GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014"

Transcrição

1 GUIA PRÁTICO SAIBA COMO DECLARAR O IMPOSTO DE RENDA 2014

2 GUIA PRÁTICO PARA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA INTRODUÇÃO Este material foi desenvolvido com o objetivo de auxiliar nossos clientes no preenchimento da Declaração do Imposto sobre a Renda da Pessoa Física ( DIRPF ) com base no padrão do Informe de Rendimentos Financeiros ( Informe de Rendimentos ou Informe ), relativo ao exercício 2014, ano calendário Os tópicos abordados contemplam as principais informações referentes a cada tipo de produto financeiro oferecido pela XP Investimentos Corretora de Câmbio e Valores Mobiliários S.A. ( XP Investimentos ). Este material não substitui, em qualquer hipótese, orientações, determinações e prazos indicados pela Secretaria da Receita Federal do Brasil ( Receita Federal ). 2. OBRIGATORIEDADE Deve apresentar a DIRPF o contribuinte, residente no Brasil, que no ano-calendário de 2013: I - Recebeu rendimentos tributáveis na declaração, cuja soma foi superior a R$24.556,65 (vinte e quatro mil, quinhentos e cinquenta e seis reais e sessenta e cinco centavos) valor referente ao ano-base 2012; II - Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$40.000,00 (quarenta mil reais); III - Obteve, em qualquer mês, ganho de capital na alienação de bens ou direitos, sujeitos à incidência do imposto, ou realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas. Atenção: Existem outros casos onde o contribuinte está obrigado a apresentar a DIRPF, mas estes não estão relacionados com os produtos financeiros da XP Investimentos. Sugerimos verificar no sítio da Receita Federal. 3. PRAZO PARA ENTREGA E MULTA A DIRPF deve ser apresentada no período de 1º de março a 30 de abril de Caso o contribuinte esteja obrigado a enviar a DIRPF, mas não o faça no período indicado, estará sujeito ao pagamento de multa por atraso, calculada da seguinte maneira: I - existindo imposto devido, multa de 1% ao mês-calendário ou fração de atraso, incidente sobre o imposto devido, ainda que integralmente pago, observados o valor mínimo de R$165,74 e máximo de 20% do imposto devido; II - inexistindo imposto devido, multa de R$165,74.

3 4. Documentos necessários para o preenchimento O prazo de entrega do Informe de Rendimentos para o preenchimento da DIRPF termina no último dia útil de fevereiro. O Informe de Rendimentos será disponibilizado no site da XP Investimentos. Basta acessar a sua conta, clicar em Você na XP e em seguida selecionar a opção Informe de Rendimentos. Também em Você na XP, na opção Relatórios Auxiliares, encontra-se disponível documentos adicionais para a DIRPF, como: Posição em Custódia, Proventos Pagos, Operações Normais e Operações Day Trade. Atenção: Em caso de duas contas na XP, será necessário emitir o Informe de Rendimentos de cada conta. Caso não consiga ou não tenha mais acesso à outra conta, entre em contato com o atendimento da XP. Para facilitar o processo de declaração, este Guia Prático apresenta o modelo do Informe de Rendimentos que segue os campos disponíveis na DIRPF para preenchimento. Caso possua investimentos em ações, o Informe de Rendimentos correspondente deverá ser enviado pela companhia aberta. Na hipótese de não recebimento, entre em contato com a área de Relacionamento com Investidores da respectiva empresa para solicitar uma 2ª via ou acesse o site da Bovespa para verificar os canais de atendimento da companhia: BuscaEmpresaListada.aspx?Idioma=pt-br Esse documento é muito importante para que todas as informações exigidas pela Receita Federal sejam prestadas corretamente. As notas de corretagem também poderão ser úteis. Portanto, sugerimos a utilização de todas as notas do ano-calendário de 2013 para melhor verificação. Lembre-se que todas as notas de corretagem poderão ser acessadas no site da XP Investimentos, basta acessar a sua conta, clicar em Minha Conta e em seguida selecionar a opção Custódia/Notas de Corretagem. Conheça aqui as informações que devem constar na DIRPF.

4 5. Entenda o Informe de Rendimentos Entenda um pouco melhor de cada item do Informe, que possui os seguintes campos:

5 5.I. Informações pessoais e da fonte pagadora Os campos 1 e 2 referem-se às informações sobre a XP Investimentos e sobre a pessoa física beneficiária dos rendimentos, respectivamente. É por meio destas informações (CPF e CNPJ) que a Receita Federal efetua o cruzamento de dados para verificar a consistência entre as declarações da fonte pagadora e do beneficiário (contribuinte) Rendimentos Isentos e Não Tributáveis No campo Aplicações de Renda Fixa, a XP Investimentos elenca os rendimentos auferidos, exclusivamente, por pessoas físicas, nas aplicações em Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), Letra de Crédito Imobiliário (LCI), Letras Hipotecárias (LH), e Título da Dívida Agrária (TDA). Para cada produto financeiro, informamos o saldo em 31 de dezembro do ano-calendário anterior (2012), se aplicável, e em 31 de dezembro do ano-calendário a ser declarado (2013), além do total anual dos rendimentos pagos ou creditados no ano-calendário Cabe ressaltar que essa isenção não se aplica aos rendimentos auferidos por pessoas jurídicas e ao ganho de capital auferido na alienação ou cessão, antes do vencimento desses títulos, tanto para pessoas físicas e pessoas jurídicas, exceto se o próprio emissor conferir essa opção aos adquirentes. No campo Dividendos Repasse de Fundos/Clubes de Investimento, será informado os valores repassados pelos Fundos e Clubes de Investimento, conforme previsto no Regulamento. Trata-se dos dividendos pagos pelas companhias abertas e creditados na carteira do Fundo/Clube, em seguida, repassados aos seus cotistas e participantes, respectivamente na proporção de cada um. Atenção: Em caso de posição em ações, o valor dos dividendos pagos pela companhia aberta diretamente aos seus acionistas é enviado no Informe de Rendimentos da própria companhia. Preenchendo a declaração No Informe de Rendimentos constará as seguintes informações:

6 Essa é a tela que consta na DIRPF: A seguir, apresentamos os esclarecimentos necessários para o preenchimento dos campos mais relevantes: I - Linha 05 Lucros e dividendos recebidos pelo titular e pelos dependentes : devem constar o nome do beneficiário (titular ou dependente) e o respectivo CPF, além dos dados da fonte pagadora (CNPJ e nome da companhia) e do valor recebido. Essa informação será enviada pelas companhias abertas aos seus acionistas. Caso não a tenha recebido, entre em contato com a área de relações com investidores da respectiva empresa para solicitar uma 2ª. Via. Além disso, em caso de repasse de dividendos por fundos/ clubes de investimento, essa informação constará no Informe de Rendimentos da XP Investimentos. II - Linha 24 Outros (especifique) : deve constar a especificação do produto e o valor do rendimento auferido nas aplicações em Certificados de Recebíveis do Agronegócio (CRA), Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI), Letra de Crédito do Agronegócio (LCA), Letra de Crédito Imobiliário (LCI), Certificado de Depósito Agropecuário (CDA), Letra Hipotecária (LH), e Título da Dívida Agrária (TDA). Para facilitar o preenchimento, quem possui mais de um produto financeiro a ser declarado na mesma linha, deve clicar no botão. Dessa maneira, o somatório total dos rendimentos auferidos será utilizado

