Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software"

Transcrição

1 Identificando a Formação de Ilhas de Conhecimento em Projetos de Software Francisco Vanderson de Moura Alves 1, Pedro de Alcântara dos Santos Neto 1, Werney Ayala Luz Lira 1, Ricardo de Andrade Lira Rabêlo 1, Ricardo de Sousa Britto 1 1 Easii - Laboratório de Engenharia de Software e Informática Industrial DC - Departamento de Computação CCN - Centro de Ciências da Natureza UFPI - Universidade Federal do Piauí Brasil Abstract. The formation of islands of knowledge is common when it comes to teamwork, especially in software development projects, where there are groups working on specific features. The formation of groups of developers who dominate part of the software may result in problems for the project. However, companies have difficulty avoiding the formation of these islands. Therefore, this paper proposes a method for identifying islands of knowledge, from the extraction of data from a Version Control System (VCS), formed during the development of software projects. Resumo. A formação de ilhas de conhecimento é algo comum quando se trata de trabalho em equipe, especialmente em projetos de desenvolvimento de software, onde existem grupos que trabalham em funcionalidades específicas. A formação de grupos de desenvolvedores que dominam parte do software pode acarretar em problemas para o projeto. Contudo, as empresas têm dificuldade em evitar a formação dessas ilhas. Com isso, este trabalho propõe um método para identificar ilhas de conhecimento, a partir da extração de dados de um Sistema de Controle de Versão (SCV), formadas ao decorrer do desenvolvimento de projetos de software. 1. Introdução Em um projeto de desenvolvimento de software é comum que a equipe participante seja dividida em grupos, de tal forma que cada grupo ataque uma parte específica do produto. Isso é algo comum não só apenas no âmbito de projetos de software, mas em qualquer projeto que envolva o trabalho em equipe. No entanto, a divisão do trabalho, especialmente em projetos de software, pode ocasionar o que chamamos de ilhas de conhecimento, que podem ser compreendidas como o domínio de parte do software, ou seja, do código associado a essa parte, por apenas um grupo de pessoas, ou em um nível mais extremo, por apenas uma única pessoa. Desse fato decorre a dificuldade de manutenção do software, sendo exigido que tal pessoa participe de toda e qualquer ação que envolva o componente do software de sua

2 propriedade [Teles 2004]. Neste trabalho é definido como especialista aquele desenvolvedor que domina uma entidade de código específica, o que caracteriza a formação de ilha de conhecimento. A existência de ilhas de conhecimento pode gerar grandes gargalos ao projeto, uma vez que, por mais que existam pessoas ou desenvolvedores para atuar em uma parte específica, sempre existe a necessidade de participação de um mesmo recurso. Outro complicador associado a formação de desenvolvedores que dominam componentes particulares é o comprometimento da qualidade e legibilidade do código, uma vez que existe, fundamentalmente, apenas uma opinião sobre uma área específica de um projeto. Contudo, é fato que as empresas atuais ainda enfrentam esse problema, por uma série de razões. Além disso, muitas delas não sabem que isso acontece, embora tenham grandes indícios disso, e sabem menos ainda como poderiam detectar esse tipo de complicação. Por conta disso, é proposto neste trabalho um método para identificar ilhas de conhecimento em projetos de software. A abordagem proposta se baseia na extração e análise de dados a partir de um Sistema de Controle de Versão ou CVS (do inglês Control Version System). A partir dos dados extraídos, são criadas métricas que indicam o quão cada desenvolvedor domina determinadas partes do projeto, com base nas operações realizadas sobre as mesmas. Este trabalho está estruturado como segue: a Seção 2 apresenta o referencial teórico, que descreve alguns conceitos necessários para um bom entendimento do trabalho; a Seção 3 apresenta alguns trabalhos relacionados; a Seção 4 descreve o método proposto; a Seção 5 discute a aplicação do método proposto em um estudo de caso; e a Seção 6 apresenta a conclusão e direções para trabalhos futuros. 2. Sistemas de Controle de Versão Geralmente, grandes projetos de desenvolvimento de software utilizam Sistemas de Controle de Versão (SCV), que são muito utilizados atualmente para armazenar o códigofonte, permitindo também um fácil compartilhamento de código entre toda a equipe de desenvolvimento. Além disso, esses sistemas de controle mantém um registro de todas as operações feitas no projeto e o desenvolvedor responsável por cada modificação realizada. A cada nova modificação feita sobre um arquivo ou conjunto de arquivos é gerado uma nova versão [Spinellis 2005], ou seja, um novo estado do projeto. Com isso, caso alguma alteração precise ser desfeita, basta apenas retornar à uma versão anterior Sistema de versionamento centralizado Neste tipo de sistema de controle de versão, todo o código do projeto fica armazenado em um único repositório central [De Alwis and Sillito 2009] ou servidor, onde todos os desenvolvedores podem obter a última versão de um arquivo do projeto e trabalhem simultaneamente sobre o mesmo arquivo. A ideia de um servidor centralizado pode ser um gargalo a esses tipos de sistemas, já que desenvolvimento será interrompido caso o servidor venha a ficar indisponível. Apesar disso, os riscos podem ser controlados e os SCV s centralizados são

