UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE"

Transcrição

1 UM ESTUDO DE CASO PARA AVALIAÇÃO DE COMUNICABILIDADE EM FÓRUNS ONLINE Juliano Ratusznei (BIC/UNICENTRO), Rodrigo Mattos Mengue (ICV/UNICENTRO), Lucélia de Souza (Orientadora Dep. de Ciência da Computação/UNICENTRO), Palavras-chave: Interação Humano-Computador, Engenharia Semiótica, Avaliação de interfaces. Resumo: Este trabalho apresenta um estudo de caso referente à aplicação da avaliação de comunicabilidade em interfaces web de fóruns de discussão online. Os testes foram aplicados em três ambientes que têm como foco a programação de computadores, por diferentes perfis de usuários. Baseado no resultado dos testes, foi modelado um ambiente no contexto da Engenharia Semiótica e implementado em PHP/PostgreSQL produzindo um ambiente facilitador para a aprendizagem. Introdução Um dos métodos de avaliação que têm se destacado é a avaliação de comunicabilidade, a qual é uma propriedade (ou habilidade) relacionada à teoria da Engenharia Semiótica (ES) da área de Interação Humano-Computador (IHC). A ES visa verificar o quão-comunicável está sendo a interface para os usuários, ou seja, não basta o sistema ser funcional senão apresentar de forma comunicável suas habilidades ao usuário [SERG, 2007]. Trata-se de um método empírico, que envolve a presença de usuários para sua aplicação, apresentando resultados qualitativos e interpretativos sobre a interação [JAI, 2007]. Afim de se identificar como a mensagem designer-usuário está sendo recebida e entendida pelo usuário, (sendo esta a forma como a ES visualiza as interfaces: um ato de comunicação), o desenvolvimento da avaliação de comunicabilidade consiste de três etapas: etiquetagem, interpretação e geração do perfil semiótico, as quais serão descritas na próxima seção tendo como foco a aplicação do método em três fóruns online. Materiais e Métodos Atualmente é inviável disponibilizar um software ou produto para uso sem que o mesmo antes tenha passado por um processo de avaliação de interfaces, pois com os resultados dos testes é possível prevenir muitos problemas que poderiam aparecer posteriormente com seu uso, diminuindo inclusive o número de versões a serem lançadas. Os testes foram aplicados em um cenário construído em um laboratório de pesquisa para que não houvesse interferências externas. Os autores desse artigo atuaram como observadores diretos, a interação foi gravada e todas as ações do usuário registradas fazendo uso do software HyperCam (que é shareware, sendo usado em uma versão de testes), que gera um filme da interação. Foram selecionadas pessoas de diferentes perfis (com conhecimento ou não em Informática e no uso de fóruns), as quais receberam instruções de como o teste seria aplicado, bem como foi lhes passado informações referentes às questões éticas, tais como sobre o fato de que quem estava sendo avaliado era o sistema e não elas, que elas poderiam desistir do teste a qualquer momento e que seus dados

2 jamais serão revelados, apenas os resultados dos testes, afim de confirmação dos mesmos. A etapa de etiquetagem consistiu em os autores assistirem o filme de interação de cada usuário, identificando possíveis rupturas na comunicação, as quais foram associadas à expressões comunicativas (tags), tais como Cadê?, E agora?, O que é isto?, Êpa!, entre outras. Conforme a Figura 1, um usuário tenta várias vezes digitar o código de verificação, causando erros de interação devido à imagem distorcida e/ou ausência do uso de caixa alta, informação esta não evidente na tela, rotulado pela tag Por que não funciona?. A interpretação é a caracterização das expressões quanto ao tipo de falha que representam e com que freqüência e contexto ocorrem. Por exemplo, a tag associada à Figura 1 constitui-se na falha temporária onde um usuário tenta esclarecer o ato comunicativo feito pelo sistema através de repetidos testes de hipóteses sobre o significado da comunicação, justificado pelas tentativas do usuário de não entender por que o código de verificação está incorreto, conforme a mensagem de erro apresentada. Quanto ao mapeamento das tags em relação às rupturas na comunicação, a expressão Por que não funciona? caracteriza-se como um problema de atribuição de significado. Figura 1. Mensagem de erro para a entrada de caráter alfanumérico em um fórum

