AJUSTE NEOLIBERAL E A CRISE DO ESTADO: NECESSIDADE DE SE RETOMAR A AUTONOMIA DOS ESTADOS NACIONAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AJUSTE NEOLIBERAL E A CRISE DO ESTADO: NECESSIDADE DE SE RETOMAR A AUTONOMIA DOS ESTADOS NACIONAIS"

Transcrição

1 AJUSTE NEOLIBERAL E A CRISE DO ESTADO: NECESSIDADE DE SE RETOMAR A AUTONOMIA DOS ESTADOS NACIONAIS Michele Polline Veríssimo Faculdade de Ciências Integradas do Pontal FACIP / UFU Gilberto José Miranda Faculdade de Ciências Integradas do Pontal FACIP / UFU Aline Barbosa de Miranda Faculdade de Educação FACED / UFU INTRODUÇÃO O avanço da globalização e o aprofundamento das políticas liberalizantes nas últimas décadas têm trazido em seu bojo uma relativa perda de autonomia do Estado na formulação de políticas nacionais de desenvolvimento econômico e social sustentadas. A globalização engloba um processo de transformação produtiva e tecnológica, caracterizado pela emergência de um novo padrão de organização da produção, que envolve o aumento da concentração do capital e a criação de empresas gigantescas e poderosas operando em escala mundial, além do avanço no processamento e difusão de informações através das telecomunicações e informática, que facilita e agiliza as transações. Na esfera financeira, a globalização enreda uma intensificação das relações financeiras internacionais, implicando um novo regime mundial de acumulação do capital, cujo funcionamento depende dos interesses do capital financeiro, que se mantém sob a forma de dinheiro e busca um rendimento enquanto tal. Neste processo, a economia global se torna acentuadamente influenciada pelo livre movimento dos capitais em busca de níveis elevados de remuneração, e o capitalismo passa a atuar cada

2 2 vez mais no sentido de privilegiar a acumulação financeira em detrimento da acumulação produtiva, embora apenas esta última seja capaz de gerar riqueza nova e ampliar produto, emprego e renda. A globalização está representada no plano ideológico pelo pensamento liberal (MARTINS, 1996). Este ganha força a partir do final dos anos 1980, sendo que para os países em desenvolvimento é implementada uma nova concepção de política caracterizada pela imposição de um conjunto de medidas pelos organismos internacionais (BIRD e FMI) destinadas a englobar aquelas economias num novo panorama externo, em que predominam os ideários da globalização e da integração aos mercados financeiros internacionais. Dentre tais medidas, são advogadas a abertura comercial, a liberalização dos mercados financeiros, a desregulamentação do mercado de trabalho, as privatizações, e a redução do papel do Estado, com o corte de gastos públicos e o abandono das políticas sociais. Tendo em vista tal pano de fundo teórico, o presente trabalho pretende discutir a perda da autonomia do Estado na condução das políticas econômica e social, frente ao contexto de implementação das políticas neoliberais e do avanço do processo de globalização. A metodologia utilizada no trabalho consiste basicamente em pesquisa bibliográfica sobre obras relacionadas à temática em questão. O trabalho encontra se dividido em quatro seções, além desta introdução e das considerações finais. A primeira seção discute a lógica das políticas de ajuste neoliberais implementadas em diversas economias nas últimas décadas. A segunda seção procura esclarecer a relação das políticas neoliberais com a crise fiscal do Estado. A terceira seção, tendo em vista o conceito de desenvolvimento subjacente ao Plano Real no contexto das políticas neoliberais, analisa a necessidade de retomada da autonomia dos Estados Nacionais, não apenas na formulação das políticas econômicas, mas também no que diz respeito às políticas sociais. Por último, a quarta seção discute os efeitos das reformas neoliberais no que se refere à educação e destaca que é fundamental repensar a atuação do Estado com relação às políticas educacionais, se se deseja acelerar o crescimento econômico e melhorar a qualidade de vida da população. 1. A LÓGICA DAS POLÍTICAS DE AJUSTE NEOLIBERAIS O final do século XX vivenciou intensas transformações na ordem econômica mundial, nas formas de organização produtiva e nas estruturas que sustentaram o

3 3 capitalismo do pós guerra, período em que as economias nacionais estavam articuladas em torno de um Estado regulador e voltado ao bem estar social. Perante tais mudanças, observa se, nas últimas décadas, o acirramento da concorrência internacional, a debilidade de decisão do Estado e a desregulamentação do capitalismo, levando a economia mundial em direção a crescentes modificações econômicas e sociais. Paralelamente às transformações da estrutura do capitalismo, a ordem mundial assiste ao ressurgimento do velho ideário do liberalismo econômico revestido com ares de modernidade sob a forma de teses monetaristas e neoliberais, formando um receituário de política econômica aplicado em grande parte do mundo a partir do final dos anos 1970 (TAVARES, 1992; BELLUZZO, 1997). Em linhas gerais, o receituário neoliberal consiste em enfraquecimento dos Estados Nacionais, abertura comercial e de serviços, liberalização da entrada e saída do capital estrangeiro, ruptura dos monopólios públicos e privatização, flexibilização do mercado de trabalho, corte ou abandono das políticas públicas sociais (CANO, 1998). A idéia central inerente nestas medidas é a de que a economia deve ser deixada ao livre jogo das forças do mercado, pois isso resultaria na melhor utilização dos fatores produtivos em benefício da coletividade. Conforme a avaliação neoliberal da experiência keynesiana dos anos 1960, o uso das políticas fiscal e monetária com o propósito de conter a instabilidade cíclica e promover o crescimento da economia, acompanhado da concessão de direitos e benefícios sociais, teria levado à ampliação e à persistência dos déficits orçamentários. A acumulação dos déficits determinara o crescimento desmesurado dos estoques de dívida pública, gerando tensões sobre as taxas de juros, o que limitava o investimento privado e contribuía para a manutenção de altas taxas de inflação. Além disso, a intervenção do Estado ocasionara sérias deformações microeconômicas, ao promover distorções no sistema de preços (taxas de câmbio, juros e tarifas) com o objetivo de induzir a expansão de setores escolhidos ou proteger segmentos ameaçados pela concorrência. O mercado de trabalho, caracterizado por regras políticas que limitavam o seu funcionamento, como o salário mínimo, não exprimiam o preço de equilíbrio do trabalho por meio da interação da oferta e demanda. Tais fatores decorrentes da obstrução ao funcionamento normal dos mercados pela intervenção do Estado teriam conduzido ao aumento da inflação, à elevação do desemprego e ao baixo dinamismo das economias a partir de meados dos anos Isto significava que as economias só voltariam a crescer de forma estável e sustentada a longo prazo quando se recuperasse os estímulos provenientes da coordenação e disciplina impostas pelo mercado.

4 4 A questão central para os neoliberais, uma vez atingido o controle sobre o processo inflacionário, deveria passar pela adoção de políticas pautadas no aumento da taxa de poupança privada, condição prévia para a retomada dos investimentos e ampliação da renda e do emprego. Assim, a recomendação neoliberal para os mercados financeiros pautava se na eliminação das barreiras à entrada e saída de capitais, de modo que a taxa de juros pudesse exprimir sem distorções a oferta e a demanda de poupança nos espaços integrados das finanças mundiais. O mercado de bens requeria uma abertura comercial e a eliminação do protecionismo e das políticas de fomento, de modo que as empresas fossem submetidas à concorrência internacional, forçando as a se tornarem mais competitivas e eficientes. Finalmente, para o mercado de trabalho, previa se flexibilização e remoção das cláusulas sociais, consideradas ineficientes e danosas aos trabalhadores. Os países que lideraram a adoção das políticas neoliberais foram Inglaterra e Estados Unidos. A Inglaterra, sob o comando de Margaret Tatcher, sofreu a limitação do poder do Estado, com a redução do seu papel nas questões sociais e econômicas, queda dos gastos com o Welfare State, redução da tributação, aumento dos gastos com a defesa e liberalização do mercado. A justificativa para tais medidas era a de que a maior abrangência da intervenção estatal deveria vir acompanhada necessariamente do aumento da receita, o que implicaria em tributação mais elevada sobre os indivíduos. Nos Estados Unidos, as políticas ortodoxas adotadas no governo de Ronald Reagan são bastante similares às verificadas na Inglaterra. O Estado também era suposto como causa de todos os males, o que implicava que a recuperação da posição hegemônica dos Estados Unidos se daria pela volta ao liberalismo econômico, com contração da oferta monetária, redução da carga fiscal, desregulamentação do mercado e restabelecimento do dólar como moeda forte (SOARES, 1999). As políticas de ajuste neoliberais aplicadas na América Latina foram traduzidas por um modelo criado pelo Banco Mundial, pelo Fundo Monetário Internacional (FMI) e pelo governo dos Estados Unidos: o chamado Consenso de Washington. O enfoque proposto pelo Consenso de Washington, chamado de ajuste estrutural, pretendia desencadear as mudanças que os países ricos julgavam necessárias para a estabilização dos países periféricos através da aplicação de um receituário de políticas liberalizantes, privatizantes e de mercado. Há que se ressaltar que as políticas gestadas pelo Consenso faziam parte de um movimento de ajuste no sistema mundial dentro do contexto da globalização financeira e produtiva. Em síntese, trata se de políticas

