José Luís Simões Presidente da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "José Luís Simões Presidente da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE"

Transcrição

1 FORMAÇÃO AESE FINANCIAMENTO E BOLSAS 2016

2

3 Consciente que a melhoria das empresas está indissoluvelmente ligada ao desenvolvimento pessoal dos seus dirigentes, a AESE procura desenvolver um conjunto de atividades e apoios orientados para a melhoria integral dos profissionais, abordando os aspetos sociais, familiares e espirituais que premeiam e inspiram a sua atuação. A visão internacional, o respeito pelos valores humanos e éticos e a investigação aplicada, rigorosa e atualizada são alguns dos fatores apontados pelos mais de dirigentes, que com a AESE aperfeiçoaram os seus conhecimentos em gestão e desenvolveram a sua capacidade de tomada de decisão. Com o intuito de apoiar a formação de executivos e dirigentes, a AESE e o Agrupamento de Alumni criaram e estabeleceram um conjunto de solução que visam o apoio financeiro aos participantes de programa da Escola. Como Presidente da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE tenho acompanhado o esforço da Escola para, através do seu Agrupamento de Alumni, conseguir recursos para apoiar a formação empresarial de quadros de elevado potencial. Por vezes, deparamos com situações nas quais os interessados não têm capacidade financeira imediata para suportar o custo do programa. O esforço de apoiar a formação de executivos e dirigentes, assumido pela AESE e pelo Agrupamento de Alumni da AESE tem sido apoiado por toda a comunidade dos Alumni da Escola. Continuo a contar com todos para, dentro das suas possibilidades, contribuírem para este Fundo de Apoio à Formação. José Luís Simões Presidente da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE 3

4 4 BOLSAS

5 BOLSA BABYSITTING A Bolsa Babysitting é destinada a jovens mães que participem no Executive MBA. A acelerada dinâmica que caracteriza a sociedade atual torna cada vez mais necessária a harmonização entre as vidas familiar e profissional. A gestão do tempo pessoal é, muitas vezes, difícil de conciliar com a responsabilidade de ter crianças pequenas a cargo. Como forma de apoiar jovens executivas na progressão de carreira, a AESE criou a Bolsa Babysitting. CONDIÇÕES DA BOLSA BABYSITTING O valor da Bolsa Babysitting é de euros. Esta bolsa é descontada parcialmente (250 euros) em cada um dos 5 pagamentos trimestrais do programa. Adicionalmente é necessário fornecer o nome e identificação da pessoa ou empresa que irá fazer o serviço de babysitting. CRITÉRIOS PARA USUFRUIR DA BOLSA BABYSITTING Ser admitida no Executive MBA; Ter pelo menos um filho com idade máxima de 10 anos; Uma bolsa por família (independente do número total de filhos). 5

6 BOLSA EMPREENDEDOR PRAZO PARA CANDIDATURAS: 31 DE MAIO DE 2016 A Bolsa Empreendedor cobre 70% do valor global da propina do Executive MBA ( euros). Esta bolsa é financiada através de patrocínios angariados pelo Agrupamento de Alumni da AESE e é atribuída a fundo perdido, ou seja, não é reembolsável. O beneficiário é escolhido em concurso por um júri que analisará os projetos empresariais dos candidatos e as suas características pessoais. CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A ATRIBUIÇÃO DA BOLSA EMPREENDEDOR O candidato deve obter aprovação no processo de candidatura ao Executive MBA; O candidato deve estar dedicado em regime de full-time a uma startup da qual foi fundador ou principal promotor; A empresa deve possuir um mínimo de 2 anos de atividade; Idealmente, os resultados operacionais (não tendo que ser positivos) devem mostrar uma evolução positiva, em consonância com o previsto em sede de plano de negócios; É desejado que o capital da empresa represente, pelo menos, um mínimo de 20% do investimento concretizado. O candidato deve disponibilizar o plano de negócios e fornecer a demonstração de resultados e o balanço referentes dos 2 exercícios anteriores à candidatura; Não sendo a bolsa reembolsável considera-se, contudo, razoável que o candidato contribua para o Fundo de Apoio à Formação do Agrupamento de Alumni da AESE quando terminar o Executive MBA; Neste sentido, o candidato compromete- -se a doar a este fundo o equivalente a 10% do EBIDTA do seu projeto empresarial, no primeiro ano em que a empresa alcance um EBIDTA positivo, com um valor mínimo de euros e um máximo de euros. 6

