FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO (cont)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO (cont)"

Transcrição

1 FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO (cont)

2 ENTRADA E SAÍDA DE DADOS

3 As linguagens de programação possuem uma grande variedade de comandos de entrada e saída. Os mais comuns são:

4 As linguagens de programação possuem uma grande variedade de comandos de entrada e saída. Os mais comuns são: leia (read): permite a entrada de dados a partir de dispositivos de entrada (em geral, o teclado).

5 As linguagens de programação possuem uma grande variedade de comandos de entrada e saída. Os mais comuns são: leia (read): permite a entrada de dados a partir de dispositivos de entrada (em geral, o teclado). escreva (write): permite a exibição de dados em dispositivos de saída (em geral, o monitor de vídeo).

6 Exemplo: um programa que receba dois valores numéricos e forneça a soma desses valores. ENTRADA PROCESSAMENTO SAÍDA n1,n2 soma n1+n2 soma

7 Exemplo: um programa que receba dois valores numéricos e forneça a soma desses valores. ENTRADA PROCESSAMENTO SAÍDA n1,n2 soma n1+n2 soma Exemplo: 2, 3 5 soma n1+n2

8 Em pseudocódigo: leia(n1,n2); soma n1 + n2; escreva(soma);

9 Em Pascal: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin read(n1,n2); soma := n1 + n2; write(soma); end.

10 Em Pascal: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin read(n1,n2); soma := n1 + n2; write(soma); end. identificação do programa

11 Em Pascal: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin read(n1,n2); soma := n1 + n2; write(soma); end. identificação do programa declaração das variáveis

12 Em Pascal: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin read(n1,n2); soma := n1 + n2; write(soma); end. corpo principal identificação do programa declaração das variáveis

13 Em Pascal: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin read(n1,n2); soma := n1 + n2; write(soma); end. pontuação ponto final

14 Versão mais completa: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça 2 valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é: ',soma); end.

15 Versão mais completa: program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça 2 valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é: ',soma); end. orientação da leitura saída mais clara

16 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end.

17 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Alocação das variáveis

18 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. n1 n2 soma

19 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. n1 n2 soma Exibição de mensagem ao usuário

20 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores n1 n2 soma

21 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores n1 n2 soma Leitura (requer participação do usuário)

22 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores 7 3 n1 n2 soma 7 3

23 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores 7 3 n1 n2 soma 7 3 Cálculo e armazenamento da soma

24 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores 7 3 n1 n2 soma

25 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores 7 3 n1 n2 soma Exibição do resultado

26 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores 7 3 A soma é 10 n1 n2 soma

27 EXECUÇÃO program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end. Forneça dois valores 7 3 A soma é 10 n1 n2 soma Fim do programa

28 Observe que no comando write podemos empregar tanto variáveis como constantes cadeias de caracteres. write('a soma é ',soma); soma 10

29 Observe que no comando write podemos empregar tanto variáveis como constantes cadeias de caracteres. write('a soma é ',soma); A soma é 10 Variáveis: será exibido seu conteúdo Cadeias de caracteres: serão exibidas tal e qual especificadas entre aspas (em Pascal, empregam-se aspas simples) soma 10

30 Observe que no comando write podemos empregar tanto variáveis como constantes cadeias de caracteres. write('a soma é ',soma); A soma é 10 Variáveis: será exibido seu conteúdo Cadeias de caracteres: serão exibidas tal e qual especificadas entre aspas (em Pascal, empregam-se aspas simples) soma 10 Atenção ao uso do caractere espaço

31 Observe que no comando write podemos empregar tanto variáveis como constantes cadeias de caracteres. write('a soma é', soma); A soma é10 Variáveis: será exibido seu conteúdo Cadeias de caracteres: serão exibidas tal e qual especificadas entre aspas (em Pascal, empregam-se aspas simples) soma 10 se não estiver entre as aspas, não terá efeito nenhum.

32 write versus writeln No exemplo anterior empregamos as duas variações program Soma2NumInteiros; var n1,n2,soma: integer; begin writeln('forneça dois valores'); read(n1,n2); soma := n1 + n2; write('a soma é ',soma); end.

33 write versus writeln Quando empregamos writeln, após a execução do comando, o cursor salta automaticamente para a próxima linha. Assim, o próxima saída será embaixo da anterior.

