ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS. Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br"

Transcrição

1 ESTRUTURA DE DADOS -VARIÁVEIS COMPOSTAS Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc.

2 ROTEIRO Variáveis compostas homogêneas Arrays Vetores Matrizes Variáveis compostas heterogêneas Registros Registros de conjuntos Conjuntos de registros

3 VARIÁVEIS COMPOSTAS Os tipos Primitivos (inteiro, real, caracter e lógico) não são suficientes para representar todos os tipos de dados; Geralmente são utilizados os tipos primitivos para construir outras estruturas de dados mais complexas; Essas são chamadas de Estruturas Compostas de Dados Dividem-se em duas formas fundamentais: homogêneas (vetores e matrizes) heterogêneas (registros)

4 VETORES Com os conhecimentos que possuímos até agora, podemos concluir que ao utilizarmos variáveis, conseguimos armazenar apenas um valor por vez; Agora, imagine um programa que precisa armazenar as notas das 5 provas realizadas por um aluno; Seria necessário criar cinco variáveis para armazenar as notas: NOTA1, NOTA2, NOTA3, NOTA4, NOTA5 : integer; Em Pascal existem estruturas que permitem agrupar várias informações dentro de uma mesma variável. Estas estruturas são chamadas de vetores e matrizes.

5 VETORES Um vetor também é chamado de matriz (array) unidimensional; Este tipo de estrutura é representado por seu nome, tamanho e seu tipo: <vetor> : array[tamanho] of <tipo_de_dado>; onde: vetor é o nome atribuído ao vetor; tamanho é o tamanho atribuído ao vetor, em número de elementos; tipo_de_dado é o tipo de elemento armazenado (inteiro, real...).

6 VETORES Como já visto, uma variável somente pode conter um valor por vez; No caso dos vetores, estes podem armazenar mais de um valor por vez, pois são dimensionados exatamente para este fim; Porém, todos os valores devem ser do mesmo TIPO DE DADO; Exemplo de vetor para armazenar as cinco notas do aluno: notas : array[1..5] of real;

7 VETORES A leitura e exibição de vetores são feitas indicando individualmente quais elementos se deseja ler ou imprimir; Exemplo: NOTA[1] := 5.2; NOTA[2] := 8.0; NOTA[3] := 9.2; NOTA[4] := 7.5; NOTA[5] := 8.3; Observe que o nome é um só, o que muda é a informação indicada dentro dos colchetes (índice do vetor) Índice é o endereço onde o valor está armazenado, ou seja, a posição da nota do aluno no vetor; Podemos imaginar o vetor como uma tabela com cinco colunas: NOTA

8 VETORES program LISTA_NOME; var nome: array[1..10] of string; i: integer; begin writeln( Listagem de nomes ); writeln; { *** Entrada dos Dados *** } for i := 1 to 10 do begin write( Digite o, i:2, o. nome: ); readln(nome[i]); end; writeln; { *** Apresentação dos Nomes *** } for i := 1 to 10 do writeln( Nome:, i:2, -->, nome[i]); writeln; writeln( Tecle <ENTER> para encerrar: ); readln; end.

9 MATRIZES Em breve...

10 REGISTROS Registros são Estruturas Compostas Heterogêneas Permitem a manipulação de um conjunto de informações de tipos primitivos diferentes; Exemplo: PASSAGEM DE ÔNIBUS NÚMERO: 0001 De: Data: / / Poltrona: Para: Horário: : Distância: km

11 REGISTROS Exemplo: Passagem de ônibus Pode ser representada por uma variável Passagem do tipo regpassagem regpassagem é um tipo composto por: Numero: inteiro Origem, Destino, Data e Horario: caracter Poltrona: inteiro Distancia: real É possível manipular estes tipos primitivos em conjunto (registro) através dos comandos de leitura e escrita; Desta forma pode-se ler ou alterar as informações dos elementos que compõem o registro;

12 REGISTROS Declaração Em Pascal, os tipos Registro devem ser declarados ou atribuídos antes das definições das variáveis; É muito comum ocorrer a necessidade de se declarar uma variável com o tipo de registro atribuído; Um tipo Registro é declarado em Pascal na seção type em conjunto com o bloco record..end; type nomeregistro = record <lista de campos e tipos> end;

13 REGISTROS Declaração program Exemplo_Registros; type regpassagem = record numero: integer; origem: string; destino: string; data: string; horario: string; poltrona: integer; distancia: real; end; var passagem: regpassagem; DICA: use o prefixo reg para identificar o nome de um registro.

