DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO ANUAL DAS SECÇÕES. 1. Enquadramento. 2. Dotação OE de cada secção (cálculo actual)

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO ANUAL DAS SECÇÕES. 1. Enquadramento. 2. Dotação OE de cada secção (cálculo actual)"

Transcrição

1 DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO ANUAL DAS SECÇÕES 1. Enquadramento Nos anos mais recentes, a definição do orçamento de cada uma das secções seguiu o procedimento por todos conhecido e aceite. No entanto, esta forma de calcular a dotação anual de cada secção não é igual ao algoritmo que o Conselho Directivo tem vindo a utilizar na determinação do orçamento anual para cada uma das Unidades Académicas. Este ano, quando a Comissão Coordenadora do DECivil se preparava para discutir o orçamento do DECivil, foi decidido por unanimidade manter o procedimento anterior. No entanto, a Comissão Executiva assumiu o compromisso de se efectuar uma simulação do que teria sido o orçamento de cada uma das secções se se utilizasse o procedimento utilizado pelo CD do IST na elaboração do orçamento para cada Departamento. É este o estudo que se apresenta neste documento. Numa primeira secção é apresentado o cálculo da dotação de cada secção para 2004, tal como foi efectuado para o orçamento aprovado pela Comissão Coordenadora. É depois efectuada a simulação do que teria sido o orçamento de cada secção se se considerasse aplicação do algoritmo utilizado pelos órgãos centrais. Finalmente, as duas formas de cálculo da dotação são comparadas. 2. Dotação OE de cada secção (cálculo actual) Nesta secção descreve-se o algoritmo seguido para a determinação da distribuição pelas secções da verba de Tal como indicado no quadro 2.1, 10% da verba total é distribuída por todas as secções de modo uniforme, 40% do valor total é distribuído proporcionalmente ao número de ETIs existentes e os restantes 50% são distribuídos proporcionalmente ao número de ETIs padrão. Quadro 2.1 Critério para distribuição de verba pelas secções Critério % valor Uniforme 10% ETI existentes 40% ETI Padrão 50% No quadro 2.2 indica-se o número de ETIs existente em cada secção no mês de Janeiro de Apresenta-se também a correspondente percentagem que permite efectuar a distribuição da verba de (referente a 40% da verba total a distribuir). Quadro 2.2 ETIs existentes em Janeiro de 2004 ETIs exist. % ETI Dist. 40% SHRHA 22,9 16,4% SMEEC 60,2 43,2% SUTVS 24,0 17,2% SG 6,5 4,7% SA 15,1 10,8% SSAP 10,8 7,7% No quadro 2.3 apresentam-se os valores de ETI padrão, determinados por média móvel envolvendo os valores referentes aos anos de 2002 e No mesmo quadro lista-se a repartição do valor de (referente a 50% da verba total a distribuir) por cada uma das secções do DECivil.

2 Quadro 2.3 ETIs padrão (média móvel) em Janeiro de 2004 ETIs padrão % ETI Dist. 50% SHRHA 22,3 14,9% SMEEC 61,4 40,9% SUTVS 30,2 20,1% SG 7,8 5,2% SA 13,4 8,9% SSAP 14,9 10,0% Para se efectuar a compensação do secretariado, considera-se como ponto de partida que todas as secções, independentemente da sua dimensão, devem ter o apoio de uma funcionária a tempo inteiro. Como a compensação é efectuada com base no valor de ETI padrão, foi necessário efectuar uma correcção seguida de uma normalização para que esse princípio pudesse ser assegurado. Tendo em conta que o valor de ETIs padrão é de 150,1 e como existem 14 secretárias, é possível determinar o valor de ETIs que justificam uma secretária. Tem-se então que ETI / secretária = 150,1 / 14 = 10,72. Este é o valor padrão que a Secção de Geotecnia deveria ter para justificar o secretariado a tempo inteiro. Para o obter, é necessário que as restantes secções forneçam 2,93 ETIs padrão, o que corresponde a uma contribuição individual de 0,59 ETIs padrão. Estas correcções encontram-se indicadas no quadro 2.4, onde se listam os valores de ETI padrão corrigidos a considerar apenas para efeitos de cálculo de compensação de secretariado. Quadro 2.4 ETIs padrão corrigidos para efeito de cálculo de compensação de secretariado ETIs padrão Normalização SHRHA 22,3 21,8 SMEEC 61,4 60,8 SUTVS 30,2 29,6 SG 7,8 10,7 SA 13,4 12,8 SSAP 14,9 14,4 150,1 150,1 No quadro 2.5 apresentam-se os cálculos referentes ao acerto do secretariado. Para cada secção indica-se o número de funcionárias existentes e o valor a que essa secção teria direito tendo em conta o valor de ETIs padrão normalizado apresentado no quadro 2.4. O valor correspondente ao acerto de secretariado é calculado multiplicando o saldo obtido com a subtracção entre devido e existente pelo valor médio anual do salário de uma secretária, calculado em para o ano de Quadro 2.5 Cálculos referentes a compensação do secretariado Sec. existente ETI Padrão Devido Saldo Valor SHRHA 3,0 21,8 2,0-1, SMEEC 6,0 60,8 5,7-0, SUTVS 2,0 29,6 2,8 0, SG 1,0 10,7 1,0 0,0 0 SA 1,0 12,8 1,2 0, SSAP 1,0 14,4 1,3 0, No quadro 2.6 apresenta-se o valor da dotação a atribuir a cada uma das secções do DECivil em 2004.

