A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS"

Transcrição

1 A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS

2 Í N D I C E P Á G I N A 1) CONCEITOS BÁSICOS 2) RESPONSABILIDADE POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 3) HIPÓTESES DE INAPLICABILIDADE DO REGIME 4) BASE DE CÁLCULO DO ICMS/ST ) CÁLCULO DO ICMS/ST EMPRESAS DA CATEGORIA GERAL E EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL 6) OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS EMISSÃO DE NOTA FISCAL 7) MERCADORIAS SUJEITAS AO REGIME DE ST NO RS 8) COBRANÇA DO ICMS/ST SOBRE MERCADORIAS EM ESTOQUE 9) FUNDAMENTOS LEGAIS 10) PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS

3 A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS SOBRE OPERAÇÕES SUBSEQUENTES COM MERCADORIAS 1) CONCEITOS BÁSICOS 1.1) Substituição Tributária do ICMS: regime tributário em que a responsabilidade pelo recolhimento do imposto, devido em relação às operações subsequentes, que, presumidamente, serão praticadas, é atribuída a outro contribuinte em geral, o remetente. Em outras palavras, a lei elege uma terceira pessoa para cumprimento da obrigação tributária, em lugar do contribuinte natural. O regime tem sido intensificado pelos Estados, como instrumento de política tributária para recuperação de receita do ICMS, mediante melhoria do controle fiscal. Não deve, contudo, elevar a carga tributária, onerando a cadeia e o consumidor final; Assim, a Substituição Tributária em Operações Subsequentes aplica-se quando o recolhimento do imposto devido pelo adquirente ou destinatário da mercadoria, nas sucessivas operações até o consumidor final, ficar sob a responsabilidade do alienante ou remetente da mercadoria. Diz-se, comumente, substituição tributária para frente. 1.2) Contribuinte do Imposto (Substituído): é o sujeito passivo da obrigação principal, titular do dever de pagar o tributo, quando tenha relação pessoal e direta com a situação que constitui o respectivo fato gerador ou seja, é quem pratica o fato gerador do ICMS, a circulação jurídica e econômica de mercadorias. Exemplos: o atacadista, o distribuidor e o varejista. 1.3) Responsável Tributário (Substituto): é o sujeito passivo da obrigação principal quando, sem se revestir da condição de contribuinte, sua obrigação decorra de disposição expressa de lei o contribuinte eleito por lei para antecipar o recolhimento do imposto devido pelas operações subsequentes, até que a mercadoria chegue ao consumidor final. Exemplos: fabricante, importador e estabelecimento que receba mercadorias de fora do Estado sema retenção e recolhimento do imposto. 1.4) Fiscalização: essa forma de tributação e arrecadação centraliza o recolhimento do imposto devido por terceiros no contribuinte substituto, facilita a fiscalização e estimula a igualdade na tributação, impedindo a concorrência desleal entre contribuintes que recolhem e os que não recolhem regularmente seus tributos. 3

4 Com o ICMS/ST, as operações comerciais ganham agilidade e simplicidade na emissão de documentos fiscais e escrituração dos livros, além de atenuar distorções concorrenciais entre contribuintes do mesmo ramo de atividades. Logo, a substituição tributária se configura em técnica de tributação mais eficiente, que possibilita racionalizar a fiscalização do cumprimento das obrigações tributárias pelos contribuintes, constituindo-se em uma importante ferramenta utilizada pelo Estado para ampliar sua base de arrecadação, mediante melhoria do controle fiscal, diminuindo a sonegação de impostos e, consequentemente, gerando receitas em benefício da sociedade. 2) RESPONSABILIDADE POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA A responsabilidade por substituição tributária poderá ser atribuída em relação ao imposto incidente sobre uma ou mais operações/prestações, sejam antecedentes, concomitantes ou subsequentes (mais comum), inclusive em relação ao valor decorrente da diferença entre alíquota interna e interestadual, no caso de aquisição de mercadorias oriundas de outros Estados e destinadas a uso e consumo do contribuinte destinatário. Vejamos o seguinte esquema, para facilitar a compreensão da sistemática em análise: Produtor Importador (Substituto) ICMS (próprio e ST) Atacadista (substituído) 0% (imposto antecipado anteriormente) Varejista (substituído) 0% (imposto antecipado anteriormente) Consumidor Final 2.1) Operações Internas: Atribuição da Responsabilidade Em geral, a responsabilidade por substituição tributária, nas operações internas, será atribuída aos seguintes contribuintes: 2.1.1) estabelecimento industrializador das mercadorias sujeitas ao regime; 2.1.2) estabelecimento que recebeu as mercadorias oriundas de outra unidade da Federação, salvo se tiverem sido recebidas com o recolhimento do ICMS/ST; 2.1.3) contribuinte gaúcho (inclusive varejista), destinatário de mercadoria sujeita à ST, em operação interna ou interestadual, quando a responsabilidade for atribuída ao alienante ou ao remetente e este não efetuar a retenção ou efetuar retenção a menor do imposto; 4

5 2.1.4) estabelecimento que importou as mercadorias do exterior; 2.1.5) estabelecimento que adquiriu mercadorias importadas do exterior, apreendidas ou abandonadas; e, ainda, ao 2.1.6) estabelecimento distribuidor das mercadorias, quando se tratar de produtos farmacêuticos relacionados no Apêndice II, Seção III, item VI. 2.2) Operações Interestaduais: Atribuição da Responsabilidade 2.2.1) Responsabilidade do Contribuinte Remetente: a responsabilidade por substituição tributária, nas operações interestaduais envolvendo Estados signatários de Protocolos ou Convênios, será, em regra, atribuída ao remetente, mesmo que o imposto já tenha sido retido anteriormente ) Necessidade de Protocolo ou Convênio. Observância da Legislação de Destino: o fornecedor remetente, na condição de sujeito passivo por substituição, seja ele industrial ou comercial, atacadista ou varejista, optante do Simples Nacional ou não, observará as normas da legislação da unidade da Federação de destino da mercadoria, devendo reter e recolher o ICMS, por substituição tributária, desde que esteja situado em Estado com o qual o Rio Grande do Sul tenha celebrado Protocolo ou Convênio para a instituição do regime de substituição tributária, por ocasião da saída da mercadoria. Ademais, a responsabilidade do contribuinte remetente pelo imposto devido pelo contribuinte destinatário pode alcançar também as operações de entrada de mercadorias em operações interestaduais, destinadas a uso, consumo ou ativo permanente do destinatário, quando assim houver previsão nos respectivos Protocolos ou Convênios firmados entre os Estados envolvidos ) Decorrências Lógicas das Ope rações Interestaduais com Mercadorias Sujeitas à ST: a) nas vendas para contribuintes localizados em Estados signatários de Protocolos ou Convênios, de mercadorias recebidas anteriormente com ST, deverá ser recolhido o ICMS/ST, tendo-se direito à restituição do imposto pago ao RS, já que o fato gerador presumido não ocorreu no âmbito de nosso Estado; b) nas compras ou vendas para contribuintes de Estados não signatários de Protocolos ou Convênios, será destacado e recolhido apenas o ICMS próprio, calculado de acordo com a alíquota interestadual, conforme Estado destinatário. O destinatário será o responsável pelo ICMS/ST na entrada das mercadorias, sujeitas ao regime no âmbito interno de seu Estado. Nesse caso, pode acordar o recolhimento, em seu nome, pelo fornecedor, a cada operação, para que a guia acompanhe o transporte e evite problemas nas barreiras fiscais); c) nas vendas para consumidor final, não há em que se falar em ICMS/ST, mas somente no ICMS próprio, que deverá ser calculado com base na alíquota interna. 5