34 write versus writeln Quando empregamos writeln, após a execução do comando, o cursor salta automaticamente para a próxima linha. Assim, o próxima saída será embaixo da anterior. Já quando empregamos write, o cursor permanece na mesma linha (a próxima saída será imediatamente após)

35 Alguns exemplos write('bom '); write('dia!'); end.

36 Alguns exemplos write('bom '); write('dia!'); end. Bom dia!

37 Alguns exemplos write('bom '); write('dia!'); end. Bom dia!

38 Alguns exemplos write('bom '); write('dia!'); end. Bom dia! Observar, novamente, a importância do caractere espaço.

39 Por outro lado writeln('bom '); write('dia!'); end.

40 Por outro lado writeln('bom '); write('dia!'); end. Bom dia!

41 Por outro lado writeln('bom '); write('dia!'); end. Bom dia!

42 Por outro lado writeln('bom '); write('dia!'); end. Bom dia! Agora, o espaço (embora exibido) não fez qualquer diferença

43 Opções para a leitura writeln('forneça a idade:'); read(idade); end. Idade

44 Opções para a leitura writeln('forneça a idade:'); read(idade); end. Idade

45 Opções para a leitura writeln('forneça a idade:'); read(idade); end. Forneça a idade: Idade

46 Opções para a leitura writeln('forneça a idade:'); read(idade); end. Forneça a idade: Idade

47 Opções para a leitura writeln('forneça a idade:'); read(idade); end. Forneça a idade: 20 Idade 20

48 Por outro lado write('forneça a idade: '); read(idade); end. Idade

49 Por outro lado write('forneça a idade: '); read(idade); end. Idade

50 Por outro lado write('forneça a idade: '); read(idade); end. Forneça a idade: Idade

51 Por outro lado write('forneça a idade: '); read(idade); end. Forneça a idade: Idade

52 Por outro lado write('forneça a idade: '); read(idade); end. Forneça a idade: 20 Como se empregou write, o cursor não saltou de linha Idade 20

53 OBS: Formatação para o tipo real Quando exibimos através de write/writeln variáveis reais, estas devem ser formatadas.

54 OBS: Formatação para o tipo real Quando exibimos através de write/writeln variáveis reais, estas devem ser formatadas. Através desse recurso, informamos o formato de exibição (posição e número de casas decimais a serem exibidas).

55 OBS: Formatação para o tipo real Ex: no trecho abaixo var num: real; begin num := ; write(num);

56 OBS: Formatação para o tipo real Ex: no trecho abaixo var num: real; begin num := ; write(num); O valor exibido seria E+000

57 OBS: Formatação para o tipo real Ex: no trecho abaixo var num: real; begin num := ; write(num); O valor exibido seria E+000 Formato de ponto-flutuante.

58 OBS: Formatação para o tipo real Formatando var num: real; begin num := ; write(num:4:2);

59 OBS: Formatação para o tipo real Formatando var num: real; begin num := ; write(num:4:2); Agora, na saída teríamos 3.88

60 OBS: Formatação para o tipo real Formatando var num: real; begin num := ; write(num:4:2); Agora, na saída teríamos 3.88 Observe o arredondamento

61 OBS: Formatação para o tipo real Formatando var num: real; begin num := ; write(num:4:2); write(num:4:2); posicinamento do último dígito Agora, na saída teríamos 3.88 Observe o arredondamento

62 OBS: Formatação para o tipo real Formatando var num: real; begin num := ; write(num:4:2); write(num:4:2); posicinamento do último dígito Agora, na saída teríamos 3.88 Observe o arredondamento num. de casas decimais

63 OBS: Formatação para o tipo real Outra formatação.. var num: real; begin num := ; write(num:12:4);

64 OBS: Formatação para o tipo real Outra formatação.. var num: real; begin num := ; write(num:12:4); Agora, na saída teríamos bbbbbb3.8765

65 OBS: Formatação para o tipo real Outra formatação.. var num: real; begin num := ; write(num:12:4); Agora, na saída teríamos bbbbbb Os caracteres 'b'simbolizam espaços em branco

66 OBS: Formatação para o tipo real Outra formatação.. var num: real; begin num := ; write(num:12:4); Agora, na saída teríamos bbbbbb foram acrescentados 6 espaçamentos para que o último caractere ficasse na posição 12.

67 OPERAÇÕES ARITMÉTICAS

68 Principais operadores aritméticos

69 Principais operadores aritméticos 7 div 2 =

70 Principais operadores aritméticos 7 mod 2 =

71 Principais operadores aritméticos Observe que mesmo a divisão entre inteiros produz um real

72 Principais operadores aritméticos x, y, z: integer; z := x / y; Erro: z teria que ser real

73 Principais operadores aritméticos x, y, z: integer; z := x div y; Neste caso não há problema.

74 Prioridade dos operadores Prioridade mais alta: multiplicação e divisão * / div mod Prioridade mais baixa: soma e subtração + -

75 Obs : - Se houver uma seqüência de operadores de igual prioridade, a execução será na ordem em que aparecerem as operações (da esquerda para a direita).

76 Obs : - Se houver uma seqüência de operadores de igual prioridade, a execução será na ordem em que aparecerem as operações (da esquerda para a direita). - parêntese garantem maior prioridade; Ex: para a expressão 2*(4+2) o resultado será 12 e não 10, que resultaria de 2*4+2.

