WikiCrimes - Um Sistema Colaborativo para Mapeamento Criminal

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "WikiCrimes - Um Sistema Colaborativo para Mapeamento Criminal"

Transcrição

1 WikiCrimes - Um Sistema Colaborativo para Mapeamento Criminal Vasco Furtado 1, José Eurico 2, Leonardo Ayres 1, Rafael Alves 1, Marcos de Oliveira 3 1-Universidade de Fortaleza -UNIFOR, Fortaleza-CE, Brasil; 2-Pontifícia Universidade Católica -PUC-Rio, Rio de Janeiro-RJ, Brasil; 3-University of Otago, Dunedin-Otago, New Zeland Resumo Vivenciamos a cultura do compartilhamento, prova disso é a Web 2.0 e os sistemas que dela fazem parte, wikis, blogs, fotologs, redes sociais... WikiCrimes é uma típica aplicação da Web 2, sendo norteado pela mesma filosofia da enciclopédia Wikipédia. O sistema oferece um ambiente colaborativo, baseado no uso de mapas e manipulação direta, para cadastro e pesquisa de ocorrências criminais. O slogan do sistema é Compartilhe informações sobre crimes. Saiba onde não é seguro!. 1. Introdução A web pode ser vista em dois momentos distintos. No primeiro, denominado Web 1.0, foi dominado por ações de consulta à informação disponível por canais tradicionais de difusão. O segundo momento, ou Web 2.0, a cultura de compartilhamento da informação passou a predominar e onde antes se viam poucos produtores de informação, passou a ser dominada por uma vasta quantidade destes. Vemos um sem número de aplicações no estilo Wikipédia, além de blogs, flogs, fotologs e diferentes tipos de comunidades virtuais compartilhando informações. É ancorado neste momento da Web e também da emergente necessidade de um maior conhecimento e difusão sobre a violência que vivenciamos em nosso cotidiano que nasce a Proposta de WikiCrimes (www.wikicrimes.org). WikiCrimes baseia-se na filosofia da Wikipédia para elaboração de um sistema colaborativo de mapeamento criminal. O sistema, baseado em mapas geoprocessados, possibilita, via manipulação direta destes, o registro e a pesquisa de ocorrências criminais. Seu slogan básico é Compartilhe informações sobre crimes. Saiba onde não é seguro!. Neste artigo descreveremos WikiCrimes, sua motivação, tecnologia utilizada e os desafios de pesquisa que se apresentam com seu uso. Para esse fim, a organização do artigo se faz em sete sessões, contando com a introdução. A segunda sessão descreve as fases da Web e aborda a temática dos sistemas colaborativos, abrindo espaço para a apresentação do conceito por trás de WikiCrimes, apresentado na sessão três. A sessão quatro apresenta a arquitetura do sistema WikiCrimes, sendo a sessão cinco direcionada para a interface do sistema e suas funcionalidades. Os próximos passos do desenvolvimento tecnológico de WikiCrimes são apresentados na sessão seis e por fim, na sessão sete apresentamos uma breve exposição de alguns desafios científicos na área de computação que se apresentam no projeto. 2. Fases da Web e Sistemas Colaborativos Podemos observar a web sob dois momentos distintos, e uma forma de distingui-los é olhando a quantidade de produtores e consumidores de informação. Na web tradicional (ou Web 1.0) há poucos produtores e muitos consumidores. Os principais produtores são pessoas especializadas (web designers), empresas (públicas e privadas) e mídia tradicional. O internauta típico só acessa as informações disponibilizadas por estes produtores. Na web 2.0 a diferença quantitativa entre produtor e consumidor diminui sensivelmente, pois diversas aplicações enfatizam a produção de informação por qualquer internauta. Vem assim a onda de blogs, fotologs, wikis, comunidades on-line, redes sociais, etc. Com esta produção de conteúdo massificada, mecanismos de colaboração como a Wikipédia vieram quase que naturalmente. Outro tipo de aplicação que começa a surgir visa à integração de informações vindas de diferentes fontes (mashup). Se for possível definir uma fronteira entre a web 2.0 e uma futura web 3.0 ou web semântica, ela certamente passa pela idéia de realizar programas que façam automaticamente integração de informações. É possível observar que estamos em um momento onde a colaboração está em alta. Cabe então formalizar melhor o conceito formal de sistemas colaborativos. Entendemos sistemas colaborativos como ferramentas computacionais que dão suporte a interação (direta ou indireta) entre certo número de pessoas com objetivos individuais e/ou