6 3) HIPÓTESES DE INAPLICABILIDADE DO REGIME A substituição tributária não será aplicada nas seguintes hipóteses: 3.1) Transferências para outro estabelecimento: não se aplica a ST nas transferências entre estabelecimentos da empresa fabricante ou importadora, exceto se o estabelecimento recebedor for varejista ou atacadista de empresa que não possua estabelecimento industrial no ramo de fumo no RS, nas operações com cigarros e outros produtos derivados do fumo; e 3.2) Destinatário sujeito passivo por substituição da mesma mercadoria: a ST não será aplicada às operações que destinem mercadorias a estabelecimento importador ou industrial, definido pela legislação tributária do RS como substituto tributário nas operações internas com as mercadorias remetidas. Nesses casos, a substituição tributária caberá ao estabelecimento destinatário que promover a saída subseqüente da mercadoria para a) contribuinte deste Estado, quando se tratar de saída interna; ou b) estabelecimento de terceiros ou varejista da mesma empresa, quando se tratar de saída interestadual. 4) BASE DE CÁLCULO DO ICMS/ST Em geral, a base de cálculo do ICMS, na sistemática da substituição tributária, em relação às operações subsequentes, levará em conta os seguintes elementos, de acordo com as determinações legais dispostas para cada tipo de mercadoria: (i) o preço de venda a consumidor constante de tabela estabelecida por órgão competente, acrescido do valor do frete; ou, em sua falta, (ii) o preço praticado pelo remetente, acrescido dos valores correspondentes a frete, seguro, impostos e outros encargos transferíveis ou cobrados do destinatário, adicionado da parcela resultante da aplicação sobre o referido montante do percentual de margem de valor agregado (MVA) estabelecido para cada mercadoria, de acordo com as disposições do RICMS/RS. Assim, a base de cálculo do ICMS/ST deverá ser analisada caso a caso, tendo em vista que a legislação estadual (RICMS/RS) determina bases de cálculo diversas, de acordo com cada mercadoria sujeita a esse regime de tributação. 5) CÁLCULO DO ICMS/ST EMPRESAS DA CATEGORIA GERAL E EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL O ICMS/ST a ser retido e, recolhido, tanto para as empresas do Simples Nacional quanto para aquelas da categoria geral, será o valor resultante da diferença entre o imposto calculado mediante aplicação da alíquota estabelecida para as operações internas sobre a base de cálculo definida para a substituição e o devido pela operação própria do contribuinte remetente. 6

7 Vejamos abaixo alguns exemplos de cálculos, considerando-se hipotéticos os dados: Operação Interestadual com Contribuinte Localizado em Estado Signatário de Protocolo com o Rio Grande do Sul Mercadoria Sujeita à Substituição Tributária Exemplo: Contribuinte de SP vende para Contribuinte do RS a) Valor da Operação b) Crédito de ICMS (operação própria do fornecedor/remetente) c) Base de Cálculo da ST (valor da operação + despesas cobradas do adquirente + MVA). Obs.: MVA interestadual: 45,43% d) Cálculo do ICMS/ST {(BC ST x alíquota interna) - ICMS próprio do fornecedor} e) Valor Total da NF do fornecedor/remetente (sujeito passivo por substituição) R$ 1.000,00 R$ 120,00 (1.000,00 * 12%) R$ 1.745,16 {(1.000, ,00) * 1,4543} {(1.745,16 x 17% ) - 120} 296,68-120,00 = R$ 176,68 (a + d = 1.000, ,68) R$ 1.176,68 Operação Interestadual com Contribuinte Localizado em Estado Não Signatário de Protocolo Mercadoria Sujeita à Substituição Tributária Apenas no ÂmbitoInterno do RS Exemplo: Contribuinte de SC vende para Contribuinte do RS (apenas comicms próprio), sendo o ICMS/ST devido pelo Destinatário, em regra, na Entrada do Território a) Valor da Operação b) Crédito de ICMS (operação própria do fornecedor/remetente) c) Base de Cálculo da ST (valor da operação + despesas cobradas do adquirente + MVA). Obs.: MVA interna: 37,17% d) Cálculo do ICMS/ST {(BC ST x alíquota interna) - ICMS próprio do fornecedor} e) Valor Total da NF do fornecedor/remetente (sujeito passivo por substituição) R$ 1.000,00 R$ 120,00 (1.000,00 * 12%) R$ 1.646,04 {(1.000, ,00) * 1,3717} {( 1.646,04 x 17% ) 120,00} 279,83-120,00 = R$ 159,83 (a + d = 1.000, ,83) R$ 1.159,83 Operação Interna com Mercadoria Sujeita à Substituição Tributária Exemplo: Contribuinte do RS vende para Contribuinte do RS a) Valor da Operação b) Crédito de ICMS (operação própria do fornecedor/remetente c) Base de Cálculo da ST (valor da operação +despesas cobradas do adquirente + MVA). Obs.: MVA interna: 37,17% d) Cálculo do ICMS/ST {(BC ST x alíquota interna) - ICMS próprio do fornecedor} e) Valor Total da NF do fornecedor/remetente (sujeito passivo por substituição) R$ 1.000,00 R$ 170,00 (1.000,00 * 17%) R$ 1.646,04 {(1.000, ,00) * 1,3717} {( 1.646,04 x 17% ) 170,00} 279,83-170,00 = R$ 109,83 (a + d = 1.000, ,83) R$ 1.109,83 7

8 6) OBRIGAÇÕES ACESSÓRIAS EMISSÃO DE NOTA FISCAL 6.1) Contribuinte Substituto: O responsável pela retenção e recolhimento do ICMS/ST deverá indicar, nos campos próprios da nota fiscal emitida, além dos demais requisitos exigidos: a) a base de cálculo do ICMS retido por substituição tributária. No caso de contribuinte substituto optante pelo Simples Nacional, o documento fiscal deverá ser emitido na forma indicada pela legislação própria, inutilizando os campos relativos à base de cálculo e ICMS da operação própria e apondo-se as informações necessárias para demonstrar a apuração do ICMS/ST no campo Base de Cálculo ICMS Substituição e no campo Valor ICMS substituição respectivamente ou, em sua falta, no quadro Informações Complementares do documento fiscal (vide Resolução CGSN nº 10/07); b) o valor do imposto retido; c) o seu número de inscrição no Cadastro de Contribuintes do ICMS deste Estado (caso seja inscrito, para fins de recolhimento em data determinada, substituindo a GNRE por operação), se situado em outra unidade da Federação. 6.2) Contribuinte Substituído: O contribuinte substituído deverá indicar, nos campos próprios da nota fiscal emitida para acobertar a operação por ele promovida, sem destaque do imposto, além dos demais requisitos exigidos: a) no campo Informações Complementares da nota fiscal, a declaração Imposto recolhido por ST nos termos do (indicar o dispositivo) do RICMS ; b) quando a operação for realizada entre contribuintes e a título de informação ao destinatário, além dos requisitos acima, o valor que serviu de base para cálculo do ICMS/ST e o valor do imposto que incidiu sobre a respectiva base de cálculo; 7) MERCADORIAS SUJEITAS AO REGIME DE ST NO RS A descrição detalhada das mercadorias sujeitas à substituição tributária deve ser verificada no Apêndice II do RICMS/RS, que utiliza a nomenclatura e técnica e codificação regulamentada pela Tabela do IPI (TIPI, aprovada pelo decreto 6.006/06. Veja na tabela da próxima página, os gêneros de mercadorias sujeitas à ST no RS. 8

