DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO ANUAL DAS SECÇÕES. 1. Enquadramento. 2. Dotação OE de cada secção (cálculo actual)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO ANUAL DAS SECÇÕES. 1. Enquadramento. 2. Dotação OE de cada secção (cálculo actual)"

Transcrição

1 DISCUSSÃO DE ALTERNATIVAS PARA A DEFINIÇÃO DO ORÇAMENTO ANUAL DAS SECÇÕES 1. Enquadramento Nos anos mais recentes, a definição do orçamento de cada uma das secções seguiu o procedimento por todos conhecido e aceite. No entanto, esta forma de calcular a dotação anual de cada secção não é igual ao algoritmo que o Conselho Directivo tem vindo a utilizar na determinação do orçamento anual para cada uma das Unidades Académicas. Este ano, quando a Comissão Coordenadora do DECivil se preparava para discutir o orçamento do DECivil, foi decidido por unanimidade manter o procedimento anterior. No entanto, a Comissão Executiva assumiu o compromisso de se efectuar uma simulação do que teria sido o orçamento de cada uma das secções se se utilizasse o procedimento utilizado pelo CD do IST na elaboração do orçamento para cada Departamento. É este o estudo que se apresenta neste documento. Numa primeira secção é apresentado o cálculo da dotação de cada secção para 2004, tal como foi efectuado para o orçamento aprovado pela Comissão Coordenadora. É depois efectuada a simulação do que teria sido o orçamento de cada secção se se considerasse aplicação do algoritmo utilizado pelos órgãos centrais. Finalmente, as duas formas de cálculo da dotação são comparadas. 2. Dotação OE de cada secção (cálculo actual) Nesta secção descreve-se o algoritmo seguido para a determinação da distribuição pelas secções da verba de Tal como indicado no quadro 2.1, 10% da verba total é distribuída por todas as secções de modo uniforme, 40% do valor total é distribuído proporcionalmente ao número de ETIs existentes e os restantes 50% são distribuídos proporcionalmente ao número de ETIs padrão. Quadro 2.1 Critério para distribuição de verba pelas secções Critério % valor Uniforme 10% ETI existentes 40% ETI Padrão 50% No quadro 2.2 indica-se o número de ETIs existente em cada secção no mês de Janeiro de Apresenta-se também a correspondente percentagem que permite efectuar a distribuição da verba de (referente a 40% da verba total a distribuir). Quadro 2.2 ETIs existentes em Janeiro de 2004 ETIs exist. % ETI Dist. 40% SHRHA 22,9 16,4% SMEEC 60,2 43,2% SUTVS 24,0 17,2% SG 6,5 4,7% SA 15,1 10,8% SSAP 10,8 7,7% No quadro 2.3 apresentam-se os valores de ETI padrão, determinados por média móvel envolvendo os valores referentes aos anos de 2002 e No mesmo quadro lista-se a repartição do valor de (referente a 50% da verba total a distribuir) por cada uma das secções do DECivil.

2 Quadro 2.3 ETIs padrão (média móvel) em Janeiro de 2004 ETIs padrão % ETI Dist. 50% SHRHA 22,3 14,9% SMEEC 61,4 40,9% SUTVS 30,2 20,1% SG 7,8 5,2% SA 13,4 8,9% SSAP 14,9 10,0% Para se efectuar a compensação do secretariado, considera-se como ponto de partida que todas as secções, independentemente da sua dimensão, devem ter o apoio de uma funcionária a tempo inteiro. Como a compensação é efectuada com base no valor de ETI padrão, foi necessário efectuar uma correcção seguida de uma normalização para que esse princípio pudesse ser assegurado. Tendo em conta que o valor de ETIs padrão é de 150,1 e como existem 14 secretárias, é possível determinar o valor de ETIs que justificam uma secretária. Tem-se então que ETI / secretária = 150,1 / 14 = 10,72. Este é o valor padrão que a Secção de Geotecnia deveria ter para justificar o secretariado a tempo inteiro. Para o obter, é necessário que as restantes secções forneçam 2,93 ETIs padrão, o que corresponde a uma contribuição individual de 0,59 ETIs padrão. Estas correcções encontram-se indicadas no quadro 2.4, onde se listam os valores de ETI padrão corrigidos a considerar apenas para efeitos de cálculo de compensação de secretariado. Quadro 2.4 ETIs padrão corrigidos para efeito de cálculo de compensação de secretariado ETIs padrão Normalização SHRHA 22,3 21,8 SMEEC 61,4 60,8 SUTVS 30,2 29,6 SG 7,8 10,7 SA 13,4 12,8 SSAP 14,9 14,4 150,1 150,1 No quadro 2.5 apresentam-se os cálculos referentes ao acerto do secretariado. Para cada secção indica-se o número de funcionárias existentes e o valor a que essa secção teria direito tendo em conta o valor de ETIs padrão normalizado apresentado no quadro 2.4. O valor correspondente ao acerto de secretariado é calculado multiplicando o saldo obtido com a subtracção entre devido e existente pelo valor médio anual do salário de uma secretária, calculado em para o ano de Quadro 2.5 Cálculos referentes a compensação do secretariado Sec. existente ETI Padrão Devido Saldo Valor SHRHA 3,0 21,8 2,0-1, SMEEC 6,0 60,8 5,7-0, SUTVS 2,0 29,6 2,8 0, SG 1,0 10,7 1,0 0,0 0 SA 1,0 12,8 1,2 0, SSAP 1,0 14,4 1,3 0, No quadro 2.6 apresenta-se o valor da dotação a atribuir a cada uma das secções do DECivil em 2004.

