É utilizada há vários séculos e baseia-se na selecção artificial para obter variedades de plantas com características vantajosas.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "É utilizada há vários séculos e baseia-se na selecção artificial para obter variedades de plantas com características vantajosas."

Transcrição

1 Reprodução selectiva tradicional É utilizada há vários séculos e baseia-se na selecção artificial para obter variedades de plantas com características vantajosas. Em cada geração, são promovidos os cruzamentos entre indivíduos que apresentam as características desejadas, aumentando a sua representatividade na geração seguinte.

2 Vantagens da reprodução selectiva Selecção de espécies fazendo cruzamentos entre plantas com características que se desejam permite o aparecimento de novas variedades e com maior rentabilidade. A selecção de novas variedades por isolamento progressivo conduz à obtenção de novas plantas, cujo programa genético associa caracteres que existiam separados nos progenitores. Actividade 11 pág. 244

3 Actualmente, as sementes que produzem as plantas com as características pretendidas podem ser fornecidas aos agricultores por institutos de selecção de plantas. Na alimentação utilizam-se também certas plantas que resultaram de mutações e que foram seleccionadas posteriormente pelo Homem. Atendendo a que a selecção de plantas por reprodução sexuada é lenta e implica variabilidade genética dos descendentes devido às recombinações genéticas que ocorrem nos processos de meiose e fecundação, tem-se recorrido ao longo dos tempos, aos processos de propagação vegetativa (ex: estaca, mergulhia e enxertia).

4 Clonagem de plantas Vantagens da clonagem de plantas: Produção numerosa, rápida, económica e homogénea; Recurso a um só indivíduo, seleccionado pelas suas características; Presença das características desejadas em todo o clone; Plantas com maior vigor.

5 Desvantagens da clonagem de plantas: Técnica altamente especializada; Grande redução da diversidade das espécies cultivadas; Maior sensibilidade a doenças dada a homogeneidade das culturas.

6 Clonagem por micropropagação A micropropagação é uma extensão dos métodos tradicionais de propagação vegetativa. A clonagem de plantas com características desejáveis é obtida pela cultura in vitro de tecidos vegetais, num meio adequado, sólido ou líquido, em condições assépticas e na presença de reguladores de crescimento que induzem a manifestação da totipotência das células. As plantas possuem uma grande capacidade de regeneração porque as células vegetais sofrem desdiferenciação e manifestam a sua totipotência com facilidade.

7 Técnica de micropropagação Um pequeno fragmento de uma planta, o explante, é colocado em cultura in vitro em condições que favorecem a perda de especialização celular e a formação de tecido caloso. O tecido caloso é um tecido muito heterogéneo formado por uma massa de células, predominantemente parenquimatosas, em proliferação. O tecido caloso pode ser dividido e subcultivado por sucessivas gerações. Milhões de rebentos podem ser obtidos a partir de um único fragmento inicial da planta. Actividade 13 pág. 247

8 Etapas da multiplicação in vitro

9 Regeneração de plantas a partir de protoplastos Os protoplastos são células vegetais cujas paredes celulares foram removidas por processos mecânicos ou enzimáticos. Podem ser cultivados in vitro e regenerar plantas completas; São utilizados na transformação genética de plantas, uma vez que a ausência de parede celular torna mais fácil a introdução de DNA estranho; São utilizados na obtenção de plantas híbridas, por fusão em cultura.

10 Obtenção de batateiras a partir de protoplastos

11 O sucesso da cultura de protoplastos depende de diferentes factores, entre os quais se destacam: O genótipo; O tipo de tecidos utilizados para o isolamento; As condições fisiológicas das plantas de onde provêm os tecidos utilizados; O meio de cultura.

12 Engenharia genética no melhoramento de plantas Nos últimos anos, a aplicação da técnica do DNA recombinante possibilitou a manipulação do genoma de plantas. Introduzindo genes específicos, é possível alterar as características genéticas e reduzir o tempo necessário para a produção de novas variedades, que podem ser colocadas no mercado de acordo com a procura. Actividade 14 pág. 252

13 As plantas transgénicas são fáceis de obter porque: possuem um ciclo de vida curto (selecção rápida de novas características), produzem uma descendência numerosa (aparecimento de mutações e aumento da diversidade) têm uma grande capacidade de autofecundação (fixação das novas caracteristicas).

14 Na transformação genética de plantas é frequente a utilização de plasmídeos de Agrobacterium tumefaciens e de Agrobacterium rhizogenes. Estas bactérias vivem no solo e infectam as plantas, causando tumores. A capacidade infecciosa reside num gene do plasmídeo. O plasmídeo pode ser manipulado de modo a substituir o oncogene por um gene com interesse que é transferido para a planta.

15 Transgénicos A tecnologia do DNA recombinante tornou possível a manipulação do genoma de plantas e animais utilizados na alimentação humana, com determinados objectivos. Melhoramento das propriedades nutritivas; Aumento da produção de sementes, frutos, etc.; Aumento da resistência a doenças e a pragas; Tolerância a condições ambientais adversas; Resistência a herbicidas; Alteração da maturação de frutos.

Que modificações têm ocorrido no cultivo de plantas?