9 Gêneros de mercadorias sujeitas à ST no RS Bolos, cucas e pães; Piscinas de fibra; Arroz beneficiado; Refrigerante, água mineral, chope; Cigarro; Cimento; Pneumáticos; Produtos farmacêuticos; Telhas, cumeeiras e caixas d água; Tintas, vernizes e outros produtos químicos; Veículos; Combustíveis, lubrificantes; Discos fonográficos; Filmes e slides; Lâminas de barbear; Isqueiros; Lâmpadas; Pilhas e baterias; Sorvetes; Preparados; Energia elétrica; Aparelhos celulares; Rações tipo pet; Autopeças; Colchoaria; Cosméticos, perfumaria; Sucos de frutas e outras bebidas não alcoólicas; Bicicletas; Brinquedos; Ferramentas; Instrumentos Musicais; Material de limpeza; Artigos de papelaria; Produtos Alimentícios; Materiais de Construção; Eletrônicos, eletroeletrônicos e eletrodomésticos; Artefatos de uso doméstico; Materiais elétricos; Vinhos e Bebidas quentes Obs.: Alguns itens acima ainda estão pendentes de edição de Decreto Estadual, para que se aplique o regime. 8) COBRANÇA DO ICMS/ST SOBRE MERCADORIAS EM ESTOQUE Ao inserir mercadorias na sistemática da substituição tributária, o Estado determina que as empresas inventariem seus estoques para que haja o recolhimento do ICMS/ST sobre as vendas futuras desses produtos, de forma a equalizar o tratamento tributário de mercadorias antes recebidas sem ST, que passaram a ser enquadradas no regime. Para tanto, o Governo do Estado concede prazos de carência e formas de parcelamento, geralmente negociados com os representantes de cada setor. 8.1) Cálculo do ICMS/ST sobre os Estoques: as regras para o cálculo do imposto variam de acordo com a mercadoria envolvida, podendo ser diferenciadas também em razão do regime de tributação da empresa (Geral ou Simples Nacional). Em linhas gerais, a legislação estadual delimita a forma do cálculo do ICMS/ST sobre os estoques, bem como a respectiva base de cálculo do imposto ) Empresas do Regime Geral: em geral, para apuração do estoque de mercadorias e do respectivo imposto, em decorrência da inclusão no regime da substituição tributária, o estabelecimento deverá, um dia antes da mudança do regime, calcular o valor do imposto relativo às operações subsequentes, inventariar o estoque com base no preço de aquisição mais recente, acrescido dos encargos, e aplicar os percentuais de M.V.A. 9

10 8.1.2) Empresas do Simples Nacional: devido à previsão constitucional de tratamento diferenciado, o estado do RS já autorizou, em alguns casos, que o ICMS/ST sobre os estoques seja calculado com a utilização da alíquota do ICMS prevista na Lei Complementar 123/06, de acordo com a tabela e faixa de receita em que o estabelecimento estiver enquadrado. Deve o contribuinte observar a legislação específica relativa à mercadoria envolvida, de acordo também as características da operação efetivamente realizada, devendo-se analisar o caso concreto para, aplicação da correta tributação. 9) FUNDAMENTOS LEGAIS Constituição Federal, art. 150, 7º; Lei Complementar nº 87/96 (Lei Kandir), arts. 6º a 10; Código Tributário Nacional (CTN), art. 121 e 128; Lei Estadual nº 8.820/89, arts. 29 a 37; Convênio ICMS nº 81/93 (estabelece normas gerais a serem aplicadas a regimes de substituição tributária, instituídos por Convênios ou Protocolos firmados entre os Estados e o Distrito Federal); Protocolos ICMS, referentes à substituição tributária; Regulamento do ICMS/RS (Decreto nº /97) Livro III; Instrução Normativa DRP nº 45/98 Título I, Capítulo IX. 10) PERGUNTAS FREQUENTES SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS Abaixo, constam algumas perguntas e respostas contidas no site da SEFAZ/RS, bem como, outras questões importantes. 1) A substituição tributária onera a cadeia de comercialização das mercadorias e serviços? Resposta - Não. O regime de substituição tributária tende à neutralidade em relação à sistemática normal de tributação, no sentido de que ele não aumenta nem diminui a carga tributária correspondente, afetando apenas a sujeição passiva das operações que alcança, retirando-a daquele(s) que efetivamente a(s) promove(m), para imputá-la ao contribuinte substituto. Com efeito, a base de cálculo da substituição tributária, por ser uma aproximação mais ou menos exata do preço pago pelo consumidor final pelas mercadorias e serviços por ele demandados, seu valor consequentemente emula os ganhos diferenciais agregados e apropriados pelos comerciantes/contribuintes intermediários ao longo da cadeia de comercialização, a contar da etapa/operação em que ocorre a substituição tributária, de tal modo que a carga tributária daí resultante seja aproximadamente igual a que seria acumulada ao longo daquela. 10

11 2) O que se expressa com a sigla MVA? Resposta - A MVA ou Margem de Valor Agregado é um percentual utilizado no regime de substituição tributária para exprimir a evolução/majoração dos preços das mercadorias e serviços à medida que percorrem as diversas etapas/operações usuais de circulação no mercado, contando da etapa/operação em que se dá a transferência de responsabilidade, representando uma projeção elaborada pela Receita Estadual a respeito do comportamento do mercado no que se refere à composição dos lucros brutos agregados pelos diversos partícipes da cadeia de comercialização, de tal modo que, dados o preço praticado pelo substituto e a MVA, é possível estimar com muito boa precisão o preço final a consumidor que alcançará aquela mercadoria ou serviço. 3) Em que circunstâncias a Receita Estadual implementa a substituição tributária progressiva (conhecida como ST para a frente )? Resposta - Nos casos em que o foco da fiscalização sobre certas e determinadas mercadorias e serviços, ou sobre tipos particulares de operação industrial e comercial, se mostra mais problemático e custoso, ou mais urgente e oportuno que o usual, como seja nas operações com bens de consumo que apresentam reduzido valor unitário, porém demanda massiva e inelástica, sendo comercializados em um mercado pulverizado por uma ampla e territorialmente disseminada coletividade de contribuintes, e nas operações em que se verifica um forte incentivo à evasão devido aos altos valores envolvidos, que aumentam a perspectiva de ganhos e diluem a percepção dos riscos, envolvendo bens de consumo de grande valor unitário, produção concentrada de caráter monopolista ou cartelizado, e mercado restrito. 4) Quais são os efeitos da substituição tributária progressiva sobre a arrecadação? Resposta - Em consequência da aplicação do regime de substituição tributária progressiva, ocorre uma antecipação da receita do ICMS relativa a fatos geradores presumidos (futuros), a serem promovidos pelos contribuintes que estão situados à frente na cadeia de circulação das mercadorias e serviços, mediante concentração da arrecadação no substituto tributário (industrial, importador), relativamente às operações subseqüentes, a contar da sua própria. 5) Há vantagem também para os contribuintes? Resposta - Sim, sem dúvida a substituição tributária é vantajosa para a generalidade dos contribuintes, na medida em que estimula a igualdade na tributação, impedindo a concorrência desleal imposta por aqueles contribuintes que descumprem sistematicamente seus deveres tributários. Além disso, é prática usual a aplicação de uma leve depreciação ou desconto da base de cálculo utilizada no regime, em decorrência de redutores que são aplicados sobre os próprios levantamentos estatísticos, índices e médias em que se baseiam as estimativas das respectivas margens de valor agregado praticadas na cadeia circulatória das mercadorias e serviços alcançados pelo regime, justamente visando à absorção de eventuais desvios de estimativa, fato este que se traduz em redução algo significativa da pressão tributária sobre tais mercadorias e serviços. 11