3 Quadro 2.6 Cálculo da dotação de cada secção para % 40% 50% uniforme %ETI exist. OE %ETI Padrão OE Comp. Sec. Atrib % Atrib SHRHA ,4% ,9% % SMEEC ,2% ,9% % SUTVS ,2% ,1% % SG ,7% ,2% % SA ,8% ,9% % SSAP ,7% ,0% % % % Aplicação do algoritmo do CD no cálculo da dotação anual de cada secção Aplica-se agora no cálculo da dotação de cada secção o algoritmo utilizado pelo Conselho Directivo na determinação do Orçamento de cada uma das Unidades Académicas do IST. A verba total a distribuir por todas as secções continua a ser a mesma, ou seja, No quadro 3.1 indica-se, para cada secção, o número total de ETIs existente e o valor anual dos salários correspondentes. Apresenta-se ainda o número de funcionários não-docentes associado a cada secção e o valor total dos respectivos salários. Estes valores foram obtidos com base na folha de salários do mês de Maio de Quadro 3.1 Valor total de salários de docentes e não-docentes para cada uma das secções. Secção ETIs % ETIs Sal. Doc. % Sal. Doc. N. doc % N.doc Sal. N. Doc. % Sal. N.Doc. SHRHA 21,9 15,93% ,62 17,56% 3,0 21,43% ,12 26,30% SMEEC 60,2 43,78% ,3 47,57% 6,0 42,86% ,84 37,51% SUTVS 23,0 16,73% ,06 13,94% 2,0 14,29% ,08 12,23% SG 6,5 4,73% ,36 4,62% 1,0 7,14% ,98 5,80% SSAP 10,8 7,85% ,42 7,06% 1,0 7,14% ,06 6,70% SA 15,1 10,98% ,32 9,25% 1,0 7,14% ,28 11,46% Total 137, ,08 14, ,36 Com base no valor total dos salários anuais e sabendo o nº total de ETIs e de funcionários não-docentes, é possível determinar os respectivos valores médios anuais. Esta informação pode ser encontrada nas duas primeiras colunas do quadro 3.2. Quadro 3.2 Valores médios anuais dos salários de docentes e não-docentes por cada secção. Valores anuais médios Licenciatura Mestrado Secção Docentes N. Docentes VSDL VSNDL VSDM VSNDM SHRHA , , , , , ,72 SMEEC , , ,49 757, , ,34 SUTVS , , ,15 740, ,05 999,94 SG , , ,77 702, ,83 949,03 SSAP , , ,92 811, , ,66 SA , , , , , ,62

4 Conhecendo o valor do salário médio anual dos docentes (SMD) e o valor do salário médio anual dos funcionários não-docentes (SMND), é possível determinar os valores salariais por aluno de licenciatura e por aluno de mestrado. Estes valores encontram-se listados também no quadro 3.2 e são determinados com base nas seguintes igualdades: VSDL (valor salarial médio dos docentes por aluno de licenciatura) = SMD / 10,8 VSDM (valor salarial médio dos docentes por aluno de mestrado) = SMD / 8,0 VSNDL (valor salarial médio dos não-docentes por aluno de lic.) = SMND x 0,75 / 10,8 VSNDM (valor salarial médio dos não-docentes por aluno de mest.) = SMND x 0,75 / 8,0 Nas igualdades anteriores, o valor de 10,8 corresponde ao rácio alunos de licenciatura / docente em vigor para o DECivil à data em que o orçamento foi aprovado. Actualmente, este mesmo rácio vale 11,0. O coeficiente 8,0 corresponde ao rácio alunos de mestrado /docente adoptado para toda a Escola. Por fim, 0,75 corresponde ao rácio funcionários não-docentes /docente adoptado para o DECivil. O Valor Padrão de Salários dos docentes é obtido através do seguinte cálculo: VPS (docente) = VSDL x ALp + VSDM x AMp, onde ALp corresponde ao número padrão de alunos de licenciatura e AMp ao número padrão de alunos de mestrado. No quadro 3.3 apresentam-se estes números para cada uma das secções. Depois de determinar o valor do VPS (docente) para cada secção, é necessário efectuar uma normalização para que o valor total corresponda ao valor salarial total dos docentes do DECivil, o qual foi já apresentado no quadro 3.1. Quadro 3.3 Determinação do Valor Padrão de Salários (docentes). VPS (docente) Secção Alunos/Lic Alunos/Mest Licenciatura Mestrado VPS VPS norm. SHRHA , , , ,52 SMEEC , , , ,40 SUTVS , , , ,64 SG , , , ,59 SSAP , , , ,66 SA , , , ,27 Total , , , ,08 Quadro 3.4 Determinação do Valor Padrão de Salários (funcionários não-docentes). VPS (não-docentes) Secção Alunos/Lic Alunos/Mest Licenciatura Mestrado Total VPS norm. SHRHA , , , ,68 SMEEC , , , ,80 SUTVS , , , ,92 SG , , , ,80 SSAP , , , ,86 SA , , , ,31 Total , , , ,36 O Valor Padrão de Salários dos funcionários não-docentes é obtido através do seguinte cálculo: VPS (não-docente) = VSNDL x ALp + VSNDM x AMp