14 REGISTROS Manipulação begin readln (passagem.numero); readln (passagem.origem); DICA: para acessar um componente do registro use a sintaxe: variavel.componente passagem.distancia := 500; passagem.destino := 'Florianópolis'; writeln (passagem.numero); writeln (passagem.destino); end.

Fig.1: Ilustração de Estrutura de Dados Fonte: Internet

Fig.1: Ilustração de Estrutura de Dados Fonte: Internet ATENÇÃO: LOCAL DE ALTERAÇÃO/ACRESCIMO!!!! 5. Estruturas de Dados Geralmente, os algoritmos são elaborados para manipulação de dados e quando estes dados estão organizados de forma coerente, representam

Leia mais

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea

Variáveis Compostas Heterogêneas. Variável Composta Heterogênea. Variável Composta Heterogênea Variáveis Compostas Heterogêneas Variável Composta Heterogênea Conjunto de dados logicamente relacionados, mas de tipos diferentes. Também chamada de registro. Variável Composta Heterogênea 1 Declaração

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE I Anjolina Grisi de Oliveira 1 Um programa em PASCAL Esse texto inclui algumas notas sobre a linguagem PASCAL. As diferenças existentes entre os diversos compiladores não

Leia mais

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos

PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos 1 PROG. DE COMPUTADORES II SI Arquivos Arquivos Permitem que gravemos nossas informações em dispositivos físicos Pendrive HD Estão organizados logicamente em registros Cada registro é similar a um campo

Leia mais

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br

ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ALGORITMOS MEMÓRIA, VARIÁVEIS E CONSTANTES, OPERADORES Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.br ROTEIRO Memória Variáveis e constantes Tipos primitivos de dados Operadores Comandos

Leia mais

Algoritmos Variáveis estruturadas Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Roteiro Variáveis estruturadas Arrays Vetores Matrizes Variáveis estruturadas Os tipos primitivos

Leia mais

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Armazenamento de Dados. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Armazenamento de Dados Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Armazenamento de Dados Todos os dados que utilizamos até o momento, ficavam armazenados apenas na memória. Ao final da execução dos programas,

Leia mais

Registros. Técnicas de Programação. Rafael Silva Guimarães :p://:p.ci.ifes.edu.br/informa@ca/rafael_guimaraes

Registros. Técnicas de Programação. Rafael Silva Guimarães :p://:p.ci.ifes.edu.br/informa@ca/rafael_guimaraes Rafael Silva Guimarães :p://:p.ci.ifes.edu.br/informa@ca/rafael_guimaraes Registros Técnicas de Programação Baseado no material do Prof. Rafael Vargas Mesquita Conceito de Registro (Struct) Vetores e Matrizes

Leia mais

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos

A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos A4 Projeto Integrador e Lista de Jogos 1ª ETAPA PROJETO INTEGRADOR (2 pontos na A4) Como discutido em sala de aula, a disciplina de algoritmos I também fará parte do projeto integrador, para cada grupo

Leia mais

Manipulação de Arquivos em Pascal

Manipulação de Arquivos em Pascal Manipulação de Arquivos em Pascal Estrutura de Dados II Aula 03 UFS - DComp Adaptados a partir do material da Profa. Kenia Kodel Cox 1 Para implementar programa infantil para ordenação (alfabética) de

Leia mais

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética

E/S CPU. Memória (Instruções e dados) 2 PARADIGMA IMPERATIVO. Instruções e dados. Resultados das operações. Unidade lógica e aritmética 2 PARADIGMA IMPERATIVO 2.1 CONCEITO As linguagens que pertencem ao paradigma imperativo tomam por base a perspectiva da máquina. Ou seja, no modo como o computador executa programas em linguagem de máquina.

Leia mais

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação

Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação Representação de Algoritmos - Linguagens de Programação A representação de algoritmos em uma pseudo-linguagem mais próxima às pessoas é bastante útil principalmente quando o problema a ser tratado envolve

Leia mais

Estruturas II UFOP 1/1

Estruturas II UFOP 1/1 BCC 201 - Introdução à Programação I Estruturas II Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/1 Conceito de struct I Vetores e matrizes Estruturas de dados homegêneas Armazenam vários valores, mas todos de um mesmo

Leia mais

Técnicas de Programação I

Técnicas de Programação I Técnicas de Programação I Conceitos básicos C/C++ Material baseado nas aulas da Profa. Isabel Harb Manssour http://www.inf.pucrs.br/~manssour/laproi, entre outros materias Registros e Arquivos Conceito