3 comumente utilizados por oferecerem simplicidade de uso e uma rápida curva de aprendizagem [Brindescu et al. 2014]. Além disso, estes sistemas oferecem a possibilidade de respostas rápidas em relação ao envio e recebimento de arquivos do servidor. Dentre os sistemas de versionamento centralizados mais populares está o Subversion ou SVN, descrito em [Sussman et al. 2007] Sistema de versionamento distribuído Diferentemente do versionamento central, no SCV distribuído o comando de checkout (primeiro download) não é obtido apenas os arquivos, mas sim o projeto como um todo. Assim, cada máquina de trabalho da equipe servirá como um servidor, deixando de lado a exigência de um repositório central [De Alwis and Sillito 2009]. Estes tipos de sistemas surgiram para evitar problemas ligados a existência de um servidor único, o que acontece nos sistemas centralizados. Além de permitir a iteração simultânea da equipe de projeto com o servidor, o versionamento distribuído permite também a iteração direta entre membros da equipe de desenvolvimento [Rodriguez-Bustos and Aponte 2012]. 3. Trabalhos Relacionados Estudos somente voltados à identificação de ilhas de conhecimento formadas em projetos de software ainda não puderam ser identificados. Porém, alguns trabalhos que visam avaliar as atividades realizadas por desenvolvedores já foram feitos. Estas atividades representam por exemplo, o número de aquivos criados ou modificados, ou até mesmo o total de commits gerados, elas podem indicar informações relevantes a cerca de um projeto. Em [Fritz et al. 2014] é apresentado um modelo para definição do nível de conhecimento dos desenvolvedores sobre partes específicas do projeto, porém sem o apoio de SCV, como proposto neste trabalho. O modelo se baseia na apresentação de questionários aos desenvolvedores, que são formulados ao longo do desenvolvimento do projeto com auxílio de uma ferramenta. Além disso, a autoria e interações realizadas por cada desenvolvedor sobre o código-fonte são analisadas de maneira também automatizada. São apresentados estudos de caso com diferentes projetos para avaliação do modelo proposto. Os resultados obtidos mostram uma certa robustez do modelo proposto, que apresentou eficácia em variados ambientes de desenvolvimento de software. Já os autores em [Moura et al. 2014] utilizam SCV para extração de novas métricas formuladas sob operações (em nível de linha e arquivo) de adição, eliminação e modificações realizadas por desenvolvedores em arquivos do projeto. Porém, diferentemente deste trabalho, as métricas extraídas são utilizadas para representar o montante de operações realizadas pela equipe de desenvolvimento. Duas abordagens de comparação entre desenvolvedores são apresentadas. A primeira delas visa agrupar os desenvolvedores por classes hierarquicamente dominadas; a segunda mostra a similaridade entre os desenvolvedores a partir de uma apresentação gráfica. Um estudo de caso foi realizado em um projeto real de desenvolvimento de software. Os resultados obtidos foram apresentados ao gerente de projeto por meio de um questionário e segundo o gerente os resultados estariam muito próximos do esperado.

4 4. Método Proposto O método aqui proposto para identificação de ilhas de conhecimento é divido em duas etapas: extração de dados do SCV e determinação do grau de conhecimento dos desenvolvedores, ou seja, do número de alterações em nível de arquivo (ALT arquivo ) e linha (ALT linha ) feitas pelos por cada um. A Figura 1 apresentada estas etapas. Figura 1. Etapas do método proposto 4.1. Extração de dados do SCV Para extração de dados do SCV foi desenvolvido um Extrator que se utiliza de uma API para sistemas de versionamento centralizado. Os dados extraídos do SCV referem-se, por exemplo, às revisões do projeto e seus arquivos modificados, deletados ou adicionados, bem como o desenvolvedor responsável por cada revisão. Com o registro das operações realizadas pelos desenvolvedores, será possível obter a porcentagem de alterações (P alt ) realizadas por cada um em relação ao arquivos no projeto. Esta etapa será detalhada na subseção 4.2 seguinte Determinar o grau de conhecimento dos desenvolvedores Nesta etapa são obtidos o número de alterações em nível linha e arquivo. Para obter as alterações em nível de linha, é extraído o Diff do arquivo que foi alterado. O Diff indica a diferença unificada de um dado arquivo, ou seja, apresenta as linhas adicionadas, modificadas ou excluídas deste arquivo entre duas revisões específicas. A Figura 2 apresenta um exemplo de resultado obtido a partir da realização do Diff em um arquivo de teste. Figura 2. Exemplo de resultado da execução do Diff de um arquivo Pode-se perceber que o Arquivo A foi alterado entre as revisões X e Y. No exemplo dado, tem-se então uma operação de M OD caracterizada pela exclusão do conteúdo representado por linha 1 e adição de um novo, representado por linha 1.1. Há também uma operação de adição simples, caracterizada pela inclusão de um novo conteúdo (linha 2) no arquivo. Para determinar o número de alterações em nível de linha é considerado apenas os as operações de ADD e MOD. Com isso, é analisado a diferença unificada de todos arquivos modificados por cada desenvolvedor do projeto. É registrado também quem foram os desenvolvedores que