12 Deve ser mencionado o ganho discreto, mas real, que o regime proporciona aos contribuintes substituídos, por conta de certa simplificação na sistemática de escrituração das operações por ele abrangidas, aspecto que se torna bastante relevante no caso dos produtores primários, cuja grande maioria está dispensada de manter quaisquer livros fiscais do ICMS graças à substituição tributária regressiva. 6) Como a Receita Estadual elege as mercadorias e serviços que serão alcançadas pela substituição tributária? Resposta - Paralelamente ao acompanhamento da arrecadação das diferentes espécies de mercadorias e serviços, são efetuados estudos e análises de conjuntura, a cargo de grupos técnicos permanentes, locais e nacionais, estes últimos constituídos por representantes de todos os Estados, do que resulta a acumulação de informações sobre perfis e tendências mercadológicas de certas e determinadas operações de circulação de mercadorias e prestação de serviços, com ênfase nas suas principais características do ponto de vista do fenômeno tributário, como a formação dos preços, a distribuição das margens de valor agregado pelas diferentes etapas/operações em que se desdobra a cadeia circulatória, os graus de monopolização e de cartelização do mercado em que se inserem, o nível de incidência da elisão e da evasão tributárias, etc., fatores estes que orientam o administrador tributário da Receita Estadual quanto à conveniência e à necessidade da adoção do regime de substituição tributária. Decidida a sua implementação, passa-se à fase de modelagem da base normativa, que fornece a hipótese de incidência (fato gerador hipotético) a partir do dispositivo descritor do tipo tributário, além dos dispositivos que especificam e detalham os meios para a satisfação da obrigação (o quê, o quem, o como, o quando, etc.). 7) Qual o âmbito de aplicação da substituição tributária? Resposta - A substituição tributária alcança as operações internas e interestaduais promovidas com determinadas mercadorias e serviços, na forma como dispõem os Convênios e Protocolos celebrados entre os Estados. O regime também é aplicável, mesmo na ausência de convênio ou protocolo, em relação a operações que ocorram no âmbito interno de cada Estado, condicionada a sua efetiva adoção à existência de dispositivos específicos na legislação estadual designando mercadorias e serviços que a ele podem ser sujeitados. 8) Qual é o significado da expressão ST interna? Resposta - Embora não seja empregada nos textos normativos, a expressão ST interna é extensamente utilizada quando se aborda a substituição tributária progressiva, designando duas situações distintas em que se aplica o respectivo regime em operações internas, ou seja, em operações realizadas no âmbito intra-estadual, entre contribuintes aqui situados (com estabelecimentos inscritos ou não-inscritos, localizados no território gaúcho): a) com mercadorias listadas na Seção III, do Apêndice II, do RICMS, ou seja, com produtos mencionados em acordos celebrados com outros Estados, como, por exemplo, pneumáticos, produtos farmacêuticos, tintas, etc.; e b) com mercadorias e serviços não-previstos em Convênio ou Protocolo, como pães, bolos, cucas e piscinas de fibra de vidro (lista completa na Seção II, do Apêndice II, do RICMS). 12

13 09) Qual é o significado da expressão ST interestadual? Resposta - A expressão ST interestadual designa as operações com substituição tributária que impliquem no ingresso no território gaúcho de mercadorias provenientes de outras unidades da Federação listadas na Seção III, do Apêndice II, do RICMS, ou seja, produtos mencionados em acordos celebrados com outros Estados. 10) O contribuinte, enquadrado como ME ou EPP, optante pelo Simples Nacional, estabelecido fora do Estado do RS, deverá observar as regras relativas à ST? Resposta - Sim, uma vez que a substituição tributária relaciona-se à operação com determinadas mercadorias e não ao regime de recolhimento do contribuinte. É importante frisar que o Simples Nacional não abarca o imposto devido a título de substituição tributária, hipótese em que será observada a legislação aplicável ás demais pessoas jurídicas, conforme disposto no art. 13, 1º, inciso XIII, alínea a da Lei Complementar nº 123/06. 11) Como o contribuinte gaúcho deverá proceder ao adquirir mercadoria de outro Estado, sujeita à ST apenas âmbito interno do RS? Resposta - O contribuinte gaúcho, inclusive o varejista, quando for destinatário de mercadoria oriunda de outro Estado, porém, sujeita à ST apenas no RS, por falta de acordo (Convênio ou Protocolo) firmado entre os Estados, será responsável pela apuração e pelo recolhimento do imposto devido ao RS, situação em que o prazo de recolhimento se dará até o momento da entrada da mercadoria no território, uma vez que, nesse caso, a responsabilidade não foi atribuída ao alienante ou ao remetente. 12) Como deverá ser efetuado o cálculo do ICMS/ST, quando houver benefício para aoperação subseqüente, como redução da base de cálculo? Resposta - Após a composição da base de cálculo da ST, aplica-se o benefício da redução, devendo-se observar em cada caso, as condições para fruição do benefício, como a proporcionalidade do crédito da operação própria. 13

14 Presidente Do Sistema Fecomércio-Rs Flávio Roberto Sabbadini Comissão De Substituição Tributária João Francisco Micelli Vieira (Coordenador) Alécio Lângaro Ughini Ibrahim Mahmud Luiz Antônio Baptistella Luiz Carlos Bohn Marice Fronchetti Guidugli Milton Gomes Ribeiro Nelson Lídio Nunes 14

15

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004

ICMS Substituição Tributária. Outubro 2004 ICMS Substituição Tributária Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador, gerando uma antecipação do pagamento do imposto incidente nas operações seguintes. Responsabilidade Tributária

Leia mais

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO

ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO ICMS: ANTECIPAÇÃO TRIBUTÁRIA DO IMPOSTO NA ENTRADA DE MERCADORIA PROVENIENTE DE OUTRA UNIDADE DA FEDERAÇÃO - PROCEDIMENTO Sumário 1. Introdução 2. Antecipação tributária 3. Produtos sujeitos - Relação

Leia mais

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO

20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO Treinamento atualizado com base na legislação vigente em: 20/09/2012 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ICMS -VINHO JP CONTÁBIL S/S LTDA AGOSTO/2012 Conceituação Consiste na alteração do momento do fato gerador,

Leia mais

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG

Pergunte à CPA. Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG 12/06/2014 Pergunte à CPA Substituição Tributária entre os Estados de SP e MG Apresentação: Helen Mattenhauer Convênio e Protocolos CONVÊNIO: Constitui um acordo entre os Estados, cujo elaboração tem por

Leia mais

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes

ICMS. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfumaria, Artigos de Higiene Pessoal e Cosméticos Aspectos Tributários Relevantes ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Medicamentos Similares, Perfuma, Artigos de Higiene Pessoal e Aspectos Tributários Relevantes Ricardo Bernardes Machado Consultor Tributário OAB/RS nº 44.811 ICMS - Noções

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS COÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia

Palestra. ICMS/SP Substituição Tributária Regime Especial Distribuidor. Apoio: Elaborado por: Giuliano Kessamiguiemon Gioia Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar

Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS. Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar Evento Especial Antecipação Tributária Art. 426 A do RICMS Apresentação: Fernanda Silva Samyr H. M. Qbar 24/09/2014 Substituição Tributária A substituição tributária do ICMS é um regime jurídico em que

Leia mais

2. Que produtos estão sujeitos à substituição tributária a partir de 1º de novembro de 2010? DECRETO/PROTOCOLO

2. Que produtos estão sujeitos à substituição tributária a partir de 1º de novembro de 2010? DECRETO/PROTOCOLO 1. O que é substituição tributária? O regime de substituição tributária é caracterizado pelo deslocamento da responsabilidade pelo pagamento do ICMS relativo a determinadas operações ou prestações para

Leia mais

PALESTRA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS

PALESTRA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA CONSIDERAÇÕES GERAIS CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL MINÁRIO DE ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO ASSUNTOS CONTÁBEIS DE PORTO ALEGRE SEMINÁRIO DE ASSUNTOÁBEIS DE PORTO ALEGRESEMINÁRIO PALESTRA

Leia mais

Versão 06/2012. Substituição Tributária

Versão 06/2012. Substituição Tributária Substituição Tributária 1 ÍNDICE 1. O que é a Substituição Tributária?... 3 1.1 Tipos de Substituição Tributária;... 3 1.2 Como é feito o Recolhimento da ST?... 3 1.3 Convênio e Aplicação... 3 1.4 Base

Leia mais

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA.

O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. O REGIME PAULISTA DE ANTECIPAÇÃO DO ICMS E A INDEVIDA EXIGÊNCIA, DOS ADQUIRENTES VAREJISTAS, DO IMPOSTO DEVIDO POR SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. 2009-07-31 Adma Felícia B. M. Nogueira Tatiane Aparecida Mora

Leia mais

ICMS/SP Substituição Tributária

ICMS/SP Substituição Tributária Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400 - ramal 1529 (núcleo de relacionamento) Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva, 60 Higienópolis

Leia mais

SINDCONT-SP SINDCONT-SP

SINDCONT-SP SINDCONT-SP Sindicato dos Contabilistas de São Paulo (Ex-Instituto Paulista de Contabilidade - Fundado em 1919) ÓRGÃO DE PROFISSÃO LIBERAL SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS DISPOSIÇÕES GERAIS CONCEITOS Lei Complementar

Leia mais

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES

AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES AQUISIÇÕES INTERESTADUAIS INSTRUTORA: VALÉRIA PERES 1 Entradas de mercadorias de outros Estados sujeitas ao regime da substituição tributária no Rio Grande do Sul ( ICMS ST pago na Entrada ) Procedimentos

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atualização. Julho 2013. Elaborado por: Katia de Angelo Terriaga Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS ICMS CONCEITO A substituição tributária é o instituto pelo qual o Estado transfere a responsabilidade de recolhimento do imposto para terceiro, que não deu causa ao

Leia mais

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por:

Palestra. ICMS - Substituição Tributária - Atividades Sujeitas ao Regime. Julho 2010. Apoio: Elaborado por: Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada.

ANEXO 4.7. Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. ANEXO 4.7 Substituição Tributária nas Operações com Disco Fonográfico e Fita Virgem ou Gravada. Protocolo ICMS 19/1985 Alterações: Protocolo ICMS 09/1986, 10/1987, 53/91, 05/98, 07/2000, 12/06, 72/07,

Leia mais

Página 1 de 12 Agenda Tributária Emissão: às 14:02h Agenda Tributária (Janeiro de 2014) Obrigações Filtros Aplicados: Agenda: Janeiro/2014 - Estado: São - Cidade: São - Dia Inicial: 1 - Dia Final: 31 Dia

Leia mais

Maranhão > Novembro/2015

Maranhão > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Maranhão >

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Diferencial de alíquota para produtos com destino industrialização Segmentos industrialização 09/01/2014 Título do documento Sumário Sumário... 2 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 3 4. Conclusão... 7 5. Informações Complementares...

Leia mais

BuscaLegis.ccj.ufsc.br

BuscaLegis.ccj.ufsc.br BuscaLegis.ccj.ufsc.br ICMS substituição tributária. IVA ajustado. Um desajuste tributário para os estabelecimentos varejistas Paulo Henrique Gonçalves Sales Nogueira * Pretende se com o presente texto

Leia mais

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009

IPI ICMS - DF/GO/TO LEGISLAÇÃO - DF LEGISLAÇÃO - TO ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 ANO XX - 2009-3ª SEMANA DE FEVEREIRO DE 2009 BOLETIM INFORMARE Nº 08/2009 IPI SUSPENSÃO - LEI Nº 10.637/2002 - PROCEDIMENTOS Introdução - Estabelecimentos Com Direito à Suspensão - Preponderância de Faturamento

Leia mais

Até: Sexta-feira, dia 2 ICMS - Scanc Fato Gerador: Dezembro/2014

Até: Sexta-feira, dia 2 ICMS - Scanc Fato Gerador: Dezembro/2014 Até: Sexta-feira, dia 2 - Scanc Transportador Revendedor Retalhista (TRR) Entrega das informações relativas às operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo ou com álcool etílico carburante

Leia mais

Substituição Tributária e Antecipação

Substituição Tributária e Antecipação Substituição Tributária e Antecipação Regra Geral Novembro/2013 1 1.Introdução... 5 2. Substituição Tributária conceito... 5 3. Base Legal Operações Internas e Interestaduais... 6 3.1. Operações Internas...

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS atualizado em 21/10/2015 2 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO...7 1.1. Saída Interna...7 1.1.1. Isenção...7 1.1.2. Crédito Presumido...7 1.2. Saída Interestadual...8

Leia mais

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim.

ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária. Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. ICMS Perícia em processo envolvendo substituição tributária Recife, agosto de 2008 Eduardo Amoim. OBRIGAÇÃO TRIBUTÁRIA OBRIGATORIEDADE DE CUMPRIR A EXIGÊNCIA DE NATUREZA TRIBUTÁRIA PRINCIPAL - Obrigação

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO DIFERENCIAL DE ALÍQUOTAS E ANTECIPAÇÃO DO IMPOSTO Agosto de 2015 Palestra DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA NA AQUISIÇÃO DE MERCADORIAS INTRERESTADUAIS Tributação do ICMS nas entradas de outra Unidade da Federação

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. Paulo Melchor Consultor Jurídico SEBRAE-SP 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. Paulo Melchor Consultor Jurídico SEBRAE-SP 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Paulo Melchor Consultor Jurídico SEBRAE-SP 0800 570 0800 www.sebraesp.com.br O SEBRAE E O QUE ELE PODE FAZER PELO SEU NEGÓCIO Competitividade Perenidade Sobrevivência Evolução Orienta

Leia mais

REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS

REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS REGIME DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS - ASPECTOS GERAIS A Substituição Tributária (ST) é o regime pelo qual a responsabilidade pelo ICMS devido em relação às operações ou prestações de serviços é atribuída

Leia mais

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015)

INFORMÁTICA PRODUTOS E PROGRAMAS. (atualizado até 28.04.2015) (atualizado até 28.04.2015) ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 1. PROGRAMA DE COMPUTADOR ( SOFTWARE ) NÃO PERSONALIZADO... 4 1.1. SAÍDA INTERNA... 4 1.1.1. Isenção... 4 1.1.2. Crédito Presumido... 4 1.2. SAÍDA INTERESTADUAL...