3 Quadro 2.6 Cálculo da dotação de cada secção para % 40% 50% uniforme %ETI exist. OE %ETI Padrão OE Comp. Sec. Atrib % Atrib SHRHA ,4% ,9% % SMEEC ,2% ,9% % SUTVS ,2% ,1% % SG ,7% ,2% % SA ,8% ,9% % SSAP ,7% ,0% % % % Aplicação do algoritmo do CD no cálculo da dotação anual de cada secção Aplica-se agora no cálculo da dotação de cada secção o algoritmo utilizado pelo Conselho Directivo na determinação do Orçamento de cada uma das Unidades Académicas do IST. A verba total a distribuir por todas as secções continua a ser a mesma, ou seja, No quadro 3.1 indica-se, para cada secção, o número total de ETIs existente e o valor anual dos salários correspondentes. Apresenta-se ainda o número de funcionários não-docentes associado a cada secção e o valor total dos respectivos salários. Estes valores foram obtidos com base na folha de salários do mês de Maio de Quadro 3.1 Valor total de salários de docentes e não-docentes para cada uma das secções. Secção ETIs % ETIs Sal. Doc. % Sal. Doc. N. doc % N.doc Sal. N. Doc. % Sal. N.Doc. SHRHA 21,9 15,93% ,62 17,56% 3,0 21,43% ,12 26,30% SMEEC 60,2 43,78% ,3 47,57% 6,0 42,86% ,84 37,51% SUTVS 23,0 16,73% ,06 13,94% 2,0 14,29% ,08 12,23% SG 6,5 4,73% ,36 4,62% 1,0 7,14% ,98 5,80% SSAP 10,8 7,85% ,42 7,06% 1,0 7,14% ,06 6,70% SA 15,1 10,98% ,32 9,25% 1,0 7,14% ,28 11,46% Total 137, ,08 14, ,36 Com base no valor total dos salários anuais e sabendo o nº total de ETIs e de funcionários não-docentes, é possível determinar os respectivos valores médios anuais. Esta informação pode ser encontrada nas duas primeiras colunas do quadro 3.2. Quadro 3.2 Valores médios anuais dos salários de docentes e não-docentes por cada secção. Valores anuais médios Licenciatura Mestrado Secção Docentes N. Docentes VSDL VSNDL VSDM VSNDM SHRHA , , , , , ,72 SMEEC , , ,49 757, , ,34 SUTVS , , ,15 740, ,05 999,94 SG , , ,77 702, ,83 949,03 SSAP , , ,92 811, , ,66 SA , , , , , ,62

4 Conhecendo o valor do salário médio anual dos docentes (SMD) e o valor do salário médio anual dos funcionários não-docentes (SMND), é possível determinar os valores salariais por aluno de licenciatura e por aluno de mestrado. Estes valores encontram-se listados também no quadro 3.2 e são determinados com base nas seguintes igualdades: VSDL (valor salarial médio dos docentes por aluno de licenciatura) = SMD / 10,8 VSDM (valor salarial médio dos docentes por aluno de mestrado) = SMD / 8,0 VSNDL (valor salarial médio dos não-docentes por aluno de lic.) = SMND x 0,75 / 10,8 VSNDM (valor salarial médio dos não-docentes por aluno de mest.) = SMND x 0,75 / 8,0 Nas igualdades anteriores, o valor de 10,8 corresponde ao rácio alunos de licenciatura / docente em vigor para o DECivil à data em que o orçamento foi aprovado. Actualmente, este mesmo rácio vale 11,0. O coeficiente 8,0 corresponde ao rácio alunos de mestrado /docente adoptado para toda a Escola. Por fim, 0,75 corresponde ao rácio funcionários não-docentes /docente adoptado para o DECivil. O Valor Padrão de Salários dos docentes é obtido através do seguinte cálculo: VPS (docente) = VSDL x ALp + VSDM x AMp, onde ALp corresponde ao número padrão de alunos de licenciatura e AMp ao número padrão de alunos de mestrado. No quadro 3.3 apresentam-se estes números para cada uma das secções. Depois de determinar o valor do VPS (docente) para cada secção, é necessário efectuar uma normalização para que o valor total corresponda ao valor salarial total dos docentes do DECivil, o qual foi já apresentado no quadro 3.1. Quadro 3.3 Determinação do Valor Padrão de Salários (docentes). VPS (docente) Secção Alunos/Lic Alunos/Mest Licenciatura Mestrado VPS VPS norm. SHRHA , , , ,52 SMEEC , , , ,40 SUTVS , , , ,64 SG , , , ,59 SSAP , , , ,66 SA , , , ,27 Total , , , ,08 Quadro 3.4 Determinação do Valor Padrão de Salários (funcionários não-docentes). VPS (não-docentes) Secção Alunos/Lic Alunos/Mest Licenciatura Mestrado Total VPS norm. SHRHA , , , ,68 SMEEC , , , ,80 SUTVS , , , ,92 SG , , , ,80 SSAP , , , ,86 SA , , , ,31 Total , , , ,36 O Valor Padrão de Salários dos funcionários não-docentes é obtido através do seguinte cálculo: VPS (não-docente) = VSNDL x ALp + VSNDM x AMp