Que modificações têm ocorrido no cultivo de plantas? Cruzamento de plantas Que modificações têm ocorrido no cultivo de plantas? A engenharia biológica nasceu com o homem do neolítico, quando se iniciou a reprodução selectiva. Reprodução selectiva Revolução

Leia mais

Noções básicas de hereditariedade. Isabel Dias CEI

Noções básicas de hereditariedade. Isabel Dias CEI Noções básicas de hereditariedade Os seres humanos apresentam características que os distinguem dos seres vivos de outras espécies mas também apresentam características que os distinguem dos outros indivíduos

Leia mais

BIOSFERA. Biosfera é a parte do planeta ocupada pelos seres vivos. Geralmente, a expressão refere-se ao conjunto de todos os ecossistemas da Terra.

BIOSFERA. Biosfera é a parte do planeta ocupada pelos seres vivos. Geralmente, a expressão refere-se ao conjunto de todos os ecossistemas da Terra. BIOSFERA Biosfera é a parte do planeta ocupada pelos seres vivos. Geralmente, a expressão refere-se ao conjunto de todos os ecossistemas da Terra. É um conceito da ecologia, relacionado com os conceitos

Leia mais

Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento

Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento Universidade Federal de Rondônia Curso de Eng. Florestal Melhoramento genético Florestal Sistemas de reprodução e suas relações com melhoramento Emanuel Maia www.lahorta.acagea.net emanuel@unir.br Apresentação

Leia mais

LISTA - CICLOS DE VIDA - PROF. NETTO (3ª SÉRIES E EXTENSIVO) *** Gabarito Final da Lista ***

LISTA - CICLOS DE VIDA - PROF. NETTO (3ª SÉRIES E EXTENSIVO) *** Gabarito Final da Lista *** LISTA - CICLOS DE VIDA - PROF. NETTO (3ª SÉRIES E EXTENSIVO) *** Gabarito Final da Lista *** 1)Qual dos seguintes eventos ocorre no ciclo de vida de toda espécie com reprodução sexuada? a) Diferenciação

Leia mais

Bipartição. Comum nos seres unicelulares (bactérias, amibas, paramécias)

Bipartição. Comum nos seres unicelulares (bactérias, amibas, paramécias) Bipartição Comum nos seres unicelulares (bactérias, amibas, paramécias) O progenitor perde a sua individualidade, dando origem a dois indivíduos idênticos. Consiste na divisão de uma célula em duas células

Leia mais

Reprodução nos seres vivos. Biologia e Geologia 11º Ano Natércia Charruadas

Reprodução nos seres vivos. Biologia e Geologia 11º Ano Natércia Charruadas Reprodução nos seres vivos Biologia e Geologia 11º Ano Natércia Charruadas Unidade 6 - Reprodução Que processos são responsáveis pela unidade e variabilidade celular? Reprodução e variabilidade, que relação?

Leia mais

Biologia e Geologia Módulo 4 Meiose e ciclos celulares

Biologia e Geologia Módulo 4 Meiose e ciclos celulares FICHA (IN)FORMATIVA Nº 3 Biologia e Geologia Módulo 4 Meiose e ciclos celulares A reprodução sexuada distingue-se da assexuada pelo factio de cada descendente ser o resultado de uma fecundação, isto é,

Leia mais

Clonagem Molecular Patricia H. Stoco Edmundo C. Grisard

Clonagem Molecular Patricia H. Stoco Edmundo C. Grisard Universidade Federal de Santa Catarina Centro de Ciências Biológicas Programa de Pós Graduação em Biotecnologia e Biociências Clonagem Molecular Patricia H. Stoco Edmundo C. Grisard Desenvolvimento da

Leia mais

A disposição da vida na Terra

A disposição da vida na Terra Aula 01 A disposição da vida na Terra O que é a vida? Existe vida em outros planetas? Podemos viver sem o Sol? O nosso sistema solar possui os seguintes planetas: Mercúrio, Vênus, Terra, Marte Júpiter,

Leia mais

APLICAÇÃO DE MARCADORES MOLECULARES NO MELHORAMENTO GENÉTICO DA CANA-DE-AÇÚCAR

APLICAÇÃO DE MARCADORES MOLECULARES NO MELHORAMENTO GENÉTICO DA CANA-DE-AÇÚCAR APLICAÇÃO DE MARCADORES MOLECULARES NO MELHORAMENTO GENÉTICO DA CANA-DE-AÇÚCAR Luciana A. Carlini-Garcia Eng. Agr., Dr., PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA lacgarcia@apta.sp.gov.br Daniel Nunes da Silva

Leia mais

Características gerais

Características gerais Reino das Plantas Características gerais São organismos: Eucariontes Pluricelulares Autótrofos Possuem diversos pigmentos, como os fotossintetizantes e os acessórios. Características gerais Capacidade

Leia mais

VARIEDADES HÍBRIDAS: OBTENÇÃO E PREDIÇÃO

VARIEDADES HÍBRIDAS: OBTENÇÃO E PREDIÇÃO VARIEDADES HÍBRIDAS: 15 OBTENÇÃO E PREDIÇÃO INTRODUÇÃO Variedade híbrida é a progênie de um cruzamento entre dois genitores geneticamente diferentes. Esses genitores podem ser variedades de polinização

Leia mais

Que processos são responsáveis pela unidade e variabilidade celular? Reprodução e variabilidade, que relação?