77 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!!

78 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!! O resultado da expressão 8/(4*2) será diferente de 8/4* * 2 4*2 4

79 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!! O resultado da expressão 8/(4*2) será diferente de 8/4* * 2 4*

80 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!! O resultado da expressão 8/(4*2) será diferente de 8/4* * 2 4*2 4 Já no caso de 3*4/2 e 3*(4/2), o resultado será exatamente o mesmo. 3*4 3 * 4 = 2 2

81 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!! O resultado da expressão 8/(4*2) será diferente de 8/4* * 2 4*2 4 Já no caso de 3*4/2 e 3*(4/2), o resultado será exatamente o mesmo. 3*4 3 * 4 =

82 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!! O resultado da expressão 8/(4*2) será diferente de 8/4*2. Novamente: 8 8 * 2 um erro comum, 4*2 4 e de difícil detecção. Já no caso de 3*4/2 e 3*(4/2), o resultado será exatamente o mesmo. 3*4 3 * 4 = 2 2

83 Atenção para para o caso de divisão seguida de multiplicação!! O resultado da expressão 8/(4*2) será diferente de 8/4* * 2 4*2 4 Já no caso de 3*4/2 e 3*(4/2), o resultado será exatamente o mesmo. 3*4 3 * 4 = 2 2 Na dúvida, é recomendável empregar parênteses para se garantir a ordem de execução desejada.

84 Desenvolvido com software livre:

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 02 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 02 Disciplina: Linguagem

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo 1.1 Introdução A Lógica é forma de organizar os pensamentos e demonstrar o raciocínio de maneira correta. A utilização da lógica é a melhor maneira de solucionar

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 7 Revisão para prova: Comandos de Entrada e Saída Estruturas de Decisão (Se, caso (escolha)) Laços de Repetição (Enquanto, Repita, Para) Relembrando Trabalho 1 Prazo de

Leia mais

Algoritmos com VisuAlg

Algoritmos com VisuAlg Algoritmos com VisuAlg Prof Gerson Volney Lagemann Depto Eng de Produção e Sistemas UDESC - CCT Algoritmos com VisuAlg Introdução A linguagem VisuAlg é simples, seu objetivo é disponibilizar um ambiente

Leia mais

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá.

A lógica de programação ajuda a facilitar o desenvolvimento dos futuros programas que você desenvolverá. INTRODUÇÃO A lógica de programação é extremamente necessária para as pessoas que queiram trabalhar na área de programação, seja em qualquer linguagem de programação, como por exemplo: Pascal, Visual Basic,

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS

CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS CURSO TÉCNICO EM PROCESSAMENTO DE DADOS APOSTILA DE LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO CAP Criação de Algoritmos e Programas PROFESSOR RENATO DA COSTA Não estamos aqui para sobreviver e sim para explorar a oportunidade

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 4 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D)

INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 AULA TEÓRICA 4 PROF. MARCELO LUIZ SILVA (R E D) Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO BCC 201 TURMAS 31, 32 E 33 2015-2 1 AULA TEÓRICA 4

Leia mais

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma Roteiro: Conceitos básicos de algoritmo, linguagem, processador de linguagem e ambiente de programação; Aspectos fundamentais da organização e do funcionamento de um computador; Construções básicas de

Leia mais

ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Variáveis compostas homogêneas Arrays Vetores Matrizes Variáveis compostas heterogêneas Registros

Leia mais

OS COMPUTADORES E A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS

OS COMPUTADORES E A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS OS COMPUTADORES E A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS Etapas de desenvolvimento de um programa: Criação do programa-fonte (texto) Compilação desse programa (tradução para código executável) Execução do código produzido

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C INF1005 Programação 1 Pontifícia Universidade Católica Departamento de Informática Programa Programa é um algoritmo escrito em uma linguagem de programação. No nosso

Leia mais

Introdução aos cálculos de datas

Introdução aos cálculos de datas Page 1 of 7 Windows SharePoint Services Introdução aos cálculos de datas Aplica-se a: Microsoft Office SharePoint Server 2007 Ocultar tudo Você pode usar fórmulas e funções em listas ou bibliotecas para

Leia mais

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo

Sumário. INF01040 Introdução à Programação. Elaboração de um Programa. Regras para construção de um algoritmo INF01040 Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação s Seqüenciais Sumário Elaboração de um programa/algoritmo Formas de representação de um algoritmo Elementos manipulados em um programa/algoritmo

Leia mais

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados)

Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Algoritmos e Programação Conceitos e Estruturas básicas (Variáveis, constantes, tipos de dados) Os algoritmos são descritos em uma linguagem chamada pseudocódigo. Este nome é uma alusão à posterior implementação

Leia mais

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA)

Jaime Evaristo Sérgio Crespo. Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Jaime Evaristo Sérgio Crespo Aprendendo a Programar Programando numa Linguagem Algorítmica Executável (ILA) Segunda Edição Capítulo 2 Versão 08042010 2. Introdução à Linguagem Algorítmica 2.1 Variáveis

Leia mais

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson.