2 coletivos. A pesquisa sobre sistemas colaborativos se ramifica em diversas áreas e assume diferentes terminologias inter-relacionadas como Groupware, Computer-Mediated-Communication (CMC), Computer- Support Cooperative Work and Learning (CSCW/CSCL). Computer-Mediated Communication, pode ser vista como a grande área que engloba a pesquisa da comunicação mediada por computador, incluindo os sistemas colaborativos. Groupware se refere à tecnologia aplicada a computadores e redes projetadas para possibilitar o trabalho em grupos. Esta tecnologia pode ser utilizada para comunicar, cooperar, coordenar, resolver problemas, competir e/ou negociar. Exemplos de tecnologias de groupware são os s, newsgroups, wikis, videoconferências e chats [5]. CSCW e CSCL se referem às áreas de estudo que examinam o projeto, adoção e utilização de ferramentas de groupware no contexto de trabalho e aprendizado. 3. WikiCrimes, Compartilhe informações criminais, saiba onde não é seguro. A veracidade e precisão das informações sobre onde ocorrem crimes bem como as informações sobre a tipificação desses crimes sempre esteve na pauta das discussões sobre Segurança Pública no Brasil e em diversos outros países. Tradicionalmente essas informações são monopolizadas pelas instituições policiais caracterizando-se assim por um mecanismo altamente centralizado. Esse monopólio acaba por criar uma tensão na relação dessas instituições com a sociedade, pois, comumente, se contrapõe ao preceito da publicidade e da transparência das informações que requer um regime democrático. Alie a esse contexto, as crises que têm caracterizado o dia-a-dia das instituições policiais bem como suas limitações para prestar um serviço público de qualidade que tendem a reduzir a confiança do cidadão nessas instituições. Esses fatores compreendem algumas das razões para o agravamento das sub-notificações: baixo índice de notificações de crimes ocorridos. Tornou-se comum escutar de alguém que foi assaltado dizer que não deu queixa a polícia por considerar que isso não surtiria algum efeito. Pesquisas feitas com vitimados em alguns estados brasileiros mostram que a sub-notificação pode, em áreas densamente povoadas, chegar a 60% para certos tipos de delitos. O resultado disso pode ser desastroso em termos da formulação de políticas públicas e em especial no planejamento da ação policial, pois o mapeamento criminal oficial pode estar refletindo uma tendência bem diferente da que ocorre na vida real. A idéia por trás de WikiCrimes é fornecer um espaço comum de interação entre as pessoas para que as mesmas façam as notificações e possam acompanhar onde os crimes estão ocorrendo. Parte-se do princípio que quem detém a informação sobre um crime é o cidadão. Se ele desejar torná-la pública pode fazê-lo. Desta forma a participação individual, de forma colaborativa, pode gerar uma sabedoria das massas. Ou seja, se houver participação ativa o mapeamento criminal passa a ser feito colaborativamente e todos terão o benefício de ter acesso às informações sobre onde ocorrem crimes. WikiCrimes é uma aplicação típica da Web 2.0. Ele permite a seus usuários acessarem e realizarem registros de ocorrências criminais no computador diretamente em uma determinada localização geográfica representada por um mapa. Por esta razão esta atividade se chama mapear o crime. Entendemos WikiCrimes como um projeto do cidadão para o cidadão. 4. Arquitetura da Proposta Toda a arquitetura de WikiCrimes seguiu alguns padrões de projeto já bastante comuns no mercado de desenvolvimento de aplicações Web. O padrão MVC (modelo-visão-controle) foi implementado através do framework JSF (Java Server Faces) [7]. Trata-se de um framework para aplicações Web baseadas em Java que simplifica o desenvolvimento de interfaces de usuário. Ele utiliza uma abordagem baseada em componentes onde é possível através de um conjunto de componentes de interface pré-definido, criar outros customizados para uma determinada aplicação. Além disso, o framework gerencia os estados desses componentes e associa a eventos de maneira semelhante. Esse conjunto padrão de componentes de interface de usuário possibilita, por exemplo, uma validação padronizada. JSF ainda inclui: suporte a internacionalização; conversores e validadores (com a possibilidade de customizá-los); Managed-Beans; Regras de navegação. Outra característica interessante de JSF é a possibilidade de integrá-lo com outros frameworks e com isso aproveitar algumas características dos mesmos. Foi o que fizemos em WikiCrimes. Integramos JSF com mais dois frameworks: o Spring e o Hibernate. O framework Spring foi utilizado principalmente por sua inversão de controle. Ele funciona da seguinte forma: No WikiCrimes temos as camadas de apresentação (view), de serviços, de acesso aos dados (DAO) e o próprio banco de dados. A inversão de controle do Spring permite que isolemos a ligação entre essas camadas em um só ponto de configuração (applicationcontext.xml). Dessa forma, evitamos a necessidade, por exemplo, de criarmos fábricas de conexões para obter os DAOs na camada de serviços ou obter um serviço na camada de apresentação. Basta assim definir quem depende de quem e o Spring se encarrega de instanciar e configurar essas dependências.

3 Outra característica do Spring é sua natural integração com Hibernate. Isso porque ele possui algumas classes que auxiliam a construção de DAOs. Em WikiCrimes estendemos a classe HibernateDaoSupport do Spring e implementamos os métodos do DAO utilizando o HibernateTemplate retornado pelo método gethibernatetemplate desta classe do Spring. Além de também "injetar" os DAOs nos objetos de negócios pelo próprio container do Spring. O Hibernate é um framework para mapeamento objeto relacional escrito em Java. Ele gera as chamadas SQL liberando o desenvolvedor do conhecimento de detalhes de implementação do banco de dados o que permite se trabalhar somente com a abstração da orientação a objetos Camadas do Sistema A camada de aplicação de WikiCrimes também foi separada em camadas como pode ser visto na Figura 1. A camada de apresentação ou visualização é a responsável pela interação do usuário com o sistema bem como a apresentação dos resultados dessas interações. Além de componentes JSF ela possui diversas classes JavaScripts que são executadas no lado cliente. Elas variam desde simples validações até mesmo a completa interação com os mapas (utilizando a API do Google Maps que falaremos na próxima seção). A camada de Serviços possui todas as regras e lógicas do WikiCrimes. Variam desde serviços de identificação de usuário (registro, login, logout) como de inclusão de crimes, comentários, envio de mensagens eletrônicas, confirmações e estatísticas. A camada de integração e acesso aos dados se utiliza de Hibernate como já mencionamos e o banco de dados, MySql foi configurado com triggers e stored procedures para o cálculo de estatísticas (totalizadores da quantidade de crimes por cidade, por exemplo) Google Maps API No lado cliente, utilizamos a API do Google Maps. Ela permite toda a interação e manipulação do mapa através de classes Javascript. Além disso, utilizamos alguns serviços por ela disponibilizados como o Geocoding e algumas requisições XMLHttpRequest. O Geocoding é o processo de tradução de endereços, avenidas ou ruas para números que o localizam (para ser mais específico: latitude e longitude). Esses serviços foram utilizados para facilitar a localização de áreas ou pontos específicos no mapa onde os crimes devem ser registrados (ou somente acessados). A visualização dos alfinetes representando os crimes (marcadores) é feita através de chamadas a requisições XMLHttpRequest que se responsabilizam pela carga dos marcadores. 5. A interface de WikiCrimes WikiCrimes está em sua segunda versão. Nessa, o projeto de sua interface foi revisto e re-estruturado, tendo como base as ferramentas epistêmicas propostas na teoria da Engenharia Semiótica [1] e nas metas de usabilidade[6]. Outra atividade importante foi a revisão e complemento da documentação de design do sistema com base na proposta extreme Communication-Centered Design [2][3] da Engenharia Semiótica. O re-projeto da atual interface teve como base, dentre outros documentos, o diagrama de metas (Figura 2), diagramas de tarefas [4] e modelo de interação, sendo o primeiro e terceiro documentos baseados na linguagem de modelagem MoLIC. Estes documentos nos indicaram a necessidade de um direcionamento mais claro da interface para o cumprimento das metas dos usuários. Também se identificou a necessidade de revisão dos signos de interface, dos diálogos do designer e da elaboração de uma ajuda do sistema. Como resultado das alterações na interface do sistema (Figura 3) obtivemos uma melhor comunicação designerusuário e conseqüentemente um menor numero de erros de cadastro e de ações equivocadas por parte dos usuários. Figura 1: Camadas do sistema.