Que processos são responsáveis pela unidade e variabilidade celular? Reprodução e variabilidade, que relação? SITUAÇÃO-PROBLEMA: Que processos são responsáveis pela unidade e variabilidade celular? Reprodução e variabilidade, que relação? Que processos são responsáveis pela unidade celular? Qual a relação entre

Leia mais

Célula Procarionte X Célula Eucarionte

Célula Procarionte X Célula Eucarionte Célula Procarionte X Célula Eucarionte Células procarióticas (grego protos, primitivo, e Karyon, núcleo) Núcleo antigo Surgimento a bilhões de anos atrás Bactérias e Cianobactérias (algas) Não apresenta

Leia mais

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m

A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m A g r u p a m e n t o d e E s c o l a s A n t ó n i o A l v e s A m o r i m L o u r o s a CIÊNCIAS NATURAIS 9º ano FICHA DE AVALIAÇÃO Ano Letivo 2011/2012 Classificação: Professora: Enc. Educação: Nome:

Leia mais

Produção de plantas de eucalipto em Portugal

Produção de plantas de eucalipto em Portugal Produção de plantas de eucalipto em Portugal Armando Goes 20 de Outubro de 2014, COTF CELPA, Associação da Indústria Papeleira Pomos o Futuro no Papel 1. O eucalipto em Portugal 2. O novo PDR 2020 3. Produção

Leia mais

Reprodução assexuada. Biologia Unidade 6: Reprodução

Reprodução assexuada. Biologia Unidade 6: Reprodução 1 Reprodução assexuada Biologia Unidade 6: Reprodução 4 2 Reprodução assexuada: diversidade de processos INTRODUÇÃO A reprodução assexuada é um tipo de reprodução que não envolve células sexuais masculinas

Leia mais

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 39 MEIOSE

BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 39 MEIOSE BIOLOGIA - 1 o ANO MÓDULO 39 MEIOSE Como pode cair no enem? (CESGRANRIO) Os esquemas 1 e 2 mostrados abaixo representam estágios funcionais do núcleo celular e estão relacionados com a divisão celular,

Leia mais

Professor: Paulo Disciplina: Biologia Campus Aquidauana CITOLOGIA

Professor: Paulo Disciplina: Biologia Campus Aquidauana CITOLOGIA Professor: Paulo Disciplina: Biologia Campus Aquidauana CITOLOGIA CITOLOGIA A área da Biologia que estuda a célula, no que diz respeito à sua estrutura e funcionamento. Kytos (célula) + Logos (estudo)

Leia mais

Fundamentos da Genética

Fundamentos da Genética Estudante: Educadora: Daiana Araújo 8º Ano/Turma: Data / /2016 C.Curricular: Ciências Naturais Fundamentos da Genética Hereditariedade é a transferência de informações sobre as características próprias

Leia mais

Suponha que em uma certa espécie diploide exista um caráter relacionado com uma série de quatro alelos (alelos múltiplos).

Suponha que em uma certa espécie diploide exista um caráter relacionado com uma série de quatro alelos (alelos múltiplos). Suponha que em uma certa espécie diploide exista um caráter relacionado com uma série de quatro alelos (alelos múltiplos). Em um determinado indivíduo da espécie referida, o número máximo de alelos representados

Leia mais

CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR

CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR Universidade Federal do Pampa Campus de São Gabriel Centro de Ciências Rurais Curso de Ciências Biológicas CÉLULA VEGETAL E PAREDE CELULAR Monitora: Rosangela Gonçalves Célula Vegetal As células vegetais

Leia mais

Lista de Exercícios: Divisão Celular

Lista de Exercícios: Divisão Celular 1. (UNIFOR-CE) Em organismos unicelulares, divisão por mitose significa: a) Crescimento b) Regeneração c) Recombinação d) Reprodução e) Gametogênese 2. (FUVEST) Analise os eventos mitóticos relacionados

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS SEMENTES DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANA D. L. C. NOVEMBRE adlcnove@usp.br

Leia mais

Unidade 6 Reprodução I REPRODUÇÃO ASSEXUADA

Unidade 6 Reprodução I REPRODUÇÃO ASSEXUADA 1 Unidade 6 Reprodução I REPRODUÇÃO ASSEXUADA Reprodução 2 Conjunto de processos pelos quais os seres vivos originam outros idênticos a si próprios. Reprodução assexuada 3 Reprodução assexuada 4 Envolve

Leia mais

DOENÇA DE GUMBORO PERSPECTIVAS DE CONTROLO FUNCHAL. 15 de Março de 2010 Rui Sereno

DOENÇA DE GUMBORO PERSPECTIVAS DE CONTROLO FUNCHAL. 15 de Março de 2010 Rui Sereno DOENÇA DE GUMBORO PERSPECTIVAS DE CONTROLO FUNCHAL 15 de Março de 2010 Rui Sereno Etiologia Birnavirus Dupla cadeia de RNA Quatro proteínas estruturais: VP1 VP2 VP3 e VP4 Serotipo 1 e 2 - serotipo 1 importante

Leia mais

Alimentação, Ambiente e Sustentabilidade

Alimentação, Ambiente e Sustentabilidade Alimentação, Ambiente e Sustentabilidade As estatísticas da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO) indicam que 860 milhões de pessoas sofrem de malnutrição no mundo e que

Leia mais

Unidade 6 Reprodução 1 reprodução assexuada. Tipos de reprodução. assexuada. sexuada

Unidade 6 Reprodução 1 reprodução assexuada. Tipos de reprodução. assexuada. sexuada Tipos de reprodução A B assexuada sexuada Reprodução sexuada Processo de divisão nuclear/celular associado MEiOSE. Fusão de dois gâmetas (fecundação). Originam-se descendentes com informação genética própria.