7 BOLSA PROF. CARLOS PARREIRA PRAZO PARA CANDIDATURAS: 31 DE MAIO DE 2016 A comparticipação da Bolsa Prof. Carlos Parreira nos custos das propinas é de 70% do valor global do Executive MBA ( euros). Esta bolsa, criada em honra do Professor Carlos Parreira, o 1º Diretor do Executive MBA, vai possibilitar o acesso de quadros de ONG s a programas de formação de executivos na AESE. CRITÉRIOS PARA USUFRUIR DA BOLSA PROF. CARLOS PARREIRA Tenha sido admitido(a) no Executive MBA; Tenha tido uma contribuição valiosa para a sociedade; Trabalhe numa organização sem fins lucrativos; Apresente uma dissertação, de 2000 a 2500 palavras, de um tema à escolha do candidato. O tema deverá estar relacionado com A Direção das Organizações Sociais. Inspirada nas melhores práticas desenvolvidas por universidades e escolas de negócios em todo o mundo, a AESE, através do seu Agrupamento Alumni, constituiu um fundo para financiar a atribuição de uma bolsa de estudo. Conhecendo as dificuldades que grande parte das ONG s enfrentam no seu dia-a-dia, e tendo consciência da necessidade destas instituições de uma gestão profissionalizada, assegurada por quadros devidamente formados do ponto de vista da gestão, o Agrupamento Alumni pretende atribuir, todos os anos, uma bolsa a um quadro de ONG s interessado em frequentar o Executive MBA. 7

8 8 FUNDO DE APOIO

9 FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO DO AGRUPAMENTO DE ALUMNI AESE Os valores máximos a atribuir através do FAF têm em atenção dois fatores complementares: a comparticipação da empresa empregadora do Beneficiário e a majoração em função do rendimento do participante. O Agrupamento de Membros da AESE dispõe de um fundo, constituído por donativos e contribuições de Membros e entidades privadas, destinado a apoiar profissionais na frequência dos Programas da AESE, sempre que pontual e temporariamente não possuam soluções de financiamento da totalidade dos custos associados à frequência desses mesmos Programas. Podem ser objeto de atribuição de apoio os candidatos aos Programas de média e longa duração que a AESE promove, PADE, PDE, PADIS, PGL e Executive MBA, podendo candidatar-se as pessoas que, tendo sido admitidas no Programa pela estrutura responsável pela admissão, Diretor do Programa ou Comité do Executive MBA, comprovem que à data de início do Programa não possuem condições financeiras para assegurar o pagamento integral do mesmo. Os apoios atribuídos são concedidos na forma de um adiantamento de propinas, reembolsável posteriormente, nos termos do acordo de formação assinado entre o Agrupamento de Alumni da AESE e o beneficiário. CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA A ATRIBUIÇÃO PARA UMA SIMULAÇÃO AJUSTADA AO SEU CASO, P.F. CONTACTE Os valores máximos a atribuir através do FAF têm em atenção dois fatores complementares: a comparticipação da empresa empregadora do beneficiário e a majoração em função do rendimento do participante. O Fundo de Apoio à Formação é um empréstimo sem juros, excluindo o IVA, com período de carência após a conclusão do Programa em causa. Gabinete de Admissões: Júlia Côrte-Real Tlm. [+351] Tlf. [+351] Fax [+351]

10 APEX APEX - Aliança para a Promoção da Excelência na Administração Pública surge de uma colaboração estabelecida entre o Ministério das Finanças e várias Escolas de Negócios e Universidades, da qual a AESE é um dos primeiros signatários. No âmbito deste protocolo, os candidatos da Administração Pública beneficiaram de um desconto de 80% no valor da formação, formação, excluindo viagens. 10

11 Edição AESE 2016 Fotografias arquivo fotográfico da AESE Design Gráfico atelier adão paranhos SOLUÇÕES DE FINANCIAMENTO A AESE estabeleceu contactos com diversas instituições bancárias no sentido de possibilitar a solução de financiamento que mais se adapta às suas necessidades enquanto participante num programa de formação da AESE. ACTIVOBANK Gestor: Dr.ª Rita Ferreira Tlf. (+351) ou Gestor: Dr. Mário Nogueira Tlf. (+351) BANCO POPULAR Gerente: Dr. Luís Martins Sucursal: Sá da Bandeira Porto Tlf. (+351) SANTANDER TOTTA Direção Particulares: Dr.ª Ana Joaquim Tlf. (+351)

12 AESE Lisboa Edifício AESE, Calçada de Palma de Baixo n.º 12, Lisboa Tlf. (+351) AESE Porto Rua do Pinheiro Manso n.º 662, 1.12, Porto Tlf. (+351)

REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE

REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE REGULAMENTO DE ACESSO AO FUNDO DE APOIO À FORMAÇÃO (F.A.F.) DOS ALUMNI DA AESE 0. PONTO PRÉVIO A AESE, através deste regulamento, delega no seu Agrupamento de Membros a gestão operacional do F.A.F., reservando

Leia mais

José Luís Simões Presidente da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE

José Luís Simões Presidente da Comissão Executiva do Agrupamento de Alumni da AESE FORMAÇÃO AESE FINANCIAMENTO E BOLSAS 2016 Consciente que a melhoria das empresas está indissoluvelmente ligada ao desenvolvimento pessoal dos seus dirigentes, a AESE procura desenvolver um conjunto de

Leia mais

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen

Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO. www.aese.pt/gen Em colaboração com: GESTÃO DE EMPRESAS E NEGÓCIOS GEN LEIRIA 2015 SETEMBRO E OUTUBRO www.aese.pt/gen BEM-VINDO AO GEN É com muito gosto que lhe apresentamos o GEN, criado pela AESE, numa perspetiva de