3 Por que não funciona?

4 A terceira etapa da avaliação de comunicabilidade consiste na geração do perfil semiótico que é a reconstrução da meta-comunicação transmitida pelo designer tal como será percebida pelo usuário. Na ruptura relacionada à expressão Por que não funciona?, o template endereça o problema relacionado a reformulação da mensagem de erro que deve esclarecer o que pode estar ocorrendo, ou seja, a descrição de que o usuário pode refazer outra imagem por clicar no link correspondente e que maiúsculas/minúsculas interferem na digitação, bem como a imagem poderia estar mais próxima da ação a ser entrada pelo usuário para melhor visualização da mesma. Conclusões Os resultados dos testes de comunicabilidade foram levados em consideração no design de um fórum denominado Fórum Pascal, especificado por meio da linguagem Molic (Modeling Language for Interaction as Conversation), [Barbosa; Paula, 2003] e implementado em PHP usando sistema de banco PostgreSQL/SQL. A Tabela 1 apresenta os fóruns analisados, e a ocorrência das expressões que identificam as principais rupturas na comunicação, sendo as que acontecem com maior freqüência são as tags Cadê? e Ué, o que houve?, caracterizando-se como falhas de comunicabilidade relacionadas ao problema de navegação e de atribuição de significado, respectivamente. Tais expressões caracterizam-se como falhas temporárias, onde, no caso da expressão "Cadê?", a semiose do usuário é temporariamente interrompida porque o usuário não encontra a expressão apropriada para sua ilocução e a expressão Ué, o que houve? Indica que o usuário não entende a ilocução do designer ou seu representante na interface. Tabela 1. Comparativo entre as expressões comunicativas identificadas nos fóruns online baseado em [de Souza; Prates; Barbosa, 1999]. Interação versus Comunicabilidade Ocorrência das interjeições Interjeição Problema Fórum 1 Fórum 2 Fórum 3 Cadê? Durante a navegação E agora? 6-3 Epa! Na atribuição de significado e/ou de Onde estou? navegação Que é isso? Por que não funciona? Na atribuição de significado Ué, o que houve? 10-5 Vai de outro jeito Affordance baixa / inexistente / recusada Não, obrigado. 1-3 Desisto! FRACASSO NA TAREFA Os problemas identificados foram tratados no design do ambiente, e a especificação com a linguagem Molic permitiu aos designers refletirem sobre sua visão de design, especificando os diagramas hierárquicos de metas e de tarefas e o modelo de interação que contêm as cenas com os diálogos dos usuários. Espera-se com o Fórum Pascal, contribuir para facilitar a interação onde usuários de áreas distintas possam solucionar suas dúvidas quanto ao aprendizado

5 da programação, fazendo uso de um ambiente que apresente interfaces bemcomunicáveis. Referências [Barbosa; Paula, 2003] Barbosa, S.D.J.; Paula, M.G. Interaction Modelling as a Binding Thread in the Software Development Process. Workshop Bridging the Gaps Between Software Engineering and HCI (ICSE). Oregon, USA. May [SERG, 2007] Semiotic Engineering Research Group. Em Acesso ago/2007. [JAI, 2007] Prates, R.O.; Barbosa, S.D.J. Introdução à Teoria e Prática da Interação Humano Computador fundamentada na Engenharia Semiótica. In Tomasz Kowaltowski & Karin Breitman (org.) Atualizações em Informática XXVII Congresso da Sociedade Brasileira de Computação. Jornadas de Atualização em Informática (JAI), JAI/SBC Julho de [de Souza; Prates; Barbosa, 1999] de Souza, C.S.; Prates, R.O.; Barbosa, S.D.J. A Method for Evaluating Software Communicability In C.J.P. de Lucena (ed.) Monografias em Ciência da Computação. PUC-Rio Inf MCC11/99. Computer Science Department, PUC-Rio, Brazil.

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA

USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Discutindo a visibilidade da EaD Pública no Brasil USO DOS CONCEITOS DE INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NO DESENVOLVIMENTO WEB PARA EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA Priscilla Márcia Scarpelli Bastos 1, Diogo Marcos de

Leia mais

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário

Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Avaliação de Usabilidade e Comunicabilidade Avaliação de interfaces de usuário Objetivos - por que avaliar? Critérios - o que avaliar? Métodos e técnicas - como avaliar? Forma - quando e onde avaliar?

Leia mais

INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB

INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo (abraposo@inf.puc-rio.br Sala 417 RDC) Aula Inaugural 29/Fev/2012 INF 1403 Site da disciplina SERG,

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente

Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente 1 Mediadores de Interação na Web: Acessibilidade Baseada em Gente Clarisse Sieckenius de Souza SERG - Semiotic Engineering Research Group Departamento de Informática, PUC-Rio clarisse@inf.puc-rio.br http://www.serg.inf.puc-rio.br

Leia mais

CommEST Uma ferramenta de apoio ao método de Avaliação de Comunicabilidade

CommEST Uma ferramenta de apoio ao método de Avaliação de Comunicabilidade CommEST Uma ferramenta de apoio ao método de Avaliação de Comunicabilidade Luciana Cardoso de Castro Salgado, Clarisse Sieckenius de Souza Departamento de Informática / PUC-Rio SERG Semiotic Engineering

Leia mais

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica Universidade Federal de Ouro Preto - UFOP Instituto de Ciências Exatas e Biológicas - ICEB Departamento de Computação - DECOM Mistool, uma Ferramenta para Aplicação Colaborativa do Método de Inspeção Semiótica

Leia mais

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP

SERG 2014 SEMIOTIC ENGINEERING RESEARCH GROUP Interação Humano-Computador Avaliação em IHC: Percurso Cognitivo www.inf.puc-rio.br/~inf1403 4 paradigmas para a avaliação de IHC 1. O rápido e rasteiro (que prima pela informalidade) 2. Os testes de usabilidade

Leia mais

Interação Humano-Computador: Conceitos Básicos INF 1403 Introdução a IHC Aula 03 19/02/2014 Conteúdo da Aula Interação, Interface e Affordance Critérios de qualidade de uso Usabilidade Experiência do Usuário