Leia mais

APOSTILA DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO E LINGUAGEM PASCAL

APOSTILA DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO E LINGUAGEM PASCAL APOSTILA DE TÉCNICAS DE PROGRAMAÇÃO E LINGUAGEM PASCAL SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO À PROGRAMAÇÃO...4 1.1 DEFINIÇÃO DE ALGORITMO...4 1.1.1 Algoritmo x Programa...4 1.2 LINGUAGEM DE PROGRAMAÇÃO...4 1.2.1 Tipos

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01

IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 IFTO TÉCNICO EM INFORMÁTICA DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS AULA 01 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos

Leia mais

Estruturas (registros)

Estruturas (registros) BCC 201 - Introdução à Programação I Estruturas (registros) Guillermo Cámara-Chávez UFOP 1/44 Estruturas (struct) I Imaginemos que queremos ler as notas de 4 provas para um aluno e calcular a média do

Leia mais

Algumas notas sobre PASCAL

Algumas notas sobre PASCAL Algumas notas sobre PASCAL PARTE II - Procedimentos e Funções Anjolina Grisi de Oliveira 1 Introdução Os procedimentos e funções são úteis na programação uma vez que permitem que um programa possa ser

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com CONCEITOS BÁSICOS PARA A CONSTRUÇÃO DE ALGORITMOS PARA COMPUTADORES Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Objetivos Compreender os conceitos de lógica de programação e de algoritmos. Conhecer

Leia mais

IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05

IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05 IFTO LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO AULA 05 Prof. Manoel Campos da Silva Filho Tecnólogo em Processamento de Dados / Unitins Mestre em Engenharia Elétrica / UnB http://lab.ifto.edu.br/~mcampos http://manoelcampos.com

Leia mais

JSP - ORIENTADO A OBJETOS

JSP - ORIENTADO A OBJETOS JSP Orientação a Objetos... 2 CLASSE:... 2 MÉTODOS:... 2 Método de Retorno... 2 Método de Execução... 2 Tipos de Dados... 3 Boolean... 3 Float... 3 Integer... 4 String... 4 Array... 4 Primeira:... 4 Segunda:...

Leia mais

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada.

ARQUIVOS. Os arquivos criados em meios magnéticos poderão ser acessados para leitura e escrita na forma seqüencial, direta ou indexada. Texto retirado e adaptado da apostila A Linguagem Pascal, disponível no site http://www.portaldaprogramacao.com (autor: desconhecido) ARQUIVOS Anteriormente, foi estudado o conceito de tabelas em memória

Leia mais

Algoritmos e Estruturas de Dados I

Algoritmos e Estruturas de Dados I Algoritmos e Estruturas de Dados I Strings, Registros e Vetores (Arrays) Orivaldo Santana Jr ovsj@cin.ufpe.br Roteiro Strings em Java Conceito de Registro Registro na linguagem Java Vetor de Registros

Leia mais

FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO (cont)

FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO (cont) FERRAMENTAS BÁSICAS DA PROGRAMAÇÃO (cont) ENTRADA E SAÍDA DE DADOS As linguagens de programação possuem uma grande variedade de comandos de entrada e saída. Os mais comuns são: As linguagens de programação

Leia mais

Paradigmas de Programação

Paradigmas de Programação Paradigmas de Programação Tipos de Dados Aula 5 Prof.: Edilberto M. Silva http://www.edilms.eti.br Prof. Edilberto Silva / edilms.eti.br Tipos de Dados Sistema de tipos Tipos de Dados e Domínios Métodos

Leia mais

Linguagem de Programação

Linguagem de Programação Linguagem de Programação Aula 10 Arquivos Universidade Federal de Santa Maria Colégio Agrícola de Frederico Westphalen Curso Técnico em Informática Prof. Bruno B. Boniati www.cafw.ufsm.br/~bruno Persistência

Leia mais

Engenharia Civil e Engenharia Básica Programação de Computadores Wedson Quintanilha da Silva

Engenharia Civil e Engenharia Básica Programação de Computadores Wedson Quintanilha da Silva Página 1 de 10 APOSTILA DE PASCAL MAPEAMENTO DE ALGORITMOS PARA PASCAL Algoritmo Exercicio1 Program Exercicio1; declare nome : caracter; nome : string; aux : inteiro; aux : integer; salario : real; salario

Leia mais

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL

II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL II. LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO COM PASCAL Leitura: Engenharia de Software - Roger S. Pressman Cap 16 - Linguagens de Programação e Codificação (exceto 16.2) Introdução à Programação com Pascal - Sérgio E. R.