Leia mais

LISBOA JANEIRO > JULHO PROGRAMA DE DIREÇÃO. www.aese.pt/pde DE EMPRESAS. Escola associada:

LISBOA JANEIRO > JULHO PROGRAMA DE DIREÇÃO. www.aese.pt/pde DE EMPRESAS. Escola associada: PROGRAMA DE DIREÇÃO 2016 JANEIRO > JULHO LISBOA www.aese.pt/pde DE EMPRESAS Escola associada: OBJETIVOS DO PROGRAMA O PDE foi preparado para gestores com mais de 5 anos de experiência de direção, empresários

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA LISBOA 2015-16

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA LISBOA 2015-16 O PGL foi desenhado para profissionais, com mais de 5 anos de experiência, dinâmicos, com grande capacidade de trabalho e ambição de aceder a novas responsabilidades. PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA LISBOA

Leia mais

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014]

LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] LINHA DE APOIO À CONSOLIDAÇÃO FINANCEIRA EMPRESAS DO SECTOR DO TURISMO [Fonte: Turismo de Portugal, I.P., set 2014] INFORMAÇÃO SINTETIZADA 1 OBJETO Criar as condições para a adequação dos serviços de dívida

Leia mais

Enquadramento e critérios de Candidatura

Enquadramento e critérios de Candidatura Enquadramento e critérios de Candidatura A cidadania ativa constitui um elemento chave do reforço da coesão social. O Conselho da União Europeia instituiu o ano de 2011, como Ano Europeu do Voluntariado

Leia mais

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003

Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses. Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Regulamento de Apoio Financeiro à Edição de Obras de Novos Autores Portugueses Despacho Normativo n.º 9-C/2003 de 3 de Fevereiro de 2003 Na prossecução das suas atribuições cabe ao Instituto Português

Leia mais

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA PORTO 2016

PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA PORTO 2016 PROGRAMA DE GESTÃO E LIDERANÇA PORTO 2016 O PGL foi desenhado para profissionais, com mais de 5 anos de experiência, dinâmicos, com grande capacidade de trabalho e ambição de aceder a novas responsabilidades.

Leia mais

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento

5ª Edição do Prémio SIC Esperança Escola Solar Regulamento A SIC Esperança promove anualmente a entrega de um prémio a um projeto inovador ainda não implementado, que tenha como objetivo a melhoria da qualidade de vida, em particular de pessoas socialmente desfavorecidas.

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16

REGULAMENTO DO CONCURSO 5ª EDIÇÃO, 2015-16 REGULAMENTO DO CONCURSO ESTÁGIOS DE CURTA DURAÇÃO EM PORTUGAL PARA PROFISSIONAIS DE SAÚDE PROVENIENTES DOS PAÍSES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E TIMOR-LESTE 5ª EDIÇÃO, 2015-16 Artigo 1º Âmbito O presente

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior

Incentivos a Microempresas do Interior Incentivos a Microempresas do Interior Saiba como se candidatar Para que servem estes incentivos? Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões com problemas de interioridade,

Leia mais

Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades

Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades REGULAMENTO 1. Introdução O Banco Santander Totta, em parceria com as Instituições de Ensino Superior ( IES ), criou um programa para atribuição de

Leia mais

Faro, 2 de agosto de 2012

Faro, 2 de agosto de 2012 Faro, 2 de agosto de 2012 Estímulo 2012 A medida ativa de emprego Estímulo 2012, aprovada pela Portaria nº 45/2012, tem por objetivo: Apoiar a contratação de desempregados; Promovendo e aumentando a sua

Leia mais

Passaporte para o Empreendedorismo

Passaporte para o Empreendedorismo Passaporte para o Empreendedorismo Enquadramento O Passaporte para o Empreendedorismo, em consonância com o «Impulso Jovem», visa através de um conjunto de medidas específicas articuladas entre si, apoiar

Leia mais

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo

REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo REGULAMENTO TORRES INOV-E CENTRO CRIATIVO Preâmbulo TORRES INOV-E é um programa orientado para o acolhimento de propostas de negócios assentes em ideias novas e diferenciadoras ou capazes de reinventar

Leia mais

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO.

CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO. CRIAR UM EMPREGO CRIA MUITO MAIS DO QUE UM EMPREGO O emprego tem uma enorme importância tanto para os indivíduos como para a sociedade Para além de ser uma fonte de rendimento, uma forma de ocupação e

Leia mais

PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS

PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS 2016 JANEIRO > JULHO PORTO www.aese.pt/pde Escola associada: PROGRAMA DE DIREÇÃO DE EMPRESAS OBJETIVOS DO PROGRAMA O PDE atinge este ano a sua sexagésima edição, destacando-se como o Programa mais vezes

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo aos Estudantes dos Cursos do Primeiro Ciclo da Escola Superior de Saúde do Alcoitão (Aprovado por Deliberação de Mesa nº466/14, de 22 de Abril, com as alterações