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza O Método M de Inspeção Semiótica (MIS) 2/2 26/04/2010 2 O MIS vai EXPLICITAR a mensagem DO DESIGNER

Leia mais

Avaliação da proposta de um modelo de sistema de ajuda online para a UFMG Virtual

Avaliação da proposta de um modelo de sistema de ajuda online para a UFMG Virtual Avaliação da proposta de um modelo de sistema de ajuda online para a UFMG Virtual Letícia Capelão 1, Raquel Prates 2, Leonardo Freitas 3, Heider Maciel 3 Faculdade de Letras 1, Laboratório de Ciência da

Leia mais

Interface Homem- Computador

Interface Homem- Computador Interface Homem- Computador (IHC) Profª. Leticia Lopes Leite Software Educacional I Interface Deve ser entendida como sendo a parte de um sistema computacional com a qual uma pessoa entra em contato física,

Leia mais

Modelagem de Interação

Modelagem de Interação 1 Modelagem de Interação Turma 3WA: Profa Clarisse de Souza Aula 16: 23/05/2012 Um cenário simples para pensar Aplicação: MS Word Função: Gravação e Uso de Macros Cenário em questão: Um usuário avançado

Leia mais

Avaliação da comunicabilidade de sistema odontológico de município de Quizada-Cé

Avaliação da comunicabilidade de sistema odontológico de município de Quizada-Cé Avaliação da comunicabilidade de sistema odontológico de município de Quizada-Cé Andréia Libório Sampaio Universidade Federal do Ceará Campus Quixadá andreia.ufc@gmail.com Resumo Communicability is a characteristic

Leia mais

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC)

INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) INF1403 - Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WB Professor: Alberto Barbosa Raposo 09/04/2012 Departamento de Informática, PUC-Rio Testes com usuários Como avaliar? inspeção (por especialistas)

Leia mais

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final

Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Simone Diniz Junqueira Barbosa Versão: 1.0.4 Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final Sumário 1 Introdução... 3 2 Projeto

Leia mais

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP

Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Instituto de Ciências Matemáticas e de Computação Departamento de Ciências da Computação e Estatística Documentação do Sistema de Reserva de Salas da Intranet do ICMC-USP André

Leia mais

Avaliação de IHC: objetivos

Avaliação de IHC: objetivos Avaliação de IHC: objetivos Decisões de design afetam usabilidade Conhecimento dos usuários e de suas necessidade Design: Design: diferentes diferentes soluções soluções possíveis possíveis Interação:

Leia mais

Estudos Preliminares para Composição de Conteúdo de Help através de Interjeições de Comunicabilidade

Estudos Preliminares para Composição de Conteúdo de Help através de Interjeições de Comunicabilidade Estudos Preliminares para Composição de Conteúdo de Help através de Interjeições de Comunicabilidade Milene Selbach Silveira 1,2 Maria Carmelita Dias 3 Violeta Quental 3 1 Departamento de Informática /

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

Prova 2. Olá! Meu nome é João. Sou professor da Universidade X. Eu queria de te dar os parabéns pelo seu trabalho. Gostei muito dele.

Prova 2. Olá! Meu nome é João. Sou professor da Universidade X. Eu queria de te dar os parabéns pelo seu trabalho. Gostei muito dele. INF1303 Introdução a Interação Humano-Computador Turma: 3VB, das 19 até 21 horas Professor: Bruno Santana da Silva Data: 09/05/2006 Aluno: Matrícula: Prova 2 Cenário da Prova: Site da SBC Suponha que você

Leia mais

Customização de Aplicações: Um estudo de caso sobre o MS Word

Customização de Aplicações: Um estudo de caso sobre o MS Word Customização de Aplicações: Um estudo de caso sobre o MS Word Juliana Soares Jansen Ferreira e Clarisse Sieckenius de Souza Departamento de Informática, PUC-Rio R. Marquês de São Vicente, 225 Rio de Janeiro,

Leia mais

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação

Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação 1 Design de IHC Design da Comunicação Modelos de Interação INF1403 Introdução a IHC Luciana Salgado Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações e Aspectos de IHC Representações

Leia mais

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93

Uma Proposta de Tecnologia Embarcada na Internação Domiciliar Capítulo 3 Implementação do SMD 93 Capítulo 3 Implementação do SMD 93 CAPÍTULO 3 IMPLEMENTAÇÃO DO SMD Este capítulo reserva-se à apresentação da implementação do SMD tomando como partida o desenvolvimento do Projeto Preliminar que consta

Leia mais

Manual de Utilização. Obter Acesso aos Sistemas Educação. Projeto: Obter Acesso Versão Doc.: <1.0> Data de criação: 15/10/2010

Manual de Utilização. Obter Acesso aos Sistemas Educação. <Versão: 1.0> Projeto: Obter Acesso Versão Doc.: <1.0> Data de criação: 15/10/2010 Obter Acesso aos Sistemas Educação Manual de Utilização Página 1/9 Conteúdo 1. Introdução... 3 1.1 Objetivo... 3 1.2 Escopo... 3 1.3 Acesso... 3 1.4 Requisitos básicos... 3 2. Interface de