Aula 01. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios. Algoritmo e Programação. Prof. Fábio Nelson. - Bibliografia - Definições - Operadores - Criação de um algoritmo - Exercícios Aula 01 Slide 1 BIBLIOGRAFIA SCHILDT H. C Completo e Total, Makron Books. SP, 1997. Curso de linguagem C da UFMG. ZIVIANI,

Leia mais

Laboratório de Programação I

Laboratório de Programação I Laboratório de Programação I Introdução à Programação em Visual Basic Fabricio Breve Objetivos Ser capaz de escrever programas simples em Visual Basic Ser capaz de usar os comandos de entrada e saída Familiarizar-se

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 01 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 01 Disciplina: Linguagem

Leia mais

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS

2. ENTRADA DE DADOS 2.1. TEXTOS 2. ENTRADA DE DADOS Os dados digitados em uma célula são divididos em duas categorias principais: constantes ou fórmulas. Um valor constante é um dado digitado diretamente na célula e que não é alterado.

Leia mais

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares

Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Programação Elementar de Computadores Jurandy Soares Básico de Computadores Computador: dispositivos físicos + programas Dispositivos físicos: hardware Programas: as instruções que dizem aos dispositivos

Leia mais

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos 1 PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos Arquivos Permitem que gravemos nossas informações em dispositivos físicos Pendrive HD Estão organizados logicamente em registros Cada registro é similar a um campo

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Algoritmos e Programação de Computadores

Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos e Programação de Computadores Algoritmos Estrutura Sequencial Parte 1 Professor: Victor Hugo L. Lopes Agenda Etapas de ação do computador; TDP Tipos de Dados Primitivos; Variáveis; Constantes;

Leia mais

Microsoft Excel 2003

Microsoft Excel 2003 Associação Educacional Dom Bosco Faculdades de Engenharia de Resende Microsoft Excel 2003 Professores: Eduardo Arbex Mônica Mara Tathiana da Silva Resende 2010 INICIANDO O EXCEL Para abrir o programa Excel,

Leia mais

Componentes da linguagem C++

Componentes da linguagem C++ Componentes da linguagem C++ C++ é uma linguagem de programação orientada a objetos (OO) que oferece suporte às características OO, além de permitir você realizar outras tarefas, similarmente a outras

Leia mais

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis

Aula 4 Pseudocódigo Tipos de Dados, Expressões e Variáveis 1. TIPOS DE DADOS Todo o trabalho realizado por um computador é baseado na manipulação das informações contidas em sua memória. Estas informações podem ser classificadas em dois tipos: As instruções, que

Leia mais

APOSTILA DE ALGORITMOS PROFESSOR ANDRÉ LUIZ NASSERALA PIRES

APOSTILA DE ALGORITMOS PROFESSOR ANDRÉ LUIZ NASSERALA PIRES ALGORITMO Um Algoritmo é uma seqüência de instruções ordenadas de forma lógica para a resolução de uma determinada tarefa ou problema. Definimos Algoritmo como a seqüência de passos que visam atingir um

Leia mais

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1

TRIBUNAL DE JUSTIÇA - SC. MICROSOFT OFFICE - EXCEL 2007 Pág.: 1 EXCEL 2007 O Excel 2007 faz parte do pacote de produtividade Microsoft Office System de 2007, que sucede ao Office 2003. Relativamente à versão anterior (Excel 2003), o novo programa introduz inúmeras

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

Manual do Usuário. Integrador FC Store V.1.0.0. ACSN Desenvolvimento de Software do Brasil Ltda. Av. Dom Pedro II, 1211 Salto SP www.acsn.com.

Manual do Usuário. Integrador FC Store V.1.0.0. ACSN Desenvolvimento de Software do Brasil Ltda. Av. Dom Pedro II, 1211 Salto SP www.acsn.com. 49 Manual do Usuário Integrador FC Store V.1.0.0 ACSN Desenvolvimento de Software do Brasil Ltda. Av. Dom Pedro II, 1211 Salto SP www.acsn.com.br Conteúdo Módulo 1: Visão Geral... 3 INTRODUÇÃO... 3 PROCEDIMENTO

Leia mais

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br

Algoritmos e Programação (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br (Prática) Profa. Andreza Leite andreza.leite@univasf.edu.br Introdução O computador como ferramenta indispensável: Faz parte das nossas vidas; Por si só não faz nada de útil; Grande capacidade de resolução

