento Resolução do Conselho de Ministros nº54/16

Leia mais

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA

PME INVESTE V - 750 milhões de euros - ENCERRADA. PME IINVESTE II / QREN - 1.010 milhões de euros ABERTA PME INVESTE As Linhas de Crédito PME INVESTE têm como objectivo facilitar o acesso das PME ao crédito bancário, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da redução do risco das operações

Leia mais

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010

Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado. Batalha, 8 Julho de 2010 Encontro Nacional de Instaladores da APIRAC-Associação Portuguesa da Indústria de Refrigeração e Ar Condicionado Batalha, 8 Julho de 2010 As vossas necessidades... O apoio aos Empreendedores e às PME s

Leia mais

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo

Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM. Fundo de Contragarantia Mútuo Garantia Mútua UMA NOVA ALTERNATIVA NO ACESSO AO FINANCIAMENTO PARA AS PME FCGM Fundo de Contragarantia Mútuo Sessões Turismo de Portugal, Abril 2010 Apresentação Segmentos de Actuação Linhas de Oferta

Leia mais

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL

BES AS APOIO FINANCEIRO BES AS FINANCEIR ÕES ÀS EMPRESAS FINANCEIR ÕES UÇ SOL 38 PME Líder SOLUÇÕES FINANCEIRAS BES Helen King/CORBIS APOIO FINANCEIRO ÀS EMPRESAS O BES disponibiliza uma vasta oferta de produtos financeiros e serviços, posicionando-se como o verdadeiro parceiro

Leia mais

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News

28 PME Líder CRITÉRIOS. Bloomberg News 28 PME Líder CRITÉRIOS Bloomberg News CRITÉ RIOS COMO CHEGAR A PME LÍDER Atingir o Estatuto PME Líder é a ambição de muitas empresas. É este o primeiro passo para chegar a PME Excelência. Saiba o que precisa

Leia mais

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento

IFD. Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal. O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento Conferência CIP Relançar o Investimento em Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José Fernando Figueiredo Presidente Executivo Lisboa,

Leia mais

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores?

Tradicionalmente como surgem? Existem ambientes mais propícios para o nascimento de ideias/projectos inovadores? O que é uma start-up? As empresas que criam modelos de negócio altamente escaláveis, a baixos custos e a partir de ideias inovadoras são normalmente consideradas empresas startups. Concebidas para crescerem

Leia mais

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais.

QUEM SOMOS. O clube tem como objectivo apoiar projectos em todas as áreas de actividade, inclusive nas áreas mais tradicionais. QUEM SOMOS O Business Angels Club de Lisboa é constituído por um grupo de pessoas ligadas há mais de 20 anos ao mundo empresarial e ao empreendedorismo com larga experiência no desenvolvimento e triagem

Leia mais

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007

Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras. Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 Programa FINICIA Financiamento de Start up inovadoras Universidade de Évora, 13 de Dezembro de 2007 O parceiro das PME 2 Missão Visão Produtos e Serviços Facilitar e assistir as PME nas suas estratégias

Leia mais

Ciclo de Conferências CIP Economia Portuguesa Competitividade e Crescimento

Ciclo de Conferências CIP Economia Portuguesa Competitividade e Crescimento Ciclo de Conferências CIP Economia Portuguesa Competitividade e Crescimento A ATUAL OFERTA DE FINANCIAMENTO 28 de novembro de 2014 Centro de Congressos de Lisboa Teresa Duarte Administradora da Norgarante

Leia mais

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO

SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO SOLUÇÕES SANTANDER TURISMO Atendendo a que o turismo é um sector estratégico na economia nacional e considerando que a APAVT tem tido um papel fundamental no desenvolvimento do turismo nacional, o acordo

Leia mais

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar

Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Soluções CA para a Agricultura, Agro-Indústria Floresta e Mar Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um Grupo Financeiro de âmbito nacional, integrado por um vasto número de bancos locais Caixas Agrícolas