5 Os valores correspondentes encontram-se listados no quadro 3.4. Tal como no caso dos docentes, também neste caso é necessário efectuar uma normalização depois de se determinar o valor do VPS (não-docente) para assegurar que o valor total corresponda ao valor salarial total dos não-docentes afectos às secções do DECivil. O VPS é considerado como sendo o valor dos salários que cada Secção (Unidade Académica, no caso do IST) justifica de acordo com as regras de financiamento do Ensino Superior. Desta forma, se o Valor Padrão dos Salários é superior ao valor real total, isto significa que a unidade em causa está a poupar recursos face às regras de financiamento. Caso se verifique o contrário, a unidade em questão está a consumir recursos em excesso em relação ao que justifica. Estes desvios encontram-se identificados no quadro 3.5, tanto para o caso dos funcionários docentes quanto para o caso dos funcionários não docentes. Estas situações de défice (identificadas por valores negativos na colunas com os valores dos Desvios) e excesso serão tidas em conta na definição do valor da dotação para cada uma das unidades. Quadro 3.5 Identificação de desvios em relação ao VPS. Docentes Não-docentes Secção Salários VPS_D Desvio_D Salários VPS_ND Desvio_ND HRHA , , , , , ,44 SMEEC , , , , , ,04 SUTVS , , , , , ,84 SG , , , , , ,18 SSAP , , , , , ,80 SA , , , , , ,03 Considera-se que a dotação-base de cada unidade é determinada de forma proporcional ao seu Valor Padrão de Salários total, o qual resulta da soma dos valores referentes ao pessoal docente e ao pessoal não-docente. No quadro 3.6 apresenta-se para cada secção o VPS total (calculado com base na informação obtida nos quadro 3.3 e 3.4) e o correspondente valor percentual. É indicado ainda o valor da dotação-base, obtida da forma acima indicada. Quadro 3.6 Determinação da dotação de cada secção. Secção VPS Índice-base Dotação-base Dot. corrigida Valor final SHRHA ,20 15,94% , , ,45 SMEEC ,20 43,51% , , ,70 SUTVS ,56 18,13% , , ,46 SG ,39 5,42% 7.536, , ,68 SSAP ,52 8,76% , , ,66 SA ,58 8,24% , , , , , ,20 O valor da dotação final deve ter em atenção as situações de défice e excesso identificadas no quadro 3.5. Para assegurar esta compensação, o valor corrigido para a dotação é determinado através da seguinte igualdade: Dotação corrigida = Dotação-base x (1 Desvio_D / VPS_D) x (1 Desvio_ND / VPS_ND x f ) Para o orçamento de 2004, foi considerado um valor de 0,6 para o factor de amortecimento f presente na equação anterior. Para se obter o valor final para a dotação (apresentado na última coluna do quadro 3.6) é necessário efectuar uma normalização para assegurar que o valor total a distribuir é igual ao valor disponibilizado para o efeito, ,20.

6 Considerando que para 2005 o coeficiente de amortecimento deverá passar a ter um valor unitário, apresenta-se no quadro 3.7 o mesmo tipo de simulação, mas considerando agora f = 1,0. Quadro 3.7 Determinação da dotação de cada secção (com factor de amortecimento unitário). Secção VPS Índice-base Verba base Correcção Valor final SHRHA ,20 15,94% , , ,68 SMEEC ,20 43,51% , , ,09 SUTVS ,56 18,13% , , ,91 SG ,39 5,42% 7.536, , ,02 SSAP ,52 8,76% , , ,28 SA ,58 8,24% , , , , , ,20 4. Comparação das dotações obtidas com os diferentes algoritmos No quadro 4.1 compara-se a dotação atribuída a cada uma das secções do DECivil no orçamento de 2004 com os valores correspondentes que se obteriam por aplicação do algoritmo do Conselho Directivo. São tidos em consideração os dois valores acima indicados para o coeficiente de amortecimento, f = 0,6 e f = 1,0. Quadro 4.1 Comparação das dotações obtidas com algoritmos alternativos Secção Orçamento 2004 Simulação (f = 0,6) Simulação ( f = 1,0) SHRHA , ,68 SMEEC , ,09 SUTVS , ,91 SG , ,02 SSAP , ,28 SA , ,21 Luís Castro 11 de Dezembro de 2004

ORÇAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA PARA 2004 1. INTRODUÇÃO

ORÇAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA PARA 2004 1. INTRODUÇÃO ORÇAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA PARA 2004 1. INTRODUÇÃO Neste documento apresenta-se o orçamento do Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura para o ano civil de 2004.