Leia mais

Teoria para IHC: Engenharia Semiótica

Teoria para IHC: Engenharia Semiótica Teoria para IHC: Engenharia Semiótica ERBASE EPOCA 2009 2010 Engenharia Semiótica: uma nova perspectiva A Engenharia Semiótica é uma abordagem para IHC na qual o design e a interação fazem parte de um

Leia mais

Avaliação de comunicabilidade do Moodle para usuários surdos e ouvintes

Avaliação de comunicabilidade do Moodle para usuários surdos e ouvintes Avaliação de comunicabilidade do Moodle para usuários surdos e ouvintes Letícia Capelão 1 Flávio Coutinho 2 Koji Pereira 3 Raquel Prates 2 leticiacapelao@gmail.com flavioro@dcc.ufmg.br kojieumesmo@gmail.com

Leia mais

Utilização do sistema de transcrição de notas fiscais de serviços

Utilização do sistema de transcrição de notas fiscais de serviços Utilização do sistema de transcrição de notas fiscais de serviços Departamento de Logística Integrada Versão 1.0 novembro/2008 Utilização do sistema de transcrição de notas fiscais de serviços. Preferencialmente

Leia mais

Professora: Clarisse Sieckenius de Souza

Professora: Clarisse Sieckenius de Souza 1 INF1403 O Método M de Inspeção Semiótica (MIS) Professora: Clarisse Sieckenius de Souza 2 Caracterização de IHC A visão centrada na comunicação A idéia ia central de Engenharia Semiótica Os designers

Leia mais

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software

A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software A importância dos protótipos para o desenvolvimento do site do Grupo de Pesquisa em Engenharia de Software Daniela Gibertoni¹, Mariana Trevisoli Gervino¹, Júlio C. C. Colombo¹, Fabian Venturini Cabau¹,

Leia mais

Interface Homem-Computador

Interface Homem-Computador Faculdade de Ciências e Tecnologia do Maranhão Interface Homem-Computador Aula: Engenharia Cognitiva e Semiótica Professor: M.Sc. Flávio Barros flathbarros@gmail.com Conteúdo Engenharia Cognitiva Fundamentos

Leia mais

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br

MANUAL DO ALUNO. Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA. http://www.fgf.edu.br MANUAL DO ALUNO Ambiente Virtual TelEduc FACULDADE INTEGRADA DA GRANDE FORTALEZA http://www.fgf.edu.br Sala Virtual TelEduc O TelEduc é um ambiente virtual desenvolvido Unicamp para apoiar professores

Leia mais

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário

SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário SISTEMA PARA ABERTURA DE CHAMADOS TÉCNICOS GLPI ( GESTÃO LIVRE DE PARQUE DE INFORMÁTICA ) Manual do Usuário 1 Apresentação... 3 1- Introdução... 4 2- Acessando GLPI:... 5 3- Abrindo chamado:... 6 3.1-

Leia mais

Manual do Sistema de RMO P á g i n a 2. Manual do Sistema de RMO. Registro Mensal de Ocorrências (GRH) Núcleo de Informática

Manual do Sistema de RMO P á g i n a 2. Manual do Sistema de RMO. Registro Mensal de Ocorrências (GRH) Núcleo de Informática Gerência de Recursos Humanos GRH/PRAD/UFMS Manual do Sistema de RMO Versão On-Line Núcleo de Informática Universidade Federal de Mato Grosso do Sul P á g i n a 2 Manual do Sistema de RMO Registro Mensal

Leia mais

Interação Humano-Computador

Interação Humano-Computador Interação Humano-Computador IHC_Cap_00.indd i 15/7/2010 16:32:00 Preencha a ficha de cadastro no final deste livro e receba gratuitamente informações sobre os lançamentos e as promoções da Elsevier Editora.

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva

Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR. Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva Ambiente Virtual de Aprendizagem TelEduc GUIA DO FORMADOR Curso de Especialização em Educação Profissional e Tecnológica Inclusiva http://teleduc.cefetmt.br Edição 2006/2 Curso de Especialização em Educação

Leia mais

mbiente Virtua de Aprendizagem

mbiente Virtua de Aprendizagem mbiente Virtua de Aprendizagem Apresentação Este é o Ambiente Virtual de Aprendizagem - o AVA da Unisuam Online. É nosso desejo que a UNISUAM lhe proporcione uma qualificação acadêmica condizente com suas

Leia mais

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno

Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Guia de Acesso Rápido AVA Ambiente Virtual de Aprendizagem Aluno Introdução O Ambiente de Aprendizagem, ou AVA, é um aplicativo web onde os educadores e alunos podem disponibilizar materiais didáticos,

Leia mais

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013

Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Guia do Laboratório de Teste: Rec ursos Sociais de Demonstração do SharePoint Server 2013 Hal Zucati Microsoft Corporation Publicado em: Setembro de 2012 Atualizado em: Novembro de 2012 Aplica-se a: SharePoint

Leia mais

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3

CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 CONHECENDO O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM Moodle - Learning Management System Versão 1.3 Este tutorial não tem como finalidade esgotar todas as funcionalidades do Ambiente, ele aborda de forma prática

Leia mais

3 Sistemas de Monitoração

3 Sistemas de Monitoração 3 Sistemas de Monitoração Este capítulo apresenta o que são sistemas de monitoração, para que servem e quais são suas principais características. Na sequência, são apresentados, de forma geral, três sistemas