Leia mais

MÉTODOS DE ORDENAÇÃO

MÉTODOS DE ORDENAÇÃO UNIÃO DE TECNOLOGIA E ESCOLAS DE SANTA CATARINA Tecnologia em Processamento de Dados MÉTODOS DE ORDENAÇÃO Tecnologia em Processamento de Dados (Pascal) Jurandir Steffens Acadêmico Glauco Vinicius Scheffel

Leia mais

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I

A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal. Introdução à Ciência da Computação I A Linguagem Pascal e o Ambiente de Programação Dev-Pascal Introdução à Ciência da Computação I Março/2004 Introdução (1 de 3) Homenagem a Blaise Pascal, filósofo e matemático do século XVII. Desenvolvida

Leia mais

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição

1. Estrutura de seleção. Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição 1 Estrutura de seleção Seleção: algumas etapas (passos) do algoritmo são executadas dependendo do resultado de uma condição - Necessário quando mais de uma ação deve ser tomada se uma condição for satisfeita

Leia mais

Estrutura de Dados Básica

Estrutura de Dados Básica Estrutura de Dados Básica Professor: Osvaldo Kotaro Takai. Aula 4: Tipos de Dados O objetivo desta aula é apresentar os tipos de dados manipulados pela linguagem C, tais como vetores e matrizes, bem como

Leia mais

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo

LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo LÓGICA DE PROGRAMAÇÃO Prof. José Geraldo 1.1 Introdução A Lógica é forma de organizar os pensamentos e demonstrar o raciocínio de maneira correta. A utilização da lógica é a melhor maneira de solucionar

Leia mais

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C

Resumo da Introdução de Prática de Programação com C. A Linguagem C Resumo da Introdução de Prática de Programação com C A Linguagem C O C nasceu na década de 70. Seu inventor, Dennis Ritchie, implementou-o pela primeira vez usando um DEC PDP-11 rodando o sistema operacional

Leia mais

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br

frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Algoritmos Revisão geral Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. frozza@ifc-camboriu.edu.brcamboriu.edu.br Comandos básicos Tipos de dados, vetores e matrizes Operadores Comandos básicos Leia, Escreva, Escreval

Leia mais

ALGORITMOS + PASCAL. Estruturas de dados Heterogêneas

ALGORITMOS + PASCAL. Estruturas de dados Heterogêneas Estruturas de dados Heterogêneas Estrutura de Dados com o Uso de Tipo Registro Consiste em trabalhar com vários dados de tipos diferentes (os campos) em uma mesma estrutura. Por esta razão, este tipo de

Leia mais

Introdução ao FORTRAN (Parte I)

Introdução ao FORTRAN (Parte I) Programação de Computadores III Aula 7 Professor Leandro Augusto Frata Fernandes laffernandes@ic.uff.br Material disponível em http://www.ic.uff.br/~laffernandes/teaching/2011.1/tcc-03.063 Roteiro da Aula

Leia mais

Vetores. Professor Dr Francisco Isidro Massettto francisco.massetto@ufabc.edu.br

Vetores. Professor Dr Francisco Isidro Massettto francisco.massetto@ufabc.edu.br Professor Dr Francisco Isidro Massettto francisco.massetto@ufabc.edu.br Nem sempre os tipos básicos: (inteiro, real, caracter e lógico) são suficientes para implementar um algoritmo. Por exemplo: Considere

Leia mais

Exercícios de revisão

Exercícios de revisão Lucélia Alves de Oliveira Exercícios de revisão 1. Faça um programa que permita entrar com a quantidade de pães e leite. Informe o valor da conta do cliente, sabendo que cada litro de leite custa R$2,50

Leia mais

10) REGISTROS : Exemplos: var N,I: integer; A,B,C: real; CHAVE: boolean; CARAC: char; V: array[1..20] of real; M: array[1..10,1..