Leia mais

ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL. 1. Enquadramento

ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL. 1. Enquadramento ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL 1. Enquadramento É essencial assegurar a uniformidade de procedimentos em todos os Serviços de Contabilidade do IST que dispõem de autonomia

Leia mais

2. Formulário para o pedido de utilização dos meios audiovisuais

2. Formulário para o pedido de utilização dos meios audiovisuais INTERFACE WEB PARA PEDIDOS DE MARCAÇÃO DE MEIOS AUDIOVISUAIS 1. Enquadramento Tal como muito recentemente foi divulgado a toda a escola, o SOP pediu ao DECivil para gerir a marcação dos meios audiovisuais

Leia mais

PROJECTOS FINANCIADOS EM CUSTOS MARGINAIS

PROJECTOS FINANCIADOS EM CUSTOS MARGINAIS Conselho de Gestão PROJECTOS FINANCIADOS EM CUSTOS MARGINAIS Organização, gestão e regulação de actividades e projectos financiados em modalidade de custos marginais na UC ver 2.2 Novembro 2010 Anexo 4

Leia mais

MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal

MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal Resumo O texto apresenta o modelo de imputação de custos a projectos

Leia mais

Departamento de Engenharia Mecânica. Fecho de Contas de 2012. Proposta de Orçamento para 2013

Departamento de Engenharia Mecânica. Fecho de Contas de 2012. Proposta de Orçamento para 2013 Departamento de Engenharia Mecânica Fecho de Contas de 2012 e Proposta de Orçamento para 2013 17 de Julho de 2013 1 1 RELATÓRIO E CONTAS DE 2012 Nesta secção são apresentadas as contas de 2012, sendo realizada

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE

NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE NORMAS E PROCEDIMENTOS DE REGISTO DE ASSIDUIDADE I. OBJECTIVO O presente documento tem como objectivo divulgar as instruções de utilização das unidades de marcação (UM), adaptar as regras de assiduidade

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC

Processo de Bolonha. Regime de transição na FCTUC Processo de Bolonha Regime de transição na FCTUC Aprovado na Comissão Coordenadora do Conselho Pedagógico a 20 de Setembro de 2006, na Comissão Coordenadora do Conselho Científico a 22 de Setembro de 2006,

Leia mais

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida.

a. Garantir a atribuição de salário justo a todos os funcionários da entidade sempre de acordo com as atribuições da função exercida. CONSIDERANDO a necessidade de conferir transparência e eficiência nos processos de contratações no âmbito dos serviços e gerenciamento de unidades públicas do Estado do Rio de Janeiro, pelo HOSPITAL E

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 28 de Junho de 2004 PROVISÓRIO 0000(BUD) Parte 1 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o projecto de orçamento rectificativo nº 7/2004 da União Europeia para

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 150253 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS BRAGA OESTE Sede: 343640 Escola dos 2.º e 3.º Ciclos de Cabreiros DEPARTAMENTO DE MATEMÁTICA E CIÊNCIAS EXPERIMENTAIS Ano lectivo 2015-2016 CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO No primeiro

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito

Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Regulamento Interno Para Atribuição de Bolsas de Mérito Aprovado pelo Conselho Geral em 29/06/09 Nos termos do despacho n.º 13531/2009 (2.ª Série), publicado na II Série do Diário da República n.º 111,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA

MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO PORTUGAL-ESPANHA MANUAL DE PROCEDIMENTOS DO MECANISMO DE GESTÃO CONJUNTA DA INTERLIGAÇÃO Junho de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel: 21 303 32 00

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

O Sistema de Créditos ECTS

O Sistema de Créditos ECTS O Sistema de Créditos ECTS Isabel Nunes Gabinete de Estudos e Planeamento Coord. Marta Pile Maio 2001 Índice 1. O Sistema de Créditos ECTS 1 1.1. ECTS/Sistema em vigor 1 1.2. Declaração de Bolonha 2 1.3.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes

UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes UML (Unified Modelling Language) Diagrama de Classes I Classes... 2 II Relações... 3 II. Associações... 3 II.2 Generalização... 9 III Exemplos de Modelos... III. Tabelas de IRS... III.2 Exames...3 III.3

Leia mais

T R I B U N A L C O N S T I T U C I O N A L

T R I B U N A L C O N S T I T U C I O N A L Acórdão n.º 413/2014 Processo n.º 14/2014 Relator: Conselheiro Carlos Fernandes Cadilha Na sua sessão plenária de 30 de maio de 2014, o Tribunal Constitucional apreciou três pedidos de fiscalização abstrata

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA)

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE DE GESTÃO II 2.º ANO DE AUDITORIA E FISCALIDADE MÉTODO

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL O Plano de Atividades do Conselho Económico e Social para o ano de 2015 foi preparado para cumprimento do que se encontra determinado pela Lei

Leia mais

Ministério da Educação e Ciência. Despacho n.º

Ministério da Educação e Ciência. Despacho n.º Ministério da Educação e Ciência Gabinetes dos Secretários de Estado do Ensino e da Administração Escolar e do Ensino Básico e Secundário Despacho n.º De acordo com o estabelecido na Portaria n.º 135-A/2013,

Leia mais

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009

RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 INSTITUTO POLITÉCNICO DO CÁVADO E DO AVE ESCOLA SUPERIOR DE GESTÃO RELATÓRIO DE ACTIVIDADES 2009 PROJECTO EM SIMULAÇÃO EMPRESARIAL Índice Introdução 1 Recursos Humanos afectos ao PSE... 3 1.1 Caracterização...