Leia mais

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Programação de Computadores Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Roteiro da Aula de Hoje Introdução ao FORTRAN (Parte I) Organização de programas Tipos de dados Variáveis Programação

Leia mais

Informática para concursos 1

Informática para concursos 1 Informática para concursos 1 BrOffice.org Calc Conhecimentos gerais (teoria) Arquivo: Pasta de Trabalho (arquivo de planilhas) Extensão: ods (podemos salvar como pdf, xls e etc) Planilhas: 3 (padrão) Uma

Leia mais

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos 1ª ETAPA PROJETO INTEGRADOR (2 pontos na A4) Como discutido em sala de aula, a disciplina de algoritmos I também fará parte do projeto integrador, para cada grupo

Leia mais

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br

Introdução. INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br Introdução INF1005 Programação I 33K Prof. Gustavo Moreira gmoreira@inf.puc-rio.br introdução Tópicos conceitos básicos o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP

Universidade Federal do Vale do São Francisco - UNIVASF Colegiado de Engenharia de Computação CECOMP Algoritmos e Programação Ricardo Argenton Ramos Baseado nos slides do professor Jadsonlee da Silva Sá Criando um Algoritmo Os passos necessários para a construção de um algoritmo: ler atentamente o enunciado

Leia mais

Conceitos Importantes:

Conceitos Importantes: Conceitos Importantes: Variáveis: Por Flávia Pereira de Carvalho, 2007 i O bom entendimento do conceito de variável é fundamental para elaboração de algoritmos, consequentemente de programas. Uma variável

Leia mais

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Memória Variáveis e constantes Tipos primitivos de dados Operadores Comandos

Leia mais

Apostila de Técnicas de Programação

Apostila de Técnicas de Programação Apostila de Técnicas de Programação Profa. Elaine J.C.Brito Conceito de Algoritmo A automação é o processo pelo qual uma tarefa deixa de ser executada pelo homem para ser realizada por máquinas. Para que

Leia mais

Introdução à Linguagem

Introdução à Linguagem Introdução à Linguagem Curso de Nivelamento do PPGMNE Janeiro / 2011 Juliano J. Scremin jjscremin@jjscremin.t5.com.br Um pouco de história Um pouco de história: Nascimento do Python Um pouco de história:

Leia mais

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1

Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca. melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041. www.melissalima.com.br Página 1 EXCEL BÁSICO Material desenvolvido por Melissa Lima da Fonseca melissa.mlf@gmail.com.br - (031) 9401-4041 www.melissalima.com.br Página 1 Índice Introdução ao Excel... 3 Conceitos Básicos do Excel... 6

Leia mais

1. Introdução ao uso da calculadora

1. Introdução ao uso da calculadora 1. Introdução ao uso da calculadora O uso da calculadora científica no curso de Estatística é fundamental pois será necessário o cálculo de diversas fórmulas com operações que uma calculadora com apenas

Leia mais

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C

Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Capítulo 2: Introdução à Linguagem C Waldemar Celes e Roberto Ierusalimschy 29 de Fevereiro de 2012 1 Ciclo de desenvolvimento O modelo hipotético de computador utilizado no capítulo anterior, embora muito

Leia mais

Linguagens de programação

Linguagens de programação Prof. André Backes Linguagens de programação Linguagem de Máquina Computador entende apenas pulsos elétricos Presença ou não de pulso 1 ou 0 Tudo no computador deve ser descrito em termos de 1 s ou 0 s

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br

Algoritmos. Cláudio Barbosa contato@claudiobarbosa.pro.br Algoritmos Partes básicas de um sistema computacional: Hardware, Software e Peopleware Hardware - Componentes físicos de um sistema de computação, incluindo o processador, memória, dispositivos de entrada,

Leia mais

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos.

Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Métodos Os métodos de uma classe podem ser classificados como construtores, destrutores, funções ou procedimentos. Construtor: método executado por uma CLASSE (e não por um objeto, instância da classe)

Leia mais

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA

4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA 4 Criação de macros e introdução à linguagem VBA Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com São José dos Campos, 2011. 1 Sumário Tópicos em Microsoft Excel 2007 Introdução à criação de macros...3 Gravação

Leia mais

ENG1000 Introdução à Engenharia

ENG1000 Introdução à Engenharia ENG1000 Introdução à Engenharia Aula 04 Introdução a Linguagem Lua Edirlei Soares de Lima Linguagem Lua Lua é uma linguagem de programação projetada para dar suporte à programação

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

UFRJ-CCMN-INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Ciência da Computação

UFRJ-CCMN-INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Ciência da Computação UFRJ-CCMN-INSTITUTO DE MATEMÁTICA Departamento de Ciência da Computação ARQUIVOS EM PASCAL - Prof. Miguel Jonathan (rev. set 2008) Este texto apresenta alguns exemplos que esclarecem o uso de arquivos