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DOS AMILOPLASTOS

CARACTERÍSTICAS DOS AMILOPLASTOS Escola Secundária Padre António Martins Oliveira de Lagoa Técnicas Laboratoriais de Biologia CARACTERÍSTICAS DOS AMILOPLASTOS Pedro Pinto Nº 20 10ºA 16/01/2003 Introdução Esta actividade serviu para estudar

Leia mais

REPRODUÇÃO SEXUADA MEIOSE E FECUNDAÇÃO. Disciplina Biologia e Geologia Professora Tânia Magalhães

REPRODUÇÃO SEXUADA MEIOSE E FECUNDAÇÃO. Disciplina Biologia e Geologia Professora Tânia Magalhães REPRODUÇÃO SEXUADA MEIOSE E FECUNDAÇÃO Disciplina Biologia e Geologia Professora Tânia Magalhães FECUNDAÇÃO É a união das células masculina e feminina gâmetas (HAPLÓIDE- n), formando uma célula (DIPLÓIDE-

Leia mais

Os inseticidas sempre funcionam?

Os inseticidas sempre funcionam? Os inseticidas sempre funcionam? A UU L AL A Márcio costuma acampar. Aquelas praias! Aquelas cachoeiras! Mas não consegue se acostumar com os mosquitos. Ele usa repelente, mas mesmo assim parece que alguns

Leia mais

Reabilitação e Reforço de Estruturas

Reabilitação e Reforço de Estruturas Mestrado em Engenharia Civil 2011 / 2012 Reabilitação e Reforço de Estruturas Aula 06: Métodos de inspecção e diagnóstico. 6.1. Ensaios in situ. Eduardo S. Júlio 2011/2012 1/31 1/9 AVALIAÇÃO IN SITU DA

Leia mais

Mediada pelos linfócitos T (que possuem receptores específicos receptores T) Particularmente efectiva na defesa do organismo contra:

Mediada pelos linfócitos T (que possuem receptores específicos receptores T) Particularmente efectiva na defesa do organismo contra: Imunidade Celular Mediada pelos linfócitos T (que possuem receptores específicos receptores T) Particularmente efectiva na defesa do organismo contra: parasitas multicelulares; fungos; células infectadas

Leia mais

Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Teste Diagnóstico: Condições que permitem a existência de Vida na Terra

Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Teste Diagnóstico: Condições que permitem a existência de Vida na Terra Bem Explicado Centro de Explicações Lda. CN 7º Ano Teste Diagnóstico: Condições que permitem a existência de Vida na Terra Nome: Data: / / 1. Completa os espaços em branco, das afirmações que se seguem,

Leia mais

Aula 25 Teorias da evolução

Aula 25 Teorias da evolução Aula 25 Teorias da evolução A grande variabilidade dos seres vivos e o grande número de espécies atuais, segundo a teoria evolucionista, originaram-se de espécies preexistentes mais simples, que evoluíram,

Leia mais

Biomateriais II. Ética e Regulamentação A - Ética B Regulamentação novos produtos e normas. Fátima Vaz

Biomateriais II. Ética e Regulamentação A - Ética B Regulamentação novos produtos e normas. Fátima Vaz Biomateriais II Ética e Regulamentação A - Ética B Regulamentação novos produtos e normas Fátima Vaz A- ÉTICA Exemplo da utilização de tecidos em implantes Engª de tecidos Questões primordiais: Qualidade

Leia mais

Princípios de propagação de fruteiras

Princípios de propagação de fruteiras Universidade Federal de Rondônia Curso de Agronomia Fruticultura I Princípios de propagação de fruteiras Emanuel Maia emanuel@unir.br www.emanuel.acagea.net Multiplicação das plantas Estruturas especializadas

Leia mais

HERANÇAS AUTOSSÔMICAS

HERANÇAS AUTOSSÔMICAS 1 HERANÇAS AUTOSSÔMICAS CONCEITOS Célula Diplóide ou 2n = possui o número duplo de cromossomos. Células Haplóide ou n = possui o número impar de cromossomos. Células somáticas = células do corpo. Cromossomos

Leia mais

Transmissão das características hereditárias

Transmissão das características hereditárias Transmissão das características hereditárias Conceito de Linha pura Indivíduos que cruzados entre si, originam sempre descendentes iguais entre si e iguais ao progenitor, para o carater considerado. A

Leia mais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais

Tema 5. Regulação Nervosa e Hormonal nos animais. Hormonas Vegetais. José Carlos Morais Regulação Nervosa e Hormonal nos animais Hormonas Vegetais José Carlos Morais Sistema Nervoso Sistema Hormonal Homeostasia Capacidade de manter o meio interno em equilíbrio Coordenação Nervosa Nervos Motores

Leia mais

Florestas plantadas (cultivadas)

Florestas plantadas (cultivadas) Florestas plantadas (cultivadas) Curso de Engenharia Industrial Madeireira AT073 Introdução a Engenharia Industrial Madeireira Dr. Umberto Klock Professor - Departamento de Engenharia e Tecnologia Florestal

Leia mais

DNA, o nosso código secreto

DNA, o nosso código secreto Ciências Naturais 9ºAno Texto de apoio DNA, o nosso código secreto Nome: Data: Imagina que poderias ter nas mãos uma célula e abrir o seu núcleo como se abre um baú. Lá dentro, encontrarias uma sequência