Leia mais

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO

CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS VEM REGULAMENTO PARTE I ENQUADRAMENTO GERAL Artigo 1.º Âmbito das iniciativas de apoio a empreendedores emigrantes O Alto Comissariado para as Migrações, I.P. (doravante ACM, I.P.) propõe

Leia mais

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN

FUNDAÇÃO CALOUSTE GULBENKIAN REGULAMENTO DE BOLSAS DE PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO PARA ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA OFICIAL PORTUGUESA E DE TIMOR-LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº 1º 1. Com o objetivo de estimular a Investigação

Leia mais

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014

Medidas Ativas de Emprego. Junho 2014 Medidas Ativas de Emprego Junho 2014 Intervenção do SPE A intervenção prioritária deve ser o ajustamento entre quem procura e quem oferece emprego. Quem procura o SPE quer acima de tudo um emprego. Quando

Leia mais

FINICIA. Como funciona?

FINICIA. Como funciona? FINICIA O FINICIA consiste no financiamento bancário em regime bonificado para a criação de novas microempresas e para expansão de atividades de empresas já constituídas na fase inicial do seu ciclo de

Leia mais

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada

APOIOS AO EMPREGO. Açores. Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada APOIOS AO EMPREGO Açores Câmara do Comércio e Indústria de Ponta Delgada Índice EMPREGO INTEGRA... 2 PROGRAMA DE INCENTIVO À INSERÇÃO DO ESTAGIAR L E T... 4 ESTAGIAR... 6 PROGRAMA DE ESTÁGIOS DE RECONVERSÃO

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO

REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO REGULAMENTO DE CONCESSÃO DE INCENTIVOS AO INVESTIMENTO Considerando que os Municípios dispõem de atribuições no domínio da promoção do desenvolvimento, de acordo com o disposto na alínea n) do n.º 1 do

Leia mais

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014

MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO. 23 de outubro de 2014 MEDIDAS DE APOIO AO EMPREGO 23 de outubro de 2014 APOIOS À CONTRATAÇÃO ESTÍMULO EMPREGO Caracterização Apoio financeiro às entidades empregadoras que celebrem contratos de trabalho com desempregados inscritos

Leia mais

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica

Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica Atribuição de Bolsas de Estudo a atletas do programa de preparação paralímpica e surdolímpica REGULAMENTO Exposição de Motivos A relação entre o desporto e a educação constitui-se como um fator de grande

Leia mais

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO

WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO WORKSHOP :EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à Criação do Próprio Emprego e de Empresas 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio

Leia mais

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo

Programa Local de Responsabilidade Social de Ferreira do Alentejo Regulamento do Programa Local de Responsabilidade Social de Preâmbulo O projeto Ferreira Solidária, financiado pelo Programa dos Contratos Locais de Desenvolvimento Social, prevê, no eixo 1, a implementação

Leia mais

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) -

REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - REGULAMENTO DE INCENTIVOS À CRIAÇÃO DE EMPREGO E AO EMPREENDEDORISMO JOVEM - VERSÃO ATUALIZADA (DEZ/2014) - PREÂMBULO A definição e implementação de uma política local promotora da dinamização da atividade

Leia mais

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo.

Centro de Emprego da Maia. Estágios Emprego. Reativar. Emprego Jovem Ativo. Estímulo Emprego. Mobilidade Geográfica. Empreendedorismo. Centro de Emprego da Maia Estágios Emprego Reativar Emprego Jovem Ativo Estímulo Emprego Mobilidade Geográfica Empreendedorismo Adolfo Sousa maiago, 14 maio 2015 Taxa de Desemprego em Portugal - INE 0

Leia mais

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa

FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO. Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa FORMULÁRIO DE INSCRIÇÃO Organização GEBALIS,EM, S.A. Diretor(a) Sergio Lopes Cintra Setor de Atividade Gestão do Arrendamento Social em Bairros Municipais de Lisboa Número de Efetivos 200 NIF 503541567

Leia mais

Volta de Apoio ao Emprego 2014

Volta de Apoio ao Emprego 2014 Volta de Apoio ao Emprego 2014 Apoios ao Empreendedorismo 1. Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE) 2. Programa Investe Jovem 3.O Ninho de Empresas de Loulé 2014-10-23

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral

ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA. Conselho Geral ESCOLA SECUNDÁRIA DA RAMADA Conselho Geral DEFINIÇÃO DAS LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELO DIRETOR, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR (2013-14) De acordo com o Decreto-Lei

Leia mais

LINHA DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDA BANCÁRIA DAS EMPRESAS DOS AÇORES E APOIO À LIQUIDEZ

LINHA DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDA BANCÁRIA DAS EMPRESAS DOS AÇORES E APOIO À LIQUIDEZ LINHA DE APOIO À REESTRUTURAÇÃO DE DÍVIDA BANCÁRIA DAS EMPRESAS DOS AÇORES E APOIO À LIQUIDEZ 1- O que é a Linha de Apoio à Reestruturação de Dívida Bancária das Empresas dos Açores e Apoio à Liquidez?