Leia mais

Guia da Linguagem de Programação do VisuAlg*

Guia da Linguagem de Programação do VisuAlg* Guia da Linguagem de Programação do VisuAlg* * Este guia foi integralmente copiado da opção A Linguagem do VisuAlg a partir do menu Ajuda. Pode-se obter ajuda específica de um determinado comando escolhendo

Leia mais

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO

EXCEL 2003. Excel 2003 SUMÁRIO EXCEL 2003 SUMÁRIO INICIANDO O EXCEL... 2 CONHECENDO AS BARRAS DO EXCEL... 4 OS COMPONETES DO EXCEL 2003... 7 ENTENDENDO FUNÇÕES... 8 BOLETIM ESCOLAR... 16 QUADRO DE RENDIMENTO DO ALUNO... 17 CHAMADA ESCOLAR...

Leia mais

indicadas por letras e 65.536 linhas, indicadas por números. Para selecionar uma planilha para uso, devemos utilizar a guia de planilhas:

indicadas por letras e 65.536 linhas, indicadas por números. Para selecionar uma planilha para uso, devemos utilizar a guia de planilhas: Pasta de trabalho: Planilha: É um arquivo do Calc. Pode conter várias planilhas. Ao criar uma nova Pasta de trabalho, automaticamente 3 planilhas em branco são inseridas na Pasta. Uma planilha contém 256

Leia mais

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1

Informática I. Aula 6. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Informática I Aula 6 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 6-12/09/2007 1 Ementa Noções Básicas de Computação (Hardware, Software e Internet) HTML e Páginas Web Internet e a Web Javascript e

Leia mais

Algoritmos em Javascript

Algoritmos em Javascript Algoritmos em Javascript Sumário Algoritmos 1 O que é um programa? 1 Entrada e Saída de Dados 3 Programando 4 O que é necessário para programar 4 em JavaScript? Variáveis 5 Tipos de Variáveis 6 Arrays

Leia mais

O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES

O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES O TECLADO DO COMPUTADOR EM DETALHES Por José Luís de F. Farias O TECLADO Em todos os países os teclados são diferentes quanto ao LAYOUT. Esse termo em inglês define a aparência, a disposição e organização

Leia mais

INF 1005 Programação I

INF 1005 Programação I INF 1005 Programação I Aula 03 Introdução a Linguagem C Edirlei Soares de Lima Estrutura de um Programa C Inclusão de bibliotecas auxiliares: #include Definição de constantes:

Leia mais

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com.

Desenvolvido por: Juarez A. Muylaert Filho - jamf@estacio.br Andréa T. Medeiros - andrea@iprj.uerj.br Adriana S. Spallanzani - spallanzani@uol.com. UAL é uma linguagem interpretada para descrição de algoritmos em Português. Tem por objetivo auxiliar o aprendizado do aluno iniciante em programação através da execução e visualização das etapas de um

Leia mais

Word e Excel. Marque Certo ou Errado

Word e Excel. Marque Certo ou Errado A figura acima mostra uma janela do Word 2002, com um texto em processo de edição. Nesse texto, a expressão União Européia é o único trecho formatado como negrito e a palavra continente está selecionada.

Leia mais

Lógica de Programação PROF. FLÁVIO IZO

Lógica de Programação PROF. FLÁVIO IZO Lógica de Programação PROF. FLÁVIO IZO Dúvidas! FLÁVIO IZO (28) 99986-5273 (somente urgência) fizo@ifes.edu.br APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Objetivos 1.0 Apresentações: Área que mais gosta? 2.0 Ementa; 3.0

Leia mais

Programação Básica em Arduino Aula 2

Programação Básica em Arduino Aula 2 Programação Básica em Arduino Aula 2 Execução: Laboratório de Automação e Robótica Móvel Variáveis são lugares (posições) na memória principal que servem para armazenar dados. As variáveis são acessadas

Leia mais

Introdução à Programação de Computadores Parte I Componentes Básicos do Computador e de um Programa

Introdução à Programação de Computadores Parte I Componentes Básicos do Computador e de um Programa Introdução à Programação de Computadores Parte I Componentes Básicos do Computador e de um Programa Prof. João Henrique Kleinschmidt Material elaborado pelos professores de PI Objetivos Compreender os

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE STRINGS

MANIPULAÇÃO DE STRINGS MANIPULAÇÃO DE STRINGS O TIPO DE DADO STRING Os strings, como trechos de texto, são os tipos de dados mais familiares aos seres humanos. O Pascal padrão não fornecia tipos de dados de String; tínhamos

Leia mais

Introdução. introdução. tópicos. referência. INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes 8/7/12