Leia mais

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S. Fórum Exportador Cedrac INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S. Fórum Exportador Cedrac INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Fórum Exportador Cedrac IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Guimarães, 12 de Junho de 2015 Maria João Nunes Administradora Executiva da IFD Missão, Ambição e Enquadramento

Leia mais

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal

IFD. Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal O Papel da Instituição Financeira de Desenvolvimento no apoio ao Financiamento das Empresas Portuguesas Debate ao almoço Associação Empresarial de Portugal INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO José

Leia mais

Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas: ABERTURA DE CONCURSOS

Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas: ABERTURA DE CONCURSOS Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas: ABERTURA DE CONCURSOS O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas é a principal bandeira do Programa VALORIZAR. Com esta medida as

Leia mais

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação

Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação Breve síntese sobre os mecanismos financeiros de apoio à internacionalização e cooperação 1 Incentivos financeiros à internacionalização Em 2010 os incentivos financeiros à internacionalização, não considerando

Leia mais

Apresentação Institucional

Apresentação Institucional 1 Apresentação Institucional Pedro Gomes Nunes Março, 2014 2 MISSÃO DA FNABA A Federação Nacional de Associações de Business Angels tem como missão representar os interesses das várias Associações de Business

Leia mais

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS

SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS SISTEMAS DE INCENTIVOS ÀS EMPRESAS Sistema de Incentivos às Empresas O que é? é um dos instrumentos fundamentais das políticas públicas de dinamização económica, designadamente em matéria da promoção da

Leia mais

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007

POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP. 11 Setembro 2007 POLÍTICA DE PME's Debate promovido pela AIP 11 Setembro 2007 Durante o 1º trimestre de 2007, o PIB cresceu 2,0% Crescimento do PIB 2,5% 2,0% 1,5% 1,5% 1,7% 2,0% 1,0% 1,1% 1,0% 0,9% 0,5% 0,5% 0,5% 0,0%

Leia mais

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS

XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS XII ENCONTRO GESVENTURE DISCURSO DE BOAS VINDAS Exmo. Senhor Presidente do Grupo Caixa Geral de Depósitos, Engº Fernando Faria de Oliveira Exmo. Senhor Presidente do IAPMEI e da InovCapital, Dr. Luís Filipe

Leia mais

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014

Apoios à Internacionalização. Lisboa, 27 de Março de 2014 Apoios à Internacionalização Lisboa, 27 de Março de 2014 Tópicos Sistemas de Incentivos às Empresas (QREN) Novo Quadro (2014-2020) Gestão do Risco Instrumentos de Financiamento Multilaterais Financeiras

Leia mais

Vale Projecto - Simplificado

Vale Projecto - Simplificado IDIT Instituto de Desenvolvimento e Inovação Tecnológica Vale Projecto - Simplificado VALES Empreendedorismo e Inovação Associados Parceiros / Protocolos IDIT Enquadramento Vale Projecto - Simplificado

Leia mais

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020

Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 Fundos europeus: Advogados exploram oportunidades do Portugal 2020 08 Abril 2015 Há quase três décadas que Portugal recebe fundos europeus, mas o próximo quadro comunitário de apoio está a merecer uma

Leia mais

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014

Soluções de Financiamento BES. 21 de Janeiro de 2014 Soluções de Financiamento BES 21 de Janeiro de 2014 Agenda I. Enquadramento II. III. IV. Soluções de Financiamento para «Começar» Soluções de Financiamento para «Crescer e Consolidar» Soluções de Financiamento

Leia mais

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015

Portugal. Campanha em vigor até 30 Junho 2015 CAMPANHA CAMPANHA Ao domiciliar as ajudas ao rendimento em conta BST, por um valor estimado mínimo de 10.000, durante um período mínimo de 2 anos, recebe um destes equipamentos TV LED ou Mini Ipad. Para

Leia mais

Soluções Financeiras

Soluções Financeiras ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5779 DE 15 DE OUTUBRO DE 2013 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Soluções Financeiras para PME Saiba como conseguir financiamento para internacionalizar