5 Os valores correspondentes encontram-se listados no quadro 3.4. Tal como no caso dos docentes, também neste caso é necessário efectuar uma normalização depois de se determinar o valor do VPS (não-docente) para assegurar que o valor total corresponda ao valor salarial total dos não-docentes afectos às secções do DECivil. O VPS é considerado como sendo o valor dos salários que cada Secção (Unidade Académica, no caso do IST) justifica de acordo com as regras de financiamento do Ensino Superior. Desta forma, se o Valor Padrão dos Salários é superior ao valor real total, isto significa que a unidade em causa está a poupar recursos face às regras de financiamento. Caso se verifique o contrário, a unidade em questão está a consumir recursos em excesso em relação ao que justifica. Estes desvios encontram-se identificados no quadro 3.5, tanto para o caso dos funcionários docentes quanto para o caso dos funcionários não docentes. Estas situações de défice (identificadas por valores negativos na colunas com os valores dos Desvios) e excesso serão tidas em conta na definição do valor da dotação para cada uma das unidades. Quadro 3.5 Identificação de desvios em relação ao VPS. Docentes Não-docentes Secção Salários VPS_D Desvio_D Salários VPS_ND Desvio_ND HRHA , , , , , ,44 SMEEC , , , , , ,04 SUTVS , , , , , ,84 SG , , , , , ,18 SSAP , , , , , ,80 SA , , , , , ,03 Considera-se que a dotação-base de cada unidade é determinada de forma proporcional ao seu Valor Padrão de Salários total, o qual resulta da soma dos valores referentes ao pessoal docente e ao pessoal não-docente. No quadro 3.6 apresenta-se para cada secção o VPS total (calculado com base na informação obtida nos quadro 3.3 e 3.4) e o correspondente valor percentual. É indicado ainda o valor da dotação-base, obtida da forma acima indicada. Quadro 3.6 Determinação da dotação de cada secção. Secção VPS Índice-base Dotação-base Dot. corrigida Valor final SHRHA ,20 15,94% , , ,45 SMEEC ,20 43,51% , , ,70 SUTVS ,56 18,13% , , ,46 SG ,39 5,42% 7.536, , ,68 SSAP ,52 8,76% , , ,66 SA ,58 8,24% , , , , , ,20 O valor da dotação final deve ter em atenção as situações de défice e excesso identificadas no quadro 3.5. Para assegurar esta compensação, o valor corrigido para a dotação é determinado através da seguinte igualdade: Dotação corrigida = Dotação-base x (1 Desvio_D / VPS_D) x (1 Desvio_ND / VPS_ND x f ) Para o orçamento de 2004, foi considerado um valor de 0,6 para o factor de amortecimento f presente na equação anterior. Para se obter o valor final para a dotação (apresentado na última coluna do quadro 3.6) é necessário efectuar uma normalização para assegurar que o valor total a distribuir é igual ao valor disponibilizado para o efeito, ,20.

6 Considerando que para 2005 o coeficiente de amortecimento deverá passar a ter um valor unitário, apresenta-se no quadro 3.7 o mesmo tipo de simulação, mas considerando agora f = 1,0. Quadro 3.7 Determinação da dotação de cada secção (com factor de amortecimento unitário). Secção VPS Índice-base Verba base Correcção Valor final SHRHA ,20 15,94% , , ,68 SMEEC ,20 43,51% , , ,09 SUTVS ,56 18,13% , , ,91 SG ,39 5,42% 7.536, , ,02 SSAP ,52 8,76% , , ,28 SA ,58 8,24% , , , , , ,20 4. Comparação das dotações obtidas com os diferentes algoritmos No quadro 4.1 compara-se a dotação atribuída a cada uma das secções do DECivil no orçamento de 2004 com os valores correspondentes que se obteriam por aplicação do algoritmo do Conselho Directivo. São tidos em consideração os dois valores acima indicados para o coeficiente de amortecimento, f = 0,6 e f = 1,0. Quadro 4.1 Comparação das dotações obtidas com algoritmos alternativos Secção Orçamento 2004 Simulação (f = 0,6) Simulação ( f = 1,0) SHRHA , ,68 SMEEC , ,09 SUTVS , ,91 SG , ,02 SSAP , ,28 SA , ,21 Luís Castro 11 de Dezembro de 2004

ORÇAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA PARA 2004 1. INTRODUÇÃO

ORÇAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA PARA 2004 1. INTRODUÇÃO ORÇAMENTO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA PARA 2004 1. INTRODUÇÃO Neste documento apresenta-se o orçamento do Departamento de Engenharia Civil e Arquitectura para o ano civil de 2004.

Leia mais

2. Formulário para o pedido de utilização dos meios audiovisuais

2. Formulário para o pedido de utilização dos meios audiovisuais INTERFACE WEB PARA PEDIDOS DE MARCAÇÃO DE MEIOS AUDIOVISUAIS 1. Enquadramento Tal como muito recentemente foi divulgado a toda a escola, o SOP pediu ao DECivil para gerir a marcação dos meios audiovisuais

Leia mais

MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal

MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO. Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal MODELO DE IMPUTAÇÃO DE CUSTOS E DE RECURSOS O CASO DA UNIVERSIDADE DO MINHO Sérgio Machado dos Santos Universidade do Minho, Portugal Resumo O texto apresenta o modelo de imputação de custos a projectos

Leia mais

ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL. 1. Enquadramento

ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL. 1. Enquadramento ALGUMAS REGRAS DE FUNCIONAMENTO PARA A CONTABILIDADE DO DECIVIL 1. Enquadramento É essencial assegurar a uniformidade de procedimentos em todos os Serviços de Contabilidade do IST que dispõem de autonomia

Leia mais

PROJECTOS FINANCIADOS EM CUSTOS MARGINAIS

PROJECTOS FINANCIADOS EM CUSTOS MARGINAIS Conselho de Gestão PROJECTOS FINANCIADOS EM CUSTOS MARGINAIS Organização, gestão e regulação de actividades e projectos financiados em modalidade de custos marginais na UC ver 2.2 Novembro 2010 Anexo 4

Leia mais

Departamento de Engenharia Mecânica. Fecho de Contas de 2012. Proposta de Orçamento para 2013

Departamento de Engenharia Mecânica. Fecho de Contas de 2012. Proposta de Orçamento para 2013 Departamento de Engenharia Mecânica Fecho de Contas de 2012 e Proposta de Orçamento para 2013 17 de Julho de 2013 1 1 RELATÓRIO E CONTAS DE 2012 Nesta secção são apresentadas as contas de 2012, sendo realizada

Leia mais

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE

BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSA INTERNACIONAL DE ENTRADA MARIE CURIE III. 1 - Definições FASE DE ENTRADA Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção de subvenção as

Leia mais

TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N DEC 03/2010

TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N DEC 03/2010 COMISSÃO EUROPEIA BRUXELAS, 28/01/2010 ORÇAMENTO GERAL - 2010 SECÇÃO III COMISSÃO TÍTULOS 04, 40 TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N DEC 03/2010 EUR ORIGEM S DOTAÇÕES CAPÍTULO 04 02 Fundo Social Europeu ARTIGO