7 pela Receita Federal para o cruzamento realizado com as informações prestadas pelas fontes pagadoras. Somente para clientes que operem em Bolsa (setas na cor azul): Além dos tipos de rendimentos isentos acima mencionados e indicados no Informe de Rendimentos, devem ser declarados, ainda, na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis: III - Linha 18 Ganhos líquidos em operações no mercado à vista de ações negociadas em bolsa de valores nas alienações realizadas até R$ ,00, em cada mês, para o conjunto de ações. Deve ser informado o tipo de beneficiário (titular ou dependente) e o nome completo deste, além do valor dos ganhos líquidos com ouro, ativo financeiro, cujo valor de alienação mensal, seja igual ou inferior a R$ ,00 (vinte mil reais). Atenção: A isenção não se aplica, (i) às operações de day trade, (ii) às negociações de cotas dos fundos de investimento em índice de ações, (iii) aos resgates de cotas de fundos ou clubes de investimento em ações, (iv) à alienação de ações efetivada em operações de exercício de opções, e (v) no vencimento ou liquidação antecipada de contratos a termo. IV - linha 19 Ganhos líquidos em operações com ouro, ativo financeiro, nas alienações realizadas até R$ ,00 em cada mês. Deve ser informado o tipo de beneficiário (titular ou dependente) e o nome completo deste, além do valor dos ganhos líquidos com ouro, ativo financeiro, cujo valor de alienação mensal, seja igual ou inferior a R$ ,00 (vinte mil reais). V - Linha 20 Recuperação de prejuízos em Renda Variável (bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhados e fundos de investimentos imobiliário). Deve ser informado o valor correspondente ao prejuízo acumulado de anos-calendário anteriores, que tenha sido utilizado para a redução do Ganho de Capital durante o ano-calendário de Todavia, esse valor será preenchido automaticamente pelas informações prestadas no demonstrativo de Renda Variável. Importante: Caso tenha realizado operações acima de R$20.000,00 (vinte mil reais) em um mesmo mês, veja o item VI sobre Renda Variável Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva O Informe de Rendimentos apresenta os Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva divididos por produtos financeiros, conforme próxima página.

8 Preenchendo a declaração A configuração do Informe de Rendimentos está prevista na Instrução Normativa RFB 698/2006. Todavia, o sistema da DIRPF apresenta configuração diferente. Para que não haja dúvidas no momento da declaração, apresentamos alguns esclarecimentos. Preenchendo a declaração I - Linha 05 Ganhos líquidos em renda variável (bolsa de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhados e fundos de investimento imobiliário). Atenção: Não é possível preencher esse campo. O valor informado aqui é a consolidação do valor apurado na ficha Renda Variável, nas Operações Comuns/Day-Trade e Operações de Fundos de Investimento Imobiliário. Dica: Essa informação é apurada pelo próprio investidor, através das notas de compra e venda de ações e demais valores mobiliários, e pagamento de impostos, se houver. Para facilitar o procedimento de declaração, disponibilizamos Relatório Auxiliar, que pode ser encontrado no site da XP Minha Conta, no item Informe de Rendimentos/Relatórios Auxiliares.

9 Para os fundos imobiliários, verificar os dados fornecidos pelo administrador do Fundo. Para maiores esclarecimentos, veja o Item 5 abaixo. II - Linha 06 Rendimentos de aplicações financeiras Neste item deverá ser declarados os rendimentos auferidos em: Fundos de investimento, exceto fundos imobiliários Neste campo declare somente os rendimentos auferidos no ano-calendário 2013 constante no Informe. As posições de saldo em fundos de investimento devem ser informadas no item Bens e Direitos da DIRPF, que será detalhado adiante. Na hipótese de investimento em vários fundos, o nome de cada fundo deverá ser inserido no campo especificação, com respectivo valor do rendimento auferido no ano-calendário A tributação aplicável aos fundos de investimento depende da composição da carteira de cada fundo aberto: (i) fundos de renda fixa curto prazo; (ii) fundos de renda fixa longo prazo; (iii) fundos de ações. Vale informar que, para os fundos fechados (em que o investidor somente pode resgatar as cotas ao final do prazo de duração do fundo), não há incidência de come cotas, havendo pagamento do imposto de renda apenas quando da liquidação do fundo ou de cessão de cotas. Clubes de Investimento Neste campo declare somente os rendimentos auferidos no ano-calendário 2013 constante do Informe. O saldo em cada clube deve ser lançado no item Bens e Direitos da DIRPF, que será detalhado adiante. Aplicações de Renda Fixa Declarar o valor do rendimento líquido que consta no Informe de rendimentos emitido pela XP. Neste campo constará os rendimentos auferidos com investimentos em Certificado de Depósito Bancário (CDB) e Debêntures (DEB). O saldo dos investimentos em 31/12/2012 e em 31/12/2013 deverá ser informado na ficha Bens e Diretos, conforme item 5.5 a seguir.* Tesouro Direto: Letras Financeiras do Tesouro Nacional LFT; Letras do Tesouro Nacional LTN; e Notas do Tesouro Nacional NTN Declarar o valor do rendimento líquido que consta no Informe de Rendimentos emitido pela XP. A responsabilidade pela retenção do Imposto sobre a Renda na Fonte é da XP Investimentos, na qualidade de Agente de Custódia desses títulos. Além do IR na cessão ou liquidação, há ainda incidência de imposto

10 de renda sobre os rendimentos auferidos quando da venda antecipada e do pagamento de cupom de juros. III - Linha 08 Outros rendimentos recebidos pelo titular (especifique) Outros JCP Repasse de Fundos/Clubes de Investimento No campo Outros JCP Repasse de Fundos/Clubes de Investimento, será informado os valores repassados pelos Fundos e Clubes de Investimento, conforme previsto no Regulamento. Trata-se dos juros sobre o capital próprio pagos pelas companhias abertas e creditados na carteira do Fundo/ Clube, e em seguida, repassados aos seus cotistas e participantes, respectivamente na proporção de cada um. Atenção: Em caso de posição em ações, o valor dos juros sobre o capital próprios declarados/pagos pela companhia aberta diretamente aos seus acionistas é enviado no Informe de Rendimentos da própria companhia. Operações de Swap Declarar o valor do rendimento líquido pago na cessão ou liquidação das operações de SWAP, inclusive nas operações de cobertura (hedge), que consta no Informe de Rendimentos. As operações de SWAP estão sujeitas a incidência do Imposto sobre a Renda na Fonte sobre o resultado positivo auferido, de acordo com as alíquotas regressivas de operações de renda fixa. O imposto é retido e recolhido pela XP Investimentos na data da cessão ou liquidação do contrato, na qualidade de responsável por efetuar o pagamento do rendimento. Neste item declare ainda os rendimentos auferidos em: Juros sobre o capital próprio declarados/recebidos de companhias abertas; Informar aqui todos os valores recebidos de companhias abertas como juros sobre o capital próprio. Clique em para relacionar todos esses valores. No campo Especificação, indique o nome da fonte pagadora e o respectivo CNPJ, e, em seguida, o valor recebido. Vale lembrar que essa informação será enviada pelas companhias abertas aos seus acionistas. Caso não a tenha recebido, entre em contato com a área de relações com investidores da respectiva empresa para solicitar uma 2ª via. Para localizar os contatos de todas as companhias abertas listadas na BM&FBovespa, acesse: Ou apenas e clique em Mercados > Ações > Empresas > Empresas Listadas.