Leia mais

Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas: ABERTURA DE CONCURSOS

Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas: ABERTURA DE CONCURSOS Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas: ABERTURA DE CONCURSOS O SIALM Sistema de Incentivos de Apoio Local a Microempresas é a principal bandeira do Programa VALORIZAR. Com esta medida as

Leia mais

PROGRAMA IMPULSO JOVEM

PROGRAMA IMPULSO JOVEM PROGRAMA IMPULSO JOVEM (O PROGRAMA IMPULSO JOVEM APRESENTA UM CONJUNTO DE MEDIDAS DE INCENTIVO À CRIAÇÃO DE EMPREGO JOVEM, UM DOS PRINCIPAIS DESAFIOS COM QUE PORTUGAL SE CONFRONTA ATUALMENTE.) 1. PASSAPORTE

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional

REGULAMENTO INTERNO. Atribuição de Apoios Sociais. Formação Profissional REGULAMENTO INTERNO Atribuição de Formação Profissional Elaborado em Junho de 2012 Introdução A Associação Portuguesa de Pais e Amigos do Cidadão Deficiente Mental (A.P.P.A.C.D.M.) de Coimbra é uma Instituição

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL

ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL ASSOCIAÇÃO PARA A ECONOMIA CÍVICA PORTUGAL MISSÃO A Associação para a Economia Cívica Portugal é uma Associação privada, sem fins lucrativos cuja missão é: Promover um novo modelo de desenvolvimento económico

Leia mais

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução

REGULAMENTO. Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades. Introdução REGULAMENTO Programa de Bolsas de Estágio Santander Universidades Introdução O Banco Santander Totta, S.A., em parceria com as Instituições de Ensino Superior aderentes (doravante «IES»), e através da

Leia mais

Município de Vieira do Minho

Município de Vieira do Minho REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO AO ASSOCIATIVISMO Preâmbulo O Associativismo constitui um esteio importante e singular de intervenção da sociedade civil na realização e prática de atividades de índole cultural,

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSAS SANTANDER LUSO-BRASILEIRAS CONVOCATÓRIA 2015 É do interesse das Instituições de Ensino Superior promover a excelência do ensino, propiciando aos seus estudantes

Leia mais

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos

Gabinete de Ação Social e Saúde Pública EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! Banco Local de Voluntariado de Barcelos EU MUDO O MUNDO. SOU VOLUNTÁRIO! ENQUADRAMENTO Nos termos da alínea b) do n.º 4 do art.º 64º da Lei das Autarquias Locais, aprovado pela Lei 169/99, em 18 de Setembro e alterado pela Lei n.º 5-A/2002,

Leia mais

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO

CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO CONVITE À APRESENTAÇÃO DE PROPOSTAS INOVAÇÃO EM FINANCIAMENTO FUNDO COMUM PARA OS PRODUTOS BÁSICOS (FCPB) BUSCA CANDIDATURAS A APOIO PARA ATIVIDADES DE DESENVOLVIMENTO DOS PRODUTOS BÁSICOS Processo de

Leia mais

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO

Bolsa de Inovação da Secção Regional de Lisboa DA ORDEM DOS FARMACÊUTICOS REGRAS DE ATRIBUIÇÃO A Direcção da Secção Regional de Lisboa da Ordem dos Farmacêuticos, reunida em sessão de 18 de Julho de 2012, deliberou instituir uma Bolsa, destinada a apoiar projectos de investigação e projectos profissionais

Leia mais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais

Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Ministério Federal do Trabalho e dos Assuntos Sociais Directiva para o programa especial da Federação Alemã para o Fomento da mobilidade profissional de jovens interessados em formação e jovens profissionais

Leia mais

GOS GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS LISBOA E PORTO 2016. www.aese.pt/gos. Escola associada:

GOS GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS LISBOA E PORTO 2016. www.aese.pt/gos. Escola associada: GOS www.aese.pt/gos GESTÃO DAS ORGANIZAÇÕES SOCIAIS LISBOA E PORTO 2016 Escola associada: MENSAGEM DOS DIRETORES DO GOS Gerir organizações da economia social apresenta hoje desafios mais atuais que antigos

Leia mais

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO

I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1. Incentivos à CONTRATAÇÃO I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Page 1 Incentivos à CONTRATAÇÃO Abril 2015 I N C E N T I V O S À C O N T R A T A Ç Ã O Pag. 2 ÍNDICE 1. Introdução... 4 1.1. Enquadramento... 4 1.2. Objetivos

Leia mais

MECENATO DESPORTIVO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO

MECENATO DESPORTIVO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE NATAÇÃO O QUE É? Mecenas são as pessoas singulares ou colectivas que apoiam, através da concessão de donativos, entidades públicas ou privadas que exerçam acções relevantes para

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO MUNICÍPIO DE S. PEDRO DO SUL GABINETE DE DESPORTO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO REGULAMENTO MUNICIPAL DE APOIO E FINANCIAMENTO DO ASSOCIATIVISMO DESPORTIVO

Leia mais

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA

Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Sessão de Divulgação - ALBUFEIRA Entidade: Centro de Emprego de Loulé Tema: Apoios à de Empresas e Criação do Próprio Emprego IEFP,I.P. 1. O Plano de Negócios 2. Apoios à Criação do Próprio Emprego ou