Leia mais

1. Entre as frases abaixo em relação à divisão celular por mitose, uma é incorreta. Aponte-a:

1. Entre as frases abaixo em relação à divisão celular por mitose, uma é incorreta. Aponte-a: Aula 07 Divisão Celular 1. Entre as frases abaixo em relação à divisão celular por mitose, uma é incorreta. Aponte-a: a) na metáfase, todos os cromossomos, cada um com duas cromátides, encontram-se no

Leia mais

Procariontes. Não possuem membrana nuclear. Unicelulares Constituídos por uma única célula

Procariontes. Não possuem membrana nuclear. Unicelulares Constituídos por uma única célula Reino Monera Denise Mello do Prado Biologia www.e-conhecimento.com.br Características Gerais Procariontes Não possuem membrana nuclear Unicelulares Constituídos por uma única célula Parede celular Diferentes

Leia mais

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D

CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D CADERNO DE EXERCÍCIOS 3D Ensino Médio Ciências da Natureza Questão Conteúdo 01 Fórmula estrutural de compostos orgânicos H25 e H26 02 Conceitos em Genética, Doenças Hereditárias H66/ H68 03 Ciclo do Nitrogênio

Leia mais

Exercício A. Tabuleiro Nº de folhas inicial Nº de folhas final (enraizadas e prontas para transplantar A 15 8 B 15 2 C 15 14 D 15 0

Exercício A. Tabuleiro Nº de folhas inicial Nº de folhas final (enraizadas e prontas para transplantar A 15 8 B 15 2 C 15 14 D 15 0 1 Exercício A 1.- Considera o seguinte procedimento experimental: 1. Marque 4 tabuleiros com as letras A, B, C e D e encha-os até metade da sua altura com uma mistura de turfa e granulado de esferovite.

Leia mais

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a):

GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: ALUNO(a): GOIÂNIA, / / 2015 PROFESSOR: DISCIPLINA: SÉRIE: 1º ano ALUNO(a): Lista de Exercícios NOTA: No Anhanguera você é + Enem Questão 01) O núcleo é uma das mais importantes estruturas celulares pois, além de

Leia mais

Matéria: Biologia Assunto: Unicelulares e multicelulares - Eucariotos Fungos Prof. Enrico Blota

Matéria: Biologia Assunto: Unicelulares e multicelulares - Eucariotos Fungos Prof. Enrico Blota Matéria: Biologia Assunto: Unicelulares e multicelulares - Eucariotos Fungos Prof. Enrico Blota Biologia Identidade dos seres vivos Unicelulares e Multicelulares - Eucariotos Fungos Possuem grande biodiversidade,

Leia mais

FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS. Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano

FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS. Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano FONTES DE CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS Profa. Msc Márcia Maria de Souza Americano CONTAMINAÇÃO DOS ALIMENTOS POR MICRORGANISMO Vários fatores interferem na vulnerabilidade dos alimentos aos processos de

Leia mais

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UNICAMP 2014 1ª fase

PlanetaBio Resolução de Vestibulares UNICAMP 2014 1ª fase 1- O tecido muscular cardíaco apresenta fibras a) lisas, de contração voluntária e aeróbia. b) lisas, de contração involuntária e anaeróbia. c) estriadas, de contração involuntária e aeróbia. d) estriadas,

Leia mais

PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS

PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS PATOLOGIA E CONTROLE MICROBIANO DE INSETOS: DEFINIÇÕES E CONCEITOS 2.500.000 espécies de insetos sobre a Terra 1.000.000 espécies conhecidas 10% pragas agrícolas, florestais ou urbanas 1 patógeno para

Leia mais

FICHA DE TRABALHO DE BIOLOGIA 12º ANO Hereditariedade Humana

FICHA DE TRABALHO DE BIOLOGIA 12º ANO Hereditariedade Humana FICHA DE TRABALHO DE BIOLOGIA 12º ANO Hereditariedade Humana Exercício 1 O Sr. José da Silva, um pequeno criador de porcos do Alentejo, desejando melhorar a qualidade de sua criação, comprou um porco de

Leia mais

BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO

BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO BIOTECNOLOGIA NO MELHORAMENTO Biotecnologia Utilização de organismos no desenvolvimento de novos produtos e processos para a alimentação, saúde e preservação do ambiente. Algumas técnicas biotecnológicas

Leia mais

CAPÍTULO 3 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM LIGAS DE ALUMÍNIO. Os tratamentos térmicos têm como finalidade causar modificações nas

CAPÍTULO 3 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM LIGAS DE ALUMÍNIO. Os tratamentos térmicos têm como finalidade causar modificações nas CAPÍTULO 3 TRATAMENTOS TÉRMICOS EM LIGAS DE ALUMÍNIO Os tratamentos térmicos têm como finalidade causar modificações nas propriedades dos materiais pela alteração do tipo e proporção das fases presentes,

Leia mais

Programa de formação

Programa de formação 1 DIRECÇÃO GERAL DA AGRICULTURA, SILVICULTURA E PECUÁRIA SECTOR DE AGRICULTURA C.P 278 Achada S.Filipe, Praia Cabo Verde Tel/Fax: (00238) 264 72 27 Programa de formação O programa a ser ministrado durante