Leia mais

GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS. Regulamento

GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS. Regulamento GESTÃO DE ARQUIVOS E DEPÓSITOS Regulamento 1. Enquadramento A necessidade de arquivos e depósitos no Pavilhão de Civil é partilhada pelas várias unidades funcionais instaladas. Em particular, este documento

Leia mais

Auditoria Tribunal de Contas

Auditoria Tribunal de Contas Auditoria Tribunal de Contas Situação económico Financeira do SNS 2006 www.acss.min-saude.pt Lisboa, 26 de Novembro de 2007 Auditoria Tribunal de contas nota prévia O Relatório do Tribunal de Contas (RTC)

Leia mais

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010

PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 17.6.2010 COM(2010) 315 final PROJECTO DE ORÇAMENTO RECTIFICATIVO N.º 6 AO ORÇAMENTO GERAL DE 2010 MAPA DE RECEITAS E DE DESPESAS POR SECÇÃO Secção II Conselho Europeu e Conselho

Leia mais

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I

REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I REGULAMENTO FINANCEIRO CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1.º Objeto e Âmbito de Aplicação 1. O presente regulamento define as normas relativas à obtenção de rendimentos e realização de gastos, as regras

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL

PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL PLANO DE ACTIVIDADES 2011 ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA DO BARREIRO / INSTITUTO POLITÉCNICO DE SETÚBAL Dezembro, 2010 PLANO DE ACTIVIDADES 2011 Escola Superior de Tecnologia do Barreiro / Instituto Politécnico

Leia mais

Portaria Nº 794/2000 de 20 de Setembro

Portaria Nº 794/2000 de 20 de Setembro Portaria Nº 794/2000 de 20 de Setembro O regime de administração financeira do Estado, instituído pela lei de bases da contabilidade pública - Lei Nº 8/1990, de 20 de Fevereiro, e legislação complementar,

Leia mais

Normas de Execução Financeira

Normas de Execução Financeira PROJECTOS DE INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 1. Âmbito do financiamento POCI e POS_C Normas de Execução Financeira 1.1. As verbas atribuídas destinam-se a financiar as despesas do

Leia mais

CONSELHO DE MINISTROS

CONSELHO DE MINISTROS CONSELHO DE MINISTROS Decreto n.º 35/02 de 28 de Junho Considerando a importância que a política comercial desempenha na estabilização económica e financeira, bem como no quadro da inserção estrutural

Leia mais

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO

IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO IV GOVERNO CONSTITUCIONAL PROPOSTA DE LEI N.º /2010 DE DE FUNDO FINANCEIRO IMOBILIÁRIO A presente Lei cria o Fundo Financeiro Imobiliário e estabelece o respectivo regime jurídico. Os princípios de planeamento,

Leia mais

RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006-

RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006- RELATÓRIO DE GESTÃO JUNTA DE FREGUESIA DE RONFE - ANO ECONÓMICO DE 2006- ANÁLISE FINAL DO EXERCÍCIO ORÇAMENTAL Ano Económico de 2006 ANÁLISE AOS MAPAS DE CONTROLO ORÇAMENTAL Controlo Orçamental Despesa

Leia mais

RELATÓRIO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO EQUIVALÊNCIA ENTRE A ANTIGA E A NOVA ESTRUTURA DE CARREIRAS. Artigo 6.º do Estatuto dos Funcionários

RELATÓRIO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO EQUIVALÊNCIA ENTRE A ANTIGA E A NOVA ESTRUTURA DE CARREIRAS. Artigo 6.º do Estatuto dos Funcionários PT PT PT COMISSÃO EUROPEIA Bruxelas, 30.3.2011 COM(2011) 171 final RELATÓRIO AO PARLAMENTO EUROPEU E AO CONSELHO EQUIVALÊNCIA ENTRE A ANTIGA E A NOVA ESTRUTURA DE CARREIRAS Artigo 6.º do Estatuto dos Funcionários

Leia mais

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda

Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido. e atribuição do Subsídio de Renda Determinação do Rendimento Anual Bruto Corrigido e atribuição do Subsídio de Renda A revisão do regime jurídico do arrendamento urbano, uma das medidas prioritárias do XVII Governo Constitucional, culminou

Leia mais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Globais

EGEA ESAPL - IPVC. Orçamentos Globais EGEA ESAPL - IPVC Orçamentos Globais Retirado e/ou adaptado de: Francisco Avillez, et all (2004). Planeamento da Empresa Agrícola Manual Técnico. Agroges e MAP: Lisboa. O Orçamento Anual Global da Empresa

Leia mais

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL

PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL PLANO DE ATIVIDADES PARA 2015 CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL O Plano de Atividades do Conselho Económico e Social para o ano de 2015 foi preparado para cumprimento do que se encontra determinado pela Lei

Leia mais

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO

CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO CONJUNTO COMERCIAL CENTRO COMERCIAL DE PORTIMÃO RELATÓRIO DE CONFORMIDADE AMBIENTAL DO PROJECTO DE EXECUÇÃO (RECAPE) SUMÁRIO EXECUTIVO JULHO DE 2008 Inovação e Projectos em Ambiente 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO...