Leia mais

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03

Apoiar Business Angels é apoiar o empreendedorismo Segunda, 17 Março 2014 12:03 Os Business Angels são, geralmente, os primeiros investidores que o empreendedor conhece e, por isso, o seu papel é crucial nas primeiras etapas da empresa. Este é um negócio de alto risco, já que muitas

Leia mais

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI

2ª Conferência. Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender. 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI 2ª Conferência Internet, Negócio e Redes Sociais Financiar, Inovar e Empreender 21 de novembro de 2013 Auditório do ISEGI Patrocinador Principal Patrocinadores Globais APDSI PME Apoios ao crescimento APDSI

Leia mais

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO

LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO LINHAS PME INVESTE SECTOR DO TURISMO 30 de dezembro de 2011 Linhas PME Investe Sector do Turismo Características Gerais e Condições de Financiamento - Linhas Específicas do Sector do Turismo - PME INVESTE

Leia mais

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7

INDICE. 2. A quem serve e para que serve 3. 3. Modalidades 4. 4. Breve resenha histórica internacional 6. Principais etapas de evolução 7 INDICE Pág. 1. O que é o Factoring 2 2. A quem serve e para que serve 3 3. Modalidades 4 4. Breve resenha histórica internacional 6 5. O mercado de Factoring em Portugal Principais etapas de evolução 7

Leia mais

financiar um novo negócio

financiar um novo negócio financiar um novo negócio Microfinanciamento para a Inovação AIP andre.marco@iapmei.pt Direção de Participadas e Instrumentos Financeiros 2014 Acesso a Financiamento Partilha pública de risco e ou cofinanciamento

Leia mais

Empreendedorismo e Inovação O Futuro dos Empresários e PME com Ambição. Luis Costa Direcção de Marketing e Comunicação Banif

Empreendedorismo e Inovação O Futuro dos Empresários e PME com Ambição. Luis Costa Direcção de Marketing e Comunicação Banif Empreendedorismo e Inovação O Futuro dos Empresários e PME com Ambição Agenda 01 02 03 04 05 BANIF ID IMPORTÂNCIA DO EMPREENDEDORISMO: ECOSSISTEMA VITAL PRODUTOS E ABORDAGEM COMERCIAL: SOLUÇÕES BANIF EMPREENDER

Leia mais

Linhas de Crédito PME INVESTE IV

Linhas de Crédito PME INVESTE IV Linhas de Crédito PME INVESTE IV SECTORES EXPORTADORES MICRO E PEQUENAS EMPRESAS Linhas de Crédito Bonificado com Garantia Mútua UNIÃO EUROPEIA Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Gestão Marketing

Leia mais

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional

Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas Empresarias de Interesse Regional Programa FINICIA 02.02.2006 retirado de www.iapmei.pt Caracterização dos eixos de intervenção Eixo I Projectos de Forte Conteúdo de Inovação Eixo II Negócio Emergentes de Pequena Escala Eixo III Iniciativas

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME

Santander Totta. Santander Totta. Especializado no Negócio de PME Santander Totta Santander Totta Especializado no Negócio de PME O Banco Santander Totta está integrado num dos maiores Grupos Financeiros a nível Mundial. Distingue-se pela sua capacidade de oferecer as

Leia mais

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual

Benefícios Fiscais. Incentivos em regime contratual Benefícios Fiscais O Estatuto dos Benefícios Fiscais consagra um conjunto de medidas de isenção e redução da carga fiscal para diversos tipos de projectos e investimentos. Os incentivos e benefícios fiscais

Leia mais

Financiamento empresarial

Financiamento empresarial Financiamento empresarial de mercado e outras soluções Lisboa, Março 2012 rita.seabra@iapmei.pt Síntese 1. Seleccionar o financiamento do projecto 2. Opções de financiamento e abordagem a financiadores