Introdução. introdução. tópicos. referência. INF1005 Programação I Prof. Hélio Lopes 8/7/12 Introdução INF005 Programação I Prof. Hélio Lopes lopes@inf.puc-rio.br sala 408 RDC introdução tópicos modelo de computador o que é um programa um programa na memória decifrando um código referência Capítulo

Leia mais

Introdução ao FORTRAN (Parte I)

Introdução ao FORTRAN (Parte I) Programação de Computadores III Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Métodos de Programação I 2. 1 Ana Maria de Almeida CAPÍTULO 2 CONTEÚDO

Métodos de Programação I 2. 1 Ana Maria de Almeida CAPÍTULO 2 CONTEÚDO Métodos de Programação I 2. 1 CAPÍTULO 2 CONTEÚDO 2.1 Programação: Conceitos Fundamentais 2.1.1 Fases de construção de um programa executável 2.2.2 Metodologia da programação 2.2 A Linguagem Pascal 2.2.1

Leia mais

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil 3. LISTAS LINEARES PARTE - III Disciplina - Estrutura de Dados Segundo Pereira(2002),

Leia mais

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h

Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara. Carga Horária: 60h Sistema de Numeração e Conversão entre Sistemas. Prof. Rômulo Calado Pantaleão Camara Carga Horária: 60h Representação de grandeza com sinal O bit mais significativo representa o sinal: 0 (indica um número

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Professor FRANCISCO VERÍSSIMO LUCIANO Prof. Me. Francisco Veríssimo Luciano /76 Curso Programador de Sistemas CURSO: Programador de Sistemas DISCIPLINA: Lógica de Programação EMENTA

Leia mais

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS

Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS Capítulo 5. ARQUIVOS E FUNÇÕES MATEMÁTICAS INTRÍNSECAS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceitos de: arquivo de saída, biblioteca, funções matemáticas intrínsecas Criar e usar arquivos para mostrar resultados da

Leia mais

Microsoft Office Excel 2007

Microsoft Office Excel 2007 1 Microsoft Office Excel 2007 O Excel é um programa dedicado a criação de planilhas de cálculos, além de fornecer gráficos, função de banco de dados e outros. 1. Layout do Excel 2007 O Microsoft Excel

Leia mais

Criando um script simples

Criando um script simples Criando um script simples As ferramentas de script Diferente de muitas linguagens de programação, você não precisará de quaisquer softwares especiais para criar scripts de JavaScript. A primeira coisa

Leia mais

O modelo do computador

O modelo do computador O modelo do computador Objetivos: Mostrar como é o funcionamento dos computadores modernos Mostrar as limitações a que estamos sujeitos quando programamos Histórico Os primeiros computadores são da década

Leia mais

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++

ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ ESTRUTURA DE UM PROGRAMA EM C++ Estrutura de um Programa em C++ #include { Este trecho é reservado para o corpo da função, com a declaração de suas variáveis locais, seus comandos e funções

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++

INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO CURSO: Bacharelado em Ciências e Tecnologia INFORMÁTICA APLICADA AULA 02 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO C++ Profª ª Danielle Casillo COMPILADORES Toda linguagem de programação

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos

Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos SSC0101 - ICC1 Teórica Introdução à Ciência da Computação I Resolução de problemas e desenvolvimento de algoritmos Prof. Vanderlei Bonato Prof. Cláudio Fabiano Motta Toledo Sumário Análise e solução de

Leia mais

Avaliação de Expressões

Avaliação de Expressões valiação de Expressões valiação de Expressões - Como efetuar o cálculo de uma expressão em um computador? Exemplo: / B C D + E Regras usuais da matemática. Os parênteses alteram a ordem das expressões:

Leia mais

Introdução à Lógica de Programação

Introdução à Lógica de Programação Sistemas Operacionais e Introdução à Programação Introdução à Lógica de Programação 1 Estruturas de dados Representação computacional das informações do problema ser resolvido Informações podem ser de

Leia mais

Introdução ao Scilab

Introdução ao Scilab Programação de Computadores 1 Capítulo 1 Introdução ao Scilab José Romildo Malaquias Departamento de Computação Universidade Federal de Ouro Preto 2014.2 1/35 1 MATLAB e Scilab 2 O ambiente Scilab 2/35

Leia mais

OBI2009 Caderno de Tarefas

OBI2009 Caderno de Tarefas OBI2009 Caderno de Tarefas Modalidade Programação Nível 1, Fase 1 A PROVA TEM DURAÇÃO DE QUATRO HORAS LEIA ATENTAMENTE ESTAS INSTRUÇÕES ANTES DE INICIAR A PROVA Este caderno de tarefas é composto por 8

Leia mais

Trabalho Final. Data da Submissão: das 8h do dia 16/06 às 24h do dia 17/06. Data da Entrega do Relatório: das 15h às 18h no dia 18/06.