11 5.4. Saldos em Contas Correntes e em VGBL O Informe de Rendimentos apresenta as seguintes informações: Preenchendo a declaração Depósito em conta corrente de depósito à vista ou de investimento A XP Investimentos disponibiliza os saldos das contas correntes em 31/12/2012 e em 31/12/2013. De acordo com a Instrução Normativa SRF 698/2006, são dispensados de informação os saldos das contas correntes iguais ou inferiores a R$ 140,00 (cento e quarenta reais). Essas informações deverão ser declaradas no campo Bens e Direitos, conforme tela abaixo: Além dos valores, informar no campo Discriminação : Conta na XP Investimentos CCTVM S.A. e o número da sua conta.

12 * 5.5. Créditos em Trânsito O informe de rendimentos apresenta as seguintes informações: Demonstra eventuais créditos no dia do encerramento do ano calendário que estavam aguardando uma aplicação ou liquidação de resgate de um investimento, dependendo do caso. Preenchendo a declaração Fundos e clubes de investimento Esse campo tem por objetivo demonstrar eventuais créditos em trânsito no dia do encerramento do ano calendário, que somente tenham sido convertidos em cotas ou creditados em conta corrente no ano subsequente. Para declarar os créditos em trânsito preencha a ficha Bens e Direitos, código Outros bens e direitos com os valores contidos no Informe de Rendimentos, conforme exemplo a seguir:

13 6. Outros campos da DIRPF 6.1. Bens e Direitos Nesta ficha informe todo o seu patrimônio. Além dos saldos em 31/12/2012 e 31/12/2013, contidos no Informe de Rendimentos, declare ainda a posição em ações, fundos, títulos, e outros bens móveis e imóveis de sua titularidade ou de seu dependente. Dica: Consulte o Relatório Auxiliar (Posições em Custódia) para verificar toda a posições na XP Investimentos. Acesse a sua conta, selecione Você na XP e clique em Informe de Rendimentos/Relatório Auxiliar. Preenchendo a declaração Essa é a tela da DIRPF que deverá ser preenchida: Como exemplos, selecionamos alguns dos códigos para bens indicados pela Receita Federal: 31 Ações (inclusive as provenientes de linha telefônica) No campo Discriminação, insira uma descrição contendo o tipo (Ações), o número do CNPJ da companhia, a quantidade atualizada de Ações, e o nome da corretora que realiza a custódia. No campo situação em 31/12/2013, insira o resultado da multiplicação do preço médio de compra pela quantidade de ações possuídas na data. Para esse cálculo, recomendamos verificar todas as

14 notas de negociação do ano calendário Lembre-se que cada ação deverá ser um item na relação de Bens e Direitos. Repita o código acima para cada ação constante no seu Informe de Rendimentos. 45 Aplicação de renda fixa (CDB, RDB e outros) Neste código insira todos os títulos de renda fixa: CDB, LCA, LCI, LFT, LTN, NTN, Debênture, etc. No campo Discriminação, insira a descrição do ativo, o nome do emissor do título, a quantidade e o número de referência (se houver). Nos campos situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, insira os valores informados no Informe de Rendimentos. Lembre-se que cada aplicação e investimento deverá ser um item na declaração. Repita o código acima para cada aplicação constante no seu Informe de Rendimentos. 49 Outras aplicações e investimentos Neste código insira todas as demais aplicações e investimentos que não possuem código específico. No campo Discriminação, insira todos os dados da aplicação e investimento que possuir, tais como: quantidade de cotas/títulos, emissor das cotas/títulos, data de aquisição e etc. Nos campos situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, inserir (insira) os valores informados no Informe de Rendimentos. Lembre-se que cada aplicação e investimento deverá ser um item na declaração. Repita o código acima para cada aplicação e investimento constante no seu Informe de Rendimentos. 61 Depósito bancário em conta corrente no País O envio de Informe de Rendimentos fica dispensado nos casos em que o saldo de contas-correntes for de valores individuais iguais ou inferiores a R$140,00 (cento e quarenta reais). Quando o valor do saldo for superior a R$ 140,00 (cento e quarenta reais), este deve ser informado em 31 de dezembro do ano-calendário anterior e em 31 de dezembro do ano-calendário, conforme o Informe de Rendimentos recebido. Não se esqueça de informar, no item descrição, os dados da conta corrente, como nome da XP Investimentos e o número da conta. Lembre-se que cada conta deverá ser um item na declaração. Repita o código acima para cada conta constante no seu Informe de Rendimentos.

15 71 Fundo de Curto Prazo Neste código insira todos os fundos de investimento de curto prazo. No campo Discriminação, insira o nome do fundo e o respectivo CNPJ. Nos campos situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, Insira os valores constantes no Informe de Rendimentos. Lembre-se que cada fundo deverá ser um item na declaração. Repita o código acima para cada fundo de investimento constante no Informe de Rendimentos. 72 Fundo de Longo Prazo e Fundo de Investimentos em Direitos Creditórios (FIDC) Neste código você deverá inserir todos os fundos de investimento de longo prazo e FIDCs. No item Discriminação, insira o nome do fundo e o respectivo CNPJ. Nos campos situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, Insira os valores constantes no Informe de Rendimentos. Lembre-se que cada fundo deverá ser um item na declaração. Repita o código acima para cada fundo de investimento constante no Informe de Rendimentos. 73 Fundo de Investimento Imobiliário Neste código você deverá cadastrar, no item Discriminação, o nome completo do fundo e o seu CNPJ. No campo situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, declare os valores constantes no Informe de Rendimentos. 74 Fundo de ações, Fundos Mútuos de Privatização, Fundos de Investimentos em Empresas Emergentes, Fundos de Investimento em Participações e Fundos de Investimentos de Índice de Mercado Neste campo você deverá cadastrar, no item Discriminação, o nome completo do fundo e o seu CNPJ. Na situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, declare os valores destacados no Informe de Rendimentos. 79 Outros fundos Esse código é utilizado para os fundos não enquadrados nos códigos anteriormente informados. Por exemplo: fundo cambial. No campo Discriminação, você deverá declarar o nome completo do fundo e o seu CNPJ. Na situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, declare os valores destacados no Informe de Rendimentos.