Leia mais

Notas de versão do cliente

Notas de versão do cliente Notas de versão do cliente Fiery Color Profiler Suite, v4.7.2 Este documento contém informações importantes sobre esta versão. Não se esqueça de fornecer essas informações a todos os usuários antes de

Leia mais

UMA EXPERIENCIA NO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CURSOS DE ENGENHARIA

UMA EXPERIENCIA NO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CURSOS DE ENGENHARIA UMA EXPERIENCIA NO ENSINO DE PROGRAMAÇÃO PARA CURSOS DE ENGENHARIA Sahudy Montenegro González (UENF) sahudy@uenf.br Annabell del Real Tamariz (UENF) annabell@uenf.br O ensino de programação está regularmente

Leia mais

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial

Histórico da Revisão. Versão Descrição Autor. 1.0 Versão Inicial 1 of 14 27/01/2014 17:33 Sistema de Paginação de Esportes Universitários Documento de Arquitetura de Software Versão 1.0 Histórico da Revisão Data 30 de novembro de 1999 Versão Descrição Autor 1.0 Versão

Leia mais

Avaliação de Interfaces: Aplicação de método de comunicabilidade no ambiente amadeus

Avaliação de Interfaces: Aplicação de método de comunicabilidade no ambiente amadeus Avaliação de Interfaces: Aplicação de método de comunicabilidade no ambiente amadeus Jakeline Soares de Lima Josefa Marciele Ferreira do Ariane Nunes Rodrigues Victor Afonso dos Santos jakelline29@gmail.com

Leia mais

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa

GEADA. Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos. para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa GEADA Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos para versão 1.0, de agosto/2008. Autor: Márcio Katsumi Oikawa 1 1 Introdução O GEADA (Gerador de Expressões Algébricas em Digrafos Acíclicos)

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL AMBIENTE VIRTUAL INSTITUCIONAL MOODLE/UFFS Guia Inicial de Acesso e Utilização Para Docentes Versão 1.0b Outubro/2010 Acesso e utilização do Ambiente Virtual de Ensino

Leia mais

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização

TRANSMISSOR ECF. Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista. Manual de Utilização TRANSMISSOR ECF Sistema de transmissão de arquivos Nota Fiscal Paulista Manual de Utilização 1. Histórico de alterações Data Versão Alteração 04/12/2012 1 Criação do documento 28/02/2013 2 Revisão 2. Proposta

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL. url_response série 4.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se

Leia mais

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5

Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 2º Congresso de Pesquisa Científica : Inovação, Ética e Sustentabilidade Interpretador AIML alimentado com tags HTML5 Rafael Luiz de Macedo (Ciência da Computação - UNIVEM - Marília/SP) Email: rafaelldemacedo@gmail.com

Leia mais

Construção de um sistema de ajuda online para a UFMG Virtual sob a ótica da Engenharia Semiótica

Construção de um sistema de ajuda online para a UFMG Virtual sob a ótica da Engenharia Semiótica Construção de um sistema de ajuda online para a UFMG Virtual sob a ótica da Engenharia Semiótica Letícia Capelão (Faculdade de Letras, UFMG) 1 Raquel Oliveira Prates (Depto. de Ciência da Computação/UFMG)

Leia mais

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa

GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa GENS S.A. Metodologia de Desenvolvimento Padrões de uso para o Sistema Gemini Versão Reduzida Relatório Análise de Causa 1. Relatório de Análise de Causa Quando utilizar? O template deve ser utilizado

Leia mais

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL

FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL FACULDADES INTEGRADAS DO BRASIL Sumário efac Brasil... 3 Como acessar o AVA... 4 Acessando a Disciplina... 4 Recursos e Atividades... 5 Apresentação de Slides... 5 Chat... 6 Documento de Texto... 6 Documento

Leia mais

EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: O DESAFIO DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES

EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: O DESAFIO DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES 1 EDUCAÇÃO SUPERIOR A DISTÂNCIA: O DESAFIO DA INTERAÇÃO HUMANO-COMPUTADOR NA FORMAÇÃO DE EDUCADORES Ecivaldo de Souza Matos UERJ - Universidade do Estado do Rio de Janeiro ecivaldo@gmail.com RESUMO Este

Leia mais

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI

UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI UTILIZANDO ICONIX NO DESENVOLVIMENTO DE APLICAÇÕES DELPHI Dr. George SILVA; Dr. Gilbert SILVA; Gabriel GUIMARÃES; Rodrigo MEDEIROS; Tiago ROSSINI; Centro Federal de Educação Tecnológica do Rio Grande do

Leia mais

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA

FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA FERRAMENTAS DE COLABORAÇÃO CORPORATIVA Manual de Utilização Google Grupos Sumário (Clique sobre a opção desejada para ir direto à página correspondente) Utilização do Google Grupos Introdução... 3 Página

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede. net_connect série 3.0 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Monitoramento de conectividade de rede net_connect série 3.0 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para

Leia mais

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL

GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL Ambiente Virtual de Aprendizagem - MOODLE GUIA BÁSICO DA SALA VIRTUAL http://salavirtual.faculdadesaoluiz.edu.br SUMÁRIO 1. Acessando Turmas 4 2. Inserindo Material 4 3. Enviando Mensagem aos Alunos 6