Trabalho Final. Data da Submissão: das 8h do dia 16/06 às 24h do dia 17/06. Data da Entrega do Relatório: das 15h às 18h no dia 18/06. ICMC-USP ICC - SCC-0 Turmas B e D - º. Semestre de 00 - Prof. João Luís. PAE: Jefferson F. Silva. Trabalho Final Submissão Automática da implementação pelo sistema Boca (http://blacklabel.intermidia.icmc.usp.br/boca/scc00/.)

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 04

Introdução a Algoritmos Parte 04 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 04 Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br www.univasf.edu.br/~jorge.cavalcanti

Leia mais

UFPR/PROGEPE MICROSOFT EXCEL 2007

UFPR/PROGEPE MICROSOFT EXCEL 2007 Curitiba, 2012 UFPR/PROGEPE MICROSOFT EXCEL 2007 Instrutora: Andrea Roseli Moreira Cruz Jankoski 1. Conceito O Excel for Windows é uma planilha eletrônica capaz de armazenar dados, executar cálculos, gerar

Leia mais

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área.

Dadas a base e a altura de um triangulo, determinar sua área. Disciplina Lógica de Programação Visual Ana Rita Dutra dos Santos Especialista em Novas Tecnologias aplicadas a Educação Mestranda em Informática aplicada a Educação ana.santos@qi.edu.br Conceitos Preliminares

Leia mais

TABELAS PARA CERTIFICADOS E LIVROS

TABELAS PARA CERTIFICADOS E LIVROS TABELAS PARA CERTIFICADOS E LIVROS 1. Informações Gerais. O sistema permite a Manutenção de Tipo de Certificado. Informe todos os dados solicitados. Havendo duvidas sobre o preenchimento de qualquer um

Leia mais

Prof. Esp. Adriano Carvalho

Prof. Esp. Adriano Carvalho Prof. Esp. Adriano Carvalho O que é um Programa? Um arquivo contendo uma sequência de comandos em uma linguagem de programação especifica Esses comandosrespeitam regras de como serem escritos e quais

Leia mais

Introdução à Programação e Algoritmos. Aécio Costa

Introdução à Programação e Algoritmos. Aécio Costa Aécio Costa Programação é a arte de fazer com que o computador faça exatamente o que desejamos que ele faça. O que é um Programa? Uma seqüência de instruções de computador, para a realização de uma determinada

Leia mais

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos.

Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Fórmulas e Funções Neste capítulo veremos como se trabalha com fórmulas e funções que são as ferramentas que mais nos ajudam nos cálculos repetitivos. Operadores matemáticos O Excel usa algumas convenções

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria)

PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) PC PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES (Teoria) Aula 01 Prof. Ricardo Veras (prof.rveras@gmail.com) ALGORITMOS "Seqüência ordenada de passos, que deve ser seguida para a realização de um tarefa" "Algoritmo é um

Leia mais

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão

CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9. Introdução a linguagem C Estruturas de decisão CURSO BÁSICO DE PROGRAMAÇÃO AULA 9 Introdução a linguagem C Estruturas de decisão Introdução à Linguagem C Linguagem compilada. Desenvolvida sobre os paradigmas de programação procedural. Uma das linguagens

Leia mais

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010

Tutorial do Iniciante. Excel Básico 2010 Tutorial do Iniciante Excel Básico 2010 O QUE HÁ DE NOVO O Microsoft Excel 2010 é um programa de edição de planilhas eletrônicas muito usado no mercado de trabalho para realizar diversas funções como;

Leia mais

1 MICROSOFT EXCEL. www.brunoguilhen.com.br 1

1 MICROSOFT EXCEL. www.brunoguilhen.com.br 1 INTRODUÇÃO 1 MICROSOFT EXCEL Uma planilha eletrônica é um software que permite a manipulação de cálculos financeiros e matemáticos, incluindo a criação de gráficos gerenciais. Dentre os softwares de planilhas

Leia mais

Java Como Programar, 8/E

Java Como Programar, 8/E Capítulo 2 Introdução aos aplicativos Java Java Como Programar, 8/E (C) 2010 Pearson Education, Inc. Todos os 2.1 Introdução Programação de aplicativo Java. Utilize as ferramentas do JDK para compilar

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II INFORMÁTICA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II INFORMÁTICA 17 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS PROFESSOR II INFORMÁTICA QUESTÃO 21 Analise as seguintes afirmativas sobre as ferramentas disponíveis no Painel de Controle do Microsoft Windows XP Professional, versão

Leia mais

Microsoft Excel 2007

Microsoft Excel 2007 Microsoft Excel 2007 O Microsoft Excel é um aplicativo para a construção e edição de planilhas eletrônicas, que permite o trabalho com: formulários, tabelas, gráficos e outros. 2.1 CONCEITOS INICIAIS:

Leia mais