Leia mais

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA OFICINA DE PREENCHIMENTO DA NOTA FISCAL DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA 1. OPERAÇÕES INTERNAS 1.1-BASE DE CÁLCULO - OPERAÇÃO INTERNA No RICMS/SP temos as hipóteses de definição da base de cálculo do ICMS-ST

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA - MG

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA - MG SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA - MG Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2007 (*) Assunto: Substituição tributária nas operações com mercadorias Base legal: Constituição: art. 150, 7º Lei Complementar 87/96:

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS NO ESTADO DE SÃO PAULO

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS NO ESTADO DE SÃO PAULO Luís Fernando da Silva SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS NO ESTADO DE SÃO PAULO Incluindo as alterações das Leis ns. 12.681/07 e 13.291/08 venda porta-a-porta cigarros bebidas sorvetes cimento frutas veículos

Leia mais

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007

DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 DECRETO N 28.746, DE 06 DE JUNHO DE 2007 * Publicado no DOE em 08/06/2007. DISPÕE SOBRE A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA NAS OPERAÇÕES COM APARELHOS CELULARES. O GOVERNADOR DO ESTADO DO CEARÁ, no uso das atribuições

Leia mais

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14

www.icmspratico.com.br Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Fortaleza, 06/06/14 Fortaleza, 06/06/14 Facilitadores: Paulo Almada & Ivanildo França Em análise: I C M S Questões Atuais Arquivos Eletrônicos ICMS-ST com Material de Construção ICMS-ST com Supermercado/minimercado/atacadistas

Leia mais

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA

ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA ESTADO DO ACRE SECRETARIA DE ESTADO DA FAZENDA DEPARTAMENTO DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA DEPARTAMENTO DE GESTÃO DE AÇÃO FISCAL NOTA TÉCNICA Tendo em vista a implantação das Áreas de Livre Comércio de Brasiléia,

Leia mais

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011.

DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento. Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA - Hipóteses de Incidência, Cálculo e Formas de Recolhimento Matéria elaborada com base na Legislação vigente em: 06.10.2011. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 HIPÓTESES DE INCIDÊNCIA 2.1

Leia mais

ANTECIPAÇÃO PARCIAL, DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA E SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA

ANTECIPAÇÃO PARCIAL, DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA E SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANTECIPAÇÃO PARCIAL, DIFERENCIAL DE ALÍQUOTA E SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANTECIPAÇÃO PARCIAL- ANTECIPAÇÃO SEM ENCERRAMENTO DE FASE 71. Qual a definição para o cálculo da antecipação parcial? Nas aquisições

Leia mais

Distrito Federal > Novembro/2015

Distrito Federal > Novembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Distrito Federal

Leia mais

NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016. Daisy Machado

NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016. Daisy Machado NOVIDADES NA CONTABILIDADE EMPRESARIAL EM 2016 Daisy Machado Regras para NFCe e NFe Na NFC-e a identificação é opcional, mas para entrega em domicílio (campo indpres=4), independentemente do valor da operação,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Transferência de Crédito de ICMS de Fornecedor Optante do Simples Nacional 09/01/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Transferência de Crédito do ICMS pelos Optantes do... 4 3.2 Do Ressarcimento

Leia mais

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS

Pergunte à CPA. Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS 1º/08/2014 Pergunte à CPA Simples Nacional Regras Gerais para o ICMS Apresentação: José A. Fogaça Neto Simples Nacional Criado pela Lei Complementar 123/06, reúne oito tributos em um recolhimento unificado

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA ICMS Manual Explicativo José Roberto Rosa Por delegação da Constituição, a Lei complementar 87/96 define : SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA EM OPERAÇÕES / PRESTAÇÕES Antecedentes

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. Perguntas e Respostas

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. Perguntas e Respostas SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Perguntas e Respostas 01 - O que é a substituição, tanto a tributária quanto outras espécies? 02 - O que é substituição tributária no ICMS? 03 - Como fica a substituição tributária

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 30.06.2008)

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 30.06.2008) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS (atualizado até 30.06.2008) ÍNDICE ÍNDICE... 4 INTRODUÇÃO... 5 1. DO REGIME DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 6 2. INAPLICABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO... 9 3. CÁLCULO DO

Leia mais

GRUPO DE ESTUDOS ICMS

GRUPO DE ESTUDOS ICMS GRUPO DE ESTUDOS ICMS Coordenação : Marina K.T.Suzuki Colaboração : Dr. Ernesto das Candeias SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA DO ICMS Apresentação : Ailton Barboni Substituição Tributária (ST) - Conceito Pode ser

Leia mais

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS

PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA. CONVÊNIO OU PROTOCOLO Conv. ICMS 045/99 Prot. ICMS 019/92 Conv. ICMS 037/94 DISPOSITIVO DO RICMS PRODUTOS SUJEITOS A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA MERCADORIA Venda porta-a-porta de quaisquer mercadorias destinadas a revendedores não inscritos Cigarros e outros produtos derivados do fumo Cimento Refrigerante,

Leia mais

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária

Secretaria de Estado de Fazenda de Minas Gerais Superintendência de Tributação Diretoria de Orientação e Legislação Tributária (*) Orientação Tributária DOLT/SUTRI Nº 001/2009 Novas regras do Simples Nacional - Implicações no âmbito estadual Vigência: 1º/01/2009 A Lei Complementar nº 128, de 19 de dezembro de 2008, modificou a

Leia mais

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO?

PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO. 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? PROGRAMA ICMS ANTECIPADO ESPECIAL COM GLOSA DE CRÉDITO PERGUNTAS E RESPOSTAS 1. O que é o Programa de ICMS ANTECIPADO GLOSA DE CRÉDITO? R= É a cobrança do ICMS de mercadorias sujeitas à exclusão de crédito

Leia mais

ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO

ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO 02/Jun. 2ª Feira. Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante A entrega das informações

Leia mais

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015

OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015 OBRIGAÇÕES ESTADUAIS/RS DE SETEMBRO DE 2015 04/09/2015 GIA/Água Natural Fornecedores de água natural canalizada Prazo para transmitir pela internet a GIA até o dia 4 do segundo mês subsequente da ocorrência

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA maio 2008. Eduardo Silva Gerente de Consultoria Tributária

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA maio 2008. Eduardo Silva Gerente de Consultoria Tributária Eduardo Silva Gerente de Consultoria Tributária ICMS-ST : Alterações na legislação paulista e forma de apuração do "novo" estoque de mercadorias AGENDA Aspectos Gerais da Substituição Tributária Alterações

Leia mais

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE

ALTERAÇÕES: Decreto nº 20.407/04, Decreto nº 20.914/04 RESPONSABILIDADE Anexos 4.0 Substituição Tributária Anexos 4.2 Substituição Tributária das Operações com Água Mineral, Água Potável, Cerveja, Chope, Gelo e Refrigerante. Protocolo ICMS 11/1991 Alterações: Protocolo ICMS

Leia mais

REDUÇÃO DA MVA DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM 70%, NAS SAÍDAS DESTINADAS A EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL DE SANTA CATARINA

REDUÇÃO DA MVA DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM 70%, NAS SAÍDAS DESTINADAS A EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL DE SANTA CATARINA REDUÇÃO DA MVA DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA EM 70%, NAS SAÍDAS DESTINADAS A EMPRESAS DO SIMPLES NACIONAL DE SANTA CATARINA Matéria elaborada com base na Legislação vigente em 15.07.2011. SUMÁRIO: 1 - INTRODUÇÃO