5 5 econômicas de estabilização acompanhadas de reformas estruturais liberalizantes (SOARES, 1999). As reformas estruturais preconizadas pelo Consenso de Washington assumiram, no final dos anos 1980, uma convergência forçada e ganharam força de doutrina constituída, sendo aceita por vários países em desenvolvimento. Tais países, diante dos desequilíbrios de balanço de pagamentos, desajuste das contas públicas e altas taxas de inflação, recebiam das instituições internacionais um receituário de política econômica, cuja execução condicionava os empréstimos e financiamentos a serem concedidos. A proposta do Consenso de Washington se resume, no curto prazo, em diminuir o déficit fiscal através da redução do gasto público principalmente na área social, aplicar políticas monetárias restritivas para combater a inflação, manter uma taxa de juros real positiva e o câmbio em um nível adequado (valorizado). No médio prazo, os objetivos seriam transformar as exportações em uma das bases do crescimento, liberalizar o comércio exterior, reduzir as regulações estatais (privatizações) e atribuir o papel de regulador ao mercado, concentrar o investimento no setor privado, e promover uma estrutura de preços sem distorções (SOARES, 1999). Dois pontos do receituário neoliberal devem ser ressaltados. Primeiro, a valorização da taxa de câmbio dentro de um contexto de abertura da economia poderia implicar a geração de grandes déficits comerciais que, somados aos compromissos com a renegociação das dívidas externas, causariam impacto negativo na conta de transações correntes. A solução para este problema do balanço de pagamentos envolveria medidas de desregulamentação da entrada e saída do capital internacional e elevação das taxas de juros, o que possibilitaria entradas de capital de curto prazo, vinculadas a programas de privatizações a custo depreciado, especulações nas bolsas de valores, ou aos altos juros da dívida pública interna. Segundo, acreditava se que a abertura comercial tornaria as empresas mais competitivas e eficientes baseado na noção de que a concorrência das empresas estrangeiras no mercado nacional e as importações mais baratas em função do câmbio valorizado obrigariam as empresas dos países em desenvolvimento a adotarem novas tecnologias e a reduzirem seus custos. As medidas propostas pelo Consenso de Washington tiveram maior sucesso no que tange à estabilização inflacionária. No entanto, para atingir a estabilidade de preços, tais medidas acarretaram, nos diversos países, uma série de efeitos negativos. Os resultados das políticas de ajuste neoliberais e sua relação com a crise fiscal do Estado serão apresentados na próxima seção.

6 6 2. POLÍTICAS NEOLIBERAIS E A CRISE FISCAL DO ESTADO Os neoliberais acusam os compromissos assumidos pelo Welfare State nos anos 1960 como a principal causa da desaceleração econômica mundial, devido à queda da lucratividade e da competitividade decorrente do aumento dos encargos fiscais e dos direitos sociais consagrados pelo Estado de bem estar social (FIORI, 1996). O argumento é de que a retomada do crescimento exigiria um aumento dos investimentos e da lucratividade incompatíveis com os níveis salariais e com a carga fiscal requerida pelos sistemas de proteção social obtidos pelos trabalhadores. Portanto, a solução da crise deveria passar pela desregulamentação dos mercados, flexibilização do mercado de trabalho e desestruturação do Estado de bem estar social (MARQUES, 1998). Há que se fazer uma revisão desse diagnóstico da crise mundial e dos resultados gerados pela aplicação das políticas neoliberais para se compreender por que a redução das cargas fiscais não incentivou o investimento e o crescimento econômico, e por que o gasto público tem aumentado, apesar da queda significativa dos gastos sociais. Em outras palavras, a crise fiscal do Estado está mais relacionada a acontecimentos no âmbito da economia mundial do que ao excesso de demandas dos trabalhadores. Tais acontecimentos alteraram radicalmente a face do capitalismo, deteriorando a base tributária, multiplicando a dívida pública e submetendo a liberdade da política econômica e social aos objetivos dos mercados financeiros (FIORI, 1996). A crise fiscal do Estado encontra se relacionada a três ordens de razões (TAVARES, 1992). A primeira razão seria decorrente de fatores de caráter estrutural, dada a crise da previdência social ligada às mudanças na estrutura demográfica e do emprego, uma vez que a força de trabalho regularmente empregada estaria se restringindo enquanto o emprego informal estaria aumentando, tornando as contribuições dos empregados e empresas empregadoras insuficientes para sustentar os seguros sociais e as pensões da população inativa (velhos, jovens e mulheres). A segunda razão está ligada ao processo de reestruturação produtiva e internacionalização acelerada, que contribui para a deterioração dos mecanismos de financiamento do Estado, na medida em que tais transformações des territorializam a renda e o produto, dificultando sua mensuração e tributação, mas não des territorializam os gastos públicos sociais e de produção de infra estrutura, que continuam a cargo do Estado. Além disso, contribui para este processo a informalidade de pequenas empresas

7 7 na indústria e no setor de serviços, que sonegam impostos, e, portanto, solapa a base de arrecadação tributária do governo. Por fim, a terceira razão, vista pelo lado do gasto corrente, encontra se associada à lógica das políticas de ajuste impostas. Tal razão destaca se por seu grande impacto nos países periféricos. Trata se do peso crescente dos serviços financeiros da dívida pública, advindo da manutenção de taxa de juros elevadas. Para análise desta razão, fazse necessário comentar brevemente os resultados das políticas de ajuste neoliberais. O modelo de ajuste neoliberal aplicado nos países em desenvolvimento, em suma, se reduz à implantação de políticas macroeconômicas que têm por objetivo restabelecer o equilíbrio dos balanços de pagamentos e controlar a inflação através de medidas recessivas. No entanto, tais políticas apresentaram efeitos negativos em termos de crescimento econômico e melhoria do padrão de vida da população. A aplicação de políticas monetárias restritivas para conter a inflação provocou elevação das taxas de juros e a redução dos investimentos no setor produtivo, causando queda do nível de atividade econômica e de emprego. Os juros altos também contribuíram para a elevação das dívidas externa e interna, deteriorando ainda mais as contas públicas e resultando em menores aportes de recursos para os setores sociais na tentativa de equilibrar as finanças do Estado. A liberalização dos mercados financeiros, necessária para o ajuste do balanço de pagamentos, proporcionou a entrada de capitais de curto prazo, ampliando os riscos de crises abruptas e a instabilidade das expectativas. Deve se ressaltar que os capitais que ingressaram nas diversas economias foram constituídos na maior parte por fluxos de capitais especulativos em busca de retornos elevados, o que não é compatível com a viabilização do crescimento sustentado no longo prazo. A abertura comercial e a integração ao mercado internacional, em vez de tornar as empresas mais eficientes e competitivas, e propiciar a modernização da estrutura produtiva prevista pela tese neoliberal, acarretaram desintegração das indústrias nacionais, desnacionalização produtiva, quebra de empresas e aumento do desemprego. Na realidade, foi ilusão pensar no poder transformador em termos de modernização e competitividade que a política neoliberal poderia trazer aos países periféricos, uma vez que estas economias contaram com a forte participação do Estado para alavancar seus processos de industrialização (TAVARES, 1992). Sem políticas setoriais, sobretudo industrial, induzidas pelo Estado, torna se difícil a modernização produtiva e o que se observa é a ampliação do desemprego e o aumento da concentração de renda. Por outro