5 modificaram cada arquivo, bem como o número de alterações em nível de arquivo e linhas realizadas por cada um. P alt = ALT arquivo + ALT linha ALT total (1) A partir daí é possível, então, calcular a porcentagem de alterações realizadas pelos desenvolvedores, representada pela Equação 1, onde ALT arquivo representa a quantidade de vezes em que o arquivo foi alterado, ALT linha é dado pela soma entre o número de ADD e MOD em nível de linha, e ALT total representa todas as alterações realizadas pela a equipe de desenvolvimento sobre o mesmo arquivo. A porcentagem de alterações calculada indicará se um desenvolvedor é especialista ou não em uma dada entidade de código, ou seja, se há a formação de ilha de conhecimento. 5. Resultados O método proposto foi aplicado em um projeto real de uma empresa de desenvolvimento de software local. Foi analisado um módulo de um Sistema de Gestão de Planos de Saúde, que contava com uma equipe composta por 10 desenvolvedores. O sistema foi desenvolvido em linguagem Java e sua estrutura interna é composta por vários projetos e vários pacotes representando grupos funcionais específicos. A partir da extração e análise dos dados do projeto foi obtido a porcentagem de alterações P alt realizadas pelos desenvolvedores em cada arquivo do grupo funcional usado na avaliação. A Figura 3 apresenta essa porcentagem de alterações em cada classe de um grupo funcional do projeto, identificado aqui como P acote X. Figura 3. Porcentagem de alterações feitas pelos desenvolvedores Neste trabalho foi definido o percentual acima de 80% de alterações feitas por um único desenvolvedor para caracterizá-lo como especialista em uma entidade de código específica. Com base nisso, pode-se perceber que no P acote X são identificados três especialistas: o Desenvolvedor A mantem domínio sobre as Classes 2, 4, 5, 7, 9 e 10; o Desenvolvedor B domina 1 e 3, e por fim, o Desenvolvedor E é especialista na Classe 6. A partir dos resultados ficou evidenciado que a grande maioria das classes pertencentes ao pacote P acote X é associada a um especialista, ou seja, em 9 das 10

6 classes foram identificadas ilhas de conhecimento, com exceção da Classe 8, onde o Desenvolvedor A foi o responsável pelo maior percentual de alterações, porém atingindo aproximadamente 77% do total. 6. Conclusão e Trabalhos Futuros A identificação de ilhas de conhecimento em projetos de software é uma tarefa complexa. Neste trabalho foi desenvolvido um método baseado na extração de dados de um SCV que proporcionou bom referencial sobre as operações feitas pelos desenvolvedores sobre o código-fonte do projeto. O método apresentado neste trabalho se encontra em uma versão inicial, podendo ser ainda mais aprimorado, a fim de buscar resultados mais precisos. Como trabalhos futuros, por exemplo, as operações de DEL podem ser acrescentadas no cálculo do número de alterações em nível de linhas, considerando as deleções feitas no arquivo. Também podem ser consideradas as operações de ADD em nível de arquivo a fim avaliar a autoria de entidades de código, além de datas das operações realizadas pelos desenvolvedores, levando em consideração as alterações feitas mais recentemente. Contudo, os resultados obtidos foram satisfatórios, o método aqui proposto mostrou-se de grande valia na identificação de ilhas que formam-se ao longo do desenvolvimento de sistemas de software, o que proporcionará benefícios consideráveis para projetos, e consequentemente para as empresas responsáveis. Referências Brindescu, C., Codoban, M., Shmarkatiuk, S., and Dig, D. (2014). How do centralized and distributed version control systems impact software changes? In Proceedings of the 36th International Conference on Software Engineering, pages ACM. De Alwis, B. and Sillito, J. (2009). Why are software projects moving from centralized to decentralized version control systems? In Cooperative and Human Aspects on Software Engineering, CHASE 09. ICSE Workshop on, pages IEEE. Fritz, T., Murphy, G. C., Murphy-Hill, E., Ou, J., and Hill, E. (2014). Degree-ofknowledge: Modeling a developer s knowledge of code. ACM Transactions on Software Engineering and Methodology (TOSEM), 23(2):14. Moura, M. H. D. d., Nascimento, H. A. D. d., and Rosa, T. C. (2014). Extracting new metrics from version control system for the comparison of software developers. In Software Engineering (SBES), 2014 Brazilian Symposium on, pages IEEE. Rodriguez-Bustos, C. and Aponte, J. (2012). How distributed version control systems impact open source software projects. In Proceedings of the 9th IEEE Working Conference on Mining Software Repositories, pages IEEE Press. Spinellis, D. (2005). Version control systems. Software, IEEE, 22(5): Sussman, B. C., Brian, W. F., and Pilato, C. M. (2007). Version control with subversion: for subversion1. 5. TBA, California. Teles, V. M. (2004). Extreme programming. São Paulo: Novatec.

Versionamento de Código. Núcleo de Desenvolvimento de Software

Versionamento de Código. Núcleo de Desenvolvimento de Software Versionamento de Código Núcleo de Desenvolvimento de Software Por quê? Facilidades de utilizar um sistema de versionamento de código. Várias versões Quando se salva uma nova versão de um arquivo, a versão

Leia mais

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO

Julio Cezar Fialho Freire de Carvalho 1, Aline Maria Malachini Miotto Amaral 2 1 INTRODUÇÃO 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 ESTUDO E DEFINIÇÃO DA APLICAÇÃO PARA CONTROLE DE VERSÕES DOS ARTEFATOS GERENCIADOS PELA FERRAMENTA S.A.Do.M (SOFTWARE ARTIFACTS DOCUMENTATION AND MANAGEMENT)

Leia mais

Controle de Versão. Prof. Msc. Bruno Urbano Rodrigues. bruno@urbano.eti.br

Controle de Versão. Prof. Msc. Bruno Urbano Rodrigues. bruno@urbano.eti.br Controle de Versão Prof. Msc. Bruno Urbano Rodrigues bruno@urbano.eti.br Apresentação - Docente Mestre em Ciência da Computação na Universidade Federal de Goiás. Especialista em Gestão de Software pela