16 97 VGBL Vida Gerador de Benefício Livre Neste código insira no campo Discriminação o histórico e dos dados correspondentes. Na situação em 31/12/2012 e situação em 31/12/2013, declare os valores destacados no Informe de Rendimentos. 99 Outros bens e direitos Neste código também deve ser inserido o montante de Dividendos e/ou Juros sobre o Capital declarados pela companhia aberta e ainda não creditados aos seus acionistas. No campo Discriminação informe a natureza do pagamento pendente, nome da companhia e o CNPJ. Lembre-se que o valor pendente de pagamento deverá ser lançado no campo situação em 31/12/2013. O campo situação em 31/12/2012 permanecerá zerado. Na hipótese de o pagamento ser realizado durante o ano-calendário de 2014, não se esqueça de zerar esse item no ano seguinte. Neste caso, o campo situação em 31/12/2013 permanece com o valor informado, e o campo situação em 31/12/2014 deverá ficar zerado Renda Variável Operações Comuns / Day Trade Importante: Essas informações não são enviadas no Informe de Rendimentos. Você deverá verificar todas as operações realizadas durante o ano de O controle deve ser feito mensalmente pelo investidor, bem como o pagamento do imposto, se aplicável. A DIRPF será apenas uma consolidação dessas informações. Dica: A XP Investimentos disponibiliza Relatório Auxiliar (Operações Normais e Operações Day Trade) com o volume de operações e o valor do IRRF por mês durante o ano-calendário de ambos informados à Receita Federal na DIRF da XP Investimentos. Acesse a sua conta, clique em Você na XP e selecione o item Informe de Rendimentos/Relatório Auxiliar. Preenchendo a declaração Este demonstrativo deve ser preenchido pelo contribuinte pessoa física, residente ou domiciliado no Brasil, que, durante o ano-calendário de 2013, efetuou, no Brasil, alienação de ativos em bolsa acima de R$20.000,00 (vinte mil reais) em um mesmo mês. O investidor, pessoa física, deverá calcular o lucro com essa alienação, e recolher o imposto de renda devido até o último dia útil do mês seguinte ao da operação, sob o código 6015 (Ganhos líquidos em operações de bolsa). Para os investidores Pessoa Jurídica, devese verificar qual o código aplicável: IRPJ Ganhos Líquidos Oper Bolsa - Lucro Pres/Arbitrado-Pag em separado 3225 IRPJ - Ganhos Líquidos Operações na Bolsa - Simples Nacional

17 9481 IRPJ Ganhos Líquidos Operações Bolsa PJ isenta ou simples- Opção MP 16/01 Além da alienação de ações no Mercado à Vista de Bolsa mencionada acima, o contribuinte deverá declarar na Ficha de Renda Variável da DIRPF as seguintes operações: I - Alienação de outro, ativo financeiro, no mercado disponível ou à vista em bolsa de mercadorias, de futuro ou diretamente junto a instituições financeiras; II - Operações nos mercados a termo, de opções e futuro, realizadas em bolsa de valores, de mercadorias e de futuros, com qualquer ativo; III - Operações realizadas em mercados de liquidação futura, fora de bolsa, inclusive com opções flexíveis. O valor do lucro (ou prejuízo) realizado com as vendas em cada mês (Janeiro a Dezembro) deve ser informado na linha correspondente (Mercado à Vista, Opções, Futuro e a Termo). Observe que o resultado das operações de day trade ficam separados das Operações Comuns. Especificamente no mês de Janeiro, incluir na linha Resultado negativo até o mês anterior eventual prejuízo a compensar que esteja acumulado na DIRPF do ano calendário Não se esqueça de separar os valores das operações comuns e day trade. A partir de Fevereiro, utilize o valor de eventual prejuízo do mês anterior, se for o caso. No item Consolidação do Mês, preencha as linhas IR fonte de Day-Trade no mês e IR fonte (Lei nº /2004) ao mês, este último conhecido como dedo-duro. No caso de day trade, aplica-se a alíquota de 1% sobre o lucro apurado. Nas demais operações, a alíquota é de 0,005% sobre o valor bruto das vendas. Esses valores poderão ser verificados na nota de corretagem das operações. Atenção: A Alíquota do Imposto de Renda a ser recolhido pelo próprio Contribuinte nas Operações Comuns e de Day Trade é de 15% e 20%, respectivamente. Importante: Nas operações em bolsa, a alíquota de 0,005% é retida se o valor do IR atingir R$1,00 (um real), ou seja, em operações acima de R$20.000,00, exceto em operações de ETFs (Fundos de Índices Exchange Traded Funds). No caso de day trade, o IR é retido independente do valor.

18 Modelo da declaração Conforme todas as informações mencionadas nesse documento, segue orientação de como preencher a sua declaração de IR: Importante: As despesas efetivamente pagas para a realização de operações de compra ou venda (corretagens, emolumentos etc.), que são destacadas na nota de corretagem ou no extrato da conta corrente, podem ser consideradas na apuração do ganho líquido, sendo acrescidas ao preço de compra e deduzidas do preço de venda dos ativos ou contratos negociados. As perdas incorridas nas operações comuns de renda variável nos mercados à vista, de opções, futuros, a termos e assemelhados, em um ou mais mercados de bolsa e operações com outro, ativo financeiro, realizados fora de bolsa, somente poderão ser compensadas com os ganhos líquidos auferidos, no próprio mês ou nos meses subsequentes, em operações realizadas em quaisquer dessas modalidades operacionais.

19 Por outro lado, as perdas incorridas em operações day trade somente poderão ser compensadas com ganhos líquidos auferidos em operações da mesma espécie (day trade), realizadas no mesmo mês ou nos meses subsequentes. Do mesmo modo, as perdas incorridas em operações comuns somente são compensáveis com os ganhos líquidos auferidos nessas operações Operações de Fundos de Investimento Imobiliário Esse campo deverá ser preenchido somente se houver alienação de cotas de fundos de investimento imobiliário ao longo de O ganho será apurado em cada alienação, devendo o IR, se houver, ser recolhido até o última dia útil do mês subsequente ao do ganho, através de pagamento de DARF. Neste campo informar também os prejuízos apurados para compensação de ganhos auferidos em meses subsequentes. Não se esqueça de informar, no item 3 Informe sobre a renda na fonte (Lei nº /2004), o valor do imposto de renda retido no momento da venda das cotas. Esse valor poderá ser encontrado na nota de corretagem de cada operação. O saldo em 31/12/2013 referente à sua posição em fundos imobiliários deverá ser declarado na seção Bens e Direitos, conforme item V acima. O Informe de Rendimentos emitido pelo administrador do fundo possui informações apenas dos rendimentos pagos ao cotista ao longo do ano de Essas informações serão declaradas na ficha Rendimentos Isentos e Não Tributáveis ou Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva, dependendo da classificação tributária do fundo. Veja nos itens II e III acima. Caso não receba o informe de rendimentos, localize o nome do administrador no site da Bovespa, através do link abaixo, e clique em Contatos para verificar os meios de comunicação com o administrador ou também acesse direto no site da Bovespa/Mercados/Fundos e ETFs/FII: Preenchendo a declaração Preencha os campos assinalados a seguir: Atenção: Eventual divergência entre o Imposto devido e o Imposto pago poderá gerar pendência no processamento da sua DIRPF pela Receita Federal.