10) REGISTROS : Exemplos: var N,I: integer; A,B,C: real; CHAVE: boolean; CARAC: char; V: array[1..20] of real; M: array[1..10,1.. Página 1 de 10 10) REGISTROS : De um modo geral, as variáveis podem ser: - simples (integer, real, boolean, char) e - compostas: - homogêneas (array) - heterogêneas (record) Exemplos: var N,I: integer;

Leia mais

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma

Algoritmo. Linguagem natural: o Ambígua o Imprecisa o Incompleta. Pseudocódigo: o Portugol (livro texto) o Visualg (linguagem) Fluxograma Roteiro: Conceitos básicos de algoritmo, linguagem, processador de linguagem e ambiente de programação; Aspectos fundamentais da organização e do funcionamento de um computador; Construções básicas de

Leia mais

Introdução à Ciência da Computação. Registros em C. Sumário. Registros. Agradecimentos. Parte dos slides a seguir são adaptações dos originais:

Introdução à Ciência da Computação. Registros em C. Sumário. Registros. Agradecimentos. Parte dos slides a seguir são adaptações dos originais: Agradecimentos Introdução à Ciência da Computação Registros em C Parte dos slides a seguir são adaptações dos originais: de A. L. V. Forbellone e H. F. Eberspächer do Prof. Rudinei Goularte Prof. Ricardo

Leia mais

ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA JAVA

ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA JAVA ESTRUTURA BÁSICA DE UM PROGRAMA JAVA Prof. Angelo Augusto Frozza, M.Sc. // Primeiro programa em Java public class PrimeiroPrograma { public static void main(string [] args) { System.out.println("Programação

Leia mais

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim

Programação de Computadores. Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Programação de Computadores Professor Ilaim Costa Junior ilaim@ic.uff.br Www.ic.uff.br/~ilaim Roteiro da Aula de Hoje Introdução ao FORTRAN (Parte I) Organização de programas Tipos de dados Variáveis Programação

Leia mais

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1

Estrutura de Dados. Introdução a Ponteiros. Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Estrutura de Dados Introdução a Ponteiros Prof. Gerson Borges Estrutura de Dados I 1 Sumário è Explicação da importância do planejamento de ensino; è Métodos e técnicas que iremos trabalhar durante o semestre;

Leia mais

5 - Vetores e Matrizes Linguagem C CAPÍTULO 5 VETORES E MATRIZES

5 - Vetores e Matrizes Linguagem C CAPÍTULO 5 VETORES E MATRIZES CAPÍTULO 5 5 VETORES E MATRIZES 5.1 Vetores Um vetor armazena uma determinada quantidade de dados de mesmo tipo. Vamos supor o problema de encontrar a média de idade de 4 pessoas. O programa poderia ser:

Leia mais

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90.

Capítulo 8. CICLOS. Tabela 8.1 Programa8a.f90. Capítulo 8. CICLOS OBJETIVOS DO CAPÍTULO Conceito de ciclo Comandos do FORTRAN: DO END DO, EXIT 8.1 programa8a.f90 Para inicializar as atividades deste capítulo, deve-se executar: 1) Para acessar o programa

Leia mais

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir:

1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: Introdução à Informática 1 de 6 Data: 29/05/04 1) Digitar o código-fonte no editor do compilador Turbo Pascal para windows, exatamente como apresentado a seguir: program eq2grau; uses WinCrt, Strings;

Leia mais

Agregado Homogêneo e Heterogêneo

Agregado Homogêneo e Heterogêneo Universidade Estadual de Maringá - UEM Centro de Tecnologia - CTC Departamento de Informática - DIN Fundamentos da Computação Agregado Homogêneo e Heterogêneo Prof. Yandre Maldonado - 1 Prof. Yandre Maldonado

Leia mais

Agregado Homogêneo e Heterogêneo. Agregado Homogêneo. Agregado Homogêneo 28/11/2015

Agregado Homogêneo e Heterogêneo. Agregado Homogêneo. Agregado Homogêneo 28/11/2015 8//0 Universidade Estadual de Maringá - UEM Centro de Tecnologia - CTC Departamento de Informática - DIN Fundamentos da Computação e Heterogêneo Prof. Yandre Maldonado - Prof. Yandre Maldonado e Gomes

Leia mais

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO

OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO OFICINA DA PESQUISA PROGRAMAÇÃO APLICADA À CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO Prof. Msc. Carlos José Giudice dos Santos carlos@oficinadapesquisa.com.br www.oficinadapesquisa.com.br Linguagens de Programação Material

Leia mais

Programação de Computadores I. Ponteiros

Programação de Computadores I. Ponteiros Ponteiros Prof. Edwar Saliba Júnior Outubro de 2012 Unidade 13 Ponteiros 1 Identificadores e Endereços Na linguagem C, uma declaração de variável faz associação entre um identificador e endereços de memória;

Leia mais

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada

Programação Estruturada. Programação Estruturada. Idéias Básicas da Programação Estruturada Programação Estruturada Programação Estruturada Paradigmas de Linguagens de Programação As linguagens desse paradigma são muitas vezes chamadas de linguagens convencionais, procedurais ou imperativas.