Leia mais

COLÉGIO DELTA PROFESSOR FLÁUDIO

COLÉGIO DELTA PROFESSOR FLÁUDIO COLÉGIO DELTA PROFESSOR FLÁUDIO Primeira e Segunda Leis de Mendel Conceitos Gerais Gene Cromossomo Cromossomos Homólogos Cromossomos Autossômicos Cromossomos Sexuais Genótipo Fenótipo Gene Genética clássica:

Leia mais

DIVISÃO CELULAR: MITOSE E MEIOSE

DIVISÃO CELULAR: MITOSE E MEIOSE DIVISÃO CELULAR: MITOSE E MEIOSE PROFª. ROSE LOPES /1º ANO - 2016 DIVISÃO CELULAR A capacidade de duplicar-se é a característica mais extraordinária dos organismos vivos. Para fazê-lo, multiplicamos o

Leia mais

TEMAS/PROBLEMAS DA CULTURA CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA

TEMAS/PROBLEMAS DA CULTURA CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA TEMAS/PROBLEMAS DA CULTURA CIENTÍFICO-TECNOLÓGICA Índice Introdução ao tema e ao trabalho Apresentação e caracterização do tema Exploração pessoal: autores e posições Análise de textos e imagens Conclusão

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA

ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA ESTUDO COMPARATIVO ENTRE LÂMPADAS FLUORESCENTES E LED APLICADO NO IFC CAMPUS LUZERNA Autores: Marina PADILHA, Felipe JUNG, Ernande RODRIGUES Identificação autores: Estudante de Graduação de Engenharia

Leia mais

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2

SUMÁRIO INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 Etimologia e evolução histórica Etimologia Evolução histórica A erva-mate nas diferentes regiões produtoras CAPÍTULO 2 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... CAPÍTULO 1... Etimologia e evolução histórica... 1. Etimologia... 2. Evolução histórica... 3. A erva-mate nas diferentes regiões produtoras... 3.1. A erva-mate na Argentina... 3.2.

Leia mais

TIPOS DE REPRODUÇÃO Assexuada único progenitor Dois progenitores são únicos, geneticamente diferentes geneticamente idênticos

TIPOS DE REPRODUÇÃO Assexuada único progenitor Dois progenitores são únicos, geneticamente diferentes geneticamente idênticos REPRODUÇÃO TIPOS DE REPRODUÇÃO Assexuada - Um único progenitor transmite os seus genes aos descendentes. -Os descendentes são geneticamente idênticos, entre si e ao progenitor ( CLONES). -Sem intervenção

Leia mais

As Idéias e os Avanços da Biotecnologia

As Idéias e os Avanços da Biotecnologia As Idéias e os Avanços da Biotecnologia 1 2 ÍNDICE AS IDÉIAS E OS AVANÇOS DA BIOTECNOLOGIA PÁG. 5 BENEFÍCIOS DA BIOTECNOLOGIA PARA OS ALIMENTOS PÁG. 7 BENEFÍCIOS DA BIOTECNOLOGIA AO MEIO AMBIENTE PÁG.

Leia mais

Materiais 24-02-2016. Os materiais naturais raramente são utilizados conforme os encontramos na Natureza.

Materiais 24-02-2016. Os materiais naturais raramente são utilizados conforme os encontramos na Natureza. Manual (10-13) Constituição do mundo material Substâncias e misturas de substâncias Propriedades físicas dos Separação dos componentes de uma mistura Transformações físicas e transformações químicas Vídeo

Leia mais

PROVA DE BIOLOGIA - 1998 Segunda Etapa

PROVA DE BIOLOGIA - 1998 Segunda Etapa PROVA DE BIOLOGIA - 1998 Segunda Etapa QUESTÃO 01 Bactérias foram colocadas para crescer em uma placa de Petri, que contém meio de cultura adequado. Posteriormente, as colônias que cresceram foram transferidas

Leia mais

Alimentos transgênicos. Aluna: Maria Eugênia Araújo

Alimentos transgênicos. Aluna: Maria Eugênia Araújo Alimentos transgênicos Aluna: Maria Eugênia Araújo Sumário O que é um transgênico? Métodos de transgenia Aplicações da transgenia Pontos positivos Pontos negativos Rotulagem dos transgênicos Considerações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA TM-364 MÁQUINAS TÉRMICAS I. Máquinas Térmicas I Eu tenho três filhos e nenhum dinheiro... Porque eu não posso ter nenhum filho e três dinheiros? - Homer J. Simpson UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ SETOR DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA MECÂNICA

Leia mais

A CÉLULA. Natércia Charruadas 2011. Biologia e Geologia 10º ano

A CÉLULA. Natércia Charruadas 2011. Biologia e Geologia 10º ano A CÉLULA Natércia Charruadas 2011 Biologia e Geologia 10º ano O entendimento dos processos biológicos depende do conhecimento da célula enquanto unidade fundamental da Vida. As dimensões das células, geralmente

Leia mais

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS ÁCIDOS NUCLEICOS

COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS ÁCIDOS NUCLEICOS COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS ÁCIDOS NUCLEICOS Unidade básica dos Ácidos Nucleicos Existem apenas 4 bases em cada um dos ácidos nucleicos DNA DNA e RNA RNA Ácido fosfórico Ácido fosfórico Pentose Desoxirribose

Leia mais

REINVENTANDO O REVESTIMENTO FINAL DE ISOLAMENTO

REINVENTANDO O REVESTIMENTO FINAL DE ISOLAMENTO REINVENTANDO O REVESTIMENTO FINAL DE ISOLAMENTO Reinventing how cork engages the world. COBERTURA DE FISSURAS COM ISOLAMENTO TÉRMICO E ACÚSTICO A solução rápida e simples para revestimentos finais. Mais