4 Figura 2: Diagrama de metas de WikiCrimes em MoLIC. Figura 3: Interface de WikiCrimes remodelada. 6. Estado Atual de Desenvolvimento Tecnológico escopo do gráfico é o conjunto de todos os países que tenham crimes cadastrados no sistema. Neste ciclo de desenvolvimento do sistema estamos desenvolvendo uma área de interface e funcionalidades dedicadas a análise estatística a serem realizadas sobre os dados coletados. Na Figura 4 podemos visualizar um exemplo dessa análise em um gráfico que mostra a divisão dos crimes cadastrados no WikiCrimes por turno. O

5 Figura 4: Exemplo de análise estatística. Outro exemplo, visualizado na Figura 5, sobre o mesmo escopo demonstra a divisão histórica dos tipos de crimes cadastráveis pelo sistema nos últimos seis meses. Figura 5: Distribuição de crimes nos últimos meses. O intuito desta sessão de análises estatísticas é a disponibilização para o usuário final do sistema de macro informações através de uma modelagem dimensional dos dados cadastrados pelo sistema. Esta modelagem é inspirada por técnicas de Knowledge Discovery [8] e Data Warehouse [9]. Outro trabalho em andamento é a definição de agrupamentos. Estes agrupamentos são feitos com base em um algoritmo que permitirá a visão das instâncias de crimes no mapa em diferentes níveis, de acordo com o nível de zoom da tela, o total de crimes por área de visualização e a proximidade geográfica dos crimes. Um agrupamento terá um ícone, agrupador, específico para representar um conjunto de instâncias de crimes. A adoção da técnica de agrupamento evita a excessiva poluição visual de ícones individuais de crimes em áreas com muitos registros. O agrupador apresentado na tela, ao ser clicado pelo usuário, informa quantos crimes ele representa. Para ver individualmente a disposição destes crimes no mapa, basta que o usuário aumente o zoom do mapa na área onde o agrupador se encontra. A internacionalização, hoje pronta para o português e inglês, também está sendo complementada para o francês e o espanhol. 7. Desafios Científicos Além do componente tecnológico multifacetado que caracteriza WikiCrimes, alguns desafios científicos se impõem e merecem especial atenção. Três deles estão sendo objeto de estudo atualmente pela equipe de WikiCrimes. Primeiramente, vale a pena mencionar os estudos feitos com o intuito de disponibilizar WikiCrimes em ambientes de redes sociais e em dispositivos móveis. Essas ações visam aproximar WikiCrimes de seus usuários levando-os a participar da comunidade WikiCrimes em diferentes momentos e que extrapolam o mero acesso ao site. Um protótipo para funcionamento como Widget de Orkut[10] está sendo preparado bem como uma versão mobile para rodar em telefones celulares. O segundo tema de pesquisa em investigação refere-se ao desenvolvimento de um software capaz de ler páginas de jornais on line descrevendo notícias sobre crimes e registrá-las automaticamente em WikiCrimes. Trata-se aqui de investigar métodos semânticos de exploração de conteúdo na web além de métodos de processamento de linguagens naturais. Por fim, não menos importante, estamos envidando esforços para desenvolver um algoritmo de cálculo de reputação dos usuários de WikiCrimes. Esse cálculo será fundamental para orientar os usuários de WikiCrimes sobre o quão confiável os registros de crimes são para uma determinada área escolhida. Agradecimentos WikiCrimes é um trabalho desenvolvido com o apoio de várias pessoas sem as quais seria impossível seu funcionamento. Em particular, agradecemos a todos os componentes do grupo de Engenharia de Conhecimento da UNIFOR, IVIA, Instituto Atlântico. Referências [1] de Souza, C.S. The Semiotic Engineering of Human- Computer Interaction, MIT Press, [2] Aureliano, V.C.O., Silva, B.S., Barbosa, S.D.J. Extreme Designing: Binding Sketching to an Interaction Model in a Streamlined HCI Design Approach. VII Simpósio Brasileiro sobre Fatores Humanos em Sistemas Computacionais (IHC 06), Natal, RN, Brazil, November, [3] Barbosa, S.D.J., Paula, M.G., Lucena, C.J.P. Adopting a Communication-Centered Design Approach to Support Interdisciplinary Design Teams. Proceedings of Bridging the Gaps II: Bridging the Gaps Between Software Engineering and Human-Computer Interaction, Workshop at the International Conference of Software Engineering, ICSE 2004, Scotland, May, [4] Barbosa, S.D.J., de Souza, C.S., Paula, M.G., Silveira, M.S.: Modelo de Interação como Ponte entre o Modelo de Tarefas e a Especificação da Interface. Anais do V Simpósio sobre Fatores Humanos em Sistemas Computacionais, IHC Fortaleza, CE, Brazil, October, pp , [5] Grudin, J., and Poltrock, S. Computer Supported Cooperative Work and Groupware. Tutorial presented at CM