20 7. Outras operações relevantes para a DIRPF 7.1. Aluguel de ações Como doador de ações, são necessários três documentos para o preenchimento da declaração: I - Informe de Rendimentos (ganhos auferidos com o aluguel das ações); II - Relatório de reembolso de proventos (em virtude dos dividendos e juros sobre o capital próprio pagos JCP pela companhia aberta ao tomador, cujos valores são reembolsados ao doador); III - Posição dos contratos em 31/12/2013; Para os itens a e b, as informações são de responsabilidade da BMF&Bovespa, e podem ser acessadas através do CEI: Além do número da XP Investimentos na BM&FBovespa (nº. 3), será necessário a sua senha. Não se lembra? Não se preocupe, basta solicitar o envio de nova senha para o seu . É importante destacar que o processo de empréstimo de ações envolve a transferência temporária da propriedade para o tomador. Assim, direitos, como o de voto, por exemplo, passam a ser exercidos pelo tomador, caso este não tenha vendido a ação. Em relação aos proventos pagos pelas ações doadas, como os dividendos e os juros sobre capital próprio, o Banco de Títulos se encarrega de reembolsar o doador, na mesma data e no mesmo montante, e, ao mesmo tempo, debita os valores do tomador. Além disso, no que se refere aos eventos realizados em ativos, como as bonificações, grupamentos e desdobramentos, o investidor doador recebe os ativos objeto do empréstimo com as quantidades ajustadas. Preenchendo a declaração Preencha os seguintes campos com os documentos indicados: I - Rendimentos Isentos e Não Tributáveis Outros (Dividendos e JCP).

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2013 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2013: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2012. Elaboramos este

Leia mais

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES

Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Imposto de Renda 2012 MANUAL DE INFORMAÇÕES Declaração de Imposto de Renda Pessoa Física 2012: consulte as informações em seu Informe de Rendimentos Fator (IRF), Ano Calendário de 2011. Elaboramos este

Leia mais

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi...

http://www.receita.fazenda.gov.br/pessoafisica/irpf/2008/perguntas/aplicfinanrenfi... Page 1 of 8 Aplicações Financeiras - Renda Fixa e Renda Variável 617 Quais são as operações realizadas nos mercados financeiro e de capital? Nesses mercados são negociados títulos, valores mobiliários

Leia mais

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011

TRIBUTAÇÃO. Atualizado em 12/2011 TRIBUTAÇÃO Atualizado em 12/2011 1 Tributação dos Fundos de Investimento Instruções Normativas SRF nº 487 (30/12/04) e nº 489 (07/01/05) Lei nº 11.033/04 2 Base de Incidência de IR Base de incidência:

Leia mais

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil

Guia Declaração Imposto de Renda 2013. Investimentos. Março de 2013. Brasil Guia Declaração Imposto de Renda 2013 Investimentos Março de 2013 Brasil Guia de Declaração IR 2013 -Investimentos 2 O dia 30/04/2013 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2013

Leia mais

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil

Guia de Declaração IR 2014. Investimentos. Março de 2014. Brasil Guia de Declaração IR 2014 Investimentos Março de 2014 Brasil Guia de Declaração IR 2014 - Investimentos O prazo de entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 tem início no dia 6 de março e o

Leia mais

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos

Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos Guia de Declaração de IR 2014- Investimentos BRASIL Guia de Declaração IR 2014- Investimentos O dia 30/04/2014 é último dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda 2014 e com o objetivo de

Leia mais

Comprovante de Rendimentos Financeiros

Comprovante de Rendimentos Financeiros Comprovante de Rendimentos Financeiros INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS MINISTÉRIO DA FAZENDA SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL INFORME DE RENDIMENTOS FINANCEIROS DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 1. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda

Tributação. Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Tributação Mercado à Vista e Day Trade, Compensação de Perdas e Declaração no Informe do Imposto Renda Índice Quem recolhe o Imposto? 3 Prazo para Recolhimento 3 Como calcular o Imposto 3 Imposto de Renda

Leia mais

GUIA IRPF Orientações Gerais

GUIA IRPF Orientações Gerais 2013 GUIA IRPF Orientações Gerais Imposto de Renda 2013 ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 6 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Perguntas Frequentes - Tributação

Perguntas Frequentes - Tributação 1. Tributação do Ganho de Capital Perguntas Frequentes - Tributação 1.1 - Como é feita a tributação dos ganhos obtidos com a alienação de ações? A tributação é feita em bases mensais, ou seja: o ganho

Leia mais

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil

Guia Declaração. Investimentos. Março de 2012. Brasil 1 Guia Declaração Imposto de Renda 2012 Investimentos Março de 2012 Brasil Guia de Declaração IR 2012 - Investimentos 2 O dia 30/04/2012 é ultimo dia para entrega da declaração anual do Imposto de Renda

Leia mais

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005

Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Nova Sistemática de Tributação no Mercado Financeiro para 2005 Ana Carolina Pereira Monguilod e Mário Shingaki Consultores tributários da Levy & Salomão Advogados No final do ano de 2004, o Governo Federal

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem.

Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. Guia IR 2012 No Banrisul, o leão não assusta. Indique o Banrisul - banco 041 - para crédito da restituição do Imposto de Renda e aproveite as vantagens que só cliente Banrisul tem. O Banrisul antecipa

Leia mais

INFORME DE RENDIMENTOS

INFORME DE RENDIMENTOS INFORME DE RENDIMENTOS Consultoria Técnica / Obrigações Acessórias Circular 06/2015 1. INTRODUÇÃO Instituído pela Instrução Normativa da Secretaria da Receita Federal sob nº 690 de 20/12/2006, as instituições

Leia mais

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas

Tributação. Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas Tributação Mercado de Derivativos, Fundos e Clubes de Investimentos, POP e Principais Perguntas 1 Índice Imposto de Renda para Mercado de Opções 03 Exemplos de Apuração dos Ganhos Líquidos - Antes do Exercício

Leia mais

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012

GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 GUIA DE TRIBUTAÇÃO OPERACIONAL V1. 04_2012 O objetivo deste material é prestar ao investidor uma formação básica de conceitos e informações que possam auxiliá-lo na tomada de decisões antes da realização

Leia mais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais

CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais CARTILHA IRPF 2016 Orientações gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 4 2 Formas e prazo de entrega 5 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 8

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos MEDIDA PROVISÓRIA Nº 206, DE 6 DE AGOSTO 2004. Altera a tributação do mercado financeiro e de capitais, institui o Regime Tributário