Leia mais

VARIEDADES DE ACEROLEIRA COM POTENCIAL PARA PORTA-ENXERTO

VARIEDADES DE ACEROLEIRA COM POTENCIAL PARA PORTA-ENXERTO VARIEDADES DE ACEROLEIRA COM POTENCIAL PARA PORTA-ENXERTO Mauricio Dominguez Nasser Eng. Agrônomo, Mestrando, Pesquisador Científico do Polo Regional Alta Paulista/APTA mdnasser@apta.sp.gov.br A importância

Leia mais

Genes. Informam para proteínas. Formam o GENOMA. Constituídas por monómeros: a.a. Codificados pelo código genético

Genes. Informam para proteínas. Formam o GENOMA. Constituídas por monómeros: a.a. Codificados pelo código genético SÍNTESE PROTEICA São fragmentos de DNA (bases azotadas) que informam para uma característica Formam o GENOMA Genes Constituem os cromossomas Informam para proteínas Constituídas por monómeros: a.a. Codificados

Leia mais

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia GRUPO I

2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia GRUPO I 2ª Ficha de Trabalho para Avaliação de Biologia Em cada um dos exercícios que se segue, consoante a situação, assinale com um círculo a opção que considerar correcta ou preencha o espaço destinado com

Leia mais

4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS

4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS CULTURA DO MILHO 4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS FENOLOGIA DO MILHO Definição Parte da Botânica que estuda vários fenômenos periódicos das plantas, como brotação, floração e frutificação, marcando-lhes as épocas

Leia mais

Introdução à patologia. Profª. Thais de A. Almeida 06/05/13

Introdução à patologia. Profª. Thais de A. Almeida 06/05/13 Introdução à patologia Profª. Thais de A. Almeida 06/05/13 Patologia Definição: Pathos: doença. Logos: estudo. Estudo das alterações estruturais e funcionais nas células, tecidos e órgãos visando explicar

Leia mais

Engenharia Genética; Transgênicos e OGM s

Engenharia Genética; Transgênicos e OGM s Dogma Central da Biologia Molecular Engenharia Genética; Transgênicos e OGM s Prof. Msc. Lucas Silva de Faria Engenharia Genética Conjunto de tecnologias que permitem a manipulação (modificação) do material

Leia mais

A sua melhor escolha

A sua melhor escolha A sua melhor escolha Porquê recomendar GRUNDFOS? Gama completa de soluções Garantia de qualidade Apoio técnico eficiente 2 A empresa está muito bem organizada e a qualidade dos produtos é extraordinária.

Leia mais

Protostomado: 01. Conceitue cada termo e, em seguida, cite um exemplo de animais para cada classificação. Triblástico: Pseudocelomado: Aneuromiários:

Protostomado: 01. Conceitue cada termo e, em seguida, cite um exemplo de animais para cada classificação. Triblástico: Pseudocelomado: Aneuromiários: 01. Conceitue cada termo e, em seguida, cite um exemplo de animais para cada classificação. Triblástico: Aneuromiários: Placentários: Deuterostomado: Ovíparos: Protostomado: Pseudocelomado: Parazoário:

Leia mais

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS

COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS COLÉGIO XIX DE MARÇO excelência em educação 2012 2ª PROVA PARCIAL DE CIÊNCIAS Aluno(a): Nº Ano: 6º Turma: Data: 11/08/2012 Nota: Professor(a): Karina Valor da Prova: 40 pontos Orientações gerais: 1) Número

Leia mais

Evolução. Biologia Professor: Rubens Oda 29/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo

Evolução. Biologia Professor: Rubens Oda 29/09/2014. Material de apoio para Aula ao Vivo Evolução 1. (UFTM) No início da década de 1950, o químico americano Stanley L. Miller desenvolveu um experimento que ainda hoje é considerado um dos suportes da hipótese da origem da vida na Terra. Miller

Leia mais

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes

MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes MATÉRIAS PRIMAS NA ALIMENTAÇÃO. Prof. Ana Paula Lopes Definição de Alimento De acordo com o Código Nacional de Saúde, Decreto-Lei 986/1969, alimento é toda substância ou mistura de substâncias, no estado

Leia mais

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer

Qualidade de Produto. Maria Cláudia F. P. Emer Qualidade de Produto Maria Cláudia F. P. Emer Introdução Qualidade diretamente ligada ao produto final Controle de qualidade Adequação do produto nas fases finais no processo de produção Software Atividades

Leia mais

Avanços da Cultura de Tecidos na Micropropagação de Plantas

Avanços da Cultura de Tecidos na Micropropagação de Plantas 28 Avanços da Cultura de Tecidos na Micropropagação de Plantas Carlos Roberto Martins 1 ; Ana Cristina Portugal Pinto de Carvalho 2 Introdução Nos últimos anos a cultura de tecidos vegetais vem se destacando

Leia mais

Menino ou menina? Exercício 1 Vamos lembrar então o que são genes e cromossomos. Volte à Aula 20 e dê as definições: a) Gene... b) Cromossomo...