Leia mais

Lista de Comandos: Arquivo texto e Binário

Lista de Comandos: Arquivo texto e Binário Lista de Comandos: Arquivo texto e Declaração de arquivo do tipo binário program sequencial; type endereco = record end; rua : string[40]; numero : integer; CEP : real; cadastro = record end; nome : string[30];

Leia mais

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto

UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO. O Paradigma da Orientação a Objeto UNIP UNIVERSIDADE PAULISTA INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLOGIA (ICET) CURSO DE CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO O Paradigma da Orientação a Objeto Apresentada em Cumprimento Parcial dos Requerimentos para

Leia mais

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/

Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Tubarão / Santa Catarina / BRAZIL E-Mail : osmarjr@unisul.rct-sc.br http://tec1.unisul.rct-sc.br/osmarjr/ Índice 1. Algoritmos 3 2. Fases de um Algoritmos 4 3. Estrutura de Algoritmos 5 4. Variáveis 6

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 07 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 07 Disciplina: Linguagem

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS: 3ª Unidade. Registros e Arquivos

LISTA DE EXERCÍCIOS: 3ª Unidade. Registros e Arquivos LISTA DE EXERCÍCIOS: 3ª Unidade Registros e Arquivos 1) Faça um programa que leia os dados de 10 funcionários de uma empresa usando um registro do tipo funcionário, e após a sua leitura, imprima na tela.

Leia mais

2 echo "PHP e outros.";

2 echo PHP e outros.; PHP (Hypertext Preprocessor) Antes de qualquer coisa, precisamos entender o que é o PHP: O PHP(Hypertext Preprocessor) é uma linguagem interpretada gratuita, usada originalmente apenas para o desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ CURSO: Ciência da Computação DATA: / / 2013 PERÍODO: 4 o. PROFESSOR: Andrey DISCIPLINA: Técnicas Alternativas de Programação AULA: 03 APRESENTAÇÃO: Hoje vamos conhecer o comando switch, o bloco try catch;

Leia mais

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros.

1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. Lista de exercícios: Grupo I - programa seqüênciais simples 1. Fazer um programa em C que pergunta um valor em metros e imprime o correspondente em decímetros, centímetros e milímetros. 2. Fazer um programa

Leia mais

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS

Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Curso : Tecnologia em Desenvolvimento de Sistemas - AEMS Série : 3 º Período - 1 º Semestre de 2011 Professora : Elzi Ap. Gil 3. LISTAS LINEARES PARTE - III Disciplina - Estrutura de Dados Segundo Pereira(2002),

Leia mais

Elementos básicos das linguagens de programação

Elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos das linguagens de programação Objetivos: Apresentar os últimos elementos básicos das linguagens de programação Elementos básicos já estudados Entrada (read, readln) Saída (write, writeln)

Leia mais

Conversão de Tipos e Arrays

Conversão de Tipos e Arrays Conversão de Tipos e Arrays Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Conversão de Tipos Permite converter

Leia mais

Aula 4 Instruções Primitivas

Aula 4 Instruções Primitivas Aula 4 Instruções Primitivas 1. Introdução Instruções primitivas são comandos básicos que realizam tarefas de entrada e saída de dados do computador. São muito importantes, pois um programa que não se

Leia mais

Tipos agregados. Tipos estruturados

Tipos agregados. Tipos estruturados Tipos agregados ou Tipos estruturados permitem a implementação de agrupamentos de dados. exemplos: lista de valores que representam as taxas mensais de inflação durante um ano; ficha de cadastro de um

Leia mais

MANIPULAÇÃO DE STRINGS

MANIPULAÇÃO DE STRINGS MANIPULAÇÃO DE STRINGS O TIPO DE DADO STRING Os strings, como trechos de texto, são os tipos de dados mais familiares aos seres humanos. O Pascal padrão não fornecia tipos de dados de String; tínhamos

Leia mais

Linguagens de Programação

Linguagens de Programação Linguagens de Programação Prof. Miguel Elias Mitre Campista http://www.gta.ufrj.br/~miguel Parte IV Introdução à Programação em C++ (Continuação) Relembrando da Última Aula... Funções Classes de armazenamento

Leia mais

OBS.: Qualquer variável utilizada num subprograma que não for parâmetro deve ser considerada como variável local.