Leia mais

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro

Lusoflora 2015. Crédito Agrícola. Santarém, 27 de Fevereiro Lusoflora 2015 Crédito Agrícola Santarém, 27 de Fevereiro Agenda 1. Quem somos 2. Proposta Valor 3. Soluções Crédito Agrícola para EMPRESAS/ ENI 4. CA Seguros 2 Quem somos O Grupo Crédito Agrícola é um

Leia mais

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN]

Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Sistema de Incentivos à Inovação e I&DT (Sector Automóvel) Quadro de Referência Estratégico Nacional [QREN] Frederico Mendes & Associados Sociedade de Consultores Lda. Frederico Mendes & Associados é uma

Leia mais

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO

ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL DO IAPMEI NA ÁREA DA INTERNACIONALIZAÇÃO E DA EXPORTAÇÃO Como fazemos 1. Através do Serviço de Assistência Empresarial (SAE), constituído por visitas técnicas personalizadas às

Leia mais

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal

Apoios às s Empresas do Sector do Turismo. Portugal Apoios às s Empresas do Sector do Turismo ÍNDICE 2 Linha de apoio à qualificação da oferta Linha de apoio à tesouraria Carência de capital Linhas PME CRESCIMENTO 2013 MECANISMOS DE APOIO AO SECTOR DO TURISMO

Leia mais

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO

PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO PORTUGAL 2020: EMPREENDEDORISMO E CAPITAL DE RISCO A noção de Empreendedorismo, como uma competência transversal fundamental para o desenvolvimento humano, social e económico, tem vindo a ser reconhecida

Leia mais

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15

JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 JORNADAS TÉCNICAS DA CERÂMICA 15 2º Painel Incentivos à Indústria O papel do IAPMEI na Competitividade do setor Miguel Cruz 26 Novembro de 2015 Apoiar as PME nas suas estratégias de crescimento inovador

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUAM José Fernando Figueiredo Presidente do Conselho de Administração Sessão PRIME - Lisboa 4 Fevereiro 2010 POTENCIAR MECANISMOS DO MERCADO... Poupança 2 ... AO LONGO DO

Leia mais

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros

aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Instrumentos financeiros aplicação dos instrumentos financeiros dos FEEI O Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional Os instrumentos financeiros cofinanciados pelo Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional são uma forma eficiente

Leia mais

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006

SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 SESSÃO DE ENCERRAMENTO DO VENTURE CAPITAL IT 2006 Jaime Andrez Presidente do CD do IAPMEI 10 de Maio de 2006 Minhas Senhoras e meus Senhores, 1. Em nome do Senhor Secretário de Estado Adjunto, da Indústria

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas

Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Programas Operacionais e Sistemas de Incentivos às Empresas Da União Europeia vão chegar até 2020 mais de 20 mil milhões de euros a Portugal. Uma pipa de massa, nas palavras do ex-presidente da Comissão

Leia mais

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP ****

INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** INTERVENÇÃO Dr. José Vital Morgado Administrador Executivo da AICEP **** Gostaria de começar por agradecer o amável convite da CIP para participarmos nesta conferência sobre um tema determinante para o

Leia mais

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15

Linha Específica. Dotação Específica do Têxtil, Vestuário e Calçado CAE das divisões 13, 14 e 15 IAPMEI/DGAE (www.iapmei.pt / www.dgae.pt) PME Invest (Linha de Crédito com juro bonificado) Linha de Crédito PME Investe III Condições e processo de candidatura A Condições 1. Condições a observar pelas

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

PME Investe III Sector do Turismo

PME Investe III Sector do Turismo PME Investe III Sector do Turismo Linha Turismo de Habitação e Turismo em Espaço Rural Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha Específica PME Investe III do Sector do Turismo, visa

Leia mais

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000

Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Salário de E-commerce Director pode chegar aos 75.000 Outras conclusões: Recrutamento na área de Marketing Digital registou crescimento de 15%. Área de E- commerce cresceu 6% Remuneração dos profissionais