8 8 lado, a debilidade a que as políticas de ajuste conduziram o Estado impede sua ação planejadora para o desenvolvimento (FIORI, 1997). Por fim, a desregulamentação do mercado de trabalho, cujo objetivo era prover maior flexibilidade às empresas, provocou o aumento da desigualdade e da exclusão social, a regressão dos direitos sociais, o debilitamento das representações sindicais e o desmonte das redes de proteção social (MARQUES, 1998). Retomando a questão da crise fiscal do Estado, percebe se que as políticas adotadas em busca do equilíbrio econômico e os artifícios utilizados (sobrevalorização cambial, altas taxas de juros e atração de capital externo) resultaram na deterioração das finanças do Estado, principalmente em virtude da magnitude extraordinária adquirida pelo componente financeiro das contas públicas (CARNEIRO, 2002). Os neoliberais, sob a argumentação de que os equilíbrios orçamentários são fundamentais para a estabilidade econômica, insistem na necessidade de implementação de fortes ajustes fiscais baseados na redução dos recursos de interesse social, na menor oferta de serviços sociais, em menores investimentos públicos e em cortes de recursos para infra estrutura. Tais ajustes fiscais requerem redução dos gastos sociais pelo Estado, mas o objetivo real é produzir superávits primários a fim de obter recursos para fazer frente ao pagamento dos crescentes serviços das dívidas públicas. Torna se necessário repensar de forma crítica os resultados das políticas neoliberais, pois embora a inflação tenha sido controlada, a adoção à risca do receituário neoliberal tem gerado elevados níveis de desemprego e a dívida pública se mantém crescente em função das altas taxas de juros praticadas. Sem uma reavaliação dessas políticas, os cortes dos gastos públicos e o aumento do número de desempregados e excluídos socialmente permanecerão, sem que se consiga o desejado equilíbrio fiscal, pois mesmo com o esmagamento das políticas sociais, o déficit público não consegue ser reduzido, já que são cada vez maiores os componentes financeiros das dívidas. Verifica se que as medidas de ajuste neoliberais têm impactos perversos sobre as políticas sociais, uma vez que tais medidas aumentam as demandas sociais devido ao alto desemprego e à deterioração das condições de vida, ao mesmo tempo em que restringem a oferta de bens e serviços sociais em função dos cortes dos gastos públicos pela exigência de equilíbrio fiscal. Assim, nas palavras de Fiori (1996), as restrições neoliberais contra o peso do Estado são de um cinismo aterrador, pois a real crise fiscal do Estado é, em grande parte, originada das próprias políticas de ajuste, que, por um lado, aumentam as obrigações do Estado, ao ampliar as necessidades da sociedade

9 9 de maiores gastos na área social, mas, por outro, elevam o gasto financeiro e restringem o crescimento, o que reduz a capacidade do Estado de prover maiores recursos sociais. 3. NECESSIDADE DE SE RETOMAR A AUTONOMIA DO ESTADO NA FORMULAÇÃO DAS POLÍTICAS PÚBLICAS As políticas neoliberais determinam uma perda relativa de autonomia do Estado na condução de políticas nacionais de desenvolvimento econômico e social, na medida em que este se torna subordinado aos ditames da globalização e das políticas liberalizantes. Neste processo, o Estado não administra a política monetária e os fluxos financeiros, alimentando a convicção neoliberal de esgotamento da função dos Estados Nacionais. Sendo assim, a estes caberia tão somente a aplicação de políticas de ajuste macroeconômico vislumbrando especialmente os interesses de valorização do capital, devendo o Estado proporcionar credibilidade aos mercados financeiros em detrimento da alavancagem do desenvolvimento, do pleno emprego e do bem estar social. Não se pode negar que atualmente os Estados Nacionais se encontram limitados, pois possuem poucas condições para controlar suas finanças, já que preços cruciais como taxa de câmbio, juros, tarifas e commodities, assim como o déficit no orçamento e no balanço de pagamentos, não constituem matérias suscetíveis de serem definidas por meio de decisões exclusivamente internas e soberanas. Falta lhes capacidade para atuar como motor do desenvolvimento, já que as decisões de investimento e geração de progresso técnico submetem se cada vez menos ao planejamento estatal. Além disso, também faltam recursos ao Estado para atender satisfatoriamente às necessidades de educação, saúde, habitação, seguridade, meio ambiente e segurança pública (MARTINS, 1996). Trazendo a discussão para o âmbito do Brasil, é importante ressaltar que o Estado teve um papel crucial na criação da indústria brasileira. Nos anos 1960 e 1970, o Estado agiu como planejador e articulador de uma estratégia de desenvolvimento baseada na superação do atraso econômico pela via da industrialização a partir da integração entre os capitais estatais e os capitais privados nacionais e estrangeiros. Nesse processo, o Estado atuou decisivamente no financiamento dos grandes blocos de investimento, na criação de infra estrutura e na produção direta de insumos, imprimindo à economia um processo de crescimento vertiginoso (TAVARES, 1992; FIORI, 1995).

10 10 Nos anos 1990, o Brasil abandonou a estratégia desenvolvimentista, optando por uma política de ajustamento passivo à nova ordem econômica globalizada, radicalizada pela política econômica implementada pelo governo FHC. A política implícita no Plano Real, baseada em uma estratégia de desenvolvimento ancorada na sobrevalorização cambial, abertura comercial, taxas de juros elevadas, atração de capitais externos, e privatização das empresas e dos serviços públicos (ALMEIDA, 1999), seguiu os ditames do receituário neoliberal imposto pelo Consenso de Washington, privilegiando a estabilização inflacionária em detrimento das políticas de desenvolvimento nacional (SICSÚ, 2007; VIDAL, 2007). Assim, o Estado ficou preso à busca do equilíbrio macroeconômico e de credibilidade dos mercados financeiros. Tal limitação da função do Estado conduziu à estagnação econômica, à ausência de políticas industriais ativas e ao exorbitante endividamento público, apesar da significativa diminuição dos gastos públicos, deixando o Estado sem margem de manobra para o financiamento de políticas públicas num momento em que o baixo crescimento não conseguiu assegurar a expansão do emprego e acabou por ampliar ainda mais a desigualdade social. Enquanto o Brasil encontrar se prisioneiro da estabilização, haverá um aumento exponencial da dívida social, seja pelo aumento das carências, seja pela diminuição dos recursos disponíveis para fazer política pública de tipo social (FIORI, 1997). A perda relativa de autonomia dos Estados Nacionais não deve ser correlacionada ao ocaso do Estado Nação (OHMAE, 1996). Na realidade, é preciso que este retome a construção de um projeto de desenvolvimento nacional articulado a políticas de crescimento e de bem estar social. O Estado Nação deve tornar se responsável pela reversão das políticas neoliberais fracassadas, em que o mesmo seja capaz de determinar internamente a natureza de suas políticas e a priorizar os projetos nacionais em detrimento da primazia global (FIORI, 1997). Neste sentido, o Brasil deve pautar se por uma nova inserção no contexto internacional, não uma inserção subordinada, mas baseada no desenvolvimento interno e de suas potencialidades. Para alavancar o crescimento econômico, é indispensável que o país conduza um projeto consciente de desenvolvimento nacional, assim como fizeram China e Índia, países líderes em termos de taxa de crescimento do produto e da renda per capita no período recente, em que o Estado assumiu importância decisiva como promotor de políticas de desenvolvimento, de proteção social e de incentivos setoriais. Tal projeto deve ser pautado pela retomada do Estado na condução das políticas monetária, fiscal e cambial, em conjunto com uma política industrial e tecnológica ativa, em que o Estado

11 11 volte a ser um administrador efetivo, capaz de afetar o nível de atividade econômica e de emprego, além de resolver os problemas de ordem social. Portanto, o Estado deve passar por transformações que o coloquem como sustentáculo das estratégias empresariais de conquista de novos mercados, além de fazêlo promotor de políticas de proteção social e qualificação da mão de obra, preocupandose com o avanço da cidadania social e política das populações marginalizadas (FIORI, 1995). Neste sentido, é preciso retomar o projeto desenvolvimentista, recobrando a capacidade de atuação do capital em favor da sociedade, além de restaurar a dimensão pública pelo resgate da dívida social através de políticas públicas relacionadas à saúde, educação, alimentação, moradia, redução da pobreza, segurança pública, dentre outras. 4. REFLEXOS DO AJ USTE NEOLIBERAL SOBRE A EDUCAÇÃO No que concerne ao setor educacional, a década de 1980 foi considerada uma época bastante frutífera, embora, do ponto de vista econômico tenha sido chamada de década perdida (ARELARO, 2000). Data dos anos 1980 a criação de importantes entidades e movimentos sociais em defesa da escola pública como: Associação Nacional dos Docentes de Ensino Superior (ANDES), Central Única dos Trabalhadores (CUT), Associação Nacional de Educação (ANDE), entre outros, além da instituição da Carta Magna de 1988, também conhecida como Constituição Cidadã. Todavia, esse período fértil de conquistas foi interrompido na década seguinte, mediante a adesão do governo brasileiro ao ideário neoliberal. As principais mudanças engendradas na educação e nos demais setores sociais ocorreram, sobretudo, a partir da Reforma Gerencial de 1995, cujas principais medidas para os setores sociais foram a descentralização e a publicização. Esses dois princípios refletiram diretamente na formulação e implementação da nova Lei que regulamenta a educação nacional LDN/EN (9394/96), que é considera uma lei neoliberal e legítima filha da década de 1990 (LIMA, 2007). Na década de 1990, as mudanças que ocorreram no setor educacional tiveram como objetivo, adaptar os sistemas de ensino às exigências da economia globalizada. Nesse contexto, o Estado tendeu a reduzir sua base social e paulatinamente transferir sua responsabilidade concernente ao setor social para a sociedade civil e ou para o terceiro setor, também reconhecido como espaço público não estatal.