6 SIGCHI Conference on Human Factors in computing Systems, New Orleans, LA: ACM, 1991 [6] Preece, J., Rogers, Y.,Sharp, H. Design de Interação: Além da interação homem-computador, Porto Alegre, Brasil: Bookman, (2005). [7] Mahmoud, O.H.. Developing Web Applications With Java Server Faces. Disponible at: Faces/ last access in , [8] Hilderman, R.J., Hamilton, H.J., Knowledge Discovery and Measures of Interest. Kluwer Academic Publishers, [9] Kimball, R., Ross, M. The data warehouse toolkit: the complete guide to dimensional Modeling. Wiley, [10]

UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE

UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE Juliano Ratusznei (BIC/UNICENTRO), Rodrigo Mattos Mengue (ICV/UNICENTRO), Lucélia de Souza (Orientadora Dep. de Ciência da Computação/UNICENTRO),

Leia mais

Estudo de Viabilidade

Estudo de Viabilidade Universidade Federal do Ceará Bacharelado em Computação cadeira de Engenharia de Software Estudo de Viabilidade Equipe: Carlos H. Sindeaux Edilson Júnior Emanuelle Vieira Franklin Chaves José M. Silveira

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

Documento de Projeto de Sistema

Documento de Projeto de Sistema Documento de Projeto de Sistema 1 IFES / Serra Projeto: Gerenciador de Pelada - Oasis Registro de Alterações: Versão Responsável Data Alterações 0.1 Eduardo Rigamonte, Geann Valfré, João Paulo Miranda,

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE

SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE SIGMAON SISTEMA DE INFORMAÇÃO GEOGRAFICA PARA MONITORAMENTO DE ALAGAMENTOS ON-LINE Marcio Jose Mantau,1 Giovane Farias Aita2, Jaison Ademir Savegnani3, Carlos Alberto Barth4 Palavras-chave: Sistemas de

Leia mais

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário

A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário A abordagem da Engenharia Semiótica para o desenvolvimento de software centrado no usuário Jair Cavalcanti Leite Departamento de Informática e Matemática Aplicada Universidade Federal do Rio Grande do

Leia mais

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID

MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID MAPEAMENTO E LOCALIZAÇÃO DE REGIÕES DE INTERESSE UTILIZANDO REALIDADE AUMENTADA EM DISPOSITIVOS MÓVEIS COM PLATAFORMA ANDROID Alessandro Teixeira de Andrade¹; Geazy Menezes² UFGD/FACET Caixa Postal 533,

Leia mais

2 a Lista de Exercícios

2 a Lista de Exercícios Projeto de Sistemas 2011/2 2 a Lista de Exercícios (1) Um importante aspecto do projeto da camada de Lógica de Negócio (LN) diz respeito à organização das classes e distribuição de responsabilidades entre

Leia mais

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS)

2. Sistemas Multi-Agentes (Multi-Agent System - MAS) AORML uma linguagem para modelagem de uma aplicação Multiagentes: Uma Aplicação no Sistema Expertcop. Hebert de Aquino Nery, Daniel Gonçalves de Oliveira e Vasco Furtado. Universidade de Fortaleza UNIFOR

Leia mais

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS

SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS SISTEMA DE AGENDAMENTO E GERENCIAMENTO DE CONSULTAS CLÍNICAS Pablo dos Santos Alves Alexander Roberto Valdameri - Orientador Roteiro da apresentação Introdução Objetivos Motivação Revisão bibliográfica

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo

Conteúdo. Disciplina: INF 02810 Engenharia de Software. Monalessa Perini Barcellos. Centro Tecnológico. Universidade Federal do Espírito Santo Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Informática Disciplina: INF 02810 Prof.: (monalessa@inf.ufes.br) Conteúdo 1. Introdução 2. Processo de Software 3. Gerência de

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES

DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES DESENVOLVENDO APLICAÇÃO UTILIZANDO JAVA SERVER FACES Alexandre Egleilton Araújo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil araujo.ale01@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional

Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Aplicativo web para definição do modelo lógico no projeto de banco de dados relacional Juarez Bachmann Orientador: Alexander Roberto Valdameri Roteiro Introdução Objetivos Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA (EAD) SISTEMAS PARA INTERNET INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo

Leia mais

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE ABORDAGEM DE FRAMEWORKS PARA JSF QUE AUXILIAM O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE Amarildo Aparecido Ferreira Junior 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 ¹Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil aapfjr@gmail.com

Leia mais

ENGENHARIA DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO EM CAMADAS

ENGENHARIA DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO EM CAMADAS ENGENHARIA DE SOFTWARE DESENVOLVIMENTO EM CAMADAS Uma estrutura para um projeto arquitetural de software pode ser elaborada usando camadas e partições. Uma camada é um subsistema que adiciona valor a subsistemas