Leia mais

PME IRINA MARCELINO. irina.marcelino@economico.pt

PME IRINA MARCELINO. irina.marcelino@economico.pt ESTE SUPLEMENTO FAZ PARTE INTEGRANTE DO DIÁRIO ECONÓMICO Nº 5970 DE 23 DE JULHO DE 2014 E NÃO PODE SER VENDIDO SEPARADAMENTE Guia das PME PUB Conheça os apoios que as empresas podem aproveitar Enquanto

Leia mais

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década" e lembra que "é preciso

47% em I&D duplicou. numa década. Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento. última década e lembra que é preciso Portugal investe 1,52% do PB em Investigação e Desenvolvimento Investimento numa década em I&D duplicou I&D, a sigla que sintetiza a expressão Investigação e Desenvolvimento é hoje, e mais do que nunca,

Leia mais

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008

Factores Determinantes para o Empreendedorismo. Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 Factores Determinantes para o Empreendedorismo Encontro Empreender Almada 26 de Junho de 2008 IAPMEI Instituto de Apoio às PME e à Inovação Principal instrumento das políticas económicas para Micro e Pequenas

Leia mais

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA

SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA SISTEMA PORTUGUÊS DE GARANTIA MÚTUA Prof Braga de Macedo Agosto de 2011 José Fernando Figueiredo Presidente da SPGM, das SGM e da Associação Europeia do sector AGENDA 1. NECESSIDADES DAS EMPRESAS PORTUGUESAS

Leia mais

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt

Portugal 2020. Pedro Gomes Nunes. Director Executivo. Lisboa, Fevereiro 2014. www.risa.pt Pedro Gomes Nunes Director Executivo Lisboa, Fevereiro 2014 RISA - Apresentação ÁREAS DE NEGÓCIO Estudos e Projectos + 20 anos de experiência + 1.500 candidaturas a Fundos Comunitários aprovadas. + 1,6

Leia mais

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013

SOLUÇÕES MOÇAMBIQUE-EMPRESAS JULHO 2013 JULHO 2013 EM MOÇAMBIQUE, COMO EM PORTUGAL O BPI e o BCI disponibilizam as Soluções Moçambique-Empresas, um conjunto de produtos e serviços desenhados para empresas que pretendam investir ou exportar para

Leia mais

ECONOMIA E EMPREENDEDORISMO

ECONOMIA E EMPREENDEDORISMO ECONOMIA E Rui Leão Martinho Junho 2013 O O termo empreendedor é derivado da palavra francesa entrepreneur e foi usada pela primeira vez em 1725, pelo economista irlandês Richard Cantillon, reconhecido

Leia mais

Linha de Crédito PME Investe II

Linha de Crédito PME Investe II Linha de Crédito PME Investe II Condições e procedimentos I - CONDIÇÕES GERAIS DA LINHA DE CRÉDITO 1. Beneficiários: PME, tal como definido na Recomendação 2003/361CE da Comissão Europeia, certificadas

Leia mais

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO

PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO PME S QREN OPORTUNIDADE E DESAFIO 1. Objectivo Estratégico : 1º. Banco das melhores PME Porto, 20 de Outubro de 2008 Luís Rego Direcção de Empresas Norte 1 2 Segmentação de Empresas Clientes e Redes Clientes

Leia mais

FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO. Mar./2009. rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt

FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO. Mar./2009. rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt FINICIA APOIO AO FINANCIAMENTO na fase START-UP rita.seabra@iapmei.pt ana.rosas@iapmei.pt leitao.gomes@iapmei.pt www.finicia.pt Mar./2009 FINICIA Apresentação composta por duas partes: 1. Instrumentos

Leia mais

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO

CAPI CANISM TAL DE O DE C RISCO APIT AL DE RISCO MECANISMO CAPITAL DE CAPITAL DE RISCO DE RISCO António Carvalho A Portugal Ventures InovCapital AICEP Capital Global Turismo Capital Clarificação de objectivos estratégicos e concentração de meios para