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas

Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Regulamento de Atribuição de Subsídios e Apoios às Coletividades e Associações sem fins lucrativos da Freguesia de Vendas Novas Preâmbulo De acordo com a atual legislação, nomeadamente, a alínea f), do

Leia mais

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas

Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Sessão de Esclarecimento Balanço das Medidas Anti-Cíclicas Açores Investe Linha de apoio à reestruturação de dívida bancária das empresas dos Açores Proposta de decreto legislativo regional que altera

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS

PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS PROGRAMA DE APOIO AO EMPREENDEDORISMO E À CRIAÇÃO DO PRÓPRIO EMPREGO REGULAMENTO DO APOIO TÉCNICO À CRIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO DE PROJETOS Portaria n.º 985/2009, de 4 de setembro, alterada pela Portaria n.º

Leia mais

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito

Fundamentação. Artigo 1º Âmbito Regulamento Interno Fundamentação As preocupações sociais da Associação Vidas Cruzadas estão bem patentes nos objectivos de intervenção desta Instituição. Face ao actual contexto sócio económico cujas

Leia mais

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar

Incentivos a Microempresas do Interior. Saiba como se candidatar Incentivos a Microempresas do Interior 3 Incentivos a Microempresas do Interior Para que servem estes incentivos? 4 5 Este regime de incentivos apoia microempresas localizadas no Interior ou em regiões

Leia mais

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito

REGULAMENTO. Artigo 1º. Objeto e âmbito REGULAMENTO O presente regulamento estabelece os procedimentos associados à medida «Passaporte para o Empreendedorismo», regulamentada pela Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, estabelecida

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM EMPREENDEDORISMO E CRIAÇÃO DE EMPRESAS Artigo 1.º Criação A Universidade

Leia mais

Estímulo Emprego. Promotores

Estímulo Emprego. Promotores Estímulo Emprego Apoio financeiro aos empregadores que celebrem contratos de trabalho a termo certo por prazo igual ou superior a 6 meses ou contratos de trabalho sem termo, a tempo completo ou a tempo

Leia mais

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO

REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO REGULAMENTO MUNICIPAL CARTÃO DO IDOSO ÍNDICE Preâmbulo Artigo 1.º - Âmbito Artigo 2.º - Objetivo Artigo 3.º - Condições de Atribuição Artigo 4.º - Organização Processual Artigo 5.º - Benefícios do Cartão

Leia mais

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO

MUNICÍPIO DA BOA VISTA CÂMARA MUNICIPAL PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR BOA VISTA 2015 REGULAMENTO O Prémio do Jovem Empreendedor é um projecto da Câmara Municipal da Boa Vista, em parceria com a Agência para o Desenvolvimento Empresarial e Inovação

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 REGULAMENTO DO PROGRAMA DE MOBILIDADE BOLSA IBERO-AMÉRICA. ESTUDANTES DE LICENCIATURA E MESTRADO SANTANDER UNIVERSIDADES CONVOCATÓRIA 2015 O Programa Bolsas Ibero-américa. Estudantes de Licenciatura e

Leia mais

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE

REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE REGULAMENTO DA BOLSA DE ALIMENTAÇÃO 2013/14 1.º SEMESTRE 1 PREÂMBULO A Associação Académica da Universidade da Madeira (AAUMa) tem uma missão ampla e variada, onde está prevista a participação na definição

Leia mais

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução

PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO. Regulamento do Programa de Bolsas de Educação. Introdução PROGRAMA RESPONSABILIDADE SOCIAL EDUCAÇÃO Regulamento do Programa de Bolsas de Educação Introdução Considerando a importância e oportunidade do Programa de Responsabilidade Social do Comité Olímpico de

Leia mais

Regulamento Municipal. de apoio à inovação, empreendedorismo e empregabilidade

Regulamento Municipal. de apoio à inovação, empreendedorismo e empregabilidade Regulamento Municipal de apoio à inovação, empreendedorismo e empregabilidade Considerando que o Governo da República aprovou, em Conselho de Ministros Extraordinário de 13 de Dezembro último, um pacote

Leia mais

A Concepção da Ideia

A Concepção da Ideia A Concepção da Ideia Inov@emprego - Fórum do emprego, formação e empreendedorismo do litoral alentejano Tiago Santos Sines, 7 de Novembro de 2008 Sines Tecnopolo O Sines Tecnopolo é uma associação de direito

Leia mais

Manual de Operacionalização

Manual de Operacionalização Manual de Operacionalização Programa de Criação de Espaços Públicos de Acesso à Internet em Bibliotecas Públicas Municipais, Ludotecas, Museus Municipais e Arquivos Municipais Agosto de 2004 Iniciativa:

Leia mais

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO

EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO EDIÇÃO 2015 REGULAMENTO Norma I Objetivos 1. No quadro da sua política de Responsabilidade Social, e no cumprimento da sua missão mutualista, o Montepio, através da Fundação Montepio, tem vindo a privilegiar