Leia mais

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes

MARACATU. A component search tool. Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes MARACATU A component search tool Especificação, Projeto e Implementação de uma Arquitetura para um Engenho de Busca de Componentes Vinicius Cardoso Garcia July 29, 2005 Agenda Introdução Especificação

Leia mais

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2

José Benedito Lopes Junior ¹, Marcello Erick Bonfim 2 ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Definição de uma tecnologia de implementação e do repositório de dados para a criação da ferramenta

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Funções

Gerência de Configuração de Software Funções Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Funções Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE

2. GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO DE SOTWARE 1. INTRODUÇÃO Constata se, atualmente, que organizações voltadas ao desenvolvimento de software, buscam alavancar seus níveis de competitividade, uma vez que o mercado de desenvolvimento de software apresenta

Leia mais

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES

ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA CONTROLE DE VERSÕES Vilson Raphael Vello de Andrade 1 ;

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO N.º 003 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO (ECLIPSE+JBOSS)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO N.º 003 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO (ECLIPSE+JBOSS) PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO N.º 003 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO (ECLIPSE+JBOSS) Versão 00.01 Dezembro/2009 Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor 15/12/2009 00.01 Versão

Leia mais

Seminário - Two Case Studies of Open Source Software Development: Apache and Mozilla

Seminário - Two Case Studies of Open Source Software Development: Apache and Mozilla Seminário - Two Case Studies of Open Source Software Development: Setembro de 2014 vagnercs@dcc.ufmg.br Departamento de Ciência da Computação ICEX/UFMG Agenda Sobre os autores 2 Audris Mockus: Professor

Leia mais

Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software

Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software Controle de versão e fluxo de trabalho em projetos de desenvolvimento de software Doutorado Multi-Institucional em Ciência da Computação UFBA UNIFACS UEFS terceiro@dcc.ufba.br 8 de novembro de 2008 Termos

Leia mais

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl

Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software. Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Ferramenta de apoio a gerência de configuração de software Aluno: Rodrigo Furlaneto Orientador: Everaldo Artur Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Gerência de Configuração

Leia mais

Um processo para construção de software mais transparente

Um processo para construção de software mais transparente Um processo para construção de software mais transparente Eduardo Almentero 1, and Julio Cesar Sampaio do Prado Leite 1 1 Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, PUC - Rio, Brasil {ealmentero,

Leia mais

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software

Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Requisitos de Ferramentas Especializadas de Gestão de Configuração de Software Ricardo Terra 1 1 Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Campus da Pampulha 31.270-010

Leia mais

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração

ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração ISO/IEC 12207: Gerência de Configuração Durante o processo de desenvolvimento de um software, é produzida uma grande quantidade de itens de informação que podem ser alterados durante o processo Para que

Leia mais

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS

PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO Pró-INFRA/CAMPUS IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44

Etc & Tal. Volume 2 - Número 1 - Abril 2009 SBC HORIZONTES 44 Armazenando Dados em Aplicações Java Parte 2 de 3: Apresentando as opções Hua Lin Chang Costa, hualin@cos.ufrj.br, COPPE/UFRJ. Leonardo Gresta Paulino Murta, leomurta@ic.uff.br, IC/UFF. Vanessa Braganholo,

Leia mais

Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software

Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software Evitando Relatos de CRs duplicadas em Projetos Open Source de Software Yguaratã C. Cavalcanti 1,2, Alexandre C. Martins 1,2, Eduardo S. Almeida 2, Silvio L. Meira 1,2 1 Centro de Informática Universidade

Leia mais

TUTORIAL PRÁTICO SOBRE Git. Versão 1.1

TUTORIAL PRÁTICO SOBRE Git. Versão 1.1 TUTORIAL PRÁTICO SOBRE Git por Djalma Oliveira Versão 1.1 "Git é um sistema de controle de revisão distribuida, rápido e escalável" (tradução rápida do manual). Basicamente é

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento de Software Livre: Ferramentas Gráficas para CVS

Ferramentas para Desenvolvimento de Software Livre: Ferramentas Gráficas para CVS Ferramentas para Desenvolvimento de Software Livre: Ferramentas Gráficas para CVS José Aparecido da Silva 1, Sergio Moraes 1 1 Instituto de Informática Universidade do Estado do Amazonas (UEA) Caixa Postal

Leia mais

Controle de Versão com GIT

Controle de Versão com GIT Controle de Versão com GIT Túlio Toffolo tulio@toffolo.com.br http://www.toffolo.com.br Conteúdo Extra Algoritmos e Estruturas de Dados História do GIT Linus usa BitKeeper para gerenciar o código de suas

Leia mais

Odyssey-WI: Uma Ferramenta para Mineração de Rastros de Modificação em Modelos UML Versionados

Odyssey-WI: Uma Ferramenta para Mineração de Rastros de Modificação em Modelos UML Versionados Odyssey-WI: Uma Ferramenta para Mineração de Rastros de Modificação em Modelos UML Versionados Cristine Dantas, Leonardo Murta, Cláudia Werner COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO Mestrado em Ciência da Computação CENTRO DE INFORMÁTICA Análise comparativa entre os diferentes tipos De protocolos para transmissão de dados Grupo: Professora: Disciplina:

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o.