Leia mais

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S

IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S bizfeira 2020 oportunidades de financiamento Capitalizar para Internacionalizar IFD FINANCIAMENTO ÀS PME S INSTITUIÇÃO FINANCEIRA DE DESENVOLVIMENTO Europarque, S.M. Feira, 17 de Abril de 2015 Ricardo

Leia mais

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO

PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO CVGARANTE SOCIEDADE DE GARANTIA MÚTUA PROMOTORES: PARCEIROS/CONSULTORES: FUNCIONAMENTO RESUMO 14 de Outubro de 2010 O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às empresas,

Leia mais

Manual da Garantia Mútua

Manual da Garantia Mútua Março de 2007 Manual da Garantia Mútua O que é a Garantia Mútua? É um sistema privado e de cariz mutualista de apoio às pequenas, médias e micro empresas (PME), que se traduz fundamentalmente na prestação

Leia mais

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS

SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM SISTEMA DE INCENTIVOS DE APOIO LOCAL A MICROEMPRESAS 1 SIALM 2 OBJETIVO COMPLEMENTARIDADE O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas foi criado pela Portaria n.º 68, de 15 de fevereiro, e enquadra-se no Programa Valorizar, estabelecido

Leia mais

Soluções de Financiamento

Soluções de Financiamento Soluções de Financiamento andre.marco@iapmei.pt Tortosendo, 4 Dez 2012 MINISTÉRIO DA ECONOMIA E DO EMPREGO Soluções de Financiamento No quadro do Programa REVITALIZAR deverão ser considerados todas as

Leia mais

Criamos. valor à sua empresa

Criamos. valor à sua empresa Criamos valor à sua empresa ORGANIZAÇÃO Somos o que fazemos repetidamente. Então, a excelência não é um acto isolado, mas sim um hábito. Aristóteles Compromisso A FISCOSEGUR é uma organização que presta

Leia mais

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME

UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME UM CONJUNTO INTEGRADO DE SOLUÇÕES PARA APOIAR AS PME Ana Rosas Ana.rosas@iapmei.pt FINANCIAMENTO Ciclo de Vida das Empresas FINICIA FINCRESCE FINTRANS FINANCIAMENTO FINICIA Projectos de Forte Conteúdo

Leia mais

Open Course: Techniques of Financial Engineering

Open Course: Techniques of Financial Engineering Open Course: Techniques of Financial Engineering Objectivos a atingir Delimitar os domínios da Gestão financeira a curto prazo da Gestão financeira a médio m e a longo prazo; Realçar ar a importância da

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

Diagnóstico de Competências para a Exportação

Diagnóstico de Competências para a Exportação Diagnóstico de Competências para a Exportação em Pequenas e Médias Empresas (PME) Guia de Utilização DIRECÇÃO DE ASSISTÊNCIA EMPRESARIAL Departamento de Promoção de Competências Empresariais Índice ENQUADRAMENTO...

Leia mais

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial.

PROGRAMA FINICIA IAPMEI IAPMEI IAPMEI IAPMEI POTENCIAR TALENTOS. Objectivos da Área de Negócio Financiamento Empresarial. PROGRAMA FINICIA POTENCIAR TALENTOS O tem por missão promover a inovação e executar políticas de estímulo ao desenvolvimento empresarial, visando o reforço da competitividade e da produtividade das empresas,

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

O princípio da afirmação da sociedade civil.

O princípio da afirmação da sociedade civil. Dois dos Valores do PSD O Princípio do Estado de Direito, respeitante da eminente dignidade da pessoa humana - fundamento de toda a ordem jurídica baseado na nossa convicção de que o Estado deve estar

Leia mais

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital

As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital As Tecnologias de Informação e a Agenda Digital Carlos Brazão Fernando Resina da Silva 28-06-2012 1 Quem somos? Uma plataforma das associações e players de referência das TIC, juntos por uma missão para

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR +

APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + APRESENTAÇÃO DA NOVA POLÍTICA DE INCENTIVOS 2014-2020 SISTEMA DE INCENTIVOS PARA A COMPETITIVIDADE EMPRESARIAL COMPETIR + Ponta Delgada, 28 de Abril de 2014 Intervenção do Presidente do Governo Regional

Leia mais

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT?