Leia mais

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009

C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 C 188/6 Jornal Oficial da União Europeia 11.8.2009 Comunicação da Comissão Critérios para a análise da compatibilidade dos auxílios estatais a favor de trabalhadores desfavorecidos e com deficiência sujeitos

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N DEC 03/2010

TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N DEC 03/2010 COMISSÃO EUROPEIA BRUXELAS, 28/01/2010 ORÇAMENTO GERAL - 2010 SECÇÃO III COMISSÃO TÍTULOS 04, 40 TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N DEC 03/2010 EUR ORIGEM S DOTAÇÕES CAPÍTULO 04 02 Fundo Social Europeu ARTIGO

Leia mais

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado.

TIC Unidade 2 Base de Dados. Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. Conceitos relativos à Informação 1. Informação O que á a informação? Informação é todo o conjunto de dados devidamente ordenados e organizados de forma a terem significado. 2. Dados Em informática designa-se

Leia mais

Regulamento de Vigilâncias de Provas Escritas de Avaliação do DEEC

Regulamento de Vigilâncias de Provas Escritas de Avaliação do DEEC Regulamento de Vigilâncias de Provas Escritas de Avaliação do DEEC Autores: Aprovação: Comissão Executiva do DEEC Comissão Executiva do DEEC Data: 3 de Fevereiro de 2011 Distribuição: Docentes do DEEC

Leia mais

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa

Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa Regulamento Geral de Avaliação da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa PREÂMBULO O actual Regulamento Geral de Avaliação (RGA) foi formulado, no essencial, em 2009 e reformulado em 2010. Teve

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio

Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio Despacho conjunto n.º 413/99, de 15 de Maio MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE Aprova o Regulamento do Fundo de Compensação Sócio-Económica no âmbito do Programa de Expansão

Leia mais

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC

Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Regulamento dos cursos de segundo ciclo integrado na FCTUC Autorizado na reunião da Comissão Coordenadora do Conselho Científico de 2006-10-09, na reunião do Conselho Directivo de 2006-10-13 e na reunião

Leia mais

ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO

ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO ELABORAÇÃO DO ORÇAMENTO DE PROJETOS DE EXTENSÃO A previsão orçamentária é peça fundamental de um projeto. O orçamento é composto pela Previsão de Receita (item I) e pela Fixação de Despesas, representada

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios

REGULAMENTO Regulamento do programa de Aprendizagem ao Longo da Vida (LLP) ERASMUS Mobilidade de Alunos Missão de Estudos e Estágios RG- 10-01 Data: 2010-01-06 INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA ESAC Escola Superior Agrária de Coimbra ESEC Escola Superior de Educação de Coimbra ESTeSC Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Leia mais

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático

Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático Acesso à informação, participação do público e acesso à justiça em matéria de ambiente a nível comunitário um Guia Prático O acesso à informação, a participação do público no processo de tomada de decisão

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2007

PARECER N.º 51/CITE/2007 PARECER N.º 51/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo

Leia mais

Formação de funcionários administrativos dos centros do IST

Formação de funcionários administrativos dos centros do IST Formação de funcionários administrativos dos centros do IST Iria Fernandes Lisboa, 26 de Fevereiro de 2014 Anfiteatro PA3 Ajuste Direto Simplificado (Art.os 128º e 129º): Âmbito: Aquisição ou locação de

Leia mais

PROPOSTAS. (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014)

PROPOSTAS. (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014) PROPOSTAS (Ponto 2 da Ordem de Trabalhos da Assembleia Geral Anual de 27 de março de 2014) Proposta de Recurso aos Excedentes Técnicos e ao Fundo de Reserva Geral para Cobertura dos Saldos Negativos dos

Leia mais

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R

Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R Norma Nr.016 / 1999 de 29/12 REVOGA AS NORMAS N.º 10/96-R E N.º 11/97-R AVALIAÇÃO DOS TERRENOS E EDIFÍCIOS DAS EMPRESAS DE SEGUROS E DOS FUNDOS DE PENSÕES Considerando que, de acordo com a regulamentação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO

ESCOLA SUPERIOR DE ENFERMAGEM DO PORTO Norma de serviço n.º 2008/07 Conceitos, princípios e regras a considerar na programação e aprovação das férias Esta norma aplica-se a todos os funcionários da ESEP e deverá ser considerada na preparação

Leia mais

ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR REMUNERAÇÃO DE UM DEPÓSITO A PRAZO

ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR REMUNERAÇÃO DE UM DEPÓSITO A PRAZO ÁREA DE FORMAÇÃO: POUPAR E INVESTIR REMUNERAÇÃO DE UM DEPÓSITO A PRAZO Índice TANB Taxa Anual Nominal Bruta TANL - Taxa Anual Nominal Líquida Taxa de juro nominal e real Juro simples e juro composto Ficha

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA

REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA REGULAMENTO DO CURSO DE LICENCIATURA EM ADMINISTRAÇÃO PÚBLICO-PRIVADA DA FACULDADE DE DIREITO DE COIMBRA (Aprovado pela Assembleia de Faculdade, em 16 de Janeiro de 2014) CAPÍTULO I Objecto e conceitos

Leia mais

Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda?

Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda? Como preparar um orçamento da saúde que o cidadão-contribuinte entenda? Do Orçamento da Saúde ao Orçamento das Instituições de Saúde Luís Viana Ministério da Saúde - ACSS 12 de Julho de 2011 workshop organizado

Leia mais

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717

Escola Superior de Tecnologia de Setúbal. Modelação e Identificação de Sistemas. Controlo. Ângelo Carmo - 1579 Luis Santos - 2717 Escola Superior de Tecnologia de Setúbal Curso de Licenciatura em Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação Modelação e Identificação de Sistemas Controlo Sistema de Transporte e Compactação de

Leia mais

Regimento do Conselho Coordenador da Avaliação da Escola Secundária Martins Sarmento. Artigo 1º Objecto

Regimento do Conselho Coordenador da Avaliação da Escola Secundária Martins Sarmento. Artigo 1º Objecto Regimento do Conselho Coordenador da Avaliação da Escola Secundária Martins Sarmento Artigo 1º Objecto O presente regimento define a composição, as competências e as regras de funcionamento do Conselho

Leia mais

Regulamento Interno de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito

Regulamento Interno de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito Regulamento Interno de Atribuição de Bolsas de Estudo por Mérito Versão: 02 Data: 17/01/2013 Elaborado: Verificado: Aprovado: RG-PR12-08 Vice-Presidente do IPB Presidentes dos Conselhos Científicos das

Leia mais

GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS. Regulamento

GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS. Regulamento GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS Regulamento 1. Enquadramento A necessidade de arquivos e depósitos no Pavilhão de Civil é partilhada pelas várias unidades funcionais instaladas. Em particular, este documento

Leia mais

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012-2013

Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012-2013 Avaliação do Desempenho do Pessoal Docente 2012-2013 IMPORTANTE Usar EXCEL 2007 ou superior! Ativar as macros! Começar por preencher os dados correspondentes aos campos sombreados. ANO ESCOLAR: 2012-2013

Leia mais

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO

FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO FAQ s METODOLOGIA DE INTERVENÇÃO / ORGANIZAÇÃO 1) Quais os objectivos que se pretende atingir com a Sessão de Imersão e o Seminário de Diagnóstico? A Sessão de Imersão tem por objectivo a apresentação

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

Nota prévia. Serviço de apoio às aulas. Artigo 1

Nota prévia. Serviço de apoio às aulas. Artigo 1 Gabinete de Organização Pedagógica Regulamento para a Prestação de Serviços de Apoio Audiovisual pelo Gabinete de Organização Pedagógica (GOP) Nota prévia O serviço de Apoio Audiovisual do GOP destina-se,

Leia mais

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos

Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Regulamento da CMVM n.º 9/2007 Comercialização Pública de Contratos Relativos ao Investimento em Bens Corpóreos Ao abrigo do disposto no n.º 5 do artigo 9.º, no n.º 2 do artigo 10.º, nos artigos 11.º e

Leia mais

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios

Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e. Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Censos 2011 Resultados Preliminares 30 de Junho de 2011 Somos 10 555 853 residentes, Constituímos 4 079 577 famílias e Dispomos de 5 879 845 alojamentos em 3 550 823 edifícios Cem dias após o momento censitário

Leia mais

Programa de Promoção da Prática Desportiva Desenvolvimento da Atividade Interna. Enquadramento e Regulamento

Programa de Promoção da Prática Desportiva Desenvolvimento da Atividade Interna. Enquadramento e Regulamento Programa de Promoção da Prática Desportiva Desenvolvimento da Atividade Interna Enquadramento e Regulamento PROGRAMA DE PROMOÇÃO DA PRÁTICA DESPORTIVA - DESENVOLVIMENTO DA ATIVIDADE INTERNA Programa e

Leia mais

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra

Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra E SCOLA S UPERIOR A GRÁRIA INSTITUTO POLITÉCNICO DE COIMBRA Regulamento Comum para os Cursos de 1º Ciclo da Escola Superior Agrária de Coimbra (Documento alterado pelo Conselho Científico na Comissão Permanente

Leia mais

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP).