OBS.: Qualquer variável utilizada num subprograma que não for parâmetro deve ser considerada como variável local. 1 LINGUAGEM ALGORITMICA Instituto Luterano de Ensino Superior de Ji-Paraná Curso Bacharelado em Informática Prof.: José Luiz A. Duizith Variáveis : Toda em maiúscula : CONSTANTE Iniciando em Maiúscula

Leia mais

Introdução a Algoritmos Parte 07

Introdução a Algoritmos Parte 07 Universidade Federal do Vale do São Francisco Curso de Engenharia de Computação Introdução a Algoritmos Parte 07 (Baseado no Material do Prof. Marcelo Linder) Prof. Jorge Cavalcanti jorge.cavalcanti@univasf.edu.br

Leia mais

ALGOL 68 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM

ALGOL 68 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM ALGOL 68 FUNDAMENTOS DA LINGUAGEM Aldo Ventura da Silva 1 RESUMO Na década de 60, as linguagens estruturadas imperativas de certa forma atendiam às necessidades da época. Com o tempo e a evolução tecnológica,

Leia mais

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes

MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes MC-102 Aula 17 Strings e Matrizes Instituto de Computação Unicamp 5 de Maio de 2015 Roteiro 1 Strings Strings: Exemplos 2 Matrizes Exemplos com Matrizes 3 Exercícios (Instituto de Computação Unicamp) MC-102

Leia mais

Estrutura de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira. Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos

Estrutura de Dados. Prof. Gustavo Willam Pereira. Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos Estrutura de Dados Prof. Gustavo Willam Pereira Créditos: Profa. Juliana Pinheiro Campos ESTRUTURAS DE DADOS Ementa Introdução à Linguagem C. Recursividade. Alocação dinâmica de memória. Conceito de tipos

Leia mais

Tipos de Dados. George Darmiton da Cunha Cavalcanti (gdcc@cin.ufpe.br)

Tipos de Dados. George Darmiton da Cunha Cavalcanti (gdcc@cin.ufpe.br) Tipos de Dados George Darmiton da Cunha Cavalcanti (gdcc@cin.ufpe.br) Tópicos Introdução Tipos de Dados Primitivos Tipos Cadeia de Caracteres Tipos Definidos pelo Usuário Tipos Matriz Matrizes Associativas

Leia mais

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org

Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Estrutura da linguagem de programação C Prof. Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org Breve Histórico A linguagem de programação C foi criada na década de 70, por Dennis Ritchie, que a implementou,

Leia mais

Pratica JFlex. Prática criando o primeiro analisador léxico

Pratica JFlex. Prática criando o primeiro analisador léxico UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA CAMPUS DE SÃO MIGUEL DO OESTE CURSO: CIÊNCIAS DA COMPUTAÇÃO DISCIPLINA: COMPILADORES PROFESSOR: JOHNI DOUGLAS MARANGON Pratica JFlex JFlex é uma ferramenta que permite

Leia mais

/ Métodos de Programação I Projecto 0

/ Métodos de Programação I Projecto 0 Departamento de Matemática da Universidade de Coimbra / Métodos de Programação I Projecto 0 Cálculo do Instante de Chegada de um Voo Dado o instante de partida de um avião (horas, minutos, segundos), dado

Leia mais

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA

ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO FELIPE DENIS M. DE OLIVEIRA ALGORITMO E PROGRAMAÇÃO FELIPE DENIS M DE OLIVEIRA Natal / RN / BRASIL E-Mail : fdenis_natal@yahoocombr Índice 1 Algoritmos 1 2 Fases de um Algoritmo 1 3 Formas de Representação de Algoritmos: 2 4 COMENTÁRIOS

Leia mais

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos

Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Lógica Aula 2 Técnicas de Programação Criando algoritmos Regras Métodos Identificadores Variáveis Constantes Tipos de dados Comandos de atribuição Operadores aritméticos, relacionais e lógicos Criando

Leia mais

Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki. Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby

Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki. Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby Bruno Jurkovski Lucas Fialho Zawacki Site do curso: www.inf.ufrgs.br/pet/cursos/ruby Por que Ruby? Sintaxe limpa e intuitiva: Por que Ruby? Fortemente orientada à objetos Note que não temos os tipos primitivos,

Leia mais

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo;

Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; Conjunto (set) O tipo estruturado set representa, em Pascal, um conjunto de objectos de um dado tipo; O tipo de dados tem por base um tipo simples (enumerável); Na verdade, um set representa o conjunto