Leia mais

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 Jair Cavalcanti Leite Universidade Federal do Rio Grande do Norte Campus Universitário, Lagoa Nova 59072-970 Natal,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Trabalho Final

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO. Trabalho Final UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ - UFC DEPARTAMENTO DE COMPUTAÇÃO - DC ESPECIALIZAÇÃO EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Disciplina: Desenvolvimento de Software para Web Turma: ETI 2008 Prof.: Dr. José Maria Monteiro

Leia mais

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA

APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA APLICATIVO WEB PARA O SETOR DE EXTENSÃO IFC VIDEIRA Autores: Claudiléia Gaio BANDT; Tiago HEINECK; Patrick KOCHAN; Leila Lisiane ROSSI; Angela Maria Crotti da ROSA Identificação autores: Aluna do Curso

Leia mais

Cursos e Treinamentos Profissionais

Cursos e Treinamentos Profissionais Cursos e Treinamentos Profissionais Vinicius A. de Souza va.vinicius@gmail.com (12) 8124-6853 http://videsouza.scienceontheweb.net Cursos oferecidos Curso de Desenvolvimento de Software Com Java... 1 Curso

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema

ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema ABCTool - Uma Ferramenta para Cooperação Baseada na Arquitetura do Sistema Cynthia Maria Silva de Barros Mestranda do PPGEE-PUC-Minas* cmsbarros@zipmail.com.br Carlos Alberto Marques Pietrobon Professor-Orientador

Leia mais

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM

CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM CONCEITOS E APLICAÇÕES DA COMPUTAÇÃO EM NUVEM Rogério Schueroff Vandresen¹, Willian Barbosa Magalhães¹ ¹Universidade Paranaense(UNIPAR) Paranavaí-PR-Brasil rogeriovandresen@gmail.com, wmagalhaes@unipar.br

Leia mais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais

CURSO TECNOLÓGICO 2008/01 1º SEMESTRE. Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 1º SEMESTRE Programação e Estruturas de Dados Fundamentais 8 Créditos Desenvolver a lógica de programação através da construção de algoritmos utilizando português estruturado Representar a solução de problemas

Leia mais

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br

Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos. Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Componentes de Software e Criatividade no Desenvolvimento de Sistemas Colaborativos Marco Aurélio Gerosa gerosa@ime.usp.br Marco A. Gerosa Palestra IC/UNICAMP Sumário Sistemas colaborativos Desenvolvimento

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA WEB E FLEX Setembro de 2010 à Janeiro de 2011 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

Site para Celular JFPB

Site para Celular JFPB JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Site para Celular JFPB http://m.jfpb.jus.br João Pessoa - PB Julho de 2011 JUSTIÇA FEDERAL NA PARAÍBA Sumário Página 1 Apresentação 3 2 Introdução 4 3 Oportunidade 4 4 Solução

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

Uma proposta de Solução de Mineração de Dados aplicada à

Uma proposta de Solução de Mineração de Dados aplicada à Uma proposta de Solução de Mineração de Dados aplicada à Segurança Pública Fernando José Braz 1, Walter Silvestre Coan 2, Andrei Rosseti 2 1 Instituto Federal Catarinense (IFC) Rodovia SC 303, Campus Experimental

Leia mais

Um Framework para Carregamento Dinâmico e Transição Suave entre Mapas Contextuais

Um Framework para Carregamento Dinâmico e Transição Suave entre Mapas Contextuais Um Framework para Carregamento Dinâmico e Transição Suave entre Mapas Contextuais Danilo Inácio de Souza Resende, Heitor Menezes de O. Pereira, Ricardo C. Antunes da Rocha 1 Instituto de Informática Universidade

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CAMPUS AVANÇADO DE ARACATI PROJETO DE PESQUISA IMPLEMENTAÇÃO DE SOLUÇÃO PARA AUTOMATIZAR O DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE UTILIZANDO A LINGUAGEM C#.NET

Leia mais

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com

OFICINA USO DO I3GEO. Levindo Cardoso Medeiros. levindocm@gmail.com OFICINA USO DO I3GEO Levindo Cardoso Medeiros levindocm@gmail.com ESTRUTURA INTRODUÇÃO UTILIZANDO O I3GEO Aprendendo a navegar pelo I3Geo Propriedades do mapa ADICIONANDO E MANIPULANDO CAMADAS Adicionando

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição Intensiva de Férias O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos

Leia mais

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009

CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 CURSO DESENVOLVEDOR JAVA Edição 2009 O curso foi especialmente planejado para os profissionais que desejam trabalhar com desenvolvimento de sistemas seguindo o paradigma Orientado a Objetos e com o uso

Leia mais

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações

Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Laboratório de Engenharia de Software Departamento de Sistemas de Computação Universidade de São Paulo Sistemas Colaborativos Fundamentos e Aplicações Seiji Isotani sisotani@icmc.usp.br Contextualização

Leia mais

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Leia mais

INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB

INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo (abraposo@inf.puc-rio.br Sala 417 RDC) Aula Inaugural 29/Fev/2012 INF 1403 Site da disciplina SERG,

Leia mais

Partner Network. www.scriptcase.com.br

Partner Network. www.scriptcase.com.br www.scriptcase.com.br A Rede de Parceiros ScriptCase é uma comunidade que fortalece os nossos representantes em âmbito nacional, possibilitando o acesso a recursos e competências necessários à efetivação

Leia mais

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS

TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS TECNOLOGIAS E FRAMEWORKS UTILIZADAS NO DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS GERENCIAIS Janderson Fernandes Barros ¹, Igor dos Passos Granado¹, Jaime William Dias ¹, ² ¹ Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí

Leia mais

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC

DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC DESENVOLVENDO APLICAÇÕES UTILIZANDO JAVASERVER FACES E MVC Felipe Moreira Decol Claro 1, Késsia Rita da Costa Marchi 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil felipe4258@hotmail.com, kessia@unipar.br

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4

DMS Documento de Modelagem de Sistema. Versão: 1.4 DMS Documento de Modelagem de Sistema Versão: 1.4 VERANEIO Gibson Macedo Denis Carvalho Matheus Pedro Ingrid Cavalcanti Rafael Ribeiro Tabela de Revisões Versão Principais Autores da Versão Data de Término

Leia mais

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração

Índice Resumo Introdução Groupware Agendas de Grupo Agenda Compartilhada Funcionalidades Cadastro do Usuário / Login Agenda e Configuração UNIRIO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro CCET Centro de Ciências Exatas e Tecnologia EIA Escola de Informática Aplicada TIN0033 Projeto de Graduação II Orientadora: Renata Araújo Alunos:

Leia mais

WebApps em Java com uso de Frameworks

WebApps em Java com uso de Frameworks WebApps em Java com uso de Frameworks Fred Lopes Índice O que são frameworks? Arquitetura em camadas Arquitetura de sistemas WEB (WebApps) Listagem resumida de frameworks Java Hibernate O que são frameworks?

Leia mais

FICHA DE CATALOGAÇÃO DE REVISTAS DE NOTÍCIAS. Coleção

FICHA DE CATALOGAÇÃO DE REVISTAS DE NOTÍCIAS. Coleção Título: SQL Magazine Notas de Título Feita para Desenvolvedores de Software e DBAs. Descrição Geral: Revista focada em banco de dados, análise, projeto e modelagem. Editor(es): Diretor responsável Gladstone

Leia mais

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1

DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 DEFINIÇÃO DE REQUISITOS SISTEMA DE CONTROLE DE FINANÇAS WEB 1.0 MANTER FUNCIONÁRIO RELEASE 4.1 SUMÁRIO DEFINIÇÃO DE REQUISITOS 4 1. INTRODUÇÃO 4 1.1 FINALIDADE 4 1.2 ESCOPO 4 1.3 DEFINIÇÕES, ACRÔNIMOS

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS EMENTAS DAS DISCIPLINAS CURSO CST ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTRODUÇÃO À COMPUTAÇÃO 68 A disciplina estuda a área da informática como um todo e os conceitos fundamentais, abrangendo desde a

Leia mais

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos.

Groupware. Protocolos e Artefatos de Coordenação. Mecanismo de Coordenação. Cleidson de Souza cdesouza@ufpa.br. Artefatos. Groupware Tecnologia computacional para auxiliar o trabalho cooperativo Mas Como o trabalho cooperativo é executado? Como as pessoas trabalham em conjunto? Como a tecnologia existente facilita (ou dificulta)

Leia mais

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério.

Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. EDSON GONÇALVES Este livro é dedicado a minha esposa Edna e a todos os desenvolvedores que fizeram do software livre um meio profissional levado a sério. AGRADECIMENTOS Primeiramente gostaria de agradecer

Leia mais

eventos que ocorrem no site são

eventos que ocorrem no site são T r e i n a n d o c a m p e õ e s Uma ferramenta de Comunicação & Relacionamento. Os principais eventos que ocorrem no site são devidamente notificados por e-mail. Todos os usuários dotreinus têm a sua

Leia mais

Documento de Projeto de Software

Documento de Projeto de Software Documento de Projeto de Software Projeto: Vídeo Locadora Passatempo Versão: 1.0 Responsável: Ricardo de Almeida Falbo 1. Introdução Este documento apresenta o documento de projeto (design) do sistema de

Leia mais

PHP - Orientação a Objeto MVC. Éderson T. Szlachta {Tecnólogo em Análise e Desenv. de Sistemas} - edersonszlachta@gmail.com

PHP - Orientação a Objeto MVC. Éderson T. Szlachta {Tecnólogo em Análise e Desenv. de Sistemas} - edersonszlachta@gmail.com PHP - Orientação a Objeto MVC Éder[son]? Analista e Desenv. de Sistemas Desenvolvimento Web: PHP JavaScript {jquery (às vezes)} MySQL Flash, ActionScript (descobrindo) Desktop: Java C# Delphi {splash screen

Leia mais

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com

ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS. Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com ANÁLISE E PROJETO ORIENTADO A OBJETOS Isac Aguiar isacaguiar.com.br isacaguiar@gmail.com Análise Descrição do problema a ser implementado Descrição dos objetos e classes que fazem parte do problema, Descrição

Leia mais

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/

SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ SIGECO07 Sistema Integrado de Gestão de Contas Universidade Federal de Lavras PLANO DE PROJETO 23/09/2007 SIGECO07/GERENCIA/PROJETOS/ ModeloPlanoProjeto_2007_04_24 SIGECO07_PlanoProjeto_2007_09_23 Página

Leia mais

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow

Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Um Simulador para Avaliação da Antecipação de Tarefas em Sistemas Gerenciadores de Workflow Resumo. A fim de flexibilizar o fluxo de controle e o fluxo de dados em Sistemas Gerenciadores de Workflow (SGWf),

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL.

UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL. UNIVERSIDADE CATÓLICA DE PELOTAS CENTRO POLITÉCNICO TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SISTEMA DE GESTÃO DO CAPITAL INTELECTUAL por Luisiane Pereira Costa Pinto Trabalho de Curso II submetido

Leia mais

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi

Gerenciador Financeiro CITi. Gerenciador Financeiro CITi (Sistema de Gerenciamento Financeiro) Especificação dos Requisitos do Software Gerenciador Financeiro CITi Versão 1.0 Autores: Bruno Medeiros de Oliveira Igor Rafael Medeiros Pedro Araújo de Melo Tiago

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

O que? Quando? E por quem? Uma investigação sobre o ensino de IHC nas universidades públicas do Estado do Paraná

O que? Quando? E por quem? Uma investigação sobre o ensino de IHC nas universidades públicas do Estado do Paraná O que? Quando? E por quem? Uma investigação sobre o ensino de IHC nas universidades públicas do Estado do Paraná ABSTRACT Sílvia Amélia Bim Departamento de Ciência da Computação Universidade Estadual do

Leia mais

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina

Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Programação para Internet Rica 1 Aula 1: Introdução à Disciplina Fonte: Plano de Aula Oficial da Disciplina Objetivo: Identificar os princípios que se destacam como características da Web 2.0. INTRODUÇÃO

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET

MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET MedEl: Uma solução de E-Learning utilizando tecnologia Microsoft ASP.NET Átila Correia Cunha 1, 2, Glaucon Henrique Mauricio Maia 1, 2, Waner Ferreira Tavares 1, 2, Jorge Bergson¹, Rui Gomes Patrício 3

Leia mais

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP

HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP 1 HASHTAGS: ROMPIMENTOS COM DIZERES SEDIMENTADOS* Autora: Vânia Lúcia Coelho- Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto- FFCLRP/USP RESUMO: Há muito que áreas como a Biblioteconomia e

Leia mais

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP

SENADO FEDERAL Secretaria Especial do Interlegis SINTER Subsecretaria de Tecnologia da Informação SSTIN. Produto I: ATU SAAP Produto I: ATU SAAP Documento de projeto do novo sistema. Modelo de Dados, Casos de Usos e Interface Gráfica do Sistema Pablo Nogueira Oliveira Termo de Referência nº 129275 Contrato Número 2008/000988

Leia mais

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

WORKFLOW. Mapeamento de Processos de Negócio 26/11/2009. Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS WORKFLOW Mapeamento de Processos de Negócio Tadeu Cruz, Prof. M.Sc. TODOS OS DIREITOS RESERVADOS É proibido a reprodução total ou parcial de qualquer forma ou por qualquer meio sem a expressa autorização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA. Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA Informatização de farmácias publicas utilizando software livre. MURILO NUNES ELIAS FLORIANÓPOLIS SC 2007/2 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA DEPARTAMENTO DE

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE A INTEGRAÇÃO DE ASPECTOS DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NOS MÉTODOS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTERATIVOS

UM ESTUDO SOBRE A INTEGRAÇÃO DE ASPECTOS DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NOS MÉTODOS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTERATIVOS UM ESTUDO SOBRE A INTEGRAÇÃO DE ASPECTOS DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NOS MÉTODOS DE DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS INTERATIVOS Sarah Sther Chagas de Aquino MONOGRAFIA APRESENTADA AO CENTRO DE CIÊNCIAS

Leia mais

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016

NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 NOVA PROPOSTA DE MATRIZ CURRICULAR CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS - 2016 Diante da evolução de técnicas e ferramentas tecnológicas, aliado a novas necessidades curriculares,

Leia mais

Agregando Frameworks em uma Arquitetura Baseada em Componentes: Um Estudo de Caso no Ambiente AulaNet

Agregando Frameworks em uma Arquitetura Baseada em Componentes: Um Estudo de Caso no Ambiente AulaNet Barreto, C.G., Fuks, H. & Lucena, C.J.P. (2005) Agregando Frameworks em uma Arquitetura Baseada em Componentes: Um Estudo de Caso no Ambiente AulaNet, Anais do 5º Workshop de Desenvolvimento Baseado em

Leia mais

Capítulo 2 Web 2.0 22

Capítulo 2 Web 2.0 22 2 Web 2.0 Uma vez que o presente trabalho está intensamente relacionado à Web 2.0 (muitas tecnologias da mesma são utilizadas pela equipe estudada, que precisam de melhorias), torna-se necessário entender

Leia mais

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas?

Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Software Livre e GIS: Quais são as alternativas? Tiago Eugenio de Melo tiago@comunidadesol.org 1 Sumário Conceitos GIS e Software Livre Ferramentas: Thuban Qgis Jump MapServer O Futuro das Tecnologias

Leia mais

Documento de Arquitetura

Documento de Arquitetura Documento de Arquitetura A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO A2MEPonto - SISTEMA DE PONTO ELETRÔNICO #1 Pág. 1 de 11 HISTÓRICO DE REVISÕES Data Versão Descrição Autor 28/10/2010 1 Elaboração do documento

Leia mais

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade

Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Sistema de Geração de Sítios e Manutenção de Conteúdo: uma solução incorporando regras de acessibilidade Ilan Chamovitz Datasus Departamento de Informática e Informação do SUS Ministério da Saúde - Brasil

Leia mais

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/

http://mapas.ipea.gov.br/i3geo/ IPEAMAPAS Disponibilização de forma espacializada dos dados publicados pelo IPEA; Permite interatividade com outros dados disponíveis (infraestrutura, assistência social, saúde, educação, cultura e dados

Leia mais

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM

3 OOHDM e SHDM 3.1. OOHDM 32 3 OOHDM e SHDM Com a disseminação em massa, desde a década de 80, de ambientes hipertexto e hipermídia, principalmente a Web, foi identificada a necessidade de elaborar métodos que estruturassem de

Leia mais

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012 Clodis Milene Raquel Sílvia Simone 1 abril a junho de 2013 75 respondentes válidos cursos: graduação pós-graduação stricto sensu pós-graduação lato sensu avulsos