A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 1. OBJECTO A presente norma tem por objecto a definição dos procedimentos a adoptar no que respeita à análise dos pedidos de pagamento (PP). 2. ENQUADRAMENTO JURÍDICO Decreto-Lei n.º 37-A/2008, de 5 de

Leia mais

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006)

Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) Regulamento Financeiro do Partido Social Democrata (Aprovado na Comissão Política Nacional de 11.12.2006) PREÂMBULO O presente regulamento define as normas relacionadas com a actividade financeira a observar

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Globais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Globais EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Globais Retirado e/ou adaptado de: Francisco Avillez, et all (2004). Planeamento da Empresa Agrícola Manual Técnico. Agroges e MAP: Lisboa. O Orçamento Anual Global da Empresa

Leia mais

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO (AQUISIÇÃO E DESBASTE DO FUNDO DOCUMENTAL) COLEÇÃO. Agrupamento de Escolas de Maximinos Braga

POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO (AQUISIÇÃO E DESBASTE DO FUNDO DOCUMENTAL) COLEÇÃO. Agrupamento de Escolas de Maximinos Braga POLÍTICA DE DESENVOLVIMENTO DA COLEÇÃO (AQUISIÇÃO E DESBASTE DO FUNDO DOCUMENTAL) Biblioteca Escolar, 22 de Junho de 2011 Página 1/5 1. DEFINIÇÃO E OBJETIVOS O presente documento enquadra-se nos princípios

Leia mais

Universidade da Madeira (UMa) 4 de março de 2016

Universidade da Madeira (UMa) 4 de março de 2016 Universidade da Madeira (UMa) Recursos Humanos (ETI, concursos e contratações, 2016) 4 de março de 2016 Em 2014 1 e em 2015 2, definiu- se como objetivos para os recursos humanos da Universidade da Madeira:

Leia mais

Regulamento da Unidade Curricular T/abalho de Projeto 1 e II do de j2 Ciclo de Estudos em Gestão de Recursos Humanos. Artigo 12 Objetivo

Regulamento da Unidade Curricular T/abalho de Projeto 1 e II do de j2 Ciclo de Estudos em Gestão de Recursos Humanos. Artigo 12 Objetivo VI,4%+SJadO 4 A 4 misw ót /ÔH.t2IL! Regulamento da Unidade Curricular T/abalho de Projeto 1 e II do de j2 Ciclo de Estudos em Gestão de Recursos Humanos Artigo 12 Objetivo Este regulamento tem como objetivo

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006-

RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006- RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2006 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa

Leia mais

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem.

Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. Apresentam-se, neste documento, os tópicos que se seguem. O que é o Failure Score? O que prevê o Failure Score? Qual é a disponibilidade do Failure Score? Como é calculado o Failure Score? Qual o desempenho

Leia mais

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que:

O artigo 51º do CIRC estabelece que os dividendos recebidos por sociedades portuguesas são totalmente excluídos de tributação sempre que: DESTAQUE Novembro de 2010 FISCAL Proposta de alterações aos mecanismos para evitar a dupla tributação económica de dividendos A Proposta de Lei do Orçamento de Estado para 2011 ( Proposta de OE 2011 )

Leia mais

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS.

PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO INFRA-ESTRUTURAS DAS. Documento Justificativo ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS. PROPOSTA DE REGULAMENTO DE OPERAÇÃO DAS INFRA-ESTRUTURAS Documento Justificativo Fevereiro de 2007 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel:

Leia mais

PARECER N.º 63/CITE/2009

PARECER N.º 63/CITE/2009 PARECER N.º 63/CITE/2009 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho, aprovado pela Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro Processo n.º 376 DG-E/2009

Leia mais

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO

PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO PRÉMIOS MORNINGSTAR DIÁRIO ECONÓMICO 2012 OBJETIVO O objectivo dos Prémios Morningstar consiste em seleccionar os fundos e gestoras que mais valor proporcionaram aos participantes neste tipo de fundos,

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS

GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS GRANDES OPÇÕES DO PLANO 2008 PRINCIPAIS ASPECTOS I. INTRODUÇÃO O Governo apresentou ao Conselho Económico e Social o Projecto de Grandes Opções do Plano 2008 (GOP 2008) para que este Órgão, de acordo com

Leia mais

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007

UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ. Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 UNIVERSIDADE INTERNACIONAL DA FIGUEIRA DA FOZ Diário da República, 2.ª série N.º 103 29 de Maio de 2007 Despacho n.º 9957-AU/2007 Considerando o disposto no Decreto-Lei n.º 64/2006, de 21 Março, acerca

Leia mais

Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios das Finanças do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação

Presidência do Conselho de Ministros e Ministérios das Finanças do Trabalho e da Solidariedade Social e da Educação O Decreto-Lei nº 4/98, de 8 de Janeiro, que estabelece o regime de criação, organização e funcionamento das escolas e cursos profissionais no âmbito do ensino não superior, erigiu o contrato individual

Leia mais

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops

Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Dia do Voluntário da U.Porto: Formar para o voluntariado Conclusões dos Workshops Workshop1 Voluntariado na área social e humanitária nacional Dinamizadores: Vo.U Associação de Voluntariado Universitário

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA -

PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - PROCEDIMENTOS DE MUDANÇA DE COMERCIALIZADOR - CONSULTA PÚBLICA - 1. ENQUADRAMENTO Na sequência da consulta pública acima mencionada, promovida conjuntamente pelos reguladores português e espanhol, vem