Leia mais

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias

Programação I. Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Rural Centro de Ciências Agrárias Programação I Prof. Bruno Vilela Oliveira bruno@cca.ufes.br http://www.brunovilela.webnode.com.br Aula 08 Programação em pascal Pascal Pascal

Leia mais

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express

Introdução a lógica de programação. Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Introdução a lógica de programação Aula 02: Linguagens de Programação e Introdução ao Visual C# Express Roteiro da aula Linguagem de Programação Visual C#: Introdução a C# através de comandos de entrada

Leia mais

CURSO DE. Template void Stack::push( G X X X X UTILIZADO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Roberto Ferrari

CURSO DE. Template <class GS> void Stack<GS>::push( G X X X X UTILIZADO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Roberto Ferrari CURSO DE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 2002 O Template void Stack::push( G O O C A B UTILIZADO NA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS Roberto Ferrari CURSO DE INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO ROBERTO FERRARI

Leia mais

Linguagem Pascal. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior

Linguagem Pascal. Prof. Antonio Almeida de Barros Junior Linguagem Pascal Prof. Antonio Almeida de Barros Junior 1 Linguagem Pascal Criada para ser uma ferramenta educacional (Década de 70); Prof. Niklaus Wirth (Universidade de Zurique); Blaise Pascal (Matemático

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI

INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Introdução Object Pascal/Delphi 1 INTRODUÇÃO OBJECT PASCAL/DELPHI Objetivo Demonstrar a sintaxe e a semântica do Object Pascal e a forma como esse linguagem de programação será aplicada na disciplina de

Leia mais

Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.

Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo. Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu. Aula 11 Introdução ao Pseudocódigo Disciplina: Fundamentos de Lógica e Algoritmos Prof. Bruno Gomes http://www3.ifrn.edu.br/~brunogomes Agenda da Aula Representação de Algoritmos em Pseudocódigo: Sintaxe;

Leia mais

ETE Monte Alto Informática 1º Módulo Pág.: 1

ETE Monte Alto Informática 1º Módulo Pág.: 1 A Linguagem Turbo Pascal...2 Estrutura de um programa em Pascal:...2 Comentários...2 Declaração de Bibliotecas (Uses):...3 Variáveis do Turbo Pascal...3 Constantes...4 Operadores do Turbo Pascal...5 Entrada

Leia mais

Aula Anterior. Decomposição algorítmica (continuação)

Aula Anterior. Decomposição algorítmica (continuação) Aula Anterior Decomposição algorítmica (continuação) Degenerescência da decomposição básica da solução em três etapas Método de decomposição modificado à entrada Associação de diferentes valores de entrada

Leia mais

Apostila da disciplina de PROGRAMAÇÃO I - Linguagem Pascal -

Apostila da disciplina de PROGRAMAÇÃO I - Linguagem Pascal - FIT - Faculdade de Informática de Taquara Curso de Sistemas de Informação Apostila da disciplina de PROGRAMAÇÃO I - Linguagem Pascal - Profa. Flávia Pereira de Carvalho Agosto de 2006 Sumário Página 1

Leia mais

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS

TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS livrof90_v5 2007/3/1 10:27 page 41 #1 CAPÍTULO2 TRABALHANDO COM ARQUIVOS ENTRADAS/SAÍDAS (I/O) DE DADOS Neste capítulo você encontrará: 2.1 Introdução.................. 41 Arquivo................. 42 2.2

Leia mais

Aula Teórica 16: Estruturas de Dados Heterogêneas

Aula Teórica 16: Estruturas de Dados Heterogêneas Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Departamento de Computação - DECOM Programação de Computadores I - BCC 701 www.decom.ufop.br/bcc701 2014-1 Aula Teórica 16: Estruturas de Dados Heterogêneas Material

Leia mais

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores

Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores Notas de Aula de Algoritmos e Programação de Computadores FLÁVIO KEIDI MIYAZAWA com a colaboração de TOMASZ KOWALTOWSKI Instituto de Computação - UNICAMP Versão 2000.1 Estas notas de aula não devem ser

Leia mais

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica

Introdução. A verificação de tipos pode ser estática e dinâmica Análise Semântica Introdução Verifica se as construções sintaticamente corretas possuem significado lógico dentro da linguagem Verifica a consistência da declaração e uso dos identificadores Além disso,

Leia mais

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática

UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática Programação 1 Prof. Osório Aula 05 Pag.: 1 UNISINOS - UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS (C6/6) Curso: Informática PROGRAMAÇÃO I AULA 05 Disciplina: Linguagem

Leia mais