Leia mais

17ª EDIÇÃO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR REGULAMENTO

17ª EDIÇÃO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR REGULAMENTO 17ª EDIÇÃO PRÉMIO JOVEM EMPREENDEDOR REGULAMENTO 01.ENQUADRAMENTO E INFORMAÇÃO GERAL O Prémio do Jovem Empreendedor é um projeto da ANJE, criado em 1998, com o apoio do Instituto de Emprego e Formação

Leia mais

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO

GUIA PARA O PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO PROMOÇÃO DA SAÚDE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DA DOENÇA REDUÇÃO DE DANOS E REINSERÇÃO Para efectuar o projecto a que se propõe elaborar deve ler o Regulamento de Programa de Apoio Financeiro ao abrigo da Portaria n.º 1418/2007, de 30 de Outubro, bem como o aviso de abertura do concurso.

Leia mais

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL

M U N I C Í P I O D E V A L E N Ç A C ÂM ARA MUNIC I PAL REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE BOLSAS DE ESTUDO Nota justificativa Os municípios são autarquias locais que têm como objetivo primordial a prossecução dos interesses próprios e comuns dos respetivos

Leia mais

Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo)

Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo) Linha de Crédito Açores Investe II (Prorrogação do Prazo) Objetivo - Financiar o reforço do fundo de maneio ou dos capitais permanentes e investimento novo em ativos fixos corpóreos ou incorpóreos; - Até

Leia mais

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante

E R A S M U S Guia do Estudante ERASMUS. Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa. Guia do Estudante ERASMUS Faculdade de Farmácia Universidade de Lisboa Guia do Estudante Normas Gerais A mobilidade de estudantes, uma das acções mais frequentes do Programa, inclui duas vertentes de actividade: realização

Leia mais

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira

SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira SIPPE-RAM Sistemas de Incentivos a Pequenos Projectos Empresariais da Região Autónoma da Madeira O presente documento pretende fazer um resumo do Decreto Legislativo Regional n.º 21/2/M de 21 de Agosto

Leia mais

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO

REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO REGULAMENTO DO PASSAPORTE PARA O EMPREENDEDORISMO Artigo 1º Âmbito Ao abrigo do n.º 1 do artigo 8.º da Portaria n.º 370-A/2012, de 15 de novembro de 2012, o presente regulamento estabelece os procedimentos

Leia mais

[objetivo do Projeto]

[objetivo do Projeto] [objetivo do Projeto] objetivo geral: Combater o elevado desemprego jovem que representa já mais de 35% dos jovens, sendo que 13,5% nem trabalha nem estuda. [objetivo do Projeto] objetivo específico: A

Leia mais

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO

PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO PROPOSTA CONJUNTA IEFP- CASES PROGRAMA NACIONAL DE MICROCRÉDITO CONSIDERANDO: A Portaria n^ 985/2009, de 4 de Setembro, criou o Programa de Apoio ao Empreendedorismo e à Criação do Próprio Emprego (PAECPE),

Leia mais

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO

AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO AVISO DE ABERTURA DE CANDIDATURAS A APOIO FINANCEIRO Tendo em conta os princípios constantes do Programa do XVII Governo Constitucional em matéria de política de saúde, foi definido, pelo Decreto Lei n.º

Leia mais

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento

Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico. Regulamento Prémio Santander Totta / Universidade Nova de Lisboa, de Jornalismo Económico Regulamento Considerando que se mostra da maior relevância: a) Reconhecer e premiar a excelência de trabalhos jornalísticos

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES SECRETARIA REGIONAL DA AGRICULTURA E FLORESTAS DIRECÇÃO REGIONAL DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO SAFIAGRI Sistema de Apoio Financeiro à Agricultura Linha de Crédito ao Fundo de Maneio

Leia mais

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA

PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA PROTOCOLO FINANCEIRO ENTRE A CGD E O ICAM A FAVOR DO SECTOR DO CINEMA Considerando: A importância do sector do Cinema como vector de dinamização das expressões artísticas e de contribuição para o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE

REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE REGULAMENTO DAS BOLSAS DE INVESTIGAÇÃO PARA PÓS-GRADUAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO DESTINADAS A ESTUDANTES AFRICANOS DE LÍNGUA PORTUGUESA E DE TIMOR LESTE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artº. 1º. 1. Com o fim principal

Leia mais

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas

Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Linha de Crédito PME Investe III Linha Específica para as Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito, criada no âmbito da Linha PME Investe III, visa facilitar o acesso ao crédito por parte

Leia mais

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas

PME Investe VI. Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas PME Investe VI Linha de Crédito Micro e Pequenas Empresas Objectivos Esta Linha de Crédito visa facilitar o acesso ao crédito por parte das micro e pequenas empresas de todos os sectores de actividade,

Leia mais

ANEXO. Regulamento do Prémio Jerónimo Martins/GPA Investigação e Desenvolvimento Sustentável

ANEXO. Regulamento do Prémio Jerónimo Martins/GPA Investigação e Desenvolvimento Sustentável ANEXO Regulamento do Prémio Jerónimo Martins/GPA Investigação e Desenvolvimento Sustentável Preâmbulo A GCI, Agência Portuguesa do Ambiente (APA) e a Quercus (Associação Nacional de Conservação da Natureza),