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 08 APRESENTAÇÃO Na aula de hoje vamos apresentar e discutir como definir

Leia mais

Um Arcabouço open source em Python para DBC com

Um Arcabouço open source em Python para DBC com Um Arcabouço open source em Python para DBC com Suporte à Evolução Dinâmica não Antecipada Yguaratã C. Cavacanti 1, Hyggo Oliveira de Almeida 1, Evandro Costa 2 1 Instituto de Computação Universidade Federal

Leia mais

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web

Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web paper:25 Descoberta de Domínio Conceitual de Páginas Web Aluno: Gleidson Antônio Cardoso da Silva gleidson.silva@posgrad.ufsc.br Orientadora: Carina Friedrich Dorneles dorneles@inf.ufsc.br Nível: Mestrado

Leia mais

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável

O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável MAC5715 - Tópicos Avançados em POO O Padrão Arquitetural Auto-Adaptável Raphael Y. de Camargo e Carlos Alexandre Queiroz 30 de outubro de 2003 1 Intenção O padrão auto-adaptável permite o desenvolvimento

Leia mais

3.1 Baseado em operações

3.1 Baseado em operações 23 3. Estado da Arte Algumas das ferramentas de controle de versão comerciais mais conhecidas atualmente são: Concurrent Version System (CVS) [CEDERQVIST, 1993], Microsoft Visual SourceSafe (MVSS) [MICROSOFT,

Leia mais

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre

Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Desenvolvendo um Ambiente de Aprendizagem a Distância Utilizando Software Livre Fabrício Viero de Araújo, Gilse A. Morgental Falkembach Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção - PPGEP Universidade

Leia mais

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos

1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos Sumário Modelagem de Processos Módulo 4 1. Modelagem de Sistemas 1.1. Os Desenvolvedores de Sistemas podem Escolher entre Quatro Caminhos M. Sc. Luiz Alberto lasf.bel@gmail.com Modelagem de Sistemas MP

Leia mais

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião

AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE. Prof. Msc. Hélio Esperidião AULA 1 INTRODUÇÃO - ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof. Msc. Hélio Esperidião O QUE É UM ALGORITMO? É qualquer procedimento computacional bem definido que informa algum valor ou conjunto de valores como entrada

Leia mais

Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA

Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA Comparação entre Ferramentas CASE para gerenciamento de Projeto e Métricas de Software no Curso de Sistemas da Informação do UniFOA Professor Doutor Jason Paulo Tavares Faria Junior (Sistemas da Informação

Leia mais

Plano de Gerência de Configuração

Plano de Gerência de Configuração Plano de Gerência de Configuração Objetivo do Documento Introdução A aplicação deste plano garante a integridade de códigos-fonte e demais produtos dos sistemas do, permitindo o acompanhamento destes itens

Leia mais

Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre

Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre Modelo e Implementação para Gestão de Conhecimento em Comunidades Virtuais de Software Livre Tiago Nicola Veloso, Licia de Cassia Nascimento, Flávia Maria Santoro Departamento de Informática Aplicada Universidade

Leia mais

Utilização de Análise de Características Dinâmicas em analises estáticas.

Utilização de Análise de Características Dinâmicas em analises estáticas. Utilização de Análise de Características Dinâmicas em analises estáticas. Felipe A. Miziara 1, Marcelo A. Maia 1 1 Departamento de pós-graduação em Ciências da Computação Universidade Federal de Uberlândia

Leia mais

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software

Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software. Requisitos de Software INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Curso Técnico em Informática ENGENHARIA DE SOFTWARE Prof.: Clayton Maciel Costa clayton.maciel@ifrn.edu.br Clayton Maciel Costa

Leia mais

7 Mudanças Realizadas

7 Mudanças Realizadas 7 Mudanças Realizadas Este capítulo tem o objetivo de detalhar as mudanças realizadas no ambiente de trabalho da equipe estudada. Ele cita as alterações no produto de software utilizado pela equipe, que

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

3 Estudo de Ferramentas

3 Estudo de Ferramentas 3 Estudo de Ferramentas Existem diferentes abordagens para automatizar um processo de desenvolvimento. Um conjunto de ferramentas pode ser utilizado para aperfeiçoar o trabalho, mantendo os desenvolvedores

Leia mais

Declaração de Escopo

Declaração de Escopo 1/9 Elaborado por: Adriano Marra, Bruno Mota, Bruno Leite, Janaina Versão: 1.4 Lima, Joao Augusto, Paulo Takagi, Ricardo Reis. Aprovado por: Porfírio Carlos Roberto Junior 24/08/2010 Time da Equipe de

Leia mais

Políticas de Controle de Concorrência no Desenvolvimento Distribuído de Software

Políticas de Controle de Concorrência no Desenvolvimento Distribuído de Software Políticas de Controle de Concorrência no Desenvolvimento Distribuído de Software João Gustavo Prudêncio, Leonardo Murta, Cláudia Werner PESC/COPPE Universidade Federal do Rio de Janeiro Caixa Postal 68.511

Leia mais

Análise de Dados Qualitativos

Análise de Dados Qualitativos 2 Objetivo Análise de Dados Qualitativos Uma breve Introdução a Grounded Theory cleidson de souza cdesouza@ufpa.br! Você já está há 1 mês coletando documentos, fazendo observações, conduzindo entrevistas

Leia mais

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br)

Introdução ao Controle de Versões. Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução ao Controle de Versões Leonardo Murta (leomurta@ic.uff.br) Introdução A Engenharia de Software... Abordagem disciplinada para o desenvolvimento de software Grande diversidade de metodologias