Leia mais

Aplicação do Método M Exemplo: Bloco de Notas [Bim, 2009]

Aplicação do Método M Exemplo: Bloco de Notas [Bim, 2009] 1 Aplicação do Método M de Inspeção Semiótica (MIS) Exemplo: Bloco de Notas [Bim, 2009] Introdução a IHC 09/05/2013 2 MIS do Bloco de Notas - Etapa de Preparação (1/2) Porção do artefato inspecionada:

Leia mais

CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS

CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS CADASTRAMENTO ÚNICO VERSÃO 7.3 INCLUSÃO E MANUTENÇÃO DE USUÁRIOS Para a prefeitura foi definido dois tipos de usuários: Usuário máster e Usuário Final. O cadastramento para acesso ao CadÚnico V7 é feita

Leia mais

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido

INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA. Guia rápido INTRODUÇÃO AO AMBIENTE MOODLE DA UFPA Guia rápido A PLATAFORMA MOODLE Moodle (Modular Object Oriented Distance LEarning) é um Sistema para Gerenciamento de Cursos (SGC). Trata-se de um programa para computador

Leia mais

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como:

Manual do Aluno. O Moodle é um sistema que gerencia ambientes educacionais de aprendizagem que podem ser denominados como: Manual do Aluno É com muita satisfação que apresentamos o Reunir Unopar. Ambiente Virtual de Aprendizagem Colaborativa que tem por objetivo principal ser um espaço colaborativo de construção do conhecimento

Leia mais

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência

Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Diagrama de Caso de Uso e Diagrama de Sequência Milena Alexandre dos Santos Baesso (Mestranda em Engenharia Elétrica) Agenda Ciclo de Vida de um Sistema A Fase de Análise Análise Orientada à Objetos Diagramas

Leia mais

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente

Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Uma Ontologia Genérica para a Análise de Domínio e Usuário na Engenharia de Domínio Multiagente Carla Gomes de Faria1, Ismênia Ribeiro de Oliveira1, Rosario Girardi1 1Universidade Federal do Maranhão (UFMA)

Leia mais

Projeto Final de Engenharia de Computação

Projeto Final de Engenharia de Computação Orientações para Desenvolvimento do Projeto Final de Engenharia de Computação compilado por: Noemi Rodriguez texto baseado em: Orientações para o Planejamento e Realização do Projeto Final, de Simone Barbosa

Leia mais

SIGA Guia de Procedimentos

SIGA Guia de Procedimentos SIGA Guia de Procedimentos Desenvolvimento de Aeroportos Fev13 1. Apresentação Menu 2. Problemas de Conectividade Remoção/Reisntalação Aplicativo SIGA Configuração Pcte Dados VIVO 3. Problemas com o Aparelho

Leia mais

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000

A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 A aplicação da Engenharia Semiótica no design da interface de usuário do software ASK2000 Jair Cavalcanti Leite Universidade Federal do Rio Grande do Norte Campus Universitário, Lagoa Nova 59072-970 Natal,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES

AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES AVALIAÇÃO DE INTERFACES UTILIZANDO O MÉTODO DE AVALIAÇÃO HEURÍSTICA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AUDITORIA DE SISTEMAS DE INFORMAÇÕES Rafael Milani do Nascimento, Claudete Werner Universidade Paranaense (Unipar)

Leia mais

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário...

Indicie. 1.Introdução...1. 2.Como Surgiu...2. 3.Para que serve...3. 4.Instalação...3. 5. Oque ele permite fazer...5. 6. Primeiro Cenário... Artigo sobre Indicie 1.Introdução....1 2.Como Surgiu....2 3.Para que serve....3 4.Instalação....3 5. Oque ele permite fazer....5 6. Primeiro Cenário....6 7. Segundo Cenário....7 8. Conclusão....8 5. Referencias....9

Leia mais

GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO IAU GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU)

GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO IAU GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU) GUIA DE AUXÍLIO PARA UTILIZAÇÃO DA REDE DE DADOS DO INSTITUTO DE ARQUITETURA E URBANISMO (IAU) O presente guia tem como objetivo auxiliar os usuários da rede de dados do Instituto de Arquitetura e Urbanismo

Leia mais

CA Nimsoft Monitor Snap

CA Nimsoft Monitor Snap CA Nimsoft Monitor Snap Guia de Configuração do Monitoramento de resposta do ponto de extremidade do URL url_response série 4.1 Avisos legais Copyright 2013, CA. Todos os direitos reservados. Garantia

Leia mais

Manual do Ambiente Virtual Moodle

Manual do Ambiente Virtual Moodle Manual do Ambiente Virtual Moodle versão 0.3 Prof. Cristiano Costa Argemon Vieira Prof. Hercules da Costa Sandim Outubro de 2010 Capítulo 1 Primeiros Passos 1.1 Acessando o Ambiente Acesse o Ambiente Virtual