Leia mais

Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento

Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento IN+ Center for Innovation, Technology and Policy Research Centro de Estudos em Inovação, Tecnologia e Políticas de Desenvolvimento REGULAMENTO INTERNO (aprovado pelo Conselho Científico em 12/03/1999)

Leia mais

Dr. José Miguel Mendonça, Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência

Dr. José Miguel Mendonça, Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Dr. José Miguel Mendonça, Presidente da Assembleia Legislativa Regional, Excelência Dr. Alberto João Jardim, Presidente do Governo Regional da Madeira, Excelência Exmo. Sr. Professor Doutor Mikhail Benilov

Leia mais

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL

DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL DOCUMENTO JUSTIFICATIVO DA ALTERAÇÃO DO REGULAMENTO TARIFÁRIO DO SECTOR DO GÁS NATURAL Dezembro 2010 ENTIDADE REGULADORA DOS SERVIÇOS ENERGÉTICOS Rua Dom Cristóvão da Gama n.º 1-3.º 1400-113 Lisboa Tel.:

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS. Recomendação de PARECER DO CONSELHO COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS Bruxelas, 13.2.2007 SEC(2007) 190 final Recomendação de PARECER DO CONSELHO em conformidade com o n.º 3 do artigo 9º do Regulamento (CE) n.º 1466/97 do Conselho, de 7

Leia mais

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA

DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL E ARQUITECTURA CONCURSOS PARA A CARREIRA DOCENTE Recomendações CONCURSOS PARA ASSISTENTES E PROFESSORES AUXILIARES 1. Preâmbulo As regras actualmente em vigor no DECivil

Leia mais

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA)

CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE ANALÍTICA E DE GESTÃO II 3.º ANO DE GESTÃO DE EMPRESAS (RAMOS DE ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DE EMPRESAS E DE GESTÃO FINANCEIRA) CONTABILIDADE DE GESTÃO II 2.º ANO DE AUDITORIA E FISCALIDADE MÉTODO

Leia mais

Comissão de Acompanhamento e Controle Conselho Geral

Comissão de Acompanhamento e Controle Conselho Geral Comissão de Acompanhamento e Controle Conselho Geral Analise às contas históricas e previsionais da UTAD (2008-2013) (Reunião do CG 29 Setembro de 2012) Comissão constituída por: Alberto Baptista António

Leia mais

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38

Evolução do n.º de efectivos dos Serviços de Apoio. Sede 547 525 497. Secção Regional dos Açores 44 44 38 3. RECURSOS DISPONÍVEIS 3.1. RECURSOS HUMANOS À data de 31 de Dezembro de 2001, o Tribunal dispunha de 18 Magistrados, incluindo o Presidente (13 com formação base em Direito e 5 em Economia/ Finanças),

Leia mais

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida

Ministério Público. Guia de Consulta Rápida Ministério Público Ministério Público Guia de Consulta Rápida Versão 3 (Outubro de 2009) - 1 - ÍNDICE 1. ACEDER AO CITIUS MINISTÉRIO PÚBLICO... 4 2. BARRA DE TAREFAS:... 4 3. CONFIGURAR O PERFIL DO UTILIZADOR...

Leia mais

Tempus Web. Benefícios

Tempus Web. Benefícios Tempus Web O módulo Tempus Web destina-se a ser utilizado como complemento da aplicação de controle de assiduidade Tempus, permitindo que os funcionários consultem os seus dados resultantes das picagens

Leia mais

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social

PLANO DE ACTIVIDADES Escola Superior de Comunicação Social 1. NOTA INTRODUTÓRIA 1.1 Aprovação do documento Função Nome Responsável: CD / Director / Presidente IPL Aprovação: Assembleia de Representantes / Conselho Geral (Acta de Reunião) Divulgação: Comunidade

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA A TRANSFERÊNCIA DE CONHECIMENTOS REGIME DE DESENVOLVIMENTO [MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO

SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO REPÚBLICA DE MOÇAMBIQUE MINISTÉRIO DA FUNÇÃO PÚBLICA SISTEMA NACIONAL DE GESTÃO DE RECURSOS HUMANOS SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO 1 SISTEMA DE CARREIRAS E REMUNERAÇÃO (SCR) O SCR, aprovado por Decreto

Leia mais

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual

COMISSÃO EUROPEIA Gabinete de Cooperação EuropeAid. América Latina Gestão financeira e contratual 1 Introdução ao sistema financeiro (custos elegíveis ) Custos directos elegíveis por natureza Custos não elegíveis Período de elegibilidade Repartição das despesas financeiras em conformidade com oanexo

Leia mais

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS

ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS ANTEPROJECTO DE COMUNICAÇÃO DA COMISSÃO EXEMPLO DE DECLARAÇÃO RELACIONADA COM AS INFORMAÇÕES RELATIVAS AO ESTATUTO DE PME DE UMA EMPRESA A presente comunicação tem por objectivo incentivar a aplicação

Leia mais

uma vez que o posto de trabalho que vem ocupando, será extinto por motivos de mercado e estruturais.

uma vez que o posto de trabalho que vem ocupando, será extinto por motivos de mercado e estruturais. PARECER N.º 52/CITE/2011 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida por extinção do posto de trabalho, nos termos do n.º 1 e da alínea c) do n.º 3 do artigo 63.º do Código do Trabalho,

Leia mais

Nota prévia. Serviço de apoio às aulas. Artigo 1

Nota prévia. Serviço de apoio às aulas. Artigo 1 Gabinete de Organização Pedagógica Regulamento para a Prestação de Serviços de Apoio Audiovisual pelo Gabinete de Organização Pedagógica (GOP) Nota prévia O serviço de Apoio Audiovisual do GOP destina-se,

Leia mais

CADEX. Consultoria em Logística Interna. Layout de armazém. Objectivos. Popularidade. Semelhança. Tamanho. Características

CADEX. Consultoria em Logística Interna. Layout de armazém. Objectivos. Popularidade. Semelhança. Tamanho. Características CADEX Consultoria em Logística Interna Layout de armazém fonte: Wikipédia O layout de armazém é a forma como as áreas de armazenagem de um armazém estão organizadas, de forma a utilizar todo o espaço existente

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 12 Páginas Duração

Leia mais

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1

BLOCO 12. ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 BLOCO 12 ASSUNTOS: O estudo de caso de uma empresa agro-industrial PROBLEMAS: PROBLEMA 1 A SILOS, SA é uma sociedade anónima agro-industrial que se dedica ao fabrico e à venda de rações para animais. A

Leia mais

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa. Secção 16 e Regulamento 144 da Política e Programa de Conformidade