12 12 Assim, a descentralização do setor educacional tornou se um imperativo. Ocorreram transferências de gestão e execução dos serviços educativos da União para Estados e municípios. E a LDB/EN (9394/96), legitimou esse processo. Outro mecanismo estimulado pela Reforma Gerencial de 1995, reforçado pela LDB/EN (9394/96), que contribuiu sobremaneira para a descentralização do setor educacional refere se às parcerias firmadas entre setores públicos e os setores privados. Os principais instrumentos legais que respaldam essas parcerias foram: a Emenda Constitucional n. 19 de 04 de junho de 1998, responsável pela indução a parcerias (Contratos de gestão com as Organizações Sociais, e Termo de parcerias OSCIPs); a Lei nº /03/99, que qualifica pessoas jurídicas de direito privado sem fins lucrativos como OSCIP; e a Lei Federal nº PPP de Parceria Público Privado sancionada em Dessa forma, a tão reivindicada autonomia das escolas ocorreu apenas no que diz respeito ao compartilhamento do financiamento, já que o Estado continua controlador. Contudo, segundo dados de pesquisa realizada por Adrião (2006), a opção do governo brasileiro ainda não foi a transferência direta da propriedade pública para setores privados. As estratégias de descentralização e o incremento à autonomia escolar, salvo algumas exceções de breve vigência, não se apresentam nos moldes das privatizações/concessões de empresas e outros serviços estatais, mas essa é uma tendência para os próximos tempos. Com o argumento de dar maior autonomia às instituições, o Estado passou a estimular e incentivar as PPP (Parcerias Público Privado), por meio de isenções de impostos, dos contratos de gestão, entre outros. O resultado foi a entrada do setor produtivo privado no provimento dos setores públicos, cujos efeitos já são visíveis: oferecimento de serviços de qualidade duvidosa, despolitização da questão social, transformação de serviços sociais garantidos por lei em serviços oferecidos por benevolência por entidades da sociedade civil como ações de altruísmo. Com essa situação, assiste se as instituições escolares firmando parcerias com empresas privadas que buscam, sobretudo, marketing social, responsáveis por implementar na escola a lógica empresarial pautada no darwinismo social e na meritocracia, subestimando valores imprescindíveis em uma instituição de ensino como a paciência histórica em dar condições ao aluno que tem maiores dificuldades de integrar se ao grupo e crescer junto com os mais habilidosos. O foco da educação passa a ser, assim como no setor empresarial, os resultados, e não mais o processo de formação profissional e humano.

13 13 Nessa direção, observa se a descentralização de responsabilidades enquanto, por outro lado, centraliza se o controle da avaliação. Os exemplos mais expressivos desses controles referem se às formas de avaliação a que todos os níveis de ensino são submetidos tais como: SAEB (Sistema de Avaliação da Educação Básica), ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) e ENADE (Exame Nacional de Desempenho de Estudantes). Nesse contexto, o Estado se torna um verdadeiro Estado avaliador. De acordo com Krawczyk (2002), (...) mantém se o Estado no lugar de promotor dos câmbios educacionais, mas não como único ou principal responsável do fornecimento de condições adequadas de ensino e/ou de um planejamento centralizado, mas pela instituicionalização no governo federal de novos mecanismos de avaliação e controle. Podemos dizer que, no lugar de um Estado social, propõe se um Estado avaliador (p.62). Desta forma, é possível constatar que uma das principais políticas que afetou o setor educacional refere se aos princípios da descentralização financeira e centralização da avaliação, pois, além de legitimar o afastamento do Estado no provimento ao orçamento destinado à educação, ocasionou um movimento de repasse direto de certas obrigações do Estado para a instituição escolar. Diante deste quadro, é imprescindível que o Estado também retome o seu papel ativo no que diz respeito às políticas educacionais, uma vez que a formação do capital humano, além do capital físico, é condição necessária se o país deseja implementar um processo de crescimento econômico sustentado no longo prazo. Destaca se que China e Índia têm avançado nesse processo de qualificação da mão de obra pela via da educação com suporte do Estado, e esse é um dos fatores que contribuem para o sucesso em termos de crescimento atingido por tais economias no período recente. Assim, cabe ao Estado incentivar a qualificação da população através do provimento de educação de qualidade, treinamento e especialização para elevar a produtividade do trabalho. Entretanto, há que se reverter os reflexos neoliberais sobre o processo educacional, de forma que a educação volte a ser centrada na formação do indivíduo e não somente nas exigências do mercado. Para isso, o Estado deve se pautar pela melhoria da qualidade do ensino, desde o nível básico até o nível superior, pela oferta de infra estrutura adequada ao sistema de ensino (materiais, transporte,

14 14 bibliotecas, laboratórios de informática e ciências, bem como professores qualificados e bem remunerados), além de ampliar as condições de acesso à educação pública. CONSIDERAÇÕES FINAIS No contexto neoliberal, o Estado assume um novo papel, qual seja o de conduzir uma política eficiente de inserção subordinada numa globalização vista como a única alternativa existente. A internacionalização do capital asfixia a atuação dos Estados Nacionais com relação à capacidade de gestão nacional, cabendo lhes a função de acomodar os interesses do capital e de disciplinar o trabalho via políticas de desregulamentação e flexibilização. Fora isso, a presença do Estado deve ser mínima e cada vez mais restrita do ponto de vista dos direitos sociais. A globalização e as políticas liberalizantes trouxeram algumas conseqüências desastrosas para as economias: estagnação econômica, aumento do desemprego e ampliação da desigualdade social. Tais efeitos aumentam as demandas por uma maior atuação do Estado, porém este não tem como arcar com políticas compensatórias, uma vez que se reduzem os meios de financiamento do setor público. A mudança do papel do Estado é relevante para explicar o baixo crescimento econômico brasileiro. Observa se que o Estado deixou de atuar diretamente no setor produtivo, no fornecimento de infra estrutura e no financiamento de setores específicos, como o fez no período de maior crescimento da economia (anos 1960 e 1970). Atualmente, o Estado perdeu sua capacidade de coordenação e de indução do investimento. Além disso, a preocupação básica do Estado passou a ser a redução do déficit público, agravado pelo elevado componente financeiro da dívida, com a busca de superávits primários crescentes, o que implica cortes de gastos públicos e redução de recursos para os projetos sociais. Como efeito, percebe se uma deterioração dos indicadores sociais, como alimentação, saúde, educação e previdência social. A retomada do processo de desenvolvimento da economia brasileira requer a reestruturação do Estado, permitindo o exercer a política econômica e pública, tendo em vista o lado social e a busca de objetivos de longo prazo, de forma a realimentar as fontes de financiamento dos gastos públicos e possibilitar a maior atuação do Estado no enfrentamento das mazelas sociais. Para atingir tal objetivo, torna se fundamental o suporte do Estado no que diz respeito às políticas educacionais, visto que a formação de