Leia mais

Moodle - CEAD Manual do Estudante

Moodle - CEAD Manual do Estudante Moodle - CEAD Manual do Estudante Índice Introdução 3 Acessando o Ambiente 4 Acessando o Curso 5 Navegando no Ambiente do Curso 5 Box Participantes 5 Box Atividades 5 Box Buscar nos Fóruns 5 Box Administração

Leia mais

LILDBI-WEB 1.6. Administração e produção de fontes de informação. Sueli Mitiko Yano Suga sugasuel@bireme.ops-oms.org

LILDBI-WEB 1.6. Administração e produção de fontes de informação. Sueli Mitiko Yano Suga sugasuel@bireme.ops-oms.org Administração e produção de fontes de informação LILDBI-WEB 1.6 Sueli Mitiko Yano Suga sugasuel@bireme.ops-oms.org Maria Anália Conceição conceima@bireme.ops-oms.org Bibliotecária/Unidade LILACS BIREME/OPS/OMS

Leia mais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais

ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais ADOBE FLASH PLAYER 10.3 Gerenciador de configurações locais PRERELEASE 03/07/2011 Avisos legais Avisos legais Para consultar avisos legais, acesse o site http://help.adobe.com/pt_br/legalnotices/index.html.

Leia mais

serg semiotic engineering research group Informática PUC-Rio Personas e Cenários

serg semiotic engineering research group Informática PUC-Rio Personas e Cenários serg semiotic engineering research group Informática PUC-Rio Personas e Cenários Relembrando Interação Humano-Computador Processo de comunicação que envolve um ciclo contínuo de interpretação e ação entre

Leia mais

ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO E ENGENHARIA SEMIÓTICA: UM ESTUDO DE CASO DA INTRANET DA UNIMED JOÃO PESSOA

ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO E ENGENHARIA SEMIÓTICA: UM ESTUDO DE CASO DA INTRANET DA UNIMED JOÃO PESSOA COMUNICAÇÃO ORAL ARQUITETURA DA INFORMAÇÃO E ENGENHARIA SEMIÓTICA: UM ESTUDO DE CASO DA INTRANET DA UNIMED JOÃO PESSOA Lílian Viana Teixeira Cananéa, Guilherme Ataíde Dias,Marckson Roberto Ferreira de

Leia mais

EaD (Educação a Distância)

EaD (Educação a Distância) FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESPÍRITO SANTO DIVISÃO DE EDUCAÇÃO CONTINUADA EaD (Educação a Distância) TUTORIAL DE CADASTRO E INSCRIÇÕES NOS CURSOS SESI E SENAI Guedes, Paula; Ermelina, Tatiana. Tutorial

Leia mais

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte.

MANUAL DE SUPORTE. Controle de Suporte. Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. MANUAL DE SUPORTE Controle de Suporte Este manual descreve as funcionalidades do controle de suporte. SUMÁRIO Considerações Iniciais... 3 Acesso... 4 Controle de Suporte... 5 1. Solicitação de Atendimento...

Leia mais

Humano-Computador (IHC)

Humano-Computador (IHC) 1 INF1403 Introdução a Interação Humano-Computador (IHC) Turma 3WA Professora: Clarisse Sieckenius de Souza Revisão para a P2 23/06/2010 Matéria da Prova Tudo o que não caiu na P1 1. Da aula do dia 05/05

Leia mais

Escrituração de CF-e-SAT

Escrituração de CF-e-SAT P á g i n a 1 Bem vindo ao Passo a Passo do Sistema de Gestão e Retaguarda do SAT-CF-e de SP para Escrituração de CF-e-SAT Atualizado em: 25/11/2014 Sistema Autenticador e Transmissor de Cupons Fiscais

Leia mais

Sistema de chamados técnicos GUIA DO USUÁRIO. Gestão de Atendimento de Chamados Técnicos. SoftSol Sistemas & Informática

Sistema de chamados técnicos GUIA DO USUÁRIO. Gestão de Atendimento de Chamados Técnicos. SoftSol Sistemas & Informática Sistema de chamados técnicos GUIA DO USUÁRIO Gestão de Atendimento de Chamados Técnicos SoftSol Sistemas & Informática Agenda Importância do sistema Catálogo de serviços Entender o processo Acessar o sistema

Leia mais

Um Método da Engenharia Semiótica para a Construção de Sistemas de Ajuda Online

Um Método da Engenharia Semiótica para a Construção de Sistemas de Ajuda Online Um Método da Engenharia Semiótica para a Construção de Sistemas de Ajuda Online Milene Selbach Silveira 1,2 Milene@inf.pucrs.br Clarisse Sieckenius de Souza 2 clarisse@inf.puc-rio.br FACIN PUCRS 1 Av.Ipiranga,

Leia mais

Manual de usuário - GLPI Página 1

Manual de usuário - GLPI Página 1 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIENCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS DIRETORIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO Versão: 1.1 - DTI Manual de usuário

Leia mais

Produto: Webscan Relatório III Manual de instruções. Documentos de ajuda sensitiva ao contexto integrado às várias telas do sistema

Produto: Webscan Relatório III Manual de instruções. Documentos de ajuda sensitiva ao contexto integrado às várias telas do sistema Produto: Webscan Relatório III Manual de instruções. Documentos de ajuda sensitiva ao contexto integrado às várias telas do sistema Sérgio Oliveira Campos Contrato N : 2008/000514 Sumário 1 Introdução