Leia mais

Módulo 4: Gerenciamento de Dados

Módulo 4: Gerenciamento de Dados Módulo 4: Gerenciamento de Dados 1 1. CONCEITOS Os dados são um recurso organizacional decisivo que precisa ser administrado como outros importantes ativos das empresas. A maioria das organizações não

Leia mais

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum

Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Test-Module: uma ferramenta para gerenciamento de testes de software integrada ao FireScrum Audrey B. Vasconcelos, Iuri Santos Souza, Ivonei F. da Silva, Keldjan Alves Centro de Informática Universidade

Leia mais

Proposta de um Processo Sistematizado de Controle de Manutenção de Software para Micro e Pequenas Empresas

Proposta de um Processo Sistematizado de Controle de Manutenção de Software para Micro e Pequenas Empresas Proposta de um Processo Sistematizado de Controle de Manutenção de Software para Micro e Pequenas Empresas Dayler Vinicius M. Alves 1, Carlos Renato Storck 1 1 Instituto de Informática Pontifícia Universidade

Leia mais

Introdução a INGENIAS:

Introdução a INGENIAS: Universidade do Estado do Rio Grande do Norte UERN Universidade Federal Rural do Semi-Árido UFERSA Mestrado em Ciência da Computação MCC Disciplina: Engenharia de Software Orientada a Agentes Professores:

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Exemplos. Protocolos e Artefatos de Coordenação Groupware Protocolos e Artefatos de Coordenação em CSCW Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como

Leia mais

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS

FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 FDQ-TOOL UMA FERRAMENTA PARA A ANÁLISE DA QUALIDADE DA MÉTRICA DE ESFORÇO DO PDS Marcos Mitsuo Ashihara 1, Nelson Tenório Jr 2, Rita Cristina Galarraga

Leia mais

Tableau Online Segurança na nuvem

Tableau Online Segurança na nuvem Tableau Online Segurança na nuvem Autor(a): Ellie Fields Diretora Sênior de Marketing de Produtos, Tableau Software Junho de 2013 p2 A Tableau Software entende que os dados são um dos ativos mais estratégicos

Leia mais

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA

(P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS: IMPLEMENTAÇÃO EM JAVA Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM (P AA) 2 PACOTE DE APOIO A APRENDIZAGEM DE PROJETO E ANÁLISE DE ALGORITMOS:

Leia mais

TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS

TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS TÍTULO: ELICITAÇÃO DE REQUISITOS DE INTEGRIDADE PARA SISTEMAS SEGUROS UTILIZANDO ASPECTOS E DOMÍNIOS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: COMPUTAÇÃO E INFORMÁTICA INSTITUIÇÃO:

Leia mais

Análise Comparativa de Sistemas de Controle de Versões Baseados em Código Aberto

Análise Comparativa de Sistemas de Controle de Versões Baseados em Código Aberto Análise Comparativa de Sistemas de Controle de Versões Baseados em Código Aberto Erivan de Sena Ramos 1, Rejane Cunha Freitas 2 1 Faculdade Integrada do Ceará (FIC), Fortaleza, CE, Brasil, erivansr@gmail.com

Leia mais

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa

Gestão de Modificações. Fabrício de Sousa Gestão de Modificações Fabrício de Sousa Introdução Inevitáveis quando o software é construído Confusão As modificações não são analisadas antes de serem feitas Não são registradas antes de serem feitas

Leia mais

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento

Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE. Planejamento e Gerenciamento Ciência da Computação ENGENHARIA DE SOFTWARE Planejamento e Gerenciamento Prof. Claudinei Dias email: prof.claudinei.dias@gmail.com Roteiro Introdução; Pessoas, Produto, Processo e Projeto; Gerência de

Leia mais

Analisando as Contribuições da Comunidade Open Source Brasileira em Projetos Distribuídos de Software Um Estudo Inicial

Analisando as Contribuições da Comunidade Open Source Brasileira em Projetos Distribuídos de Software Um Estudo Inicial Analisando as Contribuições da Comunidade Open Source Brasileira em Projetos Distribuídos de Software Um Estudo Inicial Gustavo Pinto 1, Fernando K. Kamei 1,2 1 Centro de Informática Universidade Federal

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo

Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software. Marco Aurélio Vilaça de Melo Requisitos de Ferramentas de Apoio aos Processos de Medição de Software Marco Aurélio Vilaça de Melo Departamento de Ciência da Computação Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Belo Horizonte MG

Leia mais

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software

Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Requisitos para ferramentas de registro de defeitos de software Alessandro Liebmam Departamento de Ciência da Computação Instituto de Ciências Exatas Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) CEP: 31270-010

Leia mais

Desenvolvimento de Software Livre

Desenvolvimento de Software Livre Relevância dos Requisitos no Desenvolvimento de Software Livre Elisa Yumi Nakagawa, Norberto Fukuta da Cruz, José Carlos Maldonado 1 Departamento de Ciências de Computação Instituto de Ciências Matemáticas

Leia mais

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos

Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Desenvolvimento de software orientado a características e dirigido por modelos Universidade Federal de Uberlândia Rodrigo Reis Pereira Prof. Dr. Marcelo Almeida Maia Agenda Motivação Introdução Modelagem

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE

ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE MODELOS E REUTILIZAÇÃO EM ECOSSISTEMAS DE SOFTWARE Alunos: Felyppe Rodrigues da Silva (Mestrado) Gabriella Castro Barbosa Costa (Doutorado) Professor: Toacy Cavalcante de Oliveira