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003

Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Instrução Normativa SRF nº 298, de 12 de fevereiro de 2003 Aprova o formulário Resumo de Apuração de Ganhos - Renda Variável, para o exercício de 2004, ano-calendário de 2003. O SECRETÁRIO DA RECEITA FEDERAL,

Leia mais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais

COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015. IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais COMUNICADO AOS CLIENTES TRIBUTÁRIO 3.9.2015 IN 1.585/15 Tributação no Mercado Financeiro e de Capitais A Instrução Normativa nº. 1.585 de 2.9.2015 ( IN 1.585/15 ) regulamentou a tributação no Mercado Financeiro

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro

Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro Capítulo 9 Aspectos sobre Tributação no Mercado Financeiro 9.1 Apresentação do capítulo O objetivo deste capítulo é apresentar as principais características e definições da tributação de operações realizadas

Leia mais

GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais

GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais GUIA IRPF 2014 Orientações Gerais Imposto de Renda 2014 índice 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014

IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 IRPF 2014 CARTILHA IR 2014 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Curso Preparatório CPA20

Curso Preparatório CPA20 Página 1 de 8 Você acessou como Flávio Pereira Lemos - (Sair) Curso Preparatório CPA20 Início Ambiente ) CPA20_130111_1_1 ) Questionários ) Passo 2: Simulado Módulo IV ) Revisão da tentativa 3 Iniciado

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos

Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos Instrução Normativa SRF nº 25, de 6 de Março de 2001 DOU de 13.3.2001 Dispõe sobre o imposto de renda incidente nos rendimentos e ganhos líquidos auferidos em operações de renda fixa e de renda variável.

Leia mais

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF).

Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). Instrução Normativa RFB nº 907, de 9 de janeiro de 2009 DOU de 13.1.2009 Dispõe sobre o Imposto sobre Operações de Crédito, Câmbio e Seguro, ou relativas a Títulos ou Valores Mobiliários (IOF). A SECRETÁRIA

Leia mais

MANUAL DE APURAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NO MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PARA PESSOA FÍSICA. Tributação no Mercado de Renda Variável

MANUAL DE APURAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NO MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PARA PESSOA FÍSICA. Tributação no Mercado de Renda Variável MANUAL DE APURAÇÃO E DEMONSTRAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA NO MERCADO DE RENDA VARIÁVEL PARA PESSOA FÍSICA Tributação no Mercado de Renda Variável São Paulo, 05 de janeiro de 2015 Prezado (a) Investidor (a),

Leia mais

Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013. Imposto de Renda 2O14

Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013. Imposto de Renda 2O14 Imposto de Renda 2014 Pessoa Física Ano-base 2013 Imposto de Renda 2O14 Informações importantes para a sua Declaração de Imposto de Renda Exercício 2014 Ano-base 2013 Este material contém uma série de

Leia mais

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3

Cartilha Imposto de Renda 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 CARTILHA DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA 2014 ÍNDICE 1. OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO...3 2. FORMA DE ELABORAR A DECLARAÇÃO DE IRPF 2014...4 2.1 FORMAS DE ENTREGA...4 2.2 PRAZO DE ENTREGA...4 2.3 MULTA

Leia mais

IRPF 2012 Cartilha IR 2012

IRPF 2012 Cartilha IR 2012 IRPF 2012 Cartilha IR 2012 A MAPFRE Previdência desenvolveu para os participantes de plano de previdência complementar PGBL (Plano Gerador de Benefício Livre), FGB Tradicional (Fundo Gerador de Benefício)

Leia mais

Boas-vindas. Esperamos que este material facilite sua vida na hora de acertar as contas com o Leão. Boa declaração!

Boas-vindas. Esperamos que este material facilite sua vida na hora de acertar as contas com o Leão. Boa declaração! Boas-vindas A Magnetis e a ContaAzul uniram seus conhecimentos para criar este manual de declaração do Imposto de Renda. Começamos com os primeiros passos sobre seus rendimentos e depois detalhamos como

Leia mais

GUIA IRPF 2015 Orientações Gerais

GUIA IRPF 2015 Orientações Gerais Orientações Gerais ÍNDICE 1 Obrigatoriedade de entrega 5 2 Formas de entrega 6 3 Multa por atraso na entrega 8 4 Utilizando seu Informe de Rendimentos Financeiros BRADESCO 9 5 Bens e Direitos 9 6 Dividendos,

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega...

Índice 1. Obrigatoriedades... 3. 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4. 2.1 Formas de entrega... 4. 2.2 Prazo de entrega... Índice 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2013... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Quais são os limites de rendimentos que obrigam (pessoa física) a apresentação da Declaração de Ajuste Anual relativa ao ano-calendário de 2014, exercício de 2015? A

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. PIS E COFINS DAS INSTITUIÇÕES FINANCEIRAS Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 14.08.2012. Sumário: 1 ENTIDADES FINANCEIRAS 2 - DA ALÍQUOTA 3 - DA BASE DE CÁLCULO 3.1 Receitas Incorridas

Leia mais

Normas Sistema Gestão da Informação

Normas Sistema Gestão da Informação Normas Sistema Gestão da Informação Visão Anotada INSTRUÇÃO NORMATIVA RFB Nº 1585, DE 31 DE AGOSTO DE 2015 (Publicado(a) no DOU de 02/09/2015, seção 1, pág. 37) Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente

Leia mais

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO

TRIBUTAÇÃO DA CARTEIRA DO FUNDO TRIBUTAÇÃO As informações apresentadas abaixo constituem um resumo das principais considerações fiscais da legislação brasileira que afetam o Fundo e seus investidores e não têm o propósito de ser uma

Leia mais

O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2016.

O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 2016. Pág. 1 O SANTANDER QUER AJUDAR VOCÊ NA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA 26. O prazo para entrega da Declaração Anual do Imposto de Renda 26 vai até o dia 29 de abril. E, para orientá-lo nesta tarefa, preparamos

Leia mais

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco.

Para investir em ações, você precisa ser cadastrado em uma Corretora de Valores, Distribuidora ou em um Banco. PERGUNTAS FREQUENTES 1. Como investir no mercado de renda variável (ações)? 2. Como é feita a transferência de recursos? 3. Qual a diferença de ações ON (Ordinária) e PN (Preferencial)? 4. Quais são os

Leia mais

Guia Personnalité IR 2011

Guia Personnalité IR 2011 Guia Personnalité IR 2011 Índice Imposto de Renda 2011... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20

Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Solange Honorato Curso Preparatório ANBIMA - CPA-10 Curso Preparatório ANBIMA - CPA-20 Módulo VI CPA10 Demais produtos de Investimentos Pg 70 De 8 a 13 Questões na prova (15% a 25%) Demais produtos de

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.05 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 14/05/2015 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 05.04.2010 - DOU 1 de 07.04.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS

EMPRÉSTIMO DE ATIVOS EMPRÉSTIMO DE ATIVOS Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 3 4 Empréstimo de Ativos BM&FBOVESPA 1) O que é o serviço de Empréstimo de Ativos? Lançado em 1996, é um serviço por meio do qual os investidores,

Leia mais

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento

Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 1/45 Curso CPA-10 Certificação ANBID Módulo 6 Demais Produtos de Investimento Pág: 2/45 Módulo 6 - Demais Produtos de Investimento Este módulo apresenta as principais características de algumas das

Leia mais

Alterações na Poupança

Alterações na Poupança PRODUTOS E SERVIÇOS FINANCEIROS INVESTIMENTOS POUPANÇA A conta de poupança foi criada para estimular a economia popular e permite a aplicação de pequenos valores que passam a gerar rendimentos mensalmente.