Leia mais

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012

Guia de Instalação e Inicialização. Para WebReporter 2012 Para WebReporter 2012 Última revisão: 09/13/2012 Índice Instalando componentes de pré-requisito... 1 Visão geral... 1 Etapa 1: Ative os Serviços de Informações da Internet... 1 Etapa 2: Execute o Setup.exe

Leia mais

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO

AUTOR(ES): VINICIUS RUIZ PONTES SILVA, JAQUELINE CRISTINA DA SILVA, JOÃO PAULO DE OLIVEIRA HONESTO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: IMPLEMENTAÇÃO DE UM SISTEMA PARA INTERCÂMBIOS ESTUDANTIS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: ENGENHARIAS

Leia mais

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB

X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB X3DOM E WEBGL: O 3D INDEPENDENTE NA WEB Augusto Francisco Ferbonink¹, Willian Barbosa Magalhães 1 Universidade Paranaense (UNIPAR) Paranavaí PR Brasil aferbonink@gmail.com wmagalhães@unipar.com Resumo.

Leia mais

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS

CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS CENTRO VIRTUAL DE MODELAGEM: A SINERGIA DA MODELAGEM MATEMÁTICA COM VÍDEOS DIGITAIS Nilton Silveira Domingues Universidade Estadual Paulista (UNESP - Campus de Rio Claro) Instituto de Geociências e Ciências

Leia mais

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone

Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012. Clodis Milene Raquel Sílvia Simone Pesquisa sobre Ensino de IHC 2010-2012 Clodis Milene Raquel Sílvia Simone 1 abril a junho de 2013 75 respondentes válidos cursos: graduação pós-graduação stricto sensu pós-graduação lato sensu avulsos

Leia mais

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES

AdminIP. Manual do Usuário Módulo Administrador IES 2ª Edição 2 AdminIP Manual do Usuário Módulo Administrador IES Brasília 2012 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 4 1. SISTEMA ADMINIP... 4 1.1 O que é o AdminIP?... 4 1.2 Quem opera?... 4 1.3 Onde acessar?... 5 1.4

Leia mais

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Inspetor de serviços do Windows. ntservices série 3.1

CA Nimsoft Monitor. Guia do Probe Inspetor de serviços do Windows. ntservices série 3.1 CA Nimsoft Monitor Guia do Probe Inspetor de serviços do Windows ntservices série 3.1 Aviso de copyright do CA Nimsoft Monitor Este sistema de ajuda online (o Sistema ) destina-se somente para fins informativos

Leia mais

SENHA / DESBLOQUEIO DE CONTA / RESPONSÁVEL

SENHA / DESBLOQUEIO DE CONTA / RESPONSÁVEL Page 1 of 5 Perguntas frequentes sobre os seguintes temas: Senha / Desbloqueio de Conta / Responsável / Pessoa Obrigada / Declaração de Inexistência de Comunicações / Erro ao Enviar as Comunicações / Comunicações

Leia mais

MIS-Prototyping: Um Processo de Prototipação

MIS-Prototyping: Um Processo de Prototipação MIS-Prototyping: Um Processo de Prototipação Baseado no Modelo de Inspeção Semiótica Joelton S. Matos 1,Bruno F. Gadelha 1 1 Instituto de Informática Universidade do Estado do Amazonas (UEA) Manaus AM

Leia mais

MANUAL DE USO SERASAJUD

MANUAL DE USO SERASAJUD MANUAL DE USO SERASAJUD JULHO DE 2015 Controle de Revisão Data da Revisão Versão Documento Versão DF-e Manager Executor Assunto Revisado 08/10/2013 1.0 Rodrigo Vieira Ambar/Gigiane Martins Criação 18/03/2104

Leia mais

Coletamos e recebemos informações enviadas por você e sobre você por diferentes meios.

Coletamos e recebemos informações enviadas por você e sobre você por diferentes meios. Política de privacidade Última revisão: 7 de novembro de 2013 18 de abril de 2014 Escopo Ao conectar se online à Sony Network Entertainment International ( SNEI ) usando nossos sites, a Sony Entertainment

Leia mais

Teste Funcional 3. Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015

Teste Funcional 3. Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015 Teste Funcional 3 Arndt von Staa Departamento de Informática PUC-Rio Março 2015 Especificação Objetivo desse módulo Apresentar uma modalidade de geração de casos de teste a partir de casos de uso Justificativa

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software 2º Semestre de 2006/2007 Terceiro enunciado detalhado do projecto: Portal OurDocs ic-es+alameda@mega.ist.utl.pt ic-es+tagus@mega.ist.utl.pt 1. Introdução O terceiro enunciado do

Leia mais

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Tutorial Básico. UEM - Núcleo de Educação a Distância 1

Ambiente Virtual de Aprendizagem. Tutorial Básico. UEM - Núcleo de Educação a Distância 1 Ambiente Virtual de Aprendizagem Tutorial Básico UEM - Núcleo de Educação a Distância 1 Ambiente Virtual de Aprendizagem Tutorial Básico - Tópicos ACESSANDO O AMBIENTE VIRTUAL (AVA) MATERIAL DE APOIO FÓRUM

Leia mais