O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Cosme 1 O QUE ABORDAMOS, EM PARTICULAR, NESTE EU REPORT? Neste EU Report abordamos, em particular, o COSME, o novo programa quadro europeu para a competitividade das Empresas e das PME (pequenas e médias

Leia mais

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação -

LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN. Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - LINHA DE CRÉDITO INVESTE QREN Condições Gerais da Linha - Documento de Divulgação - A - Condições Gerais 1. Montante Global e Linhas Específicas: (Milhões de Euros) Montante Global da Linha 1.000 Linhas

Leia mais

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes

FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA. Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes FINANCIAMENTO DA ATIVIDADE TURÍSTICA Oliveira do Hospital, 25 > Março > 2014 Miguel Mendes LINHA DE APOIO à QUALIFICAÇÃO DA OFERTA e ao EMPREENDEDORISMO NO TURISMO VALORIZAR E DIVERSIFICAR O PRODUTO TURÍSTICO

Leia mais

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1

GAI GABINETE APOIO AO INVESTIDOR PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 PME INVESTE VI LINHA ESPECÍFICA MICROS E PEQUENAS EMPRESAS INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJECTO Facilitar o acesso ao crédito por parte das PME, nomeadamente através da bonificação de taxas de juro e da minimização

Leia mais

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas

O contexto de internacionalização das start-ups. Os desafios dos BA s e suas participadas Os Business Angels O contexto de internacionalização das start-ups Os desafios dos BA s e suas participadas Possíveis apoios governamentais Os BA s têm um papel fundamental no desenvolvimento de ideias

Leia mais

Sistemas de Incentivos

Sistemas de Incentivos Sistemas de Incentivos Apoios para PME na colaboração com entidades do SCT Lurdes Pinho (Secretária Técnica Sistemas de Incentivos ON.2) 1 Enquadramento 2 Estrutura ON.2 Eixo Prioritário FEDER % PO I -

Leia mais

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes

Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo. Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Anadia, 25 de Fevereiro de 2008 Miguel Mendes 2 Apoios Financeiros ao Investimento no Turismo Índice 1 Plano Estratégico Nacional do Turismo (PENT) 2 Crédito

Leia mais

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem;

Contribuir para o desenvolvimento da região em que se inserem; SIPIE SISTEMA DE INCENTIVOS A PEQUENAS INICIATIVAS EMPRESARIAIS FICHA DE MEDIDA Apoia projectos com investimento mínimo elegível de 15.000 e a um máximo elegível de 150.000, que visem a criação ou desenvolvimento

Leia mais

Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições

Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições Empreendedorismo As Dinâmicas Empresariais e das Instituições Ordem dos Engenheiros 25 de novembro de 2015 Miguel Cruz miguel.cruz@iapmei.pt Citação For a truly innovative Europe to compete successfully

Leia mais

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 )

( DR N.º 172, Série I 4 Setembro 2009 4 Setembro 2009 ) LEGISLAÇÃO Portaria n.º 985/2009, de 4 de Setembro, Aprova a criação do Programa de Apoio ao Empreendimento e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE), a promover e executar pelo Instituto do Emprego e Formação

Leia mais

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS

PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS PME Investe III LINHAS DE CRÉDITO ÀS EMPRESAS Reforço dos Capitais Permanentes Nuno Gonçalves nuno.goncalves@iapmei.pt Linhas de Crédito Linhas LINHAS DE FINANCIAMENTO VALOR Operações Entradas Operações

Leia mais

A EMPRESA. A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em

A EMPRESA. A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em A EMPRESA A DRIVE Consultoria e Investimento, S.A. (DRIVE CI) dedica-se à prestação de serviços de gestão, em especial em áreas onde apresenta factores diferenciadores, como a representação em conselhos

Leia mais