Leia mais

Regulamento do Concurso

Regulamento do Concurso Regulamento do Concurso Preâmbulo Considerando que, constituem objectivos do CRÉDITO AGRÍCOLA, enquanto Entidade Promotora: - Promover iniciativas empresariais inovadoras e conciliadoras com sinergias

Leia mais

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo

U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento. Preâmbulo U CAN Bolsas de Estudo Universitárias Regulamento Preâmbulo O Programa Escolhas, tutelado pela Presidência do Conselho de Ministros e integrado no Alto Comissariado para as Migrações, I.P., tem como um

Leia mais

CANDIDATURAS ABERTAS:

CANDIDATURAS ABERTAS: Resumo das candidaturas aos Sistemas de Incentivos QREN CANDIDATURAS ABERTAS: Sistema de Incentivos à Investigação e Desenvolvimento Tecnológico Tipologia de Projectos Abertura Encerramento Individuais

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Gestão e Economia REGULAMENTO DO 2º CICLO DE ESTUDOS CONDUCENTES AO GRAU DE MESTRE EM GESTÃO DE UNIDADES DE SAÚDE Artigo 1.º Criação A Universidade da Beira

Leia mais

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal

Cartão Almodôvar Solidário. Regulamento Municipal Cartão Almodôvar Solidário Regulamento Municipal junho de 2015 Regulamento do Cartão Almodôvar Solidário Proposta de Regulamento aprovada por Deliberação da Câmara Municipal, na Reunião Ordinária de 11

Leia mais

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão

O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 1 2 O que pode a União Europeia fazer pelas pessoas? O Fundo Social Europeu é uma resposta a esta questão 3 A origem do Fundo Social Europeu O Fundo Social Europeu foi criado em 1957 pelo Tratado de Roma,

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20

REGULAMENTO ESPECÍFICO DO MADEIRA 14-20 AVISO PARA APRESENTAÇÃO DE CANDIDATURAS PROGRAMA OPERACIONAL DA 2014-2020 (MADEIRA 14-20) EIXO PRIORITÁRIO 3 Reforçar a Competitividade das Empresas PRIORIDADE DE INVESTIMENTO (PI) 3.b Desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016. Preâmbulo REGULAMENTO DO PROGRAMA DE APOIO A BOLSAS DE QUALIFICAÇÃO E ESPECIALIZAÇÃO ARTÍSTICA 2016 Preâmbulo O departamento de Acção Cultural da Fundação GDA, através do programa de Apoio a Bolsas de Qualificação

Leia mais

Sessão de esclarecimento ACIB. Barcelos, 28 de março de 2012

Sessão de esclarecimento ACIB. Barcelos, 28 de março de 2012 Sessão de esclarecimento ACIB Barcelos, 28 de março de 2012 O IEFP, I.P. É UM SERVIÇO PÚBLICO DE EMPREGO COM ATENDIMENTO PERSONALIZADO E GRATUITO QUE PODE APRESENTAR SOLUÇÕES PARA A SUA EMPRESA FACULTA

Leia mais

Investir no Atlântico

Investir no Atlântico Investir no Atlântico Domínio Competitividade e Internacionalização Região Competitiva, Resiliente, Empreendedora e Sustentável com base na valorização do Conhecimento UALG 17 novembro de 2015 Sistemas

Leia mais

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA

LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA CONSELHO GERAL LINHAS ORIENTADORAS DO PLANEAMENTO E EXECUÇÃO, PELA DIRETORA, DAS ATIVIDADES NO DOMÍNIO DA AÇÃO SOCIAL ESCOLAR PARA 2015 O regime jurídico dos apoios concedidos pelo Estado no âmbito da

Leia mais

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais)

Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES. Regulamento. Artigo 1º (Disposições Gerais) Reitoria PROGRAMA DE BOLSAS DE MOBILIDADE PARA ESTUDANTES Regulamento Artigo 1º (Disposições Gerais) O Programa de Bolsas de Mobilidade para Estudantes da Universidade de Lisboa tem por objectivo proporcionar

Leia mais

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL

REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL REGULAMENTO DE APOIO A INICIATIVAS EMPRESARIAIS ECONÓMICAS DE INTERESSE MUNICIPAL Nota Justificativa O Município de Mirandela tem entendido como de interesse municipal as iniciativas empresariais de natureza

Leia mais

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde

Programa Gulbenkian Inovar em Saúde REGULAMENTO DO CONCURSO Concurso para financiamento de projetos em Literacia em Saúde 2013 Artigo 1º Objeto O presente Regulamento estabelece as normas de acesso ao concurso para financiamento de projetos

Leia mais

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação)

EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) EXECUTIVE MASTER OF FASHION BUSINESS (Pós-graduação) Rua Castilho 90 2ºesq 1250-071 Lisboa, Portugal Rua José Gomes Ferreira nº219 - Aviz 4150-442 Porto, Portugal info@beill.pt / www.beill.pt Sobre A Beill

Leia mais