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015

Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Presidente: Claudio Avelino Mac-Knight Filippi Gestão: 2014-2015 Resenha de Matérias Técnicas Nº. 847, de 08 10 2015 Matéria Especial: IMPOSTO

Leia mais

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência.

Fique atento! Chegou a hora de declarar o. Especial. Não descuide do prazo de entrega e confira como declarar seus planos de previdência. Especial IRPF 2011 Boletim Informativo dirigido a participantes de planos de previdência da Bradesco Vida e Previdência - Março de 2011 Chegou a hora de declarar o IRPF2011 Fique atento! Não descuide do

Leia mais

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011

IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA - 2011 Perguntas e Respostas 1. QUAL CONDIÇÃO TORNA A PESSOA FÍSICA OBRIGADA A APRESENTAR DECLARAÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA? Está obrigado a apresentar a declaração,

Leia mais

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10

PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 PROGRAMA DE ATUALIZAÇÃO dos Profissionais Certificados pela ANBIMA CPA-10 Controle: D.04.10.04 Data da Elaboração: 10/11/2009 Data da Revisão: 30/09/2013 Elaborado por: Certificação ANBIMA Aprovado por:

Leia mais

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza

DIRF - 2013. Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013. Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza DIRF - 2013 Fortaleza-CE, 20 de fevereiro de 2013 Plantão Fiscal da DRF/Fortaleza 1 O QUE É A DIRF? É a Declaração em que é informada à RFB: Os rendimentos pagos a pessoas físicas domiciliadas no País,

Leia mais

IV - Bens e direitos que devem ser declarados

IV - Bens e direitos que devem ser declarados IV - Bens e direitos que devem ser declarados Regra geral, devem ser relacionados nessa ficha da Declaração a totalidade dos bens e direitos que, no Brasil ou no exterior, constituam, em 31 de dezembro

Leia mais

Guia IR Personnalité 2012

Guia IR Personnalité 2012 Guia IR Personnalité 2012 Índice Imposto de Renda 2012... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais... 04 Formas de entrega... 05 Multa pelo atraso na entrega... 05 Imposto a

Leia mais

Guia IR 2016. Imposto de Renda 2016

Guia IR 2016. Imposto de Renda 2016 Guia IR 2016 Guia IR 2016 Imposto de Renda 2016 O Guia IR Itaú 2016 tem por objetivo auxiliar você no preenchimento da sua Declaração de Imposto de Renda, juntamente com as informações do Informe de Rendimentos

Leia mais

INFORMATIVO 14/2014 LEI Nº 13.043/2014: CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/2014

INFORMATIVO 14/2014 LEI Nº 13.043/2014: CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/2014 Novo Hamburgo, 14 de novembro de 2014. INFORMATIVO 14/2014 LEI Nº 13.043/2014: CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651/2014 Foi publicada hoje, no Diário Oficial, a Lei nº 13.043/2014, resultante da conversão,

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Come-Cotas Aplicações Financeiras

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Come-Cotas Aplicações Financeiras Parecer Consultoria Tributária Segmentos Come- 20/08/2015 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Portaria MF 264/1999...

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR 1 ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO BLUE STAR constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação

Leia mais

Subseção V. dos fatos geradores.

Subseção V. dos fatos geradores. I - o Capítulo I dispõe sobre a tributação das aplicações em fundos de investimento de residentes ou domiciliados no País; II - o Capítulo II dispõe sobre a tributação das aplicações em títulos ou valores

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO I - Denominação e Objetivo Artigo 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO INVESTIDORES DE PERNAMBUCO, constituído por número limitado de membros

Leia mais

Guia IR Personnalité 2015

Guia IR Personnalité 2015 Guia IR Personnalité 2015 Guia IR Personnalité 2015 Índice Apresentação Guia IR Personnalité 2015... 03 Orientações gerais... 03 Importante... 03 Identificação da fonte pagadora... 03 Dedução da contribuição

Leia mais

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos.

AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014. c) multa ou qualquer vantagem por rescisão de contratos. Até dia Obrigação AGENDA DAS OBRIGAÇÕES FEDERAIS PARA AGOSTO DE 2014 Histórico ocorridos no período de 21 a 31.07.2014, incidente sobre rendimentos de (art. 70, I, letra "b", da Lei nº 11.196/2005 ): 5

Leia mais

Coordenação-Geral de Tributação

Coordenação-Geral de Tributação Fls. 1 0 Coordenação-Geral de Tributação Solução de Consulta nº 180 - Data 25 de junho de 2014 Processo Interessado CNPJ/CPF Assunto: Obrigações Acessórias DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS

EXPOSIÇÃO DE MOTIVOS CONSULTA PÚBLICA RFB Nº 03/2015. Brasília, 20 de maio de 2015. Assunto: Minuta de Instrução Normativa que dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos

Leia mais

Murillo Lo Visco. Novatec

Murillo Lo Visco. Novatec Murillo Lo Visco Novatec Copyright 2012 da Novatec Editora Ltda. Todos os direitos reservados e protegidos pela Lei 9.610 de 19/02/1998. É proibida a reprodução desta obra, mesmo parcial, por qualquer

Leia mais

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40.

b) receberam rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma tenha sido superior a R$ 40. Vitória/ES, 23 de fevereiro de 2013. ORIENTAÇÕES PARA DECLARAÇÃO DO IRPF 2013 A partir do dia 1º março a Receita Federal começa a receber a Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física.

Leia mais

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO.

CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. Porto Alegre, 17 de fevereiro de 2012 Sr. Cliente: CHEGOU A HORA DE ACERTARMOS AS CONTAS COM O LEÃO. No período de 01 de março até 30 de abril de 2012, a RFB estará recepcionando as Declarações do Imposto

Leia mais

Cape contabilidade LUCRO REAL

Cape contabilidade LUCRO REAL 1. CONCEITO LUCRO REAL No regime do lucro real o Imposto de Renda devido pela pessoa jurídica é calculado sobre o valor do lucro líquido contábil ajustado pelas adições, exclusões e compensações prescritas

Leia mais

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução.