MANITOWOC. Boletim de Política da Empresa. Secção 16 e Regulamento 144 da Política e Programa de Conformidade Página 1 MANITOWOC Boletim de Política da Empresa Assunto: Secção 16 e Regulamento 144 da Política e Programa de Conformidade Boletim Original Substitui 111 Datado de 1 de Setembro de 2000 NO: 111 2 de

Leia mais

O custo-aluno em unidades de ensino infantil público municipal: resultados de uma pesquisa de campo

O custo-aluno em unidades de ensino infantil público municipal: resultados de uma pesquisa de campo O custo-aluno em unidades de ensino infantil público municipal: resultados de uma pesquisa de campo Miguel Juan Bacic (Universidade Estadual de Campinas) bacic@eco.unicamp.br Luiz Antônio Teixeira Vasconcelos

Leia mais

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS

COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS COMISSÃO DAS COMUNIDADES EUROPEIAS SEC (2001) 1789 FINAL Bruxelas, 7.11.2001 ORÇAMENTO GERAL - EXERCÍCIO DE 2001 SECÇÃO III - COMISSÃO PARTE A TRANSFERÊNCIA DE DOTAÇÕES N A.II.1/2001 DESPESAS OBRIGATÓRIAS

Leia mais

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio

Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público. Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Secretaria de Estado do Sector Empresarial Público Decreto-Lei nº 7/07 de 2 de Maio Tendo em conta a história económica do nosso País após a independência, a propriedade pública ainda ocupa um lugar muito

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL Índice: 1. Introdução 3 2. Evolução das finanças públicas em Portugal 7 3. Perspectivas macroeconómicas para 2005 19 3.1 Comparação com o cenário

Leia mais

Regime de Reavaliações

Regime de Reavaliações Regime de Reavaliações DL 31/98 REAVALIAÇÃO DE BENS - LEGISLAÇÃO Permite aos sujeitos passivos do IRS e do IRC reavaliar os elementos do seu activo imobilizado tangível, afectos ao exercício de uma actividade

Leia mais

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO

QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO QUADRO DE AVALIAÇÃO E RESPONSABILIZAÇÃO Sessão Plenária 15 de Dezembro 2009 A. Sevinate Pontes H. Pinto CS/11 Comissão Sectorial para a Educação e Formação Índice 1 2 3 4 5 6 7 8 Enquadramento Legal Âmbito

Leia mais

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos

PARLAMENTO EUROPEU PROJECTO DE PARECER. Comissão dos Orçamentos PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003. da Comissão dos Orçamentos PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 PROVISÓRIO 2002/0211(COD) 13 de Janeiro de 2003 PROJECTO DE PARECER da Comissão dos Orçamentos destinado à Comissão da Indústria, do Comércio Externo,

Leia mais

Síntese Execução Orçamental

Síntese Execução Orçamental 2013 janeiro Síntese Execução Orçamental Glossário Ministério das Finanças Glossário A Ativos financeiros (receita) Receitas provenientes da venda e amortização de títulos de crédito, designadamente obrigações

Leia mais

Formação de funcionários administrativos dos centros do IST

Formação de funcionários administrativos dos centros do IST Formação de funcionários administrativos dos centros do IST Iria Fernandes Lisboa, 26 de Fevereiro de 2014 Anfiteatro PA3 Ajuste Direto Simplificado (Art.os 128º e 129º): Âmbito: Aquisição ou locação de

Leia mais

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo.

f) Processamentos de dados em baixa tensão, designadamente estimativas de consumo e metodologia de aplicação de perfis de consumo. NOTA INFORMATIVA RELATIVA AO DESPACHO N.º 2/2007 QUE APROVA O GUIA DE MEDIÇÃO, LEITURA E DISPONIBILIZAÇÃO DE DADOS O Regulamento de Relações Comerciais (RRC) aprovado através do despacho da Entidade Reguladora

Leia mais

1. Apresentação da Prova... 2. 2. Resultados Nacionais Globais... 4. 3. Resultados Nacionais por Área Temática... 5

1. Apresentação da Prova... 2. 2. Resultados Nacionais Globais... 4. 3. Resultados Nacionais por Área Temática... 5 0 ÍNDICE PROVA DE AFERIÇÃO DE MATEMÁTICA 2.º CICLO 1. Apresentação da Prova... 2 2. Resultados Nacionais Globais... 4 3. Resultados Nacionais por Área Temática... 5 4. Resultados Nacionais por Item...

Leia mais

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA

BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS BOLSAS MARIE CURIE DE ACOLHIMENTO PARA FORMAÇÃO DE INVESTIGADORES EM INÍCIO DE CARREIRA [VERSÃO MONOCONTRATANTE] III.1 - Definições Além das previstas no artigo II.1,

Leia mais

Proposta. Atribuição de endereços IPv6 na UTL

Proposta. Atribuição de endereços IPv6 na UTL Proposta Atribuição de endereços IPv6 na UTL 1 Introdução Esta proposta pretende definir um esquema racional de atribuição de endereços IPv6 aos diversos organismos da UTL com vista a resolver à partida

Leia mais

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIA E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III. 1 - Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

PARECER N.º 51/CITE/2007

PARECER N.º 51/CITE/2007 PARECER N.º 51/CITE/2007 Assunto: Parecer prévio nos termos do n.º 1 do artigo 51.º do Código do Trabalho, conjugado com a alínea b) do n.º 1 do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo

Leia mais

PROJECTO DE RELATÓRIO

PROJECTO DE RELATÓRIO PARLAMENTO EUROPEU 1999 Comissão dos Orçamentos 2004 28 de Junho de 2004 PROVISÓRIO 0000(BUD) Parte 1 PROJECTO DE RELATÓRIO sobre o projecto de orçamento rectificativo nº 7/2004 da União Europeia para

Leia mais

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES

PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES ANEXO III DISPOSIÇÕES ESPECÍFICAS PARCERIAS E PONTES MARIE CURIE ENTRE EMPRESAS E UNIVERSIDADES [MULTI-BENEFICIÁRIOS] III.1 Definições Para além das previstas no artigo II.1, aplicam-se à presente convenção