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 16/10/2013)

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado até 16/10/2013) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS (atualizado até 16/10/2013) 2 1. INTRODUÇÃO... 5 2. DO REGIME DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 7 3. INAPLICABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 12 4. CÁLCULO DO IMPOSTO

Leia mais

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR

TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR TRANSPORTADOR REVENDEDOR RETALHISTA DE COMBUSTÍVEIS - TRR ASSUNTO: Operações interestaduais. De início, ressalte-se que, para efeito deste trabalho, toda alusão genérica feita a Estado é extensiva ao Distrito

Leia mais

PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM ICMS/RS

PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM ICMS/RS PROGRAMA CURSO EXTENSÃO EM ICMS/RS O curso abrangerá todo o Regulamento do ICMS/RS, desde o básico até a legislação avançada. Para fazer jus ao certificado o contratante deverá comprovar presença mínima

Leia mais

Perguntas e Respostas SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (AGO- 2011) Remetente Destinatário Finalidade da mercadoria

Perguntas e Respostas SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (AGO- 2011) Remetente Destinatário Finalidade da mercadoria INDICE: Tipo Operação Perguntas e Respostas SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (AGO- 2011) Remetente Destinatário Finalidade da mercadoria Estoque - - Estoque de Não optante do sem ou com Regime Fidelidade Estoque

Leia mais

Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante

Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante ICMS PRAZOS DE ENTREGA E RECOLHIMENTO ESTADO DE SÃO PAULO 02/Jan. 6ª Feira. Operações interestaduais com combustíveis derivados de petróleo e com álcool etílico anidro carburante A entrega das informações

Leia mais

SUBSTITUI O TRIBUT RIA

SUBSTITUI O TRIBUT RIA SUBSTITUI O TRIBUT RIA ENTENDENDO O REGIME Regras gerais do Regime de Substituição Tributária Conheça as regras gerais concernentes ao regime de substituição tributária do ICMS de forma a permitir a correta

Leia mais

Fortaleza, 31/03/15. com Paulo Almada

Fortaleza, 31/03/15. com Paulo Almada Fortaleza, 31/03/15 com Paulo Almada Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias e sobre Prestações de Serviços de Transporte Interestadual e Intermunicipal e de Comunicação ICMS Como

Leia mais

INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 17/05/2011)

INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 17/05/2011) INFORMATIVO DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 17/05/2011) Esclarecimentos relevantes: 1. O presente informativo: a) foi elaborado com base no Regulamento do ICMS de Santa Catarina, em vigor em

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Crédito diferencial de alíquota no Ativo Imobilizado - SP Crédito 17/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 4 3.1 Crédito do ICMS próprio adquirido do Simples Nacional com destino

Leia mais

Anexo 4.0 Substituição Tributária. Anexo 4.4. (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010).

Anexo 4.0 Substituição Tributária. Anexo 4.4. (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010). Anexo 4.0 Substituição Tributária Anexo 4.4 (Revigorado pelo Decreto nº 26.288 de 26 de fevereiro de 2010). Da Substituição Tributária nas Operações com Carne Bovina, Bubalina e Subproduto; Gado Bovino

Leia mais

TESTES DA APOSTILA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PROF: ANTONIO SÉRGIO

TESTES DA APOSTILA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PROF: ANTONIO SÉRGIO TESTES DA APOSTILA DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PROF: ANTONIO SÉRGIO Obs: os exercícios devem ser feitos utilizando apenas a LEGISLAÇÃO AUXILIAR constante ao final desta apostila. Questão 1 - DEFINIÇÃO É

Leia mais

Dr. Luis Carlos Massoco - Presidente

Dr. Luis Carlos Massoco - Presidente Seminário Substituição Tributária e NF-e: desafios e caminhos para o setor de Tecnologia - Presidente SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA O Estado de São Paulo incluiu em sua lista de mercadorias sujeitas à substituição

Leia mais

DANIELE RODRIGUES DONEGÁ LETÍCIA ROBERTA DA SILVA A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PARA OS NOVOS PRODUTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO

DANIELE RODRIGUES DONEGÁ LETÍCIA ROBERTA DA SILVA A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PARA OS NOVOS PRODUTOS NO ESTADO DE SÃO PAULO FUNDAÇÃO DE NSINO EURÍPIDES SOARES DA ROCHA CENTRO UNIVERSITÁRIO EURÍPIDES UNIVEM CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DANIELE RODRIGUES DONEGÁ LETÍCIA ROBERTA DA SILVA A SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA PARA OS NOVOS PRODUTOS

Leia mais

Paraná > Dezembro/2015

Paraná > Dezembro/2015 OBS: As informações contidas nesta página são de caráter informativo, não dispensando a consulta a um profissional especializado, devido à freqüência com que os conteúdos sofrem alterações. Paraná > Dezembro/20

Leia mais

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO

GOVERNO DE RONDÔNIA SECRETARIA DE ESTADO DE FINANÇAS COORDENADORIA DA RECEITA ESTADUAL GETRI GERÊNCIA DE TRIBUTAÇÃO ASSUNTO: Operações de transferência de mercadorias de estabelecimento de Ji-Paraná para filial em Epitaciolândia-AC. PARECER Nº 098/06/GETRI/CRE/SEFIN SÚMULA: OPERAÇÕES DE SAÍDAS PARA ÁREA DE LIVRE COMÉRCIO

Leia mais

SUMÁRIO. Conteúdo. ICMS-ST... 4 MVAErro! Indicador não definido...4 GNRE...4

SUMÁRIO. Conteúdo. ICMS-ST... 4 MVAErro! Indicador não definido...4 GNRE...4 SUMÁRIO Conteúdo CONCEITO DE ICMS...1Erro! Indicador não definido. PRINCIPIOS QUE REGEM O ICMS... 2 BASE DE CALCULO DO ICMS... 2 ICMS Tabelas de Alíquotas nas Operações Interestaduais... 3 ICMS-ST... 4

Leia mais

O Sindiatacadista/DF tira suas dúvidas sobre a Substituição Tributária

O Sindiatacadista/DF tira suas dúvidas sobre a Substituição Tributária O Sindiatacadista/DF tira suas dúvidas sobre a Substituição Tributária O que é SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA? É o regime pelo qual a responsabilidade pelo ICMS devido em relação às operações ou prestações de

Leia mais

AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAL - SÃO PAULO JANEIRO DE 2014

AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAL - SÃO PAULO JANEIRO DE 2014 AGENDA DE OBRIGAÇÕES ESTADUAL - SÃO PAULO JANEIRO DE 2014 Dia: 02 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador

Leia mais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais

Pergunte à CPA. Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais 03/04/2014 Pergunte à CPA Devolução e Recusa de Mercadorias Regras gerais Apresentação: José A. Fogaça Neto Devolução regras gerais Artigo 4º - Para efeito de aplicação da legislação do imposto, considera-se...