PRAZOS E RISCOS DE INVESTIMENTO. Proibida a reprodução. Proibida a reprodução. A Planner oferece uma linha completa de produtos financeiros e nossa equipe de profissionais está preparada para explicar tudo o que você precisa saber para tomar suas decisões com

Leia mais

Guia 2008 Itaú Personnalité

Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Itaú Personnalité Guia 2008 Índice Novidades na Declaração de IR 2008 Orientações gerais Formas de entrega Multa pelo atraso na entrega Imposto a pagar ou a restituir Como declarar as aplicações

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS I DENOMINAÇÃO E OBJETIVO ARTIGO 1º - O CLUBE DE INVESTIMENTO FIDUS constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

CALCULADORA DE IR F E R R AM E N TA C A L C U L A D O R A D E I R

CALCULADORA DE IR F E R R AM E N TA C A L C U L A D O R A D E I R F E R R AM E N TA C A L C U L A D O R A D E I R R E S U M O 2 PASSO A PASSO PASSO 1 PASSO 2 PASSO 3 PENDÊNCIA A REGULARIZAR? NÃO Acessar Menu Relatórios AÇÃO Integrar o Saldo Inicial da posição em custódia.

Leia mais

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1

a d en e R d sto o p e Im 20 d eclaração Cartilha D 1 ÍNDICE 1. Obrigatoriedades... 3 2. Forma de elaborar a declaração de IRPF 2014... 4 2.1 Formas de entrega... 4 2.2 Prazo de entrega... 4 2.3 Multa pelo atraso na entrega da declaração... 4 3. Modelos de

Leia mais

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO

MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO MANUAL PARA DECLARAÇÃO DO IMPOSTO DE RENDA PESSOA FÍSICA 2015 PLANOS DE PREVIDÊNCIA PORTO SEGURO O Manual

Leia mais

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL

IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL IC CLUBE DE INVESTIMENTO CNPJ n. 07.847.689/0001-33 ESTATUTO SOCIAL I - DENOMINAÇÃO E OBJETIVO Artigo 1 - O IC Clube de Investimento é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM

ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM ESTATUTO SOCIAL DO CLUBE DE INVESTIMENTO PLATINUM I Denominação e Objetivo Artigo 1º O Clube de Investimento PLATINUM é constituído por número limitado de membros que têm por objetivo a aplicação de recursos

Leia mais

Imposto de Renda Pessoa Física 2015

Imposto de Renda Pessoa Física 2015 Imposto de Renda Pessoa Física 2015 1 IRPF É um imposto federal brasileiro que incide sobre todas as pessoas que tenham obtido um ganho acima de um determinado valor mínimo. Anualmente este contribuinte

Leia mais

DimaiDesign. Guia IR 2015. Manual Técnico da Marca

DimaiDesign. Guia IR 2015. Manual Técnico da Marca Guia IR 2015 Índice Apresentação Orientações gerais... 03 Importante... 03 Identificação da fonte pagadora... 04 Dedução da contribuição à previdência de empregado doméstico... 04 Dependentes... 04 Entrega...

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO COPACABANA ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição, em

Leia mais

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010

Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 Instrução Normativa RFB nº 1.022, de 5 de abril de 2010 DOU de 7.4.2010 Dispõe sobre o imposto sobre a renda incidente sobre os rendimentos e ganhos líquidos auferidos nos mercados financeiro e de capitais.

Leia mais

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar:

1º Fica dispensada de apresentar a Declaração de Ajuste Anual, a pessoa física que se enquadrar: SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL DO BRASIL INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 1.246,DE 3 DE FEVEREIRO DE 2012 Dispõe sobre a apresentação da Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente ao exercício

Leia mais

Imposto de Renda sem complicação

Imposto de Renda sem complicação Imposto de Renda sem complicação A Porto Seguro Vida e Previdência desenvolveu este manual para auxiliar você no preenchimento da Declaração de Ajuste Anual do Imposto de Renda Pessoa Física 2014. Consulte

Leia mais

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2

Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 Programa de Atualização Certificação Profissional ANBIMA Série 10 (CPA-10) Versão 2.2 OBJETIVOS DA ATUALIZAÇÃO DA CPA-10 A Atualização dos profissionais certificados CPA-10 é parte do Código de Regulação

Leia mais

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL

LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL LEI N 12.973/14 (CONVERSÃO DA MP N 627/13) ALTERAÇÕES RELEVANTES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA FEDERAL A Lei n 12.973/14, conversão da Medida Provisória n 627/13, traz importantes alterações à legislação tributária

Leia mais

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2

Guia de Declaração de IRPF 2011. Ano-calendário 2010. Previdência. IR 2010 Prev e Cp_v2 Guia de Declaração de IRPF 2011 Ano-calendário 2010 Previdência IR 2010 Prev e Cp_v2 Quem é obrigado a declarar? Está obrigada a apresentar a Declaração de Ajuste Anual do Imposto sobre a Renda referente

Leia mais

Especial Imposto de Renda 2015

Especial Imposto de Renda 2015 Especial Imposto de Renda 2015 01. Durante o ano de 2014 contribuí para a Previdência Social como autônoma. Como devo fazer para deduzir esses valores? Qual campo preencher? Se pedirem CNPJ, qual devo

Leia mais

INSTRUÇÃO CVM Nº 555, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 101 ANEXO 42 MODELO DE LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS

INSTRUÇÃO CVM Nº 555, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 101 ANEXO 42 MODELO DE LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS INSTRUÇÃO CVM Nº 555, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2014 101 ANEXO 42 MODELO DE LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS LÂMINA DE INFORMAÇÕES ESSENCIAIS SOBRE O [nome de fantasia do fundo] [CNPJ do fundo] Informações

Leia mais

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas)

Notas explicativas da Administração às demonstrações financeiras Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 (Valores em R$, exceto o valor unitário das cotas) 1. Contexto operacional O CLUBE DE INVESTIMENTO CAPITAL SEGURO ( Clube ) constituído por número limitado de cotistas que tem por objetivo a aplicação de recursos financeiros próprios para a constituição,

Leia mais

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário:

DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO. Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: DIRPF 2015 - REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 13/02/2015. Sumário: 1 - INTRODUÇÃO 2 - OBRIGATORIEDADE DE APRESENTAÇÃO 2.1 - Quanto à Renda 2.2 - Ganho

Leia mais

Ajuda do Programa IRPF 2015

Ajuda do Programa IRPF 2015 / Índice / Índice Ajuda do Programa IRPF 2015 Índice Índice... 2 Declaração de Ajuste Anual... 4 Declaração de Final de Espólio... 15 Declaração de Saída Definitiva do País...27 Situações Individuais...

Leia mais

Obrigatoriedade de entrega da declaração...4

Obrigatoriedade de entrega da declaração...4 Guia IR 2014 Índice Imposto de Renda 2014...3 Obrigatoriedade de entrega da declaração...4 Orientações gerais...4 Formas de entrega...5 Multa pelo atraso na entrega...5 Imposto a pagar ou a restituir...5

Leia mais

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA

LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA LEI Nº 13.043, DE 13 DE NOVEMBRO DE 2014 LEI DE CONVERSÃO DA MEDIDA PROVISÓRIA Nº 651 ALTERAÇÕES NA LEGISLAÇÃO TRIBUTÁRIA A Medida Provisória (MP) nº 651/14 promoveu diversas alterações na legislação tributária

Leia mais