Leia mais

ANÁLISE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL

ANÁLISE DA EXECUÇÃO ORÇAMENTAL Considerações prévias O documento que aqui se apresenta tem o objectivo de apresentar uma análise das contas do Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, numa óptica de tesouraria, não estando,

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

2ª Lista de exercícios

2ª Lista de exercícios 2ª Lista de exercícios NOTA: Por favor tente resolver todos os exercícios sozinho, caso tente e não consiga entre em contato no email: suporte@mjailton.com.br. Após a resolução envie as respostas para

Leia mais

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS

NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS NOVA CONTABILIDADE DAS AUTARQUIAS LOCAIS Decreto-Lei 54-A/99, de 22 de Fevereiro Lei 162/99, de 14 de Setembro Decreto-Lei 315/2000, de 2 de Dezembro Decreto-Lei 84-A/2002, de 5 de Abril Subgrupo de Apoio

Leia mais

Impostos Diferidos e o SNC

Impostos Diferidos e o SNC Impostos Diferidos e o SNC Na vigência do anterior Plano Oficial de Contabilidade (POC) a Directriz Contabilistica (DC) nº 28, da Comissão de Normalização Contabilística (CNC) veio, em tempo, estabelecer

Leia mais

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO

ORDEM DOS MÉDICOS CONSELHO NACIONAL EXECUTIVO Proposta de Alteração do Regulamento de Atribuição de Benefícios Sociais do Fundo de Solidariedade Social da Ordem dos Médicos As alterações estão realçadas em itálico sublinhado com excepção do Artigo

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Proposta de Orçamento para 2010. Introdução. A proposta de orçamento apresentada respeita ao Conselho Distrital de Lisboa.

Proposta de Orçamento para 2010. Introdução. A proposta de orçamento apresentada respeita ao Conselho Distrital de Lisboa. Proposta de Orçamento para 2010 Introdução A proposta de orçamento apresentada respeita ao Conselho Distrital de Lisboa. As propostas de orçamentos referentes ao Conselho de Deontologia de Lisboa e às

Leia mais

Escola Superior de Educação de Viana do Castelo

Escola Superior de Educação de Viana do Castelo Í n d i c e Escola Superior de Educação de Viana do Castelo Principais Indicadores... 1 1. Introdução... 2 2. Condicionalismos Externos... 3 3. Análise Interna 3.1 Enquadramento... 6 3.2 Organização Interna...

Leia mais

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação

FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE AERONÁUTICA. Departamento de Relações Públicas e Comunicação Departamento de Relações Públicas e Comunicação Regulamento 1. Do Departamento de Relações Públicas e Comunicação 1.1 Definição 1.2. Constituição 1.3. Articulação e procedimentos 1.4. Local de funcionamento

Leia mais

DECRETO-LEI N.º 94-D/98,

DECRETO-LEI N.º 94-D/98, DECRETO-LEI N.º 94-D/98, de 17 de Abril Fundo de Apoio ao Estudante Ao definir as bases gerais do financiamento do ensino superior público, a Lei n.º 113/97, de 16 de Setembro, veio criar, enquadrando-o

Leia mais

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS

CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE COESÃO EM CASO DE INCUMPRIMENTO DAS REGRAS EM MATÉRIA DE CONTRATOS PÚBLICOS Versão final de 29/11/2007 COCOF 07/0037/03-PT COMISSÃO EUROPEIA ORIENTAÇÕES PARA A DETERMINAÇÃO DAS CORRECÇÕES FINANCEIRAS A APLICAR ÀS DESPESAS CO-FINANCIADAS PELOS FUNDOS ESTRUTURAIS E PELO FUNDO DE

Leia mais

Universidade da Madeira (UMa) 4 de março de 2016

Universidade da Madeira (UMa) 4 de março de 2016 Universidade da Madeira (UMa) Recursos Humanos (ETI, concursos e contratações, 2016) 4 de março de 2016 Em 2014 1 e em 2015 2, definiu- se como objetivos para os recursos humanos da Universidade da Madeira:

Leia mais

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo

REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA. Preâmbulo REGULAMENTO DE PROPRIEDADE INTELECTUAL DA UNIVERSIDADE FERNANDO PESSOA Preâmbulo Tendo em conta que a UFP: É titulada pela Fundação Ensino e Cultura Fernando Pessoa, sua entidade Instituidora e a quem

Leia mais

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos

Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Indicadores de Desempenho para Apoiar os Processos de Avaliação e Acreditação dos Cursos Alexandra Sevinate Pontes fevereiro 2012 Proposta de adaptação dos Indicadores de Desempenho ao Ensino a Distância

Leia mais

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde

Barómetro Regional da Qualidade Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Entidade Promotora Concepção e Realização Enquadramento Avaliação da Satisfação dos Utentes dos Serviços de Saúde Índice RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais

Ponto da situação sobre a aposentação

Ponto da situação sobre a aposentação Ponto da situação sobre a aposentação Com a publicação da Lei nº 11/2008, de 20 de Fevereiro, são introduzidas mudanças pontuais ao regime de aposentação que já tinha sido alterado nos anos mais recentes.

Leia mais

Estatutos - Hospitais E.P.E.

Estatutos - Hospitais E.P.E. Estatutos - Hospitais E.P.E. ANEXO II ao Decreto-Lei n.º 233/05, de 29 de Dezembro ESTATUTOS CAPÍTULO I Princípios gerais Artigo 1.º Natureza e duração 1 - O hospital E. P. E. é uma pessoa colectiva de

Leia mais

Orçamento de Estado 2015

Orçamento de Estado 2015 Orçamento de Estado 2015 Programa Orçamental da Saúde 03 de novembro de 2014 Orçamento da saúde Evolução do Orçamento do SNS Evolução do Orçamento do SNS Indicador OE 2014 OE 2015 Variação em pp. Despesa

Leia mais

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Final de Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 62/2.ª Fase. Critérios de Classificação.