Leia mais

ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA 2013. José Roberto Rosa

ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA 2013. José Roberto Rosa ICMS SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA RIA 2013 José Roberto Rosa A Constituição Federal determina que Cabe à lei complementar dispor sobre substituição tributária ria (art. 155, 2º,, XII, b) A Lei complementar

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária. www.editoraferreira.com.br

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária. www.editoraferreira.com.br SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (ST) Por Cadmo Matias da Mota Professor de Direito e Legislação Tributária www.editoraferreira.com.br Os estudantes de legislação tributária estadual têm enorme dificuldade sobre

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado Apresentação: Eduardo Amorim

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado Apresentação: Eduardo Amorim SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA Material elaborado pela SEFAZ/PE Apresentação: Eduardo Amorim Copyright, 1997 Dale Carnegie & Associates, Inc. 1 Informações iniciais Entraram em vigor a partir de 01 de novembro

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. atualizado em 03/02/2016

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. atualizado em 03/02/2016 atualizado em 03/02/2016 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS alterado os itens 2; 4.3; 5.1; 5.2; 5.3; 5.7; 6.2; 6.3; 7; 7.1; 7.5; 11; 11.1.1; 11.1.3; 11.2.1; 11.2.2; 11.3; 11.3.1; 11.3.3 em 26/01/2016

Leia mais

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado em 04/03/2015)

SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS. (atualizado em 04/03/2015) SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA REGRAS GERAIS (atualizado em 04/03/2015) 2 1. INTRODUÇÃO... 5 2. DO REGIME DE SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 7 3. INAPLICABILIDADE DA SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA... 12 4. CÁLCULO DO IMPOSTO

Leia mais

(atualizado em 15/04/2015)

(atualizado em 15/04/2015) (atualizado em 15/04/2015) COMÉRCIO ATACADISTA: SISTEMÁTICA ESPECIAL DO DECRETO Nº 38.455/2012 ÍNDICE INTRODUÇÃO...5 1. APLICABILIDADE...6 2. INAPLICABILIDADE...6 3. CREDENCIAMENTO...7 3.1. Regras Gerais...7

Leia mais

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL

EXEMPLO DE EMISSÃO DA NOTA FISCAL GOVERNO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE ESTADO DE FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ANÁLISE DA RECEITA PÚBLICA GERÊNCIA DE RECUPERAÇÃO DA RECEITA PÚBLICA DECRETO nº 2334/2010 de 18 de janeiro de 2010, Procedimentos

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária

Parecer Consultoria Tributária Questão O cliente, no ramo de atividade industrial no segmento de produtos elétricos para profissionais de beleza, sediado em São Paulo, informa que na emissão da nota fiscal complementar de ICMS em sua

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração

Parecer Consultoria Tributária Segmentos ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração ICMS/RS Tratamento tributário na emissão da NF-e com Diferimento Parcial e Escrituração 06/11/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria...

Leia mais

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL

SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL Matéria São Paulo SIMPLES NACIONAL DEVOLUÇÃO DE MERCADORIAS TRATAMENTO FISCAL SUMÁRIO 1. Introdução 2. Devolução Conceito 3. Crédito do Imposto no Recebimento de Mercadorias em Devolução ICMS e IPI 4.

Leia mais

Contadores Associados S/S CRC/RS 3.361

Contadores Associados S/S CRC/RS 3.361 Circular Informativa Especial Assunto: Substituição Tributária do ICMS na Comercialização de Chás e Sucos De acordo com o Decreto (RS) 46.429, de 23/06/09 e Protocolo ICMS 18/09, a partir de 01/07/09,

Leia mais

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização

O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização O que é Substituição Tributária de ICMS e sua contabilização Prof. Francisco F da Cunha 1 A substituição tributária do ICMS está atualmente prevista no Artigo 150, da Constituição Federal de 1988, que

Leia mais

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS

IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS ASSOCIADOS UP-TO-DATE. ANO I. NÚMERO 46 IMPOSTOS SOBRE VENDAS! ICMS, PIS/COFINS, ISS e IPI! O que fazer com a CPMF?! As alterações da legislação tributária no cálculo da COFINS Dr. João Inácio Correia (advcor@mandic.com.br)

Leia mais

Estadual - SP Mês: 01/2016

Estadual - SP Mês: 01/2016 Estadual Estadual - SP Mês: 01/2016 Dia: 04 SP - Transmissão Eletrônica de Dados - Operações Interestaduais com Combustíveis - Transportador Revendedor Retalhista - TRR O Transportador Revendedor Retalhista

Leia mais

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS

CONSELHO DE CONTRIBUINTES DO ESTADO DE MINAS GERAIS Acórdão: 20.711/12/1ª Rito: Sumário PTA/AI: 02.000216018-08 Impugnação: 40.010130700-96 Impugnante: Proc. S. Passivo: Origem: EMENTA Companhia de Bebidas das Americas - AMBEV IE: 740358740.01-25 Luiz Gustavo

Leia mais

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO

CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO MUDANÇAS DO ICMS CIRCULAÇÃO DA MERCADORIA PRESTAÇÃO DE SERVIÇO INTERESTADUAL E INTERMUNICIPAL SERVIÇO DE COMUNICAÇÃO POR ATO ONEROSO Artigo 9º - Contribuinte do imposto é qualquer pessoa, natural ou jurídica,

Leia mais

Assessoria Empresarial Consultoria -

Assessoria Empresarial Consultoria - Ass. Mac 002/2010, de 03 de fevereiro de 2010. SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ESCLARECIMENTOS GERAIS SOBRE TRIBUTÁRIA DO ICMS O REGIME DA SUBSTITUIÇÃO Substituição Tributária (ST) é um instituto criado e implementado

Leia mais

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard

Especial Área Fiscal Legislação Tributária do Estado de São Paulo Professor Dermeval Frossard 1 O que você aconselha para quem começa agora a se preparar para a área fiscal? É necessário começar a estudar Contabilidade e Direito Tributário, pois sem exceção, estas matérias entram no edital de todos

Leia mais

INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 07.07.08)

INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 07.07.08) INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 07.07.08) Esclarecimentos relevantes: 1. o presente informativo: a) foi elaborado com base no Regulamento do de Santa Catarina, em vigor no dia 25 de

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC

Parecer Consultoria Tributária de Segmentos Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC Descontos dos Tributos Desonerados nas Operações com ALC 18/08/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 5 3.1 Áreas de Livre

Leia mais

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de

Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre a prestação de serviços de transportes interestadual e intermunicipal e de comunicação - ICMS BASE CONSTITUCIONAL E LEGAL Artigo 155,

Leia mais

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014

Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Pergunte à CPA Serviço de transporte considerações gerais 28/04/2014 Apresentador: José Alves F. Neto Transporte - conceito ICMS X ISS Como determinar a competência Fato gerador RICMS/SP Artigo 2º - Ocorre

Leia mais

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas

CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas CONTABILIDADE COMERCIAL I PROFESSOR Salomão Dantas Soares APOSTILA 3 Operações Típicas de Empresas Comerciais : Contabilização de Impostos e Taxas TURMA: PECC Você estudará, nesta unidade, os principais

Leia mais

COMUNICADO CAT Nº 22 DE 27/05/2009 DOE-SP de 28/05/2009

COMUNICADO CAT Nº 22 DE 27/05/2009 DOE-SP de 28/05/2009 COORDENADOR DA ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA COMUNICADO CAT Nº 22 DE 27/05/2009 DOE-SP de 28/05/2009 O Coordenador da Administração Tributária declara que as datas fixadas para cumprimento das Obrigações Principais

Leia mais

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm

file://c:\internet\orientação_substituição_20_10_08.htm Page 1 of 20 Esclarecimentos relevantes: 1. o presente informativo: INFORMATIVO SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA (atualizado em 20.10.08) a) foi elaborado com base no Regulamento do ICMS de Santa Catarina, em vigor

Leia mais