15 15 capital humano (qualificação e treinamento da mão de obra) é condição importante para alavancar o crescimento econômico. No entanto, o sistema educacional enquanto um subsistema do macrosistema social influencia e é influenciado por outros setores, como a economia e a política (DANDÃO, 2003). Nesse sentido, a conjuntura pela qual o país está passando reflete diretamente na educação. Assim, a partir da década de 1990, a política brasileira se reestruturou em novas bases e o Estado passou a assumir o papel de regulador das políticas públicas e se afastou da questão social, abrindo espaço para a hegemonia da economia de mercado. E se, por um lado, flexibilizou e descentralizou as políticas educacionais, por outro, centralizou processos de controle por meio de instrumentos como as avaliações. Essa estratégia é totalmente alinhada às políticas neoliberais. Assim, para que ocorram mudanças significativas no setor educacional, outros setores da sociedade também necessitam de mudanças, já que as políticas educacionais atuais estão vinculadas à lógica do mercado. REFERÊNCIAS ADRIÃO, T. Educação e produtividade: a reforma do ensino paulista e a desobrigação do Estado. São Paulo: Xamã, ALMEIDA, J. G. de. Plano Real: do sucesso ao impasse. In: LIMA, M. J. de (Org.). Crise e desenvolvimento. São Paulo, Cadernos PUC n.º 8, Educ, ARELARO, L. R. G. Resistência e Submissão a reforma educacional na década de In: KRAWCZYK, N.; CAMPOS, M. M.; HADDAD, S. (org). O cenário educacional no limiar do século XXI: reformas em debate. Campinas, SP: Autores Associados, BELLUZZO, L. G. M. O declínio de Bretton Woods e a emergência dos mercados globalizados. Economia e Sociedade (4), Campinas, IE/UNICAMP. Junho, BELLUZZO, L. G. M. O novo papel do Estado frente à globalização. In: Globalização e desenvolvimento regional: cenários para o século XXI. Recife. SUDENE CANO, Wilson. Políticas econômicas e de ajuste na América Latina. In: OLIVEIRA, Marco Antônio de (Org.). Economia do Trabalho: Textos Básicos. Campinas, São Paulo, UNICAMP. IE, CARNEIRO, R. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo. Editora UNESP. IE Unicamp

16 16 DANDÃO, F. O Imediatismo Político Não Ajuda a Erradicar o Analfabetismo. Jornal Página 20, Disponível em:< Acesso em 25, jun. de FIORI, J. L. Em busca do dissenso perdido: ensaios críticos sobre a festejada crise do Estado. Rio de Janeiro, Insight FIORI, J. L. Condenados da terra. Folha de São Paulo. Abril, FIORI, J. L. Os moedeiros falsos. Petrópolis, Vozes FIORI, J. L. Para um diagnóstico da modernização brasileira. In: FIORI, J. L. e MEDEIROS, C. (orgs). Polarização mundial e crescimento. Petrópolis, Vozes, p KRAWCZYK, N. R. Em Busca de Uma Nova Governabilidade na Educação. In: OLIVEIRA, D. A. e ROSAR, M. de F. F. (orgs). Política e Gestão da Educação. Belo Horizonte: Autêntica, LIMA. A. B. de. Dez Anos de LDB: Anos de Contínua Reforma Educacional. In: SILVA, M. V. e MARQUES, M. R. A. (orgs). LDB: Balanços e Perspectivas Para a Educação Brasileira. Campinas: Átomo, MARQUES, R. M. Notas sobre o avanço do neoliberalismo no campo da proteção social. In: III Encontro de Economia Política, 1998, Niterói. Anais do III Encontro de Economia Política, v. 2, p , MARTINS, C. E. Da globalização da economia à falência da democracia. Economia e Sociedade (6) Campinas. UNICAMP, junho, p OHMAE, K. O fim do Estado Nação: a ascensão das economias regionais. Rio de Janeiro. Campus SICSÚ, J. Rumos e definições da política econômica brasileira: do plano A de FHC para o plano A+ de Lula. In: SICSÚ, J. Emprego, Juros e Câmbio Finanças Globais e Desemprego. Cap. 14. Rio de Janeiro, Elsevier, SOARES, L. T. R. Ajuste neoliberal e desajuste social na América Latina. 1ª Reimpressão Revisada, Rio de Janeiro, UFRJ, TAVARES, M. C. Ajuste e reestruturação nos países centrais: a modernização conservadora. Economia e Sociedade. São Paulo, IE UNICAMP, nº. 1. Agosto, VIDAL, F. B. As agonias do desenvolvimentismo e o (des)ajuste social no Brasil do Real. Bahia Análise & Dados, Salvador, v. 16, n. 4, p , jan./mar., 2007.

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914

ESTUDO DE CASO MÓDULO XI. Sistema Monetário Internacional. Padrão Ouro 1870 1914 ESTUDO DE CASO MÓDULO XI Sistema Monetário Internacional Padrão Ouro 1870 1914 Durante muito tempo o ouro desempenhou o papel de moeda internacional, principalmente por sua aceitabilidade e confiança.

Leia mais

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA

PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO DOCENTE NA UNIVERSIDADE PÚBLICA BRASILEIRA Carlos Eduardo Queiroz Pessoa Bacharel em Filosofia e Direito; Mestrando em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande

Leia mais

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011.

Análise CEPLAN Clique para editar o estilo do título mestre. Recife, 17 de agosto de 2011. Análise CEPLAN Recife, 17 de agosto de 2011. Temas que serão discutidos na VI Análise Ceplan A economia em 2011: Mundo; Brasil; Nordeste, com destaque para Pernambuco; Informe sobre mão de obra qualificada.

Leia mais

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO

PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO PAINEL DÍVIDA PÚBLICA, POLÍTICA FISCAL E O IMPASSE NO DESENVOLVIMENTO Painelistas: Prof. Dr. Benjamin Alvino de Mesquita (Brasil) Prof. Dr. Adriano Sarquis Bezerra de Menezes (Brasil) Prof. Dr. Jair do

Leia mais

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO

MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO MACROECONOMIA DA ESTAGNAÇÃO Fernando Ferrari Filho Resenha do livro Macroeconomia da Estagnação: crítica da ortodoxia convencional no Brasil pós- 1994, de Luiz Carlos Bresser Pereira, Editora 34, São Paulo,

Leia mais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais

Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais Regras fiscais e o ajuste em curso no Brasil: comentários gerais André M. Biancarelli IE-Unicamp Seminário O Desafio do Ajuste Fiscal Brasileiro AKB; Centro do Novo Desenvolvimentismo, EESP-FGV São Paulo,

Leia mais

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil

Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil Yoshiaki Nakano Escola de Economia de São Paulo Fundação Getulio Vargas 26 de Abril de 2006 Um Novo Modelo de Desenvolvimento para o Brasil A Base do Novo

Leia mais

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações

Evolução Recente dos Preços dos Alimentos e Combustíveis e suas Implicações 1 ASSESSORIA EM FINANÇAS PÚBLICAS E ECONOMIA PSDB/ITV NOTA PARA DEBATE INTERNO (não reflete necessariamente a posição das instituições) N : 153/2008 Data: 27.08.08 Versão: 1 Tema: Título: Macroeconomia

Leia mais

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA

XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA XIX QUALIEDUC EDUCAÇÃO PRESSENCIAL & A DISTÄNCIA A APROPRIAÇÃO DE TECNOLOGIAS EDUCACIONAIS POR INVESTIDORES PRIVADOS SÃO INSTRUMENTOS QUE LEVAM A COMERCIALIZAÇÃO DO ENSINO? 1 MSc. EDUARDO GUERINI JULHO/2013

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO

A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO A RELAÇÃO ENTRE OS FLUXOS DE CAPITAIS E A VULNERABILIDADE EXTERNA NAS ECONOMIAS EM DESENVOLVIMENTO ANDRÉIA POLIZELI SAMBATTI Professora da UNIOESTE/Campus de Cascavel, Ms. em Teoria Econômica DENISE RISSATO

Leia mais

Cenário Econômico para 2014

Cenário Econômico para 2014 Cenário Econômico para 2014 Silvia Matos 18 de Novembro de 2013 Novembro de 2013 Cenário Externo As incertezas com relação ao cenário externo em 2014 são muito elevadas Do ponto de vista de crescimento,

Leia mais

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois

FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO. Prof. Israel Frois FORMAÇÃO DO TERRITORIO BRASILEIRO Prof. Israel Frois SÉCULO XV Território desconhecido; Era habitado por ameríndios ; Natureza praticamente intocada Riqueza imediata: Pau-Brasil (Mata Atlântica) Seus limites

Leia mais

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq.

Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Prof. José Luis Oreiro Instituto de Economia UFRJ Pesquisador Nível I do CNPq. Frenkel, R. (2002). Capital Market Liberalization and Economic Performance in Latin America As reformas financeiras da América

Leia mais

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen

ECONOMIA INTERNACIONAL. Profa. Enimar J. Wendhausen ECONOMIA INTERNACIONAL Profa. Enimar J. Wendhausen Balanço de Pagamentos Registra contabilmente todas as transações econômicas realizadas entre residentes (pessoas físicas ou jurídicas, que tenham esse

Leia mais

AVANÇOS E RETROCESSOS DO BRASIL NO GOVERNO FHC JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional

Leia mais

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil

Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Estudos sobre a Taxa de Câmbio no Brasil Fevereiro/2014 A taxa de câmbio é um dos principais preços relativos da economia, com influência direta no desempenho macroeconômico do país e na composição de

Leia mais

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil

O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil O Mundo em 2030: Desafios para o Brasil Davi Almeida e Rodrigo Ventura Macroplan - Prospectiva, Estratégia & Gestão Artigo Publicado em: Sidney Rezende Notícias - www.srzd.com Junho de 2007 Após duas décadas

Leia mais

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas

Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas Red Econolatin www.econolatin.com Expertos Económicos de Universidades Latinoamericanas BRASIL Agosto 2013 Profa. Anita Kon PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE SÃO PAULO PROGRAMA DE ESTUDOS PÓS GRADUADOS

Leia mais

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira +

Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Uma proposição de política cambial para a economia brasileira + Fernando Ferrari Filho * e Luiz Fernando de Paula ** A recente crise financeira internacional mostrou que a estratégia nacional para lidar

Leia mais

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015

CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 CENÁRIOS ECONÔMICOS O QUE ESPERAR DE 2016? Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2015 1 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. Política Econômica Desastrosa do Primeiro Mandato 2.1. Resultados

Leia mais

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político

Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político 1 Apresentação do presidente da FEBRABAN, Murilo Portugal no 13º Seminário Tendências Perspectivas da Economia Brasileira: Cenário Econômico e Político Cenários para os países desenvolvidos, sua inter

Leia mais

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia

Disciplina: Economia ECN001. Macroeconomia Disciplina: Economia ECN001 Macroeconomia Orçamento do Setor Público É a previsão de receitas e a estimativa de despesas a serem realizadas por um Governo em um determinado exercício (geralmente um ano).

Leia mais

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014

ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015. Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 ECONOMIA BRASILEIRA DESEMPENHO RECENTE E CENÁRIOS PARA 2015 Prof. Antonio Lanzana Dezembro/2014 SUMÁRIO 1. Economia Mundial e Impactos sobre o Brasil 2. A Economia Brasileira Atual 2.1. Desempenho Recente

Leia mais

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando

A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando INFORMATIVO n.º 42 NOVEMBRO de 2015 A despeito dos diversos estímulos monetários e fiscais, economia chinesa segue desacelerando Fabiana D Atri - Economista Coordenadora do Departamento de Pesquisas e

Leia mais

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana

Ciclos Econômicos. Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Ciclos Econômicos Abordagem keynesiana X neoclássica Expectativas adaptativas do monetarismo Ciclo real de negócios novoclássico Rigidez de preços novokeynesiana Aula de Fernando Nogueira da Costa Professor

Leia mais

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004

Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Uma avaliação crítica da proposta de conversibilidade plena do Real XXXII Encontro Nacional de Economia - ANPEC 2004, Natal, dez 2004 Fernando Ferrari-Filho Frederico G. Jayme Jr Gilberto Tadeu Lima José

Leia mais

China: crise ou mudança permanente?

China: crise ou mudança permanente? INFORMATIVO n.º 36 AGOSTO de 2015 China: crise ou mudança permanente? Fabiana D Atri* Quatro grandes frustrações e incertezas com a China em pouco mais de um mês: forte correção da bolsa, depreciação do

Leia mais

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009)

DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) Conferência de Imprensa em 14 de Abril de 2009 DECLARAÇÃO INICIAL DO GOVERNADOR DO BANCO DE PORTUGAL NA APRESENTAÇÃO DO BOLETIM ECONÓMICO DA PRIMAVERA (2009) No contexto da maior crise económica mundial

Leia mais

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado

REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado REFORMA OU DESMONTE? Análise crítica acerca do Plano Diretor da Reforma do Estado Ana Carolyna Muniz Estrela 1 Andreza de Souza Véras 2 Flávia Lustosa Nogueira 3 Jainara Castro da Silva 4 Talita Cabral

Leia mais

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO

A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO A QUESTÃO DA POBREZA NA SOCIEDADE DE CLASSES E SEU ACIRRAMENTO NO NEOLIBERALISMO Maria Cristina de Souza ¹ Possui graduação em Serviço Social pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas -PUCCAMP(1988),

Leia mais

4 SETOR EXTERNO. ipea

4 SETOR EXTERNO. ipea 4 SETOR EXTERNO RESTRIÇÕES EXTERNAS AO CRESCIMENTO ECONÔMICO Tradicionalmente, as restrições ao crescimento da economia brasileira são consideradas como limites impostos pela deterioração incontornável

Leia mais

Perspectivas da Economia Brasileira

Perspectivas da Economia Brasileira Perspectivas da Economia Brasileira Márcio Holland Secretário de Política Econômica Ministério da Fazenda Caxias do Sul, RG 03 de dezembro de 2012 1 O Cenário Internacional Economias avançadas: baixo crescimento

Leia mais

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real

CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real CASO 7 A evolução do balanço de pagamentos brasileiro no período do Real Capítulo utilizado: cap. 13 Conceitos abordados Comércio internacional, balanço de pagamentos, taxa de câmbio nominal e real, efeitos

Leia mais

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95

DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 DIAGNÓSTICO SOBRE O CRESCIMENTO DA DÍVIDA INTERNA A PARTIR DE 1/1/95 JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico,

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

2015: UM ANO DECISIVO

2015: UM ANO DECISIVO 2015: UM ANO DECISIVO 1. EMENTA: o presente trabalho tem por objetivo abordar as necessidades de mudanças para que o país volte a crescer mais do que neste momento, com um patamar de inflação menor do

Leia mais

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR

Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR Seminário RMC e os desafios para o século XXI OBSERVATÓRIO DAS METRÓPOLES/UFPR : mudanças na estrutura produtiva e no mercado de trabalho no período 1991/2010 Paulo Delgado Liana Carleial Curitiba, 17

Leia mais

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015

CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA. 22 de junho de 2015 CONCLUSÕES DA REUNIÃO EMPRESARIAL PORTUGAL - ESPANHA UMA UNIÃO EUROPEIA MAIS FORTE 22 de junho de 2015 A União Europeia deve contar com um quadro institucional estável e eficaz que lhe permita concentrar-se

Leia mais

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil

O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil O Processo de Integração Energética na América do Sul e o Papel Estratégico do Brasil Prof. Nivalde J. de Castro Coordenador do GESEL UFRJ Lisboa 4 de Março de 2011 Sumário Cenário macroeconômico da América

Leia mais

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais).

Reforma do Estado. Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Reforma do Estado Pressões para Reforma do Estado: internas (forças conservadoras) e externas (organismos multilaterais). Redefinição da natureza, do alcance e dos limites à intervenção estatal. Preocupação

Leia mais

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia

O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia O Desafio da Soberania do Estado Nacional pela União Monetária Européia XIX Simpósio Transnacional de Estudos Científicos Aracaju 21 de Setembro de 2009 Prof. Dr. Antony Mueller UFS Soberania do Estado

Leia mais

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos

Instrumentalização. Economia e Mercado. Aula 4 Contextualização. Demanda Agregada. Determinantes DA. Prof. Me. Ciro Burgos Economia e Mercado Aula 4 Contextualização Prof. Me. Ciro Burgos Oscilações dos níveis de produção e emprego Oferta e demanda agregadas Intervenção do Estado na economia Decisão de investir Impacto da

Leia mais

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS

ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS ANEXO VII OBJETIVOS DAS POLÍTICAS MONETÁRIA, CREDITÍCIA E CAMBIAL LEI DE DIRETRIZES ORÇAMENTÁRIAS - 2007 (Anexo específico de que trata o art. 4º, 4º, da Lei Complementar nº 101, de 4 de maio de 2000)

Leia mais

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK

O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O PLANO DE METAS DO GOVERNO DE JUCELINO KUBITSCHEK O desenvolvimento autônomo com forte base industrial, que constituiu o núcleo da proposta econômica desde a Revolução de 1930 praticamente esgotou suas

Leia mais

Quais são as contradições da crise do Euro?