Leia mais

Gerenciador de Log Documento Visão. Versão 2.0

Gerenciador de Log Documento Visão. Versão 2.0 Gerenciador de Log Documento Visão Versão 2.0 Histórico de Revisões Data Versão Descrição Autor 29/05/2014 1.0 Objetivo, descrição, problema. Melina, Kárita, Rodrigo 29/05/2014 1.5 Produto. Melina 30/05/2014

Leia mais

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE

CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE CAPITULO 4 A ARQUITETURA LÓGICA PARA O AMBIENTE A proposta para o ambiente apresentada neste trabalho é baseada no conjunto de requisitos levantados no capítulo anterior. Este levantamento, sugere uma

Leia mais

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos

Conteúdo. Curso de Introdução ao Plone. O que é Plone. Parte I Conceitos básicos Curso de Introdução ao Plone Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Modulo A Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Laurimar Gonçalves

Leia mais

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO

Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de. Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração de Imagens de Teste do Sistema DTCOURO Willian Paraguassu Amorim 27 de julho de 2005 1 Título Desenvolvimento do Módulo de Pré-processamento e Geração

Leia mais

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código

GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código GeCA: Uma Ferramenta de Engenharia Reversa e Geração Automática de Código Igor Steinmacher 1, Éderson Fernando Amorim 1, Flávio Luiz Schiavoni 1, Elisa Hatsue Moriya Huzita 1 1 Departamento de Informática

Leia mais

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO XIII Encontro de Iniciação Científica IX Mostra de Pós-graduação 06 a 11 de outubro de 2008 BIODIVERSIDADE TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO EPE0147 UTILIZAÇÃO DA MINERAÇÃO DE DADOS EM UMA AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL

Leia mais

Gerência de Configuração de Software Introdução

Gerência de Configuração de Software Introdução Universidade Estadual de Maringá Departamento de Informática Ciência da Computação Processo de Engenharia de Software II Gerência de Configuração de Software Introdução Rafael Leonardo Vivian {rlvivian.uem

Leia mais

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação

Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Uma Ontologia para Gestão de Segurança da Informação Paulo Fernando da Silva, Henrique Otte, José Leomar Todesco, Fernando A. O. Gauthier Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento

Leia mais

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada

CURSO DE FORMAÇÃO. webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA. Entidade de formação credenciada e homologada CURSO DE FORMAÇÃO webqda - SOFTWARE DE APOIO À ANÁLISE QUALITATIVA Entidade de formação credenciada e homologada 1. Fundamentação A investigação nas ciências humanas e sociais tem passado nas últimas décadas

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

Gerenciamento de Configuração de Software

Gerenciamento de Configuração de Software Gerenciamento de Configuração de Software Prof. Ricardo Argenton Ramos [Baseado na apresentação do prof. Masiero ICMC-USP] Contexto para Gerência de Configuração 2 Problema dos Dados Compartilhados Desenvolvedor

Leia mais

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani

Curso de Introdução ao Plone. Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Curso de Introdução ao Plone Instrutores Carlos Alberto Alves Meira Erick Gallani Conteúdo Parte I - Conceitos básicos Parte II - Interface do Plone Parte III - Gerenciamento de usuários Parte IV - Criação

Leia mais

Como é o desenvolvimento de Software?

Como é o desenvolvimento de Software? Como é o desenvolvimento de Software? Fases do Desenvolvimento Modelo Cascata Define atividades seqüenciais Outras abordagens são baseadas nesta idéia Especificação de Requisitos Projeto Implementação

Leia mais

Os custos da realização dos Testes de Desempenho e Estresse

Os custos da realização dos Testes de Desempenho e Estresse Os custos da realização dos Testes de Desempenho e Estresse Iure de Sousa Fé 1, Ismayle de Sousa Santos 1, Pedro de Alcântara dos Santos Neto 1 1 Departamento de Informática e Estatística Universidade

Leia mais

Sistema de Controle de Versão - CVS

Sistema de Controle de Versão - CVS - CVS Adailton Magalhães Lima adailton@webapsee.com Não há nada permanente exceto a modificação. Heráclitos 500 a.c. Adaptado de ESTUDO E PROPOSTA DE MODELOS DE PROCESSO DE SOFTWARE PARA O LABORATÓRIO

Leia mais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais

Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Influência do Encaminhamento de Mensagens na Topologia de Redes Sociais Samuel da Costa Alves Basilio, Gabriel de Oliveira Machado 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais - CEFET MG, Unidade

Leia mais

Roteiro 2 Conceitos Gerais

Roteiro 2 Conceitos Gerais Roteiro 2 Conceitos Gerais Objetivos: UC Projeto de Banco de Dados Explorar conceitos gerais de bancos de dados; o Arquitetura de bancos de dados: esquemas, categorias de modelos de dados, linguagens e

Leia mais

O primeiro passo é habilitar acesso externo através de web service a configuração é bem simples e não exige maiores explicações.