Menino ou menina? Exercício 1 Vamos lembrar então o que são genes e cromossomos. Volte à Aula 20 e dê as definições: a) Gene... b) Cromossomo... A UU L AL A Menino ou menina? Quando um casal descobre que vai ter um filho, a primeira curiosidade é saber se nascerá um menino ou uma menina. Mas será que os futuros pais, ou mesmo as pessoas que não

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO FLORESTAL 30/08/2013

ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO FLORESTAL 30/08/2013 ADMINISTRAÇÃO E PLANEJAMENTO FLORESTAL 30/08/2013 Objetivos da disciplina Visão de Administração e Planejamento Tomar decisões Fazer Planejamento Conhecimento para planejar e administrar Postura crítica

Leia mais

MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS DE PROPAGAÇÃO ASSEXUADA. Prof. Moeses Danner

MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS DE PROPAGAÇÃO ASSEXUADA. Prof. Moeses Danner MÉTODOS DE MELHORAMENTO DE PLANTAS DE PROPAGAÇÃO ASSEXUADA Prof. Moeses Danner Estrutura genética de populações e teoria da seleção Na natureza existem plantas de propagação sexuada e assexuada. Algumas

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA MELHORAMENTO ANIMAL MÉTODOS de SELEÇÃO INTRODUÇÃO Objetivos do Melhoramento Animal;

Leia mais

Prof.: Gilmar Marques FILO CNIDÁRIA. Celenterados

Prof.: Gilmar Marques FILO CNIDÁRIA. Celenterados 1 FILO CNIDÁRIA Celenterados Cnidários 2 Do Grego (Cnid=urtiga), devido aos cnidócitos. Fósseis de Cnidários datam do Pré- Cambriano (600 milhões de anos) São organismos aquáticos. Podem ser solitários

Leia mais

Ergonomia na Construção Civil. Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ

Ergonomia na Construção Civil. Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ Ergonomia na Construção Civil Profª Engª M.Sc. ANA LÚCIA DE OLIVEIRA DARÉ Introdução A construção civil exerce um importante papel social no país por absorver uma boa percentagem da mão-de-obra nacional.

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM PARA PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO CAXIAS DO SUL RS

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM PARA PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO CAXIAS DO SUL RS APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM PARA PROTEÇÃO DE GEOMEMBRANA EM ATERRO SANITÁRIO CAXIAS DO SUL RS Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Fernando Spinelli Alves JULHO 1998 Revisado

Leia mais

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa

BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento. Aula 12b: Propagação Vegetativa BV581 - Fisiologia Vegetal Básica - Desenvolvimento Prof. Marcelo C. Dornelas Aula 12b: Propagação Vegetativa A propagação vegetativa como um processo de manutenção da diversidade Ao contrário da reprodução

Leia mais

* Evolução Biológica. Prof. Fernando Stuchi

* Evolução Biológica. Prof. Fernando Stuchi Evolução Biológica Prof. Fernando Stuchi O questionamento universal sobre a origem do homem e da terra é talvez o mais antigo de nosso repertório filosófico. Até meados do século XIX, era senso comum que

Leia mais

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão

Romeu Reguengo Novembro 2012. Estruturas Pré-fabricadas em Betão Estruturas Pré-fabricadas em Betão Introdução A pré-fabricação de edifícios surge na Europa, após a II Guerra Mundial, como forma de resposta rápida à falta de habitação nos países mais destruídos. O desenvolvimento

Leia mais

Divisão Celular. Grau crescente de complexidade da estrutura do cromossomo. Cromossomo metafásico

Divisão Celular. Grau crescente de complexidade da estrutura do cromossomo. Cromossomo metafásico Divisão Celular Grau crescente de complexidade da estrutura do cromossomo Cromossomo metafásico Intérfase Ciclo celular Mitose G1 G2 S Prófase Metáfase Anáfase Telófase Meiose Meiose I Meiose II Prófase

Leia mais

Colheita de Cana-de-açúcar na Provincia de Tucumán Argentina.

Colheita de Cana-de-açúcar na Provincia de Tucumán Argentina. Colheita de Cana-de-açúcar na Provincia de Tucumán Argentina. Hernán Gutiérrez e Gonzalo Daniel Yepez INTRODUÇÃO A colheita é uma das etapas mais importantes na produção de cana de açúcar. Seu objetivo

Leia mais

Graduandos Eng. Florestal UTFPR Campus Dois Vizinhos- PR (felipe_speltz@hotmail.com, carlosmezzalira89@hotmail.com, taci_frigotto27@hotmail.

Graduandos Eng. Florestal UTFPR Campus Dois Vizinhos- PR (felipe_speltz@hotmail.com, carlosmezzalira89@hotmail.com, taci_frigotto27@hotmail. Sobrevivência de clones e hídridos de Eucalyptus sp. em testes de adaptação na região de Dois Vizinhos- Paraná Raquel Rossi Ribeiro 1 ; Felipe Ribeiro Speltz 2 ; Carlos Cesar Mezzalira 2 ; Taciana Frigotto

Leia mais

O Reino MONERA se divide em: Filo Schizophyta (bactérias) Filo Cyanophyta (Cianobactérias ou cianofíceas ou popularmente algas azuis)

O Reino MONERA se divide em: Filo Schizophyta (bactérias) Filo Cyanophyta (Cianobactérias ou cianofíceas ou popularmente algas azuis) Reino Monera Reino Monera Os Moneras são seres vivos unicelulares e procariontes. A célula dos Moneras não apresenta organelas celulares membranosas. As únicas organelas celulares existentes no citoplasma

Leia mais