Quais são as contradições da crise do Euro? Quais são as contradições da crise do Euro? Lucas Braga de Melo Logo após o colapso financeiro dos subprimes nos EUA em 2008, foi deflagrada a crise europeia. Essa última, entretanto, tem suas origens

Leia mais

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

MINISTÉRIO DAS FINANÇAS XXI Encontro de Lisboa entre as Delegações dos Bancos Centrais dos Países de Língua Oficial Portuguesa à Assembleia Anual do FMI/BM Banco de Portugal 19 de Setembro de 2011 Intervenção do Ministro de Estado

Leia mais

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a "modernização" da vida política.

Um dos grandes desafios para tornar o Brasil mais condizente com os anseios da sua população é a modernização da vida política. Apesar dos problemas associados à má distribuição de renda, o Brasil- ingressa no século XXI com uma das maiores economias do mundo e um compromisso com a paz mundial e o sistema democrático e sem conflitos

Leia mais

Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil

Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil Breve visão histórica sobre o planejamento no Brasil A. Planos de desenvolvimento e de infra-estrutura (1949-1979) 1. Plano Salte (Governo Dutra, 1946-1950, desenhado em 1948, implementado a partir do

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno.

COMÉRCIO EXTERIOR. Causas da dívida Empréstimos internacionais para projetar e manter grandes obras. Aquisição de tecnologia e maquinário moderno. 1. ASPECTOS GERAIS Comércio é um conceito que possui como significado prático, trocas, venda e compra de determinado produto. No início do desenvolvimento econômico, o comércio era efetuado através da

Leia mais

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014.

Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Brasilia (DF), 16 de dezembro de 2014. Discurso do Ministro Alexandre Tombini, Presidente do Banco Central do Brasil na Comissão de Assuntos Econômicos, no Senado Federal Página 1 de 8 Exmo. Sr. Presidente

Leia mais

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente

A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente BRICS Monitor A Ameaça Inflacionária no Mundo Emergente Agosto de 2011 Núcleo de Análises de Economia e Política dos Países BRICS BRICS Policy Center / Centro de Estudos e Pesquisa BRICS BRICS Monitor

Leia mais

America Latina: Administrando Fluxos de Capital Surgidos como efeito da Crise da Dívida Européia

America Latina: Administrando Fluxos de Capital Surgidos como efeito da Crise da Dívida Européia Latin American Shadow Financial Regulatory Committee Comité Latinoamericano de Asuntos Financieros Comitê Latino Americano de Assuntos Financeiros Declaração No. 22 16 de Junho, 2010 Washington, D.C. America

Leia mais

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA

QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA QUESTÕES SOBRE A ECONOMIA BRASILEIRA JOÃO RICARDO SANTOS TORRES DA MOTTA Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia Internacional, Finanças

Leia mais

O Mito da Conversibilidade

O Mito da Conversibilidade Revista de Economia Política, vol. 24, nº 2 (94), abril-junho/2004 O Mito da Conversibilidade LUIZ GONZAGA BELLUZZO* RICARDO CARNEIRO** A conversibilidade da moeda nacional tem sido um tema recorrente

Leia mais

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS

EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS EXPANSÃO E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU CAPTANDO DESAFIOS Maria da Graça Ramos GEUIpesq/UFPel Resumo: No presente texto procura-se estabelecer as relações fundamentais entre a produção da ciência com a

Leia mais

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE

BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE BRASIL: CONSTITUIÇÃO E CONTINUAÇÃO DO CAPITALISMO DEPENDENTE Francieli Martins Batista Licenciada em Ciências Sociais/UEM Resumo: O presente texto traz apontamentos a cerca da formação capitalista brasileira

Leia mais

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68

Sumário. Conceitos básicos 63 Estrutura do balanço de pagamentos 64 Poupança externa 68 Sumário CAPÍTULO l As CONTAS NACIONAIS * l Os agregados macroeconômicos e o fluxo circular da renda 2 Contas nacionais - modelo simplificado 4 Economia fechada e sem governo 4 Economia fechada e com governo

Leia mais

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012

Palestra: Macroeconomia e Cenários. Prof. Antônio Lanzana 2012 Palestra: Macroeconomia e Cenários Prof. Antônio Lanzana 2012 ECONOMIA MUNDIAL E BRASILEIRA SITUAÇÃO ATUAL E CENÁRIOS SUMÁRIO I. Cenário Econômico Mundial II. Cenário Econômico Brasileiro III. Potencial

Leia mais

Reunião de Líderes do G-20 sobre Mercados Financeiros e Economia Global Washington - 15 de novembro de 2008

Reunião de Líderes do G-20 sobre Mercados Financeiros e Economia Global Washington - 15 de novembro de 2008 MINISTÉRIO DA FAZENDA Ações de Curto Prazo Reunião de Líderes do G-20 sobre Mercados Financeiros e Economia Global Washington - 15 de novembro de 2008 Governança financeira global Proposta brasileira Estamos

Leia mais

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO

O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO O GRUPO ABRIL E A EDUCAÇÃO: ESTRATÉGIAS DE ATUAÇÃO Luciana Sardenha Galzerano FE/Unicamp Agência Financiadora: Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo Fapesp Resumo Este trabalho objetiva

Leia mais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais

IMF Survey. África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais IMF Survey PERSPECTIVAS ECONÓMICAS REGIONAIS África deve crescer mais em meio a mudanças nas tendências mundiais Por Jesus Gonzalez-Garcia e Juan Treviño Departamento da África, FMI 24 de Abril de 2014

Leia mais

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado

Comitê de Investimentos 07/12/2010. Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Comitê de Investimentos 07/12/2010 Robério Costa Roberta Costa Ana Luiza Furtado Experiências Internacionais de Quantitative Easing Dados do Estudo: Doubling Your Monetary Base and Surviving: Some International

Leia mais

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil

A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil A Redução do Fluxo de Investimento Estrangeiro Direto e as Implicações para o Brasil Análise Economia e Comércio Bernardo Erhardt de Andrade Guaracy 30 de outubro de 2003 A Redução do Fluxo de Investimento

Leia mais

O perfil das ONGs no neoliberalismo *

O perfil das ONGs no neoliberalismo * O perfil das ONGs no neoliberalismo * Elton Alcantara eltonluizcosta@gmail.com Gustavo Palmares gupalmaresrj@hotmail.com Letícia Chahaira leticiachahaira@yahoo.com.br Rafael Teixeira rafaelteixeira_ufrj@yahoo.com.br

Leia mais

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC?

Brasil 2007 2010: BRIC ou não BRIC? Brasil 27 21: BRIC ou não BRIC? Conselho Regional de Economia, 3 de outubro de 26 Roberto Luis Troster robertotroster@uol.com.br BRIC Brasil, Rússia, Índia e China BRIC Trabalho de 23 da GS Potencial de

Leia mais

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008

Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 Comunicado Oficial Reunião de Ministros e Diretores São Paulo Brasil 8-9 de novembro de 2008 1. Nós, os Ministros da Fazenda e Diretores dos Bancos Centrais do G-20, realizamos nossa décima reunião anual

Leia mais

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com

Rogério Medeiros medeirosrogerio@hotmail.com Programa Nacional de Capacitação do SUAS - Sistema Único de Assistência Social CAPACITASUAS CURSO 2 Indicadores para diagnóstico e acompanhamento do SUAS e do BSM Ministrado por Rogério de Souza Medeiros

Leia mais

Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB

Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB Seminário realizado pela DS Campinas/Jundiaí debate as mudanças tecnológicas e relações de trabalho na RFB As mudanças na rotina de trabalho provocadas pelo avanço da tecnologia e seus impactos nas relações

Leia mais

INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR?

INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR? INSTITUTOS FEDERAIS DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA: UMA NOVA POLÍTICA PARA A EDUCAÇÃO SUPERIOR? Priscila Caetano Bentin Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO) Programa de Pós-Graduação

Leia mais

CRISE FINANCEIRA do século XXI

CRISE FINANCEIRA do século XXI CRISE FINANCEIRA do século XXI A atual fase capitalista, chamada de globalização, tem, como bases: O modelo de acumulação flexível (quarta fase de expansão capitalista), que retrata o surgimento de novos

Leia mais

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL

SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL SOCIOLOGIA - 2 o ANO MÓDULO 05 O MODELO CAPITALISTA BRASILEIRO E A NOVA ORDEM INTERNACIONAL Como pode cair no enem Leia o trecho abaixo e responda: A propriedade do rei suas terras e seus tesouros se

Leia mais

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse

Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo Neves Morte de Tancredo, antes da posse O B R A S I L DE SARNEY A FHC Da redemocratização à globalização O G O V E R N O S A R N E Y (1985-1990) 1990) Antecedentes Derrota da emenda Dante de Oliveira pelas Diretas Eleição indireta de Tancredo

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas

RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015. A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas 7 de outubro de 2015 RELATÓRIO SOBRE A ESTABILIDADE FINANCEIRA MUNDIAL, OUTUBRO DE 2015 RESUMO ANALÍTICO A estabilidade financeira aumentou nas economias avançadas A estabilidade financeira aumentou nas

Leia mais

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial

A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial BRICS Monitor A Escalada Protecionista nos BRICS no contexto pós Crise financeira Internacional - Monitoramento de Medidas de Política Comercial Outubro de 2011 Núcleo de Desenvolvimento, Comércio, Finanças

Leia mais

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO

UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO UMA ANÁLISE DA RELAÇÃO ENTRE MERCADO DE CAPITAIS E DESENVOLVIMENTO João Ricardo Santos Torres da Motta Consultor Legislativo da Área IX Política e Planejamento Econômicos, Desenvolvimento Econômico, Economia

Leia mais

Modernização da Gestão

Modernização da Gestão Modernização da Gestão Administrativa do MPF Lei de Responsabilidade Fiscal, Finanças Públicas e o Aprimoramento da Transparência Francisco Vignoli Novembro-Dezembro/2010 MPF - I Seminário de Planejamento

Leia mais

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*)

Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Leilões de Linhas de Transmissão e o Modelo de Parceria Estratégica Pública Privada. (*) Nivalde J. de Castro (**) Daniel Bueno (***) As mudanças na estrutura do Setor Elétrico Brasileiro (SEB), iniciadas

Leia mais

Política macroeconômica e desenvolvimento no Brasil Abr. 2014

Política macroeconômica e desenvolvimento no Brasil Abr. 2014 Política macroeconômica e desenvolvimento no Brasil Abr. 2014 Bráulio Santiago Cerqueira Diretor de Temas Econômicos e Especiais Ministério do Planejamento - Secretaria de Planejamento e Investimentos

Leia mais

Parte III Política Cambial

Parte III Política Cambial Parte III Política Cambial CAPÍTULO 5. A GESTÃO DO REGIME DE CÂMBIO FLUTUANTE NO BRASIL CAPÍTULO 6. A RELAÇÃO ENTRE A TAXA DE CÂMBIO E O DESENVOLVIMENTO Regimes e Política Cambial Apesar da adoção quase

Leia mais

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014

Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 Dipartimento di Economia e Management - Università di Ferrara Ferrara, 11 aprile 2014 La crisi globale e il feticcio della regolamentazione nell esperienza europea e in quella del Sud America. Flávio Bezerra

Leia mais

Perspectivas para o financiamento das PPPs

Perspectivas para o financiamento das PPPs Perspectivas para o financiamento das PPPs PPP Summit 2015 20 de maio de 2015 Frederico Estrella frederico@tendencias.com.br Histórico e perfil da Tendências 2 Histórico Fundada em 1996, a Tendências é

Leia mais

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro

Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro Uma Breve análise da FUNPRESP e a PL 1992/2007: mais uma vitória do capital financeiro * Fernando Marcelino A mundialização financeira, desde meados da década de 1960, em conjunto com uma série de medidas

Leia mais

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA

GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA E GLOBALIZAÇÃO PRODUTIVA GLOBALIZAÇÃO FINANCEIRA Interação de três processos distintos: expansão extraordinária dos fluxos financeiros. Acirramento da concorrência nos mercados

Leia mais

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA ECONOMIA MÓDULO 1 APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA Índice 1. Apresentação da Disciplina...3 2 1. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA A disciplina Economia de Mercado objetiva apresentar as relações econômicas que balizam

Leia mais

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil

O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil CRISTINA FRÓES DE BORJA REIS (*) O investimento público e o desenvolvimento econômico do Brasil Esse artigo apresenta as relações entre investimento público e desenvolvimento econômico no Brasil entre

Leia mais

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio.

As informações relevantes para a decisão de importar ou exportar são preços domésticos, preços externos e taxa de câmbio. Módulo 16 Introdução à Economia Internacional O comércio internacional se constitui no intercâmbio de bens, serviços e capitais entre os diversos países. Muitos teóricos em economia tentaram explicar as

Leia mais

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012

RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO. Junho de 2012 RISCOS E OPORTUNIDADES PARA A INDÚSTRIA DE BENS DE CONSUMO Junho de 2012 Riscos e oportunidades para a indústria de bens de consumo A evolução dos últimos anos, do: Saldo da balança comercial da indústria

Leia mais

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO

O sucesso do Plano Real na economia brasileira RESUMO 1 O sucesso do Plano Real na economia brasileira Denis de Paula * RESUMO Esse artigo tem por objetivo evidenciar a busca pelo controle inflacionário no final da década de 1980 e início da década de 1990,

Leia mais

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES

AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES AOS CANDIDATOS À PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA DO BRASIL PROPOSTAS DE POLÍTICAS PARA A ÁREA DAS COMUNICAÇÕES 1 Apresentação 1. As comunicações, contemporaneamente, exercem crescentes determinações sobre a cultura,

Leia mais

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665

Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 Boletim Econômico Edição nº 56 fevereiro de 2015 Organização: Maurício José Nunes Oliveira Assessor econômico Pela revogação das Medidas Provisórias 664 e 665 As duas medidas visam economizar R$ 18 bilhões

Leia mais

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial;

1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; 1) a) Caracterize a Nova Ordem Econômica Mundial; A Nova Ordem Econômica Mundial insere-se no período do Capitalismo Financeiro e a doutrina econômica vigente é o Neoliberalismo. Essa Nova Ordem caracteriza-se

Leia mais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais

Investimento internacional. Fluxos de capitais e reservas internacionais Investimento internacional Fluxos de capitais e reservas internacionais Movimento internacional de fatores Determinantes da migração internacional: diferencial de salários; possibilidades e condições do

Leia mais

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015

A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 A REORIENTAÇÃO DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL BRASILEIRO IBGC 26/3/2015 1 A Situação Industrial A etapa muito negativa que a indústria brasileira está atravessando vem desde a crise mundial. A produção

Leia mais

A Evolução Recente da Arrecadação Federal

A Evolução Recente da Arrecadação Federal Carta PR 1164 /2015 Brasília, 28 de agosto de 2015 Exmo(a). Senhor(a) Senador(a), O Sindicato dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil SINDIFISCO NACIONAL oferece a Vossa Excelência um breve

Leia mais

A INFLUÊNCIA DO BANCO MUNDIAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS. FURTADO, Érica L. M.* RESUMO

A INFLUÊNCIA DO BANCO MUNDIAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS. FURTADO, Érica L. M.* RESUMO A INFLUÊNCIA DO BANCO MUNDIAL NAS POLÍTICAS EDUCACIONAIS FURTADO, Érica L. M.* RESUMO Este artigo é parte de um estudo sobre Políticas Educacionais e Gestão Democrática na Escola e tem como objetivo demonstrar

Leia mais

INSERÇÃO INTERNACIONAL E APARTHEID SOCIAL. Luiz Carlos Bresser Pereira

INSERÇÃO INTERNACIONAL E APARTHEID SOCIAL. Luiz Carlos Bresser Pereira Mais! 2a. versão -Agosto 1994 INSERÇÃO INTERNACIONAL E APARTHEID SOCIAL Luiz Carlos Bresser Pereira O desenvolvimento e a distribuição da renda só serão alcançáveis se o Brasil for capaz de se transformar

Leia mais

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública.

Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. Avaliação de Alternativas - Grupo de Estudos de Seguro Depósito - Subgrupo: Objetivos de Política Pública. (abril, 2002) Ana Carla Abraão Costa Economista, História recente da economia brasileira A economia

Leia mais

Parte V Financiamento do Desenvolvimento

Parte V Financiamento do Desenvolvimento Parte V Financiamento do Desenvolvimento CAPÍTULO 9. O PAPEL DOS BANCOS PÚBLICOS CAPÍTULO 10. REFORMAS FINANCEIRAS PARA APOIAR O DESENVOLVIMENTO. Questão central: Quais as dificuldades do financiamento

Leia mais

SÍNTESE DA CONJUNTURA

SÍNTESE DA CONJUNTURA SÍNTESE DA CONJUNTURA O quadro geral da economia brasileira, que já se mostrava bastante difícil nos primeiros meses do ano, sofreu deterioração adicional no terceiro trimestre, com todos os indicadores

Leia mais