VERSÃO DE TRABALHO. Prova Final de Matemática. 2.º Ciclo do Ensino Básico. Prova 62/2.ª Fase. Critérios de Classificação. Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 62/2.ª Fase Critérios de Classificação 9 Páginas 2015 Prova 62/2.ª F. CC Página 1/ 9 CRITÉRIOS GERAIS

Leia mais

Aula 7 - Cálculo do retorno econômico

Aula 7 - Cálculo do retorno econômico Aula 7 - Cálculo do retorno econômico Cálculo do retorno econômico Para comparar os custos e os benefícios de um projeto social, precisa-se analisá-los em valores monetários de um mesmo momento do tempo.

Leia mais

O GOVERNO QUER ACABAR COM CARREIRAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA

O GOVERNO QUER ACABAR COM CARREIRAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA Governo pretende acabar com as carreiras, introduzir o arbítrio e reduzir os vencimentos na Pág. 1 O GOVERNO QUER ACABAR COM CARREIRAS NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA RESUMO DESTE ESTUDO O projecto de decreto

Leia mais

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA.

São igualmente tidas em conta situações de pobreza e de exclusão social que necessitam um tratamento específico no âmbito do PRODESA. 1. Medida 3.4: Apoio ao desenvolvimento do Emprego e da Formação Profissional 2. Descrição: A Medida Apoio ao desenvolvimento do Emprego e Formação Profissional do PRODESA visa criar as condições para

Leia mais

FUNDAMENTAÇÃO ECONÓMICO FINANCEIRA REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS TAXAS DE SECRETARIA

FUNDAMENTAÇÃO ECONÓMICO FINANCEIRA REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS TAXAS DE SECRETARIA FUNDAMENTAÇÃO ECONÓMICO FINANCEIRA REGULAMENTO DE LIQUIDAÇÃO E COBRANÇA DE TAXAS E OUTRAS RECEITAS MUNICIPAIS TAXAS DE SECRETARIA INTRODUÇÃO «As taxas das autarquias locais são tributos que assentam na

Leia mais

BILHETE DE IDENTIDADE N.º EMITIDO EM (LOCALIDADE) Não escreva o seu nome em ASSINATURA DO ESTUDANTE. Data / / MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EXAME NACIONAL

BILHETE DE IDENTIDADE N.º EMITIDO EM (LOCALIDADE) Não escreva o seu nome em ASSINATURA DO ESTUDANTE. Data / / MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO EXAME NACIONAL EXAME NACIONAL DE MATEMÁTICA 2005 9.º ANO DE ESCOLARIDADE / 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO A preencher pelo estudante NOME COMPLETO BILHETE DE IDENTIDADE N.º EMITIDO EM (LOCALIDADE) Não escreva o seu nome

Leia mais

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão

3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão Estatística Descritiva com Excel Complementos. 77 3. Características amostrais. Medidas de localização e dispersão 3.1- Introdução No módulo de Estatística foram apresentadas as medidas ou estatísticas

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/Época Especial 13 Páginas

Leia mais

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010

Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de trabalho n.º 8/2010 Acordo colectivo de entidade empregadora pública celebrado entre a Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública e a Administração Central do Sistema de Saúde,

Leia mais

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL

RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL RELATÓRIO DA COMISSÃO PARA A ANÁLISE DA SITUAÇÃO ORÇAMENTAL INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL Maio de 2005 INTRODUÇÃO PELO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL 1. Pela segunda vez fui solicitado

Leia mais

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO

MINISTÉRIO DO COMÉRCIO MINISTÉRIO DO COMÉRCIO REGULAMENTO INTERNO DAS REPRESENTAÇÕES COMERCIAIS DA REPÚBLICA DE ANGOLA NO ESTRANGEIRO CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1º (Natureza) As representações são órgãos de execução

Leia mais

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A.

POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS MEMBROS DOS ÓRGÃOS DE ADMINISTRAÇÃO E DE FISCALIZAÇÃO DO BANCO SANTANDER TOTTA, S.A. Nos termos e para os efeitos do disposto no artigo 2.º, n.º 1, da Lei n.º 28/2009, de 19

Leia mais

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0

Índice. Relatório da Avaliação de Desempenho SIADAP 2 e 3 2012 0 Índice I Nota Introdutória ----------------------------------------------------------------------------------------------------- 1 II Processo de Avaliação -----------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230

CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 CONTABILIDADE GERAL e GESTÃO PREVISIONAL PARA ESNL Versões 5.220/5.230 Para as Entidades até agora classificadas como IPSS utilizadoras da Aplicação de Contabilidade PMR, vimos disponibilizar a passagem

Leia mais

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação

Ministério das Finanças Instituto de Informática. Departamento de Sistemas de Informação Ministério das Finanças Instituto de Informática Departamento de Sistemas de Informação Assiduidade para Calendários Específicos Junho 2010 Versão 6.0-2010 SUMÁRIO 1 OBJECTIVO 4 2 ECRÃ ELIMINADO 4 3 NOVOS

Leia mais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais

Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais EXAME NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Escrita de Matemática Aplicada às Ciências Sociais 10.º e 11.º Anos de Escolaridade Prova 835/2.ª Fase 13 Páginas Duração

Leia mais

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE

DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE CONTA DE GERÊNCIA DE 1 DE JANEIRO DE 2014 A 31 DE DEZEMBRO DE 2014 UNIVERSIDADE DOS AÇORES Relatório de contas Ponta Delgada, Abril de 2015 I INTRODUÇÃO O presente capítulo incide sobre a análise da execução

Leia mais

Documento de Apoio Simulador de Rendas

Documento de Apoio Simulador de Rendas Documento de Apoio Simulador de Rendas O Município de Lisboa desenvolveu um simulador de Cálculo de Rendas que está disponível para o munícipe na página da internet da CML, no seguinte endereço http://simuladorderenda.cm-lisboa.pt

Leia mais