Leia mais

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS

REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS REGULAMENTO DO CURSO DE MESTRADO (2º CICLO) EM MATEMÁTICA APLICADA ÀS CIÊNCIAS BIOLÓGICAS Ao abrigo do Decreto-Lei nº 74/2006 de 24 de Março, e do disposto na Deliberação nº 1487/2006 da Reitoria da Universidade

Leia mais

Modelo Cascata ou Clássico

Modelo Cascata ou Clássico Modelo Cascata ou Clássico INTRODUÇÃO O modelo clássico ou cascata, que também é conhecido por abordagem top-down, foi proposto por Royce em 1970. Até meados da década de 1980 foi o único modelo com aceitação

Leia mais

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira

GESTÃO ESTRATÉGICA. Texto de Apoio 1. Análise Económica e Financeira INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL ESCOLA SUPERIOR DE CIÊNCIAS EMPRESARIAIS Departamento de Economia e Gestão (ce.deg@esce.ips.pt) GESTÃO ESTRATÉGICA Texto de Apoio 1 à Análise Económica e Financeira Silva

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Sessão Plenária 15 de Dezembro 2009 A. Sevinate Pontes H. Pinto CS/11 Comissão Sectorial para a Educação e Formação Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Âmbito

Leia mais

Matriz de Distribuição de OCC entre as Unidades Acadêmicas da UFMG 2010

Matriz de Distribuição de OCC entre as Unidades Acadêmicas da UFMG 2010 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS Pró-Reitoria de Planejamento e Desenvolvimento Matriz de Distribuição de OCC entre as Unidades Acadêmicas da UFMG 2010 Belo Horizonte Setembro de 2010 1 Introdução

Leia mais

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Alexandra Sevinate Pontes fevereiro 2012 Proposta de adaptação dos Indicadores de Desempenho ao Ensino a Distância

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Final de Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 62/2.ª Fase. Critérios de Classificação.

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Final de Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 62/2.ª Fase. Critérios de Classificação. Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 62/2.ª Fase Critérios de Classificação 9 Páginas 2015 Prova 62/2.ª F. CC Página 1/ 9 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

Empresa Demo 1 PT500000001

Empresa Demo 1 PT500000001 Empresa Demo 1 PT500000001 Member of Federation of Business Information Service Índice Índice Introdução...3 Classificação total...4 Classificação por dimensão... 5 Quota de mercado...6 Volume de negócios

Leia mais

1. QUADRO DE REFERÊNCIA

1. QUADRO DE REFERÊNCIA PROTOCOLO entre Ministério da Justiça Presidência do Conselho de Ministros APS Associação Portuguesa de Seguradores DECO Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor ACP Automóvel Clube de Portugal

Leia mais

Orientações para justificação de despesas de Encargos Gerais no âmbito de projetos

Orientações para justificação de despesas de Encargos Gerais no âmbito de projetos Orientações para justificação de despesas de Encargos Gerais no âmbito de projetos 1. Introdução As despesas de Encargos Gerais (EG) são despesas que decorrem do normal funcionamento da instituição e são

Leia mais

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA

CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA CURSO DE GESTÃO BANCÁRIA PLANO CURRICULAR A análise referente ao Programa de Ensino e, em particular ao conteúdo do actual Plano de Estudos (ponto 3.3. do Relatório), merece-nos os seguintes comentários:

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 Para as Entidades até agora classificadas como IPSS utilizadoras da Aplicação de Contabilidade PMR, vimos disponibilizar a passagem

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG

PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG PROCEDIMENTO PARA O CÁLCULO DA DURAÇÃO MÍNIMA IN SITU DA VERIFICAÇÃO SGSPAG SQ.S.p.. Novembro 2 Índice Introdução 2 2 Campo de aplicação 2 Documentos de referência 2 4 Documento de apoio 5 Metodologia

Leia mais

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO

REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO REGULAMENTO DE SEMINÁRIO / ESTÁGIO DA LICENCIATURA EM ENGENHARIA ELECTROTÉCNICA E DE COMPUTADORES PREÂMBULO A disciplina de Seminário/Estágio, do 3º ano da Licenciatura em Engenharia Electrotécnica e de

Leia mais

2ª Lista de exercícios

2ª Lista de exercícios 2ª Lista de exercícios NOTA: Por favor tente resolver todos os exercícios sozinho, caso tente e não consiga entre em contato no email: suporte@mjailton.com.br. Após a resolução envie as respostas para

Leia mais

MQUA. Relatório do trabalho prático. pg. 1

MQUA. Relatório do trabalho prático. pg. 1 pg. 1 pg. 2 pg. 3 pg. 4 Índice 2. Despacho, Operador de Mercado e Contractos Bilaterais Página 6 a) Despacho dos Geradores Página 7 b) Pool Simétrico Página 14 c) Pool Assimétrico Página 24 d) Trânsito

Leia mais

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014

Regulamento. Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 Regulamento Atribuição de uma Bolsa Suplementar Erasmus (BSE-SOC) - 2013/2014 A. Enquadramento 1. O presente regulamento define e estabelece o regime de submissão e validação de candidaturas, e o processo

Leia mais