Leia mais

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural)

Sistema de Memorandos On-Line. (Projeto Arquitetural) Universidade Federal de Campina Grande Pb Departamento de Sistemas e Computação Disciplina: Projeto em Computação I 2111185 Professora: Francilene Procópio Garcia, P.Sc Alunos: Arnaldo de Sena Santos;

Leia mais

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C#

FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# FERRAMENTAS PARA DESENVOLVIMENTO EM C# Camila Sanches Navarro 1,2, Wyllian Fressatti 2 ¹Universidade paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil sanchesnavarro@gmail.com wyllian@unipar.br Resumo. Este artigo

Leia mais

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD

COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD COORDENAÇÃO DE ENSINO A DISTÂNCIA - EaD TUTORIAL MOODLE VERSÃO ALUNO Machado/MG 2013 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 4 2. EDITANDO O PERFIL... 5 2.1 Como editar o perfil?... 5 2.2 Como mudar a senha?... 5 2.3

Leia mais

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído

Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ferramenta para instanciação de processos de software que permite o gerenciamento de projetos de desenvolvimento distribuído Ana Paula Chaves 1, Jocimara Segantini Ferranti 1, Alexandre L Erário 1, Rogério

Leia mais

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma:

Apesar de existirem diversas implementações de MVC, em linhas gerais, o fluxo funciona geralmente da seguinte forma: 1 Introdução A utilização de frameworks como base para a construção de aplicativos tem sido adotada pelos desenvolvedores com três objetivos básicos. Primeiramente para adotar um padrão de projeto que

Leia mais

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados

ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados Artigo apresentado ao UNIS, como parte dos requisitos para obtenção do título de tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas 1 ShoeSystem 1.0 Sistema para loja de calçados André Luis dos Reis Revair,

Leia mais

Documentação de um Produto de Software

Documentação de um Produto de Software Documentação de um Produto de Software Versão 3.0 Autora: Profª Ana Paula Gonçalves Serra Revisor: Prof. Fernando Giorno 2005 ÍNDICE DETALHADO PREFÁCIO... 4 1. INTRODUÇÃO AO DOCUMENTO... 6 1.1. TEMA...

Leia mais

Criando Frameworks Inteligentes com PHP. Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos.

Criando Frameworks Inteligentes com PHP. Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos. Criando Frameworks Inteligentes com PHP Uma abordagem prática: vantagens, aplicações e procedimentos. Apresentação Equipes ao redor do mundo utilizam diferentes padrões de projeto, de acordo com suas necessidades

Leia mais

Unified Modeling Language UML - Notações

Unified Modeling Language UML - Notações Unified Modeling Language UML - Notações Prof. Ms. Elvio Gilberto da Silva elvio@fmr.edu.br UML Ponto de Vista É gerada com propósito geral de uma linguagem de modelagem visual usada para especificar,

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID

DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID DESENVOLVIMENTO DE UM APLICATIVO DO TIPO SECRETÁRIO VIRTUAL PARA A PLATAFORMA ANDROID Maik Olher CHAVES 1 ; Daniela Costa Terra 2. 1 Graduado no curso de Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas

Leia mais

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES

PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES UNIVERSIDADE REGIONAL DE BLUMENAU CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO PROTÓTIPO DE UM SISTEMA DE RASTREAMENTO PARA COMPUTADORES Bárbara Dias Pereira Prof. Miguel Alexandre Wisintainer, Orientador ROTEIRO DA

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global

Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul Faculdade de Informática / Campus Global Sistema de Aproveitamento de Disciplinas da Faculdade de Informática da PUCRS: uma sistemática de gerência

Leia mais

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI?

EXECUTIVE. A Web 2.0. pode salvar o BI? EXECUTIVE briefing guia executivo para decisões estratégicas A Web 2.0 pode salvar o BI? A usabilidade e a intuitividade das tecnologias Web 2.0 revolucionam o complexo mercado de Business Intelligence.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Guia de Início Rápido

Guia de Início Rápido Guia de Início Rápido O Microsoft Visio 2013 parece diferente das versões anteriores, por isso criamos este guia para ajudar você a minimizar a curva de aprendizado. Modelos atualizados Os modelos ajudam

Leia mais

Engenharia de Software I

Engenharia de Software I Engenharia de Software I Rogério Eduardo Garcia (rogerio@fct.unesp.br) Bacharelado em Ciência da Computação Aula 05 Material preparado por Fernanda Madeiral Delfim Tópicos Aula 5 Contextualização UML Astah

Leia mais

AUTOMATIZAÇÃO DA CRIAÇÃO DE MAPAS COM O GOOGLE MAPS 1 A METHOD FOR AUTOMATIC CREATION OF MAPS WITH GOOGLE MAPS

AUTOMATIZAÇÃO DA CRIAÇÃO DE MAPAS COM O GOOGLE MAPS 1 A METHOD FOR AUTOMATIC CREATION OF MAPS WITH GOOGLE MAPS Disc. Scientia. Série: Ciências Naturais e Tecnológicas, S. Maria, v. 7, n. 1, p. 127-134, 2006. 129 ISSN 1981-2841 AUTOMATIZAÇÃO DA CRIAÇÃO DE MAPAS COM O GOOGLE MAPS 1 A METHOD FOR AUTOMATIC CREATION

Leia mais

Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes

Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes Avaliação dos aspectos de usabilidade do Sistema Financeiro Web: usuários novatos versus usuários experientes Alan Braga, alansbraga@gmail.com Danillo da Silva Rocha, danrocha@ifsp.edu.br Evandro Fioravante

Leia mais