O primeiro passo é habilitar acesso externo através de web service a configuração é bem simples e não exige maiores explicações. Integração de Controle de versão com Redmine. A integração do controle de versão pode permitir uma interatividade bem interessante entre os tickets e projetos do redmine com o controle de versão segue

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE ELETRÔNICA E COMPUTAÇÃO Programa de Pós-Graduação em Informática Estudo e aperfeiçoamento da técnica de steering behaviors na simulação física de fluidos

Leia mais

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG

Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Sistema Gerenciador de Conteúdo OpenCms: um caso de sucesso no CEFET-MG Marco T. A. Rodrigues*, Paulo E. M. de Almeida* *Departamento de Recursos em Informática Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica

Uma Extensão da Disciplina de Requisitos do OpenUP/Basic para a Construção de Ontologias Aplicadas à Web Semântica SEMINÁRIO DE PESQUISA EM ONTOLOGIA NO BRASIL 11 e 12 de Agosto Universidade Federal Fluminense Departamento de Ciência da Informação Niterói Rio de Janeiro Brasil [X] Tema 2 Técnicas e Ferramentas em Ontologias

Leia mais

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS

METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS METODOLOGIA DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS COORDENAÇÃO DE SISTEMAS (CODES) JUNHO/2011 Rua do Rouxinol, N 115 / Salvador Bahia CEP: 41.720-052 Telefone: (71) 3186-0001. Email: codes@ifbaiano.edu.br Site:

Leia mais

Processo Controle de Documentos e Registros

Processo Controle de Documentos e Registros Dono do Processo Marilusa Lara Bernardes Bittencourt Aprovado por Comitê da Qualidade Analisado criticamente por Representante da Direção Substituto: Kelly Vitoriny 1. OBJETIVOS: Descrever a forma como

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Curso: Sistemas de Informação Arquitetura de Software Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 4 Estilos Arquitetônicos Estilos Arquiteturais Dataflow

Leia mais

PROJETO CEMEA. Um trabalho educacional

PROJETO CEMEA. Um trabalho educacional PROJETO CEMEA Um trabalho educacional CEMEA: Objetivo geral A partir de um sistema já existente, temos como missão: Melhorar suas funcionalidades; Documentar tanto o código, quanto suas funções; Acrescentar

Leia mais

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS

Unidade II MODELAGEM DE PROCESSOS Unidade II 3 MODELAGEM DE SISTEMAS 1 20 A fase de desenvolvimento de um novo sistema de informação (Quadro 2) é um momento complexo que exige um significativo esforço no sentido de agregar recursos que

Leia mais

LockED: Uma Ferramenta para o Controle de Alterações no Desenvolvimento Distribuído de Artefatos de Software

LockED: Uma Ferramenta para o Controle de Alterações no Desenvolvimento Distribuído de Artefatos de Software LockED: Uma Ferramenta para o Controle de Alterações no Desenvolvimento Distribuído de Artefatos de Software Hugo Vidal Teixeira Leonardo Gresta Paulino Murta Cláudia Maria Lima Werner {hvidal, murta,

Leia mais

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES

O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES O USO E DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARES EM MICRO E PEQUENAS EMPRESAS* THE USE AND DEVELOPMENT OF SOFTWARE IN MICRO AND SMALL ENTERPRISES Rodolfo Miranda Pereira 1 Tania Fatima Calvi Tait 2 Donizete Carlos

Leia mais

Documento de Visão REPOSITÓRIO DE ARQUIVOS V1.0

Documento de Visão REPOSITÓRIO DE ARQUIVOS V1.0 Documento de Visão REPOSITÓRIO DE ARQUIVOS V1.0 Macaíba/2014 1 REPOSITÓRIO DE ARQUIVOS Histórico Data Versão Descrição Autor 11/06/2014 1.0 Fim do levantamento de requisitos e casos de uso Renan Farias

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores FORMANDO PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA PARA O ACESSO A INTERNET: O CURSO DE WEB DESIGN E A

Leia mais

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial

DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial DAS6607 - Inteligência Artificial Aplicada à Controle de Processos e Automação Industrial Aluno: André Faria Ruaro Professores: Jomi F. Hubner e Ricardo J. Rabelo 29/11/2013 1. Introdução e Motivação 2.

Leia mais

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C

2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C 2. O AMBIENTE DE PROGRAMAÇÃO EM C Este capítulo trata de colocar a linguagem C para funcionar em um ambiente de programação, concentrando-se no compilador GNU Compiler Collection (gcc). Mas qualquer outro

Leia mais

Eduardo Alves de Oliveira. eduaopec@yahoo.com.br IME Instituo Militar de Engenharia LES PUC-Rio Laboratório de Engenharia de Software da Puc - Rio

Eduardo Alves de Oliveira. eduaopec@yahoo.com.br IME Instituo Militar de Engenharia LES PUC-Rio Laboratório de Engenharia de Software da Puc - Rio Eduardo Alves de Oliveira eduaopec@yahoo.com.br IME Instituo Militar de Engenharia LES PUC-Rio Laboratório de Engenharia de Software da Puc - Rio Processo de Desenvolvimento de Software; Produtividade:

Leia mais

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE

Figura 1 - Arquitetura multi-camadas do SIE Um estudo sobre os aspectos de desenvolvimento e distribuição do SIE Fernando Pires Barbosa¹, Equipe Técnica do SIE¹ ¹Centro de Processamento de Dados, Universidade Federal de Santa Maria fernando.barbosa@cpd.ufsm.br

Leia mais

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012

Dados do Projeto. Nome do Projeto. Fingerprint Access Users. Data de Inicialização 14/04/2012 Fábrica de Software Dados do Projeto Nome do Projeto Data de Inicialização Responsáveis Autores Fingerprint Access Users 14/04/2012 Adriana Lima de Almeida, Espedito Alves Leal, Jaciel Dias de Souza, Samuel

Leia mais